DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES MOTORAS EM CRIANÇAS JOGADORES DE FUTEBOL. Desenvolvimento de crianças no futebol.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES MOTORAS EM CRIANÇAS JOGADORES DE FUTEBOL. Desenvolvimento de crianças no futebol."

Transcrição

1 DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES MOTORAS EM CRIANÇAS JOGADORES DE FUTEBOL. Desenvolvimento de crianças no futebol. Autores: Luiz Felipe de Moraes Silva * Marruan Luis Mariano Orientador Científico: Prof. Ms. Ana Caroline Prioli Curso de Educação Física Avenida São Francisco de Assis, 218 Jardim São José CEP Bragança Paulista-SP * CREF: G/MG

2 RESUMO O Brasil é considerado o país do futebol, ou popularmente a pátria de chuteiras. Devido este contexto histórico-cultural que o esporte carrega consigo, é capaz de transformar um simples gramado em um campo de sonhos onde crianças se transformam em ídolos devido à louca paixão que move o futebol. Esta revisão bibliográfica visa proporcionar que os profissionais da área de Educação Física compreendam o processo de desenvolvimento motor decorrente de cada faixa etária correspondente no processo de desenvolvimento das crianças praticantes deste esporte. Porque a prática esportiva atualmente tem-se iniciado em idades cada vez mais precoces, acarretando cuidados com os processos de ensino-aprendizagem que influenciam no desenvolvimento das crianças. Portanto este artigo não traz receitas prontas sobre a metodologia ideal, porém proporciona uma reflexão sobre os aspectos metodológicos no processo de ensinoaprendizagem do futebol que se diferencia de acordo com cada faixa etária. Propondo uma metodologia baseada no lúdico de forma a contribuir na formação destas crianças não somente como atletas, mas como seres humanos. Palavras-chave: Futebol; Crianças; Desenvolvimento Motor; Metodologia. ABSTRACT Brazil is considered the country's football, or popularly the homeland of soccer shoes. Because this historical and cultural context that the sport carries with, it is capable of turning a simple lawn into a field of dreams where children are transformed into idols because of the mad passion that move the football. This review aims to provide that health care providers Fitness understand the development process due to engine each corresponding age group in the process of development of children practicing this sport because the sport practice. Currently has been initiated in ever earlier ages, causing care of the teaching-learning processes that influence the development of children. So this article does not bring revenue ready on the methodology ideal, but provides a reflection on methodological issues in the teaching-learning process of football which differs according to each age group. Propose a methodology based on playful way of helping in the formation of these children not only as athletes more like humans. Key words: Football; Children; Motor Development; Methodology.

3 1 1. INTRODUÇÃO Visando o desenvolvimento psicomotor básico da criança e as capacidades motoras complexas, bem como o sistema cognitivo e a socialização, procura-se entender a problemática que atualmente os clubes de futebol demonstram em relação ao desenvolver treinamentos específicos de acordo com a faixa etária das crianças. Contudo há de se compreender melhor o processo de ensino aprendizagem do futebol a fim de alcançar uma metodologia adequada. Atualmente o que se vê muito são profissionais de escolinhas de futebol despreparados, atuando como professores de futebol, porém alguns nunca tiveram uma preparação que ao menos lhe de uma noção para importância de tal cargo (SCAGLIA, 1996). O esporte deve ser ajustado de acordo com a condição técnica, psíquica e física da criança, compatível as suas necessidades e possibilidades, onde nem sempre o que se espera para um melhor desenvolvimento infantil acontece (FILGUEIRA, 2006). Acredita-se que o trabalho com as escolinhas de esportes se realiza por meio de uma prática pedagógica, voltada para um desenvolvimento global de seus alunos, respeitando seus estágios de crescimento e desenvolvimento, físico e cognitivo no qual a escola de esporte, através de sua atividade pedagógica, deve contemplar várias possibilidades, tais como: sociais, intelectuais, motoras, educacionais e também esportivas (SCAGLIA apud. FREIRE, PARLEBÁS, SÉRGIO, PAES, 1996). O processo de ensino-aprendizagem do futebol é uma função básica das escolinhas, mas este desenvolvimento deve ser envolto pelo meio em que o aluno está, ou seja, de acordo com as capacidades individuais de cada aluno (SCAGLIA, 1996). O presente estudo voltou sua atenção no sentido de captar dentro da literatura sugestões e propostas para cada fase da criança, respeitando seus limites motores e fisiológicos. 2. OBJETIVO Identificar as fases de desenvolvimento das crianças, de acordo com a faixa etária e relacioná-las aos conteúdos que são aplicados no futebol. Entender como ocorre o desenvolvimento de habilidades motoras fundamentais e especificas em crianças, de modo que ocorra a junção entre teoria e prática no processo de ensino e aprendizagem do futebol, para que haja um melhor entendimento de qual tipo de abordagem metodológica é melhor para o desenvolvimento das crianças Objetivos Específicos Mostrar a realidade do futebol; Entender a aprendizagem da criança; Entender o desenvolvimento da criança; Analisar o caráter metodológico do ensino do futebol; 3. DESENVOLVIMENTO 3.1 Futebol Segundo Freire (2003), o esporte é muito importante para as pessoas, cada povo tem seu esporte que é transformando numa paixão nacional, caso do beisebol nos Estados Unidos, hóquei no Canadá, futebol no Brasil. O Brasil e o futebol têm uma relação muito íntima, tanto que alguns imaginam que o Brasil inventou o futebol, mas não, foram os ingleses, os quais tempos depois passaram a apreciar a ginga brasileira. De acordo com alguns cronistas o Brasil é a pátria de chuteiras, mesmo com insucessos sociais, o futebol se torna para muitos, alegrias inexplicáveis. No Brasil o futebol é também encarado como uma simples brincadeira. Nota-se pelas regiões brasileiras que ainda existem meninos jogando descalço nas ruas, asfaltadas, de terra, pelas quadras de areia, quadras de futsal, enfim faz parte da infância de meninos menos favorecidos economicamente (FREIRE, 2003).

4 2 Freire (2003) cita a origem do futebol brasileiro, que nasceu nas cidades, nos chamados campos de várzeas, eram espaços livres em que as crianças brincavam e jogavam futebol, os quais de acordo com o tempo foram desaparecendo devido ao crescimento social, casas, indústrias, entre outros. A história do futebol no Brasil pode ser dividida em duas fases diferentes, a primeira fase por volta de 1894 a 1904 (fase amadora), de 1905 a 1933 (fase do profissionalismo e a fase do reconhecimento internacional) ocorrendo a transferências de jogadores brasileiros para diversos países (RODRIGUES, 2004). Em meados de 1930 o futebol brasileiro torna-se uma identidade popular, a partir disso, jornalista e cronistas prestavam mais atenção ao aparecimento de uma forma brasileira, rápida e de improvisações, de acordo com o que o jogo necessitava. Essa maneira de jogar que apenas os brasileiros conseguiam aplicar cresceu depois de 1938, os tornando mestres da bola (PEREIRA at. SOARES, HELAL, SANTORO, 2004). Segundo Soares, Helal e Santoro (2004) com relação a seleção brasileira de 1970, sempre será lembrada pelos jornais como uma seleção de tradição. O futebol brasileiro tem dois pólos que se interligam em sua história, passado e presente, através de narrativas que são divididas em narrativas épicas e complementares. A narrativa épica consiste dos feitos heróicos do passado, jogos e jogadores como Garrincha, Pelé, Zagallo. A narrativa complementar é aquela que mistura passado e presente, ou seja, devido as glórias de antigamente há o estímulo do povo para assistir os espetáculos de hoje. Esses craques da seleção brasileira de 1970 carregam a imagem de futebol arte, com suas rápidas improvisações, dribles denominados estilo brasileiro de futebol. O futebol no Brasil é capaz de mover uma nação que se encanta a cada jogada, repleta de movimentos plásticos, nos quais se mostra evidente a versatilidade que cada jogador carrega consigo, fruto de um país cenário de várias raças. O futebol brasileiro faz parte da vida de cada cidadão, que se sente mais brasileiro ao assistir a seleção jogar. Mesmo o país em meio a dificuldades, o campo de futebol se torna também o campo dos sonhos, onde meninos viram heróis como em passe de mágica e simples mortais se tornam imortais ao longo da história pelas conquistas obtidas (RENÓ, 1999). Por outro lado, por este esporte ser de alto-nível, sendo considerado um espetáculo universal, torna-se objeto de consumo dos meios de comunicação que visam a parte lucrativa do esporte. O Brasil pode ser considerado o país do futebol e esta paixão ultrapassa as linhas dos gramados, gerando bons lucros através de patrocinadores, que atuam nos meios de comunicação, como a televisão, que abrangem uma gama grande de telespectadores. Isto faz com que cada vez mais o esporte se torne um grande negócio, que movimenta milhões e expõem os atletas em suas vidas pessoais, a fim de que tudo vire notícia no meio esportivo. O esporte que mais encanta multidões no Brasil se vê influenciado pela mídia, em contra partida vê o futebol como uma caixa registradora sem levar em consideração uma nação apaixonada, que acredita nos milagres deste jogo fantástico que é o futebol (SANFELICE, 2001). A mídia de forma geral tem dois papéis, um que mostrava para todas as pessoas como é o futebol e o outro papel desempenhado pela mídia é a vantagem financeira através do futebol que, com passar do tempo foi deixando de lado todo processo de aprendizagem motora que pode ser obtido através do futebol (FREIRE, 2003). 3.2 Aprendizagem no futebol O futebol no cenário brasileiro se faz presente há tempos, porém no processo de formação de jogadores o problema central vem sendo que os profissionais não entendem que cada indivíduo possui sua universalidade e seu tempo de resposta ocorrendo à separação entre homem e sua natureza. O esporte proporciona aos seus participantes um conhecimento e domínio sobre o corpo, que permitem que suas vivências sociais modernas sejam construídas através deste corpo. Vivemos em meio a uma sociedade que busca cada vez mais o aperfeiçoamento deste corpo em beneficio do esporte, contudo temos de compreender o processo que abrange a aprendizagem motora de novos movimentos que a cada momento são criados pelos jogadores de futebol (RODRIGUES, 2004). O processo de aprendizagem faz parte da conduta humana e é proporcionado pelos fenômenos de natureza biológica, sociológica e psicológica. No entanto, no processo de aprendizagem motora procura-se entender os mecanismos decorrentes do processo de aquisição de habilidades motoras e os fatores que os influenciam para alcançar determinada meta (BENDA, 2006).

5 3 Ao longo da evolução das pesquisas em comportamento motor algumas descobertas foram de grande importância para o processo de aprendizagem motora, como na década de 70 com o aparecimento da abordagem de processamento de informações que enfatizou entender os fatores cognitivos entre estímulo - resposta. Por isto a abordagem de processamento de informação entende o ser humano como um processador de informação, de modo que se realiza o ínicio da operação quando ocorre um estímulo, que por sua vez é processado em vários estágios tendo como resultado a resposta (WRISBERG, SCHMIDT, 2001). Segundo Wrisberg e Schmidt (2001) ao ocorrer o processo de estímulo vindo de uma informação externa ou ambiental dá-se ínicio então a três fases. Na primeira, a identificação do estímulo, o receptor do estímulo analisa o conteúdo da informação utilizando uma variedade de fontes para interpretá-lo, como a visão, audição, contato ou toque. O resultado deste estágio é considerado como uma representação da informação ambiental. O segundo estágio, a seleção da resposta, começa após o executante ter absorvido informação suficiente e tem de decidir se alguma resposta deve ser dada. Se ocorrer a decisão pela resposta, seleciona-se o movimento adequado, havendo assim neste estágio uma tradução de várias classes que ocorre entre o estímulo sensorial que foi identificado, é uma das várias formas possíveis de resposta de movimento (WRISBERG, SCHMIDT, 2001). Segundo Wrisberg e Schmidt (2001) o terceiro estágio entende-se como, após a decisão de qual movimento será feito, esta informação é encaminhada para o processo de programação da resposta, que por sua vez tem como função organizar o sistema motor para produção do movimento desejado para um melhor desempenho no seu desenvolvimento motor. Porém na década de 80 surgiu a abordagem dos sistemas dinâmicos que é diferente da abordagem anterior e visa à ênfase ecológica para compreender o sistema motor, buscando compreender os princípios físicos e como eles se interagem com as funções biológicas. Devido a relação no processo de aprendizagem motora ser complexa entende se que a aquisição de habilidades motoras é por natureza um processo relativamente permanente no comportamento motor humano (TANI, 2005). O processo de aprendizagem motora caracteriza-se por mudança de comportamento pelo qual o aprendiz passa de uma fase inicial (inexperiente) para uma fase final (habilidosa). Este processo se dá devido a evolução na performance, ou seja, um desenvolvimento de forma positiva no seu rendimento, que se caracteriza em um processo homeostático (equilíbrio) após várias tentativas, ocorrendo a diminuição no número de erros identificados por meio de feedback (BENDA, 2006). De acordo com o que foi abordado até o momento sobre o processo de aprendizagem motora, os profissionais que pretendem atuar no cenário do futebol deve compreender que cada faixa etária possui suas características de desenvolvimento e atividades, sendo prejudicial a criança ultrapassar este processo (TANI apud. FREUDENHEIM, MEIRA JÚNIOR, CORRÊA, 2004). Portanto, as crianças não podem ser especializadas em determinado movimento, nas escolinhas de futebol só após as crianças terem estabelecido uma base motora sólida é que se deve iniciar o trabalho específico, que no caso, são os fundamentos do futebol (WEINECK, 1999). No início o que deve ocorrer durante a aprendizagem motora da criança, é uma preocupação em não atropelar nenhuma etapa durante o processo, proporcionando a criança vivenciar um emaranhado de movimentos que posteriormente servirão como base na aprendizagem da técnica específica do futebol (WEINECK,1999). Segundo Benda (2006) a criança até atingir a puberdade não tem a capacidade física adequada a suportar um treinamento de alto nível direcionado à perfeição da prática, devido a este ser o período necessário para que a criança crie seu próprio mundo de movimentos com objetivo de aplicá-los de modo correto. Por este motivo durante a aprendizagem do movimento técnico deve se evitar a especialização de forma precoce respeitando a faixa etária de cada criança. Devido ao processo de aprendizagem motora relacionar-se com os estímulos oferecidos, que proporcionam aos indivíduos passarem de inexperientes para experientes, a seguir veremos a importância deste estímulo no processo de desenvolvimento motor, para que possamos entender os fatores que influenciam este processo contínuo da vida humana. 3.3 Desenvolvimento motor aplicado ao futebol O futebol possui regras universais, porém todos os países entendem o futebol de acordo com suas culturas. No Brasil este modo diferente que os jogadores contextualizam o futebol é que o transforma no que chamamos de futebol-arte, devido à capacidade de criação e improvisação que

6 4 nossos atletas possuem. O futebol profissional é marcado pela busca ao alto rendimento, visando a capacidade dos jogadores de suportar esforços. Para que este processo não seja desencadeador de vários problemas posteriores aos atletas, necessita-se compreender o processo de desenvolvimento motor que ocorre ao longo desta profissão que move multidões de apaixonados (RODRIGUES, 2004). O ato de movimentar-se faz parte de nossas vidas, da inabilidade para a habilidade e, novamente, para a inabilidade na idade avançada (SANTOS, DANTAS, OLIVEIRA apud. KRETCHMAR, 2004). Ainda que o significado de ficar em pé pela primeira vez e a dificuldade em levantar-se no final da vida sejam diferentes. O desenvolvimento motor enfoca o estudo das mudanças qualitativas e quantitativas de ações motoras do ser humano ao longo de sua vida. Estas mudanças ocorrem desde o momento de sua fecundação até o momento da morte (SANTOS, DANTAS, OLIVEIRA, 2004). Devido desenvolvimento motor sofrer a contínua alteração no comportamento ao longo da vida, e por tornar possível a interação entre as necessidades da tarefa, a biologia do indivíduo e as condições do ambiente. Esta área do comportamento motor visa analisar como ocorre o processo de desenvolvimento de habilidades motoras desde componentes genéticos e os resultados da interação dos fatores endógenos e exógenos no processo de capacidades motoras, não apenas com a preocupação de observar e descrever mudanças no comportamento motor ao longo da vida do ser humano, mas também buscando esclarecer como ocorrem estas mudanças (GALLAHUE, OZMUN, 2005). Partindo do princípio que habilidades denominadas básicas são vistas como o alicerce para a aquisição de habilidades motoras especializadas, o ser humano modifica suas ações em razão do ambiente, e a modificação deste ambiente, conseqüentemente, muda as ações do indivíduo, estimulando-o a novas, e assim sucessivamente. Sendo assim, o educador físico, como atua sobre corpo em movimento, deve dar total atenção ao estudo e a perspectiva das experiências motoras de cada indivíduo fundamentando estes estudos com relação a dados motores, mas sem esquecer as emoções embutidas nos movimentos. O profissional de Educação Física deve assim associar a sua profissão, a ligação de que o ambiente e as emoções são partes essenciais do desenvolvimento motor (SANTOS, DANTAS, OLIVEIRA, 2004). Segundo Santos, Dantas e Oliveira (2004) o processo de desenvolvimento motor por si só, como um ato contínuo ao longo da vida humana, sofre estímulos que o modifica, tendo como base este pressuposto, a seguir visaremos entender o processo maturação que ocorre em cada faixa etária no processo de desenvolvimento de habilidades motoras em crianças. 3.4 Desenvolvimento de habilidades motoras em crianças O futebol vem cada vez mais despertando nas crianças a vontade de se tornarem profissionais. Isto se deve, ao processo de transformação que o esporte mais popular do país sofre, ao ser colocado nos meios de comunicação como vitrine para o sucesso. Em muitos casos os clubes e treinadores visando este sucesso financeiro ultrapassam os processos de desenvolvimento motor da criança, a fim de se obter uma resposta imediata no que se refere ao lucro que gira no esporte, no qual a transição de criança a ídolo nacional ocorre algumas vezes em um período muito curto (ALCÂNTARA, 2006). Na infância o desenvolvimento motor se caracteriza pelas inúmeras aquisições de habilidades motoras, que proporcionam a criança o domínio sobre o corpo. Estas habilidades motoras básicas servem como base para as habilidades motoras específicas então se entende a importância do desenvolvimento de habilidades motoras iniciais adquiridas na 1º e 2º infância. Contudo, fatores como as restrições da tarefa ao organismo e meio são fatores que exercem influência sobre a aquisição de habilidades por parte da criança (SANTOS, DANTAS, OLIVEIRA, 2004). O processo de desenvolvimento motor da criança conta com três aspectos, à seqüência que não indica apenas aquilo que a criança pode aprender mais as suas necessidades; a velocidade, que varia de criança para criança; e a interdependência entre as mudanças de habilidades simples para as complexas. Portanto, ao realizar o estímulo á aquisição de habilidades motoras deve-se levar em consideração o processo adaptativo da criança para que a elaboração de combinações motoras nas atividades sejam elaboradas da melhor forma (SANTOS, DANTAS, OLIVEIRA, 2004). No futebol devido à variação na formação das categorias, às diferenças de faixas etárias, idade mental, idade óssea, idade morfológica, sexual, torna-se fácil identificar que existem exercícios e atividades diferentes para cada grupo a serem trabalhados. Portanto, para as crianças parti-se do

7 5 referencial que estas não são adultos em miniatura, e seu acréscimo motor e psicológico acompanha o processo de desenvolvimento (GALLAHUE, OZMUN, 2005). Desde o nascimento, o bebê trava uma constante luta para sobreviver, onde nos primeiros estágios sua única forma de interação com o ambiente se dá através do movimento que basicamente se divide em estabilidade, locomoção e manipulação (GALLAHUE, OZMUN, 2005). Considerando que o processo de aquisição de habilidade na primeira infância é invariável, partindo do princípio que o ritmo de criança para criança é diferente. Devemos considerar que o fator de maturação neural não é o único influenciador no processo de desenvolvimento motor que consiste também, em um sistema auto organizado que envolve a tarefa, o ambiente e o indivíduo (GALLAHUE, OZMUN, 2005). Após o momento em que a criança observa a execução do movimento do colega, a criança parte para tentar a imitação, sendo que se ela executar o movimento com êxito serve como um estímulo ou porta para que a mesma tente cada vez mais desenvolver o ato motor. Portanto, deve-se considerar que a aprendizagem se baseia na transgressão do básico para o sofisticado por tratar-se de movimento humano, com isso a metodologia aplicada deve ser bem avaliada (WRISBERG, SCHMIDT, 2001). As crianças são quanto ao seu desenvolvimento imaturas e, por isso, faz-se necessário estruturar experiências motoras significativas e apropriadas para seus níveis desenvolvimentistas particulares. Com isso, ao entender que as crianças não são adultas em miniaturas, e seu processo de desenvolvimento de habilidades motoras é diferente em cada faixa etária, estabelece-se a importância de adequar a metodologia a cada faixa etária, compreendendo as necessidades de cada criança. Metodologia esta que deve ser adaptada ao decorrer do processo de ensino-aprendizagem do futebol como será aprofundado no tópico a seguir (GALLAHUE, OZMUN, 2005). 3.5 Metodologia de ensino do futebol Historicamente, de uma forma geral, o futebol cresceu muito, rompendo barreiras e se transformando em um fenômeno social grandioso que inclusive é objeto de estudo de outras áreas de conhecimento como, Sociologia, Antropologia, entre outras (NETO, 1995). De acordo com Santos (2006), na prática do futebol, a técnica consiste na execução de habilidades fundamentais do jogo, que podem ser aprimoradas quanto mais cedo pelas crianças para estas desenvolverem suas técnicas. Existem outros tipos de treinamentos para a iniciação, o aprimoramento e desenvolvimento da técnica: recepção, domínio e condução de bola; drible e finta; passe; chute; cabeceio; e goleiro. Os principais fundamentos são: Domínio, passe, drible, chute e cabeceio. O coletivo é considerado um excelente exercício de competição, pois oferece uma intensidade e um aprimoramento da técnica muito parecido de um jogo real de futebol. Para ser melhor aproveitado, o coletivo deve ser utilizado nos primeiros estágios de iniciação do futebol, pois a fixação dos elementos técnicos é essencial no processo de aprendizagem (SANTOS at. FRISSELLI, MONTOVANI, 2006). De acordo com Freire (2003) o futebol é uma enorme brincadeira. Porque não aprender essa brincadeira com técnicas lúdicas e prazerosas? Ao contrário das formas tradicionais e mecanicistas. O jogo é a forma lúdica para a realização de atos sem compromissos objetivos (SANTOS apud. SCAGLIA, 2006). O jogo em si demonstra ser um fator fundamental no processo de ensino-aprendizagem devido a sua função motivacional e é o melhor indicador da evolução dos atletas (SANTOS at. GARGANTA, 2006). O futebol no Brasil se desenvolveu em torno de quatro brincadeiras: bobinho, controle, repetida e pelada. Sendo que em cada região tem algumas diferenciações no nome. Cada uma destas brincadeiras exercita uma habilidade motora, adaptada da forma que acredita ser melhor. Talvez por isso seja fácil praticar o futebol, por sua diversidade. A pelada, por exemplo, reúne todas as outras brincadeiras para formar o futebol, ela desenvolve bastante a inteligência para um jogo de futebol, existem lugares que ela é chamada de baba, racha, entre outros nomes (FREIRE, 2003). De acordo com Freire (2003), o bobinho (os atletas em círculo, onde um deles se encontra no meio do círculo e quando o mesmo toca a bola mudando seu trajeto ocorre á troca com o atleta que errou o passe) não apenas acontece no Brasil como também já ultrapassou a fronteira. É um excelente método de treino para um dos mais importantes fundamentos, o passe. O futebol brasileiro não gosta muito deste fundamento, mas obrigatoriamente o faz e faz bem.

8 6 Freire (2003) relata que brincava muito de repetida, em outras cidades chamadas de rebatida, que desenvolve o chutar, driblar e a defender. Jogava-se com uma meta improvisada, dois jogadores contra dois. Uma dupla realizava os chutes a gol a outra defendia. Se a bola fosse rebatida pelo goleiro os quatro disputavam a bola (os dois para fazer o gol, os outros dois para evitá-lo) valia mais do que se a bola entrasse direto no gol (FREIRE, 2003). Já o controle é uma brincadeira que exige muita habilidade, pois a brincadeira consiste em não deixar a bola cair no chão antes dos três passes, no mínimo e fazer o gol. Caso os dois jogadores errem ao total de três vezes quem errou por último vai para o gol, essa brincadeira também é chamada de três dentro três fora de acordo com a região. Existem outros tipos de brincadeiras, porém estas eram ou são mais utilizadas, além de malabarismos com a bola, entre outros (FREIRE, 2003). De acordo com Santos (2006), esse método de aplicar os jogos e brincadeiras é a forma mais prazerosa de aprender as técnicas do futebol. Além do que o aluno aprenderá a cooperar, a ter respeito com o próximo, ser solidário e ético, ou seja, o aluno possa ser um agente no processo ensino-aprendizagem. Devido às escolinhas de esportes terem como função proporcionar aos seus participantes um outro aspecto além dos fundamentos específicos de cada modalidade, ela como qualquer outra entidade onde se envolve um processo de ensino-aprendizagem dá ênfase ao papel social que vai além dos gramados, que abrange o desenvolvimento da criança como um todo (SCAGLIA, 1996). Segundo Scaglia (1996) não cometendo grandes erros de especialização precocemente aos alunos, seu processo de desenvolvimento terá sido menos afetado e como conseqüência terá menos seqüelas. O profissional da área da Educação Física utilizando-se de uma prática pedagógica em meio à ludicidade irá proporcionar aos alunos uma melhor capacidade de contextualizar o aprendizado obtido no campo de futebol, beneficiando em sua qualidade de vida. Evita-se também, que as escolinhas de futebol sejam apenas um seleiro de craques e em somente o lucro, fazendo com que o dinheiro se torne secundário em relação ao bem estar que o esporte pode proporcionar aos alunos. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Devido à presente revisão bibliográfica ter abordado o futebol e o seu contexto, no qual se envolve os processos de desenvolvimento motor e sua relação no processo de aprendizagem relativo a cada faixa etária específica, conclui-se que devido ao aspecto cultural do futebol no Brasil, sendo intitulado o país do futebol, aspectos relacionados ao processo de desenvolvimento de habilidades motora e cognitiva que o esporte em si proporciona aos seus praticantes, devem ter como principal base à faixa etária na qual se encontra os atletas, para que o processo metodológico se encaixe nas necessidades de cada período. No Brasil, as crianças que jogam ou praticam o futebol são vistas como jogadores, independente de sua faixa etária. Isto se deve à história que o esporte carrega consigo. Portanto, cabe a cada profissional da área de Educação Física que tem como objetivo trabalhar com este esporte, delimitar os aspectos do desenvolvimento motor, físico e cognitivo de acordo com cada idade da criança, para que estes processos sejam respeitados e não ultrapassem em nenhum momento as limitações de cada faixa etária, para que não acarrete danos no processo de desenvolvimento das crianças como um todo. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALCÂNTARA, H. A magia do futebol. Estudos Avançados, vol.20, n. 57, BENDA, R. N. Sobre a natureza da aprendizagem motora: mudança e estabilidade... e mudança. Rev. bras. Educ. Fís. Esp., São Paulo, v.20, set FILGUEIRA, F. M. Aspectos físicos, técnicos e táticos da iniciação ao futebol. Revista Digital, FREIRE, J. B. Pedagogia do Futebol. Campinas: Autores Associados. Coleção Educação Física e Esportes, São Paulo, p.

9 7 GALLAHUE, D. L.; OZMUN, J. C. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. 3ª ed. São Paulo. Editora: Nadine J. Kann. Phorte, p. NETO, V. M. Uma experiência de ensino do futebol no currículo de licenciatura em Educação Física. Revista Movimento, Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, vol.2, n.2, OLIVEIRA, O. R. F.; OLIVEIRA, K. C. C. F. Desenvolvimento motor da criança e estimulação precoce motor. Fisioweb, Disponível em: < >. RENÓ, I. M. Futebol, clãs e nação. Scielo: Rio de Janeiro, v.43, n.1, RODRIGUES, F. X. F. Modernity, discipline and soccer: a sociological analysis of the social production of soccer players in Brazil. Sociologias, vol. n. 11, SANFELICE, G.R. Futebol, espetáculo e mídia: reflexões, relações e implicações. Características e valores veiculados em programas esportivos de televisão. Revista Comunicação, Movimento e Mídia na Educação Física. v.6, n.7. Santa Maria: UFSM, SANTOS, V. P. A metodologia do ensino do futebol no Programa Segundo Tempo. Universidade de Brasília: Especialista em Esporte Escolar, abr SANTOS, S.; DANTAS, L.; OLIVEIRA, J. A. Desenvolvimento motor de crianças, de idosos e de pessoas com transtornos na coordenação. Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, v.18, ago SCAGLIA, A. J. Escolinha de futebol: uma questão pedagógica. Revista Motriz, Vol 2. Nº 1, SOARES, C. L. HELAL. SANTORO. Educação física: raízes européias e Brasil. Educação contemporânea educação especial. 3ª ed. Campinas: Autores Associados, TANI, G. Comportamento Motor: Aprendizagem e Desenvolvimento. 1ª ed. Rio de Janeiro. Editora: Guanabara Koogan, p. TANI, G.; FREUDENHEIM, A. M.; MEIRA JÚNIOR, C. M..; CÔRREA, U. C. Aprendizagem motora: tendências, perspectivas e aplicações. Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, v.18, ago WEINECK, J. Treinamento Ideal. 9ª ed., Barueri: Manole, WRISBERG, A.C.; SCHMIDT, R.A. Aprendizagem e performance motora. 2ª edição, Rio Grande do Sul: Porto Alegre, 2001.

DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES MOTORAS EM CRIANÇAS JOGADORES DE FUTEBOL. Desenvolvimento de crianças no futebol

DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES MOTORAS EM CRIANÇAS JOGADORES DE FUTEBOL. Desenvolvimento de crianças no futebol DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES MOTORAS EM CRIANÇAS JOGADORES DE FUTEBOL Desenvolvimento de crianças no futebol Autor: Luiz Felipe de Moraes Silva RA 001200600247 Marruan Luis Mariano RA 001200600178 Orientador

Leia mais

MÉTODOS DE ENSINO PARA O FUTSAL ESCOLAR

MÉTODOS DE ENSINO PARA O FUTSAL ESCOLAR MÉTODOS DE ENSINO PARA O FUTSAL ESCOLAR Rafael Rodrigo Klein, Universidade Federal de Santa Maria UFSM, Santa Maria, Rio Grande do Sul - Brasil RESUMO Este trabalho é um relato de experiência acerca de

Leia mais

PROFESSOR CÉLIO SOUZA/ prof_celiosouza@oi.com.br

PROFESSOR CÉLIO SOUZA/ prof_celiosouza@oi.com.br 1 DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA COMPORTAMENTO MOTOR O comportamento motor estuda de que maneiras seu cérebro e sistema nervoso se desenvolveram e se ajustaram a fim de melhorar seu controle e sua

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: PLANO DE CURSO Curso: Educação Física Disciplina: Teoria e Metodologia das Modalidades Coletivas - II Professor: Renan José Guedes Alcoforado Pereira Código: Carga Horária: 100

Leia mais

MINAS OLÍMPICA GERAÇÃO ESPORTE

MINAS OLÍMPICA GERAÇÃO ESPORTE MINAS OLÍMPICA GERAÇÃO ESPORTE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DE EDUCADORES AS DIMENSÕES DO CONTEÚDO DE JOGOS E BRINCADEIRAS Oficina Teórica e Prática PROF. POLLYANNA PESSOA DIAS QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DE EDUCADORES

Leia mais

Desenvolvimento Motor de Crianças Prof. Maicon Albuquerque

Desenvolvimento Motor de Crianças Prof. Maicon Albuquerque Desenvolvimento Motor de Crianças Prof. Maicon Albuquerque O Desenvolvimento Motor (DM) pode ser entendido como um processo seqüencial, contínuo e relacionado à idade cronológica, pelo qual o ser humano

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL * Rita de Cássia Lindner Kaefer **Ana Eleonora Sebrão Assis RESUMO O objetivo do presente artigo é apresentar uma reflexão a respeito da importância

Leia mais

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL PLANO DE TRABALHO FUTEBOL Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER

Leia mais

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS Resumo Scheila Medina 1 - PUCPR Luís Rogério de Albuquerque 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CAROLINE SILVA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura Plena do Curso de Educação Física das Faculdades Integradas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA SERIADO ANUAL - MATUTINO/NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol Autor: Daniel Brugni Guimarães Orientador: Prof. Me. Fabio Aires da Cunha Ar Rass Saudi Arabia 2012

Leia mais

O esporte no PST: estímulo e prática prazerosa para um futuro

O esporte no PST: estímulo e prática prazerosa para um futuro O esporte no PST: estímulo e prática prazerosa para um futuro esportivo emancipado O Esporte como meio pedagógico... Por que? O Que? COMO? Ensinar Onde? Quando? Quem? Perguntas que definem o método: Incidental

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS Prof. Ms. Daniel Querido danielquerido@gmail.com Ocupam lugar importante na cultura esportiva contemporânea Riqueza de situações: - constituem um meio formativo; - prática orientada

Leia mais

O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR

O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR Resumo Emerson Liomar Micaliski 1 - UNINTER Maria Cristina Kogut 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Práticas e Estágios nas Licenciaturas Agência Financiadora:

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): RODRIGO

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Londrina.

Leia mais

ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO

ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 259 ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO Rogers Figueiredo Claro 1, Aguinaldo

Leia mais

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em A SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RELACIONADA AOS TEMAS JOGOS E BRINCADEIRAS E CAPOEIRA, NA PERSPECTIVA DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR André Barros Laércio Iório Luciana Venâncio

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Apresentação e contextualização da Educação Física e da cultura universitária em geral; Discussão

Leia mais

VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 486 VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA * Camila Tworkowski ** Luciano Leal Loureiro RESUMO O presente artigo procura relatar através de uma revisão de literatura a importância

Leia mais

Especialização precoce o vilão do futebol?

Especialização precoce o vilão do futebol? Especialização precoce o vilão do futebol? A aplicação do treinamento intensivo para jovens atletas pode acarretar em malefícios para a criança como, por exemplo, uma formação escolar deficiente João Baldoino

Leia mais

LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. MSc. Paulo José dos Santos de Morais

LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. MSc. Paulo José dos Santos de Morais LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA MSc. Paulo José dos Santos de Morais LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. Lazer Grande variedade de ações e atuações humanas nos mais diversificados

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2012.2 BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA... 4 02 BIOLOGIA HUMANA... 4 03 NATAÇÃO... 4 04 ESPORTE

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Dr. Guanis de Barros Vilela Junior A relevância da teoria e da pesquisa em aprendizagem motora para o treinamento e desenvolvimento esportivo Porque um estudante que obterá um diploma superior de Educação

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

Ciclo de Vida das atividades esportivas nos clubes da implantação ao encerramento Case Esperia: Reestruturação de atividade esportiva

Ciclo de Vida das atividades esportivas nos clubes da implantação ao encerramento Case Esperia: Reestruturação de atividade esportiva Ciclo de Vida das atividades esportivas nos clubes da implantação ao encerramento Case Esperia: Reestruturação de atividade esportiva O PIDE - Programa de Iniciação Desportiva do Clube Esperia foi criado

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

1. Pedagogia do esporte: características e princípios básicos

1. Pedagogia do esporte: características e princípios básicos Introdução Atualmente, o esporte possui enorme popularidade no cenário mundial, o que leva milhões de crianças e adolescentes a praticá-lo em alguma escola de iniciação esportiva. Dentre as inúmeras modalidades

Leia mais

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 975 O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Drielly Adrean Batista

Leia mais

Consiste em uma série de movimentos realizados com exatidão e precisão.

Consiste em uma série de movimentos realizados com exatidão e precisão. HABILIDADES MOTORAS HABILIDADE MOTORA Consiste em uma série de movimentos realizados com exatidão e precisão. Gallahue, 2008 Atos motores que surgem dos movimentos da vida diária do ser humano e dos animais,

Leia mais

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL Tenho lido e ouvido muitos comentários nos últimos dias sobre o trabalho de formação no Brasil. Algumas pessoas, alguns profissionais

Leia mais

PIBID E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: QUAL METODOLOGIA DEVE SER UTILIZADA NAS AULAS?

PIBID E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: QUAL METODOLOGIA DEVE SER UTILIZADA NAS AULAS? 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PIBID E O

Leia mais

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas.

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas. 1 Análise de comparação dos resultados dos alunos/atletas do Atletismo, categoria infanto, nos Jogos Escolares Brasiliense & Olimpíadas Escolares Brasileira. Autora: Betânia Pereira Feitosa Orientador:

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente RESOLUÇÃO CONSEAcc-BP 9/2005 ALTERA AS EMENTAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus, do câmpus de Bragança

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 3248 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Unidade I PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO EDAAPRENDIZAGEM APRENDIZAGEM Prof. Wanderlei Sergio da Silva Conceito PDA estudo sobre o crescimento mental do indivíduo, desde o nascimento até a adolescência;

Leia mais

RECREAÇÃO E BRINCADEIRAS NA INFÂNCIA: EXCELENTE MEIO PARA APRIMORAR A COORDENAÇÃO MOTORA.

RECREAÇÃO E BRINCADEIRAS NA INFÂNCIA: EXCELENTE MEIO PARA APRIMORAR A COORDENAÇÃO MOTORA. RECREAÇÃO E BRINCADEIRAS NA INFÂNCIA: EXCELENTE MEIO PARA APRIMORAR A COORDENAÇÃO MOTORA. RICARLA AVANZINI RAMPAZZI; MARIO ROBERTO GUARIZI; RONALDO RIBEIRO DE SOUSA Faculdade de Ciência e Tecnologia UNESP

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (15 questões) 1. Complete com o que consta no artigo 60, do ECA- Estatuto da Criança e do Adolescente/1990. É proibido qualquer trabalho para menores de ( ) anos

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 6º ANO PROFESSORA:

Leia mais

O esporte e a competição nas aulas de Educação Física (in)exclusão: Proposição de atividades adaptadas para uma pedagogica emancipatoria.

O esporte e a competição nas aulas de Educação Física (in)exclusão: Proposição de atividades adaptadas para uma pedagogica emancipatoria. O esporte e a competição nas aulas de Educação Física (in)exclusão: Proposição de atividades adaptadas para uma pedagogica emancipatoria. A Educação Física escolar historicamente tem priorizado a concepção

Leia mais

O JOGO E A ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

O JOGO E A ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE O JOGO E A ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE RESUMO Marcelo Moura 1 Luciano L. Loureiro 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância do jogo como indispensável, contendo uma relação facilitadora entre os

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12.

Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12. CARTA DE BOAS VINDAS Prezado Franqueado e Parceiro, Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12. Acreditamos que esta

Leia mais

ESTILOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM MOTORA: IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA

ESTILOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM MOTORA: IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA ESTILOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM MOTORA: IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA Míriam Stock Palma Nádia Valentini Ricardo Petersen Herbert Ugrinowitsch PST e aquisição de habilidades motoras; Aprendizagem significativa;

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE NO FUTEBOL BRASILEIRO

ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE NO FUTEBOL BRASILEIRO 2 ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE NO FUTEBOL BRASILEIRO Ricardo Souza de Brito Resumo: O presente trabalho pretende contribuir com profissionais que atuam na área da iniciação do futebol. Uma questão bastante discutida

Leia mais

AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Bianca das Neves Silva Professora da rede municipal de Jundiaí Profa. Dra. Luciene Farias de Melo Coord. do Curso de Educação Física da Faculdade

Leia mais

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire Câmpus Alfenas 28 de novembro de 2011 SUMÁRIO Alessandra Santana... 2 Angélica Cristina da Silva Freire... 2 Bárbara Luiza Novais... 3 Bruna Aparecida Reis... 3 Carolina Esteves Martins... 4 Celsianne

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 2 O Movimento e o Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Analisar o desenvolvimento e o amadurecimento dos aspectos motores. 2 Relacionar os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs)

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA SAULO MARCOS PEREIRA DE SOUZA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA SAULO MARCOS PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA SAULO MARCOS PEREIRA DE SOUZA O FUTEBOL COMO AGENTE INCLUSIVO: UM TRABALHO COM CRIANÇAS DO PETI

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA PARA JOVENS E ADULTOS - TOLEDO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Guarani, 1640 Centro Fone/Fax: 45 3252-7479 Toledo Paraná tooceebjatoledo@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 PEDAGOGIA EMPRESARIAL E APRENDER BRINCANDO E A IMPORTÂNCIA DO JOGO: DIFERENTES TEMAS NA ÁREA EDUCACIONAL Ana Flávia Crespim da Silva Araújo ana.crespim@hotmail.com Elaine Vilas Boas da Silva elainevb2010@hotmail.com

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo MATUCHESKI, Franciele Luci PUCPR francielematucheski@yahoo.com.br Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas

Leia mais

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 A IMPORTÂNCIA DO BRINQUEDO NO PROCESSO EDUCATIVO DA CRIANÇA Eder Mariano Paiva Filho

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2015 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2015 1.ª SÉRIE Curso: Graduação: Regime: EDUCAÇÃO FÍSICA MATRIZ CURRICULAR LICENCIATURA SERIADO ANUAL - NOTURNO Duração: 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

A prática de esportes nas aulas de Educação Física Escolar: perspectivas a partir da descrição de estudos nacionais

A prática de esportes nas aulas de Educação Física Escolar: perspectivas a partir da descrição de estudos nacionais A prática de esportes nas aulas de Educação Física Escolar: perspectivas a partir da descrição de estudos nacionais Eric Yukio Fukuda Faculdade de Ciências e Tecnologia UNESP, Presidente Prudente-SP e-mail:

Leia mais

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Liga Desportiva de Taekwon-do do Estado de Minas Gerais - LDTEMG Mestre Ronaldo Avelino Xavier Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Belo Horizonte, 06 de Fevereiro de 2013. Mestre

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

ESCOLINHAS DE FUTSAL: INICIAÇÃO ESPORTIVA, TREINAMENTO PRECOCE E METODOLOGIAS DE ENSINO

ESCOLINHAS DE FUTSAL: INICIAÇÃO ESPORTIVA, TREINAMENTO PRECOCE E METODOLOGIAS DE ENSINO ESCOLINHAS DE FUTSAL: INICIAÇÃO ESPORTIVA, TREINAMENTO PRECOCE E METODOLOGIAS DE ENSINO Bruno Amaral Ramos Universidade Federal de Goiás UFG brunoformigacefet1@hotmail.com RESUMO O presente trabalho busca

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

Cognição: Piaget e Vygotsky

Cognição: Piaget e Vygotsky Cognição: Piaget e Vygotsky - 1 - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DISCIPLINA - ERGONOMIA COGNITIVA Cognição: Piaget e Vygotsky Professor: Francisco Antônio

Leia mais

Estrutura empresarial e Controle de Qualidade da Presidência ao Nível Técnico;

Estrutura empresarial e Controle de Qualidade da Presidência ao Nível Técnico; Estrutura empresarial e Controle de Qualidade da Presidência ao Nível Técnico; Geraldo José Piancó Junior _ Rio de Janeiro - Brasil 1. O Contexto O Futebol alcançou no mundo moderno o "status" de maior

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 1 O Movimento e o Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Resgatar alguns conceitos sobre o movimento e o desenvolvimento motor e suas fases. 2 Definir habilidade motora e identificar

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: Estágio supervisionado II, educação física, jogo.

PALAVRAS-CHAVES: Estágio supervisionado II, educação física, jogo. O JOGO COMO CONTEÚDO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL I: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO II QUEIROZ, Bruna Leite de Discente do 7º período do curso de Licenciatura

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO 1 REDES SOCIAIS CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral Eduardo Alves Silva Dalton Lopes Martins

Leia mais

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais.

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais. Nesse artigo realizamos uma discussão sobre a importância de atividades lúdicas na educação de crianças com necessidades especiais. Propomos explicitar a possibilidade de levar para o ambiente escolar

Leia mais

A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES.

A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES. A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES. FERNANDES, Jaqueline S. da S. & FONSECA, Viviane S. O. 1, Márcia Regina Walter 2. 1- Acadêmico do

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE.

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. Resumo XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. OLIVEIRA, Vanessa Duarte de PUCPR vane_do@hotmail.com CARVALHO, João Eloir PUCPR j.eloir@uol.com.br Eixo Temático: Educação, arte e movimento Agência

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação ESTRUTURA DE PRÁTICA NA APRENDIZAGEM MOTORA E PEDAGOGIA DO ENSINO DE MODALIDADES DESPORTIVAS COLETIVAS

8º Congresso de Pós-Graduação ESTRUTURA DE PRÁTICA NA APRENDIZAGEM MOTORA E PEDAGOGIA DO ENSINO DE MODALIDADES DESPORTIVAS COLETIVAS 8º Congresso de Pós-Graduação ESTRUTURA DE PRÁTICA NA APRENDIZAGEM MOTORA E PEDAGOGIA DO ENSINO DE MODALIDADES DESPORTIVAS COLETIVAS Autor(es) PROF. MS. TIAGO VOLPI BRAZ Co-Autor(es) PROF. MS. VITOR ANTONIO

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES Mércia Rodrigues Gonçalves Pinheiro, UESB RESUMO O presente trabalho foi articulado através de pesquisa de campo, utilizando observação direta e entrevista

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN

PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN GENERAL CARNEIRO 2010 OBJETIVOS GERAIS DA DISCÍPLINA Proporcionar ao aluno a cultura corporal

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais