ANEXO 8 ESQUEMAS: DDC, TC, ATI, RG-PC+, RG-FO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO 8 ESQUEMAS: DDC, TC, ATI, RG-PC+, RG-FO"

Transcrição

1 ANEXO ESQUEMAS: DDC, TC, ATI, RG-PC+, RG-FO MANUAL ITED ª edição Julho 00 - ANEXO

2 ESQUEMA DE UM DDC Apresentam-se de seguida os esquemas de constituição de um possível DDC, integrado num ATI. Na figura seguinte estão representadas, a tracejado (----), as ligações realizadas na parte traseira das tomadas de contactos. Verifica-se que a entrada da rede colectiva (ou vindo da CEMU no caso da moradia unifamiliar), é realizada em pares de cobre (p) e subdividida para das tomadas: par (p) para as duas primeiras e dois pares (p) para a terceira, ficando a quarta de reserva. As duas primeiras tomadas são ligadas nos terminais e. A terceira tomada é ligada nos terminais e e nos terminais e. Fica assim constituído o primário do DDC. As tomadas dentro do DDC (identificadas de a secundário do DDC) estão ligadas em conjuntos de duas, em paralelo, permitindo (em conjugação com chicotes) a individualização do sinal que chega a cada uma das tomadas. Por último, cada um dos referidos conjuntos está ligado, em pares de cobre, a cada uma das tomadas de cliente, também identificadas de a. Entrada da rede colectiva p ou vindo da CEMU Tomadas de contactos p PAR p PAR p PAR e DDC Primário Secundário p p p p p Tomadas de cliente, de contactos MANUAL ITED ª edição Julho 00 - ANEXO

3 Na figura seguinte estão representados, a traço cheio ( ), os chicotes de interligação, constituídos por duas fichas de contactos (RJ por exemplo) interligadas por um cabo de pares de cobre (UTP, por exemplo). Estes chicotes existem obrigatoriamente no DDC e podem ser manobrados pelo cliente. Neste caso existe único operador em par de cobre, ligado ao primário do DDC através do PAR. Os chicotes apresentados permitem a distribuição do sinal do operador por todas as tomadas de cliente. DDC PAR PAR PAR e Chicotes de interligação, de pares MANUAL ITED ª edição Julho 00 - ANEXO

4 A figura seguinte permite que operadores cheguem à fracção autónoma, em que um utiliza o PAR e outro o PAR e. As tomadas de cliente, por manobra dos chicotes de interligação no DDC, estão assim divididas pelos operadores: tomadas e para o º operador; tomadas, e para o º operador. O utilizador pode, unicamente por manobra de chicotes de interligação, utilizar o DDC para individualizar cada uma das tomadas, utilizando-as nos serviços desejados, inclusivamente na constituição de uma rede privativa dentro da sua fracção. A ligação e manobra de cabos na parte traseira das tomadas de entrada do DDC pode ser necessária. Essas ligações são exclusivas de um instalador ITED. DDC PAR PAR PAR e MANUAL ITED ª edição Julho 00 - ANEXO

5 ESQUEMA DE TC Apresentam-se de seguida os esquemas de constituição de possíveis TC e respectivas interligações, integrados num ATI. Na figura seguinte representam-se TC. Existem tomadas de cliente e foram instalados TC s de saídas. Um dos repartidores está ligado à rede coaxial de CATV e o outro à rede coaxial de MATV. As tomadas de cliente, embora possam ser directamente ligadas aos repartidores, estão neste caso terminadas num painel de fichas F fêmea. Esta solução introduz, no entanto, maiores atenuações. Rede coaxial de CATV Tomadas coaxiais de cliente TC - CATV Rede coaxial de MATV TC - MATV Painel de fichas "F" - fêmea, ligadas às tomadas de cliente MANUAL ITED ª edição Julho 00 - ANEXO

6 Na figura seguinte representa-se a interligação entre as redes coaxiais e as tomadas de cliente. A interligação referida é feita à custa de chicotes de interligação F -macho, disponibilizados no ATI. As primeiras tomadas recebem o sinal proveniente da rede de CATV enquanto que as tomadas e estão ligadas à rede de MATV. As saídas não usadas estão carregadas com cargas simples de Ohm. Rede coaxial de CATV TC - CATV Rede coaxial de MATV Chicotes de interligação: "F" macho-"f" macho TC - MATV Cargas de Ohm MANUAL ITED ª edição Julho 00 - ANEXO

7 ESQUEMAS DE ATI Nos diagramas seguintes apresentam-se duas soluções de ATI, com ligação a redes de cabo coaxial e a rede de cabos de pares de cobre. Estão incluídos um barramento de terras e tomada 0V AC. As tomadas mistas de a estão ligadas à rede de CATV e a um operador em par de cobre. As tomadas e recebem sinal de um sistema de MATV e de um segundo operador em par de cobre. Rede coaxial de CATV TC - CATV ATI Tomadas de cliente: TV+Rádio+Dados+RJ Rede coaxial de MATV TC - MATV TC - MATV ESPAÇO PARA UM TERCEIRO TC Rede de pares de cobre Ligação ao quadro eléctrico Ligação à BGT DDC-primário AC 0V DDC-secundário Barramento de terras MANUAL ITED ª edição Julho 00 - ANEXO

8 No diagrama seguinte, a ligação da rede individual de cabos coaxiais proveniente das tomadas de cliente, tem acesso directo aos TC. Esta solução, para além de continuar a permitir a manobra de cabos por parte do cliente, tem menos atenuações. O instalador assegurará uma correcta fixação dos cabos coaxiais à estrutura conveniente do ATI, bem como a folga suficiente para a realização de ligações futuras. Rede coaxial de CATV TC - CATV ATI Tomadas de cliente: TV+Rádio+Dados+RJ Rede coaxial de MATV TC - MATV TC - MATV Fixação de cabos ESPAÇO PARA UM TERCEIRO TC Rede de pares de cobre Ligação ao quadro eléctrico Ligação à BGT DDC-primário AC 0V DDC-secundário Barramento de terras MANUAL ITED ª edição Julho 00 - ANEXO

9 Reset 00BASE-TX HUB x x With LANVIEW PWR CPU CLN RCV LNK RCV LNK x x x 9x x x X X X X 0X 9X X X X X X X X X 0X 9X X X X X X X X X SUPER STACK SuperStack II Switch 00 XM Com EPIM-T EPIM-T Os esquemas seguintes, em diagrama de blocos, são exemplos de cablagens estruturadas com integração de voz e dados num edifício. Não deverão ser interpretados como regra a seguir. Pretende-se ilustrar possíveis elementos constituintes de um RG-PC+ e de um RG-FO, bem como a distribuição pelo edifício de sinais de voz e dados, em diferentes tecnologias. A figura seguinte representa um RG-PC+, um distribuidor de piso e respectivas interligações: HubSTACK SEH 00TX- HUB Tomada de contactos Tomada mista Este painel de interligação com as tomadas de cliente, pode ser coincidente com o DDC Distribuidor de piso designado na EN 0 por FD Painel de dados Circuito de dados em cabo de pares de cobre de categoria Circuito de voz em cabo de pares de cobre de categoria Painel de voz SWITCH Po wer Ap p We b 00 FIREWALL Equipamento activo de dados ROUTER PPCA RG-PC RG-PC+ (Este elemento pode ser coincidente com um distribuidor de edificio, designado na EN 0 por BD) Acesso à rede do operador, ou interligação com as WAN exemplos: RDIS, ADSL, circuitos alugados, etc MANUAL ITED ª edição Julho 00 - ANEXO 9

10 Reset 00BASE-TX HUB PowerSWITC H CNSH- With LANVIEW PWR CPU CLN PWR RCV LNK RCV LNK B A B 0Base-TX/FX LK TX/RX CO L/F D LK TX/RX CO L/F D A B X X X X 0X 9X X X X X X X X X 0X 9X X X X X X X X X BaseT 9 0 EPIM-T EPIM-T T X P X R C L W M C L N T V N K R X S P L A NV IE W 0B A S E -T P OW E R I NP U T S N A figura seguinte representa um RG-FO, um distribuidor de piso e respectivas interligações: HubSTACK SEH 00TX- HUB SWITCH para fibra óptica e categoria Tomada Óptica F L N K L A NV IE W R TO 0 B A S E - F L/F OIRL M E DIA A DA P T E R TPFOT- Tranceiver fibra-cobre Distribuidor de piso designado na EN 0 por FD Este painel de interligação com as tomadas terminais, pode ser coicidente com o DDC Painel de dados para fibra óptica Circuito de dados em cabo de fibra óptica Circuito de voz em cabo de pares de cobre de categoria Painel de voz SWITCH para fibra óptica FIREWALL Equipamento activo de dados ROUTER Acesso à rede de operador, ou interligação com as WAN Exemplos: RDIS, ADSL, circuitos alugados, etc PPCA RG-PC RG-FO (Este elemento pode ser coincidente com um distribuidor de edificio, designado na EN 0 por BD) MANUAL ITED ª edição Julho 00 - ANEXO 0

A entrada subterrânea, ligada à CEMU, é realizada com 2 tubos com diâmetros = 50 mm.

A entrada subterrânea, ligada à CEMU, é realizada com 2 tubos com diâmetros = 50 mm. Moradia unifamiliar REDES DE TUBAGENS REDE INDIVIDUAL 1 Tubo 25 mm da CEMU (Caixa de Entrada da Moradia Unifamiliar) até ao ATI (Armário de Telecomunicações Individual), para passagem dos cabos de pares

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 MANUAL ITED 1ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 10 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

Exemplo de Ligação Painel ATI de 4 Módulos Duplos e mais 4 Módulos Triplos

Exemplo de Ligação Painel ATI de 4 Módulos Duplos e mais 4 Módulos Triplos ATI ESQUEMA DE LIGAÇÃO Exemplo de Ligação Painel ATI de 4 Módulos Duplos e mais 4 Módulos Triplos Vista Frontal Telefone Filtro Cabo UTP ADSL Coluna PC Modem V.P. Monitor Vista Posterior Par 3 Par 4 Par

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 4 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI GERAÇÃO 3.1 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 8 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE índice...2 1. Introdução...3 2. Documentos normativos aplicados...3

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI

INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI MANUAL ITED 2ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 2 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE ÍNDICE... 2 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS

Leia mais

ESQUEMA DE LIGAÇÃO. Modulos ACO no DDC Secundário. Reserva. Módulos Triplos no DDC Secundário. Sinal de Telefone proveniente do.

ESQUEMA DE LIGAÇÃO. Modulos ACO no DDC Secundário. Reserva. Módulos Triplos no DDC Secundário. Sinal de Telefone proveniente do. Esquema de Ligação dos es de Cobre provenientes da Coluna para os Modulos ACO no DDC Primário Esquema de Ligação dos Modulos ACO no DDC Secundário Chicote de Interligação de 4 pares proveniente do DDC

Leia mais

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Direcção de Fiscalização

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Direcção de Fiscalização Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios Direcção de Fiscalização Novo regime ITED Manual ITED, 2.ª edição linhas orientadoras Regras técnicas Tubagem Cablagem Pontos de fronteira Ligações de

Leia mais

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Manual ITED 2.ª Edição. Direcção de Fiscalização

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Manual ITED 2.ª Edição. Direcção de Fiscalização Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios Manual ITED 2.ª Edição Direcção de Fiscalização Julho de 2010 Novo regime ITED Manual ITED, 2.ª edição linhas orientadoras Regras técnicas Tubagem Cablagem

Leia mais

ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS

ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS MANUAL ITED 1ª edição revista - Dezembro 2003 - ANEXO 6 1 ITED INFRA-ESTRUTURAS DE TELEUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS FICHA TÉCNICA PROJECTO N.º LOCALIZAÇÃO DA OBRA CONCELHO MORADA FREGUESIA

Leia mais

ATI 3play - características gerais

ATI 3play - características gerais patente nº 104593 ATI 3play - características gerais Primário e Secundário Cat 6 (classe E). Conectores RJ45, permanent link Cat 6, de acesso exterior para injecção de sinais de equipamento activo ( RC-PC

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES ATI 3PLAY SÉRIE 15

MANUAL DE INSTRUÇÕES ATI 3PLAY SÉRIE 15 MANUAL DE INSTRUÇÕES ATI 3PLAY SÉRIE 15 1- Introdução A ATI 3Play da TEKA foi concebido em conformidade com as prescrições e especificações técnicas do Manual de Infraestruturas de Telecomunicações em

Leia mais

ATI Modular: um novo conceito

ATI Modular: um novo conceito ATI Modular: um novo conceito A SOLUÇÃO IDEAL PARA OS SEUS PROJECTOS Todos os produtos estão de acordo com as exigências do novo manual ITED ed.2 O novo conceito de ATI O novo ATI - Armário de Telecomunicações

Leia mais

Curso Instalador ITED

Curso Instalador ITED Curso Instalador ITED Formação de Actualização UFCD ITED A + ITED B Abril de 2015 Cablagem Pares de Cobre Ricardo Oliveira Sistemas de Cablagem Mantém-se a utilização das 3 tecnologias Pares de cobre Cabo

Leia mais

Curso Instalador ITED

Curso Instalador ITED Curso Instalador ITED Formação de Actualização UFCD ITED A + ITED B Abril de 2015 Canalizações ITED Ricardo Oliveira Canalizações - Conceitos Classificação de PD Pontos de distribuição Classifica-se como

Leia mais

INSTALAÇÕES DE COMUNICAÇÕES MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00

INSTALAÇÕES DE COMUNICAÇÕES MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00 SOCIEDADE POLIS LITORAL RIA FORMOSA, SA Elaboração de Projectos de Execução para a requalificação de espaços ribeirinhos, de parques públicos e percursos pedonais - Parque Ribeirinho de Faro - RF 18.02.45

Leia mais

REGRAS de EXECUÇÃO. António M. S. Francisco (revisão 01/06)

REGRAS de EXECUÇÃO. António M. S. Francisco (revisão 01/06) REGRAS de EXECUÇÃO António M. S. Francisco (revisão 01/06) INTERNET Para informação completa e detalhada consultar o manual ITED em: http://www.anacom.pt Para informação sobre material (catálogo) para

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cablagem estruturada Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Os problemas Porquê organizar as cablagens? É fácil manter a organização

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº1 Cablagem estruturada 1 Introdução Vivemos em plena segunda revolução industrial.

Leia mais

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h)

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico de projecto

Leia mais

Armários de Telecomunicações Individuais. O ATI mais evoluído do mercado Tecnologia 100% útil EFICÁCIA SIMPLICIDADE RENDIMENTO. www.jsl-online.

Armários de Telecomunicações Individuais. O ATI mais evoluído do mercado Tecnologia 100% útil EFICÁCIA SIMPLICIDADE RENDIMENTO. www.jsl-online. 9582008 NOVO ASÉRIE CTI V Armários de Telecomunicações Individuais O ATI mais evoluído do mercado Tecnologia 00% útil EFICÁCIA SIMPLICIDADE RENDIMENTO www.jslonline.net UMA MISSÃO, UM DESAFIO: INOVAR Caro

Leia mais

GENERALIDADES SOBRE INFRAESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS (ITED) JORNADAS TÉCNICAS DE ELETROTECNIA - 1

GENERALIDADES SOBRE INFRAESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS (ITED) JORNADAS TÉCNICAS DE ELETROTECNIA - 1 GENERALIDADES SOBRE INFRAESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS (ITED) JORNADAS TÉCNICAS DE ELETROTECNIA - 1 POUCO DE HISTÓRIA 1981 DL 188/81 estabelece o regime legal para o surgimento do Instituto

Leia mais

Os ensaios descritos neste capítulo estão adequados aos Níveis de Qualidade (NQ) definidos no ponto 1.2.

Os ensaios descritos neste capítulo estão adequados aos Níveis de Qualidade (NQ) definidos no ponto 1.2. 6 ENSAIOS Na realização de ensaios nas ITED, a entidade certificadora e o instalador deverão ter em consideração o projecto técnico e os requisitos do presente Manual ITED. 6.1 GENERALIDADES O presente

Leia mais

1Req: FORCONSULTING, -Lda. Local: Rua da Formação, s/n - BARCELOS. INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES - ITED Projecto de Licenciamento e Execução

1Req: FORCONSULTING, -Lda. Local: Rua da Formação, s/n - BARCELOS. INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES - ITED Projecto de Licenciamento e Execução 1Req: FORCONSULTING, -Lda. INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES - ITED Projecto de Licenciamento e Execução 2Req: FORCONSULTING, -Lda. ÍNDICE: NOTA PRÉVIA A - MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA 1. OBJECTIVO

Leia mais

Aula 4b Elementos da Infraestrutura

Aula 4b Elementos da Infraestrutura Aula 4b Elementos da Infraestrutura Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Elementos de Infra-estrutura São utilizados em projetos de sistemas de cabeamento para estabelecer o tráfego de voz, dados e imagens,

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Objectivos...2 2 - Legislação aplicável...2 3 - Enquadramento legal...2 3.1 - Limites de fornecimento...2 3.2 - Descrição de encargos...2 3.2.1 - Encargos do adjudicatário...2 3.3 - Encargos

Leia mais

Instalações ITED Generalidades

Instalações ITED Generalidades Módulo ITED-1 UFCD 6085 Instalações ITED Generalidades 1. Considerações prévias, Legislação, normas e regulamentos em vigor (manual ITED). 2. Simbologia utilizada nas ITED. 3. Sistemas de Cablagem em par

Leia mais

I TUR Redes de Nova Geração

I TUR Redes de Nova Geração I TUR Redes de Nova Geração Workshop - Telecomunicações - ISEP / 2009 01 de Julho de 2009 Direcção de Fiscalização PONTOS DE ANÁLISE ÍNDICE Objectivos Enquadramento geral ITUR/ ITED Linhas Gerais e específicas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 98 99 100 108 116 117 118 120 ESPECIFICAÇÕES GERAIS GRAUS DE PROTECÇÃO ESPECIFICAÇÕES SAFETYMAX ESPECIFICAÇÕES ITED ESPECIFICAÇÕES RAQUITED ESPECIFICAÇÕES CENTRALIZAÇÃO CONTAGEM ESPECIFICAÇÕES QUADRO-COLUNAS

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADE FORMADORA ITED-ITUR

CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADE FORMADORA ITED-ITUR CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADE FORMADORA ITED-ITUR Atenção: Este formulário está sujeito ao pagamento de uma taxa. TIPO DE CANDIDATURA (Selecionar, pelo menos, uma opção) Certificação de Entidade Formadora ITED

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Projecto de cablagem estruturada Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Projecto de cablagem Metodologia 1. Definição de requisitos 2. Planeamento 3. Projecto 2 Exemplo Empresa

Leia mais

Tecnologia ao seu dispor

Tecnologia ao seu dispor Tecnologia ao seu dispor EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE 1987 Janeiro Fundação como empresa de prestação de serviços na área da electrónica e Centro de Assistência Técnica para o Sul do País de um fabricante de

Leia mais

Disciplina: Projeto de Especialidades. Projeto: Rede de telecomunicações. Especialidade: Rede de Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios

Disciplina: Projeto de Especialidades. Projeto: Rede de telecomunicações. Especialidade: Rede de Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências e Tecnologias Curso de Engenharia Civil 3ºAno Disciplina: Projeto de Especialidades Projeto: Rede de telecomunicações Especialidade: Rede de Infra-estruturas

Leia mais

Redes Gpon FTTH uma realidadade em portugal

Redes Gpon FTTH uma realidadade em portugal Redes Gpon FTTH uma realidadade em portugal III Jornadas Electrotécnicas ISEP A. Vilas Boas - Amisfera, lda A Tecnologia GPON está dsiponível há já alguns anos Quando falamos em Redes de Nova Geração estamos

Leia mais

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES Engenharia de Sistemas e Informática Bibliografia: Engenharia de Redes Informáticas; Edmundo Monteiro e Fernando Boavida; FCA 1 Conteúdo programático Equipamento Passivo

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Índices de proteção (IP) 1. IP XX grau de proteção dos invólucros de equipamentos elétricos segundo as normas EN 60529, IEC 60529 1º algarismo: proteção contra corpos sólidos IP 2º algarismo: proteção

Leia mais

Exmos. Srs., Cumprimentos,

Exmos. Srs., Cumprimentos, From: Fernando Jacinto dos Santos Flores [mailto:fernando-z-flores@telecom.pt] Sent: terça-feira, 7 de Julho de 2009 14:59 To: manual.ited.itur@anacom.pt Subject: Manuais ITED e ITUR Exmos. Srs., Na sequência

Leia mais

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA projectos de engenharia de edifícios lda Azinhaga do Torre do Fato 5C Esc.1-1600-299 Lisboa www.promee.pt geral@promee.pt ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA EDIFÍCIOS DO DRIVING RANGE E CLUB HOUSE LISBOA

Leia mais

Distribuidores e painéis de interligação Equipamento activo e chicotes de interligação

Distribuidores e painéis de interligação Equipamento activo e chicotes de interligação Redes Estruturadas O projecto e a instalação de redes de dados em edifícios são actividades reguladas por um conjunto de normas dispersas em diversos documentos, publicados por organismos internacionais.

Leia mais

ADAPTAÇÃO DOS EDIFÍCIOS CONSTRUÍDOS À FIBRA ÓPTICA

ADAPTAÇÃO DOS EDIFÍCIOS CONSTRUÍDOS À FIBRA ÓPTICA 6 ADAPTAÇÃO DOS EDIFÍCIOS CONSTRUÍDOS À FIBRA ÓPTICA 135 6. ADAPTAÇÃO DOS EDIFÍCIOS CONSTRUÍDOS À FIBRA ÓPTICA 6.1 PROJECTO DE ALTERAÇÃO DE EDIFÍCIOS - ITED As infra-estruturas de telecomunicações construídas

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Placas de Rede Modems Hubs e switches Router Prof. Hugo Rosa PLACAS DE REDE As placas de rede são periféricos de entrada e saída e são utilizadas para interligar um computador a uma

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Tipos de Cabos Cabos eléctricos São cabos, normalmente fabricados em cobre (ou de outro material condutor), que transmitem os

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas FICHA DE TRABALHO Nº3 José Vitor Nogueira Santos Topologia de Redes Fibra Óptica e Wireless - 0830 Mealhada, 2009

Leia mais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento estruturado - definição Sistema de cabeamento capaz de prover tráfego de gêneros de informações diferenciadas dentro de um mesmo sistema

Leia mais

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO QUADRO RESUMO FORMAÇÃO UFCD (H) Análise de circuitos em corrente contínua 6008 25 Corrente alternada 6010 25 Eletrónica industrial 6023 25 Instalações elétricas - generalidades 6075

Leia mais

Cablagem de rede estruturada

Cablagem de rede estruturada Paulo Álvaro De: Saved by Microsoft Internet Explorer 5 Enviado: quarta-feira, 21 de Abril de 2010 11:06 Assunto: Cablagem de rede estruturada Cablagem de rede estruturada André Moreira (andre@dei.isep.ipp.pt)

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Estrutura do tema ISC

Estrutura do tema ISC Introdução aos Sistemas de Computação (5) 6. Da comunicação de dados às redes de computadores Uma Rede de Computadores é constituida por: Estrutura do tema ISC 1. Representação de informação num computador

Leia mais

Curso Instalador ITED

Curso Instalador ITED Curso Instalador ITED Formação de Actualização UFCD ITED A + ITED B Abril de 2015 Cablagem Fibra Óptica no ITED Ricardo Oliveira Fibra Óptica ITED 3ª edição - Mantém-se a obrigatoriedade de utilização

Leia mais

Redes de Computadores UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI.

Redes de Computadores UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. *Definição *Contexto Atual *Meios de Transmissão *Equipamentos de Comunicação *Arquiteturas de Redes *Tecnologias de LAN s *Protocolos

Leia mais

Redes de Nova Geração e o ITED

Redes de Nova Geração e o ITED Redes de Nova Geração e o ITED A explosão da procura telefónica dos anos 80 induziu a implantação do RITA O incremento da Internet e a liberalização do mercado das telecomunicações influenciou claramente

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS PARA. 21 de Dezembro de 2010

PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS PARA. 21 de Dezembro de 2010 PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR PARA ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS 21 de Dezembro de 2010 Anexo B Descrição dos Conteúdos Programáticos dos Módulos de Formação 2 ITED

Leia mais

Redes de Computadores. Cablagem

Redes de Computadores. Cablagem Redes de Computadores Cablagem Meios físicos de transmissão guiados! Cabos coaxiais! Cabos de pares entrançados! Cabos de fibra óptica 2 Cabo coaxial Malha de cobre Condutor de cobre Revestimento externo

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

Redes de Computadores. Sistemas de cablagem

Redes de Computadores. Sistemas de cablagem Redes de Computadores Sistemas de cablagem Sumário! Sistemas de cablagem: Normalização Estrutura Tipos de cablagem e comprimentos Dimensionamento Componentes 2 Sistemas de cablagem! Devem ser instalados

Leia mais

Projectos de Instalações em Edifícios

Projectos de Instalações em Edifícios Instituto Politécnico de Coimbra Instituto Superior de Engenharia de Coimbra Projectos de Instalações em Edifícios Ângela Maria Pereira Veiga Relatório de Estágio para obtenção do Grau de Mestre em Instalações

Leia mais

Conversor de Media 10/100Base-TX para 100Base-FX

Conversor de Media 10/100Base-TX para 100Base-FX Conversor de Media 10/100Base-TX para 100Base-FX Manual do Utilizador 1. Generalidades O IEEE802.3u Ethernet suporta dois tipos de media para ligação de rede, como por exemplo 10/100Base-TX e 100Base-FX.

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

14. ENSAIOS 14.1 ENSAIOS DE REDES DE PARES DE COBRE

14. ENSAIOS 14.1 ENSAIOS DE REDES DE PARES DE COBRE 14 ENSAIOS 177 14. ENSAIOS Os ensaios das ITED são da responsabilidade do instalador que constituirá, assim, um Relatório de Ensaios de Funcionalidade (REF), tal como consta do ponto 14.6. O instalador

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/37 2.4 Camada física do Modelo OSI 2.4 Camada física do modelo OSI 2/37 Interfaces série entre utilizador e rede DTE (Data terminal

Leia mais

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC FIBRAS ÓPTICAS E ACESSÓRIOS LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA B5NX-CNC PRODUTOS INJETADOS Catálogo de MARCAS DISTRIBUÍDAS Produtos R A Division of Cisco Systems, Inc. RACKS E ACESSÓRIOS Linha

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

QUESTIONÁRIO ANUAL DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS (2010) Informação referente ao ano 2009

QUESTIONÁRIO ANUAL DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS (2010) Informação referente ao ano 2009 QUESTIONÁRIO ANUAL DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS (200) Informação referente ao ano 2009 PARTE II - INDICADORES FINANCEIROS E DE ACTIVIDADE DOS OPERADORES/PRESTADORES DE REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações

Redes de Dados e Comunicações Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Cabo Par Trançado Conector-RJ 45 A norma EIA/TIA padronizou o conector RJ-45 para a conectorização de cabos UTP. Para a conectorização do cabo UTP,

Leia mais

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic.

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. O seguinte Guia de Instalação de Hardware explica-lhe passo-a-passo como

Leia mais

Anexo V: Solução de Pontos de rede local

Anexo V: Solução de Pontos de rede local Anexo V: Solução de Pontos de rede local 1. Objetivo: 1.1. Contratação de solução de Pontos de Rede de telecomunicação para conexão de diversos tipos de equipamentos eletrônicos como computadores, impressoras,

Leia mais

Ação de Formação para Engenheiros e Engenheiros Técnico

Ação de Formação para Engenheiros e Engenheiros Técnico Ação de Formação para Engenheiros e Engenheiros Técnico Ited-B Projeto e Instalação ITED (Infraestruturas de Telecomunicações em Edifícios) Habilitante - 150h Índice 1. Objetivo Geral... 3 2. Objetivos

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

Projecto de Redes para uma Indústria Têxtil

Projecto de Redes para uma Indústria Têxtil UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Informática Projecto de Redes para uma Indústria Têxtil Engenharia de Redes 2000/2001 Ivo Alexandre Seixas Matos Esteves

Leia mais

FORMAÇÃO. PROFISSIONAIS de electricidade. pour PARA les professionnels. de l ÉleCTRICITÉ

FORMAÇÃO. PROFISSIONAIS de electricidade. pour PARA les professionnels. de l ÉleCTRICITÉ pour PARA les professionnels PROFISSIONAIS de electricidade de l ÉleCTRICITÉ FORMAÇÃO Corte e Protecção Concepção e certificação de quadros e armários eléctricos até 400 A Curso ref. M.11.001.12 Objectivos

Leia mais

INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS (ITED) MANUAL

INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS (ITED) MANUAL INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS (ITED) MANUAL ÍNDICE I INTRODUÇÃO II PRESCRIÇÕES E INSTRUÇÔES TÉCNICAS ANEXO 1 DEFINIÇÕES ANEXO 2 SIMBOLOGIA ANEXO 3 MATERIAIS ANEXO 4 PRESCRIÇÕES FACULTATIVAS

Leia mais

Bárbara Capitão Nº3 CEF. barbaracapitao3@gmail.com

Bárbara Capitão Nº3 CEF. barbaracapitao3@gmail.com Bárbara Capitão Nº3 CEF barbaracapitao3@gmail.com 1 Índice Definição - O que é uma rede de computadores?... 4 Vantagens da constituição de redes... 4 Tipos de redes (Geografia)... 4 LAN - Local Area Network...

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS PARA. 21 de Dezembro de 2010

PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS PARA. 21 de Dezembro de 2010 PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR PARA ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS 21 de Dezembro de 2010 Índice 1 Enquadramento... 3 2 Referencial Formativo... 4 2.1 Módulos de formação...

Leia mais

Sweex Broadband Router + 4 portas com 10/100 Switch

Sweex Broadband Router + 4 portas com 10/100 Switch Sweex Broadband Router + 4 portas com 10/100 Switch Possibilidades de Aplicação Criar uma rede de trabalho para múltiplos utilizadores e partilhar a Internet num ambiente colectivo sem ser necessário instalar

Leia mais

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações Laboratório de Redes. Cabeamento Estruturado Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações de edifícios

Leia mais

MINICOLUNAS. www.simon.pt. Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões

MINICOLUNAS. www.simon.pt. Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões MINICOLUNAS ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Minicolunas para instalações elétricas de châo para

Leia mais

Ficha de Avaliação Sumativa

Ficha de Avaliação Sumativa Ficha de Avaliação Sumativa Nome: Nazmul alam Classificação: Nº: 11 Enc. Educação: Professor: 1. Numa LAN, qual tem melhor performance: IPX/SPX ou TCP/IP? IPX/SPX 2. Para que serve uma placa de rede? Estabelecer

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Ø Computador Ø Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Ø Arquiteturas físicas e lógicas de redes de

Leia mais

Índice NETWORK ESSENTIALS

Índice NETWORK ESSENTIALS NETWORK ESSENTIALS Índice Estruturas Físicas... 3 Adaptador de Rede... 4 Tipos de par trançado... 5 Coaxial... 6 Tipos de cabos coaxial... 6 Fibra Óptica... 7 Tecnologias comunicação sem fios... 8 Topologias

Leia mais

REQUISITOS TÉCNICOS GERAIS

REQUISITOS TÉCNICOS GERAIS 2 REQUISITOS TÉCNICOS GERAIS 25 2. REQUISITOS TÉCNICOS GERAIS O presente capítulo define os tipos de edifício e as respectivas fronteiras com as redes públicas de comunicações electrónicas, ou com as infra-estruturas

Leia mais

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 7 Tecnologia da Ethernet Ethernet a 10 e 100 Mbps Tipos de Ethernet Todas as verões da Ethernet têm: Endereçamento MAC. Formato das tramas idêntico. Utilizam o

Leia mais

HARDWARE E TIPOLOGIAS DE REDE

HARDWARE E TIPOLOGIAS DE REDE HARDWARE E TIPOLOGIAS DE REDE Curso: Sistemas de Telecomunicações Janeiro de 2012 Formador: Cosmin Constantinescu Conteúdos Redes Redes mundiais WAN Redes locais Lan Tipos Tipologias de Rede Ethernet Token-ring

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Componentes Físicos. Jun.08. Luis Garcia

Componentes Físicos. Jun.08. Luis Garcia Componentes Físicos Jun.08 Luis Garcia 1 INTRODUÇÃO 1(2) Para montar uma rede informática são necessários vários dispositivos, que ligados entre si permitem tirar partido de todas as potencialidades das

Leia mais

COAXDATA. Coaxdata Homeplug e Coaxdata Gigabit ADAPTADOR COAXIAL ETHERNET. 200 Mbps. 700 Mbps. 300 Catálogo 2013 / 2014

COAXDATA. Coaxdata Homeplug e Coaxdata Gigabit ADAPTADOR COAXIAL ETHERNET. 200 Mbps. 700 Mbps. 300 Catálogo 2013 / 2014 ADAPTADOR COAXIAL ETHERNET QR-A00171 Coaxdata Homeplug e Coaxdata Gigabit A largura de banda do cabo coaxial permite combinar outros serviços no cabo sem interferir o sinal de televisão. O Coaxdata é um

Leia mais

16/24 Port Desktop & Rack-mountable Gigabit Ethernet Switch

16/24 Port Desktop & Rack-mountable Gigabit Ethernet Switch 16/24 Port Desktop & Rack-mountable Gigabit Ethernet Switch Manual do utilizador DN-80100 DN-80110 Conteúdo da embalagem Devem estar incluídos os seguintes itens na embalagem: Comutador Ethernet Gigabit

Leia mais

Laboratório nº 4 - Cablagens de rede e Interligação de PC

Laboratório nº 4 - Cablagens de rede e Interligação de PC D E P A R T A M E N T O D E E N G E N H A R I A I N F O R M Á T I C A L i c e n c i a t u r a e m J o g o s D i g i t a i s e M u l t i m é d i a T e c n o l o g i a d e I n f o r m á t i c a e C o m u

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Router Wireless Xavi X7868r/X7868r+

Router Wireless Xavi X7868r/X7868r+ Router Wireless Xavi X7868r/X7868r+ Guia de Instalação Rápida Modem Router Wireless Xavi X7868r/X7868r+ (Windows XP) Funcionalidades Transmissão de dados em alta velocidade assimétrica sobre pares de cobre

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

Comunicações por Computador

Comunicações por Computador Comunicações por Computador António Nabais Grupo de Sistemas e Tecnologias de Informação Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico do Cávado e do Ave anabais@ipca.pt 2006/2007 Componentes de

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing Docente (Teóricas): Eng.º Vitor M. N. Fernandes E-mail: vmnf@yahoo.com Web: http://www.vmnf.net/ipam Aula 13 Sumário Comunicação de Dados,

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Identificação das partes constituintes de um PC

Identificação das partes constituintes de um PC Identificação das partes constituintes de um PC Durante este exercício deverá identificar e localizar as partes constituintes de um Computador Pessoal (PC), nomeadamente: Placa Principal (Mother Board)

Leia mais

Instrutor: Eng. Eduardo Freitas. Contato:

Instrutor: Eng. Eduardo Freitas. Contato: Integrador ARTIERE Este documento solução é de propriedade da ARTIERE e fica expressamente proibida a reprodução e/ou divulgação, sem a permissão por escrito da Artiere Comercial Ltda. Todos os direitos

Leia mais

Tema Objetivos Conteúdos

Tema Objetivos Conteúdos Nº módulo CURSO VOCACIONAL - ELETRICIDADE, INFORMÁTICA E NOÇÕES BÁSICAS DE FINANÇAS 3.º Ciclo 2 anos. DISCIPLINA: Área Vocacional de Informática Distribuição Modular Tema Objetivos Conteúdos Aulas 45 1

Leia mais