Apresentação Institucional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação Institucional"

Transcrição

1 Apresentação Institucional

2 O que fazemos Fundo de Venture Capital focado em inovação no Estado de São Paulo Nós investimos emsegmentos não tradicionais Menor competição por negócios Foco em empresas nascentes Conhecimento Regional Poucos especialistas nesse estágio em São Paulo Profundo conhecimento do Ecossistema Paulista Política mão na massa Acompanhamento próximo a todas as empresas investidas Time de empreendedores Praticamos o que pregamos 2

3 Quem somos Romero Rodrigues Claudia Goulart Claudio Furtado Gestora de Ativos Alternativos no Brasil BUSCAPE Fundador e CEO Sócios Investidores Conselho Consultivo Equipe Operacional Felipe Guth Patrick Schechtmann Francisco Jardim Thiago Lobão Engenheiro Mecânico (POLI-USP) Especialista em Tecnologias Médicas Administrador de empresas (FGV SP) 7 anos de experiência em Venture Capital no Brasil Administrador de empresas (Saint Louis University) 8 anos de experiência em Venture Capital no Brasil Gestor Regional do Fundo Criatec para o Estado de São Paulo (07-13) Engenheiro Naval (POLI- USP) 4 Anos de experiência em Venture Capital no Brasil 3

4 Histórico SP Ventures nosso passado ( ) nosso futuro (2014 and so on) NOVOS PROJETOS 20 0 R$ 109 MM (27 %) 56 (73 %) 36 8 (22 %) 28 (78 %) 8 Primeira Rodada 5 Segunda Rodada d Capital Investido Número de Empresas SP Ventures Outras Regionais do Criatec 20 investimentos nos próximos 4 anos Desinvestimento até

5 Fundo de Inovação Paulista Vencedor do edital Pessoa chave Tamanho do Fundo Capital Comprometido SP Ventures Gestora de Recursos SA Francisco Jardim R$ 105 Milhões Capital comprometido por Desenvolve SP, FINEP, FAPESP, SEBRAE SP, CAF e Investidor Privado. Tamanho das Empresas Alvo R$ 0 a 18 Milhões de faturamento por ano Investimento por Empresa Até R$ 625Milhões 6,25 (posição minoritária) Empresas com R$ 0 to 3,6 Milhões em Receita 2 rodadas, 1 ª até R$ 2,25 Milhões e 2ª até R$ 4,0 Milhões Empresa com R$ 36to 3,6 18,0 Milhões em Receita 1ª rodada, até R$ 4 Milhões Número de Investidas Foco Ciclo de Vida 20 Empresas Empresas inovadoras com grande potencial de crescimento sediadas no Estado de São Paulo. Focadas em Nanotecnologia e Novos Materiais, Tecnologia da Informação e Comunição, Agronegócio e Setor de Saúde 8 anos; Investimento (4 anos) +Saída (4 anos) 5

6 Fundo de Inovação Paulista Cotistas do Fundo de Inovação Paulista 6

7 Setores TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Brasil: 6º Maior mercado de TICs no mundo Fortes incentivos governamentais em subvenção econômica, expansão de incubadoras e parques tecnológicos TICs com grande espaço de mercado em regiões em franco desenvolvimento, como Nordeste e Norte. TECNOLOGIAS AGROPECUÁRIAS Brasil: 2º Maior celeiro agropecuário do mundo Aumento acelerado da demanda mundial por alimentos Necessidade de aumento da produtividade Soluções tecnológicas abrangendo também pequenos/médios produtores TECNOLOGIAS EM SAÚDE NANOTECNOLOGIAS E NOVOS MATERIAIS Brasil: crescimento da população, expectativa de vida e poder de consumo direcionam mais recursos para o setor de saúde Crescimento de 2 a 3 vezes maior que o PIB, em torno de 10% a 15% ao ano Líderes globais adquirindo empresas adaptadas aos clientes locais, dentro dos padrões regulatórios nacionais Brasil: Forte desenvolvimento acadêmico no setor, 123 Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia implementados desde 2008, sendo 10 desses focados em nanotecnologia e novos materiais Aumento na qualidade e preparo p da força trabalhadora Growth in the quality and background of the workforce; Foco em Óleo e Gas, biocombustíveis e nanotecnologia 7

8 Ecosistema Polo Biomédico Universidades: FAMERP, UNESP, FATEC Incubadora: CCIE Rio Preto Parque Tecnológico: Pq Tec SJ Rio Preto Polo de Agronegócios Universidades: UNESP (Agronomia/Veterinária) Centros de Pesquisa: UNESP Labs CPPAR Incubadora: Incubadora Jaboticabal Polo de Eng. Alimentos Universidades: UNESP, Univem, Unimar Incubadora: CIEM Polo em Tecnologias Agrícolas Universidades: USP (ESALQ), Unimep,Cefet Centros de Pesquisa: CTC, Polo Biocombustível ESALQ, CENA, P&D das empresas do APLA Incubadoras: EsalqTec Parques Tecnológicos: Parque Tec Piracicaba Polo de Biotecnologia, Tecnologias Agropecuárias, Equipamentos Médicos e Odontológicos Universidades: destaque para USP Ribeirão Preto Incubadoras: SUPERA São José do Rio Preto Marília Polo de Agronegócio Universidades: UNESP Incubadoras: Prospecta, ParqTec Jaboticabal Ribeirão Preto São Carlos Piracicabai Campinas Botucatu Polo em TICs Universidades: UFSCAR, UNESP Parque Tecnológico: Pq Tec Sorocaba (início em 2012) Sorocaba São José dos Campos São Paulo Santos Não exaustivo Polo de Engenharias, Óptica, Materiais Avançados, TIC, Instrumentação Eletrônica, Automação, Robótica, Química Universidades: USP (CAASO), UFSCAR, Unicep Centros de Pesquisa: destaquepara a EMBRAPA Pecuária Incubadoras: ParqTec, Cedin, CINET, Softnet Parques Tecnológicos: SciencePark (vinculado ao ParqTec), Dhama (privado) Fundos de VC: Trivella Polo Petroquímico e Naval Universidades: Unisantos, Unimonte, Unimes Incubadoras: Incubadora Santo (Pça do Café Polo diversificado, com ênfase em TICs, Telecomunicações e Biotecnologias Universidades: id d destaque para UNICAMP, PUCAMP Centros de Pesquisa: IAC, CTI, CPqD, LNLS, Instituo von Braun, Instituo Eldorado Incubadoras: CIATEC, Softex, Incamp Parques Tecnológicos: CIATEC Fundos de VC: IVP (Inova Venture Partners) Polo Aeroespacial, TICs, Fotônica, Materiais, Nanotecnologias, Biotecnologias, Tecnologias Nucleares Universidades: ITA, UNIFESP, UNIVAP Centros de Pesquisa: INPE, CTA, P&D Embraer Incubadoras: Incubaero, Revap (Univap) Parques Tecnológicos: CECOMPI, UNIVAP Tech 8

9 Empreendedorismo de Alto Impacto Empreendedorismo de alto impacto carrega em si o propósito para resolver um problema que impacta a vida de milhões ou até bilhões de pessoas, questionando o status quo e tendo como ferramentas a criatividade i id d e inovação 9

10 Definição O que fazemos? Também conhecido como Capital Empreendedor ou Capital de Risco, Venture Capital é a modalidadede de investimentoque consiste na compra, porum período pré determinado, de participação acionária em empresas inovadoras de pequeno/médio porte, de capital fechado, em um estágio inicial de desenvolvimento e com alto potencial de crescimento no curto/médio prazo. 10

11 Definição Porque fazemos? Rock & Davis Isn t it great if you can make money and change the world for the better at the same time Tom Perkins 11

12 Empreendedorismo e Venture Capital criam valor 0,2% % do PIB Investido em Capital Empreendedor Participação do Capital Empreendedor na Economia 21,0% % do PIB proveniente de empresas investidas por CE Retorno potencial para a economia é enorme, pois essas empresas desenvolvem tecnologia e criam novas indústrias, 21% do PIB americano provém de empresas que receberam investimentos de Capital Empreendedor Empregos gerados por empresas investidas por Capital Empreendedor Resto dos Empregos Privados Alto Nível de Formação Acadêmica 89,0% 11,0% 107 Empregos em empresas investidas por Capital Empreendedor 100% A capacidade de gerar empregos de empresas investidas por Capital Empreendedor é enorme, na atual economia americana 11% de todos os empregos no setor privado foram gerados por esse tipo de Fonte: :Venture Impact The Economic Importance of Venture Capital-Backed Companies to the U.S. Economy empreendimento, isso equivale a 11,9 milhões de empregos 12

13 Equity e Dívida Formas de financiamento Dívida Equity 30% 70% Uma empresa, seja uma startup ou uma Fortune 500, pode adquirir financiamento basicamente de duas maneiras ContraindoDívidas d ou Vendendo d Participação Acionária Ambasas formas são saudáveis e tem suas vantages e desvantagens, uma empresa deve ponderar sempre qual a forma correta de financiamento dd dado seu momento atual e objetivos Estrutura de Capital 13

14 Equity e Dívida Formas de financiamento Dívida 30% Equity 70% Estrutura de Capital A dívida representa uma obrigação O credor não tem nenhum controle sobre a empresa, a não ser em casos excepcionais A empresa sabe quanto vai pagar, ou no caso de uma taxa de juros pós fixada, sabe quais são os fatores que afetam o custo do dinheiro (juros) Existem muitas formas de dívida com objetivos e estruturações de diferentes, algumas das mais comuns são: Dívida padrão de longo prazo Empréstimos recorrentes para capital de giro Emissão de Debêntures Emissão de dívidas conversíveis em ações Capital Mezzanino A dívida pode ser pública ou privada, com ou sem lastro, sindicalizada ou bilateral 14

15 Equity e Dívida Formas de financiamento Dívida 30% Equity 70% Estrutura de Capital Equity, ou capital social, é a propriedade sobre a empresa Ao vender parte de seu capital social uma empresa abre mão de todos os ganhos futuros aos quais aquela fatia da empresa teriam direito A venda de equity também implica na maioria dos casos em negociações de direitos de decisãodentroda empresa São veículos comuns de financiamento através de equity: Investimento anjo Venture Capital Private Equity OfertaPública Inicial (IPO) Também se encaixa nesse quadro a retenção de lucros Um 3º tipo de financiamento seria através de subvenções econômicas 15

16 Equity e Dívida Formas de financiamento Dívida 30% Equity 70% Estrutura de Capital Equity, ou capital social, é a propriedade sobre a empresa Ao vender parte de seu capital social uma empresa abre mão de todos os ganhos futuros aos quais aquela fatia da empresa teriam direito A venda de equity também implica na maioria dos casos em negociações de direitos de decisãodentroda empresa São veículos comuns de financiamento através de equity: Investimento anjo Venture Capital Private Equity Oferta Pública Inicial (IPO) Também se encaixa nesse quadro a retenção de lucros Um 3º tipo de financiamento seria através de subvenções econômicas 16

17 Ciclo de Financiamento por Equity VENTURE CAPITAL INVESTIDOR ANJO VC PE IPO RETO ORNO ESTÁGIO INICIAL ESTÁGIO DE CRESCIMENTO 3 a RODADA MEZANINO EMPRESAS NASCENTES 2 a RODADA 1 a RODADA MATURIDADE 17

18 Do que consiste a atividade de Venture Capital ESTRATÉGIA IPO PROCESSOS CONTRATAÇÕES COMPRADORES ESTRATÉGICOS GOVERNANÇA CORPORATIVA INVESTIMENTO CO-INVESTIDORES NEGOCIAÇÃO E DILIGÊNCIA ORIGINAÇÃO ANÁLISE RECOMPRA PROPRIETÁRIOS PROSPECÇÃO INVESTIMENTO/ ACELERAÇÃO SAÍDA 18

19 Software de Inteligência de Mercado baseado em Geomarketing oferecendo informações mercadológicas confiáveis e modelagem estatística. Setor Diferenciais Serviço de Geo Informação Data do Investimento JUN/2011 Empreendedores com habilidades que se complementam Solução escalável com receitas recorrentes Portfólio de Clientes inclui importantes players do mercado Desenvolvimento de modelos matemáticos internos Criação de Valor SP Ventures Levantou uma rodada de investimento com a Intel Capital Recrutamento de CFO Investimento pesado em Marketing e Comercial; Desenvolvimento de novos produtos (P&D); Estratégia direta voltada ao crescimento da receita recorrente Desinvestimento 19

20 Equipamentos médicos de alta precisão para UTI (Unidade de Terapia Intensiva) focado em ventilação pulmonar e anestesia Setor Equipamentos médicos Data do investimento OUT/2008 Diferenciais Equipe com 60 anos de experiência em tecnologia de saúde Alta capacidade de P&D comprovada Oportunidade no mercado brasileiro com o enfraquecimento dos players do mercado Tecnologia Patenteada Criação de Valor SP Ventures Subvenções para P&D ( R$ 6M) Mudança de estratégia voltada para o consumidor final Obtenção de marco regulatório (ANVISA and CE) Exportações recorrentes para 23 países Iniciado processo de aprovação pelo FDA em 2013 Recrutamento de membro do conselho profissional, Claudia Goulart, ex CEO da GE Health LATAM Desinvestimento 20

21 Desenvolve e distribui soluções de coleta, gestão e análise de fluxo de informações complexa para mecanização agrícola e automação de processos através de integração de dados por software especialista Empresa mais Inovadora na América Latina em 2012 Setor Diferenciais Automação Agrícola Data de Investimento Líder barsileira em Automação Agrícola Parceria com a UFScar (P&D); Engenharia profunda em CompuSci e agro conhecimento Criação de Valor SP Ventures JAN/2010 Mudança do modelo de negócio (de B2B para B2C) Subvenção para P&D de R$3M Projetos Geoespaciais Entrada no mercado de grãos e madeira Lançamento da nova geração de produtos Ganhou os maiores RFP em automação no mercado de Etanol (Raizen, ETH) Parceria estratégica com a Sascar, empresa de logística apoiada pela GP Investments Desinvestimento 21

22 Imeve Desenvolve, produz e vende produtos veterinários inovadores baseados em avanços da biotecnologi, entre eles probióticos Setor Probióticos Animais Diferenciais Relação próxima com a UNESP; Time de P&D experiente; Data do Investimento ABR/2011 Laços com as principais faculdades de pecuária e veterinária i do Brasil Primeira empresa no Brasil a possuir certificados qualificando seus probióticos como um insumo orgânico para nutrição animal SP Ventures Criação de Valor Criação do Conselho e implementação da Política de Opções de Ações Desenvolvimento e lançamento do probióticos ruminal com fermento vivo Desenvolvimento de 5 novas drogas Aumento no time de vendas e na abrangência regional Desinvestimento 22

23 SP Ventures BUG Controle Biológico de pragas através da produção em massa de insetos predadores naturais de diversos tipos de colheita Setor Controle Biológico Data do Investimento MAI/2009 Empresa Mais Inovadora da América Latina em 2011 Diferenciais Líder Nacional em Controle Biológico; Spin off do principal centro de pesquisa em entomologiada AméricaLatina Tendência de mercado a mudar do controle químico para o biológico Portfóliode clientes extenso e diversificado Criação de Valor SP Ventures Desenvolvimento de novos produtos e tecnologias Primeira empresa brasileira com licença para produção e distribuição de insetos Ccaptação de investimento com a TriggerPar Em diligência para 3 a rodada de investimento Desinvestimento 23

24 Inviron Soluções inovadoras para comunicação corporativa, incluindo a convergência de digital signage e media multiplataforma; gerenciamento e distribuição de conteúdo de mídia através de diversos canais de comunicação como IPTV. Satélite e ativos móveis Setor Diferenciais MooH Investment Date Dez/2008 Empresa vencedora de diversos prêmios globais de inovação, como TIC America 2007 (Panamá) e TIC Global (Taiwan) Aplicação modelada para o mercado Brasileiro Crescimento do mercado é de 3 dígitos ao ano Criação de Valor SP Ventures Parceria com SubwayLink, segundo maior player de MooH no Brasil Aumento da base recorrente Aumento das coberturas de media Desinvestimento 24

25 CVD Vale Desenvolvimento, produção e distribuição de diamentes sintéticos e DLC (Camadas de Diamond like Carbon) Materiais resistentes, usados em diversas indústrias, como Óleo & Gas, Saúde e Automotiva Setor Diferenciaisi i Materiais Avançados Data do Investimento OUT/2011 Time pesquisador de primeira linha INPE/NASA Patentes em diversas áreas (Odonto, Óleo e Gás) Parceiros estratégicos (Petrobrás, FINEP) Criação de Valor SP Ventures Contratação de CEO para execução do plano de negócios e estruturação das 3 unidades de negócio Criação do Conselho Estruturação da equipe de vendas Escala da produção de Coating Exit Strategy 25

26 O que procuramos Time Um time empreendedor de alto nível com habilidades e histórico comprovado se que possam fazer a diferenças no mercado, tendo desenvolvido expertise técnico, de gestão e interpessoal Tecnologia Um produto ou serviço único e com vantagens competitivas claras, com forte potencial de crescimento Mercado Uma solução que entrega valor e atende as necessidades do mercado tornando-se economicamente relevante, seja criando um novo mercado, crescendo rápido em um mercado grande ou dominando um mercado de nicho Financeiro Necessidade de Investimento Uma empresa com altas margens de contribuição e boas projeções de EBITDA, tornando-se sólida e sendo capaz de crescer independente das condições de mercado Um negócio escalável que consegue atingir crescimento exponencial com pouco investimento, sendo capaz de ir a mercado com um modelo de negócios sustentável 26

27 Obrigado!

Fundo de Inovação Paulista. Apresentação Geral

Fundo de Inovação Paulista. Apresentação Geral Fundo de Inovação Paulista Apresentação Geral O que fazemos Fundo de Venture Capital focado em inovação no Estado de São Paulo Nós investimos em segmentos não-tradicionais Menor competição por negócios

Leia mais

BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável. 21 de fevereiro de 2014

BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável. 21 de fevereiro de 2014 BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável 21 de fevereiro de 2014 Em seus 60 anos, o BNDES expandiu sua atuação e tem voltado sua atenção para novos desafios 6ª maior indústria automotiva

Leia mais

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco CNI-MEI São Paulo, 19 de outubro de 2015 Agenda Atuação da BNDESPAR em Capital de Risco Participações diretas Participações por meio de Fundos de

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

ENCONTRO ANUAL DO PAEX

ENCONTRO ANUAL DO PAEX ENCONTRO ANUAL DO PAEX Sustentabilidade Financeira para a Competitividade Prof. Haroldo Mota 2007 O CONFORTO DE CURTO PRAZO Empresa Acomodada Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 EBITDA 940 890 820 800 ( ) Var. NCG

Leia mais

Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador

Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador Rochester Gomes da Costa Chefe do Departamento de Empreendedorismo Inovador Area de Investimentos

Leia mais

Oferta Pública. Mercado de Capitais

Oferta Pública. Mercado de Capitais Oferta Pública Mercado de Capitais Oferta Pública Para ter suas ações negociadas na Bolsa, as empresas precisam abrir o capital. O primeiro procedimento para a empresa abrir o capital é entrar com o pedido

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Sumário 1. Capital Semente 2. O Projeto Criatec e o Fundo Criatec 1 3. O Fundo Criatec 2 6. Formação de Tese de Investimento Capital Semente Capital Semente Capital Semente Fases

Leia mais

Empreendedorismo Tecnológico. Kleber Ken Teraoka kleber@ujima.com.br

Empreendedorismo Tecnológico. Kleber Ken Teraoka kleber@ujima.com.br Empreendedorismo Tecnológico Kleber Ken Teraoka kleber@ujima.com.br 1 Startups - contexto 2 Empresa de Base Tecnológica (EBT) Produtos/Serviços de alto valor agregado Uso de tecnologia nos produtos ou

Leia mais

Fundo Criatec II. Press Release. 1 O Projeto CRIATEC do BNDES. 2 O Fundo CRIATEC I. 3 O Fundo Criatec II. Rio de Janeiro, 14 de novembro de 2013

Fundo Criatec II. Press Release. 1 O Projeto CRIATEC do BNDES. 2 O Fundo CRIATEC I. 3 O Fundo Criatec II. Rio de Janeiro, 14 de novembro de 2013 1 O Projeto CRIATEC do BNDES Fundo Criatec II Press Release Rio de Janeiro, 14 de novembro de 2013 Em Dezembro de 2006, a Diretoria do BNDES aprovou a criação do Programa CRIATEC, focado no apoio às empresas

Leia mais

Entendendo o Venture Capital

Entendendo o Venture Capital Semana Global de Empreendedorismo - ANPROTEC 21 de novembro de 2008 São Paulo, SP Entendendo o Venture Capital André Saito Vice-coordenador acadêmico, GVcepe GVcepe Primeiro centro de estudos em PE/VC

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil Glauco Arbix Somente a inovação será capaz de reverter o quadro de estagnação da economia brasileira,

Leia mais

Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos

Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos Marcos Cintra Subsecretário de Ciência e Tecnologia Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia Outubro/2013 Brasil 7ª

Leia mais

3a CONFERE NCIA DO CONSO RCIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS SOBRE INOVAC A O E EMPREENDEDORISMO Poli ticas e Recursos de Apoio ao Empreendedorismo Mesa 3:

3a CONFERE NCIA DO CONSO RCIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS SOBRE INOVAC A O E EMPREENDEDORISMO Poli ticas e Recursos de Apoio ao Empreendedorismo Mesa 3: 3a CONFERE NCIA DO CONSO RCIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS SOBRE INOVAC A O E EMPREENDEDORISMO Poli ticas e Recursos de Apoio ao Empreendedorismo Mesa 3: Startups:Funding and Financing /Investimento e Financiamento

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

BDMG. Linhas de financiamento para INOVAÇÃO

BDMG. Linhas de financiamento para INOVAÇÃO BDMG Linhas de financiamento para INOVAÇÃO Setembro/2015 Portfólio BDMG em Inovação Participação em fundos de investimento BDMG TEC Estruturação de parques tecnológicos Financiamentos a projetos inovadores

Leia mais

Principais Modelos de Negócios entre Startups e Grandes Empresas

Principais Modelos de Negócios entre Startups e Grandes Empresas Conexão entre Startups e Grandes Empresas Principais Modelos de Negócios entre Startups e Grandes Empresas Setembro 2015 NOSSA FIRMA ATUAMOS EM TRÊS ÁREAS Entregamos tudo o que uma empresa precisa para

Leia mais

REDETEC. Marcio Spata rea de Mercado de Capitais. Analista Área. Rio de Janeiro - Novembro/2007

REDETEC. Marcio Spata rea de Mercado de Capitais. Analista Área. Rio de Janeiro - Novembro/2007 REDETEC Analista Área Marcio Spata rea de Mercado de Capitais Rio de Janeiro - Novembro/2007 BNDES em NúmerosN Evolução dos Desembolsos (R$ bilhões) 47 52,3 37 35 40 31,2 18 19 18 23 25 7 10 1995 1997

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Departamento de Tecnologias da Informação e Serviços DTIS Área de

Leia mais

Tendências Dominantes na Apropriação de Tecnologias de Informação e Comunicação por Organizações Brasileiras. Raul Colcher raul.colcher@questera.

Tendências Dominantes na Apropriação de Tecnologias de Informação e Comunicação por Organizações Brasileiras. Raul Colcher raul.colcher@questera. Tendências Dominantes na Apropriação de Tecnologias de Informação e Comunicação por Organizações Brasileiras Raul Colcher raul.colcher@questera.com Fonte: ABES, 2013 Mercado Brasileiro de TI Os últimos

Leia mais

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 Um relatório para o Governo do Estado do Rio Grande Sul (AGDI) e

Leia mais

CRIATEC 3 PARA EMPREENDEDORES

CRIATEC 3 PARA EMPREENDEDORES Foto: Pedro Queiroz CRIATEC 3 PARA EMPREENDEDORES O que você, empreendedor, precisa saber e fazer para se candidatar a receber investimentos do Fundo. Cleiber Araújo, responsável técnico da InVitroCells,

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

SeminárioADI-2012. Inclusão financeira inovação para as MPE s

SeminárioADI-2012. Inclusão financeira inovação para as MPE s SeminárioADI-2012 Inclusão financeira inovação para as MPE s Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Barcelona Outubro 2012 1. Diagnóstico Não

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA

GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA Ms.Lucimara C. Toso Bertolini. Gerente PD&I OURO FINO AGRONEGÓCIOS DIVISÃO SAÚDE ANIMAL 1987: Nasce a Ouro Fino

Leia mais

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital Muitos empreendedores apontam como principal retardo para o crescimento das MPE s no Brasil a dificuldade em se obter financiamento, devido às exigências estabelecidas

Leia mais

Apresentação Fundo Criatec Conecta - SP

Apresentação Fundo Criatec Conecta - SP Apresentação Fundo Criatec Conecta - SP Junho 2008 O Grande Vale Onde precisamos melhorar Existe espaço para trabalhos na relação conhecimento/mercado gerando Existe espaço para trabalhos na relação conhecimento/mercado,

Leia mais

Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil

Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil Biominas Brasil tem 21 anos de experiência na criação e desenvolvimento de empresas de ciências da vida. A Biominas Brasil

Leia mais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006 Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais Carlos Alberto Rosa Coordenador de Participações 07/11/2006 FUNCEF Visão

Leia mais

Ajudar startups com boas tecnologias a chegarem ao mercado

Ajudar startups com boas tecnologias a chegarem ao mercado DESAFIO Ajudar startups com boas tecnologias a chegarem ao mercado Problema: Grande número de potenciais empreendedores com boas tecnológicas, porém: Sem perfil empreendedor; Com modelagem de negócio errada;

Leia mais

XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. Setembro de 2010

XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. Setembro de 2010 XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas Setembro de 2010 Agenda O BNDES Inovação Instrumentos de Apoio à Inovação Linhas Programas Fundos Produtos Criatec Cartão BNDES O

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 (Lei Paulista de Inovação)

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 (Lei Paulista de Inovação) LEI COMPLEMENTAR Nº 1.049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 (Lei Paulista de Inovação) Dante Martinelli Coordenador de Ciência, Tecnologia e Inovação da Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo A Lei

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

Fundo Criatec Setembro de 2012

Fundo Criatec Setembro de 2012 Fundo Criatec Setembro de 2012 O Grande Vale Onde precisamos melhorar Existe espaço para trabalhos na relação conhecimento/mercado, gerando oportunidades de negócios. Availability of capital Core activities

Leia mais

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Rochester Gomes da Costa Departamento de Capital Semente 29 de outubro

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação. Daniel Bio SAP Brasil

Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação. Daniel Bio SAP Brasil Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação Daniel Bio SAP Brasil Atuação e presença em +120 países, 37 idiomas Cerca de 54.000 funcionários 7 Centros Globais de Suporte, oferecendo

Leia mais

Brasil 2011: o momento certo para promover a inovação. Antonio Carlos Valente Presidente do Grupo Telefonica no Brasil Maio, 2011

Brasil 2011: o momento certo para promover a inovação. Antonio Carlos Valente Presidente do Grupo Telefonica no Brasil Maio, 2011 Brasil 2011: o momento certo para promover a inovação Antonio Carlos Valente Presidente do Grupo Telefonica no Brasil Maio, 2011 Agenda 01 O momento certo para promover a inovação tecnológica no Brasil

Leia mais

Bem-Vindos NAGI P&G Campinas

Bem-Vindos NAGI P&G Campinas Bem-Vindos NAGI P&G Campinas Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação da Cadeia de Petróleo e Gás do Estado de São Paulo 2013-2014 Edital Pro-Inova FINEP/2010 Há oportunidades para participação de empresas

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º Workshop Platec E&P Onshore Sondeas de Perfuração Onshore Equipamentos

Leia mais

Disclaimer. Advertências

Disclaimer. Advertências Disclaimer Advertências O investimento em ativos financeiros envolve riscos sobre os quais o investidor deve buscar informar-se lendo a documentação obrigatória referente a cada ativo. Fundos de investimento

Leia mais

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES Área de Mercado de Capitais BNDES Desenvolvendo a Governança Corporativa Eduardo Rath Fingerl Diretor 02/06/2006 www.bndes.gov.br 1 de 23 Atuação

Leia mais

História da tecnologia em São José dos Campos. Cbers. 1ª Exportação. Sistema Astros. Programa Bandeirante. Embraer 170/190

História da tecnologia em São José dos Campos. Cbers. 1ª Exportação. Sistema Astros. Programa Bandeirante. Embraer 170/190 São José dos Campos São Paulo Brasil, Junho de 2015 História da tecnologia em São José dos Campos 1947 1950 1961 1965 1969 1971 1975 1ª Exportação 1999 Cbers Sistema Astros Programa Bandeirante Embraer

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Abrangência do Programa de Expansão do ITA

Abrangência do Programa de Expansão do ITA Abrangência do Programa de Expansão do ITA Programa de Expansão do ITA EDUCAÇÃO (Ensino e Pesquisa) INOVAÇÃO (P,D & I) Projetos Cooperações ITA Projeto Cooperações Infraestrutura 5 IFES Centro de Inovação

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais A Importância do Entendimento na elaboração das diretrizes Estratégicas do Negócio Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org):

Leia mais

Capital de Risco no Brasil Atritos e Convergências

Capital de Risco no Brasil Atritos e Convergências Capital de Risco no Brasil Atritos e Convergências Palavras-chave: Capital de risco, Finep, Fórum Brasil Capital de Risco, empresas de base tecnológica, inovação, investidores, fundos de investimento,

Leia mais

Resultados 3T14_. Relações com Investidores Telefônica Brasil S.A. Novembro de 2014.

Resultados 3T14_. Relações com Investidores Telefônica Brasil S.A. Novembro de 2014. Resultados 3T14_ Novembro de 2014. Disclaimer Esta apresentação pode conter declarações baseadas em estimativas a respeito dos prospectos e objetivos futuros de crescimento da base de assinantes, um detalhamento

Leia mais

A TRINITY INVESTIMENTOS assessora investidores individuais, institucionais e corporativos na prospecção, identificação, qualificação e condução de

A TRINITY INVESTIMENTOS assessora investidores individuais, institucionais e corporativos na prospecção, identificação, qualificação e condução de FATO RELEVANTE Do ponto de vista da Teoria de Finanças, as oportunidades de investimento em PE/VC permitem que o mercado se torne mais completo, melhorando a relação risco/retorno, alterando a fronteira

Leia mais

Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades

Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades Glaucius Oliva Presidente CNPq Jorge Almeida Guimãrães Presidente da CAPES Brasil em 1950 Pouquíssimos cientistas e pesquisadores Falta de ambiente de pesquisa

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

Ecossistemas Regionais de Empreendedorismo de Alto Impacto Milton Mori Diretor Executivo da Inova milton.mori@inova.unicamp.br

Ecossistemas Regionais de Empreendedorismo de Alto Impacto Milton Mori Diretor Executivo da Inova milton.mori@inova.unicamp.br Ecossistemas Regionais de Empreendedorismo de Alto Impacto Milton Mori Diretor Executivo da Inova milton.mori@inova.unicamp.br Patrícia Leal Gestic Diretora de Propriedade Intelectual da Inova patricia.leal@inova.unicamp.br

Leia mais

MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA

MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA Programa Estratégico de SOFTWARE E SERVIÇOS de TI 1. PANORAMA DO MERCADO 2. COMPARATIVOS INTERNACIONAIS 3. VISÃO DA POLÍTICA 4. PRINCIPAIS MEDIDAS E PROGRAMAS MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER

Leia mais

ponto Frio Ponto Frio (GLOB3 e GLOB4) faz parte do Grupo Pão de Açúcar desde 2009. Saiba qual é o futuro da empresa e se suas ações podem se valorizar

ponto Frio Ponto Frio (GLOB3 e GLOB4) faz parte do Grupo Pão de Açúcar desde 2009. Saiba qual é o futuro da empresa e se suas ações podem se valorizar pág. 08 DOUGLAS DUEK COMO AS EMPRESAS PODEM CHEGAR À BOLSA? pág. 12 TRENDS O QUE PODE ATRAPALHAR A BOLSA EM 2011 A REVISTA DO INVESTIDOR NA BOLSA ANO 3 MAR 11 #36 R$ 12,00 9 771982 835003 0 3 0 3 6 EXEMPLAR

Leia mais

NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS. Parceiros para a Inovação; Linhas de Financiamento e Incentivos à Inovação

NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS. Parceiros para a Inovação; Linhas de Financiamento e Incentivos à Inovação NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS Parceiros para a Inovação; Linhas de Financiamento e Incentivos à Inovação Sumário Crescimento de empresas Financiamento e crescimento

Leia mais

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação.

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação. A Finep -A FINEP Agência Brasileira da Inovação -é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. -Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

Promovendo a parceria Universidade/Indústria: O caso da Universidade de São Paulo

Promovendo a parceria Universidade/Indústria: O caso da Universidade de São Paulo Promovendo a parceria Universidade/Indústria: O caso da Universidade de São Paulo Prof. Oswaldo Massambani Agência USP de Inovação 2/2005-9/2010 `Inovação como a efetiva alavanca para o desenvolvimento

Leia mais

U S P I n o v a ç ã o

U S P I n o v a ç ã o O contexto Nacional e Estadual em prol da Inovação Autonomia Universitária 3º. 4º. 5º. 24º. 25º. 7º. 8º. 9º. 10º. 23º. 21º. 22º. 1º. 2º. 11º. 12º. 13º. 14º. 15º. 16º. 17º. 18º. 19º. 20º. A USP nesse contexto

Leia mais

Edital CECOMPI PI 005/2015 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos

Edital CECOMPI PI 005/2015 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos Edital CECOMPI PI 005/2015 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos O Centro para a Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista- CECOMPI, na qualidade de entidade gestora do Programa

Leia mais

Locamerica 20 anos. Você espera o melhor. A gente faz. Dezembro / 2013

Locamerica 20 anos. Você espera o melhor. A gente faz. Dezembro / 2013 Locamerica 20 anos Você espera o melhor. A gente faz. Dezembro / 2013 SEÇÃO 1 Visão Geral da Companhia História de Empreendedorismo e Crescimento Uma história de sucesso, crescimento e rentabilidade 2012

Leia mais

Financiamento da Infraestrutura Nacional Banco de do Transportes

Financiamento da Infraestrutura Nacional Banco de do Transportes Unidade Serviços em Infraestrutura Apresentação para o Conselho Diretor 12.05.2015 Financiamento da Infraestrutura Nacional Banco de do Transportes Brasil Outubro/2015 1 Dentre 140 países, o Brasil é o

Leia mais

Encontrando o Investidor Certo para seu Negócio Reprodução permitida desde que citada fonte e link para site www.anjosdobrasil.net

Encontrando o Investidor Certo para seu Negócio Reprodução permitida desde que citada fonte e link para site www.anjosdobrasil.net Encontrando o Investidor Certo para seu Negócio Reprodução permitida desde que citada fonte e link para site www.anjosdobrasil.net Reprodução permitida desde que citada fonte e link para site www.anjosdobrasil.net

Leia mais

Reunião APIMEC 2013. São Paulo, 19 de dezembro de 2013

Reunião APIMEC 2013. São Paulo, 19 de dezembro de 2013 Reunião São Paulo, 19 de dezembro de Importante O presente material tem caráter somente informacional. Não constitui uma oferta ou solicitação de investimento em qualquer fundo aqui mencionado ou quaisquer

Leia mais

XXXII JORNADAS DE SADAF

XXXII JORNADAS DE SADAF Logo evento XXXII JORNADAS DE SADAF Financiamento de Empresas de Base Tecnológica O caso de start-ups Córdoba - Argentina 20/09/2012 Prof. Francisco Vidal Barbosa PhD Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

Pesquisa de Private Equity na América Latina

Pesquisa de Private Equity na América Latina Pesquisa de Private Equity na América Latina 1 UMA PERSPECTIVA ÚNICA SOBRE OS DESAFIOS E OPORTUNIDADES QUE ENCONTRAM OS INVESTIDORES EM PRIVATE EQUITY NA AMÉRICA LATINA Coller Capital/LAVCA Pesquisa de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO Página 1 de 18 ÍNDICE DA PROPOSTA Apresentação da Empresa... 3 Apresentação dos serviços da Oficina da Inovação... 6 Consultoria... 6 Capacitação...

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

Bem Vindos NAGI P&G MOGI DAS CRUZES

Bem Vindos NAGI P&G MOGI DAS CRUZES Bem Vindos NAGI P&G MOGI DAS CRUZES Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação da Cadeia de Petróleo e Gás do Estado de São Paulo 2013-2014 Edital Pro-Inova FINEP/2010 SETOR DE PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL TIPOS

Leia mais

METODOLOGIA INCUBAÇÃO

METODOLOGIA INCUBAÇÃO METODOLOGIA INCUBAÇÃO Incubadora Santos Dumont Programa de Desenvolvimento de Negócios Fundação Parque Tecnológico Itaipu - BR Versão 1/10-Mar-2014 ESTRUTURA 1. Apresentação 2. Estrutura básica do processo

Leia mais

Inovação Tecnológica para Defesa Agropecuária Situação Atual e Propostas para a Indução de Melhorias Através da Inovação Tecnológica

Inovação Tecnológica para Defesa Agropecuária Situação Atual e Propostas para a Indução de Melhorias Através da Inovação Tecnológica Inovação Tecnológica para Defesa Agropecuária Situação Atual e Propostas para a Indução de Melhorias Através da Inovação Tecnológica E V A L D O F E R R E I R A V I L E L A E V A L D O V I L E L A @ G

Leia mais

PROGRAMA INOVACRED /FINEP. Empresas com receita bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, divididas nos seguintes portes:

PROGRAMA INOVACRED /FINEP. Empresas com receita bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, divididas nos seguintes portes: PROGRAMA INOVACRED /FINEP Classificação do porte das empresas Empresas com receita bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, divididas nos seguintes portes: Porte I empresas com receita operacional

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos

Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos Edital CECOMPI PI-004/2014 Programa de Incubadoras do Município de São José dos Campos O Centro para a Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista- CECOMPI, na qualidade de entidade gestora do Programa

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda Tecnológica Setorial ATS 18 de junho de 2013 Sumário PBM e CIS Objetivo da ATS Focos das ATS Roteiro Metodologia para Seleção

Leia mais

2005 Corretora em Nova York. Diversificação do portfólio. 2007 Expansão em Investment Bank, Consignado e Cartões. Estrutura acionária 3

2005 Corretora em Nova York. Diversificação do portfólio. 2007 Expansão em Investment Bank, Consignado e Cartões. Estrutura acionária 3 VISÃO GERAL - 2T5 Histórico 99 Início das operações como banco múltiplo 2002 Agência em Nassau 2005 Corretora em Nova York 2009 Início da parceria estratégica com o Banco do Brasil 205 BV Promotora (Consignado

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA ENCONIT BIOTEC

ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA ENCONIT BIOTEC ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA ENCONIT BIOTEC Julho 2009 Agenda O Fundo Criatec Robert E. Binder - Criatec 2 O Fundo Constituição Edital Público do BNDES: Janeiro de 2007 Autorização CVM: 16

Leia mais

INOVAÇÃO EM SOFTWARE e SERVIÇOS de TI. 1. Agenda TI Maior 2. Start-Up Brasil 3. Inovação

INOVAÇÃO EM SOFTWARE e SERVIÇOS de TI. 1. Agenda TI Maior 2. Start-Up Brasil 3. Inovação INOVAÇÃO EM SOFTWARE e SERVIÇOS de TI 1. Agenda TI Maior 2. Start-Up Brasil 3. Inovação Prof. José Henrique Dieguez Barreiro Secretaria de Política de Informática Chefe da Divisão de Inovação em Software

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO MISSÃO Ser um instrumento de Desenvolvimento Econômico Sustentável do Estado de São Paulo. OBJETIVOS DA SD Elaborar e implantar políticas públicas para o desenvolvimento econômico

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Novembro 2009

SUMÁRIO EXECUTIVO. Novembro 2009 SUMÁRIO EXECUTIVO Novembro 2009 1 Introdução A Biomm se dedica ao desenvolvimento de processos de produção baseados na biotecnologia, área em que a sua equipe foi pioneira no Brasil desde os anos 1970.

Leia mais

Fórum Nacional do CONFAP. Avaliação do Cenário de C, T & I no Brasil

Fórum Nacional do CONFAP. Avaliação do Cenário de C, T & I no Brasil Fórum Nacional do CONFAP Avaliação do Cenário de C, T & I no Brasil São Paulo, 27 de agosto de 2015 Alavancar os investimentos empresariais em P&D para alcançar o total de 1,5% do PIB em P&D. Em 10

Leia mais

Empreendedorismo inovador O caminho do sucesso

Empreendedorismo inovador O caminho do sucesso Empreendedorismo inovador O caminho do sucesso Agende Guarulhos, 1 de Dezembro Michel Brunet INOVA TOOLS O Plano ❶O O modelo da fileira da Inovação 5 min ❷Os atores da fileira da Inovação 15 min ❸ A criação

Leia mais

BRASIL: Gigante de TI rumo ao mercado global

BRASIL: Gigante de TI rumo ao mercado global BRASIL: Gigante de TI rumo ao mercado global TENDÊNCIAS GLOBAIS DO SETOR DE TI-BPO 2 Empregos no Setor Milhões de Pessoas Ocupadas (1) Vendas do Setor Gasto em TIC no Brasil - USD Bi, 2008 (2) 11.7 100.3

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Agência de Inovação Inova Unicamp

Agência de Inovação Inova Unicamp Agência de Inovação Inova Unicamp Professor Milton Mori Diretor-executivo da Inova Unicamp milton.mori@inova.unicamp.br 1º de setembro de 2015 Inova Unicamp: a origem Anterior à Lei de Inovação (2004),

Leia mais

Título: Financiamento de Capital Empreendedor para ENBTs: O Caso das Empresas Incubadas na Incamp

Título: Financiamento de Capital Empreendedor para ENBTs: O Caso das Empresas Incubadas na Incamp Código: 488 Título: Financiamento de Capital Empreendedor para ENBTs: O Caso das Empresas Incubadas na Incamp Tema: Los instrumentos de inversión como herramientas para el desarrollo de las empresas innovadoras

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA

Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA Gestão Pública: Plano Palhoça 2030 Prefeito Municipal de Palhoça Comitê Executivo de Acompanhamento e Implantação Avaliação de Desempenho

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Fevereiro de 2015 Os indicadores demonstram as dificuldades que as empresas de BK vêm encontrando... 2 3 Em um cenário adverso no

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Av. Paulista -SP Eco s Natureza Clube- SP UP Residence Macaé (RJ) Porto Pinheiros- SP Terraço Empresarial Jd Sul - SP Set Cabral -Curitiba Connect Campos de Goytacazes(RJ) In

Leia mais

Agência de Inovação Inova Unicamp. Professor Milton Mori Diretor-executivo da Inova Unicamp milton.mori@inova.unicamp.br

Agência de Inovação Inova Unicamp. Professor Milton Mori Diretor-executivo da Inova Unicamp milton.mori@inova.unicamp.br Agência de Inovação Inova Unicamp Professor Milton Mori Diretor-executivo da Inova Unicamp milton.mori@inova.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas Unicamp Fundada em 1966 A Unicamp é composta por

Leia mais

A inovação na perspectiva de uma. Thais Guaratini

A inovação na perspectiva de uma. Thais Guaratini A inovação na perspectiva de uma microempresa de base tecnológica Thais Guaratini Micro-empresa de base tecnológica, cuja missão é o desenvolvimento de produtos inovadores e de qualidade para a indústria

Leia mais

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 1 I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 2 Crédito ainda em Expansão, mas Desacelerando 30,7% Crescimento do Crédito 15,1% 20,6% 18,8% 16,4% 14,7% 11,7% 2008

Leia mais

PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA

PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA ODESENVOLVIMENTOREGIONAL FÓRUMNACIONALCONSECTI PALMAS 31.03.2011 O modelo para promoção do empreendedorismo (inovador) em apoio ao desenvolvimento

Leia mais