Reforma Protestante e Contrarreforma

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reforma Protestante e Contrarreforma"

Transcrição

1 Reforma Protestante e Contrarreforma

2

3 Causas As pessoas que não corcondavam com o comportamento do alto e baixo clero e com a maneira que a Igreja era conduzida. Corrupção do clero religioso: para ganhar dinheiro, o alto clero de Roma iludia a boa fé das pessoas através do comércio de relíquias sagradas. Milhares de pessoas eram enganadas comprando espinhos que coroaram a fronte de Cristo, panos embebidos pelo sangue do rosto do Salvador, objetos pessoais dos santos etc. Além desse Comércio fraudulento, a Igreja passou a vender, também, indulgências, isto é, o perdão dos pecados. Mediante um bom pagamento, destinado a financiar obras da Igreja, os fiéis poderiam comprar a salvação e a entrada para o céu. Os grupos heréticos que acabavam tendo grande repercussão na Europa, como por exemplo os cátaros.

4 Ignorância do clero: a maior parte dos sacerdotes desconhecia a própria doutrina católica e demonstrava absoluta falta de preparo para funções religiosas. A ignorância e o mau comportamento do clero representavam sério problema, pois a Igreja dizia que os sacerdotes eram os intermediários entre os homens e Deus. Ora, se esses intermediários se mostravam ignorantes e incompetentes, era preciso buscar novos caminhos para o encontro com Deus. Com a utilização da imprensa, o número de exemplares da Bíblia aumentou, chegando na mão de estudiosos, que começaram a acreditar em outras doutrinas cristãs

5 A Igreja católica, durante o período medieval, condenava o lucro excessivo (a usura) e defendia o preço justo. Essa moral econômica entrava em choque com a ganância da burguesia. Grande número de comerciantes não se sentia à vontade para extrair o lucro máximo. Viviam ameaçados com o inferno. Os interessados nos lucros do comércio sentiram a necessidade de urna nova ética religiosa, mais adequada á época de expansão comercial e de transição do feudalismo para o capitalismo. Como veremos mais adiante, a ética protestante mostrou-se bem mais identificada com o espírito dos tempos modernos. Com o fortalecimento das monarquias nacionais, os reis passaram a encarar a Igreja, que tinha sede no Vaticano e utilizava o latim, como entidade estrangeira que interferia em seus países. A Igreja, por seu lado, insistia em se apresentar como instituição universal que unia o mundo cristão.

6 O Fator Político: Pode ser considerado como uma das causas indiretas e importantes para a eclosão da Reforma. As novas nações/estados, centralizadas ao Noroeste da Europa, se opunham à noção de uma Igreja universal que reivindicasse jurisdição sobre o Estado nacional e seu governo. O Fator Econômico: As terras da Igreja Romana na Europa ocidental eram cobiçadas pelos governantes nacionais, pela nobreza e pela classe média das nações/estados. Os governantes lamentavam a perda do dinheiro enviado para o tesouro papal em Roma. Além disso, o clero estava isento dos impostos dos Estados nacionais, sendo uma sanguessuga incessante! Também é relevante, nesta questão econômica, comentarmos sobre a problemática das indulgências.

7 O Fator Intelectual: Deve-se à postura crítica, adotada por homens de mentes lúcidas e secularizadas diante da vida religiosa dos seus dias. O humanismo da Renascença, especialmente na Itália, criou um espírito secular semelhante àquele que caracterizou a Grécia clássica. Obviamente, as mentes desembotadas do humanismo não podiam digerir os embustes do romanismo, dando espaço para que cristãos mais esclarecidos pudessem desatar o Cristianismo das cadeias da ignorância. O Fator Moral: Os estudiosos humanistas, que possuíam o Novo Testamento em grego, perceberam logo a discrepância entre a Igreja neotestamentária que viam na Bíblia e as práticas da Igreja Católica Romana. A corrupção antigira todos os escalões da hierarquia eclesiástica - prostituição, suborno, corrupção, assassinatos, cobranças de indulgências, etc. Enfim, a conjuntura dos fatos mostravam o quanto a Igreja Católica Romana estava em trevas.

8

9 Luteranismo O Luteranismo é um ramo do Cristianismo fundado por Martinho Lutero, pioneiro da Reforma da Igreja Católica na Alemanha. A partir de 1517, sendo sua orientação teológica a base doutrinária de todas as Igrejas Luteranas espalhadas pelo mundo.

10 o O professor da Universidade de Wittenberg, Martinho Lutero, não concordou com a venda de indulgências do clero, e por isso, afixou na porta da igreja de Wittenberg uma lista com 95 teses em que protestava contra esta atitude e expunha alguns elementos de sua doutrina religiosa. o Vários fatores sociais e econômicos facilitaram a difusão das ideias de Lutero: A sede do Sacro Império Romano Germânico ficava na Espanha, e o imperador, aliado do papa, procurava preservar sua unidade em terras alemãs e a autoridade sobre seus príncipes e nobres. Então a maioria das terras alemãs pertencia à Igreja católica. A nobreza e a burguesia, cheias de cobiça, estavam descontentes com a igreja e o comando do imperador. Os artesãos e camponeses também culpavam a igreja por seu estado de fome e miséria.

11 Lutero apoiou os ricos durante a Revolta Camponesa, e em troca conseguiu aliados entre a nobreza e a alta burguesia, que o ajudaram a divulgar sua doutrina em outros lugares e também protestaram contra as medidas, tomadas pelo imperador contra ele, que impediam cada Estado de adotar sua própria religião. Não sendo atendidos pelo imperador Carlos V, o grupo de príncipes protestantes formou a Liga de Schmalkalden para lutar contra as forças católicas ligadas ao império. Somente 24 anos depois o imperador concordou com a existência de igrejas luteranas. Monge alemão Martinho Lutero.

12 Principios: não é possivel obter o perdão por meio da confissão era necessário manter uma postura adequada ao longo de toda vida. A salvação dependia de uma conduta moral adequada, da fé religiosa e da oração.

13 Luteranismo: Na religião protestante não é possível obter o perdão por meio da confissão; Era necessario manter uma postura adequada ao longo de toda vida A salvação dependia de uma conduta moral adequada: a da fé religiosa e das orações Lutero Vitral de uma igreja Luterana

14 Calvinismo João Calvino foi perseguido em sua terra natal. Refugiou-se então na Suíça com o objetivo de desenvolver outra compreensão sobre as questões de fé levantadas por Martinho Lutero.

15 O Calvinismo dizia basicamente que, Deus escolheria as pessoas com vida materialmente próspera. Ocupada pelo trabalho e afastada das ostentações materiais.

16 o Tinha a crença de que os seres humanos estavam predestinados a ser salvos e que alguns seriam os eleitos de Deus. Na capacidade de enriquecer por intermédio do fiel era um dos sinais que se usava para saber se este era um dos eleitos de Deus. o Para o protestante calvinista, cada minuto dedicado ao trabalho e ao enriquecimento aumentava a glória divina. o Esta religião foi adotada por muitos burgueses. Como a Igreja Católica condenava o comércio, o Calvinismo apoiava a ideia de enriquecimento. o O Calvinismo auxiliou no desenvolvimento do capitalismo, nas regiões onde este foi implantado. Francês João Calvino que propôs a teoria do Calvinismo.

17 A sarça ardente, símbolo do calvinismo Livro de Laurence M. Vance O Outro Lado Do Calvinismo

18 Calvinismo Sendo um bom cristão, trabalhando muito, seguindo sempre todos os princípios bíblicos, o Calvinista prova a si mesmo que foi um escolhido, pelo seu sucesso como cristão. Não é a sua própria ação, mas de Deus, pois se Deus trabalha por ele, ele conclui que foi um dos eleitos. Calvinismo é tanto um movimento religioso protestante quanto uma ideologia sociocultural com raízes na Reforma iniciada por João Calvino em Genebra no século XVI.

19 Anglicanismo Na Inglaterra, o rei Henrique VIII ( , tinha uma relação pouco harmoniosa com sua esposa quando, no ano de 1527, o rei inglês exigiu que o papa anulasse seu casamento com a rainha espanhola Catarina de Aragão.

20 A partir disso, o Rei teve um poder religioso enorme, podendo escolher os cargos na Igreja. Henrique VIII casou-se com a jovem Ana Bolena.

21 O Rei alegava que sua esposa não teve condições para lhe oferecer um herdeiro forte e saudável que desse continuidade à sua dinastia. Mas o papa não atendeu o Rei, pois o tio de Catarina ajudava a Igreja contra os luteranos. No ano de 1534, a Igreja Anglicana foi criada, por que o Rei Henrique fez com que a igreja fosse controlada pelo estado.

22 o Entre os principais fatores que provocaram a Reforma anglicana, destacam-se os seguintes: Fortalecimento da monarquia: Henrique VIII tinha que retirar a influência do papa na Inglaterra para o fortalecimento do poder da monarquia. Posse das terras da Igreja: a nobreza apoiava o rei para se apossar das terras e bens da igreja Recusa ao pedido de divórcio do rei Henrique VIII: o rei Henrique VIII estava descontente com seu casamento, e queria anulá-lo. Depois de uma vez o pedido recusado, conseguiu que o alto clero e o parlamento reconhecessem a validade de suas intenções e votassem o Ato de Supremacia, pelo qual considerava Henrique VIII o chefe supremo da Igreja da Inglaterra. Criava-se a nova Igreja anglicana, mas nada foi modificado em termos de doutrina e culto em relação a católica....

23 o Os ingleses, por juramento, deviam submeter-se ao rei da Inglaterra e não ao papa, caso contrário seriam excomungados e perseguidos pela justiça. o Após a fundação da Igreja anglicana, surgiram, com os sucessores de Henrique VIII, urna série de lutas religiosas internas. Símbolo Anglicano

24 Anglicanismo A Igreja da Inglaterra também denominada Igreja Anglicana ou Anglicanismo é a Igreja e a denominação cristã estabelecida oficialmente na Inglaterra. A Igreja da Inglaterra compreende-se como católica e reformada: Católica, na medida em que se define como uma parte da Igreja Católica de Jesus Cristo, em perfeita e válida continuidade com a Igreja apostólica. Reformada, na medida em que ela foi moldada por alguns dos princípios doutrinários e institucionais da Reforma Protestante do século XVI, nos princípios calvinistas. O seu caráter mais Reformado encontra-se na expressão dos Trinta e Nove Artigos de Religião, elaborado em 1563 como parte do estabelecimento da via média de religião sob a rainha Elizabeth I da Inglaterra. Os costumes e a liturgia da Igreja da Inglaterra, expresso no Livro de Oração Comum, são baseados em tradições da pré-reforma, com influência dos princípios da Reforma litúrgica e doutrinária de inspiração protestante. Porém, compreende-se também como Protestante, na medida em que não está subordinada ao Vaticano nem ao papa.

25 Contrarreforma Católica Em resposta ás críticas dos protestantes, a Igreja Católica fortaleceu a Inquisição. Seu objetivo era combater as heresias e os hereges. Os denunciados eram presos, e se não confessassem seu comportamento herético, permaneciam presos, acorrentados, em jejum e podiam ser torturados. Se o herege fosse condenado, ele era queimado vivo em cerimônia pública. Havia penas mais leves, como o exílio ou o confisco dos bens.

26 Entre 1545 e 1563, a Igreja Católica tomou diversas decisões para exercer mais controle sobre a prática de seus fies. Esse processo se denominou Contrarreforma

27 o A Contrarreforma, de modo geral, consistiu em um conjunto de medi-das tomadas pela Igreja Católica que atuava contra outras denominações religiosas e promovia meios de expansão da fé católica. o Uma das principais medidas tomadas foi a criação da Companhia de Jesus, em que os jesuítas deveriam expandir o catolicismo ao redor do mundo catequizando as pessoas de todas as partes dele. Utilizando um sistema de rotinas e celebrações religiosas regulares o A Companhia de Jesus conseguiu converter um grande número de pessoas nos territórios coloniais europeus. o A Inquisição, outra instituição de padres criada na Contrarreforma, teve como principal função combater o desvio dos fiéis católicos e a expansão de outras denominações religiosas. Além de perseguir protestantes, a Santa Inquisição também combateu judeus e islâmicos, que eram considerados pecadores e infiéis.

28 o Entre outras formas, a Inquisição atuava com a abertura de processos de investigação contra hereges e praticantes de bruxaria. Caso fossem comprovadas as denúncias, o acusado era punido com sanções que iam desde o voto de silêncio até a morte na fogueira. o Em 1542, o Concílio de Trento, uma reunião dos principais líderes da Igreja organizada pelo papa Paulo III, selou o conjunto de medidas tomadas pela Contrarreforma. No Concílio de Trento estabeleceu-se o princípio de infalibidade papal e a declaração do Índex, conjunto de livros proibidos pela Igreja. Além disso, a Vulgata foi estabelecida como versão oficial da Bíblia Sagrada, foi proibida a venda de indulgências e todas as doutrinas católicas foram reafirmadas. Representação da Inquisição que era outra instituição criada na Contrarreforma.

29 Contra Reforma Católica Em resposta ás críticas dos protestantes, a Igreja Católica fortaleceu a Inquisição. O objetivo era combater as heresias e os hereges.os denunciados eram presos e se não confessassem seu comportamento herético, permaneciam presos, acorrentados, em jejum e podiam ser torturados. Se o herege fosse condenado, o queimavam vivo em cerimônia pública.tinha também penas mais leves, como o exílio ou o confisco dos bens. Entre 1545 e 1563, a Igreja Católica tomou diversas decisões para exercer mais controle sobre a prática de seus fies. Esse processo se denominou Contrarreforma.

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

Reformas Religiosas Monique Bilk

Reformas Religiosas Monique Bilk Reformas Religiosas Monique Bilk Contexto Início da Idade Moderna O Renascimento estimula a crítica e o livre-pensar A burguesia tem projetos que esbarram nos obstáculos que a Igreja coloca... (doutrina

Leia mais

As reformas religiosas do século XVI

As reformas religiosas do século XVI As reformas religiosas do século XVI Crise na Igreja: a contestação e a ruptura Prof. Nilson Urias Crises religiosas na Europa No início do século XVI, a Igreja vivia uma época de profunda crise. Século

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE MOVIMENTO DE CONTESTAÇÃO AOS DOGMAS DA IGREJA CATÓLICA, APÓS SÉCULOS DE FORTE PODER INFLUÊNCIA NA EUROPA.

Leia mais

PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento) e a divisão da Igreja

PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento) e a divisão da Igreja A REFORMA RELIGIOSA A REFORMA, FOI UM MOVIMENTO RELIGIOSO EM OPOSIÇÃO À IGREJA CATÓLICA PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento)

Leia mais

Aula 24 Reforma e contrarreforma

Aula 24 Reforma e contrarreforma FB MED, M3, 3 ANO e ANUAL. Aula 24 Reforma e contrarreforma DeOlhoNoEnem H3 - Associar as manifestações culturais do presente aos seus processos históricos.(análise das diversas práticas protestantes)

Leia mais

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015 Crise da Igreja no séc. XVI Reforma Religiosa e Contra-Reforma Muitos Humanistas criticaram a Igreja de então devido ao comportamento dos seus membros: Os Papas estavam mais interessados no luxo e no seu

Leia mais

OS ATAQUES CONTRA A IGREJA

OS ATAQUES CONTRA A IGREJA OS ATAQUES CONTRA A IGREJA A quebra da unidade cristã No inicio dos tempos modernos, a Igreja foi o alvo favorito das críticas sociais. Despejavam-se ataques contra o comportamento imoral dos sacerdotes,

Leia mais

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 8º Ano Apresentação nº 10 Renascimento e Reforma Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Leia mais

História_A. Trabalho Realizado por: Patrícia Santo 10ºHLH Nº19

História_A. Trabalho Realizado por: Patrícia Santo 10ºHLH Nº19 História_A Trabalho Realizado por: Patrícia Santo 10ºHLH Nº19 O tema fucal deste trabalho é a Reforma protestante, onde irei abordar os seguintes subtópicos: Os motivos que levaram ao surgimento desta

Leia mais

Reforma Religiosa. Reforma Religiosa. Reforma Religiosa. Reforma Religiosa 05/09/2012

Reforma Religiosa. Reforma Religiosa. Reforma Religiosa. Reforma Religiosa 05/09/2012 Rompimento da Unidade da Igreja Católica devido ao surgimento de novas religiões. ORIGEM Martinho Lutero, em 1517, rompeu com o Papa Leão X por causa da venda das indulgências. Publicou as 95 Teses em

Leia mais

Reformas religiosas Reforma protestante

Reformas religiosas Reforma protestante Reformas religiosas Reforma protestante Durante a Idade Média, o poder tanto político quanto econômico estava nas mãos da Igreja Católica. Contrariando alguns ensinamentos do cristianismo tradicional,

Leia mais

Grandes Santos de Deus.

Grandes Santos de Deus. Grandes Santos de Deus. Grupo de da IBRVN 2010 2010 John Wyckliff (1320 31 /12/1384) A estrela Matutina da Reforma. Valoroso campeão da Verdade! Foi professor da Universidade de Oxford, teólogo e reformador

Leia mais

Fatores religiosos: Corrupção do clero religioso : Venda de relíquias sagradas; venda de indulgencias; lotes celestiais; Ignorância do clero a maior

Fatores religiosos: Corrupção do clero religioso : Venda de relíquias sagradas; venda de indulgencias; lotes celestiais; Ignorância do clero a maior Fatores religiosos: Corrupção do clero religioso : Venda de relíquias sagradas; venda de indulgencias; lotes celestiais; Ignorância do clero a maior parte dos sacerdotes desconhecia a própria doutrina

Leia mais

Renascimento Cultural

Renascimento Cultural Renascimento Cultural Conceito: O Renascimento foi um movimento importante, de renovação cultural e artística que se originou na Itália no séc. XIV e marcou a mudança da idade Média para a idade Moderna.

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA

REFORMA E CONTRARREFORMA REFORMA E CONTRARREFORMA CONHECER E COMPREENDER A REFORMA PROTESTANTE Porque houve uma Reforma religiosa na Europa? Venda de indulgências Luxo da Igreja Corrupção Falta de vocação de membros do Clero Afastamento

Leia mais

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Hugo Goes A Bíblia é formada por duas partes: o Antigo Testamento e o Novo Testamento. Em relação ao Novo Testamento, não há nenhuma diferença entre a

Leia mais

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9 Os Legados da Reforma Protestante Sobre o Indivíduo 2/9 Criado por Pedro Siena Neto em 03/2015 O legado da reforma sobre o indivíduo o trabalho a comunidade a intervenção divina a educação a economia o

Leia mais

A REFORMA PROTESTANTE E A REAÇÃO CATÓLICA

A REFORMA PROTESTANTE E A REAÇÃO CATÓLICA A REFORMA PROTESTANTE E A REAÇÃO CATÓLICA Dawson Campos de Lima Durante a Idade Média, a Igreja Católica foi objeto de diversos movimentos que se propunham a reformar suas estruturas, corrigindo abusos

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

Condições Gerais. Políticas: Crise do Feudalismo Crescimento da Burguesia Rei não aceita interferência da Igreja Supranacionalismo Papal

Condições Gerais. Políticas: Crise do Feudalismo Crescimento da Burguesia Rei não aceita interferência da Igreja Supranacionalismo Papal Condições Gerais Políticas: Crise do Feudalismo Crescimento da Burguesia Rei não aceita interferência da Igreja Supranacionalismo Papal Econômicas: Nobreza interessada nas Terras da Igreja Burguesia contra

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO MAX WEBER é a ÉTICA PROTESTANTE Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2013 A Importância da teoria sociológica de Max Weber A obra do sociólogo alemão Max Weber para análise

Leia mais

Antecedentes da Reforma

Antecedentes da Reforma Antecedentes da Reforma Desde o renascimento do Sacro Império Romano por Otão I em 962, os Papas e os Imperadores envolveram-se numa contínua luta pela supremacia. Este conflito resultou geralmente em

Leia mais

CIDADES CONSTRUÍDAS SOBRE 7 COLINAS

CIDADES CONSTRUÍDAS SOBRE 7 COLINAS CIDADES CONSTRUÍDAS SOBRE 7 COLINAS Só uma cidade com mais de 2000 anos tem sido conhecida como a cidade dos sete montes. Essa cidade é Roma. A COTHOLIC ENCYCLOPEDIA declara: ''É dentro da cidade de Roma,

Leia mais

Conteúdo para recuperação do I Semestre. 7º ANO Feudalismo; A crise do sistema feudal.

Conteúdo para recuperação do I Semestre. 7º ANO Feudalismo; A crise do sistema feudal. Conteúdo para recuperação do I Semestre I Bimestre II Bimestre 7º ANO Feudalismo; A crise do sistema feudal. As Reformas Religiosas; A África. Feudalismo; Sistema político, econômico e social que se formou

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

DICAS DO PROFESSOR. História 7º Ano

DICAS DO PROFESSOR. História 7º Ano DICAS DO PROFESSOR História 7º Ano A REFORMA PROTESTANTE AS PRINCIPAIS CRÍTICAS DE LUTERO Vida desregrada; Opulência; Luxo do alto clero; Venda de cargos; Venda de relíquias sagradas; Venda de indulgências.

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

OBJETIVOS. FEB EADE Livro I - Módulo II Roteiro 25 A reforma protestante

OBJETIVOS. FEB EADE Livro I - Módulo II Roteiro 25 A reforma protestante OBJETIVOS Elaborar uma linha histórica que retrate os marcos significativos da Reforma Protestante. Citar dados biográficos dos principais reformadores. Explicar a importância da Reforma Protestante no

Leia mais

História da Educação I. Prof. Fernando Roberto Campos

História da Educação I. Prof. Fernando Roberto Campos História da Educação I Prof. Fernando Roberto Campos Reflexão A torneira seca (mas pior: a falta de sede). a luz apagada (mas pior: o gosto do escuro). a porta fechada (mas pior: a chave por dentro). José

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE. 1- CONTEXTO HISTÓRICO: 1.1- Início do século XVI no Norte da Europa.

REFORMA PROTESTANTE. 1- CONTEXTO HISTÓRICO: 1.1- Início do século XVI no Norte da Europa. REFORMA PROTESTANTE 1- CONTEXTO HISTÓRICO: 1.1- Início do século XVI no Norte da Europa. 1.2- Processo final de formação das monarquias nacionais absolutistas. 1.3- Grandes navegações: transformações econômicas,

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS França e Inglaterra Contexto: Cruzadas O Poder Real Ganha Força Burguesia Renascimentos Comercial e Urbano Aliança Rei-Burguesia versus Senhores Feudais e Igreja Os senhores

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO 01) O Estado moderno, que representou o fim das concepções políticas medievais, encontrou vários teóricos. Entre eles merecem destaque Maquiavel,

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 6 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Observe a imagem e responda às questões 1 e 2. REPRODUÇÃO 1. Cite dois elementos presentes na imagem que representam a Igreja católica.

Leia mais

REFORMAS RELIGIOSAS SÉC XVI.

REFORMAS RELIGIOSAS SÉC XVI. REFORMAS RELIGIOSAS SÉC XVI INTRODUÇÃO CONTEXTO: Transição feudo-capitalista. Crise do poder clerical na Europa Ocidental. Crise do pensamento teocêntrico europeu. DEFINIÇÃO Quebra do monopólio católico

Leia mais

RENASCIMENTO CULTURAL

RENASCIMENTO CULTURAL RENASCIMENTO CULTURAL O termo renascimento, ou renascença, faz referência a um movimento intelectual e artístico ocorrido na Europa, entre os séculos XV e XVI, durante a transição da Idade Média para a

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

2. O texto e a gravura abaixo se referem ao contexto de um importante processo histórico ocorrido no século XVI em vários países europeus.

2. O texto e a gravura abaixo se referem ao contexto de um importante processo histórico ocorrido no século XVI em vários países europeus. 1. As guerras de religião na França (século XVI) e a Guerra dos Trinta Anos (1618 1648) marcaram profundamente as sensibilidades coletivas e exerceram uma influência considerável na reflexão política produzida

Leia mais

IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima. Prof.ª. Maria Auxiliadora

IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima. Prof.ª. Maria Auxiliadora IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima Prof.ª. Maria Auxiliadora Mudanças no final da Idade Média Política - Nobreza e Clero perdem o poder - Rei centraliza o poder

Leia mais

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo Parlamento Inglês -Rainha Elizabeth I (1558-1603) maior exemplo de poder absoluto na Inglaterra daquele tempo; - Maquiavélica; - Enquanto

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

Crise no Império Romano. Capítulo 6

Crise no Império Romano. Capítulo 6 Crise no Império Romano Capítulo 6 A falta de escravos leva ao aparecimento do sistema do colonato. Corte nas verbas do exército, gera revolta e briga entre os generais. Os generais passam a não obedecer

Leia mais

Dia da Bíblia. Bíblia Sagrada Uma Pequena Grande Biblioteca

Dia da Bíblia. Bíblia Sagrada Uma Pequena Grande Biblioteca Dia da Bíblia Bíblia Sagrada Uma Pequena Grande Biblioteca Ao Rebanho de Deus - Pr. José Nogueira - Hoje estamos celebrando o Dia da Bíblia! O Dia da Bíblia surgiu em 1549, na Grã-Bretanha, quando Thomas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 9 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP FINALIDADE: Estudar dois movimentos ocorridos na Europa no início dos tempos

Leia mais

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver.

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. Richard Baxter Contexto: Os puritanos surgiram para apoiar e desejar a reforma

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

Queriam uma religião mais simples, mais próxima dos ensinamentos de Jesus.

Queriam uma religião mais simples, mais próxima dos ensinamentos de Jesus. Como estudamos anteriormente, no final de Idade Média e início da Idade Moderna, muitas pessoas estavam insatisfeitas com os abusos da Igreja. Queriam uma religião mais simples, mais próxima dos ensinamentos

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

Feudalismo Europa Ocidental

Feudalismo Europa Ocidental IDADE MÉDIA Feudalismo Europa Ocidental No que diz respeito a Europa Ocidental, podemos afirmar que a Idade Média assistiu à formação do feudalismo, que nasceu em meio a desagregação do Império Romano

Leia mais

06. REFORMAS RELIGIOSAS

06. REFORMAS RELIGIOSAS 06. REFORMAS RELIGIOSAS O clero e a Igreja Católica Igreja Católica instituição mais poderosa na Baixa Idade Média (séc. XI ao XV) única autoridade espiritual líder religioso único maior poder do que os

Leia mais

Econômicas Religiosas Morais Políticas

Econômicas Religiosas Morais Políticas Prof. Thiago Causas da Reforma Econômicas Interesse da nobreza feudal nas terras da Igreja Descontentamento da Burguesia com tributos eclesiásticos Igreja condenava o lucro e a usura Religiosas Novas interpretações

Leia mais

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo Aprimoramento 3 parte 2 Prof. Osvaldo 03. (UFPR) Leia os seguintes excertos da Magna Carta inglesa de 1215. 12 Nenhum imposto ou pedido será estabelecido no nosso reino sem o consenso geral. [...] que

Leia mais

Reforma Protestante: Igreja reformada, sempre se reformando. 31 de outubro: Dia da Reforma

Reforma Protestante: Igreja reformada, sempre se reformando. 31 de outubro: Dia da Reforma Reforma Protestante: Igreja reformada, sempre se reformando 31 de outubro: Dia da Reforma Uma sugestão para realizar o jogral é que as leitoras e leitores representem todas as classes de escola dominical,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

Apostila de História. Enem no Belém. Nome:

Apostila de História. Enem no Belém. Nome: Apostila de História Enem no Belém Nome: 2015 Do Feudalismo ao Capitalismo Por volta do século XII, com a desintegração do feudalismo, começa a surgir um novo sistema econômico, social e politico. Denominado

Leia mais

10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA. No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro.

10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA. No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro. 10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro. 10. Maria Stuart País que governou Escócia Período 1542-1567

Leia mais

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL A CRISE DO SISTEMA FEUDAL O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FEUDAL NA EUROPA OCIDENTAL O apogeu do feudalismo ocorre entre os séculos IX e XIII; 4. CAUSAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO FEUDALISMO Fim das invasões

Leia mais

Livre Cópia - Distribuição Gratuita. Livre Cópia - Distribuição Gratuita

Livre Cópia - Distribuição Gratuita. Livre Cópia - Distribuição Gratuita Livre Cópia - Distribuição Gratuita 16 1 Livre Cópia - Distribuição Gratuita 16 1 Livre Cópia - Distribuição Gratuita Internet: http://members.xoom.com/profcarlos/ seguiam o judaísmo às escondidas. É mais

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades Resoluções das atividades Sumário Capítulo 12 Expansão marítima e comercial europeia...1 Capítulo 13 Fim da Idade Média e Renascimento cultural...2 Capítulo 14 Reformas religiosas, Antigo Regime e absolutismo...3

Leia mais

O CAMINHO PARA A REFORMA A VIDA DE LUTERO A TEOLOGIA DE LUTERO

O CAMINHO PARA A REFORMA A VIDA DE LUTERO A TEOLOGIA DE LUTERO A REFORMA O CAMINHO PARA A REFORMA A VIDA DE LUTERO A TEOLOGIA DE LUTERO TENTATIVAS DE REFORMA Nunca faltaram tentativas de reformar toda a igreja. Mas na maioria das vezes acabaram sem grandes sucessos.

Leia mais

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL 1. Analise os quesitos a seguir e assinale, nos itens I e II, a única opção correta: (1,0 ponto) I. Observe a tirinha do Hagar e o texto de Alberto Caeiro: Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO História CONTEÚDO: CAP 3 - Islã CAP 4 Francos e Carolíngios 6ª 3 P2 REVISÃO 1. Na Arábia pré-islâmica, uma cidade em especial se transformou num ponto de encontro,

Leia mais

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO?

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? A palavra Concílio significa assembleia reunida por convocação e, na Igreja, um concílio sempre teve como objetivo discutir, definir e deliberar sobre questões de

Leia mais

Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra)

Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra) Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra) Apresentamos um conjunto de 8 PowerPoint que abordam todos os conteúdos programáticos e das Metas Curriculares do 8.º ano. Estes obedecem

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

IDADE MODERNA A REFORMA PROTESTANTE

IDADE MODERNA A REFORMA PROTESTANTE REFORMA PROTESTANTE REFORMA PROTESTANTE OTESTANT IDADE MODERNA Definição: movimento religioso que rompeu com a autoridade da Igreja Católica, dando origem a novas religiões cristãs; Quando: a partir do

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

Razões políticas na Reforma

Razões políticas na Reforma A REFORMA PROTESTANTE: DIVISÕES, CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS Razões políticas na Reforma A Reforma protestante foi iniciada por Martinho Lutero, embora tenha sido motivada primeiramente por razões religiosas,também

Leia mais

REFORMAS RELIGIOSAS LISTA DE EXERCÍCIOS

REFORMAS RELIGIOSAS LISTA DE EXERCÍCIOS 1. (Fgvrj 2013) A Reforma, a despeito de sua hostilidade à magia, estimulara o espírito de profecia. A abolição dos intermediários entre o homem e a divindade, bem como a ênfase na consciência individual,

Leia mais

REFORMA E CONTRA-REFORMA

REFORMA E CONTRA-REFORMA REFORMA E CONTRA-REFORMA As reformas religiosas no século XVI Crises religiosas anteriores ao século XVI Séculos XII-XIII: Heresia dos Cátaros (França). Século XIV: John Wycliff contesta a autoridade do

Leia mais

VESTIBULAR 2013 1ª Fase. HISTÓRIA Grade de Correção. Instruções Gerais: Instruções para a prova de História:

VESTIBULAR 2013 1ª Fase. HISTÓRIA Grade de Correção. Instruções Gerais: Instruções para a prova de História: Instruções Gerais: VESTIBULAR 2013 1ª Fase HISTÓRIA Grade de Correção Hoje você deverá responder às questões de Artes e Questões Contemporâneas, História, Geografia e de Raciocínio Lógico-Matemático. Você

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Ms: Edson Fasano Sociedade Capitalista: Revoluções Inglesas. A Organização da Aula 1º Bloco: A Inglaterra do século XVI; 2º Bloco: - A Revolução Puritana e Gloriosa; 3º Bloco:

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime A formação do Absolutismo Inglês Medieval Territórios divididos em condados (shires) e administrados por sheriffs (agentes reais) submetidos ao poder

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848 IDADE CONTEMPORÂNEA Europa do século XIX O século XIX apresentou, na Europa, a consolidação dos ideais burgueses liberais e a vitória sobre as forças conservadoras/reacionárias. O avanço das forças produtivas

Leia mais

HISTÓRIA 7ºano 2º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

HISTÓRIA 7ºano 2º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES Capítulo 6 RENASCIMENTO CULTURAL 1. O Renascimento surgiu primeiro na região onde hoje é a Itália. Sobre as razões para que o movimento renascentista europeu se iniciasse na Península Itálica afirmamos

Leia mais

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento A palavra Bíblia deriva do grego: ta biblía; plural de: ton biblíon. E significa "livros" Logo descobrimos que a Bíblia é uma coleção de livros! Nós, cristãos,

Leia mais

PESQUISA: A PRIMEIRA EDUCAÇÃO NO BRASIL: GÊNESE E FUNDAMENTOS.

PESQUISA: A PRIMEIRA EDUCAÇÃO NO BRASIL: GÊNESE E FUNDAMENTOS. 1 PESQUISA: A PRIMEIRA EDUCAÇÃO NO BRASIL: GÊNESE E FUNDAMENTOS. Autora: SANDRA BOTELHO CHAVES Núcleo : História e Filosofia da Educação - Mestranda: Orientador: Profº Drº José Maria de Paiva A presente

Leia mais

Fonte: Correio Cathólico 11 de maio de 1935

Fonte: Correio Cathólico 11 de maio de 1935 134 135 136 Fonte: Correio Cathólico 09 de novembro de 1935 Fonte: Correio Cathólico 08 de agosto de 1936 137 Fonte: Correio Cathólico 31 de outubro de 1936 A oposição do catolicismo à maçonaria é datada

Leia mais

Sumário detalhado 1. A Reforma: uma introdução O cristianismo no final da Idade Média O humanismo e a Reforma...54

Sumário detalhado 1. A Reforma: uma introdução O cristianismo no final da Idade Média O humanismo e a Reforma...54 Sumário Sumário detalhado...4 Prefácio à quarta edição... 11 Como usar este livro... 14 1. A Reforma: uma introdução... 17 2. O cristianismo no final da Idade Média... 41 3. O humanismo e a Reforma...

Leia mais

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Prof: Otto BARRETO Os ingleses foram os primeiros a aprender a dominar o Leviatã, e a fazer dele seu servo em

Leia mais

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10)

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 04 Teorias políticas da Idade Média O b j e t i v o s : - Entender a evolução

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

Sistema feudal. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Blaise Pascal 15

Sistema feudal. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Blaise Pascal 15 Sistema feudal Com o declínio da mão de obra escrava no Império Romano, a consolidação da economia passa a ser feita a partir do estabelecimento de acordos entre ricos e pobres, onde o rico se propõe a

Leia mais

Solenidade de Nossa Senhora Auxiliadora

Solenidade de Nossa Senhora Auxiliadora BELO HORIZONTE, 21 DE MAIO DE 2010 Nº 002 Prezados Salesianos, demais grupos da Família Salesiana e Leigos, No dia 24 de maio, celebramos a Solenidade de Nossa Senhora Auxiliadora, padroeira de toda a

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

Reforma Religiosa. Século XVI

Reforma Religiosa. Século XVI Reforma Religiosa Século XVI Motivos A Igreja representava e defendia o estamento feudal (alto e baixo clero) Pode-se considerar que, na época, a Igreja era semelhante a uma multinacional com sede em Roma

Leia mais

ANO DA FÉ A VIRGEM MARIA PARTE 2

ANO DA FÉ A VIRGEM MARIA PARTE 2 ANO DA FÉ A VIRGEM MARIA PARTE 2 1- MARIA, MÃE DE DEUS (CONTINUAÇÃO) Maria é verdadeiramente Mãe de Deus, visto ser a Mãe do Filho Eterno de Deus feito homem, que é ele mesmo Deus (CIC 509). Santo Agostinho:

Leia mais

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos No Antigo Testamento são citadas algumas cartas, como no 2ºMacabeus, capi.1º. Mas é no Novo Testamento que muitas cartas foram conservadas como parte integrante da revelação de Deus. No Novo Testamento

Leia mais

Prof. Alexandre Goicochea História

Prof. Alexandre Goicochea História FRANCO Merovíngia Carolíngio ISLÂMICO Maomé Xiitas (alcorão) e Sunitas (suna e alcorão) BIZÂNTINO Justiniano Igreja Santa Sofia Iconoclastia Monoticismo (Jesus Cristo só espírito) Corpus Juris Civilis

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO Disponível em: www.seminariomaiordebrasilia.com.br Acesso em 13/03/2014 A palavra Quaresma surge no século IV e tem um significado profundo e simbólico para os cristãos

Leia mais