Produção Científica: Uma Análise de sua Contribuição na Formação Acadêmica e Profissional dos Discentes de Ciências Contábeis da UEFS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produção Científica: Uma Análise de sua Contribuição na Formação Acadêmica e Profissional dos Discentes de Ciências Contábeis da UEFS."

Transcrição

1 1 Produção Científica: Uma Análise de sua Contribuição na Formação Acadêmica e Profissional dos Discentes de Ciências Contábeis da UEFS. 1 Edilza de Almeida Santos 2 RESUMO A pesquisa é responsável pela construção de conhecimento, através dela encontramos respostas para as questões que surgem no dia-a-dia. As mudanças vividas pela contabilidade provocaram o surgimento de um novo perfil do profissional contábil e nesse sentido a pesquisa pode ser fundamental para o desenvolvimento dessa ciência. Diante disso esse estudo tem o objetivo de investigar se o processo de produção científica dos discentes de ciências contábeis da Universidade Estadual de Feira de Santana UEFS pode contribuir para sua formação acadêmica e profissional. O presente trabalho tem características de pesquisa descritiva, com abordagem qualitativa. Trata-se de um levantamento e utiliza como instrumento de coleta de dados um questionário. Os resultados mostraram que a maioria dos discentes não estão interessados no desenvolvimento de pesquisas científicas, pois afirmam que estas são importantes apenas para que os desejam seguir carreira acadêmica, embora afirmem ter conhecimento da importância da pesquisa na sua formação acadêmica e profissional. Com base nesse resultado a universidade deve intensificar sua preocupação com o incentivo a pesquisa para que os discentes possam tomar consciência de sua contribuição também na formação de profissionais que vão atuar nas diversas áreas do conhecimento contábil. PALAVRAS-CHAVE Produção Científica. Formação Profissional. Ciências Contábeis. 1 INTRODUÇÃO A pesquisa científica é um meio de buscar novos conhecimentos e soluções para os problemas que permeiam o dia-a-dia das pessoas, proporcionando a satisfação das necessidades humanas, principalmente aquelas relacionadas ao mundo moderno e tecnológico, trazendo assim desenvolvimento para a ciência bem como para toda a sociedade. A ciência contábil vive um momento de grandes mudanças, devido às novas tecnologias, mudanças na legislação e mudanças no perfil do profissional contábil, que tende a ser cada vez mais um analista, um gestor, um controlador do que um mero técnico que desenvolve funções operacionais. Essas mudanças na profissão contábil exigem que o profissional desenvolva uma capacidade crítica, uma aptidão maior nas resoluções de problemas e na adaptação a mudanças que possam ocorrer. 1 Artigo apresentado à disciplina Trabalho de Conclusão de Curso A como requisito para a obtenção do grau de Bacharel em Ciências Contábeis, outorgado pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), no semestre letivo , sob a orientação da Profª Mestre em Contabilidade Ione Aparecida Silva da Cruz. 2 Graduanda do 8 semestre do Curso de Ciências Contábeis da UEFS.

2 2 Nesse sentido, a pesquisa é uma prática que deve ser implementada na convivência do profissional contábil desde o período de graduação, e a universidade bem como os professores tem um papel muito importante nesse processo. Baseado nesse contexto, com o intuito de verificar a contribuição da pesquisa científica na formação acadêmica e profissional dos discentes de ciências contábeis, questiona-se: Qual a contribuição da produção científica na formação acadêmica e profissional dos discentes de ciências contábeis da UEFS? A pesquisa tem como objetivo principal investigar se o processo de produção científica dos discentes de ciências contábeis da UEFS pode contribuir para sua formação acadêmica e profissional, e para chegar a esse resultado foram formulados os seguintes objetivos específicos: identificar o nível de incentivo da Universidade à produção científica; verificar as dificuldades dos discentes na produção de pesquisas científicas; averiguar a percepção dos discentes em relação à importância da pesquisa para a formação profissional. O presente trabalho visa contribuir para que os discentes de ciências contábeis, bem como os profissionais da área, percebam a importância do desenvolvimento da pesquisa científica como um meio de colaborar com a formação acadêmica e com a formação do profissional contábil. Este estudo é importante para que o departamento e o colegiado de ciências contábeis da UEFS tenham conhecimento da visão dos discentes em relação à pesquisa e dos problemas que eles enfrentam, tendo assim embasamento para fazer uma análise do assunto e buscar formas para melhorar a relação do discente com a produção científica, contribuindo para o desenvolvimento da ciência contábil. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 A Pesquisa Científica no Processo de Aprendizagem O conhecimento científico atende ao propósito da ciência que é desenvolver a realidade, por isso é real [...], lida com ocorrências ou fatos. (SILVA, 2006, p. 25). Nesse sentido Demo (1997a, p. 9) afirma que [...] a construção do conhecimento é o diferencial maior dos países em termos de oportunidade de desenvolvimento [...]. Para que a construção do conhecimento se torne possível é necessário que haja produção científica, que pode ser conceituada como a forma pela qual a universidade ou instituição de pesquisa se faz presente no saber-fazer-poder ciência. (WITTER, 1997, p. 9). A produção científica abrange artigos científicos, relatórios técnicos, palestras, trabalhos publicados, etc. Para contribuir com a construção do conhecimento e desenvolvimento da ciência é necessário a realização de pesquisas. A pesquisa se configura como o procedimento racional e sistemático que tem como objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. (GIL, 1991, p. 19). Ao seu desenvolvimento é necessário o uso cuidadoso de métodos, processos e técnicas. (DIEHL; TATIM, 2004, p.47). De acordo com Diehl e Tatim (2004, p ) [...] a metodologia pode ser definida como o estudo e a avaliação dos diversos métodos, com o propósito de identificar possibilidades e limitações no âmbito de sua aplicação no processo de pesquisa científica. A metodologia permite, portanto, a escolha da melhor maneira de abordar determinado problema [...].

3 3 A realização de pesquisas proporciona algo muito além da mera cópia e do repasse de conhecimentos já existentes, é através da pesquisa que se constrói novos conhecimentos, descobre-se a verdade sobre determinados fatos e busca-se soluções para resolução de problemas, contribuído assim para o crescimento das várias ciências, bem como para o desenvolvimento da sociedade. Essa afirmativa nos leva a refletir sobre a importância da elaboração de trabalhos científicos por parte dos discentes e dos professores, principalmente no nível superior. A universidade tem um papel fundamental de incentivar e proporcionar condições favoráveis ao desenvolvimento de pesquisas, pois produzir conhecimento é algo essencial para formação acadêmica. Discente é aquele que aprende (XIMENES, 2000, p. 328), o discente que produz, desperta uma capacidade de senso critico, de questionar, e não apenas aceitar os fatos como são impostos. Na realidade, nem sempre a pesquisa é vista com a devida importância que possui e muitas vezes não é posta como parte integrante dos cursos de nível superior. Nesse sentido Demo (1997b, p.12) discorre que [...] os alunos comparecem apenas para aprender e passar, e os professores [...] somente dão aula, não se comprometendo assim com o misto ensino e pesquisa, assim o professor apenas passa um conhecimento adquirido para o aluno. Essa realidade dificulta o processo de construção do conhecimento e de novos saberes proporcionados pela realização de pesquisas. O grande perigo dessa situação é que alunos de graduação cultivam uma cultura de copiar conhecimentos já existentes. Sobre este aspecto Demo (1997b, p. 17) diz que nada é mais degradante na academia do que a cunhagem do discípulo, domesticado para ouvir, copiar, fazer provas e, sobretudo colar. Marca o discípulo a atitude de objeto, incapaz ou incapacitado de ter idéias e projetos próprios. Percebe-se então, o quanto a pesquisa é fundamental para a formação acadêmica e para a formação do profissional de diversas áreas e que para isso é necessária uma mudança nas metodologias de ensino aplicadas hoje nas universidades. Sendo assim a pesquisa científica deve ser vista como elemento fundamental para o desenvolvimento da sociedade que deve adequar-se as novas tendências da época. 2.2 A Importância da Pesquisa para Formação do Profissional Contábil Marion (1998, p. 15) afirma que [...] é mister conhecer a contabilidade para se comunicar no mundo dos negócios. A partir dessa afirmação percebe-se que a contabilidade é uma profissão em crescimento e o profissional contábil precisa desenvolver uma nova postura, onde o senso crítico e reflexivo faça parte de seu portfólio. Nesse contexto o desafio de pesquisar cabe de forma necessária ao crescimento da ciência contábil e da profissão. A contabilidade como profissão está em pleno crescimento, sendo diversas as áreas de atuação para este profissional. Assim muitos são os questionamentos feitos na busca de melhorar os conhecimentos sobre a ciência contábil e contribuir para o desenvolvimento social. Nesse sentido Oliveira; et al. (2003, p. XII) relatam que: Ao longo da história, a contabilidade acompanhou o homem na produção e controle da sua riqueza, mudando e adaptando-se conforme sua organização e tecnologia evoluíram. Hoje, novamente os contadores se perguntam como avançar, em que direção caminhar para continuar agregando valor, para que a contabilidade continue sendo eficaz no controle da riqueza, do patrimônio da sociedade.

4 4 Dessa forma entende-se que o desenvolvimento da pesquisa na área contábil possui um grande caminho a percorrer. Nesse contexto percebe-se a importância da pesquisa para a evolução da ciência contábil e a necessidade de mudanças por parte das instituições de ensino superior, que são responsáveis pelo incentivo à pesquisa e pela construção de conhecimento. 2.3 O Papel da Universidade no Incentivo à Pesquisa A instituição de ensino superior tem um importante papel como incentivadora da pesquisa. Conforme Lei de Diretrizes e Bases Da Educação Nacional (Lei n /1996) a universidade deve incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, visando o desenvolvimento da ciência e da tecnologia e da criação e difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive. Sendo assim é um dever da universidade fomentar a pesquisa de forma a estimular os discentes a desenvolver o interesse pela iniciação cientifica e dar condições estruturais para a prática da produção científica. Assim a pesquisa deve ser vista como parte do programa de ensino da universidade. Conforme a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n /1996) as universidades são instituições [...] de pesquisa, de extensão e de domínio e cultivo do saber humano [...], assim não pode haver universidade voltada apenas para o ensino, a pesquisa e a extensão devem fazer parte do convívio universitário. A universidade pode incentivar os alunos à iniciação cientifica mantendo em seu corpo docente professores que são pesquisadores, mestres, doutores, que incentivem os alunos à leitura, que desenvolvam grupos de pesquisas junto aos discentes. Sobre a importância da figura do professor-pesquisador Demo (1997b, p.15) afirma que professor é quem, tendo conquistado espaço acadêmico próprio através da produção, tem condições e bagagem para transmitir via ensino. Não se atribui a função de professor a alguém que não é basicamente pesquisador. A participação em eventos de natureza científica, como seminários, simpósios, Workshops e semanas de iniciação científica é muito importante para os discentes. Sobre este aspecto Longary e Beuren (2006, p.33) comentam que: Os eventos científicos representam a possibilidade de determinada comunidade acadêmica promover a troca de conhecimentos, demonstrar suas pesquisas em andamento, bem como os novos avanços na área. Trata-se, portanto, de oportunidades ímpares para que o estudante tenha contato direto com outros estudantes, pesquisadores e professores e suas pesquisas. Acerca da importância da leitura Oliveira; et al. (2003, p. 145) afirmam que [...] a leitura pode ser o componente mais importante ao desenvolvimento intelectual e cultural das pessoas [...]. Assim os professores devem incentivar à leitura como forma de desenvolver a capacidade intelectual dos discentes. Além da leitura os alunos devem ser incentivados também à produção de trabalhos científicos, como os chamados artigos científicos. De acordo com Marconi e Lakatos (2005, p. 261) artigos científicos são pequenos estudos, porém completos, que tratam de uma questão verdadeiramente científica [...]. Apresentam o resultado de estudos ou pesquisas e distinguem-se dos diferentes tipos de trabalhos pela sua reduzida dimensão e conteúdo. É através da publicação desses trabalhos científicos que a pesquisa ganha sua devida

5 5 importância, pois a sociedade passa a ser informada sobre o estudo realizado e sobre seus resultados. Como apoio à iniciação científica o CNPq Conselho de Desenvolvimento Científico e Tecnológico possui disponível para acesso on line, o chamado Currículo LATTES. Através do preenchimento desse currículo, discentes e professores se predispõe a realização de pesquisas científicas, outro fator importante é que o currículo LATTES constitui um dos prérequisitos básicos para o discente que objetiva participar de uma bolsa de iniciação cientifica. A universidade bem como o professor devem manter os discentes informados sobre esse tipo de incentivo a iniciação científica. As bolsas de iniciação científica são grandes aliadas no processo de incentivo à pesquisa. Como a instituição objeto desse estudo é a UEFS, buscou-se pesquisar os critérios para o discente ingressar em uma dessas bolsas nesta instituição. A UEFS em uma chamada pública para inscrição em uma seleção de bolsista para iniciação cientifica (PIBIC/CNPq E PIBIC/FAPESB) mostrou quais são os requisitos, compromissos e condições necessárias, para a inscrição em uma bolsa de pesquisa, conforme quadro abaixo: Estar matriculado em curso de Graduação. Requisitos e Compromissos do Candidato à Bolsista Manter média de desempenho igual ou superior a 7,0 (para candidatos a bolsa FAPESB). Apresentar apenas uma reprovação no histórico escolar. Ter concluído o primeiro semestre do curso. (para candidatos a bolsa PIBIC/CNPq). Dedicar no mínimo 20 noras semanais ao projeto. Não ter vínculo empregatício. Não ser beneficiado por outra bolsa. Estar vinculado a um pesquisador com projeto de pesquisa com resolução CONSEPE e cadastrado na Pró- Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação. Apresentar sua produção científica no Seminário de Iniciação Cientifica anual promovido pela UEFS. Apresentar relatório parcial e final Devolver ao CNPq ou FAPESB as mensalidades recebidas caso os itens anteriores não sejam atendidos. Possuir Currículo Lattes atualizado. Não pertencer ao currículo familiar do orientador. Fonte: A autora, adaptado da chamada pública para inscrição de bolsista para iniciação cientifica (PIBIC/CNPq E PIBIC/FAPESB). De acordo com o quadro nota-se que há uma grande preocupação com a iniciação científica e com a qualificação do aluno bolsista. Pode-se perceber também a preocupação com a publicação das produções, visto que é a partir da publicação do trabalho científico que a sociedade toma ciência do conhecimento construído através da pesquisa, e a partir da realização do Seminário de Iniciação Cientifica promovido pela Uefs, esse fato pode ser concretizado. Os requisitos para concessão da bolsa são rígidos. O discente precisa ter comportamento exemplar para conseguir se enquadrar nesses requisitos. Porém eles são necessários para que se enquadrem na bolsa alunos realmente comprometidos com a produção cientifica.

6 6 2.4 O Papel do Curso de Ciências Contábeis da UEFS no Fomento à Pesquisa A universidade em seu papel de incentivar os discentes em relação à produção científica deve estabelecer uma estrutura curricular voltada para o ensino, à pesquisa e à extensão, atendendo à Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n /1996). Os departamentos e colegiados de cada curso são responsáveis pela prática de ações voltadas a atender a esses objetivos. No tocante as atividades de ensino, o curso possui em sua grade curricular, três disciplinas relacionadas à produção científica. No primeiro semestre é ofertada a disciplina Técnicas de Trabalho Científico uma disciplina obrigatória que tem o objetivo de fornecer embasamento ao estudante iniciante no curso superior sobre as técnicas utilizadas para a produção de trabalhos acadêmicos, como resenhas, resumos, artigos científicos e outros. No sétimo semestre é ofertada a disciplina Metodologia da Pesquisa Aplicada à Contabilidade, que tem o objetivo de preparar o aluno para produzir o projeto de pesquisa que é umas das etapas componentes do processo de elaboração, execução e apresentação da pesquisa. (MARCONI E LAKATOS, 2005, p. 217). O projeto de pesquisa leva o aluno a planejar uma pesquisa que pode ser desenvolvida no seu trabalho de conclusão de curso. No oitavo e último semestre do curso é ofertada a disciplina Trabalho de Conclusão de Curso - TCC, uma disciplina obrigatória para a obtenção do título de bacharel em ciências contábeis. O trabalho de conclusão de curso é um trabalho sobre um assunto determinado, não necessitando, no entanto ser um estudo tão completo em relação ao tema escolhido, por se tratar mais de um requisito para complementação de cursos de graduação [...]. SÁ (1994 apud LONGARAY E BEUREN, 2006, p. 40). Em relação às atividades de ensino cabe ressaltar a importância das outras disciplinas ofertadas no curso em fomentar as atividades de pesquisa, dinamizando assim o ensino e favorecendo a disseminação da cultura de produção de pesquisas científicas no meio acadêmico. De acordo com o site do colegiado do curso de ciências contábeis da UEFS, o curso possui desde o ano de 2006 dois projetos voltados às atividades de extensão, o Projeto de ITR Imposto Territorial Rural e Projeto de IRPF Imposto de Renda Pessoa Física. O Projeto de ITR visa atender ao pequeno produtor rural auxiliando no preenchimento da Declaração do Imposto Territorial Rural, é desenvolvido por alunos do curso de ciências contábeis da UEFS e presta um serviço social a pequenos produtores rurais da região de Feira de Santana. Da mesma forma o Projeto de IRPF tem o objetivo de atender ao cidadão auxiliando na Declaração de Ajuste Anual - Imposto de Renda Pessoa Física, no ano de 2011 esse projeto passou a ser chamado de Uefs Cidadã IRPF Em relação às atividades de pesquisa, o curso de ciências contábeis é incipiente, pois apesar do curso ter sido implantado em 1976, de acordo como site do colegiado de ciências contábeis apenas no ano de 2010 foi criado o primeiro grupo de pesquisa no curso de ciências contábeis, intitulado Contabilidade e Finanças em Organizações Públicas, Privadas e do Terceiro Setor. Porém há uma previsão da instalação de um centro de pesquisa como parte do currículo de ciências contábeis e, além disso, existem publicações de trabalhos científicos em revistas e congressos, tanto de docentes do curso quanto de discentes. Em entrevista com o professor da UEFS José Renato Sena Oliveira e consulta no site do colegiado de Ciências Contábeis, foi possível ter conhecimento sobre algumas publicações de artigos científicos em congressos e revistas, de alunos e ex-alunos da UEFS, conforme podemos verificar na seguinte tabela:

7 7 Publicação de Alunos e Ex-alunos da UEFS Discentes Ano /Local de Publicação Tema Carlos Adriano S. Gomes e José Renato S. Oliveira Alcione Carvalho da Silva e Mauricio da Silva Santos Alcione Carvalho da Silva e Jerônimo Rosário T. Pereira 2001/2002-1º e 2º Seminário USP de Contabilidade e Prêmio Jovem Cientista Contábil. Não informado º Seminário USP de Contabilidade. Goodwill Congresso Brasileiro de Custos. Custos no setor público Claudia Ferreira da Cruz 2005/Prêmio Jovem Cientista CRC/BA. Balanço Social Claudia Ferreira da Cruz 2006/ Revista Pensar Contábil. Balanço Social Josué Pires Braga/ Claudia Ferreira da Cruz Josué Pires Braga/ Claudia Ferreira da Cruz Daiana Barreto da Silva Augusto Ferreira Neto André Machado de Oliveira 4º Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade 2008/ Revista de contabilidade da UFBA Balanço Social. 2008/ Congressos USP de Iniciação Científica em Contabilidade ª Congresso de Controladoria e Finanças da UFSC. Ano não informado, Congresso USP. Pesquisa Contábil no Nordeste. Responsabilidade Social Cooperativa/ Custos no setor público. Dívida pública da Bahia. Teoria da comunicação em contabilidade Fonte: A autora, adaptado de entrevista com Profº José Renato S. Carvalho e consulta no site do colegiado de Ciências Contábeis da UEFS. O departamento e o colegiado de ciências contábeis da UEFS possuem o dever de garantir a execução de ações relacionadas à pesquisa e a extensão para que os discentes tenham uma formação mais completa com capacidade de desenvolver senso crítico e reflexivo e para que haja uma maior interação entre a universidade e a sociedade onde está inserida. 2.5 O Perfil Esperado do Estudante Pesquisador A evolução da contabilidade ocorreu na medida em que a sociedade evoluía. Assim no cenário de grande crescimento econômico no Brasil nos últimos anos e do surgimento de novas tecnologias, os profissionais de contabilidade tiveram que se adequar a essas mudanças, o que proporcionou uma mudança no perfil do profissional contábil. O que o mercado espera do profissional contábil é a capacidade de gerenciar, de tomar decisões a partir das informações contábeis. O contador precisa ser um gestor do negócio apto a tomar as decisões corretas que possam agregar valor ao patrimônio da entidade. Em relação a esse aspecto Marion (1998, p. 18) afirma que [...] cada profissional se transforma em uma empresa e passa a administrar a própria profissão como um produto que precisa ser vendido no mercado. Percebe-se então que o profissional contábil para atender as demandas do mercado deve estar em constante atualização e na busca de novos conhecimentos. Nesse sentido, além da

8 8 leitura de revistas técnicas, participação em eventos da área, a pesquisa pode ser uma forte aliada para o profissional contábil. Sobre este aspecto Oliveira; et al. (2003, p. 32) comentam que a contabilidade continua enfrentando desafios principalmente em razão das recentes mudanças sociais, econômicas e tecnológicas. Os núcleos de pesquisas contábil no Brasil e no mundo trabalham intensamente no sentido de responder às necessidades desse ambiente complexo. Nesse contexto, entender-se como pesquisador é fundamental para que o profissional de contabilidade, através da produção, descubra novas formas de contribuir para o desenvolvimento das entidades e da sociedade como um todo. Em um documento sobre O Perfil Desejável do Pesquisador, disponível no site da FAPESB (1997) pode-se ler: O pesquisador de hoje, além das características que fizeram os bons cientistas de qualquer tempo paixão pelo conhecimento, criatividade, capacidade para ver e delimitar com precisão um problema relevante, persistência em perseguir soluções para esse problema, deve ter capacidade administrativa, aptidão para a liderança e espírito empreendedor. Precisa saber trabalhar em grupo e se comunicar, e ter vocação para formar discípulos. Precisa ter sensibilidade social, política e uma aguda percepção das mudanças da economia. Assim percebe-se que o pesquisador atual deve ter características alinhadas a realidade econômica e social vivenciada no país, onde a iniciativa, a criatividade, a comunicação, o trabalho em grupo, a sensibilidade para detectar os problemas e inquietações da sociedade devem farte do portfólio do pesquisador. Os discentes de ciências contábeis, partindo do pressuposto de que a contabilidade está em constantes modificações que acompanham a evolução econômica e social, precisam desenvolver as características acima citadas a fim de se adequar ao perfil do pesquisador e possuir condições de participar efetivamente da construção do conhecimento, e até mesmo de obter bolsas de iniciação científicas como as oferecidas pela FAPESB e pelo CNPq. Sobre o perfil do pesquisador e da importância da leitura para o mesmo Oliveira; et al. ( 2003, p. 142) relatam que a devida preparação para o melhor aproveitamento possível dessas leituras torna-se condição indispensável para o profissional pesquisador que, para isso, deve estar habilitado a bem utilizar as técnicas do assunto. Assim entende-se que a leitura e o conhecimento do método são premissas essenciais a todo discente ou profissional que pretende tornar-se pesquisador. 2.6 Visão dos Discentes sobre a Importância da Pesquisa na Profissão Contábil Embora vários autores e estudiosos alertem sobre a necessidade da produção científica para o aperfeiçoamento da ciência bem como para o desenvolvimento profissional e social (DEMO, 1997; DIEHL e TATIM, 2004; SILVA, 2006), muitos professores e acadêmicos de ciências contábeis ainda não se deram conta de tamanha importância. Na condição de agentes ligados a vida acadêmica entender-se como responsável pelo desenvolvimento social e pela interação da academia com a sociedade é fundamental para que os mesmos iniciem a vida científica. Para que o discente desperte o interesse pela produção de pesquisas é necessário que ele conheça bem os conceitos de produção científica e de pesquisa bem como os métodos e

9 9 técnicas utilizados para a produção pois o rigor científico da pesquisa e a qualidade dos resultados do estudo dependem da correta definição dos métodos e procedimentos a serem adotados [...]. (BEUREN, 2006, p.54). É necessário também que os discentes conheçam a necessidade da produção científica para sua formação acadêmica e profissional. Sobre este aspecto considerando os vários campos de atuação do profissional contábil Diehl e Tatim (2004, p , grifo nosso) comentam que: [...] o curso de bacharel em ciências contábeis visa a formar profissionais generalistas, que atuem nas diversas áreas de acordo com prerrogativas legais, dentro dos padrões técnicos avançados, e que atendam às necessidades contábeis da iniciativa pública e privada do mundo moderno. É nesse contexto que se inserem as exigências de realização de estágio supervisionado e de trabalho de conclusão de curso os quais se constituem em atividades de natureza teórico-prática, cujo objetivo é propiciar ao aluno o instrumental analítico e metodológico para planejar e executar pesquisas científicas nas diversas áreas de atuação da contabilidade. O trabalho de conclusão de curso, muitas vezes consiste na primeira experiência científica do discente ocasionado assim o surgimento de dificuldades em sua realização. A falta de conhecimentos acerca dos métodos, das técnicas e até mesmo a falta de leitura e atualização sobre os temas contábeis em destaque podem ser fatores que influenciam para essa realidade e o discente precisa estar atento a essas necessidades. Além de entender a necessidade de construir conhecimento como forma de contribuir para o desenvolvimento da sociedade onde está inserido, o discente precisa ter noção das competências e habilidades que deve possuir no desenvolvimento das atividades de pesquisa bem como das dificuldades que os cercam em relação à produção. Cabe também ao discente manter-se informado sobre os projetos de pesquisa e extensão que a instituição de ensino superior oferece, como forma de interagir com a universidade e ter uma maior percepção das oportunidades que a mesma oferece, em termos de construção de conhecimento e preparação profissional. 3 METODOLOGIA A pesquisa em relação aos objetivos é classificada como descritiva. As pesquisas descritivas tem como objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno [...]. (GIL, 1996, p. 46). A pesquisa caracteriza-se como descritiva na medida em que busca descrever como se dá o processo de produção científica dos discentes do curso de ciências contábeis da UEFS, buscando averiguar sua contribuição para a formação acadêmica e profissional dos discentes. Quanto à abordagem do problema trata-se de uma pesquisa qualitativa. Esse tipo de pesquisa segundo Chizzotti (1995, p. 104) objetiva, em geral, provocar o esclarecimento de uma situação para uma tomada de consciência pelos próprios pesquisados dos seus problemas e das condições que os geram, a fim de elaborar os meios e estratégias de resolvê-los. Neste estudo busca-se esclarecer como é desenvolvida a pesquisa pelos discentes de ciências contábeis da UEFS partindo do pressuposto de que a pesquisa é importante para a formação

10 10 acadêmica e profissional dos discentes, com o objetivo de buscar soluções para os problemas encontrados. Em relação aos procedimentos técnicos a pesquisa pode ser classificada como um levantamento, esse tipo de pesquisa segundo Gil (1996, p. 56) [...] caracterizam-se pela interrogação direta das pessoas cujo comportamento se deseja conhecer, e para isso foi utilizado um questionário como instrumento de coleta de dados. Responderam ao questionário os alunos concluintes do curso de ciências contábeis da UEFS do semestre , com o objetivo de fornecer informações úteis ao alcance dos objetivos da pesquisa. O questionário é composto por 21 questões que visam atingir aos objetivos específicos e o objetivo geral da pesquisa. A população da pesquisa é composta por 60 alunos do curso de ciências contábeis da UEFS que estão concluindo o curso no semestre Porém a amostra da pesquisa é formada por 40 alunos que se dispuseram a responder o questionário. A amostra foi escolhida devido ao fato de que estes alunos terão que desenvolver o trabalho de conclusão de curso para obtenção do titulo de bacharel em ciências contábeis e dessa forma estão tendo contato com a produção científica. Para a análise dos dados foram utilizadas as respostas obtidas através do questionário, representadas através de gráficos a fim de facilitar a visualização dos resultados, o tratamento e a analise dos dados. 4 APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS DADOS Para análise e discussão dos dados foi utilizado um questionário tendo como público alvo, os possíveis formandos do curso de ciências contábeis da UEFS do semestre , sendo selecionados 40 alunos, que estão desenvolvendo o Trabalho de Conclusão de Curso. O questionário tratou de questões que visam demonstrar a contribuição da produção cientifica na formação acadêmica e profissional do discente de ciências contábeis nesta entidade. 4.1 Perfil dos Entrevistados Os resultados obtidos evidenciam que a maior parte dos entrevistados, corresponde ao sexo masculino, perfazendo o total de 55%, enquanto que os entrevistados do sexo feminino corresponderam a 45%. Em relação a faixa etária, tendo destaque a primeira faixa de até 24 anos, ou seja, 62% dos entrevistados estão nela e 94% tem até 28 anos, evidenciando uma amostra considerada primordialmente jovem, dentro dos parâmetros divulgados pelo IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, que considera a população jovem aquelas pessoas situadas na faixa de 15 a 24 anos de idade. 4.2 O Discente e a Pesquisa O gráfico 1 evidencia a opinião dos discentes sobre possuir ou não um perfil de pesquisador. Verificou-se que 40% dos pesquisados afirmaram que não, 50% concordaram parcialmente e apenas 10% afirmaram que sim. Esses dados são preocupantes, pois demonstram que a maioria dos discentes acham que não possuem um perfil voltado para a pesquisa. A pequena parcela (10%) que afirmaram ter o perfil de pesquisador pode estar relacionada com os discentes que responderam ter tendência a carreira acadêmica. Apesar desses resultados 55% dos discentes afirmaram ter interesse em ingressar em uma bolsa de

11 11 iniciação científica. Esse fato pode ser visto pela universidade como um alerta de que essa relação pode ser melhorada. Fonte: elaborado pela autora com base nos resultados obtidos do questionário aplicado. 4.3 Incentivos a Pesquisa De acordo com os resultados obtidos, 45% dos discentes afirmaram não ter sido incentivados à leitura de artigos e 55% afirmaram que sim. Conforme gráfico abaixo, a maioria dos discentes (50 %) lêem de 0 a 2 artigos por semestre, configurando-se uma quantidade muito pequena de leituras de trabalhos científicos. Fonte: elaborado pela autora com base nos resultados obtidos do questionário aplicado. Em relação ao incentivo à produção de artigos, 33 % dos discentes disseram que foram incentivados pelos professores e 67% afirmaram que não. Já em relação à produção, o gráfico abaixo mostra que 75 % dos pesquisados produziram de 0 a 2 artigos durante o curso e 17% produziram de 3 a 5 artigos. Fonte: elaborado pela autora com base nos resultados obtidos do questionário aplicado. Quando questionados se os professores se disponibilizaram para auxiliar na produção a maioria dos alunos (62%) afirmaram que não e 38% afirmaram que sim. Esses resultados

12 12 mostram que a universidade e os professores devem estar mais atentos a essa questão do apoio ao discente na produção das pesquisas. Buscou-se saber também se os discentes já haviam publicado artigos científicos em congressos ou revistas científicas. Dentre os pesquisados 95% afirmaram nunca ter publicado um artigo e apenas 5% afirmaram já ter publicado um artigo. Os artigos que foram publicados por esses alunos tiveram como tema a governança coorporativa e contabilidade pública. Assim percebe-se que a maioria dos concluintes do semestre , entrará no mercado de trabalho sem possuir experiência científica. Quanto ao conhecimento sobre a realização de semanas de iniciação científica ou eventos de contabilidade em que os alunos possam discutir sobre pesquisa e publicar suas produções, os alunos que responderam sim compõem 45% dos pesquisados, e 55% disseram que não. Vale ressaltar que a UEFS realiza a Semana de Iniciação Cientifica, evento onde os alunos podem discutir sobre pesquisas e publicar seus artigos. Buscou-se saber com que frequência os discentes participavam de eventos da área contábil. Os discentes que participam de 0 a 2 eventos por semestre foram 88 %, e 12 % afirmam participar de 3 a 5 eventos por semestre. Para os que não costumam participar de eventos da área, questionou-se quais os possíveis motivos. Os resultados mostram que 34% dos discentes responderam não participar dos referidos eventos por falta de interesse próprio e 27% dizem que não participam porque os eventos geralmente ocorrem no horário das aulas. Investigou-se também se os discentes tinham conhecimento dos projetos de pesquisa e extensão do curso de ciências contábeis da UEFS. Dos pesquisados 70% disseram que não tinham conhecimento ou não responderam, 26% afirmaram ter conhecimento dos projetos de extensão relativos ao IR Cidadão e ao Projeto de ITR. E em relação a pesquisa 2% disseram que existe um projeto que trata do terceiro setor e 2% disseram que não há projetos de pesquisas no curso de ciências contábeis. 4.4 Dificuldades para Elaboração de Pesquisas Quanto ao grau de dificuldade dos discentes em relação à elaboração de pesquisas, buscou-se saber o aproveitamento na disciplina Metodologia do Trabalho Científico, que tem o objetivo de preparar o discente para a produção de trabalhos científicos. Sobre este aspecto 43% afirmaram ter pouco aproveitamento e 15% afirmaram que o aproveitamento foi insuficiente. Quando perguntados sobre o nível de dificuldade para elaboração de pesquisas bem como para elaboração do trabalho de conclusão de curso, conforme gráfico abaixo, 55% afirmaram ter nível de dificuldade intermediário, 42% afirmaram ter muita dificuldade e apenas 3% afirmaram não ter dificuldades para elaboração de pesquisas cientificas. Fonte: elaborado pela autora com base nos resultados obtidos do questionário aplicado.

13 Contribuições da Pesquisa para o Profissional O gráfico abaixo buscou identificar a percepção dos discentes sobre a principal contribuição da pesquisa científica para sua formação acadêmica e profissional. Fonte: elaborado pela autora com base nos resultados obtidos do questionário aplicado. Os resultados mostraram que a maioria dos pesquisados (40%) consideram a principal contribuição da pesquisa científica para sua formação acadêmica e profissional a formação de um profissional com senso crítico e reflexivo, capaz de resolver as questões e problemas do dia-a-dia do profissional contábil. Outros 25% concordam que a maior contribuição da pesquisa está na construção do conhecimento e desenvolvimento da ciência. Os gráficos 6 e 7 objetivam confrontar a percepção dos discentes sobre a importância da pesquisa para sua formação e para a atuação do profissional contábil no mercado de trabalho. Fonte: elaborado pela autora com base nos resultados obtidos do questionário aplicado. Fonte: elaborado pela autora com base nos resultados obtidos do questionário aplicado. A maioria dos entrevistados concordaram sobre a importância da pesquisa para formação profissional (78%) e sobre a importância da pesquisa para a atuação do profissional no mercado (58%), o que é um fator positivo, porém uma quantidade considerável de alunos (37%) afirmaram concordar parcialmente em relação a importância da pesquisa para atuação

14 14 do profissional no mercado, isso indica que uma parcela de alunos acreditam que a pesquisa não é muito útil para a atuação do profissional contábil. Buscou-se identificar se os alunos tinham a pretensão de seguir carreira acadêmica, 32% responderam que sim e 68% responderam que não. Em seguida questionou-se se o aluno tinha a pretensão, após formado, em contribuir para a profissão através da pesquisa científica, 32% responderam que sim e 68% responderam que não. Os resultados indicam que apenas os alunos que aspiram seguir carreira acadêmica pretendem realizar pesquisas no decorrer de sua atuação profissional. Esse resultado contradiz ao do gráfico 5, no qual a maioria dos discentes afirmaram que a principal contribuição da pesquisa é a formação de um profissional com senso crítico e reflexivo, capaz de resolver as questões do dia-a-dia. 5 CONCLUSÃO Este estudo buscou verificar a contribuição da produção científica na formação acadêmica e profissional dos discentes que estão concluindo o curso de ciências contábeis da UEFS. Para alcançar os objetivos da pesquisa buscou-se identificar o nível de incentivo da universidade à produção científica, verificar as dificuldades dos discentes na produção de pesquisas científicas e averiguar a percepção dos discentes em relação à importância da pesquisa para a formação profissional. A partir dos resultados obtidos, a pesquisa apontou para as seguintes conclusões e considerações que poderão ser objeto de novas pesquisas, de acordo com as alíneas a seguir: a) No que diz respeito a elaboração de pesquisas científicas, constatou-se que 55% dos alunos pesquisados afirmaram possuir grau de dificuldade intermediário na elaboração de pesquisas bem como no trabalho de conclusão de curso e 42% afirmaram ter muita dificuldade. Esse resultado é preocupante e pode ser refletido na forma como é conduzido o ensino na universidade principalmente nas matérias relacionadas à pesquisa, como pode ser verificado nos seguintes resultados referentes ao aproveitamento na disciplina metodologia do trabalho científico, onde 43% dos alunos afirmaram ter pouco aproveitamento, 37% afirmaram ter aproveitamento intermediário e ainda 15 % afirmaram ter aproveitamento insuficiente. Estes resultados mostram o grau de dificuldade discentes em relação à produção de pesquisas cientificas. Aconselha-se ao incentivo por parte da instituição, inclusive promovendo seminários de incentivação científica. b) Em relação ao papel da universidade no fomento à pesquisa no curso de ciências contábeis, a maioria dos discentes responderam que foram incentivados a ler artigos científicos. Em sendo assim, cabe ao discente na condição de sujeito do processo ensino-aprendizagem assumir o seu papel e buscar colocar a leitura científica como meta a ser cumprida. c) Sobre o incentivo à produção de artigos científicos durante o curso, nesse aspecto apenas 33% dos discentes afirmaram ser incentivados pelos professores a produzir artigos e 67% disseram que não. Os resultados apontaram que 75% dos pesquisados produzem de 0 a 2 artigos durante o curso, esse resultado é preocupante pois indica um número muito baixo de produção. Aconselha-se aos professores do curso de um modo geral, resgatar o papel da Universidade, no tocante não somente ao ensino, como também a pesquisa e a extensão. d) No que tange a produção de artigos científicos verificou-se que apenas 5% dos pesquisados publicaram algum artigo científico em congressos ou revistas durante o curso, o que indica que a maioria dos discentes concluintes do curso irão se formar

15 15 sem ter essa experiência na vida acadêmica. Esses resultados apontam a falta de interesse dos alunos em relação a produção e publicação de trabalhos científicos e também que a universidade deve estar mais atenta ao entendimento dos discentes sobre essas questões e ao aprimoramento do incentivo à produção cientifica em sala de aula. Aqui tem-se uma reflexão e um despertar dos alunos, para outras áreas da contabilidade, como a pesquisa científica. e) No tocante a percepção dos discentes do curso de ciências contábeis em relação a importância da pesquisa na sua formação acadêmica e profissional, 78% dos discentes afirmaram que a pesquisa é importante para sua formação acadêmica, isso indica que apesar da maioria dos discentes ter consciência da necessidade de pesquisar durante a graduação como forma de contribuir para sua formação acadêmica alguns alunos afirmaram que a pesquisa não será útil durante sua atuação como profissional. Esse fato é ratificado quando os discentes foram indagados em relação a pretensão de seguir carreira acadêmica, onde 32% dos pesquisados disseram que sim e exatamente esses 32% afirmaram que pretendem continuar pesquisando depois de formado. Esse fato aponta que os discentes de ciências contábeis acreditam que a produção de pesquisas é importante apenas para aqueles que aspiram seguir carreira acadêmica. Os outros 68% responderam que não irão realizar pesquisas após o término do curso. f) Quando indagados sobre a principal contribuição da pesquisa para sua formação acadêmica e profissional 40% dos discentes consideram que a formação de um profissional com senso crítico e reflexivo capaz de resolver as questões que surgem no dia-a-dia é a principal contribuição. Sendo assim percebe-se que os discentes do curso de ciências contábeis da UEFS possuem um bom conhecimento em relação a importância da pesquisa na sua formação acadêmica e profissional, embora não apresentem muito interesse em sua prática, subestimando sua importância na atuação do profissional contábil. Por fim, conclui-se que, para que o curso de ciências contábeis da UEFS possa contribuir de forma efetiva para a formação acadêmica e profissional dos discentes, a entidade deve intensificar sua preocupação com a pesquisa de forma a alertar os discentes sobre os benefícios que a prática da pesquisa pode proporcionar em relação a formação de profissionais com senso crítico capaz de resolver problemas, interpretar leis, enfim, capaz de contribuir para o desenvolvimento da profissão contábil, fazendo com que os mesmos despertem o interesse pela produção cientifica, inclusive como mais uma opção de uma carreira que irá contribuir de forma relevante para o desenvolvimento da sociedade. 6 REFERÊNCIAS BRASIL. Lei nº de 20 de Dezembro de Dispõe sobre as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: Acesso em 11 de Agosto de CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. 2. ed. São Paulo: Cortez,1995. DEMO, Pedro. Princípio Científico e Educativo. 5.ed. São Paulo: Cortez, 1997.

16 16. Pesquisa e Construção do Conhecimento: Metodologia Científica no Caminho de Habermas. 3.ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, DIEHL, Antônio Astor; TATIM, Denise Carvalho. Pesquisa em Ciências Sociais Aplicadas: Métodos e Técnicas. 1. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, FAPESB. Perfil Desejável do Pesquisador Disponível em: Acesso em 20 de agosto de GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 3.ed. São Paulo: Atlas, IBGE. População Jovem no Brasil. Rio de Janeiro: Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/populacao_jovem_brasil/populacaojove m.pdf.> Acesso em 25 de agosto de LONGARAY, André Andrade; BEUREN, Ilse Maria. Como Elaborar Trabalhos Monográficos em Contabilidade: Teoria e Prática. In: BEUREN, Ilse Maria (Org.). 3.ed. São Paulo:Atlas, MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Científica. 6.ed. São Paulo: Atlas, MARION, José Carlos. Preparando-se Para a Profissão do Futuro. Contabilidade Vista e Revista, Belo Horizonte, v. 9, n.1, p , mar OLIVEIRA, Antonio Benedito Silva: et al. Métodos e Técnicas de Pesquisa em Contabilidade. 1.ed. São Paulo: Saraiva, SILVA, Antônio Carlos Ribeiro da. Metodologia da Pesquisa Aplicada à Contabilidade: Orientações de estudos, projetos, artigos, relatórios, monografias, dissertação, teses. 2.ed. São Paulo: Atlas, WITTER, Geraldina Porto. Produção Cientifica. 1.ed. Campinas: Átomo, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA. Atividades de Pesquisa e Extensão. Disponível em: Acesso em 20 de Agosto de UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA. Chamada Pública. Abertura de Inscrições para Seleção de bolsista de iniciação científica PIBIC/ CNPq e PIBIC/FAPESB Cota adicional e residual. Disponível em: Acesso em 09 de Agosto de XIMENES, Sérgio. Minidicionário Ediouro da Língua Portuguesa. 2. ed. São Paulo: Ediouro, 2000.

O CONHECIMENTO E O INTERESSE PELA PESQUISA CIENTÍFICA POR PARTE DOS GRADUANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES

O CONHECIMENTO E O INTERESSE PELA PESQUISA CIENTÍFICA POR PARTE DOS GRADUANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E APLICADAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS O CONHECIMENTO E O INTERESSE PELA PESQUISA CIENTÍFICA

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO*

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* Maria Benedita Lima Pardo Tatiana Cardoso Andrade Ilka Thiziane Teixeira

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

EDITAL DE BOLSAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL DE BOLSAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL DE BOLSAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Rubens Guilhemat, Secretário Geral do Centro Universitário Sant Anna, no uso de suas atribuições torna público o presente EDITAL que regerá o Processo

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE Jesse Alencar da Silva Centro Universitário La Salle (UNILASALLE-RS)

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, TECNOLÓGICA E ARTÍSTICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC MANUAL DO ALUNO PESQUISADOR

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, TECNOLÓGICA E ARTÍSTICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC MANUAL DO ALUNO PESQUISADOR PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, TECNOLÓGICA E ARTÍSTICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC MANUAL DO ALUNO PESQUISADOR Sumário CALENDÁRIO PRELIMINAR... 5 CONTATOS... 5 APRESENTAÇÃO... 6 1. PROGRAMA DE INICIAÇÃO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E PEDAGOGIA

PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E PEDAGOGIA EDITAL DG N.º 07/2012 PROGRAMA DE MONITORIA PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E PEDAGOGIA A Direção da Faculdade Internacional Signorelli, no uso de suas atribuições,

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso O Curso Superior de Tecnologia em Secretariado visa formar profissionais com competência técnica, comunicação interpessoal, postura ética, visão holística, espírito

Leia mais

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 UBERLÂNDIA, MG JANEIRO, 2011 1 Este relatório aqui apresentado foi elaborado pela Comissão Própria de Avaliação da Faculdade

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIREÇÃO ACADÊMICA CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE SÃO LUIS MA 2009 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SALVADOR AGO / 2015 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...02 2. JUSTIFICATIVA...02 3. OBJETIVO

Leia mais

EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015

EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015 EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação PROPPI torna públicas as normas para apresentação de propostas

Leia mais

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 SILVA, Cleusa Pereira da 2 ; FELICE, Luciana Maria Vizzotto 4 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; VIERO, Claudinei 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

Pesquisa Científica: Uma investigação do perfil dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Santa Catarina

Pesquisa Científica: Uma investigação do perfil dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Santa Catarina Pesquisa Científica: Uma investigação do perfil dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Santa Catarina Resumo Com a expansão das Ciências Contábeis, torna-se fundamental

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS 6.02.00.00-6 ADMINISTRAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS ADONILTON ALMEIDA DE SOUZA Curso

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR. Segue descrito abaixo o Regulamento de Estágio Curricular. REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA INICIAÇÃO PROFISSIONAL

ESTÁGIO CURRICULAR. Segue descrito abaixo o Regulamento de Estágio Curricular. REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA INICIAÇÃO PROFISSIONAL ESTÁGIO CURRICULAR Segue descrito abaixo o Regulamento de Estágio Curricular. REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA INICIAÇÃO PROFISSIONAL Introdução O presente Regulamento constitui um documento interno do curso

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO Aprovado no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) e Conselho de Administração Superior (CAS) em 18 de junho de 2015, Processo 016/2015

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos 1 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Conceituação e Objetivos O Programa de Bolsas de Iniciação Científica da FIAR é um programa centrado na iniciação científica de novos talentos entre alunos

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO

NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO Aprovado pelo Colegiado do Curso através da Resolução nº 03 de 13 de agosto de 2010 NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

Leia mais

Manual de Estágio Curso Bel em CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Manual de Estágio Curso Bel em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Manual de Estágio Curso Bel em CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011 PÁGINA -1/17 Apresentação O início de um estágio é o momento exato para você conhecer os princípios que o regulamentam e seguir as orientações que

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A FACIPLAC compreende a importância do desenvolvimento da Iniciação Científica em uma faculdade de ensino superior como alicerce na construção

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

CNPJ: 41.478.561/0003-40 Av. Colares Moreira, n 443 Renascença São Luís/MA CEP 65075-970 Tel.: (98) 4009-7070 www.undb.edu.br

CNPJ: 41.478.561/0003-40 Av. Colares Moreira, n 443 Renascença São Luís/MA CEP 65075-970 Tel.: (98) 4009-7070 www.undb.edu.br A coordenação do curso de Sistemas de Informação realiza por meio do presente Edital o lançamento do Projeto de Pesquisa UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO AO PASSAGEIRO DE TRANSPORTE PÚBLICO, e convoca a comunidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLOGICO

Leia mais

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa de Iniciação Científica da Universidade Nove de Julho UNINOVE destinase a alunos de graduação para desenvolvimento de pesquisa científica (IC) ou tecnológica

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO CONCLUSÃO DE CURSO TCC

REGULAMENTO TRABALHO CONCLUSÃO DE CURSO TCC Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes COLABORADORES Prof. Roque Hudson da Silveira

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA ITEPA FATEPA. Mantida pelo Instituto Técnico de Educação Porto Alegre Ltda

FACULDADE DE TECNOLOGIA ITEPA FATEPA. Mantida pelo Instituto Técnico de Educação Porto Alegre Ltda FACULDADE DE TECNOLOGIA ITEPA FATEPA Mantida pelo Instituto Técnico de Educação Porto Alegre Ltda CURSO DE GRADUAÇÃO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA/MEC DE AUTORIZAÇÃO Nº 468, D.O.U.

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profª. Dra. Neyde Lopes de Souza Prof. Ms. Luiz Vieira da Costa SUMÁRIO Pág. 1. Apresentação...

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, SEQUENCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO EDITAL 013/15

FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO EDITAL 013/15 FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO EDITAL 013/15 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (2015 2016) PIBIC/CNPq/FAI 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

Faculdade Marista Regulamento de Monitoria

Faculdade Marista Regulamento de Monitoria Faculdade Marista Regulamento de Monitoria INTRODUÇÃO Art. 1º - O presente Regulamento regula e disciplina a atividade acadêmica da MONITORIA para estudantes do Cursos de Graduação da Faculdade Marista,

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Gilvan Charles Cerqueira de Araújo 1 INTRODUÇÃO Este

Leia mais

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO Elizabeth Braz Fabiana Gonçalves de Oliveira Azevedo Matos Vanessa Barros Santi Annelise de Oliveira Rodrigues Priscila Conde Bogo

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA PROFISSÃO CONTÁBIL PARA OS FORMANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA IESAM

AS PERSPECTIVAS DA PROFISSÃO CONTÁBIL PARA OS FORMANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA IESAM AS PERSPECTIVAS DA PROFISSÃO CONTÁBIL PARA OS FORMANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA IESAM Lidiane Nazaré da Silva Dias Instituto de Estudos Superiores da Amazônia

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E:

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E: RESOLUÇÃO N o 03/90, CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Aprova as Normas para elaboração de Projetos de Cursos de Especialização (Pós-Graduação lato sensu ). O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL 01/2015 - PRPGP/UEPB PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UEPB/CNPq

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL 01/2015 - PRPGP/UEPB PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UEPB/CNPq PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL 01/2015 - PRPGP/UEPB PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UEPB/CNPq A Reitoria da Universidade Estadual da Paraíba, por intermédio de sua Pró-Reitoria

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC-DF

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC-DF FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC-DF EDITAL DE CHAMADA 01/2015 SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA CURSOS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS, GESTÃO COMERCIAL, GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, MARKETING E ANÁLISE

Leia mais

INSTITUTO BATISTA DE ENSINO SUPERIOR DE ALAGOAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO CAPÍTULO I

INSTITUTO BATISTA DE ENSINO SUPERIOR DE ALAGOAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO CAPÍTULO I INSTITUTO BATISTA DE ENSINO SUPERIOR DE ALAGOAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente regulamento propõe a uniformização

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM AGRONOMIA

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM AGRONOMIA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM AGRONOMIA Regulamento das Atividades Complementares previstas no Curso de Bacharelado em Agronomia do Campus Universitário de Tangará

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI

FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI CURITIBA 2009 Manual de Estágios Matriz Curricular 2009 2 1. APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º:

Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º: ESTÁGIO SUPERVISIONADO I E II 1 - Resolução: Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º: O Estágio Curricular

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral Regulamento de Programa de Atividades Complementares Abril de 2010 SUMÁRIO Sumário INTRODUÇÃO... 3 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS

A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS Michelle Mike Nose 1, Daisy Aparecida do Nascimento Rebelatto 2 Universidade de São Paulo 1 Escola de Engenharia de São Carlos Av. Trabalhador

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES São Vicente 2011 INTRODUÇÃO As atividades complementares, também designadas como Atividades e Estudos Independentes, são consideradas componentes pedagógicos próprios

Leia mais

Produção e publicação científica no curso de Relações Públicas da UNEB 1

Produção e publicação científica no curso de Relações Públicas da UNEB 1 Produção e publicação científica no curso de Relações Públicas da UNEB 1 Adalberto GÓES 2 Bruna CALASANS 3 Camila OLIVEIRA 4 Franciele VIANA 5 Francyele FRAGA 6 Nara ESPIÑEIRA 7 Resumo O presente trabalho

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE TEIXEIRA DE FREITAS EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO EDITAL N. 03.2015

FACULDADE PITÁGORAS DE TEIXEIRA DE FREITAS EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO EDITAL N. 03.2015 FACULDADE PITÁGORAS DE TEIXEIRA DE FREITAS EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO EDITAL N. 03.2015 A Coordenação do Curso de Direito da Faculdade Pitágoras de Teixeira de Freitas,

Leia mais

UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA

UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA Fortaleza Ce Maio 2011 Graziella Batista de Moura Universidade de Fortaleza graziella@unifor.br Vandalina

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI 1 APRESENTAÇÃO O Presente Regulamento visa esclarecer ao acadêmico, a estrutura e o funcionamento das Atividades

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O Diretor da FAPE Faculdade de Presidente Epitácio, no uso de suas atribuições, faz divulgar o presente

Leia mais

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PARA OS ESTUDANTES DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG APRESENTAÇÃO Prezado(a) aluno(a): Este manual tem como objetivo orientá-lo quanto às normas do Trabalho de

Leia mais

Curso de Serviço Social Manual do estagiário

Curso de Serviço Social Manual do estagiário Curso de Serviço Social Manual do estagiário I - Apresentação Caro aluno, A disciplina denominada Supervisão Acadêmica em Serviço Social, objetiva contribuir na compreensão das atividades relativas ao

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. 72h 6º

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. 72h 6º Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUINTES EM 2015/1

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUINTES EM 2015/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Publicidade e Propaganda Rádio e Televisão Relações Públicas ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUINTES EM 2015/1 DEFINIÇÃO

Leia mais

1. Objetivos. 1.1. Objetivo geral

1. Objetivos. 1.1. Objetivo geral A Coordenação de Pesquisa e Extensão (COPEX) da Faculdade Metropolitana da Grande Recife, em conjunto com a Direção Acadêmica, abre inscrições aos interessados em cadastrar projetos de pesquisa e extensão

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. A Faculdade Moraes Júnior Mackenzie Rio FMJ Mackenzie Rio, proporcionará aulas de Nivelamento

Leia mais

REABERTURA DO EDITAL Nº 090/2015 Referente ao Aviso Nº 097/2015, publicado no D.O.E. de 10.11.2015.

REABERTURA DO EDITAL Nº 090/2015 Referente ao Aviso Nº 097/2015, publicado no D.O.E. de 10.11.2015. REABERTURA DO EDITAL Nº 090/2015 Referente ao Aviso Nº 097/2015, publicado no D.O.E. de 10.11.2015. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio

Leia mais

PARECER DE TRABALHO ACADÊMICO (Projeto de Pesquisa)

PARECER DE TRABALHO ACADÊMICO (Projeto de Pesquisa) PARECER DE TRABALHO ACADÊMICO (Projeto de Pesquisa) Aluno(s): ALINE BONATTO Título do trabalho: O Curso de Ciências Contábeis e o Mercado de Trabalho: a perspectiva dos alunos egressos. Parecer: A autora

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL. Manual de Estágio CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL. Manual de Estágio CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Manual de Estágio CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 2010 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL FACSUL Sociedade de Ensino Superior do Leste do Paraná Ltda Diretor Geral Prof. Antonio

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Designamos atividades complementares o conjunto de eventos oferecidos aos alunos de

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO DE CEILÂNDIA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO INOVE CONSULTORIA JÚNIOR DA ESCOLA DE NEGÓCIOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014

FACULDADE PROJEÇÃO DE CEILÂNDIA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO INOVE CONSULTORIA JÚNIOR DA ESCOLA DE NEGÓCIOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 FACULDADE PROJEÇÃO DE CEILÂNDIA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO INOVE CONSULTORIA JÚNIOR DA ESCOLA DE NEGÓCIOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 A Direção da Escola de Negócios da Faculdade Projeção de Ceilândia,

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA (Ato de Aprovação:

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O PERÍODO 2015/2016

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O PERÍODO 2015/2016 EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O PERÍODO 2015/2016 O Comitê Institucional de Iniciação Científica do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo, torna

Leia mais

INFORME DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

INFORME DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS INFORME DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE A Direção Geral da Faculdade Independente do Nordeste, com vistas à chamada para seleção de alunos para o Programa Ciência

Leia mais

O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2008/CONEPE Aprova criação do Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Fixa normas para o funcionamento das Atividades Complementares para o curso de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso, campus Rondonópolis/Mato

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES O objetivo deste Regulamento é apresentar o Programa de Estímulo a Formação de Pesquisadores e definir os critérios para concessão de bolsas de estudo aos

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO DOS OBJETIVOS Art. 1. O Programa Institucional de Iniciação Científica (Pró-Ciência) tem por objetivo geral o desenvolvimento

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais