Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça"

Transcrição

1 Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça Fevereiro 2015

2 SÍNTESE DA COOPERAÇÃO BILATERAL COM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE NA ÁREA DA JUSTIÇA O Ministério da Justiça tem apoiado, de forma empenhada e contínua, desde 2000, o Ministério homólogo e o sector da Justiça em geral em São Tomé e Príncipe, atentas uma língua e uma matriz jurídica comum. 1. Reformas legislativas Até 1996 realizaram-se várias missões de assessoria jurídica tendo como objetivo a reforma dos principais Códigos em vigor em São Tomé, processo que foi sendo sucessivamente adiado ora por mudança de Governo ora por dificuldades no agendamento para aprovação desses importantes diplomas. Entre 1998 e 2000 concretizou-se o processo de reforma legislativa em São Tomé e Príncipe na área criminal, com a participação de dois juristas portugueses, integrando um grupo de trabalho, constituído para o efeito, e do qual faziam também parte seis juristas santomenses. Alguns destes anteprojetos de lei foram publicados: Lei de execução de penas e medidas privativas de liberdade (Lei 3/2003, de 2 de junho); Sobre a detenção, medidas de coação e de garantia patrimonial (Lei 5/2002,30 de dezembro); Relativa aos crimes contra a propriedade e património (Lei 8/2003, 14 de agosto); Sobre a prestação de trabalho a favor da comunidade (Lei 5/2003, de 2 de junho); Da orgânica da Direcção-Geral dos Serviços de Reinserção Social e de Administração Prisional. 2

3 Em 2003 iniciou-se o processo de elaboração dos anteprojetos dos novos Códigos Penal e Processo Penal de São Tomé com o apoio de um magistrado judicial português que integrou o grupo de trabalho de reforma legislativa santomense. Foram concretizadas cinco missões em São Tomé com a presença do perito português, durante duas semanas cada uma, em dezembro de 2003, em fevereiro, agosto e dezembro de 2004 e em maio e agosto/setembro de 2005, tendo sido concluídos os projetos. Em 2005, concretizaram-se, igualmente, missões a São Tomé e Príncipe, no âmbito da reforma do Código Comercial. Em 2007 e 2008, no quadro de uma missão de assistência técnica e jurídica ao Ministério da Justiça, tribunais, à Procuradoria-Geral da República, e às reformas legislativas, duas magistradas portuguesas participaram nos grupos de trabalho de discussão e aprovação na Assembleia da República de São Tomé e Príncipe, da legislação judicial (Códigos Penal e de Processo Penal). 2. Assessorias técnicas e jurídicas As assessorias técnico-jurídicas prestadas por especialistas portugueses têm abrangido, praticamente, todos os domínios da Justiça. Ministério da Justiça, Tribunais e Procuradoria-Geral da República Um dos objetivos principais prosseguidos foi o de prestar apoio sistemático ao funcionamento dos tribunais, acompanhando de forma regular o trabalho dos magistrados daquele país através da realização de missões, compostas por magistrados judiciais e do Ministério Público e por funcionários judiciais. Foi sendo, assim, possível identificar os principais constrangimentos com que se debate a atividade processual dos tribunais, propor as necessárias correções e consciencializar os magistrados locais para as boas práticas a seguir. 3

4 Em 1997, deslocou-se a S. Tomé um juiz de direito português para prestar assessoria aos tribunais (cíveis), durante um mês. Em 2003, deslocou-se a São Tomé em missão de apoio e assessoria jurídica às entidades judiciárias santomenses, um juiz de Direito com o objetivo de proceder ao levantamento das necessidades e constrangimentos existentes nos respetivos sectores e apresentar propostas de superação dos mesmos. Nos meses de agosto e setembro de 2004, realizou-se uma missão de assessoria técnico-jurídica por um Juiz de Direito, tendo sido prestada assessoria ao Ministério da Justiça e aos tribunais. Em dezembro concretizou-se a terceira missão de assessoria técnico-jurídica e legislativa em São Tomé, com a presença de três juízes portugueses. Foi prestada assessoria aos tribunais santomenses. Realizaram-se missões de assistência técnica e jurídica aos tribunais e à Procuradoria-Geral da República de São Tomé e Príncipe, por três vezes em 2005, com a participação, em cada uma delas, de dois magistrados judiciais, um magistrado do Ministério Público e dois oficiais de justiça. Em 2007 e 2008, realizaram-se assessorias ao Ministério da Justiça, ao Supremo Tribunal de Justiça e à Procuradoria-Geral da República de São Tomé e Príncipe por uma Magistrada Judicial e outra do Ministério Público. Registos e Notariado Na área dos Registos e Notariado realizaram-se, em 1999 e 2001, duas missões de assessoria, por um Conservador e por um Notário portugueses cujos relatórios continuam a ser peças importantes para as reformas a implementar neste sector. Em 2005, concretizou-se uma missão de assessoria/formação na área do Registo Civil, durante 3 semanas, constituindo igualmente objetivo da missão a identificação de problemas e constrangimentos existentes e a apresentação de propostas para ações a desenvolver no futuro em apoio dos serviços dos registos e do notariado santomenses. 4

5 Em 2007, também se realizaram assessorias técnicas e jurídicas aos registos e notariado. Em 2013, dois peritos do IRN, levaram a efeito uma missão por um período de 2 semanas de diagnóstico aos serviços dos registos e notariado, aferição de condições objetivas para digitalização do acervo documental de registos, e elaboração de um plano para futuro reordenamento do setor, a qual contemplou, nomeadamente, visitas aos espaços da conservatória de S. Tomé e restantes delegações distritais, entre as quais a Região Autónoma do Príncipe, bem como a postos locais, incluindo maternidades. Polícia de Investigação Criminal (PIC) No ano de 1992, deslocou-se a São Tomé o Subdiretor da Policia Judiciária com o objetivo de proceder a um levantamento e elaboração de anteprojetos tendo em vista a criação de uma polícia de investigação criminal naquele país, a começar pela respetiva Lei Orgânica. Elaborou-se os anteprojetos da Lei Orgânica da PIC e do Regulamento dos concursos do pessoal de investigação criminal. Assessoria pelo Subinspetor da Diretoria do Porto da Polícia Judiciária, durante 3 meses, junto da PIC. Deslocação, em 1999, do Subdiretor do INPCC a São Tomé, no âmbito de uma delegação do Ministério da Administração Interna, com vista ao conhecimento da situação e à recolha de elementos suscetíveis de permitirem o reatamento do projeto de cooperação respetivo. Do diagnóstico feito e ações preconizadas, foi elaborado o anteprojeto de nova lei orgânica da PIC, e realizou-se um seminário para chefias superiores de investigação criminal, realizado no INPCC, em que estiveram representados todos os países referidos neste memorando. Em 2006, deslocaram-se a São Tomé 2 Inspetores da PJ portuguesa para identificação de necessidades e estratégia de cooperação futura. Em 2008 e 2009, São Tomé e Príncipe contou com a assessoria anual à Polícia de Investigação Criminal prestada por um Inspetor da PJ, e a respetiva avaliação por um Assessor português da PJ. 5

6 Em 2013, realizou-se uma missão de um perito da Polícia Judiciária (PJ) com o intuito de apoiar as autoridades santomenses na revisão da Lei Orgânica de Investigação Criminal. Serviços Prisionais Em 2005, deslocou-se a S. Tomé e Príncipe, um Diretor de Estabelecimento Prisional português, para levantamento das necessidades de formação e identificação das atividades a desenvolver na área dos Serviços Prisionais. Em 2013, deslocou-se a S. Tomé e Príncipe, um perito da Direção-Geral da Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) para prestar o apoio técnico preliminar no âmbito do projeto de construção de um novo estabelecimento prisional em S. Tomé e Príncipe, que se traduziu numa leitura/acompanhamento crítico ao projeto, no que respeita não apenas à sua avaliação técnica, mas ainda à adequação deste ao ambiente penitenciário santomense, de forma a poder ser o mesmo validado para as necessidades reais do país, com a margem necessária para acompanhar as projeções futuras. 3. Formação/Estágios Magistrados Desde 1983, concluíram o Curso Inicial de Formação de Magistrados, no CEJ, 46 auditores santomenses. Até esta data foram 15 os magistrados santomenses que estagiaram junto de Tribunais portugueses e na Procuradoria-Geral da República de Portugal. Desde 1995 estagiaram nos Tribunais Administrativo, Constitucional, de Contas, e de Instrução Criminal 2 Juízes santomenses. Em 2012 deslocou-se a S. Tomé uma missão com 2 docentes do Centro de Estudos Judiciários (CEJ), com vista a ministrar uma ação de formação de duas 6

7 semanas a 11 Magistrados Judiciais e a 12 Magistrados do Ministério Público, em Direito Penal, Processual Penal e Direito Processual Civil. Oficiais de Justiça Em 2004 realizaram-se ações de formação em exercício nos tribunais santomenses destinadas a oficiais de justiça, ministradas por oficiais de justiça portugueses que acompanharam as missões técnicas dos magistrados portugueses. Auxiliaram igualmente na organização das secretarias e dos processos contribuindo para o desbloqueamento de muitos deles. Em 2005, realizaram-se diversas ações de formação em São Tomé ministradas por equipas de oficiais de justiça portugueses, designados pelo Centro de Formação de Oficiais de Justiça, que contaram com a participação de 130 funcionários santomenses. Em Portugal, através de diversas ações de formação no Centro de Formação de Oficiais de Justiça, participaram 14 funcionários de São Tomé. Registos e Notariado Foram 3 os funcionários santomenses que, até esta data, frequentaram Cursos de Formação de Conservadores e Notários (organização conjunta da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e da Direcção-Geral dos Registos e do Notariado). Realizaram-se estágios em Cartórios Notariais e Conservatórias portugueses para 4 técnicos santomenses. Concretizou-se, em março de 2004, durante 5 dias, uma visita de trabalho a Portugal do Diretor dos Registos e Notariado e do Diretor dos Serviços de Identificação Civil de São Tomé. Realizou-se em São Tomé, em outubro de 2005, uma ação de formação essencialmente prática, em exercício, nos serviços, ministrada por um Conservador e por um Ajudante portugueses. Assentou, sobretudo, no Registo 7

8 Predial mas incluiu também organização e gestão dos serviços à luz das recomendações constantes dos Relatórios de 1999/2000 e das sugestões e propostas da missão de Em 2012, realizou-se durante 1 semana, em Lisboa, o estágio de um técnico dos serviços de registo e notariado santomenses, com o objetivo de conhecer a orgânica do Instituto congénere português e o atual funcionamento dos serviços. Em 2014 No seguimento da missão de diagnóstico realizada em 2013 por 2 peritos do IRN, 4 conservadores portugueses do IRN, ministraram em S. Tomé a 14 conservadores um curso intensivo em matérias de Registos Civil, Predial, Comercial, Automóveis, Notariado e Nacionalidade, nos meses de novembro e de dezembro. Na área do registo civil, ainda se deslocou a S. Tomé e Príncipe um técnico do IRN, que ministrou formação a funcionários dos Registos e das maternidades (que se encontram a efetuar pré-registos de nascimento) em registo civil e qualidade no atendimento. Serviços Penitenciários e de Reinserção Social Entre 1992 e 2002, realizaram-se 8 estágios em Portugal para Diretores e Funcionários dos Serviços Penitenciários e de Reinserção Social de São Tomé e Príncipe. Em 2011, uma equipa multidisciplinar, constituída por dois especialistas portugueses, deslocou-se a S. Tomé e Príncipe para, em conjunto com as autoridades são-tomenses, efetuar um diagnóstico do sector penitenciário, nomeadamente, quanto à legislação/estatutos existentes nas áreas prisional e de reinserção social, infraestruturas e equipamentos existentes, número de funcionários e carreiras que operam nas áreas prisional e de reinserção social, bem como necessidades de formação deste pessoal e conteúdos prioritários, e estatísticas criminais. 8

9 Em 2012 realizaram-se 4 semanas de formação, em S. Tomé, por peritos portugueses da DGRSP, direcionadas a guardas prisionais, nas vertentes de administração/organização, segurança e direitos humanos. Foi também realizada uma ação de formação/sensibilização na área da reinserção social, com referência a princípios da execução das penas, sanções (probatórias e de trabalho) e a medidas na comunidade, complementada por um workshop aberto a magistrados e à sociedade civil. Polícia de Investigação Criminal (PIC) Em 1993, aquando da deslocação do Subdiretor e de um docente do INPCC a São Tomé e Príncipe, deu-se apoio à seleção de candidatos a agente, a inspetor e a lofoscopista e ainda à organização da formação consequente. No ano de 1994, Portugal prestou apoio na formação, organização e assessoria aos: 1.º Curso de formação inicial de agentes em São Tomé; Curso de lofoscopistas no INPCC, em Loures; Curso de subinspetores, no INPCC; Curso de Inspetores, no INPCC e conceção de impressos, cartões de identificação e crachá. Nos meses de fevereiro/março de 2005 realizou-se, em São Tomé, um curso intensivo de formação essencialmente prática em técnicas de investigação criminal, com a duração de um mês, para inspetores e agentes da PIC, ministrado por dois Inspetores formadores do ISPJCC/PJ. Realizou-se também em São Tomé durante o mês de novembro de 2005, uma segunda ação de formação destinada, esta vez, apenas a vinte agentes dos mais novos da PIC santomense preparando-os técnica e teoricamente em técnicas de investigação criminal. A formação foi ministrada pelos mesmos dois formadores portugueses. Em 2008, realizou-se em São Tomé e Príncipe, um curso de formação de 34 agentes da PIC, e participaram no Curso de Lofoscopia, organizado no ISPJCC em Loures, 2 agentes da PIC santomense. 9

10 Em 2012, por solicitação do Ministério da Justiça e da Reforma do Estado de S. Tomé e Príncipe, foi prestada assessoria técnica, pela PJ portuguesa, na elaboração dos Termos de Referência para abertura de procedimento concursal, com vista à realização de um estudo para reestruturação da PIC santomense. 4. Apoio bibliográfico, documental e em equipamentos O apoio bibliográfico e a oferta de equipamento tem sido permanente, em complementaridade com ações de formação e/ou modernização de serviços. Oferta de bibliotecas jurídicas para aumento e/ou atualização do acervo bibliográfico das seguintes entidades: Ministério da Justiça, Tribunais e PIC. Oferta de equipamento genérico e específico para o apetrechamento de diferentes serviços no âmbito da Justiça, como a PIC, Registos e Notariado e Serviços Prisionais de São Tomé e Príncipe. Oferta da tradução da legislação de S. Tomé e Príncipe sobre corrupção de português para inglês, no seguimento de um pedido de apoio da UNODC em Em 2012, foi efetuada a edição de 1000 exemplares do Código Penal (imediatamente após entrada em vigor, em novembro) e do Código de Processo Penal, ofertados ao Ministério da Justiça de São Tomé e Príncipe. 10

CABO VERDE PROGRAMA DE APOIO AO SECTOR DA JUSTIÇA 2009

CABO VERDE PROGRAMA DE APOIO AO SECTOR DA JUSTIÇA 2009 CABO VERDE PROGRAMA DE APOIO AO SECTOR DA JUSTIÇA 2009 CO-FINANCIADO PELO INSTITUTO PORTUGUÊS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO (IPAD) A. FORMAÇÃO 1) Formação de Magistrados no CEJ Inicial Realiza-se anualmente

Leia mais

Boletim da Cooperação na área da Justiça

Boletim da Cooperação na área da Justiça Boletim da Cooperação na área da Justiça NÚMERO 5, DEZEMBRO DE 2013 Nota Introdutória Com a edição de mais um número do Boletim da Cooperação, a Direção-Geral da Política de Justiça prossegue o seu intento

Leia mais

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral MODELO A MAPA DE PESSOAL 05 (Estrutura de mapa de pessoal - artigo 5º LVCR) Atribuições/Competências/Atividades Unidade orgânica/áreas de atividades Inspetor- Geral Subinspetor- Geral Diretor de Serviços

Leia mais

Recursos Humanos do Ministério da Justiça (Efectivos a 30 de Junho de cada ano)

Recursos Humanos do Ministério da Justiça (Efectivos a 30 de Junho de cada ano) Recursos Humanos do Ministério da Justiça TOTAL GERAL 28 615 28 106 27 858 26 758 ADMINISTRAÇÃO DIRECTA DO ESTADO 23 513 22 871 22 585 19 764 % relativamente ao total 82,2 81,4 81,1 73,9 ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

Eliminação de processos e documentos de arquivo

Eliminação de processos e documentos de arquivo Eliminação de processos e documentos de arquivo OT-05 1 Enquadramento legal e objetivo da eliminação: A eliminação de documentos de arquivo é um ato de gestão que tem por objetivo, libertar o arquivo de

Leia mais

Fontes de informação sobre gestão de documentos dos tribunais

Fontes de informação sobre gestão de documentos dos tribunais Fontes de informação sobre gestão de documentos dos tribunais OT-10 1 Âmbito da orientação A presente orientação reúne os documentos técnicos produzidos pela DGAJ, instrumentais na gestão dos arquivos

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras providências. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011

PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011 PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Versão 0/Junho 2006 INDICE 1. Introdução 2. Visão, missão, valores 3. A estrutura do plano 4. Programa 1 6. Programa 2 Reforço da administração da justiça

Leia mais

Exma. Senhora Chefe do Gabinete de Sua Excelência a Presidente da Assembleia da República Dra. Noémia Pizarro RESPOSTA À PERGUNTA N.º 3484/XII/1.

Exma. Senhora Chefe do Gabinete de Sua Excelência a Presidente da Assembleia da República Dra. Noémia Pizarro RESPOSTA À PERGUNTA N.º 3484/XII/1. Exma. Senhora Chefe do Gabinete de Sua Excelência a Presidente da Assembleia da República Dra. Noémia Pizarro SUA REFERÊNCIA SUA COMUNICAÇÃO DE NOSSA REFERÊNCIA Nº: 5699 ENT.: 5369 PROC. Nº: DATA 31/07/2012

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

Síntese da cooperação entre Portugal e Moçambique. na área a Justiça

Síntese da cooperação entre Portugal e Moçambique. na área a Justiça Síntese da cooperação entre Portugal e Moçambique na área a Justiça Junho de 2016 Síntese da Cooperação entre Portugal e Moçambique na área da Justiça 1. Breve síntese da Cooperação desenvolvida As relações

Leia mais

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial Utilização da videoconferência para obtenção de provas em matéria civil e comercial, ao abrigo do Regulamento (CE) n.º 1206/2001 do Conselho, de 28 de Maio de 2001 Guia prático Rede Judiciária Europeia

Leia mais

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA PR 2016 LEI ELEITORAL para o PRESIDENTE DA REPÚBLICA (LEPR) Decreto-Lei nº 319-A/76, de 3 de maio Com as alterações introduzidas pelas pelos seguintes diplomas

Leia mais

Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Fevereiro de 2012 Índice 1. Resumo das actividades... 1 2. Balanço e aperfeiçoamento... 6 3. Perspectivas para os trabalhos

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome BRUTO DA COSTA, MARIA HELENA Morada Escritório Nº 6, 5º, Avenida Rovisco Pais, 1000-268 Lisboa, Portugal Telefone Escritório: 21 847 79 49; Correio

Leia mais

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Alterado por Ato Normativo nº 905/2015, de 11/06/2015 (PT nº. 20.243/06) Aprova o Plano de Classificação de Documentos e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

Decreto n.º 51/98 Protocolo Adicional ao Acordo Judiciário entre Portugal e São Tomé e Príncipe, assinado em Luanda em 18 de Julho de 1997

Decreto n.º 51/98 Protocolo Adicional ao Acordo Judiciário entre Portugal e São Tomé e Príncipe, assinado em Luanda em 18 de Julho de 1997 Decreto n.º 51/98 Protocolo Adicional ao Acordo Judiciário entre Portugal e São Tomé e Príncipe, assinado em Luanda em 18 de Julho de 1997 Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição,

Leia mais

Audit Medel Portugal. Questionário. Magistratura Judicial: 1- Os juízes são independentes?

Audit Medel Portugal. Questionário. Magistratura Judicial: 1- Os juízes são independentes? Audit Medel Portugal Tendo em vista adoptar procedimentos de trabalho que viabilizem a obtenção, no tempo disponível e necessariamente limitado em que vai decorrer a visita dos auditores internacionais,

Leia mais

PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO PLANO DE REQUALIFICAÇÃO DOS EDIFÍCIOS DOS TRIBUNAIS (2012 / 2015)

PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO PLANO DE REQUALIFICAÇÃO DOS EDIFÍCIOS DOS TRIBUNAIS (2012 / 2015) DO PLANO DE REQUALIFICAÇÃO DOS EDIFÍCIOS DOS TRIBUNAIS (2012 / 2015) REFORMA DA ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA (ROJ) MAPA JUDICIÁRIO 1... Tem por missão a gestão dos recursos financeiros do MJ, a gestão do património

Leia mais

2.1. Objectivo Geral: Ministrar uma formação especializada sobre matérias de segurança, numa óptica multidisciplinar, mas integrada.

2.1. Objectivo Geral: Ministrar uma formação especializada sobre matérias de segurança, numa óptica multidisciplinar, mas integrada. PROGRAMA DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E SEGURANÇA 1. Apresentação A Fundação Direito e Justiça e o Instituto Superior de Ciências Jurídicas e Sociais, em parceria, com a Faculdade de Direito da

Leia mais

Alteração do Estatuto da Aposentação Corpos e Carreiras Especiais O PROJECTO DO GOVERNO

Alteração do Estatuto da Aposentação Corpos e Carreiras Especiais O PROJECTO DO GOVERNO Alteração do Estatuto da Aposentação Corpos e Carreiras Especiais O PROJECTO DO GOVERNO No quadro das iniciativas destinadas a reforçar a convergência e a equidade entre os subscritores da Caixa Geral

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA A República Portuguesa e a República de Cabo Verde, doravante designadas por Partes : Animadas pela vontade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 149/2014 Poder Judiciário

PROJETO DE LEI Nº 149/2014 Poder Judiciário DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Porto Alegre, sexta-feira, 13 de junho de 2014. PRO 1 PROJETO DE LEI Nº 149/2014 Poder Judiciário Extingue e cria cargos e funções, no âmbito da Justiça de 1º Grau,

Leia mais

Cooperação judicial. O papel do juiz de ligação e de os demais atores da cooperação judicial na Europa

Cooperação judicial. O papel do juiz de ligação e de os demais atores da cooperação judicial na Europa Cooperação judicial O papel do juiz de ligação e de os demais atores da cooperação judicial na Europa 1. Bases normativas da cooperação judicial na Europa Antes do Tratado de Lisboa (entrado em vigor em

Leia mais

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância O é a instituição encarregada de administrar justiça por meio dos tribunais. Sua função é assegurar o amparo, proteção ou tutela dos direitos dispostos nas leis. A Suprema Corte de Justiça é a máxima autoridade

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Decreto-Lei 34/2012 Orgânica dos Serviços de Apoio dos Tribunais Os Serviços de Apoio dos Tribunais destinam-se a assegurar os serviços administrativos do Tribunal

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20

Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20 Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20 Não tendo podido estar presente na abertura das actividades

Leia mais

Sessão Solene de abertura do Ano Judicial Supremo Tribunal de Justiça 8 de outubro de 2015

Sessão Solene de abertura do Ano Judicial Supremo Tribunal de Justiça 8 de outubro de 2015 Sessão Solene de abertura do Ano Judicial Supremo Tribunal de Justiça 8 de outubro de 2015 1. Ao longo da legislatura que agora termina, fiz sempre questão de enfatizar, em todas as sessões de abertura

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO ÍNDICE PREÂMBULO... 3 Procedimentos Técnico-Pedagógicos... 4 1.1. Destinatários e condições de acesso... 4 1.2. Organização dos cursos de formação... 4 1.3. Componentes de

Leia mais

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas ERA/ECBA/ICAB Barcelona 21-22 de Fevereiro de 2014 DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL NA UNIÃO EUROPEIA INDICAÇÕES DE PESQUISA E ELEMENTOS NORMATIVOS Vânia

Leia mais

Dá-se conhecimento público que, na Sessão do Plenário Ordinário, de 03-03-2015, pelas 12:00 hr., foram apreciadas as seguintes matérias:

Dá-se conhecimento público que, na Sessão do Plenário Ordinário, de 03-03-2015, pelas 12:00 hr., foram apreciadas as seguintes matérias: Dá-se conhecimento público que, na Sessão do Plenário Ordinário, de 03-03-2015, pelas 12:00 hr., foram apreciadas as seguintes matérias: Acelerações Processuais. 2015-XXX-/AP - Foi deliberado por unanimidade

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais

Marinho Pinto. O Ministério da Justiça está a ser usado para ajustes de contas

Marinho Pinto. O Ministério da Justiça está a ser usado para ajustes de contas Cavaco Silva convoca mandões da Justiça para Belém Marinho Pinto. O Ministério da Justiça está a ser usado para ajustes de contas De acordo com a Ordem dos Advogados, apenas 2238 processos estavam irregulares

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO A criação de um sistema integrado de gestão da qualidade para as instituições de ensino superior resulta das melhores

Leia mais

ANEXO XI. Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas

ANEXO XI. Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas ANEXO XI Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas Inicialmente, as suas competências eram, fundamentalmente, de órgão de inspeção das direções de finanças, repartições de finanças e de dar

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - NPJ A Direção Geral da Faculdade ESUP, torna público o presente Regulamento, que tem como finalidade, normatizar a estrutura e funcionamento do Núcleo de Prática

Leia mais

Portaria n.º 2-A/2004 de 5 de Janeiro

Portaria n.º 2-A/2004 de 5 de Janeiro Portaria n.º 2-A/2004 de 5 de Janeiro Define os quadros dos novos tribunais administrativos e fiscais A presente portaria visa dotar de meios humanos a nova rede de tribunais da jurisdição administrativa

Leia mais

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Decreto-Lei n.º 229/2005, de 29 de dezembro No quadro das iniciativas destinadas a reforçar a convergência e a equidade entre os subscritores da Caixa Geral de Aposentações e os contribuintes da segurança

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01 Manual de Acolhimento LogicPulse Technologies, Lda. Índice PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. OBJETIVOS DO MANUAL... 4 3. APRESENTAÇÃO DA LOGICPULSE TECHNOLOGIES... 5 4. ORGANOGRAMA ORGANIZACIONAL...

Leia mais

Registo Nacional de Pessoas Colectivas A Nova Classificação de Actividades Económicas (CAE Rev. 3)

Registo Nacional de Pessoas Colectivas A Nova Classificação de Actividades Económicas (CAE Rev. 3) Registo Nacional de Pessoas Colectivas A Nova Classificação de Actividades Económicas (CAE Rev. 3) Apresentado por: Ana Sommer Ribeiro 23.10.2007 Registo Nacional de Pessoas Colectivas Enquadramento O

Leia mais

Assunto: Forças policiais; denúncia; entrega de comprovativo.

Assunto: Forças policiais; denúncia; entrega de comprovativo. Sua Excelência A Ministra da Administração Interna Praça do Comércio 1149-015 Lisboa Sua referência Sua comunicação Nossa referência Proc. Q-1553/12 (UT5) e outros Assunto: Forças policiais; denúncia;

Leia mais

Deliberação Proc. n.º 13-AL/2013 (Ata n.º 92/XIV)

Deliberação Proc. n.º 13-AL/2013 (Ata n.º 92/XIV) Deliberação Proc. n.º 13-AL/2013 (Ata n.º 92/XIV) Pedido de parecer de cidadão sobre a elegibilidade dos guardas prisionais no âmbito das eleições autárquicas Lisboa 21 de maio de 2013 Proc. n.º 13/AL-2013

Leia mais

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições gerais Art.º 1.º Habilitação O Regulamento Orgânico da FCUL assenta nos preceitos da legislação

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016 Série Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 2/2016/M Fixa o Valor do Metro Quadrado

Leia mais

JANE PAIVA ELIONALDO FERNANDES JULIÃO

JANE PAIVA ELIONALDO FERNANDES JULIÃO EDUCAÇÃO EM PRISÕES Refere-se à oferta de educação como direito de jovens e adultos em privação de liberdade, no marco dos direitos humanos, em modalidade de atendimento que considera necessidades específicas

Leia mais

1. QUADRO DE REFERÊNCIA

1. QUADRO DE REFERÊNCIA PROTOCOLO entre Ministério da Justiça Presidência do Conselho de Ministros APS Associação Portuguesa de Seguradores DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor ACP Automóvel Clube de Portugal

Leia mais

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde DECRETO N.º 418/XII Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1 - A

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA INTRODUÇÃO No quadro das tarefas de implementação do Programa de Reforma Administrativa

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 287/XII Regula o regime de acesso e exercício da atividade profissional de cadastro predial, em conformidade com a disciplina da Lei n.º 9/2009, de 4 de março, e do Decreto-Lei n.º 92/2010,

Leia mais

Princípios Gerais da Reforma Judiciária. João Miguel Barros

Princípios Gerais da Reforma Judiciária. João Miguel Barros Princípios Gerais da Reforma Judiciária João Miguel Barros Agenda reformadora: 1. Reforma do Processo Civil 2. Organização Judiciária 3. Plano de Acção para a Justiça na Sociedade de Informação Ensaio

Leia mais

P R O V E D O R D E J U S T I Ç A

P R O V E D O R D E J U S T I Ç A PLANO DE ATIVIDADES 2013 INTRODUÇÃO 1. A definição dos objetivos estratégicos e operacionais das organizações traduz um importante instrumento de trabalho do ciclo anual de gestão. As prioridades agora

Leia mais

JUIZ TITULAR PROMOTORIA DE JUSTIÇA SECRETARIA DE VARA METODOLOGIA PROCESSOS

JUIZ TITULAR PROMOTORIA DE JUSTIÇA SECRETARIA DE VARA METODOLOGIA PROCESSOS O original deste documento é eletrônico e foi assinado digitalmente por JOSE TARCILIO SOUZA DA SILVA e ANTONIO PADUA SILVA e FRANCISCO JAIME MEDEIROS NETO e EDITE BRINGEL OLINDA ALENCAR em 02/07/2012 às

Leia mais

O PAPEL DAS AUTORIDADES CENTRAIS E A SECRETARIA DE COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL DO MPF

O PAPEL DAS AUTORIDADES CENTRAIS E A SECRETARIA DE COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL DO MPF O PAPEL DAS AUTORIDADES CENTRAIS E A SECRETARIA DE COOPERAÇÃO JURÍDICA INTERNACIONAL DO MPF Curso de Cooperação Jurídica Internacional para membros e servidores da Procuradoria da República no Paraná 31

Leia mais

REGULAMENTO USO DO AUDITÓRIO CAMPUS DE JUSTIÇA LISBOA

REGULAMENTO USO DO AUDITÓRIO CAMPUS DE JUSTIÇA LISBOA REGULAMENTO DE USO DO AUDITÓRIO DO CAMPUS DE JUSTIÇA DE LISBOA REGULAMENTO DE USO DO AUDITÓRIO SECÇÃO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Artigo 1.º - Objeto... 3 Artigo 2.º - Âmbito... 3 Artigo 3.º - Capacidade...

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Decreto-Lei n.º 177/2014, de 15 de dezembro

Legislação MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Decreto-Lei n.º 177/2014, de 15 de dezembro Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 177/2014, de 15 de dezembro Estado: vigente Resumo: Cria o procedimento especial para o registo de propriedade de veículos adquirida por contrato verbal de compra e venda,

Leia mais

LEI N.º 10/91 ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO. Artigo l.º

LEI N.º 10/91 ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO. Artigo l.º LEI N.º 10/91 A Assembleia Nacional no uso das atribuições que lhe são conferidas ao abrigo da alínea d) do artigo 87º. Da Constituição, aprova a seguinte Lei: ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO

Leia mais

Síntese da Cooperação Bilateral com Cabo Verde na área da Justiça

Síntese da Cooperação Bilateral com Cabo Verde na área da Justiça Síntese da Cooperação Bilateral com Cabo Verde na área da Justiça Fevereiro 2015 SÍNTESE DA COOPERAÇÃO BILATERAL COM CABO VERDE NA ÁREA DA JUSTIÇA Até ao presente, as relações de cooperação entre Portugal

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 Dispõe sobre os cargos em comissão do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições

Leia mais

Profissões jurídicas - outras SOCIOLOGIA JURÍDICA PROF. ADRIANO DE ASSIS FERREIRA

Profissões jurídicas - outras SOCIOLOGIA JURÍDICA PROF. ADRIANO DE ASSIS FERREIRA 1 Profissões jurídicas - outras SOCIOLOGIA JURÍDICA PROF. ADRIANO DE ASSIS FERREIRA Profissões jurídicas 2 2410 : Advogados 1113 : Magistrados 2412 : Procuradores e advogados públicos 2413 : Tabeliães

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 52/2008 Artigo 91º do Estatuto da Ordem dos Advogados QUESTÃO A Senhora Dra.... vem solicitar que o emita parecer sobre uma questão relacionada com o âmbito de aplicação do dever consagrado

Leia mais

Diário da República Electrónico (DRE) Tutorial de pesquisa

Diário da República Electrónico (DRE) Tutorial de pesquisa Diário da República Electrónico (DRE) Tutorial de pesquisa Tutorial de pesquisa no Diário da República Electrónico (DRE) índice 1. A legislação do DR 2. A pesquisa no DR 1.1. I Série 1.2. II Série 1.3.

Leia mais

e-justiça Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ )

e-justiça Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ ) e justiça O que o sector da justiça em Portugal tem a ganhar com o desenvolvimento da SI 12 e 13 de Janeiro de 2004 Fundação Calouste Gulbenkian Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ ) Patrocínio O que o sector da

Leia mais

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS 1 DE JULHO DE 2015 OPERAÇÕES TEMÁTICAS OPERAÇÃO TEMÁTICA M/C DOTAÇÃO ORÇAMENTAL CAPACITAÇÃO PARA AVALIAÇÕES DE IMPACTO REGULATÓRIO

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE MAGISTRADOS ENFAM FUNDAMENTAÇÃO CONSTITUCIONAL

ESCOLA NACIONAL DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE MAGISTRADOS ENFAM FUNDAMENTAÇÃO CONSTITUCIONAL 1 ESCOLA NACIONAL DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE MAGISTRADOS ENFAM FUNDAMENTAÇÃO CONSTITUCIONAL No tocante à composição e gestão da Enfam (art. 105, parágrafo único, I): Funcionarão junto ao Superior

Leia mais

DE ATIVIDA RELATÓRIO ADES. Ano. Relatório

DE ATIVIDA RELATÓRIO ADES. Ano. Relatório RELATÓRIO DE ATIVIDA ADES DA INSPEÇÃO-GERAL DOS SERVIÇOS DE JUSTIÇA Ano 2012 Relatório de Atividade - 2012 Índice LISTA DE SIGLAS UTILIZADAS... 3 1.BREVE ANÁLISE CONJUNTURAL... 6 1.1.MISSÃO E ATRIBUIÇÃO

Leia mais

JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013

JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 27 de junho de 2013 Série Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Despacho n.º 104/2013 Designa o Licenciado, António Gil Fraga Gomes Ferreira,

Leia mais

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 214/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 214/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 214/XII Exposição de Motivos A disponibilização na Internet de serviços públicos tem conhecido, na última década, uma evolução assinalável, a qual, contudo, não é acompanhada por um

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana Abril de 2013 MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas

Leia mais

REGULAMENTO DE REGISTO E INSCRIÇÃO DOS ADVOGADOS PROVENIENTES DE OUTROS ESTADOS MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA

REGULAMENTO DE REGISTO E INSCRIÇÃO DOS ADVOGADOS PROVENIENTES DE OUTROS ESTADOS MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA REGULAMENTO DE REGISTO E INSCRIÇÃO DOS ADVOGADOS PROVENIENTES DE OUTROS ESTADOS MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA ARTIGO 1.º O presente Regulamento estabelece os requisitos de registo e inscrição na Ordem dos

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS

ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA JUDICIÁRIA COORDENADORIA DE JURISPRUDÊNCIA E DOCUMENTAÇÃO GUIA PRÁTICO 1 ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS RESOLUÇÃO TSE Nº 23.364/2011 ELEIÇÕES 2012 REGISTRO

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RECOMENDAÇÃO Nº 37, DE 15 DE AGOSTO DE 2011 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET)

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Preâmbulo A criação de oportunidades de formação para públicos diversos, com necessidades específicas, tem sido, desde sempre, uma

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA REGULAMENTO. Objeto, duração e definições

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA REGULAMENTO. Objeto, duração e definições CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA REGULAMENTO Objeto, duração e definições Artigo 1.º Objecto do Curso 1. O Curso de Especialização em Gestão e Organização da Justiça é um Curso de

Leia mais

REGULAMENTO. Estudante Internacional

REGULAMENTO. Estudante Internacional Estudante Internacional REGULAMENTO Elaboradopor: Aprovado por: Versão Gabinete de Apoio à Reitoria Reitor 1.1 Revisto e confirmadopor: de Aprovação Inicial Secretario Geral 11 de Agosto 2014 de aplicação

Leia mais

DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPÚBLICA DE CABO VERDE ASSEMBLEIA NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSEMBLEIA NACIONAL PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL DA REPÚBLICA

Leia mais

Artigo 2 (Proibição do Secretismo) As associações não podem ter carácter secreto.

Artigo 2 (Proibição do Secretismo) As associações não podem ter carácter secreto. EXTRACTO 1: Lei nº 8/91 1, de 18 de Julho, Regula o direito a livre associação Preâmbulo O direito a livre associação constitui uma garantia básica de realização pessoal dos indivíduos na vida em sociedade

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Boletim da Cooperação na área da Justiça

Boletim da Cooperação na área da Justiça Boletim da Cooperação na área da Justiça Nota introdutória Cumprindo os objetivos a que a Direção-Geral da Política de Justiça (DGPJ) se propôs, a edição do n.º 2 deste boletim da Cooperação vem dar continuidade

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 170 Diário da República, 1.ª série N.º 9 14 de janeiro de 2013 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 3/2013 de 14 de janeiro Primeira alteração ao Decreto -Lei n.º 280/93, de 13 de agosto, que estabelece o regime

Leia mais

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º Natureza Os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa, adiante designados por SASULisboa, são uma pessoa coletiva de direito

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL PORTUGUÊS

DIREITO PROCESSUAL PENAL PORTUGUÊS Germano Marques da Silva Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa DIREITO PROCESSUAL PENAL PORTUGUÊS VOL. I Universidade Católica Editora Lisboa, 2013 PREFÁCIO Este livro deveria

Leia mais

O NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL

O NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL Nº 52 Setembro de 2013 Direcção: Pedro Costa Azevedo Colaboração: Rui Ferreira d Apresentação Sara Félix No início deste mês, entrou em vigor o novo Código do Processo Civil, diploma estrutural da vida

Leia mais

Texto Final. Projeto de Lei n.º 68/XII (1.ª) (PSD e CDS-PP) Lei de Bases da Economia Social

Texto Final. Projeto de Lei n.º 68/XII (1.ª) (PSD e CDS-PP) Lei de Bases da Economia Social Texto Final Projeto de Lei n.º 68/XII (1.ª) (PSD e CDS-PP) Lei de Bases da Economia Social Artigo 1.º Objeto A presente lei estabelece, no desenvolvimento do disposto na Constituição da República Portuguesa

Leia mais

O INDICADOR ESTATÍSTICO DA CARGA DE TRABALHO DO RELATÓRIO JUSTIÇA

O INDICADOR ESTATÍSTICO DA CARGA DE TRABALHO DO RELATÓRIO JUSTIÇA O INDICADOR ESTATÍSTICO DA CARGA DE TRABALHO DO RELATÓRIO JUSTIÇA EM NÚMEROS DO CNJ APONTA A NECESSIDADE DA EQUALIZAÇÃO DA FORÇA DE TRABALHO NOS TRIBUNAIS PARA CONCRETIZAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO

Leia mais

CURRICULUM VITÆ JOÃO CARLOS ALBUQUERQUE AMARAL E ALMEIDA. Nasceu em Mangualde, distrito de Viseu, a 3 de Setembro de 1964.

CURRICULUM VITÆ JOÃO CARLOS ALBUQUERQUE AMARAL E ALMEIDA. Nasceu em Mangualde, distrito de Viseu, a 3 de Setembro de 1964. CURRICULUM VITÆ JOÃO CARLOS ALBUQUERQUE AMARAL E ALMEIDA DADOS PESSOAIS: Nasceu em Mangualde, distrito de Viseu, a 3 de Setembro de 1964. Estado civil: solteiro. Trabalha em Lisboa, com escritório na Rua

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA. A segunda etapa do I Seminário Luso-brasileiro sobre Tráfico de Pessoas e

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA. A segunda etapa do I Seminário Luso-brasileiro sobre Tráfico de Pessoas e DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA A segunda etapa do I Seminário Luso-brasileiro sobre Tráfico de Pessoas e Imigração Ilegal/Irregular realizado em Brasília, Brasil, entre os dias 27 e 29 de novembro de 2006, reuniu

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 190/2003 de 22 de Agosto

Decreto-Lei n.º 190/2003 de 22 de Agosto Decreto-Lei n.º 190/2003 de 22 de Agosto Pela Lei n.º 93/99, de 14 de Julho, a Assembleia da República aprovou o diploma que regula a aplicação de medidas para protecção de testemunhas em processo penal,

Leia mais

Relacionar recomendações para a gestão da prestação jurisdicional em Vara Empresarial.

Relacionar recomendações para a gestão da prestação jurisdicional em Vara Empresarial. Proposto por: GERIR A ENTREGA DA PRESTAÇÃO JURISDICIONAL Equipe da Vara Empresarial Analisado por: RAS da Vara Empresarial Aprovado por: Juiz de Direito da Vara Empresarial 1 OBJETIVO Relacionar recomendações

Leia mais