Rendimentos da Categoria B Rendimentos Profissionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rendimentos da Categoria B Rendimentos Profissionais"

Transcrição

1 Rendimentos da Categoria B Rendimentos Profissionais (Referente ao ano fiscal de 2012 a entregar em 2013) NOTA: Este estudo dedica-se aos trabalhadores independentes da categoria B, aqueles que passam fatura-recibo (os antigos recibos verdes) pelos serviços prestados. INDICE: Rendimentos englobados na Categoria B Prazos de entrega do IRS para Independentes Início de Atividade - Procedimentos Fim de Atividade - Procedimentos Regime Simplificado de Tributação Livros de Registos Fatura-recibo IVA Pagamento pelo Trabalhador Independente Taxas de retenção na fonte para rendimentos da categoria B Pagamentos por conta Mapas Recapitulativos de Clientes e Fornecedores Rendimentos provenientes da Propriedade literária, artística e cientifica Trabalhadores Deficientes Obrigações da Categoria B - trabalhadores independentes e empresários Ato Isolado Opção do Ato Isolado para o Trabalhador Independente Opção de Tributação pela Categoria A Deduções no Regime da Contabilidade Organizada Tributação autónoma Reporte de prejuízos Segurança Social dos Trabalhadores Independentes Lista das Profissões Independentes Rendimentos englobados na Categoria B Os rendimentos da Categoria B, encontram-se descritos no Código do IRS, no artigo 3.º. Artigo 3.º do Código do IRS para 2012 Rendimentos da categoria B 1 - Consideram-se rendimentos empresariais e profissionais: a) Os decorrentes do exercício de qualquer actividade comercial, industrial, agrícola, silvícola ou pecuária; b) Os auferidos no exercício, por conta própria, de qualquer actividade de prestação de serviços, incluindo as de carácter científico, artístico ou técnico, qualquer que seja a sua natureza, ainda que conexa com actividades mencionadas na alínea anterior; c) Os provenientes da propriedade intelectual ou industrial ou da prestação de informações respeitantes a uma experiência adquirida no sector industrial, comercial ou científico, quando auferidos pelo seu titular originário. 2 - Consideram-se ainda rendimentos desta categoria: a) Os rendimentos prediais imputáveis a actividades geradoras de rendimentos empresariais e profissionais; 1

2 b) Os rendimentos de capitais imputáveis a actividades geradoras de rendimentos empresariais e profissionais; c) As mais-valias apuradas no âmbito das actividades geradoras de rendimentos empresariais e profissionais, definidas nos termos do artigo 46.º do Código do IRC, designadamente as resultantes da transferência para o património particular dos empresários de quaisquer bens afectos ao activo da empresa e, bem assim, os outros ganhos ou perdas que, não se encontrando nessas condições, decorram das operações referidas no n.º 1 do artigo 10.º, quando imputáveis a actividades geradoras de rendimentos empresariais e profissionais; d) As importâncias auferidas, a título de indemnização, conexas com a actividade exercida, nomeadamente a sua redução, suspensão e cessação, assim como pela mudança do local do respectivo exercício; e) As importâncias relativas à cessão temporária de exploração de estabelecimento; f) Os subsídios ou subvenções no âmbito do exercício de actividade abrangida na alínea a) do n.º 1; g) Os subsídios ou subvenções no âmbito do exercício de actividade abrangida na alínea b) do n.º 1; h) Os provenientes da prática de actos isolados referentes a actividade abrangida na alínea a) do n.º 1; i) Os provenientes da prática de actos isolados referentes a actividade abrangida na alínea b) do n.º Para efeitos do disposto nas alíneas h) e i) do número anterior, consideram-se rendimentos provenientes de actos isolados os que não resultem de uma prática previsível ou reiterada. 4 - São excluídos de tributação os rendimentos resultantes de actividades agrícolas, silvícolas e pecuárias quando o valor dos proveitos ou das receitas, isoladamente ou em cumulação com os rendimentos ilíquidos sujeitos, ainda que isentos, desta ou de outras categorias que devam ser ou tenham sido englobados, não exceda por agregado familiar quatro vezes e meia o valor anual do IAS. 5 - Para efeitos deste imposto, consideram-se como provenientes da propriedade intelectual os direitos de autor e direitos conexos. 6 - Os rendimentos referidos neste artigo ficam sujeitos a tributação desde o momento em que para efeitos de IVA seja obrigatória a emissão de factura ou documento equivalente ou, não sendo obrigatória a sua emissão, desde o momento do pagamento ou colocação à disposição dos respectivos titulares, sem prejuízo da aplicação do disposto no artigo 18.º do Código do IRC, sempre que o rendimento seja determinado com base na contabilidade. Prazos de entrega do IRS para Independentes Os contribuintes com rendimentos da categoria B (Ex: trabalhadores Independentes), têm de entregar a declaração de IRS modelo 3, e o anexo B (Rendimentos de trabalho independente, que não disponham de contabilidade organizada) ou anexo C (Rendimentos de trabalho independente, que disponham de contabilidade organizada), até 30 de abril de 2013, se a entrega for em papel, para quem envia via internet, o prazo de entrega vai de 1 a 31 de Maio de Declaração de IRS Modelo 3 2

3 Declaração de IRS Modelo 3 Anexo B (Rendimentos de trabalho independente, que não disponham de contabilidade organizada) Declaração de IRS Modelo 3 Anexo C (Rendimentos de trabalho independente, que disponham de contabilidade organizada) Início de Atividade - Procedimentos O Trabalhador Independente antes de começar a exercer a atividade, tem de cumprir várias formalidades. Primeiro, dirigir-se a um serviço de finanças, para declarar o seu inicio, verbalmente ou preenchendo a declaração de inicio de atividade. 3

4 Também pode abrir, alterar ou cancelar atividade pela net (www.portaldasfinancas.gov.pt). Para isso, precisa da chave de acesso, e no site, seleccionar: entrega Atividade. Tem ainda de indicar se opta ou não pela contabilidade organizada. Se não o fizer, pode ficar no regime simplificado durante 3 anos, prorrogável por iguais períodos. No final dos 3 anos, se não quiser continuar no regime simplificado e decidir mudar para a contabilidade organizada, tem de entregar uma declaração de alterações até ao final de Março do ano em que pretender usar a contabilidade organizada. Os Trabalhadores Independentes emitem recibos on-line, através do Portal das Finanças, desde Julho de As entidades a quem foram prestados os serviços podem consultar electronicamente o recibo. Independentemente de precisar ou não de contabilidade organizada, o contribuinte é obrigado a emitir uma fatura-recibo por cada transmissão de bem ou serviço, assim como pelos adiantamentos. Exemplo de fatura-recibo emitido on-line 4

5 Se é empresário em nome individual, não está sujeito ao regime da fatura-recibo dos trabalhadores independentes, mas deve encomendar faturas numa tipografia autorizada ou ter um sistema electrónico de faturas credenciado. Apure ainda se está, ou não, obrigado a cobrar IVA (desde que fature mais de anuais) e se tem de entregar a declaração periódica de IVA, mensal ou trimestral. Tem de comprar um livro de registo de serviços prestados (modelo 8), para mencionar as receitas até 60 dias após a receção do dinheiro. Se não ficar isento de IVA, compre o livro de registo das despesas (modelo 9). Ambos são adquiridos em papelarias e não nas finanças. Caso já seja trabalhador por conta de outrem, pode pedir, na delegação regional da Segurança Social, a isenção do pagamento de contribuições. Para isso, a sua entidade patronal deve descontar, todos os meses, 11% aos seus rendimentos da categoria A. Fim de Atividade - Procedimentos Para o encerramento, deve dirigir-se ao serviço de finanças da sua área de residência para preenchimento de declaração de cessação de actividade (ou através da Internet), que deve ser feita 30 dias após ter sido preenchido o último recibo verde (actualmente fatura-recibo). Os contribuintes com rendimentos da categoria B não têm de informar a Segurança Social quando abrem atividade. O mesmo sucede para quem quer cancelar ou alterar a atividade. Graças ao cruzamento de informação entre o Fisco e a Segurança Social, o primeiro informa o segundo da abertura, alteração ou cancelamento de atividade. Porém, caso os serviços da Segurança Social precisem, por exemplo, de uma informação que a Autoridade Tributária não possa dar, contactam o contribuinte, que é obrigado a colaborar. O contribuinte tem ainda de indicar o cancelamento da atividade, no quadro 12 do anexo B da declaração de rendimentos a entregar no ano seguinte. Sempre que ocorra uma alteração na sua atividade (Ex: deixou de trabalhar como desenhador para começar como arquitecto), deve comunica-la ao Fisco. Para tal, entregue nas Finanças ou pela net, até 15 dias a contar da data da mudança, uma declaração de alteração de atividade. O Fisco pode, por iniciativa própria, cancelar a atividade do contribuinte, quando for evidente que esta não está a ser exercida. Para tal, envia uma comunicação ao contribuinte, notificando-o da decisão. Regime Simplificado de Tributação Ficam abrangidos pelo regime simplificado os sujeitos passivos que, no exercício da sua actividade, não tenham ultrapassado no período de tributação imediatamente anterior um montante anual ilíquido de rendimentos (prestações de serviços ou volume de vendas) desta 5

6 categoria de ,00, e no caso de não se terem dirigido até ao final de Março a um serviço de Finanças, optando pela contabilidade organizada, ficam abrangidos pelo regime simplificado por um período de 3 anos, prorrogável automaticamente. Se não quiser continuar neste regime e decidir mudar para a contabilidade organizada, terá de entregar uma declaração de alterações, até ao final de Março, do ano que pretender ser tributado pela contabilidade organizada, depois de cumprido o prazo de 3 anos no regime simplificado. Ao optar pela contabilidade organizada terá obrigatoriamente a declaração de rendimentos ser assinada por um Técnico Oficial de Contas, que cobrará os seus serviços. O Fisco considera que apenas 70% dos rendimentos dos trabalhadores independentes correspondem a rendimentos líquidos, isto é, que somente 30% dos rendimentos são despesas essenciais para a prestação dos seus serviços. No entanto existem excepções relativamente aos trabalhadores que prestem o seu serviço no ramo da hotelaria, restauração ou bebidas, e que os ganhos não resultem da venda de mercadorias ou produtos, pois nestes casos o fisco considera como rendimento sujeito a imposto 20% do total obtido. Assim, se determinado trabalhador independente, vier a receber da sua actividade de independente a quantia global de 9 477,16. Como rendimento sujeito a imposto, o fisco considera 70% desse valor, isto é, 6 634,01 que serão englobados aos restantes rendimentos das outras categorias, se os houver. Sendo aplicada uma taxa de imposto de IRS que varia entre 11,50% a 46,50%, ao total apurado. Quem ficar abrangido pelo regime simplificado, só pode optar pela contabilidade organizada quando: - A Legislação publicada, por exemplo o Orçamento de Estado, o permitir em determinado ano, independentemente do tempo que se tenha de regime simplificado; - Findo o prazo dos 3 anos, e caso queira mudar para a contabilidade organizada entregue uma declaração de alterações até ao final do mês de março do ano em a pretende usar; - Quando se obtiver um rendimento superior a durante dois períodos de tributação seguidos, passa-se automaticamente para o regime da contabilidade organizada; - Num só período, o limite anterior, for ultrapassado em, pelo menos 25%, com um total de rendimentos superior a O regime da contabilidade organizada inicia-se automaticamente a partir do ano fiscal seguinte ao da verificação de uma das situações anteriores. Livros de Registos No caso, dos contribuintes exercerem uma actividade independente, e não estejam obrigados a possuírem contabilidade organizada, os mesmos terão de adquirir um Livro de registos de serviços prestados (modelo 8), e um Livro de registo de despesas (modelo 9). Este último só é obrigatório no regime simplificado quando o contribuinte esteja enquadrado no regime normal de I.V.A. Se não for efectuado o preenchimento dos livros atrás citados, o contribuinte incorre na prática de uma infracção, punida no mínimo em coima entre 150 e Estes livros devem ser adquiridos, preferencialmente aquando do início da actividade, no momento da entrega da declaração de início de actividade. Podem encontrar-se para venda em papelarias autorizadas. 6

7 O contribuinte tem um prazo máximo de 60 dias para registar e preencher as operações de cada mês. As receitas devem ser indicadas cronologicamente. Na prática, no livro modelo 8, os profissionais independentes devem discriminar todas as fatura-recibo emitidos. Estes livros, tal como os documentos que servem ao seu preenchimento devem ser guardados pelo contribuinte pelo prazo de 10 anos. Os contribuintes que não são obrigados a ter contabilidade organizada, mas possuem um sistema contabilístico que permita apurar o imposto, podem, depois de autorizados pela Autoridade Tributária, não usar os livros. Fatura-Recibo As fatura-recibos dos trabalhadores independentes, têm que ser pedidos e preenchidos via online, através de senha de acesso, no site das finanças, em Através da Portaria n.º 426-B/2012, de 28 de dezembro, foram aprovados os modelos das faturas-recibo para trabalhadores independentes e atos isolados. Exemplo de fatura-recibo emitido on-line Para se obterem as facturas, pode-se recorrer aos serviços de uma tipografia autorizada pelo Ministério das Finanças. Esta autorização deverá estar assinada na factura. Também se podem utilizar sistemas informáticos para se imprimirem as facturas, desde que se recorra a um programa de facturação, e se tenha em atenção o seguinte: De acordo com Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho 1 - Os sujeitos passivos de imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) ou de imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas (IRC), para emissão de faturas, nos termos dos artigos 36.º e 40.º do Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), estão obrigados a utilizar, exclusivamente, programas informáticos de faturação que tenham sido objeto de prévia certificação pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT). 2 - Excluem-se do disposto no número anterior os sujeitos passivos que reúnam algum dos seguintes requisitos: a) Utilizem software produzido internamente ou por empresa integrada no mesmo grupo económico, do qual sejam detentores dos respetivos direitos de autor; b) Tenham tido, no período de tributação anterior, um volume de negócios inferior ou igual a ; c) Tenham emitido, no período de tributação anterior, um número de faturas inferior a unidades; 7

8 d) Efetuem transmissões de bens através de aparelhos de distribuição automática ou prestações de serviços em que seja habitual a emissão de talão, bilhete de ingresso ou de transporte, senha ou outro documento pré-impresso e ao portador comprovativo do pagamento. 3 - São ainda obrigados a utilizar programa certificado: a) Os sujeitos passivos referidos no n.º 1, ainda que abrangidos por qualquer das exclusões constantes das alíneas b) a d) do n.º 2, quando optem, a partir da entrada em vigor da presente portaria, pela utilização de programa informático de faturação; b) Os sujeitos passivos que utilizem programa de faturação multiempresa. 4 - Para efeitos do disposto no n.º 1, consideram-se também programas de faturação os programas que emitam apenas guias de transporte ou de remessa, que sirvam de documento de transporte, de acordo com o disposto no regime de bens em circulação, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 147/2003, de 11 de julho. De acordo com o artigo 40.º do Código do IVA Artigo 40.º (Código do IVA para 2013) Faturas simplificadas 1 - A obrigatoriedade de emissão de fatura prevista na alínea b) do n.º 1 do artigo 29.º pode ser cumprida através da emissão de uma fatura simplificada em transmissões de bens e prestações de serviços cujo imposto seja devido em território nacional, nas seguintes situações: a) Transmissões de bens efetuadas por retalhistas ou vendedores ambulantes a não sujeitos passivos, quando o valor da fatura não for superior a (euro) 1000; b) Outras transmissões de bens e prestações de serviços em que o montante da fatura não seja superior a (euro) As faturas referidas no número anterior devem ser datadas, numeradas sequencialmente e conter os seguintes elementos: a) Nome ou denominação social e número de identificação fiscal do fornecedor dos bens ou prestador dos serviços; b) Quantidade e denominação usual dos bens transmitidos ou dos serviços prestados; c) O preço líquido de imposto, as taxas aplicáveis e o montante de imposto devido, ou o preço com a inclusão do imposto e a taxa ou taxas aplicáveis; d) Número de identificação fiscal do adquirente ou destinatário, quando for sujeito passivo. 3 - As faturas referidas nos números anteriores devem ainda conter o número de identificação fiscal do adquirente ou destinatário que não seja sujeito passivo quando este o solicite. 4 - As faturas referidas nos números anteriores podem ser processadas nos termos previstos no artigo 5.º do Decreto- Lei n.º 198/90, de 19 de junho, ou ainda por outros meios eletrónicos, nomeadamente máquinas registadoras, terminais eletrónicos ou balanças eletrónicas, com registo obrigatório das operações no rolo interno da fita da máquina ou em registo interno por cada transmissão de bens ou prestação de serviços, sendo-lhes aplicável, em qualquer caso, quanto às matérias não especificamente reguladas neste artigo, as restantes disposições que regem a emissão de faturas. 5 - Sem prejuízo da obrigação de registo das transmissões de bens e das prestações de serviços efetuadas, a obrigação referida na alínea b) do n.º 1 do artigo 29.º pode ser cumprida mediante a emissão de documentos ou do registo das operações, respetivamente, nas seguintes operações: a) Prestações de serviços de transporte, de estacionamento, portagens e entradas em espetáculos, quando seja emitido um bilhete de transporte, ingresso ou outro documento ao portador comprovativo do pagamento; b) Transmissões de bens efetuadas através de aparelhos de distribuição automática que não permitam a emissão de fatura. NOTA: O artigo 15.º do Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de Agosto refere que: As autorizações concedidas ao abrigo do n.º 5 do artigo 40.º do Código do IVA, na redação anterior à entrada em vigor do presente diploma, caducam em 31 de março de A faculdade referida no número anterior pode ser declarada aplicável pelo Ministro das Finanças a outras categorias de sujeitos passivos que forneçam a consumidores finais serviços caracterizados pela sua uniformidade, frequência e valor limitado. 7 - O Ministro das Finanças pode, nos casos em que julgue conveniente, e para os fins previstos neste Código, equiparar certos documentos de uso comercial a faturas. Independentemente do montante do serviço prestado, os restaurantes, bares e estabelecimentos similares são sempre obrigados a passar facturas. 8

9 IVA Pagamento pelo Trabalhador Independente Nem todos os trabalhadores independentes estão sujeitos à obrigatoriedade de cobrar o IVA, realmente existem situações em se está isento de cobrar este imposto, nesse sentido transcrevemos o artigo correspondente do CIVA. Artigo 53.º (do IVA para 2012) Âmbito de aplicação 1 - Beneficiam da isenção do imposto os sujeitos passivos que, não possuindo nem sendo obrigados a possuir contabilidade organizada para efeitos do IRS ou IRC, nem praticando operações de importação, exportação ou actividades conexas, nem exercendo actividade que consista na transmissão dos bens ou prestação dos serviços mencionados no anexo E do presente Código, não tenham atingido, no ano civil anterior, um volume de negócios superior a Não obstante o disposto no número anterior, são ainda isentos do imposto os sujeitos passivos com um volume de negócios superior a , mas inferior a , que, se tributados, preencheriam as condições de inclusão no regime dos pequenos retalhistas. 3 - No caso de sujeitos passivos que iniciem a sua actividade, o volume de negócios a tomar em consideração é estabelecido de acordo com a previsão efectuada relativa ao ano civil corrente, após confirmação pela Direcção-Geral dos Impostos. 4 - Quando o período em referência, para efeitos dos números anteriores, for inferior ao ano civil, deve converter-se o volume de negócios relativo a esse período num volume de negócios anual correspondente. 5 - O volume de negócios previsto nos números anteriores é o definido nos termos do artigo 42.º Para além, destas isenções preconizadas pelo artigo transcrito anteriormente, existem actividades, que qualquer que seja o montante de rendimentos auferidos estão isentos de cobrar I.V.A., mas só se não optarem pela contabilidade organizada são elas : Médicos, Enfermeiros, Parteiras, Odontologistas e outras profissões paramédicas. Deste modo, se o trabalhador independente declarar a previsão de obter, ou efectivamente obter rendimentos de valor superior a , terá de proceder ao liquidamento de IVA, nas fatura-recibos que vier a passar, à taxa de 23% no território nacional, sendo estes valores cobrados a título deste imposto, entregues e declarados através de declaração periódica de IVA, que será mensal ou trimestral, em consequência do valor dos negócios, se superiores a a declaração é mensal, se inferior a a declaração será trimestral. A declaração periódica de IVA (mensal ou trimestral) tem de ser enviada através da Internet. Para tal, deverá obter a respectiva senha na Internet em A declaração de IVA é preenchida on-line, onde se menciona o imposto cobrado aos clientes em produtos e serviços necessários à actividade. É então emitido automaticamente um documento para pagar o IVA. Para além da entrega da declaração periódica de IVA, deve ser entregue também até 15 de Julho, junto dos serviços de finanças, o anexo L, que consta da declaração anual de informação contabilística e fiscal. Taxas de retenção na fonte para rendimentos da categoria B Nota: se quem recebe o rendimento prevê não vir a ganhar mais de por ano (porque o afirmou na declaração de inicio de actividade), ou porque efetivamente não ganhe este valor, a lei fiscal (DL 42/91, art. 9º nº 1) permite que a retenção na fonte não seja efectuada pela entidade que paga o rendimento. 9

10 Se prestar serviços a clientes com contabilidade organizada, estes deverão fazer uma retenção na fonte de 21,5% (25% em 2013), no acto de pagamento. A excepção vai para aqueles casos em que o trabalhador não prevê vir a ganhar mais de por ano. Para tal, tem de manifestar a sua decisão nas fatura-recibos, pondo uma cruz na linha sem retenção art.º 9º, n.º 1 do DL n.º 42/91, de 22/1. Para rendimentos superiores a por ano, a taxa de retenção na fonte a efectuar será de: Taxas Atividade 21,5% (25% em 2013) Todos os rendimentos obtidos pelos profissionais independentes referidos na lista no final deste ficheiro. 16,5% Rendimentos provenientes da propriedade intelectual, industrial ou de prestação de informação respeitante a uma experiência adquirida no sector comercial, industrial ou científico (*) 11,5% Rendimentos profissionais não previstos na lista no final deste ficheiro e os actos isolados 0% Prestações de serviços resultantes das actividades de transportes; actividades hoteleiras; restauração e bebidas; agências de turismo; construção civil, desde que estas últimas tenham um certificado válido emitido pelo Instituto dos Mercados de Obras Públicas e Particulares e do Imobiliário. (*) Exemplo de rendimentos provenientes da propriedade intelectual (uma obra literária) Exemplo de rendimentos provenientes da propriedade industrial (registo de patentes) Exemplo de rendimentos provenientes da prestação de informação respeitante a uma experiência adquirida no sector comercial, industrial ou científico (uma empresa que pediu os serviços de alguém que, pela sua experiência prévia na área, possa ajudar a explicar o funcionamento de determinada máquina). Pagamentos por conta Os pagamentos por conta são uma espécie de adiantamento sobre o imposto que se prevê ter de pagar. Quem inicia a sua actividade não terá de se preocupar de imediato: Por exemplo, se iniciar a atividade em 2012, só pode ficar sujeito a pagamentos por conta a partir de Não é necessário que os contribuintes façam as contas, dado que estas contas são feitas pelo fisco, que tem por base os rendimentos obtidos durante o penúltimo ano. Assim, os pagamentos por conta a efectuar em 2012 referem-se aos rendimentos obtidos em Cálculo dos Pagamentos por conta: A totalidade dos pagamentos por conta é igual a 76,5% do montante calculado com base na seguinte fórmula: C x RLB - R RLT 10

11 em que as siglas utilizadas têm o seguinte significado: C = colecta do penúltimo ano, líquida das deduções a que se refere o n.º 1 do artigo 78.º, com excepção da dedução constante da alínea h); R = total das retenções efectuadas no penúltimo ano sobre os rendimentos da categoria B; RLB = rendimento líquido positivo do penúltimo ano da categoria B; RLT = rendimento líquido total do penúltimo ano. O valor destes pagamentos ser-lhe-á indicado pelo fisco, na nota de liquidação de IRS enviada ao contribuinte, durante os meses de Junho, Agosto e Novembro do ano a que respeitam. O fisco envia ao contribuinte as respectivas notas de pagamento. Estas têm um valor igual e devem ser pagas, respectivamente, até aos dias 20 de Julho, 20 de Setembro e 20 de Dezembro. Se as prestações forem inferiores a 50, o pagamento não será exigido. Mapas recapitulativos de Clientes e Fornecedores Os profissionais independentes que obtenham (ou prevêem vir a ter), um volume de negócios superior a têm de cobrar IVA nas fatura-recibos, por si emitidos, à taxa de 23%. Os trabalhadores Independentes também podem ter de preencher e entregar os mapas recapitulativos de clientes e fornecedores (anexos O e P). Estes anexos são listas onde devem constar todos os clientes e fornecedores do trabalhador independente, apresentados pelo respectivo número de identificação fiscal, com os quais as operações, no ano anterior, tenham excedido os Ambos os anexos são entregues aquando da entrega de declaração anual de informação contabilística e fiscal (até ao dia 15 de Julho de cada ano). Rendimentos provenientes da propriedade literária, artística e cientifica Metade dos rendimentos de trabalho por conta própria provenientes da propriedade literária, artística e cientifica (a publicação de um livro escolar ou de um romance, por exemplo) estão isentos de imposto. Incluem-se os rendimentos provenientes da venda de bens de arte de exemplar único e os montantes resultantes da venda de obras de divulgação pedagógica e cientifica. O limite máximo de isenção é de Para rendimentos desta natureza, superiores a ,00, o montante excedente é dividido por 3, sendo esse terço adicionado ao montante máximo de isenção, ou seja, os euros. Para se usufruir desta isenção, tem-se de se inscrever 50% dos rendimentos referidos no quadro 4 do anexo B, enquanto que os restantes serão indicados no quadro 5 do anexo H (benefícios fiscais). Neste caso, a taxa de retenção também passa a recair sobre 50% dos rendimentos, o que na prática, significa uma taxa de 8,25% (16,5% x 50%). 11

12 Quem fizer esta retenção, tem que assinalar nas faturas-recibos: sobre 50% - art.º 10º, n.º 1 do DL 42/91, de 22 Janeiro. Exemplo: num rendimento de propriedade intelectual de estão sujeitos a tributação Tal resulta da diferença entre e (limite do benefício), multiplicado pelo coeficiente do regime simplificado (0,70). ( ) x 0,70 = Porém a taxa a aplicar sobre este montante é menos simples de calcular (limite máximo) = / 3 = 3.333, (limite máximo do beneficio) ,33 = , ,33 x 0,70 (coeficiente do regime simplificado) = ,33 A ,33 corresponde uma taxa de IRS para 2012 de 35,5%, que será aplicada aos Para usufruir dessa isenção inscreva 50% dos rendimentos referidos no quadro 4 do anexo B enquanto os restantes são indicados no quadro 5 do anexo H (Benefícios fiscais). Neste caso, a taxa de retenção também passa a recair sobre 50% dos rendimentos. Na prática traduz-se numa taxa de 8,25% (16,5 x 50%). O contribuinte pode ainda beneficiar de uma redução na taxa de retenção na fonte, ou seja, a taxa incidirá sobre metade dos rendimentos. Em vez de fazer uma retenção de 16,5%, poderá fazer de 8,25% (16,5 x 50%). Para aproveitar esta redução na retenção, tem de assinalar a linha sobre 50% - art.º 10.º, n.º 1. Do DL 42/91, de 22/1, nas fatura-recibo. Trabalhadores Deficientes Deduções à colecta para os contribuintes ou para os seus dependentes com um grau de invalidez permanente ou superior a 60%. - Cada sujeito passivo deficiente (com grau de deficiência superior a 60%), pode deduzir à colecta, um valor correspondente a 4 vezes a retribuição mínima mensal, ou seja 475 x 4 = Por cada dependente com deficiência, será deduzido o valor de uma vez e meia a retribuição mínima mensal, isto é 475 x 1,5 = 712,50. - A dedução dos ascendentes com deficiência, que vivam em casa do sujeito passivo e não obtenham um rendimento superior à pensão mínima do regime geral ( 254 mensais), também é de uma vez e meia a retribuição mínima mensal, ou seja 712,50. -Se o grau de deficiência for superior a 90%, por cada sujeito passivo ou dependente, pode-se ainda abater de dedução à colecta mais a título de despesas de acompanhamento. - Os sujeitos passivos deficientes das forças armadas passam a usufruir de uma dedução relativa a cinco retribuições mínimas mensais, ou seja, a ( 475 x 5). 12

13 Em 2012, os rendimentos obtidos por contribuintes deficientes, contam em 90% para efeitos de IRS com o limite de Os rendimentos acima de pagam IRS na totalidade. Obrigações da Categoria B - trabalhadores independentes e empresários Obrigações I.V.A. I.R.S. Início de actividade Declaração de início de actividade (entrega antes do início de actividade) Alteração de actividade Declaração de alterações. Entrega no prazo de 15 dias a contar da data da alteração, excepto se a alteração no volume de negócios implicar uma mudança no enquadramento no regime do IVA. Neste caso, deverá ser entregue durante Janeiro do ano seguinte em que foram ultrapassados os de volume de negócios. Encerramento da actividade Deve entregar no prazo de 30 dias a contar da cessação da actividade, a declaração respectiva de cessação de actividade. Periódica Se estiver enquadrado no regime normal de I.V.A., deve entregar a declaração periódica de I.V.A., até dia 15 (regime trimestral) ou até dia 10 (regime mensal) do 2º mês seguinte a que se refiram as operações. Nenhuma obrigação Anual Declaração anual de informação contabilística e fiscal acompanhado do anexo L, entregue até 15 do mês de Julho do ano seguinte à àquele que se referem as operações, para os contribuintes enquadrados no regime normal de IVA. Declaração de rendimentos, mod. 3, a entregar do dia 1 a 30 de Abril, do ano seguinte àquele que dizem respeito os rendimentos. Pela internet, o prazo vai de 1 a 31 de Maio. Se tem contabilidade organizada, deve até ao dia 15 de Julho do ano seguinte aos rendimentos, fazer a entrega da Declaração anual de informação contabilística e fiscal. Mapas recapitulativos Se estiver enquadrado no regime de I.V.A., deve entregar juntamente com a declaração anual até dia 15 de Julho do ano seguintes às operações Mapas recapitulativos de clientes e de fornecedores (anexos O e P), desde que ultrapasse o volume de negócios de em 2012, com cada um. Pagamento Se estiver enquadrado no regime normal de I.V.A., deve proceder ao pagamento do valor do I.V.A., relativo a cada período de tributação, mensal ou trimestral, nas mesmas datas da entrega da declaração periódica do I.V.A. Pagamento do I.R.S. que tenha sido apurado. Retenções na fonte sempre que auferir rendimentos (obrigatório só para quem tenha um valor de negócios superior a ) Pagamentos por conta até ao dia 20 de cada um dos meses de Julho, Setembro e Dezembro. 13

14 Facturação Emissão de fatura-recibo no portal das finanças ou facturas por cada prestação de serviços da actividade. Registo dos rendimentos e das despesas para o apuramento do respectivo imposto. Contabilidade Constituição de um dossier fiscal até 30 de Junho do ano seguinte a que se referem as operações (para os trabalhadores obrigados a possuírem contabilidade organizada ou que entreguem algum dos anexos respeitantes ao I.V.A.) Ato Isolado Quem ainda não esta colectado como profissional independente, mas quer prestar um serviço, pode optar pelo acto isolado, desde que a prestação não tenha um carácter previsível e contínuo, mas só esporádico. Só quem ainda não se inscreveu nas finanças como trabalhador independente, pode optar por esta forma de tributação. Opção do Ato Isolado para o Trabalhador Independente A opção do acto isolado, poderá ter algumas vantagens, consoante já se preste uma actividade independente ou que não prestando, tem a pretensão de efectuar prestações de serviços. Desde já, convém saber que são considerados rendimentos de actos isolados os que não resultem de uma prática reiterada, e que não representem mais de ,00 dos ganhos globais do contribuinte. Nos actos isolados, não se aplica o regime simplificado, podendo apenas ser deduzidas as despesas necessárias para a realização da prestação de serviço, comprovando essas despesas, e analisando os limites existentes para as mesmas. A retenção na fonte, é dispensada no caso de o valor do acto isolado ser de valor inferior a Se for de valor superior a a taxa de retenção na fonte será de 11,5%. O acto isolado tem sempre IVA a 23%. Que terá que ser entregue às finanças, até ao último dia do mês seguinte ao da conclusão do serviço. Para quem não se encontra inscrito ainda como trabalhador independente, talvez a maior das vantagens pela opção do acto isolado seja a dispensa de todos os procedimentos necessários para dar início da actividade (não é necessária a declaração de início de actividade), sendo o acto isolado bastante mais simples, mas desde que a prestação a desempenhar com o acto isolado não tenha um caracter previsível e contínuo. Tal como os independentes inscritos, um contribuinte que pratique um ato isolado tem de passar uma fatura-recibo através do Portal das finanças, onde deve mencionar-se os elementos pessoais do prestador de serviços, identificação para quem se presta o serviço, descrição do serviço prestado, a quantia recebida pelo serviço, valores do I.V.A. cobrados (23%), se for caso disso a retenção na fonte (se o acto isolado for de valor superior a , há retenção na fonte à taxa de 11,5%), e a assinatura do prestador de serviços, bem como a data. 14

15 Exemplo de Fatura-recibo, para um ato isolado, emitida no portal das Finanças: No caso do ano de 2012, se efectuou um acto isolado deverá preencher e entregar, até ao fim do mês de Abril ou Maio de 2013, a declaração de rendimentos modelo 3 e o anexo designado de B, onde colocará uma cruz no quadrado referente ao acto isolado. Apuramento do rendimento tributável dos actos isolados: Aos actos isolados e nos rendimentos considerados como acessórios não é aplicável o regime simplificado, sendo o rendimento sujeito a imposto encontrado da seguinte forma: a taxa de imposto de IRS incide sobre o rendimento líquido, resultante da dedução dos custos necessários à obtenção desse rendimento (exemplo: deslocações, refeições, formação). Mas, atenção, que não são aceites as despesas que pressuponham a prática previsível e contínua de uma actividade independente (exemplo: praticar amortizações de computadores, ou ter despesas de refeição ao longo de um ano inteiro). 15

16 Opção de Tributação pela Categoria A Os trabalhadores independentes dispõem da opção de poderem integrar os seus rendimentos nas condições referentes à categoria A, desde que prestem a sua actividade independente a uma só entidade. Esta opção permite a dedução específica, que se aplica aos rendimentos tributados em sede da categoria A. Idealizando uma hipótese de um trabalhador independente que presta serviços a uma única entidade e que o mesmo auferiu no ano de 2012 a quantia total de 7 500, e que quer saber se será vantajoso para si optar, na altura em que preencher a declaração de rendimentos, pela tributação segundo as regras da categoria A. Segundo o regime simplificado, o rendimento deste trabalhador será tributado da seguinte forma: o rendimento sujeito a imposto serão os multiplicados por 0,70, ou seja 5 250, englobados aos restantes rendimentos de outras categorias do trabalhador se as tiver. Sobre este rendimento, incidirá a taxa marginal de IRS correspondente, que pode variar entre 11,5% a 46,5%. Na prática, a dedução específica que o trabalhador terá direito é de ( ). NOTA: Aos rendimentos brutos da categoria A deduzir-se-ão, por cada titular que os tenha auferido, os seguintes encargos: 72% de 12 vezes o salário mínimo nacional ( 4.104) ou, se superior, as contribuições obrigatórias para regimes de segurança social: O salário mínimo nacional em 2010 (a referência para 2012) é de 475 Logo 475 x 12 = x 72% = % de 12 vezes o salário mínimo nacional ( 4.275): havendo despesas de formação profissional ministrada por entidades com reconhecida competência e quotas para associações profissionais de inscrição obrigatória: O salário mínimo nacional em 2010 (a referência para 2012) é de 475 Logo 475 x 12 = x 75% = Se o trabalhador optar pelas regras da categoria A, a dedução específica aplicada será de Logo, só estarão sujeitos a imposto ( ), portanto menos ( ). Resumo: caso o trabalhador possa optar por esta forma de tributação (segundo as regras da categoria A) e em 2012 tenha recebido rendimentos exclusivamente de trabalho independente inferiores a ( / 0,30) e não optou pela contabilidade organizada, será sempre mais vantajoso optar pela tributação segundo as regras da categoria A. Na prática, para rendimentos inferiores a , a dedução específica da categoria A será sempre mais elevada do que a percentagem de rendimento não considerada para efeitos de tributação no regime simplificado (30%). Esta opção não é aconselhada para quem também tem rendimentos da categoria A, já que o fisco só vai deduzir o valor de uma dedução específica à soma dos rendimentos da categoria A e B. De salientar, que no que concerne às retenções na fonte, e apesar da possibilidade da opção da categoria A, estas permanecerão inalteradas, continua aplicar-se a taxa de 21,5% nas fatura-recibos passados. 16

17 Para optar pelas regras da categoria A, preencha o quadro 4C, do anexo B. Deduções no Regime da Contabilidade Organizada A opção pela contabilidade organizada pode ser feita pelo sujeito passivo, independentemente do volume de negócios, desde que opte por ela na declaração de início de actividade, ou entregue uma declaração de alterações até 31 de Março (quando lhe for permitido por legislação, exemplo, pelo orçamento de estado), afirmando que pretende permanecer no regime de contabilidade organizada pelo período de 3 anos. Se o trabalhador independente estiver enquadrado no regime da contabilidade organizada, terá que entregar o anexo C, do modelo 3 de IRS. O regime simplificado termina (passando a contabilidade organizada) quando: - tiver um rendimento superior a ,00 durante dois períodos de tributação seguidos; - num só período, este limite for ultrapassado num montante superior a 25%, ou seja, um total de rendimentos superior a ,00; - se o titular dos rendimentos, optar pela contabilidade organizada. 17

18 Assim, o regime da contabilidade organizada terá início automaticamente a partir do ano fiscal seguinte ao da verificação de qualquer um destes factos. Quadro resumo das deduções permitidas no regime de contabilidade organizada, para os trabalhadores independentes: Encargos aceites Limites Remunerações, ajudas de custo, subsídio de refeição, utilização de viatura própria atribuídos aos sujeito passivo ou a membros do seu agregado familiar que lhe prestem serviço. Generalidade das despesas relacionadas com o exercício da actividade, excepto os encargos indicados ao lado. As despesas com combustível, na parte em que o sujeito passivo não faça prova de que as mesmas respeitam a bens pertencentes ao seu activo ou por ele utilizados em regime de locação sem ultrapassar os consumos normais. As importâncias devidas pelo aluguer sem condutor de viaturas ligeiras de passageiros ou mistas, na parte correspondente ao valor das reintegrações dessas viaturas que não sejam aceites como custos. Os impostos que, directa ou indirectamente, incidam sobre os lucros. As multas, coimas e demais encargos por infracções. Amortizações e reintegrações referentes a viaturas ligeiras de passageiros ou mistas 25 % ao ano. A administração fiscal não aceita como custo a amortização de veículos ligeiros de passageiros ou mistos na parte que ultrapasse os seguintes valores (1) Deslocações, viagens e estadas do sujeito passivo ou membros do seu agregado familiar que com ele trabalham Custos associados ao imóvel destinado a habitação e parcialmente afecto à actividade 10% do rendimento bruto da categoria B 25% do total das respectivas despesas, devidamente comprovadas. (1) O quadro seguinte indica o limite fiscal das amortizações permitidas das viaturas ligeiras de passageiros ou mistas, consoante o ano de aquisição. Aquisições após 1/1/2010 Aquisições após 1/1/2011 Aquisições após 1/1/2012 Viaturas eléctricas Outras Viaturas Para um veiculo ligeiro de passageiros adquirido em 2010 o fisco não aceita como custo a amortização acima de O fisco só permite afetar um veículo por titular de rendimentos da categoria B (exceto os veículos de cilindrada até 125 centímetros cúbicos), por sócio, nas sociedades de profissionais, e por trabalhador ao serviço dos referidos contribuintes. Isto se comprovada a necessidade do uso. Se a viatura é de ligeiros de passageiros, o IVA não é dedutível. Só o será, caso se trate de um veículo de mercadorias. 18

19 Tributação autónoma: ENCARGOS (1) Taxa de imposto aplicada Despesas confidenciais ou não documentadas 50 % (2) Despesas relativas a despesas de representação e a viaturas ligeiras de passageiros ou mistas, motos e motociclos, suportados por sujeitos passivos 10 % (3) Consideram-se despesas de representação, nomeadamente, os encargos suportados com recepções, refeições, viagens, passeios e espectáculos oferecidos no país ou no estrangeiro a clientes ou a fornecedores ou ainda a quaisquer outras pessoas ou entidades. Consideram-se encargos relacionados com viaturas ligeiras de passageiros, motos e motociclos, nomeadamente, as reintegrações, rendas ou alugueres, seguros, despesas com manutenção e conservação, combustíveis e impostos incidentes sobre a sua posse ou utilização. (1) Apesar destas despesas poderem ser apresentadas pelos contribuintes que tenham contabilidade organizada, sobre o seu montante incide a taxa de tributação autónoma referida. (2) Pode ser elevada para 70% para contribuintes isentos de IRC ou que não exerçam a título principal actividades comerciais, agrícolas ou industriais. (3) Os encargos com veículos ligeiros de passageiros ou mistos, de custo superior ao permitido, quando pagos pelos contribuintes isentos de IRC ou que não exerçam a titulo principal actividades comerciais, agrícolas ou industriais, passa para 10%. Esta taxa é reduzida para 5% no caso das viaturas ligeiras de passageiros ou mistas, com emissão de CO2 inferiores a 120g/km (gasolina) e inferiores a 90 g/km (gasóleo). Reporte de prejuízos Ao contrário do que acontece no regime simplificado, na contabilidade organizada os prejuízos de cada exercício poderão ser reportados aos 5 anos seguintes aquele a que respeitam, sendo deduzidos ao rendimento global apurado. Eventualmente, no regime simplificado só podem ser deduzidos os prejuízos fiscais apurados em anos anteriores à aplicação do referido regime (quando tinham contabilidade organizada). Segurança Social dos Trabalhadores Independentes Os profissionais independentes descontam mensalmente para a segurança social de acordo com a tabela abaixo (Valores para 2013): Base de Incidência Contributiva Valor das contribuições a pagar pelos Trabalhadores Independentes Escalões % do Valor 29,6% 28,3% 34,75 Valor do IAS (1) (2) (3) Escalão reduzido 0,5 209,61 62,04 59,32 72,84 1º 1 419,22 124,09 118,64 145,68 2º 1,5 628,83 186,13 177,96 218,52 3º 2 838,44 248,18 237,28 291,36 4º 2,5 1048,05 310,22 296,60 364,20 19

20 5º ,66 372,27 355,92 437,04 6º ,88 496,36 474,56 582,72 7º ,10 620,45 593,20 728,39 8º ,32 744,53 711,84 874,07 9º ,76 992,71 949, ,43 10º , , , º , , , ,15 (1) A taxa contributiva a cargo dos trabalhadores independentes é fixada em 29,6 %. (Art.º 168, n.º 1 da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro) (2) É fixada em 28,3 % a taxa contributiva a cargo dos produtores agrícolas e respectivos cônjuges cujos rendimentos provenham única e exclusivamente do exercício da actividade agrícola. (Art.º 168, n.º 3 da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro). (3) É fixada em 34,75 % a taxa contributiva a cargo dos empresários em nome individual e dos titulares de estabelecimento individual de responsabilidade limitada e respetivos cônjuges. (Art.º 168, n.º 4 da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro Aditado pela Lei n.º 66-B/2012, de 31 de dezembro). NOTA: O valor do IAS (Indexante de Apoios Sociais) para 2013 é de 419,22 de acordo com o artigo 114º do Orçamento de Estado para 2013 (Lei n.º 66-B/2012, de 31 de Dezembro). Artigo 114.º Suspensão do regime de atualização do valor do indexante dos apoios sociais, das pensões e outras prestações sociais É suspenso durante o ano de 2013: a) O regime de atualização anual do IAS, mantendo-se em vigor o valor de (euro) 419,22 estabelecido no artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 323/2009, de 24 de dezembro, alterado pelas Leis n.os 55-A/2010, de 31 de dezembro, e 64- B/2011, de 30 de dezembro;.. Protecção Social: Âmbito material - Artigo 141.º (Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro) 1 - A protecção social conferida pelo regime dos trabalhadores independentes integra a protecção nas eventualidades de doença, parentalidade, doenças profissionais, invalidez, velhice e morte. 2 - Os trabalhadores independentes que sejam considerados economicamente dependentes de uma única entidade contratante beneficiam ainda do regime jurídico de proteção social na eventualidade de desemprego, estabelecido no Decreto-Lei n.º 65/2012, de 15 de março. 3 - Os trabalhadores independentes que sejam empresários em nome individual ou titulares de estabelecimento individual de responsabilidade limitada, e respetivos cônjuges referidos na alínea b) do n.º 1 do artigo 134.º têm igualmente direito a proteção na eventualidade de desemprego, nos termos de legislação própria. Lista das Profissões Independentes Código do IRS, artigo 151º Portaria n.º 1011/2001, de 21 de Agosto Alterada pela Portaria n.º 256/2004, de 9 de Março Alterado pela Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro (OE 2007) 20

Alterações ao IRC: Transparência fiscal

Alterações ao IRC: Transparência fiscal 7 de dezembro, 013 Alterações ao IRC: Transparência fiscal Embora ainda não se encontrem publicadas, foram recentemente aprovadas na Assembleia da República diversas alterações ao IRC. De entre elas, pelas

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 3 A MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - IRS IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto LEGISLAÇÃO: - Decreto-Lei n.º 197/2012, 24 de agosto - Decreto-Lei n.º 198/1990, 19 de junho -

Leia mais

Faturação simplificada: Principais alterações

Faturação simplificada: Principais alterações Faturação simplificada: Principais alterações Informação elaborada pela Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Atualizado em 22 11 2012 Nota: Agradece-se que coloque qualquer dúvida ou sugestão através

Leia mais

Início > Cidadãos > Entregar > Declarações > Atividade > Início de Atividade

Início > Cidadãos > Entregar > Declarações > Atividade > Início de Atividade O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos

IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos 0 Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto, introduz alterações às regras de faturação em matéria

Leia mais

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos:

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos: O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

Alterações ao IVA e IRS na Agricultura

Alterações ao IVA e IRS na Agricultura Alterações ao IVA e IRS na Agricultura Março de 2013 Cristina Pena Silva Paula Franco 1 Alterações ao IVA e IRS na Agricultura 2 IRS Enquadramento da Atividade Agrícola 3 Natureza jurídica das explorações

Leia mais

IVA 2013. Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias. Janeiro - 2013. 1 J. Gante

IVA 2013. Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias. Janeiro - 2013. 1 J. Gante IVA 2013 Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias Janeiro - 2013 1 J. Gante Legislação Dir. 2008/08/CE Dir. 2010/45/UE DL 197/2012 DL 198/2012 ( 24 de Agosto ) Ofício 30.136/2012 Ofício

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

Obrigações Fiscais 2013

Obrigações Fiscais 2013 Obrigações Fiscais 2013 Caros Associados, A publicação do Decreto-Lei n.º 197/2012 e do Decreto-Lei n.º 198/2012, ambos de 24 de agosto, vieram introduzir importantes alterações nas normas relativas à

Leia mais

Rendimentos profissionais. Tributação em sede de IVA e de IRS

Rendimentos profissionais. Tributação em sede de IVA e de IRS Rendimentos profissionais Tributação em sede de IVA e de IRS Alterações em 2013 Novas regras de faturação Regime de contabilidade de caixa de iva (RCIVA) 2 Projeto fiscal das faturas Combate à informalidade

Leia mais

Portaria N.º 426-A/2012, de 28 de dezembro (Aprova o modelo de declaração para comunicação dos elementos das facturas)

Portaria N.º 426-A/2012, de 28 de dezembro (Aprova o modelo de declaração para comunicação dos elementos das facturas) LEGISLAÇÃO DL Nº 197/2012, de 24 de agosto DL Nº 198/2012, de 24 de agosto Lei n.º 51/2013 de 24/7-OE/2013 (retificativo) Portaria N.º 426-A/2012, de 28 de dezembro (Aprova o modelo de declaração para

Leia mais

Certificação de Programas Informáticos de Facturação. Alterações:

Certificação de Programas Informáticos de Facturação. Alterações: Certificação de Programas Informáticos de Facturação Alterações: Lei nº 64 B/2011 de 30 de Dezembro (OE 2012) Portaria nº 22-A/2012 de 24 de Janeiro Ofício circulado nº 50.000/2012 de 26 de Janeiro 1 O

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013. Certificação de Programas de Faturação

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013. Certificação de Programas de Faturação INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013 Certificação de Programas de Faturação A presente informação técnica substitui a informação n.º 6/2012 e a n.º 22/2010, introduzindolhe as atualizações resultantes da Portaria

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR. DL Nº 197/2012, de 24 de agosto

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR. DL Nº 197/2012, de 24 de agosto ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS E LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR DL Nº 197/2012, de 24 de agosto 1 DL Nº 197/2012 - Transposição da Diretiva Comunitária Transposição

Leia mais

Facturação (Questões a Abordar)

Facturação (Questões a Abordar) 1 ção (Questões a Abordar) 1. Emissão de facturas Normas fiscais aplicáveis Quem está obrigado; Quais os tipos de documentos a emitir; Elementos obrigatórios dos documentos; Quais as formas de emissão

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

Novas regras de faturação. (DL n.º197/2012 de 24 de agosto)

Novas regras de faturação. (DL n.º197/2012 de 24 de agosto) 1 Novas regras de faturação (DL n.º197/2012 de 24 de agosto) Este diploma introduz alterações às regras de faturação em matéria de imposto sobre o valor acrescentado, em vigor a partir de 1 de janeiro

Leia mais

NOVAS REGRAS SOBRE UTILIZAÇÃO DE PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS SOBRE UTILIZAÇÃO DE PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS SOBRE UTILIZAÇÃO DE PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FATURAÇÃO Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação: Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, após a primeira alteração

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013 Resumo As novas regras de Faturação para 2013 Fontes: Decreto-Lei n.º 197/2012 Decreto-Lei n.º 198/2012 Ofícios Circulados 30.136 OE 2013 e restantes comunicações da AT Resumo 1. Regras de Faturação 2.

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

FAQ s PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE ÓTICA DO UTILIZADOR PRINCIPAIS ALTERAÇÕES

FAQ s PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE ÓTICA DO UTILIZADOR PRINCIPAIS ALTERAÇÕES Classificação: 000.01.09 Seg.: P ú b l i c a Proc.: 1 6 / 2 0 1 2 GABINETE DO SUBDIRETOR-GERAL DA INSPEÇÃO TRIBUTÁRIA FAQ s PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE ÓTICA DO UTILIZADOR (Em vigor após 1 de

Leia mais

DR nº 17/2012 Ser. I Supl. 1. Portaria nº 22-A/2012 de 24-01-2012

DR nº 17/2012 Ser. I Supl. 1. Portaria nº 22-A/2012 de 24-01-2012 BDJUR - Vista de Impressão Imprimir Fec har DR nº 17/2012 Ser. I Supl. 1 Portaria nº 22-A/2012 de 24-01-2012 A Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, regulamentou o processo de certificação dos programas

Leia mais

As novas regras da faturação e a comunicação dos elementos das faturas emitidas Perguntas & Respostas

As novas regras da faturação e a comunicação dos elementos das faturas emitidas Perguntas & Respostas As novas regras da faturação e a comunicação dos elementos das faturas emitidas Perguntas & Respostas Informação elaborada pela Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Atualizado em 21 01 2013 Nota: Agradece-se

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO DOCUMENTOS DE FATURAÇÃO E COMUNICAÇÃO À AT W: www.centralgest.com E: comercial@centralgest.com 1987-2013 CentralGest - Produção de Software S.A. T: (+351) 231 209 530 Todos os

Leia mais

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA)

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 71/2013, DE 30 DE MAIO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º

Leia mais

OBRIGAÇÕES PARA DIA 1 DE JANEIRO DE 2013

OBRIGAÇÕES PARA DIA 1 DE JANEIRO DE 2013 WORKSHOP NOVAS REGRAS DE FACTURAÇÃO OBRIGAÇÕES PARA DIA 1 DE JANEIRO DE 2013 Marco Rodrigues Servicontabil Serviços de Contabilidade e Informática, Lda Ricardo Rodrigues Espaço Digital Informática e Serviços,

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. DL 197/2012, de 24 de agosto

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. DL 197/2012, de 24 de agosto NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO DL 197/2012, de 24 de agosto MSP 2013 Estrutura da Apresentação DLs nº 197 e 198/2012: objetivos Novas regras de faturação: âmbito de aplicação territorial Espécies de faturas

Leia mais

N E W S L E T T E R A P A O M A

N E W S L E T T E R A P A O M A A P A O M A E D I Ç Ã O 4 F I S C A L I D A D E N E W S L E T T E R A P A O M A O U T U B R O 2 0 1 0 A G R A D E C I M E N TO N E S T A E D I Ç Ã O : A G R A D E C I M E N T O F I S C A L I D A D E P

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimento para associações 1 2 Ofício n.º 30141 de 4 de Janeiro de 2013 da Direção de Serviços do IVA Novas Regras de Faturação Instruções complementares ao Ofício-Circulado

Leia mais

NOVO SISTEMA DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimentos

NOVO SISTEMA DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimentos 20-12-2012 NOVO SISTEMA DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimentos Conforme prometido, no dia 10 deste mês efetuamos uma sessão de esclarecimentos acerca do novo sistema de faturação que vai funcionar a partir

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 120/2010, Série I, de 23/06, Páginas 2221-2223.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 120/2010, Série I, de 23/06, Páginas 2221-2223. MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Diploma Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho Estado: vigente Legislação

Leia mais

Certificação facturação

Certificação facturação NOVAS REGRAS DE FACTURAÇÃO Formador: Maria Mestra Carcavelos, Janeiro de 2013 SEDE AVª General Eduardo Galhardo, Edificio Nucase, 115 2775-564 Carcavelos tel. 214 585 700 fax. 214 585 799 www.nucase.pt

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 3

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 3 DECLARAÇÃO MODELO 3 A declaração modelo 3 é apresentada em duplicado, destinando-se o duplicado a ser devolvido ao apresentante no momento da recepção, depois de autenticado, servindo apenas como comprovante

Leia mais

FAQ'S - Perguntas frequentes

FAQ'S - Perguntas frequentes 1 de 5 SOBRE O E-FATURA FAQS CONTACTOS FAQ'S - Perguntas frequentes CLIENTE / CONSUMIDOR FINAL Em que consiste o novo regime de faturação eletrónica? O novo regime de faturação eletrónica consiste na obrigatoriedade

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010 ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS São João da Madeira, 30 de Março de 2010 1 1 TRIBUTAÇÃO DOS ACTOS ISOLADOS 2 REGIME SIMPLIFICADO 3 MAIS-VALIAS 4 CATEGORIA H - Pensões 5 DECLARAÇÃO Dispensa

Leia mais

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto -

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - 1 Agenda Decreto-Lei nº 197/2012 de 24 de Agosto Decreto-Lei nº 198/2012 de 24 de Agosto 2 Novas Regras de Facturação

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17 I SÉRIE Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério das Finanças Portaria n.º 22-A/2012: Altera a Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, que regulamenta a certificação prévia

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO COMUNICAÇÃO À AT BENEFÍCIO FISCAL EM IRS. DL Nº 197/2012 E Nº 198/2012, de 24 de agosto

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO COMUNICAÇÃO À AT BENEFÍCIO FISCAL EM IRS. DL Nº 197/2012 E Nº 198/2012, de 24 de agosto NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO E COMUNICAÇÃO À AT BENEFÍCIO FISCAL EM IRS DL Nº 197/2012 E Nº 198/2012, de 24 de agosto DL Nº 197/2012 - Transposição de Diretivas Comunitárias DL Nº 197/2012 - Transposição

Leia mais

ADVOCACIA - Enquadramento fiscal das prestações de serviço

ADVOCACIA - Enquadramento fiscal das prestações de serviço ADVOCACIA - Enquadramento fiscal das prestações de serviço 1. Processo de pagamento de honorários no âmbito do acesso ao Direito e aos Tribunais 2. Facto gerador e exigibilidade do Imposto 3. Emissão de

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013. Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05)

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013. Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05) INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013 Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05) Índice 1.Âmbito... 1 2.Opção pelo regime - permanência e saída por opção do mesmo... 1 2.1.Opção pelo regime em 2013... 1 2.2.

Leia mais

IVA Na Actividade Agrícola

IVA Na Actividade Agrícola IVA Na Actividade Agrícola Maria Emília Pimenta Seminário A CONTABILIDADE E FISCALIDADE NA ACTIVIDADE AGRÍCOLA Santarém, 11 de Junho de 2013 1 Lei n.º66-b/2012, de 31 dezembro Revoga o n.º 33 do artigo

Leia mais

XXXX xxxxxxx Assembleia da República n.º 124/2011

XXXX xxxxxxx Assembleia da República n.º 124/2011 Quarta alteração à Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho que regulamenta a certificação prévia dos programas informáticos de faturação do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas A Portaria

Leia mais

Orçamento do Estado para 2013 (2.ª parte) Atualização fiscal

Orçamento do Estado para 2013 (2.ª parte) Atualização fiscal Orçamento do Estado para 2013 (2.ª parte) Atualização fiscal Abílio Sousa Janeiro 2013 Alterações ao Decreto-Lei n.º 198/2012, de 24 de Agosto Medidas de controlo de emissão de faturas OE 2013 alterações

Leia mais

Obrigação de comunicação à AT

Obrigação de comunicação à AT Obrigação de comunicação à AT Perguntas e respostas sobre o impacto das novas regras de comunicação à AT nas empresas Page 2 of 10 Introdução A Publicação do Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto introduz

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais

Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais Este trabalho pode auxiliá-lo numa tarefa nem sempre clara nem sempre fácil: o apuramento das tributações autónomas. Para tal, são-lhe apresentadas

Leia mais

Fiscalidade de Seguros

Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros (aplicável a partir de 01 de Janeiro de 2015) O presente documento tem natureza meramente informativa, de carácter necessariamente geral, e não constitui nem

Leia mais

Imposto sobre o Valor Acrescentado

Imposto sobre o Valor Acrescentado Imposto sobre o Valor Acrescentado 19 de Dezembro de 2011 O IVA na receita fiscal +12,6% IVA Page 2/26 Artigos alterados 9.º - Isenções nas operações internas 16.º - Valor tributável nas operações internas

Leia mais

Principais alterações fiscais

Principais alterações fiscais Principais alterações fiscais O E / 2 0 1 3 António Santos Cristina Casalinho José Gante Page 1 Agenda Alterações 2013 1. Alterações IRS e Património; 2. Alterações IRC; 3. Alterações IVA; Page 2 Agenda

Leia mais

CIRCULAR N.º 1/2013 NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO IVA INTRODUÇÃO:

CIRCULAR N.º 1/2013 NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO IVA INTRODUÇÃO: 1/9 CIRCULAR N.º 1/2013 NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO IVA INTRODUÇÃO: Foram publicados no passado dia 24 de agosto de 2012, os Decretos-Lei n.ºs 197/2012 e 198/2012, que vieram introduzir, para 2013, substanciais

Leia mais

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS 1. Qual é a natureza das importâncias atribuídas aos árbitros pela Federação Portuguesa de Futebol? As importâncias em causa são consideradas rendimentos

Leia mais

Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Artigo 3º - Rendimentos da categoria B nº 3 - Para efeitos do disposto nas alíneas h) e i) do

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Junho 2013. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento. Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Junho 2013. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento. Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes NEWSLETTER FISCAL Junho 2013 Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes 1. Introdução No dia 31 de Maio de 2013, foi submetida à Assembleia

Leia mais

N. Pinto Fernandes, Lda. Consultores de Gestão

N. Pinto Fernandes, Lda. Consultores de Gestão Exma. Senhora Dra. Ana Vieira CCP Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Por e-mail Ref.: CCP/027/2012 Assunto: Regras de facturação Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de Agosto. Exma. Senhora Dra.,

Leia mais

FAQ S Certificação Software GM

FAQ S Certificação Software GM FAQ S Certificação Software GM Macwin - Sistemas Informáticos S.A. A Portaria nº 363/2010, de 23 de Junho de 2010, regulamentou o processo de certificação dos programas informáticos de facturação tendo

Leia mais

Facturação (Questões a Abordar)

Facturação (Questões a Abordar) Alterações Legislativas "E-" Dr. Manuel Gonçalves Cecílio ISG Instituto Superior de Gestão 10 Janeiro 2013 1 ção (Questões a Abordar) 1. Emissão de facturas Quem está obrigado; Quais os tipos de documentos

Leia mais

Regime vigente até 31/12/2012 e alterações em 2013 27-03-2013 1

Regime vigente até 31/12/2012 e alterações em 2013 27-03-2013 1 Regime vigente até 31/12/2012 e alterações em 2013 27-03-2013 1 Introdução O regime vigente até 31/12/2012 IRS IVA Alterações introduzidas pela Lei nº 66-B/2012 IVA Faturação e comunicação à AT ( Dec.Lei

Leia mais

Recibo-veRde eletrónico versus. uma ALteRAção meramente

Recibo-veRde eletrónico versus. uma ALteRAção meramente Recibo-veRde eletrónico versus fatura-recibo: breves notas SobRe uma ALteRAção meramente psicológica Pelo dr. João t. c. batista pereira( 1 ) sumário: 1. Regime aplicável aos devedores acessórios dos prestadores

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES São sujeitos passivos de: - IRC; - IVA. Têm obrigações previstas no Código do IRS Têm obrigação de documentar as despesas e os pagamentos. Algumas poderão beneficiar

Leia mais

Com vista a esclarecer eventuais dúvidas sobre o âmbito de tais alterações, divulgam-se as presentes instruções administrativas.

Com vista a esclarecer eventuais dúvidas sobre o âmbito de tais alterações, divulgam-se as presentes instruções administrativas. Classificação: 020.01.10 Seg.: P úbli ca Proc.:2012 004922 DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO IVA Ofício N.º: 30136 2012-11-19 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770 004 407 Sua Ref.ª: Técnico: Exmos.

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PARA 2013

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PARA 2013 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PARA 2013 Índice CERTIFICAÇAO DOS PROGRAMAS DE FATURAÇAO... 3 DECRETO-LEI Nº 197/2012... 4 FATURAS... 5 PRAZO PARA EMISSÃO DAS FATURAS:... 5 ELEMENTOS E MENÇÕES EXIGÍVEIS NAS FATURAS...

Leia mais

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS 1 O E / 2008 IRC 2 Apresentação 1. Acolhimento de recomendações da OCDE 2. Combate à evasão fiscal 3. Aperfeiçoamentos técnico-legislativos 4. Medidas de simplificação

Leia mais

As obrigações fiscais das Associações de Pais

As obrigações fiscais das Associações de Pais XIII Encontro Regional de Associações de Pais VISEU As obrigações fiscais das Associações de Pais 1 Introdução Definição de Associação Associação é uma organização resultante da reunião legal entre duas

Leia mais

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

Orçamento do Estado para 2004

Orçamento do Estado para 2004 Orçamento do Estado para 2004 (Lei nº107-b/2003, de 31 de Dezembro de 2003) Principais Medidas Fiscais com Incidência na Actividade Empresarial 1 IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Leia mais

BREVE REFERÊNCIA À LEI N.º 32/2007, DE 13 DE AGOSTO E AOS ESTATUTOS DA CONSULENTE

BREVE REFERÊNCIA À LEI N.º 32/2007, DE 13 DE AGOSTO E AOS ESTATUTOS DA CONSULENTE FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º Entidade sem fins lucrativos e de utilidade pública Processo: nº 2155, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-06-28.

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2015

SEGUROS DE VIDA IRS 2015 SEGUROS DE VIDA IRS 2015 (Lei n.º 82-B/2014 de 31 de Dezembro e Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2015 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2.

Leia mais

RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias

RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias CAPÍTULO I - INCIDÊNCIA ARTIGO 1º - Incidência objectiva INCIDÊNCIA - RITI Estão sujeitas a imposto sobre o valor acrescentado (IVA): a) As aquisições

Leia mais

Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA

Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA IVA ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO DECRETO-LEI Nº 323/98, DE 30 DE OUTUBRO IVA ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO DECRETO-LEI Nº 323/98, DE

Leia mais

Ao longo do nosso percurso

Ao longo do nosso percurso A isenção prevista no art. 53.º do Código do IVA P o r E l s a M a r v a n e j o d a C o s t a A isenção prevista no art. 53.º do Código do IVA possui algumas características que, muitas vezes, não são

Leia mais

SERVIÇO DE FINANÇAS DO PORTO 3 IRS / 2012 ABATIMENTOS, DEDUÇÕES E BENEFÍCIOS FISCAIS ABATIMENTOS E DEDUÇÕES ANO DE 2011

SERVIÇO DE FINANÇAS DO PORTO 3 IRS / 2012 ABATIMENTOS, DEDUÇÕES E BENEFÍCIOS FISCAIS ABATIMENTOS E DEDUÇÕES ANO DE 2011 IRS / 2012 ABATIMENTOS, DEDUÇÕES E BENEFÍCIOS FISCAIS ABATIMENTOS E DEDUÇÕES ANO DE 2011 FR/ AV. FERNÃO MAGALHÃES, 988 4350-154 PORTO TEL. 225.898.650 FAX: 225.898.688 E-MAIL: sf3360@dgci.min-financas.pt

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: al. c) do nº 1 do art. 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: al. c) do nº 1 do art. 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA al. c) do nº 1 do art. 18º Enquadramento - Serviços prestados a uma companhia de teatro Processo: nº 1773, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Perguntas frequentes

Perguntas frequentes Documentos de transporte Perguntas frequentes Posso utilizar um software de faturação não certificado para emitir documentos de transporte? A partir de 1 de Julho de 2013, qualquer documento emitido num

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução. 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional. Guia Contabilístico e Fiscal do Renting

ÍNDICE. 1. Introdução. 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional. Guia Contabilístico e Fiscal do Renting ÍNDICE 1. Introdução 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional 3. Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro 9 (NCRF 9) 4. Regime Contabilístico Locatário 5. Regime Fiscal - Locatário 6. Quadro

Leia mais

Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA

Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA Nuno Albuquerque Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA VERBO jurídico TAX NEWS Junho 2013 O Novo Regime de IVA de caixa O DL n.º 71/2013, de 30 de Maio, aprovou, com efeitos a partir de 1.10.13,

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Faturas - Mediadores de seguros que pratiquem operações isentas Processo: nº 4686, por despacho de 2013-05-15, do SDG do IVA, por delegação

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2014

SEGUROS DE VIDA IRS 2014 SEGUROS DE VIDA IRS 2014 (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2014 - Seguros de Vida Índice 3 Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2. Tributação dos benefícios 2.1. Indemnizações por

Leia mais

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas

Certificação de Software. Impacto nas operações das empresas Certificação de Software Impacto nas operações das empresas Perguntas e respostas sobre o impacto da nova legislação relativa à certificação de software Page 2 of 9 Introdução A Portaria nº 363/2010, de

Leia mais

Novas regras de Facturação para 2013

Novas regras de Facturação para 2013 Novas regras de Facturação para 2013 Este documento pretende explicar de forma sucinta as Novas regras de Facturação e de Comunicação da Facturação, aprovadas pelos Decreto-Lei n.º 197/2012 e n.º 198/2012,

Leia mais

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares.

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. Estamos à sua disposição para o aconselhar em questões

Leia mais

autoridade tributária e aduaneira

autoridade tributária e aduaneira Classificação: 000.05.02 Seg.: Pública Proc.: 20 13/2 Of.Circulado N.': 20 164 2013-02-07 Entrada Geral : N.o Identificação Fiscal (NIF): Sua Ref. a ; Técnico: MGN Exmos Senhores Subdiretores-Gerais Diretores

Leia mais

Sumário. Obrigações e enquadramento fiscal decorrentes do exercício duma actividade empresarial. (síntese)

Sumário. Obrigações e enquadramento fiscal decorrentes do exercício duma actividade empresarial. (síntese) Obrigações e enquadramento fiscal decorrentes do exercício duma actividade empresarial (síntese) Sumário 1. Início de actividade 2. Enquadramento em sede de IRS 3. Enquadramento em sede de IVA 4. Obrigações

Leia mais

FACTURAÇÃO NOVAS REGRAS A PARTIR DE 1/01/2013

FACTURAÇÃO NOVAS REGRAS A PARTIR DE 1/01/2013 ASSUNTO: FACTURAÇÃO\BENS EM CIRCULAÇÃO Da conjugação do Decreto-Lei nº 197/2012 com o Decreto-Lei nº 198/2012 ambos de 24 de Agosto, passarei a indicar o que me parece ter maior relevância não dispensando,

Leia mais

IVA Direito à Dedução

IVA Direito à Dedução IVA Direito à Dedução Direito à dedução Dedução do Imposto O direito à dedução trata-se de um direito de crédito cujo nascimento ocorre no momento em que o imposto dedutível por um sujeito passivo é exigível

Leia mais

Tudo o que precisa de saber

Tudo o que precisa de saber Pág. 1 de 10 Com a publicação, no passado mês de Agosto, dos Decretos-Lei n. os 197/2012 e 198/2012, várias e (bastante) substanciais foram as alterações introduzidas em matéria de regras a observar ao

Leia mais

As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS. Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS.

As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS. Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS. As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS. Índice 1. Documentos que deixam de ser utilizados... 3 2. Factura

Leia mais

Transporte de mercadorias

Transporte de mercadorias Transporte de mercadorias A portaria 161/2013 de 23 de Abril vem estabelecer novas regras para a comunicação dos dados de transporte que constam do Regime de Bens em Circulação. Esta entra em vigor desde

Leia mais

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Perguntas mais frequentes sobre As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Quais as empresas que estão obrigadas a enviar os elementos das Facturas à AT? As pessoas, singulares ou colectivas,

Leia mais

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009.

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009. orquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a ORTO

Leia mais