1Req: FORCONSULTING, -Lda. Local: Rua da Formação, s/n - BARCELOS. INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES - ITED Projecto de Licenciamento e Execução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1Req: FORCONSULTING, -Lda. Local: Rua da Formação, s/n - BARCELOS. INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES - ITED Projecto de Licenciamento e Execução"

Transcrição

1 1Req: FORCONSULTING, -Lda. INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES - ITED Projecto de Licenciamento e Execução

2 2Req: FORCONSULTING, -Lda. ÍNDICE: NOTA PRÉVIA A - MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA 1. OBJECTIVO 2. CONSTITUIÇÃO DO EDIFÍCIO 3. REDES E TECNOLOGIAS 4. CLASSIFICAÇÃO AMBIENTAL 5. SALA TÉCNICA 6. ARMÁRIOS DE TELECOMUNICAÇÕES DO EDIFÍCIO ATE s ATE INFERIOR (ATE-INF) ATE SUPERIOR (ATE-SUP) 7. ARMÁRIOS DE TELECOMUNICAÇÕES INDIVIDUAIS ATI s 8. REDES DE TUBAGENS 8.1. CONDUTAS DE ACESSO 8.2. REDE COLECTIVA DE TUBAGENS 8.3. REDES INDIVIDUAIS DE TUBAGENS 9. REDES DE CABOS 9.1. REDE DE PARES DE COBRE (PC) REDE PC COLECTIVA REDES PC INDIVIDUAIS 9.2. REDE DE CABOS COAXIAIS (CC) REDE CC COLECTIVA CATV REDE CC COLECTIVA MATV REDES CC INDIVIDUAIS 9.3. REDES DE FIBRA ÓPTICA (FO) REDE FO COLECTIVA REDES FO INDIVIDUAIS 10. PROTECÇÕES E LIGAÇÕES Á TERRA 11. INTERFERÊNCIAS ELECTROMAGNÉTICAS 12. ALIMENTAÇÃO ELÉCTRICA

3 3Req: FORCONSULTING, -Lda. B CONDIÇÕES TÉCNICAS 1.MATERIAIS 1.1 REDE DE TUBAGENS 1.2 REDES PC 1.3 REDES CC 1.4 REDES FO 1.5 LIGAÇÕES DE TERRA E ENERGIA 2. INSTALAÇÃO 2.1 DÚVIDAS, ERROS OU OMISÕES 2.2 ALTERAÇÕES DO PROJECTO 2.3 RELATÓRIO DE FUNCIONALIDADE (REF) C OBRIGAÇÕES LEGAIS 1. DONO DA OBRA 2. PROJECTISTA 3. INSTALADOR 4. INSTALADOR / OPERADORAS PÚBLICAS 5. CONTRA-ORDENAÇÕES E COIMAS Anexos: - Termo de responsabilidade - Declaração ANET - Ficha Técnica - Desenhos (1 a 11) - Folhas de Cálculo Coaxiais (CATV e MATV) - Cálculos Atenuações Fibra Óptica - Medições e Estimativa Orçamental - Planta de Localização

4 1Req: FORCONSULTING, -Lda. NOTA PRÉVIA Esta Memória Descritiva e Justificativa tem em consideração que a execução da Infra-estrutura ITED prevista neste Projecto só pode ser levada a cabo por instalador habilitado, tal como preconizado no Artigo 73º do Decreto-Lei 123/2009 de 21 de Maio, actualizado pelo Decreto-Lei 258 /2009 de 25 de Setembro, portanto conhecedor das Regras Técnicas (Manual ITED 2ª Edição) que regem este tipo de instalação. Em conformidade, os pontos seguintes, desta memória, pretendem justificar as opções de projecto e caracterizar de forma suscinta a infra-estutura a instalar, incluindo apenas as referências ás condições técnicas consideradas como mais relevantes. A - MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA 1. OBJECTIVO O presente projecto refere-se ao estudo das Infra-estruturas de telecomunicações de edifício ITED, que FORCONSULTING, Lda., pretende levar a efeito no edifício, a construir em Rua da Formação, s/n, freguesia de BARCELOS, concelho de BARCELOS. Contempla a concepção de uma solução técnica actualizada e adaptada ás necssidades das REDES DE NOVA GERAÇÃO desenvolvida de acordo com as Prescrições e Especificações Técnicas patentes no novo Manual ITED, editado pela ANACOM, 2ª edição Novembro de De acordo com a constituição das várias áreas de serviços e espaços de apoio que compõem o edifício, são definidas as arquitecturas de redes e respectivos percursos com a caracterização das tubagens, cabos, equipamentos e materiais a utilizar, aconselhados para dotar o conjunto com as condições adequadas aos níveis de qualidade das cablagens a instalar. 2. CONSTITUIÇÃO DO EDIFÍCIO Trata-se de Edifício Misto e desenvolve-se em 7 pisos, com as utilizações seguintes: Nome do Piso N.º de fracções /Utilz. Piso -03 Sub- Cave Garagens + Sala Condomínio Piso -02 Cave Garagens Piso -01 Semi-Cave 2 Lojas Piso 00 R/C 4 Habitações Piso 01 1º Andar 4 Habitações Piso 01 2º Andar 4 Habitações Piso 02 3º Andar 4 Habitações Piso 03 4º Andar 4 Habitações Total 7 Pisos 22 fracções 1

5 2Req: FORCONSULTING, -Lda. O acesso ao edifício a partir do exterior é feito ao nível do Piso -01. Tem uma caixa de escada com um conjunto de 2 elevadores. O Edifício tem uma Sala de Condomínio, na Cave.1 A identificação e careterização do edifício encontra-se na Ficha Técnica, anexa. 3. REDES E TECNOLOGIAS São projectadas três redes com as seguintes tecnologias: - Cablagem de Pares de Cobre ATE-INF-ATI -Tomadas Classe E, Cat.6. - Cablagem Coaxial Categoria TCD-C-H desde o ATE-INF e ATE-SUP e Tomadas para utilização de distribuição de CATV e MATV. - Cablagem de Fibra Óptica ATE-INF-ATI Tomadas Classe OF-300, Cat. OS1 Prevêm-se ainda as ligações á terra, proteções e tomadas de energia, bem como a Rede de Tubagens adequada, tendo em consideração a exequibilidade do conjunto das cablagens e equipamentos a instalar. 4. CLASSIFICAÇÃO AMBIENTAL O tipo de edifício e os ambientes dos espaços que o compõem, não levam a indicação de qualquer tipo de proteção adicional das redes e equipamentos a instalar. O grau de exigência encontrado corresponde ao nível mais BAIXO, ou seja, a classificação ambiental (MICE) M1,I1,C1,E1. Em conformidade os elementos a instalar podem ter, como mínimo, um IP 20 e IK SALA TÉCNICA É garantida a existência de uma Sala Técnica com 178x310cm, com dimensões superiores ao Tipo S0, na Semi-Cave, por se tratar de edifício classificado com o Grau de Complexidade 3. Esta Sala - ETI, onde ficará alojado um Armário Bastidor, correspondente ao ATE Inferior deve obedecer aos requisitos mínimos e ter a garantia de condições ambientais adequadas, nomeadamente no que se refere a iluminação e a humidade relativa, que deve ser entre 30 e 55%. No desenho na.º 10, está um diagrama da Sala técnica. 2

6 3Req: FORCONSULTING, -Lda. 6. ARMÁRIOS DE TELECOMUNICAÇÕES DE EDIFÍCIO ATE s 6.1. ATE INFERIOR (ATE-INF) O ETI Espaço de Telecomunicações Inferior, será a Sala Técnica, onde se situa o ATE-Inferior. Este armário, será do tipo Bastidor de Piso, de 19, com 24 UA s, e terá uma configuração concordante com o diagrama que consta no desenho anexo, n.º 10. A sua localização dentro da Sala Técnica deve permitir um correcto encaminhamento das redes de cabos até aos painéis modulares, bem como um acesso com fácil manuseamento ATE SUPERIOR (ATE-SUP) O ETS - Espaço de Telecomunicações Superior, será no Piso 04. Aí, o ATE Superior é constituído por uma caixa do tipo C5 (830x900x200mm). 7. ARMÁRIOS DE TELECOMUNICAÇÕES INDIVIDUAIS ATI s Os ATI s foram criteriosamente seleccionados para que o seu dimensionamento corresponda ás necessidades previstas para cada uma das tecnologias projectadas, para cada fracção. Os RC-CC de cada ATI deve ser constituído pelo tipo de Repartidores Coaxiais indicado nos desenhos, cálculos e mapa de medições, pelo que se recomenda a consulta atenta destas especificações. Os ATI s devem ter espaço extra suficiente para alojar, no seu interior, no mínimo, 2 equipamentos activos. Esse espaço poderá fazer parte integrante do corpo da caixa do ATI ou ser independente (CATI), sendo, neste caso, esta caixa interligada com a primeira. Devem ser respeitadas as localizações dos ATI s indicadas no projecto. 8. REDES DE TUBAGENS As redes de tubagens do edifício serão a componente da infra-estrutura, constituída por um conjunto de tubos, calhas técnicas, caixas e correspondentes acessórios, destinados a assegurar a passagem dos cabos previstos neste projecto e o alojamento de dispositivos de ligação, distribuição e terminais, garantindo a protecção física da rede dos cabos e a facilidade de uma possível ampliação. As secções ou os diâmetros das tubagens serão as indicadas nas peças desenhadas, nomeadamente nas plantas e esquemas de tubagens. Sublinha-se que os diâmetros indicados, neste projecto, devem ser considerados Diâmetros Comerciais. Foram calculadas as secções úteis interiores para cada troço, de acordo com o número e tipo de cabos a instalar, tendo-se optado por um sobredimensionamento generalizado, em especial na ligação do ATI á caixa anexa á ZAP, que garante: 3

7 4Req: FORCONSULTING, -Lda. - A utilização de qualquer um dos tipos de tubos permitidos pelo Manual ITED. - Uma eventual ampliação em alguns troços, caso as necessidades futuras do utilizador o exijam CONDUTAS DE ACESSO Para a interligação com as Redes Públicas de Operadores, são previstos 4 tubos de diâmetro 75mm, desde uma Caixa de Visita Multi-Ooperador (CVM), no exterior, até á Sala Tècnica do Edifício, na Semi-Cave. Na Planta de localização do edifício está indicada também a localização aproximada dessa caixa, que deve ser ajustada segundo eventuais condicionantes colocadas pela Autarquia. A CVM será uma caixa do tipo CVR1a, de secção rectangular, 75x60x100cm, com as características especificadas no Manual ITUR 1ª Edição. A caixa pode ser construída no local em blocos de betão ou pré-fabricada com betão de classe C20/25 ou superior. A Tampa e aro em ferro fundido, devem respeitar a norma EN124 e ter a inscrição Telecomunicações. Eventuais instalações de tubos no passeio frontal do edifício, desde a CVM, até aos limites da propriedade ou interligação com as caixas de visita existentes dos operadores, devem ser acordadas com a Autarquia e executadas por acordo entre todas as partes interessadas. Estas, devem ser efectuadas com 4 tubos de 110mm e um tritubo 40mm. O acesso a sinais hertzianos fica assegurado pela PAT, com ligação ao ATE- Superior, no Piso REDE COLECTIVA DE TUBAGENS Do ETI (Sala Técnica) á caixa de escada, local onde se desenvolverá a Coluna Montante, será instalada uma esteira técnica, fechada. Este caminho de cabos deve ficar com a base a mais de 2,5 m de altura. O dimensionamento da coluna teve em consideração o número de fracções, a existância de elevadores e uma Sala de Concomínio. Optou-se pelo sobredimensionamento das secções de tubos nos troços superiores da coluna com o objectivo de manter a uniformidade das secções por tecnologia, facilitandose, deste modo, uma melhor identificação do tipo de coluna e a respectiva execução. Teve-se em atenção o cálculo das secções de tubagens nos locais de maior ocupação e confirmados todos os restantes troços, com base nos seguintes diâmetros de cabos: UTP 6 mm 2, Cabo Coaxial- 7,1 mm 2 e Cabo de 2 FO 3,4 mm 2. Os caixas da coluna estão indicadas e identificadas nas plantas e esquemas. As saídas e entradas dos tubos devem ser identificadas no interior das caixas, por tecnologia. Também devem ser identificadas as saídas para as fracções. As caixas deverão ser identificadas pela indicação, na porta, com "TELECOMUNICAÇÕES", marcada de forma indelével. 4

8 5Req: FORCONSULTING, -Lda. As derivações colectivas até aos ATI s serão constituídas por 1 tubo de 40mm, destinado às 3 redes de cabos. O traçado das condutas é o indicado nas peças desenhadas, sendo, tanto quanto possível, rectilíneo, na horizontal ou vertical. A concepção desta tubagem colectiva está patente no esquema de rede de tubagens, des. n.º REDES INDIVIDUAIS DE TUBAGENS As redes individuais de tubagens serão constituídas por tubos que satisfaçam os requesitos do Manual ITED embebida nas paredes, tectos ou pavimentos, conforme se indica nas peças desenhadas, devendo ter-se em consideração o normativo em uso, no que diz respeito ao comprimento máximo de tubo entre as caixas e ao número de curvas admissíveis. Estas redes destinam-se a suportar a distribuição em etrela das redes, PC, CC e FO. A rede individual tem origem no ATI, cuja localização está definida em planta e que teve em conta as características de cada fracção. Os ATI s deverão ficar a uma altura que permita um manuseamento normal. Aos ATI s, poderão ainda ser ligadas tubagens destinadas a sistemas DVSS Domótica, Vigilância e Sistemas de Segurança. Cada ATI ficará ligado por um tubo ao Quadro de Energia, destinado a instalar uma ou mais tomadas eléctricas. No interior das várias áreas das fracções autónomas, as caixas de saída (aparelhagem) serão do tipo I1 fundas destinadas a albergar tomadas simples, duplas ou mistas. As caixas do tipo I1 devem ser instaladas acima 0,30m ou 1,50m do pavimento conforme se destinem a tomadas para equipamento de mesa ou de parede. Para o cumprimento da infra-estruturade tubagens projectada é importante verificar, na marcação em obra, se os comprimentos máximos dos tubos não ultrapassam os 12m entre duas caixas e/ou necessidade de caixas de passagem para comprimentos superiores. Apesar de, neste projecto, se ter considerado o número mínimo de tomadas, indicado pelo Manual ITED, para cada tecnologia, o sobredimensionamento quer, das tubagens, quer do ATI permitirá, em futuras situações, determinadas pelas necessidades dos utilizadores, um eventual aumento desse número. A concepção da rede individual de tubagens está patente no esquema da rede de tubagens. 5

9 6Req: FORCONSULTING, -Lda. 9. REDES DE CABOS Para cada rede de cablagem definida neste projecto, são caracterizados os cabos, equipamentos e materiais a utilizar de acordo com os pontos terminais de cada rede a instalar. O dimensionamento dos cabos, dispositivos de ligação e distribuição e tomadas de cliente foi efectuado tendo como objectivo satisfazer os requisitos exigíveis do ponto REDES DE PARES DE COBRE (PC) Nas redes de Pares de Cobre devem ser utilizados cabos e componentes adaptados à Categoria 6, de forma a garantir Classe E de ligação REDE PC COLECTIVA Do Secundário do Repartidor Geral de Pares de Cobre, localizado no ATE INF, os cabos UTP/4 pares Cat.6 interligarão todos os RC PC dos ATI s do edifício e ainda a tomada do Elevador, com topologia em estrela. O fornecimento do material, instalação e ligação do primário do RG-PC é da responsabilidade dos operadores públicos. Nos desenhos consta o esquema desta rede e ainda um diagrama do ATE-INF com a identificação das fracções nos painéis modulares do bastidor REDES PC INDIVIDUAIS Em cada fracção autónoma é previsto um número variável de tomadas RJ45, conforme se indica nas plantas e esquemas em anexo. A distribuição dos cabos que alimentam estas tomadas é feita em estrela a partir do secundário RC-PC, instalado no ATI, em cabo UTP Cat 6 de 4 pares. As tomadas terminais serão simples ou duplas, de 8 contactos do tipo RJ45 (cat.6). Nos painéis do ATI, as saídas do secundário devem ficar correctamente identificadas de acordo o número de tomadas instaladas, e conforme previsto no projecto REDES DE CABOS COAXIAIS (CC) São previstas 2 Redes de Cabos Coaxiais: uma, ascendente, para CATV e uma descendente, para MATV. Fazem parte deste projecto os cálculos de atenuações e níveis de sinais previstos no Manual, para cada uma das redes (em anexo). Na rede de cabos coaxiais devem ser utilizados cabos e componentes adaptados à frequência de 2,4 GHz, para garantir a classe de ligação TCD-C-H pretendida. 6

10 7Req: FORCONSULTING, -Lda REDE CC COLECTIVA CATV Todos os cabos a instalar interligarão directamente o RG-CC, situado no ATE- INF, aos RC-CC s localizados nos ATI s das fracções autónomas. O RG-CC, situado no Armário Bastidor disporá de um painel com conectores F, onde 2 Operadores poderão ligar ou desligar o seu serviço para cada fracção REDE CC COLECTIVA MATV Considerando que a localização do edifício é em Zona Digital A, a instalação de MATV terá origem num conjunto de 2 antenas instaladas em mastro, para captação dos sinais de TDT e FM. O sistema de antenas deve ser protegido com descarregadores de sobretensão. NO ATE-SUP (Caixa C5) ficará alojado o RG-CC de MATV, constituído por uma central amplificadora e o conjunto de derivadores adequados á distribuição equilibrada de sinais por todas as fracções. Prevê-se uma central amplificadora, com as características indicadas nos desenhos, folhas de cálculo e Mapa de Medições, que deve ser ajustada, após instalação, com uma pendente inversa á verificada para as tomadas com menor atenuação. Para efeito de cálculos, consideraram-se as seguintes frequências: - 5 MHz, como frequência- piloto de teste - 90 MHz, como frequência-piloto de FM MHz, como frequência-piloto próxima da frequência prevista para a recepção de TDT, canal 67 (842,25 MHz) Nos cálculos, além das atenuações e níveis de sinais, é verificado o TIlt para cada tomada, entre os 5 MHz e os 862 MHz e garantidos valores inferiores a 15 db. Também foi confirmado que a rede projectada apresenta uma diferença entre os valores de atenuação da tomada mais e menos favorecida, aos 862 MHz, menor que 12 db. Optou-se pela distribuição tradicional com os derivadores ao longo da coluna e não concentrados no ATE-SUP, tendo em conta apenas a vantagem de alguma poupança de cabo coaxial REDES CC INDIVIDUAIS No ATI, o RC-CC consistirá num painel de fichas F correspondente a 2 Repartidores: um para CATV e outro para MATV (SMATV). Estas redes utilizarão um único sistema de cabo coaxial numa distribuição em estrela para cada tomada. A cada ficha ficará ligada a respectiva tomada numerada com legenda indelével, na correcta correspondência e de acordo com o previsto nos desenhos e cálculos. As tomadas serão de TV, Rádio e Satélite. Os cálculos de atenuações e níveis de sinal nas tomadas constam nas folhas de cálculo em anexo. As frequências de teste, da Rede CATV são: 60, 90 e 750 MHz. As frequências de teste, da Rede MATV são: 5, 90 e 862 MHz 7

11 8Req: FORCONSULTING, -Lda. Os cálculos demonstram estarem garantidas atenuações inferiores aos máximos previstos pela EN Encontram-se assinaladas, para cada fogo, as tomadas mais e menos favorecidas. Para a recepção de FM e TDT, modulação 64QAM-TV, estão também calculados os valores de níveis de sinais á saída da central amplificadora, que se ajustam aos valores recomendados para as tomadas REDES DE FIBRA ÓPTICA (FO) De acordo com o definido no Ponto 3, as redes de FO deverão utilizar cabos de 2 fibras do tipo G.657A (monomodo), sendo as conectorizações executadas com adaptadores do tipo SC/APC. A estimativa da Perda Total máxima previsível, em cada ligação, do Secundário do RG-FO às Tomadas, está patente nas folhas de cálculo em anexo. No caso de o ensaio, após montagem, indicar perdas com valores superiores ao valor máximo adimitido indicado, ou necessidade de juntas adicionais, deve optar-se apenas por juntas de fusão, e garantir valores inferiores a esse máximo adimitido indicado REDE FO COLECTIVA Fica previsto um RG-FO, localizado no Bastidor do ATE-INF, que está caracterizado no respectivo diagrama, onde poderão ser acomodadas as fibras de 2 Operadores e sua ligação até ao primário do RC-FO do ATI de cada fração. Prevê-se que estas ligações sejam efectuadas com pré-conectorização e duas junções por fusão REDES FO INDIVIDUAIS Os secundários dos RC-FO s ficarão ligados ás tomadas FO, previstas nas ZAP. Estas ligações serão efectuadas com pré-conectorização e uma eventual junção mecânica. 10. PROTECÇÕES E LIGAÇÕES Á TERRA Deverá ser garantida a ligação dos equipamentos e materiaias ITED á terra geral de protecção do edifício Terminal Principal de Terra - TPT Essa ligação far-se-á através de um BGT Barramento Geral de Terras das ITED situado no Bastidor ATE-INF. O projecto eléctrico deverá prever a instalação de uma rede de terras única, que de acordo com o RSIUEE, evite uma tensão de contacto superior ao valor máximo regulamentado, com a selecção adequada da sensibilidade do disjuntor diferencial que proteje a instalação (10 ou 30 ma). As secções dos condutores de terra a usar nas interligação das caixas e dispositivos deverá deverá obedecer ao esquema recomendado e que está patente no desenho em anexo. 8

12 9Req: FORCONSULTING, -Lda. Deverão serão ligadas à terra de protecção: - O invólucro das caixas metálicas da rede de tubagens; - Os descarregadores de sobretensão. - Os invólucros das caixas metálicas da rede de TV / RF; - Os mastros das antenas de recepção de sinais de TV / RF; - Os derivadores e repartidores de cabo coaxial. É recomendado que o valor da resistência da terra do electrodo deverá ser o mais baixo possível (até 20Ω) e a resistência de contacto das ligações equipotenciais nos barramentos, bornes e condutores de terra seja inferior a 5mΩ 11. INTERFERÊNCIAS ELECTROMAGNÉTICAS É relevante o aspecto das interferências electromagnéticas oriundas de circuitos eléctricos, motores, transformadores, etc. É fundamental que a instalação salvaguarde uma separação mínima entre os cabos de telecomunicações e os circuitos eléctricos. Para evitar interferências eletromagnéticas, as tubulações de telecomunicações devem cruzar perpendicularmente as dos cabos eléctricos e atender aos afastamentos mínimos, tal como é recomendado no Manual ITED. 12. ALIMENTAÇÃO ELÉCTRICA Deverá ser garantida a alimentação eléctrica das Redes ITED, no Projecto de Electricidade, com a colocação das seguintes tomadas: - 6 Tomadas com terra no ATE Inferior - 4 Tomadas com terra no ATE Superior - 1 Tomada com terra em cada ATI ( + 1 na CATI, se for o caso) As tomadas a instalar no ATE serão ligadas a circuitos de energia do QSC Quadro de Serviços Comuns do edifício. A tomada a instalar em cada ATI da fracção autónoma deverá ficar ligada a circuito do respectivo QE Quadro eléctrico. 9

13 10Req: FORCONSULTING, -Lda. B CONDIÇÕES TÉCNICAS Além das condições técnicas já referidas nos vários pontos do capítulo anterior, sublinhase que são Condições Técnicas integrantes para a execução da Obra, todos os Requisitos Técnicos Gerais, Regras de Instalação e Ensaios que constam no Manual ITED 2ª Edição, de Novembro de 2009 que sejam aplicáveis ao preconizado neste projecto, bem como as boas práticas desta especialidade. A execução deve ser condicionada pelo respeito de todas as especificações constantes nos elementos que compõem este projecto, incluindo o referido nos itens do Mapa de Medições. 1. MATERIAIS A selecção dos materiais a aplicar deve atender ás especificações dos vários elementos do Projecto, onde constam as referências para cada tecnologia e estar em conformidade com a caracterização genérica de materiais e equipamentos do Manual ITED. Os materiais não indicados, bem como os acessórios não especificados necessários para a execução da infra-estrutura, devem obedecer ao mesmo critério de selecção. 2. INSTALAÇÃO Deve ser comunicado ao projectista o início da obra, a fim de ser orientada e acompanhada a execução desta infra-estrutura DÚVIDAS, ERROS OU OMISSÕES Eventuais erros ou omissões neste projecto deverão ser comunicadas ao autor do mesmo, sendo resolvidas na observância da regulamentação em vigor. O Instalador ou Dono de Obra, sempre que se vir confrontado com dúvidas ou a necessidade de alteração do tipo de material a aplicar, deve, consultar o previamente o projectista ALTERAÇÕES DO PROJECTO Alterações ao previsto neste projecto devem seguir o PROCEDIMENTO DE ALTERAÇÃO DE PROJECTO, conforme especificado no Ponto 4.6 do Manual ITED RELATÓRIO DE FUNCIONALIDADE (REF) Depois de concluída a execução da rede ITED o instalador terá que: Emitir o Termo de responsabilidade da execução da instalação. Para o efeito, deve proceder aos ensaios da instalação e registo de valores obtidos com elaboração de um REF-Relatório de Ensaios de Funcionalidade, onde conste o seguinte: 10

14 11Req: FORCONSULTING, -Lda. - Verificação da conformidade da instalação com este projecto ou, sendo o caso, com o projecto de alterações; - Ensaios efectuados, resultados, metodologias e critérios de amostragem utilizados; Especificações técnicas de referência; Equipamento utilizado nas medições; Identificação do técnico que realizou os ensaios. (Nota: O instalador poderá recorrer aos serviços da Meira de Sá, Lda., caso não disponha dos meios adequados para a realização dos ensaios). O instalador deverá juntar ao relatório de ensaios de funcionalidade, uma cópia do projecto e tudo o mais que julgar necessário à caracterização da instalação, o que constituirá o cadastro da obra. O instalador deve elaborar uma Ficha do RG-PC, uma Ficha do RG-FO, com os encaminhamentos identificados para as fracções, e uma RG-CC onde constem também os valores das atenuações por tomada menos favorável por fracção. Estas fichas devem ser colocadas no ATE-INF. C OBRIGAÇÕES LEGAIS Pela importância, trancrevem-se nos pontos seguintes, os Artigos do Decreto-Lei 123/2009 de 21 de Maio, actualizado pelo Decreto-Lei 258/2009 de 25 de Setembro. 1. DONO DA OBRA Artigo 59.º - Infra-estruturas obrigatórias nos edifícios 1 Nos edifícios é obrigatória a instalação das seguintes infra-estruturas: a) Espaços para instalação de tubagem; b) Redes de tubagem necessárias para a instalação dos diversos equipamentos, cabos e outros dispositivos; c) Sistemas de cablagem em pares de cobre, cabo coaxial, para distribuição de sinais sonoros e televisivos do tipo A e em fibra óptica; d) Instalações eléctricas de suporte a equipamentos e sistemas de terra. 4 O cumprimento das obrigações previstas no presente artigo recai sobre o dono da obra. 2. PROJECTISTA Artigo 69.º - Obrigações do projectista ITED 1 Constituem obrigações do projectista ITED: a) Elaborar projectos de acordo com o artigo 70.º e as normas técnicas aplicáveis; b) Disponibilizar ao dono da obra e ao ICP-ANACOM o termo de responsabilidade previsto no artigo 66.º; c) Assegurar, por si ou por seu mandatário, o acompanhamento da obra, assinalando no respectivo livro de obra o andamento dos trabalhos e a qualidade de execução da mesma, bem como a confirmação final, obrigatória, no respectivo livro, de que a instalação se encontra de acordo com o projecto. 11

15 12Req: FORCONSULTING, -Lda. 3. INSTALADOR Artigo 76.º - Obrigações do instalador ITED 1 Constituem obrigações dos instaladores ITED: a) Manter actualizada a informação relativa à sua inscrição no ICP -ANACOM; b) Empregar nas instalações apenas equipamentos e materiais que estejam em conformidade com os requisitos técnicos e legais aplicáveis; c) Instalar as infra-estruturas de telecomunicações de acordo com o projecto e com as normas técnicas aplicáveis. d) Emitir termo de responsabilidade de execução da instalação, disponibilizando-o ao dono de obra, ao proprietário ou à administração do edifício e ao ICP-ANACOM 4 A ligação das ITED às redes públicas e comunicações só pode ser efectuada após a emissão do termo de responsabilidade de execução da instalação. 4. INSTALADOR / OPERADORAS PÚBLICAS Artigo 76º - ponto 4 A ligação das ITED às redes públicas de comunicações só pode ser efectuada após a emissão do termo de responsabilidade de execução da instalação. 5. CONTRA-ORDRNAÇÕES E COIMAS Artigo 89.º - Contra -ordenações e coimas 3 Sem prejuízo de outras sanções aplicáveis, no âmbito do regime ITED constituem contra-ordenações: a) A não instalação das infra-estruturas obrigatórias previstas nas alíneas a) a d) do n.º 1 do artigo 59.º; j) O incumprimento das obrigações previstas no n.º 1 do artigo 69.º; o) O incumprimento pelo instalador das obrigações previstas no n.º 1 do artigo 76.º; e o incumprimento pelo dono da obra e pela empresa de comunicações electrónicas do nº 4 do artigo 76º. 5 As contra -ordenações previstas nas alíneas a), j), o), do n.º 3 são puníveis com coima de 500 a 3740 e de 5000 a ,81, consoante sejam praticadas por pessoas singulares ou colectivas, respectivamente. 12

16 13Req: FORCONSULTING, -Lda. Viana do Castelo, 30 de Novembro de 2010 O TÉCNICO RESPONSÁVEL Alberto Manuel Rodrigues Pinto Pinheiro Engº Téc. Contactos: Tel.:

17 Projecto de INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES ITED Edifício: FORCONSULTING Original Requerente: FORCONSULTING, Lda. Rua da Formação, s/n BARCELOS Sede: Rua da Boa Viagem, Areosa VIANA DO CASTELO Tel.: Contribuinte n.º Capital Social: Conservatória do Registo Comercial de Viana do Castelo, sob o n.º 3082

18 Projecto de INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES ITED Edifício: FORCONSULTING Duplicado FORCONSULTING, Lda. Rua da Formação, s/n BARCELOS Sede: Rua da Boa Viagem, Areosa VIANA DO CASTELO Tel.: Contribuinte n.º Capital Social: Conservatória do Registo Comercial de Viana do Castelo, sob o n.º 3082

19 Projecto de INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES ITED Edifício: FORCONSULTING Triplicado FORCONSULTING, Lda. Rua da Formação, s/n BARCELOS Sede: Rua da Boa Viagem, Areosa VIANA DO CASTELO Tel.: Contribuinte n.º Capital Social: Conservatória do Registo Comercial de Viana do Castelo, sob o n.º 3082

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Manual ITED 2.ª Edição. Direcção de Fiscalização

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Manual ITED 2.ª Edição. Direcção de Fiscalização Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios Manual ITED 2.ª Edição Direcção de Fiscalização Julho de 2010 Novo regime ITED Manual ITED, 2.ª edição linhas orientadoras Regras técnicas Tubagem Cablagem

Leia mais

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Direcção de Fiscalização

Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. Direcção de Fiscalização Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios Direcção de Fiscalização Novo regime ITED Manual ITED, 2.ª edição linhas orientadoras Regras técnicas Tubagem Cablagem Pontos de fronteira Ligações de

Leia mais

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h)

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico de projecto

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 4 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

Curso Instalador ITED

Curso Instalador ITED Curso Instalador ITED Formação de Actualização UFCD ITED A + ITED B Abril de 2015 Canalizações ITED Ricardo Oliveira Canalizações - Conceitos Classificação de PD Pontos de distribuição Classifica-se como

Leia mais

ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS

ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS ANEXO 6 FICHAS TÉCNICAS MANUAL ITED 1ª edição revista - Dezembro 2003 - ANEXO 6 1 ITED INFRA-ESTRUTURAS DE TELEUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS FICHA TÉCNICA PROJECTO N.º LOCALIZAÇÃO DA OBRA CONCELHO MORADA FREGUESIA

Leia mais

A entrada subterrânea, ligada à CEMU, é realizada com 2 tubos com diâmetros = 50 mm.

A entrada subterrânea, ligada à CEMU, é realizada com 2 tubos com diâmetros = 50 mm. Moradia unifamiliar REDES DE TUBAGENS REDE INDIVIDUAL 1 Tubo 25 mm da CEMU (Caixa de Entrada da Moradia Unifamiliar) até ao ATI (Armário de Telecomunicações Individual), para passagem dos cabos de pares

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 MANUAL ITED 1ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 10 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI

INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI MANUAL ITED 2ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 2 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE ÍNDICE... 2 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI GERAÇÃO 3.1 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 8 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE índice...2 1. Introdução...3 2. Documentos normativos aplicados...3

Leia mais

INSTALAÇÕES DE COMUNICAÇÕES MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00

INSTALAÇÕES DE COMUNICAÇÕES MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00 SOCIEDADE POLIS LITORAL RIA FORMOSA, SA Elaboração de Projectos de Execução para a requalificação de espaços ribeirinhos, de parques públicos e percursos pedonais - Parque Ribeirinho de Faro - RF 18.02.45

Leia mais

ATI 3play - características gerais

ATI 3play - características gerais patente nº 104593 ATI 3play - características gerais Primário e Secundário Cat 6 (classe E). Conectores RJ45, permanent link Cat 6, de acesso exterior para injecção de sinais de equipamento activo ( RC-PC

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Objectivos...2 2 - Legislação aplicável...2 3 - Enquadramento legal...2 3.1 - Limites de fornecimento...2 3.2 - Descrição de encargos...2 3.2.1 - Encargos do adjudicatário...2 3.3 - Encargos

Leia mais

ADAPTAÇÃO DOS EDIFÍCIOS CONSTRUÍDOS À FIBRA ÓPTICA

ADAPTAÇÃO DOS EDIFÍCIOS CONSTRUÍDOS À FIBRA ÓPTICA 6 ADAPTAÇÃO DOS EDIFÍCIOS CONSTRUÍDOS À FIBRA ÓPTICA 135 6. ADAPTAÇÃO DOS EDIFÍCIOS CONSTRUÍDOS À FIBRA ÓPTICA 6.1 PROJECTO DE ALTERAÇÃO DE EDIFÍCIOS - ITED As infra-estruturas de telecomunicações construídas

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES ATI 3PLAY SÉRIE 15

MANUAL DE INSTRUÇÕES ATI 3PLAY SÉRIE 15 MANUAL DE INSTRUÇÕES ATI 3PLAY SÉRIE 15 1- Introdução A ATI 3Play da TEKA foi concebido em conformidade com as prescrições e especificações técnicas do Manual de Infraestruturas de Telecomunicações em

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS PARA. 21 de Dezembro de 2010

PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS PARA. 21 de Dezembro de 2010 PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR PARA ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS 21 de Dezembro de 2010 Índice 1 Enquadramento... 3 2 Referencial Formativo... 4 2.1 Módulos de formação...

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS PARA. 21 de Dezembro de 2010

PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS PARA. 21 de Dezembro de 2010 PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR PARA ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS 21 de Dezembro de 2010 Anexo B Descrição dos Conteúdos Programáticos dos Módulos de Formação 2 ITED

Leia mais

ANACOM PROTOCOLO ENTRE AUTORIDADE NACIONAL DAS COMUNICAÇÕES ORDEM DOS ENGENHEIROS ANET - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS

ANACOM PROTOCOLO ENTRE AUTORIDADE NACIONAL DAS COMUNICAÇÕES ORDEM DOS ENGENHEIROS ANET - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS ANACOM AUTORIDADE NACIONAL DE COMUNICAÇÕES PROTOCOLO ENTRE AUTORIDADE NACIONAL DAS COMUNICAÇÕES E ORDEM DOS ENGENHEIROS ANET - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Considerando a necessidade de

Leia mais

ATI Modular: um novo conceito

ATI Modular: um novo conceito ATI Modular: um novo conceito A SOLUÇÃO IDEAL PARA OS SEUS PROJECTOS Todos os produtos estão de acordo com as exigências do novo manual ITED ed.2 O novo conceito de ATI O novo ATI - Armário de Telecomunicações

Leia mais

Disciplina: Projeto de Especialidades. Projeto: Rede de telecomunicações. Especialidade: Rede de Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios

Disciplina: Projeto de Especialidades. Projeto: Rede de telecomunicações. Especialidade: Rede de Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências e Tecnologias Curso de Engenharia Civil 3ºAno Disciplina: Projeto de Especialidades Projeto: Rede de telecomunicações Especialidade: Rede de Infra-estruturas

Leia mais

Curso Instalador ITED

Curso Instalador ITED Curso Instalador ITED Formação de Actualização UFCD ITED A + ITED B Abril de 2015 Cablagem Fibra Óptica no ITED Ricardo Oliveira Fibra Óptica ITED 3ª edição - Mantém-se a obrigatoriedade de utilização

Leia mais

Instalações ITED Generalidades

Instalações ITED Generalidades Módulo ITED-1 UFCD 6085 Instalações ITED Generalidades 1. Considerações prévias, Legislação, normas e regulamentos em vigor (manual ITED). 2. Simbologia utilizada nas ITED. 3. Sistemas de Cablagem em par

Leia mais

Ação de Formação para Engenheiros e Engenheiros Técnico

Ação de Formação para Engenheiros e Engenheiros Técnico Ação de Formação para Engenheiros e Engenheiros Técnico Ited-B Projeto e Instalação ITED (Infraestruturas de Telecomunicações em Edifícios) Habilitante - 150h Índice 1. Objetivo Geral... 3 2. Objetivos

Leia mais

14. ENSAIOS 14.1 ENSAIOS DE REDES DE PARES DE COBRE

14. ENSAIOS 14.1 ENSAIOS DE REDES DE PARES DE COBRE 14 ENSAIOS 177 14. ENSAIOS Os ensaios das ITED são da responsabilidade do instalador que constituirá, assim, um Relatório de Ensaios de Funcionalidade (REF), tal como consta do ponto 14.6. O instalador

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADE FORMADORA ITED-ITUR

CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADE FORMADORA ITED-ITUR CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADE FORMADORA ITED-ITUR Atenção: Este formulário está sujeito ao pagamento de uma taxa. TIPO DE CANDIDATURA (Selecionar, pelo menos, uma opção) Certificação de Entidade Formadora ITED

Leia mais

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA

ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA projectos de engenharia de edifícios lda Azinhaga do Torre do Fato 5C Esc.1-1600-299 Lisboa www.promee.pt geral@promee.pt ESTÁDIO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA EDIFÍCIOS DO DRIVING RANGE E CLUB HOUSE LISBOA

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 98 99 100 108 116 117 118 120 ESPECIFICAÇÕES GERAIS GRAUS DE PROTECÇÃO ESPECIFICAÇÕES SAFETYMAX ESPECIFICAÇÕES ITED ESPECIFICAÇÕES RAQUITED ESPECIFICAÇÕES CENTRALIZAÇÃO CONTAGEM ESPECIFICAÇÕES QUADRO-COLUNAS

Leia mais

REGRAS de EXECUÇÃO. António M. S. Francisco (revisão 01/06)

REGRAS de EXECUÇÃO. António M. S. Francisco (revisão 01/06) REGRAS de EXECUÇÃO António M. S. Francisco (revisão 01/06) INTERNET Para informação completa e detalhada consultar o manual ITED em: http://www.anacom.pt Para informação sobre material (catálogo) para

Leia mais

I TUR Redes de Nova Geração

I TUR Redes de Nova Geração I TUR Redes de Nova Geração Workshop - Telecomunicações - ISEP / 2009 01 de Julho de 2009 Direcção de Fiscalização PONTOS DE ANÁLISE ÍNDICE Objectivos Enquadramento geral ITUR/ ITED Linhas Gerais e específicas

Leia mais

Os ensaios descritos neste capítulo estão adequados aos Níveis de Qualidade (NQ) definidos no ponto 1.2.

Os ensaios descritos neste capítulo estão adequados aos Níveis de Qualidade (NQ) definidos no ponto 1.2. 6 ENSAIOS Na realização de ensaios nas ITED, a entidade certificadora e o instalador deverão ter em consideração o projecto técnico e os requisitos do presente Manual ITED. 6.1 GENERALIDADES O presente

Leia mais

PROJECTO DE INFRAESTRUTURAS PARA TELECOMUNICAÇÕES

PROJECTO DE INFRAESTRUTURAS PARA TELECOMUNICAÇÕES OBRA: REDE VIÁRIA FAQUÊLO ARCOS (S. PAIO) PROJECTO DE INFRAESTRUTURAS PARA TELECOMUNICAÇÕES CONSTRUÇÃO DE ARRUAMENTO DESDE A ROTUNDA DANMARIE - LÉS - LYS À AV. ENGº CASTRO CALDAS - A2 ARCOS DE VALDEVEZ

Leia mais

ANEXO 8 ESQUEMAS: DDC, TC, ATI, RG-PC+, RG-FO

ANEXO 8 ESQUEMAS: DDC, TC, ATI, RG-PC+, RG-FO ANEXO ESQUEMAS: DDC, TC, ATI, RG-PC+, RG-FO MANUAL ITED ª edição Julho 00 - ANEXO ESQUEMA DE UM DDC Apresentam-se de seguida os esquemas de constituição de um possível DDC, integrado num ATI. Na figura

Leia mais

Regime de instalação das infra-estruturas de telecomunicações em edifícios

Regime de instalação das infra-estruturas de telecomunicações em edifícios Regime de instalação das infra-estruturas de telecomunicações em edifícios Decreto-Lei n.º 59/2000 de 19 de Abril Pelo Decreto-Lei n.º 146/87, de 24 de Março, foram fixadas as regras básicas tendo em vista

Leia mais

FORMAÇÃO. PROFISSIONAIS de electricidade. pour PARA les professionnels. de l ÉleCTRICITÉ

FORMAÇÃO. PROFISSIONAIS de electricidade. pour PARA les professionnels. de l ÉleCTRICITÉ pour PARA les professionnels PROFISSIONAIS de electricidade de l ÉleCTRICITÉ FORMAÇÃO Corte e Protecção Concepção e certificação de quadros e armários eléctricos até 400 A Curso ref. M.11.001.12 Objectivos

Leia mais

INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS (ITED) MANUAL

INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS (ITED) MANUAL INFRA-ESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS (ITED) MANUAL ÍNDICE I INTRODUÇÃO II PRESCRIÇÕES E INSTRUÇÔES TÉCNICAS ANEXO 1 DEFINIÇÕES ANEXO 2 SIMBOLOGIA ANEXO 3 MATERIAIS ANEXO 4 PRESCRIÇÕES FACULTATIVAS

Leia mais

GENERALIDADES SOBRE INFRAESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS (ITED) JORNADAS TÉCNICAS DE ELETROTECNIA - 1

GENERALIDADES SOBRE INFRAESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS (ITED) JORNADAS TÉCNICAS DE ELETROTECNIA - 1 GENERALIDADES SOBRE INFRAESTRUTURAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFÍCIOS (ITED) JORNADAS TÉCNICAS DE ELETROTECNIA - 1 POUCO DE HISTÓRIA 1981 DL 188/81 estabelece o regime legal para o surgimento do Instituto

Leia mais

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES Engenharia de Sistemas e Informática Bibliografia: Engenharia de Redes Informáticas; Edmundo Monteiro e Fernando Boavida; FCA 1 Conteúdo programático Equipamento Passivo

Leia mais

ESQUEMA DE LIGAÇÃO. Modulos ACO no DDC Secundário. Reserva. Módulos Triplos no DDC Secundário. Sinal de Telefone proveniente do.

ESQUEMA DE LIGAÇÃO. Modulos ACO no DDC Secundário. Reserva. Módulos Triplos no DDC Secundário. Sinal de Telefone proveniente do. Esquema de Ligação dos es de Cobre provenientes da Coluna para os Modulos ACO no DDC Primário Esquema de Ligação dos Modulos ACO no DDC Secundário Chicote de Interligação de 4 pares proveniente do DDC

Leia mais

LISTA DE PEÇAS DESENHADAS CMA 09.07.2015,GER,I,CM,57949

LISTA DE PEÇAS DESENHADAS CMA 09.07.2015,GER,I,CM,57949 LISTA DE PEÇAS DESENHADAS CMA 09.07.2015,GER,I,CM,57949 (página em branco) CMA 09.07.2015,GER,I,CM,57949 DESENHO Nº DESIGNAÇÃO ESCALA 01 Rede de Tubagens e Caixas, Planta Geral do Refeitório 1:100 02 Rede

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Índices de proteção (IP) 1. IP XX grau de proteção dos invólucros de equipamentos elétricos segundo as normas EN 60529, IEC 60529 1º algarismo: proteção contra corpos sólidos IP 2º algarismo: proteção

Leia mais

Exmos. Srs., Cumprimentos,

Exmos. Srs., Cumprimentos, From: Fernando Jacinto dos Santos Flores [mailto:fernando-z-flores@telecom.pt] Sent: terça-feira, 7 de Julho de 2009 14:59 To: manual.ited.itur@anacom.pt Subject: Manuais ITED e ITUR Exmos. Srs., Na sequência

Leia mais

Distribuidores e painéis de interligação Equipamento activo e chicotes de interligação

Distribuidores e painéis de interligação Equipamento activo e chicotes de interligação Redes Estruturadas O projecto e a instalação de redes de dados em edifícios são actividades reguladas por um conjunto de normas dispersas em diversos documentos, publicados por organismos internacionais.

Leia mais

Exemplo de Ligação Painel ATI de 4 Módulos Duplos e mais 4 Módulos Triplos

Exemplo de Ligação Painel ATI de 4 Módulos Duplos e mais 4 Módulos Triplos ATI ESQUEMA DE LIGAÇÃO Exemplo de Ligação Painel ATI de 4 Módulos Duplos e mais 4 Módulos Triplos Vista Frontal Telefone Filtro Cabo UTP ADSL Coluna PC Modem V.P. Monitor Vista Posterior Par 3 Par 4 Par

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE 1. Localização e montagem... 2 1.1. Equipamento de contagem... 2 1.2. Dispositivos

Leia mais

Curso Instalador ITED

Curso Instalador ITED Curso Instalador ITED Formação de Actualização UFCD ITED A + ITED B Abril de 2015 Cablagem Pares de Cobre Ricardo Oliveira Sistemas de Cablagem Mantém-se a utilização das 3 tecnologias Pares de cobre Cabo

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS Reguladores de fluxo luminoso Condições de instalação Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2010-01-20 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cablagem estruturada Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Os problemas Porquê organizar as cablagens? É fácil manter a organização

Leia mais

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OUTRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Documento complementar ao Guia de medição, leitura e disponibilização de dados Regras relativas à instalação, manutenção e verificação de equipamentos de medição, cabos e outros

Leia mais

(Regulamentação do D.L. N.º 68/2002, de 25 de Março)

(Regulamentação do D.L. N.º 68/2002, de 25 de Março) PROCEDIMENTOS DE LICENCIAMENTO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE MICROPRODUÇÃO COM AUTOCONSUMO DO GRUPO II Aprovados por Despacho do Director-Geral de Energia, de 29 de Outubro de 2003. (Regulamentação do D.L.

Leia mais

INSTALAÇÕES COLECTIVAS DE EDIFÍCIOS J. Neves dos Santos

INSTALAÇÕES COLECTIVAS DE EDIFÍCIOS J. Neves dos Santos INSTALAÇÕES COLECTIVAS DE EDIFÍCIOS J. Neves dos Santos FEUP Dezembro 2005 Agradecimentos O autor agradece ao Snr. José António Nogueira, do Secretariado da Secção de Energia, pelo excelente trabalho desenvolvido

Leia mais

A CERTIEL EM 2012. Redes particulares de distribuição de energia elétrica e iluminação exterior. Urgeiriça, 13 de Abril. Jornadas CERTIEL 2012 P 1

A CERTIEL EM 2012. Redes particulares de distribuição de energia elétrica e iluminação exterior. Urgeiriça, 13 de Abril. Jornadas CERTIEL 2012 P 1 A CERTIEL EM 2012 Redes particulares de distribuição de energia elétrica e iluminação exterior Urgeiriça, 13 de Abril CERTIEL 2012 P 1 CERTIEL 2012 P 3 Condomínios fechados Uniformização de critérios Melhores

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Armários de comando e controlo Características Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

REGULAMENTO. Regras relativas à identificação e sinalização de estações de radiocomunicações

REGULAMENTO. Regras relativas à identificação e sinalização de estações de radiocomunicações http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=270982 Deliberação de 5.3.2008 REGULAMENTO Regras relativas à identificação e sinalização de estações de radiocomunicações As estações de radiocomunicações

Leia mais

SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 2950-051 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE:

SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 2950-051 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE: SEDE: ESTRADA MUNICIPAL 533 * BISCAIA - ALGERUZ * 295-51 PALMELA - PORTUGAL TEL.: +351 21 233 27 55 / 6 / 7 / 8 FAX: +351 21 233 27 46 SITE: www.salemoemerca.pt - email: geral@salemoemerca.pt MATRICULADA

Leia mais

2ª EDIÇÃO. Manual ITED Prescrições e Especificações Técnicas das Infra-Estruturas de Telecomunicações em Edifícios

2ª EDIÇÃO. Manual ITED Prescrições e Especificações Técnicas das Infra-Estruturas de Telecomunicações em Edifícios 2ª EDIÇÃO Manual ITED Prescrições e Especificações Técnicas das Infra-Estruturas de Telecomunicações em Edifícios ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 15 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 REQUISITOS TÉCNICOS GERAIS

Leia mais

Projectos de Instalações em Edifícios

Projectos de Instalações em Edifícios Instituto Politécnico de Coimbra Instituto Superior de Engenharia de Coimbra Projectos de Instalações em Edifícios Ângela Maria Pereira Veiga Relatório de Estágio para obtenção do Grau de Mestre em Instalações

Leia mais

2ª EDIÇÃO. Manual ITED Prescrições e Especificações Técnicas das Infra-Estruturas de Telecomunicações em Edifícios

2ª EDIÇÃO. Manual ITED Prescrições e Especificações Técnicas das Infra-Estruturas de Telecomunicações em Edifícios 2ª EDIÇÃO Manual ITED Prescrições e Especificações Técnicas das Infra-Estruturas de Telecomunicações em Edifícios ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 15 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 REQUISITOS TÉCNICOS GERAIS

Leia mais

Soluções isolantes para ITED 3ª

Soluções isolantes para ITED 3ª Investigação como norma Fabricante especialista desde 1964 Soluções isolantes para ITED 3ª Edição S ete m bro 2014 Índice Introdução.... 2 Tipos de edifícios... 3 Rede de tubagens... 4-7 Dimensionamento

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº1 Cablagem estruturada 1 Introdução Vivemos em plena segunda revolução industrial.

Leia mais

FISCALIZAÇÃO ITED e ITUR

FISCALIZAÇÃO ITED e ITUR FISCALIZAÇÃO ITED e ITUR Nuno Castro Luís Direção de Fiscalização Funchal, 11 de março de 2015 Fiscalização da ANACOM Infraestruturas de telecomunicações em edifícios Infraestruturas de telecomunicações

Leia mais

Redes Gpon FTTH uma realidadade em portugal

Redes Gpon FTTH uma realidadade em portugal Redes Gpon FTTH uma realidadade em portugal III Jornadas Electrotécnicas ISEP A. Vilas Boas - Amisfera, lda A Tecnologia GPON está dsiponível há já alguns anos Quando falamos em Redes de Nova Geração estamos

Leia mais

Tecnologia ao seu dispor

Tecnologia ao seu dispor Tecnologia ao seu dispor EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE 1987 Janeiro Fundação como empresa de prestação de serviços na área da electrónica e Centro de Assistência Técnica para o Sul do País de um fabricante de

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA EXECUÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT EM LOTEAMENTOS

REGRAS BÁSICAS PARA EXECUÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BT EM LOTEAMENTOS Critérios de aceitação/rejeição: o trabalho é considerado bem executado se cumprir o estabelecido no presente documento, caso contrário não é aceite, devendo proceder-se às correcções necessárias. Nota:

Leia mais

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO QUADRO RESUMO FORMAÇÃO UFCD (H) Análise de circuitos em corrente contínua 6008 25 Corrente alternada 6010 25 Eletrónica industrial 6023 25 Instalações elétricas - generalidades 6075

Leia mais

http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=139162

http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=139162 http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=139162 Guia para Designação de Entidades Formadoras ICP - ANACOM, 1ª edição Janeiro de 2005 ÍNDICE 1 ENQUADRAMENTO...4 2 REQUISITOS DE DESIGNAÇÃO...4 2.1

Leia mais

Normativo técnico. Anexo 2 Versão 1.2012 FIRST RULE S.A.

Normativo técnico. Anexo 2 Versão 1.2012 FIRST RULE S.A. Normativo técnico Anexo 2 Versão 1.2012 Índice 1 Introdução... 3 2 Preparação dos pedidos de disponibilidade... 3 2.1 Espaço disponível... 4 3 Instalação de cabos e equipamentos... 5 3.1 Câmaras de Visita...

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Diário da República, 1.ª série N.º 187 25 de Setembro de 2009 6883 de um processo injustificadamente moroso que fazia com que a reconstituição dos assentos pudesse, caso não fossem encontrados documentos

Leia mais

MANUAL ITED 2.ª edição versão 4.1 24 de Julho de 2009

MANUAL ITED 2.ª edição versão 4.1 24 de Julho de 2009 MANUAL ITED (Prescrições e Especificações Técnicas das Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios) 2.ª edição versão 4.1 24 de Julho de 2009 ÍNDICE GERAL PREÂMBULO LINGUÍSTICO 1 INTRODUÇÃO... 10

Leia mais

Instruções de Utilização. Equalizador Instabus de 4 vias 0531 00

Instruções de Utilização. Equalizador Instabus de 4 vias 0531 00 Instruções de Utilização Equalizador Instabus de 4 vias 531 Informações acerca do sistema Este aparelho é um produto do Sistema EIB Instabus e está em conformidade com as normas EIBA. Para a compreensão

Leia mais

Série ATI E BASTIDOR 3 PLAY SÉRIE 15

Série ATI E BASTIDOR 3 PLAY SÉRIE 15 ATI E BASTIDOR 3 PLAY SÉRIE 15 Nova gama de ATI s e Bastidores Teka para ITED e redes estruturadas, destinados ao residencial e ao pequeno terciário (escritórios, lojas,...) ATI s comercialmente disponíveis

Leia mais

ACSS ACSS. Gás combustível em edifícios hospitalares. do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010. Especificações Técnicas para. Administração Central

ACSS ACSS. Gás combustível em edifícios hospitalares. do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010. Especificações Técnicas para. Administração Central Especificações Técnicas para Gás combustível em edifícios hospitalares ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010 Administração Central ACSS do Sistema de Saúde Ministério da

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia em instalações MT e BTE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia em instalações MT e BTE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia em instalações MT e BTE 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONTAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA EM MÉDIA E BAIXA TENSÃO ESPECIAL... 3 2.1. Características

Leia mais

Projeto da 3.ª edição

Projeto da 3.ª edição MANUAL ITED (Prescrições e Especificações Técnicas das Infraestruturas de Telecomunicações em Edifícios) Projeto da 3.ª edição ÍNDICE GERAL 1 INTRODUÇÃO... 10 1.1 DEFINIÇÕES... 10 1.2 ACRÓNIMOS E SIGLAS...

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Projecto de cablagem estruturada Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Projecto de cablagem Metodologia 1. Definição de requisitos 2. Planeamento 3. Projecto 2 Exemplo Empresa

Leia mais

REQUISITOS TÉCNICOS GERAIS

REQUISITOS TÉCNICOS GERAIS 2 REQUISITOS TÉCNICOS GERAIS 25 2. REQUISITOS TÉCNICOS GERAIS O presente capítulo define os tipos de edifício e as respectivas fronteiras com as redes públicas de comunicações electrónicas, ou com as infra-estruturas

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas FICHA DE TRABALHO Nº3 José Vitor Nogueira Santos Topologia de Redes Fibra Óptica e Wireless - 0830 Mealhada, 2009

Leia mais

Bastidores para fibra óptica

Bastidores para fibra óptica Apresentação A gama de armários para fibra óptica Olirack foi concebida para a instalação, protecção e isolamento de terminadores e repartidores ópticos. A fibra óptica é um filamento feito de vidro ou

Leia mais

CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL

CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL ÍNDICE REMISSIVO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Objecto Artigo 2º- Definições Artigo 3º - Âmbito de Aplicação CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL Artigo

Leia mais

I SÉRIE Nº 9 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 27 DE FEVEREIRO DE 2006 273

I SÉRIE Nº 9 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 27 DE FEVEREIRO DE 2006 273 I SÉRIE Nº 9 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 27 DE FEVEREIRO DE 2006 273 Artigo 12º Fiscalização Para efeitos de fiscalização do cumprimento do presente diploma, o I.N.P.S. goza dos mesmos poderes atribuídos

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Sistemas de iluminação, tomadas interiores, extracção de fumos, ar condicionado, centrais de intrusão e incêndio Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação:

Leia mais

SAFETYMAX CLASSE II DE ISOLAMENTO ITED 1ª EDIÇÃO ATI / ATE / TIPO C / CEMU ITED 2ª EDIÇÃO ATI / ATE / PASSAGEM / CEMU ATI_RACK + CATI

SAFETYMAX CLASSE II DE ISOLAMENTO ITED 1ª EDIÇÃO ATI / ATE / TIPO C / CEMU ITED 2ª EDIÇÃO ATI / ATE / PASSAGEM / CEMU ATI_RACK + CATI SAFETYMAX 08 CLASSE II DE ISOLAMENTO ITED 1ª EDIÇÃO 22 ATI / ATE / TIPO C / CEMU ITED 2ª EDIÇÃO 26 ATI / ATE / PASSAGEM / CEMU ATI_RACK + CATI 30 ITED 1ª E 2ª EDIÇÃO RAQUITED 34 BASTIDOR ITED 1ª E 2ª EDIÇÃO

Leia mais

MANUAL ITED 2.ª edição versão 3.1 21 Maio 2009

MANUAL ITED 2.ª edição versão 3.1 21 Maio 2009 MANUAL ITED (Prescrições e Especificações Técnicas das Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios) 2.ª edição versão 3.1 21 Maio 2009 ÍNDICE GERAL 1 INTRODUÇÃO... 10 1.1 DEFINIÇÕES... 10 1.2 ACRÓNIMOS

Leia mais

MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DA ECONOMIA. N. o 244 21-10-1997 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B

MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DA ECONOMIA. N. o 244 21-10-1997 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 244 21-10-1997 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 5689 8 No desempenho das suas funções, o chefe de projecto é equiparado para todos os efeitos legais a director-geral e os chefes de projecto-adjuntos

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros da Administração Interna e da Economia, o seguinte:

Manda o Governo, pelos Ministros da Administração Interna e da Economia, o seguinte: A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 1063/97, de 21 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 1063/97 de 21 de Outubro

Leia mais

MINICOLUNAS. www.simon.pt. Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões

MINICOLUNAS. www.simon.pt. Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões MINICOLUNAS ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Minicolunas para instalações elétricas de châo para

Leia mais

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO (RESUMO) Instalações tipo C são instalações abastecidas a partir da rede pública de baixa tensão. Estas instalações são certificadas pela Certiel Associação Certificadora

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO MUNICIPAL DOS REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março - que aprova o novo regime jurídico da

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Gás Combustível em Edifícios Hospitalares.

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Gás Combustível em Edifícios Hospitalares. Guia para Especificações técnicas para Gás Combustível em Edifícios Hospitalares ET 02/2006 V. 2013 ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ACSS ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos Especificações

Leia mais

Armários de Telecomunicações Individuais. O ATI mais evoluído do mercado Tecnologia 100% útil EFICÁCIA SIMPLICIDADE RENDIMENTO. www.jsl-online.

Armários de Telecomunicações Individuais. O ATI mais evoluído do mercado Tecnologia 100% útil EFICÁCIA SIMPLICIDADE RENDIMENTO. www.jsl-online. 9582008 NOVO ASÉRIE CTI V Armários de Telecomunicações Individuais O ATI mais evoluído do mercado Tecnologia 00% útil EFICÁCIA SIMPLICIDADE RENDIMENTO www.jslonline.net UMA MISSÃO, UM DESAFIO: INOVAR Caro

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS Ensino Secundário ANO LECTIVO 0/0 Disciplina: Praticas Oficinais 0.º Ano Turma C Total de Aulas Previstas (45 min) 00 º Período SET / 7 DEZ 78 º Período 0 JAN / 4 MAR 58 º Período 04 ABR / 4 JUN 4. Unidade

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Diário da República, 1.ª série N.º 98 21 de Maio de 2009 3253

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Diário da República, 1.ª série N.º 98 21 de Maio de 2009 3253 Diário da República, 1.ª série N.º 98 21 de Maio de 2009 3253 13 de Maio, o artigo 11.º -A, com a seguinte redacção: «Artigo 11.º -A Comunicações obrigatórias 1 É oficiosa e gratuitamente comunicado aos

Leia mais

Debate / Palestra sobre Meios de Transmissão de Dados

Debate / Palestra sobre Meios de Transmissão de Dados Debate / Palestra sobre Meios de Transmissão de Dados Escola Secundária João de Barros Corroios Curso Profissional de Gestão de Equipamentos Disciplina de Comunicação de Dados 14-10-2011 Pedro Russo Breve

Leia mais

PROJECTO DA REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

PROJECTO DA REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROJECTO DA REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA CONSTRUÇÃO DE ARRUAMENTO DESDE A ROTUNDA DANMARIE - LÉS - LYS À AV. ENGº CASTRO CALDAS - A2 ARCOS DE VALDEVEZ ÍNDICE 1) Planta de Localização 2) Termo de Responsabilidade

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS (Portaria n.º 1107/2001, de 18 de Setembro) O Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, que aprovou o novo regime

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais