FELIPE ROHDE LEANDRO WILLE DELLA PACE DA SILVA PREMISE MARKETING E IDENTIDADE VISUAL LTDA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FELIPE ROHDE LEANDRO WILLE DELLA PACE DA SILVA PREMISE MARKETING E IDENTIDADE VISUAL LTDA."

Transcrição

1 FELIPE ROHDE LEANDRO WILLE DELLA PACE DA SILVA PREMISE MARKETING E IDENTIDADE VISUAL LTDA. Três de Maio 2011

2 FELIPE ROHDE LEANDRO WILLE DELLA PACE DA SILVA PREMISE MARKETING E IDENTIDADE VISUAL LTDA. Relatório de Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório Sociedade Educacional Três de Maio Centro de Ensino Médio SETREM Curso Técnico em Informática Professor orientador: Helton Eduardo Ritter Coordenação do Curso: Maidi Terezinha Darli, Edinei Daniel Steffen Três de Maio 2011

3 AGRADECIMENTOS Gostaríamos de agradecer a Sociedade Educacional Três de Maio, aos nossos pais, colegas de trabalho e de aula, amigos, ao Helton Eduardo Ritter nosso professor orientador, aos coordenadores do curso e a Ana Maria Sipp Machado que sempre nos deram apoio e ajudaram no que precisávamos.

4 DEDICATÓRIA de toda esta jornada. Dedicamos este trabalho a todas as pessoas que nos ajudaram ao longo

5 O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton

6 RESUMO O estágio curricular obrigatório do Curso Técnico em Informática foi realizado no período de Agosto de 2010 a Março de 2011 na empresa PREMISE Marketing e Identidade Visual Ltda. O objetivo real do estágio foi a implementação desta empresa em sociedade entre três amigos sendo que dois fariam seu estagio na própria empresa, para concretizar essa ideia foram realizadas reuniões. A empresa visa prestar serviços de publicidade em geral voltada na venda de serviços específicos criados pela empresa, esses serviços visam facilitar o acesso da população aos produtos ou serviços de todas as empresas. O primeiro serviço da empresa e também um dos principais objetivos desse estagio foi o serviço de publicidade on-line, o site PREMISE, que é diferente dos serviços de publicidade web que já existem, tem algumas funcionalidades inovadoras que foram muito bem pensadas e testadas pelos estagiários e já tem implementações de recursos para fazer no site, que foram sendo descobertas e aperfeiçoadas durantes as orientações que ocorreram nas terças-feiras pela manhã. Desenvolvido em PHP, CSS, JavaScript, Ajax, MySQL o site vai tornar-se referencia em pouco tempo pois é muito bem estruturado e foi pensado para processar em alto desempenho, fazendo apenas requisições necessárias e compactando imagens, reaproveitando códigos e ainda possui um sistema de cachê próprio e independente. Palavras Chaves: Publicidade, Mídia digital, Marketing, Identidade Visual, Web Service.

7 ABSTRACT The traineeship mandatory in Curso Técnico em Informática was conducted from August 2010 to March 2011 the company PREMISE Marketing and Visual Identity Ltda. The real objective was the implementation stage of this company in company with three friends and two would stage its in-house, to realize this idea, meetings were held. The company aims to provide advertising services in general focused on the sale of specific services created by the company, these services are designed to facilitate people's access to products or services from all companies. The first service company and one of the main goals of this stage was the service of online advertising, the site PREMISE, which is different from web advertising services that already exist, has some innovative features that were very well thought out and tested by trainees and already has implementations of features to the site, which were being discovered and refined throughout the guidelines that occurred on Tuesday morning. Developed in PHP, CSS, JavaScript, Ajax, MySQL, the site will become a reference in a short time because it is very structured and is designed to process high-performance, making only necessary requests and compressing images, reusing code and still have a system own independent cache. Service. Keywords: Advertising, Digital Media, Marketing, Brand Identity, Web

8 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Cronograma de Atividades... 25

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Primeira versão da marca Figura 2: Segunda marca Figura 3: Primeira marca para GO Figura 4: Segunda marca para GO Figura 5: Versão final da marca para GO Figura 6: Primeira versão da marca para PREMISE Figura 7: Marca final da PREMISE Figura 8: Modelo ER do banco de dados Figura 9: Página pessoal do usuário Figura 10: Cadastro de usuários etapa Figura 11: Pagina inicial do Site Figura 12:Pagina resultado da busca Figura 13: Página do perfil da empresa Figura 14: Cadastro de empresas Figura 15: Blog do estágio Figura 16: Manutenção de computador: Figura 17: Aula de inclusão digital, introdução ao hardware Figura 18: Aula de inclusão digital, instalação do S.O Figura 19: Turma com os certificados Figura 20:Lista de chamada... 52

10 LISTA DE SIGLAS AJAX Asynchronous Javascript and XML ASPX Active Server Pages CD Compact Disc CNPJ Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica CPF Cadastro de Pessoas Físicas CPU Central Processing Unit CSS - Cascading Style Sheets CTI Centro de Tecnologia da Informação DDL Data Definition Language ER Entidade-Relacionamento FTP File Transfer Protocol GDI Graphics Device Interface GPL General Public License HAL Hardware Abstraction Layer HP Hewlett-Packard HTML - HyperText Markup Language HTTP Hypertext Transfer Protocol IBM International Business Machines IIS Internet Information Services IP Internet Protocol P.O.O Programação Orientada ao Objeto PHP Personal Home Page RS Rio Grande do Sul S.O Operational System

11 11 SETREM Sociedade Educacional Três de Maio SGBD Database Management System SQL Structured Query Language TCP Transmission Control Protocol WWW World Wide Web XML Extensible Markup Language

12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPITULO 1: CAMINHO METODOLÓGICO TEMA DELIMITAÇÃO DO TEMA PROBLEMATIZAÇÃO HIPÓTESES OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA METODOLOGIA DEFINIÇÃO DE TERMOS CRONOGRAMA RECURSOS Recursos Materiais Recursos Institucionais Recursos Humanos CAPITULO 2: EMBASAMENTO TEÓRICO BANCO DE DADOS Banco de Dados Dicionário de Dados Modelo E-R MySQL SQL... 29

13 HOSPEDAGEM E REDE Apache Conceito de redes Linux DESENVOLVIMENTO Cliente Servidor Código Fonte Javascript P.O.O PHP PHP MySQL XML DIVULGAÇÃO Propaganda CAPITULO 3: RESULTADOS OBTIDOS IDENTIDADE VISUAL PREMISE.COM.BR BLOG ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO 4: TRABALHO DE ENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO O QUE É INCLUSÃO DIGITAL INCLUSAO DIGITAL NA SETREM CONTEUDO INCLUSAO DIGITAL AS AULAS Depoimentos Lista de chamada CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 56

14 INTRODUÇÃO Na atualidade a informática está relacionada com tudo, está praticamente em todos os lugares que se vai e em todas as coisas que se faz e que podem ser feitas, junto com os computadores tem a internet que é acessível à todos em quase todos os lugares. Entendendo isso se percebe que o mercado de produtos e serviços online vem crescendo muito e não tem restrições. Mas sabendo que tem praticamente tudo na internet e seria quase impossível criar algo novo na internet, inovar algo que já existe foi o que motivou a criação de uma empresa que não seria somente voltada para a internet, mas teria como base um serviço de publicidade on-line inovador. Encaminhou-se então o plano de negocio da empresa, logo depois da ideia ser aprovada para incubadora tecnológica da SETREM, iniciou-se o processo de registro do nome para obtenção do CNPJ. Durante todo o período desenvolveu-se em PHP o serviço PREMISE.com.br que é a principal forma de renda da empresa, um serviço de publicidade on-line que oferece recursos inovadores para este tipo de serviço, como cadastro de usuários, acumulação de pontos por esses usuários, publicidade rotativa. O projeto foi desenvolvido pelos estagiários do curso técnico em informática Leandro Wille Della Pace da Silva e Felipe Rohde, o projeto foi realizado na Incubadora Tecnológica da SETREM no período de Agosto de 2010 até Março de

15 quando terminou o período mínimo de estágio obrigatório e foi feita exposição do projeto em uma banca de professores e alunos. O relatório está dividido em quatro capítulos, o capítulo um traz a apresentação do projeto, tema, metodologia, objetivos, definição dos termos, das ferramentas estudadas durante o período onde elas foram pesquisadas. O capítulo dois apresenta fundamentação teórica, complementação das definições de termos, onde se complementa a pesquisa realizada escrevendo com as nossas palavras o que foi entendido da pesquisa dos termos. O capítulo três são os resultados obtidos pelo grupo, onde estão descritas todas as atividades realizadas com o auxilio de imagens para demonstrar os resultados. O capítulo quatro apresenta o ocorrido durante as vinte horas de estágio comunitário, descrevendo, mostrando com imagens e comprovando com depoimentos tudo que foi ensinado.

16 CAPITULO 1:CAMINHO METODOLÓGICO 1.1 TEMA Constituição de uma empresa de marketing e identidade visual focada em um serviço de publicidade rotativa on-line e soluções em mídia digital. 1.2 DELIMITAÇÃO DO TEMA Constituição de uma empresa de marketing e identidade visual focada em um serviço de publicidade rotativa on-line e soluções em mídia digital. Contemplando o processo de implementação real da empresa PREMISE Marketing e Identidade Visual Ltda. Desenvolvido no período de agosto de 2010 a março de 2011, pelos estagiários do Curso Técnico em Informática da SETREM Felipe Rohde e Leandro Wille Della Pace da Silva. 1.3 PROBLEMATIZAÇÃO Como começar uma empresa de mídia digital sem muitos recursos financeiros e de competitividade e criar um serviço de publicidade on-line melhor do que os existentes? Como convencer os clientes para que invistam em publicidade on-line?

17 HIPÓTESES A abertura de uma empresa em um novo segmento do mercado remete muita responsabilidade aos envolvidos e estes tendem a aprender muito mais com essas novas experiências e dificuldades. O apoio da SETREM através do projeto de Incubadora Tecnológica facilitará na estabilização da empresa. Ter o nome da SETREM, uma grande empresa, como apoiadora do projeto ajudará na aquisição de novos clientes. 1.5 OBJETIVOS Objetivo Geral Implantar uma empresa de Mídia Digital, voltada para Marketing direto através de um serviço on-line de publicidade rotativa, tornando-se uma empresa lucrativa e de potencial ilimitado Objetivos Específicos Desenvolver o plano de negócio. Apresentar a proposta para a coordenação do curso. Desenvolver o registro da empresa. Comprar o domínio PREMISE.com.br. Desenvolver o sistema de publicidade rotativa. Pesquisar sobre toda a parte legislativa de prover um serviço desse tipo.

18 18 Estudar técnicas de venda. Identificar clientes em potencial. Realizar manual de identidade visual. Apresentar tudo que foi desenvolvido mostrando o diferencial. Elaborar uma apresentação para estágio. 1.6 JUSTIFICATIVA Os recursos disponibilizados pela internet estão cada vez mais acessíveis e sabendo que esta já exerce forte influencia na opinião de seus usuários, nota-se que a divulgação on-line é uma boa área a ser trabalhada pois tem várias opções de expansão. A região noroeste do estado do Rio Grande do Sul não possui uma empresa que realize este serviço de divulgação voltada para a internet e que ao mesmo tempo gerencie a divulgação nos meios comuns usados atualmente. Pessoas foram consultadas e as opiniões apontam para um grande espaço de atuação e expansão neste ramo, visto essa opinião das pessoas mais próximas não deu-se necessidade de fazer uma pesquisa de campo, logo não tabulou-se dados, apenas agregaram-se as opiniões. O conhecimento adquirido no decorrer do curso também influenciou na decisão de constituir uma empresa que ofereça tais serviços de divulgação on-line, a PREMISE Marketing e identidade visual Ltda. busca satisfazer seus clientes com inovações nesta área.

19 METODOLOGIA Para a realização do projeto foram utilizadas as técnicas de observação onde a pesquisa não consiste apenas em ver ou ouvir, mas também na analise dos fatos que deseja avaliar, a mesma foi desenvolvida e aplicada em equipe. Dentre as técnicas utilizadas também foram aplicados testes para a obtenção de dados para o aperfeiçoamento do sistema. Quanto a abordagem foram utilizadas as técnicas do tipo dialético que consistiu em reuniões e exposições de ideias, indutivo pois, partiu-se de um ideia inicial e esta tornou-se muito maior e mais abrangente. Quanto as procedimentos forma utilizadas as técnicas do tipo bibliográfica onde consultou-se livros, artigos e obras de diferentes autores e documental onde foi realizado um estudo aprofundado e exaustivo da realidade apresentada. Formou-se uma sociedade a partir da ideia de criar uma empresa de mídia digital percebendo que era um nicho de mercado aberto na região, para idealizar a ideia foi elaborado o plano de negocio que explicava os fundamentos da empresa, de onde partiu-se, e onde pretendia-se chegar. Para o inicio do processo do registro da empresa foi feito uma pesquisa de orçamento junto aos escritórios se contabilidade e então foi definido o escritório Ativo e assim foi dado inicio do processo legal de registro da empresa. Com o processo de empresa iniciado, obteve-se a necessidade criar um manual de identidade visual, então começaram a surgir ideias para a marca ao mesmo tempo já pensava-se na composição do serviço de publicidade rotativa. Com a ideia desse serviço precisou-se estudar sobre todos encargos legislativos para prover esse serviço, que viria necessitar regras de uso para se manter uma ordem e deixar claro para anunciantes e usuários o que estava se propondo. Recebeu-se a notícia de que o registro da empresa foi concluído após a segunda tentativa e foi preciso então pagar o alvará junto a Prefeitura Municipal,

20 20 enquanto o alvará estava em processo de liberação foi orçado junto as gráficas o preço dos blocos de notas, carimbo do CNPJ e cartões de visita. Com a ideia do serviço definida, foram desenvolvidos os possíveis layouts e registrou-se o domínio PREMISE.com.br, e começou-se o desenvolvimento do sistema, com isso surgiu a necessidade de comprar uma hospedagem para fazer testes no local final para ver como o sistema se comporta, então adquiriu-se a hospedagem do UolHost junto com domínio sinônimo premize.com.br. Foi definido então o layout final e foi começado a aperfeiçoar e implementar utilidades no sistema base em cima do layout escolhido. Com isso foram feitos testes para concluir o sistema principal do serviço, então foi postado o serviço no domínio principal. Com o sistema principal finalizado, deu-se inicio a divulgação e ao processo de vendas, com isso surgiu a necessidade de estudar táticas de venda e elaboração do material de apoio de vendas. Para obter os primeiros clientes precisou-se investir em um trabalho pré venda, e após obtenção do primeiro cliente iniciou-se também o processo de pós-venda. 1.8 DEFINIÇÃO DE TERMOS Apache: É um servidor open source, muito estável e seguro, pois vem sendo desenvolvido a muito tempo. Problema de segurança são corrigido num tempo menor diferente do concorrente, IIS, da Microsoft (XAVIER, p. 18, 2008). Banco de dados: Um banco de dados é um conjunto coerente de lógico de dados relacionados que possuem significância intrínseca. Esses dados representam aspectos do mundo real que devem ser mantidos para atender aos requisitos da empresa (MACORATTI, 2002).

21 21 Conceito de redes: Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores possam compartilhar suas informações entre si (CARVALHO, 2010). Cliente/Servidor: Cliente-servidor é um modelo computacional que separa clientes e servidores, sendo interligados entre si geralmente utilizando-se uma rede de computadores. Cada instância de um cliente pode enviar requisições de dado para algum dos servidores conectados e esperar pela resposta. Por sua vez, algum dos servidores disponíveis pode aceitar tais requisições, processá-las e retornar o resultado para o cliente. Apesar do conceito ser aplicado em diversos usos e aplicações, a arquitetura é praticamente a mesma (HP.NET. 2002). Código Fonte: Código-fonte são as linhas de programação que formam um software em sua forma original. Inicialmente, um programador "escreve" o programa em certa linguagem-como C++ ou Visual Basic. (FOLHA UOL, 2001). DHCP - Dynamic Host Configuration Protocol: É um protocolo que permite um gerenciamento dos endereços e configurações IPs dentro de uma rede a partir de um ponto centralizado: uma base de dados central gerenciada dinamicamente e de forma automatizada, que fornece e registra o uso de endereços de IPs a partir de uma faixa de endereços definidos (BADDINI, p. 93, 2003). Dicionário de Dados: Um esquema de banco de dados é especificado por um conjunto de definições expressas por uma linguagem especial chamada linguagem de definição de dados (Data Definition Language, DDL). O resultado da compilação de comandos de uma DDL é um conjunto tabelas que são armazenadas em um arquivo especial chamado dicionário (ou diretório) de dados (SANCHES, 2011).

22 22 FTP: O protocolo é um velho conhecido no mundo da internet, e define como a comunicação entre um cliente e um servidor FTP ocorre. Tem como função a troca de arquivos (BADDINI. p. 217, 2003). HTTP: Javascript: O protocolo HTTP atua no conceito cliente/servidor e define como a comunicação entre os servidores e clientes(os navegadores) ocorre. No lado servidor, a comunicação ocorre tipicamente na porta TCP 80. Outras portas são definidas por questões de segurança ou quando é necessário mais de um site web no mesmo servidor (BADDINI. p. 216, 2003). Javascript é uma linguagem de programação utilizada para criar pequenos programinhas encarregados de realizar ações dentro do âmbito de uma página web (ALVAREZ, 2006). Linux: Linux é ao mesmo tempo um kernel (ou núcleo) e o sistema operacional que roda sobre ele, dependendo do contexto em que você encontrar a referência. O kernel Linux foi criado em 1991 por Linus Torvalds, então um estudante finlandês, e hoje é mantido por uma comunidade mundial de desenvolvedores (que inclui programadores individuais e empresas como a IBM, a HP e a Hitachi), coordenada pelo mesmo Linus, agora um desenvolvedor reconhecido mundialmente (CAMPOS, 2009). Marketing: As Técnicas mercadológicas adquiriram tal abrangência no mundo contemporâneo que são utilizados, em qualquer sistema econômico social, tanto por empresa comerciais como por instituições sem fins lucrativos, e em campanhas díspares como as de vacinação de crianças, realizadas pelos governos com o objetivo de promover o bem público e as eleitorais para vender ao eleitor a um cargo eletivo (COLADAWEB, 2006). Modelo E-R: Se você pretende desenvolver aplicações que usam banco de dados relacionais deverá possuir os conceitos básicos sobre modelagem de dados. Não importa se sua aplicação é muito simples; a correta modelagem

23 23 dos seus dados irá com certeza tornar sua aplicação mais robusta e mais fácil de manter (MACORATTI, 2002). MySql: O MySQL é um sistema de gerenciamento de banco de dados (SGBD), que utiliza a linguagem SQL (Structured Query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) como interface (PORTAL DA EDUCAÇÃO. 2006). P.O.O: A programação orientada a objeto são baseadas em três conceitos fundamentais: encapsula mento (normalmente implementado com classes), herança e polimorfismo (ou ligação tardia) (CANTÙ. p. 39, 2000). Propaganda: A Propaganda é um instrumento muito eficiente para a manipulação de massas, tanto que as campanhas políticas são a mais clara manifestação de propaganda (GOMES, p. 39, 2001). PHP: É uma linguagem de programação do lado do servidor gratuito e independente de plataforma, rápido, com uma grande livraria de funções e muita documentação (ALVAREZ, 2002). PHP e MYSQL: Uma das melhores habilidades do PHP é lidar com bancos de dados de uma forma fácil. Hoje em dia os sistemas para Web estão cada vez mais usufruindo das capacidades magníficas que os bancos de dados podem oferecer. Neste tutorial vamos aprender a fazer algumas coisas com o banco de dados MySQL (DEVIN, 2006).

24 24 Sistema Operacional A maioria dos usuários de computador já teve algum tipo de experiência com sistema operacional, mesmo assim é difícil reconhecer de modo preciso o que e um sistema operacional. Parte do problema ocorre porque os sistemas operacionais realizam basicamente duas funções não relacionadas: Entender a maquina, gerenciar recursos. Dependendo do tipo de usuário, ele vai lidar mais com uma função ou com outra (TANENBAUM. p. 1, 2003). SQL: SQL (Structure Query Laguage) é um conjunto de comandos de manipulação de banco de dados utilizado para criar e manter estrutura desse banco de dados, alem de incluir, excluir, modificar e pesquisar informações nas tabelas dele (MACORATTI, 2002). Web Services: Web service é uma solução utilizada na integração de sistemas e na comunicação entre aplicações diferentes. Com esta tecnologia é possível que novas aplicações possam interagir com aquelas que já existem e que sistemas desenvolvidos em plataformas diferentes sejam compatíveis (OFICINA DA NET, 2007). Windows: O Windows é estruturado em HAL, no núcleo, no executivo, e em uma fina camada de serviços do sistema que captura as chamadas o sistema que chegam. Alem disso há uma diversidade de drives e dispositivos, dentre eles o sistema de arquivos e o GDI. O HAL oculta certas diferenças de hardware das camadas superiores. O núcleo tem que ocultar do executivo as diferenças restantes, para torná-lo quase que completamente independente de maquina (TANENBAUM. p. 637, 2003). XML: XML é uma tecnologia na verdade muito simples que tem ao seu redor outras tecnologias que a complementam e a faz muito maior e com possibilidades muito mais amplas. Vamos ver ao longo de vários capítulos uma introdução ao mundo XML, ou seja, à linguagem assim como às tecnologias que trabalham com ela, seus usos, vantagens e modos de realizar as tarefas (ALVAREZ, 2004).

25 CRONOGRAMA Quadro 1: Cronograma de Atividades Atividades Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Fazer o plano de negócio. Apresentar a proposta para a coordenação do curso. Fazer o registro da empresa Comprar o domínio PREMISE.com.br. Comprar hospedagem para o site. Desenvolver o sistema de publicidade rotativa. Pesquisar sobre toda a parte legislativa de prover um serviço desse tipo. Estudar técnicas de venda. Identificar clientes em potencial. Criar manual de identidade visual. Apresentar tudo que foi desenvolvido mostrando o diferencial. Elaborar o relatório com as atividades desenvolvidas e a apresentação para estágio. Fonte: RITTER; SILVA; ROHDE, 2011 Proposto Realizado 1.10 RECURSOS Recursos Materiais Cadernos, computadores, internet, livros, papel.

26 Recursos Institucionais Laboratórios, biblioteca, computadores, impressora Recursos Humanos Professores, colegas, coordenação, familiares, amigos.

27 CAPITULO 2:EMBASAMENTO TEÓRICO 2.1 BANCO DE DADOS Banco de Dados um banco de dados é uma coleção de dados persistentes utilizada pelos sistemas de aplicação de uma determinada organização (DATE, p. 9, 2000). Toda empresa necessita de um banco de dados porque envolve um conjunto coerente de todos os dados relacionados, esses dados são usados em aspectos do mundo real onde são mantidos em atualização para atender os requisitos necessários da empresa, para facilitar o seu processo economizando tempo, assim gerando lucros. Um banco de dados é um conjunto coerente de lógico de dados relacionados que possuem significância intrínseca. Esses dados representam aspectos do mundo real que devem ser mantidos para atender aos requisitos da empresa (MACORATTI. p. 22, 2002) Dicionário de Dados O dicionário de dados é um conjunto de registros em estrutura regular que possibilita a reorganização das informações, em um banco de dados normalmente agrupa registros úteis. Um esquema de banco de dados é especificado por um conjunto de definições expressas por uma linguagem especial chamada linguagem de definição de dados (Data Definition Language, DDL). O resultado da compilação de comandos de uma DDL é um conjunto tabelas que são

28 28 armazenadas em um arquivo especial chamado dicionário (ou diretório) de dados. Um diretório de dados é um arquivo que contém metadados, ou seja, "dados sobre dados". Este arquivo é consultado antes que os dados sejam lidos ou modificados no sistema de banco de dados. A estrutura de armazenagem e os métodos de acesso usados em um sistema de banco de dados são especificados por um conjunto de definições em um tipo especial de DDL chamado linguagem de armazenagem e definição de dados. O resultado da compilação destas definições é um conjunto de instruções para especificar a implementação de detalhes do esquema de banco de dados que estão normalmente escondidos dos usuários (SANCHES, 2006) Modelo E-R A modelagem de dados relacionais deve possuir os conceitos básicos de modelagem com aplicações simples e fácil de manter, os modelos conceituais representam as regras mais adequadas para o envolvimento do usuário com aplicação mais fácil de manter, no modelo lógico leva se em conta limites impostos por algum tipo de banco de dados, modelo físico são modelos SGBD e pelos requisitos não funcionais dos programas que acessam os dados. Se você pretende desenvolver aplicações que usam banco de dados relacionais deverá possuir os conceitos básicos sobre modelagem de dados. Não importa se sua aplicação é muito simples; a correta modelagem dos seus dados irá com certeza tornar sua aplicação mais robusta e mais fácil de manter. Modelo conceitual - Representa as regras de negócio sem limitações tecnológicas ou de implementação por isto é a etapa mais adequada para o envolvimento do usuário que não precisa ter conhecimentos técnicos. Modelo Lógico - Leva em conta limites imposto por algum tipo de tecnologia de banco de dados. (banco de dados hierárquico, banco de dados relacional, etc.). Modelo Físico - Leva em consideração limites imposto pelo SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de dados) e pelos requisitos não funcionais dos programas que acessam os dados (MACORATTI, 2002) MySQL como uma interface. É sistema que gerencia o bando de dados SGBD de linguagem SQL O MySQL é um sistema de gerenciamento de banco de dados (SGBD), que utiliza a linguagem SQL (Structured Query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) como interface. O MySQL foi criado na Suécia por dois suecos e um finlandês: David Axmark, Allan Larsson e Michael "Monty" Widenius, que têm trabalhado juntos desde a década de Hoje seu desenvolvimento e manutenção empregam aproximadamente 70 profissionais no mundo inteiro, e mais de mil contribuem testando o software, integrando-o a outros produtos, e escrevendo a respeito do mesmo (PORTAL DA EDUCAÇÃO, 2006).

29 SQL SQL representa uma linha de comando e de códigos para a manipulação dos bancos de dados, onde pode criar atualizar, manter, excluir e fazer e pesquisas. Os sistemas SQL são fundamentais para que o banco de dados seja completo, tenha todos os requisitos que a empresas precisa ter para ter o seu controle. SQL (Structure Query Laguage) é um conjunto de comandos de manipulação de banco de dados utilizado para criar e manter estrutura desse banco de dados, alem de incluir, excluir, modificar e pesquisar informações nas tabelas dele. A linguagem SQL não é uma linguagem de programação autônoma; poderia ser chamada de "sublinguagem". Quando se escrevem aplicações para banco de dados, é necessário utilizar uma linguagem de programação tradicional (C, Java, Pascal, COBOL, etc...) e embutir comandos SQL para manipular os dados. (MACORATTI, 2002). 2.2 HOSPEDAGEM E REDE Apache O Apache é um servidor open source, muito estável e seguro, pois vem sendo desenvolvido há eras. Problemas de segurança são corrigidos num tempo menor, diferentemente do concorrente, IIS (Internet Information Services), da Microsoft. Há versão do Apache para Windows também, mas como o Linux é comprovadamente melhor para servidores web, a idéia de usar um servidor rodando no Windows é apenas para testar suas páginas, em tempo de desenvolvimento. Você cria o site, acessa-o localmente, como se estivesse usando a Internet. Seu próprio computador executa o servidor. Na hora do "vamos ver", você transfere seus arquivos para um servidor web e pronto(hardware,2011). Apache é um sistema de servidor estável e seguro e de uso livre, o que o torna uma excelente alternativa para os servidores pagos. É um servidor open source, muito estável e seguro, pois vem sendo desenvolvido há muito tempo. Problema de segurança é corrigido num tempo menor diferente do concorrente, IIS, da Microsoft (XAVIER. p. 18, 2008) Conceito de redes Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e outros dispositivos conectados entre si de modo a poderem compartilhar seus serviços, que podem ser: dados, impressoras, mensagens ( s), etc. A

30 30 Internet é um amplo sistema de comunicação que conecta muitas redes de computadores. Existem várias formas e recursos de vários equipamentos que podem ser interligados e compartilhados, mediante meios de acesso, protocolos e requisitos de segurança (MXMASTERS, 2011). Rede é uma estrutura física e lógica que permite a ligação de computadores que possibilitam o compartilhamento de informações entre si. Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores possam compartilhar suas informações entre si. (CARVALHO, 2010) FTP FTP é um protocolo usado na internet que define a comunicação entre cliente e o servidor, o FTP é mais usado para transferência de arquivos via internet é o que garante a segurança. O FTP (File Transfer Protocol) é um protocolo da Internet para transferência de arquivos. Assim como o HTTP é um protocolo utilizado para acessar sites de páginas da Web, o FTP é utilizado para acessar sites de transferência de arquivos. Embora os navegadores (browsers) mais recentes tenham capacidade para acessar sites FTP, é recomendado que se utilize outros softwares exclusivos para esta tarefa - pois eles oferecem mais recursos e facilidades nesta área. Você pode encontrar uma variedade incrível de programas disponíveis na Internet, via FTP. Existem softwares gratuitos (freeware), shareware (o shareware pode ser testado gratuitamente e registrado mediante uma pequena taxa) e pagos, que você pode transportar para o seu computador. Grandes empresas como a Microsoft também distribuem alguns programas gratuitamente por FTP (ANGELFIRE, 2011) HTTP HTTP é um protocolo para web que interpreta Hiper Texto. É um conceito atual de cliente servidor. O protocolo HTTP atua no conceito cliente/servidor e define como a comunicação entre os servidores e clientes(os navegadores) ocorre. No lado servidor, a comunicação ocorre tipicamente na porta TCP 80. Outras portas são definidas por questões de segurança ou quando é necessário mais de um site web no mesmo servidor (BADDINI, p. 216, 2003).

31 Linux Linux é um sistema operacional livre, que pode ser estudado e alterado por qualquer pessoa, ao mesmo tempo em que ao redor do mundo existem várias empresas dedicadas a fazerem melhorias nos sistemas operacionais Linux. Linux é ao mesmo tempo um kernel (ou núcleo) e o sistema operacional que roda sobre ele, dependendo do contexto em que você encontrar a referência. O kernel Linux foi criado em 1991 por Linus Torvalds, então um estudante finlandês, e hoje é mantido por uma comunidade mundial de desenvolvedores (que inclui programadores individuais e empresas como a IBM, a HP e a Hitachi), coordenada pelo mesmo Linus, agora um desenvolvedor reconhecido mundialmente O Linux adota a GPL, uma licença de software livre o que significa, entre outras coisas, que todos os interessados podem usá-lo e redistribuí-lo, nos termos da licença. Aliado a diversos outros softwares livres, como o KDE, o GNOME, o Apache, o Firefox, os softwares do sistema GNU e o OpenOffice.org, o Linux pode formar um ambiente moderno, seguro e estável para desktops, servidores e sistemas embarcados (CAMPOS, 2009). 2.3 DESENVOLVIMENTO Cliente Servidor PHP e Cliente/servidor é quando o cliente de o web browser faz uma requisição ao servidor de paginas PHP ele reponde de acordo com o banco de dados do servidor Linux ou Windows que estiver rodando essa resposta é feita e enviada para o cliente por isso cliente servidor, o cliente solicita e o servidor responde as necessidades do cliente. Cliente-servidor é um modelo computacional que separa clientes e servidores, sendo interligados entre si geralmente utilizando-se uma rede de computadores. Cada instância de um cliente pode enviar requisições de dado para algum dos servidores conectados e esperar pela resposta. Por sua vez, algum dos servidores disponíveis pode aceitar tais requisições, processá-las e retornar o resultado para o cliente. Apesar do conceito ser aplicado em diversos usos e aplicações, a arquitetura é praticamente a mesma (STI, 2011).

32 Código Fonte Código é linha de código de programação que formão um software em sua forma original C++ ou Visual Basic. O programador converte as linhas de código em linguagem de maquina é uma linguagem que o computador consegue interpretar e converter em programa. Código-fonte são as linhas de programação que formam um software em sua forma original. Inicialmente, um programador "escreve" o programa em uma certa linguagem como C++ ou Visual Basic. Para executar esse software, no entanto, o programador precisa converter as linhas de programação em linguagem de máquina, a única que o computador é capaz de entender. Quando você compra um programa, portanto, você compra a linguagem de máquina, e não o código-fonte (FOLHA UOL, 2001) Javascript das páginas web. É uma linguagem de programação usada para programar ações dentro Javascript é uma linguagem de programação utilizada para criar pequenos programinhas encarregados de realizar ações dentro do âmbito de uma página web (ALVAREZ, 2006) P.O.O P.O.O a programação orientada a objetos é totalmente baseada em três conceitos fundamentais para o desenvolvimento de encapsula mento herança e ligação tardia. Possibilitando um melhor aproveitamento na hora de desenvolver o software. A programação Orientada a objetos (POO) é uma forma especial de programar, mais próximo de como expressaríamos as coisas na vida real do que outros tipos de programação. Com a POO temos que aprender a pensar as coisas de uma maneira distinta, para escrever nossos programas em termos de objetos, propriedades, métodos e outras coisas que veremos rapidamente para esclarecer conceitos e dar uma pequena base que permita soltarmos um pouco com este tipo de programação(criarweb, 2011).

33 PHP É uma linguagem de programação com um numero significativo de funções e muita documentação, é a linguagem que executa o servidor web antes da pagina ser enviada através da internet ao cliente. O cliente somente recebe uma página com o código HTML resultante da execução da PHP. Como a página resultante contém unicamente código HTML, é compatível com todos os navegadores. É uma linguagem de programação do lado do servidor gratuito e independente de plataforma, rápido, com uma grande livraria de funções e muita documentação. Uma linguagem do lado do servidor é aquela que se executa no servidor web, justo antes da página ser enviada através da Internet ao cliente. As páginas que se executam no servidor podem realizar acessos a bases de dados, conexões em rede, e outras tarefas para criar a página final que será vista pelo cliente. O cliente somente recebe uma página com o código HTML resultante da execução da PHP. Como a página resultante contém unicamente código HTML, é compatível com todos os navegadores (ALVAREZ, 2002) PHP MySQL PHP MySQL é lidar com bancos de dados de uma forma fácil, MySQL é um banco de dados simples, rápido e eficiente para se trabalhar com sistemas Web. Uma das melhores habilidades do PHP é lidar com bancos de dados de uma forma fácil. Hoje em dia os sistemas para Web estão cada vez mais usufruindo das capacidades magníficas que os bancos de dados podem oferecer. O MySQL é um banco de dados simples, rápido e eficiente para se trabalhar com sistemas Web. Além disso ele é bem fácil e intuitivo, então estaremos usando ele para fazer os nossos exemplos deste tutorial. A licença deste banco de dados também é GPL, então é software livre (DEVIN, 2006) Web Services É uma solução utilizada na integração de sistemas de comunicação entre aplicação diferente, assim é possível interagir com aquelas que já existam, as formas de receber dados é em XML, que é uma linguagem universal. Web service é uma solução utilizada na integração de sistemas e na comunicação entre aplicações diferentes. Com esta tecnologia é possível que novas aplicações possam interagir com aquelas que já existem e que

34 34 sistemas desenvolvidos em plataformas diferentes sejam compatíveis. Os Web services são componentes que permitem às aplicações enviar e receber dados em formato XML. Cada aplicação pode ter a sua própria "linguagem", que é traduzida para uma linguagem universal, o formato XML (OFICINA DA NET, 2007) XML XML é uma linguagem que organiza dados, com a vantagem de facilitar as tarefas na web, se completa com as outras linguagens de programação de usam dos recursos do XML para organizar e facilitar o entendimento das informações. XML é uma tecnologia na verdade muito simples que tem ao seu redor outras tecnologias que a complementam e a faz muito maior e com possibilidades muito mais amplas. Vamos ver ao longo de vários capítulos uma introdução ao mundo XML, ou seja, à linguagem assim como às tecnologias que trabalham com ela, seus usos, vantagens e modos de realizar as tarefas (ALVAREZ, 2004). 2.4 DIVULGAÇÃO Marketing São as técnicas e métodos de divulgação de um produto, serviço ou pessoa com a finalidade de atingir um público alvo. As Técnicas mercadológicas adquiriram tal abrangência no mundo contemporâneo que são utilizados, em qualquer sistema econômico social, tanto por empresa comerciais como por instituições sem fins lucrativos, e em campanhas díspares como as de vacinação de crianças, realizadas pelos governos com o objetivo de promover o bem público e as eleitorais para vender ao eleitor a um cargo eletivo (COLADAWEB, 2006) Propaganda A propaganda são ideias ligadas a política, religião e filosofia. Com o propósito para manipulação de massas tanto que as campanhas políticas são uma forma de manipulação e manifestação de propaganda com caráter de propaganda para induzir o publico.

35 Vemos, pois, que a palavra publicidade significa, genericamente, divulgar, tornar publico, e propaganda compreende a idéia de implantar, de incluir uma idéia, uma crença na mente alheia. Comercialmente falando, anunciar visa promover vendas e para vender é necessário, na maior parte dos casos, implantar na mente da massa uma idéia sobre o produto. Todavia em virtude da origem eclesiástica da palavra, muitos preferem usar publicidade, ao invés de propaganda; contudo hoje ambas as palavras são usadas indistintamente. (SANT ANNA, 1996, p. 75). 35

36 CAPITULO 3:RESULTADOS OBTIDOS A ideia de prover um serviço de publicidade web básico e ver que colegas que saíram do CTI e abriram a própria empresa estavam conseguindo sucesso, foram as motivações necessárias que resultaram na abertura da PREMISE Marketing e Identidade Visual Ltda. junto com o desenvolvimento do serviço de publicidade rotativa que se encaixaria em outros serviços de mídias digital e outros serviços que a empresa virá a prover nesse ramo de publicidade. A criação de uma empresa com um imenso diferencial nesse ramo torna-a um empreendimento de potencial ilimitado o que aumenta a expectativa para o ano de 2011 em relação ao crescimento e aumento da demanda de serviço. Para começar de uma forma efetiva a criação da empresa foi criado o plano de negocio, onde se definiu quanto cada sócio investiria, como funcionaria a empresa, quais seriam os serviços prestados, este plano foi exposto para a coordenação do curso que por sua vez apresentou-o a direção da SETREM, e assim foi aprovada a ideia para a ON Marketing e Identidade Visual ser mais uma empresa da Incubadora Tecnológica da SETREM. 3.1 IDENTIDADE VISUAL Começou-se então, antes de tudo, desenvolver uma marca para a empresa que no principio chamar-se-ia ON Marketing e Identidade Visual como mostra a figura1.

37 37 Figura 1: Primeira versão da marca Fonte: RITTER; SILVA; ROHDE, Através de uma pesquisa com pessoas que não sabiam o nome da empresa foi perguntado qual era o entendimento delas sobre a marca, e a resposta da pesquisa não foi muito favorável, ou seja, as pessoas não entendiam que estava escrito ON partindo de um símbolo de ON/OFF universal. Portanto foi criado a segunda marca, como mostra a figura 2. Figura 2: Segunda marca Fonte: RITTER; SILVA; ROHDE, Quando foi encaminhado o registro da razão social veio a noticia de que o nome ON Marketing e Identidade Visual não poderia ser usado. Em reunião decidiu-se que o nome passaria a ser GO Marketing e Identidade Visual, encaminhou-se o registro novamente, e como esse processo demora um pouco,

38 38 para ir adiantando foi criada uma nova marca agora voltada para o novo nome, como mostra a figura 3. Figura 3: Primeira marca para GO Fonte: RITTER; SILVA; ROHDE, Como não se obteve a compreensão da marca logo em seguida criou-se a segunda versão para essa marca, como mostra a figura 4. Figura 4: Segunda marca para GO. Fonte: RITTER; SILVA; ROHDE, Decidiu-se facilitar o entendimento da marca e criar um símbolo junto do nome e não apenas a marca com a escrita do nome então foi criada a terceira versão da marca para a GO, como mostra a figura 5.

39 39 Figura 5: Versão final da marca para GO. Fonte: RITTER; SILVA; ROHDE, Mas como o nome GO Marketing e Identidade Visual também não poderia ser utilizado precisou-se novamente escolher um nome e a marca teria que ser alterada, o que quase levou ao abandono do projeto. Definiu-se então o novo nome da empresa que viria a se tornar finalmente o nome real, PREMISE Marketing e Identidade Visual Ltda. PREMISE traduzindo do inglês significa premissa, que em português significa ponto de partida. Partindo dessa ideia criou-se a marca apenas usando o nome da empresa em um outdoor, descartando todo o trabalho feito até aqui, como mostra a figura 6. Figura 6: Primeira versão da marca para PREMISE Fonte: RITTER; SILVA; ROHDE, 2011.

40 40 Finalmente quando o nome da empresa foi aprovado, e deu-se então o início ao registro legal da empresa é que se teve a percepção de que o símbolo criado para a ultima versão da marca da GO poderia servir tão bem, ou melhor, com o novo nome. Sendo assim alterou-se a marca como mostra a figura 7. Figura 7: Marca final da PREMISE Fonte: RITTER; SILVA; ROHDE, PREMISE.COM.BR Partindo de uma ideia básica que seria um catálogo de empresas on-line onde seriam colocados os cartões visita das empresas, dispostos em categorias e redirecionamento ou para o site da empresa ou para um perfil com os contatos da empresa no próprio site. Começou-se a pensar em melhorias para essa ideia e então se acrescentou uma forma rotativa de mostrar essas empresas na pagina inicial, com níveis diferentes, de valores diferentes, além de uma colocação em lugar mais privilegiado, cada nível tem diferentes possibilidades no perfil. Para isso ser automatizado precisou-se usar de um banco de dados cujo o modelo E-R esta sendo apresentado na figura 8.

41 41 Figura 8: Modelo ER do banco de dados Fonte: RITTER; SILVA; ROHDE, A pagina inicial foi desenvolvida em PHP, em cima do layout definido e escolhido entre as três opções criadas, e esta contem um sistema de login para interface do usuário que é também o grande diferencial do serviço oferecido pela PREMISE. Pois sendo usuário do site este tem os direitos de acumular pontos do site para trocar por brindes e descontos oferecidos pelos anunciantes, pode criar classificados que tem um sistema de comunicação independente, pode favoritar uma empresa ou um classificado, pode anunciar eventos e tudo isso ele paga com os pontos que ele ganha, e estando logado no sistema ele pode consultar todas suas informações conforme a figura 9.

42 42 Figura 9: Página pessoal do usuário Fonte: RITTER; SILVA; ROHDE, A página de cadastro de usuário usa sistema de validação dos dados através de códigos Java Script e PHP+Ajax, pode ser vista na figura 10. O cadastro do usuário é dividido em três etapas, a primeira com cadastro simples que o usuário faz e já pode sair usando o sistema, acumulando pontos e comprando classificados, a segunda ele precisa confirmar alguns dados pessoais como CPF e endereço, isso serve para que não existam usuários falsos, e a terceira etapa é a confirmação desses dados que é através de um código único gerado para cada usuário e mandado para o de registro. Figura 10: Cadastro de usuários etapa 1 Fonte: RITTER; SILVA; ROHDE, A página principal vista na figura 11, é a maior vitrine do serviço pois nela tem toda a rotatividade randomizando as empresas e mudando toda vez que ela é vista, nela se encontram os anúncios das empresas dos três níveis sendo o mais caro o Banner que é visível em todas as resoluções por primeiro, o de segundo valor

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP. VitorFariasCoreia

DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP. VitorFariasCoreia DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP VitorFariasCoreia INFORMAÇÃOECOMUNICAÇÃO Autor Vitor Farias Correia Graduado em Sistemas de Informação pela FACITEC e especialista em desenvolvimento de jogos

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA Você deve ter em mente que este tutorial não vai te gerar dinheiro apenas por você estar lendo, o que você deve fazer e seguir todos os passos

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

UniFOA Centro Universitário de Volta Redonda Prof. Érick de S. Carvalho LabBD2Aula01A 1

UniFOA Centro Universitário de Volta Redonda Prof. Érick de S. Carvalho LabBD2Aula01A 1 Aula 01 (Aula Inicial) Esta é a primeira aula do semestre e o primeiro contato entre: os alunos, o professor e a disciplina. Vamos conhecer o Professor, sua experiência e capacitação em lecionar esta disciplina;

Leia mais

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual Maria Augusta Sakis Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma Máquina Virtual Máquinas virtuais são muito úteis no dia-a-dia, permitindo ao usuário rodar outros sistemas operacionais dentro de uma

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ALEXANDRE PRADO BARBOSA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ALEXANDRE PRADO BARBOSA Relatório

Leia mais

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br SISTEMA OPERACIONAL APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

OURO MODERNO www.ouromoderno.com.br SISTEMA OPERACIONAL APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) SISTEMA OPERACIONAL APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 ÍNDICE Aula 1 Conhecendo o Linux... 3 Apresentação... 3 Tela de Logon... 4 Área de trabalho... 5 Explorando o Menu

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Web Design Aula 11: Site na Web

Web Design Aula 11: Site na Web Web Design Aula 11: Site na Web Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação Criar o site em HTML é interessante Do que adianta se até agora só eu posso vê-lo? Hora de publicar

Leia mais

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP

O melhor do PHP. Por que PHP? CAPÍTULO 1. Uma Pequena História do PHP CAPÍTULO 1 O melhor do PHP Este livro levou bastante tempo para ser feito. Venho usando agora o PHP por muitos anos e o meu amor por ele aumenta cada vez mais por sua abordagem simplista, sua flexibilidade

Leia mais

Criação de um site sobre Comunicação

Criação de um site sobre Comunicação Luciano Conceição Martins Criação de um site sobre Comunicação UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Introdução: Um site é um conjunto de arquivos feitos através de códigos de programação. E, estes

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Objetivo O objetivo do projeto é especificar o desenvolvimento de um software livre com a finalidade de automatizar a criação de WEBSITES através do armazenamento

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Rotina de Discovery e Inventário

Rotina de Discovery e Inventário 16/08/2013 Rotina de Discovery e Inventário Fornece orientações necessárias para testar a rotina de Discovery e Inventário. Versão 1.0 01/12/2014 Visão Resumida Data Criação 01/12/2014 Versão Documento

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com L I N2 U0 X0 9 Manual de Instalação do Linux Educacional 3.0 Por: Rafael Nink de Carvalho ü Configurando o SETUP do computador ü Rodando a versão Live CD ü Instalando o Linux www.linuxeducacional.com Educacional

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário...

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário... Artigo sobre Indicie 1.Introdução....1 2.Como Surgiu....2 3.Para que serve....3 4.Instalação....3 5. Oque ele permite fazer....5 6. Primeiro Cenário....6 7. Segundo Cenário....7 8. Conclusão....8 5. Referencias....9

Leia mais

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 01. Apresentação Fator W é a marca fantasia através da qual o desenvolvedor web

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS. Software livre se refere à liberdade dos usuários com relação ao software, mais precisamente:

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS. Software livre se refere à liberdade dos usuários com relação ao software, mais precisamente: ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS Unidade IV DEFINIR A MELHOR SOLUÇÃO DE BANCO DE DADOS PARA AS NECESSIDADES DA EMPRESA.1 O uso das tecnologias.1.1 O software livre 1 A tecnologia de banco de dados, assim

Leia mais

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre 16:21:50 Introdução à Informática com Software Livre 1 16:21:50 Hardware & Software 2 16:21:50 Hardware Hardware é a parte física de um computador, é formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo,

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Versão 1.0 Autores Bruna Cirqueira Mariane Dantas Milton Alves Robson Prioli Nova Odessa, 10 de Setembro de 2013 Sumário Apoio 1. Licença deste

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

TUTORIAIS COMO ABRIR UM DNS. Prof. Celso Masotti

TUTORIAIS COMO ABRIR UM DNS. Prof. Celso Masotti TUTORIAIS COMO ABRIR UM DNS Prof. Celso Masotti São Paulo - 2009 A estrutura completa de um nome para navegação é: www.dns.dpn.cctld Não entendeu? E se eu colocar dessa forma? www.parafusos.com.br I -

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

Centro Digital Aula 1

Centro Digital Aula 1 Centro Digital Aula 1 A oficina de Criação de website visa capacitar o aluno a criar e hospedar uma página simples na internet, com moldes predeterminados para divulgação de seu negócio. A internet surgiu

Leia mais

Sistema de Informação para Coleções de Interesse Biotecnológico

Sistema de Informação para Coleções de Interesse Biotecnológico Sistema de Informação para Coleções de Interesse Biotecnológico Sidnei de Souza Centro de Referência em Informação Ambiental, CRIA 24º Congresso Brasileiro de Microbiologia Brasília, 04 de outubro de 2007

Leia mais

MULTIACERVO - VERSÃO 18.* MANUAL PARA CONVERSÃO DA VERSÃO 17.* PARA 18.*

MULTIACERVO - VERSÃO 18.* MANUAL PARA CONVERSÃO DA VERSÃO 17.* PARA 18.* MULTIACERVO - VERSÃO 18.* MANUAL PARA CONVERSÃO DA VERSÃO 17.* PARA 18.* CONTEÚDO: A) Procedimentos comuns para todas as arquiteturas B) Procedimentos exclusivos arquitetura com sgbd MS-SQL-SERVER C) Procedimentos

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA

MANUAL PARA USO DO SISTEMA Clínicas Odontológicas MANUAL PARA USO DO SISTEMA (GCO) GERENCIADOR CLÍNICO ODONTOLÓGICO SmilePrev Versão 2.0 SmilePrev Clínicas Odontológicas www.smilepev.com 2008 REQUISITOS BÁSICOS DO SISTEMA HARDWARE

Leia mais

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero

Servidor, Proxy e Firewall. Professor Victor Sotero Servidor, Proxy e Firewall Professor Victor Sotero 1 Servidor: Conceito Um servidor é um sistema de computação centralizada que fornece serviços a uma rede de computadores; Os computadores que acessam

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz Tecnologia da Informação Prof. Esp. Lucas Cruz Componentes da Infraestrutura de TI Software A utilização comercial da informática nas empresas iniciou-se por volta dos anos 1960. O software era um item

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz Tecnologia da Informação Prof. Esp. Lucas Cruz Software A utilização comercial da informática nas empresas iniciou-se por volta dos anos 1960. O software era um item menos dispendioso que o hardware, e

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3 REFLEXÃO 3 Módulos 0771, 0773, 0774 e 0775 1/5 18-02-2013 Esta reflexão tem como objectivo partilhar e dar a conhecer o que aprendi nos módulos 0771 - Conexões de rede, 0773 - Rede local - instalação,

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Prof. Luiz Fernando

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Prof. Luiz Fernando Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS Prof. Luiz Fernando A melhor solução A tecnologia passa por atualizações constantes. Uma das atividades do profissional de informática é se manter informado.

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET WEBSITE MUNDO MULHER GABRIELA DE SOUZA DA SILVA LUANA MAIARA DE PAULA SILVA

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Adler H. Schmidt, Caroline F. Vicentini, Patrick P. Viera, Ronaldo C. M. dos Santos, Andrea S. Charão Universidade

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor.

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES Fortaleza - CE Apresentação. O mais famoso tipo de arquitetura utilizada em redes de computadores

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010. Comparativo entre Apache e IIS.

Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010. Comparativo entre Apache e IIS. Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010 Comparativo entre Apache e IIS. Apache versus IIS 1. Resumo Os programas de computador Apache, da fundação Apache

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte...

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte... ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3 Acervo... 3 Meus Livros... 4 Livros em destaque... 7 Fórum... 7 Notícias... 8 Ajuda... 9 Suporte... 9 POR QUE USAR... 10 EQUIPE RESPONSÁVEL... 12 CONTATO... 13 O

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

Proposta Comercial para criação e desenvolvimento do novo portal do Município de São José do Norte - RS

Proposta Comercial para criação e desenvolvimento do novo portal do Município de São José do Norte - RS Proposta Comercial para criação e desenvolvimento do novo portal do Município de São José do Norte - RS Abril 2014 - Versão 1.0 A/C da Srta. Cíntia Arbeletche 1 / 5 Escopo & Premissas Essa proposta contempla

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

BANCO DE DADOS II. AULA MySQL.

BANCO DE DADOS II. AULA MySQL. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA MySQL. DISCIPLINA: Banco de Dados II PROF.: ROMULO VANZIN Data: 27/06/2014 Banco

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Sistemas operacionais de rede: Windows e Linux

Sistemas operacionais de rede: Windows e Linux Sistemas operacionais de rede: Windows e Linux Introdução Um sistema operacional de rede é simplesmente um sistema operacional com serviços de rede, que chamamos de um modo geral de servidor. Dependendo

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA FACILITADOR VIRTUAL DA APRENDIZAGEM EM QUÍMICA Campina Grande-

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS

O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS Hélio Pereira da Rosa Neto Universidade Anhanguera-Uniderp Fernando Conter Universidade Anhanguera-Uniderp O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS RESUMO Este artigo científico tem como

Leia mais

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância 1 Introdução Bruno Astuto Arouche Nunes Sergio Barbosa Villas-Boas 1 Henrique Falleiros Tendo em vista que o processo de ensino, nos dias de hoje,

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

Operador de Computador. Informática Básica

Operador de Computador. Informática Básica Operador de Computador Informática Básica Instalação de Software e Periféricos Podemos ter diversos tipos de software que nos auxiliam no desenvolvimento das nossas tarefas diárias, seja ela em casa, no

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Artigo escrito por Walter Teixeira wteixeira.wordpress.com Sumário Cenário Proposto... 3 Preparação do Servidor SQL Server

Leia mais

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc. Endereços IP Endereços IP IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.) precisam ter endereços. Graças

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

BANCO DE DADOS CONTEÚDO INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br BANCO DE DADOS SGBD TABELA CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONTEÚDO INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br BANCO DE DADOS SGBD TABELA CONCEITOS BÁSICOS CONTEÚDO HARDWARE - 2 AULAS SISTEMA OPERACIONAL - 2 AULAS INFORMÁTICA Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br APLICATIVOS OFFICE - 3 AULAS INTERNET - 1 AULA REDE - 2 AULA SEGURANÇA - 1 AULA BANCO DE

Leia mais