PARTICIPAÇÃO DAS ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO CAS/DF: DISCURSO E PRÁTICA. 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARTICIPAÇÃO DAS ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO CAS/DF: DISCURSO E PRÁTICA. 1"

Transcrição

1 PARTICIPAÇÃO DAS ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO CAS/DF: DISCURSO E PRÁTICA. 1 Érica Ramos Andrade 2 Marlene de Jesus Silva Santos 3 1. Introdução Mesmo com os grandes avanços verificados após a Constituição Federal de 1988 (CF/88), a assistência ainda sofre dificuldades em implementar seus preceitos legais diante de seu legado histórico. As entidades de assistência social 4 se constituem num dos pilares da filantropia como relação entre Estado e sociedade civil, se colocando à frente da prestação de serviços para a população pobre. O empecilho de consagrar da assistência enquanto um direito social reconhecido pelo Estado e provido mediante política pública se deu mesmo por interesses privados das elites, comprometendo a construção da cidadania nesse processo. O Conselho Nacional de Serviço Social (CNSS), um dos principais órgãos de institucionalização da filantropia, cedeu lugar ao Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS) que pretendeu garantir a participação do conjunto da sociedade civil no processo de construção da política. Os Conselhos de Assistência são órgãos colegiados e deliberativos, compostos, além dos representantes governamentais, por trabalhadores, entidades privadas e usuários, sendo esses últimos três com igual peso. Como espaço de publicização de conflitos, o Conselho de Assistência Social do Distrito Federal (CAS/DF), espaço tomado para realização deste trabalho, assume um papel contraditório: é visto tanto como recurso para práticas inovadoras que visam aprofundar a democracia no Brasil, como espaço para reprodução de interesses privados 1 Esta pesquisa foi parte de um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) em Serviço Social apresentado em fevereiro de 2011 na Universidade de Brasília (UnB). 2 Assistente Social graduada pela UnB. 3 Assistente social e Mestre em Política Social pela UnB. Professora do Departamento de Serviço Social da UnB. 4 Nesse trabalho entidades e instituições privadas, filantrópicas e de assistência social são usadas como sinônimos como recurso de estética para o texto e evitar repetições. 1

2 e corporativos das entidades filantrópicas. As entidades como representantes da sociedade civil assumem esse conflito ao mediar os interesses dos usuários da assistência e os seus como prestadores de serviços. Diante do exposto, o objetivo deste trabalho consiste em analisar o discurso e a prática das entidades representantes no CAS/DF. Logo, indagamos se a prática e o discurso no CAS/DF dos (as) conselheiros (as) representantes das entidades e organizações de assistência que atendem os usuários da assistência social refletem as demandas do público que eles (as) representam? A fim de respondê-la, levantou-se a hipótese de que esses representantes não conseguem refletir os interesses dos usuários. Para referendar a pesquisa optou-se pelo uso de metodologia qualitativa em que se procurou identificar as variáveis que interferem na participação social da sociedade civil no CAS/DF. Foram realizadas entrevistas individuais semi-estruturadas com 5 representantes das entidades eleitas para levantar aspectos do seu discurso e compromisso com os usuários da política de assistência social. O estudo foi feito, também, com base em observações ordinárias feitas em 4 reuniões do CAS-DF, sendo duas reuniões ordinárias e duas extraordinárias. Além disso, foram analisadas as atas das reuniões de 2009 e 2010, período de vigência da última gestão eleita. Essas etapas permitiram verificar quais pautas têm sido priorizadas, de que forma as discussões foram feitas, quem apoiou ou não e se elas conseguiram aprovação. Ademais, esta pesquisa respeitou os princípios éticos estabelecidos na Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde (CNS) e foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Instituto de Ciências Humanas da Universidade de Brasília (CEP/IH) conforme protocolo 10/11 de Assistência Social no Brasil: o peso do legado histórico Historicamente, a assistência social no Brasil se mostrou como um campo marcado pela relação tênue entre público e privado. Provida tanto pelo governo quanto pelas entidades privadas pertencentes, principalmente a Igreja Católica, acabou por se desenvolver mais em decorrência do dever moral da ajuda do que por uma necessidade de promover justiça social e cidadania (BEC apud BOSCHETTI, 2006: 180), só vindo 2

3 a se firmar como direito constitucional a partir de A assistência, portanto, desenvolveu-se assentada numa cultura política filantrópica como base da relação entre Estado e sociedade civil. A instituição do Conselho Nacional de Serviço Social (CNSS) em 1938 caracterizou-se como uma das primeiras iniciativas da burocracia estatal voltada ao amparo social. Muito embora em seu regimento constassem outras atividades como a realização de estudos e pesquisas na área, o repasse de recursos financeiros e registro das entidades foram funções que mais se destacaram, de modo a conferir um caráter cartorialista a esse órgão. Orientadas muito mais por interesses organizacionais do que por uma necessidade de conferir proteção aos pobres, essas atividades acabam por florescerem a revelia desses interesses. A Legião Brasileira de Assistência (LBA), entidade privada e de caráter missionário fundada em 1942 para apoiar os brasileiros ex-combatentes da II Guerra Mundial e seus familiares, teve um papel central na institucionalização da filantropia no provimento das ações assistenciais. Em pouco tempo a LBA iria formar convênios com entidades filantrópicas de forma a enraizar sua atuação por quase todo o território nacional 5 sem romper com a centralização das ações a nível federal desarticulado das ações locais (SPOSATI & FALCÃO, 1989). Ela estende o seu ramo de atuação para atividades de apoio à maternidade e à infância, além de especializar e prover maior racionalidade aos serviços prestados com o aumento do corpo técnico de profissionais, em que pese a predominância dos serviços ainda serem prestados à revelia das instituições privadas. Foi criada, também, a Fundação Nacional do Bem-Estar do Menor (FUNABEM) cuja atuação consistia em subsidiar entidades de proteção à criança e ao adolescente. Nessa linha de prestação de serviços sócio-assistenciais, com a Lei nº 3.933/61 sobre a Declaração de Utilidade Pública a partir da década de 60, tem-se um alargamento das vantagens fiscais para as entidades privadas e a concessão de anistia às instituições devedoras da previdência. Influenciado por isso, houve uma especialização 5 Após 3 anos de sua criação a LBA estava presente em 90% dos municípios brasileiros, e em 1968 ela expande suas ações a 26 estados (SPOSATI & FALCÃO, 1989: 21). 3

4 maior das atividades do CNSS, conseqüência do volume de subvenções e registros que eram requisitados. Por isso, Mestriner define essa etapa como: de institucionalização definitiva da subvenção, que ganha maiores exigências e controle, e da instituição do cadastramento das entidades sociais pelo Registro Geral no CNSS, na primeira fase do período; e do alargamento das vantagens fiscais, na segunda fase. (2008: 130). Com a instauração da ditadura militar em 1964, verifica-se uma expansão dos direitos sociais 6 como contrapeso ao cerceamento dos direitos políticos e civis. No campo da assistência a LBA desvincula-se de seu caráter missionário para transformarse em Fundação de direito privado com aumento de sua estrutura administrativa e crescimento do corpo de profissionais técnicos fazendo reproduzir sua ação por toda a rede de filantropia, por meio de acordos e convênios de cooperação mútua (MESTRINER, 2008: 168). Além disso, passou a contar com recursos orçamentários da União, Estados e Municípios e oriundos dos concursos de prognósticos. O fato de se ter parte dos serviços organizados pelo Estado ainda não assegurava à assistência a qualidade de direito, sendo ofertada predominantemente sob a ótica da filantropia. A LBA não assumia a responsabilidade primeira pela promoção do bemestar da população, mas uma co-responsabilização partilhada com a sociedade civil na prestação de serviços (SPOSATI & FALCÃO, 1989). Também as suas funções, ainda que destinadas a alguns setores populacionais, não conseguiam garantir cobertura a toda a população pobre e não contavam com uma continuidade e integração de seus serviços. À medida que a recessão econômica se propala na década de 1970, tem-se o agravamento dos problemas sociais e a explicitação dos conflitos, sinais esses que serão fundamentais para fragilizar o regime ditatorial e aumentar a pressão pelo retorno da democracia política. Soma-se a isso, a baixa efetividade das ações da LBA (SPOSATI & FALCÃO, 1989: 55) e das entidades filantrópicas. A partir desses elementos retomase a discussão de propor reformas mais eficazes que possam atingir de fato as questões que persistem na sociedade brasileira. 6 Houve uma tendência a alargar a proteção social brasileira com a unificação dos Institutos de Aposentadorias e Pensões e das Caixas de Aposentadorias e Pensões, universalizando a provisão dos serviços e benefícios previdenciários e de assistência médica, e com a criação do Sistema Nacional de Previdência e Assistência Social em 1977 que se caracterizava em regulamentar as políticas de previdência, assistência social e assistência médica e controlar a execução dessas políticas. Além disso, foram incluídos na previdência os trabalhadores rurais. 4

5 Em meio a isso, é garantida a aprovação da Constituição Federal de 1988, considerada um avanço na consagração da política de assistência social. A sua instituição como direito social, devendo ser ofertada como política pública oferece um novo padrão de proteção. A sua inclusão no artigo 6º insere o imperativo legal na busca de reelaborar práticas históricas de tutela do Estado e do setor privado que tornavam tênue a linha de separação entre política social e ações de caridade (BOSCHETTI, 2003). Alçada a essa condição, a assistência provoca a intervenção do Estado no amparo a determinados grupos além de se distinguir das ações da filantropia que, embora consideradas um dever moral, não produzem direitos correspondentes e não são judicialmente reclamáveis (PEREIRA, 1996: 70). A Lei Orgânica de Assistência Social (LOAS) promulgada em 1993 como uma das garantias de consagração desse direito, expressou uma combinação de lutas e interesses no âmbito da sociedade civil: ao passo que ela reitera a primazia da responsabilidade do Estado na condução da política, no artigo 6º declara que ações serão organizadas e prestadas pelas entidades privadas (LOAS, 1993). Nesse aspecto, a lei é contraditória ao fundar uma política pública e ao mesmo tempo reafirmar a filantropia. Ela é permissiva, portanto, quanto à permanência dessas atividades a cargo da sociedade civil. Foram instituídos também com a LOAS, os Conselhos de Assistência Social com vistas a fiscalizar e aprovar ações para a referida política com a participação de setores da sociedade civil. Além disso, foram estabelecidas as Conferências de Assistência Social realizadas a 4 anos como forma de avaliar a política como um todo. Aqui, se consagram os pilares fundamentais da participação política ensejando uma cultura democrática mediante a possibilidade de atuação de sujeitos sociais permanentemente nos processos decisórios. Entretanto, o CNAS, ao substituir o CNSS, herda dele o legado da função cartorialista. Em que pese o volume de trabalho de fiscalização que tomou conta de um espaço destinado à discussão política, foi esse trabalho também que permitiu legitimar o CNAS no cenário nacional (RAICHELIS, 2008). Mesmo assim, algumas das tentativas desse Conselho consistem em conferir maior clareza e aprimorar as regras na concessão de vantagens às entidades de 5

6 assistência. A Resolução nº109 de 11 de novembro de 2009, padronizou os serviços do SUAS de modo que as entidades que sejam de assistência social não podem fugir desse rol de serviços listados. Mesmo que com recursos públicos a prestação deixa de ser à revelia dos critérios das entidades e passa a assumir propriedades mais sistematizadas e em consonância com as pactuações efetuadas nas instâncias deliberativas. Já a Resolução nº16 datada de 5 de maio de 2010 estabelece critérios básicos para a inscrição de entidades de assistência social nesses Conselhos de forma a estabelecer quais entidades prestam, de fato, serviços de assistência social. Em que pese o fato dessas normas conferirem maior sistematicidade à prestação de serviços, essa política ainda encontra-se entremeada a valores que foram enraizados no decorrer de sua histórica conformação. Ao lado das proposições legais e práticas inovadoras permanecem mentalidades e valores conservadores que estimulam ações emergenciais e caridade e pronto-socorro aos pobres (OLIVEIRA, 2003: 18). Afirmar uma cultura embasada no direito a ter direitos significa, para além de o Estado ter a primazia na execução da política, a supremacia do interesse público 7 frente a interesses privados e organizacionais. 3. Conselhos de Assistência Social: espaço de representação de interesses As mudanças conquistadas a partir da CF/88 prometeram suplantar um padrão de regulação Estado-Filantropia-Sociedade por meio de direitos que diferiam do dever moral da ajuda. A cidadania 8 deve ser compreendida não só como o acesso a esses direitos sociais básicos, mas também quanto à possibilidade de participação da sociedade civil nas decisões do Estado. Os Conselhos de Assistência Social fazem parte de um processo de democratização da esfera pública, essa última entendida como espaço de publicização de interesses heterogêneos, de confronto entre práticas sociais contraditórias e de luta pela hegemonia político-cultural em torno de projetos 7 Aqui a idéia de interesse público remete ao interesse dos usuários por ser esse o alvo primeiro da política. 8 Entende-se como respeito ao próprio direito à vida no seu sentido pleno, como direito à existência em todas as suas dimensões (COVRE, 1991). A cidadania implica que o interesse público seja permanentemente construído por seus atores. 6

7 societários (RAICHELIS, 1998: 85). Na qualidade de pública, ela passa a estar sujeita à pressão de atores sociais defendendo distintos projetos políticos. A LOAS já emerge de um aumento da participação de diversos atores incorporando, além das tradicionais entidades filantrópicas, novas ONGs com concepções mais progressistas que contribuirão para o aprofundamento de uma cultura de participação e reivindicação de direitos numa área que historicamente reproduziu a ausência de mobilizações sociais. A formação dos Conselhos advém desse processo recente de mobilização, o que para a assistência tem certa importância devido ao peso da sua cultura tradicional. Uma das inovações que os conselhos trazem consiste em garantir espaço para que a participação representativa seja feita pelos próprios destinatários da assistência o que não impede, entretanto, que os demais setores também levem as demandas dos usuários pela via indireta. O fato de haver diversos segmentos ali representados não significa que eles devem levar seus interesses corporativos, mas que eles carreguem demandas dos sujeitos a que se destina a política, uma vez que é a esses que a assistência se volta. Como espaço aberto ao conflito, é importante compreender quais tipos de projetos políticos predominam. Gohn (2004) identifica que o conceito de empoderamento pode conotar tanto a mobilização e mudanças de práticas de forma a garantir autonomia, desenvolvimento e qualidade de vida de grupos e comunidades como designar meramente ações sociais com vistas a integrar paliativamente e emergencialmente populações pobres e/ou excluídas. Essa compreensão pode orientar quais discursos estão sendo pautados nesses espaços de controle social. A consagração de um espaço público deve se dar mediante ocupação de sujeitos coletivos, que representem legitimamente pautas coletivas e voltadas ao interesse público, confluindo para o confronto entre os diversos projetos políticos em voga (RAICHELIS, 2008: 85). Isso implica que representantes formem laços com a sociedade civil no sentido de realizar a mediação e intermediação necessária para promover visibilidade e controle social exercido pelo resto da população. É importante que os instrumentos publicizadores sejam constantemente ativados de tal modo que a participação extrapole os espaços institucionalizados e que os representantes sejam constantemente aptos e 7

8 capacitados para a tomada de decisão. Contudo, segundo Paz (2009) a representação dos interesses caracteriza-se como uma via de mão dupla, onde tanto os eleitos quanto as demandas possuem responsabilidades de mobilização e articulação. De outro modo, a representação acaba por ser esvaziada de representatividade quando há uma delegação àqueles que estão efetivamente no poder e omissão da base na formação das pautas e defesa de projetos. Diante da dificuldade de estabelecer essa articulação, a participação representativa nesses espaços significa antes a expressão da diversidade na sociedade civil do que a defesa de interesses coletivos organizados em nome dos outros (ABERS e KECK, 2008). Isso demonstra que as decisões levantadas naquele espaço não necessariamente refletem ideais bem consensuados e organizados. Apesar de tais decisões não se configurarem de fato numa democratização das relações e formação ativa e legítima de representantes, os Conselhos se caracterizam, em última instância, como fontes de novas práticas e novos procedimentos e constituem-se em arenas para o debate e tomada de decisão (ABERS e KECK, 2008: 101). Desse modo, mesmo que o espaço não se constitua ainda como, de fato público, ele fomenta uma cultura mais participativa dos segmentos inseridos na política. O principal desafio que se coloca frente a esses espaços é a compreensão de seus significados e suas potencialidades no campo do controle social (RAICHELIS, 1998). Eles se colocam como estratégias concretas para promover mudanças na cultura desenvolvida no campo da assistência. Nesse cenário, mostra-se importante a consagração de uma esfera pública que dê vazão e reafirme os diversos interesses e propostas em torno da política conferindo um espaço de embates políticos que deságuam no consenso ativo dos atores sociais. Para tanto, a publicização requer: a garantia de visibilidade social das ações do governo; o controle social pela sociedade civil na fiscalização das ações como na proposição e na deliberação delas; a representação de interesses coletivos, a fim de que haja o trânsito desses diversos projetos na cena pública; a democratização das relações sociais; e, a afirmação de uma cultura pública. Essa estratégia faz parte de um processo de abertura desses espaços à população, fortalecendo os laços de discussão e debates para formação do consenso deliberado. 8

9 Nota-se, diante do exposto, que os Conselhos são espaços repletos de limites e de caminhos possíveis para construção da participação e cidadania. Acima de tudo, devem-se entender os Conselhos como espaços importantes e indutores de uma nova cultura política, de tal forma que seja possível romper com os laços tradicionais da política de assistência e radicalizar a cidadania (RAICHELIS, 1998). Resta saber, e tentaremos analisar no próximo tópico, em que medida as entidades têm feito esse papel tencionando o Estado com as demandas que lhe são levadas como um dos segmentos interlocutores dos usuários. 4. Análise dos dados O CAS/DF consiste em um instrumento de construção da Política de Assistência Social no Distrito Federal que conta com a participação coletiva de representantes da sociedade civil empossados por eleições diretas. É importante destacar que na última eleição, dada a falta de mobilização dos usuários, fato presente historicamente na referida política, não foi possível compor as quatro cadeiras de suplentes reservadas e um dos titulares eleitos foi indicado por uma entidade. Tal fato ilustra a argumentação de Raichelis (2006), quando pontua que a contraface da pobreza como ausência de renda, se constitui na dificuldade de representação política nos espaços públicos. Pelas entrevistas realizadas foi possível analisar algumas características das entidades empossadas. A maioria delas foi criada até meados da década de 70 com exceção de uma, cuja sucursal de Brasília foi criada em Ainda, três entidades declararam possuir vínculos com a Igreja Católica, uma cultua o espiritismo, apesar de não ser ligada a nenhuma instituição religiosa, e uma laica. A partir desse quadro, é possível perceber como a Igreja Católica permanece predominante nesse campo. Ainda, tais fatores podem indicar que as entidades carreguem concepções mais tradicionais em relação à assistência, muito embora ocorra uma reformulação dessas concepções à medida que associam valores e práticas conservadores às compreensões mais progressistas. Esse perfil montado pode já indicar como algumas características que foram percebidas historicamente podem influenciar na participação das entidades. No universo de representantes entrevistados, todos declararam que suas respectivas entidades recebem subsídios governamentais, por meio de isenção de 9

10 impostos e repasse direto de recursos. Isso demonstra como de fato a filantropia continua a ser utilizada como base da relação entre Estado e sociedade civil. No entanto, o papel dos Conselhos é repensado a partir da CF como potencializador de uma construção democrática das políticas. São criados sob a ótica da cidadania, apesar da atividade cartorial herdada pelo CNSS. Essa herança recebida pelos Conselhos de Assistência Social dilui a sua compreensão como espaço eminentemente político, abrindo espaço para um trabalho mais técnico como é a concessão de certificados e inscrições de entidades. Em relação à motivação das entidades em participar do CAS, as entrevistas revelaram que existe uma preocupação por parte das entidades em antes se legitimarem como prestadoras de serviço da política de assistência social. Segundo a ata da 192º reunião ordinária, outro representante de entidade pede que o CAS faça gestões com os procuradores da PGDF para agilizar pareceres de Utilidade Pública. Portanto, as entidades ainda percebem o CAS como instrumento para ganhar certificados que sejam de seu interesse e para que possam continuar a atuar no campo. O reconhecimento do Conselho, por essa ótica, justifica que as entidades recorram a esse espaço para atender também à suas demandas como prestadoras de serviços para além de representar as demandas dos usuários. Esse achado de pesquisa corrobora Neves (2008), que explica que o domínio do privado no espaço público constitui um lastro na tradição da cultura brasileira que define valores e práticas sociopolíticas interferindo na construção dos Conselhos como espaço eminentemente público. Esse entendimento de participação acaba por influenciar na compreensão do papel dessas entidades no CAS/DF. Na fala desse representante, o Conselho é visto como espaço meramente para se ocupar em vez de participar. A presença dos conselheiros é entendida como ouvidos da sociedade civil para que as decisões possam ter o consentimento dela, por meio dos representantes eleitos. Não está presente nos discursos uma concepção daquele espaço como fortalecimento da política de assistência social e como fonte produtora de novos direitos. A política não deve ser uma conquista em si, mas ela é um espaço em constante construção implicando que haja a participação ativa da população e a plena compreensão dos princípios, objetivos e da operacionalização desses conceitos para que sejam efetivamente implementados. 10

11 Ainda assim, a maioria (3 dos entrevistados) afirmou estar preocupado em estabelecer diálogos com movimentos sociais e organizações de usuários. Porém, ao que tudo indica esse diálogo tem sido feito parcialmente, uma vez que as discussões não conseguem chegar ao CAS. O trabalho de assessoramento a movimentos e organizações reflete um pouco a dificuldade dos representantes em como interagir com as demandas. Em uma plenária, um dos representantes das entidades fez o seguinte questionamento: qual a responsabilidade material e orientativa de reconhecer esses movimentos que não possuem recursos para se registrar e receber recursos?. Ao que parece, o problema maior das instituições se refere à ausência de recursos financeiros, porém subjaz nessa fala a importância de as entidades desenvolverem tarefas de assessoramento, organização e articulação junto aos movimentos sociais fazendo a ligação entre usuários, Conselhos e Estado para que os interesses populares sejam ouvidos. Mesmo assim, a forma como os conselheiros formulam suas propostas, ainda parece estar distante de consolidar uma democratização dos espaços de discussão. Alguns relataram não levar propostas, porém dentre os que levam, elas são formuladas da seguinte maneira: Dentro da minha necessidade, da minha vivência aqui e de todas as entidades que tem relacionamento através desse Conselho, é uma necessidade comum dessas entidades. (Entidade 2) [ ] eu, particularmente tenho como princípios não levar propostas minhas, né. Eu discuto as propostas no nosso Conselho das entidades né, no CEPAS. Nós temos um fórum exatamente para discutir e levar propostas. (Entidade 1) As falas apresentam um novo espaço de participação e consenso com forte influência sobre o CAS: o Conselho de Entidades de Promoção de Assistência Social (CEPAS). Sendo assim, as principais propostas discutidas no CAS remetem antes aos interesses das entidades como prestadoras de serviços, do que das necessidades dos usuários. Por serem legitimadas como prestadoras de serviços frente a um Estado que tem se colocado ausente, elas concebem o Conselho como espaço de atendimento também às suas demandas organizacionais. Esse espaço tem sido usado com freqüência como um recurso para resolução de seus conflitos institucionais, como indicam as propostas dos representantes. 11

12 Nesse sentido, parece que as demandas dos usuários têm sofrido certa dificuldade de chegar ao CAS, seja pela falta de organização e mobilização desse segmento para fins de participação direta, seja pela dificuldade das entidades em transitar esses interesses, priorizando algumas vezes seus projetos organizacionais. Isso é identificado até por uma dos representantes dos usuários. Os fatos acima ilustram mesmo um dos problemas da democracia representativa, onde a tomada de decisões é deixada a cargo dos representantes sem que se tenha construído antes um posicionamento coletivo acerca das questões abordadas. Esse é um problema tanto dos representados e representantes que deixam esse vácuo na construção coletiva. Além disso, demonstra a dificuldade de mobilização dos usuários da Assistência Social. Tal fato é notório até pelo fato de o CEPAS ser um dos únicos espaços coletivos mencionados que influencia nas discussões enfrentadas dentro do CAS, indicando a falta de espaços que articulem os interesses coletivos em voga e fortaleça a formação de atores coletivos. Além disso, foi relatado que as pautas acabam sendo tomadas tanto pelo trabalho burocrático cartorial, citado como importante por uma das entidades. É contraditória essa análise uma vez que essa estrutura favorece a manutenção desse segmento como espaço de oferta de serviços socioassistenciais, posicionamento defendido pela maioria dos representantes. Entretanto, é fato que essas discussões acabam tomando muito tempo do Conselho e é uma prática muito mais técnica do que política, contribuindo para despolitizar esses espaços. Desde a criação do CNSS, os Conselhos são vistos pelas instituições privadas como espaço para regular e regulamentar a filantropia, papel que sofreu pouca alteração no transcurso da assistência. Mesmo que pouco, o diálogo com a sociedade civil tem ajudado no fortalecimento desses atores levando a discussão para dentro do Conselho sensibilizando os conselheiros e possibilitando o acúmulo de experiências. Por isso, é importante que os representantes dos diversos segmentos exerçam seu potencial naquele espaço, contribuindo para radicalizar a cidadania realizando trabalhos de assessoramento e organização junto aos movimentos sociais e tencionando tais demandas no espaço público. 12

13 5. Considerações finais Ao longo deste trabalho percebeu-se que a filantropia ainda se reproduz na política de assistência social colocando as entidades filantrópicas à frente da prestação de serviços em detrimento da construção de uma política de fato pública e atendimento dos serviços diretamente pelo Estado. Essa também é a lógica que permeia os discursos dos representantes no CAS/DF, o que dificulta conceder outro direcionamento à referida política. Esse é um dos fatores centrais que acaba distorcendo a compreensão do CAS/DF por parte dos representantes de entidades, enxergando-o como espaço para vazão de seus conflitos organizacionais. Na ausência de articulação entre os usuários, as entidades levam para o Conselho pautas mais afetas a elas como prestadoras de serviços do que construções coletivas e mais relevantes para os usuários. O CEPAS, como uma das únicas instâncias organizadas coletivamente fora do Conselho, acaba por direcionar as discussões naquele espaço confluindo para que as discussões sejam mais de interesse das entidades. Tal fato se dá até por uma necessidade de sobrevivência das entidades em meio a um Estado neoliberal, que reduz os custos para a área social. Por isso, pode-se dizer que a hipótese de que os representantes das entidades não conseguem refletir os interesses dos usuários foi comprovada. Seja por falta de compromisso e interesse, seja por uma dificuldade de articular-se com as demandas a voz dos usuários ainda sofre dificuldades em chegar ao CAS e ser ouvida pelo Estado. Os interesses das entidades e do governo têm se sobreposto aos interesses dos destinatários da política. Mesmo que haja certo amadurecimento do Conselho como espaço de discussão, as mudanças implementadas ainda são lentas. Diante dessa realidade, é possível inferir que o espaço público ainda é tomado por interesses privados e organizacionais. A luta para aprofundar a esfera pública deve passar pela compreensão dos determinantes culturais e políticos que permearam o cenário brasileiro (NEVES, 2008). Portanto, avançar na luta pela extensão da cidadania e consagração da justiça social no Brasil implica que os sujeitos políticos se dotem de uma compreensão crítica sobre a realidade. 6. Referências Bibliográficas 13

14 ABERS, Rebecca Neaera e KECK, Margaret E.. Representando a diversidade: estado, sociedade e "relações fecundas" nos conselhos gestores. Cad. CRH [online]. 2008, vol.21, n.52, pp BOSCHETTI, Ivanete. Assistência Social e Trabalho: Direitos (In)Compatíveis. In Assistência Social no Brasil: um direito entre originalidade e conservadorismo. 2 ed. Brasília: GESST/ SER/ UnB, p.. Seguridade Social e Trabalho. Paradoxos das Políticas de Previdência e Assistência Social no Brasil. 1. ed. Brasília - DF: Letras Livres / EDITORA UnB, v p. COVRE, Maria de Lourdes Manzini. O que é cidadania? São Paulo: Brasiliense, ed. 78p. (Coleção Primeiros Passos: 250). FALCÃO, Maria do C. ; SPOSATI, Aldaíza. LBA: Identidade e Efetividade das Ações no Enfrentamento da Pobreza Brasileira. GOHN, Maria Glória. Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais. Saúde soc. [online]. 2004, vol.13, n.2, pp MESTRINER, Maria Luiza. O Estado entre a Filantropia e a Assistência Social. 3 ed. São Paulo, Cortez, NEVES, Ângela Vieira. O Pensamento conservador na sociedade brasileira: ambigüidades entre o público e o privado. Serviço Social e Sociedade, v. 93, p ,

15 OLIVEIRA, Heloisa Maria José de. Cultura Política e Assistência Social: desafios à consolidação de uma singular política pública no âmbito da proteção social. In Ser Social nº 12, v. 1, 1 sem Brasília, UnB, PAZ, Rosângela D. O. da. Representação e Representatividade: dilemas para os Conselhos de Assistência Social. In: BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Participação e Controle Social no SUAS. (Cadernos de Textos: subsídios para debates). Brasília, PEREIRA, Potyara A. P. A Assistência Social na perspectiva dos direitos: crítica aos padrões dominantes de proteção aos pobres no Brasil. 1. ed. Brasília: Thesaurus, v p. 15

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 Institui orientação para regulamentação do art. 3º

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação institucional na proteção dos direitos sociais B rasília-d F Nova Lei de Certificação e Acompanhamento Finalístico das Entidades ü A Constituição Federal

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

AS POLÍTICAS PÚBLICAS COMO MECANISMO DE CONQUISTA EFETIVA DA CIDADANIA. PALAVRAS-CHAVE: Políticas públicas, direito, cidadania, Estado.

AS POLÍTICAS PÚBLICAS COMO MECANISMO DE CONQUISTA EFETIVA DA CIDADANIA. PALAVRAS-CHAVE: Políticas públicas, direito, cidadania, Estado. AS POLÍTICAS PÚBLICAS COMO MECANISMO DE CONQUISTA EFETIVA DA CIDADANIA MAGDA LUCIANA BERTUCI ALVES 1 LIDIANE ANTONIA FERREIRA 2 RESUMO: Este artigo resulta de uma série de reflexões sobre a importância

Leia mais

Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS

Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS RESOLUÇÃO Nº 14, DE 15 MAIO DE 2014 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades ou organizações de Assistência Social, bem como dos serviços,

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS 1. Natureza e Finalidade O Fórum Regional de Educação Infantil do Alto Vale do Itajaí - FREIAVI é um espaço

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EIXO 1 Processo Histórico da Participação Popular no País: nossa cidade e territórios em movimento; Trajetória e

Leia mais

Rosimeire Ap. Mantovan rosimantovan@uol.com.br. Escola de Governo Novembro/15

Rosimeire Ap. Mantovan rosimantovan@uol.com.br. Escola de Governo Novembro/15 Rosimeire Ap. Mantovan rosimantovan@uol.com.br Escola de Governo Novembro/15 AÇÃO SOCIAL COM FORTE ATUAÇÃO DA IGREJA ENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE CIVIL AUSÊNCIA DO ESTADO AÇÕES FOCALIZADAS E FRAGMENTADAS

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008 LEI Nº 019/2005 DATA: 10 DE MARÇO DE 2005. SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DA OUTRAS PROVIDÊNCIS. O Sr. VALDIR CAMPAGNOLO, Prefeito Municipal de Itanhangá, Estado de Mato Grosso,

Leia mais

MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS

MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS INTRODUÇÃO Marcelo Machado Sassi 1 Indiara Sartori Dalmolin 2 Priscila de Oliveira Rodrigues 3 Fabiane

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 Resolução CMAS nº 16, 26 de setembro de 2011, revoga a Resolução CMAS nº 01/2002 e define os parâmetros para

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 2015 uma década de existência do SUAS Decisão política de priorização, na agenda federal, da atenção às populações mais vulneráveis, do

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos.

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos. Oficina Gestão do SUAS e o Controle Social Ementa: Orientar a reorganização dos órgãos gestores no tocante a legislação, com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros,

Leia mais

Orientações sobre a realização das Conferências de Assistência Social/ 2015

Orientações sobre a realização das Conferências de Assistência Social/ 2015 Orientações sobre a realização das Conferências de Assistência Social/ 2015 Renata Nunes Portela Tema Consolidar o SUAS de vez rumo a 2016 Lema Pacto Republicano do SUAS rumo a 2026. O SUAS que temos e

Leia mais

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do SUAS Dados Gerais: Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos PEAS realizada em 2006,pormeiodeparceriaentreoMDSeoIBGE. Objeto

Leia mais

CURSO 1. MÓDULO 1 - A Assistência Social e a Garantia dos Direitos Socioassistenciais por meio do SUAS. Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

CURSO 1. MÓDULO 1 - A Assistência Social e a Garantia dos Direitos Socioassistenciais por meio do SUAS. Ministrado por Rogério de Souza Medeiros CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA O PROVIMENTO DOS SERVIÇOS E BENEFÍCIOS SOCIOASSISTENCIAIS DO SUAS E IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA CAPACITASUAS CURSO 1 MÓDULO 1 - A Assistência Social e a

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS SUAS E SISAN MARCO LEGAL - Art. 6º da CF/88 : São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia,

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

FNTSUAS CARTA DE PRINCÍPIOS

FNTSUAS CARTA DE PRINCÍPIOS CARTA DE PRINCÍPIOS (versão rascunho em análise) I DA ORIGEM O Fórum Nacional de Trabalhadores/as do Sistema Único de Assistência Social foi concebido durante a VII Conferência Nacional de Assistência

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Assistencia Social SNAS Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS DRSP Cadastro Nacional das Entidades de Assistência

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo III Gestão das Políticas Públicas Aula 5 Parcerias na gestão e execução

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DO MONITORAMENTO E

QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DO MONITORAMENTO E CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas REGIMENTO INTERNO Este documento regula as relações entre os membros do Arranjo Produtivo Local ( APL) de Software do Oeste Paulista em conformidade com as seguintes normas: Art.1º - Visão e Objetivo O

Leia mais

CONTROLE E PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

CONTROLE E PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONTROLE E PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CNAS SEMINÁRIO PROTEÇÃO SOCIAL NO BRASIL E ÁFRICA BRASÍLIA AGOSTO/2008 MARCO REGULATÓRIO RIO A

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA Potyara A. P. Pereira 1 Introdução Do conjunto de leis, direitos e políticas que, a partir da Constituição Federal de 1988, compõem a nova institucionalidade

Leia mais

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete:

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete: LEI Nº 12.911, de 22 de janeiro de 2004 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - e do Fundo Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - FUNSEA-SC

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 133 ASSISTÊNCIA SOCIAL

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 133 ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social Decreto n o 2.173, de 5 de março de 1997 aprova o Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social. Decreto n

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê de Articulação

Leia mais

LEI Nº. 430 DE 15 DE ABRIL DE 2010

LEI Nº. 430 DE 15 DE ABRIL DE 2010 LEI Nº. 430 DE 15 DE ABRIL DE 2010 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DA INSTÂNCIA MUNICIPAL DE CONTROLE SOCIAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MARCOS ROBERTO FERNANDES CORRÊA, Prefeito Municipal de Pratânia,

Leia mais

CURSO 1. MÓDULO 1 - A Assistência Social e a Garantia dos Direitos Socioassistenciais por meio do SUAS. Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

CURSO 1. MÓDULO 1 - A Assistência Social e a Garantia dos Direitos Socioassistenciais por meio do SUAS. Ministrado por Rogério de Souza Medeiros CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA O PROVIMENTO DOS SERVIÇOS E BENEFÍCIOS SOCIOASSISTENCIAIS DO SUAS E IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA CAPACITASUAS CURSO 1 MÓDULO 1 - A Assistência Social e a

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho 1 2 Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretário da Saúde Jorge Solla Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho Equipe Técnica: Celurdes Carvalho Flávia Guimarães Simões

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR Fátima Grave Ortiz é assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ. É professora da Escola de Serviço Social da mesma universidade, e compõe

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 LEI Nº 810 DE 6 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre a reorganização dos Conselhos Escolares do Sistema Estadual de Ensino e dá

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. CAPÍTULO I Da Natureza

REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. CAPÍTULO I Da Natureza REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CAPÍTULO I Da Natureza Art. 1º O Plano Municipal de Educação é um plano global de toda a educação do Município de Caxias do Sul,

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO SUAS

QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO SUAS QUESTÕES INICIAIS PARA A DISCUSSÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO SUAS Janice Merigo Docente UNISUL Assistente Social FECAM social@fecam.org.br POLÍTICA SOCIAL Ações coletiva que concretiza direitos

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM.

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. Gabriela Marchiori CARMO AZZOLIN * Marina PEDUZZI** Introdução: O pressuposto

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

Ministério de Ação Social, que tem a função de coletar todos os documentos oficiais referidos a essa área.

Ministério de Ação Social, que tem a função de coletar todos os documentos oficiais referidos a essa área. 1 Introdução O objetivo desta dissertação é analisar os Pressupostos políticoideológicos, determinantes e direção do terceiro setor no âmbito das políticas sociais no contexto de consolidação do neoliberalismo

Leia mais

NUCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE DO SUAS

NUCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE DO SUAS Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Habitação NUCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE DO SUAS Florianópolis, 25 de setembro de GESTÃO DO TRABALHO Se configura como área de abrangência do SUAS que trata

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CNAS

CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CNAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Esplanada dos Ministérios, Bloco F, Anexo, Ala A, 1º andar CEP: 70059-900 Brasília, DF Telefones: (61) 3433-2430 ou 3433-2447 e-mail: cnas@mds.gov.br

Leia mais

Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social - 2013 Regulamento

Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social - 2013 Regulamento 1. Do Conceito de Tecnologia Social 1.1 Tecnologia Social compreende produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que representem efetivas soluções de

Leia mais

"Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq

Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento. Maria da Glória Gohn UNICAMP/CNPq "Movimentos Sociais e Políticas Públicas na Interface com o Campo de Conhecimento UNICAMP/CNPq AGENDA Redes- Conceitos e Tipos Pressupostos Formas de Organização da Ação Coletiva na Sociedade Brasileira

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL NOS CONSELHOS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Isis Sousa Longo - FEUSP A definição conceitual de movimentos sociais é bastante ampla, a autora que utilizaremos

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

A Política Pública de Assistência Social e o Sistema Único de Assistência Social SUAS

A Política Pública de Assistência Social e o Sistema Único de Assistência Social SUAS A Política Pública de Assistência Social e o Sistema Único de Assistência Social SUAS Maria Luiza de Souza Lajús * Resumo O presente artigo deverá constituir-se na realização de estudo e análise da política

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 Estabelece instruções sobre Benefício de Prestação Continuada-BPC referentes a dispositivos

Leia mais

FOLHA DE ROSTO NOME DO EVENTO: 8o. ENCONTRO ABCP 1-04\08\2012 GRAMADO\ RS NOME COMPLETO ANGELA V NEVES INSTITUIÇÃO: UNB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

FOLHA DE ROSTO NOME DO EVENTO: 8o. ENCONTRO ABCP 1-04\08\2012 GRAMADO\ RS NOME COMPLETO ANGELA V NEVES INSTITUIÇÃO: UNB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FOLHA DE ROSTO NOME DO EVENTO: 8o. ENCONTRO ABCP 1-04\08\2012 GRAMADO\ RS NOME COMPLETO ANGELA V NEVES INSTITUIÇÃO: UNB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE POS GRADUAÇÃO EM POLITICA SOCIAL TITULO DO TRABALHO:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

As entidades e organizações da Assistência Social no Sistema Único de Assistência Social

As entidades e organizações da Assistência Social no Sistema Único de Assistência Social Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistencia Social Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS As entidades e organizações da Assistência Social

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Como criar o Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional

Como criar o Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Como criar o Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Brasília - 2011 INDICE 3 Apresentação 04 Direito à Alimentação 06 Conselho Nacional

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CAPÍTULO I DO OBJETIVO, TEMÁRIO Art. 1º A V Conferência Regional dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais