marleanet O passaporte Europeu para as competências marítimas DOSSIER DE IMPRENSA rede de aprendizagem marítima

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "marleanet O passaporte Europeu para as competências marítimas DOSSIER DE IMPRENSA rede de aprendizagem marítima"

Transcrição

1 marleanet rede de aprendizagem marítima O passaporte Europeu para as competências marítimas DOSSIER DE IMPRENSA Co-financiado com o apoio da União Europeia FEDER Programa Espaço Atlântico Investir no nosso futuro comum União Europeia Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

2 O programa europeu designado por MARitime LEArning NETwork (Rede de Aprendizagem Marítima) liderado pelo Centre Européen de Formation Continue Maritime (CEFCM) / Centro Europeu de Formação Marítima Contínua, em Concarneau, França, tem por objectivo desenvolver na Área Atlântica, uma nova e estimulante rede baseada na cooperação, partilha de ideias, competências técnicas, disseminação de boas práticas e partilha de experiências em tempo real e num cenário de co-produção de ferramentas de ensino ( ). Este conjunto de competências está reunido em 6 parceiros /instituições de 4 países (França, Espanha, Portugal e Irlanda). Todos desejam de criar a formação marítima do futuro: uma formação harmoniosa que tenha em conta as mudanças contínuas do mundo marítimo, com o objectivo de liderar o sistema de formação marítima excedendo os padrões internacionais actuais. 2

3 UMA SOLUÇÃO NECESSÁRIA MARLEANET, um programa europeu que visa criar uma rede entre instituições de formação na área atlântica, liderado pelo Centre Européen de Formation Continue Maritime (CEFCM) / Centro Europeu de Formação Marítima Contínua, na Bretanha, está na base de uma solução de formação para a Europa marítima. Uma vez que: O MUNDO MARÍTIMO É OBVIAMENTE INTERNACIONAL Quase todas as companhias no mundo marítimo têm uma dimensão internacional. As tripulações são multinacionais e multiculturais. Existe um padrão mundial para a certificação profissional: STCW95 *, Convenção Internacional aprovada por mais de 100 países. * Convention on Standards of Training, Certification and Watchkeeping for Seafarers / Convenção Internacional sobre Normas de Formação e de Certificação para os Marítimos - A MAIOR PARTE DOS FUTUROS EMPREGOS LIGADOS AO MUNDO MARÍTIMO AINDA HOJE NÃO SÃO CONHECIDOS Os futuros empregos são apenas uma parte da questão. Existem já muitas profissões emergentes sem qualquer tipo de soluções de formação. Por exemplo: quais são os cursos de formação para os técnicos de manutenção de plataformas petrolíferas? Como formar trabalhadores de pesca turística, técnicos de (Aeolian) turbinas marítimas, pilotos de drones marítimos (embarcações não tripuladas)? A FORMAÇÃO MARÍTIMA TEM DE SER MELHORADA E HARMONIZADA A convenção STCW é uma forma de pensamento comum e exemplar que conduz à implementação de padrões partilhados a nível mundial. Poucos sectores se podem orgulhar de apresentar este grau de diálogo a nível mundial. No entanto, pretendemos ir mais além. 3

4 A EUROPA ESTÁ BEM POSICIONADA PARA O FAZER A qualidade da formação marítima europeia é reconhecida internacionalmente. No entanto, este reconhecimento ainda não se encontra suficientemente formalizado e publicitado. O MARLEA- NET representa uma oportunidade única para alcançar um patamar fundamental: trazer ao know how (saber fazer) o valor acrescentado desse mesmo how know (conhecimento). É legítimo desenvolver as nossas boas práticas num mundo cada vez mais competitivo. O USO CONTROLADO DO E-LEARNING CUMPRE ESTE OBJECTIVO O e-learning tornou-se rapidamente uma das soluções mais apropriadas. A União Europeia é a primeira a convencer-se disso. E neste âmbito financia a 65% o projecto MARLEANET. Graças a esta ajuda os parceiros nos centros de formação irão desenvolver ferramentas para o ensino à distância. Isto permitirá às tripulações da marinha mercante, da pesca, da indústria petrolífera marítima, sem esquecer a marinha, a aquisição de certificados de competência «made in Europe». EM PRIMEIRO LUGAR A ÁREA ATLÂNTICA Está situada no coração das grandes rotas de navegação. Não temos outra escolha senão a de nos associarmos para desenvolver e partilhar ambições, formação inovadora, e padrões de certificação profissional. Até agora não existia uma rede que unisse os sessenta centros de formação marítima da Área Atlântica. Graças ao MARLEANET isto poderá ser feito. A DISPONIBILIDADE DOS MARÍTIMOS PARA A FORMAÇÃO É UMA DIFICULDADE REAL Organizar a formação no mundo marítimo é por norma uma dor de cabeça. Os métodos convencionais que consistem no ensino em salas de aula têm as suas limitações dadas as especificidades relacionadas com as profissões do mar. Relativamente à organização e eficiência, foi necessário abandonar essa forma tradicional de ensino e ir ao encontro da disponibilidade dos marítimos. RESUMO NOTICIOSO «O mar amanhã»: um grande debate internacional já começou. «Como irá a formação acompanhar as mudanças?» «Ser formado a bordo por e-learning : sonho ou realidade?» Estes dois temas fundamentais para o futuro do mundo marítimo já foram tratados no âmbito de um grande debate internacional: o mar no futuro: novas práticas e novos empregos, organizado durante o programa de lançamento do MARLEANET, no início da corrida Transat AG2R- La Mondiale, no dia 13 de Abril de 2010 em Concarneau. «Queremos criar uma marca de certificação europeia de nível elevado quando comparada com os padrões internacionais existentes, que conduza o universo da formação marítima a um padrão superior. A competição é forte na procura de trabalhadores qualificados, desde o marinheiro ao oficial. A diferença é e será baseada na capacidade técnica dos formadores» Alain Pomes, CEFCM, Director Geral 4

5 UMA SOLUÇÃO RELEVANTE OBJECTIVO: IMPLEMENTAR UMA REDE EUROPEIA CAPAZ DE HARMONIZAR, ACTUALIZAR E PROMOVER CONTEÚDOS. O objectivo do MARLEANET é desenvolver cursos de formação que possam ir ao encontro das mudanças nas actividades marítimas, através da criação de uma rede de formação nos sectores da pesca, da marinha de comércio, do offshore, da navegação de recreio e da marinha de guerra, e ainda... Promoção de uma rede transnacional de formação marítima com instituições de formação e interessados da marinha mercante. Criação de uma plataforma de e-learning comum a todos os membros da rede para a formação à distância/on-line (a bordo de navios bem como nos centros de formação). Promoção de recursos humanos qualificados na Área Atlântica dirigida a uma marinha mercante e indústria portuária mais competitivas. Troca de boas práticas e intercâmbio de recursos humanos de modo a desenvolver uma formação partilhada e de qualidade. 5

6 UMA SOLUÇÃO RELEVANTE 4 FASES 1 ANÁLISE DA SITUAÇÃO ACTUAL NA ÁREA ATLÂNTICA: Identificar os interessados e a formação marítima já existente. 2 LIGAR OS CENTROS DE FORMAÇÃO MARÍTIMA: Estabelecer uma rede eficiente de longo prazo entre os centros de formação, através da troca de boas práticas e do intercâmbio de recursos humanos. Organizar workshops com as autoridades competentes e contribuir para alterar as políticas de formação marítima. Disseminar catálogos de formação e criar uma base de dados de centros de formação. Organizar cursos de formação para instituições profissionais. 3 CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA COMUM DE E-LEARNING Desenvolver em conjunto programas de formação adaptados à vida marítima e competências profissionais: a bordo de embarcações, em casa, e nos centros de formação. Criar conteúdos para serem usados on-line através da Internet e/ou nos centros de formação. 4 TESTAR CURSOS DE FORMAÇÃO COM FORMANDOS. Testar os primeiros cursos com 200 formandos dos 4 países envolvidos de forma a validar e melhorar conteúdos. Expandir a rede através de acções de comunicação e conferências. Obter o reconhecimento de uma carta de qualidade de formação marítima para cada membro da rede MARLEANET. MARLEANET, UMA REDE REUNINDO OS INTERESSADOS DO MUNDO MARÍTIMO NÃO é uma banalidade institucional ou académica. A partilha de competências técnicas é hoje a única forma de ser útil e de progredir. A criação de redes é cada vez mais comum. O isolamento deve ser evitado. É obrigatória uma vez que assegura elevados padrões na formação profissional e certificação, certificação essa que é um factor chave no melhoramento de práticas de navegação (segurança, rentabilidade, protecção ambiental ). PORQUE a região Atlântica não tem outra alternativa senão a de manter elevados os seus padrões de conhecimento e saber fazer, humanos e tecnológicos, para assegurar a competitividade das suas actividades marítimas. EM TODO O LADO E A QUALQUER MOMENTO Viver em rede também quer dizer organizar workshops com autoridades competentes para alterar políticas, para a disseminação de catálogos de formação e de uma base de dados dos centros de formação, e para a organização de sessões de esclarecimento dirigidas a instituições profissionais COMO FUNCIONA? MARLEANET é uma rede europeia de competências técnicas dedicada exclusivamente ao mundo marítimo. Utiliza todos os meios e recursos de uma rede poderosa com dimensão internacional. 6

7 UMA SOLUÇÃO RELEVANTE UMA MISSÃO DURADOURA Comunicar, ao longo das quatro fases, a rede e as suas missões, através de acções de disseminação (sítio web, eventos, workshops, conferências, imprensa, e junto de outras redes europeias ) UMA FERRAMENTA E-LEARNING, FÁCIL E CONVENIENTE NÃO é um self-service. A inscrição nos cursos de formação on-line não pode ser feita individualmente. Os formandos nunca trabalham sozinhos. É um modo actual de formação contínua que vai ao encontro das necessidades expressas pela procura e supervisionado permanentemente por instituições de formação certificadas. PORQUE só os centros de formação vocacional da área marítima são capazes de decidir entre o que se pode aprender on-line e o que requer a presença física do formador. PODE SER USADA EM QUALQUER LUGAR, A QUALQUER HORA Através da Internet, de um CD-ROM, de um computador portátil o e-learning está disponível a bordo, em casa ou numa sala de aula. COMO FUNCIONA? Módulos curtos de 15 minutos no máximo. Totalmente interactivos. A cada 2 minutos o formando participa. «Somos a única escola superior marítima na Irlanda e é importante para nós fortalecermos relações/laços com outras congéneres europeias. Uma vez que enfrentamos idênticos problemas também temos necessidade de os partilhar. Juntar o nosso conhecimento especializado a outros conduz ao desenvolvimento e à implementação de cursos de formação com níveis de excelência» Dermot O Reilly, responsável de Projectos, NMCI (CIT) Como convencer os profissionais acerca do interesse em disponibilizar, no mar, cursos de e-learning? «Esgrimindo os seguintes argumentos: custo, flexibilidade, respeito pelo seu trabalho e pelo seu pessoal» Claudio Pirrone, responsável de Projectos, UBO. 7

8 UMA SOLUÇÃO COMUM MARLEANET INSCREVE-SE NA PRIORIDADE 2 OBJECTIVO 1 - DO PROJECTO ÁREA ATLÂNTICA: «PROTECÇÃO E GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS E ESPAÇOS MARÍTIMOS» ORÇAMENTO: 2,2 MILHÕES DE EUROS, FINANCIADOS ATÉ 65% PELA UNIÃO EUROPEIA. DURAÇÃO: JANEIRO DE 2010 ATÉ MARÇO DE PARCEIROS, 4 PAÍSES CENTRE EUROPÉEN DE FORMATION CONTINUE MARITIME CENTRO EUROPEU DE FORMAÇÃO MARÍTIMA CONTÍNUA CONCARNEAU, FRANÇA É o parceiro líder do programa MARLEANET, instituição com estatuto de utilidade pública ( groupement d intérêt public ), criada pelo Estado francês, pelas autoridades territoriais da Bretanha e pelos profissionais do mar. Tem como objectivo principal a organização e o desenvolvimento de acções de formação desde «marinheiro a oficial» que vão ao encontro dos interesses gerais, ou mais específicos, dos profissionais do mar. O CEFCM desenvolve métodos de engenharia de formação dando prioridade ao trabalho em rede. As boas relações entre os parceiros, uma boa coordenação e a criação de projectos inovadores constituem uma preocupação central deste projecto. O CEFCM oferece formação regulamentar (cursos de curta e longa duração) em várias áreas: segurança, saúde, radiocomunicações, radares, simuladores, e gestão de empresas marítimas. Concebe e acompanha à distância, entre outros serviços personalizados, o de documentos de prevenção (DUP). Forma os intervenientes fundamentais do mundo marítimo nos aspectos jurídicos e regulamentares da sua actividade, apoiando igualmente os marítimos no desenvolvimento dos seus projectos de validação da experiência profissional já adquirida (VAE). Os clientes principais do CEFCM são as autoridades regionais - sobretudo as do Conselho Regional da Bretanha (Conseil Régional de Bretagne) as empresas marítimas, os armadores, organizações profissionais, os portos, sem esquecer os particulares. A sua rede de parcerias é substancial: Universidade da Bretanha Ocidental (UBO), Institutos Politécnicos, Escola Nacional Superior Marítima, Instituto Náutico da Bretanha, Instituto Marítimo de Prevenção e Centro de Consulta Médica Marítima de Toulouse. O CEFCM tem três pólos: o CEFCM em Concarneau, o CEFCM em Lorient e um Centro de Formação para a Segurança denominado «Qualidade e Segurança Ambiental» em Concarneau. DADOS 1998: criação do CEFCM em Concarneau 2004 e 2010: Renovação do estatuto de Utilidade Pública ( groupement d interêt public ), 2500 formandos por ano correspondendo a horas de formação 50 formadores permanentes e quase 150 temporários, incluindo peritos Volume de negócio: 3,5 M 8

9 NATIONAL MARITIME COLLEGE OF IRELAND ESCOLA SUPERIOR MARÍTIMA NACIONAL DA IRLANDA CORK, IRLANDA O campus do Cork Institute of Technology (CIT) / Instituto de Tecnologia de Cork, abriu em 2004 com o objectivo principal de reunir dois recursos: do CIT e do Irish Naval Service, a marinha irlandesa. O NMCI (CIT) tem como objectivo ir ao encontro das necessidades da marinha mercante quer em termos educativos (ensino secundário) quer de formação profissional. Fornece cursos para a marinha irlandesa em áreas que não fazem parte da formação estritamente militar. Fornece também cursos específicos de curta duração, ao mundo marítimo, incluindo a náutica e os offshore. Os clientes do CIT provêm de diversos sectores do mundo marítimo: a marinha, a marinha mercante, offshore, alfândegas, portos DaDOS 1993: A Escola Secundária Técnica Regional de Cork, criada em 1975, passa a designar-se como Instituto Tecnológico de Cork (CIT) 2004: A Faculdade Marítima Nacional da Irlanda (NMCI), componente do CIT, abre as suas portas pessoas entre os quais 1000 formadores trabalham para o CIT 35 empregados trabalham para o NMCI, dos quais 27 são professores estudantes do CIT, dos quais 310 são estudantes do NMCI Para corresponder às suas expectativas o NMCI tem vindo a especializar-se em várias áreas: navegação, engenharia marítima, energia marítima, simuladores, segurança, emergência e ajuda médica, luta contra incêndios e sobrevivência. Financiado pelo Ministério de Educação Irlandês, o NMCI actuará em colaboração com a Universidade da Bretanha Ocidental como líder no desenvolvimento da futura plataforma para o ensino à distância. 9

10 MÚTUA DOS PESCADORES PORTUGAL A Mútua dos Pescadores é uma seguradora fundada em 1942, como organismo corporativo do Estado Novo, para o sector da pequena pesca. Na sequência do processo de democratização da sociedade portuguesa, iniciado com o 25 de Abril de 1974, autonomizou-se do Estado e, com os seus associados, tornou-se na maior associação do sector marítimo em Portugal. Em 2004 a Mútua transformou-se em Cooperativa de Utentes de Seguros, sendo a primeira, e até hoje a única cooperativa de seguros portuguesa. Participa activamente na estrutura federativa do sector social e cooperativo, e visa o desenvolvimento sustentável das Comunidades Costeiras. A sua massa associativa e os seus clientes são maioritariamente oriundos do sector da pesca profissional, mas também acolhe outros sectores marítimos: pesca desportiva, náutica de recreio, marítimo-turística e comunidades ribeirinhas de um modo geral. Mais recentemente passou também a acolher a área da economia social. A Mútua intervém na área dos seguros e da protecção aos seus associados, a sua principal missão económica, mas estende a sua acção enquanto seguradora mutualista e cooperativa, à economia social, ao desenvolvimento social e comunitário, à promoção cultural e ambiental. Trabalha em parceria com diversas organizações: mútuas de seguros europeias, organizações de pescadores e armadores do sector da pesca, organizações da economia social, organismos públicos e organizações locais/regionais, nacionais e internacionais, de desenvolvimento, de formação, ambientais e de igualdade de género. A Mútua acolhe também investigadores universitários e colabora com instituições académicas. DaDOS 1942: Criação como Mútua de Seguros no quadro de uma organização corporativa do Estado para a pesca 1974: Autonomização face ao Estado - passa a ser gerida pelos seus associados, então unicamente pescadores 2000: Começa a trabalhar com outros sectores do mar recreio e marítimo-turística. Recebe do Ministério das Pescas a Medalha de Honra das Pescas como reconhecimento pela sua acção social 2004: Adquire o estatuto de Cooperativa de Utentes de Seguros Órgãos sociais e trabalhadores: 100 elementos são eleitos pelos associados 50 trabalhadores Rede de 15 dependências e balcões no Continente, Açores e Madeira, algumas das quais com postos médicos. A sede é em Lisboa, onde estão os serviços centrais, com balcão de atendimento aos associados e público em geral, posto médico e sala de formação 9M em prémios de seguro 5M capital social «O programa MARLEANET é uma forma excelente de promover e desenvolver a formação profissional. Revela como esta é importante para os profissionais do mar e para o reconhecimento social do sector das pescas» Cristina Moço, Responsável pelo projecto. Directora de Serviços de Acção Social e Cooperativa da Mútua dos Pescadores 10

11 «O programa MARLEANET levará à criação de uma verdadeira rede Europeia de centros de formação marítima. Dá início a um novo processo de formação baseado na complementaridade da formação à distância e presencial» Lúcia FRAGA LAGO, CETMAR, Coordenadora do projecto CENTRO TECNOLÓGICO DEL MAR (CETMAR) CENTRO TECNOLÓGICO DO MAR VIGO, ESPANHA O Centro Tecnológico del Mar (CETMAR) / Centro Tecnológico do Mar, é uma fundação pública criada por iniciativa do Governo Regional da Galiza e do Ministério da Ciência e Inovação de Espanha. Desenvolve muitas outras funções adicionais. Em primeiro lugar potencia a colaboração entre instituições, centros de pesquisa e o mundo marítimo. Depois encoraja o envolvimento dos agentes marítimos nas tarefas de pesquisa, desenvolvimento e inovação. E ainda auxilia todas as actividades relacionadas com o uso e exploração do ambiente marítimo. ano estiveram ao serviço do CETMAR 48 mulheres e 45 homens, uma paridade entre mulheres e homens que é valorizada no contexto europeu. DaDOS 2001: criação do CETMAR Em 2009: Mais de 200 parceiros (instituições, centros de pesquisa, companhias marítimas ) trabalharam com o CETMAR 93 trabalhadores Volume de negócio: 7 M O Centro intervém em benefício de todos os interessados (públicos ou privados) do mundo marítimo. A acção do CETMAR pode ser dividida em 8 áreas de especialização distintas, incluindo o departamento de formação, que está particularmente envolvido no projecto MARLEANET. Os recursos humanos disponíveis estão à altura do desafio com um nível geral de qualificação elevado, e uma realidade que destacamos: no último 11

12 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE (ENIDH) PAÇO D ARCOS (PORTUGAL) A Escola Superior Náutica Infante D. Henrique é uma escola de ensino superior politécnico público, tutelada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Compete-lhe proporcionar uma sólida formação cultural, científica e técnica, desenvolver a capacidade de inovação e análise crítica, e ministrar conhecimentos científicos de índole teórica e prática dirigidos ao desempenho das actividades características do sector Marítimo-Portuário, no seio das quais é recrutada a maioria do seu público alvo. A Escola está vocacionada para a formação de Oficiais da Marinha Mercante e quadros superiores do sector Marítimo-Portuário nas áreas da Intermodalidade, Gestão e Logística. DaDOS 1972: A Escola Superior Náutica Infante D. Henrique abriu em Paço de Arcos a 15 Km de Lisboa 1974: A ENIDH passa para a tutela do Ministério das Comunicações saindo do Ministério da Defesa 1989: A ENIDH passa a fazer parte do sistema educacional Português, como escola superior politécnica 2002: A ENIDH passa a ser uma escola politécnica não integrada sob a tutela do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior 600 Estudantes 60 Formadores O orçamento do ENIDH é alocado anualmente pelo Ministério da Ciência Tecnologia e Educação Superior. «O Projecto MARLEANET permite poupar tempo e dinheiro aos profissionais do mundo marítimo, na medida em que poderão actualizar os seus conhecimentos sem que, para tal, tenham necessariamente de regressar à escola» Fernando FERREIRA ESTEVES, Professor Adjunto da ENIDH 12

13 UNIVERSITE DE BRETAGNE OCCIDENTALE (UBO) BREST, FRANÇA A Université de Bretagne Occidentale (UBO) / Universidade da Bretanha Ocidental, é uma instituição estatal e multidisciplinar que contribui para o desenvolvimento da investigação, para o melhoramento do nível científico, cultural e profissional, para o crescimento e desenvolvimento económico, e para a política de emprego e redução das desigualdades. Intervém em várias áreas: formação inicial e vocacional, pesquisa científica e técnica, integração e orientação vocacional, participação na construção de uma educação e investigação científica europeia superior, cooperação internacional A UBO possui mais de 150 parceiros a nível mundial, incluindo o Centro Nacional de Investigação Científica (CNRS), o Instituto Francês para a Exploração do Mar (Ifremer), o Instituto Nacional de Saúde e Investigação Médica (INSERM), e o Instituto de Desenvolvimento da Investigação (IRD). DaDOS 1969: Criação da UBO 2004: Implementação de local de trabalho digital 2007: Criação da Universidade Europeia da Bretanha da qual a UBO é membro estudantes estagiários em formação contínua Orçamento de 60 M A UBO possui um potencial humano muito rico: 2400 trabalhadores, incluindo 660 investigadores/ formadores. Tem seis unidades de investigação e formação (UFR), sete institutos universitários, duas faculdades de engenharia e 45 laboratórios de investigação. 13

14 UMA SOLUÇÃO SUSTENTÁVEL O programa MARLEANET tem como objectivo criar e manter uma rede que possa reunir os centros de formação marítima da Área Atlântica. Baseia-se na troca de boas práticas, conhecimentos e saber fazer individual e colectivo, promovendo a realização de cursos de formação partilhados afim de contribuir para o aperfeiçoamento das políticas de formação marítima. A continuidade, eficiência e coerência das acções levadas a cabo serão garantidas pela adesão dos utilizadores a uma carta de qualidade MARLEANET através da criação de uma marca genuína. «QUEREMOS CRIAR UMA REDE DURADOURA» «O MARLEANET não está limitado aos 3 anos do projecto. Queremos criar uma rede sustentável numa área geográfica mais extensa. Os Britânicos deverão juntar-se a nós brevemente. E porque não incluir os Polacos, os Belgas e outras nações Europeias com fortes aptidões marítimas, no futuro? As novas ferramentas electrónicas permitem-nos avançar mais depressa. É uma boa forma de ultrapassar as limitações actuais. Idealmente gostaria que o programa nos levasse a um sistema como o ECVET* possibilitando equivalências não só entre diplomas europeus mas também a nível de módulos de formação» Alain Pomes, CEFCM, Director Geral *Sistema Europeu de Créditos para Educação e Formação Vocacional OBJECTIVO PARA 2013 Formar pelo menos 3000 pessoas por ano, graças às ferramentas criadas através deste programa com a ajuda do maior número possível de centros de formação da Área Atlântica. 14

15 contactos Centre Européen de Formation Continue Maritime (França) 1, Rue des Pins BP Concarneau Cedex Tel.: (+33) Fax: (+33) National Maritime College of Ireland NMCI (IrlandA) Ringaskiddy, Co Cork Tel.: (+353) (0) Mútua dos Pescadores Mútua de Seguros, C.R.L (Portugal) Avenida Santos Dumont, 57, 6º Lisboa Tel.: (+351) Centro Tecnológico del Mar - CETMAR (ESPANHA) Area de Formación - Rua Eduardo Cabello, s/n - E Bouzas-Vigo Tel.: (+34) Escola Superior Náutica Infante DOM Henrique (Portugal) Avenida Eng. Bonneville Franco Paço de Arcos Tel.: (+351) Université de Bretagne Occidentale (FranÇA ) Service Universitaire de Formation Continue et d Education Permanente 20, Avenue Le Gorgeu CS Brest Cedex 3 Tel.: (+33)

16 marleanet rede de aprendizagem marítima Co-financiado com o apoio da União Europeia FEDER Programa Espaço Atlântico Investir no nosso futuro comum União Europeia Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO Arlindo Zandamela Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM) Lisboa, Portugal Zandamela.arlindo@gmail.com Sumário

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique.

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Um mar de oportunidades Mestrado em Gestão Portuária Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique A ENIDH é a Escola Superior pública portuguesa que assegura a formação de

Leia mais

Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã

Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã Excelência, Senhor Vice Governador da Província de Benguela, Dr. João Felizardo em representação do Engº Isaac Francisco Maria dos

Leia mais

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico M. Manuela Salta Laboratório Nacional de Engenharia Civil Av. Prof. do Brasil, 101, 1700-066

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

Valorização de rejeições e subprodutos das indústrias de processamento pescado:

Valorização de rejeições e subprodutos das indústrias de processamento pescado: Valorização de rejeições e subprodutos das indústrias de processamento pescado: Os resultados do Projecto Biotecmar! Lisboa, 6 de Outubro 2011 José Martins jmartins@net-sa.pt BIOTEChnological exploitation

Leia mais

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido MEMO/08/79 Bruxelas, 8 de Fevereiro de 2008 Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido 1. O Programa Operacional de Cooperação Transnacional Espaço Atlântico

Leia mais

A conferência da IMO de Manila:

A conferência da IMO de Manila: Miolo 237:Layout 1 10/09/20 11:58 Page 30 A conferência da IMO de Manila: Principais alterações à Convenção e ao Código STCW Sumário Neste artigo descrevem-se sucintamente alguns aspectos da Convenção

Leia mais

Agenda da Apresentação

Agenda da Apresentação Agenda da Apresentação Enquadramento SWOT Pontos fortes Pontos fracos Ameaças, riscos e constrangimentos Oportunidades O desafio para Portugal Fatores críticos de sucesso O projeto de Desenvolvimento da

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

GESTÃO E ESTRATÉGIA PORTUÁRIA 5 MÓDULOS 2 SEMINÁRIOS VISITAS TÉCNICAS

GESTÃO E ESTRATÉGIA PORTUÁRIA 5 MÓDULOS 2 SEMINÁRIOS VISITAS TÉCNICAS P Ó S - G R A D U A Ç Ã O GESTÃO E ESTRATÉGIA PORTUÁRIA 5 MÓDULOS 2 SEMINÁRIOS VISITAS TÉCNICAS 2ª EDIÇÃO DATA 22 DE MAIO A 29 DE JUNHO E DE 17 A 27 DE SETEMBRO CARGA HORÁRIA 191 HORAS LOCAL CENTRO DE

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

Infante D. Henrique. MESTRADOS Pilotagem. LICENCIATURAS Pilotagem. escola superior náutica. enautica.pt CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CET

Infante D. Henrique. MESTRADOS Pilotagem. LICENCIATURAS Pilotagem. escola superior náutica. enautica.pt CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CET MESTRADOS Pilotagem Engenharia de Máquinas Marítimas Sistemas Eletrónicos Marítimos Gestão Portuária LICENCIATURAS Pilotagem escola superior náutica Infante D. Henrique Engenharia de Máquinas Marítimas

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 A Estratégia de Lisboa e o Plano Tecnológico Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 1. Estratégia de Lisboa Estratégia de Lisboa : uma resposta a novos desafios A Globalização e a emergência de novas potências

Leia mais

FARMÁCIA ESTAÇÃO COMBOIOS

FARMÁCIA ESTAÇÃO COMBOIOS FARMÁCIA ESTAÇÃO COMBOIOS DMM 2º piso Laboratórios Presidente DMM 2º piso Oficinas Silo mergulho VTS Piscina Edifício II ITN Secretaria Edifício Social Parque incêndios Pavilhão Refeitório PRAIA Entrada

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe. Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo

Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe. Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo Senhores Ministros Senhores Embaixadores Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo Senhora representante da Comissão

Leia mais

PRINCÍPIOS ESSILOR. Os nossos princípios têm origem em características que definem a Essilor:

PRINCÍPIOS ESSILOR. Os nossos princípios têm origem em características que definem a Essilor: PRINCÍPIOS ESSILOR Cada um de nós, na nossa vida profissional, participa na responsabilidade e na reputação da Essilor. Por isso devemos conhecer e respeitar princípios que se aplicam a todos. O que significa

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 2006-2015 Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 Portugal 2015 Portugal 2015 - Metas 2005 2015 Douro Douro Oeste Oeste Serra da Estrela Serra da Estrela Alqueva Litoral Alentejano Litoral Alentejano

Leia mais

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES NAS EMPRESAS PLANEAR PARA A REDUÇÃO DE CUSTOS E OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES 19 e 20 Fevereiro 2013 Auditório dos CTT- Correios de Portugal Lisboa Horário Laboral: 09h30

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

A intermodalidade e o transporte marítimo

A intermodalidade e o transporte marítimo Ana Paula Vitorino Secretária de Estado dos Transportes A intermodalidade e o transporte marítimo 27 A dinâmica da política de transportes, global e europeia, e a posição geoestratégica de Portugal justificam

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

intra Perfil do Gestor

intra Perfil do Gestor Perfil do Gestor 35 Entrevista Dinah J. Kamiske, Autoeuropa A internacionalização economia obriga as empresas a tornarem-se mais competitivas. Entrevista de José Branco Dados publicados recentemente prevêem

Leia mais

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros)

Caracterização. Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos. (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/ Estrangeiros) CLEA Curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas Pedro Reis _ Janeiro 2005 Caracterização Curso de formação de Línguas Estrangeiras para Fins Específicos (Francês / Inglês / Alemão / Espanhol / Português p/

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português Tertiary Education for the Knowledge Society Summary in Portuguese O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento Sumário em Português O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento fornece uma investigação

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar

FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar FÓRUM DO MAR 2015 Apresentação da MARE STARTUP Inovação empresarial e formação Francisco Beirão Exponor, 18 de Novembro 2015 APRESENTAÇÃO 1.QuemSomos 2.PortugalMarítimo

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO O Programa Nacional de Microcrédito, criado pela Resolução do Conselho de Ministros Nº 16/2010, pretende ser uma medida de estímulo à criação de emprego e ao empreendedorismo entre

Leia mais

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável.

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável. Pescas Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo É inevitável olhar as ilhas na sua descontinuidade e imaginá-las

Leia mais

História. Realização da Primeira Feira Industrial. Criação da Primeira Escola de Ensino Técnico Profissional. Publicação do Jornal da Associação

História. Realização da Primeira Feira Industrial. Criação da Primeira Escola de Ensino Técnico Profissional. Publicação do Jornal da Associação História 1849 1852 1852 1854 1856 Fundação 3 de Maio, por Decreto Régio da Rainha D. Maria II Criação da Primeira Escola de Ensino Técnico Profissional Publicação do Jornal da Associação Apoio na Criação

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

Jornadas de Educação Pelo Desporto 1

Jornadas de Educação Pelo Desporto 1 Jornadas de Educação Pelo Desporto 1 Jornadas de Educação Pelo Desporto As Jornadas de Educação Pelo Desporto alinham-se com os objetivos gerais do Diálogo Estruturado na área da juventude, uma vez que

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TECNICA PARA FORMADOR/A EM COMUNICAÇÃO E VISIBILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES UE-PAANE

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS Acção 1 1 AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS A B Parcerias Estratégicas na área da Educação, Formação

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA FORMADOR EM CONTABILIDADE, GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA. Prospecto do curso 2013/14

CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA. Prospecto do curso 2013/14 CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA Prospecto do curso 2013/14 Patrocinado pela: Índice STCW Primeiros Socorros Básicos... 4 STCW Prevenção de Incêndios e Combate a Incêndios... 5 STCW Segurança

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Os dossiers do ensino escolar. A educação nacional e a formação profissional em Franca

Os dossiers do ensino escolar. A educação nacional e a formação profissional em Franca Os dossiers do ensino escolar 2011 A educação nacional e a formação profissional em Franca A Educação Nacional e a formação profissional em França A educação e a formação ao longo de toda a vida constituem

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

Plano de atividades de 2012

Plano de atividades de 2012 Plano de atividades de 2012 Introdução A Confederação Portuguesa do Voluntariado (CPV) congrega, à data de votação do presente Plano de actividades, 18 associações, federações e confederações, de diferentes

Leia mais

A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares

A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares Luis Filipe Baptista 1 No artigo apresentado no número anterior da revista, com o título A Engenharia de Máquinas Marítimas na

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

GUIA BIOTRAINING A SUA EMPRESA BIOTECNOLÓGICA MAIS PRÓXIMA

GUIA BIOTRAINING A SUA EMPRESA BIOTECNOLÓGICA MAIS PRÓXIMA GUIA BIOTRAINING A SUA EMPRESA BIOTECNOLÓGICA MAIS PRÓXIMA 1 BIOTECNOLOGIA... 3 2 BIOTRAINING... 4 O QUE É?... 4 OBJECTIVOS... 4 A QUEM SE DIRIGE?... 5 QUE POSSO OBTER PARTICIPANDO EM BIOTRAINING?... 5

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR: Registo Internacional de Navios da Madeira S.D.M. - Sociedade de Desenvolvimento da Madeira, S.A. Rua da Mouraria, n.º 9-1.º P. O. Box 4164, 9001-801

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS DA RESERVA NAVAL PROCLAMAÇÃO DE CASCAIS

ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS DA RESERVA NAVAL PROCLAMAÇÃO DE CASCAIS ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS DA RESERVA NAVAL PROCLAMAÇÃO DE CASCAIS Alm. Nuno G. Vieira Matias A nobre Associação dos Oficiais da Reserva Naval convidou-me a reafirmar aqui, hoje, aquilo que, em nove conferências,

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

Agenda. O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta

Agenda. O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta Agenda O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta O Diagnóstico Turismo marítimo e costeiro Náutica de Recreio 60 Turismo Maritimo e Costeiro 123 Nautica

Leia mais

AS NOSSAS EMBARCAÇÕES

AS NOSSAS EMBARCAÇÕES Trabalho de Projecto AS NOSSAS EMBARCAÇÕES Disciplinas intervenientes: Língua Portuguesa, Língua Estrangeira, História e Geografia de Portugal, Educação Visual e Tecnológica. Tópicos que podem ser tratados

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

IPAM reforça no Porto. Pdg. 76. Por M." João Vieira Pinto

IPAM reforça no Porto. Pdg. 76. Por M. João Vieira Pinto IPAM reforça no Porto Pdg. 76 Por M." João Vieira Pinto IPAM reforça no Porto Afirma-se como lhe Marketing School e ambiciona ser a referência do ensino nesta área. Por isso, ejá a partir do próximo ano,

Leia mais

Programa de Treino de Mar

Programa de Treino de Mar ÍNDICE 1 - APORVELA 1.1 Objectivos 1.2 - Parceiros 1.3 - Programa Jovens e o Mar 2 - PROGRAMA JOVENS E O MAR 3 - TREINO DE MAR 3.1 Treino de Mar 3.2 Organização a Bordo 3.3 Actividades a Bordo e em Terra

Leia mais

INDICE. 1. Introdução 3. 2. Objectivos 4. 3. Público alvo 4. 4. Material 4. 5. Conteúdos programáticos 5. 6. Actividades Propostas 5

INDICE. 1. Introdução 3. 2. Objectivos 4. 3. Público alvo 4. 4. Material 4. 5. Conteúdos programáticos 5. 6. Actividades Propostas 5 INTRODUÇÃO INDICE 1. Introdução 3 2. Objectivos 4 3. Público alvo 4 4. Material 4 5. Conteúdos programáticos 5 6. Actividades Propostas 5 7. Descrição das Actividades 6 7.1 Formação em sala de aula: 6

Leia mais

Agenda. Principais Conclusões Da Fase De Diagnóstico Mercados - Alvo Cliente Tipo Segmentação Estratégia Proposta De Ação

Agenda. Principais Conclusões Da Fase De Diagnóstico Mercados - Alvo Cliente Tipo Segmentação Estratégia Proposta De Ação Agenda Principais Conclusões Da Fase De Diagnóstico Mercados - Alvo Cliente Tipo Segmentação Estratégia Proposta De Ação Principais Conclusões Da Fase De Diagnóstico Oportunidades Crescimento da procura

Leia mais

SMIT, SERVIÇOS MARÍTIMOS DE MOÇAMBIQUE, LIMITADA PARCEIRO MOÇAMBICANO DE SOLUÇÕES MARÍTIMAS

SMIT, SERVIÇOS MARÍTIMOS DE MOÇAMBIQUE, LIMITADA PARCEIRO MOÇAMBICANO DE SOLUÇÕES MARÍTIMAS SMIT, SERVIÇOS MARÍTIMOS DE MOÇAMBIQUE, LIMITADA PARCEIRO MOÇAMBICANO DE SOLUÇÕES MARÍTIMAS 2 QUEM SOMOS 3 UMA EMPRESA LOCAL QUE REÚNE REQUESITOS INTERNACIONAIS A Smit Serviços Marítimos de Moçambique

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Duração: 16 Horas Data Início: Lisboa 12/06/2013 Porto 13/06/2013. 450 Euros* 520 Euros* Prazo para Inscrições: 24/05/2013

Duração: 16 Horas Data Início: Lisboa 12/06/2013 Porto 13/06/2013. 450 Euros* 520 Euros* Prazo para Inscrições: 24/05/2013 2013 Acções de Formação AGEPOR Código IMDG 1ª Edição Início: Lisboa: 12 Junho 2013 Porto: 13 Junho 2013 AGEPOR Associação dos Agentes de Navegação de Portugal Tipo de Acção: Formação Tema: Código IMDG

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

COMPROMISSO DOS NOTÁRIOS DA EUROPA PARA

COMPROMISSO DOS NOTÁRIOS DA EUROPA PARA COMPROMISSO DOS NOTÁRIOS DA EUROPA PARA 2020 para uma política de justiça europeia à altura dos desafios socioeconómicos OS NOSSOS 5 COMPROMISSOS PARA 2020 NOTÁRIOS DA EUROPA 1 Na qualidade de consultores

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

O SÉTIMO PROGRAMA-QUADRO

O SÉTIMO PROGRAMA-QUADRO A investigação europeia em acção O SÉTIMO PROGRAMA-QUADRO (7PQ) Assegurar a liderança da investigação europeia Definir novos padrões para a investigação europeia O Sétimo Programa-Quadro para a investigação

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html B-Bruxelas: Serviços de apoio à promoção de talento Web na Europa através do incentivo à utilização

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 22 de Julho de 2004 (08.11) (OR. en) 11636/04 Dossier interinstitucional: 2004/0165 COD

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 22 de Julho de 2004 (08.11) (OR. en) 11636/04 Dossier interinstitucional: 2004/0165 COD CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 22 de Julho de 2004 (08.11) (OR. en) 11636/04 Dossier interinstitucional: 2004/0165 COD FSTR 17 SOC 367 CADREFIN 22 PROPOSTA Origem: Comissão Europeia Data: 16 de Julho

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

para o exercício da actividade marítima como Pescador

para o exercício da actividade marítima como Pescador Marinhagem da Pesca Jovens, até 25, com escolaridade de 4 Conferir competências profissionais nucleares ao nível da marinhagem da pesca e permitir o ingresso no itinerário de Qualificação de como 970 horas

Leia mais

Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos?

Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos? Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos? ESTUDAR noutro país da UE ESTUDAR noutro país da UE ESTUDAR noutro país da UE I. DIREITO DE

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

Recursos Humanos em Portugal

Recursos Humanos em Portugal O Maior Salão Profissional de Recursos Humanos em Portugal 9.ª Edição 17e 18 de Março de 2010 Centro de Congressos do Estoril www.ife.pt OS DECISORES SÃO UMA PRESENÇA GARANTIDA + 2000 profissionais de

Leia mais

Decreto-Lei 96/89, de 28 de Março - I Série Decreto-Lei 96/89 Cria o Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR) Publicação: DR nº 72/89 I SÉRIE

Decreto-Lei 96/89, de 28 de Março - I Série Decreto-Lei 96/89 Cria o Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR) Publicação: DR nº 72/89 I SÉRIE Decreto-Lei 96/89, de 28 de Março - I Série Decreto-Lei 96/89 Cria o Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR) Publicação: DR nº 72/89 I SÉRIE A competição internacional no sector da marinha de

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

GESTÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E GESTÃO PORTUÁRIA. - 9ª EDIÇÃO Direcção e Coordenação Científica: Prof. Doutor J. Augusto Felício PÓS-GRADUAÇÃO/ISEG

GESTÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E GESTÃO PORTUÁRIA. - 9ª EDIÇÃO Direcção e Coordenação Científica: Prof. Doutor J. Augusto Felício PÓS-GRADUAÇÃO/ISEG GESTÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E GESTÃO PORTUÁRIA - 9ª EDIÇÃO Direcção e Coordenação Científica: Prof. Doutor J. Augusto Felício PÓS-GRADUAÇÃO/ISEG Pós-Graduação // Gestão do Transporte Marítimo e Gestão

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais