O conhecimento de HIV/AIDS entre os idosos da Unidade de Saúde da Família João Pacheco Freire Filho, Arcoverde Pernambuco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O conhecimento de HIV/AIDS entre os idosos da Unidade de Saúde da Família João Pacheco Freire Filho, Arcoverde Pernambuco"

Transcrição

1 29 O conhecimento de HIV/AIDS entre os idosos da Unidade de Saúde da Família João Pacheco Freire Filho, Arcoverde Pernambuco The knowledge of HIV/AIDS in the elderly of the Family Health Unit João Pacheco Freire Filho, Arcoverde - Pernambuco Aline Pereira da Costa¹*; Cleyse Phaine Jordão da Costa¹; Silvia Camêlo de Albuquerque¹ ¹Escola Superior de Saúde de Arcoverde, Arcoverde - PE Resumo: Estudos mostram um crescente aumento na incidência da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) na terceira idade e que pessoas desta faixa etária, não detém conhecimento suficiente sobre os riscos potenciais da doença. Mediante esta observação o presente estudo visa avaliar o conhecimento sobre a infecção pelo HIV/AIDS em idosos pertencentes a Unidade de Saúde da Família (USF) João Pacheco Freire Filho, Arcoverde-PE. Trata-se de um estudo descritivo-exploratório de abordagem quantitativa e para a técnica metodológica foi utilizada um questionário estruturado e validado aplicado em 241 idosos no período de agosto a setembro de O perfil dos idosos entrevistados revelou a predominância do sexo feminino, baixa escolaridade, religião católica e baixa renda familiar. A avaliação do conhecimento evidenciou que 65,2% dos entrevistados acreditam que o vírus do HIV/AIDS é transmitido por picada de mosquito, e que 82,1% dos idosos sabem que o uso da mesma seringa e agulha por diversas pessoas transmite AIDS. Em relação à prática sexual 90,0% dos participantes de ambos os sexos relataram não fazer uso do preservativo. Concluiuse que a população com idade acima de 60 anos mostrou, em sua maioria, um conhecimento pouco satisfatório diante do questionário aplicado. Palavras-chave: Terceira idade. Sexualidade. DSTs. Prevenção. Abstract: Researches show an increasing incidence of infection by human immunodeficiency virus (HIV) in older people and that them do not hold sufficient knowledge about the potential risks of the disease. Through this observation, the present research aims to assess knowledge about HIV/AIDS in older people belonging to the Family Health Unit (FHU) João Pacheco Freire Filho, Arcoverde - PE. This is an exploratory-descriptive study of quantitative approach and for the methodological technique was used a questionnaire structured and validated, applied to 241 elderly in the period August to September The profile of the elderly respondents showed the predominance of female gender, low education, low income family and Catholic religion. The knowledge evaluation showed that 65,2% of respondents believe that the HIV/AIDS virus is transmitted by mosquito bite, and that 82,1% of the elderly know that using the same syringe and needle by several people spread the AIDS virus. Regarding sexual practices, 90,0% of the participants of both sexes reported not using condoms. It was concluded that the population over 60 years old showed, in the most of cases, an unsatisfactory knowledge about the questionnaire. Keywords: Elderly. Sexuality. STDs. Prevention. *Autor para correspondência: Aline Pereira da Costa. Rua Gumercindo Cavalcanti, nº 420. Bairro: São Cristovão,CEP: Arcoverde, PE.

2 30 1 INTRODUÇÃO O crescimento da população idosa é um fenômeno mundial e, no Brasil, as modificações ocorrem de forma radical e bastante acelerada. Segundo projeções, a população mundial de idosos, em 2050, atingirá o índice de 2 bilhões de idosos e o Brasil será o sexto país do mundo em número de idosos, com um contingente superior a 30 milhões de pessoas, que corresponde a 25% da população geral (MAGALHÃES et al, 2011). Esta realidade tem repercussão para a sociedade como um todo, e no cenário nacional reflete na demanda por ações diferenciadas voltadas a proporcionar um atendimento adequado às necessidades particulares desta população. A insuficiência na assistência aos problemas de saúde típicos na terceira idade tem contribuído para o aumento da prevalência de doenças crônicas não transmissíveis. Contudo, um novo evento tem apresentado relevância nesse contexto, e refere-se a mudanças percebidas no curso da epidemia de Síndrome da Imunodeficiência Humana Adquirida (AIDS), uma doença transmissível, que tem tido um aumento no número de casos entre idosos. Embora não seja a faixa etária mais acometida pela AIDS, os casos confirmados nessa população crescem, no Brasil, como em nenhuma outra faixa etária. Um estudo que analisou as características dos casos de AIDS em pessoas com idade igual ou maior que 50 anos, em Pernambuco, apontou que o número de casos no grupo mais velho (50 anos e mais), aumentou de 19 casos em 1990 para 57 casos em 2000, o que corresponde ao aumento da taxa de incidência por habitantes de 4,2 para 9,5 (POTTES et al., 2007). Dentre alguns fatores que são associados ao crescimento da incidência da AIDS em pessoas mais velhas, Bertoncini et al. (2007) ressaltam que a falta de conhecimento da população em relação a esta situação contribui para o aumento da epidemia, como também consideram a crescente atuação de adultos maiores de 50 anos na vida social ao participarem de bailes e/ou clubes de terceira idade, um ato de exposição. Indubitavelmente, o número de relações sexuais nessa faixa etária e a busca de um melhor desempenho sexual têm aumentado, haja vista a crescente disponibilidade de medicamentos voltados para este fim, principalmente para os homens. Essa mudança no comportamento sexual dos idosos não constitui, por si só, uma problemática para a saúde pública, contudo, a concepção arraigada na sociedade de que sexo é prerrogativa da juventude, coopera para o caráter excludente dos grupos populacionais com idade superior a 50 anos das atividades educativas de prevenção das Doenças sexualmente transmissíveis (DST) e AIDS (POTTES et al, 2007) e, ainda, conforme Perez e Gasparini (2005) deixam-nos mais vulneráveis a contraírem infecções sexualmente transmissíveis dentre elas, a infecção pelo vírus da imunodeficiência humana HIV/AIDS. Acompanhando essa nova situação, o modo de transmissibilidade do HIV entre a população idosa vem sofrendo modificações. De acordo com Prilip (2004), Ory e Mack (1998 apud BARE et al. 2006), até meados da década de 1980 a principal forma de transmissão era a sanguínea, representando o mais importante fator de risco para a transmissão do HIV em pessoas com mais de 60 anos, contudo, no século atual a maioria dos casos de AIDS em pacientes desta faixa etária é atribuída ao contato sexual ou ao uso de drogas injetáveis. Conforme visto, a via sexual representa uma importante forma de contaminação da infecção pelo HIV, fato este que demonstra a necessidade de incorporação, nas ações de prevenção mediada pelas políticas públicas, da saúde sexual dos idosos. Soares et al. (2002 apud Leite et al., 2007) ressaltam nos seus estudos que, em relação ao sexo seguro as mulheres possuem o maior cuidado

3 31 vinculando-se à possibilidade de uma gravidez, mas na velhice essa situação deixa de acontecer e com isso, vivencia-se uma maior liberação no exercício da sexualidade sem qualquer precaução em termos de prevenção. Ao considerar a proeminência desta prática, o incentivo ao uso do preservativo pelos idosos torna-se de fundamental importância, uma vez que os aspectos relativos às DSTs e HIV/AIDS parecem não causar a necessária preocupação nessa parcela da população. Lisboa (2006) e Araujo et al. (2008) apontam para a necessidade da realização de campanhas pelos profissionais de saúde da atenção básica sobre o uso do preservativo nas relações sexuais em pessoas com idade acima de 60 anos, e explicam que os profissionais ainda são reticentes e raramente indagam sobre a sexualidade do idoso, não suspeitam da possibilidade da contaminação pelo HIV e assim, retardam o diagnóstico da doença. Complementarmente, Lazzarotto et al. (2008) enfatizam que há uma falta de conhecimento relacionado à AIDS em idosos, e a partir desta carência, torna-se absolutamente preciso o desenvolvimento de estudos nesta área, pois o conhecimento é importante tanto para a diminuição do preconceito com portadores do HIV quanto para medidas de prevenção. Considerando tais esclarecimentos, o presente estudo procedeu com a análise sobre o padrão do conhecimento da população idosa pertencente a uma Unidade de Saúde do município de Arcoverde a respeito da infecção pelo HIV/AIDS. 2 METODOLOGIA Trata-se de um estudo de natureza descritivo-exploratória realizado em uma Unidade de Saúde da Família (USF) denominada João Pacheco Freire Filho, que presta assistência ao segundo maior número de idosos do município de Arcoverde. A população elegível para o estudo foi constituída por 243 indivíduos de 60 anos e mais de idade que representavam 37% do total de 656 idosos cadastrados e residentes na área de cobertura da referida USF (SIAB, 2010). O número do tamanho da amostra (n = 243) foi calculado pela calculadora estatística Raosoft, utilizando como parâmetros um grau de confiança de 95%, um erro máximo tolerado de 5% e na falta de dados, a prevalência estimada do grau de conhecimento dos idosos sobre HIV/AIDS de 50%. Para a coleta de dado, realizou-se entrevista domiciliar que identificou os indivíduos com 60 anos de idade e mais, convidados a participar da pesquisa. Aqueles que a aceitaram e assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido foram entrevistados com base em um questionário estruturado e validado por Lazzarotto et al., (2008) denominado QHIV3I com 17 questões relativas à AIDS. As seguintes variáveis foram consideradas: demográficas-sexo feminino ou masculino), idade (em anos), situação conjugal (presença de companheiro); socioeconômicas incluindo renda mensal individual, escolaridade e religiosidade; conhecimento sobre HIV/AIDS: - vírus causador, meios de transmissão, prevenção, vulnerabilidade, diagnóstico e tratamento; ocorrência da utilização de preservativo; realização do teste para detecção de anticorpos do HIV e prática de sexo com parceiro único. Para a demonstração do comportamento de risco com relação à contaminação pelo HIV os seguintes critérios foram considerados como atitude favorável à contaminação: O não uso da camisinha e a prática sexual com múltiplos parceiros. E, como atitude desfavorável à contaminação: o uso da camisinha e único parceiro sexual. Os dados levantados pelo questionário foram consolidados no programa Microsoft Office Excel 2007 que foi utilizado também para a elaboração de tabelas e figuras. A análise foi realizada por meio de estatísticas descritivas como frequência, percentual e média. A

4 32 discussão foi feita à luz dos conhecimentos sobre o tema e achados no banco de dados levantados na pesquisa. O presente trabalho foi submetido e recebeu a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Associação Caruaruense de Ensino Superior (ASCES) de acordo com o parecer Nº080/11 por estar de acordo com as normas da Resolução 196/1996 da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa/Conselho Nacional de Saúde (CONEP/CNS). 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Nesse estudo foram entrevistados 243 idosos cadastrados na USF João Pacheco Freire Filho, tendo havido perda amostral de 0,8%. O total efetivo foi de 241 entrevistas analisadas. A perda amostral ocorreu porque 02 instrumentos foram insatisfatoriamente respondidos. A caracterização sócio demográfica dos participantes revelou que (60,6%) eram do sexo feminino, em sua maioria pertencem à religião católica (89,2%), são analfabetos (55,2%) e possuem uma renda mensal de um salário mínimo (91,7%). A ausência do companheiro (57,5%) predominou entre as idosas (Tabela 1). Tabela 1 - Caracterização do perfil sócio demográfico dos idosos da Unidade de Saúde João Pacheco Freire Filho, da zona Urbana. Arcoverde, PE, Mulheres Homens Total Variáveis N = 146 % N= 95 % N= 241 % Religião Católica , ,91 87, ,2 Evangélica 14 9,6 51, , Sem Religião ,68 2,1 02 0,8 Escolaridade Nenhuma 81 55, , ,2 1 a 3 anos 40 27,4 1, , ,3 4 a 7 anos 21 14, , ,1 8 a 11 anos 03 2,0 55, ,1 05 2,0 + de 12 anos 01 0, ,4 Renda 1 salário , , ,7 1 a 3 salários 08 5, ,6 18 7,5 4 a 6 salários 01 0,7 01 1,0 02 0,8 Companheiro (a) Sim 62 42, ,2 Não 84 57, ,8 Fonte: Os autores, A maior representação feminina é frequente nos estudos que abrangem essa população. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística mostram que, no Brasil, há uma razão de 100 mulheres idosas para 82 homens idosos (IBGE, 2010). Esta relação pode ser atribuída à morte prematura de homens levando em consideração algumas causas externas, tais como: acidentes, principalmente automobilísticos, problemas cardiovasculares e violência em centros urbanos, mais comuns em homens que em mulheres.

5 33 Em seu estudo, Santos e Oliveira (2010) encontraram um índice de idosos sem escolaridade de 21,1% em Taguatinga/DF; Santos e Mattos (2011) em Guaramiranga/CE apresentaram o resultado de 42,7% e Feliciano et al. (2004) em São Carlos/SP mostraram que o analfabetismo é de 50,0%, todos inferiores ao do nosso estudo (55,2%). Sendo assim, é difícil inferir um único fator causal para este evento. O fato é que o percentual de idosos sem escolaridade colabora para o comprometimento da compreensão de informações mediadas por profissionais de saúde acerca de processos patológicos, imunização, prevenção, dentre outros, e revela um potencial de contaminação à doença, sinalizado por Fonseca et al. (2000) ao observar que a AIDS no Brasil iniciou-se em pessoas de alta escolaridade, avançando para um menor grau de escolaridade com o passar do tempo. A renda familiar dos idosos mantém uma relação diretamente proporcional à escolaridade, ou seja, quanto menor for a média de anos de estudo, menor a renda (SANTOS e OLIVEIRA, 2010). A representação de idosos que não usufruem de uma união estável pode ser avaliada como um risco maior de exposição a doenças de transmissão sexual, dentre estas o HIV/AIDS. Em primeiro lugar, uma das causas seria a vivência sexual mais ativa e desembaraçada que essa população vem praticando, conforme Lisboa (2006). Em segundo lugar, Gott (2006) refere o crescimento da terapia médica da sexualidade com propostas diferenciadas de resolutividade nas diversas disfunções sexuais, e também, o aumento das taxas de re-matrimônio, contudo, com uma nova apresentação: há uma tendência crescente de vida íntima, mas de não-coabitação nas relações entre as pessoas mais velhas. Para Zornitta (2008), essas mudanças de valores, de atitudes e de comportamentos, ficam ainda mais evidentes ao se constatar que as taxas de infecções sexualmente transmissíveis, inclusive o HIV estão aumentando rapidamente entre pessoas com mais de 50 anos. A tabela 2 apresenta os dados referentes ao conhecimento dos idosos acerca dos domínios conceito e transmissão da AIDS. Tabela 2 Conhecimento sobre a infecção HIV/AIDS nos idosos cadastrados na USF João Pacheco Freire Filho, Arcoverde-PE, Variáveis Valores O vírus HIV é o causador da AIDS? Domínio Conceito Verdadeiro 98 40,7 Falso 10 4,1 Não Sei ,2 A pessoa com o vírus da AIDS sempre apresenta os sintomas da doença? Verdadeiro 81 33,7 Falso 64 26,5 Não Sei 96 39,8 O vírus da AIDS é identificado através de exames de laboratório? Verdadeiro Falso Não Sei N 241 %

6 34 Continua Variáveis Domínio Transmissão O vírus da AIDS pode ser transmitido por sabonetes, toalhas e assentos sanitários? Valores Verdadeiro Falso Não Sei O vírus da AIDS pode ser transmitido por abraço, beijo no rosto, beber no mesmo copo? Verdadeiro Falso Não Sei O vírus da AIDS pode ser transmitido por picada de mosquito? Verdadeiro ,2 Falso 35 14,5 Não Sei 49 20,3 Fonte: Os autores, No domínio conceito 55,2% dos entrevistados afirmou não saber se o vírus HIV é o causador da AIDS, demonstrando assim nenhuma posição a esse respeito. O que implica dizer na existência de um déficit acerca deste assunto, haja vista que em estudo semelhante Lazarotto et al., (2008) observou um maior percentual de acertos nessa questão quando 77,7% dos respondentes apresentaram ser verdadeiro. As questões relacionadas às formas de transmissão do HIV por vias parenterais revelaram que 65,2% dos idosos acreditam na transmissão do vírus pela picada de mosquito e 40% disseram ser possível adquirir o vírus da AIDS pelo abraço, beijo no rosto e bebendo no mesmo copo, isso reforça a visão de que ainda existe uma interpretação errônea por parte dos idosos quanto às maneiras de contágio da doença. A Tabela 3 apresenta os dados referentes ao conhecimento dos idosos acerca dos domínios prevenção, vulnerabilidade e tratamento da AIDS. Tabela 3 Conhecimento sobre a infecção HIV/AIDS nos idosos cadastrados na USF João Pacheco Freire Filho, Arcoverde-PE, Variáveis Valores Domínio prevenção N % 241 A pessoa que usa camisinha nas relações sexuais impede a transmissão do vírus da AIDS? Verdadeiro ,2 Falso 50 20,7 Não Sei 63 26,1 Existe uma camisinha específica para as mulheres? Verdadeiro ,8 Falso 27 11,2 Não sei 95 39,4

7 35 Continua Variáveis Valores O uso da mesma seringa e agulha por diversas pessoas transmite AIDS? Verdadeiro Falso 4 02 Não Sei Domínio vulnerabilidade A AIDS é uma doença que ocorre somente em homossexuais masculinos, prostitutas (os) e usuários (as) de drogas? Verdadeiro Falso Não Sei Os indivíduos da terceira idade não devem se preocupar com a AIDS, pois ela atinge apenas jovens? Verdadeiro Falso Não Sei Domínio tratamento A AIDS é uma doença que tem tratamento? Verdadeiro Falso Não Sei A AIDS é uma doença que tem cura? Verdadeiro 49 20,3 Falso ,2 Não Sei 59 24,5 Fonte: Os autores, Sobre o domínio prevenção e vulnerabilidade, 82% dos idosos apresentaram conhecimento adequado sobre a transmissão de o vírus ocorrer através de agulhas e seringas. Quando interrogados se a AIDS é uma doença que ocorre somente em homossexuais masculinos, prostitutas (os) e usuários (as) de drogas, 53% dos participantes responderam que a alternativa era falsa. Dentre os entrevistados, 50% destacaram que pessoas com idade acima de 60 anos devem se preocupar com a AIDS, pois esta é uma doença que ocorre em qualquer indivíduo. Hinrichsen (2005), ainda relaciona que a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) há décadas esteve restrita a grupos de risco ou fatores de risco relacionados (homossexuais masculinos, usuários de drogas injetáveis), contudo, atualmente comporta-se de maneira distinta, não se limitando a faixa etária, sexo, raça ou classe social, mas relacionando-se aos comportamentos de risco das pessoas (práticas sexuais com muitos parceiros sem proteção, compartilhar seringas/agulhas durante o uso de drogas injetáveis). Em relação ao tratamento da AIDS, 55,2% dos idosos expuseram que a doença não tem cura, sendo um resultado inferior ao estudo de Silva et al. (2009) em que 79% das pessoas da mesma faixa etária referiram que a AIDS não tem cura. A abordagem sobre o comportamento de risco dos idosos para a contaminação do HIV esta apresentada nos Figuras 1 e 2.

8 36 Figura 1 - Percentual de idosos da USF João Pacheco Freire Filho, que referem não utilizar o preservativo na relação sexual. Arcoverde-PE, % Uso de Camisinha NÃO SIM 90% Fonte: Os autores, O indicador que revelou maior vulnerabilidade entre os idosos na aquisição da infecção pelo vírus HIV é o não uso do preservativo por 90% dos entrevistados (Figura 1), apesar de 53,2% (Tabela 3) acreditarem que o uso do preservativo impede a contaminação pelo vírus causador da AIDS. Sobre o não uso da camisinha entre idosos, Sousa (2008) descreve que os fatores que contribuem para esta conduta são as mudanças de ereção do pênis nos homens, e, nas mulheres as mudanças que acontecem no sistema reprodutor por causa da idade e por não temerem a gravidez indesejada. No entanto, Leite et al. (2007) ainda colocam outro ponto a ser considerado: os idosos que possuem companheiro (a) estável para os quais há uma percepção de menor vulnerabilidade entendem que não estariam expostos, uma vez que comumente mantêm um único parceiro (a), nesta condição parece haver uma opção da pessoa idosa pelo não uso de preservativos, pois possuem uma relação de confiança e compartilham da idéia de que é desnecessário adotar qualquer método de prevenção de DSTs e HIV/AIDS. A prática sexual com único parceiro obteve o percentual de 60,6% (Figura 2), e assim parece concordar com a afirmação anterior, uma vez que é possível correlacionar a obtenção do alto percentual de não uso da camisinha (90%) entre os idosos do estudo com o fato da maioria deles ter um único parceiro. A situação abordada sobre a realização do teste anti-hiv mostrou que 93,8% dos idosos nunca haviam realizado o exame, (não visualizado em tabela), subtende-se que seja pela circunstância da falta de informação ou pelo próprio preconceito em realizar o teste, que acabam por influenciar em retardar o diagnóstico da infecção pelo vírus HIV. Em seu estudo Paiva et al. (2006) observaram que o percentual de pessoas que realizaram o teste anti-hiv cresceu significativamente nos últimos anos, passando de 20% em 1998 para 32,9% em 2005, contudo, a maior parte da população testada é composta por mulheres na faixa etária de 25 a 39 anos, defendem ainda que este percentual só se submeta ao exame tendo em vista que é uma consequência da incorporação do teste na rotina do prénatal.

9 37 Figura 2. Percentual de idosos da USF João Pacheco Freire Filho, que referiram ter ou não relação sexual com parceiro único. Arcoverde-PE, Prática Sexual com Único Parceiro 1,2% 38,2% 60,6% SIM NÃO NUNCA TEVE Fonte: Os autores, CONSIDERAÇÕES FINAIS Concluiu-se através do estudo que o conhecimento dos idosos apresentou-se pouco satisfatório ao se observar em todos os domínios referentes à compreensão da AIDS percentuais desfavoráveis em questões básicas necessárias ao reconhecimento da doença. Apesar disso alguns aspectos apresentaram adequado entendimento, como a transmissão do vírus acontecer através do compartilhamento de seringa e agulhas (82%) e que a AIDS não tem cura (55,2%). A evidência de lacunas no conhecimento dessa população e o não uso de preservativos a caracteriza como vulnerável na aquisição não apenas da AIDS, como também de outras doenças sexualmente transmissíveis, sendo necessárias ações no campo da prevenção na terceira idade, no sentido de reverter à tendência das DST/AIDS. Constitui, então, um desafio à saúde pública a criação de recursos para uma abordagem direta a esta parcela da população, a partir de estratégias educativas, realizadas por indivíduos habilitados, podendo promover uma mudança no comportamento dos idosos, principalmente quanto às formas de transmissão e prevenção da infecção pelo HIV. REFERÊNCIAS ARAUJO, V. L. B. et al. Características da AIDS na terceira idade em um hospital de referência do Estado do Ceará, Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, v.13, n. 6, p , BARE, B. G.; SMELTZER, S. C. Cuidados de saúde do idoso. In: Brunner e Suddarth. Tratado de enfermagem médico-cirúrgico. 10. ed. Guanabara Koogan. p. 216, BERTONCINI, B. Z. et al Comportamento sexual em adultos maiores de 50 anos infectados pelo HIV. Jornal brasileiro de doenças sexualmente transmissíveis, v.2, n.19, p , FELICIANO A. B. et al. O perfil do idoso de baixa renda no município de São Carlos. Cadernos de Saúde Pública, v.20, n.6, p , FONSECA, M. G. et al. Grau de escolaridade no Brasil: evolução temporal

10 38 de 1986 a Caderno de Saúde Pública, v. 16, n. 1, p , GOTT, M. Sexual health and the new ageing.age and Ageing, v. 35, n.2, p , HINRICHSEN, S. L. Livro Doenças Infecciosas e Parasitárias. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005,1136 p. IBGE, Censo Demográfico 2010: Distribuição da população por idade e sexo. Resultados do universo, LAZZAROTTO, A. R. et al. O conhecimento de HIV/AIDS na terceira idade: estudo epidemiológico no Vale dos Sinos, Rio Grande do Sul, Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, v. 3, n. 6, p. 1-13, LEITE, M. T. et al. Doenças sexualmente transmissíveis e HIV/AIDS na opinião de idosos que participam de grupos de terceira idade. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.10, n.3, p , LISBOA, M. E. S. A invisibilidade da população acima de 50 anos no contexto da epidemia HIV/AIDS. Resumos dos trabalhos apresentados no 7 Virtual Congresso [2006]. Disponível em: <www.aidscongress.net/article.php?idcomi nicacao=285>. Acesso em: 04 abr MAGALHÃES, A. P. R. et al. A mortalidade de idosos no Recife: quando o morrer revela desigualdades. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 20, n. 2, p , PAIVA V. et al. O direito à prevenção e os desafios da redução da vulnerabilidade ao HIV no Brasil. Revista de Saúde Pública, v.40, n.l, p , PEREZ, B. F. A.; GASPARINE, S. M. A vivência do idoso no processo de envelhecer e o HIV/AIDS: uma reconstrução dupla em suas possibilidades e limites. Jornal Brasileiro de AIDS, v. 6, n. 3, p , POTTES, F. A. et al. AIDS e envelhecimento: características dos casos com idade igual ou maior que 50 anos em Pernambuco. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 10, n. 3, p , PRILIP, N. B. A. AIDS atinge idosos. Portal do envelhecimento, Disponível em: <http//www.portaldoenvelhecimento.net/pf orum/aids2.htm>. Acesso em: 29 mar SANTOS, M. A. B.; MATTOS, I. E. Condições de vida e saúde da população idosa do município de Guaramiranga- CE. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 20, n. 2, p , SANTOS, Z. M. G.; OLIVEIRA, M. L. C. Avaliação dos conhecimentos, atitudes e práticas dos idosos sobre a vacina contra a Influenza, na UBS, Taguatinga, DF, Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 19, n. 3, SIAB 2010, Sistema de Informação da Atenção Básica. Secretaria Municipal de Saúde. Departamento de Atenção Básica Arcoverde, SILVA, J. L. ET al. Avaliação do Conhecimento sobre HIV/AIDS na população maior de 50 anos em cidades do Vale do Paraíba. XIII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e IX Encontro Latino Americano de Pós- Graduação Universidade do Vale do Paraíba, monografia. p. 1-6, SOUSA, J. L. Sexualidade na terceira idade: uma discussão da AIDS, envelhecimento e medicamento para disfunção erétil. Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, v. 20, n. 1, p , 2008.

11 39 ZORNITTA, M. Os novos idosos com AIDS: sexualidade e desigualdades a luz da bioética p. Dissertação Mestrado em Ciências na área de Saúde Pública - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro.

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Número de casos de AIDS no Brasil 77.639 433.067 37.968 13.200 572 Região Sul RS POA NH Localidades BRASIL.

Leia mais

AUTOR(ES): JESSICA LOPES DE SOUZA, BRUNA KASAKEVICIUS ARCARI, EDPAULA BATISTA DE SOUZA, GRAZIELE SILVA ALESSANDRO

AUTOR(ES): JESSICA LOPES DE SOUZA, BRUNA KASAKEVICIUS ARCARI, EDPAULA BATISTA DE SOUZA, GRAZIELE SILVA ALESSANDRO TÍTULO: AIDS E HIV: INORMAÇÃO, COMPREENSÃO E ATITUDE DOS IDOSOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU AUTOR(ES): JESSICA LOPES

Leia mais

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB Nívea Maria Izidro de Brito (UFPB). E-mail: niveabrito@hotmail.com Simone

Leia mais

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO SATO, Camila Massae 1 Palavras-chave: Idoso, AIDS, conhecimento Introdução A população idosa brasileira

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE HIV/AIDS NA POPULAÇÃO MAIOR DE 50 ANOS EM CIDADES DO VALE DO PARAÍBA

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE HIV/AIDS NA POPULAÇÃO MAIOR DE 50 ANOS EM CIDADES DO VALE DO PARAÍBA AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE HIV/AIDS NA POPULAÇÃO MAIOR DE 50 ANOS EM CIDADES DO VALE DO PARAÍBA Silva, J. L.¹; Gomes, R. S.²; Filipini S. M. 3 ; Ferreira, F. C. 4 ; Univap/Enfermagem. Rua Alcides

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL Tacilla Maria Rodrigues Pereira¹(tacilla90@hotmail.com) Milene Evaristo Pereira¹(Milene.trab@gmail.com) Nicole Cristine Diniz de Medeiros Dutra¹ (nicole_dutra@hotmail.com)

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 10 20 O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS GONÇALVES, B.F.da S.¹; DE BRITO, D.M.¹; PEDRO, E. M. ¹; CALVO, F.L.M.¹; SPERLICH,

Leia mais

Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2

Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2 Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2 Resumo: O presente trabalho tem por intuito analisar os fatores que condicionam o aumento da vulnerabilidade da transmissão do vírus do HIV entre

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST. ano VIII nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO ISSN 1517 1159 AIDS DST ano VIII nº 01 27ª a 52ª semanas epidemiológicas - julho a dezembro de 2010 01ª a 26ª semanas epidemiológicas - janeiro a junho de 2011 2012. Ministério

Leia mais

FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB

FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB FEMINIZAÇÃO DO HIV/AIDS: UMA ANÁLISE (PERFIL) JUNTO A REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO CAMPINA GRANDE PB Elizângela Samara da Silva 1 Adália de Sá Costa 2 Anna Marly Barbosa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

O retrato do comportamento sexual do brasileiro

O retrato do comportamento sexual do brasileiro O retrato do comportamento sexual do brasileiro O Ministério da Saúde acaba de concluir a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. Entre os meses de setembro e novembro de

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE 1 Discente de graduação do curso de Biomedicina 2 Doutoranda Docente das Faculdades Integradas

Leia mais

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

AIDS Preocupa Terceira Idade 1. Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR

AIDS Preocupa Terceira Idade 1. Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR AIDS Preocupa Terceira Idade 1 Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR RESUMO Os primeiros casos de HIV, vírus da síndrome da imunodeficiência

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS Maria Thereza Ávila Dantas Coelho 1 Vanessa Prado Santos 2 Márcio Pereira Pontes 3 Resumo O controle

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO:

Leia mais

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE MARIA BEATRIZ DREYER PACHECO Membro do MOVIMENTO NACIONAL DAS CIDADÃS POSITHIVAS Membro do MOVIMENTO LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE MULHERES

Leia mais

O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS MARIA THEREZA ÁVILA DANTAS COELHO 1 VANESSA PRADO DOS SANTOS 2 GLEICE KELLY SANTOS ALMEIDA 3 RESUMO O objetivo deste trabalho é discutir as mudanças

Leia mais

Autor(es) PATRÍCIA GONÇALVES SILVEIRA. Orientador(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) PATRÍCIA GONÇALVES SILVEIRA. Orientador(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica AIDS: AVALIANDO COMPORTAMENTOS E VULNERABILIDADE EM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA: IDENTIFICAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE O CONTROLE,

Leia mais

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM Prof. Rivaldo lira 1 2 Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas. a) São corretas apenas as afirmativas 1 e 2. b) São corretas

Leia mais

SEXUALIDADE, IDOSO E AIDS: NOTAS PARA O DEBATE 1

SEXUALIDADE, IDOSO E AIDS: NOTAS PARA O DEBATE 1 SEXUALIDADE, IDOSO E AIDS: NOTAS PARA O DEBATE 1 INTRODUÇÃO Andrea Macêdo 2 Ana Gabriela Victa 3 Daniele Oliveira 4 Com o advento do século XXI, em que imperam as eras da informação e tecnologia de ponta,

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006.

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. 1 ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. Adriana Paim da Silva 1,2 ; Andrea Brígida de Souza 1,2

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase.

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase. O que são DSTs? DSTs significa, doenças sexualmente transmissíveis, que são passadas nas relações sexuais com pessoas que estejam com essas doenças. São DSTs, a gonorréia, a sífilis, a clamídia, o herpes

Leia mais

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Fabiana Medeiros de Brito (NEPB/UFPB). E-mail: fabianabrito_@hotmail.com Eveline de Oliveira Barros (NEPB/UFPB). E-mail: evinhabarros@gmail.com

Leia mais

Caracterização do portador de HIV/AIDS acima de 50 anos

Caracterização do portador de HIV/AIDS acima de 50 anos 173 RELATO DE EXPERIÊNCIA Caracterização do portador de HIV/AIDS acima de 50 anos Characterization of the individual with HIV / AIDS over 50 years Claudia Lysia de Oliveira Araújo Luciene Fernandes Moura

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 SÍFILIS NA GESTAÇÃO: UMA ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA A PARTIR DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PR Fabiana Luize Kopper 1 Cláudia Ross 2 INTRODUÇÃO A sífilis na gestação

Leia mais

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids 1 a Aids reduz a imunidade A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids ou SIDA) não é a doença. Ela reduz a imunidade devido à ação

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010.

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. Larissa de Oliveira Abrantes 1 ; Amanda Cristina Souza

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

Aconselhamento não é dar conselhos! Como fazer o aconselhamento? A importância do teste anti-hiv e do aconselhamento nas Unidades Básicas de Saúde

Aconselhamento não é dar conselhos! Como fazer o aconselhamento? A importância do teste anti-hiv e do aconselhamento nas Unidades Básicas de Saúde Sumário 05 07 07 07 09 10 12 12 12 14 17 17 17 18 19 19 21 21 Apresentação O que é aconselhamento? Aconselhamento não é dar conselhos! Como fazer o aconselhamento? A importância do teste anti-hiv e do

Leia mais

Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais

Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais Elisabeth Anhel Ferraz César Schwenck Inês Quental Palavras-chave: homossexualidade; comportamento sexual; Aids; risco.

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de transmissão... 6 Acidentes ocupacionais com materiais

Leia mais

Autor(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Co-Autor(es) JOSÉ EDUARDO DA FONSECA MARIA IMACULADA DE LIMA MONTEBELLO. 1. Introdução

Autor(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Co-Autor(es) JOSÉ EDUARDO DA FONSECA MARIA IMACULADA DE LIMA MONTEBELLO. 1. Introdução 9º Congresso de Pesquisa AIDS: AVALIANDO COMPORTAMENTOS E VULNERABILIDADE EM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA: IDENTIFICAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE O CONTROLE, DISSEMINAÇÃO,

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

TÍTULO: HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE: AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO E PERCEPÇÃO DE RISCO NO MUNICÍPIO DE SANTOS

TÍTULO: HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE: AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO E PERCEPÇÃO DE RISCO NO MUNICÍPIO DE SANTOS TÍTULO: HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE: AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO E PERCEPÇÃO DE RISCO NO MUNICÍPIO DE SANTOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Comunicação e Mídia Pesquisa Instituto Patrícia Galvão IBOPE, em parceria com o UNIFEM ATITUDES FRENTE AO CRESCIMENTO DA AIDS NO BRASIL Aumento da AIDS em mulheres está entre

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

TÍTULO: HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA COMPARAÇÃO DE SUA INCIDÊNCIA NACIONAL E COMPORTAMENTO DA TERCEIRA IDADE NO MUNICÍPIO DE CATANDUVA

TÍTULO: HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA COMPARAÇÃO DE SUA INCIDÊNCIA NACIONAL E COMPORTAMENTO DA TERCEIRA IDADE NO MUNICÍPIO DE CATANDUVA TÍTULO: HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA COMPARAÇÃO DE SUA INCIDÊNCIA NACIONAL E COMPORTAMENTO DA TERCEIRA IDADE NO MUNICÍPIO DE CATANDUVA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA

Leia mais

Palavras-chave: HIV/AIDS; Maturidade; Velhice; Cotidiano; Discurso.

Palavras-chave: HIV/AIDS; Maturidade; Velhice; Cotidiano; Discurso. ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DO COTIDIANDO DE PESSOAS SOROPOSITIVAS AO HIV/AIDS NA MATURIDADE E NA VELHICE Josevânia da Silva; Ana Alayde Werba Saldanha Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa PB, Brasil.

Leia mais

AIDS DEPOIS DOS 50: UM NOVO DESAFIO PARA AS POLÍTICAS DE SAÚDE PÚBLICA

AIDS DEPOIS DOS 50: UM NOVO DESAFIO PARA AS POLÍTICAS DE SAÚDE PÚBLICA AIDS DEPOIS DOS 50: UM NOVO DESAFIO PARA AS POLÍTICAS DE SAÚDE PÚBLICA Introdução Desde o início da epidemia, nos anos 80, a Aids exige dos governos competência para levar a mensagem do sexo seguro ao

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB

CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB Macilene Severina da Silva 1 (merciens@zipmail.com.br); Marcelo R.da Silva 1 (tcheillo@zipmail.com.br); Analice M.

Leia mais

ESSA CAMPANHA VAI COLAR!

ESSA CAMPANHA VAI COLAR! ESSA CAMPANHA VAI COLAR! O selo postal é um importante veículo de comunicação dos valores de uma sociedade. Com a emissão dos 8 (oito) selos apresentados nesta Cartilha, os Correios, por meio da Filatelia,

Leia mais

ANÁLISE DA PESQUISA DE CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS NA POPULAÇÃO CAMPOGRANDENSE.

ANÁLISE DA PESQUISA DE CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS NA POPULAÇÃO CAMPOGRANDENSE. ANÁLISE DA PESQUISA DE CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS NA POPULAÇÃO CAMPOGRANDENSE. GISELE MARIA BRANDÃO DE FREITAS 1 INTRODUÇÃO Campo Grande é um município brasileiro, capital do estado de Mato Grosso

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV.

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV. SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE: A EPIDEMIA DA AIDS EM ADOLESCENTES NO BRASIL, 2001-2010. KOGLIN, Ilivelton Martins 1 ; TASSINARI, Tais Tasqueto 2 ; ZUGE, Samuel Spiegelberg 3 ; BRUM, Crhis Netto de 3 ;

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS DIAGNÓSTICO SÓCIOAMBIENTAL E MONITORIZAÇÃO DA DOENÇA DIARREICA AGUDA EM MORADORES DE UMA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CAMPO GRANDE/MS RESUMO: Sabrina Piacentini O presente trabalho

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello DSTs Como é contraída; Como evitar; Como tratar PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello O que são DSTs? A sigla DSTs quer dizer doenças sexualmente transmissíveis;ou

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 AIDS O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde estima que aproximadamente 734 mil pessoas vivam com HIV/aids no país, o que corresponde

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

Banco de preservativos: dinâmica e repercussões 1

Banco de preservativos: dinâmica e repercussões 1 1 Banco de preservativos: dinâmica e repercussões 1 Viviane Aparecida Siqueira Lopes Universidade Federal Fluminense Email: vivianelopes@censanet.com.br Apresentação Em março de 2009, foi criado um Banco

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO TÍTULO: PRÁTICAS E ATITUDES DE ESTUDANTES DE UMA ESCOLA PÚBLICA RELACIONADOS AS DSTS/AIDS AUTORES: Aline Salmito Frota, Luciana Soares Borba, Débora Silva Melo, José Ueides Fechine Júnior, Viviane Chave

Leia mais

CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS

CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS DALILA CASTELLIANO DE VASCONCELOS YANA THAMIRES MENDES FELIX Universidade Federal da Paraíba (UFPB),

Leia mais

O conhecimento de HIV/AIDS em idosos de uma comunidade carente do Distrito Federal

O conhecimento de HIV/AIDS em idosos de uma comunidade carente do Distrito Federal O conhecimento de HIV/AIDS em idosos de uma comunidade carente do Distrito Federal Danielle de Jesus Prado Jully Emmanuele Fonseca Neves Gilberto Sabino da Silva Graduandas em Enfermagem, Faculdade LS,

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE GERÊNCIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DST/AIDS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO HIV/AIDS E COINFECÇÕES NO ESTADO DE GOIÁS Goiânia, 2012

Leia mais

AIDS / Uma epidemia em expansão

AIDS / Uma epidemia em expansão A negociação da divisão de trabalho, no cuidado com a casa, com os filhos, com a alimentação e etc.. vem sendo um dos grandes assuntos debatidos entre casais nos tempos modernos. Ainda assim, freqüentemente

Leia mais

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94%

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94% PERFIL MUNICIPAL São Paulo - SP Data de instalação Ano de 1554 População - Censo 2010 11.376.685 habitantes Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Natalidade 2010 174.265 nascidos vivos Urbanização

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEMCAMT01-P CONHECIMENTO E PRÁTICA DOS DISCENTES DO QUARTO PERÍODO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM SOBRE O AUTO-EXAME DAS MAMAS Ericka Vilar Brandão (1) ; Cleide Rejane Damaso de Araújo (3) Centro de Ciências

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE.

AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE. AIDS E ENVELHECIMENTO: UMA REFLEXÃO ACERCA DOS CASOS DE AIDS NA TERCEIRA IDADE. Milca Oliveira Clementino Graduanda em Serviço social pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB milcaclementino@gmail.com

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1 1 2 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE José Leôncio de Andrade Feitosa SUPERINTENDENTE DE SAÚDE Angela Cristina Aranda SUPERINTENDENTE

Leia mais

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C EE JUVENTINO NOGUEIRA RAMOS PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE TEMA : AIDS GRUPO C ADRIANO OSVALDO DA S. PORTO Nº 01 ANDERSON LUIZ DA S.PORTO Nº 05 CÍNTIA DIAS AVELINO Nº 11 CLAUDINEI MOREIRA L. JUNIOR Nº 12

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL.

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. Paulo Sergio Lemke (Apresentador) 1, Marcos Augusto Moraes Arcoverde (Orientado) 2 Curso de Enfermagem

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS

AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS Regina Lígia Wanderlei de Azevedo FIP regina.azevedo@gmail.com Josevânia da Silva UNIPÊ josevaniasco@gmail.com

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

Autor(es) TAINAH BARBOSA ALVES DE MORAES. Orientador(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) TAINAH BARBOSA ALVES DE MORAES. Orientador(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 18º Congresso de Iniciação Científica AIDS AVALIANDO COMPORTAMENTOS E VULNERABILIDADE EM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO: IDENTIFICAÇÃO CONHECIMENTO SOBRE O CONTROLE, DISSEMINAÇÃO, RISCOS E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

Leia mais

O Carnaval está aí é hora de se prevenir!

O Carnaval está aí é hora de se prevenir! O Carnaval está aí é hora de se prevenir! O Carnaval está aí! Uma das festas populares mais animadas e representativas do mundo. A festa que chegou ao Brasil tem sua origem no entrudo português, em que,

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde - Nova Bassano/RS - Edital 04/2015. Nome do(a) candidato(a): ESF de Abrangência:

PROVA OBJETIVA. Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde - Nova Bassano/RS - Edital 04/2015. Nome do(a) candidato(a): ESF de Abrangência: PROVA OBJETIVA Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde - Nova Bassano/RS - Edital 04/2015 Nome do(a) candidato(a): ESF de Abrangência: Fique atento para as instruções abaixo: - As questões a

Leia mais

HIV e Estigma: como estamos hoje

HIV e Estigma: como estamos hoje HIV e Estigma: como estamos hoje PROF. DR. CLAUDIO GARCIA CAPITÃO Advento da AIDS 1º Caso: Hospital Emílio Ribas, 1982 Circulação Silenciosa do Vírus em meados de 70 Isolamento do vírus: Luc montagner:

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/ AIDS ESTADO DE GOIÁS GOIÁS 2015 Situação Epidemiológica da AIDS no Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde de Goiás Superintendência de Políticas de Atenção Integral à

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS RELATO DE EXPERIÊNCIA COMPEEX: CAMPANHAS SÓCIO EDUCATIVAS NAS ESCOLAS DE GOIÂNIA PARA PREVENÇÃO DE DST/AIDS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS RELATO DE EXPERIÊNCIA COMPEEX: CAMPANHAS SÓCIO EDUCATIVAS NAS ESCOLAS DE GOIÂNIA PARA PREVENÇÃO DE DST/AIDS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS RELATO DE EXPERIÊNCIA COMPEEX: CAMPANHAS SÓCIO EDUCATIVAS NAS ESCOLAS DE GOIÂNIA PARA PREVENÇÃO DE DST/AIDS GONDIM, Bruno Ferreira 1 ; CARDOSO, Bruno Freitas 1 ; MESQUITA,

Leia mais

PERFIL MUNICIPAL. Blumenau - SC. Data de instalação Ano de 1880. Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855. www.portalodm.com.

PERFIL MUNICIPAL. Blumenau - SC. Data de instalação Ano de 1880. Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855. www.portalodm.com. PERFIL MUNICIPAL Blumenau - SC Data de instalação Ano de 1880 Estimativa da população 2009 Natalidade 2007 299.416 habitantes 3.818 nascidos vivos Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855 Área 520

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS 2013 SMS-RJ/SUBPAV/SAP boletim.indd 1 07/11/2013 12:51:59 boletim.indd 2 07/11/2013 12:51:59 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA AIDS NO MUNICÍPIO DO RIO

Leia mais

CONHECIMENTO SOBRE AIDS ENTRE IDOSOS PARTICIPANTES DE UNIVERSIDADE ABERTA

CONHECIMENTO SOBRE AIDS ENTRE IDOSOS PARTICIPANTES DE UNIVERSIDADE ABERTA CONHECIMENTO SOBRE AIDS ENTRE IDOSOS PARTICIPANTES DE UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE Knowledge about AIDS among elderly participants of Open University to Third Age Ana Flávia de Oliveira Batista

Leia mais

HELOISA MARIA LESSA MARA REGINA PALANDI COMPREENDENDO A AIDS: DÚVIDAS E CERTEZAS PROVISÓRIAS. Orientadora: Fernanda Bertoldo

HELOISA MARIA LESSA MARA REGINA PALANDI COMPREENDENDO A AIDS: DÚVIDAS E CERTEZAS PROVISÓRIAS. Orientadora: Fernanda Bertoldo HELOISA MARIA LESSA MARA REGINA PALANDI COMPREENDENDO A AIDS: DÚVIDAS E CERTEZAS PROVISÓRIAS Orientadora: Fernanda Bertoldo Caxias do Sul 2008 2 HELOISA MARIA LESSA MARA REGINA PALANDI COMPREENDENDO A

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 PREVENÇÃO ASSISTÊNCIA E TRATAMENTO DIREITOS HUMANOS COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DESAFIOS PREVENÇÃO Mais de 30 campanhas de massa para

Leia mais