História do Brasil Resumo Prof Márcio Vasconcelos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "História do Brasil Resumo Prof Márcio Vasconcelos"

Transcrição

1 O DESCOBRIMENTO DO BRASIL PEDRO ALVARES CABRAL: navegador português. a esquadra enviada por D. Manuel, rei de Portugal, às Índias, tinha como objetivo estabelecer uma sólida relação comercial e política com os povos do Oriente. 22 de abril de 1500: Cabral oficializa a posse de Portugal sobre o Brasil. o Descobrimento do Brasil fez parte de um processo mais amplo de Expansão marítima, comercial e territorial realizada pelos europeus no início da Idade Moderna, ou seja, o descobrimento do Brasil e sua colonização devem ser analisados como uma etapa do desenvolvimento comercial europeu ( Mercantilismo). o Descobrimento foi fruto da expansão ultramarina realizada pela burguesia européia, marcando uma etapa do desenvolvimento comercial europeu. Nomes: Monte Pascoal Ilha de Vera Cruz Terra de Santa Cruz Brasil. Controvérsias sobre o descobrimento: + casualidade ou intencionalidade? O TERMO ÍNDIO: o termo índio nasceu de um engano histórico: ao desembarcar na América, o navegador Cristóvão Colombo chamou seus habitante de índios, pois pensava ter chegado nas Índias. outras designações para o habitante da América pré-colombiana: aborígene, ameríndio, autóctone, brasilíndio, gentio, íncola, negro da terra, nativo, bugre, silvícola, etc. o termo índio designa quem habitava e ainda habita as terras que receberiam o nome de América. DIVERSIDADE CULTURAL: os diferentes povos indígenas do Brasil (Pindorama ou Piratininga), a exemplo dos demais índios da América, tinham maneiras próprias de organizar-se: diferentes modos de vida, línguas e culturas. PERÍODO PRÉ-COLONIAL ( ) CONCEITO: período ( ) em que Portugal não se interessa pela efetiva colonização do Brasil em função deste não preencher os seus interesses mercantilistas (metais e comércio), assim como por causa do comércio com a Ásia. MOTIVOS DO DESINTERESSE DE PORTUGAL PELA COLONIZAÇÃO: os portugueses não encontraram, no Brasil, sociedades organizadas com base na produção para mercados. o Brasil não oferecia metais preciosos nem produtos para o comércio. Portugal estava concentrado em torno do comércio Oriental. durante esse período Portugal limitou-se a enviar para o Brasil expedições de reconhecimento e de defesa e iniciou a extração do paubrasil. EXPEDIÇÕES EXPLORADORAS: - Gaspar de Lemos (1501). - Gonçalo Coelho (1503). - objetivos: fazer o reconhecimento geográfico e verificar as possibilidades de exploração econômica da nova terra descoberta. - resultados: denominação dos acidentes geográficos e constatação da existência de pau-brasil. EXPEDIÇÕES GUARDA-COSTEIRAS: - Cristóvão Jacques ( ). - objetivos: policiar o litoral e expulsar os contrabandistas. EXPLORAÇÃO DO PAU-BRASIL: primeira atividade econômica portuguesa no Brasil: exploração e comércio da madeira de tinturaria. atividade extrativa, assistemática e predatória. monopólio régio uma limitação ao exercício de uma atividade econômica, salvo o seu desempenho pela Coroa ou a quem esta delegasse. escambo: tipo de relação de trabalho onde há troca de serviço/mercadoria por outra mercadoria o corte e o transporte da madeira eram feitos pelos indígenas, que, em troca, recebiam bugigangas. 1

2 O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO (1530) a constante e crescente presença francesa no litoral do Brasil: ameaça a posse portuguesa. a decadência do comércio das Índias: problemas financeiros. a descoberta de metais preciosos na América Espanhola (Peru):?! A EXPEDICÃO COLONIZADORA DE MARTIM AFONSO DE SOUSA (1530): - Objetivo: lançar os fundamentos da ocupação efetiva da terra, estabelecendo núcleos de povoamento (povoar a terra, defendê-la, organizar sua administração e sistematizara a exploração econômica: colonizar). colonizar: ocupar um região para explorá-la economicamente. - Ação colonizadora: instalação do primeiro núcleo de povoamento português no Brasil: a vila de São Vicente (1532). implantação da primeira unidade produtora de açúcar no Brasil: O Engenho do Senhor Governador ou São Jorge dos Erasmos. (1533). introdução das primeiras cabeças de gado. João Ramalho fundou Santo André da Borda do Campo. Brás Cubas fundou Santos. ADMINISTRAÇÃO COLONIAL SIGNIFICADO: - a organização político-administrativa do Brasil-Colônia estava calcada na divisão territorial em Capitanias, no estabelecimento dos Governos Gerais e na criação das Câmaras Municipais e atendia as necessidades inerentes à relação Metrópole-Colônia: promover a ocupação territorial do Brasil através do povoamento. possibilitar a efetivação do interesses mercantilistas metropolitanos. defender a colônia dos ataques e invasões das potências rivais. -evitar gastos do governo português com a ocupação e exploração do Brasil. CAPITANIAS HEREDITÁRIAS (1534): - Objetivo: acelerar a efetiva colonização do Brasil transferindo para particulares os encargos da colonização. - Funcionamento: Portugal buscava atrair os interesses de alguns nobre portugueses pelo Brasil, dando a eles direitos e poderes sobre a terra e transformando-os em donatários das capitanias. - Documentos: - Carta de Doação: estipulava a concessão da capitania ao donatário. - Foral: determinava os direitos e deveres dos donatários e funcionava como um código tributário. os donatários recebiam poderes políticos, judiciários e administrativos de que lhes advinham vantagens econômicas. fundação de vilas, concessão de sesmarias, redízima (1/10) das rendas da Coroa, vintena (5%) sobre o valor do pau-brasil e da pesca, cobrança de tributos sobre todas as salinas, moendas de água e engenhos (só podiam ser construídos com a sua licença). Características: processo de colonização descentralizado: sistema político-administrativo descentralizado. os donatários recebiam as capitanias não como proprietários, mas como administradores (posse). as capitanias eram hereditárias, indivisíveis, intransferíveis e inalienáveis. os donatários deveriam arcar com as despesas da colonização. o Brasil foi dividido em capitanias hereditárias (grandes lotes de terras) entre a donatários. para fins administrativos, a capitania no Brasil se dividia em comarcas, as comarcas em termos, e os termos em freguesias. sistema já utilizado por Portugal nas suas ilhas atlânticas: Açores, Madeira e Cabo Verde. - Capitanias que prosperaram: São Vicente (Martim Afonso de Sousa): auxílio da Coroa Portuguesa devido ao fracasso da lavoura de exportação (distância da metrópole e concorrência nordestina) foi lentamente regredindo para uma lavoura de subsistência. Pernambuco (Duarte Coelho): excelente administração, aliança com os índios, financiamento do capital flamengo (holandês) e desenvolvimento do agromanufatura açucareira. - Fracasso do Sistema: as dificuldades encontradas na empresa de colonização. a falta de recursos dos donatários (inviabilidade da colonização baseada exclusivamente no capital particular). a descentralização (se chocava com os interesses do Estado absolutista português). os ataques dos índios. a distância da metrópole. a falta de comunicação entre as capitanias. 2

3 a má administração e a falta de interesse dos donatários. GOVERNO GERAL (1548): História do Brasil Resumo Prof Márcio Vasconcelos Motivo: o fracasso do sistema de Capitanias falta de recursos, descentralização, isolamento geográfico, falta de interesse entre outros.. Objetivos: centralizar a administração e dar apoio e ajudas as capitanias. Características: as capitanias não foram extintas: com o tempo as capitanias foram passando para o domínio real, porque Portugal ou as confiscava por abandono, ou as comprava dos herdeiros. Contudo, a última capitania só desapareceu em 1759, por determinação do ministro do rei D. José I, o marquês de Pombal. os donatários passaram a prestar obediência ao governador-geral. o governador era o representante do rei na colônia. Documento: - Regimento de 1548: conjunto de leis que determinava as funções administrativa, judicial, militar e tributária do governador-geral. Assessores: Ouvidor-mor: Justiça. provedor-mor: Finanças (negócios da Fazenda). capitão-mor: defesa da costa. alcaide-mor: chefe da milícia. Governadores-gerais: Tomé de Sousa ( ): a Bahia foi transformada em Capitania Real do Brasil e passou a ser sede do Governo Geral. fundação da primeira cidade (Salvador). fundação do primeiro bispado do Brasil(D. Pero Fernandes Sardinha). fundação do primeiro colégio (Manuel da Nóbrega). incentivo à agricultura e à pecuária. alguns jesuítas vieram chefiados por Manuel da Nóbrega. Duarte da Costa ( ): conflito com o bispo Pero Fernandes Sardinha. invasão francesa no Rio de Janeiro: fundaram a França Antártica (1555). fundação do Colégio de São Paulo ( ): José de Anchieta. Mem de Sá ( ): fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro ( ): Estácio de Sá. expulsão do franceses em confederação dos Tamoios. CÂMARAS MUNICIPAIS: - responsáveis pela administração dos municípios (cidades e vilas): pelourinho. conservação das ruas, limpezas da cidade e arborização. construção de obras públicas: estradas, pontes, calçadas e edifícios. regulamentação dos ofícios, do comércio, das feiras e mercados. abastecimento de gêneros e cultura da terra. - representavam o poder local (o verdadeiro poder político colonial): o poder dos proprietários de terras, de engenhos e de escravos os homens bons. - composição: almocatéis (fiscalizavam o cumprimento da lei) procurador (representante judicial) vereadores ( homens bons ) juiz (ordinário ou de fora). DIVISÕES ADMINISTRATIVAS DO BRASIL: Governo do Norte: sede em Salvador Luis de Brito 1572 Governo do Sul: sede no Rio de Janeiro Lourenço da Veiga. 1578: unificação : a estrutura político-administrativa do Brasil colonial sofreu mudanças com a ascensão dos Felipes ao trono português: 3

4 Estado do Maranhão: sede em São Luis, mais tarde transformado em Estado do Grão-Pará e Ma 1621 ranhao, com sede em Belém. Estado do Brasil: sede em Salvador e, a partir de 1763, com sede no Rio de Janeiro. 1774: nova unificação. ADMINISTRAÇÃO ECLESIÁSTICA: + a administração eclesiástica acompanhou no Brasil Colonial a própria evolução administrativa da Colônia: a criação de capitanias, comarcas e freguesias eram acompanhadas pela criação de prelazias, dioceses e paróquias. a Igreja Católica teve papel relevante no processo de colonização. a catequização do índio pelos jesuítas e a utilização dos silvícolas como mão-de-obra nas propriedades da Companhia de Jesus. o ponto fundamental dos confrontos entre os padres jesuítas e os colonos referia-se à escravização dos indígenas e, em especial, à forma de atuar dos bandeirantes, - o projeto missionário e catequizador dos jesuítas: Os jesuítas atuaram em duas frentes: o trabalho missionário com os índios e a educação com a fundação dos colégios. os jesuítas, intimamente relacionados com a expansão européia e a realidade colonial, foram expulsos de Portugal e do Brasil no reinado de D. José I (na época do ministro Marquês de Pombal). Educação: na Educação, através das Ordens Religiosas, a Igreja monopolizou as instituições de ensino até o século XVIII. A Companhia de Jesus foi instrumento fundamental para a evangelização das colônias americanas:a evangelização e a catequese. o ensino desenvolveu-se influenciado pela cultura religiosa do colonizador. os jesuítas pretenderam divulgar a fé, formando novos súditos tementes a Deus e obedientes ao rei. os jesuítas catequizavam os indígenas e educavam os índios e colonos. Os jesuítas exerceram um papel de grande importância em relação à educação dos filhos dos grandes proprietários de escravos e terras até sua expulsão. Sua presença foi tão significativa que seus colégios constituíram-se enquanto marcos da ação colonizadora portuguesa na América. quanto à escravidão, tanto os jesuítas quanto a Igreja Católica, no período colonial, se limitavam ao repúdio às torturas e aos maus tratos, não havendo, porém, questionamento da escravidão enquanto instituição: as desigualdades terrenas são reconhecidas pelos jesuítas, que elegem como espaço de julgamento o fórum divino. o negro foi excluído da catequese e do processo de educação porque existia a crença de que o negro não tinha alma. A ECONOMIA AÇUCAREIRA sistema de dominação da metrópole sobre a colônia: conjunto de relações políticas, econômicas, sociais, ideológicas e culturais. um conjunto de normas e leis que regulam as relações metrópole-colônia principalmente no campo econômico. Pacto Colonial: relação de domínio exclusivo do comércio colonial pela metrópole: monopólio. também chamado regime do exclusivo colonial, denomina o sistema de monopólio comercial e controle econômico imposto pelas metrópoles suas colônias nos Tempos Modernos (capitalismo comercial/mercantilismo). O Sentido da Colonização: o monopólio do comércio das colônias pela metrópole define o sistema colonial, porque é através dele que as colônias preenchem sua função histórica de produzir riquezas para o maior desenvolvimento econômico da metrópole: a colonização toma o aspecto de uma vasta empresa comercial destinada a explorar os recursos das colônias em proveito do comércio europeu. monopólio: - as colônias são áreas complementares da economia metropolitana. - as colônias só podem comerciar com a metrópole: só podiam vender seus produtos para o grupo mercantil metropolitano. - as colônias não podem ter fábricas e são obrigadas a consumirem os produtos manufaturados da metrópole. - as colônias só podem produzir o que a metrópole não tem condições de fazer, nunca concorrer com ela. - as colônias devem produzir em larga escala, a baixos custos e com o máximo de lucratividade. A COLONIZAÇÃO DE BASE AGRÍCOLA: colonização como desdobramento da expansão marítima e comercial européia. a agricultura foi o recurso encontrado para a exploração do litoral brasileiro. a colonização foi organizada em torno do cultivo da cana-de-açúcar. valorização econômica das terras. com a empresa açucareira Portugal solucionava o seu problema de utilização econômica das suas terras americanas e o Brasil se integrava, como fonte produtora, aos mercados consumidores europeus. 4

5 MOTIVOS DA ESCOLHA DO AÇÚCAR: existência de mercados consumidores na Europa. a participação holandesa no financiamento, refino e distribuição do produto. a experiência portuguesa. a qualidade do solo (massapê) e as condições climáticas. EMPRESA AÇUCAREIRA: estrutura de empresa comercial exportadora. empresa de base agrícola destinada a exploração econômica e a colonização do litoral brasileiro, principalmente o nordestino (principal centro produtor). o engenho: unidade de produção (moenda, casa-grande, senzala, capela, canaviais) exigia grandes investimentos. tipos de engenho: os reais, movidos a água, e os trapiches, que utilizavam tração animal. Nordeste: principal centro produtor (PE e BA). trabalhadores livres: mestre do açúcar, feitor, lavradores contratados. grupo flutuante formado de mestiços, mamelucos, rendeiros e agregados. a montagem da empresa açucareira obedeceu ao sistema de plantation. Plantation: sistema de produção: monocultura: especialização na produção de um artigo de real interesse no mercado europeu. escravismo: utilização de numerosa força de trabalho compulsória (escrava): índia, depois negra. latifúndio: grande propriedade de terra. SOCIEDADE COLONIAL AÇUCAREIRA: uma sociedade caracterizada pelo caráter predominante do trabalhador escravo, base da economia colonial e do prestígio do grande proprietário. uma sociedade conservadora, patriarcal, escravista, rural (agrária). o engenho era o centro dinâmico de toda a vida colonial e onde a pouca vida urbana era mero prolongamento da vida rural. uma organização social intimamente articulada à propriedade e à riqueza. - início do processo de miscigenação entre os três grandes grupos étnicos responsáveis pela formação da sociedade colonial brasileira: o índio americano, o branco europeu e o negro africano. - mulato: mestiço de branco com negro. - mameluco (caboclo): mestiço de índio com branco. - cafuzo: mestiço de negro com índio. A ESCRAVIDÃO: Motivos da utilização da mão-de-obra escrava: a plantation exigia uma grande quantidade de trabalhadores. crise demográfica portuguesa. a inviabilidade da utilização da mão-de-obra branca, devido à sua escassez e ao seu custo. os trabalhadores europeus não se sentiam atraídos em trabalhar na colônia: difíceis condições de trabalho. os lucros proporcionados pelo tráfico de escravos. os índios foram utilizados como escravos no início da economia canavieira, contudo, demonstrou-se incompatível com a produção açucareira e foram substituídos pelos negros africanos. a alta lucratividade operada pelo tráfico negreiro, que, para ser mantida, necessitava manter a Escravidão negra. Tráfico Negreiro: navios negreiros (tumbeiros). banzo. marcados com ferro. os negros (peças do gentio da Guiné) eram embarcados geralmente em Angola, Moçambique e Guiné e desembarcados em Recife, Salvador e Rio de Janeiro. + Grupos : Sudaneses: oriundos da Nigéria, Daomé, Costa do Ouro (Ioruba, Jejes, Fanti-ashantis) Bantos: divididos em dois grupos (angola-congoleses e moçambiques). - Quilombos: comunidades negras formadas por escravos que fugiam dos seus senhores e passavam a viver em liberdade. - Quilombo dos Palmares: 5

6 - localizava-se no atual estado de Alagoas (Serra da Barriga). - produziam e faziam um pequeno comércio com as aldeias próximas. - simbolizava a liberdade e, por isso, era uma atração constante para novas fugas de escravos. - representava uma ameaça a ordem escravocrata. - líder: Zumbi. - em 1694, foi destruído pelo paulista Domingos Jorge Velho, contratado pelos senhores nordestinos. AS INVASÕES FRANCESAS Interesses econômicos: o tráfico do pau-brasil, da pimenta nativa, do algodão nativo e produção de gêneros tropicais. INVASÕES: Rio de Janeiro ( ): França Antártica. Maranhão ( ): França Equinocial. A FRANÇA ANTÁRTICA: fundar uma colônia de povoamento. abrigar os protestante (huguenotes) que eram perseguidos pelas guerras de religião. Nicolau Durant de Villegaignon. os franceses se instalaram nas ilhas de Serigipe, Paranapuã, Uruçumirim. aliaram-se aos índios tamoios: formação da Confederação dos Tamoios. Expulsão: a Confederação dos Tamoios foi dissolvida (1563) por Nóbrega e Anchieta que fizeram um acordo com os indios através do armistício de Iperoig. na expulsão dos franceses, o governador Mem de Sá, contou com o auxilio de Estácio de Sá, dos índios Temininós (Araribóia). fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro ( ): Estácio de Sá. A FRANÇA EQUINOCIAL: fundar uma colônia de exploração econômica. Daniel de La Touche. fundação da povoação de São Luis (homenagem ao rei francês Luis XIII). os franceses são expulsos em 1615 pelas tropas portuguesas comandadas por Jerônimo de Albuquerque e Alexandre de Moura. AS INVASÕES HOLANDESAS União Ibérica ( ): Portugal e suas colônias submetidos ao domínio espanhol os conflitos político-militares entre a Espanha e a Holanda: devido a separação da Holanda do domínio espanhol (1578). o Embargo Espanhol: proibição de quaisquer relações comerciais entre os holandeses e todas as áreas sob dominação espanhola. AS INVASÕES: - Os Holandeses na Bahia ( ): tentativa fracassada de conquista da Bahia (sede do Governo Geral do Estado do Brasil). reação luso-brasileira comandada pelo bispo D. Marcos Teixeira, por Matias de Albuquerquee pelo Sargento Mor Antonio Dias Cardoso utilizando técnicas de guerrilhas. as guerrilhas impediram o avanço holandês para o interior e, por isso, os holandeses só conquistaram a cidade de Salvador. os holandeses são expulsos pelos colonos luso-brasileiros e pela esquadra luso-espanhola Jornada dos Vassalos. - Os Holandeses em Pernambuco ( ): os holandeses se refizeram dos prejuízos da invasão da Bahia saqueando navios que saiam do Brasil carregados de açúcar e aprisionando galeões espanhóis que saiam da América carregados de prata. invasão e conquista de Pernambuco (maior centro açucareiro do Brasil, mas pouco guarnecido militarmente). a resistência dos colonos, através de guerrilhas, no interior foi comandada por Matias de Albuquerque: impediram a imediata conquista holandesa de todo o Nordeste açucareiro. o principal centro de resistência era o Arraial de Bom Jesus. a traição de Calabar: este integrante das tropas de resistência passou para o lado holandês e indicou os focos (centros) de resistência dos colonos: os holandeses passam a ocupar áreas do litoral nordestino. com a queda do Arraial do Bom Jesus (1635), os holandeses começam a efetivar a conquista do Nordeste. Características do domínio holandês: as invasões tiveram um caráter exclusivamente mercantil: foram comandadas pela Companhia das Índias Ocidentais (WIC). aliança com os senhores de engenho. respeito as propriedades e a classe dominante colonial. tolerância política e religiosa. concessão de empréstimos aos senhores de engenho. 6

7 Conde João Mauricio de Nassau ( ). consolidou a dominação holandesa e o sistema produtor de açúcar. criou facilidades de produção e comercialização do açúcar. domínio do Nordeste brasileiro: do Maranhão até Sergipe. criação da Câmara dos Escabinos: assembléia de representantes das várias câmaras municipais da região. monopólio do mercado escravista: domínio de áreas portuguesas na África para garantir o fornecimento de escravos. embelezamento e urbanização de Recife: pontes,palácios, jardins, pavimentação. a vinda de intelectuais europeus: Franz Post, Piso, Marcgrave. A INSURREIÇÃO PERNAMBUCANA ( ): - a luta para expulsar os holandeses do Nordeste do Brasil. - mudança da política colonial holandesa (WIC): arrocho financeiro: aumento dos impostos, altos preços dos fretes e cobrança de pagamento dos empréstimos. confisco de terras. - Nassau não concorda com esta política imposta pela WIC ao produtores brasileiros e pede demissão. Líderes: André Vidal de Negreiros, João Fernandes Vieira, Henrique Dias (negro) e pelo índio Poti (Filipe Camarão). - Batalhas: Monte das Tabocas (1645), Guararapes (1648 e 1649) e Campina do Taborda (1654). Tratado de Haia (1661): a Holanda recebia uma indenização (dinheiro, açúcar, tabaco e sal), a restituição de sua artilharia e favores no comércio do açúcar. o auxilio inglês a Portugal nas lutas contra os espanhóis (Restauração = D. João IV) e contra os holandeses e a conseqüente aliança entre as Coroas inglesa e portuguesa resultaram na dependência da nação lusitana e do Brasil ao capital inglês. crise na empresa açucareira brasileira devido a concorrência do açúcar produzido pelos holandeses nas Antilhas: crise econômica no Brasil e crise política e econômica (financeira) em Portugal (saiu economicamente arruinado do domínio espanhol). CONSELHO ULTRAMARINO (1642): - reorganização da administração do Brasil para obter maiores recursos e para garantir o real controle sobre a colônia. limitar os poderes da aristocracia latifundiária. centralização política-administrativa. limitava o poder das Câmaras Municipais e dos homens bons : submissão as autoridades metropolitanas. os juizes passaram a ser nomeados diretamente pelo rei: juizes de fora. em 1720, o governo português elevou a colônia a vice-reinado e os governadores passaram a ser titulados vice-reis: visava aumentar a centralização e o controle do Brasil. criação de companhias privilegiadas de comércio para manter um controle mais rígido sobre a economia: Companhia Geral de Comércio do Brasil e Companhia de Comércio do Estado do Maranhão. A EXPANSÃO TERRITORIAL processo de expansão da colonização para o interior do Brasil, ultrapassando os limites de Tordesilhas e ampliando o território brasileiro realizado nos séculos XVII e XVIII. o período do domínio espanhol ( ) foi marcado pela expansão da colonização para o interior, pela conquista do litoral setentrional norte, pela expansão bandeirante e pela ocupação das terras além da linha fixada pelo Tratado de Tordesilhas. processou-se fundamentalmente de acordo com as necessidades econômicas da Colônia e de Portugal. FATORES DA EXPANSÃO: a expansão oficial: conquista militar do litoral setentrional e colonização do Amazonas. a pecuária. o bandeirismo. a mineração. os jesuítas: missões. A EXPANSÃO OFICIAL: Conquista do litoral setentrional (acima de Pernambuco): através de tropas militares para expulsar os franceses e seus aliados indígenas que faziam entre si o escambo (pau-brasil, pimentanativa, algodão nativo). Colonização do Amazonas: através de tropas militares para expulsar os ingleses e holandeses que exploravam as drogas do sertão (cacau, baunilha, guaraná, cravo, pimenta, castanhas e madeiras aromáticas e medicinais) e de expedições exploradoras. 7

8 1. A PECUÁRIA: - Atividade complementar voltada para o abastecimento do mercado interno e responsável pela ocupação do sertão do Nordeste e do Sul. 1) Pecuária no Nordeste: avanço do gado rumo ao sertão. atividade econômica complementar: lavoura canavieira e mineração. funções para o engenho: alimento, força de tração animal e meio de transporte. inicialmente criado nos engenhos do litoral baiano e pernambucano, o gado penetrou para os sertões a partir do final do século XVI e início do XVII. - Motivos do deslocamento do gado do litoral para o interior: crescente expansão da grande lavoura açucareira: o gado estragava as plantações de cana-de-açúcar necessidade de maior espaço para o plantio da cana: as terras deveriam ser usadas para o plantio de cana e não para pastagens. importância econômica inferior da pecuária. - Ocupação do sertão nordestino: processo pecuarista de colonização e expansão do interior do Brasil. Rio São Francisco: Rio dos Currais. a fazenda de gado exigia pouco capital e pouca mão-de-obra. o trabalhador era geralmente livre: vaqueiro - recebiam um quarto das crias. o fazendeiro e vaqueiro mantinham um relacionamento amistoso e o vaqueiro, com o tempo, podia se tornar um fazendeiro ( devido as cabeças de gado que recebia e a abundancia de terras). muitas feiras e fazendas de gado deram origem a vários núcleos de povoamento: centros urbanos. o gado realizou a integração de diferentes regiões econômicas. atividade econômica voltada para o mercado interno. o couro: matéria-prima fundamental. diversificação econômica: couro, leite, carne. 2) Pecuária no Sul: atividade complementar a da mineração: séc. XVIII gado muar e bovino: vivendo em estado selvagem desde a destruição de missões jesuíticas pelas bandeiras no século XVII. tropas de mula: abastecimento das regiões mineiras. estâncias (fazendas): fundadas por paulistas. produção de charque (carne-seca). os peões boiadeiros viviam submetidos à rigidez da fiscalização dos capatazes e jamais teriam condições de montar sua própria fazenda 2. BANDEIRISMO: expedições que penetravam no interior com o objetivo de procurar riquezas (índios para serem escravizados e metais e pedras preciosas). a Capitania de São Vicente tornou-se o centro irradiador das Bandeiras: a pobreza econômica da capitania devido ao fracasso da lavoura de exportação e o seu isolamento político. 1) Ciclo do Ouro de Lavagem: 2) Ciclo da Caça ao Índio ou de apresamento: - Motivos: necessidade de mão-de-obra. aumento da produtividade agrícola. as invasões holandesas no Nordeste provocaram a dispersão dos escravos. os holandeses dominaram áreas de fornecimento de escravos na África. os paulistas passaram a apresar o índio para vendê-lo como escravo. bandeirantes: Antônio Raposo Tavares, Manuel Preto. decadência: a partir da segunda metade do século XVII devido a extinção da maioria das missões e a reconquista do monopólio do tráfico negreiro pelos portugueses após a expulsão do holandeses do Brasil e da África. 3) Ciclo do ouro e do diamante: a decadência da economia açucareira; o estímulo dado pela metrópole: financiamento, títulos e privilégios; áreas de exploração (prospecção): Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso. bandeirantes: Fernão Dias Pais, Antonio Rodrigues Arzão (descobriu ouro em Cataguases em 1693: primeira notícia oficial de descoberta de jazida de ouro), Antonio Dias de Oliveira (Ouro Preto), Borba Gato (Sabará), Bernardo da Fonseca Lobo (diamantes no Arraial do Tijuco: Diamantina), Pascoal Moreira (Cuiabá) e Bartolomeu Bueno da Silva Filho (Goiás). - Monções: expedições fluviais de abastecimento das longínquas e de difícil acesso regiões do Mato Grosso e Goiás 8

9 os bandeirantes utilizavam-se dos rios como caminhos naturais: pousadas e roça nas margens. 4) Ciclo do Sertanismo de Contrato: Bandeiras contratadas por autoridades e senhores de fazendas, para combaterem índios rebelados e negros dos quilombos. bandeirante: Domingos Jorge Velho destruição do Quilombo dos Palmares (1694). COLÔNIA DO SACRAMENTO (1680): fundação de uma colônia portuguesa no estuário do rio da Prata, quase em frente a Buenos Aires. reação dos colonos de Buenos Aires e da Coroa Espanhola: invasões da Colônia do Sacramento e assinatura de tratados de limites. TRATADOS DE LIMITES E FORMAÇÃO DE FRONTEIRAS 1) Tratado de Lisboa (1681): a Espanha reconhecia a posse portuguesa da Colônia do Sacramento. 2) Tratado de Utrecht (1715): a Espanha é obrigada, mais uma vez, a ceder a Colônia do Sacramento para Portugal. 3) Tratado de Madri (1750): definia a posse, de direito e de fato, das terras efetivamente ocupadas por Portugal além dos limites de Tordesilhas. não houve participação da Igreja. princípio: uti possidetis, ita possideatis (quem possui de fato deve possuir de direito) a terra pertence por direito a quem a ocupa Alexandre de Gusmão. a Espanha reconhecia a posse portuguesa de todas as terras efetivamente ocupadas por portugueses além da linha de Tordesilhas e cedia a Portugal a região de Sete Povos das Missões (RS). Portugal devolveria à Espanha a Colônia do Sacramento. por este tratado, o Brasil assumiu, praticamente, sua atual configuração geográfica. Guerra Guaranítica: revolta dos índios de Sete Povos das Missões liderados pelos jesuítas. motivos: os jesuítas não concordavam com a entrega de Sete Povos das Missões para os portugueses e os índios suspeitavam de uma possível ocupação de suas terras e da escravização. repressão portuguesa: a população de Sete Povos das Missões foi chacinada pela tropas portuguesas. 4) Tratado de El Pardo (1761): anulava o Tratado de Madri e a Colônia do Sacramento voltava para Portugal. 5) Tratado de Santo Ildefonso (1777): a Colônia do Sacramento e Sete Povos das Missões foram devolvidas para a Espanha. - Ilha de Santa Catarina foi devolvida para Portugal após a invasão espanhola em 1777 comandada por Pedro Cevallos. 6) Tratado de Badajós (1801): confirmava os limites estabelecidos pelo Tratado de Madri. A ECONOMIA MINERADORA (SÉC. XVIII) - Regimento de 1702: a mineração era rigidamente controlada pela metrópole: política fiscal e controle absoluto sobre a mineração. a exploração era livre, mas os mineradores deveriam submeter-se as autoridades da Coroa e pagar os impostos. - Intendência das Minas: órgão responsável pelo policiamento, fiscalização e direção da exploração das jazidas, além de funcionar como um tribunal e de ser responsável pela cobrança dos impostos. todas as minas pertenciam ao rei e o descobridor de uma jazida deveria comunicar a Intendência, caso contrário seria preso e julgado. a mina, depois de descoberta, era dividida pela Intendência em lotes (datas): as duas primeiras datas eram escolhidas pelo descobridor da mina, a terceira data era reservada para a Coroa e depois leiloada e as demais datas eram distribuídas com os interessados que tivesse maior número de escravos. 1. OS IMPOSTOS: -Quinto: 20% do ouro extraído. 9

10 - Casas de Fundição (1719): criadas com o objetivo de evitar o contrabando e a sonegação fiscal: facilitar a cobrança do quinto. o ouro em pepita e em pó era fundido em barras timbradas com o selo real e quintadas. -capitação: 13g de ouro por escravo. - fintas: quotas anuais (100 arrobas). - derrama: cobrança violenta do imposto (quinto) atrasado. 2. DESTINO DO OURO BRASILEIRO: Tratado de Methuen (1703): Tratado de Panos e Vinhos. assinado entre Portugal e Inglaterra. estipulava que Portugal teria vantagens alfandegárias na venda de vinhos para a Inglaterra e esta teria vantagens alfandegárias na venda de manufaturados para a Inglaterra: desvantagens comerciais. grande parte do ouro brasileiro serviu para a Coroa pagar suas dívidas e cobrir os prejuízos da balança comercial deficitária. Portugal tornou-se um pais exclusivamente agrário. o desenvolvimento manufatureiro foi prejudicado. submissão de Portugal ao capital inglês. 3. A DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO: o esgotamento das jazidas: ouro de aluvião. o baixo nível técnico. 4. CONSEQUÊNCIAS: crescimento demográfico. desenvolvimento da vida urbana. urbanização. crescimento do comércio e do artesanato: mercado interno. aparecimento de uma camada social média. uma certa mobilidade social. piores condições de vida e de trabalho para os negros escravos. crescimento das atividades intelectuais e culturais: arquitetura, escultura, música religiosa, poesia, contato com as idéias iluministas barroco Tomás Antonio Gonzaga, Cláudio Manuel da Costa, Silva Alvarenga, Alvarenga Peixoto. crescimento da mão-de-obra livre. conflitos: Guerra dos Emboabas, Revolta de Filipe dos Santos, Inconfidência Mineira, quilombos (Rio das Mortes em Minas Gerais e o de Carlota no Mato Grosso). ADMINISTRAÇÃO POMBALINA ( ): Marquês de Pombal: ministro do rei D. José I buscou salvar Portugal da dependência inglesa. desejava anular os efeitos desastrosos do Tratado de Methuen para a economia portuguesa. estimulou as manufaturas portuguesas. proibiu a exportação de ouro. combateu vigorosamente o contrabando. criação da Companhia de Comércio do Grão-Pará e Maranhão e da Companhia de Comércio de Pernambuco: visava racionalizar a exploração da colônia para recompor a economia da metrópole monopólio do comércio e da navegação. centralismo e fortalecimento do Estado metropolitano: choque com parcela da nobreza e com a Companhia de Jesus. expulsou os jesuítas (1759): acusava-os de constituírem um império em terras brasileiras. escolas régias: professores leigos. reforma na Universidade de Coimbra: ciências exatas, naturais e jurídicas. transferência da capital do Estado do Brasil de Salvador para o Rio de Janeiro. política colonial marcada pelos excessos e abusos: política fiscal rígida e opressiva. instituiu a derrama. CRISE DO SISTEMA COLONIAL 1) MOVIMENTOS NATIVISTAS Aclamação de Amador Bueno S. Paulo (1641) Conspiração de Nosso Pai Pernambuco (1666) 10

11 Revolta de Beckman Maranhão (1621). Guerra dos Emboabas- Minas Gerais (1709). - O Motim do Maneta Rio de janeiro (1711). - A revolta de Vila Rica Minas Gerais (1720). - Conjuração do Rio de Janeiro ) MOVIMENTOS SEPARATISTAS Conjuração Mineira (1789). Movimento Elitista Escravista Influências: Iluminismo / Independências dos EUA (1776) Conjuração Baiana ou dos Alfaiates (1798). Movimento Popular Abolicionista Influências: Iluminismo / Revolução Francesa (1789) História do Brasil Resumo Prof Márcio Vasconcelos VINDA DA FAMÍLIA REAL (1808) - Bloqueio Continental Napoleão Bonaparte Decreto de Berlim (1806) - Convenção Secreta 1807 (Por / Ingl) Tratado de Fontainebleau (Fra / Esp) Invasão de Portugal (Gen Junot) e Fuga da Família Real para o Brasil. Abertura dos Portos 1808 (José da Silva Lisboa Conde de Cairú) Fim do pacto Colonial. - Brasil Sede da Monarquia Portuguesa (inversão política). ADMINISTRAÇÃO DE D. JOÃO VI - Ensino Superior: - Escola Médica Cirúrgica da Bahia. - Escola Médica, Anatômica, Médica Cirúrgica do Rio de Janeiro - Academial Real Militar (Antônio Carlos Napion) - Academia de Marinha - Intendência Geral de Polícia da Corte - Arquivo Militar - Arquivo Nacional - Biblioteca Real - Casa da Moeda - Banco do Brasil - Academia de Belas Artes - Horto Real - Fábrica de Pólvora - Teatro São João - Imprensa (Jornal: A gazeta do Rio de Janeiro / Revista: O Patriota) - Escola Real de Ciências Política Externa - Invasão da Guiana Francesa Invasão da banda Oriental do Uruguai REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA (1817) Origem : Conspiração dos Suassunas (1801) Participação: - Maçonaria Loja Pernambuco do Ocidente - Sociedades Secretas Areópago de Itambé - Seminário de Olinda (Frei Joaquim do Amor Divino e Caneca) Motivos: - Decadência econômica do Nordeste - Alta carga tributária - Seca de Adesões: - Capitania do rio Grande do Norte 11

12 - Capitania da Paraíba REVOLUÇÃO LIBERAL DO PORTO (1820) Objetivos: Retorno de D João VI Constitucionalizar Portugal Recolonizar o Brasil História do Brasil Resumo Prof Márcio Vasconcelos Retorno de D. João VI a Portugal (1821) REGÊNCIA DE D. PEDRO I Pressão das Cortes Portuguesas. Dia do Fico: José Clemente (09 Jan 1822) Clube da Resistência: Maçonaria (loja Comércio e Artes) Imprensa - O revérbero Constitucional Fluminense (Gonçalves Ledo) - Correio Brasiliense (Hipólito da Costa) José Bonifácio Patriarca da Independência. Ultimato português Ordem de retorno imediato a Portugal e anulação dos atos de D Pedro I. - Independência do Brasil 07 de Setembro de de

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa.

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa. Vera, Use a seguinte legenda: Amarelo: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.info.lncc.br/wrmkkk/tratados.html Rosa: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.webhistoria.com.br

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

Expansão Territorial. Norte (Vale Amazônico): Nordeste: Drogas do Sertão / Missões. Cana-de-açúcar. Sul. Litoral.

Expansão Territorial. Norte (Vale Amazônico): Nordeste: Drogas do Sertão / Missões. Cana-de-açúcar. Sul. Litoral. Expansão Territorial Norte (Vale Amazônico): Drogas do Sertão / Missões Nordeste: Cana-de-açúcar Sertão Nordestino Litoral Sul Pecuária Fortes de defesa Pau-Brasil Missões Jesuíticas Pecuária Tratados

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL OS VÁRIOS PROCESSOS DE EXPANSÃO DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA. EXTENSÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO O Brasil é o 5º maior

Leia mais

A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA.

A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA. A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA. A UNIÃO IBÉRICA (1580 A 1640) OS DESDOBRAMENTOS DA UNIÃO IBÉRICA Juramento de Tomar Perda de Valor da Linha de Tordesilhas Intensificação das

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

BRASIL COLÔNIA (1500 1822)

BRASIL COLÔNIA (1500 1822) 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura. Agroexportação. Latifúndio. Escravismo. Pacto Colonial (monopólio de comércio

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura.

Leia mais

A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução:

A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução: COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA 2007 HISTÓRIA - 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL Nº: NOME: TURMA: A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução: Durante o século XVI, as povoações geralmente

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo A chegada dos Portugueses Portugal e depois Espanha se tornaram pioneiros nas chamadas Grandes Navegações Portugal buscou contornar a África para tentar chegar ao Oriente

Leia mais

A COLONIZAÇÃO DO BRASIL

A COLONIZAÇÃO DO BRASIL A COLONIZAÇÃO DO BRASIL OS FUNDAMENTOS DO COLONIALISMO PORTUGUÊS O processo de ocupação e formação do Império Colonial Lusitano baseou-se dentro da ótica mercantilista. Essa forma de organização ficou

Leia mais

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Franceses, Ingleses e Holandeses Prof. Alan Carlos Ghedini O princípio: competição nos mares Portugal e Espanha chegaram primeiro à corrida das Grandes

Leia mais

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII)

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) 1) Período Pré-Colonial Trinta anos sem projeto de colonização (1500-1530) Interesses voltados para o comércio com o Oriente Desapontamento quanto às potenciais

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS?

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS? EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo Tratado de Tordesilhas de 1494 Terras pertencentes à Espanha Terras pertencentes a Portugal A ficção do Descobrimento Principais povos Indígenas no Brasil No Brasil,

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

O descobrimento do Brasil

O descobrimento do Brasil Europa: renascimento cultural Brasil... Pindorama... Ilha de Vera Cruz... Terra de Santa Cruz... A Europa estava num processo de transformação que tinha se iniciado no século XIV. Este processo de transformação

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS 3.1- A AGROMANUFATURA AÇUCAREIRA O COMPLEXO AÇUCAREIRO ( XVI / XVII ) - Pré-condições favoráveis( solo, clima, mão-deobra,mercado externo ) - Participação

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora História do Brasil Colônia Profª Maria Auxiliadora O PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500 1530) Pau-Brasil Extrativismo Vegetal Fabricação de tintura para tecidos. Exploração nômade e predatória. Escambo com índios.

Leia mais

1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento).

1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento). HB. Expansão territorial da colônia. Expansão territorial Bandeirantes. 1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento). Mão-de-obra indígena.

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

Aula 09 - Brasil colonial. Administração e Economia

Aula 09 - Brasil colonial. Administração e Economia Aula 09 - Brasil colonial Administração e Economia O período colonial brasileiro pode ser dividido em período précolonial e período colonial. 1.PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500/1530) Fase caracterizada por uma

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

AULA 2 BRASIL COLONIAL ECONOMIA E SOCIEDADE AÇUCAREIRA (SÉC. XVI E XVII)

AULA 2 BRASIL COLONIAL ECONOMIA E SOCIEDADE AÇUCAREIRA (SÉC. XVI E XVII) Catarina Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Campus Joinville Curso: CTI - Mecânica e Eletroeletrônica Módulo: IV Unidade Curricular: História III Prof. Anderson dos Santos AULA

Leia mais

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão As Capitanias Hereditárias Grandes faixas de terra doadas pelo rei à nobreza e pessoas de confiança. Os Capitães Donatários eram os homens

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 01. (Fatec-SP) Não

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL * Três etapas: 1) Revoltas Nativistas 2) Revoltas Emancipacionistas 3) Período Joanino Família Real no Brasil (1808-1822)

Leia mais

1- MOTIVOS QUE IMPULSIONARAM O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO: Crise do comércio português com as Índias

1- MOTIVOS QUE IMPULSIONARAM O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO: Crise do comércio português com as Índias 1- MOTIVOS QUE IMPULSIONARAM O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO: Crise do comércio português com as Índias Agravamento da crise econômica portuguesa; Descoberta do ouro na América espanhola; Interesse de outros países

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

A Formação do Território Brasileiro.

A Formação do Território Brasileiro. A Formação do Território Brasileiro. A primeira fronteira do Brasil Fernando e Isabel 1492 - Colombo 1493 papa Alexandre VI (espanhol) editou a Bula Inter Coetera 1494 - Tratado de Tordesilhas. 1530 no

Leia mais

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO BRASIL 1) Aspectos Gerais: Território: 8 547 403 Km 2. 5 0 maior país do mundo em extensão e população. País continental devido a sua dimensão territorial. Ocupa

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

PECUÁRIA NORDESTINA E SULINA, FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO, ENTRADAS E BANDEIRAS

PECUÁRIA NORDESTINA E SULINA, FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO, ENTRADAS E BANDEIRAS PECUÁRIA NORDESTINA E SULINA, FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO, ENTRADAS E BANDEIRAS Introdução Até meados do século XVII os portugueses estabeleceram-se apenas do litoral; Com o avanço pelo interior

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

PERÍODO COLONIAL (1530-1808)

PERÍODO COLONIAL (1530-1808) PERÍODO COLONIAL (1530-1808) O Brasil Colonial foi o período compreendido entre seu povoamento, em 1530, e a proclamação de sua independência, em 1822, no qual o território brasileiro era uma colônia do

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. Sobre as formas de conquista e exploração do governo português, associe corretamente as colunas. a) Relações diplomáticas.

Leia mais

1- ENTRADAS E BANDEIRAS ENTRADAS

1- ENTRADAS E BANDEIRAS ENTRADAS 1- ENTRADAS E BANDEIRAS ENTRADAS (sec. 16 e 17) expedições militares, organizadas e financiadas pela Coroa Portuguesa a fim de procurar ouro no interior. BANDEIRAS (sec. 17) expedições financiadas por

Leia mais

R.: R.: 02- A coleta e o transporte do pau-brasil era um trabalho demorado e difícil que os portugueses não conseguiam fazer sozinhos. Responda: R.

R.: R.: 02- A coleta e o transporte do pau-brasil era um trabalho demorado e difícil que os portugueses não conseguiam fazer sozinhos. Responda: R. PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 7º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Quando os portugueses

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 1 5 Nome: Data: Unidade 1 1. Leia o texto e, em seguida, responda às questões. Suas plantações são pequenas, não passando de algumas roças localizadas próximas

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês

Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês 1. (Enem) O açúcar e suas técnicas de produção foram levados à Europa pelos árabes no século VIII, durante a Idade Média, mas foi principalmente

Leia mais

Bandeirismo(séc XVII):

Bandeirismo(séc XVII): 1. O CICLO DO OURO Século XVIII. MG, MT, GO Bandeirismo(séc XVII): percorriam o interior do país em busca de riquezas. Origem: São Paulo Tipos apresamento sertanismo de contrato busca de metais preciosos.

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011 (Do Senado Federal Senador Marco Maciel) Inscreve os nomes de Francisco Barreto de Menezes, João Fernandes Vieira, André Vidal de Negreiros,

Leia mais

GABARITOS MÓDULO I - HISTÓRIA II

GABARITOS MÓDULO I - HISTÓRIA II GABARITOS MÓDULO I - HISTÓRIA II UNIDADE 1 PRÉ-HISTÓRIA DO BRASIL 1) Sobre os povos dos sambaquis, é incorreto afirmar que: a) sendo nômades, ocuparam a faixa amazônica, deslocando-se durante milhares

Leia mais

Mediterrâneo era de domínio dos árabes Que vendiam aos mercadores italianos que

Mediterrâneo era de domínio dos árabes Que vendiam aos mercadores italianos que HB. 01 Expansão Marítima Foco de interesse Econômico pós-queda Feudal. especiarias do Oriente. Rotas comerciais Mediterrâneo era de domínio dos árabes Que vendiam aos mercadores italianos que Revendiam

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

BRASIL COLÔNIA (1500-1822) A PRODUÇÃO AÇUCAREIRA NO BRASIL

BRASIL COLÔNIA (1500-1822) A PRODUÇÃO AÇUCAREIRA NO BRASIL A PRODUÇÃO AÇUCAREIRA NO BRASIL 1 - O CICLO DO AÇÚCAR Séc. XVI e XVII (auge). Nordeste (BA e PE). Litoral. Solo e clima favoráveis. Experiência de cultivo (Açores, Cabo Verde e Madeira). Mercado consumidor.

Leia mais

A Crise do Sistema Colonial.

A Crise do Sistema Colonial. Aula 12 A Crise do Sistema Colonial. A partir do século XVIII, a América Colonial passa a conhecer movimentos que reivindicam a separação política em relação à metrópole. Vários foram os fatores que conduziram

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Leia o texto e responda. Feitoria Igaraçu Fundada pela expedição guarda-costas de Cristóvão Jaques, entre 1516 e 1519. Parece

Leia mais

América Portuguesa. A metrópole percebe que não está funcionando e decide mudar algumas coisas.

América Portuguesa. A metrópole percebe que não está funcionando e decide mudar algumas coisas. América Portuguesa Aspecto político/formas de governo Capitanias hereditárias É um sistema descentralizado. A metrópole quer gastar o mínimo possível com a exploração, por isso dão a nobres a serviço do

Leia mais

O Antigo Regime europeu: regra e exceção

O Antigo Regime europeu: regra e exceção PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XVII E XVII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Meta: Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social ANTIGO REGIME Regime político,

Leia mais

IETAV. System www.concursosecursos.com.br HISTÓRIA BRASIL INÍCIO DO PROCESSO DE COLONIZAÇÃO

IETAV. System www.concursosecursos.com.br HISTÓRIA BRASIL INÍCIO DO PROCESSO DE COLONIZAÇÃO IETAV System www.concursosecursos.com.br HISTÓRIA BRASIL INÍCIO DO PROCESSO DE COLONIZAÇÃO A expansão comercial e marítima européia Europa - século XIV - crise econômica e social: guerras, rebeliões, fome

Leia mais

A TROCA DA MÃO-DE-OBRA INDÍGENA PELA NEGRA AFRICANA

A TROCA DA MÃO-DE-OBRA INDÍGENA PELA NEGRA AFRICANA A TROCA DA MÃO-DE-OBRA INDÍGENA PELA NEGRA AFRICANA O sucesso da lavoura canavieira passou a exigir cada vez mais mão-de-obra, assim, os Senhores de Engenho começaram a importar escravos negros da África

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920)

FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920) SUB Hamburg A/548637 FRONTEIRA ILUMINADA HISTÓRIA DO POVOAMENTO, CONQUISTA E LIMITES DO RIO GRANDE DO SUL a partir do Tratado de Tordesilhas (1420-1920) Fernando Cacciatore de Garcia Editora Sulina Porto

Leia mais

7. Bibliografias... 10

7. Bibliografias... 10 1. Introdução... 03 2. Surgimento da Economia Açucareira... 04 3. Desenvolvimento da Economia Açucareira... 05 4. Desarticulação da Economia Açucareira... 07 5. Encerramento da Economia Açucareira... 08

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais

Questões Brasil Colonial

Questões Brasil Colonial Questões Brasil Colonial (Ufpel 2008) "No decorrer do período colonial no Brasil os interesses entre metropolitanos e colonos foram se ampliando. O descontentamento se agravou quando, a 1º de abril de

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS Século XVI e XVII início da ocupação e colonização das Américas COLONIZAÇÃO definição é a ocupação e povoamento das terras americanas pelos europeus

Leia mais

GABARITO DISCIPLINA: MAT. / HIS. I E II 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR

GABARITO DISCIPLINA: MAT. / HIS. I E II 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR GABARITO DISCIPLINA: MAT. / HIS. I E II COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR Rua Frei Vidal, 1621 São João do Tauape/Fone/Fax:

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I)

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I) CIÊNCIAS SOCIAIS M.I DESENVOLVIMENTO DESIGUAL E COMBINADO DA SOCIEDADE MODERNA Formação Econômica e Social Brasileira (I) Profa. Claudete Pagotto Período 2 2012 2 OBJETIVOS: Abordar as características

Leia mais

A Revolução Puritana

A Revolução Puritana A Revolução Puritana O que foi a Revolução Puritana A Revolução Puritana, ocorrida na Inglaterra entre 1641 e 1649, originou pela primeira vez a constituição de uma República (1649-1658) em solo inglês.

Leia mais

AULA 4 EXPANSÃO TERRITORIAL BRASILEIRA E ECONOMIA DO OURO

AULA 4 EXPANSÃO TERRITORIAL BRASILEIRA E ECONOMIA DO OURO Catarina Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Campus Joinville Curso: CTI - Mecânica e Eletroeletrônica Módulo: IV Unidade Curricular: História III Prof. Anderson dos Santos AULA

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX.

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Aula 13 Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Nesta aula iremos tratar da formação dos Estados Unidos da América. Primeiramente o processo de independência dos Estados Unidos, em seguida, o processo de expansão

Leia mais

Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos de recuperação semestral.

Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos de recuperação semestral. Nome: Nº: Ano: 8º Ensino Fundamental Disciplina: História Data: / / Prof: Teonila L. S. Maia Nota: Roteiro de Recuperação 2ª etapa Caro aluno, Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos

Leia mais

Recuperação Final História 7º ano do EF

Recuperação Final História 7º ano do EF COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II SEÇÃO TÉCNICA DE ENSINO Recuperação Final História 7º ano do EF Aluno: Série: 7º ano Turma: Data: 08 de dezembro de 2015. LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Esta prova

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE O início da mineração no Brasil; Mudanças sociais e econômicas; Atuação da Coroa portuguesa na região mineira; Revoltas ocorridas pela exploração aurífera;

Leia mais

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80 6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º Valor: 80 1. A invasão holandesa no Nordeste brasileiro, ao longo do século XVII, está relacionada com a exploração de um produto trazido para o Brasil pelos portugueses. Que

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano História/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºhis303r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano 3º trimestre Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 3º trimestre. Como base neles você deverá

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA. O processo de formação dos EUA

A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA. O processo de formação dos EUA A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA O processo de formação dos EUA Inglaterra X Portugal e Espanha A incursão dos ingleses no processo de colonização do continente americano conta com determinadas particularidades

Leia mais

Grandes navegações. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Blaise Pascal 3

Grandes navegações. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Blaise Pascal 3 Grandes navegações Entre os séculos XV e XVI, a Índia era o maior centro de distribuição de especiarias (pimenta, açafrão, gengibre, canela e outros temperos) do mundo conhecido. Como a distância entre

Leia mais