UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS"

Transcrição

1 UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Paola Ronconi Pulcine 1, Vilma da Silva Santos 2, Viviane Fushimi Velloso 3, Paulo César Ribeiro Quintairos 4, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 5 1 Pós-graduada em MBA Gerência Financeira e Controladoria - Programa de Pós-graduação em Administração - PPGA - Universidade de Taubaté Rua Visconde do Rio Branco, 210 Centro Taubaté/SP Brasil 3 Professora do Programa de Pós-graduação em Administração - PPGA - Universidade de Taubaté Rua Visconde do Rio Branco, 210 Centro Taubaté/SP 3 Professora do Programa de Pós-graduação em Administração - PPGA - Universidade de Taubaté Rua Visconde do Rio Branco, 210 Centro Taubaté/SP 4 Professor do Programa de Pós-graduação em Administração - PPGA - Universidade de Taubaté Rua Visconde do Rio Branco, 210 Centro Taubaté/SP 5 Orientador - Programa de Pós-graduação em Administração - PPGA - Universidade de Taubaté Rua Visconde do Rio Branco, 210 Centro Taubaté/SP Resumo: Dada a grande carência de crédito para alavancar ou mesmo garantir a manutenção dos negócios, pelo fato do sistema financeiro tradicional excluí-los do acesso ao crédito, os micro e pequenos empreendedores, vêem como alternativa mais viável, a obtenção de financiamentos junto às instituições de microcrédito. Dessa forma, estudou-se o microcrédito como modalidade de financiamento para as micro e pequenas empresas. Realizou-se pesquisa bibliográfica exploratória sobre as micro e pequenas empresas e o microcrédito. Concluiu-se que o microcrédito ao oferecer empréstimo de pequeno montante com um mínimo de burocracia por canais de distribuição não convencionais aos micro e pequenos empreendedores formais e informais ajuda-os a atender a necessidade de crédito produtivo constituindo-se como uma alternativa viável de política de financiamento com capacidade de ampliar as oportunidades para realização de seus negócios. Palavras-chave: Microcrédito. Micro e Pequena Empresa. Crédito. Área do Conhecimento: VI Ciências Sociais Aplicadas. Introdução As transformações ocorridas de forma acelerada na economia mundial, em função da globalização têm colocado a margem do processo de desenvolvimento, um contingente cada vez maior de trabalhadores que não conseguem ingressar no mercado de trabalho além de empurrá-los para a informalidade e para uma situação de vulnerabilidade econômica e social. Esse processo se faz sentir de forma mais aguda, em economias de países em desenvolvimento, como é o caso do Brasil. Nesse contexto, tem crescido o reconhecimento da importância de serem desenvolvidos mecanismos para criar empresas locais e estimular os micros e pequenos empreendimentos formais ou mesmo informais, como alternativas à geração de emprego e renda para determinada parcela da população, para a qual a ausência ou a debilidade de políticas tende a gerar grandes disparidades de renda. Metodologia O presente estudo utiliza-se de dois tipos de pesquisa. A primeira consiste na revisão bibliográfica, que busca identificar casos de interesse; a segunda na coleta de dados para o estudo de caso. A pesquisa bibliográfica procura explicar um problema e a partir de referências teóricas já publicadas, utilizadas como dado secundário, e por meio da Internet, foram feitas consultas a artigos, apostilas de cursos e seminários que deram sustentabilidade ao trabalho como um todo. Utiliza-se o estudo de caso em muitas situações, para contribuir com o conhecimento que temos dos fenômenos individuais, organizacionais, sociais, políticos e de grupo além de outros fenômenos relacionados. Aplicação de estudo de

2 caso tem sido muito utilizada em pesquisa acadêmica e científica. Conceituação de Micro e Pequenas Empresas Não há unanimidade sobre a delimitação do segmento das micro e pequenas empresas (MPE). Observa-se, na prática, uma variedade de critérios para a sua conceituação tanto por parte da legislação específica, como por parte de instituições financeiras oficiais e órgãos representativos do setor. A utilização de conceitos heterogêneos decorre do fato de que a finalidade e os objetivos das instituições que promovem seu enquadramento são distintos (regulamentação, crédito, estudos) (SEBRAE, 2006). O Quadro 1 sintetiza os critérios adotados para enquadramento de MPE no Brasil. Critérios de Enquadramento Lei nº de 05/10/1999 Sebrae BNDES (critério dos países do Mercosul para fins creditícios) Valor de Receita Até 244 mil reais De 244 mil reais a 1,2 milhões de reais Até R$ ,00 Entre R$ ,01 a R$ ,00 Até 400 mil dólares (cerca de 940 mil reais) De 400 mil dólares a 3,5 milhões de dólares (cerca de 8,2 milhões de reais) Quadro 1 - Definição de micro e pequenas empresas O critério de classificação das MPE por número de pessoas ocupadas não leva em conta as diferenças entre atividades com processos produtivos distintos, uso intensivo de tecnologia da informação (internet, e-commerce, entre outros) e/ou forte presença de mão-de-obra qualificada, podendo ocorrer em algumas atividades à realização de alto volume de negócios com utilização de mão-de-obra pouco numerosa, como é o caso do comércio atacadista, das atividades de informática e dos serviços técnico-profissionais prestados às empresas (atividades jurídicas, de contabilidade, consultoria empresarial) (MATHEUS, 2000). Empreendedor informal: aquele que possui conta-própria ou é empregador sem registro na prefeitura e sem CNPJ. Conta própria Empregador Gráfico 1A - Empreendedor formal Conta própria Empregador 70% 60% 9% Formal 50% 6 4 % Informal Gráfico 1B - Empreendedor informal 3 6 % 91% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Os empreendedores formais têm uma porcentagem de 36% de contratação de pessoas para atuar no seu negócio, já os informais que representam 91% das empresas constituídas, nessa forma possuem um percentual de contratação de 9% do pessoal, ou seja, a maior parte dos empreendedores informais acaba trabalhando sozinho. Nos últimos meses de 2006, as atividades que dependem mais fortemente do desempenho do mercado interno e, assim, do rendimento real dos trabalhadores, por exemplo, o segmento de bens não-duráveis, em que a presença de MPE é maior, mostrou sinais de melhora. Assim, as MPE de comércio e serviços tiveram um melhor desempenho no final do ano, com a melhora do nível de emprego e renda da população. A presença das MPE na economia brasileira apresenta grande representatividade é o que demonstra o Gráfico 2. 40% 30% 20% 10% 0% Característica das Micro e Pequenas Empresas Os empreendedores formais tanto quanto os informais possuem conceitos descritos pelo SEBRAE, na seguinte forma (Gráfico 1A e 1B): Empreendedor formal: aquele que possui conta-própria ou é empregador com registro na prefeitura e/ou com CNPJ; e PIB 2 0 % 8 0 % Ocupações 6 7% 3 3 % Número de Empresas 9 9 % 1% 0% 20% 40% 60 % 8 0% 100% M icro e Pequenas M édias e Grandes Gráfico 2 - As MPE na economia

3 No Brasil existem 4,7 milhões de empresas. Desse total, 99% são MPE. Os pequenos negócios tanto os formais quanto os informais respondem por mais de dois terços das ocupações do setor privado. Dessa forma, elas respondem por 99% das empresas, 67% das ocupações e 20% do Produto Interno Bruto (PIB). Em diversos setores as MPE produziram um volume maior de inovações do que as grandes empresas e provaram ser flexíveis e capazes de se adaptar rapidamente às mudanças tecnológicas (SEBRAE, 2006). A Importância das Micro e Pequenas Empresas para a Economia Uma importante contribuição das MPE no crescimento e desenvolvimento do País é a de servirem de suporte para amortecer o desemprego, ou seja, é constituído como uma alternativa de ocupação para uma pequena parcela da população que tenha condição de desenvolver seu próprio negócio, e em uma alternativa de emprego formal ou informal, para uma grande parcela da força de trabalho excedente, em geral com pouca qualificação, que não encontra emprego nas empresas de grande porte (SEBRAE, 2006). Na década de 1980, com a redução do ritmo de crescimento da economia, resultando em maior nível de desemprego, os pequenos negócios passaram a ser considerados uma alternativa para a ocupação da mão-de-obra excedente, fazendo surgir ao final da década às primeiras iniciativas mais concretas para incentivar a abertura de micro e pequenas empresas na economia. O crescimento substancial dos pequenos negócios na economia, a partir da segunda metade dos anos 1980, foi decorrente de dois fatores (POCHMANN, 1998): 1. A terceirização das atividades não essenciais nas empresas decorrente da modernização gerencial, tecnológica e dos processos de trabalho, criando oportunidades para o surgimento de dezenas de empresas de pequeno porte; e 2. As mudanças ocorridas no mundo do trabalho com a redução do número de empregos formais, em decorrência da modernização gerencial, provocaram o crescimento dos pequenos negócios na economia, como uma alternativa encontrada pelas pessoas para obterem trabalho e renda. As MPE exercem um papel relevante na economia dos países. E no Brasil, as pesquisas realizadas por instituições como o SEBRAE, têm mostrado sua representatividade e sua importância sócio-econômica (Gráfico 3). Gráfico 3 - Importância sócio-econômica das MPE Assim, sua importância na economia brasileira caracteriza-se por uma série de fatores, entre eles a criação de empregos e a capacidade de adaptação às necessidades do mercado com agilidade e flexibilidade. Além de estarem aptas a atender a mudanças de mercado e se ajustar a ambientes de incerteza. Entretanto, as MPE, enfrentam dificuldades, independente de seu tamanho e que, além de utilizar equipamentos relativamente mais antigos e mão-de-obra menos qualificada, elas também enfrentam outras dificuldades que afetam seu desempenho, como a obtenção de crédito (SEBRAE, 2006). O Crédito para as MPE 25% 50% Empregos com carteira assinada 100% Empregos informais Participação no PIB Com base em pesquisas realizadas pelo SEBRAE (2006), verificou-se que de um modo geral, uma parte da população brasileira e economicamente ativa trabalha em uma MPE, com até cinco empregados. No início das suas atividades, em geral não precisam de crédito, pois grande parte delas é criada com economias próprias ou com a ajuda recebida de parentes e amigos. Mas, passada à etapa inicial em que há uma grande mortalidade empresarial, as empresas que conseguem certa estabilidade começam a demandar crédito, porém, apenas um pequeno percentual consegue obtê-lo. Essa demanda se caracteriza por ser de pequenas quantias de dinheiro para capital de giro, pois as atividades exercidas por elas, em geral, são de alta rotatividade, razão pela qual a demanda de financiamento por prazos bem curtos (FILLION, 2004). Uma das principais características dessas empresas são as atividades de transformação básica ou de serviços, que funcionam com níveis baixos de ativos fixos e de qualificação. Suas atividades são em geral de giro rápido e têm taxas de lucro relativamente altas, embora em termos absolutos os lucros sejam pequenos. Geralmente não possui demonstrativos financeiros nem bens que possam ser aceitos como garantias no sistema financeiro tradicional.

4 Para satisfazer sua demanda por crédito, utiliza basicamente de credores informais, que não exigem garantias reais e nem histórico de crédito. Os empréstimos são feitos com taxas de juros elevadas e prazos muito curtos, geralmente menos de um mês. As altas taxas de juros cobradas podem ser pagas graças à taxa de rentabilidade relativamente alta das MPE, aos prazos muito curtos de crédito e à alta rotatividade da atividade na qual estão inseridas (FILLION, 2004). E, dentro desse cenário, o programa de microcrédito pode ser considerado como uma alternativa viável de política de financiamento para atender a necessidade de crédito produtivo das MPE formais e informais, visto que atua exatamente nos setores discriminados pelo sistema financeiro tradicional. O Microcrédito O conceito de microcrédito se contrapõe as principais características do sistema tradicional de crédito. Tradicionalmente, o crédito é fornecido baseado nas garantias, solidez, patrimônio e tradição financeira do pleiteante. Já o microcrédito é fornecido baseado principalmente na análise sócio-econômica do cidadão, onde pesa, principalmente, a avaliação subjetiva relativa às intenções e potencialidades do cliente, feita pelo Agente de Crédito que tende a permitir maior entrosamento entre instituição financeira e cliente (CATTANI, 2003). Dessa forma, o microcrédito como uma modalidade de financiamento, busca permitir o acesso aos micros e pequenos empreendedores ao crédito por meio da utilização de metodologia própria voltada ao perfil e às necessidades dos empreendedores, estimulando as atividades produtivas e as relações sociais das populações mais carentes, com condições de gerar, assim, ocupação, emprego e renda e, desenvolvimento socioeconômico local. Discussão No Brasil, a importância dos financiamentos para os micros e pequenos empreendedores formais e informais se justifica pelos seguintes motivos: grande quantidade de estabelecimentos de pequeno porte; crescimento do setor informal da economia; crescimento do desemprego e dificuldade de acesso ao crédito produtivo. Assim, essas empresas e a informalidade que despontam como principais alternativas ao desemprego crescente, geram grande demanda por microcréditos no país, um mercado potencial de milhares de pessoas com baixa renda e sem condições e aval para crédito bancário. Isto se traduz na crescente importância das MPE na economia brasileira, que correspondiam, em 2001, a 99% do total de 5,6 milhões de empresas existentes no país, sendo ainda responsáveis por preencher 41,4% dos postos de trabalho (SEBRAE, 2006). As MPE são uma parte cada vez maior, do total de estabelecimentos do país, ou seja, em 2006 representaram 93% dos estabelecimentos empregadores e 26% dos trabalhadores formais. A geração líquida de empregos nas MPE também tem sido maior que nas empresas de grande porte, pois nestas, o saldo entre contratações e desligamentos foi de novos postos de trabalho entre 1995 e Já nas MPE, foi de mais de 1,4 milhão de postos de trabalho, sendo que este aumento aconteceu em todos os setores da economia (BNDES, 2003). Pelos dados do IBGE referentes a 2002, em conjunto com o SEBRAE no ano de 2002 verificou-se, que, as MPE concentram cerca de 75% dos estabelecimentos existentes no país, a maior parte se encontrava na informalidade. Salienta-se pela própria dinâmica produtiva, que esses empreendimentos, de um modo geral, utilizam significativa quantidade de mão-de-obra, uma vez que seus métodos produtivos usam pouca tecnologia, constituindo-se, portanto, numa alternativa para o problema do crescente desemprego (SEBRAE, 2006). Diante deste panorama, o microcrédito pode gerar um ambiente econômico favorável às atividades por meio da criação de mecanismos ágeis e efetivos sem descuidar dos aspectos voltados à garantia alternativa das operações. A partir de metodologias que abarquem o crédito orientado, pode adequar seu custo/benefício à condição financeira do pequeno produtor e auxiliálo na formação de redes e arranjos produtivos locais. Conclusão Ao perceber o papel das MPE frente à economia, o governo, como forma de estimular seu desenvolvimento, procurou não apenas conceder empréstimos em condições vantajosas, mas também facilitar o acesso delas ao sistema financeiro, considerando assistência técnica antes e depois do início das atividades das empresas e incentivar a cooperação entre elas. Por outro lado, têm aumentado significativamente o apoio financeiro para as MPE, com o incentivo aos programas de microcrédito que, não só operam com baixa inadimplência, mas permitem a realização de investimentos revertendo na elevação da renda dos que tomaram empréstimos.

5 Como o microcrédito está focado no empréstimo de pequeno montante ofertado com um mínimo de burocracia por canais de distribuição não convencionais aos micro e pequenos empreendedores formais e informais, este conceito foi se adaptando conforme as experiências desenvolvidas em cada local em que ele surgia, porém, o aspecto comum é que o microcrédito representa a democratização do crédito produtivo, ou seja, torna o crédito mais acessível ao micro e pequeno empreendedor. Assim, emprestar dinheiro, com condições facilitadas de pagamento, taxas de juros bem menores que as usuais e pequenos financiamentos, são vantagens que os programas de microcrédito oferecem para os que querem começar ou aumentar um negócio próprio, esperando-se que dessa forma, micros e pequenas empresas possam fomentar um setor da economia, que dada sua importante participação no número total de empresas e no mercado de trabalho entende-se a importância do crédito para esse segmento no cenário nacional. Referência BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SOCIAL. Número de empresas formais e informais. In: Informe-se: Área de Assuntos Fiscais. Brasília, BNDES CATTANI, A. D. A outra economia. Porto Alegre: Veraz, FILION, L. J. Diferenças entre sistemas gerenciais e empreendedores e operadores de pequenos negócios. In: Revista de Administração de Empresas. São Paulo: FGV, out.-dez./2004. v 39, n. 4. MATHEUS, D. C. Microcrédito: o Banco do Povo. São Paulo: Fundação Dom Cabral, POCHMANN, M. As políticas de geração de emprego e renda: experiências internacionais recente. In: Reforma do Estado & Políticas de Emprego no Brasil. Campinas: UNICAMP, Instituto de Economia, SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO A MICRO E PEQUENA EMPRESA. Pesquisa Sebrae MPE <www.sebrae.org.br/links>

O MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO AOS MICRO E PEQUENOS EMPREENDEDORES: UMA APLICAÇÃO DE CASO EM TAUBATÉ

O MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO AOS MICRO E PEQUENOS EMPREENDEDORES: UMA APLICAÇÃO DE CASO EM TAUBATÉ O MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO AOS MICRO E PEQUENOS EMPREENDEDORES: UMA APLICAÇÃO DE CASO EM TAUBATÉ Juliana Moutela Ferreira 1, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 2, Vilma da

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira Do microcrédito às microfinanças Monica Valente Microcrédito Tânia Machado Microcrédito como instrumento de desenvolvimento econômico e

Leia mais

V Seminário Banco Central sobre Microfinanças

V Seminário Banco Central sobre Microfinanças V Seminário Banco Central sobre Microfinanças - Depoimento sobre criação de SCM - Motivos que levaram a decisão de criar - Bases e Princípios que precisam ser levados em conta - O que a experiência tem

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA Rui Cidarta Araújo de Carvalho, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil MICROFINANÇAS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

Leia mais

Introdução. Um caso real que acontece todos os dias no Brasil...

Introdução. Um caso real que acontece todos os dias no Brasil... I a n C u n h a Introdução Um caso real que acontece todos os dias no Brasil... I a n C u n h a Os Conceitos Básicos do Projeto Missão: Fomento a atividade empreendedora tornando

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta as linhas de crédito dos Programas de Geração de Emprego e Renda na área Urbana - PROGER Urbano Investimento. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

Aula satélite 4. * Administração do crédito * Demonstrativos financeiros (contabilidade gerencial) * Fontes de recursos e de obtenção de crédito

Aula satélite 4. * Administração do crédito * Demonstrativos financeiros (contabilidade gerencial) * Fontes de recursos e de obtenção de crédito * Administração do crédito * Demonstrativos financeiros (contabilidade gerencial) * Fontes de recursos e de obtenção de crédito Aula satélite 4 Prof. Cláudio Alves da Silva Administração do crédito Crédito

Leia mais

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI Empreendedorismo Por que abrir uma empresa? Por Oportunidade Empreendedorismo Por Necessidade Empreendedorismo por Necessidade Criação de empresas visando à sobrevivência e ao sustento familiar por falta

Leia mais

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL Abril/2014 2014 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.019, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Institui o Fundo de Industrialização do Acre FIAC, e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono

Leia mais

Mecanismos de Garantia Complementar Fundos de Aval. Brasília (DF), 22/09/09

Mecanismos de Garantia Complementar Fundos de Aval. Brasília (DF), 22/09/09 Mecanismos de Garantia Complementar Fundos de Aval Brasília (DF), 22/09/09 Agenda Contextualização FGO Funproger Fampe Sociedades de Garantia de Crédito Governança Agenda Contextualização FGO Funproger

Leia mais

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS.

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. Facilitador: Wolney Luis do Nascimento Sousa. Responsável pelo Evento: 1 LINHAS DE CRÉDITO Motivos Vantagens Desvantagens Aplicação 2 LINHAS DE CRÉDITO Função dos Bancos Para

Leia mais

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual Apresentação Muitos brasileiros trabalham informalmente por conta própria, ou seja, não têm nenhum tipo de registro. E por isso ficam sem acesso a diversos benefícios, como a Previdência Social, cursos

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA. Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014

CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA. Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014 CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014 Márlon Alberto Be INVESTIMENTO NA ATIVIDADE EMPRESARIAL? Márlon Alberto Be INVESTIMENTO

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

LEASING UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO

LEASING UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 O Brasil Adota o Modelo do Covered Bond Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP A Medida Provisória 656, de 2014, aprovada

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE Fevereiro/2009 SUMÁRIO 1. Medidas já Adotadas 2. Novas Medidas 2 Medidas já adotadas Prorrogação para 31/12/09 do prazo de 60 dias fora o mês para

Leia mais

Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae)

Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae) Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae) Metodologia Entrevistas por telefone com 9.657 Microempreendedores Individuais feitas em abril de 2015. Análise da base de dados do Microempreendedor Individual

Leia mais

Microcrédito, inclusão social e desenvolvimento local: a experiência do Banco do Povo Crédito Solidário em Santo André e Mauá

Microcrédito, inclusão social e desenvolvimento local: a experiência do Banco do Povo Crédito Solidário em Santo André e Mauá Santo André e Mauá - Brasil Microcrédito, inclusão social e desenvolvimento local: a experiência do Banco do Povo Crédito Solidário em Santo André e Mauá Jorge Luiz Gouvêa1 I. O contexto: a reestruturação

Leia mais

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Objetivos Orientar os empreendedores sobre a importância da permanente gestão empresarial e sua direta

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté

PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté Ailton da Silva, Paulo César Ribeiro Quintairos, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 392 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Débora Regina

Leia mais

Tema 6: Atuaçã. Análise da atuaçã Comparaçã. ção o com outros países

Tema 6: Atuaçã. Análise da atuaçã Comparaçã. ção o com outros países Tema 6: Atuaçã ção o Das Entidades Não-reguladasN Análise da atuaçã ção o das entidades não-reguladas n brasileiras: Comparaçã ção o com outros países Visão o de futuro para essas entidades. VII Seminário

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas

A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas Balneário Camboriú-SC 21 de julho de 2011 O padrão IFRS é adotado, atualmente, por cerca de 140 países(1) e por milhões de pequenas

Leia mais

O Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil em 2014

O Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil em 2014 O Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil em 2014 Novembro 2014 1 Introdução Objetivos: - Avaliar as principais características do universo dos Pequenos Negócios no Brasil, quanto à questão do seu

Leia mais

PROGRAMA CAIXA APL. SERGIO NETTO AMANDIO GERENCIA NACIONAL DE APLICAÇÃO MPE Out/2009

PROGRAMA CAIXA APL. SERGIO NETTO AMANDIO GERENCIA NACIONAL DE APLICAÇÃO MPE Out/2009 PROGRAMA CAIXA APL SERGIO NETTO AMANDIO GERENCIA NACIONAL DE APLICAÇÃO MPE Out/2009 ATENDIMENTOS 436 milhões em Agências 921 milhões em terminais de Auto-Atendimento QUANTIDADE DE CLIENTES - EM MILHÕES

Leia mais

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins.

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. Maria das Graças Bastos de Sousa 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E A INOVAÇÃO.

PROGRAMA ESTADUAL DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E A INOVAÇÃO. PROGRAMA ESTADUAL DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E A INOVAÇÃO. Nascimento do Microcrédito no Mundo Nascimento do Microcrédito na Paraíba VERSÃO ARRETADA Geração de Emprego e Renda Capacitação e Qualificação

Leia mais

Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social

Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social Inclusão bancária Acesso a produtos e serviços bancários a cidadãos de baixa renda; Serviços bancários + preocupação social. Ações para inclusão

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG www.bndes.gov.br LINHAS DE CRÉDITO BNDES Automático

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RIO CLARO AUTOR(ES):

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. *

O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. * O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. * Lúcio Alcântara ** Senhores Contadores, É com muita honra que em nome do hospitaleiro povo cearense participo

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR?

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? FERNANDO B. MENEGUIN 1 O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, regido pela Lei nº 8.036, de 11/05/90, foi instituído, em 1966, em substituição à estabilidade

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma entidade privada, sem fins lucrativos, criada em 1972. Desvinculado da administração pública

Leia mais

SEGUNDO PAINEL AS INSTITUIÇÕES DE SEGUNDO PISO SISTEMAS DE REAFIANÇAMENTO TEMA 4 FUNDO MERCOSUL DE GARANTIAS PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SEGUNDO PAINEL AS INSTITUIÇÕES DE SEGUNDO PISO SISTEMAS DE REAFIANÇAMENTO TEMA 4 FUNDO MERCOSUL DE GARANTIAS PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SEGUNDO PAINEL AS INSTITUIÇÕES DE SEGUNDO PISO SISTEMAS DE REAFIANÇAMENTO TEMA 4 FUNDO MERCOSUL DE GARANTIAS PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS RAFAEL QUIRINO SANTOS FORMADO EM ECONOMIA PELA UNIVERSIDADE

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

Viabilizando o Crédito

Viabilizando o Crédito Palestra: Viabilizando o Crédito Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br O que é CRÉDITO? Credare: Confiar, acreditar. Percepção externa baseada

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática) Institui o Fundo de Aval para Pequenos Provedores de Internet, com a finalidade de garantir

Leia mais

Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Comitê Temático Investimento e Financiamento Diretoria de Micro e Pequenas Empresas setembro/2008 Agenda Atuação do BB no Segmento MPE Evolução

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA

XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA AMÉRICA PAINEL: Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das Pequenas e Médias Empresas (PMES). HENRIQUE Jorge

Leia mais

Cartilha do. Microempreendedor Individual. Microcrédito

Cartilha do. Microempreendedor Individual. Microcrédito Atualização: SEBRAE-SP - Unidade de Políticas Públicas e Relações Institucionais UPPRI - 13 maio 2013 Cartilha do 4 Microempreendedor Individual Microcrédito MICROCRÉDITO O QUE É? O microcrédito é a concessão

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS Apresentação Criada em 2002 e autorizada a funcionar pelo Banco Central em 2003, entrou em operação em 2004. É uma sociedade anônima de economia mista vinculada à. Atualmente conta com um patrimônio líquido

Leia mais

Área de Inclusão Social Departamento de Economia Solidária

Área de Inclusão Social Departamento de Economia Solidária Atuação no Microcrédito Produtivo Programas de Apoio ao Microcrédito Produtivo Programa de Crédito Produtivo Popular PCPP Programa de Microcrédito PM Programa de Microcrédito PMC 1996 1997 2003 2004 2005...

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO. Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014

O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO. Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014 O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014 Sistema Financeiro Nacional Instituições Financeiras Captadoras de Depósitos à Vista Bancos Múltiplos Bancos Comerciais

Leia mais

Apresentação A Investe Rio é uma instituição financeira não bancária, sociedade de economia mista com personalidade jurídica de direito privado, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia,

Leia mais

2º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS

2º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS 2º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS Msc. Economista Carlos Kibuba INAPEM-MALANJE carloskibuba@hotmail.com GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS CARLOS QUIBUBA REPRESENTANTE PROVINCIAL DO INAPEM-MALANJE.

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio fundador de Amaro, Stuber e Advogados Associados, e ADRIANA MARIA GÖDEL é advogada

Leia mais

? CRISTIANO MROSS - ABCRED

? CRISTIANO MROSS - ABCRED O QUE É NECESSÁRIO PARA MASSIFICAR O MICROCRÉDITO?? CRISTIANO MROSS - ABCRED Rio de Janeiro, setembro 2007 Recursos Financeiros com Fluxo Estável Sistema Nacional de Microcrédito Recursos não Financeiros

Leia mais

SEBRAE/AL Edital 01/2015 ERRATA 02 Credenciamento de Pessoas Jurídicas para compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE

SEBRAE/AL Edital 01/2015 ERRATA 02 Credenciamento de Pessoas Jurídicas para compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE SEBRAE/AL Edital 01/2015 ERRATA 02 Credenciamento de Pessoas Jurídicas para compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Microcrédito Produtivo Orientado Grandes números no mundo

Microcrédito Produtivo Orientado Grandes números no mundo Microcrédito Produtivo Orientado Grandes números no mundo Leste Europeu e Ásia Central Carteira Bruta (US$) 3,6 bilhões Ticket Médio (US$) 1.570,4 Quant. de Tomadores 2,3 milhões Leste Asiático e Pacífico

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Redução da Pobreza no Brasil

Redução da Pobreza no Brasil Conferencia Business Future of the Americas 2006 Câmara Americana de Comércio Redução da Pobreza no Brasil Resultados Recentes e o Papel do BNDES Demian Fiocca Presidente do BNDES Rio de Janeiro, 5 de

Leia mais

em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Norte

em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Norte em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Norte O desempenho e os resultados alcançados pelo Sicoob Norte em comprovam as vantagens do trabalho coletivo em cooperativa. Mesmo num ano de muitas

Leia mais

NEGÓCIO MISSÃO. Crédito e Serviços Financeiros.

NEGÓCIO MISSÃO. Crédito e Serviços Financeiros. NEGÓCIO Crédito e Serviços Financeiros. MISSÃO Garantir acesso ao crédito, fomentando negócios, empreendedorismo e competitividade, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do Estado de Mato Grosso.

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento

1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento 1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento O EMPREENDEDORISMO E O MERCADO DE CAPITAIS - Luiz Guilherme

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO DIREITO 1º SEMESTRE DE 2014

CONTABILIDADE APLICADA AO DIREITO 1º SEMESTRE DE 2014 CONTABILIDADE APLICADA AO DIREITO 1º SEMESTRE DE 2014 Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da DIREITO GV (GVlaw) FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERC ADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: NOVEMBRO/2014

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

InovaCamp. Dezembro / 2014

InovaCamp. Dezembro / 2014 InovaCamp Dezembro / 2014 O Programa São Paulo Inova é uma iniciativa do Estado de São Paulo para apoiar empresas paulistas de base tecnológica e de perfil inovador em estágio inicial ou em processo. O

Leia mais

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro Geraldo José Lombardi de Souza, Paulo César Ribeiro Quintairos, Jorge

Leia mais

Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi

Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi Prof. :Dalton Dutra Objetivo Estimular a participação de graduados em cursos de

Leia mais

APOIO FINANCEIRO PARA DESIGN NAS

APOIO FINANCEIRO PARA DESIGN NAS APOIO FINANCEIRO PARA DESIGN NAS EMPRESAS Mecanismos de apoio e financiamento para empresas investirem em design Identificação do apoio/ financiamento mais apropriado Duas questões básicas Expectativa/necessidade

Leia mais

Apoio do BNDES à Inovação

Apoio do BNDES à Inovação Atribuição-Sem Derivações-Sem Derivados CC BY-NC-SA Apoio do BNDES à Inovação 28 de Abril de 2015 Missão e Visão Missão Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira, com

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais