A LEITURA COMO FERRAMENTA PARA O EXERCÍCIO DA CIDADANIA DA LEITURA PARA AFERIÇÃO ÀS PRÁTICAS EMANCIPATÓRIAS E CRIATIVAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A LEITURA COMO FERRAMENTA PARA O EXERCÍCIO DA CIDADANIA DA LEITURA PARA AFERIÇÃO ÀS PRÁTICAS EMANCIPATÓRIAS E CRIATIVAS"

Transcrição

1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC SETEC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO SHEILA SIQUEIRA DA SILVA A LEITURA COMO FERRAMENTA PARA O EXERCÍCIO DA CIDADANIA DA LEITURA PARA AFERIÇÃO ÀS PRÁTICAS EMANCIPATÓRIAS E CRIATIVAS Cuiabá MT Outubro 2009

2 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATU SENSU A DISTÂNCIA: EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INCLUSIVA SHEILA SIQUEIRA DA SILVA A LEITURA COMO FERRAMENTA PARA O EXERCÍCIO DA CIDADANIA DA LEITURA PARA AFERIÇÃO ÀS PRÁTICAS EMANCIPATÓRIAS E CRIATIVAS Cuiabá MT Outubro 2009

3 Ficha Catalográfica Silva, Sheila Siqueira da A Leitura como Ferramenta para o Exercício Da Cidadania Da Leitura para Aferição às Práticas Emancipatórias e Criativas Cuiabá -MT, 2009 Total de folhas do TCC: 55 Campos, Carlos Roberto Pires Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso Trabalho de Conclusão Curso Pós-Graduação Latu Sensu a distância em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva

4 SHEILA SIQUEIRA DA SILVA A LEITURA COMO FERRAMENTA PARA O EXERCÍCIO DA CIDADANIA DA LEITURA PARA AFERIÇÃO ÀS PRÁTICAS EMANCIPATÓRIAS E CRIATIVAS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Departamento de Pesquisa e Pós-Graduação do Curso de Especialização em Educação profissional e Tecnológica Inclusiva, do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Mato Grosso, como exigência para a obtenção do título de Especialista. Orientador: Prof. Dr. Carlos Roberto Pires Campos Cuiabá - MT Outubro 2009

5 SHEILA SIQUEIRA DA SILVA A LEITURA COMO FERRAMENTA PARA O EXERCÍCIO DA CIDADANIA DA LEITURA PARA AFERIÇÃO ÀS PRÁTICAS EMANCIPATÓRIAS E CRIATIVAS Trabalho de Conclusão de Curso Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva, submetido à Banca Examinadora composta pelos Professores do Programa de Pós-Graduação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Especialista. Aprovado em: outubro de 2009 Prof. Dr. Carlos Roberto Pires Campos Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Espírito Santo Orientador Prof. MSc. Mário Jorge de Moura Zuany Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Espírito Santo Membro da Banca Prof. Prof.ª Esp. Maria Aparecida Silva de Souza Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Espírito Santo Membro da Banca Cuiabá - MT Outubro de 2009

6 DEDICATÓRIA Dedico aos alunos do primeiro módulo do Curso Técnico Subsequente em Mineração, turma 2009/2.

7 AGRADECIMENTOS Ao meu orientador, pela paciência e persistência, em todo o percurso da pesquisa, além das dicas preciosas e as sábias intervenções. Aos gestores e coordenadores da Pós-Graduação, pelo brilhante e inovador trabalho na área de educação inclusiva. E aos colegas de trabalho, pela compreensão e apoio durante o percurso da pesquisa.

8 "Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história. Bill Gates

9 RESUMO Atualmente a grande maioria das pessoas acredita que a leitura só faz bem. Mas, o brasileiro sabe ler e escrever? O que os déficits educacionais da população representam em termos de exclusão social? A escola está conseguindo cumprir a função de garantir a todos o desenvolvimento de competências básicas necessárias ao exercício da cidadania? A história da educação permite constatar que, em todas as épocas, a escola foi seletiva, um privilégio de poucos. As sociedades sempre excluíram aqueles considerados inferiores. Pobres, mulheres, escravos, imigrantes, deficientes e outros tiveram seu acesso negado à educação por serem considerados inaptos ou destinados a comporem, na divisão social do trabalho, a massa encarregada somente da ação, sendo considerados incapazes de refletir. Serve para o desenvolvimento social do indivíduo a prática da leitura, requisito fundamental para o desenvolvimento de habilidades sociais, proporcionando-lhe melhor entendimento de seu meio e de seus pares, na construção de sua identidade e no convívio com o diferente. A pesquisa descritiva investigou os hábitos de leitura e a forma como se processam as atividades de leituras para alunos de um curso técnico na modalidade concomitante de uma escola pública federal do sul do Estado do Espírito Santo. Com este trabalho, pretendemos contribuir para uma reflexão acerca da importância do desenvolvimento das habilidades de leitura, por meio de uma proposta de educação que vise à participação social, com vistas a favorecer aos alunos o exercício de seus direitos, atuando efetivamente da sociedade, melhorando seu nível educativo, fortalecendo seus valores democráticos e tendo respeitada sua diversidade cultural. Palavras-chave: práticas de leitura; letramento múltiplo; cidadania

10 ABSTRACT Nowadays, it is thought by most people that reading is something really favorable. However, the question is: do the Brazilians know how to read and write? Concerning to social exclusion, what do the educational deficits of the population represent? Has the school been achieving its role of assuring everyone the development of basic competences necessary to citizenship? The history of Education allows us to conclude that in all times the school was selective, a privilege for a few ones. Society has always excluded those considered inferior people. The poor ones, women, slaves, immigrants, handicapped and others had their excess to education denied by being considered unable or people who did not deserve to become part of society. The reading practice is a fundamental practice for people s development of social abilities, providing them a better understanding about their environment and about their similar during their identity formation and their living with what is different. The descriptive research has investigated the reading habits and the way reading activities are performed by students of a technical course in the concomitant modality in a federal public school in the State of Espírito Santo. By this work, we intend, through an educational proposal which focuses the social participation, to contribute to a reflection about the importance of the students reading and interpretation abilities development in order to favor them concerning their rights exercise. In this way, the students can effectively act in society, improving their educational level, strengthening their democratic values and making them respected in despite of their cultural differences. Key words: reading practices; multiple literacy, citizenship.

11 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Gênero dos Alunos Pesquisados 36 Gráfico 2 Faixa Etária dos Alunos Pesquisados 37 Gráfico 3 Ocupação dos Alunos Pesquisados 37 Gráfico 4 Finalidade da Leitura para os Alunos Pesquisados 38 Gráfico 5 Tipo de Material Lido pelos Alunos Pesquisados 39 Gráfico 6 Frequência de Leitura de Revistas pelos Alunos Pesquisados 40 Gráfico 7 Tipo de Revistas Lidas pelos Alunos Pesquisados 40 Gráfico 8 Frequência de Leitura de Jornal pelos Alunos Pesquisados 41 Gráfico 9 Partes do Jornal Lidos pelos Alunos Pesquisados 41 Gráfico 10 Frequência de Leitura de Livros pelos Alunos Pesquisados 42 Gráfico 11 Tipo de Livros Lidos pelos Alunos Pesquisados 42 Gráfico 12 Tipo de Atividade mais Atrativa para os Alunos Pesquisados 43

12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 12 CAPÍTULO I Fragilidades de leitura e escrita Indicador Nacional de Alfabetismo Funcional (Inaf) CAPÍTULO II METODOLOGIA 33 CAPÍTULO III RESULTADOS E DISCUSSÃO 36 CONCLUSÃO 47 REFERÊNCIAS 48 APÊNDICES 50

13 12 INTRODUÇÃO Nem sempre as práticas de leitura gozaram de significativa relevância, para Zilberman (2001 p.35), por muito tempo, o exercício da leitura foi considerado atividade condenada, no começo da era moderna, quando a prática da leitura começou a se expandir, foi considerada uma corporificação do demônio. Dom Quixote perdeu o juízo por muito ler livros de cavalaria e bem antes de Cervantes, com os trágicos gregos, já se falava dos males da leitura. Hoje, a grande maioria acredita que a leitura só faz bem. Mas, o brasileiro sabe ler e escrever? O que os déficits educacionais da população representam em termos de exclusão social? A escola está conseguindo cumprir a função de garantir a todos o desenvolvimento de competências básicas necessária ao exercício da cidadania? Ao percorrer a história da educação, podemos constatar que, em todas as épocas, a escola foi seletiva, configurando-se como um privilégio de poucos. As sociedades sempre excluíram aqueles considerados inferiores. Pobres, mulheres, escravos, imigrantes, deficientes e outros tiveram seu acesso negado à educação por serem considerados inaptos ou não merecedores de fazer parte da sociedade. Foram excluídos, também, aqueles que abandonaram cedo a escola, por apresentarem dificuldades em acompanhar o modelo de escola implantado, por serem indisciplinados ou por necessidade de trabalhar para ajudar no sustento da família. O que se verifica, pois, é a primazia de uma escola antidemocrática e excludente. Só muito recentemente tem havido maior empenho em universalizar a educação, inicialmente pela defesa da integração dos diferentes e, mais recentemente, pela sua inclusão. E favorecer a inclusão não significa simplesmente discutir a igualdade de direitos, mas destacar o respeito à diversidade. Há um grande caminho a ser percorrido e a formação de leitores pode ser uma fonte de inteligência, de criatividade, de poder de intervenção na

14 13 sociedade, pois livros comidos com prazer são livros a ser ruminados pelo resto da vida (RUBEM ALVES, 2006, p.60). Os problemas relacionados à leitura e à escrita se relacionam a outras questões sociais, como a má distribuição de renda, déficits de escolarização, falta de recursos materiais e humanos nas escolas, bibliotecas mal equipadas, dificuldade no acesso à internet, entre outros. Promover o letramento significa associar leitura e escrita a práticas sociais que tenham sentidos para aqueles que as utilizam, desvendando sua diversidade, suas dimensões políticas e implicações ideológicas, além de pressupor níveis de domínio das práticas que exigem essas habilidades. Saber ler e escrever não significa, pois, uma questão de tudo ou nada, mas uma competência que pode ser desenvolvida em diversos níveis. A convivência com a música, a pintura a fotografia, o cinema, com outras formas de utilização do som e com as imagens, assim como a convivência com as linguagens artificiais poderiam nos apontar para uma inserção no universo simbólico que não é a que temos estabelecido na escola. Essas linguagens não são todas alternativas, elas se articulam. E é essa articulação que deveria ser explorada no ensino da leitura, quando temos como objetivo desenvolver a capacidade de compreensão do aluno. A leitura e a escrita devem ser incentivadas em todo o ambiente educacional na busca de uma educação para todos, uma educação preocupada com a formação integral do indivíduo respeitando sua cultura, ensejando o desenvolvimento de letramentos múltiplos, de leituras que possibilitem maior atuação no social. A pesquisa parte do pressuposto de que a prática da leitura é fator fundamental para o desenvolvimento de habilidades sociais do indivíduo, proporcionando-lhe um melhor entendimento de seu meio e de seus pares, na construção de sua identidade e no convívio com o diferente. Assim, o trabalho possui por objetivo geral a intenção de contribuir para uma reflexão acerca da importância do desenvolvimento das habilidades de leitura e interpretação dos alunos por meio de uma proposta de educação que vise à

15 14 participação social, com vistas a favorecer-lhes o exercício de seus direitos, capacitando-os a participar efetivamente da sociedade, melhorando seu nível educativo, fortalecendo seus valores democráticos e fazendo ter suas diversidade cultural respeitada. Seguidas deste objetivo geral, ações cognitivas foram fixadas, com vistas a permitirem que o objetivo geral fosse alcançado. Assim, especificamente, a pesquisa busca, ainda, demonstrar a relevância das atividades de leitura no espaço escolar, principalmente as que favorecem o desenvolvimento de habilidades sociais. Além desta ação, temos, ainda, como propósito, revelar as práticas de leitura que mais emergem em uma determinada clientela escolar, com vistas a sugerir alternativas possíveis. A pesquisa se justifica porque a leitura e a escrita constituem-se instrumentos indispensáveis na época contemporânea para que o ser humano possa desenvolver suas capacidades, seja no nível individual, seja no âmbito coletivo. Seu incentivo é fator fundamental na formação dos jovens, para o desenvolvimento de sua consciência crítica, para compreensão e intervenção no mundo em que vivem e para aguçar sua curiosidade, criatividade e participação. Uma instituição pública federal do sul do estado do Espírito Santo oferece Cursos Técnicos Pós-Médio e tem recebido alunos que apresentam elevado grau de dificuldade de escrever, de se expressar e de interpretar textos. Nas Reuniões Pedagógicas a principal constatação dos professores é que grande parte dos alunos não têm uma base escolar que lhes permita acompanhar o andamento das disciplinas e, consequentemente, acabam por não adquirirem as competências exigidas para avançarem no curso. O elevado número de reprovações no primeiro módulo do curso de Mineração, eleito para ser analisado nesta pesquisa por seu caráter de inovação, leva muitos alunos à evasão, e os que persistem, ou desistem no próximo módulo ou levam o dobro do tempo mínimo para concluir o curso. A desistência, pelo que foi observado, leva as turmas a se formarem com menos de cinquenta por cento

16 15 dos ingressantes. São vagas que ficam ociosas ao tempo que poderiam atender à comunidade. Assim, a pesquisa pretende, ainda, investigar nessa população em que sentido um Projeto no âmbito da leitura e cidadania contribuirá para o desenvolvimento das habilidades de leitura e escrita dos alunos, e consequentemente para o desenvolvimento de sua criatividade e criticidade, aumentando-lhes o poder de intervenção na sociedade, tornando-os verdadeiros atores sociais.

17 16 CAPÍTULO I 1.1 Fragilidades de leitura e escrita É lugar comum a afirmação de que no quadro educacional brasileiro as fragilidades de leitura e escrita ultrapassam os limites do possível. No rol de atores desse problema muitas vezes não estão somente os discentes, vez que entre os educadores, nem sempre, a prática de leitura e escrita é atividade usual. A falta de hábito de leitura não decorre só de uma cultura de tradição oral, nesse intrincado poço escuro jazem outras questões que se pretendem abordar neste estudo. Vários autores focalizam, em suas pesquisas, a situação da leitura e da escrita nas escolas brasileiras, buscando desenhar um painel das diferentes ordens de problemas manifestados nessa área. Um interessante estudo propõe Silva (2007) em que apresenta parte de sua pesquisa defendida como dissertação de mestrado sob o título A escolarização do leitor: a didática da destruição da leitura, feita com alunos da 8ª série da rede pública. A autora calcula que se a partir da 2ª série se iniciasse uma prática de leitura bimestral com os alunos, no final da 8ª série, somar-se-ia um mínimo de 24 leituras realizadas. Porém, dos 302 depoimentos tomados para sua pesquisa, menos de 50 % leram mais do que 10 livros, o restante ficou na faixa de 1 a 10 livros. Esses números acusam tanto a inexistência ou a precariedade de livros de leitura na escola quanto o constante adiamento da leitura de livros para as últimas séries do ensino fundamental. A partir de sua pesquisa, a autora constatou, ainda, que a grande maioria das obras lidas foram escritas no final do século XIX e início do XX, leituras que se repetem ano após ano, nas escolas, num período em que houve uma verdadeira explosão da ficção destinada ao público infanto-juvenil no Brasil. (p.84) A pesquisa aponta dois motivos para a escolha dos clássicos. O primeiro por serem livros que a maioria dos professores pesquisados já leu, já conhece e, portanto, não significam risco algum para eles, e o segundo por ser o livro adequado pois acreditam poder seriar e graduar os problemas, as realidades, as fantasias e a leitura dos alunos. (p.86) Conclui a autora que estes motivos são

18 17 preocupantes, pois além de confirmarem a habitual deficiência nos hábitos de leitura, servem como exemplo de certo autoritarismo e da burocracia que permeiam as relações sócio-educativas. A análise de Silva (2007) também é indicadora de um conformismo didático de estratégias aparentemente bem sucedidas e supostamente criativas. Em outro estudo empreendido, há a defesa de que o ensino de Língua Portuguesa deveria centrar-se em leitura e produção de textos e análise linguística, objetivando tentar ultrapassar a artificialidade quanto ao uso da linguagem e possibilitar o domínio efetivo da língua. Geraldi (2007) destaca a diferença entre saber a língua, que significa dominar as habilidades de uso da língua em situações concretas de interação, e saber analisar uma língua, que significa o domínio de conceitos e meta-linguagens. Para o linguista da UNICAMP, na prática escolar, vigora uma atividade linguística artificial a qual torna a relação intersubjetiva ineficaz, porque a simula (p.89), e completa: na prática escolar, porém, o eu é sempre o mesmo; o tu é sempre o mesmo. O sujeito se anula em benefício da função que exerce. Quando o tu-aluno produz linguisticamente, tem sua fala tão marcada pelo euprofessor-escola que sua voz não é voz que fala, mas voz que devolve, reproduz a fala do eu-professor-escola. (GERALDI, 2007 p.89) A aprendizagem de uma língua é dificultada e comprometida por esta artificialidade que, segundo o autor, é comprovada pois na escola não se escrevem textos, produzem-se redação (...); na escola não se leem textos, fazem-se exercícios de interpretação (...); na escola não se faz análise linguística, aplicam-se dados preexistentes. (idem, 2007 p.92) Sendo a leitura um processo de interlocução entre leitor / autor mediado pelo texto. Geraldi (2007) aponta quatro possíveis posturas ante o texto: a leitura como busca de informação, em que o principal motivo da leitura é responder às questões formuladas, ou seja, simulação de leitura; a leitura como estudo do texto, que é mais praticada em outras disciplinas do que nas aulas de língua portuguesa, e que deveriam desenvolver as mais variadas formas de interlocução leitor / texto /

19 18 autor; a leitura como pretexto, segundo o autor, quase ausente nas aulas de língua portuguesa, pretexto para produção de outros textos, para teatros, ilustrações; e leitura como fruição do texto, como prazer, ler por ler sem o compromisso de uma avaliação, de uma ficha de leitura. Em outra pesquisa, também é constatada a precariedade com que os textos são trabalhados em sala de aula. Lajolo (2007) indica que as atividades com textos literários são superficiais e estão mais associadas à prestação de contas, deveres, tarefas e obrigações do que à real concepção de literatura. Segundo a pesquisadora, o professor explora estes textos como se fossem guardiões de algo sagrado, com o dever de incuti-los em seus alunos. Desta forma, os textos literários tornam-se objetos de desinteresse de um público que não pediu para estar ali, o qual, muito menos, consegue entender a necessidade, ou utilidade, de tal atividade, a não ser a de que o tema ali discutido será cobrado avaliativamente. Apesar de bem intencionado, o professor se transforma num propagandista persuasivo de um produto (p.14) e a atividade literária, desse ponto de vista, corre o risco de perder sua especificidade. Esta situação revela alguns pontos do contexto escolar brasileiro, onde se buscam respostas imediatas para problemas concretos, que reduzem o atrito e aumentam a digestibilidade da aula; mas lidam superficialmente com a questão, resolvendo o problema pelo seu contorno (LAJOLO, 2007 p.14). O fato é que na escola de hoje, se considerado o contexto sócio-político do mercado editorial para produção de livros e manuais didáticos, talvez, o professor seja peça secundária. Assim, o que fazer com o texto literário já que, há alguns anos, deixou de ser de sua competência e passou a ser de editoras que, com seus livros didáticos e paradidáticos, tomaram para si a tarefa de preparar aulas. E num sentido distorcido da palavra motivação, a obra literária pode ser completamente desfigurada na prática escola. Para isso, recorremos às palavra da própria pesquisadora da linguagem:

20 19 Propor palavras cruzadas, sugerir identificação com uma ou outra personagem, dramatizar textos e similares atividades que manuais escolares propõem, é periférico ao ato de leitura, ao contato solidário e profundo que o texto literário pede. (p.15) Para Marisa Lajolo (2007), alguns encaminhamentos tradicionais no ensino de literatura não devem ser desconsiderados, como: a inscrição do texto na época de sua produção; a inscrição, no texto, do conjunto dos principais juízos críticos que sobre ele se acumulam; a inscrição do e no texto, no e do cotidiano do aluno. O fato é que o desencontro percebido nos dias atuais entre literatura e jovens é mero sintoma de um desencontro maior: entre professores e literatura. Isso, porque não leem e escrevem mal, e isso deve ser superado pois somente superando tais problemas é que na aulas de português poderemos abrir espaço para formas de liberdade e de subversão as quais, em certas condições, instauram-se pelo e no texto literário. (p. 16). Lajolo (2007) propõe uma reflexão sobre o papel da leitura numa sociedade democrática. A modernização crescente do modo de produção do livro possibilitou uma massificação da leitura, deixando de ser uma atividade individual e reflexiva e tornando-se, hoje, em consumo rápido do texto. É a transformação do livro em produto de consumo, que envelhece depressa, que gera constantemente a necessidade de novos textos, e consequentemente de lucro. Hoje, os profissionais da leitura (professores, bibliotecários e animadores culturais) devem tomar consciência de seu papel para que mudanças qualitativas possam ocorrer nos projetos e práticas de leitura. A estes cabe muito mais do que a intermediação e o patrocínio do consumo de textos impressos. Apesar de a literatura ser uma modalidade privilegiada de leitura, ela não é única,. Outras modalidades de leitura desfrutam de maior trânsito social, além de serem responsáveis pelo grau de cidadania de que desfruta o cidadão. Numa sociedade em que a divisão de renda é tão desigual, também é desigual a distribuição de bens culturais, sendo que a participação nestes últimos é mediada pela leitura, que não está ao alcance de todos.

21 20 Lajolo (2007) constata que ler é essencial, e não só para aqueles que pretendem participar de uma produção cultural mais sofisticada, pois a própria sociedade do consumo utiliza a linguagem escrita para muitos de seus apelos. Ler jornal, procurar emprego, assinar contratos de trabalho e outra infinidade de atividades sociais do dia-a-dia requerem habilidades de leitura que precisam ser considerados num projeto de educação democrática. E afirma também ser fundamental a leitura de textos literários, pois É à literatura, como linguagem e como instituição, que se confiam os diferentes imaginários, as diferentes sensibilidades, valores e comportamentos através dos quais uma sociedade expressa e discute, simbolicamente, seus impasses, seus desejos, suas utopias. Por isso a literatura é importante no currículo escolar: o cidadão, para exercer plenamente sua cidadania, precisa apossar-se da linguagem literária, alfabetizar-se nela, tornar-se usuário competente, mesmo que nunca vá escrever um livro: mas porque precisa ler muitos livros. (p. 106) Os significados das leituras que o sujeito vai acumulando ao longo da vida o tornam capaz de interpretar suas nova leituras, aceitando-as ou recusando-as, por meio de seu diálogo com o texto. Mas alerta marisa Lajolo (2007) que, principalmente sobre os textos literários, pesam a autoridade das inúmeras outras leituras de que o texto foi objeto ao longo da história, cabendo ao professor de leitura e literatura o equilíbrio entre a interpretação livre e a interpretação sancionada pela comunidade intelectual. Para a formação de leitores, cumpre a nós, primeiro, extirpar a representação social de que o brasileiro, e o jovem, não gostam de ler e segundo que os profissionais diretamente ligados à iniciação na leitura sejam bons leitores (perfil não muito comum entre os professores de hoje). A formação de um leitor exige familiaridade com grande número de textos e precisa ocorrer num espaço de maior liberdade possível. Isso significa uma mudança radical nos rumos que norteiam as políticas de leitura atualmente em prática. Sobre a importância das atividades de leitura e escrita nas aulas de história Seffner (2004) lembra que, para alguns, a história só começa após a invenção da escrita e da leitura, o que leva a divisão entre história e pré-história. Antes da

22 21 invenção da escrita, o saber estava armazenado na mente dos indivíduos vivos, e após a morte destes, o conhecimento se perdia, na maioria dos casos. Surgindo a escrita, o saber passou a ser guardado em textos cujo intérprete teria o domínio do conhecimento. A reflexão traduz o desejo do autor e, por que não, nosso, qual seja, formar um aluno capaz de realizar uma leitura histórica densa do mundo, percebendo a realidade social como construção histórica da humanidade, obra na qual todos têm participação, de forma consciente ou não (p. 109), configurando-se o domínio do código escrito como apenas o início da jornada. É necessário integrar esta habilidade à maneira de o aluno ser e estar no mundo. A atualidade é marcada, principalmente entre os jovens, pela leitura fragmentada, descontinuada. Na maioria dos casos, eles leem para trabalhar, para informar-se e encontram dificuldades na leitura contínua, intensa, na leitura de um livro do início ao fim. Seffner (2004) alerta que a leitura da história deve partir da análise de pressupostos dos quais parte o autor e todo texto é revelador de uma determinada leitura do mundo. A partir desse ponto deve o texto ser posto em discussão. A pesquisa chama a atenção, ainda, para a importância de se discutir com os alunos o papel da capacidade leitora na formação da autonomia e na construção da cidadania. Isto significa dizer que o aluno, ao empreender sua leitura do mundo, deve ter consciência do que está fazendo e das consequências de tal ato. Para o autor, ler é compreender o mundo, e escrever é buscar intervir na sua modificação (p. 115) e deve-se propor atividades para que cada aluno desenvolva sua própria capacidade argumentativa num ambiente de troca de vivências e opiniões. É preciso propiciar a tomada de uma postura frente ao texto, a formação de opiniões fundamentadas deixando de lado a obrigatoriedade de decorar ou de ver o texto como uma verdade absoluta. Devemos formar alunoscidadãos capazes de elaborarem seu projeto de vida, posicionando-se frente às questões polêmicas da vida social, construindo alternativas políticas viáveis e manifestando com clareza a argumentação coerente de suas opiniões (p.116).

23 22 Compreendendo a leitura desse ponto de vista, vamos autenticar a reflexão de que o sentido de um determinado texto não está nele próprio, mas vai se construindo, na medida em que, com ele, o aluno-leitor interage. Nesse sentido, se a aquisição da linguagem e o desenvolvimento de habilidades de leituras significam também o desenvolvimento do homem como sujeito social que tornará a língua ferramenta dócil para seu uso e da qual ele será sujeito, tanto de sua linguagem quanto de seu texto, apontamos riscos sérios na maneira como o ensino pode estar se comportando, qual seja, a partir de mecanismos sociais suspeitos de perverterem a construção do próprio sujeito. Devemos conceber que a linguagem não existe só para veicular informações, ela existe para demonstrar o lugar que o falante ocupa no social e qual o papel ele ocupa em relação à própria linguagem. Como ponto fundamental deste aporte teórico, elaborado de modo a fornecer subsídios para a discussão dos resultados colhidos na pesquisa de campo, cabe a questão: o que a escola tem feito para proporcionar práticas de letramentos múltiplos, de modo a tornar o aluno sujeito de seu texto, cidadão de suas situações de comunicação? Esta inquietação comandará nossa pesquisa e orientará nossas abordagens.

24 Indicador nacional de alfabetismo funcional (Inaf) 2001 O INAF é uma iniciativa do Instituto Paulo Montenegro que objetiva oferecer à sociedade brasileira um conjunto de informações sobre habilidades e práticas relacionadas à leitura, escrita e matemática da população, de modo a fomentar o debate público e subsidiar a formulação de políticas de educação e cultura. As coletas de dados são anuais junto a duas mil pessoas com idade entre quinze e sessenta e quatro anos, residentes em zonas rurais e urbanas em todas as regiões do país. Em 2001, foi realizado o primeiro levantamento de dados do INAF, que abordou habilidades e práticas de leitura e escrita, e em 2002 focalizou as habilidades matemáticas. Assim, a pesquisa continua sendo realizada anualmente alternando entre os dois focos citados com a perspectiva de, a longo prazo, construir um indicador que possibilite a compreensão sobre o analfabetismo e possibilite o monitoramento de sua evolução ou redução. Em análise aos resultados do INAF 2001, vários autores propuseram reflexões acerca do tema letramento por meio de artigos que contribuem para um melhor entendimento das relações da população brasileira com as práticas de leitura e escrita. Alguns destes estudos serão abordados neste trabalho, afim de subsidiar a criação de uma programa de incentivo e disseminação da leitura que contribua para o desenvolvimento do cidadão como ator social. Serra (2004 p. 66) propõe uma análise aos resultados do INAF 2001 a partir da seguinte constatação: não podemos mais permitir que a alfabetização de qualquer brasileiro esteja separada das condições necessárias para sua manutenção: a garantia de acesso aos materiais escritos, por meio de bibliotecas preparadas para exercer a função social de alimentar leitores e escritores da língua que expressa sua história, sua memória, sua cultura. Isso, porque as políticas públicas não contêm, em sua concepção, justificativas e diretrizes claras para a maioria da população, e apesar de teoricamente representarem o resultado de muitas participações, na prática, expressam as ideias dos grupos que detêm a hegemonia política e econômica. E

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral ENSINANDO A LER: AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA SILVA, Joice Ribeiro Machado da 1 RESUMO Buscamos nessa pesquisa compreender como a criança poderá se tornar uma leitora competente através do letramento literário.

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO MELQUÍADES VILAR

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO MELQUÍADES VILAR SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO MELQUÍADES VILAR PROJETO LER (Leitura, Escrita e Redação) Ana Paula Correia Taperoá - PB 2014 Ana Paula Correia PROJETO LER

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS 1) Perfil do curso: SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS O curso de Engenharia Civil da PUC Minas, campus de Poços de Caldas, tem como objetivo principal formar um profissional

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Lúcia Helena de Magalhães 1 Maria Cristina de Oliveira 2 Resumo Este artigo

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVANÇANDO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

ORIENTADOR EDUCACIONAL

ORIENTADOR EDUCACIONAL ORIENTADOR EDUCACIONAL 01. A discussão sobre a Organização do Trabalho na Escola permitiu que fosse determinada uma das atribuições inerentes à Orientação Educacional que é: (A) organizar as turmas homogêneas,

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR 1 ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR Maurina Passos Goulart Oliveira da Silva 1 mauripassos@uol.com.br Na formação profissional, muitas pessoas me inspiraram: pensadores,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE NEDEL¹, Vera SILVA²,Maria Elena Neves da Resumo O presente artigo relata a importância do uso das tecnologias. As lutas dos surdos pelo direito

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Graduação e Educação Profissional - DIRGRAD Departamento de Educação Campus XXXXXXX ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Consulta Pública ESTRATÉGIAS

Consulta Pública ESTRATÉGIAS Plano Municipal de Educação PME Secretaria Municipal de Educação São Francisco do Sul Fórum Municipal de Educação Consulta Pública META 3: Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO AS PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA UM CURRÍCULO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Professor Doutor Carlos Henrique Carvalho Faculdade

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Trabalho de Conclusão de Curso Brasília 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA REITOR Prof. Dr. Gilberto Gonçalves Garcia PRÓ-REITOR

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

Avaliação Econômica Programa Excelência em Gestão. Gerência de Avaliação de Projetos

Avaliação Econômica Programa Excelência em Gestão. Gerência de Avaliação de Projetos Avaliação Econômica Gerência de Avaliação de Projetos São Paulo, 27 de agosto de 2012 1 O Programa Parceria entre a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo e Fundação Itaú Social; Coordenação técnica

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais