I icm. ff PASTORAL DASAÚDE S Ã O Q M I LO. Trezentos. SÃOOMILO ;VP\ST0RALDASAÚDE Tempos dt Inovar para melhor s

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I icm. ff PASTORAL DASAÚDE S Ã O Q M I LO. Trezentos. SÃOOMILO ;VP\ST0RALDASAÚDE Tempos dt Inovar para melhor s"

Transcrição

1 S Ã O Q M I LO t m ff PASTORAL DASAÚDE INFORMATIVO DO INSTITUTO CAMILIANO DE PASTORAL DA SAÚDE E BIOÉTICA^^ ANO XXVII N.300 Sn-EMBRO2011 Trezentos 1981 foi criado o Instituto Camiliano de Pastoral da Saúde - ICAPS e, menos de dois anos depois, em junho de 1983, esse Instituto inicia uma publicação pioneira no Brasil, especializada em Pastoral da Saúde, o Boletim ICAPS. Essa publicação de cunho popular, voltada primeiramente para as pessoas que trabalham na Pastoral da Saúde, iniciou timidamente um caminho que foi se expandindo cada vez mais, e se tornou um dos principais veículos de divulgação da Pastoral da Saúde e de formação para os seus agentes, chegando em todas as partes onde há presença de Igreja e até em outras nações, exportando seu modelo de atuação pastoral no mundo da saúde. Chegamos agora a 300^ edição do Boletim ICAPS, que desde setembro de 2010 passou a se chamar Boletim São Camilo Pastoral da Saúde, quando viveu um momento de modernização para atender a exigências atuais e se tornar mais eficiente na divulgação da Pastoral e na formação dos agentes. É importante lembrar que não aconteceu um rompimento, mas um aperfeiçoamento na forma como a pastoral se apresenta no mundo da saúde, a fim de responder às exigências dos sinais dos tempos. Acompanhar as trezentas edições do Boletim São Camilo Pastoral da Saúde é acompanhar a própria caminhada da Pastoral da Saúde nesses quase trinta anos. Tudo que ela fez, suas conquistas e transformações para melhor servir os enfermos e os pobres, à luz do Evangelho de Jesus Cristo. Pelos Boletins percebemos a visão de mundo das décadas de 1980, 1990 e 2000 e como a Pastoral via a si própria nesse meio e a sua atuação. Assim o Boletim acompanhou não só as transformações da Pastoral da Saúde, mas do mundo, do Brasil e da Igreja, no que diz respeito à área da saúde, de forma direta e indireta. Só para compreendermos um pouco da relevância do registro histórico contido nessas 300 edições, encontramos, nos Boletins, textos sobre a situação da saúde brasileira na década de 1980 e a articulação para a criação de um sistema público, integral e universal de saúde, que resultou na criação do SUS; sobre a transformação, ampliação, organização e atuação da Pastoral da Saúde, que era extremamente restrita à ação solidária junto com os doentes, isto é, à visita a pessoas enfermas nos hospitais e domicílios, para sua organização em três dimensões e sua atuação na área social por meio do controle social e educação para a saúde; acompanhou todo o processo para a criação da Coordenação Nacional da Pastoral da Saúde da CNBB; a valorização e a promoção da humanização no atendimento hospitalar e da reflexão ética no mundo da saúde, isto é, a bioética. I icm INSTITUTO CAMILIANO DE PASTORAL PA SAÚDE 5» APRESENTANDO... Além de acompanhar os acontecimentos da história da saúde no Brasil e da atuação Pastoral da Igreja nessa área, o Boletim São Camilo Pastoral da Saúde também foi, e é, promotor de conteúdos formativos para todos que atuação no mundo da saúde, especialmente para os agentes de pastoral da saúde. Divididos em três campos do saber - pastoral, humanização e bioética - um número gigantesco de artigos foi publicado, o que faz dos Boletins um verdadeiro acervo de pesquisa e estudos voltados para o mundo da saúde, que se soma à divulgação de eventos e seus conteúdos, tendo como principal deles o Congresso Brasileiro de Humanização e Pastoral da Saúde, que nesse mês de setembro realizará sua 31a. edição. SÃOOMILO ;VP\ST0RALDASAÚDE Tempos dt Inovar para melhor s Com alegria, celebramos esta 300^ edição, sonhando em trilhar ainda outros longos anos, colaborando com a saúde do nosso povo. Muitas pessoas são responsáveis para concretização e publicação ininterrupta do Boletim, e citar algum nome poderia levar a sermos injustos com os demais. Sendo assim, agradecemos a todos que colaboraram nesses quase trinta anos de história, em especial aos religiosos camilianos e agentes de pastoral da saúde. Um obrigado carinhoso à Província Camiliana Brasileira, que torna real a publicação do Boletim, e convidamos todos nossos leitores e admiradores a colaborarem conosco, enviando artigos, notícias sobre pastoral, criticas e sugestões para melhorar o nosso São Camilo Pastoral da Saúde.

2 SÃOCAMILO^ ^PASTORAL DA:>AUDE XXXI Congresso Brasileiro de Humanização e Pastoral da Saúde O PASTORAL DA SAÚDE PARA OS TEMPOS ATUAIS: DA SOLIDARIEDADE AO CONTROLE SOCIAL z SÁBADO - Dia 03 de setembro 7h30 às 8h15 - Entrega de material e inscrições 8h15 às 9h15 - Celebração de abertura 8B 9h 15 às 10h 15 - O pluralismo da sociedade atual e do mundo da saúde - Prof. Dr. João Décio Passos PUC-SP 10h15 às 10h45 - Intervalo para café 10h45 às 12h15 - Fraternidade e vida no planeta: a relação entre meio ambiente e saúde - Dr. Roberto Malvezzi - Assessor do CELAM 12h15 às 13h30 - Intervalo para almoço 13:30 às 14h - Tribuna livre 14h15 às 15h15 - A contribuição da Pastoral da Saúde no mundo da saúde: uma visão externa - Prof^ Maria Cristina S. Cassim - Centro Universitário São Camilo 15h15 às 15h45 - Intervalo para café 15h45 às 17h15 - Novos modelos de capelania para os tempos atuais - Pe. Norberto Tortorelo Bonfim Capelão do Hospital das Clinicas de Campinas - Pastor João Silvio Rocha - Capelão do Hospital das Clinicas de Campinas - Pe. Anisio Baldessin - Capelão do Instituto do Câncer de São Paulo 17h30 - Encerramento DOMINGO - Dia 04 de setembro 7h45 às 8h45 - Celebração da missa 8h45 às 10h - Sustentabilidade, humanização e politicas de saúde - Pe. Christian Barchifontaine - Centro Universitário São Camilo loh às 10h30 - Intervalo para café 10h30 às 12h - A contribuição da Pastoral da Saúde no, contexto social: saúde pública e controle social Dr. André Luiz de Oliveira - Coordenador Nacional da Pastoral da Saúde - Pe. Jorge Feltrin Arquidiocese de São Paulo 12h às 13h30 - Intervalo para almoço 13h30 às 13h45 - Tribuna livre 13h45 às 15h40 - A motivação do agente de pastoral da saúde para atuar nas três dimensões - Prof^ Yamara Martins Centro Universitário São Camilo 15h40 às 16h15 - Intervalo para café 16h15 às 17h - A pastoral da saúde e os cuidados paliativos frente a pacientes crónicos e terminais - Dra. Letícia Andrade - Núcleo de Assistência Domiciliar Interdisciplinar do HC-FMUSP - Pe. Alexandre A. Martins 17h30 - Encerramento 18h - Assembleia dos Coordenadores Diocesanos da Pastoral da Saúde. EXPEDIENTE ^ÃO^^Í^VIILO, fí^l^storal DA^AUDE o BOLETIM SÃO CAMILO PASTORAL DA SAÚDE É UMA PUBLICAÇÃO DO INSTITUTO CAMILIANO DE PASTORAL DA SAÚDE E BIOÉTICA - PROVÍNCIA OMILIANA BRASILEIRA PRESIDENTE: LEOC;lR. PESSINI CONSELHEIROS: ARISEU FERREIRA DE MEDEIROS. ANTONIO MENDES FREITAS. OLACIRGERALDO AGNOLIN E ARLINDO TONETA DIRETOR RESPONSÁVEL: ALEXANDRE ANDRADE MARTINS SECRETÁRIA NATHÁLIA BAPTISTA A REPROOUÇAO OOSARTICOS DESTA ru.ucaçaat Lm^. souatandc>sc JORNALISTA RESPONSÁVEL DÉBORA MORAIS MTB /SP a«o.. «.Nrr reu,seo ENV,O JU-U.UCAÇOES PROIETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇAO: FELIPE TORRES rnanscnição REVISÃO: LINA MENDES REDAÇÃO: AVENIDA POMPEIA 888 TEL: d 1) CEP: SÃO PAU LO-SP ia PERIODICIDADE: Atensal TIRAGEM EXEMPLARES ASSINATURA; O VAI OR Df RS GARANTE o RECEBIMENTO. PELO CORREIO. Dt 11 EDIÇÕES. O PAGAMENTO DEVE SER FEITO MCDLANTE DEPOSTTO BANCÁRIO EM NOME DE PROVÍNCIA CAMILIANA BRASILEIRA. NO BANÍ O BRADESCÍ ). ACtNílA CONTA CORRENTE «9407-9

3 A formação e a responsabilidade dos Agentes de Pastoral da Saúde 1 1 < 2 O H h H Q Lstimados agentes de pastoral da saúde e leitores, neste mês de setembro acontece o XXXI Congresso Brasileiro de Humanização e Pastoral da Saúde, cujo tema é Pastoral da Saúde para os tempos atuais: da solidariedade ao controle social. Temos muitos motivos para participarmos ativamente desse evento, pois ele antecede a Campanha da Fraternidade de 2012 sobre Saúde Pública, que terá a Pastoral da Saúde como protagonista; nele acontece a Assembleia anual da Pastoral da Saúde Nacional, que este ano tem a missão de eleger a nova coordenação da Pastoral Nacional, que irá animar suas atividades nos próximos quatro anos; por fim, esse congresso é um momento importantíssimo para formação e aperfeiçoamento dos agentes. Como vocês percebem, motivos para aproveitar o máximo do Congresso não faltam. Convido vocês para pensarem um pouco mais sobre esse três pontos, começando pelo último. 1. Formação e aperfeiçoamento dos agentes de pastoral da saúde. Independente da área, todo Congresso é um momento de aprendizado, seja para quem já tem uma longa caminhada ou para quem está apenas começando. Não é diferente para a Pastoral da Saúde. Os participantes de um congresso têm a oportunidade de refletir sobre temas importantíssimos para a sua área e de entrar em contato com as suas novidades, geralmente apresentadas por pesquisadores comprometidos com a construção do conhecimento. Foi para proporcionar esse crescimento que o Congresso deste ano foi pensado, para que todos os participantes, na maioria agentes de pastoral, possam crescer na sua formação e atuar melhor no mundo da saúde, a fim de responder aos desafios aos tempos atuais. Aproveitem o Congresso, pois o tema é pertinente e há especialistas renomados para abordá-lo. Também aproveitem para trocar experiências, pois encontrarão agentes vindos de todo pais trazendo experiências riquíssimas. Por fim, vem a missão do participante: pegar tudo que aprendeu e adaptar de acordo com as peculiaridades de cada realidade concreta. 2. Assembleia Anual da Pastoral da Saúde Nacional. Ela acontece todos os anos no fim do primeiro dia do Congresso, com representantes da Pastoral da Saúde das dioceses e regiões episcopais. Ela é instância máxima da Pastoral no Brasil e a cada 04 anos sua finalidade é eletiva, isto é, as lideranças escolhem a nova Coordenação. Este ano as lideranças da Pastoral da Saúde participantes do Congresso têm a responsabilidade de escolher a nova equipe que exercerá a missão de animar e coordenar a Pastoral da Saúde em âmbito nacional por 04 anos. Sendo assim, exorto os agentes a terem atenção e responsabilidade na condução da Assembleia, para ser um momento de fortalecimento da Pastoral da Saúde, fraternidade entre os agentes e espaço democrático de decisão. 3. Campanha da Fraternidade Todos sabem que os agentes de pastoral da saúde têm uma obrigação extra na condução dessa CF, pois o tema é Fraternidade e Saúde Pública, momento para a Pastoral da Saúde se organizar a fim de atuar profeticamente por um sistema público de saúde de mais qualidade, amplo, equitativo, integral e universal. O Congresso certamente colaborará na qualificação para essa tarefa, então aproveitem!! Desde o início do ano, o Boletim PE. ALEXANDRE ANDRADE MARTINS DIRETOR DO ICAPS - INSTITUTO CAMILIANO DE PASTORAL DA SAUDE está publicando artigos sobre a Saúde Pública no Brasil, para ajudar na preparação dos agentes para a CF Neste há dois textos com essa finalidade, um sobre Controle Social escrito pela Dr'. Mariangela, que é agente e participou da 8' Conferência de Saúde, que idealizou o SUS, e uma carta escrita pelas lideranças da Pastoral da Saúde presentes na VI Conferência da Pastoral da Saúde, ocorrida em junho de Espero que todos possam aproveitar o Congresso e fazer uma boa leitura desta edição do Boletim São Camilo Pastoral da Saúde, que é um número histórico: a 300' edição publicada ininterruptamente, desde Aproveito para agradecer todos que colaboraram e colaboram com a concretização desta publicação especializada em Pastoral da Saúde. Que Deus os abençoe!

4 A formação e a responsabilidade dos Agentes de Pastoral da Saúde < 3 O H Q U-l tstimados agentes de pastoral da saúde e leitores, neste mês de setembro acontece o XXXI Congresso Brasileiro de Humanização e Pastoral da Saúde, cujo tema é Pastoral da Saúde para os tempos atuais: da solidariedade ao controle social. Temos muitos motivos para participarmos ativamente desse evento, pois ele antecede a Campanha da Fraternidade de 2012 sobre Saúde Pública, que terá a Pastoral da Saúde como protagonista; nele acontece a Assembleia anual da Pastoral da Saúde Nacional, que este ano tem a missão de eleger a nova coordenação da Pastoral Nacional, que irá animar suas atividades nos próximos quatro anos; por fim, esse congresso é um momento importantíssimo para formação e aperfeiçoamento dos agentes. Como vocês percebem, motivos para aproveitar o máximo do Congresso não faltam. Convido vocês para pensarem um pouco mais sobre esse três pontos, começando pelo último. 1. Formação e aperfeiçoamento dos agentes de pastoral da saúde. Independente da área, todo Congresso é um momento de aprendizado, seja para quem já tem uma longa caminhada ou para quem está apenas começando. Não é diferente para a Pastoral da Saúde. Os participantes de um congresso têm a oportunidade de refletir sobre temas importantíssimos para a sua área e de entrar em contato com as suas novidades, geralmente apresentadas por pesquisadores comprometidos com a construção do conhecimento. Foi para proporcionar esse crescimento que o Congresso deste ano foi pensado, para que todos os participantes, na maioria agentes de pastoral, possam crescer na sua formação e atuar melhor no mundo da saúde, a fim de responder aos desafios aos tempos atuais. Aproveitem o Congresso, pois o tema é pertinente e há especialistas renomados para abordá-lo. Também aproveitem para trocar experiências, pois encontrarão agentes vindos de todo país trazendo experiências riquíssimas. Por fim, vem a missão do participante: pegar tudo que aprendeu e adaptar de acordo com as peculiaridades de cada realidade concreta. 2. Assembleia Anual da Pastoral da Saúde Nacional. Ela acontece todos os anos no fim do primeiro dia do Congresso, com representantes da Pastoral da Saúde das dioceses e regiões episcopais. Ela é instância máxima da Pastoral no Brasil e a cada 04 anos sua finalidade é eletiva, isto é, as lideranças escolhem a nova Coordenação. Este ano as lideranças da Pastoral da Saúde participantes do Congresso têm a responsabilidade de escolher a nova equipe que exercerá a missão de animar e coordenar a Pastoral da Saúde em âmbito nacional por 04 anos. Sendo assim, exorto os agentes a terem atenção e responsabilidade na condução da Assembleia, para ser um momento de fortalecimento da Pastoral da Saúde, fraternidade entre os agentes e espaço democrático de decisão. 3. Campanha da Fraternidade Todos sabem que os agentes de pastoral da saúde têm uma obrigação extra na condução dessa CF, pois o tema é Fraternidade e Saúde Pública, momento para a Pastoral da Saúde se organizar a fim de atuar profeticamente por um sistema público de saúde de mais qualidade, amplo, equitativo, integral e universal. O Congresso certamente colaborará na qualificação para essa tarefa, então aproveitem!! Desde o início do ano, o Boletim PE. ALEXANDRE ANDRADE MARTINS DIRETOR. DO ICAPS - INSTITUTO CAMILIANO DE PASTORAL DA SAUDE está publicando artigos sobre a Saúde Pública no Brasil, para ajudar na preparação dos agentes para a CF Neste há dois textos com essa finalidade, um sobre Controle Social escrito pela Dr'. Mariangela, que é agente e participou da 8' Conferência de Saúde, que idealizou o SUS, e uma carta escrita pelas lideranças da Pastoral da Saúde presentes na VI Conferência da Pastoral da Saúde, ocorrida em junho de Espero que todos possam aproveitar o Congresso e fazer uma boa leitura desta edição do Boletim São Camilo Pastoral da Saúde, que é um número histórico: a 300' edição publicada ininterruptamente, desde Aproveito para agradecer todos que colaboraram e colaboram com a concretização desta publicação especializada em Pastoral da Saúde. Que Deus os abençoe!

5 o CONTROLE SOCIAL D LIMITES ECO u CO r \o social na formulação de políticas públicas e o controle da sociedade organizada sobre a ação estatal, associados à descentralização, foram explicitados como diretrizes para a ação do Estado na Constituição Federal de 1988, e tratados como requisitos organizacionais em várias áreas setoriais. A área de saúde foi pioneira na regulamentação e implementação desses dispositivos, institucionalizando, por meio da lei n 8.142/90, a criação dos Conselhos de Saúde e das Conferências de Saúde como foros de participação da gestão do Sistema Único de Saúde em todas as esferas de governo. Este ano teremos, no Distrito Federal, a VIII Conferência Distrital de Saúde e a XIV Conferência Nacional de Saúde. Após duas décadas e meia de experiências de implementação desses foros, que tiveram o mérito de estimular a presença de segmentos organizados da população no acompanhamento de desempenho dos gestores públicos do SUS em todos os níveis de governo, podem ser observados resultados importantes: a ampliação da contabilidade pública e a maior visibilidade de política e de alocação dos recursos públicos têm contribuído para redução de práticas clientelistas e para a maior adequação das ações às necessidades da população. O aperfeiçoamento desses mecanismos é um permanente desafio. Isso exige esforços para promover os meios de superação de cultura política da subalternidade, através de um processo contínuo de informação e formação sociopolítica e sua articulação com determinantes macroeconómicas e políticas com vistas às necessárias transformações sociais. O caráter permanente e deliberativo sobre a política de saúde, formalmente atribuído ao Conselho de Saúde, insere no contexto do Sistema Único de Saúde cerca de conselheiros como possíveis sujeitos ativos de política de saúde brasileira. LIMITES E CONTRADIÇÕES DO CONTROLE SOCIAL No contexto do sistema de proteção social brasileiro, apresentou-se uma situação contraditória: de um lado, na década de 1980 conquistou-se legalmente um padrão de proteção social universal, assegurando na Constituição Federal os direitos relativos à saúde, previdência e assistência social (art. 194, CONSTITUIÇÃO) e instituíram-se canais de participação nas políticas públicas: de outro lado na década de 1990, ocorreu um processo de "universalização excludente" com a precarização dos serviços públicos prestados. Foram criadas as condições para inclusão das camadas populares antes excluídas do sistema previdenciário, como também as condições para a expulsão dos trabalhadores melhor remunerados para a compra de serviços do setor privado. A reforma do Estado brasileiro, em meados da década de 1990, está provocando mudanças no rumo das políticas sociais, com a implementação da focalização da privatização e da descentralização. Focalização dos serviços públicos nos bolsões de pobreza; privatização com o repasse de recursos públicos para a rede privada, descentralização apenas no sentido de diminuição das responsabilidades do Estado. É a orientação neoliberal, reservando ao Estado o papel de protetor da parcela mais pobre, enquanto o setor privado se encarregará daqueles mais bem pagos. Diante do giro neoliberal

6 brasileiro, tem havido um retrocesso no quadro das politicas públicas em relação ao legalmente assegurado e uma paralisia dos movimentos sociais. No DF constata-se o resultado dessa política neoliberal, com o sucateamento do Sistema Público de Saúde para justificar a "desconstrução do SUS", a privatização da saúde e um verdadeiro "apartheid da saúde". A privatização das políticas públicas favorece a apropriação privada por políticos desonestos e o favorecimento de grupos económicos por meio de superfaturamento. O controle social via conselhos tem outros LIMITES que incluem a ingerência política na escolha dos k conselheiros, a falta de ' informação dos conselheiros, a ^ desarticulação com suas bases, a fragilidade de mobilização das e n t i d a d e s representadas (reflexo ^ ^ ^ ^ ^ de desmobilização da sociedade), a captação de lideranças em troca de favores, a falta de transparência dos gestores e do uso de recursos, a ignorada numa realidade como a brasileira, na qual o que é público é tratado com DESCASO, os recursos para as políticas sociais têm diminuído e o controle sobre estes ainda está, na sua maioria, nas mãos dos gestores que os tratam com sigilo, como se fossem privados, manipulando-os de modo clientelista. Por fim, chamamos a atenção para o fato de que o controle social deve ultrapassar os espaços instituídos para que as políticas públicas sociais não continuem se desvirtuando do assegurado legalmente. Os espaços democráticos burgueses devem ser radicalizados para que aglutinem forças capazes de se contrapor à ordem do capital destrutiva e negadora de qualquer liberdade humana, responsável pela guerra de todos contra todos, na sociedade de mercado em que estamos imersos. manipulação dos conselhos por gestores, a manipulação dos conselhos para legitimar gestões, a pouca visibilidade social das ações dos conselhos e o descumphmento de suas deliberações por parte dos gestores. Apesar dos limites apresentados na atual conjuntura à Mariangela Delgado A. Cavalcante Conselheira Titular do Conselho de Saúde do Distrito Federal Coordenou a Mobilização da VIII Conferência de Saúde efetivação do controle social, a importância dos mecanismos democráticos de participação não pode ser

7 14^ Conferência Nacional de Saúde Carta de prioridades que os agentes de Pastoral da Saúde vão defender na 14* Conferência Nacional de Saúde 1. Repudiar qualquer ação direta ou indireta que coloque em risco a vida humana desde a concepção ao morrer naturalmente. 2. Garantir os concursos públicos na área da saúde. 3. Garantir formação permanente para lideranças comunitárias e conselheiros nas três instâncias. 4. Garantir que as sementes crioulas, isto é, sementes naturais, sem qualquer modificação genética, sejam defendidas e preservadas como patrimônio nacional. 5. Garantir a capacitação de todos os profissionais de saúde nas mais diferentes áreas, priorizando aqueles ^ que trabalham com dependentes químicos e transtornos mentais. 6. Garantir que as propostas da última Conferência sejam aplicadas. 7. Garantir que a ações de saúde sejam voltadas para a promoção, a prevenção e a atenção básica, expandindo e fortalecendo o que já existe, tal como o Programa da Saúde da Família. 8. Defender a aprovação do serviço civil remunerado de todos os profissionais da saúde e não apenas dos médicos formados em Instituições Públicas. 9. Regulamentar e implementar efetivamente a EC 29, a fim de distribuir os recursos para a saúde de forma equitativa, para que seja priorizado o financiamento da atenção básica e a alocação de recursos para a saúde mental. 10. Garantir a implementação real dos Pactos pela Vida e da Saúde^^ em todos os Estados e Municípios. 11. Ter um profissional capacitado e idóneo, responsável pela organização e gestão do Controle de Regulação nos agendamentos nas unidades básicas, a fim de melhorar o gerenciamento de vagas e, para evitar as possíveis injustiças, que haja um rodízio entre os profissionais. 12. Pleitear a criação de Varas especializadas em saúde.

8 r/i Carta de Prioridades - Campanha da Fraternidade Encontro da VI Conferência Nacional da Pastoral da Saúde 1 - Buscar o constante e maior envolvimento dos padres, bispos na conscientização e responsabilidade do controle social, apoiar e promover a participação de agentes de pastorais nos cursos de formação de conselheiros promovidos pela Caritas. 2- Promover a capacitação permanente dos agentes e a motivação para viabilizar a continuidade e evolução dos trabalhos pastorais. 3 - Envolver a população na divulgação das práticas de saúde, com uma educação de cidadania, partindo das paróquias. 4 - Divulgar, através das redes sociais, sites, paróquias, dioceses, jornais, Orkut, Facebook, Twitter, convertendo os meios de comunicação em favor da promoção da saúde e conscientização do controle social (SUS), com publicação da cartilha "Pastoral da Saúde e o Controle Social no Brasil", "Cartilha de Direitos e Deveres dos usuários do SUS", e demais materiais afins. 5 - Desenvolver parcerias com as escolas públicas e privadas, promovendo estudos sobre noções básicas do Sistema Único de Saúde e a educação em saúde, como hábitos de vida saudáveis, levando, inclusive, em consideração, que a merenda escolar tenha alimentos orgânicos. 6 - Desenvolver parceria com o Ministério da Educação a fim de garantir a inclusão de disciplina na grade curricular Ide ensino básico, sobre saúde e bem-estar. 7 - Desenvolver parceria com o DETRAN para promoção de campanhas educativas relacionadas à violência e à morte no trânsito. 8 - Articulação de campanhas para promoção da saúde do trabalhador e prevenção de acidentes do trabalho e violência doméstica. 9 - Mobilização para regulamentação da EC29 em nível nacional e defesa do Sistema Único de Saúde Desenvolvimento de projetos voltados à promoção da saúde e à humanização do próprio profissional de saúde. GESTO CONCRETO: Propor a inclusão, no calendário da CNBB, da semana Nacional da Saúde, a fim mobilizar toda a sociedade brasileira para prevenção e promoção da saúde. Encanto e Responsabilidade no Cuidado da Vida E N W O E RESPONSABILIDADE NO CUIDADO DA VIDA I Livro: Encanto e Responsabilidade no Cuidado da Vida Luciana Bertachini e Léo Pessini Compreender a complexidade da vida humana é uma condição imperiosa para a dimensão do cuidado humanizado. No entanto, ainda observamos uma verdadeira "crise de cuidados" com a absolutização ingénua do tecnicismo, e o abandono da vida mais vulnerável. A obra Encanto e responsabilidade no cuidado da vida amplia três grandes reflexões sobre o compromisso ético-político-ecológico, a ciência com consciência e ternura, e a ética capaz de educar e resgatar o encanto e a responsabilidade na arte de cuidar do ser humano.

9 OCAMILO f^i^astoral DA^AUDE = Padres e Irmãos Camilianos! -A SERVIÇO DA VIDA- JUNTE-SE A NÓS, SEJA UM CAMILIANO TAMBÉM! 5 ^ "Estive enfermo e me visitastes" (Mt 25,36) Serviço de Animação Vocacional Rua Antonio AAarcondes, Ipiranga São Paulo-SP CEP Fone: (11) S ã o Q m i l o ^. ^«a?^ #1ASTORAL DASAUDE ICAPS - Instituto Camiliano de Pastoral da Saúde e Bioética Tel: (11) icaps( )camilianos.org.br Avenida Pompeia, 888 Cep: São Paulo-SP IMPRESSO

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Objetivo e proposta evangelizadora

Objetivo e proposta evangelizadora A CAMPANHA DA FRATERNIDADE NA IGREJA DO BRASIL Objetivo e proposta evangelizadora BerçonoConcílioVaticanoII: Começou no Rio Grande do Norte, em 1962, por iniciativa de Dom Eugênio Sales. Era uma ação concreta

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

ANTONIO CARLOS NARDI

ANTONIO CARLOS NARDI ANTONIO CARLOS NARDI QUE DEMOCRACIA QUEREMOS? A conquista do estado democrático de direito na década de 1980 no Brasil, após longo período burocrático-autoritário, trouxe o desafio de construção de uma

Leia mais

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br Psicologia Intensiva uma especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br PSICOLOGIA INTENSIVA O intensivismo é uma especialidade que apresenta um caráter interdisciplinar voltado

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

As Organizações Sociais e a Terceirização da Gestão e dos Serviços Públicos:

As Organizações Sociais e a Terceirização da Gestão e dos Serviços Públicos: As Organizações Sociais e a Terceirização da Gestão e dos Serviços Públicos: Inconstitucionalidade e afronta aos Direitos Sociais Maria Valéria Costa Correia Profa. Drª da Faculdade de Serviço Social/UFAL

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Nossa Missão, Visão e Valores

Nossa Missão, Visão e Valores Nossa Missão, Visão e Valores Missão Acolher e mobilizar os imigrantes na luta por direitos, cidadania e empoderamento social e político; Combater o trabalho escravo, a xenofobia, o tráfico de pessoas

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS Apresentação A JUVENTUDE MERECE ATENÇÃO ESPECIAL A Igreja Católica no Brasil diz que é preciso: Evangelizar, a partir de Jesus Cristo,

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09 Lei n 763/2010. EMENTA: Dispõe sobre a política municipal de segurança alimentar e nutricional sustentável do município de Parnamirim-PE e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL DE

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PARA ATENDIMENTO AO CONVENIO Nº 711591/2009 MDS/ITS/CEDEP

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

Fórum Paranaense de ONG AIDS.

Fórum Paranaense de ONG AIDS. RELATÓRIA TRABALHO DE SUBTEMAS XVII ERONG PR SUL 2013 REGIÃO SUL CURITIBA. ERONG PR SUL 2013 Cidade: CURITIBA UF: PARANÁ Pessoa/s de contato:amauri Instituição/es: Fórum Paranaense de ONG AIDS, Ferreira

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro

Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro Objetivos da 15ª. Reafirmar, impulsionar e efetivar os princípios e diretrizes do SUS- saúde como DH Mobilizar e estabelecer

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação. Projeto Paroquial da Pastoral da Comunicação

Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação. Projeto Paroquial da Pastoral da Comunicação Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação Projeto Paroquial da Pastoral da Comunicação 2 Barra do Choça, 11 de abril de 2015. 1. Contextualização O Projeto Nacional da Pastoral da Comunicação Pascom,

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

X ENCONTRO NACIONAL: A MISSÃO DAS ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES DE ATENDIMENTO

X ENCONTRO NACIONAL: A MISSÃO DAS ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES DE ATENDIMENTO É NOTÍCIA - Nº 18 2011 EDIÇÃO ESPECIAL X ENCONTRO NACIONAL: A MISSÃO DAS ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES DE ATENDIMENTO FEBRAEDA - CAMP SÃO BERNARDO DO CAMPO 08 DE ABRIL

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

SEMANA DO IDOSO 2013

SEMANA DO IDOSO 2013 SEMANA DO IDOSO 2013 Itens para reflexão Experiências anteriores A mobilização em 2013 O envelhecimento nos tempos atuais Idoso sem autonomia Excluído do mercado de trabalho Gera dependência Exclusão das

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

Política Nacional de Educação Ambiental

Política Nacional de Educação Ambiental Política Nacional de Educação Ambiental Diretoria de Educação Ambiental Secretaria Executiva Coordenação da PNEA Ministério do Meio Ambiente Órgão Gestor da PNEA Ministério da Educação Diretoria de Educação

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

MOVIMENTO DE CURSILHO DE CRISTANDADE GRUPO EXECUTIVO REGIONAL - GER - NE II

MOVIMENTO DE CURSILHO DE CRISTANDADE GRUPO EXECUTIVO REGIONAL - GER - NE II MOVIMENTO DE CURSILHO DE CRISTANDADE GRUPO EXECUTIVO REGIONAL - GER - NE II REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1 O Grupo Executivo Regional GER. do Movimento de Cursilhos de Cristandade

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as atividades de incubação de empreendimentos produtivos. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher A Defensoria Pública do Estado de São Paulo, através de seu Núcleo Especializado de Promoção e Defesa, vem por meio deste, apresentar os projetos apresentados por conta da assinatura do Termo de Cooperação

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral.

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral. EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos federal, estadual,

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE INTERNACIONAL CONTEXTO HISTÓRICO -1978 Declaração de Alma Ata Cazaquistão: Até o ano de 2000 todos os povos do mundo deverão atingir um nível

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 ALUNOS TURNOS

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária.

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária. Título: Recursos Hídricos: a participação social como requisito para o financiamento de projetos Tema: Recursos Hídricos Autora: Luciana Cibelle Araujo dos Santos Co-autoras: Marize Castro e Isabela dos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA

DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Fortalecer o Direito à Saúde, a Garantia de Acesso e a Atenção de Qualidade

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais