EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de 1985-2005"

Transcrição

1 EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de NACIONAL IMPORTADO Ano VENDAS PART % EVOL % VENDAS PART % EVOL % VENDAS EVOL % ,62% -1,3% ,38% 1,11% ,6% ,3% 11,45% ,7% 65,83% ,1% ,9% 14,29% ,91% -18,81% ,42% ,3% -15,24% ,97% -14,67% ,18% ,33% 55,34% ,67% 99,54% ,19% ,15% -16,4% ,85% 22,65% ,6% ,8% 9,12% ,92% 16,89% ,58% ,55% 1,35% ,45% -1,65% ,76% ,21% 23,23% ,79% 42,15% ,91% ,43% -1,21% ,57% 48,9% ,71% ,9% 8,99% ,1% 28,45% ,74% ,5% -18,18% ,5% 32,58% ,38% ,96% 21,44% ,4% 29,23% ,91% ,26% 1,78% ,74% 18,65% ,41% ,52% -3,21% ,48% -8,1% ,5% ,9% 1,53% ,91% -4,35% ,61% ,51% 38,71% ,49% -7,4% ,8% ,94% 12,97% ,6% -16,77% ,1% ,45% 1,7% ,55% -8,11% ,61% ,4% 1,34% ,6% -3,95% ,1% ,14% -1,1% ,86% 7,54% ,5% NACIONAL IMPORTADO TOTAL Evolução ,4% -21,1% 2,3% 8.. Evolução IA NACIONAL IMPORTADO 1.Evolução Nacional e Importado

2 EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Corte e Leite - Período de CORTE LEITE Ano VENDAS PART % EVOL % VENDAS PART % EVOL % VENDAS EVOL % ,% 11,3% ,% -1,6% ,38% ,53% 39,29% ,47% 11,62% ,91% ,6% 19,81% ,94% 8,18% ,41% ,58% -4,63% ,42% -6,61% ,5% ,48% 8,94% ,52% -3,32% ,61% ,94% 25,99% ,6% 8,93% ,8% ,47% 8,79% ,53% -6,82% ,1% ,52% 4,8% ,48% 8,62% ,61% ,49%,5% ,51%,19% ,1% ,52% -14,61% ,48% 1,2% ,5% Evolução ,25% 11,74% 2,3% Evolução IA CORTE LEITE 2.Evolução Corte e Leite

3 COMERCIALIZAÇÃO DE SÊMEN 25 DE CORTE E LEITE - NACIONAL E IMPORTADO DE CORTE DE LEITE NACIONAL IMPORTADO TOTAL CORTE NACIONAL IMPORTADO TOTAL LEITE DOSES PART % DOSES PART % DOSES PART % DOSES PART % DOSES PART % DOSES PART % NELORE - NE ,72%,% ,87% HOLANDÊS - HO ,71% ,83% ,31% NELORE MOCHO - NO ,47%,% ,86% GIR LEITEIRO - GL ,65%,% ,18% RED ANGUS - AR ,17% ,83% ,8% JERSEY - JE ,87% ,3% ,58% ANGUS - AN ,48% ,42% ,98% GIROLANDO - GO ,91%,% ,8% BRAHMAN - BR ,7% ,5% ,27% GUZERÁ LEITEIRO - GT ,72%,% ,16% GUZERÁ - GZ ,54%,% ,38% PARDO SUIÇO LEITE -BS ,44% ,71% ,59% TABAPUÃ - TB ,61%,% ,44% HOLANDÊS VERMELHO - WW 4.155,32% ,31% ,86% SIMENTAL - SM ,9% ,73% ,9% GIR LEITEIRO MOCHO - GH 3.385,26%,% 3.385,12% SENEPOL - SE 36.92,94% ,55% ,12% AYRSHIRE - AY,% 1.574,1% 1.574,6% BRANGUS - BN ,63% ,88% 38.55,91% COMPOSTO LEITE - XX 1.545,12%,% 1.545,5% BONSMARA - NS 35.19,9% 51,19% 35.7,85% GUERNSEY - GU,% 337,2% 337,1% RED BRANGUS - RB ,26% ,23% ,26% HEREFORD MOCHO - HP ,7% ,4% ,85% BRAFORD - BO ,2% ,28% ,27% COMPOSTO - XX 4.621,12% 1.818,66% 6.439,15% LIMOUSIN - LM ,71% ,11% ,8% BRAUNVIEH - BU ,3% 1.822,66% ,33% CHAROLÊS - CH 8.886,23% ,36% 2.874,5% CANCHIM - CC 2.636,53%,% 2.636,49% CHAROLÊS MOCHO - CO 8.569,22% 824,3% 9.393,22% CARACU - CR ,48%,% ,45% MONTANA - MN 7.532,19%,% 7.532,18% SIMBRASIL - SI 9.179,23% 37,13% 9.549,23% MARCHIGIANA - MR 9.216,24%,% 9.216,22% PIEMONTÊS - PI 2.235,6% 1.474,54% 3.79,9% SANTA GERTRUDIS - SG ,3% 1.2,37% ,3% BLONDE D'AQUITAINE - BD 4.374,11% 936,34% 5.31,13% HEREFORD - HH 8.988,23% ,6% ,32% INDUBRASIL - IB 1.873,28%,% 1.873,26% DEVON - DE 2.977,8%,% 2.977,7% LIMOUSIN MOCHO - LP 2.116,5%,% 2.116,5% SIMENTAL MOCHO - SP ,39%,% ,36% GIR MOCHO - GM 3.459,9%,% 3.459,8% NORMANDO - NM 1,% ,16% 3.298,8% BELGIAN BLUE - BB 1.73,3%,% 1.73,3% PITANGUEIRAS - PT,%,%,% SENANGUS - SN ,4% 5.489,13% SHORTHORN - SS,% 85,3% 85,% MONTBELIARD - MO 24,1% 1.78,39% 1.318,3% GIR - GY 4.62,12%,% 4.62,11% AUBRAC - AU,%,%,% TARENTAISE - TA 1 1 PARTHENAISE - PA,% 5,2% 5,% KOBE (WAGYU) - KB 19,%,% 19,% GELBVIEH - GV 241,1% 6,2% 31,1% CHIANINA - CA 21,% 3,1% 51,% PIRENAICO - PR,%,%,% RED POLL - RP 68,%,% 68,% TULI - TI 653,2% 653 SANTA GERTRUDIS MOCHO - SO,%,%,% GASCONE - GS,%,%,% FLAMENGA - FA 635,2% 54,2% 689,2% BEEFMASTER - BM,%,%,% BELMONT RED - BT 4.95,1%,% 4.95,1% GALLOWAY - GA,%,%,% RUBIA GALLEGA - RG,%,% MURRAH - UM 4.729,12% SINDI -SD 478,1% RED BRAHMA- RR 2,% 8 SOULTH DEVON -DS 17,% SOUTH POLL -ST 38,% TOTAL % ,97% ,% TOTAL ,% ,% ,% TOTAL CORTE NACIONAL ,43% TOTAL LEITE NACIONAL ,77% TOTAL CORTE IMPORTADO ,57% TOTAL LEITE IMPORTADO ,23% TOTAL CORTE ,% TOTAL LEITE ,% TOTAL CORTE ,52% TOTAL NACIONAL ,14% TOTAL LEITE ,48% TOTAL IMPORTADO ,86% ,% ,% 3.Vendas Totais por Raça

4 EVOLUÇÃO DE CORTE - Últimos 5 anos NACIONAL IMPORTADO EVOL % 4- EVOL % Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses NELORE - NE ,9% 88,29% NELORE MOCHO - NO ,84% 12,42% RED ANGUS - AR ,69% -65,46% ANGUS - AN ,88% -26,81% BRAHMAN - BR ,78% 124,71% GUZERÁ - GZ ,77% -3,55% TABAPUÃ - TB ,13% 2,% SIMENTAL - SM ,91% -7,27% SENEPOL - SE ,13% 1,53% BRANGUS - BN ,92% -55,93% BONSMARA - NS ,95%,28% RED BRANGUS - RB ,6% -45,81% HEREFORD MOCHO - HP ,25% -37,76% BRAFORD - BO ,24% -14,42% COMPOSTO - XX ,29% -4,32% LIMOUSIN - LM ,99% -78,43% BRAUNVIEH - BU ,92% -65,5% CHAROLÊS - CH ,79% -62,86% CANCHIM - CC ,3% -17,1% CHAROLÊS MOCHO - CO ,94% -57,7% CARACU - CR ,25% -23,3% MONTANA - MN ,84% -73,25% SIMBRASIL - SI ,6% -66,71% MARCHIGIANA - MR ,22% -63,1% PIEMONTÊS - PI ,32% -86,31% SANTA GERTRUDIS - SG ,9% -62,17% BLONDE D'AQUITAINE - BD ,15% -86,57% HEREFORD - HH ,31% -18,51% INDUBRASIL - IB ,97% 17,2% DEVON - DE ,2% -7,78% LIMOUSIN MOCHO - LP ,67% -82,97% SIMENTAL MOCHO - SP ,64% -7,77% GIR MOCHO - GM ,48% 8,16% NORMANDO - NM ,24% 18,44% BELGIAN BLUE - BB ,31% -94,26% PITANGUEIRAS - PT ,% SENANGUS - SN ,5% -24,78% SHORTHORN - SS ,31% MONTBELIARD - MO ,65% GIR - GY ,67% -9,7% AUBRAC - AU ,% TARENTAISE - TA ,2% PARTHENAISE - PA ,94% KOBE (WAGYU) - KB ,78% GELBVIEH - GV ,82% -85,78% CHIANINA - CA ,76% -97,87% PIRENAICO - PR ,% RED POLL - RP ,43% TULI - TI ,43% SANTA GERTRUDIS MOCHO - SO 9 9-1,% GASCONE - GS ,% FLAMENGA - FA ,5% BEEFMASTER - BM ,% BELMONT RED - BT ,% GALLOWAY - GA 1 1 RUBIA GALLEGA - RG MURRAH SINDI RED BRAHMA SOULTH DEVON SOUTH POLL OUTRAS * ,% TOTAL CORTE ,61% 13,29% EVOLUÇÃO % 41,9% 16,44% 8,1% 2,63% -14,73% -15,41% -26,18% -24,92% -26,71% -12,77% 25,99% 8,79% 4,8%,5% -14,61% TOTAL LEITE EVOLUÇÃO % 31,1%,9% 21,9% -3,25% 7,92% -2,12% -11,99% -,95% 3,41% 12,2% 8,93% -6,82% 8,62%,19% 1,2% TOTAL EVOLUÇÃO % 38,71% 12,97% 1,7% 1,34% -1,1% -7,4% -16,77% -8,11% -3,95% 7,54% 19,8% 3,1% 5,61%,1% -6,5% TOTAL CORTE TOTAL NACIONAL TOTAL LEITE TOTAL IMPORTADO * Algumas raças não tem histórico anterior a 23 pois estavam em "Outras" 4.Evolução Corte 5 Anos

5 Evolução das 1 raças mais vendidas - corte 3.. NELORE - NE 2.5. NELORE MOCHO - NO RED ANGUS - AR ANGUS - AN 1.5. BRAHMAN - BR GUZERÁ - GZ 1.. TABAPUÃ - TB SIMENTAL - SM 5. SENEPOL - SE BRANGUS - BN Evolução Corte 5 Anos

6 EVOLUÇÃO DE LEITE - Últimos 5 anos NACIONAL IMPORTADO EVOL % EVOL % Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses Doses HOLANDÊS - HO ,18% -15,76% GIR LEITEIRO - GL ,81% 112,16% JERSEY - JE ,73% 34,56% GIROLANDO - GO ,6% 164,19% GUZERÁ LEITEIRO - GT ,56% 98,56% PARDO SUIÇO LEITE -BS ,22% -29,64% HOLANDÊS VERMELHO - WW ,67% 28,% GIR LEITEIRO MOCHO - GH ,42% -43,7% AYRSHIRE - AY ,69% COMPOSTO LEITE - XX ,3% GUERNSEY - GU ,53% OUTRAS* ,% TOTAL LEITE ,2% 11,74% EVOLUÇÃO % 31,1%,9% 21,9% -3,25% 7,92% -2,12% -11,99% -,95% 3,41% 12,2% 8,93% -6,82% 8,62%,19% 1,2% TOTAL CORTE EVOLUÇÃO % 41,9% 16,44% 8,1% 2,63% -14,73% -15,41% -26,18% -24,92% -26,71% -12,77% 25,99% 8,79% 4,8%,5% -14,61% TOTAL EVOLUÇÃO % 38,71% 12,97% 1,7% 1,34% -1,1% -7,4% -16,77% -8,11% -3,95% 7,54% 19,8% 3,1% 5,61%,1% -6,5% TOTAL LEITE TOTAL NACIONAL TOTAL CORTE TOTAL IMPORTADO * Algumas raças não tem histórico anterior a 23 pois estavam em "Outras" 5.Evolução Leite 5 Anos

7 Evolução das raças mais vendidas - Leite 1.6. HOLANDÊS - HO 1.2. GIR LEITEIRO - GL 8. JERSEY - JE GIROLANDO - GO 4. GUZERÁ LEITEIRO - GT Evolução Leite 5 Anos

EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de 1984-2004

EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de 1984-2004 EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de 1984-24 IMPORTADO Ano VENDAS PART % EVOL % VENDAS PART % EVOL % VENDAS EVOL % 1984 1.377.446 89,84% 34,51% 155.749 1,16% 3,24%

Leia mais

EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de 1983-2003

EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de 1983-2003 EVOLUÇÃO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO BRASIL Nacional e Importado - Período de 1983-23 IMPORTADO Ano VENDAS PART % EVOL % VENDAS PART % EVOL % VENDAS EVOL % 1983 1.24.25 87,16% -9,62% 15.858 12,84% 5,28%

Leia mais

ÍNDEX ASBIA IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE SÊMEN

ÍNDEX ASBIA IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE SÊMEN ÍNDEX ASBIA IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE SÊMEN 2012 APRESENTAÇÃO Segundo a lenda, a inseminação artificial (IA) foi utilizada pela primeira vez no ano de 1332, em eqüinos, pelos árabes.

Leia mais

INDEX ASBIA MERCADO 2014

INDEX ASBIA MERCADO 2014 INDEX ASBIA MERCADO 2014 INDEX ASBIA Mercado de sêmen 2014. O relatório do INDEX ASBIA 2014 representa aproximadamente 92% do mercado de sêmen no Brasil, incluindo as raças de corte e leite e é composto

Leia mais

lista_racas Ministerio da Agricultura, Pec. e Abastecimento -BRASIL Sistema Integrado de Produtos e Estabelecimentos

lista_racas Ministerio da Agricultura, Pec. e Abastecimento -BRASIL Sistema Integrado de Produtos e Estabelecimentos Ministerio da Agricultura, Pec. e Abastecimento -BRASIL Sistema Integrado de Produtos e Estabelecimentos ESPECIE : BOVINOS AB ABONDANCE 102 AF AFRIKANDER 110 AN ABERDEEN ANGUS 101 AR RED ANGUS 191 AY AYRSHIRE

Leia mais

Aspectos Gerais sobre Cruzamentos em Bovinos e Ovinos

Aspectos Gerais sobre Cruzamentos em Bovinos e Ovinos Aspectos Gerais sobre Cruzamentos em Bovinos e Ovinos Dra. Patricia Tholon Novembro - 2013 Melhoramento Animal»Conceito Melhoramento Zootécnico É o aperfeiçoamento da produção animal de maior interesse

Leia mais

RAÇAS SINTÉTICAS DE BOVINOS DE CORTE. Prof. Cássio Brauner Prof. Marcelo Pimentel

RAÇAS SINTÉTICAS DE BOVINOS DE CORTE. Prof. Cássio Brauner Prof. Marcelo Pimentel RAÇAS SINTÉTICAS DE BOVINOS DE CORTE Prof. Cássio Brauner Prof. Marcelo Pimentel POR QUE RAÇA SINTÉTICA? 1. TECNICAMENTE HETEROSE (dominância, sobredominância, epistasia) - COMPLEMENTARIDADE - FACILIDADE

Leia mais

Cruzamento Industrial: Processo Chave para Obtenção de Novilhos Precoces

Cruzamento Industrial: Processo Chave para Obtenção de Novilhos Precoces Cruzamento Industrial: Processo Chave para Obtenção de Novilhos Precoces Alexandre Zadra 1 1. Introdução O aumento da competitividade com outras carnes, bem como outros mercados, e a possibilidade de o

Leia mais

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

CURSO MEDICINA VETERINÁRIA

CURSO MEDICINA VETERINÁRIA Faculdade Anhanguera de Dourados Melhoramento Genético Animal CURSO MEDICINA VETERINÁRIA Prof. Me. Baltazar A Silva Jr 1 Aula 7 Cruzamentos 2 Introdução Maior eficácia, Maior rentabilidade, Produto de

Leia mais

CURSO MEDICINA VETERINÁRIA

CURSO MEDICINA VETERINÁRIA Faculdade Anhanguera de Dourados Bovinocultura de Corte e Leite CURSO MEDICINA VETERINÁRIA Prof. Me. Baltazar A Silva Jr 1 Aula 2 - Principais Raças de Corte 2 3 4 5 Principais Raças QUAL A MELHOR RAÇA??

Leia mais

Bovinocultura de Corte. Raças. Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto

Bovinocultura de Corte. Raças. Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto Bovinocultura de Corte Raças Professor: MSc. Matheus Orlandin Frasseto Definição de Raça É um grupo de indivíduos com características semelhantes; Principais locais de Origem Duas origens principais: Bos

Leia mais

Raças de corte. Bovinocultura de Corte Prof. Eduardo Bohrer de Azevedo

Raças de corte. Bovinocultura de Corte Prof. Eduardo Bohrer de Azevedo Raças de corte Bovinocultura de Corte Prof. Eduardo Bohrer de Azevedo Evolução zoológica dos grupos raciais Zebu indiano (ex. Nelore) Bos indicus Zebu africano (ex. Boran) Bos primigenius -250.000 a 1.000.000

Leia mais

Noções sobre raças ZOOTECNIA II. Noções sobre raças 07/03/2017. Classificação quanto à origem: Bos taurus indicus (gado zebuíno, de origem asiática)

Noções sobre raças ZOOTECNIA II. Noções sobre raças 07/03/2017. Classificação quanto à origem: Bos taurus indicus (gado zebuíno, de origem asiática) ZOOTECNIA II Noções sobre raças Prof. Me. Renata de Freitas Ferreira Mohallem E-mail: renataffm@yahoo.com.br Noções sobre raças Bos Taurus indicus 2000 anos Zebu indiano (ex. Nelore) Zebu africano (ex.

Leia mais

Raças de Bovinos CORTE

Raças de Bovinos CORTE Raças de Bovinos CORTE Prof. Gumercindo Loriano Franco Méd. Vet. Célio Gomes de Aguiar Jr. 2 CLASSIFICAÇÃO ZOOLÓGICA DOS BOVINOS: Classe - Mamíferos Ordem Ungulados (presença de casco) Subordem Artiodáctilos

Leia mais

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade.

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade. OUTUBRO 2006 Para chegar ao novo animal, os criadores contaram com a ajuda do superintendente do laboratório de inseminação artificial Sersia Brasil, Adriano Rúbio, idealizador da composição genética

Leia mais

RESUMO DAS PRICIPAIS RAÇAS DE BOVINOS DE CORTE ABERDEEN ANGUS. Origem

RESUMO DAS PRICIPAIS RAÇAS DE BOVINOS DE CORTE ABERDEEN ANGUS. Origem RESUMO DAS PRICIPAIS RAÇAS DE BOVINOS DE CORTE ABERDEEN ANGUS Os criadores da região de Angus e do condado de Aberdeen no oeste e nordeste da Escócia empenharam-se na formação da raça, daí o nome Aberdeen

Leia mais

Programa Expointer 2016

Programa Expointer 2016 DIA 27 DE AGOSTO - SÁBADO 08:00 Concurso Freio de Ouro Concurso Freio de Ouro: Prova de Mangueira - 1ª Fase (Fêmeas e Machos) Exposição de Cães de Raça Exposição de Cães da Raça Ovelheiro Gaúcho - FECIRS

Leia mais

Programa Expointer 2016

Programa Expointer 2016 DIA 27 DE AGOSTO - SÁBADO 08:00 Concurso Freio de Ouro: Prova de Mangueira - 1ª Fase (Fêmeas e Machos) 09:00 3º Match de Raça Cimarrón Uruguayo; 7º Match de Cães da Raça Buldogue Campeiro; 1º Match de

Leia mais

RECURSOS GENÉTICOS E ESTRATÉGIAS DE MELHORAMENTO EM GADO DE CORTE

RECURSOS GENÉTICOS E ESTRATÉGIAS DE MELHORAMENTO EM GADO DE CORTE RECURSOS GENÉTICOS E ESTRATÉGIAS DE MELHORAMENTO EM GADO DE CORTE Antônio do Nascimento Ferreira Rosa Gilberto Romeiro de Oliveira Menezes Andréa Alves do Egito Pesquisadores, Embrapa Gado de Corte 29o.

Leia mais

SEAPA - SECRETARIA DA AGRICULTURA, PECUARIA E AGRONEGOCIO 30/09/15 20:00:21 MAPA SINTETICO FOLHA 1 MAIS TOTAL GR.CAMPEO NOME DA RACA INSC PART % COM

SEAPA - SECRETARIA DA AGRICULTURA, PECUARIA E AGRONEGOCIO 30/09/15 20:00:21 MAPA SINTETICO FOLHA 1 MAIS TOTAL GR.CAMPEO NOME DA RACA INSC PART % COM MAPA SINTETICO FOLHA 1 MERINO AUSTRALIANO 23 22 95 125 22 21 IDEAL 42 34 80 4,00 11 140 65 41.700 11.306 28.800 58 58 CORRIEDALE 73 40 54 8,00 20 156 136 26.660 7.228 10.400 133 132 ROMNEY MARSH 14 13

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE BOVINOS DE CORTE COMPOSTOS NO BRASIL O DESAFIO DO PROJETO MONTANA TROPICAL. José Bento Sterman Ferraz, Joanir Pereira Eler

DESENVOLVIMENTO DE BOVINOS DE CORTE COMPOSTOS NO BRASIL O DESAFIO DO PROJETO MONTANA TROPICAL. José Bento Sterman Ferraz, Joanir Pereira Eler DESENVOLVIMENTO DE BOVINOS DE CORTE COMPOSTOS NO BRASIL O DESAFIO DO PROJETO MONTANA TROPICAL José Bento Sterman Ferraz, Joanir Pereira Eler Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da USP USP-FZEA

Leia mais

Programa Expointer 2014

Programa Expointer 2014 DIA 30 DE AGOSTO - SÁBADO 08:00 Concurso Freio de Ouro: Prova de Mangueira - Etapa Inicial (Fêmeas e Machos) 08:00 Julgamento de Classificação de Equinos: Campeiro 5 09:00 Demonstrações de Cães da Raça

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Cruzamentos. Noções de melhoramento parte 3. Cruzamentos. Cruzamento X Seleção. Como decidir o cruzamento? EXEMPLOS

Cruzamentos. Noções de melhoramento parte 3. Cruzamentos. Cruzamento X Seleção. Como decidir o cruzamento? EXEMPLOS Noções de melhoramento parte 3 Cruzamentos Profa. Renata de Freitas F. Mohallem Cruzamentos Acasalamento: Troca de Gametas que resulta em concepção, gestação e nascimento de filhos. Explora as diferenças

Leia mais

BOVINOS DE CORTE. Raça Shorthorn PO Galpão. Grande Campeão e grande campeã Cabanha Ibirocai Prop. Thales Medeiro Ferreira da Costa.

BOVINOS DE CORTE. Raça Shorthorn PO Galpão. Grande Campeão e grande campeã Cabanha Ibirocai Prop. Thales Medeiro Ferreira da Costa. BOVINOS DE CORTE Raça Shorthorn PO Galpão Grande Campeão e grande campeã Cabanha Ibirocai Prop. Thales Medeiro Ferreira da Costa Raça Charolês Charolês Mocho PO - Rústicos Grande Campeão Lote 87 Estância

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7.

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7. PRVA DE QUÍMICA º 2º 3º 4º 5º 6º 7º TABELA PERIÓDICA DS ELEMENTS (IA),0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr Mn Fe

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL. Prof. Dr. Eduardo Brum Schwengber

MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL. Prof. Dr. Eduardo Brum Schwengber MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL Prof. Dr. Eduardo Brum Schwengber Produção Animal A produção animal baseia-se prioritariamente em três pilares de sustentação: a nutrição, o manejo e o melhoramento genético.

Leia mais

A raça Canchim em cruzamentos para a produção de carne bovina

A raça Canchim em cruzamentos para a produção de carne bovina ISSN 1516-4111X A raça Canchim em cruzamentos para a produção de carne bovina 36 São Carlos, SP Dezembro, 2004 Autor Pedro Franklin Barbosa Eng. Agr., Dr., Pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste, Rod.

Leia mais

Cruzamento em gado de corte. Gilberto Romeiro de Oliveira Menezes Zootecnista, DSc Pesquisador Embrapa Gado de Corte

Cruzamento em gado de corte. Gilberto Romeiro de Oliveira Menezes Zootecnista, DSc Pesquisador Embrapa Gado de Corte Cruzamento em gado de corte Gilberto Romeiro de Oliveira Menezes Zootecnista, DSc Pesquisador Embrapa Gado de Corte Resumo Introdução: Cruzamento o que é? Por que? Aspectos/conceitos importantes Sistemas

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Raças de Bovinos de Corte

Raças de Bovinos de Corte Universidade Federal de Uberlândia FAMEV Disciplina: Bovinocultura de Corte Introdução Raças de Bovinos de Corte Profa: Isabel Raça: grupo de indivíduos da mesma espécie, possuem características comuns,

Leia mais

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a A n t o n i o P a i m N o B r a s i l s e d i me nt o u - s e u ma v is ã o e r r a d a d a c id a d a n ia. D e u m mo d o g e r a l, e s s a c

Leia mais

Programação Expo Umuarama 2017

Programação Expo Umuarama 2017 Programação Expo Umuarama 2017 08 de Março Quarta-feira 08 à 12hr Entrada dos Expositores fase municipal Entrada dos Animais das Raças: ANGUS; BRAFORD; BRAHMAN; BRANGUS; BÚFALO; CARACU; FRANQUEIRO; GUZERÁ;

Leia mais

RAÇAS E CRUZAMENTOS DE BOVINOS 2

RAÇAS E CRUZAMENTOS DE BOVINOS 2 RAÇAS E CRUZAMENTOS DE BOVINOS 2 Introdução 2 Nota importante 2 Exemplo de uma raça européia adaptada 2 Caracu 2 Raças de origem indiana, zebuínas, ou simplesmente Zebu 3 Formadas na Índia 3 Guzerá 3 Nelore

Leia mais

Sistemas de cruzamento para produção de novilhos precoces

Sistemas de cruzamento para produção de novilhos precoces CIRCULAR TÉCNICA {\JQ 22 ISSN 1516-411X Dezembro,1999 Sistemas de cruzamento para produção de novilhos precoces Pedro Franklin Barbosa E~a Pecuária Sudeste Sumário 1.1 ntrodução 05 2. Tipos Biológicos

Leia mais

News. Desfile de Touros da ABS Pecplan é palco de homenagens e ótimos negócios O. anos. Uberaba, Brasil - Maio 2010

News. Desfile de Touros da ABS Pecplan é palco de homenagens e ótimos negócios O. anos. Uberaba, Brasil - Maio 2010 nº 14 News Uberaba, Brasil - Maio 2010 Caro Leitor Bons ventos sopraram em abril. A demanda de leite aumenta internamente e os preços internacionais do leite em pó retornam a valores próximos do excelente

Leia mais

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (11º ANO) Programa iniciado 2016/2017 TIPO DE PROVA: ESCRITA DURAÇÃO: 90 minutos Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias

Leia mais

72ª EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA DE ALEGRETE DE 14 A 19 DE OUTUBRO DE 2014 PARQUE DE EXPOSIÇÕES DR. LAURO DORNELLES

72ª EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA DE ALEGRETE DE 14 A 19 DE OUTUBRO DE 2014 PARQUE DE EXPOSIÇÕES DR. LAURO DORNELLES GRANDES CAMPEÕES AGROPECUÁRIA SÃO PEDRO ESTÂNCIA SÃO PEDRO ALEGRETE B POLLED HEREFORD PC ALFEU DE MEDEIROS FLECK FAZENDA SÃO MANOEL ALEGRETE B LOTE RES BRANGUS POLLED HEREFORD PC ALTAIR ALVES PEREIRA CABANHA

Leia mais

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 CRIADOR TELEFONE GAIOLA ANEL SEXO NOMENCLATURA VALOR OBS ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 1 IB-105-40-13 FM CN OP AM MF IN 100,00 BANCO: 2 BB-3992-44-11

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Raças Bovinas Exóticas

Raças Bovinas Exóticas Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Castelo Branco Raças Bovinas Exóticas (carne, leite e mistas) António Moitinho Rodrigues Castelo Branco 2003 1. INTRODUÇÃO Este texto de apoio, destina-se

Leia mais

RELAÇÃO DE PRODUTOS UNIMED-RIO

RELAÇÃO DE PRODUTOS UNIMED-RIO RELAÇÃO DE PRODUTOS UNIMED-RIO Itens sinalizados em cinza: Por questões contratuais o Nome Comercial foi exibido conforme Ofício protocolizado na ANS no dia 27/12/2013. Nr.Registro/ 467667120 Unimed Alfa

Leia mais

08:00 Concurso Freio de Ouro - Prova de Mangueira (Provas Iniciam Quinta-feira (23.08) - Morfologia)

08:00 Concurso Freio de Ouro - Prova de Mangueira (Provas Iniciam Quinta-feira (23.08) - Morfologia) 25/08 07:30 Julgamento de Classificação de Equinos: Campeiro Local: Pista 14 09:00 Abertura da Expointer 2012 ao Público Local: Pórtico Central 08:00 Concurso Freio de Ouro - Prova de Mangueira (Provas

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DA INDÚSTRIA DE CARNES NA ECONOMIA BRASILEIRA E MUNDIAL - CADEIA PRODUTIVA DA CARNE

PARTICIPAÇÃO DA INDÚSTRIA DE CARNES NA ECONOMIA BRASILEIRA E MUNDIAL - CADEIA PRODUTIVA DA CARNE PARTICIPAÇÃO DA INDÚSTRIA DE CARNES NA ECONOMIA BRASILEIRA E MUNDIAL - CADEIA PRODUTIVA DA CARNE Carmen J. Contreras Castillo Departamento Agroindústria, Alimentos e Nutrição Abatedouros Avícolas Vêm desde

Leia mais

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS 1. Objetivo: 1. Esta rotina permite importar para o banco de dados do ibisoft Empresa o cadastro de pessoas gerado por outro aplicativo. 2. O cadastro de pessoas pode

Leia mais

BOVINOS RAÇAS TAURINAS

BOVINOS RAÇAS TAURINAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS TAURINAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

Ilustração Rodrigo Silva. Capa Figuramundo. Animais de Grande Porte I. / NT Editora. -- Brasília: p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Ilustração Rodrigo Silva. Capa Figuramundo. Animais de Grande Porte I. / NT Editora. -- Brasília: p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autores Osmar Alves Carrijo Junior Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Lavras (2001), mestrado em Ciências Agrárias pela Universidade de Brasília (2004) e doutorado em

Leia mais

Entrada dos animais procedentes de mais de 700 quilômetros. Recepção, identificação e mensuração dos animais.

Entrada dos animais procedentes de mais de 700 quilômetros. Recepção, identificação e mensuração dos animais. PROGRAMAÇÃO EXPOZEBU SEGUNDA-FEIRA 21/04 Entrada dos animais procedentes de mais de 700 quilômetros SEGUNDA-FEIRA 28/04 Recepção, identificação e mensuração dos animais. 13h30 Grafitagem Tema A evolução

Leia mais

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013 II CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 11 1B. 26 Fe 55,8 44 Ru 101,1 76 Os 190,2

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013 II CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 11 1B. 26 Fe 55,8 44 Ru 101,1 76 Os 190,2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DPTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013

Leia mais

TEORIAS E MÉTODOS MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL

TEORIAS E MÉTODOS MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL TEORIAS E MÉTODOS EM MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL I - BASES DO MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL Joanir Pereira Eler* Médico Veterinário, Doutor em Ciências * PROFESSOR TITULAR DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS THYAGO ALBERTO ULLMANN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS THYAGO ALBERTO ULLMANN UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS THYAGO ALBERTO ULLMANN ANÁLISE DA ESTRUTURA DE ABATE DE BOVINOS DE CORTE VISANDO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Física e Química A Tabela de Constantes Formulário Tabela Periódica

Física e Química A Tabela de Constantes Formulário Tabela Periódica Física e Quíica A Tabela de Constantes Forulário Tabela Periódica http://fisicanalixa.blogspot.pt/ CONSTANTES Velocidade de propagação da luz no vácuo c = 3,00 10 8 s 1 Módulo da aceleração gravítica de

Leia mais

A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG INTRODUÇÃO

A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG INTRODUÇÃO A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG 1Elmer Ferreira Luiz de Almeida; 2José Alberto de Àvila Pires 1 Coordenador Técnico Bovinocultura de Leite da EMATER-MG 2Coordenador Técnico Bovinocultura de

Leia mais

Schweiz Switzerland Suisse Svizzera Suiza Svizra Швейцарская. Genética Su íça. êxito mundial. Ver Amar. Comprar Lucrar! Suiça. Naturalmente.

Schweiz Switzerland Suisse Svizzera Suiza Svizra Швейцарская. Genética Su íça. êxito mundial. Ver Amar. Comprar Lucrar! Suiça. Naturalmente. Schweiz Switzerland Suisse Svizzera Suiza Svizra Швейцарская Genética Su íça êxito mundial Suiça. Naturalmente. Ver Amar Comprar Lucrar! 2 Genética Suíça êxito mundial em termos de produção, funcionalidade

Leia mais

Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial

Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial Agregar valor ao plantel de fêmeas bovinas este é o objetivo

Leia mais

Estratégia de seleção e produção de carne no Brasil

Estratégia de seleção e produção de carne no Brasil Estratégia de seleção e produção de carne no Brasil MODELO GENÉTICO PARA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE PARA O BRASIL Raça Pura... Angus no Sul e Nelore no Centro-Oeste e Norte Cruzamento Industrial... Cruzamento

Leia mais

MÓDULO 2 MATRIZ DA PROVA

MÓDULO 2 MATRIZ DA PROVA ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (10º ANO) Programa iniciado 2015/2016 TIPO DE PROVA: ESCRITA DURAÇÃO: 90 minutos Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

Conheça a primeira central de inseminação do mundo.

Conheça a primeira central de inseminação do mundo. Conheça a primeira central de inseminação do mundo. A primeira central de inseminação do mundo nasceu nos Estados Unidos e veste verde e amarelo há mais de 40 anos. A C.R.I. Genética é uma cooperativa

Leia mais

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO Segue abaixo dados das DDMs que mudaram para o PCASP, tanto as que mudaram de nome como as que mantiveram o mesmo nome. Para estas, os campos que serão excluídos (em 2015) estão em vermelho e os campos

Leia mais

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON ASSOCON Associação Nacional dos Confinadores Entidade nacional com 85 membros 21% do volume confinado

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

MÓDULO 5 MATRIZ DA PROVA

MÓDULO 5 MATRIZ DA PROVA ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (11º ANO) Programa iniciado 2016/2017 TIPO DE PROVA: ESCRITA DURAÇÃO: 90 minutos Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. In Sn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83,8 112,4 107,9 85,5 87,6 88,9 91,2 92,9 95,9 (98) 101,1 102,9 106,4 140,1

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. In Sn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83,8 112,4 107,9 85,5 87,6 88,9 91,2 92,9 95,9 (98) 101,1 102,9 106,4 140,1 PROVA DE QUÍMICA º 2º 3º 4º 5º 6º 7º TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS (IA) H,0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. Pb Bi Po At Rn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7.

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. Pb Bi Po At Rn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7. PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS º 2º 3º 4º 5º 6º 7º (IA) H,0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

Produção de Bovinos - Tipo Carne

Produção de Bovinos - Tipo Carne Produção de Bovinos - Tipo Carne Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com.) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com.) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com)

Leia mais

SOLUÇÕES ELÉTRICAS APARELHAGENS DE EMBEBER

SOLUÇÕES ELÉTRICAS APARELHAGENS DE EMBEBER SOLUÇÕES ELÉTRICAS APARELHAGENS DE EMBEBER Preços de Peças Completas 2013/01/01 Interruptor Unipolar ANIMATO DG - Verde/Gelo 2 ACABAMENTOS BASE AQUARELLA ANIMATO BR - Branco GE - Gelo BB - Branco EE -

Leia mais

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação!" !" $%& '( ) %) * +, - +./0/1/+10,++$.(2

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS ASSOCIADAS À EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS PRODUTOS DE CRUZAMENTO ZEBU, RED-ANGUS, SANTA GERTRUDIS E STABILIZER

AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS ASSOCIADAS À EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS PRODUTOS DE CRUZAMENTO ZEBU, RED-ANGUS, SANTA GERTRUDIS E STABILIZER AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS ASSOCIADAS À EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS PRODUTOS DE CRUZAMENTO ZEBU, RED-ANGUS, SANTA GERTRUDIS E STABILIZER GILLIANA DUTRA NEVES UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMENSE

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CRIADORES HERD-BOOK COLLARES

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CRIADORES HERD-BOOK COLLARES 1 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CRIADORES HERD-BOOK COLLARES REGULAMENTO DO SERVIÇO DE REGISTRO GENEALÓGICO DE BOVINOS CAPÍTULO I ÍNDICE Da origem e dos fins...

Leia mais

Tabela de Preços Hora

Tabela de Preços Hora Código Barras UN Preço Grupo ACESSÓRIOS DIVERSOS 1298 1298 CARTAO DE MEMORIA M2 1GB AVULSO SEM ADAPTADOR UN 12,90 1299 1299 CARTAO DE MEMORIA M2 2GB AVULSO SEM ADAPTADOR UN 14,90 1297 1297 CARTAO DE MEMORIA

Leia mais

dno 72.'-Número &sz-sabado 14 de lulho de ^ ?Wah da Emma Campeão das vaíacías, NP_ Publica-se aos 'sabadbs 'F3P "sab d?de

dno 72.'-Número &sz-sabado 14 de lulho de ^ ?Wah da Emma Campeão das vaíacías, NP_ Publica-se aos 'sabadbs 'F3P sab d?de 7Nú &zsb 93 GDTR Lããâ R 5 ^ z Pb bb 8Ê ü%% à 93? É?ê / 333 S bõ ) b F3P b? N59 J bã àlê @ z S5 Nã 5 ] ããããà b y3338% 359 7 b? Cã NP > â â ã & â ê Nú 8 5 BZZF G 85) B! bz 5 ó b ã > z z ó R à! P? z J Sb!

Leia mais

RELÉS 24V CA / CC 24 240V CA/CC 3RR21 41-1AA30 3RR21 41-1AW30 3RR21 42-1AA30 3RR21 42-1AW30

RELÉS 24V CA / CC 24 240V CA/CC 3RR21 41-1AA30 3RR21 41-1AW30 3RR21 42-1AA30 3RR21 42-1AW30 Reles de Monitoramento de Corrente SIRIUS Os reles de monitoramento de corrente supervisionam não apenas os motores ou outras cargas, mas adicionam facilidades para o monitoramento da corrente ideal do

Leia mais

A melhor genética em 2013

A melhor genética em 2013 A melhor genética em 2013 O serviço de Inseminação artificial (IA) da Associação de Agricultores da Ilha do Pico (A.A.I.P.) coloca novamente ao dispor dos seus associados e agricultores em geral as melhores

Leia mais

RAÇAS ZEBUINAS DE APTIDÃO LEITEIRA desenvolvimento, oportunidades e expectativas

RAÇAS ZEBUINAS DE APTIDÃO LEITEIRA desenvolvimento, oportunidades e expectativas RAÇAS ZEBUINAS DE APTIDÃO LEITEIRA desenvolvimento, oportunidades e expectativas Carlos Henrique Cavallari Machado Superintendente Melhoramento Genético 1ª ENTRADA DE ZEBU NO BRASIL 1813 casal de zebu,

Leia mais

S955 Sumário de touros Montana 2009 São José do Rio Preto : CFM-Leachman Pecuária, f.

S955 Sumário de touros Montana 2009 São José do Rio Preto : CFM-Leachman Pecuária, f. Programa Montana Sumário Montana 2009 S955 Sumário de touros Montana 2009 São José do Rio Preto : CFM-Leachman Pecuária, 2009. 39 f. 1. Bovinos, Montana 2. Melhoramento genético, animais 3. Composto Montana

Leia mais

RAÇAS E ESTRATÉGIAS DE CRUZAMENTO PARA PRODUÇÃO DE NOVILHOS PRECOCES

RAÇAS E ESTRATÉGIAS DE CRUZAMENTO PARA PRODUÇÃO DE NOVILHOS PRECOCES RAÇAS E ESTRATÉGIAS DE CRUZAMENTO PARA PRODUÇÃO DE NOVILHOS PRECOCES Pedro Franklin Barbosa Embrapa Pecuária Sudeste, São Carlos, SP 1. INTRODUÇÃO A produção de carne bovina (P), em uma determinada região

Leia mais

CRUZAMENTO OU SELEÇÃO ADITIVA? OS DOIS! Lee Leachman

CRUZAMENTO OU SELEÇÃO ADITIVA? OS DOIS! Lee Leachman CRUZAMENTO OU SELEÇÃO ADITIVA? OS DOIS! Lee Leachman Leachman Cattle Company, CEO P.O. Box 2505 Billungs, Montana, EUA www.leachman.com E-mail: lee@leachman.com INTRODUÇÃO Mais e mais produtores e cientistas

Leia mais

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação. S955 SUMÁRIO de touros Montana São José do Rio Preto: CFM-Leachman Pecuária, p.

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação. S955 SUMÁRIO de touros Montana São José do Rio Preto: CFM-Leachman Pecuária, p. Programa Montana Sumário Montana 2014 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação Serviço de Biblioteca e Informação da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo

Leia mais

Sobre a obra: Sobre nós:

Sobre a obra: Sobre nós: Sobre a obra: A presente obra é disponibilizada pela equipe do ebook espírita com o objetivo de oferecer conteúdo para uso parcial em pesquisas e estudos, bem como o simples teste da qualidade da obra,

Leia mais

Genética de Populações

Genética de Populações MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL Genética de Populações COMO SE CONSEGUE ATINGIR OS OBJETIVOS DO

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE E DO SISTEMA DE PRODUÇÃO NO BRASIL..

EVOLUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE E DO SISTEMA DE PRODUÇÃO NO BRASIL.. ÍNDICE 1 EVOLUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE E DO SISTEMA DE PRODUÇÃO NO BRASIL.. 4 1.1 GESTÃO... 6 2 RAÇAS BOVINAS DE CORTE... 9 2.1 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 9 2.2 RAÇAS EUROPÉIAS (BOS TAURUS)... 10 2.3

Leia mais

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir:

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar, escrever

Leia mais

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««=======================

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««======================= œ» EM NOME O PI Trnscçã Isbel rc Ver Snts Pe. Jãzinh Bm & # #6 8 j. j... Œ. ll { l l l l n me d Pi e d Fi lh ed_es & #. 2. #. _. _ j.. Œ. Œ l l l j {.. l. pí t Sn t_ mém Sn t_ mém LÓRI O PI Trnscçã Isbel

Leia mais

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Física e Química A Versão Teste Intermédio Física e Química A Versão Duração do Teste: 90 minutos 30.05.01 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de março Na folha de

Leia mais

Principais Aplicações BZM ESPECIAL LINHA PESADA CAMINHÕES TRATORES EMPILHADEIRAS COLHEITADEIRAS ESTACIONÁRIOS

Principais Aplicações BZM ESPECIAL LINHA PESADA CAMINHÕES TRATORES EMPILHADEIRAS COLHEITADEIRAS ESTACIONÁRIOS BZM ESPECIAL Principais Aplicações LINHA PESADA CAMINHÕES TRATORES EMPILHADEIRAS COLHEITADEIRAS ESTACIONÁRIOS m m e e a m U presa presa. nacional nacional 100 % 15.JAN.2015 BZM BZM LINHA LINHA PESADA PESADA

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE PERFURAÇÃO. Rio de Janeiro Outubro 2012

ATUALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE PERFURAÇÃO. Rio de Janeiro Outubro 2012 ATUALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE PERFURAÇÃO Rio de Janeiro Outubro 2012 ATIVIDADES EM ANDAMENTO Poço Bloco Prospecto Sonda Distância da Costa Lâmina d água Status Net Pay CY TBMT-1D/2HP BM-C-39 Tubarão Martelo

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

SCOT. Centro de Conhecimento em Agronegócios. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo

SCOT. Centro de Conhecimento em Agronegócios. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo CÂMARA SETORIAL DE LEITE E DERIVADOS SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO Centro de Conhecimento em Agronegócios Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Universidade

Leia mais

Vieiras com palmito pupunha ao molho de limão

Vieiras com palmito pupunha ao molho de limão Vs o to nh o oho d ão Oá, ss ntd fo ns dos tos fz s gost. Aé d nd dd, obnção d sbos sson té os s xgnts. A t s dfí v s onsg vs fss. Ingdnts: 1 to nh; 3 dúzs d vs; s nt t; d do. Modo d fz: t s tbhos é bs

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO PISM III - TRIÊNIO PROVA DE QUÍMICA

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO PISM III - TRIÊNIO PROVA DE QUÍMICA Questão 1: Uma forma de se alterar a velocidade de reações químicas é adicionar uma substância, denominada de catalisador, que praticamente não sofre alteração ao final do processo reacional. A velocidade

Leia mais

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Entrevistado: Marcelo Brandi Vieira Mestre em Reprodução Animal Diretor Técnico da Progen Inseminação Artificial BI: Qual a importância da Inseminação Artificial

Leia mais

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling

Eu sou feliz, tu és feliz CD Liturgia II (Caderno de partituras) Coordenação: Ir. Miria T. Kolling Eu su iz, s iz Lirgi II (drn d prtirs) rdnçã: Ir. Miri T. King 1) Eu su iz, s iz (brr) & # #2 4. _ k.... k. 1 Eu su "Eu su iz, s iz!" ( "Lirgi II" Puus) iz, s _ iz, & # º #.. b... _ k _. Em cm Pi n cn

Leia mais

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA M RJETHRTAEMCAA CM LANTAR E CLHER ALIMENT EM CAA 201 A Rzçã Ch Dvv Hb Ub CDHU I GEA é b REFEITUR A DE Ã AUL VERDE E MEI AMBIENTE FhTé Ebçã Tx Agô Jé Lz Ch T Nh Rh Rvã A M Dg Lz Egá j Nh Rh Rq L R Rf Tv

Leia mais