UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO FATORES DA SATISFAÇÃO E FIDELIDADE DE CLIENTES: UM ESTUDO NO SETOR DE TELEFONIA MÓVEL CELULAR por MARCIO ANTONIO DIAS PEREIRA ENGENHEIRO ELÉTRICO, UFPB, 1993 ESPECIALISTA EM ENGENHARIA BIOMÉDICA, UFPB, 1995 ESPECIALISTA EM ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES, PUC-RIO, 21 TESE SUBMETIDA AO PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DEZEMBRO, MARCIO ANTONIO DIAS PEREIRA. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. O autor, aqui designado, concede ao Programa de Engenharia de Produção da Universidade Federal do Rio Grande do Norte permissão para reproduzir, distribuir, comunicar ao público, em papel ou meio eletrônico, esta obra, no todo ou em parte, nos termos da Lei. Assinatura do Autor: APROVADO POR: Prof. Rubens Eugênio Barreto Ramos, D.Sc. Orientador, Presidente Profa. Anatália Saraiva Martins Ramos, D.Sc. Membro Examinador Profa. Tereza de Souza, Dr. Membro Examinador Externo

2 Divisão de Serviços Técnicos Catalogação da Publicação na Fonte. UFRN / Biblioteca Central Zila Mamede Pereira, Marcio Antonio Dias. Fatores da satisfação e fidelidade de clientes: um estudo no setor de telefonia móvel celular / Márcio Antonio Dias Pereira. Natal,RN, 26. XV, 75 p. Orientador: Rubens Eugênio Barreto Ramos Tese (Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Tecnologia. Programa de Engenharia de Produção. 1. Satisfação do Cliente. 2. Fidelidade do Cliente. 3. Qualidade. 4. Telecomunicações. I Ramos, Rubens Eugênio Barreto. II Título. RN/UF/BCZM CDU 658. ii

3 SOBRE O AUTOR MÁRCIO ANTÔNIO DIAS PEREIRA é Engenheiro Eletricista (UFPB/1993), Especialista em Engenharia Biomédica (UFPB/1995) e Especialista em Engenharia de Telecomunicações (PUC-RJ/22). Atuou como Engenheiro de Tráfego Telefônico, Comutação Telefônica, Manutenção, Implantação e Projetos (TELPA-TELEMAR/1996 a 21). Atualmente é professor do quadro efetivo do Centro Federal de Educação Tecnológica do Piauí (CEFET/PI) em Teresina/PI, onde ministra as disciplinas de Eletrônica Analógica, Eletrônica Digital, Telefonia, Sistemas de Comunicação, Sistemas de Transmissão, Microprocessadores, Teoria da Informação e Automação Industrial, para os cursos de Redes de Comunicação e Técnico em Eletrônica., Gerente de Ensino de Nível Tecnológico (24/26), e Gerente de Administração da UNED de Piscos ( 26) iii

4 Ao meu pai, Airton Pereira da Silva e irmã Mairta, in memoriam, minha mãe Elza Dias Pereira, ao meu segundo pai Jorge Francesco Adolhfo Cardynelly e a amiga Tanyze Maria Sales pelo apoio e incentivo ao meu desenvolvimento humano, intelectual, profissional e ético. iv

5 AGRADECIMENTOS À Universidade Federal do Rio Grande do Norte e ao Programa de Engenharia de Produção (PEP) pela oportunidade de realização desse importante passo na minha vida acadêmica e profissional. Ao Prof. Dr. Rubens Eugênio Barreto Ramos, orientador, pela presteza e atenção com que me orientou, sempre sugerindo cada passo para que pudesse alcançar os objetivos e metas propostas. Aos demais Professores do Programa de Engenharia de Produção, pela capacidade de ensinamento com que contribuíram durante o curso. À Secretária do Programa de Engenharia de Produção, que com muito profissionalismo e presteza sempre foi solícita em todas as oportunidades no decorrer do curso. A Deus, por me proporcionar à felicidade e a satisfação de mais uma conquista. Aos colegas do CEFET-PI, especialmente as bibliotecárias da Biblioteca Francisco Montojo CEFET-PI A meus familiares e amigos. A todos os entrevistados que se dispuseram a participar da pesquisa. v

6 Resumo da Tese apresentada a UFRN/PEP como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de Mestre em Ciências em Engenharia de Produção. FATORES DA SATISFAÇÃO E FIDELIDADE DE CLIENTES: UM ESTUDO NO SETOR DE TELEFONIA MÓVEL CELULAR MÁRCIO ANTÔNIO DIAS PEREIRA Dezembro26 Orientador: Prof. Rubens Eugênio Barreto Ramos, D.Sc. Curso: Mestrado em Ciências em Engenharia de Produção Este estudo investiga os fatores que afetam a satisfação e fidelidade dos consumidores no setor de telefonia móvel celular. Esta pesquisa parte do modelo proposto por Johnson et. al (21) no qual estabelece os fatores antecedentes da qualidade e fidelidade. Aplica-se uma pesquisa tipo survey com uma amostra de 385 consumidores que utilizam o serviço móvel celular na cidade de Teresina, uma capital da Região do Nordeste do Brasil, com análise de estatística descritiva e análise de regressão múltipla. Os principais resultados apontam para qualidade e preço como os principais fatores afetando a satisfação tanto para todos os clientes quanto para os que reclamaram de algum problema. Para fidelidade além da satisfação, também a imagem, o compromisso afetivo e compromisso calculado. De um modo geral, o modelo adotado ajusta-se bem a explicação de fatores de satisfação e fidelidade. vi

7 Abstract of Master Thesis presented to UFRN/PEP as fulfillment of requirements to the degree of Master of Science in Production Engineering FACTORS AFFECTING CUSTOMER SATISFACTION AND LOYALTY: A STUDY ON MOBILE PHONE SECTOR MÁRCIO ANTÔNIO DIAS PEREIRA December /26 Thesis Supervisor: Professor Rubens Eugênio Barreto Ramos Program: Master of Science in Production Engineering This thesis deals with the factors affecting customer satisfaction and loyalty in the mobile phone telecom sector. It is adapted a model proposed by Johnson et al. (21) of quality and loyalty antecedent factors. It is conducted a survey with a sample of 385 customers of mobile phone telecom sector in Teresina city, a capital of a Northeastern State of Brazil, and descriptives and multiple regression statistical analysis. The main findings related to satisfaction are that quality and service price are the significant factors affecting it. Regarding loyalty, satisfaction, image, affective commitment, and calculate commitment are the significant factors to explain it. The overall model used fairly explain the satisfaction and loyalty outcomes. vii

8 SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO MERCADO BRASILEIRO DE TELEFONIA MÓVEL CELULAR O mercado de Telefonia Móvel Celular no Brasil O papel da Agência Reguladora do Setor (ANATEL) A CONTEXTUALIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO E DA FIDELIDADE DO CONSUMIDOR OBJETIVO RELEVÂNCIA ESTRUTURA GERAL DA DISSERTAÇÃO... 5 CAPÍTULO 2 SATISFAÇÃO E FIDELIDADE DE CLIENTE A SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR VALOR E SATISFAÇÃO Valor para o cliente QUALIDADE PERCEBIDA E SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR A FIDELIDADE DO CONSUMIDOR MODELOS DE ÍNDICES NACIONAIS DE SATISFAÇÃO Índice nacional Sueco Índice nacional Americano Índice nacional Europeu Modelo Proposto por Johnson et al. (21) ESTUDOS NACIONAIS SOBRE SATISFAÇÃO E FIDELIDADE COM MODELO DE JOHNSON ET AL. (21) A PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE DA ANATEL MODELO DA PESQUISA CAPÍTULO 3 METODOLOGIA DA PESQUISA TIPOLOGIA DA PESQUISA POPULAÇÃO PLANO AMOSTRAL Instrumento de Coleta de Dados COLETA DE DADOS TÉCNICAS DE ANÁLISES Análise descritiva e exploratória Análise de regressão linear múltipla... 3 CAPÍTULO 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO VALIDAÇÃO DA PESQUISA A AMOSTRA VALIDAÇÃO DO QUESTIONÁRIO ANÁLISE DESCRITIVA viii

9 4.2.1 QUALIDADE DAS INSTALAÇÕES FÍSICAS Sobre Qualidade do Pessoal das Operadoras Sobre a Qualidade no Atendimento Quanto a Avaliação Sobre Preços Quanto a Gestão de Reclamações Quanto a Satisfação Quanto a Imagem Compromisso Afetivo e Calculado Fidelidade ANÁLISE DE REGRESSÃO PARA SATISFAÇÃO Fatores da Satisfação todos pesquisados Fatores da Satisfação - Reclamantes FATORES DA SATISFAÇÃO SÍNTESE Análise de Regressão para Fidelidade Fatores da Fidelidade Pessoal Todos Fatores da Fidelidade Pessoal Reclamantes Fidelidade para Recomendar Todos Fidelidade para Recomendar Reclamante Fidelidade Síntese CONCLUSÃO DA ANÁLISE ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES PRINCIPAIS RESULTADOS DA PESQUISA ANÁLISE CRÍTICA DOS OBJETIVOS IMPLICAÇÕESTEÓRICAS IMPLICAÇÕES GERENCIAIS LIMITAÇÕES DA PESQUISA DIREÇÕES DA PESQUISA RECOMENDAÇÕES CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS ANEXO 1 QUESTIONÁRIO DA PESQUISA ANEXO 2 ANÁLISE DE RESPOSTAS EM BRANCOS ANEXO 3 ESTATÍSTICA DESCRITIVA, HISTOGRAMAS ANEXO 4 REGRESSÃO MÚLTIPLA: SATISFAÇÃO ix

10 ANEXO 5 REGRESSÃO MÚLTIPLA: FIDELIDADE ANEXO 6 - MULTICOLINEARIDADE x

11 LISTA DE TABELAS Tabela 2.1 Fatores que afetam a satisfação e fidelidade, estudos nacionais...2 Tabela 2.2 Estudos sobre satisfação e fidelidade...21 Tabela 2.3 Pesquisa ANATEL, Satisfação com os fatores Pesquisados em % (FIA-USP e FAURGS, 23)...21 Tabela 2.4 Índice de Satisfação com a TIM no Piauí (FIA-USP e FAURGS, 23)...22 Tabela 2.5 Índice de Satisfação com a CLARO no Piauí (FIA-USP e FAURGS, 23)...22 Tabela 3.1 Variáveis da Pesquisa...27 Tabela 3.2 Correlação dos impactos dos métodos de análise estatísticos Tabela 4.1 Teste de Confiabilidade de Itens/Escala...38 Tabela 4.2 Regressão para Satisfação, método backward stepwise...56 Tabela 4.3 Regressão para Satisfação, método forward stepwise...57 Tabela 4.4 Síntese dos resultados dos métodos na Regressão para Satisfação Todos...58 Tabela 4.5 Regressão para Satisfação (backward stepwise = forward stepwise)...59 Tabela 4.6 Síntese da Regressão para Satisfação Todos e Reclamantes...6 Tabela 4.7 Regressão para Fidelidade Pessoal...61 Tabela 4.8 Regressão para Fidelidade - Reclamantes...61 Tabela 4.9 Regressão para Fidelidade - Recomendar...62 Tabela 4.1 Regressão para Fidelidade para Recomendar - Reclamantes...63 Tabela 4.11 Síntese da Regressão para Fidelidade e Recomendação Todos e Reclamantes...64 xi

12 LISTA DE FIGURAS Figura 1.1 Acessos móveis - telefonia celular (ANATEL, 25)...2 Figura 1.2 Telefones fixos instalados e em uso (ANATEL, 25)...2 Figura 1.3 Evolução Celular Pré-Pago e Pós-Pago (ANATEL,25)...3 Figura 2.1 Valor total para o cliente (Kotler, 1999)...9 Figura 2.2 Critérios de um bom serviço de qualidade (Grönoos, 1983)...11 Figura 2.3 Estrutura do Modelo de Dick e Basu (1994)...14 Figura 2.4 Modelo sueco SCSB (Fornell, 1992; Johnson et al., 21)...15 Figura 2.5 Modelo Americano ACSI (Fornell(1996)...16 Figura 2.6 Modelo Europeu ECSI (Eklof, 2)...17 Figura 2.7 Modelo proposto por Johnson et al., Figura 2.8 Modelo da Pesquisa...23 Figura 3.1 Distribuição de dados esperado para pesquisas de qualidade, satisfação e fidelidade do cliente (Johnson & Gustafsson, 2, p.81)...3 Figura 4.1 Distribuição de Clientes por Operadora...33 Figura 4.2 Tipo de Plano...33 Figura 4.3 Experiência de Consumo...34 Figura 4.4 Finalidade do Uso...35 Figura 4.5 Renda Mensal...35 Figura 4.6 Consumo Mensal...36 Figura 4.7 Distribuição da população por sexo (Pesquisa e IBGE, 26)...37 Figura 4.8 Distribuição da amostra por ano de nascimento (IBGE, 26)...37 Figura 4.9 Número de Lojas de Atendimento...39 Figura 4.1 Tamanho das Lojas de Atendimento...39 Figura 4.11 Barulho/Som nas Lojas de Atendimento...4 xii

13 Figura 4.12 Temperatura nas Lojas de Atendimento...4 Figura 4.13 Limpeza...41 Figura 4.14 Localização das Lojas...41 Figura 4.15 Estacionamento...42 Figura 4.16 Acesso a portadores de deficiência física...42 Figura 4.17 Simpatia dos Funcionários...43 Figura 4.18 Qualidade do Serviço dos Funcionários...43 Figura 4.19 Conhecimento Técnico dos Funcionários...44 Figura 4.2 Simpatia dos Superiores...44 Figura 4.21 Interesse dos Superiores em Ajudar...45 Figura 4.22 Avaliação da Qualidade do Atendimento via Internet...45 Figura 4.23 Avaliação da Qualidade do Atendimento via Telefone...46 Figura 4.24 Avaliação do Preço dos Aparelhos...46 Figura 4.25 Avaliação da Tarifa...47 Figura 4.26 Avaliação da Tarifa Comparada...47 Figura 4.27 Avaliação da Forma de Tratamento das Reclamações...48 Figura 4.28 Avaliação da Satisfação com os Funcionários...49 Figura 4.29 Avaliação da Satisfação com o Serviço de Telefonia Celular...49 Figura 4.3 Avaliação da Satisfação com o Plano...5 Figura 4.31 Avaliação da Satisfação com a Operadora Celular...5 Figura 4.32 Avaliação da Imagem da Operadora...51 Figura 4.33 Avaliação da Imagem do Plano...51 Figura 4.34 Compromisso Afetivo com a Operadora...52 Figura 4.35 Compromisso Calculado com Plano (prejuízo se mudar de plano)...52 Figura 4.36 Compromisso Calculado com Operadora (prejuízo se mudar de operadora). 53 Figura 4.37 Fidelidade ao Plano...54 xiii

14 Figura 4.38 Fidelidade à Operadora...54 Figura 4.39 Fidelidade Recomendar o Plano...55 Figura 4.4 Fidelidade Recomendar a Operadora...55 Figura 4.41 Regressão para Satisfação Todos...58 Figura 4.42 Regressão para Satisfação Reclamantes...59 Figura 4.43 Fidelidade - Todos...6 Figura 4.44 Fidelidade - Reclamantes...61 Figura 4.45 Fidelidade para Recomendar - Todos...62 Figura 4.46 Fidelidade para Recomendar - Reclamantes...63 Figura 4.47 Fatores da Satisfação e Fidelidade (Todos)...65 Figura 4.48 Fatores da Satisfação e Fidelidade (Reclamantes)...66 xiv

15 LISTA DE EQUAÇÕES Equação 3-1 Cálculo do tamanho da amostra (Toledo, 1985)...26 Equação 3-2 Cálculo efetivo da amostra...26 Equação 3-3 Fórmula da Regressão (Montgomery e Peck,1992)...3 xv

16 LISTA DE SIGLAS, NOMES E ACRÔNIMOS ANATEL Agência Nacional de Telecomunicações ACSI Índice Americano de Satisfação do Consumidor CEFET-PI Centro Federal de Educação Tecnológica do Piauí CEMI Centro de Estações Móveis Impedidas ECSI Índice Europeu de Satisfação do Consumidor FAURGS Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul FIA-USP Fundação Instituto de Administração - Universidade de São Paulo IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística PEP Programa de Engenharia de Produção SERVQUAL Serviço de Qualidade SCSB Barômetro Sueco da Satisfação do Consumidor SMC Serviço Móvel Celular STFC Sistema Telefônico Fixo Comutado UFRN Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFPB Universidade Federal da Paraíba PUC-RIO Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. xvi

17 Capítulo 1 Introdução Este trabalho apresenta uma pesquisa cujo objetivo é a identificação de possíveis fatores que podem contribuir para a satisfação e a fidelidade dos clientes na Telefonia Móvel Celular, tendo como ferramenta de estudo e análise o mais novo modelo norueguês de análise dos índices de satisfação do cliente. A pesquisa foi desenvolvida e aplicada entre os habitantes da cidade de Teresina /PI. Este capítulo está estruturado de forma a apresentar uma contextualização na qual a satisfação e a fidelidade do consumidor estão inseridas, buscando identificar as principais características observáveis do ponto de vista dos clientes no setor de telefonia móvel celular, explanar os objetivos que se pretende alcançar com a pesquisa, bem como sua relevância, e a apresentação da estrutura geral do presente trabalho. 1.1 Caracterização do Mercado Brasileiro de Telefonia Móvel Celular O mercado de Telefonia Móvel Celular no Brasil O mercado de telefonia móvel celular ao contrário do mercado de telefonia fixa teve crescimento em ritmo acelerado em todo o mundo, inclusive no Brasil, desde quando este serviço foi implantado em 199. A evolução da telefonia móvel e fixa, onde em 25 alcançou-se mais de 86 milhões de telefones celulares e cerca de 21,5 milhões de telefones fixos. A telefonia celular ultrapassou a telefonia fixa em uma década de instalação (2). As Figuras 1.1 e 1.2 mostram esta evolução (ANATEL, 25). 1

18 Figura 1.1 Acessos móveis - telefonia celular (ANATEL, 25) Figura 1.2 Telefones fixos instalados e em uso (ANATEL, 25) Outra característica do mercado de celular no Brasil tem sido a preferência do consumidor, a qual tem se mostrado claramente por planos de serviço celular pré-pagos, chegando a 8,8% contra 19,2% do pós-pago (ANATEL, 25). A Figura 1.3 apresenta esta evolução. 2

19 Figura 1.3 Evolução Celular Pré-Pago e Pós-Pago (ANATEL,25) Os principais fatores que favoreceram um rápido crescimento no mercado da telefonia móvel, além do baixo custo dos aparelhos, foram (Teleco.com, 26): a) Atratividade tecnológica que está sendo oferecida aos usuários, por se tratar de um mercado dinâmico que oferece novos produtos e serviços. b) Aceitação por parte dos clientes que utilizam e gostam de tecnologia moderna e interativa. Com isso, a grande concorrência neste mercado e as mudanças ocorridas no setor fazem com que as operadoras de telefonia móvel busquem se adaptar constantemente a esta realidade tecnológica, acompanhando a evolução internacional, oferecendo os mesmos recursos para o mercado brasileiro O papel da Agência Reguladora do Setor (ANATEL) Uma das decorrências do processo de privatização dos serviços de telecomunicações no Brasil relaciona-se com a imposição de um conjunto de metas e balizadores para a prestação do serviço telefônico fixo comutado (STFC) e do serviço móvel celular (SMC) a ser cumprido pelas empresas Prestadoras. Neste contexto, a Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, cuja missão institucional, definida em Lei (BRASIL, 1997), é "adotar as medidas necessárias para o atendimento do interesse público" e caracteriza-se, portanto, como guardiã da sociedade e tem pautado suas ações direcionadas a dois grandes vetores: 3

20 (1) estimular a competição entre os atores do sistema, face às oportunidades existentes no mercado brasileiro; (2) universalização dos serviços, dada por acessos coletivos em áreas carentes, densas e remotas e pela disponibilização dos produtos e serviços com qualidade e a preços justos. Com essa visão, a ANATEL, cujas ações fundam-se no respeito ao consumidor final, tem mostrado postura firme em exigir o mesmo compromisso das empresas Prestadoras dos serviços de STFC e SMC. A ANATEL disponibiliza um conjunto de informações em seu site na Internet, onde se pode acompanhar alguns dados sobre as operadoras, planos, número de terminais em serviço e desempenho do SMC em todo o país. 1.2 A contextualização da satisfação e da fidelidade do consumidor É reconhecido que as mais recentes estratégias de mercado se baseiam nas necessidades do consumidor e que o gestor do negócio deve satisfazê-las, de forma a buscar a satisfação e fidelidade dos clientes, pois a satisfação do cliente é considerada importante para o bom funcionamento da empresa, uma questão de sobrevivência (Dias e Mello, 21). A qualidade é um fator importante quando discutimos satisfação e fidelidade de consumidores. Conforme citado por Johnson et al. (21), em um estudo realizado sobre os índices de satisfação de consumidores, a qualidade participa de todos os modelos como uma variável que influencia diretamente na satisfação. A qualidade percebida de serviços e a satisfação do consumidor são construtos separados, mas que compartilham uma estreita relação (Parasuraman,1988). O tema satisfação de clientes pode, ainda, ser também contextualizado dentro do tema mais amplo que é o comportamento do consumidor. Esta é uma área do conhecimento hoje vinculada à Psicologia, à Sociologia, à Antropologia, à Economia e ao Marketing (Engel, Blackwell e Miniard, 2). Com o objetivo de explicar os fatores determinantes da satisfação e fidelidade, vêm sendo desenvolvidos ao longo da última década vários índices nacionais de satisfação do consumidor, evidenciando uma forte tendência do mercado em utilizar tais índices como 4

21 parâmetros para avaliação dos serviços prestados pelas organizações (Fornell, 1992, 1996; Johnson et al., 21). Já Fornell (1992) aponta que clientes fiéis não são necessariamente clientes satisfeitos, mas os clientes satisfeitos tendem a ser fiéis. Todavia, outros estudos têm mostrado que cliente satisfeito não é necessariamente cliente fiel (Lira, Ramos e Ramos, 25; Espírito Santo Filha, 26). Além de satisfação, haveria outros fatores para a retenção de cliente. A temática da satisfação do cliente tem sido considerada importante também pela ANATEL, a agência reguladora de telecomunicações realiza pesquisa de satisfação de clientes como parte de suas atividades, com pesquisas realizadas nacionalmente (FIA-USP e FAURGS, 23), tendo definido inclusive em Resolução o processo de aferição do grau de satisfação da sociedade com a telefonia (ANATEL, 26). 1.3 Objetivo Este trabalho tem como principal objetivo investigar os fatores que influenciam a satisfação e fidelidade do cliente, tendo como enfoque o setor de Telefonia Móvel Celular, através da aplicação de um modelo de avaliação de satisfação e fidelidade de cliente adaptado para o setor estudado. 1.4 Relevância Esta pesquisa sugere uma contribuição acadêmica aos estudos sobre satisfação e fidelidade de clientes usuários da Telefonia Móvel Celular no Brasil, ao passo em que oferece subsídios para tomadas de decisões estratégicas nas Empresas operadoras. As informações que são disponibilizadas neste estudo chamam atenção dos interessados sobre a importância no gerenciamento da qualidade e satisfação, objetivando a fidelidade do cliente como ferramenta de lucratividade para qualquer empresa que almeja uma vantagem competitiva perante seus concorrentes. 1.5 Estrutura Geral da Dissertação O presente trabalho está dividido em cinco capítulos definidos além desta Introdução como segue. 5

22 O segundo capítulo é reservado a uma revisão da literatura abordando os conceitos e fundamentações a respeito da satisfação e fidelidade; além da explanação de alguns dos modelos de mensuração de índice de satisfação atualmente existentes no mundo e que podem ser aplicados e analisados considerando-se diferentes setores da economia. O terceiro capítulo consiste na apresentação da metodologia empregada nesta pesquisa, abordando algumas características do setor estudado, tais como: Análise da população de usuários do serviço de telefonia móvel celular na cidade de Teresina-PI, plano amostral, concepção do instrumento de coleta de dados (questionário da pesquisa) e as técnicas utilizadas para análise e interpretação dos dados coletados. O quarto capítulo consiste na análise dos resultados da pesquisa, onde se buscou caracterizar algumas variáveis que interferem na satisfação e fidelizaçao de clientes da telefonia móvel celular. Já no quinto e último capítulo foram apresentadas às conclusões acerca do trabalho realizado bem como algumas recomendações, ambas condicionadas às delimitações da pesquisa, e as possibilidades de abordagens futuras. 6

23 Capítulo 2 Satisfação e Fidelidade de Cliente A estrutura deste capítulo é apresentada de forma que se possa entender a satisfação; a fidelidade; a concepção de valor para o cliente; o sistema de oferta de valor; qualidade percebida e satisfação do consumidor; a manutenção de clientes; características e atitudes peculiares ao estudo da fidelidade de consumidores; os principais modelos nacionais de índices de satisfação e o novo índice norueguês proposto, o qual é utilizado como ferramenta de análise do estudo empírico a que se propõe esta pesquisa. 2.1 A Satisfação do Consumidor A satisfação pode ser definida como resultado obtido pelo cliente mediante ao consumo de um produto ou serviço como definido por Kotler: Satisfação consiste na sensação de prazer ou desapontamento resultante da comparação do desempenho ou resultado percebido de um produto em relação às expectativas do comprador (Kotler, 2.) Para Engel, Blackwell e Miniard, a satisfação é definida como a avaliação pósconsumo de que uma alternativa escolhida pelo menos atende ou excede as expectativas (Engel, Blackwell e Miniard. 2). Os consumidores concluem suas expectativas de satisfação com base em experiências anteriores, baseados em informações de amigos, em propagandas e também entre os concorrentes, o que demonstra intensa relação na intenção de recompra, e se o consumidor falará bem ou não do produto e em relação à sua lealdade a marca. 7

24 As informações pós-compra que o consumidor terá como resultado implicarão diretamente nas expectativas anteriores e no desempenho que está sendo observado pelo mesmo, isto implicará no resultado dos sentimentos de satisfação ou insatisfação. Portanto, os consumidores tomam suas decisões de compras sendo influenciados pelos valores oferecidos pelas empresas em seus produtos ou serviços. Como uma compra sempre depende de experiências anteriores, as empresas investem agressivamente em marketing a fim de criar expectativas para que ocorra a primeira compra e posteriormente a recompra. Segundo Kotler (1998) satisfação é o sentimento de prazer ou de desapontamento resultante da comparação do desempenho esperado pelo produto (ou resultado) em relação às expectativas da pessoa. Se o desempenho faz jus às expectativas, o comprador fica satisfeito. Se excedem as expectativas, ele fica encantado (Kotler e Armstrong,, 1999). Mirshawka (1994) define satisfação do cliente como um estado no qual as necessidades do mesmo, os desejos e as expectativas são atendidos ou excedidos, resultando na sua volta para comprar ou usar os serviços oferecidos e na manutenção da sua lealdade. Para Oliver (1997), satisfação é a resposta de preenchimento do consumidor. É o julgamento de que um aspecto de um produto ou serviço, ou o próprio produto ou serviço, oferece (ou está oferecendo) um nível prazeroso de preenchimento relacionado ao consumo, incluindo níveis de preenchimento baixos e altos. Johnson et al. (21) define satisfação como uma experiência do cliente no encontro com o produto ou serviço oferecido e é sinônimo do conceito de utilidade de consumo. 2.2 Valor e satisfação Atualmente, os clientes dispõem de uma grande variedade de produtos, serviços, preços e fornecedores. Consumidores decidem sua compra em função de seu conhecimento, mobilidade e renda. Estabelecem expectativas de valores e agem em função delas, em seguida comparam o valor real que recebem ao consumir um produto ao valor pago, e com isso se alcançam à satisfação ou insatisfação, este resultado implicará diretamente na recompra do produto ou serviço adquirido. 8

25 2.2.1 Valor para o cliente Os clientes irão adquirir o produto ou serviço da empresa que lhe oferecer maior valor de consumo, que é a diferença entre o valor total para o cliente e o consumo total para o cliente conforme ensinamentos de Kotler que se reproduz na figura a seguir: Valor total para o cliente (valores do produto, serviço, pessoal e imagem) Menos: ( - ) Custo total para o cliente (custos físicos, monetários em energia e em tempo) Igual a: ( = ) Valor oferecido ao cliente ( lucro para o cliente ) Figura 2.1 Valor total para o cliente (Kotler, 1999) O valor total para o cliente é o conjunto de benefícios que os clientes esperam de um determinado serviço ou produto. O custo total para o cliente é o conjunto de custos em que os consumidores esperam que ocorra para avaliar, obter, utilizar, e descartar um serviço ou produto. Para se analisar o valor total para o cliente, o consumidor deverá avaliar duas ofertas concorrentes e verificar qual lhe trará maior benefício, para tanto deverá analisar quatro fontes distintas: produto, serviço, pessoal e imagem, considerando a que oferece maior confiabilidade, durabilidade e desempenho apresentando melhores serviços de entrega, manutenção acompanhamento e informações técnicas, isso atribuirá maior valor à imagem da empresa. Além de examinar o valor total, o consumidor, necessariamente terá que examinar o custo total para o cliente quando da compra do produto. Primeiro irá comparar o custo que pagará pelo produto entre os concorrentes, se, por exemplo, em um dos fornecedores o valor for mais alto que no do outro, este poderá neutralizar o valor total para o cliente. Como demonstrado na figura, o cliente terá que avaliar mais que o custo para alcançar um produto que lhe ofereça valor total, ou seja, que lhe traga lucro ou satisfação; hipoteticamente esta é a chave para gerar um alto nível de fidelidade com o cliente. 9

26 2.3 Qualidade percebida e satisfação do consumidor Medir a qualidade de bens tangíveis se torna elementar, pois a existência de características e fatores bem definidos como durabilidade, número de defeitos e desempenho auxiliam no processo de classificação (Crosby, 1979; Garvin, 1983). Mas Qualidade de serviço é um construto abstrato e de difícil compreensão devido às três características singulares aos serviços: intangibilidade, heterogeneidade e inseparabilidade da produção e consumo (Parasuraman, Zeithaml e Berry, 1985). Analisando os estudos já realizados nesta área, identificamos a existência do consenso de que a qualidade percebida de serviços e a satisfação do consumidor são construtos separados, mas que compartilham uma estreita relação (Parasuraman et al., 1988). Essa idéia de construtos separados pode ser confirmada pelas pesquisas exploratórias que antecederam a elaboração do SERVQUAL. Parasuraman et al. (1985) obtiveram resultados de consumidores que estavam satisfeitos com um serviço em particular, mas, ao mesmo tempo, eles não percebiam o serviço da empresa como sendo de qualidade superior. Como indicado na literatura específica, a satisfação influencia a avaliação da qualidade do serviço (Bolton e Drew, 1991b), assim como as intenções de compra (Cronin e Taylor, 1992). Pode-se constatar que a principal diferença entre esses dois construtos é que a satisfação é o resultado da avaliação que um consumidor faz de uma transação específica, enquanto que a qualidade percebida é mais geralmente vista como uma atitude; ou seja, a avaliação global que o consumidor efetua da oferta de um serviço (Parasuraman et al., 1988). Basicamente, a qualidade de um serviço conforme percebida pelos clientes tem duas dimensões, a saber: uma dimensão ou resultado técnico e uma dimensão funcional ou relacionada ao processo (Parasuraman et al., 1985). Como ilustrado na figura abaixo, temos duas dimensões básicas da qualidade, o que o cliente recebe e como o cliente recebe: o resultado técnico do processo (qualidade técnica) e a dimensão funcional do processo (qualidade funcional). No entanto, a qualidade total percebida não é determinada pelo nível das dimensões da qualidade técnica e 1

27 funcional apenas, mas sim pela diferença (gap) entre a qualidade esperada e a qualidade experimentada (Grönoos, 1983). Figura 2.2 Critérios de um bom serviço de qualidade (Grönoos, 1983) A literatura acadêmica, por muitas vezes, tratou de forma ambígua os conceitos de qualidade de serviços e satisfação do consumidor. Apesar disso, uma revisão mais recente na literatura específica sobre satisfação do consumidor indica existir um consenso sobre estas definições. Qualidade de serviço é definida como uma atitude de longo prazo, enquanto que satisfação do consumidor é um julgamento transitório formado a partir de um encontro específico na realização de um serviço. A percepção da qualidade de serviço reflete a avaliação de percepções de serviços realizados em pontos específicos do tempo enquanto que a satisfação é um julgamento de qualidade ao longo do tempo. Oliver (1993) estende o conceito de satisfação afirmando que o julgamento vai além da avaliação do serviço, utilizando o consumidor também elementos emocionais e cognitivos. A conotação afetiva da satisfação é pontual no momento pós-consumo. Com o distanciamento temporal, o momento da experiência vivida no passado permanece apenas como uma lembrança no aspecto cognitivo. Para que o sentimento de satisfação com presença de afetividade seja novamente vivenciado, uma nova experiência deve ocorrer. O conceito de satisfação começa a ser mais bem entendido quando se tenta conceituar o termo não como uma definição de dicionário, mas, sim, como um processo onde conceitos chaves são definidos com suas respectivas formas de interação. A literatura mais recente de marketing apresenta a idéia de satisfação não mais a partir de resultados observados, mas sim como o estado final de um processo psicológico que ocorre em um momento de pós-consumo de um produto ou serviço pelo consumidor. Neste sentido, 11

28 pode-se definir satisfação como o preenchimento de uma necessidade ou a realização de um desejo. A avaliação da satisfação realizada pelo consumidor passa por diversos aspectos sentimentais e emocionais que são freqüentemente confundidos com o próprio sentimento de satisfação. A distinção destes sentimentos é importante para que o conceito central de satisfação seja bem compreendido. O consumidor inicialmente avalia aspectos cognitivos de um novo produto ou serviço que deseja adquirir. Informações presentes em publicidade, artigos de jornais, revistas especializadas e comentários de outros usuários criam uma expectativa sobre o desempenho individual de cada produto ou serviço. Essas informações são a base para a escolha da marca conforme as necessidades específicas do consumidor que devem ser preenchidas. O processo de escolha é potencialmente complexo diante de múltiplas possibilidades de marcas existentes que devem ser avaliadas, na maioria das vezes, de forma mutuamente exclusiva. Ao longo do uso do produto, seu desempenho torna-se evidente de forma que a discrepância expectativa-desempenho pode ser devidamente avaliada. A discrepância pode ser positiva (acima das expectativas), nula (atendendo às expectativas) ou negativa (abaixo delas). Com isso o consumidor pode estabelecer julgamento sobre a qualidade (relação com padrões de excelência) e o valor (qualidade recebida pelo preço pago) do produto. Finalmente, pode-se entender a satisfação como sendo o resultado líquido de todas estas possíveis respostas no pós-compra, ou seja, o nível que o produto atendeu no preenchimento da necessidade ou desejo do consumidor. Com isso, o entendimento de satisfação como um processo torna-se mais consistente, estando presentes na avaliação tanto componentes cognitivos quanto emocionais. 2.4 A fidelidade do consumidor Em língua inglesa utiliza-se usualmente o termo loyalty (lealdade) para o que no Brasil nas empresas adota-se como fidelidade. Vários estudos acadêmicos recentes no Brasil têm adotado o termo lealdade em vez de fidelidade. Para o Dicionário Houaiss, são sinônimos. Neste trabalho adota-se o termo mais usado nas empresas, fidelidade. O conceito de fidelidade possui definições distintas nos campos das ciências comportamentais e da psicologia. Antes da década de 197, o conceito de fidelidade era 12

29 entendido apenas como um padrão de compras repetido, retratando uma abordagem puramente comportamental. Bass (1974) considerava que os ciclos de repetição de compra eram estocásticos, isto é, continham partes randômicas, assim não podiam ser analisados. Uma abordagem com aspectos psicológicos foi introduzida por Jacoby (1971) ao apresentar o conceito de fidelidade de múltiplas marcas. Sua abordagem considerava que dentro de um grupo limitado de marcas, estas podiam ser substituídas entre si, desde que possuíssem alguns requisitos básicos de qualidade equivalentes. A fidelidade a uma única marca só era possível caso não houvesse a disponibilidade de nenhuma outra concorrente. Em termos teóricos, a fidelidade do cliente é distinta do comportamento de apenas intenção de recompra na medida em que esta pode conter uma fidelidade não verdadeira devido à conveniência ou compra inconsistente (Jacoby e Chestnut, 1978). Oliver (1999) propõe uma estrutura categórica para fidelidade, na qual a fidelidade possuiria quatro categorias ou fases distintas: fidelidade cognitiva, fidelidade afetiva, fidelidade impulsiva e fidelidade de ação, onde nesta última a ação de recompra é acompanhada por uma disposição em superar obstáculos para alcançá-la. Dick e Basu (1994) têm outra abordagem e correlacionam atitude relativa e repetição de compra de forma a identificar quatro comportamentos distintos do consumidor: fidelidade verdadeira, fidelidade oculta, fidelidade falsa e fidelidade nula. A Fidelidade Verdadeira é aquela em que o consumidor apresenta uma alta atitude relativa em relação à determinada marca e um alto comportamento de recompra. A Fidelidade Oculta é definida como sendo aquele onde o consumidor possui uma forte preferência ou atitude em relação à marca, porém apresenta um baixo comportamento de repetição de compra devido a circunstâncias ambientais ou situacionais. A Fidelidade Falsa ocorre quando o consumidor freqüentemente adquire uma mesma marca, porém não considera a marca com atributos significativamente diferentes das demais. A recompra periódica pode ocorrer em situações onde não há alternativas de escolha ou a escolha é realizada com base em hábitos passados. A Fidelidade Nula ou Ausência de Fidelidade ocorre quando os consumidores não diferenciam as marcas e apresentam baixo comportamento de recompra. A Figura 2.3 apresenta esta formulação. 13

30 Atitude Alto Baixo Fidelidade Oculta Fidelidade Nula Fidelidade Verdadeira Fidelidade Falsa Baixo Alto Comportamento Figura 2.3 Estrutura do Modelo de Dick e Basu (1994) Todavia, como reconhece Oliver (1999), o conceito de fidelidade é muito falado mas pouco compreendido e a expectativa é que este conhecimento alcance o nível do estabelecido para satisfação. 2.6 Modelos de Índices nacionais de satisfação Segundo Johnson (21), os modelos de índice de satisfação definem de uma maneira geral a satisfação do consumidor como um todo ou a evolução acumulativa da experiência de compra, podendo ser utilizados tanto em empresas de serviços, órgãos públicos e indústrias. A medição da satisfação do consumidor teve início significativo com o desenvolvimento do índice de medição sueco (Fornell, 1992), nos Estados Unidos (Fornell, Johnson, Anderson, Cha e Bryant, 1996) e Noruega (Andreassen & Lindestad, 1998a). Outros índices também têm sido testados na Nova Zelândia, Áustria, Korea e União Européia Índice nacional Sueco Segundo Fornell (1992), criado em 1989, o Barômetro Sueco da Satisfação do Consumidor (SCSB) foi o primeiro índice verdadeiramente nacional de medição da satisfação do consumidor para análise das compras e consumo de produtos e serviços. Ele historicamente incluiu 13 companhias de 32 grandes indústrias suecas. Conforme o mesmo autor, o modelo sueco contempla dois fatores antecedentes à satisfação: a performance percebida pelo cliente com o produto ou serviço, e a expectativa em relação à performance. Estas expectativas afetam a satisfação porque elas servem como 14

31 âncoras na evolução do processo (Jonhson apud Oliver, 21). Enquanto a performance percebida captura as mais recentes experiências do consumidor, a expectativa é gerada antes da experiência de consumo. A previsão das expectativas dos consumidores é com a habilidade de a empresa prover futura performance, já que ela tem um efeito positivo na satisfação no modelo sueco SCSB. O modelo sueco inclui um relacionamento, conseqüente à satisfação, entre os construtos de comportamento e de fidelidade. Quando esse relacionamento é positivo, a empresa está tendo sucesso e tornando seus clientes fiéis, quando negativo, os clientes estarão dispostos a deixar de consumir os produtos ou serviços oferecidos pela empresa. Figura 2.4 Modelo sueco SCSB (Fornell, 1992; Johnson et al., 21) Índice nacional Americano O modelo ACSI (American Customer Satisfaction Index) foi desenvolvido em 1994 pela University of Michigan Business School and ASQ, sendo utilizadas as especificações do modelo sueco como base para a sua criação. Historicamente, incluiu 2 companhias de 35 indústrias americanas. Recentemente se expandiu para incluir agências governamentais e companhias de e-commerce. Para medição dos seis construtos existentes no modelo (expectativa do consumidor, qualidade percebida, valor percebido, satisfação, índice de reclamações e fidelidade), foi realizada uma pesquisa aplicando um questionário de 15 perguntas com aproximadamente 25 consumidores de cada empresa, em que se utilizou uma escala de 1 pontos com exceção dos construtos preço e reclamações, para os quais foi estabelecida uma escala de resposta dicotômica. Segundo Johnson et al. (21), as principais diferenças entre o modelo sueco e o americano são as adições da qualidade percebida, como construto diferente do valor percebido, e a implementação das medições das expectativas do consumidor. Em 1996, o 15

32 modelo foi expandido para medir dois fatores da qualidade percebida: os produtos (parte física) e a qualidade do serviço. Foram utilizados também outros fatores para medir a qualidade percebida (personalização, confiabilidade e qualidade em geral). Figura 2.5 Modelo Americano ACSI (Fornell(1996) Existem duas medições para fidelidade no modelo americano. A primeira é uma classificação da probabilidade de recompra pelos consumidores. A segunda medição foi desenvolvida para duas classificações: o grau para que a empresa poderia aumentar seu preço até onde o cliente estaria disposto a continuar a comprar, e o grau de desconto que a empresa deveria oferecer para que o consumidor continuasse comprando Índice nacional Europeu O modelo ECSI (European Customer Satisfaction Index), desenvolvido em 2, representa outra variação do ACSI. Estudos pilotos, em 1999, foram planejados em 1 países europeus. Os construtos expectativa do consumidor, qualidade percebida, valor percebido, satisfação e fidelidade do consumidor são modelados da mesma forma que o modelo ACSI, como também a distinção entre serviço de qualidade e produto de qualidade. Já a medição da fidelidade é um pouco diferente. No modelo europeu, a fidelidade é medida incluindo a probabilidade de retenção, recomendação da empresa ou marca, e a probabilidade de aumentar a quantia de compras dos consumidores (Johnson et al., 21). 16

33 Figura 2.6 Modelo Europeu ECSI (Eklof, 2) Existem duas fundamentais diferenças entre o modelo americano e o europeu. Primeiro, o modelo europeu não inclui o construto de reclamações dos consumidores como uma conseqüência da satisfação. Segundo, é incorporado o construto imagem da empresa como variável latente, em que ela é especificada para efeito direto nas expectativas do consumidor, satisfação e fidelidade Modelo Proposto por Johnson et al. (21) Baseado na discussão e revisão dos modelos existentes, Johnson et al. (21) propuseram um novo modelo, originalmente destinado a ser um novo modelo norueguês, que busca atuar em certas limitações, executando algumas modificações e adições em relação aos modelos já utilizados como referência. Tais alterações podem ser assim enumeradas: 1) Substituição do construto de valor por um do preço puro. 2) Substituição das expectativas do consumidor por imagem da empresa como uma conseqüência da satisfação. 3) Inclusão de dois aspectos de relacionamento de confiança como também a imagem da empresa como fator de fidelidade. 4) Incorporação do potencial dos efeitos do preço na fidelidade. 5) Inclusão do construto gerenciamento de reclamações como um fator impactante a 17

34 ambos: satisfação e da fidelidade. Figura 2.7 Modelo proposto por Johnson et al., 21. A primeira alteração é retirar o construto expectativa do cliente e inserir a imagem da empresa. Esta imagem tem sido afetada pela satisfação dos consumidores, advinda das suas experiências de compra mais recentes. A segunda alteração é retirar o construto comportamento de reclamações para inserir gerenciamento de reclamações. O gerenciamento tem efeito direto na satisfação e na fidelidade. A terceira mudança recomendada é para eliminar a duplicidade que existe entre os construtos de qualidade percebida e valor percebido. Já que a qualidade faz parte do valor, esta relação fica um pouco confusa. Foram analisados e testados esses construtos com os consumidores. O resultado obtido mostra que os consumidores tomam como referência o preço pago pelo produto ou serviço. A quarta recomendação é para melhor visualizar o entendimento e prognóstico da fidelidade do cliente como uma chave para performance do sistema. Foi proposta a utilização de dois construtos de compromisso para ajudar a explicar mais a fidelidade. Nós distinguimos entre a afetividade e o compromisso calculado. O componente afetivo está ligado aos aspectos emocionais e o calculado é baseado na racionalidade e nos aspectos econômicos, como por exemplo à redução de 18

35 custos para o consumidor. Finalmente, o mesmo autor recomenda a relação dos efeitos diretos do preço na fidelidade a ser considerada. O novo modelo foi testado com consumidores noruegueses que compraram ou consumiram algum serviço específico de cinco diferentes indústrias de serviços norueguesas estudadas: companhias aéreas, bancos, transportes de ônibus, serviços públicos e transportes de trem. 2.7 Estudos nacionais sobre Satisfação e Fidelidade com modelo de Johnson et al. (21) Alguns estudos têm sido feitos usando o modelo adotado nesta pesquisa. Dentre eles, revisou-se alguns na área de serviços enfocando serviços de saúde (Barbosa, 24), educação (Freire, 25) e hotelaria (Carlos, 24; Ferreira, 24; González, 25). Barbosa (24) estudou o setor de serviço de saúde em consultório de hospital e encontrou que são as variáveis direcionadoras da qualidade que determinam a avaliação da satisfação dos pacientes: acesso aos serviços de saúde, atendimento médico, apoio do hospital e o resultado dos exames. Também ficou evidenciado, neste estudo, que o preço pago pelos serviços de saúde não era significativo na avaliação da satisfação. Freire (25) estudando a satisfação e fidelidade de alunos de educação superior privada no Brasil, concluiu que a quantidade de alunos por sala, a simpatia dos funcionários, a didática do melhor professor e a atualidade das disciplinas são preponderantes no impacto da satisfação do aluno em relação à Faculdade e o conjunto desses fatores leva à fidelidade do aluno em relação à Faculdade, item que, ainda, recebe o reforço da imagem da Faculdade e do compromisso do aluno com a Faculdade. Analisando ainda o grupo de Alunos Reclamantes da Faculdade, concluiu-se que os fatores valor da mensalidade, barulho/som da sala de aula e pontualidade dos professores, que não aparecem nos Fatores de Satisfação e Fidelidade do grupo de Alunos da Faculdade, agora impactam no nível de satisfação com a Faculdade. Em relação à fidelidade do aluno enquanto relação à Faculdade, a satisfação com o professor e a satisfação com a coordenação, esses itens passam a ocorrer para o grupo de alunos reclamantes da faculdade. 19

36 No setor de hotelaria, González (25) investigou a satisfação e fidelidade de turistas internacionais, onde encontrou que as variáveis direcionadoras da qualidade, o preço pago levando em consideração a qualidade juntamente com o gerenciamento de reclamações explicam a satisfação. Por outro lado, a satisfação com o hotel, à imagem geral do hotel e o compromisso afetivo juntos explicam a fidelidade. Já Carlos (24) pesquisou turistas que se hospedaram nos hotéis da grande Natal e encontrou que as variáveis mais explicativas da satisfação foram: higienização, área de lazer, presteza dos funcionários e o preço pago ao hotel. Em relação aos construtos que foram relevantes à fidelidade destacaram-se: satisfação e compromisso afetivo. Ferreira (24) pesquisou o turismo regional na cidade de Natal e conclui que a Satisfação global do Turista com o Hotel é influenciada pelas variáveis: Qualidade da Limpeza e Higienização do Apartamento, Conservação da Piscina, Bar e Restaurante, Serviço de Telefonia, Serviço de Passeio e Qualidade Geral do Hotel. Já a Fidelidade do Turista ao Hotel é afetada pela Satisfação Global do Turista, pela solução dada às Reclamações e pelo Compromisso Afetivo. As Tabelas 2.1 e 2.2 apresentam uma síntese destes trabalhos. Tabela 2.1 Fatores que afetam a satisfação e fidelidade, estudos nacionais Estudo Setor de Fatores da Satisfação Fatores da Fidelidade Serviços Q Preço Rec Sat Preço Img CA CC Barbosa (24) Saúde Sim Freire (25) Educação Sim Sim Sim Sim González (25) Hotelaria Sim Sim Sim Sim Sim Sim Carlos (24) Hotelaria Sim Sim Sim Sim Ferreira (24) Hotelaria Sim Sim Sim 2

37 Tabela 2.2 Estudos sobre satisfação e fidelidade Estudo Setor de Serviços Fatores da Satisfação Barbosa (24) Saúde Qualidade: Acesso aos serviços de saúde, Atendimento médico, Apoio do hospital e o resultado dos exames. Freire (25) Educação Qualidade: Quantidade de alunos por sala, Simpatia dos funcionários, Didática do melhor professor e a Atualidade das disciplinas. González (25) Hotelaria Qualidade Preço Gerenciamento de reclamações. Carlos (24) Hotelaria Qualidade: Higienização, Área de lazer, Presteza dos funcionários Preço Ferreira (24) Hotelaria Qualidade: Limpeza, Higienização do Apartamento, Conservação da Piscina, Bar e Restaurante, Serviço de Telefonia, Serviço de Passeio e Qualidade Geral do Hotel Fatores da Fidelidade Não avaliados. Satisfação Imagem da Faculdade Compromisso Afetivo. Satisfação Imagem Compromisso afetivo. Satisfação Compromisso afetivo. Satisfação Solução dada às Reclamações Compromisso Afetivo. 2.8 A Pesquisa de Satisfação do Cliente da ANATEL Em consonância com sua missão, a ANATEL contratou o Consórcio FIAUSP/FAURGS (23) para desenvolver, testar e implementar um processo de aferição do grau de satisfação dos consumidores do SMC em suas modalidades pré e pós-pago. A Tabela 2.3 apresenta uma parte destes resultados para os fatores pesquisados. Tabela 2.3 Pesquisa ANATEL, Satisfação com os fatores Pesquisados em % (FIA- USP e FAURGS, 23) 21

38 Especificamente para as empresas que atuam no Piauí, foco da pesquisa de campo deste trabalho, os resultados da pesquisa ANATEL apontam alguns dos problemas relacionados ao serviço. As Tabelas apresentam uma comparação com o índice de satisfação da pesquisa (metodologia FIA-USP e FAURGS) para as duas empresas que operavam no estado na ocasião de sua realização. Tabela 2.4 Índice de Satisfação com a TIM no Piauí (FIA-USP e FAURGS, 23) Tabela 2.5 Índice de Satisfação com a CLARO no Piauí (FIA-USP e FAURGS, 23) 22

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

Resumo. Palavras-Chave. Área Temática: Marketing

Resumo. Palavras-Chave. Área Temática: Marketing Área Temática: Marketing Título do Artigo: Satisfação dos Usuários de Telefonia Móvel Celular: Uma Pesquisa com Alunos de Graduação de uma Instituição de Ensino Superior. AUTORES MARCOS ROBERTO TEIXEIRA

Leia mais

4 A Telefonia Móvel no Brasil

4 A Telefonia Móvel no Brasil 4 A Telefonia Móvel no Brasil 4.1 Breve Histórico da Telefonia Móvel O uso da telefonia móvel teve início no Brasil no final de 1990. Em 30 de dezembro deste ano o Sistema Móvel Celular (SMC) começou a

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 15 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO E DA INSATISFAÇÃO DOS CLIENTES Objetivo: Ao final desta aula, você deverá saber (1) sobre os fatores que causam a satisfação

Leia mais

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Processo de Decisão INFLUÊNCIA DO AMBIENTE Cultura Classes Sociais Valores Étnicos Família Situação DIFERÊNÇAS INDIVIDUAIS Recursos do cliente Auto conceito Problema

Leia mais

A Satisfação do Cliente no Sector dos Seguros

A Satisfação do Cliente no Sector dos Seguros A Satisfação do Cliente no Sector dos Seguros Introdução Num contexto de uma economia de mercado em acelerada mudança, afigura-se fundamental que as empresas em geral, e em particular o sector segurador,

Leia mais

Um estudo dos fatores que afetam a fidelidade dos compradores de automóveis

Um estudo dos fatores que afetam a fidelidade dos compradores de automóveis Um estudo dos fatores que afetam a fidelidade dos compradores de automóveis Isabel Nobre Pinheiro (UFRN) isabelpinheiro@ig.com.br Joab Maciel Saldanha Rodrigues (FCC) joab@matrix.com.br Rubens Eugênio

Leia mais

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo Objetivos Definir ; Conhecer as diferenças básicas entre Produtos (Bens e Serviços); Analisar uma visão geral do Setor de Serviços; Conhecer o processo de Prestação

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GESTÃO DA SATISFAÇÃO E FIDELIDADE DO CLIENTE: UM ESTUDO COM TURISTAS EM HOTÉIS por FRANCISCO DE ASSIS

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente O Serviço: Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente 1- Enquadramento Avaliar a Qualidade Percecionada dos produtos e serviços e a Satisfação dos Clientes da organização

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços.

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Verônica Feder Mayer, D.Sc. A estratégia de preços é um assunto de grande relevância para os gestores, afinal o preço é

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Gerais

Capítulo I Das Disposições Gerais PLANO GERAL DE METAS DA QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º Este Plano estabelece as metas de qualidade a serem cumpridas pelas prestadoras do Serviço

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público?

Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público? Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público? Quais argumentos poderiam ser usados por uma empresa prestadora de serviço de

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Márcia Sola O mercado varejista no Brasil tem experimentado uma série de mudanças nos últimos anos. A estabilização da economia, o desenvolvimento

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA

TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA TÍTULO: ESTUDO DE RACIONALIZAÇAO DOS PROCESSOS DA GOVERNANÇA HOTELEIRA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO. Capítulo I Das Disposições Gerais

PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO. Capítulo I Das Disposições Gerais PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO. Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º Este Plano estabelece as metas de qualidade, a serem cumpridas pelas prestadoras de

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Avaliação da satisfação pós-p. dos Clientes. MBA em Gerenciamento de Obras. Planejamento das aulas

Avaliação da satisfação pós-p. dos Clientes. MBA em Gerenciamento de Obras. Planejamento das aulas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas MBA em Gerenciamento de Obras Salvador, março de 2008 Avaliação da Satisfação dos Clientes Prof. Margaret Souza

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 10 Síntese Curso CRONOGRAMA - CURSO Data Assunto Detalhamento 8/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 15/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 22/mar

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PRODUTO CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM SERVIÇOS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PROCESSOS ÍNDICE INTRODUÇÃO 03 PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000)

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000) de Marketing e Estratégias de Marketing Parte 01 OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO Marcoambiente Ambiente setorial Estratégia Administração Estratégica Estratégico Organização / Direção Estratégia

Leia mais

Abordagens e dimensões da qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Abordagens e dimensões da qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Abordagens e dimensões da qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Abordagens da Qualidade Garvin, (1992) mostrou que a qualidade sofre modificações Em função da sua organização e abrangência, sistematizou

Leia mais

A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS RESTAURANTES DE SOBRAL

A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS RESTAURANTES DE SOBRAL A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS RESTAURANTES DE SOBRAL KECIA CRISTINA PEREIRA DE SOUSA 1 Resumo: O objetivo principal desta pesquisa é analisar a satisfação dos clientes em relação aos serviços

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

TIM Participações S.A. Resultados do 1T06. 5 de Maio de 2006

TIM Participações S.A. Resultados do 1T06. 5 de Maio de 2006 TIM Participações S.A. Resultados do 5 de Maio de 2006 1 Principais realizações Desempenho do Mercado Desempenho Financeiro 2 Status da Reestruturação Corporativa Principais realizações Melhorando a Estrutura

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Introd. Engenharia de Produção. Projeto de Engenharia

Introd. Engenharia de Produção. Projeto de Engenharia Introd. Engenharia de Produção 2007 Projeto de Engenharia Prof. João A. Camarotto Projeto de Engenharia Execução de um conjunto de ações de forma coordenada para realizar a construção, a fabricação, o

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Agência de Inteligência em Pesquisa e Comunicação

Agência de Inteligência em Pesquisa e Comunicação Agência de Inteligência em Pesquisa e Comunicação 1 Quem somos Empresa de inteligência em pesquisa e comunicação, atuando nas diferentes áreas - consultoria, opinião e mercado. Soluções personalizadas.

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

LUIZ CARLOS BAGINSKI NETO

LUIZ CARLOS BAGINSKI NETO GESTÃO DA SATISFAÇÃO E FIDELIDADE DO CLIENTE: UM ESTUDO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SATISFAÇÃO E FIDELIDADE DOS CLIENTES CORPORATIVOS DE TELEFONIA CELULAR LUIZ CARLOS BAGINSKI NETO ( luiz.baginski@ig.com.br

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2014/01 a 2014/02 APRESENTAÇÃO O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas

6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas 6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas A partir do exposto, primeiramente apresentam-se as fases discriminadas no modelo proposto por Mello (2005), porém agora direcionadas

Leia mais

3 O modelo para o e-crm sob a perspectiva do consumidor e as hipóteses de pesquisa

3 O modelo para o e-crm sob a perspectiva do consumidor e as hipóteses de pesquisa 3 O modelo para o e-crm sob a perspectiva do consumidor e as hipóteses de pesquisa Kim (et al., 2008) basearam-se nas crenças cognitivas do consumidor, juntamente com suas experiências afetivas e comportamentos

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

O Projeto de Pesquisa

O Projeto de Pesquisa O Projeto de Pesquisa CLÁUDIA BARBOSA O objetivo desta unidade é ensinar ao aluno sobre a definição e elaboração de um Projeto de Pesquisa. Ao final desta aula o aluno deverá apresentar seu projeto de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias A importância do Seis Sigma e da Qualidade em serviços As empresas de serviços

Leia mais

Apresentação. Formação, especialização e treinamento em Coaching. Desenvolvimento de Líderes Extraordinários - Líder Coach

Apresentação. Formação, especialização e treinamento em Coaching. Desenvolvimento de Líderes Extraordinários - Líder Coach I. Pinheiro Apresentação O Instituto Brasileiro de Coaching (IBC) é o resultado da experiência comprovada em desenvolver pessoas. Possuímos um sólido Background e amplo know-how em Desenvolvimento Humano.

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Uma Análise dos Serviços de Telefonia Móvel no Brasil: uma proposta de modelo empírico

Uma Análise dos Serviços de Telefonia Móvel no Brasil: uma proposta de modelo empírico Uma Análise dos Serviços de Telefonia Móvel no Brasil: uma proposta de modelo empírico Autoria: Marcio de Oliveira Mota, Cláudio André Gondim Nogueira, Felipe Cavalcante de Almeida, Paulo Giovanni Nogueira

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

1 O Problema 1.1 Introdução

1 O Problema 1.1 Introdução 1 O Problema 1.1 Introdução As teorias de adoção e de difusão de novos produtos em tecnologia sustentam que, no lançamento, os produtos ainda são acessíveis a apenas poucos consumidores que estão dispostos

Leia mais

EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TELEFONIA MÓVEL

EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TELEFONIA MÓVEL EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TELEFONIA MÓVEL METODOLOGIA O estudo foi realizado utilizando a metodologia Desk Research com base nos dados da ANATEL Agência Nacional de Telecomunicações e IBGE Instituto Brasileiro

Leia mais

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 45 (Quarenta e cinco) vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 O MBA EM CONSULTORIA & GESTÃO DE NEGÓCIOS,

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais