A APLICABILIDADE DO ABC NOS CUSTOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA/RR GESTÃO DO DESENCOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A APLICABILIDADE DO ABC NOS CUSTOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA/RR GESTÃO DO DESENCOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA PPGCCF A APLICABILIDADE DO ABC NOS CUSTOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA/RR GESTÃO DO DESENCOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL OTON DE LIRA CARNEIRO MANAUS MAIO/2010

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA PPGCCF OTON DE LIRA CARNEIRO A APLICABILIDADE DO ABC NOS CUSTOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA/RR Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação stricto sensu em Contabilidade e Controladoria-PPG- CCF da Universidade Federal do Estado do Amazonas- UFAM, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Contabilidade e Controladoria, na área de concentração Gestão do Desenvolvimento Sócio- Ambiental. Orientador : Profª. Dr. Milanez Silva de Souza MANAUS 2010

3 Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Central da UFAM C289a Carneiro, Oton de Lira A aplicabilidade do ABC nos custos da indústria madeireira do Município de Boa Vista/RR : gestão do desenvolvimento sócio-ambiental / Oton de Lira Carneiro. - Manaus, AM : UFAM, p. : il. ; 30 cm Inclui referências. Dissertação (Mestre em Contabilidade e Controladoria. Área de concentração: Gestão do Desenvolvimento Sócio-Ambiental). Universidade Federal do Amazonas. Orientador: Prof. Dr. Milanez Silva de Souza. 1. Custo industrial 2. Custeio baseado em atividades 3. Indústria Madeireira - Custo 4. Indústria madeireira Aspectos ambientais Boa Vista, RR I. Souza, Milanez Silva de (Orient.) II. Título CDU (2007): (811.4)(043.3)

4 OTON DE LIRA CARNEIRO A APLICABILIDADE DO ABC NOS CUSTOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA/RR Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação stricto sensu em Contabilidade e Controladoria-PPG- CCF da Universidade Federal do Estado do Amazonas- UFAM, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Contabilidade e Controladoria, na área de concentração Gestão do Desenvolvimento Sócio- Ambiental. Aprovada em de de 2010 BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Milanez Silva de Souza Presidente Prof. Dr. Manoel Martins do Carmo Filho Membro Prof. Dr. Tristão Sócrates Baptista Cavalcante Membro

5 Este trabalho é dedicado a todos aqueles que, de alguma forma, direta ou indiretamente incentivaram-me na busca de novos conhecimentos e acreditaram no meu trabalho, principalmente a minha esposa Adilcéa e meu filho Othavio, que compreenderam a necessidade da minha ausência para a realização deste trabalho. Aos meus pais, Raimundo e Josefa, que sempre acreditaram no meu potencial e possibilitaram minha realização acadêmica.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por ter me dado serenidade para perceber quanto nos fortalecemos diante das dificuldades e por ter mostrado que podemos vencer quando acreditamos naquilo que nos propomos fazer. Ao professor Milanez, pela orientação, coordenação e estímulo, nos direcionando na busca de novos conhecimentos; à professora Mariomar Sales de Lima por todas as suas contribuições diante dos problemas; aos demais professores do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu em Contabilidade e Controladoria PPGCCF da UFAM, aos colegas e amigos que fiz nessa jornada, que contribuíram para a realização deste trabalho, meu sincero e eterno agradecimento. Meu agradecimento a duas pessoas, em especial, que souberam me compreender nos momentos de ausência e pelo o apoio que me deram em todos os momentos da minha vida. Só tenho a agradecer.

7 RESUMO O setor industrial é um dos que mais produz poluente, e muitas vezes não se preocupa como o seu produto é elaborado, deixando de observar os resíduos de sua produção. Na indústria madeireira, grande parte desses resíduos, é classificada como desperdício, não tendo nenhuma utilidade para a empresa, nem se prestando à terceiro, porém, caso fosse adotado um modelo de custeamento que detalhasse cada etapa do processo evidenciando os custos e resíduos da produção o empresário teria condições mais satisfatória tanto na tomada de decisões bem como um aumento nas receitas da empresa. Neste sentido, o Sistema de Custeamento ABC apresenta-se como um método eficaz a ser aplicado na gestão dos custos, contribuindo também no controle e gerenciamento dos impactos ambientais, sua ação visa proporcionar melhorias na apropriação dos custos indiretos em relação ao produto, minimizando os impactos de alocação equivocadas. Com o objetivo de apresentar o ABC como um dos sistemas de custeamento para fins de gerenciamento dos custos incorridos num processo produtivo no setor madeireiro, no município de Boa Vista, foi realizado um estudo que utilizou uma abordagem qualitativa e quantitativa com pesquisa norteada por observações bibliográficas, documentais e pesquisa de campo, através de dados estimados, elaboraram-se planilhas para efeitos de verificação dos impactos dos custos quando da utilização dos sistemas de custeamento ABC e Absorção, com vista ao aproveitamento dos resíduos da produção. Com base nas planilhas observou-se que o custeio ABC proporciona uma melhor visão de toda a linha de produção e alocação dos custos indiretos apresentando-se de forma detalhada, por outro lado, quando calculada as provisões de contingências ambientais, pode-se constatar a inviabilidade na atividade madeireira caso o empreendedor venha a ser autuado por desrespeito a leis ambientais. Palavras-chaves: Custo, ABC, custeamento, madeireira, resíduos.

8 14 ABSTRACT The industrial section is one of the ones that more produces pollutant, and a lot of times doesn't worry as his/her product is elaborated, stopping observing the residues of his/her production. In the industry madeireira, great part of those residues, it is classified as waste, doesn't tend any usefulness for the company, nor if rendering to the third, however, case was adopted a custeamento model to detail each stage of the process evidencing the costs and residues of the production the entrepreneur would have more satisfactory conditions so much in the socket of decisions as well as an increase in the incomes of the company. In this sense, Custeamento ABC'S System comes as an effective method to be applied in the administration of the costs also contributing in the control and administration of the environmental impacts, his/her action seeks to provide improvements in the appropriation of the indirect costs in relation to the product, minimizing the allocation impacts mistaken. With the objective of presenting ABC with one of the custeamento systems for ends of administration of the costs incurred a productive process in the section lumberman, in the municipal district of Boa Vista, it was accomplished a study that used a qualitative and quantitative approach with research orientated by observations bibliographical, documental and field research, through dear data spreadsheets were elaborated for effects of verification of the impacts of the costs when of the use of the custeamento systems ABC and Absorption, with view to the use of the residues of the production. With the presentation base in the spreadsheets was observed that the costing ABC provides a better vision of the whole production line and allocation of the indirect costs comes in a detailed way, on the other hand, when calculated the provisions of environmental contingencies, the inviabilidade can be verified in the activity madeireira in case the entrepreneur comes to be sued by disrespect to environmental laws. Word-key: I cost, ABC, custeamento, madeireira, residues.

9 15 LISTA DE TABELAS, QUADROS E FIGURAS TABELAS TABELA 01 Serviços executados pelas madeireiras de Roraima 17 FIGURAS FIGURA 01 Principais atividades na produção no setor madeireiro 18 FIGURA 02 Estudo de Impacto Ambiental RIMA 32 QUADROS QUADRO 01 Resumo do Plano de Manejo Florestal 34 QUADRO 02 Relação de produtos (quantidade e preço) 62 QUADRO 03 Atividades e recurso a serem utilizados 63 QUADRO 04 Custo mensal por atividade e por elementos dos custos (sem encargos sociais) 65 QUADRO 05 Receita proveniente da potencial venda de resíduos 66 QUADRO 06 Faturamento Mensal 67 QUADRO 07 Faturamento com resíduos 67 QUADRO 08 Receita Total 67 QUADRO 09 Custo Total 68 QUADRO 10 Demonstração do Resultado 68 QUADRO 11 Cálculo da degradação ambiental estimativo 69 QUADRO 12 Rendimento da madeira 69 QUADRO 13 Cálculo do Valor Econômico de Referência do Dano Ambiental 69 QUADRO 14 Impacto Ambiental e Medidas Metigadoras 70 QUADRO 15 Custo por Absorção 72 QUADRO 16 Demonstração do Resultado Custeio por Absorção 72 QUADRO 17 Sistema de Custeio ABC Alocação dos custos por atividades sem a apropriação das contingências ambientais 73 QUADRO 18 Sistema de Custeio ABC Alocação dos custos por produto sem a apropriação das contingências ambientais 74 QUADRO 19 Demonstração do Resultado Sistema de Custeio ABC sem a apropriação das contingências ambientais 75 QUADRO 20 Cálculo da provisão para as contingências ambientais 76

10 16 QUADRO 21 Custo por Absorção com apropriação das provisões das contingências ambientais 77 QUADRO 22 Demonstração do Resultado Sistema de custeio por Absorção (com a apropriação das provisões contingenciais) 77 QUADRO 23 Sistema de Custeio ABC Alocação dos custos por atividades ( com a apropriação das contingências ambientais) 78 QUADRO 24 Sistema de Custeio ABC Alocação dos custos por produto (com a apropriação das contingências ambientais) 79 QUADRO 25 Demonstração do Resultado Sistema de Custeio ABC (com a apropriação das contingências ambientais) 80 QUADRO 26 Custo total Caso a empresa optar em produzir apenas tora 81 QUADRO 27 Demonstração do Resultado para a situação do quadro QUADRO 28 Custo total Caso a empresa optar em produzir apenas prancha 82 QUADRO 29 Demonstração do Resultado para a situação do quadro QUADRO 30 Custo total Caso a empresa compre tora para desdobro 83 QUADRO 31 Demonstração do Resultado para a situação do quadro 30 83

11 17 LISTA DE ABREVIATURAS ABC - Activity-Based Costing ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas AIA - Avaliação dos Impactos Ambientais CNTL Centro Nacional de Tecnologias Limpas CONAMA Conselho Nacional do Meio Ambiente EIA - Estudo de Impacto Ambiental FIESP/CIESP - Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo IBAMA Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais IBDF - Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal ISO - Internacional Organization of Standarlization NRB - Normas Para Referencia Bibliográfica PFC - Princípios Fundamentais de Contabilidade PMFS Plano de Manejo Florestal Sustentável PML - Produção Mais Limpa RIMA - Relatório de Impacto Ambiental SEMA - Secretaria do Meio Ambiente SGA - Sistemas de gestão ambiental UNEP United Nations Environment Programme UNESCO Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura VERD Valor Econômico de Referência do Dano Ambiental

12 18 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 14 1 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA Problematização Questões Norteadoras Características da produção do setor madeireiro no Estado de Roraima 16 2 JUSTIFICATIVA 18 3 OBJETIVOS Geral Específicos 20 II REFERENCIAL TEÓRICO Economia x Meio Ambiente Selo verde e Produção Mais Limpa na busca do produto ecologicamente correto Selo Verde ou Certificação Ambiental Produção Mais Limpa (PML) Responsabilidade Social e de Sustentabilidade e educação ambiental Responsabilidade Social de Sustentabilidade Educação Ambiental Contabilidade Ambiental e a evidenciação dos custos e resíduos ambientais Contabilidade Ambiental Custos e despesas ambientais Resíduos ambientais Impacto Ambiental Estudo de Impacto Ambiental Relatório de Impacto Ambiental Plano de Manejo Florestal Sustentável (PMFS) Medidas Metigadoras Avaliação do Impacto Ambiental Método de Avaliação de Impacto Ambiental Degradação Ambiental e sua Valoração Provisões para Contingências Gestão de Custos Gestão de Custo e Resíduos Gestão ambiental através do ABC ABC Características e aplicabilidade Tratamento dos Resíduos e Sistemas de custeio Tratamento dos resíduos Gerenciamento de resíduos versus sistemas de custeamento Gerenciamento de resíduos pelo custeamento ABC Custeamento ABC versus Sistemas Tradicionais 53

13 19 III METODOLOGIA Procedimentos metodológicos aplicados no trabalho 54 IV APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS Processo de produção na indústria madeireira Aplicação e cálculo do custo por Absorção e ABC 63 V CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES 84 VI BIBLIOGRAFIA 87 VII APÊNDÍCE 92 VIII ANEXOS 94

14 14 I INTRODUÇÃO O capitulo enfoca as questões ambientais como relevante a busca da redução de resíduos na indústria madeireira e procura estabelecer o sistema de custeamento ABC (Custo Baseado em Atividade) como sendo uma das formas mais apropriadas para acompanhar a produção do setor e evidenciar tais resíduos em cada fase do processo produtivo. Também serão enfocadas as diferenciações na implantação do sistema de custeamento ABC (Custo Baseado em Atividade) em relação sistema de custeamento por absorção. Neste capítulo será apresentado um breve histórico sobre a forma de apropriação dos custos nas indústrias madeireira do estado de Roraima em especial a cidade de Boa Vista, bem como questionar se o ABC (Custo Baseado em Atividade) seria o melhor sistema de custeio a ser adotado pelas mesmas, na busca de gerenciar os custos do processo produtivo. Também será enfatizada a preocupação com o aproveitamento adequado dos resíduos nas diversas etapas da produção. Após definir a situação problema como sendo a aplicabilidade do sistema de custeamento ABC (Custo Baseado em Atividade) na busca do melhor controle do processo produtivo e traçadas as questões norteadoras, este capítulo apresenta também à justificativa e os objetivos gerais e específicos da pesquisa desta dissertação. Finalizando o capítulo apresentam-se as principais características da produção no setor madeireiro do Estado de Roraima, destacando-se as informações prestadas por pesquisadores, empresários e operários do setor, bem como a utilização de um Plano de Manejo Florestal Sustentável (PMFS) para melhor gerenciar as questões relacionadas com o meio ambiente e órgãos fiscalizadores e legislação ambiental para o setor. 1 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA A preocupação mundial em relação ao meio ambiente evidencia a necessidade de um consenso entre os interesses econômicos e a escassez dos recursos naturais. A combinação desses elementos somente será possível se houver um esforço conjunto de todos com o objetivo de atingir o desenvolvimento sustentável em busca de um mundo melhor para as gerações futuras. O conhecimento e a definição dos custos de um produto, sem sombra de dúvida, são primordiais no processo de apreçamento, entretanto as indústrias que operam com a exploração dos recursos naturais (meio ambiente) para obtenção de seus insumos e matériaprima precisam entender também o conceito de sustentabilidade e produção limpa na busca de

15 15 um produto ecologicamente elaborado, pois esta é uma das novas exigências do mercado consumidor. O setor industrial é um dos que mais produz poluente, e muitas vezes não se preocupa como o seu produto é elaborado, deixando de observar os resíduos de sua produção, esquecendo-se de que parte destes, se bem gerenciada, poderá até gerar receitas para a empresa. Nas indústrias madeireiras, grande parte dos resíduos, é classificada como desperdício, não tendo nenhuma utilidade para a empresa, nem se prestando à terceiro, entretanto se adotar-se um modelo de custeamento que detalhe cada etapa do processo e evidencie os resíduos produzidos em cada uma delas, esses resíduos poderão retornar à produção ou servir de matéria prima para a elaboração de subprodutos. Diante do exposto, deve-se questionar se a aplicabilidade do sistema de custeamento ABC propicia um melhor controle do processo produtivo nas indústrias madeireiras bem como se os recursos naturais estão sendo devidamente aproveitados de forma racional e ecologicamente correta, e refletir sobre o que deve e pode ser feito para propiciar a sua reposição, a fim de que as gerações futuras possam continuar a usufruir de tais recursos 1.1 Problematização A adoção do sistema de custeamento ABC irá evidenciar de forma detalhada, os custos incorridos na produção, bem como os resíduos advindos desse processo nas indústrias madeireiras na cidade de Boa Vista-RR? 1.2 Questões norteadoras Utilizar o sistema de custeamento ABC proporciona um melhor conhecimento do processo produtivo, detalhando as etapas do mesmo, nas indústrias madeireiras da cidade Boa Vista-RR? Promover com maior ênfase a utilização racional dos recursos naturais e gerenciar os resíduos da produção constitui uma estratégia efetiva de desenvolvimento sustentável nas madeireiras da cidade Boa Vista-RR? Questionar ao empresário se a provisão das contingências ambientais proveniente das atividades de desmatamento inviabiliza o empreendimento quando não se utiliza de um Plano de Manejo Florestal determinado pelos Órgãos Governamentais?

16 Características da produção do setor madeireiro no Estado de Roraima O corte das árvores ocorre de forma seletiva, que implica na escolha e extração de espécies nobres com um potencial econômico maior, provocando degradação e o empobrecimento da área. O reflorestamento, quando feito, é realizado com arbóreo de ciclo curto, menos nobre do que as árvores derrubadas e ocorre geralmente com o plantio de acácia mangium, espécie não utilizada pelo setor madeireiro local, tal reflorestamento é feito apenas para atender exigências da legislação (Instrução Normativa nº 1 de 5 de setembro de 1996). O empresário do setor madeireiro no estado promove o corte da árvore mediante autorização dos órgãos competentes a ser executada em área de colonização, pois as toras são adquiridas de terceiros mediante autorização para o desmatamento. De acordo com a medida provisória de 2001 a autorização para desmatamento é de no máximo 20% das propriedades rurais e a exploração florestal deve ocorrer mediante Plano de Manejo Florestal Sustentável (PMFS). O PMFS deve ser elaborado por profissionais credenciados (Confea, Crea Conselho Federal e Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia), que por sua vez deverão promover o acompanhamento dos PMFS s, devendo apresentar ao IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais) a declaração de Acompanhamento e Avaliação do PMFS. Para Tonini e Lopes (2006) diversos fatores influenciam no rendimento da madeira no processo do desdobro de tora em madeira serrada, destacando-se o baixo nível tecnológico aplicado no processo com maquinários inadequados, escassez de mão-de-obra especializada e qualidade da madeira. Para os autores a média de rendimento da madeira no estado de Roraima depende em parte do porte da empresa sendo de 56% para as de pequeno porte, de 59% para de médio e 60% para de maiores porte. Estes rendimentos poderão ser ampliados caso as empresas venham a utilizar os resíduos na produção em produtos secundários Em pesquisa, não estruturada, junto a 5 (cinco) empresários e 6 (seis) trabalhadores do setor madeireiro do estado foi enfocado pelos mesmos que uma árvore (boa qualidade) derrubada rende em média de 5 a 6 m³ de tora (madeira bruta) com um custo para o madeireiro próximo dos R$ 130,00, já com todas as despesas de desmate e transporte, após beneficiada a madeira já totalmente seca em formato de prancha chega a um custo médio de R$ 500,00 e os resíduos incorridos nesse processo praticamente é todo destinado a queima em padarias e olarias locais, apresentando para o madeireiro um baixo poder venal, e em alguns casos, quando não existe compradores interessados, o madeireiro doa esse resíduos para promover a limpeza do seu pátio industrial.

17 17 Em pesquisa realizada Tonini e Lopes (2006) apresenta o ipê como a espécie de maior valor de mercado, seguida pelo jatobá e angelin-pedra, as espécie amarelão, cupiuba e titarana, foram a de menor poder econômico junto ao mercado. Ainda nesta pesquisa foram observadas as principais atividades desenvolvidas pelas empresas madeireiras, tendo grande parte delas a terceirização como principal característica no processo de escolha, derrubada e transporte das árvores (ver tabela 01). Tabela 01 Fonte : Tonini e Lopes (2006) Tonini e Lopes (2006) expõem que tradicionalmente, a exploração tem sido feita de forma inadequada e desordenada. A mecanização, quando utilizada, prescinde de planejamento e racionalização das atividades de derrubada, arraste e transporte. Entre os itens que compõem o custo de transporte, a depreciação é o que tem o maior percentual de participação, seguido dos custos de manutenção e de combustíveis e lubrificantes. Por esta razão, sob o ponto de vista econômico, é mais interessante para as empresas comprar madeira direta dos "toreiros", do que arcar com os custos das atividades inerentes à exploração e transporte de toras. Segundo os autores ainda no processo de secagem algumas empresas de médio e, principalmente de pequeno porte, não dispõem de áreas em seus pátios industriais para realização dessa etapa da cadeia produtiva, terceirizando assim essa atividade. Já em relação aos serviços de contabilidade e jurídicos, praticamente na maioria das empresas é terceirizado. Diante do exposto o processo produtivo na indústria de madeira se caracteriza pelas seguintes etapas: exploração; transporte; processamento; secagem e armazenagem de produtos para venda conforme figura 01

18 18 Figura 01 Principais Atividades na Produção no Setor Madeireiro Fonte : Elaborado pelo autor (2010) Na figura 01 apresenta-se o processo produtivo no desdobro da madeira, iniciando-se na mata com a seleção realizada por um agente denominado de mateiro e em seguida com a derrubada da referida árvore por parte do toreiro. Na própria mata a árvore é desgalhada e arrastada até uma estrada secundária para transporte para a madeireira. Ao chegar as madeireiras as toras são descascada em uma máquina de serrar, modelo fita, com trilhos para deslizamento da tora que por sua vez é transformada em pranchões que por sua vez será transformados em pequenas pranchas ou tábuas para serem conduzidas ao pátio para passar por um processo de secagem, que dependo do clima dura em média de 4 a 7 dias, só assim as pranchas e tábuas poderão ser transformadas em ripas, barrotes, e tabique, esse ultimo é feito em uma máquina especificas já os demais é manufaturados nas maquinas de serrar modelo fita ou circular. 2 JUSTIFICATIVA O presente trabalho é motivado pela evidente necessidade do conhecimento dos custos detalhados bem como as atividades pertinentes ao processo produtivo na exploração da madeira, com vista às questões de sustentabilidade, evidenciando assim os principais resíduos desse processo e sua melhor utilização na produção de subprodutos ou comercialização dos mesmos.

19 19 A utilização de um sistema de custeamento irá proporcionar um conhecimento mais aprofundado de todo o processo, bem como os custos referentes ao mesmo. O sistema de custeamento ABC, propicia o detalhamento do processo mostrando cada etapa e os recursos empregados nas mesmas. Nesse sentido a preocupação maior do empresário é quanto ao impacto que possa ocorrer durante o processo de implantação de um sistema de custeamento, pois é notória a necessidade de participação de todos que operam no processo produtivo bem como o conhecimento detalhado do mesmo, desde o manuseio de equipamentos e máquinas e a correta utilização da mão-de-obra. A sensibilização do empresário quanto à utilização racional dos recursos naturais e de mecanismos que lhe proporcione o melhor aproveitamento dos resíduos provenientes do processo de transformação destes recursos, é, sem sombra de dúvidas, um dos alvos a ser alcançado, pois sensibilizá-lo, no sentido de buscar respostas para a problemática da escassez dos recursos naturais irá remetê-lo à utilização de modelos de custeamentos que propicie reduzir os resíduos e desperdícios incorridos no processo produtivo. Promover o desenvolvimento sustentável na busca da conservação dos Recursos Naturais, visando ao aproveitamento dos resíduos advindo de sua transformação, é a nova ordem global, pois a consciência humana despertou para a realidade de que os Recursos Naturais são limitados e, sua utilização desenfreada e desrespeitosa às leis da natureza poderá acarretar prejuízos à humanidade, inclusive sua extinção. Com esta visão dos fatos, e da responsabilidade que o pesquisador tem em promover o conhecimento sobre os principais questionamentos desta problemática, em vários estudos (Souza, Almeida,(1997), Silva(2005), Kraemer(2002), Tachibana(2002), Wachholz et e al.(2004), Tinoco, Kraemer,(2006) buscando evidenciar que o gerenciamento e aproveitamento dos resíduos é tido como a forma mais eficaz de contribuir para conservação dos Recursos Naturais apontando o ABC como o método mais adequado. Tal assertiva baseia-se na premissa de que em curto prazo haverá um grande impacto nos custo quando da aplicação de um sistema de gerenciamento, haja vista a necessidade de investimentos a serem feitos no sentido de propiciar tal gerenciamento. A médio e a longo prazo o empreendedor poderá, inclusive, obter lucros com os resíduos gerenciados, quando de sua revenda, reaproveitamento ou elaboração de subprodutos. Para os autores citados o método de sistema ABC é o mais recomendado para a apropriação dos custos, principalmente indiretos, pois oferece uma análise mais detalhada dos custos incorridos, este sistema tenta apropriar ao produto todos os custos fixos através das atividades realizadas para sua elaboração, utiliza-se de direcionadores que melhor representa a

20 20 parcela de custo fixo que cada produto absorve. Este sistema é indicado para qualquer tipo de empresa, independentemente de sua atividade industrial. Assim o referido sistema de custeio abrange variadas atividades dentre as quais se destaca a madeireira, contudo, notadamente na atividade mencionada, ainda há pouca preocupação com o gerenciamento dos resíduos de sua produção, em que poucas são as empresas que investem no aproveitamento de resíduos. No caso específico do Estado de Roraima a situação é mais crítica, pois a maioria das empresas define sua política de custo e apreçamento baseando-se nas observações das praticas adotadas pela concorrência, desconsiderando assim a problemática da escassez dos recursos naturais e do gerenciamento de resíduos. Nas indústrias madeireiras ali sediadas, grande parte dos resíduos é classificada como desperdício, entretanto se adotarmos um modelo de gerenciamento, esses resíduos poderão retornar à produção ou servir de matéria prima para a elaboração de subprodutos. Com tal pesquisa, busca-se oferecer subsídios para reflexão e mudanças de atitude de empresários e outros para que compreenda a importância do controle dos custos de produção de forma adequada, tratamento e reaproveitamento dos resíduos oriundos do processo produtivo da indústria madeireira. 3 OBJETIVOS 3.1 Geral Uma contribuição da aplicabilidade do sistema de custeamento ABC na utilização do processo produtivo nas atividades madeireiras nas indústrias de Boa Vista-RR. 3.2 Específicos Mapear o processo produtivo da atividade de desdobro de madeira na cidade de Boa Vista-RR; Identificar os resíduos oriundos do respectivo processo; Verificar a aplicabilidade do sistema de custeamento ABC para controle dos custos do citado processo; Mostrar a aplicabilidade do ABC em detrimento ao modelo tradicional de custeamento por Absorção.

21 21 II REFERENCAIL TEÓRICO Promover o desenvolvimento sustentável na busca da conservação dos Recursos Naturais no sentido de aproveitar os resíduos advindos de sua transformação, tem sido a nova ordem mundial na intenção de despertar a humanidade para realidade de que os Recursos Naturais são limitados, e sua utilização desenfreada e desrespeitosa às leis da natureza, poderá acarretar grandes prejuízos. Neste capitulo será exposto a necessidade econômica do homem em produzir, considerando as questões de sustentabilidade e que a preocupação do empreendedor com as questões ambientais poderão lhe trazer resultados satisfatórios, tanto pelo reconhecimento dos consumidores, que já apresenta sinais de consumir produtos considerados ecologicamente corretos, como pelo aproveitamento de resíduos da produção que poderão servir de matéria prima para subprodutos ou comercializados a outras empresas, com isso certamente haverá um aumento na receita da empresa. O gerenciamento e controle dos custos poderão ocorrer de diferentes formas, porem acredita-se que o sistema de custeio ABC (Custo Baseado em Atividades) represente uma ferramenta de grande utilidade nesse processo, pois este fornece uma visão detalhada das atividades desenvolvidas e dos recursos necessários utilizados por estas atividades, para isso utiliza-se de direcionadores alocando os custos às atividades e depois aos objetos de custeio. 2.1 Economia versus Meio Ambiente A questão ambiental associa-se fortemente ao conceito de risco ambiental, pois é crescente a percepção de que um dos componentes vitais da qualidade de vida é o ambiente ecologicamente equilibrado. De fato, a Constituição Federal de 1988 é bem clara: Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. As causas ambientais propõem uma mudança fundamental nos valores humanos. É importante perceber que não se trata de uma questão que surgiu de uma hora para outra ou em um lugar específico. É um movimento que vai se tornando mais evidente de acordo com a

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

BACIAS HIDROGRÁFICAS E O MEIO AMBIENTE Profa Dra Lilza Mara Boschesi Mazuqui

BACIAS HIDROGRÁFICAS E O MEIO AMBIENTE Profa Dra Lilza Mara Boschesi Mazuqui BACIAS HIDROGRÁFICAS E O MEIO AMBIENTE Profa Dra Lilza Mara Boschesi Mazuqui OQUE É IMPACTO AMBIENTAL???? IMPACTO AMBIENTAL Qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Contabilidade Ambiental e a Sustentabilidade nas Empresas Luis Fernando de Freitas Penteado luisfernando@freitaspenteado.com.br www.freitaspenteado.com.br PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Dificuldade de definição

Leia mais

O PAPEL DA CONTABILIDADE AMBIENTAL, A IMPORTÂNCIA DA CONSCIENTIZAÇÃO DAS EMPRESAS PARA UM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA YPÊ

O PAPEL DA CONTABILIDADE AMBIENTAL, A IMPORTÂNCIA DA CONSCIENTIZAÇÃO DAS EMPRESAS PARA UM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA YPÊ ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 O PAPEL DA CONTABILIDADE AMBIENTAL, A IMPORTÂNCIA DA CONSCIENTIZAÇÃO DAS EMPRESAS PARA UM

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO [16] TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO Florestas Naturais são ecossistemas dominados por árvores ou arbustos, em forma original ou quase original, através de regeneração natural.

Leia mais

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS XAVIER, Patrícia Alves Santana LIMA, Suzany Saraiva GOMES, Alan Rios RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 1 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental A auditoria ambiental consiste em processo sistemático de inspeção, análise e avaliação das condições

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 Publicado em: 03/07/2015 O CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio, Autarquia Federal, com personalidade jurídica de direito público, criado pela Lei nº 6.684, de 03

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ...

ORIENTAÇÕES GERAIS ... ORIENTAÇÕES GERAIS O Projeto de viabilidade econômico-financeira será solicitado, a critério do Banco, de acordo com as características do investimento, finalidade do projeto, tipo de segmento de mercado,

Leia mais

Impactos Ambientais UFCG/UAEC/LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA CIÊNCIAS DO AMBIENTE PROFESSORA - MÁRCIA RIBEIRO

Impactos Ambientais UFCG/UAEC/LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA CIÊNCIAS DO AMBIENTE PROFESSORA - MÁRCIA RIBEIRO Impactos Ambientais UFCG/UAEC/LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA CIÊNCIAS DO AMBIENTE PROFESSORA - MÁRCIA RIBEIRO PAULO DA COSTA MEDEIROS Doutorando em Recursos Naturais INTRODUÇÃO CONSUMO/DEMANDAS MAU USO QUANTIDADE

Leia mais

CONTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL CCN

CONTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL CCN Universidade Federal de Santa Catarina Campus Universitário Trindade Caixa Posta 476 CEP 88010-970 Florianópolis Santa Catarina Centro Sócio-Econômico Curso de Ciências Contábeis EaD CONTABILIDADE E RESPONSABILIDADE

Leia mais

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66;

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66; Página 1 de 5 Resoluções RESOLUÇÃO CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de 1986 Publicado no D. O. U de 17 /2/86. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

CONTABILIDADE AMBIENTAL: A CONTABILIDADE COMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO QUANTO A PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL

CONTABILIDADE AMBIENTAL: A CONTABILIDADE COMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO QUANTO A PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL CONTABILIDADE AMBIENTAL: A CONTABILIDADE COMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO QUANTO A PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL Douglas Ribeiro Lucas, autor Denilson da Silva Lucas, co-autor José Adenildo da Silva, co-autor 1 FACESM/Gpde,

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO

GESTÃO AMBIENTAL COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO GESTÃO AMBIENTAL COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ORGANIZAÇÕES Alessandra Aparecida da Silva, Unisalesiano de Lins e-mail: alessandrasilvamig@yahoo.com.br Renata Angélica Freitas, Unisalesiano de Lins

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002 Dispõe sobre a Política Municipal do Meio Ambiente, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA RS, FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona a seguinte L

Leia mais

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas.

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Cátia Raquel Felden Bartz (FAHOR) catia@fahor.com.br Jonas Mazardo (FAHOR) jonas_mazardo@yahoo.com.br>,

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia OS RECURSOS NATURAIS E A SUSTENTABILIDADE: UM ESTUDO DOS MODOS DE VIDA NA COMUNIDADE SÃO FRANCISCO DE ASSIS - BAIXO

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES Elias Silva 1 COM A FAUNA SILVESTRE 1 Professor Associado do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br 1 1

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA AMBIENTAL DAS EMPRESAS POTENCIALMENTE GERADORAS DE PASSIVO AMBIENTAL

GESTÃO FINANCEIRA AMBIENTAL DAS EMPRESAS POTENCIALMENTE GERADORAS DE PASSIVO AMBIENTAL GESTÃO FINANCEIRA AMBIENTAL DAS EMPRESAS POTENCIALMENTE GERADORAS DE PASSIVO AMBIENTAL Autora: Rosália Gonçalves Costa Santos, graduada em Ciências Contábeis pela Faculdade Newton Paiva e mestranda em

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BANRISUL A Política de Sustentabilidade Banrisul, aprovada pela Diretoria e pelo Conselho de Administração em 08.10.2012 e em 06.11.2012, respectivamente, tem como finalidade

Leia mais

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por:

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por: NBC TSP 12 Estoques Objetivo 1. O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil para os estoques. Uma questão fundamental na contabilização dos estoques é quanto ao valor do custo a

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA CONSCIENTIZAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL Contagem-MG 2013 2 FETREMIS - FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 O que é SUSTENTABILIDADE? Como aliar SUSTENTABILIDADE e NUTRIÇÃO? O que é sustentabilidade? Constituição Federal Art. 225. Todos têm o direito

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré- Revisão de 11/05/21 2ª. Revisão 31/05/21 Revisão Técnica Nome: Eng. Alexandre Schinazi Cargo: Engenheiro CREA: 246223 Assinatura: Data: Aprovação

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE Erica Grayce de Souza Silva 1 Hélio Rubens Jacintho Pereira Júnior 2 José Antonio Bueno 3 RESUMO O

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

X-Annes-Brasil-1 CONTABILIDADE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA UMA FERRAMENTA PARA A PRODUÇÃO MAIS LIMPA/SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

X-Annes-Brasil-1 CONTABILIDADE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA UMA FERRAMENTA PARA A PRODUÇÃO MAIS LIMPA/SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL X-Annes-Brasil-1 CONTABILIDADE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA UMA FERRAMENTA PARA A PRODUÇÃO MAIS LIMPA/SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Autora: Jacqueline B. Annes - Engenheira Civil graduada pela Universidade Federal

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Competitividade e Tecnologias Limpas

Competitividade e Tecnologias Limpas Competitividade e Tecnologias Limpas Carlos Eduardo Frickmann Young Instituto de Economia/UFRJ Email: young@ie.ufrj.br A grande vantagem das tecnologias limpas está na possibilidade de reverter um custo

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES BAIOTTO, Alexandre 1 ; COSTA, Augusto Cesar da 1 ; SCHMIDT, Alberto 2 Palavras-Chave: Gestão ambiental. Empresa. Produção sustentável. Introdução Agregados

Leia mais

IT 179 Saneamento Básico

IT 179 Saneamento Básico 2. AÇÕES GOVERNAMENTAIS E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A Organização das Nações Unidas (ONU), formada por quase todos os países do mundo, realiza reuniões para discutir sobre temas importantes para a humanidade

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior ao valor líquido contábil.

Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior ao valor líquido contábil. Avaliação e Mensuração de Bens Patrimoniais em Entidades do Setor Público 1. DEFINIÇÕES Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior

Leia mais

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Agenda Origem do estudo de Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA MBA EM GESTÃO SUSTENTÁVEL DE NEGÓCIOS. Nº MÓDULO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL Carga Horária

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA MBA EM GESTÃO SUSTENTÁVEL DE NEGÓCIOS. Nº MÓDULO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL Carga Horária UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA MBA EM GESTÃO SUSTENTÁVEL DE NEGÓCIOS Nº MÓDULO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL Carga Horária 1 Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental 15 2 Sistema

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 Dispõe sobre práticas e critérios destinados a defesa do meio ambiente e promoção do desenvolvimento nacional sustentável nas contratações de bens, serviços e obras, no âmbito

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceitos /

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO UMA FERRAMENTA PARA A GESTÃO AMBIENTAL

A CONTABILIDADE COMO UMA FERRAMENTA PARA A GESTÃO AMBIENTAL 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN 1984-9354 A CONTABILIDADE COMO UMA FERRAMENTA PARA A GESTÃO AMBIENTAL Raisa Cipresso Faria FACESM/FAPEMIG Fabio José Luz FACESM Louise Maria Aniceto Dias FACESM/FAPEMIG Vladas

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Regulamentação do licenciamento ambiental de movelarias no Amazonas

Regulamentação do licenciamento ambiental de movelarias no Amazonas Regulamentação do licenciamento ambiental de movelarias no Amazonas propostas de instrução normativa elaborada pelo Projeto Floresta Viva e colaboradores dezembro de 2006 INDICE 1. Contexto 3 2. Situação

Leia mais

Integração do Sistema de Gestão da Segurança, Qualidade e Meio Ambiente o caso - das Indústrias Nucleares do Brasil

Integração do Sistema de Gestão da Segurança, Qualidade e Meio Ambiente o caso - das Indústrias Nucleares do Brasil 1 Integração do Sistema de Gestão da Segurança, Qualidade e Meio Ambiente o caso - das Indústrias Nucleares do Brasil Alexandre Dias P. Cassiano 1 Dario da Costa Santos 2 Jorge José de Barros 3 1- Pós-graduando

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L Salassier Bernardo, Ph.D. UENF Este trabalho aborda aspectos do impacto ambiental da irrigação, considerando seus efeitos sobre modificação do meio ambiente,

Leia mais

A Contabilidade Estratégica na Gestão da Qualidade Ambiental

A Contabilidade Estratégica na Gestão da Qualidade Ambiental A Contabilidade Estratégica na Gestão da Qualidade Ambiental Valério Vitor Bonelli Antonio Robles Junior Resumo: A adequação às exigências ambientais dos mercados, governos e sociedade, apesar de demandar

Leia mais

Avaliação da Viabilidade Ambiental de Projetos: Pressupostos, Conceitos e Etapas do Processo PROF. ELIAS SILVA

Avaliação da Viabilidade Ambiental de Projetos: Pressupostos, Conceitos e Etapas do Processo PROF. ELIAS SILVA IV SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS I WORKSHOP INTERNACIONAL DE SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA Tecnologias Ambientais: Energia Renovável vel a partir de Biomassa e Resíduos Agrícolas (Agosto/2009)

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM UMA CONSTRUTORA EM RECIFE/PE COM BASE NA ISO 14001/2004: ESTUDO DE CASO

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM UMA CONSTRUTORA EM RECIFE/PE COM BASE NA ISO 14001/2004: ESTUDO DE CASO Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM UMA CONSTRUTORA EM RECIFE/PE COM BASE NA ISO 14001/2004: ESTUDO DE CASO Daiany Silva dos Santos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

A Questão Florestal e o Desenvolvimento

A Questão Florestal e o Desenvolvimento Alcir Ribeiro Carneiro de Almeida, Eng. Ftal., MSc.,Dr. Gerente Florestal A Questão Florestal e o Desenvolvimento BNDES, Rio de Janeiro, 09 de julho de 2003 Grupo CIKEL CIKEL BRASIL VERDE S.A. - atua na

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Resumo Auditoria e Pericia Ambiental

Resumo Auditoria e Pericia Ambiental Resumo Auditoria e Pericia Ambiental Inspirada na Auditoria Contábil, elemento integrante dos sistemas de gestão empresarial, a Auditoria Ambiental surgiu na década de 70 nos Estados Unidos visando à redução

Leia mais

LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011

LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011 LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011 Institui a Política Municipal sobre Mudança do Clima e Desenvolvimento Sustentável, dispõe sobre o estabelecimento de metas de redução de emissões antrópicas de gases

Leia mais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais OS ACORDOS SETORIAIS E A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA: Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais X Seminário Nacional de Resíduos Sólidos Associação Brasileira de Engenharia

Leia mais