Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA"

Transcrição

1 APOSTILA CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA PARTE VI - Amplificador de potência - Regulador de tensão - Fonte simétrica - Transistor de efeito de campo - Amplificador operacional - Filtros Prof. Marcio Kimpara 2012 Prof. Marcio Kimpara Página 1

2 AMPLIFICADOR DE POTÊNCIA Um circuito pré-amplificador simples pode ser usado para reforçar o sinal de fontes que NÃO sejam capazes de excitar um amplificador. Um pré-amplificador (pré-amp), ou amplificador de controle, é um amplificador eletrônico que prepara um sinal eletrônico para uma posterior amplificação ou processamento. PRÉ AMPLIFICADOR AMPLIFICADOR O pré-amplificador fornece ganho de voltagem (por exemplo, de 10 milivolts à 1 volt) mas NÃO ganho significante de corrente. O amplificador de potência fornece a maior corrente necessária para alimentar os autofalantes. Desta forma, o amplificador em si é feito com transistores de potência. FOTO-TRANSISTOR OPTOACOPLADOR O foto-transistor é um tipo especial de transistor. Em geral, possui apenas dois terminais acessíveis (coletor e emissor), no entanto, alguns incorporam o terminal de base para uma eventual polarização ou controle elétrico. O foto-transistor tem sua condução dependente da luz. Desta forma ao invés de aplicar uma corrente na base do transistor, aplicamos luz. Símbolo Componente real (Obs: Existem outros encapsulamentos) O foto-transistor é muito utilizado em circuitos integrados para formar um optoacoplador. O optoacoplador é um componente eletrônico bastante utilizado em estruturas onde se deseja um isolamento total de sinal entre a entrada e saída. Em diversas aplicações o terra da entrada não é o mesmo terra da saída. Daí a necessidade de uso de optoacopladores. Prof. Marcio Kimpara Página 2

3 Um optoacoplador bem simples é mostrado na figura abaixo. Verifica-se a presença de um diodo emissor de luz e de um fototransistor. Um fototransistor é um transistor bipolar encapado em uma capa transparente que permite que luz possa atingir a base coletora da junção. Vista interna do CI Componente real Circuito Integrado (CI) (Obs: Existem outros encapsulamentos) Para ligar um optoacoplador não se esqueça de que a entrada é um LED e, portanto dependo do sinal de entrada é necessário ligar um resistor. (O datasheet do componente fornece a máxima corrente de entrada). O CI REGULADOR DE TENSÃO Como o próprio nome sugere o componente conhecido como regulador de tensão é um circuito integrado responsável por estabilizar valores de tensão em um valor fixo. Os CIs reguladores mais utilizados são os das famílias 78XX e 79XX. A diferença entre eles é que os da família 78XX fornecem tensão de saída positiva, e os da família 79XX fornecem tensão de saída negativa. Os reguladores de tensão integrados da série 78XX (ou 79XX) possuem três terminais, são muito robustos, de muito fácil montagem e simplificam consideravelmente a realização de fontes de alimentação convencionais. Fabricam-se reguladores para vários valores de tensão. Os últimos dois dígitos XX indica o valor de tensão que o integrado fornece. Para que estes integrados funcionem corretamente é necessário que à sua entrada a tensão seja pelo menos superior em 3V ao valor XX, não podendo essa tensão de entrada,na maioria dos casos, ultrapassar os 35V. Devido à simplicidade e baixo custo, é esta a solução normalmente utilizada quando se pretendem realizar fontes de alimentação fixas que forneçam intensidades de corrente até 1A. Como estes integrados possuem proteção contra curto-circuitos, sobrecargas e limitação interna da temperatura, caso se deseje uma alimentação que forneça correntes próximas da máxima (1A), o regulador deve ser montado num dissipador de calor adequado, caso contrário, as proteções atuam e ele reduz Prof. Marcio Kimpara Página 3

4 automaticamente a tensão de saída. Esta tensão mantém-se baixa enquanto a temperatura no IC estiver acima do seu valor máximo de funcionamento. REGULADOR DE TENSÃO POSITIVA REGULADOR DE TENSÃO NEGATIVA NOTA: As funções dos pinos 1 e 2 da série 79XX são trocadas em relação à série 78XX - Nos reguladores 78XX o pino 1 é a entrada e o pino 2 é o comum (ligado ao terra) - Nos reguladores 79XX o pino 2 é a entrada e o pino 1 é o comum (ligado ao terra) - O pino 3 é a saída tanto para o 78XX quanto para o 79XX O encapsulamento do CI regulador de tensão é mostrado na figura ao lado. Note que é bem similar ao de outros componentes, como por exemplo, o próprio transistor de potência que acabamos de estudar. A tabela abaixo reúne alguns exemplos da família dos CIs reguladores de tensão. EXEMPLOS: 1) Fonte de tensão positiva com CI regulador A figura a seguir mostra o CI regulador 7805 utilizado para fornecer uma tensão de saída estabilizada no valor de 5V. O capacitor de 100nF na saída do CI regulador é Prof. Marcio Kimpara Página 4

5 utilizado para eliminar pequenas variações de tensão na saída que por ventura não o CI regulador não consiga eliminar. (O datasheet do componente fornece os valores para este capacitor). 2) Fonte de tensão negativa com CI regulador Como já foi dito, o CI regulador 7905 fornece tensão negativa na sua saída, conforme ilustra a figura abaixo. OBS: O CI regulador de tensão Lm317 (ou Lm338) permite ajustar a tensão de saída através de um potenciômetro obtendo-se uma fonte de tensão regulável. Este componente tem capacidade de fornecer até 1,5A e é extremamente fácil de ser utilizado e requer somente dois resistores externos para configurar a tensão de saída. Prof. Marcio Kimpara Página 5

6 Exemplo ligação: V OUT R 1,25. 1 R 1 2 FONTE SIMÉTRICA Fontes simétricas são amplamente usadas na alimentação de circuitos que fazem uso de amplificadores operacionais, comparadores de tensão, conversores A/D, etc. Estas fontes geram um tensão negativa e uma tensão positiva, de valores iguais em relação a uma referência. A figura a seguir mostra uma fonte de alimentação simétrica utilizando Cis reguladores de 12V. Note que o transformador utilizado tem um enrolamento secundário com derivação central. No semiciclo positivo da tensão de entrada o enrolamento secundário superior fornecerá corrente para o CI regulador 7812 através do diodo D1, enquanto que neste semiciclo o enrolamento secundário inferior fornecerá corrente para o CI regulador 7912 através do diodo D3. No semiciclo negativo da tensão de entrada o enrolamento secundário superior fornecerá corrente para o CI regulador 7912 através do diodo D4, enquanto que neste Prof. Marcio Kimpara Página 6

7 semiciclo o enrolamento secundário inferior fornecerá corrente para o CI regulador 7812 através do diodo D2. Neste caso a corrente circulará pelos dois enrolamentos secundários, superior e inferior, em ambos os semiciclos da tensão de entrada. Para se alcançar uma variação de tensão entre 1,2V e 20V (considerando uma entrada de 24V), utilizou-sa dois reguladores de tensão: - LM317, responsável pela estabilização da parte positiva do sistema; - LM337, responsável pela estabilização da parte negativa do sistema. TRANSISTOR DE EFEITO DE CAMPO (FET) O transistor FET (Field Effect Transistor) que traduzindo para o português significa Transistor de Efeito de Campo é do tipo unipolar. Diferente dos transistores estudados anteriormente que são bipolares, o transistor FET é do tipo unipolar porque têm uma ÚNICA junção, ou seja, funciona como monojunção utilizando a condutibilidade de uma zona chamada canal. Os transistores FET são classificados como sendo de canal P ou canal N. A exemplo do transistor bipolar, o FET é um dispositivo de três terminais, contendo uma junção p-n básica, podendo ser do tipo de junção (JFET) ou do tipo metal-óxidosemicondutor (MOSFET). Prof. Marcio Kimpara Página 7

8 D Dreno (drain) = coletor S (source) = emissor G - (gate) = base Como se pode observar na figura abaixo, o FET (do tipo canal N) é constituído por uma zona com semicondutor dopado tipo N, com duas ligações às extremidades e por uma parte de material tipo P que envolve o percurso do canal N. Pode-se também construir o transistor completamente com canal P, invertendo as dopagens das duas zonas entre si. Os eletrodos ligados às extremidades do canal são o SOURCE (S) e o DRAIN (D); o GATE (G) está ligado à camada lateral. Entre o source e o drain existe condutibilidade ôhmica, cujo valor é em função da dopagem e das seções do canal. A corrente de saída do dispositivo é feita passar entre S e D, enquanto que para comandar esta corrente é necessário variar a largura da zona de esvaziamento do canal; a largura desta zona será tanto maior, quanto maior será a tensão inversa aplicada entre o gate e o source. Pode-se dizer que ao variar da tensão inversa de gate, se aperta mais ou menos o canal de condução entre source e drain, (pense-se por analogia a um tubo de plástico no qual se pode regular a passagem de um líquido, apertando mais ou menos o próprio tubo, variando portanto a seção útil à passagem do fluxo). É importante observar que neste dispositivo, o controle realiza-se através de uma tensão inversa, sobre um circuito de entrada com grande resistência e, portanto, com corrente de entrada desprezível. Prof. Marcio Kimpara Página 8

9 A figura a seguir mostra a simbologia para os FETs de canal n e canal p: Vantagens com relação aos transistores bipolares: impedância de entrada elevadíssima; menor interferência a ruído e possui melhor estabilidade térmica. Desvantagem: banda de ganho relativamente pequena. O transistor FET é um dispositivo de tensão controlada e, necessita apenas de uma pequena corrente de entrada. POLARIZAÇÃO DO FET Nos transistores com efeito de campo, a polarização está relacionada ao tipo de canal. No transistor FET as tensões de alimentação devem ser aplicadas observando o seguinte: FET canal N: Tensão de drain positiva em relação ao source. Tensão de gate negativa em relação ao source. FET canal P: Tensão de drain negativa em relação ao source. Tensão de gate positiva em relação ao source. Prof. Marcio Kimpara Página 9

10 Os transistores FET são aplicados em todos os circuitos nos quais é útil explorar a elevada resistência (impedância) de entrada entre gate e source. Os FET são usados, por exemplo, nos temporizadores, onde é possível obter tempos longos sem utilizar capacitores grandes demais (devido ao baixo consumo de corrente), nos amplificadores para instrumentos de medida, nos modernos osciloscópios obtendo resultados de sensibilidade, amplificação e rumor muito melhores que com os transistores BJT. Dentre os dispositivos de efeito de campo, o MOSFET é o mais conhecido e utilizado, principalmente em circuitos chaveados, devido à alta velocidade de chaveamento, da ordem de nanosegundos. O MOS-FET é equivalente a um FET com o circuito de gate constituído por um capacitor com baixa capacidade em série na junção gate source. O símbolo MOS significa metal oxide semicondutor ; de fato, o circuito de gate é construído isolando o próprio gate, pelo canal através de uma camada de silício, que se comporta como perfeito dielétrico. A ligação de gate é constituída por uma metalização sobre o óxido de silício que a separa do canal. O transitor MOS FET apresenta em relação ao FET, um ulterior aumento de resistência de entrada, devido ao isolamento do circuito de entrada sobre o gate. AMPLIFICADOR OPERACIONAL O amplificador operacional (AO) é um dispositivo em CI que tem grandes aplicações em todas as áreas da eletrônica. O Amplificador Operacional (AOP) denominava originalmente os circuitos amplificadores que realizavam operações matemáticas, tais como: adição, multiplicação, integração, etc. Atualmente este circuito tem amplo uso em amplificação de sinais, conformação de ondas, instrumentação analógica, transformações de impedâncias, processos de servomecanismo e controle, etc. Pode-se obter amplificadores operacionais utilizando componentes discretos, mas na atualidade existe uma grande variedade de amplificadores operacionais integrados, que oferecem, entre outras, as seguintes vantagens: pequeno tamanho, alta confiabilidade, baixo custo e reduzida influência da temperatura. Simbologia: V- = Entrada inversora V+ = Entrada não-inversora Vo = Saída Prof. Marcio Kimpara Página 10

11 O ampliop possui duas entradas e uma saída, que possui um valor múltiplo da diferença entre as duas entradas. O fator A é o ganho de tensão do amplificador operacional, ou seja, a relação entre a tensão de entrada diferencial e a de saída do componente. Vo A. V V AMPLIFICADOR OPERACIONAL NA PRÁTICA Indica a parte SUPERIOR do componente * Existem diversos encapsulamentos para estes componentes, inclusive CIs contendo mais de um amplificador operacional. OBS: Para qualquer CI (circuito integrado) a numeração dos pinos é feita da seguinte forma (após identificar a parte superior do componente): do lado esquerdo de cima para baixo do lado direito de baixo para cima O ampop mais popular e mais antigo é o 741, com quatro pinos, por isto o restante dos operacionais tem uma pinagem semelhante, que é mostrado na figura abaixo. Outro operacional bastante comum é o ampop é 324 que possui quatro amplificadores no mesmo encapsulamento. Algumas características do amplificador operacional - Impedância de entrada infinita (significa baixo consumo de corrente) - Impedância de saída nula Prof. Marcio Kimpara Página 11

12 - Insensibilidade à temperatura - Ganho infinito* * Teórico (ideal) FUNCIONAMENTO O AOP tem a função de amplificar o resultado da diferença entre suas entradas como no exemplo a seguir. O amplificador operacional 741 é um dos circuitos integrados clássicos da eletrônica. O 741 exige uma fonte de alimentação simétrica e seu funcionamento pode ser resumido da seguinte forma: Uma tensão aplicada à entrada não inversora (+) é subtraída da tensão aplicada à entrada inversora (-) e a diferença é amplificada cerca de vezes, ou seja, o 741 tem um "ganho" de cerca de Ele possui uma impedância de entrada muito alta, cerca de 2MΩ (dois milhões de ohms), e uma impedância de saída baixa (cerca de 75Ω). Isto significa que o 741 coloca o sinal amplificado na sua saída quase sem consumir corrente na entrada. A sua saída, apesar da baixa impedância, está limitada a uma pequena corrente, cerca de 20mA. O 741 utilizado com ganho total ( ), somente tem aplicação como comparador de tensão. Neste caso, uma pequena diferença de tensão entre as entradas (+) e (-) é amplificada vezes, levando a tensão de saída a um valor próximo da tensão de alimentação positiva ou negativa, dependendo do sinal da diferença e da configuração do circuito como inversor ou não inversor. Utilizando dois resistores, os amplificadores operacionais podem ser levados a ter um ganho programado. Os dois resistores fazem parte de um circuito de realimentação. Os circuitos amplificadores podem ser inversores ou não-inversores. Os inversores amplificam a tensão, mas sua saída tem polaridade oposta à do sinal de entrada. Os não inversores amplificam a tensão sem alterar sua polaridade. MODOS DE OPERAÇÃO - Sem Realimentação - Com Realimentação Prof. Marcio Kimpara Página 12

13 Sem realimentação Este modo é conhecido como operação em malha, por utilizar o ganho do operacional estipulado pelo fabricante, ou seja, não se tem o controle do mesmo. Este modo de operação é largamente empregado em circuitos comparadores. Com realimentação Este modo de operação é o mais importante e o mais utilizado em circuitos com AOP, veja que a saída é reaplicada à entrada inversora do AOP através de RF. Existem várias aplicações para os AOP com realimentação negativa entre elas podemos destacar: - Amplificador Inversor; - Amplificador Não Inversor; - Amplificador Somador; - Amplificador Diferencial; - Filtros Ativos. Este modo de operação como na realimentação positiva tem característica de malha fechada, ou seja, o ganho é determinado por R1 e RF e pode ser controlado pelo projetista. Amplificadores operacionais são utilizados principalmente no condicionamento de sinais. Entenda como condicionamento a necessidade de se tratar (alterar) certos níveis de tensão/corrente em circuitos eletrônicos. Dentre estas aplicações, podemos destacar: Amplificação/Atenuação de sinais (ganhos de tensão) Amplificação de correntes (ganho de corrente buffer) Filtragem ativa de sinais CIRCUITOS COM AMPLIFICADOR OPERACIONAL 1) Amplificador Inversor Uma das configurações mais utilizadas do amplificador operacional (AmpOp) é o chamado amplificador inversor. O circuito é constituído por um AmpOp e duas resistências ligados como se mostra na figura abaixo. R2 Vin R1 Vo Prof. Marcio Kimpara Página 13

14 A saída é uma réplica amplificada da entrada (ganho R2/R1), mas com a polaridade invertida em relação ao terra (referência) do circuito. Equação: R V. 0 R 1 2 V in A relação (R 2 /R 1 ) é o ganho do circuito OBS: O sinal de menos na equação acima significa que quando medimos a tensão de saída em relação ao terra do circuito, a mesma tem polaridade invertida. Exemplo 1: Determinar o valor da tensão de saída no circuito abaixo. 2kΩ 1kΩ 2V Vo R2 2k V0. Vin.2V 4V R1 1k OBS: Note que o valor do ganho (R 2 /R 1 ) pode ser MAIOR, IGUAL ou MENOR que 1 (um). Isso significa que quando utilizamos um resistor R2 com resistência maior que R1, o valor da tensão de saída é maior que o valor da tensão aplicada na entrada. Quando utilizamos resistores com resistências iguais, a tensão de saída é simplesmente a mesma da entrada e quando o valor de R2 é menor que R1 o valor da tensão de saída será menor do que o valor da tensão na entrada. Neste último caso, temos uma atenuação, ou seja, diminuição no valor da tensão de saída. Exemplo 2: Determinar o valor da tensão de saída no circuito abaixo. 15kΩ 30kΩ 5V Vo R2 15k V0. Vin.5V 2, 5V R1 30k Prof. Marcio Kimpara Página 14

15 2) Amplificador Não-Inversor Como a inversão de polaridade do circuito anterior pode ser indesejável em alguns casos, é possível fazer um circuito amplificador do tipo não-inversor. A figura seguinte representa o amplificador não inversor. R2 R1 Vin Vo Observe que neste caso a tensão de entrada é aplicada diretamente na entrada nãoinversora do amplificador operacional. Neste circuito, a tensão de saída tem a mesma polaridade da tensão de entrada, em relação ao terra do circuito. Equação: R V. 0 R V in A relação (1+ R 2 /R 1 ) é o ganho do circuito OBS: Com este tipo de circuito, NUNCA será possível obter um valor de tensão de saída menor que o valor da tensão de entrada. Matematicamente na equação acima, teremos sempre (1+(R2/R1)) e, a soma de 1 mais qualquer outro valor, já implica em um ganho maior que 1. Exemplo: Determinar o valor da tensão de saída no circuito abaixo. 10kΩ 10kΩ 3V Vo R2 10k V0 1. Vin 1.3V 6V R1 10k OBS 1: Em qualquer um dos circuitos anteriores (inversor ou não-inversor) é possível utilizar resistores variáveis (trimpots ou potenciômetros) ao invés de resistores fixos para se obter ganhos variáveis que podem ser ajustados de acordo com a necessidade. Prof. Marcio Kimpara Página 15

16 OBS 2: É importante destacar que os amplificadores operacionais precisam de alimentação (fonte de tensão) para funcionarem. O valor da tensão de alimentação varia de componente para componente e deve ser verificado no datasheet do CI através do número (código) impresso. Uma vez definido o valor da tensão de alimentação, o amplificador operacional ficará limitado a fornecer na saída um valor máximo igual ao valor desta alimentação, ou seja, dizemos que o amplificador operacional satura no valor da fonte de alimentação. Desta forma, imaginemos que o amplificador esteja sendo alimentado em 15V e aplicarmos uma tensão de 3V em sua entrada. O ganho poderá ser no máximo de 5 vezes. Mesmo que utilizarmos valores de resistores que proporcionem um ganho maior, o valor na saída será sempre de no máximo 15V para este caso. 3) Seguidor de tensão ou Buffer Um buffer é um amplificador de ganho unitário usado para isolar e conectar um estágio de alta impedância de saída a uma carga de baixa impedância de entrada. (Em outras palavras um circuito que fornece baixa corrente em um circuito que puxa corrente). Um buffer é usualmente chamado de seguidor de tensão, já que esse circuito faz uma cópia da tensão em sua entrada na sua saída. Ele é também conhecido como acoplador/casador de impedâncias. Como é um amplificador de ganho unitário, não fornece ganho de tensão, porém o circuito pode fornecer corrente infinitamente (dentro de suas limitações), já que possui impedância de saída nula. Neste caso chamamos o circuito de buffer de corrente e isso pode ocasionar ganho de potência. Na figura seguinte representa-se a configuração denominada BUFFER. Vin Vo Equação: V0 V in O ganho do circuito é 1. OBS: A tensão é a mesma, mas a presença do amplificador operacional pode fornecer mais corrente, caso a carga exige. Prof. Marcio Kimpara Página 16

17 4) Comparador Frequentemente precisamos comparar uma tensão com outra para verificar qual delas é a maior. Tudo o que precisamos é uma resposta sim/não. Um comparador é um circuito com duas tensões de entrada (não inversora e inversora) e uma tensão de saída. Quando a tensão não inversora for maior que a tensão inversora, o comparador produzirá uma alta tensão (valor da tensão de alimentação); quando a entrada não inversora for menor que a entrada inversora, a saída se baixa. A saída alta simboliza a resposta SIM e a resposta NÃO será mais baixa. +Vcc V1 V2 Vo Se: -Vcc V2 > V1 Vo = +Vcc (Saturação positiva) V2 < V1 Vo = -Vcc (Saturação negativa) Exemplo: Explique o funcionamento do circuito abaixo. +15V 4k7Ω 10kΩ kΩ verde 4k7Ω 3 4 azul -15V Prof. Marcio Kimpara Página 17

18 SOLUÇÃO O circuito é um comparador com 0V (referência). De acordo com a posição do potenciômetro, a tensão na porta inversora ora fica maior, ora fica menor que 0V. Desta forma a saída do amplificador pode ser +15V ou -15V. Como ambos os LEDs estão conectados no referencial 0V, o sentido de circulação da corrente depende do potencial na saída do amplificador operacional. Quando a saída é +15V, a corrente circula pelo LED verde (a corrente vai do maior potencial para o menor). Quando saída é -15V, a corrente circulará pelo LED azul. 5) Somador Inversor Um somador inversor não é mais que um amplificador inversor, utilizando vários ramos de entrada. R V1 V2 V3 R1 R2 R3 Vo Vn Rn Podemos ter n ramos conectados à porta inversora. Considerando 3 ramos a equação é dada abaixo. Para mais ramos, basta adicionar mais parcelas à equação de maneira similar às anteriores. Equação: V R R R. V 1. V2 V R1 R2 R Equação para 3 ramos, ou seja, soma de 3 tensões (V 1, V 2 e V 3 ). Prof. Marcio Kimpara Página 18

19 Exemplo: Determinar o valor da tensão de saída no circuito abaixo. 10kΩ 1V 3V 2V 1,5V 1kΩ 100kΩ 10kΩ 100kΩ Vo R R R R V 0. V1. V2. V3. V4 R1 R2 R3 R4 10k 10k 10k 10k V , 5 1k 100k 10k 100k V , ,1.1,5 12, 45 V 0 6) Subtrator O Amplificador subtrator tem a finalidade de amplificar as diferenças de tensões entre as entradas. A tensão na saída deste circuito é proporcional à diferença entre as tensões da entrada (V1 V2) e qualquer sinal comum as duas entradas não é amplificado, ou em outras palavras, é rejeitado. A saída de um amplificador operacional, nesta configuração, realiza a subtração entre os dois sinais aplicados em suas entradas. Além de realizar esta subtração é possível aplicar um ganho, determinado pelos resistores R1 e R2. R2 V1 R1 V2 R1 Vo R2 Prof. Marcio Kimpara Página 19

20 Equação: R V 0. V 2 V2 1 R A relação (R 2 /R 1 ) é o ganho do circuito 1 Exemplo 1: Determinar o valor da tensão de saída no circuito abaixo. 10kΩ 2V 10kΩ 10V 10kΩ Vo 10kΩ R2 10k V R1 10k V V V Exemplo 2: Determinar o valor da tensão de saída no circuito abaixo. 2kΩ 1V 1kΩ 4V 1kΩ Vo 2kΩ R2 2k V R1 1k V V. 4 1 V ESTÁGIOS EM CASCATA Uma conexão em cascata é um arranjo de dois ou mais circuitos com amplificadores operacionais em sequência, de tal maneira que a saída de um circuito é conectada à entrada de outro. Prof. Marcio Kimpara Página 20

21 Você pode combinar dois ou mais circuitos amplificadores para amplificar um sinal de entrada Vin, nesse caso cada amplificador deve ser tratado como um circuito independente chamado etapa amplificadora onda a tensão de entrada da etapa seguinte é a tensão de saída da etapa anterior. Quando circuitos com amplificadores estão em cascata, cada circuito é uma etapa chamada de estágio. O sinal de entrada original é aumentado pelo ganho de cada estágio individual. Como a saída de um estágio é a entrada do próximo estágio, o ganho total da conexão em cascata é o produto dos ganhos dos circuitos individuais. Exemplo: Determine o ganho total do circuito abaixo e o valor da tensão de saída. SOLUÇÃO Este circuito possui dois amplificadores em cascata: A1 é um amplificador não inversor com entrada Vi e saída no ponto Vo, e A2 é um amplificador inversor com entrada Vo1 e saída Vo. V G V V Circuito 1: G. V 1 i R2 10k 1 1 R1 5k 3.10mV 30mV Circuito 2: G. V 2 01 R2 12k G2 2 R1 6k Vo ( 2).30mV 60mV OU G G V TOTAL TOTAL V G 0 0 G1. G2 3.( 2) 6 TOTAL. V i ( 6).10mV 60mV Prof. Marcio Kimpara Página 21

22 FILTROS Filtros são circuitos eletrônicos projetados para permitir, ou não, a passagem de um sinal, cujo espectro esteja dentro de um valor preestabelecido. Como o próprio nome filtro indica, filtrar um sinal significa separá-lo, ou seja, separar a parte que interessa e eliminar o restante. Os filtros eletrônicos constituem um tipo de circuitos muito importantes em sistemas de comunicação e instrumentação. Estes constituem uma área da eletrônica bastante vasta e por isso vamos abordar somente os conceitos fundamentais sobre o assunto, assim como um conjunto útil de circuitos de filtros e métodos de projeto. Os filtros separam sinais desejados de sinais indesejados, bloqueiam sinais de interferência, fortalecem sinais de voz e vídeo, e alteram sinais para outras evoluções. Um filtro deixa passar uma banda de frequência e rejeita outra. Um filtro pode ser passivo ou ativo. Filtros passivos Constituídos por resistências, capacitores e indutores (elementos passivos). Funcionam bem em altas frequências; em aplicações de baixa frequência (até 100kHz), as bobinas necessárias são volumosas. Não tem ganho de potência e são relativamente difíceis de sintonizar. O termo passivo refere-se ao fato de estes circuitos se utilizarem de componentes que não requerem alimentação para produzir o resultado desejado. Filtros ativos Constituídos por resistências, capacitores e elementos ativos como amplificadores operacionais, transistors, etc. (indutores são raramente utilizados em filtros ativos). São úteis para frequências abaixo de 1MHz, tem ganho de potência e são fáceis de sintonizar. Como os sinais são separados? Através da frequência!!! CLASSIFICAÇÃO Temos basicamente 4 tipos de filtros (sejam passivos ou ativos): - Filtro Passa-Alta ou High Pass Filter, em inglês Prof. Marcio Kimpara Página 22

23 Permite a passagem de frequências acima da frequência de corte estipulada pelo projetista e atenua frequências inferiores. - Filtro Passa-Baixa ou Low Pass Filter, em inglês Ao contrário do filtro passa-alta, só permite a passagem de baixas frequências, atenuando frequências acima da de corte. - Filtro Passa-Faixa ou Band Pass Filter, em inglês) Permite a passagem de frequências entre dois valores de frequência preestabelecidos pelo projetista. - Filtro Rejeita-Faixa (FRF) ou Band Reject Filter, em inglês Bloqueia frequências intermediárias, enquanto permite a passagem de frequências inferiores e superiores à banda (faixa) não permitida. RESPOSTA DOS FILTROS Um filtro ideal deveria funcionar como na figura (a) mostrada acima, ou seja, uma vez definida a frequência de corte (f c ), o filtro deveria eliminar as frequências acima (ou abaixo) da f c. Entretanto o que acontece na prática é que o filtro ainda permite a passagem de frequências próximas à da f c, como mostra a figura (b) ao lado. Para minimizar este efeito, podemos aumentar a ordem do filtro. ORDEM (ou polos) DOS FILTROS Em um mesmo filtro poderá haver mais de um circuito de desvio, isto faz com que sua taxa de atenuação seja maior, aproximando-o de um filtro ideal. Assim, quanto maior for a ordem do filtro, mais íngreme será sua inclinação. Prof. Marcio Kimpara Página 23

24 FILTRO PASSA-BAIXA Passivo Não fornece ganho de potência. Filtro passa baixa com indutor Filtro passa baixa com capacitor Elimina frequências acima da frequência de corte definida pelos valores de R e C no circuito acima. A frequência de corte fica então definida por: Equação: f 1 c 2.. R. C Ativo Pode fornecer ganho maior que 1. * Note que a fórmula é a mesma. A utilização de um amplificador operacional é que garante que o sinal além de filtrado, pode ser elevado, ou seja, o filtro fornece um ganho. Prof. Marcio Kimpara Página 24

25 FILTRO PASSA-ALTA Passivo Não fornece ganho de potência. Filtro passa alta com indutor Filtro passa alta com capacitor O circuito correspondente a um filtro passa alta é mostrado nas figuras acima. Neste caso, as frequências abaixo da frequência de corte é que são cortadas. A fórmula para determinar a frequência de corte é a mesma do filtro passa baixa, ou seja, f 1 c 2.. R. C Observe que a posição dos elementos (indutor, resistor, capacitor) é que determina se o filtro é passa baixa ou passa alta. Ativo Pode fornecer ganho maior que 1. Prof. Marcio Kimpara Página 25

26 FILTRO PASSA-FAIXA RC A função deste filtro é deixar passar apenas um intervalo de frequências, ou seja, uma faixa. Como já vimos os filtros do tipo passa baixa e passa alta, a ideia é juntar estes dois filtros para obter o circuito de um filtro passa faixa. Como mostra a figura abaixo, a primeira etapa é formada por um filtro passa alta (PA) onde apenas passam as frequências maiores ou iguais a f co. Em seguida o filtro passa baixa (PB) é ajustado para uma frequência f c1 e apenas valores de frequencia menores que esta passam, enquanto as demais são eliminadas. Portanto, a faixa útil de frequências fica entre f co e f c1. A frequência f co é determinada pelos valores de R e de C que compõe o filtro passa alta. Já f c1 é determinada pelos valores de R e C que compõe o filtro passa baixa. Prof. Marcio Kimpara Página 26

27 REFERÊNCIAS - Texto e figuras de elaboração própria - Texto e figuras retirados de outros materiais/apostilas disponíveis na internet - Livros e artigos relacionados - Blogs, datasheets, fóruns Prof. Marcio Kimpara Página 27

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico Amplificador Operacional Básico Eng.: Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos www.bairrospd.kit.net Este artigo descreve como identificar o amplificador operacional, mostra

Leia mais

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor 225 Aplicações com OpAmp A quantidade de circuitos que podem ser implementados com opamps é ilimitada. Selecionamos aqueles circuitos mais comuns na prática e agrupamos por categorias. A A seguir passaremos

Leia mais

Instituto Educacional São João da Escócia Colégio Pelicano Curso Técnico de Eletrônica. FET - Transistor de Efeito de Campo

Instituto Educacional São João da Escócia Colégio Pelicano Curso Técnico de Eletrônica. FET - Transistor de Efeito de Campo 1 FET - Transistor de Efeito de Campo Introdução Uma importante classe de transistor são os dispositivos FET (Field Effect Transistor). Transistor de Efeito de Campo. Como nos Transistores de Junção Bipolar

Leia mais

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Experimento 5 Transistor MOSFET LABORATÓRIO

Leia mais

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais.

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais. Filtros de sinais Nas aulas anteriores estudamos alguns conceitos importantes sobre a produção e propagação das ondas eletromagnéticas, além de analisarmos a constituição de um sistema básico de comunicações.

Leia mais

Parte 1 Introdução... 1

Parte 1 Introdução... 1 Sumário SUMÁRIO V Parte 1 Introdução... 1 Capítulo 1 Unidades de Medida... 3 Introdução...3 Grandezas Físicas...3 Múltiplos e Submúltiplos...4 Arredondamentos...6 Exercícios...7 Capítulo 2 Simbologia...

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

IFBA MOSFET. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista - 2009

IFBA MOSFET. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista - 2009 IFBA MOSFET CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista - 2009 MOSFET s - introdução Semicondutor FET de óxido metálico, ou Mosfet (Metal Oxide

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais unesp UNIESIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Guaratinguetá Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá Professor Carlos Augusto Patrício Amorim Amplificadores Operacionais Prof. Marcelo Wendling 200 ersão

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE PROJETOS DE FONTE DE ALIMENTAÇÃO REGULADA Profa. Zélia Myriam Assis Peixoto

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE PROJETOS DE FONTE DE ALIMENTAÇÃO REGULADA Profa. Zélia Myriam Assis Peixoto OIENTAÇÕES GEAIS SOBE POJETOS DE ONTE DE ALIMENTAÇÃO EGULADA Profa. Zélia Myriam Assis Peixoto Objetivo: Informar o aluno sobre os principais fundamentos relativos às fontes de alimentação, tornando-o

Leia mais

Circuitos de Comando para MOSFETs e IGBTs de Potência

Circuitos de Comando para MOSFETs e IGBTs de Potência Universidade Federal do Ceará PET Engenharia Elétrica Fortaleza CE, Brasil, Abril, 2013 Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica PET Engenharia Elétrica UFC Circuitos de Comando

Leia mais

Símbolo Curva aproximada Curva próxima do real. Símbolo Curva aproximada Curva próxima do real. Símbolo Curva aproximada Curva próxima do real

Símbolo Curva aproximada Curva próxima do real. Símbolo Curva aproximada Curva próxima do real. Símbolo Curva aproximada Curva próxima do real Amplificadores operacionais como filtros Filtros são circuitos eletrônicos projetados para permitir, ou não, a passagem de um sinal, cujo espectro esteja dentro de um valor preestabelecido pelo projetista.

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA 26. Com relação aos materiais semicondutores, utilizados na fabricação de componentes eletrônicos, analise as afirmativas abaixo. I. Os materiais semicondutores

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo FET

Transistor de Efeito de Campo FET Transistor de Efeito de Campo FET FET - Aspectos gerais O FET (Field Effect Transistor) ou transistor de efeito de campo é um dispositivo unipolar (um tipo de portador - elétron ou lacuna), constituído

Leia mais

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07 Utilizando o CI 555 Índice Utilizando o integrado 555... 03 Operação monoestável (Temporizador)... 06 Operação astável (Oscilador)... 07 O circuito integrado 556... 10 Aplicações úteis... 11 Gerador de

Leia mais

Transistores de Efeito de Campo (npn)

Transistores de Efeito de Campo (npn) Slide 1 FET porta dispositivo de 3 terminais corrente e - de canal da fonte para dreno controlada pelo campo elétrico gerado pelo porta impedância de entrada extremamente alta para base Transistores de

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

Eletrônica Analógica

Eletrônica Analógica UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES Eletrônica Analógica Transistores de Efeito de Campo Professor Dr. Lamartine Vilar de Souza lvsouza@ufpa.br www.lvsouza.ufpa.br

Leia mais

Amplificadores lineares e filtros

Amplificadores lineares e filtros Instrumentação de Controle - 167347 Departamento de Engenharia Elétrica (ENE) Universidade de Brasília (UnB) Amplificadores lineares e filtros Tópicos Características de amplificadores operacionais Amplificadores

Leia mais

Amplificador Operacional

Amplificador Operacional Amplificador Operacional Os modelos a seguir, referem-se a modelos elétricos simplificados para os amplificadores de tensão e de corrente sem realimentação. Os modelos consideram três elementos apenas:

Leia mais

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP PUC ENGENHARIA Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Prof. Dr. Marcello Bellodi 2 a versão - 2005 ÍNDICE 1 a Experiência: "Amplificador Push-Pull Classe B"...01 2 a Experiência: "Curvas

Leia mais

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores (1) Slide 1 Osciladores e temporizadores A maioria dos equipamentos eletrônicos inclui alguma forma de oscilador ou temporizador, que podem ser com formatos de onda pulsada, senoidal, quadrada, em dente-de-serra

Leia mais

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores IF-UFRJ Elementos de Eletrônica Analógica Prof. Antonio Carlos Santos Mestrado Profissional em Ensino de Física Aula 7: Polarização de Transistores Este material foi baseado em livros e manuais existentes

Leia mais

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs.

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Prof. James Alexandre Baraniuk Equipe: Data: / / EXPERIMENTO PRÁTICO COM TRIAC Objetivo A presente

Leia mais

FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR)

FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR) FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR) OBJETIVOS: a) entender o funcionamento de um transistor unipolar; b) analisar e entender as curvas características de um transistor unipolar; c) analisar o funcionamento de

Leia mais

Projetos de Eletrônica Básica II

Projetos de Eletrônica Básica II Projetos de Eletrônica Básica II MUITO CUIDADO NA MONTAGEM DOS CIRCUITOS, JÁ QUE SE ESTÁ TRABALHANDO COM A REDE ELÉTRICA. Projete um sistema para uma casa inteligente, com as seguintes características:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCÍCIOS #11 (1) O circuito a seguir é usado como pré-amplificador

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletrônica Calcule a tensão Vo no circuito ilustrado na figura ao lado. A. 1 V. B. 10 V. C. 5 V. D. 15 V. Questão 22 Conhecimentos Específicos - Técnico

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE IÊNIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Apontamentos sobre Osciladores e Malhas de aptura de Fase IRUITOS E SISTEMAS ELETRÓNIOS APONTAMENTOS SOBRE OSILADORES E MALHAS DE APTURA DE FASE Índice

Leia mais

Introdução 5. Amplificação com FET 6. Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7

Introdução 5. Amplificação com FET 6. Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7 Sumário Introdução 5 Amplificação com FET 6 Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7 Estágio amplificador com FET 8 Princípio de funcionamento 9 Características

Leia mais

Capítulo. Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal.

Capítulo. Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal. 9 Osciladores Capítulo a Cristal Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal. objetivos Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal; Analisar osciladores

Leia mais

Capitulo 3 - Amplificador Operacional

Capitulo 3 - Amplificador Operacional Capitulo 3 - Amplificador Operacional 1 3.1 Conceito amplificador CC multiestágio, com entrada diferencial operações matemáticas como soma, integrações, etc 3.2 Principais Características a) Resistência

Leia mais

I Retificador de meia onda

I Retificador de meia onda Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua. Então é necessário retificá-la

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCÍCIOS #12 (1) FILTRO PASSA-FAIXA Mostre que o circuito

Leia mais

Curso Técnico de Eletrônica Eletrônica Linear II NA1 Transistores Bipolares Aluno: Revisão de conteúdo Data: 20/03/2010

Curso Técnico de Eletrônica Eletrônica Linear II NA1 Transistores Bipolares Aluno: Revisão de conteúdo Data: 20/03/2010 Curso Técnico de Eletrônica Eletrônica Linear II NA1 Transistores Bipolares Aluno: Revisão de conteúdo Data: 20/03/2010 TRANSISTORES BIPOLARES O transistor de junção bipolar é um dispositivo semicondutor

Leia mais

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIERIDADE CATÓICA DE GOIÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍICA Professor: Renato Medeiros MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica NOTA DE AUA II Goiânia 2014 Diodos Retificadores Aqui trataremos dos

Leia mais

Amplificadores Operacionais: Circuitos típicos e aplicações

Amplificadores Operacionais: Circuitos típicos e aplicações Amplificadores Operacionais: Circuitos típicos e aplicações Prof. Alberto de Lima alberto.lima@cefet-rj.br Educação Profissional de Nível Médio Curso: Eletrônica 1 Características gerais As aplicações

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

Automação e Instrumentação

Automação e Instrumentação Instituto Superior de Engenharia de Coimbra Engenharia e Gestão Industrial Automação e Instrumentação Trabalho Prático Nº 3 Acondicionamento do sinal de sensores. Introdução A maior parte dos sensores

Leia mais

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Programa de Educação Tutorial PET Grupo PET-Tele Dicas PET-Tele Uma breve introdução à componentes

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00 Histórico N. Doc. Revisão Data Descrição Aprovado 601165 A 24/01/14 Inicial Faria Executado: Edson N. da cópia: 01 Página 1 de 7 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO 2- CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS E MECÂNICAS 2.1 - Entrada

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais AmpOp Amplificador Operacional É um amplificador de alto ganho e acoplamento directo que utiliza um controlo de realimentação (feedback) para controlar as suas características. Contém uma saída, controlada

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito RC. 2. MATERIAL

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer.

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer. Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 1 Título Prática 9 Aplicações Lineares dos Amplificadores Operacionais 2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores

Leia mais

Diodo semicondutor. Índice. Comportamento em circuitos

Diodo semicondutor. Índice. Comportamento em circuitos semicondutor Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. (Redirecionado de ) [1][2] semicondutor é um dispositivo ou componente eletrônico composto de cristal semicondutor de silício ou germânio numa película

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 DIODO SEMICONDUTOR Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 Conceitos Básicos O diodo semicondutor é um componente que pode comportar-se como condutor ou isolante elétrico, dependendo da forma como a tensão é aplicada

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

TRANSISTORES DE EFEITO DE CAMPO

TRANSISTORES DE EFEITO DE CAMPO Engenharia Elétrica Eletrônica Professor: Alvaro Cesar Otoni Lombardi Os Transistores Bipolares de Junção (TBJ ou BJT) São controlados pela variação da corrente de base (na maioria das aplicações) 1 Os

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

CIRCUITOS LINEARES COM AMP OP

CIRCUITOS LINEARES COM AMP OP IFBA CIRCUITOS LINEARES COM AMP OP CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista - 2009 NÃO-INVERSOR Amplificador CA Ganho de tensão de malha

Leia mais

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON APOSTILA MÓDULO 4 AULA 4 AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 2 Amplificação de sinais diferenciais bobina magnética e HALL O circuito Schmitt Trigger analisado detalhadamente Os pontos NSD e NID (Nível Superior

Leia mais

Como funciona o MOSFET (ART977)

Como funciona o MOSFET (ART977) Como funciona o MOSFET (ART977) Os transistores de efeito de campo não são componentes novos. Na verdade, em teoria foram criados antes mesmo dos transistores comuns bipolares. No entanto, com a possibilidade

Leia mais

9 Eletrônica: circuitos especiais

9 Eletrônica: circuitos especiais U UL L Eletrônica: circuitos especiais Um problema Um dos problemas com que se defrontava a eletrônica consistia no fato de que as válvulas, então empregadas nos sistemas, além de serem muito grandes,

Leia mais

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA CENTRO TECNOLÓGO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNA LABORATÓRIO DE ELETRÔNA ANALÓGA I Prática: 6 Assunto: Transistor Bipolar 1 Objetivos: Testar as junções e identificar o tipo de um transistor com o multímetro.

Leia mais

CI Reguladores de Tensão

CI Reguladores de Tensão UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" CAMPUS DE GUARATINGUETÁ Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá Prof. Carlos Augusto Patrício Amorim CI Reguladores de Tensão Prof. Marcelo

Leia mais

O Capacitor Q = V. C. V C = Vcc. (1 e t/τ ) τ = R. C

O Capacitor Q = V. C. V C = Vcc. (1 e t/τ ) τ = R. C O Capacitor Componente eletrônico constituído de duas placas condutoras, separadas por um material isolante. É um componente que, embora não conduza corrente elétrica entre seus terminais, é capaz de armazenar

Leia mais

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc.

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc. Amplificadores operacionais como Osciladores Em muitas aplicações é necessário gerar um sinal, que pode ter as mais diversas formas, retangular, senoidal, triangular, etc. Entretanto, o único sinal disponível

Leia mais

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Elias Bernabé Turchiello Técnico responsável Este manual se destina unicamente a orientar o montador interessado neste projeto, portanto não se encontram

Leia mais

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM O circuito de um PWM Pulse Width Modulator, gera um trem de pulsos, de amplitude constante, com largura proporcional a um sinal de entrada,

Leia mais

Diodos. TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica

Diodos. TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Diodos TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Sumário Circuitos Retificadores Circuitos Limitadores e Grampeadores Operação Física dos Diodos Circuitos Retificadores O diodo retificador converte

Leia mais

I D I DSS. Figura 3.1 Curva de transcondutância do MOSFET e definição do ponto Q em polarização zero.

I D I DSS. Figura 3.1 Curva de transcondutância do MOSFET e definição do ponto Q em polarização zero. 59 EXPERIÊNCIA 3: O MOFET PROCEDIMENTO: MOFET DO TIPO DEPLEÇÃO O MOFET do tipo Depleção basicamente pode operar em ambos os modos: Depleção ou Intensificação. Portanto, todos os métodos de polarização

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo DIODO SEMICONDUOR INRODUÇÃO Materiais semicondutores são a base de todos os dispositivos eletrônicos. Um semicondutor pode ter sua condutividade controlada por meio da adição de átomos de outros materiais,

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Controle universal para motor de passo

Controle universal para motor de passo Controle universal para motor de passo No projeto de automatismos industriais, robótica ou ainda com finalidades didáticas, um controle de motor de passo é um ponto crítico que deve ser enfrentado pelo

Leia mais

Exercícios Leis de Kirchhoff

Exercícios Leis de Kirchhoff Exercícios Leis de Kirchhoff 1-Sobre o esquema a seguir, sabe-se que i 1 = 2A;U AB = 6V; R 2 = 2 Ω e R 3 = 10 Ω. Então, a tensão entre C e D, em volts, vale: a) 10 b) 20 c) 30 d) 40 e) 50 Os valores medidos

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

FET AMPLIFIERS Amplificadores FET

FET AMPLIFIERS Amplificadores FET FET AMPLIFIERS Amplificadores FET M-1106A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo

Leia mais

Conversores de sinais (I/V e V/I)

Conversores de sinais (I/V e V/I) INSTUMENTAÇÃO E CONTOLO CAPÍTULO II Condicionamento de sinais 0/03 Índice do capítulo Conceitos básicos Pontes de Wheatstone Filtros C passivos e activos Amplificadores operacionais Amplificadores de instrumentação

Leia mais

Amplificador de Radiofreqüência

Amplificador de Radiofreqüência Laboratório de Telecomunicações 1 Amplificador de Radiofreqüência Objetivos Comportamentais 1 Identificar um estágio amplificador de radiofreqüência utilizado em um transmissor típico e medir as tensões

Leia mais

1 Utilizando o Protoboard

1 Utilizando o Protoboard Ensino Médio Integrado em Automação Industrial Sistemas Digitais e Projeto Integrador Professor: Rafael Garlet de Oliveira 1 Utilizando o Protoboard Aula Prática 1 É um equipamento utilizado para montagens

Leia mais

IFBA. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista, 2010

IFBA. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista, 2010 IFBA CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista, 2010 A realimentação Negativa estabiliza o ganho de tensão, diminui a distorção e aumenta

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Introdução Componentes Eletrônicos Equipamentos Eletrônicos Utilizados no Laboratório Tarefas INTRODUÇÃO O nível de evolução tecnológica evidenciado nos dias

Leia mais

II Encontro do Projeto Neutrinos Angra

II Encontro do Projeto Neutrinos Angra Eletrônica de front-end e teste de PMT s no CBPF II Encontro do Projeto Neutrinos Angra Laudo Barbosa, Rogério Machado (10 de Dezembro, 2007) 1 V(t) 30µs evento PMT cintilador sinal t 2 Sinal típico na

Leia mais

Video Lecture RF. Laps

Video Lecture RF. Laps Video Lecture RF Laps Agenda 1. Considerações no projeto de circuitos RF 2. Casamento de impedância 3. Parâmetros S e Carta de Smith 4. Dispositivos/blocos comumente usados 5. Arquiteturas de transceptores

Leia mais

Circuitos Lógicos. Aulas Práticas

Circuitos Lógicos. Aulas Práticas Circuitos Lógicos Aulas Práticas A Protoboard A Protoboard A Protoboard é um equipamento que permite interconectar dispositivos eletrônicos tais como resistores, diodos, transistores, circuitos integrados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 34 4.4 Experimento 4: Capacitância, capacitores e circuitos RC 4.4.1 Objetivos Fundamentar o conceito de capacitância e capacitor; Realizar leituras dos valores de capacitância de capacitores; Associar

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP16-4.2A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

CAPÍTULO 2 DIODO SEMICONDUTOR

CAPÍTULO 2 DIODO SEMICONDUTOR CAPÍTULO 2 DIODO SEMICONDUTO O diodo semicondutor é um dispositivo, ou componente eletrônico, composto de um cristal semicondutor de silício, ou germânio, em uma película cristalina cujas faces opostas

Leia mais

Introdução aos circuitos seletores de frequências. Sandra Mara Torres Müller

Introdução aos circuitos seletores de frequências. Sandra Mara Torres Müller Introdução aos circuitos seletores de frequências Sandra Mara Torres Müller Aqui vamos estudar o efeito da variação da frequência da fonte sobre as variáveis do circuito. Essa análise constitui a resposta

Leia mais

Curso Avançado de Manutenção e Reparo em Impressoras e Copiadoras (Inicio em 08/08/2011)

Curso Avançado de Manutenção e Reparo em Impressoras e Copiadoras (Inicio em 08/08/2011) 1 de 26 10/8/2011 11:00 Curso Avançado de Manutenção e Reparo em Impressoras e Copiadoras (Inicio em 08/08/2011) Cursos EAD CAMRIC Recursos Módulo 2 - Uso básico e avançado do multímetro digital e analógico

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL MÉDIO CARGO: Técnico da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Técnico 1 Padrão I (TM11) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA APOSTILA CUSO TÉCNICO EM ELETÔNICA PATE IV - Circuito etificador - Fonte de Tensão - Diodo ener - Dobrador de Tensão - Circuitos Limitadores ou Ceifadores - Cargas em corrente alternada - Impedância -

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Conversão Analógica Digital

Conversão Analógica Digital Slide 1 Conversão Analógica Digital Até agora, discutimos principalmente sinais contínuos (analógicos), mas, atualmente, a maioria dos cálculos e medições é realizada com sistemas digitais. Assim, precisamos

Leia mais

AVIÔNICOS II - ELETRÔNICA

AVIÔNICOS II - ELETRÔNICA CAPÍTULO 1 - CIRCUITOS REATIVOS AVIÔNICOS II - ELETRÔNICA SUMÁRIO Circuito Reativo em série... 1-1 Circuito RC em série... 1-5 Circuito RCL em série... 1-8 Ressonância em série... 1-10 Circuito RL em paralelo...

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Tal como no caso dos filtros passivos, os filtros ativos de 1 a ordem só produzem resposta passa-baixa ou passa-alta, com apenas um capacitor.

Tal como no caso dos filtros passivos, os filtros ativos de 1 a ordem só produzem resposta passa-baixa ou passa-alta, com apenas um capacitor. FILTOS ATIVOS FILTOS ATIVOS DE a ODEM Tal como no caso dos filtros passivos, os filtros ativos de a ordem só produzem resposta passa-baixa ou passa-alta, com apenas um capacitor. Filtros passa-banda ou

Leia mais

Laboratório de. Eletrônica Analógica II

Laboratório de. Eletrônica Analógica II UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Laboratório de Eletrônica Analógica II Professor Volney Coelho Vincence, 2014/1 Vincence Eletrônica

Leia mais

Reta de Carga de Horwitz & Hill, p. 1059 Qual é a corrente através do diodo?

Reta de Carga de Horwitz & Hill, p. 1059 Qual é a corrente através do diodo? Slide 1 Reta de Carga de Horwitz & Hill, p. 1059 Qual é a corrente através do diodo? Uma forma tradicional de encontrar o ponto de operação de um circuito não-linear é através de retas de carga. O objetivo

Leia mais

ELECTRÓNICA ANALÓGICA II

ELECTRÓNICA ANALÓGICA II PROGRAMA MODULAR DE ELECTRÓNICA ANALÓGICA ELECTRÓNICA ANALÓGICA II E-learning ou B-learning 100h 4 meses Inscrição : MZN 975,00 / US$ 35,00 / 25,00 Preço mensal: MZN 3900,00 / US$ 140,00 / 100,00 Objetivos:

Leia mais

Conceitos básicos do

Conceitos básicos do Conceitos básicos Conceitos básicos do Este artigo descreve os conceitos de memória eletrônica. Apresentar os conceitos básicos dos flip-flops tipo RS, JK, D e T, D Apresentar o conceito da análise de

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 CURSO: TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

Modulador e demodulador PWM

Modulador e demodulador PWM Modulador e demodulador PWM 2 ATENÇÃO O autor não se responsabiliza pelo uso indevido das informações aqui apresentadas. Danos causados a qualquer equipamento utilizado juntamente com os circuitos aqui

Leia mais