PLANO ESTRATÉGICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011"

Transcrição

1 PLANO ESTRATÉGICO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Versão 0/Junho 2006

2 INDICE 1. Introdução 2. Visão, missão, valores 3. A estrutura do plano 4. Programa 1 6. Programa 2 Reforço da administração da justiça Modernização dos Registos, Notariado e Identificação 7. Programa 3: Desenvolvimento de um sistema de qualidade visando um serviço célere e seguro para o cidadão e de um ambiente favorável aos negócios Combate à criminalidade e a droga 8. Programa 4 Redução da oferta de drogas Redução da procura de drogas Reforma do sistema prisional e promoção de reinserção social de adultos e menores em conflito com a lei Reforma do sistema prisional e promoção de uma efectiva reinserção social dos reclusos 9. Programa 5 Sistema de gestão pg 2

3 1. INTRODUÇÃO O desenvolvimento de Cabo Verde deve concretizar-se no quadro de uma sociedade aberta, plenamente inserida no mundo globalizado, dinâmica, informada, actuante e respeitadora dos Direitos Humanos. Neste quadro, à administração da justiça é reservada uma atenção particular, visando reforçar a independência da justiça, afirmar a sua credibilidade no seio da sociedade, favorecer a sua modernização e celeridade, reforçar a segurança do comércio jurídico e o combate à criminalidade e à droga, enfim, adequar o sistema às exigências do desenvolvimento e afirmando-o como um dos esteios de uma cultura de paz e da sociedade democrática. No centro do processo da reforma, extensivo a todos os subsistemas da justiça, coloca-se o cidadão, de forma a construir uma justiça ao serviço da cidadania e do desenvolvimento. A qualidade do serviço deve ser garantido por um sistema de gestão coerente e sólida, munida de ferramentas modernas e baseada na prestação de contas. Deste modo, o eixo central das acções do plano estratégico é o desenvolvimento humano e institucional, em função dos objectivos preconizados, garantindo as condições da boa governação, de uma gestão responsável e prestadora de contas. pg 3

4 2. VISÃO, MISSÃO E VALORES DA JUSTIÇA VISÃO Uma sociedade em que os valores da Constituição são assumidos no quotidiano, prevalece o respeito pelos Direitos Humanos e em que há garantia de um comércio jurídico seguro e de uma justiça independente e eficaz, servindo a cidadania e o desenvolvimento MISSÃO Contribuir para a consolidação do Estado de Direito Democrático, garantindo condições para que os direitos, liberdades e garantias sejam respeitados, o exercício da cidadania e a actividade empresarial sejam favorecidos e a justiça seja cada vez mais célere, eficaz e credível VALORES Justiça para todos Justiça célere e acessível Justiça Independente A Justiça livre de qualquer pressão externa e ancorada nos princípios da separação de poderes e do Estado de Direito, garantindo a sua eficácia e eficiência. Justiça como pilar do exercício da cidadania e do ambiente favorável à actividade empresarial Comprometimento dos servidores da justiça Servidores da justiça que trabalham de forma honesta e dedicada para o cumprimento da missão da Justiça. Excelência na gestão Visando o cumprimento integral da missão, serviços da Justiça geridos na base dos princípios de boa gestão e centrados no Cidadão. pg 4

5 Programa 5: S i s t e m a d e G e s t ã o 3. A ESTRUTURA DO PLANO Programa 1: Reforço da administração da justiça Programa 2: Modernização dos Registos, Notariado e Identificação Desenvolvimento de um sistema de qualidade visando um serviço célere e seguro para o cidadão e de um ambiente favorável aos negócios Programa 3: Combate à criminalidade e a droga Redução da oferta de drogas Redução da procura de drogas Programa 4: Reforma do sistema prisional e promoção de reinserção social de adultos e menores em conflito com a lei P L A N O E S T R A T É G I C O

6 3. QUADRO SUMÁRIO 1. A estrutura de execução pg 6

7 Programa 1 1. Desenvolver um programa de comunicação global, Implementar as Casas do Direito A população como principal promotora do direito e da observância dos deveres, prática quotidiana da cultura de paz Prazo de execução: 3 anos Início: Fim: contos CVE Banco Mundial/IDF/JSDF/PRSC(AOL)/CGJ contos CVE 2. Garantir a assistência judiciária Monitorizar o acesso das pessoas vulneráveis à justiça através do desenvolvimento de um sistema de informação e a melhoria dos mecanismos de acesso Apoio judiciário de facto acessível aos grupos vulneráveis Banco Mundial/IDF/PRSC(AOL) Início: Fim: contos CVE contos CVE 3. Garantir a assistência judiciária Reforço do fundo de apoio judiciário Disponibilizar recursos para garantir a assistência judiciária através da OACV. Criar condições físicas de atendimento regional de informação jurídica e assistência judiciária Prazo de execução: 3 anos Início: Fim: contos CVE Banco Mundial/JSDF/PRSC(AOL) contos CVE pg 7

8 Programa 1 4. Criar e implementar a mediação II - Formar mediadores Criar e implementar um programa de formação em mediação Disponibilizar mediadores para os centros de mediação a nível do país Prazo de execução: 3 anos Início: Fim: contos CVE Banco Mundial/IDF/PRSC(AOL) contos CVE 5. Promover a arbitragem comercial no seio da comunidade de negócios Promover o conhecimento sobre as o mecanismo e as vantagens da arbitragem no seio da comunidade de negócios Início: Fim: contos CVE 6. Reforma do Contencioso Administrativo Banco Mundial/PCC contos CVE Adequar o contencioso administrativo à maior transparência da Administração Prazo de execução: 2 anos Início: Fim: contos CVE Constituição, reforço das garantias do administrado e Tesouro contos CVE pg 8

9 Programa 1 7. Reforma do Código de Processo Civil Tornar o processo civil mais célere e mais adequada às exigências da vida moderna Prazo de execução: 2 anos Início: Fim: contos CVE Tesouro contos CVE pg 9

10 Programa 1 Reforço da administração da Justiça 1. Definir procedimentos operacionais padronizados / Preparar manuais de procedimentos para Secretarias Judiciais e do Ministério Público Garantir maior celeridade, eficácia e eficiência e o correcto funcionamento das Secretarias Judiciais e do Ministério Público Início: Fim: contos CVE Banco Mundial/IDF 400 contos CVE 2. Reforma das Secretarias Judiciais e do Ministério Público Garantir maior celeridade, eficácia e eficiência das Secretarias através de informatização e definição de procedimentos céleres e ligação dos serviços em rede. Início: Fim: contos CVE Banco Mundial (AOL) contos CVE 3. Dotar os Tribunais de bibliotecas/informação jurídica on-line Disponibilizar toda a legislação on-line, com possibilidade de busca aos diferentes grupos alvo Início: Fim: contos CVE Banco Mundial/PCC contos CVE pg 10

11 Programa 1 Reforço da administração da Justiça 4. Dotar os tribunais de bibliotecas/promover a publicação das decisões do Supremo Tribunal da Justiça Divulgar as decisões do Supremo Tribunal da Justiça Início: Fim: contos CVE Banco Mundial/IDF contos CVE 5.Formação dos recursos humanos do Instituto da Condição Feminina Dotar o ICF de Recursos Humanos capacitados para promover a equidade do género e combater a violência baseada no género Início: Fim: contos CVE Banco Mundial/IDF contos CVE 6. Promover a capacitação profissional dos operadores da justiça Criar um curso profissional de direito presencial e à distância de 2 anos, na Universidade Jean Piaget, com perfil de saída para as áreas de: Secretarias Judiciais, Registos e Notariado, Polícia Judiciára, Gabinetes de Advogados, etc. Disponibilizar no sector da Justiça Recursos Humanos de nível profissional IV no domínio do direito, visando a qualidade e profissionalismo Início: Fim: contos CVE Banco Mundial/IDF contos CVE pg 11

12 Programa 1 Reforço da administração da Justiça 7. Construção do Palácio da Justiça de São Vicente Instalação do Tribunal de Comarca, da Procuradoria da República e dos serviços afectos aos Registos, Notariado e Identificação num espaço condigno, permitindo dar uma resposta de qualidade ao utente. Prazo de execução: 2 anos Início: Fim: contos CVE 8. Construção do Palácio da Justiça de Santa Cruz Tesouro (CGJ) contos CVE Instalação do Tribunal de Comarca, da Procuradoria da República e dos serviços afectos aos Registos, Notariado e Identificação num espaço condigno, permitindo dar uma resposta de qualidade ao utente. Prazo de execução: 2 anos Início: Fim: contos CVE 9. Obras de Beneficiação do Palácio da Justiça da Praia Banco Mundial/AOL contos CVE Conservação e melhoria do espaço afecto ao Tribunal de Comarca e Procuradoria da República (introdução de sistema de vídeo vigilância e controlo de acesso, sistema de comunicação económica através do Voice-IP e gerador de emergência). Início: Fim: contos CVE Banco Mundial/AOL/Tes (CGJ) contos CVE pg 12

13 Programa 1 Reforço da administração da Justiça 10. Expansão do Tribunal da Praia Juízo de Famílias e Menores e Juízo do Trabalho Dar uma certa autonomia aos supracitados Juízos e descongestionar o Palácio da Justiça da Praia. Início: Fim: Banco Mundial/AOL contos CVE contos CVE 11. Reestruturação do Cofre Geral da Justiça Informatização das Secretarias Judiciais e do Ministério Público visando a gestão financeira online e informatização do código de custas. Início: Fim: contos CVE Tesouro/CGJ contos CVE 12. Obras de Beneficiação do edifício do Tribunal de Ponta do Sol Santo Antão Conservação e melhoria do espaço afecto ao Tribunal de Comarca, Procuradoria da República e Delegação dos Registos. Prazo de execução: 2 anos Início: Fim: contos CVE Tesouro/CGJ contos CVE pg 13

14 Programa 1 Reforço da administração da Justiça 13. Obras de Beneficiação do edifício do Tribunal de Sal Rei Boavista Conservação e melhoria do espaço afecto ao Tribunal de Comarca, Procuradoria da República e Delegação dos Registos. Prazo de execução: 2 anos Início: Fim: contos CVE Tesouro/CGJ contos CVE pg 14

15 Programa 2 Modernização dos Registos, Notariado e Identificação 1. Criar o Sistema Front Office / Back Office a nível nacional Desenvolvimento de um sistema de qualidade visando um serviço célere e seguro para o cidadão e de um ambiente favorável aos negócios Prazo de execução: 4 anos Início: Fim: contos CVE Banco Mundial/AOL/CGJ contos CVE 2. Descentralizar os Serviços do Notariado Melhorar o Serviço de Atendimento do Cidadão Início: Fim: contos CVE Banco Mundial contos CVE 3. Promoção do Registo à Nascença Registar os recém-nascidos à nascença Início: Fim: contos CVE CGJ/UNICEF contos CVE pg 15

16 Programa 2 Modernização dos Registos, Notariado e Identificação 4. Desenvolvimento da inspecção dos RNI Desenvolvimento de um sistema de qualidade visando um serviço célere e seguro para o cidadão e de um ambiente favorável aos negócios Início: Fim: contos CVE Tesouro contos CVE 5. Construção da sede dos RNI Melhorar as infraestruturas dos RNI Prazo de execução: 3 anos Início: Fim: contos CVE Tesouro/CGJ contos CVE pg 16

17 Redução da oferta de drogas Programa 3 Combate à criminalidade e a droga 1. Combate ao tráfico ilícito e à criminalidade organizada - ANTRAF Reforço do controlo de entrada e trânsito de drogas e reduzir a criminalidade conexa Prazo de execução: 3 anos Início: Fim: contos CVE UE/AOL contos CVE * * Compromisso do Governo de Cabo Verde em disponibilizar este montante via Tesouro pg 17

18 Redução da procura de drogas Programa 3 Combate à criminalidade e a droga 1. Tratamento e reinserção social dos tóxico-dependentes Melhoria das condições de atendimento, tratamento e reinserção social dos tóxico-dependentes Prazo de execução: 3 anos Início: Fim: contos CVE Tesouro/Luxemburgo contos CVE pg 18

19 Programa 4 Reforma do sistema prisional e promoção de reinserção social de adultos e menores em conflito com a lei Reforma do sistema prisional e promoção de uma efectiva reinserção social dos reclusos 1. Aquisição de três viaturas celulares para as cadeias de são Martinho e Ribeirinha Dotar os Serviços Prisionais de meios de transporte apropriados para deslocações de reclusos Início: Fim: contos CVE Tesouro/CGJ contos CVE 2. Construção da Cadeia Regional do Sal Aumentar a capacidade física de acolhimento de reclusos e combater a sobrelotação das cadeias Prazo de execução: 2 anos Início: Fim: contos CVE Banco Mundial/AOL contos CVE 3.Ampliação da cadeia de São Martinho Aumentar a capacidade física de acolhimento de reclusos e combater a sobrelotação das cadeias Prazo de execução: 2 anos Início: Fim: contos CVE Banco Mundial/AOL contos CVE pg 19

CABO VERDE PROGRAMA DE APOIO AO SECTOR DA JUSTIÇA 2009

CABO VERDE PROGRAMA DE APOIO AO SECTOR DA JUSTIÇA 2009 CABO VERDE PROGRAMA DE APOIO AO SECTOR DA JUSTIÇA 2009 CO-FINANCIADO PELO INSTITUTO PORTUGUÊS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO (IPAD) A. FORMAÇÃO 1) Formação de Magistrados no CEJ Inicial Realiza-se anualmente

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

Casa do Direito, Abre essa porta!

Casa do Direito, Abre essa porta! Casa do Direito, Abre essa porta! Apresentação do Projecto Organização Actividades Decreto-lei nº62/2005 de 10 de Outubro Garantir a protecção e o exercício dos direitos do cidadão bem como a observância

Leia mais

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 100 - ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS O Programa Escola do Legislativo tem como objetivo principal oferecer suporte conceitual de natureza técnico-científica

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

ANEXO 1. Custos com pessoal. CDL 2007 Relatório de Contas. Peso do Quadro. Peso na

ANEXO 1. Custos com pessoal. CDL 2007 Relatório de Contas. Peso do Quadro. Peso na ANEXO 1 Custos com pessoal Peso na Peso do Nº pessoas Custo Quadro custo Apoio Judiciário 10,75 12,76% 284.421,71 17,06% Centro de Estágio 8,00 9,50% 236.690,40 14,19% Conselho de Deontologia 11,00 13,06%

Leia mais

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Os juízes representantes dos vários países de língua oficial portuguesa e que integram a União

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça

Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça Fevereiro 2015 SÍNTESE DA COOPERAÇÃO BILATERAL COM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE NA ÁREA DA JUSTIÇA O Ministério da Justiça tem apoiado,

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL

REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL Página 1 de 7 CAPITULO I Enquadramento O Projecto Emprego Jovem e Coesão Social enquadra-se no Programa Regional para a Coesão Social e o Emprego Jovem,

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Diretoria Geral de Planejamento, Coordenação e Finanças (DGPCF) 0301- Tribunal de Justiça.

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Diretoria Geral de Planejamento, Coordenação e Finanças (DGPCF) 0301- Tribunal de Justiça. ESTRUTURA PROGRAMÁTICA - PROPOSTA 2016 UNIDADE - UO 0301 PROGRAMA PROGRAMA Garantir o pagamento pelo efetivo serviço exercido por magistrados e servidores, bem como as obrigações de responsabilidade do

Leia mais

REUNIÕES DA DIRECÇÃO DO CDL

REUNIÕES DA DIRECÇÃO DO CDL 1. Reuniões realizadas Reuniões Plenárias 23 Reuniões da Comissão Executiva 8 2. Reuniões Plenárias Reuniões Plenárias 5.Janeiro 12.Janeiro 19.Janeiro 26.Janeiro 3. Definição dos objectivos programáticos

Leia mais

Proposta. Projeto Brasileiro. Brasília, outubro de 2012

Proposta. Projeto Brasileiro. Brasília, outubro de 2012 Proposta Projeto Brasileiro Brasília, outubro de 2012 1 - Existe, em seu país, política pública, programa ou estratégia de acesso ao Direito, para a população em condição de vulnerabilidade (grupos vulneráveis)?

Leia mais

Construção do Plano Estratégico 2015-2020. Revisão da Identidade Estratégica Comissão de Planejamento Estratégico 10/10/2014

Construção do Plano Estratégico 2015-2020. Revisão da Identidade Estratégica Comissão de Planejamento Estratégico 10/10/2014 Construção do Plano Estratégico 2015-2020 Revisão da Identidade Estratégica Comissão de Planejamento Estratégico 10/10/2014 2 Objetivo da Reunião Apresentar a contribuição institucional, discutir propostas

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA INTRODUÇÃO No quadro das tarefas de implementação do Programa de Reforma Administrativa

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais

Eficácia 01. Melhorar a satisfação das necessidades e das condições de instalação dos serviços do MJ

Eficácia 01. Melhorar a satisfação das necessidades e das condições de instalação dos serviços do MJ ANEXO II ANO: 2015 Ministério da Justiça Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, IP MISSÃO: Gestão dos recursos financeiros do Ministério da Justiça, do património afeto à área da justiça,

Leia mais

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: SEGURANÇA Visão: Que Santa Maria tenha os melhores indicadores de Segurança Pública, entre os municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes, garantindo a prevenção e o controle

Leia mais

1. QUADRO DE REFERÊNCIA

1. QUADRO DE REFERÊNCIA PROTOCOLO entre Ministério da Justiça Presidência do Conselho de Ministros APS Associação Portuguesa de Seguradores DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor ACP Automóvel Clube de Portugal

Leia mais

Princípios Gerais da Reforma Judiciária. João Miguel Barros

Princípios Gerais da Reforma Judiciária. João Miguel Barros Princípios Gerais da Reforma Judiciária João Miguel Barros Agenda reformadora: 1. Reforma do Processo Civil 2. Organização Judiciária 3. Plano de Acção para a Justiça na Sociedade de Informação Ensaio

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

PLENÁRIA FINAL JUSTIÇA ELEITORAL

PLENÁRIA FINAL JUSTIÇA ELEITORAL 1ª Reunião da Rede de Priorização do Primeiro Grau de Jurisdição PLENÁRIA FINAL JUSTIÇA ELEITORAL 05 a 07 de maio de 2015 ESMAF Brasília/DF Integrantes da Rede de Priorização do Primeiro Grau no segmento

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Audit Medel Portugal. Questionário. Magistratura Judicial: 1- Os juízes são independentes?

Audit Medel Portugal. Questionário. Magistratura Judicial: 1- Os juízes são independentes? Audit Medel Portugal Tendo em vista adoptar procedimentos de trabalho que viabilizem a obtenção, no tempo disponível e necessariamente limitado em que vai decorrer a visita dos auditores internacionais,

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

Políticas Publicas de Ressocialização

Políticas Publicas de Ressocialização Primeiro Encontro Mato Grossense de Conselhos da Comunidade Políticas Publicas de Ressocialização ão Rosangela Peixoto Santa Rita 26 de junho de 2008. O Brasil já tem mais de 423 mil presos em seus cárceres;

Leia mais

Boletim da Cooperação na área da Justiça

Boletim da Cooperação na área da Justiça Boletim da Cooperação na área da Justiça NÚMERO 5, DEZEMBRO DE 2013 Nota Introdutória Com a edição de mais um número do Boletim da Cooperação, a Direção-Geral da Política de Justiça prossegue o seu intento

Leia mais

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Sumário Assistência Social Saúde Educação Infraestrutura - Comunicação e Energia Moradia Bolsa Família Bolsa Verde Direitos Culturais A

Leia mais

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA Banco de Portugal, 11 de Julho de 2013 Solange Lisboa Ramos Gabinete de Apoio ao Consumidor do Banco

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos.

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos. OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÂNICAS - 2011 MUNICÍPIO DA MARINHA GRANDE UNIDADE ORGÂNICA: Divisão de Ambiente, Serviços Urbanos e Protecção Civil Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA 1 Boas Práticas DESMATERIALIZAÇÃO PROCESSOS NA JUSTIÇA Instituto de Gestão Financeira e Infra-Estruturas da Justiça, I.P. 2 Boas Práticas GRAÇA NAMORA Coordenadora Gabinete Sistemas de Informação 29.10.2010

Leia mais

Abertura do Ano Judicial 2011. Senhor Presidente da Assembleia da República. Senhor Presidente do Supremo Tribunal de Justiça

Abertura do Ano Judicial 2011. Senhor Presidente da Assembleia da República. Senhor Presidente do Supremo Tribunal de Justiça GABINETE DO MINISTRO Abertura do Ano Judicial 2011 16 de Março de 2011 Senhor Presidente da República Senhor Presidente da Assembleia da República Senhor Presidente do Supremo Tribunal de Justiça Senhor

Leia mais

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização Ministério: Organismo: MISSÃO: Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral do Orçamento A Direcção-Geral do Orçamento (DGO) tem por missão superintender na elaboração e execução do

Leia mais

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1.

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1. 34 Os indicadores são índices utilizados para aferir resultados. O TRT da 7ª Região adotou indicadores aferidos pelo CNJ e criou outros considerados relevantes para o processo decisório da gestão institucional,

Leia mais

Antônio Francisco Morais Rolla Diretor Executivo de Informática TJMG

Antônio Francisco Morais Rolla Diretor Executivo de Informática TJMG Antônio Francisco Morais Rolla Diretor Executivo de Informática TJMG Tipos de Justiça: Federal Estadual (Comum e Militar) Trabalho Eleitoral No TJMG Justiça Comum: 1ª e 2ª Instâncias Juizados Especiais

Leia mais

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO (Nota: Esta Comunicação foi amputada, de forma Subtil, de cerca 700 caracteres por imposição da organização

Leia mais

PONTO DE ACESSO AO DIREITO

PONTO DE ACESSO AO DIREITO 1. Ponto de Acesso ao Direito O Ponto de Acesso ao Direito, implementado no início de 2007, tem subjacente e como finalidade apoiar as dezenas de pessoas que se deslocam ao CDL à procura de um auxílio

Leia mais

Rede de Defesa e Segurança

Rede de Defesa e Segurança Rede de Defesa e Segurança 1 PROGRAMA ALIANÇA PELA VIDA Objetivo: Estruturar ações integradas de prevenção, acolhimento e tratamento dos usuários e dependentes de álcool e outras drogas e seus familiares,

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Gustavo Sanches. Business Inteligence para publicação dos dados do Judiciário

Gustavo Sanches. Business Inteligence para publicação dos dados do Judiciário Gustavo Sanches Projeto de BI do Relatório Justiça em Números O Conselho Nacional de Justiça O Relatório Justiça em Números Criação / Regulamentação Tribunais envolvidos A evolução do relatório / publicações

Leia mais

3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 17.108, de 27 de julho de 2005. DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE TRABALHO PROGRAMAS ESPECÍFICOS VOLTADOS PARA

Leia mais

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DA FREGUESIA DE SÃO TEOTÓNIO (1ª ALTERAÇÃO)

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM DA FREGUESIA DE SÃO TEOTÓNIO (1ª ALTERAÇÃO) DA FREGUESIA DE SÃO TEOTÓNIO (1ª ALTERAÇÃO) Órgão Executivo, Órgão Deliberativo, Em de 2015 Em de 2015 Preâmbulo A freguesia de São Teotónio tem um compromisso estabelecido com a população de cumprir a

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE AÇÃO GOVERNAMENTAL 2012-2015 RELAÇÃO DE PROGRAMAS SOCIAIS (Inciso I do art. 12 da Lei n.º 20.024, de 9 de janeiro de 2012)

PLANO PLURIANUAL DE AÇÃO GOVERNAMENTAL 2012-2015 RELAÇÃO DE PROGRAMAS SOCIAIS (Inciso I do art. 12 da Lei n.º 20.024, de 9 de janeiro de 2012) ADMINISTRAÇÃO DE ESTÁDIOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS 181 GERENCIAMENTO DE ESTÁDIOS E PROMOÇÃO DE EVENTOS ESPORTIVOS, RELIGIOSOS E SOCIO-CULTURAIS AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

Leia mais

ESCOLA JUDICIAL DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 16ª REGIÃO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO QUALIFICAR

ESCOLA JUDICIAL DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 16ª REGIÃO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO QUALIFICAR PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO QUALIFICAR CALENDÁRIO DE CURSOS EXERCÍCIO 2011 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2011-2015 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO QUALIFICAR Escopo Capacitar magistrados e servidores em gestão

Leia mais

PLENÁRIA FINAL JUSTIÇA FEDERAL

PLENÁRIA FINAL JUSTIÇA FEDERAL 1ª Reunião da Rede de Priorização do Primeiro Grau de Jurisdição PLENÁRIA FINAL JUSTIÇA FEDERAL 05 a 07 de maio de 2015 ESMAF Brasília/DF Integrantes da Rede de Priorização do Primeiro Grau no segmento

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Sessão Solene de abertura do Ano Judicial Supremo Tribunal de Justiça 8 de outubro de 2015

Sessão Solene de abertura do Ano Judicial Supremo Tribunal de Justiça 8 de outubro de 2015 Sessão Solene de abertura do Ano Judicial Supremo Tribunal de Justiça 8 de outubro de 2015 1. Ao longo da legislatura que agora termina, fiz sempre questão de enfatizar, em todas as sessões de abertura

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PARACAMBI

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PARACAMBI SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PARACAMBI PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAUDE 2014 PROGRAMA: 06 Administração Governamental. Objetivo: Promover ações indispensáveis ao funcionamento administrativo e operacional

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Março de 2014 Índice 1. Resumo das actividades....1 2. Perspectivas para as actividades

Leia mais

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Março COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CGTIC 2 ÍNDICE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 3 Apresentação...

Leia mais

Modelo de Gestão das Comarcas - Recomendações

Modelo de Gestão das Comarcas - Recomendações Modelo de Gestão das Comarcas - Recomendações Conselho Superior da Magistratura Janeiro 2012 Modelo de Gestão das Comarcas - Recomendações O Conselho Superior da Magistratura, enquanto órgão máximo de

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

PROJETO ELO PARA A CIDADANIA

PROJETO ELO PARA A CIDADANIA PROJETO ELO PARA A CIDADANIA I - IDENTFICAÇÃO Entidade Executora: Ordem dos Advogados do Brasil OAB Subseção de Pirassununga, a Secretaria Municipal da Promoção Social, a Secretaria Municipal de Educação,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do ano 2011 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Fevereiro de 2012 Índice 1. Resumo das actividades... 1 2. Balanço e aperfeiçoamento... 6 3. Perspectivas para os trabalhos

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

QUALIDADE NOS SERVIÇOS PÚBLICOS UM NOVO DESAFIO

QUALIDADE NOS SERVIÇOS PÚBLICOS UM NOVO DESAFIO SEMINÁRIO QUALIDADE NOS SERVIÇOS PÚBLICOS UM NOVO DESAFIO Funchal, 2003/10/21 2003/10/21 Diapositivo 1 Agenda (1) 1. Apresentação 1.1. O Concelho 1.2. O Município 2. Implementação do SGQ 2.1. Motivações

Leia mais

Manifestação do Ministro Gilmar Mendes, no encerramento do II Encontro Nacional do Judiciário Belo Horizonte, 16/02/2009

Manifestação do Ministro Gilmar Mendes, no encerramento do II Encontro Nacional do Judiciário Belo Horizonte, 16/02/2009 Manifestação do Ministro Gilmar Mendes, no encerramento do II Encontro Nacional do Judiciário Belo Horizonte, 16/02/2009 Senhores, No encerramento destes trabalhos, gostaria de agradecer a contribuição

Leia mais

PELOURO DA PROCURADORIA ILÍCITA E ADVOCACIA PREVENTIVA PROPOSTA DE PLANO DE ACÇÃO

PELOURO DA PROCURADORIA ILÍCITA E ADVOCACIA PREVENTIVA PROPOSTA DE PLANO DE ACÇÃO PELOURO DA PROCURADORIA ILÍCITA E ADVOCACIA PREVENTIVA PROPOSTA DE PLANO DE ACÇÃO Analisado o problema da Procuradoria Ilícita, e tendo como objectivos não só o combate à procuradoria ilícita, como a implementação

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O CHC, E.P.E. rege-se pelo regime jurídico aplicável às entidades públicas empresariais, com as especificidades previstas

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO ÍNDICE PREÂMBULO... 3 Procedimentos Técnico-Pedagógicos... 4 1.1. Destinatários e condições de acesso... 4 1.2. Organização dos cursos de formação... 4 1.3. Componentes de

Leia mais

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária Instituição Particular de Solidariedade Social Missão O Espaço t Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária, criada em 1994, é uma

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

CONSELHO PENITENCIÁRIO DO PARANÁ

CONSELHO PENITENCIÁRIO DO PARANÁ Lei nº. 12.317, de 28 de agosto de 1998 Lei nº 12.377, de 28 de dezembro de 1998 Lei nº. 14.556, de 09 de dezembro de 2004 Lei nº. 17.908, de 02 de janeiro de 2014. Decreto nº. 1.206, de 05 de maio de

Leia mais

01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI

01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI 01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI 1 CENTRO DE MEDIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM 2 PONTOS DA INTERVENÇÃO: SOBRE O CENTRO DE ARBITRAGEM PROPRIAMENTE DITO: GÉNESE LEGAL DESTE CENTRO ESTRUTURA ORGÂNICA ÂMBITO

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Mediação Familiar Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Altera a Organização Tutelar de Menores, nomeadamente através da introdução de novos artigos de que destacamos aquele que se refere à mediação Artigo 147.º

Leia mais

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) O Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto, que permite a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Leia mais

A sessão do ano 2014 culminou a sua solenidade ao contar com a presença e discurso

A sessão do ano 2014 culminou a sua solenidade ao contar com a presença e discurso 1 REPÚBLICA DE ANGOLA -------------- -------------- GABINETE DO PRESIDENTE DISCURSO DE ABERTURA ANO JUDICIAL Por tradição, entre nós inspirada nos sistemas jurídicos que nos serviram de fonte e, agora,

Leia mais

(ANEXO 2) FICHA DOS PROJETOS

(ANEXO 2) FICHA DOS PROJETOS (ANEXO 2) FICHA DOS PROJETOS 1 - SUAP - Sistema Unificado de Acompanhamento Processual Implantar, a partir de diretrizes do CSJT, sistema único de acompanhamento processual, em substituição aos diversos

Leia mais

Exma. Senhora Chefe do Gabinete de Sua Excelência a Presidente da Assembleia da República Dra. Noémia Pizarro RESPOSTA À PERGUNTA N.º 3484/XII/1.

Exma. Senhora Chefe do Gabinete de Sua Excelência a Presidente da Assembleia da República Dra. Noémia Pizarro RESPOSTA À PERGUNTA N.º 3484/XII/1. Exma. Senhora Chefe do Gabinete de Sua Excelência a Presidente da Assembleia da República Dra. Noémia Pizarro SUA REFERÊNCIA SUA COMUNICAÇÃO DE NOSSA REFERÊNCIA Nº: 5699 ENT.: 5369 PROC. Nº: DATA 31/07/2012

Leia mais

REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM

REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM O J O V E M REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O PARTICIPATIVO JOVEM Artigo 1º Referências A Junta de Freguesia de Santo António dos Olivais, como forma de potenciar os valores da Democracia, num sector ainda

Leia mais

Ações de implementação da Justiça Restaurativa no Estado de São Paulo na Coordenadoria da Infância e Juventude

Ações de implementação da Justiça Restaurativa no Estado de São Paulo na Coordenadoria da Infância e Juventude Ações de implementação da Justiça Restaurativa no Estado de São Paulo na Coordenadoria da Infância e Juventude Resolução da Corregedoria Geral de Justiça do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Escola

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO 8 PRINCÍPIOS DA QUALIDADE Focalização no cliente Relações com fornecedores mutuamente benéficas Liderança Decisão baseada em factos Princípios da Qualidade

Leia mais

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão.

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Projecto Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Tempo de escassa encomenda e recursos económicos e consequentemente de alteração de paradigmas sociais e profissionais.

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES ÍNDICE PREFÁCIO par. pág. Razão de ser 1-3 13 Os objectivos 4-5 13 A origem 6-8 13 Agradecimentos: aos redactores 9 14 Agradecimentos: aos patrocinadores 10 14 Aos destinatários 11 14 ONDE COMEÇA O MANUAL

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

Relacionar recomendações para a gestão da prestação jurisdicional em Vara Empresarial.

Relacionar recomendações para a gestão da prestação jurisdicional em Vara Empresarial. Proposto por: GERIR A ENTREGA DA PRESTAÇÃO JURISDICIONAL Equipe da Vara Empresarial Analisado por: RAS da Vara Empresarial Aprovado por: Juiz de Direito da Vara Empresarial 1 OBJETIVO Relacionar recomendações

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

Empreendedorismo e Segurança Jurídica. António Raposo Subtil Raposo Subtil & Associados Sociedade de Advogados, RL

Empreendedorismo e Segurança Jurídica. António Raposo Subtil Raposo Subtil & Associados Sociedade de Advogados, RL Empreendedorismo e Segurança Jurídica António Raposo Subtil Raposo Subtil & Associados Sociedade de Advogados, RL Empreendedorismo a criação/investimento num ambiente de risco acrescido.. Empreendedorismo

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB)

A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB) A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB) ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. SEMOB 2. POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA 3. PPA DA UNIÃO 2012-2015 4. PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC

Planejamento Estratégico de TIC Planejamento Estratégico de TIC Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe 2010 a 2014 Versão 1.1 Sumário 2 Mapa Estratégico O mapa estratégico tem como premissa de mostrar a representação visual o Plano

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013 Programa 2101 - Programa de Gestão e Manutenção da Presidência da República 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 121 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Estruturar e implantar uma unidade administrativa para assessorar a alta administração do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais em relação à elaboração e ao

Leia mais

PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA PARA 2007

PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA PARA 2007 Secretaria de Orçamento Federal - SOF Assessoria de Consolidação - ASCON PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA PARA 2007 No Estado do Rio de (RJ) Ministério da Ciência e Tecnologia 0 23.384 23.384 Implantação de

Leia mais

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul 1. Identificação do Recurso Endógeno e do Território Alvo PROVERE Beira Baixa: Terras de Excelência : Conjugar a valorização do território, dos produtos

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Carta de Serviço O MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO, órgão central do Estado que superintende a área da Indústria e Comércio. ATRIBUIÇÕES São

Leia mais