Consolidar a cultura de parceria Obter respostas cada vez mais eficazes e acertadas às necessidades da população. Aumentar a compreensão por parte da

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Consolidar a cultura de parceria Obter respostas cada vez mais eficazes e acertadas às necessidades da população. Aumentar a compreensão por parte da"

Transcrição

1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE ACÇÃO SOCIAL Finalidades Objectivos gerais Objectivos específicos Estratégias Criar uma rede cada vez mais funcional/producente/maximizada entre IPSS s, ONG s e organismos estatais Consolidar a cultura de parceria Obter respostas cada vez mais eficazes e acertadas às necessidades da população Procurar a articulação entre organismos e aproximação da/à população através de espaços de diálogo e reflexão, promovendo a sua participação no seu desenvolvimento Dinamizar os serviços, conjugando custos sociais e apoio económico, e tendo em consideração a questão cada vez mais pertinente da qualidade de vida Promover a inclusão do portador de Aumentar a compreensão por parte da Realizar estudos/diagnósticos para um melhor conhecimento social deficiência (crianças, jovens e adultos) comunidade em relação aos direitos e do número de indivíduos portadores de deficiência no às necessidades do portador de Concelho, seus direitos e necessidades deficiência Aprofundar o conhecimento sob os diversos tipos de deficiência e necessidades em termos de ajudas técnicas Lutar contra o estigma de deficiência e de Intensificar/sensibilizar/informar a comunidade e família da representação social distorcida das população deficiente. instituições que intervêm no âmbito da Formar decisores em relação ao problema da deficiência deficiência Sensibilizar as instituições para a criação deste lar Melhorar a qualidade de vida da população com deficiência Maximizar uma unidade residencial Aperfeiçoar o atendimento e a consulta interdisciplinar para para pessoas portadoras de crianças, jovens e suas famílias deficiência (já em projecto) com um

2 Finalidades Objectivos gerais Objectivos específicos Estratégias Promover o desenvolvimento pessoal da número de camas maior que o Dinamizar o apoio técnico interdisciplinar a crianças. população portadora de deficiência existente jovens e suas famílias Melhorar os serviços e equipamentos Aperfeiçoar os Centros de Apoio Sócio-Educativo para a população adulta com deficiência Dinamizar o apoio em regime ambulatório Aperfeiçoar o Centro de Actividades Ocupacionais Dinamizar o Serviço de Apoio Domiciliário e o Acolhimento Familiar Facilitar o acesso físico/espacial da Promover campanhas de sensibilização das entidades públicas população portadora de deficiência e privadas para a questão da eliminação das barreiras aos equipamentos arquitectónicas Promover a inclusão da população idosa Procurar a orientação Criar uma Comissão Nacional de Cuidados com a social /encaminhamento para os recursos da responsabilidade de monitorar os processos e estabelecer comunidade padrões nacionais de apoio e a promoção de cuidados de qualidade Minorar o estado de dependência dos idosos Mobilizar da melhor forma os recursos Especializar equipamentos e serviços na comunidade destinados a assumir a dependência orientados para a população idosa atendimento e Ter o direito a prestações de qualidade acolhimento personalizado (desenvolver uma aproximação individualizada exigindo uma modernização dos serviços com essa responsabilidade e também uma adesão e o

3 Finalidades Objectivos gerais Objectivos específicos Estratégias Promover a criação de serviços e sistemas Reconhecer às pessoas dependentes comprometimento dos de cuidados formais que forneçam um direito aos cuidados não em profissionais que prestam os cuidados) soluções suficientes e de boa qualidade, função dos seus meios financeiros, adaptadas às necessidades das próprias mas das suas necessidades e do grau Melhorar os centros de convívio, centros de dia, lar para idosos pessoas dependentes de dependência. Deve ser e os serviços de apoio domiciliário considerado como um risco no quadro de segurança social. Combinar um seguro de cuidados sociais e um plano de seguro de cuidados privados Facilitar o acesso aos estabelecimentos de cuidados sociais e de lazer Encontrar formas de financiamento para os cuidados não assegurados pelo sistema público, permitindo assim que as pessoas idosas recebam os serviços de que necessitam Alertar para que se encontrem alternativas às prestações sociais actualmente oferecidas Reforçar os meios médicos dos equipamentos sociais Aumentar o nível de qualidade dos serviços oferecidos Garantir a existência de uma gama de estruturas de apoio a preços variados Promover não só o nutricionismo mas também a gastronomia (o efeito perverso da regulamentação exagerada nos lares: o

4 Finalidades Objectivos gerais Objectivos específicos Estratégias resultado disso é que não se podem comer ovos a sério nos lares de pessoas idosas, falando-se em nutrição mas nunca de gastronomia ) Reconhecer a pessoa que presta ajuda informal, cuja presença nos casos de cuidados prestados no domicílio parece indispensável Desenvolver serviços que apoiem os prestadores informais de cuidados Incentivar a conciliação entre os empregos pagos e os cuidados prestados Arranjar soluções entre os prestadores de cuidados para os seus empregadores e para a sustentabilidade do sistema social para que eles se mantenham a trabalhar. Mas isso só será possível se forem desenvolvidas medidas facilitadoras suficientes, a saber, horário de trabalho flexível, e longos períodos de ausência no emprego sem perdas de regalias sociais em termos de segurança social ou dos seus direitos como pensionistas Incentivar a adaptação da intervenção dos serviços profissionais domiciliários à actividade profissional do ajudante e a consideração pela segurança social (em matéria de pensão de velhice) do tempo de interrupção do trabalho, durante períodos limitados, por parte de quem presta essa ajuda informal

5 Finalidades Objectivos gerais Objectivos específicos Finalidades Minorar a dependência de ordem psíquica Desenvolver cuidados específicos Desenvolver medidas de apoio aos prestadores de cuidados do idoso que tenham em conta as questões informais, nomeadamente acesso à informação, apoio jurídicas e de saúde (o consentimento emocional e psicológico, tempos livres regularmente durante num tratamento ou numa investigação os quais sejam substituídos por terceiros no apoio à pessoa dados por tutores ou familiares dependente. Mas o mais importante ainda é que a voz dos próximos, quando a pessoa em causa prestadores de cuidados informais seja claramente ouvida e está psiquicamente dependente, exige que eles estejam presentes quando são tomadas decisões a integração dessa mesma pessoa no que os afectam directamente processo de decisão e que sejam tomados em conta os pontos de vista Optimizar um modelo de serviços e de protecção que se expressos por esta) desenvolva em rede no terreno com a cooperação do sector social privado e do voluntariado, assim como a valorização do contributo das redes sociais primárias, familiares e de amigos Desenvolver apoios à socialização dos idosos Criar uma associação de idosos (ex: empresa sénior) Promover a melhoria da qualidade de Desenvolver políticas que tenham em conta simultaneamente vida dos novos idosos com o as necessidades individuais decorrentes do estado de objectivo de prevenir os factores que dependência da pessoa e a diversidade de situações sociais levam à dependência das pessoas dependentes e do seu modo de vida: cuidados por medida, segundo as necessidades de cada um Sensibilizar/informar a comunidade para os problemas que a população idosa enfrenta (questões de nutricionismo, tratamento de doenças relacionadas com a velhice e acompanhamento)

6 Finalidades Objectivos gerais Objectivos específicos Estratégias Formar os técnicos, envolvidos nesta problemática, na área de Geriatria Optimizar o Modelo de Intervenção Articulada do Apoio Social e dos Cuidados de Saúde Continuados que garantam as respostas articuladas: dirigidas a pessoas com deficiência e idosos e a pessoas com doenças do foro psiquiátrico, visando assegurar o apoio social e/ou acompanhamento com vista à inserção, com a participação da saúde, através das suas estruturas locais, na prestação de cuidados, designadamente médicos e de enfermagem; e as respostas integradas: que exigem uma intervenção programada e coordenada de cuidados de saúde e apoio social a desenvolver a partir de equipas multidisciplinares constituídas para o efeito Dinamizar o processo de qualificação dos serviços prestados, mesmo por parte de outras respostas sociais (Apoio Domiciliário Integrado e Lar), quer devido à proximidade das práticas, quer pelo facto de a rotatividade das pessoas na rede das respostas existentes implicar a manutenção de uma certa qualidade dos serviços prestados. Desenvolver acções de apoio à demência Diagnosticar cuidadosamente os casos de falsa demência doenças com sintomas análogos aos da demência mas que não podem ser curadas ex: depressão, a confusão, ou a falta de vitamina B-12.

7 Finalidades Objectivos gerais Objectivos específicos Estratégias Oferecer ao demente e à respectiva família diversos tipos de apoios em função das suas necessidades específicas. Ex: doença de Alzheimer: pode ser olhada como uma desordem de toda a família. Proporcionar todo o tipo de assistência (apoio domiciliário, cuidados de dia e de noite e outros) ao demente Criar uma casa de grupo para idosos dementes para os que já não podem viver em sua casa Concretizar protocolos do Centro de Saúde com as instituições

8 Finalidades Objectivos gerais Objectivos específicos Estratégias Promover a inclusão dos Procurar a Necessidade de um atendimento/acolhimento personalizado social (ver o Plano de toxicodependentes e pessoas com orientação/encaminhamento para os Desenvolvimento Social da Saúde problemas ligados ao álcool e outras recursos da comunidade Aumentar os recursos humanos adequados ao atendimento acerca do item da dependências especializado (psicólogos, assistentes sociais, educadores toxicodependência) sociais, sociólogos...) Descentralizar o atendimento à população toxicodependente através de equipes de rua Criar espaços OTL (ocupação de tempos livres) apropriados às necessidades criativas/inventivas dos toxicodependentes no decorrer do tratamento*(ver exemplo do Espaço T) Criar programas consistentes de desintoxicação alcoólica e acompanhamento articulado entre serviços e grupos voluntários da comunidade Valorizar os pólos de apoio a pessoas em desintoxicação alcoólica Melhorar a situação de Pessoas Infectadas Procurar a Sensibilização da comunidade/ informação/ solidariedade social (ver o Plano de com HIV orientação/encaminhamento para os Desenvolvimento Social da Saúde recursos da comunidade Melhorar o Atendimento/Acolhimento personalizado acerca deste item) Optimizar recursos humanos adequados ao atendimento especializado (psicólogos...

9 Finalidades Objectivos gerais Objectivos específicos Estratégias Facilitar o acesso à terapêutica antiretroviral (a HAART combinação de pelo menos 3 fármacos antiretrovirais) com o uso de terapêuticas adicionais tais como os imunomodeladores e vacinas a usar no sentido de melhorar a evolução clínica do doente com HIV Combater situações de carência Aperfeiçoar as condições para a Optimizar os recursos de inserção dos beneficiários através da social económica: endividamento excessivo, aplicação da medida do RMG medida desemprego, não satisfação das necessidades básicas Afectar e optimizar a organização dos recursos humanos Combater situações de insuficiência ou Criar uma equipa multidisciplinar para proceder ao inexistência de autonomia sócioeconómica acompanhamento dos processos de inserção (psicólogo, educador social...) Consolidar as parcerias Intensificar os cursos de formação profissional Aperfeiçoar o desempenho das empresas de inserção no âmbito da integração sócio-profissional da população desfavorecida Incentivar actividades de utilidade social, comunitária e de autonomização

10 Finalidades Objectivos gerais Objectivos específicos Estratégias Dinamizar o acolhimento integrado Definir formas de actuação para a criação de respostas de acolhimento integrado Promover a situação sócio-profissional e Investir nos recursos humanos na Adequar os recursos humanos nas áreas da económica das minorias étnicas em área das ciências sociais Intervenção/Acolhimento/Atendimento através da sua situação de exclusão personalização/especialização procurando obter respostas mais direccionadas aos problemas social Processos de sensibilização da comunidade para uma feliz integração das minorias Desenvolver estratégias de parceria assentes em recursos locais Combater as disfunções familiares: Investir nos recursos humanos na Aumentar o contingente de recursos humanos face ao elevado social conflitos familiares e maus tratos área das ciências sociais e crescente número de processos de menores em situação de de crianças e jovens risco (ganhando cada vez mais visibilidade através da Minimizar as situações de risco Comissão) na intervenção e acompanhamento das famílias Melhorar o atendimento personalizado/especializado Criar um Centro de Acolhimento Promover encontros com vista à sensibilização da comunidade para o aumento de famílias de acolhimento

11 Finalidades Objectivos gerais Objectivos específicos Estratégias Sensibilização/informação da comunidade perante situações de risco Desenvolver campanhas de prevenção e sensibilização Promover a inclusão de mulheres vítimas de maus tratos Investir nos recursos humanos na área das ciências sociais Melhorar o atendimento personalizado/especializado Sensibilização/informação da comunidade perante situações de risco social Alargar as respostas às mulheres vítimas de maus tratos (ex. - Casa de Abrigo para mulheres vítimas de violência) Optimizar o Programa ELOS Melhor articulação dos problemas Continuar a dar resposta ao crescente Investimento nos recursos humanos Uniformizar os salários entre os técnicos a trabalhar nas da comunidade social e número de projectos existentes na nas áreas das ciências sociais IPSS s e ONG s e os técnicos na função pública economicamente desfavorecida comunidade com os problemas do Enfrentar a emergência de novas Preparar os recursos humanos na área de Acção Social face à desenvolvimento local problemáticas emergência de novas problemáticas Criar de forma orientada diagnósticos e planeamento local que procure articular os problemas da comunidade social e economicamente desfavorecida com os problemas de desenvolvimento local

12 Finalidades Objectivos gerais Objectivos específicos Estratégias Criar uma linha estratégica clara que permita racionalizar as intervenções Projectos comunitários dirigidos a comunidades específicas que visam a sua promoção sócio-profissional e económica a partir do diagnóstico das necessidades, da participação activa dos indivíduos e da rentabilização dos recursos locais Maximizar o POEFDS Maximizar o POSI na área do investimento tecnológico e informático para a Rede Social social Promover acções de educação para a saúde Desenvolver programas e projectos na área da saúde relacionados com os Cuidados Continuados de Saúde, Saúde Materno-Infantil social Combater o absentismo, insucesso e abandono escolares (tema desenvolvido na área da Educação) Combater o analfabetismo Desenvolver programas e projectos na área da educação

13 * O Espaço T Associação Para Apoio à Integração Social e Comunitária, vai realizar o Corpo Evento IV Ciclo de Espectáculos em Teatro e Dança. Esta mostra de teatro e dança terapêuticos, com a chancela do Porto 2001, tem por objectivo apresentar, por um lado, o trabalho desenvolvido diariamente nos Ateliers de Teatro e Expressão Corporal desta Instituição, por outro, pretende-se que este evento seja um veículo de comunicação da filosofia do Espaço T: A arte pode ser terapêutica. Assim, neste IV Ciclo de espectáculos em Teatro e Dança, os alunos/actores do Espaço t (portadores de doenças físicas e mentais, toxicodependentes em fase de reabilitação e os ditos normais ), apresentam ao público cinco espectáculos/dança que serão o reflexo da sua aprendizagem ao longo de um ano nos ateliers de teatro e expressão corporal. Apresentaremos, também, duas encenações/coreografias representadas pela Crinabel Teatro Auto da Barca do Inferno de Gil Vicente e pelo grupo de teatro Era uma vez... da Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral Núcleo Regional do Norte- Onde foste hoje?, mostrando que o teatro e a dança são uma realidade possível para todos sem excepção. Nesta quarta edição estendemos o Corpo Evento à Trofa, como consequência da implementação do Espaço T, desde Janeiro de 2000, nesta cidade. O Espectáculo realizar-se-á dia sete de Dezembro. No Cine Nova Trofa, com o Grupo de Teatro Clepsydra Medo Obsessivo. O IV Ciclo de espectáculos em Teatro e Dança será a consolidação do trabalho desenvolvido por esta Associação no campo da arte como fenómeno de integração social. Para que a sociedade deste novo milénio possa cada vez mais reflectir o Homem que há em cada um de nós! (Jorge Oliveira, Presidente do Espaço T).

14 QUESTÕES A DEBATER: A problemática do financiamento do Estado em relação às instituições Qual deveria ser a proveniência do financiamento? IDEIAS SOLTAS - A questão do justo cuidado pode ser vista na mesma perspectiva: a qualidade dos cuidados quando se aproxima o final da vida parece-me essencial para preservar ao máximo a dignidade da pessoa e o potencial de autonomia que lhe resta, mas em muitos estabelecimentos a pessoa torna-se um objecto de cuidados em vez de ser um sujeito de relação. - Mais sensível é a questão da aproximação da morte, ausente dos cuidados paliativos que se desenvolve e cuja utilidade não está em causa. O problema é que uma das tarefas nobres junto das pessoas idosas é acompanhá-las nesse período de declínio que as leva em direcção à saída. - Aspectos relativos á qualidade técnica e de relação: Em cada sector de actividade, seja de hotelaria, de animação, de ajuda quotidiana, de cuidados ou de gestão, parece-me que a qualidade só é atingida se o profissionalismo técnico for acompanhado de forma indissociável de um profissionalismo relacional: qualquer profissão tem uma componente técnica e outra relacional. Este é talvez o ponto essencial da qualidade face às pessoas idosas, com as quais tudo se joga na vertente relacional. - Modelo de Intervenção Articulada do Apoio Social e dos Cuidados de Saúde Continuados 1998 Ministérios da Saúde e do Trabalho e da Solidariedade Respostas articuladas: dirigidas a pessoas com deficiência e idosos e a pessoas com doenças do foro psiquiátrico, visando assegurar o apoio social e/ou acompanhamento com vista à inserção, com a participação da saúde, através das suas estruturas locais, na prestação de cuidados, designadamente médicos e de enfermagem. - Respostas integradas: exigem uma intervenção programada e coordenada de cuidados de saúde e apoio social a desenvolver a partir de equipas multidisciplinares constituídas para o efeito. - Equipas de Cuidados Integrados equipas em que assenta todo o modelo de funcionamento previsto, estando já em funcionamento em110 concelhos, enquanto que as respostas implementadas se resumem a 65 concelhos.

15 (Suécia) Apoio à demência idosos com doenças mentais equacionar duas questões quando se trata de planear o trabalho com aquele tipo de idosos. - É preciso diagnosticar cuidadosamente os casos de falsa demência doenças com sintomas análogos aos da demência mas que não podem ser curadas ex: depressão, a confusão, ou a falta de vitamina B Devem ser oferecidos ao demente e à respectiva família diversos tipos de apoios em função das suas necessidades específicas. Ex: doença de Alzheimer: pode ser olhada como uma desordem de toda a família. - Deve ser proporcionada todo o tipo de assistência (apoio domiciliário, cuidados de dia e de noite e outros). No caso de pacientes que já não podem viver no seu habitat Ex: casa de grupo para idosos dementes (Itália) custos sociais e apoio económico organização dos serviços e a consideração sobre a qualidade de vida - A reforma da assistência vai no sentido de um modelo de serviços e de protecção que se desenvolve em rede no terreno com a cooperação do sector social privado e do voluntariado, assim como a valorização do contributo das redes sociais primárias, familiares e de amigos. atribui muita importância às pessoas idosas autosuficientes, considerando muito importante a qualidade de vida por via de serviços integrados, seja em termos de eficácia curativa, de cuidados e de reabilitação, quer em termos de apoio às capacidades para manter uma autonomia possível. - O apoio à socialização dos idosos está tb no horizonte das preocupações governamentais dar respostas no plano da melhoria da qualidade de vida dos novos idosos com o objectivo de prevenir os factores que levam à dependência. - Reconhecendo às pessoas dependentes um direito aos cuidados não em função dos seus meios financeiros, mas das suas necessidades e do grau de dependência. Esta deve ser considerada como um risco no quadro de segurança social. - Necessidade crescente de cuidados de saúde e de assistência às pessoas idosas - Adopção de políticas tendo em vista limitar o aumento da dependência através da promoção de um envelhecimento saudável, da prevenção dos acidentes e da reabilitação após a doença - Intensificação da assistência médica e assistencial que deve ser realizada no domínio do acompanhamento dos idosos, bem como das pessoas portadoras de deficiência

16 - Promover acções concertadas em relação às pessoas em situação de dependência, por motivos de doença, convalescença ou deficiência - Aprofundar medidas que incentivem a prestação de cuidados por parte de familiares, bem como de outros prestadores da comunidade (vizinhos e amigos), equacionando mecanismos que, a partir da identificação das necessidades e recursos, permitam a constituição de uma rede de cuidados integrados de saúde e de acção social (prestação de cuidados no domicílio). - Cuidados não médicos de longo prazo ou permanentes pessoas que precisam de cuidados a longo prazo em consequência de doença ou incapacidade - as que se encontram tão desprotegidas que requerem uma assistência permanente, incluindo acções e necessidades quotidianas. (acima dos 60 anos) - Combinar um seguro de cuidados sociais e um plano de seguro de cuidados privados Ficha Técnica Este Plano de Desenvolvimento Social foi delineado em reuniões do grupo operativo do CLAS. Responsável pela elaboração deste esquema: Técnica Superior de Sociologia Cristina Isabel da Rocha Novo O Plano foi discutido e aprovado em reunião no dia 14 de Janeiro de 2002

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições O que é uma instituição? Estabelecimento de utilidade pública, organização ou fundação Organização

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5 ÍNDICE Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2 Constituição do 4 Nota Introdutória 5 Eixo I Envelhecimento Populacional 7 Eixo II Qualificação e Integração Escolar e Sócio-Profissional

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março EXPLORAÇÃO DE JOGOS SOCIAIS (DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS LÍQUIDOS) (LOTARIAS - TOTOBOLA TOTOLOTO TOTOGOLO LOTO 2 JOKER - EUROMILHÕES) A afectação das receitas dos

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO CENTRO DE ALOJAMENTO DE LONGA DURAÇÃO 1 Introdução A experiência da AANP, decorrente quer da intervenção e acompanhamento diários

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT)

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) Plano de Actividades 2009/10 Odivelas 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1 IDENTIDADE E COMUNICAÇÃO 2 2 FUNCIONAMENTO DA REDE DE PARCERIA 4 2.2

Leia mais

I. Apresentação do Projecto. - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família

I. Apresentação do Projecto. - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família I. Apresentação do Projecto - Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Falar em sucesso educativo implica olhar o processo educativo segundo uma abordagem sistémica, em que o aluno, a escola, a família e

Leia mais

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carla Ribeirinho Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Lisboa, 10 de Maio de 2012 Desafios e oportunidades Crescimento em massa da população idosa. Adopção de medidas que visem minorar situações

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

As Politicas Sociais em Moçambique: A Componente de Assistência Social

As Politicas Sociais em Moçambique: A Componente de Assistência Social As Politicas Sociais em Moçambique: A Componente de Assistência Social Por: Miguel A. Maússe Maputo, 19 de Junho de 2009 1 Conceitos Básicos Protecção social: conjunto de medidas visando atenuar, na medida

Leia mais

Contratualização em Cuidados Continuados

Contratualização em Cuidados Continuados Um Outro Olhar sobre o Hospital Contratualização em Cuidados Continuados João Amado Santa Casa da Misericórdia de Portimão RNCCI o início O Decreto-Lei nº 101/2006 criou a Rede Nacional de Cuidados Continuados

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

Teatro com Teias e Histórias

Teatro com Teias e Histórias Teatro com Teias e Histórias 3 em Pipa Associação de Criação Teatral e Animação Cultural Organização de um grupo de voluntários que, integrados num projecto comunitário de vertente artística, actuam junto

Leia mais

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos REDE SOCIIAL CONCELHO DA MARIINHA GRANDE 2010 PLANO DE SOCIAL Dezembro 2010 a Dezembro 2015 Rede Social 1 No âmbito da Lei que regulamenta a Rede Social, de acordo com o ponto 1, do artigo n.º36, do capítulo

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Trajectórias de envelhecimento Após os 65 anos de idade a estimulação cognitiva diminui significativamente. A diminuição da estimulação desencadeia/agrava o declínio

Leia mais

Relatório de Actividades 2008

Relatório de Actividades 2008 Relatório de Actividades 2008 Elaborado por: Grupo Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleiros, 2009 Nota Introdutória O presente documento tem como principal objectivo a avaliação

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, definindo as linhas orientadoras de intervenção social até ao final de 2009, procedemos agora à formulação de um Plano de Acção para esse

Leia mais

Plano DOM. Mudanças. Peso da Régua, 26 Setembro 2008 Isabel Gomes

Plano DOM. Mudanças. Peso da Régua, 26 Setembro 2008 Isabel Gomes Plano DOM Desafios, Oportunidades e Mudanças Peso da Régua, 26 Setembro 2008 Isabel Gomes De um Modelo Institucional, para um Modelo Especializado e Terapêutico. 29 de Setembro de 2008 2 Idade das crianças

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS O Dec. Lei 28/2008 de 22 de Fevereiro, estabelece o regime da criação, estruturação e funcionamento dos agrupamentos de Centros de Saúde (ACES)

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar 16 de março de 2015 Biblioteca Municipal de Gondomar Eixo 1 Capacitação,

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério do Trabalho DATTA 1976-12-28. ASSSSUNTTO Regime Legal dos Mapas dos Quadros de Pessoal DATTA 1980-09-17

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério do Trabalho DATTA 1976-12-28. ASSSSUNTTO Regime Legal dos Mapas dos Quadros de Pessoal DATTA 1980-09-17 DEESSI IGNAÇÇÃO: : EEmpprreeggoo ee FFoorrmaaççããoo DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério do Trabalho e Segurança Social ASSSSUNTTO Férias / Faltas IDEENTTI I IFFI ICCAÇÇÃO Decreto Lei

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? -

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? - ENFERMAGEM HUMANITÁRIA - Que competências? - - Que futuro? - Filomena Maia Presidente do Conselho de Enfermagem Regional Norte Vice-Presidente do Conselho de Enfermagem Universidade Fernando Pessoa Porto

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Planeamento da Alta do Doente com AVC Intervenção dos Assistentes Sociais Nº: 7/DSPCS DATA: 28/04/04 Para: Contacto na DGS: Assistentes

Leia mais

Carta dos Direitos do Cliente

Carta dos Direitos do Cliente A pessoa com deficiência ou incapacidade, deve ser educada e viver na comunidade, mas com programas e apoios especiais. Cercisiago Carta dos Direitos do Cliente Março de 2010 Carta dos Direitos do Cliente

Leia mais

Escola Nacional de. Saúde Pública

Escola Nacional de. Saúde Pública Escola Nacional de Saúde Pública 6º CURSO DE MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA (2002/2004) MÓDULO DE INTRODUÇÃO À PROMOÇÃO E PROTECÇÃO DA SAÚDE CUIDADOS CONTINUADOS DE SAÚDE E APOIO SOCIAL - UMA REFLEXÃO - Elaborado

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa em 21 de Novembro de 1986, aprovou a presente Carta, que contém as orientações para

Leia mais

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS Está em curso um inquérito, promovido pela ANMP, sobre as despesas municipais com acções de carácter social que ultrapassam as competências

Leia mais

Enquadramento Geral. Estrutura Organizacional. Objectivos. Estrutura Organizacional (Cont.) Região EDV

Enquadramento Geral. Estrutura Organizacional. Objectivos. Estrutura Organizacional (Cont.) Região EDV Entidade Promotora Entidade Co-Promotora e Co-Financiadora Entidade Co-Promotora e Co-Avaliadora Entidade Financiadora Entidade Co- Financiadora Enquadramento Geral Envelhecimento demográfico. Crescente

Leia mais

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 1 EDUCAÇÃO ÁREA ATIVIDADES RESPONSAVEIS PARTICIPANTES/ INTERVENIENTES Calendarização Manter os projetos existentes nos Agrupamentos de Escolas (Fénix, tutorias, Aprender a Estudar,

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril REPE Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril 1 - A enfermagem registou entre nós, no decurso

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Área de Formação: 762. Trabalho Social e Orientação O Técnico Auxiliar de Geriatria é o profissional com múltiplas competências para poder desempenhar as suas funções

Leia mais

Investigação em Doenças Neurodegenerativas JPND Divulgação e Implementação da Agenda Estratégica Reunião Informal

Investigação em Doenças Neurodegenerativas JPND Divulgação e Implementação da Agenda Estratégica Reunião Informal 1.Do diagnóstico atempado; 2.Da valorização do papel dos clínicos gerais na detecção dos primeiros sinais da demência e encaminhamento para consultas da especia Investigação em Doenças Neurodegenerativas

Leia mais

CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL

CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL Associação Amigos da Grande Idade Inovação e Desenvolvimento Posição Institucional 1 LARES DE IDOSOS Desde inicio

Leia mais

Instituto da Segurança Social, IP

Instituto da Segurança Social, IP Instituto da Segurança Social, IP SUMÁRIO Pobreza e Exclusão Social A Estratégia de Lisboa e o MAC social A Estratégia da Inclusão Activa A Estratégia UE2020 2010: Ano Europeu de Luta Contra a Pobreza

Leia mais

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Poder Local e Cidades d Saudáveis Vereadora Corália Loureiro Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis II Simpósio Internacional de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis - IGOT - UL 6 Dezembro

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO CARTA DOS DIREITOS PARA AS PESSOAS COM AUTISMO 1. O DIREITO de as pessoas com autismo viverem uma vida independente e completa até ao limite das suas potencialidades. 2.

Leia mais

Pelouro do Desenvolvimento Social

Pelouro do Desenvolvimento Social Pelouro do Desenvolvimento Social Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO A problemática do envelhecimento da população constitui uma importante oportunidade de desenvolvimento social, uma vez que uma sociedade

Leia mais

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE 2014 Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE MANIFESTO E COMPROMISSO DA CNIS IPSS AMIGAS DO ENVELHECIMENTO ATIVO As modificações significativas

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO 1/5 BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO REGº SM Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Solicito a inserção do presente projecto no Banco Local de Voluntariado

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES Missão : Dinamizar a investigação científica e promover o desenvolvimento tecnológico e a inovação para consolidar a Sociedade do Conhecimento na

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS DE EMPREGO TRABALHO DOMÉSTICO: REGULAMENTAR, VALORIZAR E DIGNIFICAR A PROFISSÃO ARMANDO FARIAS Comissão Executiva do Conselho Nacional da

Leia mais

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo Plano de Acção Conselho Local de Acção Social de CLAS 2014-2015 2 EIXO 1 - PROMOVER A EMPREGABILIDADE E QUALIFICAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL E INTEGRAÇÃO DE GRUPOS SOCIAIS (PRÉ-) DESFAVORECIDOS Combate

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

Crescente incidência da doença de Alzheimer e das situações de pós-avc na região EDV

Crescente incidência da doença de Alzheimer e das situações de pós-avc na região EDV A Demência: O Outro Lado do Espelho Fundação Calouste Gulbenkian 23 de Setembro 2010 Enquadramento Geral Envelhecimento demográfico Crescente incidência da doença de Alzheimer e das situações de pós-avc

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações PSICOLOGIA APLICADA A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações Os níveis de intervenção vão desde

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Catarina Paulos Jornadas Litorais de Gerontologia: Intervenção Técnica no Processo de Envelhecimento Amarante, 26 de Setembro de 2007 Conteúdos Conceito

Leia mais

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança 2012-2014 Índice Introdução. 3 I. Fundamentação...4 II. Eixos Estratégicos... 7 1 Articulação Interinstitucional... 7 2 Estudo e análise da realidade

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma Apresentação A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma plena integração social e profissional; Crianças

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data - 1 de Abril de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Acta Constituinte Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal ( Resolução do Conselho de Ministros, 197/97 de 17 de Novembro, com as alterações introduzidas pela Declaração de Rectificação nº10-0/98

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL OBJECTIVO DO PDSS ACTIVIDADE/ACÇÃO PARCEIROS ENVOLVIDOS PARCEIRO RESPONSÁVEL INDICADORES DE AVALIAÇÃO EXECUÇÃO TEMPORAL SOLIDARIEDADE SOCIAL Reforçar o apoio alimentar concelhio Melhorar o conhecimento

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário Porto, 2015 Índice Introdução 2 Serviço de Apoio Domiciliário SAD 3 Princípios/regras

Leia mais

UNIDADE MÓVEL DE APOIO DOMICILIÁRIO UMAD

UNIDADE MÓVEL DE APOIO DOMICILIÁRIO UMAD IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO DE APOIO DOMICILIÁRIO IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO DE APOIO DOMICILIÁRIO Definir os responsáveis e suas competências; Aquisição de equipamento e material clínico; Dotação de Recursos

Leia mais