A Qualidade no Setor de Software Brasileiro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Qualidade no Setor de Software Brasileiro"

Transcrição

1 A Qualidade no Setor de Software Brasileiro São Paulo/SP 02 de agosto de 2005 Ministério da Ciência e Tecnologia

2 Objetivos da Pesquisa Acompanhar a evolução da gestão da qualidade no setor Direcionar as ações dos agentes responsáveis pela formulação e execução da Política de Software no Brasil EQPS Encontro da Qualidade e Produtividade em Software São Paulo/SP, 02 de agosto de 2005

3 Antecedentes

4 Objetivos da Pesquisa Acompanhar a evolução da gestão da qualidade no setor Direcionar as ações dos agentes responsáveis pela formulação e execução da Política de Software no Brasil Levantar e analisar indicadores de mercado do software brasileiro EQPS Encontro da Qualidade e Produtividade em Software São Paulo/SP, 02 de agosto de 2005

5 Conteúdo da Pesquisa Caracterização das organizações Caracterização dos produtos de software Os mercados interno e externo A força de trabalho Gestão pela qualidade Qualidade dos processos e dos produtos Relacionamento com os clientes O processo de software EQPS Encontro da Qualidade e Produtividade em Software São Paulo/SP, 02 de agosto de 2005

6 Caracterização das Organizações EQPS Encontro da Qualidade e Produtividade em Software São Paulo/SP, 02 de agosto de 2005

7 3% 5% 47% 10% Grau de confiança = 95% Margem de erro = 4% Pesquisa participantes 488 formulários completos 35% EQPS Encontro da Qualidade e Produtividade em Software São Paulo/SP, 02 de agosto de 2005

8

9 Sudeste participantes 227 formulários completos SP / SE = 51% SP / BR = 24% EQPS Encontro da Qualidade e Produtividade em Software São Paulo/SP, 02 de agosto de 2005

10 Início de atividades das empresas em TI % 17 70% 2001 a a a a a 80 Até a 85

11 Porte das empresas, segundo a força de trabalho efetiva 1995 % Micro Pequena Média Grande Até 9 pessoas De 10 a 49 De 50 a ou mais

12 % Porte das empresas, segundo a força de trabalho Efetiva Total Micro Pequena Média Grande Até 9 pessoas De 10 a 49 De 50 a ou mais

13 Caracterização dos Produtos de Software EQPS Encontro da Qualidade e Produtividade em Software São Paulo/SP, 02 de agosto de 2005

14 % Principais tipos de aplicação desenvolvidos Comércio eletrônico Gestão de documentos Gestão de relacionamento - CRM Gestão de processos organizacionais Automação industrial Contabilidade Administração de RH Administração - Outros Gestão integrada - ERP Admin. de serviços Automação comercial

15 % 17 Áreas de atuação dos principais clientes Financeiro Saúde Telecomunicações Educação Mercado público Mercado empresarial privado Comércio Serviços Indústria

16 Balança Comercial EQPS Encontro da Qualidade e Produtividade em Software São Paulo/SP, 02 de agosto de 2005

17 Importação de Software Remessa em Direitos Autorais US$ milhões Usuário Final Revenda Fonte: Banco Central do Brasil, Departamento de Capitais Estrangeiros e Câmbio, compilado por MCT/SEPIN.

18 Exportação de Software Receita com direitos autorais 24,9 15,2 US$ milhões 0,5 0,1 0,3 1,3 4,1 7,3 3,9 2,4 3,5 8, Fonte: Banco Central do Brasil, Departamento de Capitais Estrangeiros e Câmbio, compilado por MCT/SEPIN.

19 Importação e Exportação de Software Variação Anual em Direitos Autorais % Exportações Importações /94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 Fonte: Banco Central do Brasil, Departamento de Capitais Estrangeiros e Câmbio, compilado por MCT/SEPIN

20 Mercado Externo EQPS Encontro da Qualidade e Produtividade em Software São Paulo/SP, 02 de agosto de 2005

21 Comercialização de Software no Mercado Externo US$ milhões Fonte: MCT/SEPIN.

22 2 China Empresas com receita de software no mercado externo em 2004 Ásia e Oceania (exceto China) África União Européia Europa (exceto União Européia) 68 ( 14% ) América Central e Caribe Mercosul América do Sul (exceto Mercosul) América do Norte (exceto EUA) EUA

23 % Percentual médio da receita de software no mercado externo em China África Ásia e Oceania (exceto China) União Européia Europa (exceto União Européia) América Central e Caribe Mercosul América do Sul (exceto Mercosul) EUA América do Norte (exceto EUA)

24 Formas de entrada no mercado externo Indicação de clientes nacionais para clientes no exterior Instalação de empresa filial ou escritório de representação próprio no exterior 37% 28% Feiras de informática e telecomunicações 26% Convite para integrar produto ou serviço exportado por outra organização 14% Consórcio de exportação 11% Contatos e vendas pela Internet 11% Participação em concorrências organizadas por empresas multinacionais 8% Parcerias 5%

25 A Força de Trabalho EQPS Encontro da Qualidade e Produtividade em Software São Paulo/SP, 02 de agosto de 2005

26 Qualificação da Força de Trabalho dez/2004 Total de pessoas Colaboradores efetivos % sobre Colaboradores efetivos Mestres 2,7 Doutores 0,4 Pós-graduação lato sensu 5,2 Graduação em informática 17,6

27 Gestão pela Qualidade EQPS Encontro da Qualidade e Produtividade em Software São Paulo/SP, 02 de agosto de 2005

28 Planos estratégicos, planos de metas ou planos de negócios % Atualização sistemática Revisão sem periodicidade

29 Apropriação de custos da qualidade Categorias Sistemática 8 17 Em projetos específicos Em estudo ou implantação Não apropria 57 34

30 Medição da qualidade dos processos de software Métricas primitivas 16% 13% 19% 4% Linhas de código Pontos por função Full Function Points Pontos de casos de uso

31 Qualidade dos Processos EQPS Encontro da Qualidade e Produtividade em Software São Paulo/SP, 02 de agosto de 2005

32 Qualidade dos processos Não conhece Conhece 10% 12% 19% 21% 90% 88% 81% 79% CMM CMMI NBR ISO/IEC Ciclo de vida ISO/IEC SPICE Avaliação de processo

33 Conhecimento do Modelo CMM (Capability Maturity Model) % Não conhece 10

34 Qualificação CMM no Brasil (Capability Maturity Model) 50 Níveis Qde * * Até julho

35 Norma NBR ISO/IEC Processos de ciclo de vida de software % Não conhece

36 Norma ISO/IEC Avaliação de processo de software (SPICE) % Não conhece

37 mps Melhoria do processo de software Conhece, mas não usa 63% Começa a usar 14% Uso sistemático 3% Não conhece 20%

38 Qualidade dos Produtos EQPS Encontro da Qualidade e Produtividade em Software São Paulo/SP, 02 de agosto de 2005

39 Qualidade dos produtos (NBR ISO/IEC) Não conhece Conhece 28% 29% 29% 72% 71% 71% Engenharia de SW Parte 1: Modelo de qualidade TI: Avaliação de produto de software Pacotes de SW Testes e requisitos da qualidade

40 Aos participantes do EQPS, São Paulo/SP, 02 de agosto de 2005 Grata pela atenção! Célia Joseli (61) EQPS Encontro da Qualidade e Produtividade em Software São Paulo/SP, 02 de agosto de 2005

Pesquisa de Qualidade: 18 anos de História

Pesquisa de Qualidade: 18 anos de História Pesquisa de Qualidade: 18 anos de História 1990 1993 1995 2001 1999 1997 PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DOS DADOS BASE CONSOLIDADA DE EMPRESAS 2.587 Caracterização da Organização Caracterização do Software

Leia mais

A Qualidade e. Produtividade. no Setor de. Software Brasileiro. Ministério da Ciência e Tecnologia

A Qualidade e. Produtividade. no Setor de. Software Brasileiro. Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia A Qualidade e Produtividade no Setor de Software Brasileiro Caracterização das Organizações CNAE 1.0 Seção K Atividades imobiliárias, aluguéis e serviços prestados às

Leia mais

Qualidade e Produtividade em Software

Qualidade e Produtividade em Software Qualidade e Produtividade em Software Encontro Manaus 03 de novembro de 2004 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia 1993/2004 Qualidade e Produtividade no

Leia mais

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Encontro da Qualidade e Produtividade em Software - EQPS Manaus, novembro/2007 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da

Leia mais

1993/97. Qualidade no Setor de Software Brasileiro

1993/97. Qualidade no Setor de Software Brasileiro 1993/97 SSQP/SW - PBQP Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade Subcomitê Setorial da Qualidade e Produtividade em Software (criado em junho de 1993) Objetivo Geral Atingir padrões internacionais

Leia mais

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Eng. Fabián Yaksic Presidente do IPD Eletron Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Complexo Eletroeletrônico e Tecnologia da Informação Associação

Leia mais

Desafios do Comércio Exterior Brasileiro. Desafios do Comércio Exterior Brasileiro

Desafios do Comércio Exterior Brasileiro. Desafios do Comércio Exterior Brasileiro Desafios do Comércio INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Desafios do Comércio Balança Comercial Brasileira INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Desafios do Comércio Evolução da Balança Comercial

Leia mais

Expansão do Programa MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro (2012-2015)

Expansão do Programa MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro (2012-2015) Expansão do Programa MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro (2012-2015) Projeto 2.04 do PBQP Software Ciclo 2012 1. Introdução 2. Dados do Projeto 3. Resultados Propostos 4. Produtos Esperados

Leia mais

Pesquisa de Qualidade no Setor de Software Brasileiro 2009

Pesquisa de Qualidade no Setor de Software Brasileiro 2009 2010 Pesquisa de Qualidade no Setor de Software Brasileiro 2009 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Ciência

Leia mais

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Ciência e Tecnologia Sergio Machado Rezende

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Ciência e Tecnologia Sergio Machado Rezende Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Ciência e Tecnologia Sergio Machado Rezende Secretário de Política de Informática Augusto Cesar Gadelha Vieira Diretora de Políticas e Programas

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

do software Brasileiro

do software Brasileiro Projeto mps Br: melhoria de processo do software Brasileiro SUMÁRIO 1. Introdução 2. O Projeto mps Br 3. Conclusão Project: Bspi Brazilian software process improvement 1 Percepção da Qualidade dos Processos

Leia mais

Programa MPS.BR e Modelo MPS: A Evolução da Qualidade de Software no Brasil

Programa MPS.BR e Modelo MPS: A Evolução da Qualidade de Software no Brasil Programa MPS.BR e Modelo MPS: A Evolução da Qualidade de Software no Brasil 1. Qualidade de Software: motivação para o foco no processo, características dos processos de software e abordagens para melhoria

Leia mais

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR Fonte: http://www.softex.br/mpsbr/_home/default.asp Apostilas disponíveis no site 1 NORMAS: NBR ISO NBR ISO/IEC CMM SPICE Continuação... 2 NORMAS VISÃO GERAL NBR

Leia mais

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 IV Workshop de Implementadores W2-MPS.BR 2008 Marcello Thiry marcello.thiry@gmail.com Christiane von

Leia mais

Workshop 007 Tecnologia da Informação

Workshop 007 Tecnologia da Informação Workshop 007 Diretor, Softex Blumenau, November 20 th th 2007 Logo Empresa Encontro Econômico Brasil-Alemanha 2007 QUESTÕES APRESENTADAS: 1) Como o Brasil desenvolve o setor de TI e quais os maiores desafios?

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional Promovendo a Melhoria de Processos e a Qualidade de Software em Minas Gerais Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães, Fernando Silva Parreiras, Frederico Faria Comitê Gestor do SPIN-BH Direitos reservados

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Parceria entre ifactory e UFC Quixadá na Adaptação e Implantação de Processos de Software

Parceria entre ifactory e UFC Quixadá na Adaptação e Implantação de Processos de Software Parceria entre ifactory e UFC Quixadá na Adaptação e Implantação de Processos de Software Rebeca Luna (ifactory) Daniel Rolim (ifactory) Carla Ilane (UFC Quixadá) Enyo Gonçalves (UFC Quixadá) Marcos de

Leia mais

ABNT / SC21:10 IBQP - PR PBQP / SSQP - SW SOFTEX

ABNT / SC21:10 IBQP - PR PBQP / SSQP - SW SOFTEX INDICADORES SETORIAIS, METAS E TENDÊNCIAS DA QPS - QUALIDADE E PRODUTIVIDADE EM SOFTWARE SUMÁRIO INTRODUÇÃO INDICADORES SETORIAIS E METAS DA QPS TENDÊNCIAS DA QPS CONCLUSÃO Kival Chaves Weber PRINCIPAIS

Leia mais

A Softex e as Estratégias para a Indústria de Software Brasileira no Mercado Globalizado

A Softex e as Estratégias para a Indústria de Software Brasileira no Mercado Globalizado A Softex e as Estratégias para a Indústria de Software Brasileira no Mercado Globalizado Alexandre J. Beltrão Moura Vice-presidente alex@nac.softex.br Coimbra, 07 de Abril de 2004 Apresentação de Hoje

Leia mais

Formação Profissional

Formação Profissional Formação Profissional PROFISSIONALIZANTE (nível médio) SENAI qualificação profissional 1. Formação Básica - CARPINTARIA E MARCENARIA 2. Formação Avançada - SISTEMA WOOD FRAME (construção e processo fabril)

Leia mais

PROSOFT. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES

PROSOFT. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT Agosto / 2008 1 Definições:

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS

Visão Geral da Certificação CERTICS Projeto 0113009300 - Implementação da CERTICS - Certificação de Tecnologia Nacional de Software IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Visão Geral da Certificação CERTICS Palestrante: Adalberto Nobiato Crespo

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ 1 Contextualizando a Apresentação Gestão do Conhecimento, primeira abordagem: TI + Tecnologias Organizacionais

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Introdução ao CMM (CapabilityMaturityModel) e CMMI (Capability Maturity Model Integration)

Introdução ao CMM (CapabilityMaturityModel) e CMMI (Capability Maturity Model Integration) Introdução ao CMM (CapabilityMaturityModel) e CMMI (Capability Maturity Model Integration) CMM CapabilityMaturityModel O CMM é um modelo desenvolvido pelo Software Engineering Institute (SEI) em parceria

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Qualidade de software É cada dia maior o número de empresas que buscam melhorias em seus processos de desenvolvimento de software. Além do aumento da produtividade e da diminuição do retrabalho, elas buscam

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e Comentários gerais Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação - PSTI A investigou, em 2009, 1 799 empresas de TI com 20 ou mais Pessoas Ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos

Leia mais

Senado Federal. O BNDES e o Apoio ao Setor de Software

Senado Federal. O BNDES e o Apoio ao Setor de Software Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática O BNDES e o Apoio ao Setor de Software Alan Fischler Área Industrial Depto das Industrias de TICs 11/04/2012 Brasília

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação Política de Informação Pública Salvador, 28 a 30 de junho de 2004 Política de Informação Pública Inclusão Digital de Micro e Pequeno Empresa Telecentros

Leia mais

Programa MPS.BR e Modelo MPS: Contribuições para a Evolução da Qualidade de Software no Brasil

Programa MPS.BR e Modelo MPS: Contribuições para a Evolução da Qualidade de Software no Brasil l Programa MPS.BR e Modelo MPS: Contribuições para a Evolução da Qualidade de Software no Brasil SUMÁRIO 1. Introdução: Programa MPS.BR e Modelo MPS 2. Programa MPS.BR: Resultados Esperados, Resultados

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

AS MAIS RECENTES SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS, AGORA ACESSÍVEIS A TODAS AS EMPRESAS

AS MAIS RECENTES SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS, AGORA ACESSÍVEIS A TODAS AS EMPRESAS MAIS PRODUTIVIDADE E COMPETITIVIDADE AS MAIS RECENTES SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS, AGORA ACESSÍVEIS A TODAS AS EMPRESAS Oquesepretende? A iniciativa PME Digital visa contribuir para estimular a atividade económica

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS Fonte: CTI Renato Archer, Softex e Assespro Junho, 2014

Visão Geral da Certificação CERTICS Fonte: CTI Renato Archer, Softex e Assespro Junho, 2014 Visão Geral da Certificação CERTICS Fonte: CTI Renato Archer, Softex e Assespro Junho, 2014 Processo de certificação que identifica software resultante de desenvolvimento e inovação tecnológica realizados

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA 1. Número e Título do Projeto: OEI BRA09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV Certificação ISO/IEC 27001 SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação A Experiência da DATAPREV DATAPREV Quem somos? Empresa pública vinculada ao Ministério da Previdência Social, com personalidade

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Qualidade de Software Produto de Software Processo de Software Modelo de Qualidade CMM Qualidade Qualidade de Software Na visão popular: Luxo Mais caro, complexo = maior

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Rede Nacional de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1 Qualidade Plácido A. S. Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de Projetos Agenda Introdução

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

Perfil das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de Londrina e Região. Pedro José Granja Sella

Perfil das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de Londrina e Região. Pedro José Granja Sella Perfil das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de Londrina e Região Pedro José Granja Sella Objetivos Conhecer, em dados, o setor de Tecnologia da Informação e Comunicação da Região de Londrina;

Leia mais

Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT

Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT Publicado em BNDES Setorial 39 Ricardo Rivera Ingrid Teixeira Luis Otávio Reiff Carlos Eduardo Azen Diego da Silva Moreira Rio

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5628/2015

CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5628/2015 CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5628/2015 1. Biologia (Base Nacional Comum Ensino Médio; Automação Industrial Integrado ao Ensino Médio) Biologia (LP) Ciências Biológicas (LP) Ciências

Leia mais

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando)

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando) INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO I. Objetivos e Metas 1. Liste os 5 principais objetivos de inovação para o horizonte de cinco anos, identificando: Objetivo 1 Objetivo 2 Objetivo 3 Objetivo

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda, uma

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro l MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro SUMÁRIO 1. Introdução 2. Modelo MPS 3. Programa MPS.BR: Resultados Alcançados (2004-2008) e Resultados Esperados (2004-2010) 4. MPS.BR Lições Aprendidas

Leia mais

Modelos de Maturidade. Porque estudar um Modelo de Maturidade? Descrevem as características de processos efetivos;

Modelos de Maturidade. Porque estudar um Modelo de Maturidade? Descrevem as características de processos efetivos; Versão 1.1 - Última Revisão 16/08/2006 Porque estudar um Modelo de Maturidade? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais/CVB s 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda,

Leia mais

hem.consultoria@terra.com.br

hem.consultoria@terra.com.br Conceito Básico: Gestão do Conhecimento Significa rever, organizar as políticas, processos e ferramentas de gestão e tecnológicas frente a uma melhor compreensão dos processos de GERAÇÃO, IDENTIFICAÇÃO,

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

Seja um associado da SWISSCAM Câmara de Comércio Suíço-Brasileira

Seja um associado da SWISSCAM Câmara de Comércio Suíço-Brasileira Seja um associado da SWISSCAM Câmara de Comércio Suíço-Brasileira Vantagens O associado da SWISSCAM usufrui de um suporte comercial amplo nos seus negócios, tanto na Suíça como no Brasil. A SWISSCAM realiza,

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro Melhoria de Processo do Software Brasileiro (MPS.BR) SUMÁRIO 1. Introdução 2. Implantação do Programa MPS.BR: 2004 2007 3. Consolidação do Programa MPS.BR: 20082010 4. Conclusão Kival Weber Coordenador

Leia mais

Carlos Pimenta carloscp@iadb.org Abril 2014

Carlos Pimenta carloscp@iadb.org Abril 2014 SIAF, Tesouro e Contabilidade: a chave para a Transparência e a Credibilidade Financeira Carlos Pimenta carloscp@iadb.org Abril 2014 Princípios Gerais e Conteúdo Mudança de paradigma em Gestão Financeira

Leia mais

Oportunidade de Desenvolvimento e Crescimento Profissional: ASSISTENTE DE TI

Oportunidade de Desenvolvimento e Crescimento Profissional: ASSISTENTE DE TI ASSISTENTE DE TI Código: 0190 Atribuições da Função : Prestar serviços de suporte técnico aos usuários de TI. Realizar apoio técnico em projetos de Desenvolvimento / Manutenção de Sistemas, permitindo

Leia mais

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios Prof. José Carlos Vaz EACH-USP 1 1. A importância da democratização do acesso à TI A desigualdade no acesso à tecnologia é um fator adicional

Leia mais

Cap a í p t í ul u o l o 8 : 8 C on o c n l c u l s u ã s o IC-UNICAMP Capítulo 8: Conclusão

Cap a í p t í ul u o l o 8 : 8 C on o c n l c u l s u ã s o IC-UNICAMP Capítulo 8: Conclusão Capítulo 8: Conclusão Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo 7: SPICE Capítulo

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

I Seminário Internacional Software e Serviços de TI. Políticas Públicas e Estratégias Empresariais para a AL e o Caribe. São Paulo.

I Seminário Internacional Software e Serviços de TI. Políticas Públicas e Estratégias Empresariais para a AL e o Caribe. São Paulo. I Seminário Internacional Software e Serviços de TI Políticas Públicas e Estratégias Empresariais para a AL e o Caribe São Paulo Fevereiro 2010 José Curcelli Presidente ABES Associação Brasileira das Empresas

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Introdução. Objetivos do Curso

Introdução. Objetivos do Curso Introdução A nova dinâmica dos negócios, principalmente relacionada ao meio industrial, impele uma realidade de novos desafios para a indústria nacional. O posicionamento do Brasil como liderança global

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito privado

REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito privado Autorização Legislativa - Lei nº 12.439 de 18 de outubro de 2007 Assembleia de Fundação em 14/12/2007 REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito

Leia mais

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelos de gerência CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelo de maturidade: CMM CMM (Capability Maturity Model) é um modelo subdividido em 5 estágios

Leia mais

2º Congresso de Supply Chain e Logística

2º Congresso de Supply Chain e Logística PERFIL INSTITUCIONAL 2015 O aço da Gerdau tem a força da transformação. Perfil 114 anos de história Maior produtora de aços longos das Américas Ações listadas nas Bolsas de São Paulo, Nova York e Madri

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Apresentação PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA APLICADA Qualidade de software WILIAN ANTÔNIO ANHAIA DE QUEIROZ O que é qualidade? A Norma ISO8402 define Qualidade

Leia mais

Fábrica de Software Fatores motivadores, restrições e tendências

Fábrica de Software Fatores motivadores, restrições e tendências Fábrica de Software Fatores motivadores, restrições e tendências Aguinaldo Aragon Fernandes Agenda Revisitando o conceito e escopo da fábrica de software Implicações do uso do conceito de Fábrica de Software

Leia mais

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA.

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. Raquel Engeroff Neusa Cristina Schnorenberger Novo Hamburgo RS Vídeo Institucional Estratégia Visão Missão Ser uma das 5 maiores empresas de software de gestão empresarial

Leia mais

Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação. Laboratório de Tecnologia de Software LTS

Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação. Laboratório de Tecnologia de Software LTS Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação Laboratório de Tecnologia de Software LTS Qualidade de Produto Cláudio Martins claudiomartins2000@gmail.com www.ufpa.br/redetic

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

Histórico de mercado. Gestão da Qualidade. Histórico de mercado. Histórico de mercado. Antes do século 20. Em 1916. Anos 40

Histórico de mercado. Gestão da Qualidade. Histórico de mercado. Histórico de mercado. Antes do século 20. Em 1916. Anos 40 Antes do século 20 Em 1916 Anos 40 Gestão da Qualidade Garantia de qualidade era de responsabilidade do artesão 1a. Utilização formal de garantia e controle da qualidade (laboratórios BELL 1o. gráfico

Leia mais

SERVIÇOS SIMPLIFICADO

SERVIÇOS SIMPLIFICADO SERVIÇOS SIMPLIFICADO BLOCO 3 Unidades de Serviço ANO-BASE 2001 CÓDIGO PAEP DA EMPRESA - GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Economia e Planejamento SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula de Apresentação Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Apresentação do Professor Apresentação da Disciplina Ambientação Apresentação do Plano de Ensino O que

Leia mais

2.2.1 - REMUNERAÇÃO INICIAL: R$ 8.788,13 (oito mil setecentos e oitenta e oito reais e treze centavos).

2.2.1 - REMUNERAÇÃO INICIAL: R$ 8.788,13 (oito mil setecentos e oitenta e oito reais e treze centavos). MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS (FINEP) CONCURSO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA NOS CARGOS DE ANALISTA E DE ASSISTENTE EDITAL N.º 2 - FINEP, DE 27 DE

Leia mais

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES A Prima Consultoria A Prima Consultoria é uma empresa regional de consultoria em gestão, fundamentada no princípio de entregar produtos de valor para empresas, governo

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

V Simpósio Internacional de Recife, PE - Brasil 3-5/11/2003. Especificação de Indicadores para Gestão de Requisitos

V Simpósio Internacional de Recife, PE - Brasil 3-5/11/2003. Especificação de Indicadores para Gestão de Requisitos Especificação de Indicadores para Gestão de Requisitos Claudia Hazan, MSc.,CFPS claudinhah@yahoo.com Cenário Agenda Modelo CMM e CMMI Gerência de Requisitos Indicadores de Rastreabilidade Indicadores de

Leia mais

Por que estudar sistemas de informação?

Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Isto é o mesmo que perguntar por que alguém deve estudar contabilidade, finanças, as, marketing, RH ou qualquer outra grande

Leia mais

Principais referenciais apoiados:

Principais referenciais apoiados: Enquadramento A Inova-Ria - Associação de Empresas para uma Rede de Inovação em Aveiro, com o propósito de reforçar o reconhecimento nacional da promoção da qualidade do setor TICE e contribuir para o

Leia mais