A APLICABILIDADE DO ABC NOS CUSTOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA/RR GESTÃO DO DESENCOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A APLICABILIDADE DO ABC NOS CUSTOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA/RR GESTÃO DO DESENCOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA PPGCCF A APLICABILIDADE DO ABC NOS CUSTOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA/RR GESTÃO DO DESENCOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL OTON DE LIRA CARNEIRO MANAUS MAIO/2010

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA PPGCCF OTON DE LIRA CARNEIRO A APLICABILIDADE DO ABC NOS CUSTOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA/RR Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação stricto sensu em Contabilidade e Controladoria-PPG- CCF da Universidade Federal do Estado do Amazonas- UFAM, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Contabilidade e Controladoria, na área de concentração Gestão do Desenvolvimento Sócio- Ambiental. Orientador : Profª. Dr. Milanez Silva de Souza MANAUS 2010

3 Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Central da UFAM C289a Carneiro, Oton de Lira A aplicabilidade do ABC nos custos da indústria madeireira do Município de Boa Vista/RR : gestão do desenvolvimento sócio-ambiental / Oton de Lira Carneiro. - Manaus, AM : UFAM, p. : il. ; 30 cm Inclui referências. Dissertação (Mestre em Contabilidade e Controladoria. Área de concentração: Gestão do Desenvolvimento Sócio-Ambiental). Universidade Federal do Amazonas. Orientador: Prof. Dr. Milanez Silva de Souza. 1. Custo industrial 2. Custeio baseado em atividades 3. Indústria Madeireira - Custo 4. Indústria madeireira Aspectos ambientais Boa Vista, RR I. Souza, Milanez Silva de (Orient.) II. Título CDU (2007): (811.4)(043.3)

4 OTON DE LIRA CARNEIRO A APLICABILIDADE DO ABC NOS CUSTOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA/RR Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação stricto sensu em Contabilidade e Controladoria-PPG- CCF da Universidade Federal do Estado do Amazonas- UFAM, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Contabilidade e Controladoria, na área de concentração Gestão do Desenvolvimento Sócio- Ambiental. Aprovada em de de 2010 BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Milanez Silva de Souza Presidente Prof. Dr. Manoel Martins do Carmo Filho Membro Prof. Dr. Tristão Sócrates Baptista Cavalcante Membro

5 Este trabalho é dedicado a todos aqueles que, de alguma forma, direta ou indiretamente incentivaram-me na busca de novos conhecimentos e acreditaram no meu trabalho, principalmente a minha esposa Adilcéa e meu filho Othavio, que compreenderam a necessidade da minha ausência para a realização deste trabalho. Aos meus pais, Raimundo e Josefa, que sempre acreditaram no meu potencial e possibilitaram minha realização acadêmica.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por ter me dado serenidade para perceber quanto nos fortalecemos diante das dificuldades e por ter mostrado que podemos vencer quando acreditamos naquilo que nos propomos fazer. Ao professor Milanez, pela orientação, coordenação e estímulo, nos direcionando na busca de novos conhecimentos; à professora Mariomar Sales de Lima por todas as suas contribuições diante dos problemas; aos demais professores do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu em Contabilidade e Controladoria PPGCCF da UFAM, aos colegas e amigos que fiz nessa jornada, que contribuíram para a realização deste trabalho, meu sincero e eterno agradecimento. Meu agradecimento a duas pessoas, em especial, que souberam me compreender nos momentos de ausência e pelo o apoio que me deram em todos os momentos da minha vida. Só tenho a agradecer.

7 RESUMO O setor industrial é um dos que mais produz poluente, e muitas vezes não se preocupa como o seu produto é elaborado, deixando de observar os resíduos de sua produção. Na indústria madeireira, grande parte desses resíduos, é classificada como desperdício, não tendo nenhuma utilidade para a empresa, nem se prestando à terceiro, porém, caso fosse adotado um modelo de custeamento que detalhasse cada etapa do processo evidenciando os custos e resíduos da produção o empresário teria condições mais satisfatória tanto na tomada de decisões bem como um aumento nas receitas da empresa. Neste sentido, o Sistema de Custeamento ABC apresenta-se como um método eficaz a ser aplicado na gestão dos custos, contribuindo também no controle e gerenciamento dos impactos ambientais, sua ação visa proporcionar melhorias na apropriação dos custos indiretos em relação ao produto, minimizando os impactos de alocação equivocadas. Com o objetivo de apresentar o ABC como um dos sistemas de custeamento para fins de gerenciamento dos custos incorridos num processo produtivo no setor madeireiro, no município de Boa Vista, foi realizado um estudo que utilizou uma abordagem qualitativa e quantitativa com pesquisa norteada por observações bibliográficas, documentais e pesquisa de campo, através de dados estimados, elaboraram-se planilhas para efeitos de verificação dos impactos dos custos quando da utilização dos sistemas de custeamento ABC e Absorção, com vista ao aproveitamento dos resíduos da produção. Com base nas planilhas observou-se que o custeio ABC proporciona uma melhor visão de toda a linha de produção e alocação dos custos indiretos apresentando-se de forma detalhada, por outro lado, quando calculada as provisões de contingências ambientais, pode-se constatar a inviabilidade na atividade madeireira caso o empreendedor venha a ser autuado por desrespeito a leis ambientais. Palavras-chaves: Custo, ABC, custeamento, madeireira, resíduos.

8 14 ABSTRACT The industrial section is one of the ones that more produces pollutant, and a lot of times doesn't worry as his/her product is elaborated, stopping observing the residues of his/her production. In the industry madeireira, great part of those residues, it is classified as waste, doesn't tend any usefulness for the company, nor if rendering to the third, however, case was adopted a custeamento model to detail each stage of the process evidencing the costs and residues of the production the entrepreneur would have more satisfactory conditions so much in the socket of decisions as well as an increase in the incomes of the company. In this sense, Custeamento ABC'S System comes as an effective method to be applied in the administration of the costs also contributing in the control and administration of the environmental impacts, his/her action seeks to provide improvements in the appropriation of the indirect costs in relation to the product, minimizing the allocation impacts mistaken. With the objective of presenting ABC with one of the custeamento systems for ends of administration of the costs incurred a productive process in the section lumberman, in the municipal district of Boa Vista, it was accomplished a study that used a qualitative and quantitative approach with research orientated by observations bibliographical, documental and field research, through dear data spreadsheets were elaborated for effects of verification of the impacts of the costs when of the use of the custeamento systems ABC and Absorption, with view to the use of the residues of the production. With the presentation base in the spreadsheets was observed that the costing ABC provides a better vision of the whole production line and allocation of the indirect costs comes in a detailed way, on the other hand, when calculated the provisions of environmental contingencies, the inviabilidade can be verified in the activity madeireira in case the entrepreneur comes to be sued by disrespect to environmental laws. Word-key: I cost, ABC, custeamento, madeireira, residues.

9 15 LISTA DE TABELAS, QUADROS E FIGURAS TABELAS TABELA 01 Serviços executados pelas madeireiras de Roraima 17 FIGURAS FIGURA 01 Principais atividades na produção no setor madeireiro 18 FIGURA 02 Estudo de Impacto Ambiental RIMA 32 QUADROS QUADRO 01 Resumo do Plano de Manejo Florestal 34 QUADRO 02 Relação de produtos (quantidade e preço) 62 QUADRO 03 Atividades e recurso a serem utilizados 63 QUADRO 04 Custo mensal por atividade e por elementos dos custos (sem encargos sociais) 65 QUADRO 05 Receita proveniente da potencial venda de resíduos 66 QUADRO 06 Faturamento Mensal 67 QUADRO 07 Faturamento com resíduos 67 QUADRO 08 Receita Total 67 QUADRO 09 Custo Total 68 QUADRO 10 Demonstração do Resultado 68 QUADRO 11 Cálculo da degradação ambiental estimativo 69 QUADRO 12 Rendimento da madeira 69 QUADRO 13 Cálculo do Valor Econômico de Referência do Dano Ambiental 69 QUADRO 14 Impacto Ambiental e Medidas Metigadoras 70 QUADRO 15 Custo por Absorção 72 QUADRO 16 Demonstração do Resultado Custeio por Absorção 72 QUADRO 17 Sistema de Custeio ABC Alocação dos custos por atividades sem a apropriação das contingências ambientais 73 QUADRO 18 Sistema de Custeio ABC Alocação dos custos por produto sem a apropriação das contingências ambientais 74 QUADRO 19 Demonstração do Resultado Sistema de Custeio ABC sem a apropriação das contingências ambientais 75 QUADRO 20 Cálculo da provisão para as contingências ambientais 76

10 16 QUADRO 21 Custo por Absorção com apropriação das provisões das contingências ambientais 77 QUADRO 22 Demonstração do Resultado Sistema de custeio por Absorção (com a apropriação das provisões contingenciais) 77 QUADRO 23 Sistema de Custeio ABC Alocação dos custos por atividades ( com a apropriação das contingências ambientais) 78 QUADRO 24 Sistema de Custeio ABC Alocação dos custos por produto (com a apropriação das contingências ambientais) 79 QUADRO 25 Demonstração do Resultado Sistema de Custeio ABC (com a apropriação das contingências ambientais) 80 QUADRO 26 Custo total Caso a empresa optar em produzir apenas tora 81 QUADRO 27 Demonstração do Resultado para a situação do quadro QUADRO 28 Custo total Caso a empresa optar em produzir apenas prancha 82 QUADRO 29 Demonstração do Resultado para a situação do quadro QUADRO 30 Custo total Caso a empresa compre tora para desdobro 83 QUADRO 31 Demonstração do Resultado para a situação do quadro 30 83

11 17 LISTA DE ABREVIATURAS ABC - Activity-Based Costing ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas AIA - Avaliação dos Impactos Ambientais CNTL Centro Nacional de Tecnologias Limpas CONAMA Conselho Nacional do Meio Ambiente EIA - Estudo de Impacto Ambiental FIESP/CIESP - Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo IBAMA Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais IBDF - Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal ISO - Internacional Organization of Standarlization NRB - Normas Para Referencia Bibliográfica PFC - Princípios Fundamentais de Contabilidade PMFS Plano de Manejo Florestal Sustentável PML - Produção Mais Limpa RIMA - Relatório de Impacto Ambiental SEMA - Secretaria do Meio Ambiente SGA - Sistemas de gestão ambiental UNEP United Nations Environment Programme UNESCO Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura VERD Valor Econômico de Referência do Dano Ambiental

12 18 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 14 1 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA Problematização Questões Norteadoras Características da produção do setor madeireiro no Estado de Roraima 16 2 JUSTIFICATIVA 18 3 OBJETIVOS Geral Específicos 20 II REFERENCIAL TEÓRICO Economia x Meio Ambiente Selo verde e Produção Mais Limpa na busca do produto ecologicamente correto Selo Verde ou Certificação Ambiental Produção Mais Limpa (PML) Responsabilidade Social e de Sustentabilidade e educação ambiental Responsabilidade Social de Sustentabilidade Educação Ambiental Contabilidade Ambiental e a evidenciação dos custos e resíduos ambientais Contabilidade Ambiental Custos e despesas ambientais Resíduos ambientais Impacto Ambiental Estudo de Impacto Ambiental Relatório de Impacto Ambiental Plano de Manejo Florestal Sustentável (PMFS) Medidas Metigadoras Avaliação do Impacto Ambiental Método de Avaliação de Impacto Ambiental Degradação Ambiental e sua Valoração Provisões para Contingências Gestão de Custos Gestão de Custo e Resíduos Gestão ambiental através do ABC ABC Características e aplicabilidade Tratamento dos Resíduos e Sistemas de custeio Tratamento dos resíduos Gerenciamento de resíduos versus sistemas de custeamento Gerenciamento de resíduos pelo custeamento ABC Custeamento ABC versus Sistemas Tradicionais 53

13 19 III METODOLOGIA Procedimentos metodológicos aplicados no trabalho 54 IV APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS Processo de produção na indústria madeireira Aplicação e cálculo do custo por Absorção e ABC 63 V CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES 84 VI BIBLIOGRAFIA 87 VII APÊNDÍCE 92 VIII ANEXOS 94

14 14 I INTRODUÇÃO O capitulo enfoca as questões ambientais como relevante a busca da redução de resíduos na indústria madeireira e procura estabelecer o sistema de custeamento ABC (Custo Baseado em Atividade) como sendo uma das formas mais apropriadas para acompanhar a produção do setor e evidenciar tais resíduos em cada fase do processo produtivo. Também serão enfocadas as diferenciações na implantação do sistema de custeamento ABC (Custo Baseado em Atividade) em relação sistema de custeamento por absorção. Neste capítulo será apresentado um breve histórico sobre a forma de apropriação dos custos nas indústrias madeireira do estado de Roraima em especial a cidade de Boa Vista, bem como questionar se o ABC (Custo Baseado em Atividade) seria o melhor sistema de custeio a ser adotado pelas mesmas, na busca de gerenciar os custos do processo produtivo. Também será enfatizada a preocupação com o aproveitamento adequado dos resíduos nas diversas etapas da produção. Após definir a situação problema como sendo a aplicabilidade do sistema de custeamento ABC (Custo Baseado em Atividade) na busca do melhor controle do processo produtivo e traçadas as questões norteadoras, este capítulo apresenta também à justificativa e os objetivos gerais e específicos da pesquisa desta dissertação. Finalizando o capítulo apresentam-se as principais características da produção no setor madeireiro do Estado de Roraima, destacando-se as informações prestadas por pesquisadores, empresários e operários do setor, bem como a utilização de um Plano de Manejo Florestal Sustentável (PMFS) para melhor gerenciar as questões relacionadas com o meio ambiente e órgãos fiscalizadores e legislação ambiental para o setor. 1 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA A preocupação mundial em relação ao meio ambiente evidencia a necessidade de um consenso entre os interesses econômicos e a escassez dos recursos naturais. A combinação desses elementos somente será possível se houver um esforço conjunto de todos com o objetivo de atingir o desenvolvimento sustentável em busca de um mundo melhor para as gerações futuras. O conhecimento e a definição dos custos de um produto, sem sombra de dúvida, são primordiais no processo de apreçamento, entretanto as indústrias que operam com a exploração dos recursos naturais (meio ambiente) para obtenção de seus insumos e matériaprima precisam entender também o conceito de sustentabilidade e produção limpa na busca de

15 15 um produto ecologicamente elaborado, pois esta é uma das novas exigências do mercado consumidor. O setor industrial é um dos que mais produz poluente, e muitas vezes não se preocupa como o seu produto é elaborado, deixando de observar os resíduos de sua produção, esquecendo-se de que parte destes, se bem gerenciada, poderá até gerar receitas para a empresa. Nas indústrias madeireiras, grande parte dos resíduos, é classificada como desperdício, não tendo nenhuma utilidade para a empresa, nem se prestando à terceiro, entretanto se adotar-se um modelo de custeamento que detalhe cada etapa do processo e evidencie os resíduos produzidos em cada uma delas, esses resíduos poderão retornar à produção ou servir de matéria prima para a elaboração de subprodutos. Diante do exposto, deve-se questionar se a aplicabilidade do sistema de custeamento ABC propicia um melhor controle do processo produtivo nas indústrias madeireiras bem como se os recursos naturais estão sendo devidamente aproveitados de forma racional e ecologicamente correta, e refletir sobre o que deve e pode ser feito para propiciar a sua reposição, a fim de que as gerações futuras possam continuar a usufruir de tais recursos 1.1 Problematização A adoção do sistema de custeamento ABC irá evidenciar de forma detalhada, os custos incorridos na produção, bem como os resíduos advindos desse processo nas indústrias madeireiras na cidade de Boa Vista-RR? 1.2 Questões norteadoras Utilizar o sistema de custeamento ABC proporciona um melhor conhecimento do processo produtivo, detalhando as etapas do mesmo, nas indústrias madeireiras da cidade Boa Vista-RR? Promover com maior ênfase a utilização racional dos recursos naturais e gerenciar os resíduos da produção constitui uma estratégia efetiva de desenvolvimento sustentável nas madeireiras da cidade Boa Vista-RR? Questionar ao empresário se a provisão das contingências ambientais proveniente das atividades de desmatamento inviabiliza o empreendimento quando não se utiliza de um Plano de Manejo Florestal determinado pelos Órgãos Governamentais?

16 Características da produção do setor madeireiro no Estado de Roraima O corte das árvores ocorre de forma seletiva, que implica na escolha e extração de espécies nobres com um potencial econômico maior, provocando degradação e o empobrecimento da área. O reflorestamento, quando feito, é realizado com arbóreo de ciclo curto, menos nobre do que as árvores derrubadas e ocorre geralmente com o plantio de acácia mangium, espécie não utilizada pelo setor madeireiro local, tal reflorestamento é feito apenas para atender exigências da legislação (Instrução Normativa nº 1 de 5 de setembro de 1996). O empresário do setor madeireiro no estado promove o corte da árvore mediante autorização dos órgãos competentes a ser executada em área de colonização, pois as toras são adquiridas de terceiros mediante autorização para o desmatamento. De acordo com a medida provisória de 2001 a autorização para desmatamento é de no máximo 20% das propriedades rurais e a exploração florestal deve ocorrer mediante Plano de Manejo Florestal Sustentável (PMFS). O PMFS deve ser elaborado por profissionais credenciados (Confea, Crea Conselho Federal e Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia), que por sua vez deverão promover o acompanhamento dos PMFS s, devendo apresentar ao IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais) a declaração de Acompanhamento e Avaliação do PMFS. Para Tonini e Lopes (2006) diversos fatores influenciam no rendimento da madeira no processo do desdobro de tora em madeira serrada, destacando-se o baixo nível tecnológico aplicado no processo com maquinários inadequados, escassez de mão-de-obra especializada e qualidade da madeira. Para os autores a média de rendimento da madeira no estado de Roraima depende em parte do porte da empresa sendo de 56% para as de pequeno porte, de 59% para de médio e 60% para de maiores porte. Estes rendimentos poderão ser ampliados caso as empresas venham a utilizar os resíduos na produção em produtos secundários Em pesquisa, não estruturada, junto a 5 (cinco) empresários e 6 (seis) trabalhadores do setor madeireiro do estado foi enfocado pelos mesmos que uma árvore (boa qualidade) derrubada rende em média de 5 a 6 m³ de tora (madeira bruta) com um custo para o madeireiro próximo dos R$ 130,00, já com todas as despesas de desmate e transporte, após beneficiada a madeira já totalmente seca em formato de prancha chega a um custo médio de R$ 500,00 e os resíduos incorridos nesse processo praticamente é todo destinado a queima em padarias e olarias locais, apresentando para o madeireiro um baixo poder venal, e em alguns casos, quando não existe compradores interessados, o madeireiro doa esse resíduos para promover a limpeza do seu pátio industrial.

17 17 Em pesquisa realizada Tonini e Lopes (2006) apresenta o ipê como a espécie de maior valor de mercado, seguida pelo jatobá e angelin-pedra, as espécie amarelão, cupiuba e titarana, foram a de menor poder econômico junto ao mercado. Ainda nesta pesquisa foram observadas as principais atividades desenvolvidas pelas empresas madeireiras, tendo grande parte delas a terceirização como principal característica no processo de escolha, derrubada e transporte das árvores (ver tabela 01). Tabela 01 Fonte : Tonini e Lopes (2006) Tonini e Lopes (2006) expõem que tradicionalmente, a exploração tem sido feita de forma inadequada e desordenada. A mecanização, quando utilizada, prescinde de planejamento e racionalização das atividades de derrubada, arraste e transporte. Entre os itens que compõem o custo de transporte, a depreciação é o que tem o maior percentual de participação, seguido dos custos de manutenção e de combustíveis e lubrificantes. Por esta razão, sob o ponto de vista econômico, é mais interessante para as empresas comprar madeira direta dos "toreiros", do que arcar com os custos das atividades inerentes à exploração e transporte de toras. Segundo os autores ainda no processo de secagem algumas empresas de médio e, principalmente de pequeno porte, não dispõem de áreas em seus pátios industriais para realização dessa etapa da cadeia produtiva, terceirizando assim essa atividade. Já em relação aos serviços de contabilidade e jurídicos, praticamente na maioria das empresas é terceirizado. Diante do exposto o processo produtivo na indústria de madeira se caracteriza pelas seguintes etapas: exploração; transporte; processamento; secagem e armazenagem de produtos para venda conforme figura 01

18 18 Figura 01 Principais Atividades na Produção no Setor Madeireiro Fonte : Elaborado pelo autor (2010) Na figura 01 apresenta-se o processo produtivo no desdobro da madeira, iniciando-se na mata com a seleção realizada por um agente denominado de mateiro e em seguida com a derrubada da referida árvore por parte do toreiro. Na própria mata a árvore é desgalhada e arrastada até uma estrada secundária para transporte para a madeireira. Ao chegar as madeireiras as toras são descascada em uma máquina de serrar, modelo fita, com trilhos para deslizamento da tora que por sua vez é transformada em pranchões que por sua vez será transformados em pequenas pranchas ou tábuas para serem conduzidas ao pátio para passar por um processo de secagem, que dependo do clima dura em média de 4 a 7 dias, só assim as pranchas e tábuas poderão ser transformadas em ripas, barrotes, e tabique, esse ultimo é feito em uma máquina especificas já os demais é manufaturados nas maquinas de serrar modelo fita ou circular. 2 JUSTIFICATIVA O presente trabalho é motivado pela evidente necessidade do conhecimento dos custos detalhados bem como as atividades pertinentes ao processo produtivo na exploração da madeira, com vista às questões de sustentabilidade, evidenciando assim os principais resíduos desse processo e sua melhor utilização na produção de subprodutos ou comercialização dos mesmos.

19 19 A utilização de um sistema de custeamento irá proporcionar um conhecimento mais aprofundado de todo o processo, bem como os custos referentes ao mesmo. O sistema de custeamento ABC, propicia o detalhamento do processo mostrando cada etapa e os recursos empregados nas mesmas. Nesse sentido a preocupação maior do empresário é quanto ao impacto que possa ocorrer durante o processo de implantação de um sistema de custeamento, pois é notória a necessidade de participação de todos que operam no processo produtivo bem como o conhecimento detalhado do mesmo, desde o manuseio de equipamentos e máquinas e a correta utilização da mão-de-obra. A sensibilização do empresário quanto à utilização racional dos recursos naturais e de mecanismos que lhe proporcione o melhor aproveitamento dos resíduos provenientes do processo de transformação destes recursos, é, sem sombra de dúvidas, um dos alvos a ser alcançado, pois sensibilizá-lo, no sentido de buscar respostas para a problemática da escassez dos recursos naturais irá remetê-lo à utilização de modelos de custeamentos que propicie reduzir os resíduos e desperdícios incorridos no processo produtivo. Promover o desenvolvimento sustentável na busca da conservação dos Recursos Naturais, visando ao aproveitamento dos resíduos advindo de sua transformação, é a nova ordem global, pois a consciência humana despertou para a realidade de que os Recursos Naturais são limitados e, sua utilização desenfreada e desrespeitosa às leis da natureza poderá acarretar prejuízos à humanidade, inclusive sua extinção. Com esta visão dos fatos, e da responsabilidade que o pesquisador tem em promover o conhecimento sobre os principais questionamentos desta problemática, em vários estudos (Souza, Almeida,(1997), Silva(2005), Kraemer(2002), Tachibana(2002), Wachholz et e al.(2004), Tinoco, Kraemer,(2006) buscando evidenciar que o gerenciamento e aproveitamento dos resíduos é tido como a forma mais eficaz de contribuir para conservação dos Recursos Naturais apontando o ABC como o método mais adequado. Tal assertiva baseia-se na premissa de que em curto prazo haverá um grande impacto nos custo quando da aplicação de um sistema de gerenciamento, haja vista a necessidade de investimentos a serem feitos no sentido de propiciar tal gerenciamento. A médio e a longo prazo o empreendedor poderá, inclusive, obter lucros com os resíduos gerenciados, quando de sua revenda, reaproveitamento ou elaboração de subprodutos. Para os autores citados o método de sistema ABC é o mais recomendado para a apropriação dos custos, principalmente indiretos, pois oferece uma análise mais detalhada dos custos incorridos, este sistema tenta apropriar ao produto todos os custos fixos através das atividades realizadas para sua elaboração, utiliza-se de direcionadores que melhor representa a

20 20 parcela de custo fixo que cada produto absorve. Este sistema é indicado para qualquer tipo de empresa, independentemente de sua atividade industrial. Assim o referido sistema de custeio abrange variadas atividades dentre as quais se destaca a madeireira, contudo, notadamente na atividade mencionada, ainda há pouca preocupação com o gerenciamento dos resíduos de sua produção, em que poucas são as empresas que investem no aproveitamento de resíduos. No caso específico do Estado de Roraima a situação é mais crítica, pois a maioria das empresas define sua política de custo e apreçamento baseando-se nas observações das praticas adotadas pela concorrência, desconsiderando assim a problemática da escassez dos recursos naturais e do gerenciamento de resíduos. Nas indústrias madeireiras ali sediadas, grande parte dos resíduos é classificada como desperdício, entretanto se adotarmos um modelo de gerenciamento, esses resíduos poderão retornar à produção ou servir de matéria prima para a elaboração de subprodutos. Com tal pesquisa, busca-se oferecer subsídios para reflexão e mudanças de atitude de empresários e outros para que compreenda a importância do controle dos custos de produção de forma adequada, tratamento e reaproveitamento dos resíduos oriundos do processo produtivo da indústria madeireira. 3 OBJETIVOS 3.1 Geral Uma contribuição da aplicabilidade do sistema de custeamento ABC na utilização do processo produtivo nas atividades madeireiras nas indústrias de Boa Vista-RR. 3.2 Específicos Mapear o processo produtivo da atividade de desdobro de madeira na cidade de Boa Vista-RR; Identificar os resíduos oriundos do respectivo processo; Verificar a aplicabilidade do sistema de custeamento ABC para controle dos custos do citado processo; Mostrar a aplicabilidade do ABC em detrimento ao modelo tradicional de custeamento por Absorção.

21 21 II REFERENCAIL TEÓRICO Promover o desenvolvimento sustentável na busca da conservação dos Recursos Naturais no sentido de aproveitar os resíduos advindos de sua transformação, tem sido a nova ordem mundial na intenção de despertar a humanidade para realidade de que os Recursos Naturais são limitados, e sua utilização desenfreada e desrespeitosa às leis da natureza, poderá acarretar grandes prejuízos. Neste capitulo será exposto a necessidade econômica do homem em produzir, considerando as questões de sustentabilidade e que a preocupação do empreendedor com as questões ambientais poderão lhe trazer resultados satisfatórios, tanto pelo reconhecimento dos consumidores, que já apresenta sinais de consumir produtos considerados ecologicamente corretos, como pelo aproveitamento de resíduos da produção que poderão servir de matéria prima para subprodutos ou comercializados a outras empresas, com isso certamente haverá um aumento na receita da empresa. O gerenciamento e controle dos custos poderão ocorrer de diferentes formas, porem acredita-se que o sistema de custeio ABC (Custo Baseado em Atividades) represente uma ferramenta de grande utilidade nesse processo, pois este fornece uma visão detalhada das atividades desenvolvidas e dos recursos necessários utilizados por estas atividades, para isso utiliza-se de direcionadores alocando os custos às atividades e depois aos objetos de custeio. 2.1 Economia versus Meio Ambiente A questão ambiental associa-se fortemente ao conceito de risco ambiental, pois é crescente a percepção de que um dos componentes vitais da qualidade de vida é o ambiente ecologicamente equilibrado. De fato, a Constituição Federal de 1988 é bem clara: Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. As causas ambientais propõem uma mudança fundamental nos valores humanos. É importante perceber que não se trata de uma questão que surgiu de uma hora para outra ou em um lugar específico. É um movimento que vai se tornando mais evidente de acordo com a

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Contabilidade Ambiental e a Sustentabilidade nas Empresas Luis Fernando de Freitas Penteado luisfernando@freitaspenteado.com.br www.freitaspenteado.com.br PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Dificuldade de definição

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L Salassier Bernardo, Ph.D. UENF Este trabalho aborda aspectos do impacto ambiental da irrigação, considerando seus efeitos sobre modificação do meio ambiente,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Avaliação de Impactos Ambientais e Licenciamento Ambiental Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Avaliação de Impactos Ambientais CONAMA 01/1986 estabeleceu

Leia mais

Ciências Contábeis. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos:

Ciências Contábeis. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: Ciências Contábeis Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou processo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares Faculdade de ciências e tecnologia do maranhão-facema Caxias/MA pedroftb@hotmail.com.br/coor.educacaoambiental@facema.edu.br

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

BACIAS HIDROGRÁFICAS E O MEIO AMBIENTE Profa Dra Lilza Mara Boschesi Mazuqui

BACIAS HIDROGRÁFICAS E O MEIO AMBIENTE Profa Dra Lilza Mara Boschesi Mazuqui BACIAS HIDROGRÁFICAS E O MEIO AMBIENTE Profa Dra Lilza Mara Boschesi Mazuqui OQUE É IMPACTO AMBIENTAL???? IMPACTO AMBIENTAL Qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 1 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental A auditoria ambiental consiste em processo sistemático de inspeção, análise e avaliação das condições

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS EM ÁREA URBANA: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE Aline Ferrão Custodio Passini (*), Guilherme Barros,

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

Questionário para Instituidoras

Questionário para Instituidoras Parte 1 - Identificação da Instituidora Base: Quando não houver orientação em contrário, a data-base é 31 de Dezembro, 2007. Dados Gerais Nome da instituidora: CNPJ: Endereço da sede: Cidade: Estado: Site:

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 O que é SUSTENTABILIDADE? Como aliar SUSTENTABILIDADE e NUTRIÇÃO? O que é sustentabilidade? Constituição Federal Art. 225. Todos têm o direito

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE Erica Grayce de Souza Silva 1 Hélio Rubens Jacintho Pereira Júnior 2 José Antonio Bueno 3 RESUMO O

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2007 ( Do Sr. Alexandre Silveira)

PROJETO DE LEI Nº DE 2007 ( Do Sr. Alexandre Silveira) PROJETO DE LEI Nº DE 2007 ( Do Sr. Alexandre Silveira) Regulamenta a Profissão de Técnico de Meio Ambiente. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º - Considera-se Técnico em Meio Ambiente aquele que se dedica

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Profª: Cristiane M. Zanini

GESTÃO AMBIENTAL. Profª: Cristiane M. Zanini GESTÃO AMBIENTAL Profª: Cristiane M. Zanini Afinal, O que é Gestão Ambiental? A novíssima área de conhecimento e trabalho intitulada "Gestão Ambiental" vem causando muita confusão entre os especialistas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 Dispõe sobre práticas e critérios destinados a defesa do meio ambiente e promoção do desenvolvimento nacional sustentável nas contratações de bens, serviços e obras, no âmbito

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Passivos ambientais:avaliação e análise nas demonstrações. Maisa de Souza Ribeiro FEA-RP/USP Julho/2013

Passivos ambientais:avaliação e análise nas demonstrações. Maisa de Souza Ribeiro FEA-RP/USP Julho/2013 Passivos ambientais:avaliação e análise nas demonstrações contábeis Maisa de Souza Ribeiro FEA-RP/USP Julho/2013 GOVERNANÇA CORPORATIVA Equidade; Transparência; Prestação de contas; e Conformidade com

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

Aspectos sócio-ambientais. Psicologia ambiental Impactos sócio ambientais Desenvolvimento sustentável

Aspectos sócio-ambientais. Psicologia ambiental Impactos sócio ambientais Desenvolvimento sustentável Aspectos sócio-ambientais Psicologia ambiental Impactos sócio ambientais Desenvolvimento sustentável Intervenção e Gestão Ambiental Todo projeto industrial, desenvolvimento urbano ou oferta de serviço

Leia mais

Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior ao valor líquido contábil.

Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior ao valor líquido contábil. Avaliação e Mensuração de Bens Patrimoniais em Entidades do Setor Público 1. DEFINIÇÕES Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Almoxarifado Sustentável JBRJ: Uma Experiência de Compra Compartilhada

Almoxarifado Sustentável JBRJ: Uma Experiência de Compra Compartilhada Almoxarifado Sustentável JBRJ: Uma Experiência de Compra Compartilhada Conceito O conceito de Desenvolvimento Sustentável foi endossado pela ONU a partir do Relatório Nosso Futuro Comum: O desenvolvimento

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 Autor(es) LEONARDO GARCIA PAIS DE ARRUDA Orientador(es) ELAINE

Leia mais

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 Reconheça o que está ao alcance dos seus olhos, e o que está oculto tornar-se-á claro para você. Jesus de Nazaré 2 3 1. Citar as principais contribuições

Leia mais