Distribuição geográfica de localidades do Brasil com favorabilidade climática à ocorrência de Diabrotica speciosa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Distribuição geográfica de localidades do Brasil com favorabilidade climática à ocorrência de Diabrotica speciosa"

Transcrição

1 Distribuição geográfica de localidades do Brasil com favorabilidade climática à ocorrência de Diabrotica speciosa (Coleoptera: Chrysomelidae) com base na estimação do valor esperado de gerações da praga Silva, Shirley Franx 1 ; Laranja, Ruth Elias de Paula 2 ; Palhares de Melo, Luis Alberto Martins 3 ; Oliveira, Maria Regina Vilarinho de Geografia, mestranda, Universidade de Brasília UnB / estagiária, Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia; 2 - Geografia, Dra., Universidade de Brasília; 3 - Ciência da Computação, M.Sc., Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia; 4 - Bióloga, Ph.D., Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Resumo: Diabrotica speciosa (Germar, 1824) é um inseto vulgarmente conhecido como vaquinha, já estabelecido em diversos estados brasileiros e em alguns países da América do Sul. Apresenta expressão econômica por ser uma praga polífaga causando danos, entre outros, às culturas de milho, soja, feijão, amendoim e batata. O conhecimento da dinâmica populacional da praga nas localidades produtoras dessas culturas pode fornecer informações que sirvam de suporte a ações para seu manejo, visando a redução de perdas das safras. Os insetos são animais poiquilotérimicos, isto é, dependem da temperatura ambiente para se desenvolverem desde a fase de ovo passando pelas fases de larva e pupa até atingirem a fase adulta. Índices bioclimáticos que se baseiam no tempo e na temperatura, como os graus-dia (ou soma térmica) permitem estimar o tempo de crescimento dos insetos, da fase de ovo até a fase adulta, desde que se conheçam a temperatura base inferior de crescimento (T b ), exigência térmica (K) do inseto em questão e temperaturas máxima e mínima da localidade de avaliação de desenvolvimento do mesmo. Dentre as culturas hospedeiras de D. speciosa destaca-se o milho, um grão cultivado em praticamente todo o território nacional e de grande importância econômica para o agronegócio brasileiro. Estima-se em um bilhão de dólares as perdas causadas pelos danos decorrentes do ataque de espécies de Diabrotica no milho nos Estados Unidos. Este trabalho teve por objetivo identificar as localidades no Brasil que se destacam na produção de milho e que apresentam favorabilidade climática à ocorrência de D. speciosa. Foram utilizados dados da produção agrícola municipal de milho no Brasil, em 2006, obtidos junto ao IBGE e dados de temperatura máxima e mínima diária de diversas estações meteorológicas do país obtidos junto ao INPE para o cálculo da soma térmica de desenvolvimento de D. speciosa. Os dados citados foram processados em ambiente de SIG para o mapeamento das áreas mais significativas quanto a quantidade produzida de milho em 2006 no Brasil e que apresentam alta favorabilidade climática para a ocorrência da praga. Palavras-chave: Diabrotica speciosa, graus-dia, milho, SIG. Introdução A produção de milho (Zea mays L.) no Brasil apresenta grande destaque no cenário internacional e, juntamente com a soja, corresponde a 80% da produção nacional de grãos. O país detém atualmente a terceira posição dentre os maiores produtores mundiais de milho. Na safra 2006/07 foram produzidas 51,3 milhões de toneladas (BRASIL, 2008). As estimativas apontam que a área plantada de milho nesse período correspondeu a mais de 14 milhões de hectares. O milho é cultivado em praticamente todo o país e os

2 principais pólos estão localizados nas regiões Sul (com destaque para o estado do Paraná que concentrou cerca de 27% do total produzido no país) e Centro-Oeste (Ibid.). A produção e a produtividade do milho brasileiro encontraram uma grande demanda no mercado internacional e assim as exportações brasileiras de milho em 2007 foram responsáveis pela geração em receitas internacionais de U$ 1,8 bilhão, num total de aproximadamente 11 milhões de toneladas exportadas, elevando o país à posição de terceiro maior exportador mundial de milho (Ibid.). Vários são os fatores que podem favorecer ou prejudicar a produção de milho. Entre os fatores prejudiciais, os insetos-praga são considerados os principais. O milho é atacado por vários insetos-praga, e, dentre eles, destaca-se Diabrotica speciosa (Germar, 1824) (Coleoptera: Chrysomelidae), uma praga que ataca as plantas jovens, sementes e raízes do milho, de modo que reduz o número de plantas na área cultivada e o potencial produtivo da lavoura (VIANA et al., 2007). D. speciosa é um inseto vulgarmente conhecido como vaquinha, já estabelecido em diversos estados brasileiros e em alguns países da América do Sul. Apresenta expressão econômica por ser uma praga polífaga causando danos, entre outras, às culturas de milho, soja, feijão, amendoim e batata, devido injúrias causadas na planta, e também por ser agente vetor de patógenos, principalmente vírus (LAUMANN ET al., 2003). Segundo Milanez (1995) apud (MICHELI, 2005), alguns fatores colaboraram para o desenvolvimento e adaptação dessa praga à cultura do milho, tais como os sistemas de produção de milho, novos híbridos, manejo do solo, rotação com outras culturas e baixo índice de parasitismo. Nos Estados Unidos, as perdas na produção e gastos com inseticidas devido ao ataque de espécies do gênero Diabrotica foram estimadas em um bilhão de dólares (METCALF, 1986 apud MICHELI, 2005). O dano mais severo causado pelas larvas de D. speciosa à raiz do milho, é tornar as plantas mais suscetíveis ao tombamento e, ainda, facilitar a entrada de fitopatógenos através dos orifícios que fazem ao se alimentar das raízes, reduzindo a produtividade da planta (SILVA, 1995 apud MICHELI, 2005). O conhecimento da dinâmica populacional da praga nas localidades produtoras pode fornecer informações que sirvam de suporte a ações para seu manejo, visando a redução das perdas das safras. Uma das diversas ações que podem ser utilizadas para se avaliar o risco de introdução de pragas é o mapeamento, com suporte de ferramentas computacionais de SIG, de regiões geográficas que apresentem favorabilidade para o estabelecimento de determinadas pragas. De acordo com Miranda (2005), o Sistema de Informações Geográficas (SIG) é cada vez mais usado como um modelador do que existe na realidade, sendo muito mais que um simples programa para fazer mapas e sim um poderoso meio de modelar e analisar relações espaciais. Hamada e Lana (2007) afirmam ainda que um sistema de informações Geográficas pode ser utilizado como uma ferramenta de auxílio a análise de risco de pragas com o intuito de avaliar o seu potencial de introdução e dispersão em uma área após o seu estabelecimento. Os autores realizaram um estudo envolvendo SIG e a variável climática temperatura para estimar o potencial de distribuição geográfica no estado de São Paulo de duas espécies de insetos quarentenárias para o Brasil. Os insetos são animais poiquilotérmicos, ou seja, animais de sangue-frio. Não apresentam mecanismos internos que regulem sua temperatura corporal sendo a temperatura ambiente extremamente importante (ODUM, 1988). A temperatura, então, é um fator determinante para o desenvolvimento do inseto, desde sua fase de ovo, passando pelas fases de larva e pupa até atingir a fase adulta. Conhecendo-se o padrão da temperatura ambiente da localidade de ocorrência (ou o habitat natural) do inseto, é possível estimar razoavelmente o tempo de desenvolvimento em dias dos insetos, desde a fase de ovo até a fase adulta. Assim é

3 possível obter subsídio para estimar a dinâmica populacional do inseto de interesse. Conhecer a dinâmica populacional possibilita, por exemplo, a realização de previsão de ocorrência de picos populacionais de insetos-praga nas lavouras e, assim, estabelecer ações diversas de manejo da praga no momento adequado. Na área de bioclimatologia, um ramo da climatologia que estuda os efeitos do ambiente físico sobre os organismos vivos e buscam-se padrões de resposta de plantas e animais em função das condições climáticas, são utilizados diversos índices bioclimáticos, dentre eles os graus-dias que propiciam, entre outros, a realização da estimativa do potencial de infestação por pragas (CARAMORI, 2006). Os graus-dia acumulados, também denominado soma térmica, mede o crescimento de organismos combinando o tempo e a temperatura ambiente (IOWA, 1997). Representam o número de graus, acima de uma determinada temperatura, que o organismo necessita para seu desenvolvimento. Conforme citado por Palhares-Melo et al. (2006), para se calcular os graus-dia leva-se em conta que cada organismo apresenta crescimento dentro de um determinado intervalo de temperaturas (temperatura mínima e temperatura máxima de crescimento). A temperatura mínima, abaixo da qual nenhum desenvolvimento ocorre, chama-se temperatura base inferior de crescimento (T b ). A temperatura máxima de crescimento do organismo chama-se temperatura base superior de crescimento (T sup ). O crescimento do organismo ocorre positivamente correlacionado com o aumento da temperatura até a temperatura T sup. Estes valores limiares (T b e T sup ) são determinados experimentalmente e variam de espécie para espécie. Varia também, de espécie para espécie, o valor da constante térmica (K) do organismo, que nada mais é do que a quantidade de graus-dia acumulados. Para calcular a quantidade de graus-dia acumulados, escolhe-se uma data inicial relacionada a um determinado evento biológico, conhecido como biofix, a partir da qual se inicia a contagem a partir do valor zero. A data biofix varia de acordo com o organismo em questão, podendo ser considerados eventos biológicos diversos tais como a data do plantio no campo ou data da primeira captura de adultos em armadilhas no campo (PALHARES-MELO et al. 2006). A favorabilidade climática é avaliada com base no valor da constante térmica (K) de desenvolvimento da praga nas fases de ovo, larva, pupa e fase adulta. Um grau-dia (soma térmica diária) é calculado com base no valor da temperatura máxima (T max ) e mínima (T min ) do dia e o valor da temperatura base de desenvolvimento da praga (T b ), que é a temperatura a partir da qual a praga se desenvolve (Ibid.). Para atingir o valor da constante térmica K, acumulam-se, diariamente, o valor dos graus-dia para a praga e, assim, obtém-se o número de dias que a mesma necessita para ir da fase de ovo até a fase adulta, ou seja, permite-se estimar, através do cálculo dos graus-dia acumulados o número de dias de uma geração da praga (Ibid.). Este trabalho teve por objetivo identificar, através do uso de ferramentas computacionais de SIG, localidades no Brasil que se destacam na produção de milho e que apresentam favorabilidade climática à ocorrência de D. speciosa. Para caracterização da favorabilidade climática de ocorrência, foi utilizado como parâmetro o valor esperado de gerações de D. speciosa no ano, calculado com base no cálculo da soma térmica para a praga em diversas localidades do Brasil.

4 Materiais e Métodos Para mapeamento das áreas mais significativas quanto a produção de milho, foram utilizados os dados da Produção Agrícola Municipal (PAM), disponibilizados pelo IBGE para consulta via Internet ( através do sistema SIDRA. Foram utilizados os dados da PAM referentes ao ano de 2006 agregados a nível de município. Foi gerada uma planilha eletrônica contendo a informação da quantidade total de toneladas de milho produzida por municípios brasileiros em Os dados desta planilha foram inseridos como dados alfanuméricos no arquivo DBF do mapa de municípios do Brasil em formato shapefile do software Arc-Gis. Em seguida foram marcados no mapa digital, os municípios que contribuíram significativamente para a produção de milho no Brasil em Considerou-se, neste trabalho, a distribuição espacial desses municípios como os espaços mais importantes sob o ponto de vista econômico da produção de milho no Brasil. Neste trabalho, para fins de classificação da favorabilidade de ocorrência de D. speciosa em determinada localidade, considerou-se que o único fator que influencia o crescimento da praga é a temperatura ambiente. Além disso, supôs-se que (I) no dia 01/01/2006 exemplares adultos de D. speciosa depositaram ovos em cada uma das 170 localidades; (II) nas localidades não existem predadores nem programas de manejo da praga e (III) são desconsiderados parâmetros demográficos da praga tais como taxa de natalidade, mortalidade e fecundidade, razão de sexo, migração, etc. Para realizar o cálculo dos graus-dia acumulados, e assim estimar o valor esperado de gerações de D. speciosa no ano, é necessário, entre outros, o valor da temperatura máxima e mínima diária (OMETTO, 1981) da localidade em questão. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) disponibiliza em seu site na Internet ( tais dados de diversas estações meteorológicas distribuídas por várias localidades do País. Neste trabalho foram selecionadas 170 localidades que correspondem a estações meteorológicas e agrometeorológicas do INPE que apresentam disponibilizadas as temperaturas máxima e mínima diária para pelo menos 285 dias do ano de Desta forma, as localidades avaliadas são apenas as áreas pontuais apresentadas na Figura 1. Com relação aos parâmetros K e T b da praga, usados para o cálculo dos graus-dia acumulados, foram encontrados na literatura vários estudos relatando a influência da temperatura no desenvolvimento de D. speciosa. Em condições de laboratório Milanez e Parra (2000) determinaram as exigências e os limiares térmicos para o desenvolvimento das fases imaturas da da praga. Ávila et al. (2002), por sua vez determinaram a previsão de ocorrência da mesma em condições de campo (telado) utilizando a temperatura e o modelo de graus-dia previamente determinado em laboratório. Milanez et al. (1999) também realizaram a estimativa do número de gerações da praga na cultura do milho no estado de Santa Catarina, baseado no estudo de exigências térmicas. Deste modo, com base na literatura consultada, os parâmetros temperatura base inferior de crescimento (T b ) e o valor da constante térmica (K) para D. speciosa usados neste trabalho foram, respectivamente, 11 o C e 475 graus-dia. Os dados de temperatura máxima e mínima diária das 170 estações meteorológicas e agrometeorológicas e os valores T b e K de D. speciosa foram processados através de um programa simples escrito em linguagem Visual Basic que efetuou os cálculos do valor esperado de gerações da praga nas 170 localidades. Em seguida, através de software de SIG, foram mapeadas localidades apresentando alta e média favorabilidade ao desenvolvimento da praga. Finalmente foi efetuado o cruzamento do mapa das áreas dos municípios de destaque em termos de quantidade produzida de milho em 2006 com o mapa de localidades pontuais de

5 alta e média favorabilidade para ocorrência de D. speciosa, permitindo identificar, ainda que preliminarmente, áreas importantes de produção de milho e que apresentam risco de ocorrência de praga considerável. Legenda Localidade avaliada Figura 1 - Distribuição pelo país das 170 localidades avaliadas, correspondentes as estações do INPE e de acordo com o critério adotado neste estudo. Resultados e discussão O levantamento das localidades no Brasil mais significativas quanto a produção de milho em 2006, realizado através dos dados disponibilizados pelo sistema SIDRA do IBGE, revelou que do total de municípios brasileiros, produziram acima de uma tonelada de milho, o equivalente a dizer que 97% dos municípios brasileiros produziram milho naquele ano. Para efeito do estudo proposto neste trabalho, num primeiro momento, foram selecionados os municípios que produziram toneladas ou mais de milho em Foram registrados exatos 500 municípios nesta situação, que contribuíram conjuntamente pela produção de 65% do total da produção nacional de milho em A distribuição espacial desses 500 municípios está apresentada na Figura 2.

6 Legenda Municípios Figura 2 Distribuição espacial dos 500 municípios que em 2006 produziram ou mais toneladas de milho representando 65% da produção anual de A quantidade média de milho produzida pelos 500 municípios foi de (± ) toneladas, apresentando como coeficiente de variação 75 %, o que significa que apresentaram uma alta variabilidade da quantidade produzida por cada um desses municípios. A Tabela 1 resume as estatísticas descritivas básicas calculadas. Tabela 1 - Estatística descritiva básica para os 500 municípios que contribuíram com 65% da quantidade total de milho produzido no Brasil,em Estatística Valor observado Observações (N) = 500 Média da quantidade produzida = Desvio-padrão = Coeficiente de Variação = 75 % Primeiro Quartil (Q1)= Mediana (Q2) = Terceiro Quartil (Q3) = Valor Máximo (toneladas) = Valor Mínimo (toneladas) =

7 Os dados relativos das temperaturas máxima e mínima diárias das 170 estações meteorológicas obtidas junto ao INPE foram armazenados no programa de banco de dados Access da Microsoft e, neste ambiente, foi escrito em linguagem Visual Basic um programa para calcular, com base em T b = 11 o C K = 475 graus-dia, os graus-dia acumulados e o valor esperado de gerações da praga nas. Os resultados foram então transferidos para análise em planilha eletrônica e para o software de SIG (Sistema de Informação Geográfica). Na Tabela 2 são apresentadas as estatísticas básicas calculadas para a variável valor esperado de gerações da praga para o ano de 2006 a partir desse conjunto de dados. Tabela 2 - Estatística descritiva básica para a variável referente ao valor esperado de gerações de D. speciosa para o ano de 2006 nas localidades das 170 estações meteorológicas Estatística Valor observado Observações (N) = 170 Média = 10,25 Desvio-padrão = 2,04 Coeficiente de Variação (%) = 19,92 Primeiro Quartil (Q1)= 8,77 Mediana (Q2) = 10,50 Terceiro Quartil (Q3) = 11,88 Valor Máximo = 14,45 Valor Mínimo = 3,39 De um modo geral, pode-se dizer que a favorabilidade climática para D. speciosa no Brasil é alta pois, conforme a Tabela 2, 75% das 170 localidades apresentam valor esperado de 8,77 ou mais gerações no ano de Praticamente metade das localidades apresentam valor esperado superior a 10,50 gerações/ano. Com base nestas observações, foram estipulados dois perfis de localidades. O primeiro perfil, designado por Grupo I abrange as localidades que apresentam valor esperado de 10 ou mais gerações/ano da praga, enquanto que o segundo perfil, denominado Grupo II abrange as localidades com valor esperado de menos de 10 gerações/ano. Em termos qualitativos, considera-se que as localidades do Grupo I apresentam alta favorabilidade à ocorrência da praga, e as localidades do grupo II apresentam média favorabilidade. Apesar desta classificação, de modo geral, em ambas as situações considera-se que de fato as 170 localidades apresentaram condições climáticas propícias para o desenvolvimento da praga, ou seja, todos os locais relativos ao Grupo I ou Grupo II são bastante favoráveis à ocorrência de D. speciosa. Conforme se observa na Figura 3, em geral, a diferença do padrão de distribuição entre as localidades dos Grupos I e II reside no fato de que há apenas um registro da ocorrência de localidades com alta favorabilidade (Grupo I) na Região Sul do País. Os demais registros na Região Sul apontam média favorabilidade.

8 Grupo I Grupo II Legenda Localidades com estimativa de ocorrência de 10 ou mais gerações Legenda Localidades com estimativa de ocorrência de menos de 10 gerações Figura 3 Distribuição espacial das 170 estações meteorológicas como localidades do Grupo I (alta favorabilidade) e do Grupo II (média favorabilidade). Em seguida, foi realizado o cruzamento do mapa dos 500 municípios que produziram ou mais toneladas de milho em 2006 (Figura 2) com o mapa das localidades (estações meteorológicas) classificadas como Grupo I e Grupo II (Figura 3). O resultado, apresentado na Figura 4, permite concluir, por mera inspeção visual, que os 500 municípios encontram-se sob influência de alta e média favorabilidade climática ao desenvolvimento de D. speciosa. Considerando-se a tênue distinção da classificação qualitativa entre o Grupo I e o Grupo II (valor esperado de gerações são muito próximos entre si), pode-se afirmar que é acentuada a favorabilidade climática para a ocorrência de D. speciosa nos municípios que contribuem de forma significativa para a produção nacional de milho.

9 Legenda Municípios Localidades com estimativa de ocorrência de 10 ou mais gerações Legenda Municípios Localidades com estimativa de ocorrência de menos de 10 gerações Figura 4 Sobreposição do mapa dos 500 municípios que em 2006 produziram ou mais toneladas de milho, concentrando 65% da produção nacional em 2006, com o mapa das 170 localidades com alta e média favorabilidade à ocorrência de D. speciosa. Em virtude do resultado de acentuada favorabilidade de todos os 500 municípios selecionados, propôs-se, num segundo momento, selecionar os municípios que produziram ou mais toneladas de milho em 2006, considerando-os como municípios de maior importância para produção nacional de milho. Esses municípios foram responsáveis por 10% da produção nacional em A Figura 5 apresenta a distribuição espacial destes municípios. Através de mera inspeção visual, nota-se que as áreas desses municípios estão próximas a áreas de alta favorabilidade à ocorrência da praga. Deve-se também destacar que, em 2006, o estado do Paraná foi responsável por 27% da produção nacional mas, as áreas dos municípios estão sobrepostas por localidades de média favorabilidade. Considerando-se que qualitativamente alta e média favorabilidade seja praticamente equivalentes, pode-se dizer que o estado do Paraná em geral apresenta favorabilidade climática para D. speciosa.

10 Legenda Municípios Localidades com estimativa de ocorrência de 10 ou mais gerações Figura 5 - Sobreposição do mapa dos municípios que em 2006 produziram ou mais toneladas de milho, concentrando 10% da produção nacional em 2006, com o mapa das 170 localidades com alta e média favorabilidade à ocorrência de D. speciosa. As conseqüências negativas advindas do ataque de D. speciosa têm reflexo não apenas no âmbito econômico, é preciso considerar ainda a questão ambiental. Como exemplo pode-se citar os danos causados pelo uso de inseticidas no combate a praga. Os resultados deste mapeamento, apesar do caráter preliminar, podem servir de apoio para um planejamento visando minimização de perdas da produção de milho em decorrência da delimitação de áreas prioritárias para ações de manejo da praga. Conclusões e recomendações Os resultados obtidos neste trabalho, apontaram, preliminarmente que todas as áreas que contribuem significativamente para a produção de milho no Brasil são bastante favoráveis ao desenvolvimento de D. speciosa, ao menos sob a ótica da favorabilidade climática. Como recomendações gerais, ressalta-se a importância de estudos que se proponham a realizar mapeamentos das áreas de maior favorabilidade à ocorrência de pragas.o valor esperado de gerações/ano da praga usado neste trabalho parece ser, a priori, um indicador quantitativo razoável para mensuração da favorabilidade de ocorrência de pragas, mas, usado isoladamente, propicia apenas uma indicação preliminar das condições gerais de

11 favorabilidade. A obtenção de resultados mais robustos para fins de delineamento de áreas produtoras de milho de importância devido a presença de D. speciosa requer experimentações mais refinadas, com dados de fatores bióticos e abióticos mais detalhados das áreas de avaliação, conhecimento mais detalhado da demografia da praga, conhecimento dos mecanismos das práticas culturais, desde o plantio até a fase de pós-colheita, da distribuição da produção na localidade de avaliação, etc. Referências: ÁVILA, C. J.; MILANEZ, J. M.; PARRA, J. R. P. Previsão de ocorrência de Diabrotica speciosa utilizando-se o modelo de graus-dia de laboratório. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 37, n. 4, p , BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Principais produtos do agronegócio brasileiro. Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Brasília: MAPA, CARAMORI, P. H. Escopo da bioclimatologia vegetal. In: Congresso Brasileiro de Biometeorologia, 4., Ribeirão Preto, SP Anais... Ribeirão Preto, SP, (1 CD- ROM) CERQUEIRA, R. Determinação de distribuições potenciais de espécies. In: PERES-NETO, P. R.; VALENTE, J. L.; FERNANDEZ, F. A. S. (eds.). Oecologia Brasiliensis, Rio de Janeiro, RJ: UFRJ, 1995, p v. II. HAMADA, E.; LANA, J. T. de O. Uso do SIG para estimar o potencial de distribuição geográfica de pragas quarentenárias em função de variáveis climáticas. In: Congresso Brasileiro de Agrometeorologia, , Aracaju, SE. Anais.. Piracicaba: Sociedade Brasileira de Agrometeorologia, p IOWA. Using degree days in an Integrated Pest Management Program. Iowa State University University Extension Ames, Iowa. Revisado Junho/1987, Versão eletrônica criada em Disponível em: < Acesso em: 11 maio LAUMANN, R.; NEIVA, P. R.; PIRES, C. S. S.; SCHMIDIT, F. G. V.; BORGES, M. Ritmos diários de atividades comportamentais de Diabrotica speciosa (Germar, 1824) (Coleoptera: Chrysomelidae) relacionados à temperatura. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, (Comunicado Técnico, 90). METCALF, R. L. Foreword. In: KRYSAN, J. L.; MILLER, T. A. (eds.). Methods for the study of Diabrotica. New York: Springer-Verlag p. vii-xvi. MICHELI, A. Variabilidade intraespecífica, inimigos naturais e avaliação da mistura de fungos entomopatogênicos e inseticidas para o controle de Diabrotica speciosa (Germar, 1824) (Coleoptera: Chrysomelidae). Curitiba, PR f. Dissertação (UFPR, Mestrado em Ciências Biológicas).

12 MILANEZ, J. M. Técnicas de criação e bioecologia de Diabrotica speciosa (Germar, 1824) (Coleoptera: Chrysomelidae). Piracicaba, SP p. Tese de Doutorado (ESALQ). MILANEZ, J. M.; PARRA, J. R. P. Biologia e exigências térmicas de Diabrotica speciosa (Germar) (Coleoptera: Chrysomelidae) em laboratório. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, Londrina, v. 29, n. 1, p , MILANEZ, J. M.; PARRA, J. R.; PANDOLFO, C.; PEREIRA, E. S.; MASSIGNAM, A. M.; MIRANDA JR, G. X. Estimativa do número de gerações de Diabrotica speciosa (Germar, 1824), ocorrente na cultura do milho, baseado no estudo de exigências térmicas. In: Congresso Brasileiro de Agrometeorologia, 11., e Reunião Latino-Americana, 2., 1999, Florianópolis. Programa e resumo dos Anais... Florianópolis, SC: XI Congresso Brasileiro de Agrometeorologia e II Reunião Latino-Americana de Agrometeorologia, p MIRANDA, J. I.. Fundamentos de Sistemas de Informações Geográficas. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, ODUM, E. P. Ecologia. Tradução: R. I. Rio e C. J. Tribe. Ed. Guanabara, Rio de Janeiro, RJ., 434p., OMETTO, J. C. Bioclimatologia Vegetal. São Paulo: Agronômica Ceres, p. PALHARES-MELO, L. A. M.; TENENTE, R.C.V.; OLIVEIRA, M. R. V.; Cálculo de graus-dia acumulados para subsidiar ações de gerenciamento de risco de pragas. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. (Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. Comunicado Técnico, 145), 13 p., SILVA, M.T.B. da. Considerações sobre as necessidades de pesquisas para o manejo de lagartas radiculares do gênero Diabrotica (Coleoptera: Chrysomelidae). In: Reunião Sul - Brasileira de Insetos de Solo, 5. Resumos... Dourados: Embrapa CPAO p VIANA, P. A.; CRUZ, I.; WAQUIL, J. M. Pragas. In: CRUZ, J. C. (ed.) Cultivo do Milho: Sistema de Produção ed. Sete Lagoas: Embrapa Milho e Sorgo, Versão eletrônica.

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro Potencial da Doru luteipes (Scudder, 1876) (Dermaptera: Forficulidae) no controle da Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae). Willian Sabino RODRIGUES¹; Gabriel de Castro JACQUES²;

Leia mais

Vinícius Soares Sturza 1 ; Cátia Camera 2 ; Carla Daniele Sausen 3 ; Sônia Thereza Bastos Dequech 4

Vinícius Soares Sturza 1 ; Cátia Camera 2 ; Carla Daniele Sausen 3 ; Sônia Thereza Bastos Dequech 4 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DANOS, POSTURAS E ÍNDICE DE PARASITISMO DE Spodoptera frugiperda (J.E. SMITH) (LEP.: NOCTUIDAE), RELACIONADOS AOS ESTÁDIOS

Leia mais

Comunicado 145 Técnico ISSN 9192-0099

Comunicado 145 Técnico ISSN 9192-0099 Comunicado 145 Técnico ISSN 9192-0099 Brasília, DF Outubro, 2006 CÁLCULO DE GRAUS-DIA ACUMULADOS PARA SUBSIDIAR AÇÕES DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE PRAGAS 1. INTRODUÇÃO Luis Alberto Martins Palhares de

Leia mais

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ JONAS GALDINO 1, WILIAN DA S. RICCE 2, DANILO A. B. SILVA 1, PAULO H. CARAMORI 3, ROGÉRIO T. DE FARIA 4 1 Analista de Sistemas,

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006

Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006 Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006 1 - Introdução e Objetivos O presente estudo foi elaborado pela EPAGRI/CIRAM com base na proposta

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

Comunicado Técnico RESUMO INTRODUÇÃO

Comunicado Técnico RESUMO INTRODUÇÃO Comunicado Técnico Dezembro, 90 ISSN 0102-0099 Brasília, DF 2003 RITMOS DIARIOS DE ATIVIDA- DES COMPORTAMENTAIS DE DIABROTICA SPECIOSA (GERMAR, 1824) (COLEOPTERA: CHRYSOMELIDAE) RELACIONA- DOS À TEMPERATURA

Leia mais

ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL EM CULTIVO DE MILHO

ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL EM CULTIVO DE MILHO ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL

Leia mais

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR 1. INTRODUÇÃO O migdolus é um besouro da família Cerambycidae cuja fase larval causa danos ao sistema radicular da cana-de-açúcar, passando a exibir sintomas de seca em toda

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br.

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br. Avaliação de Pragas em uma Cultura de Milho para Produção de Sementes. BELLIZZI, N. C. 1, WINDER, A. R. S. 2, PEREIRA JUNIOR, R. D. 2 e BARROS, H. A. V. 2. 1 Docente do Curso de Agronomia da Universidade

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Localização. O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil.

Localização. O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Localização Peru Chile Bolívia Paraguai Uruguai Argentina Passo Fundo, RS O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Embrapa Trigo Rodovia

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS Intituição: Embrapa Cerrados / Centro de Pesquisa Agropecuária do Projeto: IV Reunião Técnica de Pesquisas em Maracujazeiro Responsável:

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Estudo de sobrevivência de insetos pragas através da distribuição de Weibull: uma abordagem bayesiana

Estudo de sobrevivência de insetos pragas através da distribuição de Weibull: uma abordagem bayesiana Estudo de sobrevivência de insetos pragas através da distribuição de Weibull: uma abordagem bayesiana Leandro Alves Pereira - FAMAT, UFU Rogerio de Melo Costa Pinto - FAMAT, UFU 2 Resumo: Os insetos-pragas

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012 174 ISSN 1679-0472 Abril, 2012 Dourados, MS Fotos - lavoura: Nilton P. de Araújo; percevejo: Foto: Narciso Claudio da Lazzarotto S. Câmara Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul,

Leia mais

Engenheiro Agrônomo, Doutor em Ciências, pesquisador da Embrapa Monitoramento por Satélite, Campinas-SP, daniel.victoria@embrapa.

Engenheiro Agrônomo, Doutor em Ciências, pesquisador da Embrapa Monitoramento por Satélite, Campinas-SP, daniel.victoria@embrapa. Comunicado Técnico 33 ISSN 1415-2118 Campinas, SP Dezembro, 2013 Agricultura Integração de bases de dados e desenvolvimento de aplicações específicas para a Secretária de Políticas Agrícolas/Mapa no Somabrasil

Leia mais

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser Relações Ecológicas Os seres vivos mantém constantes relações entre si, exercendo influências recíprocas em suas populações. INTRA ou INTERESPECÍFICAS Estas relações podem ser HARMÔNICAS OU DESARMÔNICAS

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica MONITORAMENTO DO TEMPO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO E USO DE DADOS METEOROLÓGICOS DA ESTAÇÃO AGROMETEOROLÓGICA DO CAV/UDESC LAGES, SC Célio Orli Cardoso, Centro de Ciências

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Amarindo Fausto Soares Embrapa Informática Agropecuária, Campinas São Paulo - Brasil

Leia mais

Ações de manejo da. Helicoverpa armigera. Realização:

Ações de manejo da. Helicoverpa armigera. Realização: Ações de manejo da Helicoverpa armigera Realização: Quem é a praga? A Helicoverpa armigera é uma praga exótica, polífaga, que se alimenta de várias culturas agrícolas e plantas daninhas. Na fase de larva

Leia mais

Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável

Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável ISSN 1679-0464 Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável 16 O Algodoeiro em Mato Grosso Mato Grosso é um dos Estados do Brasil que apresentou maior desenvolvimento

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Milho e Sorgo Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Sete Lagoas Março 2012 Economia do Uso de Novas Tecnologias A escolha racional do agricultor: Aumento da produtividade dos

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas Controle Biológico Postura no coleto Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br Posturas nas folhas Proteção Ambiental: Controle Biológico Agrotóxicos Produtividade x Saúde do Trabalhador Rural Fonte:

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 MAPEAMENTO DE ÁREAS COM BAIXO RISCO CLIMÁTICO PARA IMPLANTAÇÃO DO CONSÓRCIO MILHO COM BRACHIÁRIA NO ESTADO DE GOIÁS Fernando Antônio Macena da Silva¹, Natalha de Faria Costa², Thaise Sussane de Souza Lopes³,

Leia mais

Estratégias para a implantação do T&V

Estratégias para a implantação do T&V 64 Embrapa Soja, Documentos, 288 Estratégias para a implantação do T&V Lineu Alberto Domit 1 A estratégia de ação proposta está baseada na experiência acumulada na implantação do sistema T&V no estado

Leia mais

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo A cultura da soja está exposta, durante gemmatalis (lagarta todo o seu ciclo, ao ataque de diferentes Pseudoplusia includens espécies de insetos. Esses insetos

Leia mais

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade Como toda nova ciência ou tecnologia, ela gera dúvidas e receios de mudanças. Isto acontece desde os tempos em que Galileo afirmou que era a Terra que girava em torno do Sol ou quando Oswaldo Cruz iniciou

Leia mais

CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL.

CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL. CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL. PAIXÃO, M.F. Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR, mferpaixao@hotmail.com;

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ENSINO INOVADOR

FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ENSINO INOVADOR FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ENSINO INOVADOR Título do Projeto: Fruticultura: Tecnologias para a fruticultura regional. Unidade(s) de aprendizagem ou disciplina de referência: Fruticultura

Leia mais

Helicoverpa armigera. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@embrapa.br

Helicoverpa armigera. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@embrapa.br Helicoverpa armigera Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@embrapa.br Controle Biológico com ênfase a Trichogramma Postura no coleto Posturas nas folhas Trichogramma Manejo Integrado de Pragas com ênfase

Leia mais

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções Dionísio Costa Cruz Junior dionisiojunior@iquali.com.br (orientador) Ismael Fiuza Ramos maelfiuza@gmail.com

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Luan Cruvinel Miranda (1) ; Mateus Murilo Rosa (1) ; Ricardo Monteiro Corrêa (2) (1) Estudante de Agronomia. Instituto Federal

Leia mais

Controle Microbiano de Fernanda Goes Mendes Marina Chamon Abreu Seminário de Microbiologia do Solo 2014/1 O controle de na agricultura é um fator limitante e resulta no aumento do custo de produção; O

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

Sirex noctilio F. em Pinus spp.: : Biologia, Ecologia e Danos

Sirex noctilio F. em Pinus spp.: : Biologia, Ecologia e Danos Sirex noctilio F. em Pinus spp.: : Biologia, Ecologia e Danos Edson Tadeu Iede Susete R.C. Penteado Wilson Reis Filho Riscos de introdução de pragas florestais no Brasil Mercado globalizado Aumento do

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO AMARAL, Kevin Bossoni do 1 ; CAMPOS, Ben-Hur Costa de 2 ; BIANCHI, Mario Antonio 3 Palavras-Chave:

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Adriana Botelho Taliarine dritaliarine@hotmail.com Darci de Jesus Ramos Prof. MSc. José Ricardo Favoretto Fatec Itapetininga - SP RESUMO: O aumento da

Leia mais

José Roberto Postali Parra Depto. Entomologia e Acarologia USP/Esalq

José Roberto Postali Parra Depto. Entomologia e Acarologia USP/Esalq José Roberto Postali Parra Depto. Entomologia e Acarologia USP/Esalq O Brasil é líder na Agricultura Tropical, com uma tecnologia própria Área (ha) 450.000 400.000 350.000 300.000 Área usada Área agricultável

Leia mais

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC Autores Monica Carvalho E-mail: meinfo@ig.com.br Jorim Sousa das Virgens Filho E-mail: sousalima@almix.com.br

Leia mais

Projeto da Emater aumenta a produtividade do feijão no Paraná

Projeto da Emater aumenta a produtividade do feijão no Paraná 06 DE NOVEMBRO DE 2012 caderno de editais PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRAQUARA Projeto da Emater aumenta a produtividade do feijão no Paraná Arquivo/ANPr Os agricultores ainda têm informações sobre o uso

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

EVOLUÇÃO DA CULTURA DE ERVA-MATE NO BRASIL DURANTE O PERÍODO DE 1995 A 2005

EVOLUÇÃO DA CULTURA DE ERVA-MATE NO BRASIL DURANTE O PERÍODO DE 1995 A 2005 EVOLUÇÃO DA CULTURA DE ERVA-MATE NO BRASIL DURANTE O PERÍODO DE 1995 A 2005 GORENSTEIN, Mauricio Romero Docente do curso de Engenharia Agronômica da FAEF / Garça-SP mrgorens@esalq.usp.br BARBOSA, Rogério

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 12 de agosto de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 12 de agosto de 2015. Clipping de notícias Recife, 12 de agosto de 2015. Recife, 12 de agosto de 2015. Recife, 12 de agosto de 2015. Recife, 11 de agosto de 2015. Recife, 12 de agosto de 2015. 12/08/2015 USO INDISCRIMINADO

Leia mais

Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello 2

Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello 2 Uso de Terra de Diatomácea para Proteção de Grãos de Milho 24 Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello

Leia mais

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Juliano Merlotto Mestre em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO 674 ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO Tayná Freitas Brandão¹; Rosângela Leal Santos². 1. Graduanda em Engenharia Civil

Leia mais

Milho Período: 19 a 23/10/2015

Milho Período: 19 a 23/10/2015 Milho Período: 19 a 23/10/2015 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços médios semanais apresentados nas praças de

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL Antonio Gilberto Bertechini Professor Titular-UFLA Introdução O agronegócio tem tido papel fundamental para a economia brasileira e representa

Leia mais

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo UNIPAC Curso de Agronomia Manejo Fitossanitário na Cana-de-açúcar Insetos-Pragas GRANDES CULTURAS I - Cultura da Cana-de-açúcar Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo Introdução Os danos causados

Leia mais

REGIÕES PARA TRIGO NO BRASIL: ENSAIOS VCU, ZONEAMENTO AGRÍCOLA E ÉPOCA DE SEMEADURA DISCRIMINAÇÃO INTRARREGIONAL

REGIÕES PARA TRIGO NO BRASIL: ENSAIOS VCU, ZONEAMENTO AGRÍCOLA E ÉPOCA DE SEMEADURA DISCRIMINAÇÃO INTRARREGIONAL REGIÕES PARA TRIGO NO BRASIL: ENSAIOS VCU, ZONEAMENTO AGRÍCOLA E ÉPOCA DE SEMEADURA DISCRIMINAÇÃO INTRARREGIONAL Gilberto Rocca da Cunha 1, Aldemir Pasinato 2, João Leonardo Fernandes Pires 1, Genei Antonio

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS DA CANA- DE AÇÚCAR NA PRÁTICA Resumo Bruno Pereira Santos 1 ; Profa. Dra. Ana Maria Guidelli Thuler 2 1, 2 Universidade de Uberaba bruno pereira santos 1, bpereiira955@gmail.com

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho José Carlos Cruz 1, Israel Alexandre Pereira Filho 1, João Carlos Garcia 1, Jason de Oliveira Duarte 1, João Herbert Moreira Viana 1, Ivan Cruz 1, Rodrigo

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

Analise o gráfico sobre o número acumulado de inversões térmicas, de 1985 a 2003, e a) defina o fenômeno meteorológico denominado inversão

Analise o gráfico sobre o número acumulado de inversões térmicas, de 1985 a 2003, e a) defina o fenômeno meteorológico denominado inversão 11 GEOGRAFIA Nas épocas de estiagem, a dispersão de poluentes é dificultada e a qualidade do ar piora muito na cidade de São Paulo, afetando, consideravelmente, a saúde das pessoas. NÚMERO DE INVERSÕES

Leia mais

Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução

Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução O presente estudo trata da construção de um modelo de quantificação das perdas de grãos do plantio

Leia mais

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon)

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon) Pragas que atacam as plântulas PRAGAS DO FEIJOEIRO Pragas que atacam as folhas Lagarta enroladeira (Omiodes indicata) Pragas que atacam as vargens Lagarta elasmo (ataca também a soja, algodão, milho, arroz,

Leia mais

Alocação de Recursos em Sistemas de Integração Lavoura-Pecuária: uma abordagem da Teoria do Portfólio

Alocação de Recursos em Sistemas de Integração Lavoura-Pecuária: uma abordagem da Teoria do Portfólio Alocação de Recursos em Sistemas de Integração Lavoura-Pecuária: uma abordagem da Teoria do Portfólio FERNANDES, Kellen Cristina Campos 1 ; FIGUEIREDO, Reginaldo Santana 2 Escola de Agronomia e Engenharia

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² ¹ Mestrando do Programa de Pós Graduação em Agronegócio na Escola de Agronomia e Engenharia

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA Perfil: Especialista em TI para atuar no aprimoramento do

Leia mais