Fundo Criatec Setembro de 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundo Criatec Setembro de 2012"

Transcrição

1 Fundo Criatec Setembro de 2012

2 O Grande Vale Onde precisamos melhorar Existe espaço para trabalhos na relação conhecimento/mercado, gerando oportunidades de negócios.

3 Availability of capital Core activities Basic research, technology and inventions Prototyping, demonstrators and market analyses Market testing and first sales Fully market entry and growth»valley of Death«Key actors and investors Government Industrial firms and start-up investors Venture capital Loans and private equity investors

4 Capital de Risco O que é o Capital de Risco? Capital de Risco ou Venture Capital é uma modalidade de investimento na qual um empreendedor cede parte das ações da empresa a um investidor que aporta recursos e auxilia na gestão e no desenvolvimento do negócio. A valorização da empresa, e a possível venda das ações, determinará se o investidor terá ou não lucro.

5 Fundo Criatec Dados relevantes Cotistas: Constituído à partir de Edital Público: R$ 100 milhões Em operação desde novembro de 2007 Período de Investimento: 4 anos Período de Desinvestimento: 6 anos (total de 10 anos) Meta de Investimento: 50 (36) empresas Faixa de Investimento por empresa: até 1,5 milhão (máximo de R$ 5 milhões) Gestor: Criatec é o maior fundo de investimentos em empresas emergentes da América Latina Criatec investe em empresas start-up inovadoras e com elevado potencial de retorno

6 Fundo Criatec Pólos Regionais abrangência nacional Fortaleza Belém Recife Salvador Belo Horizonte Nanotecnologia & Novos materiais Agronegócios IT & Componentes eletrônicos Biotecnologia Energia Campinas Florianópolis Rio de Janeiro Abrangência nacional através de 8 regionais

7 O Fundo Estrutura de Gestão e Apoio Gestão de Risco Assembléia Geral de Quotistas Advocacia Contabilidade Head hunting Angel Investors Comitê de Investimento Fundo CRIATEC Gestor Nacional Administrador Custodiante Auditores Independentes Auditoria Gestores Regionais Propriedade Intelectual PMEs Projetos O Criatec contém todos os elementos de governança, adaptados a realidade das empresas nascentes inovadoras

8 O Fundo Visão: Agente de desenvolvimento A Visão de que é possível... Disseminar a cultura do empreendedorismo e inovação Desenvolver tecnologias estratégicas para o Brasil Desenvolver socialmente novas regiões Gerar uma nova cultura de investimentos Obter retorno financeiro Mais que o retorno financeiro, vislumbramos com o Criatec uma oportunidade para desenvolvimento do País.

9 Fases do processo Prospecção Análise Negociação E Investimen to Aceleraç ão Desinves -timento O processo do Criatec é composto de 5 fases

10 Política de investimentos Fases de investimento Faturamento máximo de R$ 6 mi/ano Idéia/Pesquisa/ Fase lab. terminada Protótipo / Empresa Nascente Produto no mercado Mercado e produto consolidado Mercado em crescim. sustentável Pesquisa finalizada Prova de Conceito Decolag em Expan são Saída Uma oportunidade pode ser submetida mesmo que não tenha sido criada uma empresa. Nesse caso, se ela for aprovada, a empresa S.A. precisará ser constituída Foco Criatec Não-foco Criatec X Momentos de investimento O Criatec investirá ao final das fases acima, para viabilizar as fases seguintes (Prova de Conceito, Decolagem e Expansão, respectivamente)

11 Política de investimentos Critérios de seleção Critérios TECNOLOGIA grande diferencial tecnológico e/ou competitivo com relação aos concorrentes MERCADO solução de um problema de mercado claro e economicamente relevante EQUIPE equipe empreendedora de alto nível (técnico, gerencial e inter-pessoal) RESULTADO FINANCEIRO possibilidade de margens significativas NECESSIDADE DE CAPITAL empresas que necessitem de menos de R$ 10 mi para alcançar forte expansão DESINVESTIME NTO Identificação de possíveis candidatos a compra da participação adquirida pelo fundo no futuro

12 Os diferenciais do Criatec Para as investidas: muito além dos recursos conhecimento da realidade e desafios do ambiente de criação de empresas de base tecnológica foco no capital semente, consciente dos riscos que isto significa apoio mão na massa na gestão das investidas Equipe, Estrutura, Desenvolvimento e Vendas Apoio e Acompanhamento próximo (Gestor Regional) Disseminação das melhores práticas Atração e promoção de oportunidades de negócio Preparação da empresa para o desinvestimento Projeção do Fluxo de Caixa Cenário de Expansão do Negócio Novos aportes (Capital de Risco) e/ou Investidores Estratégicos O objetivo é levar a investida a um estágio superior de faturamento e expansão

13 Os diferenciais do Criatec Para a localidade: conhecimento e desenvolvimento Estrutura em rede Constante troca de conhecimento e de melhores práticas Capacitação em: Seminários periódicos de melhores práticas Empreenderismo de base tecnológica (EMBATE) Capital semente Cultura de angel investing Geração de casos de sucesso: inspiração para uma nova cultura Assessoramento jurídico, empresarial, contábil, de recursos humanos, provido pelo gestor nacional. Difusão do conhecimento Intercâmbio de relacionamentos Nossa proposta é difundir conhecimento de forma organizada para as regionais, além de construir e compartilhar experiências por toda Rede Criatec

14 Invested by Managed by: Started: Fund Tenor: Committ ed Capital: Investm ent per company : Antera e Inseed November/07 10 years R$ 100 million up to R$ 5 million (1 st round: up to R$ 1,5 million 1700 proposals 48 Companie s presented to Committee 42 Compani es approved

15 The Criatec fund is a success story Sector / Solution IT / Electron ics Agribusiness Healthcare Energy Financia l Sector Media / Entertainm ent Multi- Sectorial Biotechnolog y Robotic Medical Systems Nuclear Medicine New Materials Nanotechnol ogy Chemistry Software Microelectro nics Systems (H+S)

16 Muito obrigado! Reinaldo de Almeida Coelho

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Sumário 1. Capital Semente 2. O Projeto Criatec e o Fundo Criatec 1 3. O Fundo Criatec 2 6. Formação de Tese de Investimento Capital Semente Capital Semente Capital Semente Fases

Leia mais

REDETEC. Marcio Spata rea de Mercado de Capitais. Analista Área. Rio de Janeiro - Novembro/2007

REDETEC. Marcio Spata rea de Mercado de Capitais. Analista Área. Rio de Janeiro - Novembro/2007 REDETEC Analista Área Marcio Spata rea de Mercado de Capitais Rio de Janeiro - Novembro/2007 BNDES em NúmerosN Evolução dos Desembolsos (R$ bilhões) 47 52,3 37 35 40 31,2 18 19 18 23 25 7 10 1995 1997

Leia mais

Encontrando o Investidor Certo para seu Negócio Reprodução permitida desde que citada fonte e link para site www.anjosdobrasil.net

Encontrando o Investidor Certo para seu Negócio Reprodução permitida desde que citada fonte e link para site www.anjosdobrasil.net Encontrando o Investidor Certo para seu Negócio Reprodução permitida desde que citada fonte e link para site www.anjosdobrasil.net Reprodução permitida desde que citada fonte e link para site www.anjosdobrasil.net

Leia mais

Fundo Criatec II. Press Release. 1 O Projeto CRIATEC do BNDES. 2 O Fundo CRIATEC I. 3 O Fundo Criatec II. Rio de Janeiro, 14 de novembro de 2013

Fundo Criatec II. Press Release. 1 O Projeto CRIATEC do BNDES. 2 O Fundo CRIATEC I. 3 O Fundo Criatec II. Rio de Janeiro, 14 de novembro de 2013 1 O Projeto CRIATEC do BNDES Fundo Criatec II Press Release Rio de Janeiro, 14 de novembro de 2013 Em Dezembro de 2006, a Diretoria do BNDES aprovou a criação do Programa CRIATEC, focado no apoio às empresas

Leia mais

Apresentação Fundo Criatec Conecta - SP

Apresentação Fundo Criatec Conecta - SP Apresentação Fundo Criatec Conecta - SP Junho 2008 O Grande Vale Onde precisamos melhorar Existe espaço para trabalhos na relação conhecimento/mercado gerando Existe espaço para trabalhos na relação conhecimento/mercado,

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

O Investimento Anjo Pode Fazer a Diferença para o Empreendedorismo Inovador Brasileiro!

O Investimento Anjo Pode Fazer a Diferença para o Empreendedorismo Inovador Brasileiro! O Investimento Anjo Pode Fazer a Diferença para o Empreendedorismo Inovador Brasileiro! Reprodução permitida desde que citada fonte e link para site www.anjosdobrasil.net Afinal, o que é um Anjo?...É importante

Leia mais

Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador

Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador Rochester Gomes da Costa Chefe do Departamento de Empreendedorismo Inovador Area de Investimentos

Leia mais

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 10ª CHAMADA DE FUNDOS

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 10ª CHAMADA DE FUNDOS FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 10ª CHAMADA DE FUNDOS 1. OBJETO A Financiadora de Estudos e Projetos, na qualidade de Secretaria Executiva da Incubadora de Fundos

Leia mais

Jump$tarting Empresas Inovadoras

Jump$tarting Empresas Inovadoras Reprodução permitida desde que citada fonte e link para site www.anjosdobrasil.net Cassio Spina Jump$tarting Empresas Inovadoras Reprodução permitida desde que citada fonte e link para site www.anjosdobrasil.net

Leia mais

XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. Setembro de 2010

XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. Setembro de 2010 XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas Setembro de 2010 Agenda O BNDES Inovação Instrumentos de Apoio à Inovação Linhas Programas Fundos Produtos Criatec Cartão BNDES O

Leia mais

SeminárioADI-2012. Inclusão financeira inovação para as MPE s

SeminárioADI-2012. Inclusão financeira inovação para as MPE s SeminárioADI-2012 Inclusão financeira inovação para as MPE s Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Barcelona Outubro 2012 1. Diagnóstico Não

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA ENCONIT BIOTEC

ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA ENCONIT BIOTEC ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA ENCONIT BIOTEC Julho 2009 Agenda O Fundo Criatec Robert E. Binder - Criatec 2 O Fundo Constituição Edital Público do BNDES: Janeiro de 2007 Autorização CVM: 16

Leia mais

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 9ª CHAMADA DE FUNDOS

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 9ª CHAMADA DE FUNDOS FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 9ª CHAMADA DE FUNDOS 1. OBJETO A Financiadora de Estudos e Projetos, na qualidade de Secretaria Executiva da Incubadora de s INOVAR,

Leia mais

Criatec 2. Fernando Wagner da Silva. Acelerando o Crescimento das Empresas. Partner na Bozano Investimentos

Criatec 2. Fernando Wagner da Silva. Acelerando o Crescimento das Empresas. Partner na Bozano Investimentos Criatec 2 Acelerando o Crescimento das Empresas Fernando Wagner da Silva Partner na Bozano Investimentos Sumário 1. Bozano Investimentos 2. Triaxis Capital 3. O Projeto Criatec e o Fundo Criatec 1 4. O

Leia mais

Fundo de Inovação Paulista. Apresentação Geral

Fundo de Inovação Paulista. Apresentação Geral Fundo de Inovação Paulista Apresentação Geral O que fazemos Fundo de Venture Capital focado em inovação no Estado de São Paulo Nós investimos em segmentos não-tradicionais Menor competição por negócios

Leia mais

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco CNI-MEI São Paulo, 19 de outubro de 2015 Agenda Atuação da BNDESPAR em Capital de Risco Participações diretas Participações por meio de Fundos de

Leia mais

Entendendo o Venture Capital

Entendendo o Venture Capital Semana Global de Empreendedorismo - ANPROTEC 21 de novembro de 2008 São Paulo, SP Entendendo o Venture Capital André Saito Vice-coordenador acadêmico, GVcepe GVcepe Primeiro centro de estudos em PE/VC

Leia mais

Apoio à Inovação. Luciana Capanema Gerente de Inovação

Apoio à Inovação. Luciana Capanema Gerente de Inovação Apoio à Inovação Luciana Capanema Gerente de Inovação Apoio à Inovação http://www.bndes.gov.br O objetivo do BNDES é fomentar e apoiar operações associadas à formação de capacitações e ao desenvolvimento

Leia mais

Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais

Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais 1ª Conferência Brasileira sobre Arranjos Produtivos Locais Carlos Roberto Rocha Cavalcante Superintendente 2004 Histórico de Atuação do IEL 1969 -

Leia mais

3a CONFERE NCIA DO CONSO RCIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS SOBRE INOVAC A O E EMPREENDEDORISMO Poli ticas e Recursos de Apoio ao Empreendedorismo Mesa 3:

3a CONFERE NCIA DO CONSO RCIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS SOBRE INOVAC A O E EMPREENDEDORISMO Poli ticas e Recursos de Apoio ao Empreendedorismo Mesa 3: 3a CONFERE NCIA DO CONSO RCIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS SOBRE INOVAC A O E EMPREENDEDORISMO Poli ticas e Recursos de Apoio ao Empreendedorismo Mesa 3: Startups:Funding and Financing /Investimento e Financiamento

Leia mais

O BNDES E A INOVAÇÃO

O BNDES E A INOVAÇÃO O BNDES E A INOVAÇÃO LUCIANO COUTINHO PRESIDENTE DO BNDES FÓRUM NACIONAL - INAE 17 de Maio de 2007 1 Onde Estamos A indústria de transformação precisa voltar a funcionar como motor propulsor da economia

Leia mais

Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013

Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013 Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013 Parte 1: Objetivos, instrumentos de apoio e quem pode participar Geral 1.1 Qual o objetivo

Leia mais

PALESTRA O DESENVOLVIMENTO DO ECOSSISTEMA DE FINANÇAS SOCIAIS NO MUNDO: DA CONCEITUAÇÃO À EXPERIÊNCIA PRÁTICA

PALESTRA O DESENVOLVIMENTO DO ECOSSISTEMA DE FINANÇAS SOCIAIS NO MUNDO: DA CONCEITUAÇÃO À EXPERIÊNCIA PRÁTICA Social Entrepreneurship Initiative Fórum Brasileiro de Finanças Sociais e Negócios de Impacto PALESTRA O DESENVOLVIMENTO DO ECOSSISTEMA DE FINANÇAS SOCIAIS NO MUNDO: DA CONCEITUAÇÃO À EXPERIÊNCIA PRÁTICA

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Empreendedorismo Tecnológico. Kleber Ken Teraoka kleber@ujima.com.br

Empreendedorismo Tecnológico. Kleber Ken Teraoka kleber@ujima.com.br Empreendedorismo Tecnológico Kleber Ken Teraoka kleber@ujima.com.br 1 Startups - contexto 2 Empresa de Base Tecnológica (EBT) Produtos/Serviços de alto valor agregado Uso de tecnologia nos produtos ou

Leia mais

ATHIS PROMOVENDO A PESQUISA, O DESENVOLVIMENTO, A INOVAÇÃO E O CRESCIMENTO

ATHIS PROMOVENDO A PESQUISA, O DESENVOLVIMENTO, A INOVAÇÃO E O CRESCIMENTO ATHIS PROMOVENDO A PESQUISA, O DESENVOLVIMENTO, A INOVAÇÃO E O CRESCIMENTO Nós acreditamos no senvolvimento e na riqueza uma nação pela capacida das pessoas e empresas competir pela criativida, traduzida

Leia mais

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação da Finep São Paulo, 28/04/2009 O desenvolvimento das economias modernas demonstra o papel fundamental que, nesse processo, compete

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

Missão da FINEP inovação e a pesquisa científica e tecnológica mobilizando recursos financeiros integrando instrumentos

Missão da FINEP inovação e a pesquisa científica e tecnológica mobilizando recursos financeiros integrando instrumentos Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, institutos tecnológicos, centros de pesquisa e outras instituições públicas ou privadas,

Leia mais

BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável. 21 de fevereiro de 2014

BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável. 21 de fevereiro de 2014 BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável 21 de fevereiro de 2014 Em seus 60 anos, o BNDES expandiu sua atuação e tem voltado sua atenção para novos desafios 6ª maior indústria automotiva

Leia mais

Rumos do Desenvolvimento: Estratégia Empresarial, Inovação e Visão sobre Intangíveis

Rumos do Desenvolvimento: Estratégia Empresarial, Inovação e Visão sobre Intangíveis Rumos do Desenvolvimento: Estratégia Empresarial, Inovação e Visão sobre Intangíveis Seminário FIRJAN / COPPE "Inteligência Estratégica: modismo ou imperativo? 22/08/08 Helena Tenório Veiga de Almeida

Leia mais

Recursos Próprios. Amigos e Familiares

Recursos Próprios. Amigos e Familiares Recursos Próprios Chamado de booststrapping, geralmente é a primeira fonte de capital utilizada pelos empreendedores. São recursos sem custos financeiros. O empreendedor tem total autonomia na tomada de

Leia mais

Apoio do BNDES à Inovação

Apoio do BNDES à Inovação Atribuição-Sem Derivações-Sem Derivados CC BY-NC-SA Apoio do BNDES à Inovação 28 de Abril de 2015 Missão e Visão Missão Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira, com

Leia mais

LET-In Laboratório de Empresas Tecnológicas. José Carlos Caldeira. 28 Fev 2008. Director jcc@inescporto.pt

LET-In Laboratório de Empresas Tecnológicas. José Carlos Caldeira. 28 Fev 2008. Director jcc@inescporto.pt 28 Fev 2008 LET-In Laboratório de Empresas Tecnológicas Campus da FEUP Rua Dr. Roberto Frias, 378 4200-465 Porto Portugal T +351 222 094 000 F +351 222 094 000 www@inescporto.pt www.inescporto.pt José

Leia mais

ENCONTRO ANUAL DO PAEX

ENCONTRO ANUAL DO PAEX ENCONTRO ANUAL DO PAEX Sustentabilidade Financeira para a Competitividade Prof. Haroldo Mota 2007 O CONFORTO DE CURTO PRAZO Empresa Acomodada Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 EBITDA 940 890 820 800 ( ) Var. NCG

Leia mais

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 4ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 4ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 4ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE 1. OBJETO A Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), o Banco de Desenvolvimento

Leia mais

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Núcleo de Capital Inovador Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Anápolis cenário atual Segunda maior cidade do estado, com mais de 335 mil habitantes; 4,7 bilhões de reais de produto interno bruto,

Leia mais

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 Quem disse que nada é impossível? Tem gente que faz isso todos os dias!. Alfred E. Newman O Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE EMPREENDEDORISMO DE IMPACTO EDITAL 2015 LIBRIA

PROCESSO DE SELEÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE EMPREENDEDORISMO DE IMPACTO EDITAL 2015 LIBRIA 1) - APRESENTAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE EMPREENDEDORISMO DE IMPACTO EDITAL 2015 LIBRIA A Aceleradora Libria torna pública a abertura das inscrições para seleção de projetos

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO 15ª EDIÇÃO REGULAMENTO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO 15ª EDIÇÃO REGULAMENTO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO 15ª EDIÇÃO REGULAMENTO 1. Objetivo O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, instituições sem fins lucrativos

Leia mais

Desenvolvimento de Mercado

Desenvolvimento de Mercado Desenvolvimento de Mercado DESENVOLVIMENTO DE MERCADO Frente aos importantes temas abordados pelo Fórum Temático de Desenvolvimento de Mercado, da Agenda 2020, destaca-se o seu objetivo principal de fomentar

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 6ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 6ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 6ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE 1. OBJETO A Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), na qualidade de

Leia mais

Apoio à Inovação. Desenvolve SP 11 de novembro de 2014

Apoio à Inovação. Desenvolve SP 11 de novembro de 2014 Apoio à Inovação Desenvolve SP 11 de novembro de 2014 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte de crédito de longo prazo para investimento

Leia mais

Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas

Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas O que é o BID Organismo multilateral de desenvolvimento que tem como propósito financiar projetos viáveis de desenvolvimento econômico, social e

Leia mais

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015 Fundo Caixa Crescimento Junho de 2015 O que é o Capital de Risco Modalidades O Capital de Risco constitui uma forma de financiamento de longo prazo das empresas, realizado por investidores financeiros

Leia mais

ESTRATÉGIAS DO MCTI PARA INCENTIVAR A INOVAÇÃO EM TI: Startups e Centros de P&D

ESTRATÉGIAS DO MCTI PARA INCENTIVAR A INOVAÇÃO EM TI: Startups e Centros de P&D ESTRATÉGIAS DO MCTI PARA INCENTIVAR A INOVAÇÃO EM TI: Startups e Centros de P&D 1. DESAFIOS de formular uma política pública 2. Programa Start-Up Brasil 3. Ação de Atração de Centros Globais de P&D JOSE

Leia mais

Estruturação de Fundos FIDCs e FIPs para empresas

Estruturação de Fundos FIDCs e FIPs para empresas Grupo Keyassociados Estruturação de Fundos FIDCs e FIPs para empresas Brasília 06/06/2013 Marco Antônio Fujihara Agenda 1. Overview da Indústria de Private Equity e Venture Capital 2. Mapa Global do Empreendedorismo

Leia mais

4º Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Ministério da Saúde: Pesquisa e inovação em APS no SUS

4º Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Ministério da Saúde: Pesquisa e inovação em APS no SUS 4º Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Ministério da Saúde: Pesquisa e inovação em APS no SUS Reinaldo Guimarães Secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Brasília,

Leia mais

Oferta Pública. Mercado de Capitais

Oferta Pública. Mercado de Capitais Oferta Pública Mercado de Capitais Oferta Pública Para ter suas ações negociadas na Bolsa, as empresas precisam abrir o capital. O primeiro procedimento para a empresa abrir o capital é entrar com o pedido

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Internacionalização da Arquitetura Brasileira

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Internacionalização da Arquitetura Brasileira PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Internacionalização da Arquitetura Brasileira PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SETORIAL PARA INTERNACIONALIZAÇÃO DA ARQUITETURA BRASILEIRA AMBIENTE EXTERNO WORKSHOP APRESENTAÇÃO PES AMBIENTE

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação. IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES

Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação. IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES Inovação introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Programas para fortalecer a PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS 1 Madeira e Móveis Estratégias: conquista de mercados, focalização, diferenciação e ampliação do acesso Objetivos:

Leia mais

EQ PS -Fortaleza. Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

EQ PS -Fortaleza. Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social EQ PS -Fortaleza Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software Marcio Wegmann masil@bndes.gov.br Depto. Indústria Eletrônica Área Industrial Princípios Norteadores da Atuação do BNDES

Leia mais

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO MECANISMO CAPITAL DE CAPITAL DE RISCO DE RISCO António Carvalho A Portugal Ventures InovCapital AICEP Capital Global Turismo Capital Clarificação de objectivos estratégicos e concentração de meios para

Leia mais

Proposta para Formataça o de Franquia

Proposta para Formataça o de Franquia Proposta para Formataça o de Franquia 1- O sistema de franchising para o seu negócio Quando falamos de franchising, não estamos falando de algum modismo e, sim, de um sistema de negócios que veio para

Leia mais

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação Política de Informação Pública Salvador, 28 a 30 de junho de 2004 Política de Informação Pública Inclusão Digital de Micro e Pequeno Empresa Telecentros

Leia mais

Disclaimer. Advertências

Disclaimer. Advertências Disclaimer Advertências O investimento em ativos financeiros envolve riscos sobre os quais o investidor deve buscar informar-se lendo a documentação obrigatória referente a cada ativo. Fundos de investimento

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

DESAFIOS DO EMPREENDEDORISMO TECNOLÓGICO JOSÉ AVELINO ESTEVES

DESAFIOS DO EMPREENDEDORISMO TECNOLÓGICO JOSÉ AVELINO ESTEVES DESAFIOS DO EMPREENDEDORISMO TECNOLÓGICO JOSÉ AVELINO ESTEVES PROPOSTA APRESENTAR UMA VISÃO PRÁTICA DO MERCADO DE INOVAÇÃO BASEADA NA EXPERIÊNCIA TANTO COMO EMPREENDEDOR COMO AGENTE DE DESENVOLVIMENTO.

Leia mais

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA Por meio de um investimento estratégico de até R$314,7 milhões, a BNDESPAR ingressa no capital social da Renova Energia. Parceria de Longo Prazo A

Leia mais

PARTE VI O Plano de Negócios

PARTE VI O Plano de Negócios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Empreendedorismo: Uma Introdução Prof. Fabio Costa Ferrer,

Leia mais

Plano Brasil Maior Inovar para competir. Competir para crescer. 2011/2014

Plano Brasil Maior Inovar para competir. Competir para crescer. 2011/2014 II Seminário Brasileiro de Terras-Raras Plano Brasil Maior Inovar para competir. Competir para crescer. 2011/2014 Indústria de Terras Raras no Brasil Proposta de articulação empresarial para integração

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS 1 Setor de Brinquedos Estratégias: Ampliação de Acesso e Conquista de Mercado Objetivos: 1 - Aumentar a competitividade; 2 - consolidar o

Leia mais

O Investimento Anjo Pode Fazer a Diferença Para a Inovação Brasileira!

O Investimento Anjo Pode Fazer a Diferença Para a Inovação Brasileira! O Investimento Anjo Pode Fazer a Diferença Para a Inovação Brasileira! TEMA O espaço vazio no sistema nacional de inovação a ser ocupado pelos investidores Anjo e os principais gargalos das políticas públicas

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Secretaria de Política de Informática

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Secretaria de Política de Informática Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Secretaria de Política de Informática Edital MCTI/SEPIN/Start-Up Brasil No. 01/2013 Edital de Qualificação de Instituições de Apoio ao Processo de Aceleração

Leia mais

I Seminário Internacional Software e Serviços de TI. Software e Serviços de TI: A indústria brasileira em perspectiva

I Seminário Internacional Software e Serviços de TI. Software e Serviços de TI: A indústria brasileira em perspectiva I Seminário Internacional Software e Serviços de TI Software e Serviços de TI: A indústria brasileira em perspectiva Arnaldo Bacha de Almeida Vice-presidente Executivo (CEO) Softex Associação para Promoção

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

Capítulo 7 Colocando o PN em prática

Capítulo 7 Colocando o PN em prática Política de Negócios e Empreendedorismo Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 7 Colocando o PN em prática O plano de negócios é

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE NEGÓCIOS FIAM2009 SELEÇÃO DE PROPOSTAS SALÃO DE NEGÓCIOS E EMPREENDEDORISMO INOVADOR

EDITAL CHAMADA DE NEGÓCIOS FIAM2009 SELEÇÃO DE PROPOSTAS SALÃO DE NEGÓCIOS E EMPREENDEDORISMO INOVADOR EDITAL CHAMADA DE NEGÓCIOS FIAM2009 SELEÇÃO DE PROPOSTAS SALÃO DE NEGÓCIOS E EMPREENDEDORISMO INOVADOR A Superintendência da Zona Franca de Manaus SUFRAMA e o Centro de Biotecnologia da Amazônia CBA selecionarão

Leia mais

La Incubadora de Empresas como Herramienta de Desarrolo Regional Brasil

La Incubadora de Empresas como Herramienta de Desarrolo Regional Brasil La Incubadora de Empresas como Herramienta de Desarrolo Regional Brasil Mariza Almeida, DsC Incubadora de Empresas Phoenix Universidade do Estado do Rio de Janeiro Projeto aprovado pelo Programa Nacional

Leia mais

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das Número de empresas brasileiras que procuram se aprimorar em governança corporativa aumentou na última edição do estudo Melhores práticas Estudo aponta que as empresas investem mais no aprimoramento dos

Leia mais

Regulamento da 9ª Edição do Programa Desafio Brasil

Regulamento da 9ª Edição do Programa Desafio Brasil Regulamento da 9ª Edição do Programa Desafio Brasil 1. SOBRE O PROGRAMA: Desafio Brasil é um programa de âmbito nacional voltado para capacitação de empreendedores. Tem por objetivo estimular a criação

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Estágio atual do mercado de pisos e revestimentos uma avaliação das necessidades e oportunidades. Eng Wagner Gasparetto Presidente 11/nov/09

Estágio atual do mercado de pisos e revestimentos uma avaliação das necessidades e oportunidades. Eng Wagner Gasparetto Presidente 11/nov/09 Estágio atual do mercado de pisos e revestimentos uma avaliação das necessidades e oportunidades Eng Wagner Gasparetto Presidente 11/nov/09 Avaliação das necessidades e oportunidades? Construção Civil

Leia mais

Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil

Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil Biominas Brasil tem 21 anos de experiência na criação e desenvolvimento de empresas de ciências da vida. A Biominas Brasil

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Estado de São Paulo. Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde. Juan Quirós Presidente

Estado de São Paulo. Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde. Juan Quirós Presidente Estado de São Paulo Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde Juan Quirós Presidente 12 de agosto de 2015 Investimento Estrangeiro na Saúde Abertura ao investimento do capital estrangeiro: Oportunidades

Leia mais

Programa de Empreendedorismo Tecnológico

Programa de Empreendedorismo Tecnológico PROGRAMA EIBTnet O QUE É? Programa de Empreendedorismo Tecnológico de apoio ao desenvolvimento, implementação, criação e consolidação de novas empresas inovadoras e de base tecnológica. 1 OBJECTIVOS Facilitar

Leia mais

MBA. Controladoria PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Controladoria

MBA. Controladoria PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Controladoria MBA Controladoria Controladoria O MBA Controladoria une a tradição do Ibmec em pesquisas avançadas em Administração, Economia e Finanças com a Controladoria. Com este embasamento, propõe-se desenvolver

Leia mais

Mapeamento do campo de Negócios Sociais / Negócios Inclusivos. Resultados: Categoria Desenvolvedores e Investidores

Mapeamento do campo de Negócios Sociais / Negócios Inclusivos. Resultados: Categoria Desenvolvedores e Investidores Mapeamento do campo de Negócios Sociais / Negócios Inclusivos Resultados: Categoria Desenvolvedores e Investidores Conteúdo 1. Objetivos, parceiros, metodologia e públicos 2. Mapeamento de abrangência

Leia mais

PROGRAMAS E INCENTIVOS À INOVAÇÃO PARA EMPRESAS

PROGRAMAS E INCENTIVOS À INOVAÇÃO PARA EMPRESAS PROGRAMAS E INCENTIVOS À INOVAÇÃO PARA EMPRESAS Evaldo F. Vilela - Ph.D. Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais. Lei Federal de Inovação LEI Nº 10.973, DE 2 DE DEZEMBRO

Leia mais

Regulamento da 8ª Edição do Programa Desafio Brasil

Regulamento da 8ª Edição do Programa Desafio Brasil Regulamento da 8ª Edição do Programa Desafio Brasil 1. SOBRE O PROGRAMA: Desafio Brasil é um programa de âmbito nacional voltado para capacitação de empreendedores. Tem por objetivo estimular a criação

Leia mais

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Piedade Valente Comissão Diretiva do COMPETE Sintra, 9 de outubro de 2014 Agenda da Competitividade (2007-2013): instrumentos de apoio eficiência

Leia mais

FGV. Já atuou em treinamentos e cursos em diversas empresas, entre elas Unimed, Nextel, AT e T, Osram, Arvim Meritor, Astrazeneca,

FGV. Já atuou em treinamentos e cursos em diversas empresas, entre elas Unimed, Nextel, AT e T, Osram, Arvim Meritor, Astrazeneca, Wagner de Pádua apresentação É palestrante, empresário e apontado como um dos melhores professores de gestão empresarial da Fundação Getúlio Vargas FGV. Destaque internacional pela sua experiência e conhecimento

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

Financeirização da educação no Brasil: a transformação da educação em mercadoria.

Financeirização da educação no Brasil: a transformação da educação em mercadoria. Financeirização da educação no Brasil: a transformação da educação em mercadoria. II CONAE 2014 Adércia Bezerra Hostin Coordenadora de assuntos educacionais Eixos i. Mercantilização ii. Financeirização

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS Objetivos da apresentação Exposição dos principais detalhes do edital,

Leia mais

ROTEIRO DE INFORMAÇÕES PARA SELEÇÃO E ENQUADRAMENTO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

ROTEIRO DE INFORMAÇÕES PARA SELEÇÃO E ENQUADRAMENTO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO ROTEIRO DE INFORMAÇÕES PARA SELEÇÃO E ENQUADRAMENTO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO A Procedimentos para Encaminhamento das Propostas As solicitações para a participação no processo seletivo de escolha do fundo

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais