Rendimentos profissionais. Tributação em sede de IVA e de IRS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rendimentos profissionais. Tributação em sede de IVA e de IRS"

Transcrição

1 Rendimentos profissionais Tributação em sede de IVA e de IRS

2 Alterações em 2013 Novas regras de faturação Regime de contabilidade de caixa de iva (RCIVA) 2

3 Projeto fiscal das faturas Combate à informalidade e à evasão fiscal 3

4 Decreto Lei 197/2012, de 24/08 Transposição Diretivas 2008/8/CE (artº 4º), de 12/02 e 2010/45/EU, de 13/07 (ambas do Conselho) Alteração CIVA, RITI, CIRS, CIRC.. Decreto Lei 198/2012, de 24/08 Lei 64-B/2012, de 31/12 (OE 2013) Portaria 363/2010, de 23/06 Portaria 22- A/2012, de 14/01 Obrigação de comunicação dos elementos das faturas (A. Leg OE2012) Prazo de comunicação do dia 8 para o dia 25 Certificação prévia dos programas de faturação Altera a portaria anterior (363/2010) 4

5 Portaria 321- A/2007, de 26 de março (cria ficheiro normalizado de exportação de dados-saf-t) 1ª alteração Portaria 1192/2009, de 8 de outubro 2ª alteração Portaria 382/2012, de 23 de novembro 3ª alteração Portaria 160/2013, de 23 de abril 4ª alteração Portaria 274/2013, de 21 de agosto 5

6 Portaria 426- A/2012, de 28/12 Modelo de comunicação dos elementos das faturas Portaria 426- B/2012, de 28/12 Modelos de fatura-recibo do portal das finanças Ofício circulado 30136/2012, de 19/11 Regras de faturação Ofício circulado 30141/2012, de 04/01 Regras de faturação (instruções complementares) 6

7 Diplomas Lei 51/2013, de 2 4 de julho Dec. Lei 71/2013, de 30 de maio Ofício circulado 30150, de 30 de agosto Alteração OE 2013 Regime de IVA de caixa Regime de IVA de caixa CIRS (artº 115º) Alteração CIVA CIVA (artºs 29º, 40º, 57º e 58º) Alteração LGT EBF (artº 66º- B) Alteração Dec Lei 198/2012, de 24 de agosto 7

8 Novidades Fim do documento equivalente a fatura Comunicação à AT dos elementos das faturas emitidas 8

9 Novidades Acabam Venda a dinheiro Talão de venda Recibo de adiantamento Recibo verde eletrónico.. 9

10 Não é permitida aos sujeitos passivos a emissão e entrega de documentos de natureza diferente da fatura para titular a transmissão de bens ou prestação de serviços aos respetivos adquirentes ou destinatários, sob pena de aplicação das penalidades legalmente previstas. Nº 19 do artº 29º do CIVA (aditado pelo DL 197/2012) 10

11 Ainda que não seja solicitada. Adquirente é obrigado a solicitar fatura Coimas 11

12 Exigibilidade do imposto 12

13 Diretiva 2006/112/CE do Conselho, de 28 de Novembro de 2006 Sistema comum do imposto sobre o valor acrescentado da União Europeia 13

14 Artº 63º da Diretiva 2006/112/CE, do Conselho O facto gerador ocorre e o imposto torna se exigível no momento em que é efetuada a entrega dos bens ou realizada a prestação dos serviços Regra geral: simultaneidade entre o facto gerador e a sua exigibilidade 14

15 O artigo 66.º da Diretiva 2006/112/CE Permite que os EM possam prever que em relação a: Certas operações Certas categorias de sujeitos passivos O imposto se torne exigível num dos seguintes momentos: 15

16 O mais tardar, no momento da emissão da fatura O mais tardar, no momento em que o pagamento é recebido Nos casos em que a fatura não é emitida ou é emitida tardiamente (15 dias), dentro de um certo prazo fixado a contar do facto gerador 16

17 Transposição para Ordenamento Jurídico Português 17

18 Regra geral Artº 7º 8º do CIVA Regime especial de caixa Decreto Lei 71/2013, de 30 de maio 18

19 Regra geral 19

20 Artigo 7.º - Facto gerador e exigibilidade do imposto 1 - Sem prejuízo do disposto nos números seguintes, o imposto é devido e tornase exigível: a) Nas transmissões de bens, no momento em que os bens são postos à disposição do adquirente; b) Nas prestações de serviços, no momento da sua realização; 20

21 Derrogação do artigo 7º Artigo 8.º - Exigibilidade do imposto REGRA Se o prazo previsto para a emissão da fatura Se a transmissão de bens ou a prestação de serviços derem lugar ao pagamento, ainda que parcial, anteriormente à emissão da fatura, Se se verificar emissão de fatura precedendo o momento da realização das operações tributáveis, for respeitado não for respeitado no momento da sua emissão no momento em que termina no momento do recebimento desse pagamento, pelo montante recebido No momento da sua emissão 21

22 Regime de caixa 22

23 QUANDO o imposto é devido e se torna exigível Regime de caixa No momento do recebimento da quantia Ver regras do regime 23

24 QUANDO deve ser emitida a fatura 1 - A fatura referida na alínea b) do n.º 1 do artigo 29.º deve ser emitida: Artigo 36.º - Prazo de emissão e formalidades das faturas a) O mais tardar no 5.º dia útil seguinte ao do momento em que o imposto é devido nos termos do artigo 7.º; b) O mais tardar no 15.º dia do mês seguinte àquele em que o imposto é devido nos termos do artigo 7.º, no caso das prestações intracomunitárias de serviços que sejam tributáveis no território de outro Estado membro em resultado da aplicação do disposto na alínea a) do n.º 6 do artigo 6.º; c) Na data do recebimento, no caso de pagamentos relativos a uma transmissão de bens ou prestação de serviços ainda não efetuada, bem como no caso em que o pagamento coincide com o momento em que o imposto é devido nos termos do artigo 7.º. 24

25 Quando deve ser emitida a fatura Consultar tabela auxiliar para prestadores de serviços 25

26 Dispensa de emissão de fatura Sujeitos passivos exclusivamente com operações isentas, exceto se derem direito à dedução Não estão dispensados da emissão de fatura os sujeitos passivos do regime de isenção Não estão dispensados da emissão de fatura os sujeitos passivos do regime dos pequenos retalhista Todos devem emitir, se for solicitada 26

27 Não obrigação de fatura 27

28 Não obrigação de fatura 28

29 Não obrigação de fatura Artigo 78º do CIRS deduções à coleta 6 - As deduções referidas nas alíneas a) a h) bem como na alínea j) do n.º 1 só podem ser realizadas: [Aditado pela Lei n.º 55-A/2010, de 31 de Dezembro - OE] a) Mediante a identificação fiscal dos dependentes, ascendentes, colaterais ou beneficiários a que se reportem, feita na declaração a que se refere o n.º 1 do artigo 57.º; b) Mediante a identificação, em fatura emitida nos termos legais, do sujeito passivo ou do membro do agregado a que se reportem, nos casos em que envolvam despesa. 29

30 Fatura simplificada (deve ser identificada como tal) Retalhistas e vendedores ambulantes: =< 1.000,00 (sem IVA) Outras transmissões e prestações de serviços, se =< 100,00 (sem IVA) Apenas quando a data da emissão coincide com a da colocação à disposição, dos bens, com a da prestação dos serviços ou com a do recebimento antecipado. Se sujeito passivo Obrigatório NIF Ou se for solicitada a menção 30

31 Fatura simplificada REQUISITOS 31

32 Fatura simplificada A numeração das faturas deve ser independente da das faturas simplificadas 32

33 Requisitos FATURA FATURA SIMPLIFICADA Data Obrigatório Obrigatório Numeração sequencial Obrigatório Obrigatório Nome/denominação social do fornecedor dos bens ou prestador de serviços Obrigatório Obrigatório NIF do fornecedor dos bens ou prestador de serviços Obrigatório Obrigatório Quantidade e denominação usual dos bens transmitidos ou dos serviços prestados Obrigatório Obrigatório Preço líquido de imposto, taxas aplicáveis e montante do imposto devido (ou o preço com inclusão do imposto e indicação da taxa aplicável) Obrigatório Obrigatório NIF do adquirente / sujeito passivo (cliente) Obrigatório Obrigatório NIF do adquirente / NÃO sujeito passivo (cliente)-solicita Obrigatório Obrigatório NIF do adquirente / NÃO sujeito passivo (cliente) (não solicita) Não obrigatório Não obrigatório Identificação e domicílio do adquirente / sujeito passivo (cliente) Obrigatório Não obrigatório Identificação e domicílio do adquirente / NÃO sujeito passivo(cliente) - VALOR INFERIOR a 1,000,00 Identificação e domicílio do adquirente / NÃO sujeito passivo(cliente) - VALOR INFERIOR a 1,000,00, mas SOLICITA Identificação e domicílio do adquirente / NÃO sujeito passivo(cliente) - VALOR SUPERIOR a 1,000,00 Data em que os bens foram entregues ou colocados à disposição do adquirente ou que os serviços foram realizados, se diferente da data da fatura Não obrigatório Obrigatório Obrigatório Obrigatório Não obrigatório Não obrigatório Não se aplica Não obrigatório Motivo da isenção do IVA Obrigatório Obrigatório 33

34 Códig o Menção a constar na fatura Norma aplicável M01 Artigo 16.º n.º 6 alínea c) do CIVA M02 Artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 198/90, de19 de Junho M03 Exigibilidade de caixa M04 Isento Artigo 13.º do CIVA M05 Isento Artigo 14.º do CIVA M06 Isento Artigo 15.º do CIVA M07 Isento Artigo 9.º do CIVA M08 IVA autoliquidação Artigo 16.º n.º 6 alínea c) do CIVA Artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 198/90, de 19 de Junho Decreto Lei 71/2013, de 30 de maio Artigo 13.º do CIVA Artigo 14.º do CIVA Artigo 15.º do CIVA Artigo 9.º do CIVA Artigo 2.º n.º 1 alínea i) do CIVA Artigo 2.º n.º 1 alínea j) do CIVA Artigo 6.º do CIVA Artigo 2.º n.º 1 alínea l) do CIVA Decreto-Lei n.º 21/2007, de 29 de janeiro 34

35 Código Menção a constar na fatura Norma aplicável M09 IVA - não confere direito a dedução M10 IVA Regime de isenção M11 Não tributado Artigo 60.º CIVA Artigo 72.º n.º 4 do CIVA Artigo 53.ºdo CIVA Decreto-Lei n.º 346/85, de 23 de ago M12 M13 Regime da margem de lucro Agências de viagens Regime da margem de lucro Bens em segunda mão Decreto-Lei n.º 221/85, de 3 de julho Decreto-Lei n.º 199/96, de 18 de out M14 Regime da margem de lucro Objetos de artedecreto-lei n.º 199/96, de 18 de out M15 Regime da margem de lucro Objetos de coleção e antiguidades Decreto-Lei n.º 199/96, de 18 de out 35

36 Código Menção a constar na fatura Norma aplicável M16 Isento artº 14º do RITI Artº 14º do RITI Outras situações de não liquidação do imposto M99 Não sujeito / não tributado /ou similar) Ex.: artº 2º, nº 2 / artº 3º, nº 4, 6 e 7 / artº 4º, nº 5 (todos do CIVA 36

37 FATURAS Requisitos artº 36º CIVA 5 - As faturas devem ser datadas, numeradas sequencialmente e conter os seguintes elementos: [Redação dada pelo Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto] a) Os nomes, firmas ou denominações sociais e a sede ou domicílio do fornecedor de bens ou prestador de serviços e do destinatário ou adquirente, bem como os correspondentes números de identificação fiscal dos sujeitos passivos de imposto; b) A quantidade e denominação usual dos bens transmitidos ou dos serviços prestados, com especificação dos elementos necessários à determinação da taxa aplicável; as embalagens não efetivamente transacionadas devem ser objeto de indicação separada e com menção expressa de que foi acordada a sua devolução; c) O preço, líquido de imposto, e os outros elementos incluídos no valor tributável; d) As taxas aplicáveis e o montante de imposto devido; e) O motivo justificativo da não aplicação do imposto, se for caso disso; f) A data em que os bens foram colocados à disposição do adquirente, em que os serviços foram realizados ou em que foram efetuados pagamentos anteriores à realização das operações, se essa data não coincidir com a da emissão da fatura. 37

38 14 - Nas faturas processadas através de sistemas informáticos, todas as menções obrigatórias, incluindo o nome, a firma ou a denominação social e o número de identificação fiscal do sujeito passivo adquirente, devem ser inseridas pelo respetivo programa ou equipamento informático de faturação. [Aditado pelo Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto] 38

39 Autofaturação Requisitos: nº 11 do artº 36º do CIVA Passou a ser obrigatória a menção: autofaturação 39

40 Correções de faturas Só podem ser efetuadas através da emissão de documento retificativo de fatura: Recomendação: As notas de débito e de crédito SÓ DEVEM SER UTILIZADAS PARA A CORREÇÃO DE FATURAS Nota de débito Nota de crédito 40

41 Recibo verde eletrónico Deixou de poder ser considerado documento equivalente a fatura (Dec. Lei 197/2012, 24/08) Foi criado o modelo de fatura-recibo do portal das finanças (Portaria 426-B/2012, de 28/12) Apenas mudança do nome 41

42 Artº 115º CIRS Redação anterior: 1 - Os titulares dos rendimentos da categoria B são obrigados: a) A passar recibo, em modelo oficial. Redação dada pela Lei 51/2013, de 24 de julho:.. a) A passar fatura, recibo ou fatura-recibo, em modelo oficial, de todas as importâncias recebidas dos seus clientes, pelas prestações de serviços referidas na alínea b) do n.º 1 do artigo 3.º, ainda que a título de provisão, adiantamento ou reembolso de despesas, bem como dos rendimentos indicados na alínea c) do n.º 1 do mesmo artigo; ou b) A emitir fatura nos termos da alínea b) do n.º 1 do artigo 29.º do Código do IVA por cada transmissão de bens, prestação de serviços ou outras operações efetuadas e a emitir documento de quitação de todas as importâncias recebidas 42

43 Recapitular - Emissão de faturas - QUANDO Fatura Recibo de quitação Emitir sempre que a prestação do serviço ocorra antes do recebimento da quantia Emissão até ao 5º dia útil seguinte No momento em que ocorra o recebimento da quantia 43

44 Recapitular: Emissão de faturas - QUANDO Faturarecibo Nos mesmos moldes em que era emitido o antigo recibo verde eletrónico No momento da prestação do serviço, se coincidente com o recebimento da quantia No momento do recebimento, se este ocorrer antes da prestação do serviço 44

45 Como emitir faturas Através de programa de faturação certificado Excluem-se os sujeitos passivos, em pelo menos uma das situações Portaria 22-A/2012 artº 2º Utilizem software produzidos internamente por si, com registo de direitos de autor Artº 117º, CIRS, por remissão para o artº 123º, CIRC (com contabilidade organizada) VN no período anterior inferior ou igual a ,00 Nº de faturas no período anterior, inferior a documentos 45

46 Como emitir faturas Outros obrigados à utilização de programa certificado Quem, não estando obrigado, opte pela utilização de programa informático de faturação (terá de ser previamente certificado) Quem utilize programas de faturação multiempresa 46

47 Como emitir faturas Se excluído da obrigação de utilizar programa de faturação certificado Através de programas informáticos não certificados, se adquiridos antes de 01 de Abril de 2012 Manualmente, em impressos produzidos por tipografia autorizada Passarão a poder ser consultadas no portal das finanças Comunicam no portal das finanças as faturas pré impressas emitidas, por contribuinte 47

48 Como emitir faturas Os sujeitos passivos obrigados a utilizar programas certificados de faturação só podem emitir faturas impressas em tipografias autorizadas, em caso de inoperacionalidade do sistema, a qual deve ser comprovada Estas faturas devem ser posteriormente recuperadas para o sistema (série própria). 48

49 Como emitir faturas Documentos emitidos por máquinas registadoras Data e hora de emissão Denominação social e NIF do fornecedor dos bens ou prestador dos serviços Denominação usual e quantidades dos bens transmitidos ou dos serviços prestados O preço líquido do imposto e o montante do imposto devido ou o peço com inclusão do imposto Indicação de que NÃO SERVE DE FATURA 49

50 Faturas eletrónicas As faturas podem, sob reserva de aceitação pelo destinatário, ser emitidas por via eletrónica desde que seja garantida a autenticidade da sua origem, a integridade do seu conteúdo e a sua legibilidade para efeitos de auditoria 50

51 Faturas eletrónicas A garantia da autenticidade da origem e a integridade conteúdo passam a poder ser asseguradas pela aposição de assinatura eletrónica nos termos do DL n.º 290-D/99, de 2 de agosto utilização do sistema de intercâmbio eletrónico de dados nas condições do Acordo tipo EDI europeu Ou, através de qualquer sistema de controlo de gestão, que crie uma pista de auditoria fiável entre as faturas e as operações que as mesmas titulam. 51

52 Fatura-recibo ou fatura Deve descrever os serviços prestados Deve mencionar a data da prestação dos serviços; Não deve conter menções genéricas, do tipo serviços prestados, serviços jurídicos. Pode remeter para processo 52

53 Fatura-recibo / fatura - formalidades Razões para a descrição do serviço Formalidade obrigatória (artº 36º, nº 5) Justificar taxa de IVA aplicada Despistar enquadramento no regime previdencial da Segurança Social como trabalhador independente Artº 139º do Código contributivo Permitir ao adquirente, sendo sujeito passivo do regime normal do IVA, que possa exercer o direito à dedução do imposto 53

54 Serviços jurídicos em regime de avença Contrato Prestação de serviço de forma continuada Periodicidade do pagamento Qualidade de advogado Sugestão de descrição: consultoria e prestação de serviços jurídicos, na qualidade de advogado, prestados de forma continuada, durante o mês, nos termos do contrato de prestação de serviços de. ou outra equivalente 54

55 Formas de comunicação à AT Transmissão eletrónica de dados Outra via (eletrónica) que venha a ser definida pelo MF Programa de faturação eletrónica (em tempo real) Programa informático certificado Software produzido internamente Diretamente no portal das finanças 55

56 Formas de comunicação à AT Regime transitório de declaração em papel (2013) Sujeitos passivos enquadrados no regime de isenção (artº 53º CIVA) Sujeitos passivos que pratiquem operações exclusivamente isentas (artº 9º) Sujeitos passivos que emitam fatura simplificada 56

57 Formas de comunicação à AT Os sujeitos passivos obrigados a produzir o ficheiro SAF-T (PT) só podem utilizar as vias da faturação eletrónica ou de programas de faturação certificada Os sujeitos passivos de IRS não são obrigados a produzir o ficheiro de exportação de dados (SAF-T), mas se forem obrigados a emitir faturas através de programas de faturação certificados, deverão utilizar a mesma via. As faturasrecibo emitidas no portal das finanças, ficam logo comunicadas 57

58 Formas de comunicação à AT Não pode ser alterado o meio de comunicação durante o mesmo ano civil Regra geral Se alterar a forma de emissão das faturas, por exemplo, de pré impressas por tipografia autorizada para programa informático de faturação Exceções 58

59 Faturas Faturas simplificadas Recibos emitidos no âmbito do RCIVA Documentos retificativos de faturas Nota: Incluindo as faturas-recibo Notas de débito Notas de crédito Notas de devolução As faturas-recibo eletrónicas, emitidas no portal das finanças, não precisam ser comunicadas 59

60 NIF do emitente Número da fatura Data da emissão da fatura Tipo de documento (ver quadro) NIF do adquirente que seja sujeito passivo de IVA NIF do adquirente que não seja sujeito passivo de IVA, quando este solicite a sua inserção no ato de admissão Valor tributável das prestação dos serviços ou da transmissão, por taxas de IVA Taxas de IVA Montante do IVA por taxas. 60

61 Comunicação à AT Comunicação dos elementos até ao dia 25 do mês seguinte Não comunicação: os documentos consideram-se não emitidos 61

62 Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA

63 Trata-se de um regime especial de exigibilidade do IVA Regime de contabilidade de caixa de IVA Consiste em Diferir o momento da exigibilidade para o momento do pagamento do preço pelo adquirente dos bens ou dos serviços, Diferir o momento do exercício do direito à dedução para o momento do pagamento aos fornecedores 63

64 Regime de contabilidade de caixa de IVA Notas importantes O regime só se aplica ao IVA Não é extensivo ao IRS (nº 6, do artº 3º CIRS não foi alterado) Divergências entre as declarações modelo 3 de IRS e modelo 10 (IRS), vão também passar a existir entre as declarações modelo 3 de IRS e as declarações periódicas do IVA 64

65 Regime de contabilidade de caixa de IVA Todos os regimes especiais de exigibilidade serão revogados, a partir da entrada em vigor do presente regime Os operadores terão de optar, querendo e podendo, pelo novo regime O novo regime é facultativo 65

66 Regime de contabilidade de caixa de IVA Opção pelo regime Em 2013 Até 31 de outubro do ano anterior Até 30 de setembro, para entrar em vigor em 01 de outubro 66

67 Regime de contabilidade de caixa de IVA Opção - requisitos VN =< ,00 (ano anterior) Não exerçam atividade isenta Registo em IVA há, pelo menos, 12 meses Situação tributária regularizada Sem obrigações declarativas em falta Artigo 9º CIVA Artº 53º CIVA Quem inicia não pode 67

68 Regime de contabilidade de caixa de IVA Permanência no regime Pretendendo sair, deve entregar declaração de alterações (via eletrónica) Saindo do regime, têm de estar fora durante dois anos civis consecutivos Obrigatória durante dois anos civis consecutivos 68

69 Regime de contabilidade de caixa de IVA Operações excluídas do regime Importação, exportação e atividades conexas; Transmissões e aquisições intracomunitárias de bens e operações assimiladas; Prestações intracomunitárias de serviços; Operações em que o destinatário seja o devedor do imposto; Operações em que os sujeitos passivos tenham relações especiais. Operações em que o adquirente não é sujeito passivo de IVA (particulares) 69

70 Regime de contabilidade de caixa de IVA Outras situações de exigibilidade do imposto No 12.º mês posterior à data da emissão da fatura, ainda que exista previsibilidade de que a fatura nunca venha a ser paga; No período de imposto seguinte ao da comunicação da cessação da inscrição no regime; No período de imposto correspondente à entrega da declaração de cessação da atividade. 70

71 Regime de contabilidade de caixa de IVA Exercício do direito à dedução do imposto suportado Regra geral Só se pode deduzir o IVA suportado desde que tenham na sua posse fatura-recibo ou recibo que comprove o pagamento, devendo a dedução ser efetuada na declaração do período ou do período seguinte àquele em que se tiver verificado a receção daqueles documentos. 71

72 Regime de contabilidade de caixa de IVA Exceções: No período de imposto correspondente ao 12º mês posterior à data de emissão da fatura, se esta, entretanto, não tiver sido paga. No período de imposto seguinte à comunicação da cessação de inscrição no regime No período de imposto em que é entregue a declaração de cessação de atividade. 72

73 Regime de contabilidade de caixa de IVA Obrigação de emissão de fatura Mantém-se para os contribuintes que optem pelo RCIVA (alínea b), nº 1, artigo 29º CIVA) Formalidades artigo 36º ou artigo 40º Requisitos Série especial Menção: IVA regime de caixa 73

74 Obrigação de emissão de recibo Regime de contabilidade de caixa de IVA No momento do pagamento, total ou parcial, das faturas; No momento do recebimento, total ou parcial do preço, quando este recebimento precede o momento da realização das operações tributáveis. 74

75 Regime de contabilidade de caixa de IVA Elementos que devem constar nos recibos Os recibos emitidos pelos sujeitos passivos enquadrados no RCIVA, bem como os recibos emitidos a estes sujeitos passivos, quando o solicitem, Datados Devem ser Numerados sequencialmente. 75

76 Regime de contabilidade de caixa de IVA Elementos que devem constar nos recibos Preço, líquido do imposto Taxa (ou taxas) de IVA, aplicáveis e montante do imposto liquidado Devem conter os seguintes elementos: NIF do emitente e do adquirente Número e série da fatura a que respeita o pagamento A menção IVA regime de caixa 76

77 Regime de contabilidade de caixa de IVA Nota O recibo deve ser emitido em duplicado original para o adquirente e cópia para o transmitente ou prestador dos serviços e a data da sua emissão deve coincidir com a do pagamento. 77

78 Regime de contabilidade de caixa de IVA 78

79 Regime de contabilidade de caixa de IVA Obrigação de comunicação à AT, dos elementos das faturas e dos recibos (regime ainda dependente de publicação de portaria) Faturas emitidas pelo sujeito passivo, enquadrado no RCIVA Recibos emitidos pelo sujeito passivo, enquadrado no RCIVA Recibos emitidos a estes sujeitos passivos, quando estes o solicitem 79

80 Regime de contabilidade de caixa de IVA Registo em separado Valor das operações O REGISTO DAS OPERAÇÕES Efetuadas pelo sujeito passivo enquadrado no regime Montante e data dos recebimentos Montante do imposto (com relevação do não exigível) Permitir o cálculo do imposto em cada período montantes recebidos respeitante às faturas ainda não pagas 80

81 Regime de contabilidade de caixa de IVA O REGISTO DAS OPERAÇÕES Efetuadas ao sujeito passivo enquadrado no regime Devem evidenciar o montante e data dos pagamentos efetuados, por cada aquisição 81

82 Regime de contabilidade de caixa de IVA Situações idênticas às do regime geral Quando haja alteração das taxas do IVA em vigor à data da emissão da fatura e à data da emissão do recibo Quando se deixa de aplicar o regime de IVA à operação Documentos retificativos de faturas 82

83 Regime de contabilidade de caixa de IVA Regularização do IVA em créditos incobráveis O regime só é aplicável depois de 12 meses após a emissão da fatura não paga 83

84 Regime de contabilidade de caixa de IVA Objetivo do sistema Neutralidade financeira 84

85 Regime de contabilidade de caixa de IVA A quem pode interessar o regime Prazos médios de pagamento em Portugal Prazo médio de pagamento do IVA (normal trimestral) Sujeitos passivos com elevado valor acrescentado Com prazos longos de recebimento 77 dias ( Acesso ao Direito:!!!) 45 dias após o final de cada trimestre 85

86 Regime de contabilidade de caixa de IVA Outras questões Carga administrativa Como é que vai ficar a faturarecibo eletrónica Como é que as PT, EDP e outras entidades que emitem faturas que servem como recibo após boa cobrança Registos Controlo 86

87 Regime de contabilidade de caixa de IVA Sugestão: consultar portal da OTOC Simulador Apresentação do regime 87

88 Outras obrigações relevantes Enquadramento fiscal e alterações subsequentes Momentos da tributação IVA IRS IVA IRS Mecanismo das retenções IRS 88

89 Volume de negócios ( ) IRS IVA Observações Até ,00 Regime Simplificado de Tributação Regime Especial de Isenção Opção por Contabilidade Organizada (IRS) e renúncia ao regime de isenção (IVA) De ,01 até ,00 Regime Simplificado de Tributação Sujeito a IVA regime normal trimestral Opção por Contabilidade Organizada (IRS) e pelo regime normal mensal de IVA De 150,000,01 até ,00 Contabilidade Organizada Sujeito a IVA - regime normal trimestral Opção pelo regime normal mensal de IVA Superior a ,00 Contabilidade Organizada Sujeito a IVA regime normal mensal - 89

90 Regime de IVA Regime de isenção (artº 53º CIVA) Volume de negócios no ano civil anterior superior a ,00 Pode renunciar Alterações (artº 58º) Declaração de alterações em Janeiro do ano seguinte, com efeitos a partir de Fevereiro 90

91 Retenções IRS No momento do pagamento ou da colocação à disposição Aplicação da taxa que estiver em vigor nessa data 91

92 IRS Retenção à taxa de 25% (artº 101º, nº 1, alínea b) CIRS Dispensado de retenção artº 9º, nº 1, alínea a) ou b) Dec. Lei 42/91, de 22/1 92

93 Dispensa de retenção artº 9º, nº 1, alínea a) Dec. Lei 42/91, de 22/1 Quando o respetivo titular preveja auferir, um montante anual inferior ao fixado no n.º 1 do artigo 53.º do Código do Imposto do Valor Acrescentado ,00 93

94 Dispensa de retenção artº 9º, nº 1, alínea b) Dec. Lei 42/91, de 22/1 Quando se trate de reembolso de despesas efetuadas em nome e por conta do cliente ou a reembolso de despesas de deslocação e estada. devidamente documentadas, correspondentes a serviços prestados por terceiros e que sejam, de forma inequívoca, direta e totalmente imputáveis a um cliente determinado 94

95 Dispensa de retenção É facultativa Não pode exercer o direito quem no ano anterior atinja ou ultrapasse o limite referido no artº 53º do CIVA CESSA no mês seguinte àquele em que tiver atingido aquele limite 95

96 TRIBUTAÇÃO - quando IRS RC com base na contabilidade De acordo com as regras do CIRC (artº 17º e 18º) Sem contabilidade organizada Regime normal de IVA No momento em que seja obrigatória a emissão da fatura (momento da prestação dos serviços) Regime de isenção No momento do pagamento ou da colocação à disposição dos rendimentos Exceto se emitir fatura (ou quitação- 787ºCCivil) 96

97 Tributação pelo regime simplificado OE 2013 O rendimento tributável é obtido adicionando aos rendimentos decorrentes de prestações de serviços efetuados pelo sócio a uma sociedade abrangida pelo regime de transparência fiscal, nos termos da alínea b) do n.º 1 do artigo 6.º do Código do IRC, o montante resultante da aplicação.. e do coeficiente de 0,75 aos restantes rendimentos provenientes desta categoria. (até era 0,70) 97

98 TRIBUTAÇÃO - quando IVA Artº 7º e 8º CIVA Retenção de IRS No momento do pagamento ou da colocação à disposição dos rendimentos Aplica-se a taxa de retenção em vigor à data do pagamento ou da colocação à disposição Dispensa de retenção Se dispensado e pretender usar da faculdade, deve mencionar a disposição legal no recibo de quitação 98

99 Outras obrigações Livros de registo (artº 50º do CIVA) Registo de bens de investimento (artº 51º do CIVA) Alternativa: sistema de contabilidade que satisfaça os mesmos requisitos Prazo de arquivo e conservação: 10 anos 99

100 Divergências entre declarações Declaração modelo 10 Rendimentos recebidos e retenções efetuadas no ano da tributação Declaração modelo 3 Rendimentos auferidos no ano da tributação Declaração do IVA (se no RCIVA) Rendimentos recebidos no ano da tributação Declaração modelo 3 Rendimentos auferidos no ano da tributação 100

101 Hipótese académica Contribuinte enquadrado no regime normal trimestral do IVA, que não está dispensado de retenção de IRS Realiza três operações no último trimestre do ano (simplificação): 3 x 500,00 ) Recebe antes do final do trimestre: 1.000,00 + IVA Quais as divergências entre Declaração modelo 10 Declaração modelo 3 Declaração periódica do IVA (se regime geral) Declaração periódica do IVA (se regime de caixa) 101

102 Declaração modelo 10 Declaração periódica do IVA Regime de caixa Regime geral Declaração modelo 3 Rendimentos pagos Rendimentos auferidos Rendimentos recebidos Rendimentos auferidos Retenções efetuadas 250 Retenções relativas aos rendimentos recebidos

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR. DL Nº 197/2012, de 24 de agosto

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR. DL Nº 197/2012, de 24 de agosto ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS E LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR DL Nº 197/2012, de 24 de agosto 1 DL Nº 197/2012 - Transposição da Diretiva Comunitária Transposição

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO DOCUMENTOS DE FATURAÇÃO E COMUNICAÇÃO À AT W: www.centralgest.com E: comercial@centralgest.com 1987-2013 CentralGest - Produção de Software S.A. T: (+351) 231 209 530 Todos os

Leia mais

Novas regras de faturação. (DL n.º197/2012 de 24 de agosto)

Novas regras de faturação. (DL n.º197/2012 de 24 de agosto) 1 Novas regras de faturação (DL n.º197/2012 de 24 de agosto) Este diploma introduz alterações às regras de faturação em matéria de imposto sobre o valor acrescentado, em vigor a partir de 1 de janeiro

Leia mais

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013 Resumo As novas regras de Faturação para 2013 Fontes: Decreto-Lei n.º 197/2012 Decreto-Lei n.º 198/2012 Ofícios Circulados 30.136 OE 2013 e restantes comunicações da AT Resumo 1. Regras de Faturação 2.

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. DL 197/2012, de 24 de agosto

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. DL 197/2012, de 24 de agosto NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO DL 197/2012, de 24 de agosto MSP 2013 Estrutura da Apresentação DLs nº 197 e 198/2012: objetivos Novas regras de faturação: âmbito de aplicação territorial Espécies de faturas

Leia mais

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto LEGISLAÇÃO: - Decreto-Lei n.º 197/2012, 24 de agosto - Decreto-Lei n.º 198/1990, 19 de junho -

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013. Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05)

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013. Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05) INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013 Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05) Índice 1.Âmbito... 1 2.Opção pelo regime - permanência e saída por opção do mesmo... 1 2.1.Opção pelo regime em 2013... 1 2.2.

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO COMUNICAÇÃO À AT BENEFÍCIO FISCAL EM IRS. DL Nº 197/2012 E Nº 198/2012, de 24 de agosto

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO COMUNICAÇÃO À AT BENEFÍCIO FISCAL EM IRS. DL Nº 197/2012 E Nº 198/2012, de 24 de agosto NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO E COMUNICAÇÃO À AT BENEFÍCIO FISCAL EM IRS DL Nº 197/2012 E Nº 198/2012, de 24 de agosto DL Nº 197/2012 - Transposição de Diretivas Comunitárias DL Nº 197/2012 - Transposição

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

As novas regras da faturação e a comunicação dos elementos das faturas emitidas Perguntas & Respostas

As novas regras da faturação e a comunicação dos elementos das faturas emitidas Perguntas & Respostas As novas regras da faturação e a comunicação dos elementos das faturas emitidas Perguntas & Respostas Informação elaborada pela Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Atualizado em 21 01 2013 Nota: Agradece-se

Leia mais

IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos

IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos 0 Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto, introduz alterações às regras de faturação em matéria

Leia mais

Facturação (Questões a Abordar)

Facturação (Questões a Abordar) 1 ção (Questões a Abordar) 1. Emissão de facturas Normas fiscais aplicáveis Quem está obrigado; Quais os tipos de documentos a emitir; Elementos obrigatórios dos documentos; Quais as formas de emissão

Leia mais

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA)

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 71/2013, DE 30 DE MAIO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º

Leia mais

CIRCULAR 057 FATURAÇÃO ANO 2013 - NOVAS REGRAS

CIRCULAR 057 FATURAÇÃO ANO 2013 - NOVAS REGRAS CIRCULAR 057 Gestão Global de Empresas FATURAÇÃO ANO 2013 - NOVAS REGRAS Arrifana, 04 de Dezembro de 2012 Nos termos do Dec.Lei nº 197/2012 de 24 Agosto as seguintes alterações entram em vigor em 1 Janeiro

Leia mais

Novo Regime de IVA de Caixa

Novo Regime de IVA de Caixa QA#005 / Junho.2014 Mónica Veloso * Área Jurídica da Unidade Empreendedorismo ANJE Novo Regime de IVA de Caixa Na Quinta edição da QuickAid Notas Informativas Jurídicas da Unidade de Empreendedorismo ANJE,

Leia mais

Alguns aspetos do regime de IVA de caixa

Alguns aspetos do regime de IVA de caixa Alguns aspetos do regime de IVA de caixa O Decreto-Lei n.º 71/2013, de 30 de maio, aprovou o regime de IVA de caixa, concretizando assim a autorização legislativa constante do Orçamento do Estado para

Leia mais

IVA 2013. Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias. Janeiro - 2013. 1 J. Gante

IVA 2013. Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias. Janeiro - 2013. 1 J. Gante IVA 2013 Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias Janeiro - 2013 1 J. Gante Legislação Dir. 2008/08/CE Dir. 2010/45/UE DL 197/2012 DL 198/2012 ( 24 de Agosto ) Ofício 30.136/2012 Ofício

Leia mais

Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA

Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA Nuno Albuquerque Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA VERBO jurídico TAX NEWS Junho 2013 O Novo Regime de IVA de caixa O DL n.º 71/2013, de 30 de Maio, aprovou, com efeitos a partir de 1.10.13,

Leia mais

ADVOCACIA - Enquadramento fiscal das prestações de serviço

ADVOCACIA - Enquadramento fiscal das prestações de serviço ADVOCACIA - Enquadramento fiscal das prestações de serviço 1. Processo de pagamento de honorários no âmbito do acesso ao Direito e aos Tribunais 2. Facto gerador e exigibilidade do Imposto 3. Emissão de

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PARA 2013

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PARA 2013 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PARA 2013 Índice CERTIFICAÇAO DOS PROGRAMAS DE FATURAÇAO... 3 DECRETO-LEI Nº 197/2012... 4 FATURAS... 5 PRAZO PARA EMISSÃO DAS FATURAS:... 5 ELEMENTOS E MENÇÕES EXIGÍVEIS NAS FATURAS...

Leia mais

Portaria N.º 426-A/2012, de 28 de dezembro (Aprova o modelo de declaração para comunicação dos elementos das facturas)

Portaria N.º 426-A/2012, de 28 de dezembro (Aprova o modelo de declaração para comunicação dos elementos das facturas) LEGISLAÇÃO DL Nº 197/2012, de 24 de agosto DL Nº 198/2012, de 24 de agosto Lei n.º 51/2013 de 24/7-OE/2013 (retificativo) Portaria N.º 426-A/2012, de 28 de dezembro (Aprova o modelo de declaração para

Leia mais

Obrigação de comunicação à AT

Obrigação de comunicação à AT Obrigação de comunicação à AT Perguntas e respostas sobre o impacto das novas regras de comunicação à AT nas empresas Page 2 of 10 Introdução A Publicação do Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto introduz

Leia mais

CIRCULAR N.º 1/2013 NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO IVA INTRODUÇÃO:

CIRCULAR N.º 1/2013 NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO IVA INTRODUÇÃO: 1/9 CIRCULAR N.º 1/2013 NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO IVA INTRODUÇÃO: Foram publicados no passado dia 24 de agosto de 2012, os Decretos-Lei n.ºs 197/2012 e 198/2012, que vieram introduzir, para 2013, substanciais

Leia mais

Com vista a esclarecer eventuais dúvidas sobre o âmbito de tais alterações, divulgam-se as presentes instruções administrativas.

Com vista a esclarecer eventuais dúvidas sobre o âmbito de tais alterações, divulgam-se as presentes instruções administrativas. Classificação: 020.01.10 Seg.: P úbli ca Proc.:2012 004922 DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO IVA Ofício N.º: 30136 2012-11-19 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770 004 407 Sua Ref.ª: Técnico: Exmos.

Leia mais

Facturação (Questões a Abordar)

Facturação (Questões a Abordar) Alterações Legislativas "E-" Dr. Manuel Gonçalves Cecílio ISG Instituto Superior de Gestão 10 Janeiro 2013 1 ção (Questões a Abordar) 1. Emissão de facturas Quem está obrigado; Quais os tipos de documentos

Leia mais

IVA Na Actividade Agrícola

IVA Na Actividade Agrícola IVA Na Actividade Agrícola Maria Emília Pimenta Seminário A CONTABILIDADE E FISCALIDADE NA ACTIVIDADE AGRÍCOLA Santarém, 11 de Junho de 2013 1 Lei n.º66-b/2012, de 31 dezembro Revoga o n.º 33 do artigo

Leia mais

As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS. Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS.

As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS. Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS. As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS. Índice 1. Documentos que deixam de ser utilizados... 3 2. Factura

Leia mais

FAQ'S - Perguntas frequentes

FAQ'S - Perguntas frequentes 1 de 5 SOBRE O E-FATURA FAQS CONTACTOS FAQ'S - Perguntas frequentes CLIENTE / CONSUMIDOR FINAL Em que consiste o novo regime de faturação eletrónica? O novo regime de faturação eletrónica consiste na obrigatoriedade

Leia mais

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto -

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - 1 Agenda Decreto-Lei nº 197/2012 de 24 de Agosto Decreto-Lei nº 198/2012 de 24 de Agosto 2 Novas Regras de Facturação

Leia mais

Faturação simplificada: Principais alterações

Faturação simplificada: Principais alterações Faturação simplificada: Principais alterações Informação elaborada pela Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Atualizado em 22 11 2012 Nota: Agradece-se que coloque qualquer dúvida ou sugestão através

Leia mais

Regime de Iva de Caixa

Regime de Iva de Caixa Regime de Iva de Caixa XD Rest/Pos 2014 1 Alterações Fiscais O Decreto Lei nº71/2013, que aprovou o regime de contabilidade de caixa em sede do Imposto Sobre o Valor Acrescentado (regime de IVA de caixa)

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

OBRIGAÇÕES PARA DIA 1 DE JANEIRO DE 2013

OBRIGAÇÕES PARA DIA 1 DE JANEIRO DE 2013 WORKSHOP NOVAS REGRAS DE FACTURAÇÃO OBRIGAÇÕES PARA DIA 1 DE JANEIRO DE 2013 Marco Rodrigues Servicontabil Serviços de Contabilidade e Informática, Lda Ricardo Rodrigues Espaço Digital Informática e Serviços,

Leia mais

Novas regras de Facturação para 2013

Novas regras de Facturação para 2013 Novas regras de Facturação para 2013 Este documento pretende explicar de forma sucinta as Novas regras de Facturação e de Comunicação da Facturação, aprovadas pelos Decreto-Lei n.º 197/2012 e n.º 198/2012,

Leia mais

NOVO SISTEMA DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimentos

NOVO SISTEMA DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimentos 20-12-2012 NOVO SISTEMA DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimentos Conforme prometido, no dia 10 deste mês efetuamos uma sessão de esclarecimentos acerca do novo sistema de faturação que vai funcionar a partir

Leia mais

Certificação facturação

Certificação facturação NOVAS REGRAS DE FACTURAÇÃO Formador: Maria Mestra Carcavelos, Janeiro de 2013 SEDE AVª General Eduardo Galhardo, Edificio Nucase, 115 2775-564 Carcavelos tel. 214 585 700 fax. 214 585 799 www.nucase.pt

Leia mais

NOVAS REGRAS SOBRE UTILIZAÇÃO DE PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS SOBRE UTILIZAÇÃO DE PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS SOBRE UTILIZAÇÃO DE PROGRAMAS INFORMÁTICOS DE FATURAÇÃO Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação: Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, após a primeira alteração

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimento para associações 1 2 Ofício n.º 30141 de 4 de Janeiro de 2013 da Direção de Serviços do IVA Novas Regras de Faturação Instruções complementares ao Ofício-Circulado

Leia mais

Tudo o que precisa de saber

Tudo o que precisa de saber Pág. 1 de 10 Com a publicação, no passado mês de Agosto, dos Decretos-Lei n. os 197/2012 e 198/2012, várias e (bastante) substanciais foram as alterações introduzidas em matéria de regras a observar ao

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

Início > Cidadãos > Entregar > Declarações > Atividade > Início de Atividade

Início > Cidadãos > Entregar > Declarações > Atividade > Início de Atividade O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

Orçamento do Estado para 2013 (2.ª parte) Atualização fiscal

Orçamento do Estado para 2013 (2.ª parte) Atualização fiscal Orçamento do Estado para 2013 (2.ª parte) Atualização fiscal Abílio Sousa Janeiro 2013 Alterações ao Decreto-Lei n.º 198/2012, de 24 de Agosto Medidas de controlo de emissão de faturas OE 2013 alterações

Leia mais

Obrigações Fiscais 2013

Obrigações Fiscais 2013 Obrigações Fiscais 2013 Caros Associados, A publicação do Decreto-Lei n.º 197/2012 e do Decreto-Lei n.º 198/2012, ambos de 24 de agosto, vieram introduzir importantes alterações nas normas relativas à

Leia mais

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos:

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos: O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO NOVO REGIME DE FACTURAÇÃO 2013. Novidades legislativas e alguma informação sobre aspetos práticos

BOLETIM INFORMATIVO NOVO REGIME DE FACTURAÇÃO 2013. Novidades legislativas e alguma informação sobre aspetos práticos Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho BOLETIM INFORMATIVO 15 de Abril de 2013 NOVO REGIME DE FACTURAÇÃO 2013 Novidades legislativas e alguma informação sobre aspetos práticos (Atualização)

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Junho 2013. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento. Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Junho 2013. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento. Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes NEWSLETTER FISCAL Junho 2013 Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes 1. Introdução No dia 31 de Maio de 2013, foi submetida à Assembleia

Leia mais

Parte I - A FATURAÇÃO

Parte I - A FATURAÇÃO Assuntos a tratar: o A Comunicação Obrigatória de Faturação o Regime dos Bens em Circulação Parte I - A FATURAÇÃO A COMUNICAÇÃO OBRIGATÓRIA DA FATURAÇÃO Criada pelo DL 198/2012 de 24 de Agosto em vigor

Leia mais

Regime de IVA de caixa DL n.º 71/2013, de 30 de maio. Teoria / Aplicações práticas. Formação: Departamento técnico Carcavelos,11 de setembro de 2013

Regime de IVA de caixa DL n.º 71/2013, de 30 de maio. Teoria / Aplicações práticas. Formação: Departamento técnico Carcavelos,11 de setembro de 2013 DL n.º 71/2013, de 30 de maio Teoria / Aplicações práticas Formação: Departamento técnico Carcavelos,11 de setembro de 2013 SEDE AVª General Eduardo Galhardo, Edificio Nucase, 115 2775-564 Carcavelos tel.

Leia mais

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO NOVO REGIME DE FACTURAÇÃO 2013. Novidades legislativas e alguma informação sobre aspetos práticos

BOLETIM INFORMATIVO NOVO REGIME DE FACTURAÇÃO 2013. Novidades legislativas e alguma informação sobre aspetos práticos Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho BOLETIM INFORMATIVO 10 de Janeiro de 2013 NOVO REGIME DE FACTURAÇÃO 2013 Novidades legislativas e alguma informação sobre aspetos práticos 4ª Versão

Leia mais

A comunicação obrigatória da faturação. Regime dos Bens de Circulação. O paradigma em mudança

A comunicação obrigatória da faturação. Regime dos Bens de Circulação. O paradigma em mudança Lisboa, 16 de Abril de 2013 União das Associações de Comércio e Serviços A comunicação obrigatória da faturação Regime dos Bens de Circulação O paradigma em mudança 1 Parte I A FATURAÇÃO 2 A COMUNICAÇÃO

Leia mais

FAQ s PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE ÓTICA DO UTILIZADOR PRINCIPAIS ALTERAÇÕES

FAQ s PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE ÓTICA DO UTILIZADOR PRINCIPAIS ALTERAÇÕES Classificação: 000.01.09 Seg.: P ú b l i c a Proc.: 1 6 / 2 0 1 2 GABINETE DO SUBDIRETOR-GERAL DA INSPEÇÃO TRIBUTÁRIA FAQ s PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE ÓTICA DO UTILIZADOR (Em vigor após 1 de

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013. Certificação de Programas de Faturação

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013. Certificação de Programas de Faturação INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013 Certificação de Programas de Faturação A presente informação técnica substitui a informação n.º 6/2012 e a n.º 22/2010, introduzindolhe as atualizações resultantes da Portaria

Leia mais

Certificação de Programas Informáticos de Facturação. Alterações:

Certificação de Programas Informáticos de Facturação. Alterações: Certificação de Programas Informáticos de Facturação Alterações: Lei nº 64 B/2011 de 30 de Dezembro (OE 2012) Portaria nº 22-A/2012 de 24 de Janeiro Ofício circulado nº 50.000/2012 de 26 de Janeiro 1 O

Leia mais

A comunicação da faturação As alterações ao SAFT-PT Regime de Bens em Circulação

A comunicação da faturação As alterações ao SAFT-PT Regime de Bens em Circulação Lisboa, 04 de Junho de 2013 União das Associações de Comércio e Serviços A comunicação da faturação As alterações ao SAFT-PT Regime de Bens em Circulação 1 Parte I A FATURAÇÃO 2 A COMUNICAÇÃO OBRIGATÓRIA

Leia mais

DR nº 17/2012 Ser. I Supl. 1. Portaria nº 22-A/2012 de 24-01-2012

DR nº 17/2012 Ser. I Supl. 1. Portaria nº 22-A/2012 de 24-01-2012 BDJUR - Vista de Impressão Imprimir Fec har DR nº 17/2012 Ser. I Supl. 1 Portaria nº 22-A/2012 de 24-01-2012 A Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, regulamentou o processo de certificação dos programas

Leia mais

N. Pinto Fernandes, Lda. Consultores de Gestão

N. Pinto Fernandes, Lda. Consultores de Gestão Exma. Senhora Dra. Ana Vieira CCP Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Por e-mail Ref.: CCP/027/2012 Assunto: Regras de facturação Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de Agosto. Exma. Senhora Dra.,

Leia mais

Facturação (Questões a Abordar)

Facturação (Questões a Abordar) Facturação (Questões a Abordar) 1. Emissão de facturas Quem está obrigado; Quais os tipos de documentos a emitir; Elementos obrigatórios dos documentos; Quais as formas de emissão dos documentos. 2. Comunicação

Leia mais

FACTURAS E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE *** ÚLTIMAS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO

FACTURAS E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE *** ÚLTIMAS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO FACTURAS E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE *** ÚLTIMAS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO FACTURAS E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE Decreto-Lei 197/2012, de 24/8: Transpõe artº 4º da Directiva 2008/8/CE, de 13/2, e Directiva

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 120/2010, Série I, de 23/06, Páginas 2221-2223.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 120/2010, Série I, de 23/06, Páginas 2221-2223. MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Diploma Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho Estado: vigente Legislação

Leia mais

Novo Regime de Emissão de Facturas. Jesuíno Alcântara Martins

Novo Regime de Emissão de Facturas. Jesuíno Alcântara Martins Novo Regime de Emissão de Facturas 2013 WINTER 1. Enquadramento jurídico-tributário Conteúdo Programático Template 2 1.1 No CIVA - Código do Imposto sobre Valor Acrescentado 1.2 No CIRC Código do Imposto

Leia mais

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Perguntas mais frequentes sobre As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Quais as empresas que estão obrigadas a enviar os elementos das Facturas à AT? As pessoas, singulares ou colectivas,

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17 I SÉRIE Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério das Finanças Portaria n.º 22-A/2012: Altera a Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, que regulamenta a certificação prévia

Leia mais

Fonte: Prim avera BSS

Fonte: Prim avera BSS Fonte: Prim avera BSS V.2_15.05.2013 Comunicação de Documentos de Transporte Página 2 de 9 Introdução O Decreto-Lei nº 198/2012 de 24 de agosto de 2012 introduz a obrigação de comunicação de faturas e

Leia mais

XXXX xxxxxxx Assembleia da República n.º 124/2011

XXXX xxxxxxx Assembleia da República n.º 124/2011 Quarta alteração à Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho que regulamenta a certificação prévia dos programas informáticos de faturação do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas A Portaria

Leia mais

Alterações ao IVA e IRS na Agricultura

Alterações ao IVA e IRS na Agricultura Alterações ao IVA e IRS na Agricultura Março de 2013 Cristina Pena Silva Paula Franco 1 Alterações ao IVA e IRS na Agricultura 2 IRS Enquadramento da Atividade Agrícola 3 Natureza jurídica das explorações

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Legislação Diploma Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Estado: vigente Resumo: Despacho Normativo que altera o Despacho Normativo nº 18-A/2010, de 1 de julho. Publicação: Diário da República

Leia mais

Decreto-lei nº 197/2012 de 24/8 Decreto-lei nº 198/2012 de 24/8

Decreto-lei nº 197/2012 de 24/8 Decreto-lei nº 198/2012 de 24/8 RESUMO das alterações introduzidas pelos: Decreto-lei nº 197/2012 de 24/8 Decreto-lei nº 198/2012 de 24/8 Essencialmente dirigidas às regras em matéria de faturação e alguns ajustamentos ás regras de localização

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

I - Regime de contabilidade de caixa. 1. Âmbito de aplicação. (artigo 1º do regime)

I - Regime de contabilidade de caixa. 1. Âmbito de aplicação. (artigo 1º do regime) Classificação: 020.01.10 Segurança: Processo: 2013 004333 ÁREA DE GESTÃO TRIBUTÁRIA DO IVA - GABINETE DO Of.Circulado N.º: 30150/2013 2013-08-30 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770 004 407

Leia mais

FACTURAÇÃO NOVAS REGRAS A PARTIR DE 1/01/2013

FACTURAÇÃO NOVAS REGRAS A PARTIR DE 1/01/2013 ASSUNTO: FACTURAÇÃO\BENS EM CIRCULAÇÃO Da conjugação do Decreto-Lei nº 197/2012 com o Decreto-Lei nº 198/2012 ambos de 24 de Agosto, passarei a indicar o que me parece ter maior relevância não dispensando,

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Faturas - Mediadores de seguros que pratiquem operações isentas Processo: nº 4686, por despacho de 2013-05-15, do SDG do IVA, por delegação

Leia mais

Decreto-lei nº 197/2012 de 24/8 Decreto-lei nº 198/2012 de 24/8

Decreto-lei nº 197/2012 de 24/8 Decreto-lei nº 198/2012 de 24/8 RESUMO das alterações introduzidas pelos: Decreto-lei nº 197/2012 de 24/8 Decreto-lei nº 198/2012 de 24/8 Dirigidas essencialmente às regras em matéria de faturação e alguns ajustamentos ás regras de localização

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE REGRAS DE FATURAÇÃO/MERCADORIAS E OUTRAS REGRAS CONTABILÍSTICAS

INFORMAÇÃO SOBRE REGRAS DE FATURAÇÃO/MERCADORIAS E OUTRAS REGRAS CONTABILÍSTICAS INFORMAÇÃO SOBRE REGRAS DE FATURAÇÃO/MERCADORIAS E OUTRAS REGRAS CONTABILÍSTICAS Só os Técnicos Oficiais de Contas estão habilitados técnica e legalmente a responsabilizarem-se pela sua contabilidade.

Leia mais

Regime vigente até 31/12/2012 e alterações em 2013 27-03-2013 1

Regime vigente até 31/12/2012 e alterações em 2013 27-03-2013 1 Regime vigente até 31/12/2012 e alterações em 2013 27-03-2013 1 Introdução O regime vigente até 31/12/2012 IRS IVA Alterações introduzidas pela Lei nº 66-B/2012 IVA Faturação e comunicação à AT ( Dec.Lei

Leia mais

Regime de IVA de Caixa

Regime de IVA de Caixa Regime de IVA de Caixa Arial (Data) Alinhado esquerda 14 pt Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Joana Maldonado Reis 5 de Junho 2014 ÍNDICE 1. Enquadramento / Contexto 2. Características

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Exposição de motivos As micro, pequenas e médias empresas

Leia mais

Bens em Circulação - FAQ

Bens em Circulação - FAQ Bens em Circulação - FAQ Quem deverá processar o DT - Documento de Transporte? Os DT - Documentos de Transporte são processados pelos sujeitos passivos de IVA detentores dos bens antes do início da circulação

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015 CALENDÁRIO FISCAL DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 12 Envio da Declaração Periódica, por transmissão eletrónica de dados, acompanhada dos anexos que se mostrem devidos, pelos sujeitos

Leia mais

de Finanças as de Lisboa

de Finanças as de Lisboa Direção de Finanças as de Lisboa Pontos a abordar Objetivos visados com as alterações Situações enquadráveis no RBC Situações excepcionados do RBC Tipos de Documentos de Transporte (Formas de Emissão)

Leia mais

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2.

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2. Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I Disposições comuns Artigo 1. Objeto O presente despacho normativo regulamenta os pedidos de reembolso de imposto sobre o valor

Leia mais

Perguntas frequentes

Perguntas frequentes Documentos de transporte Perguntas frequentes Posso utilizar um software de faturação não certificado para emitir documentos de transporte? A partir de 1 de Julho de 2013, qualquer documento emitido num

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho MANUAL DE PROCEDIMENTOS 01 de Janeiro de 2013 NOVO REGIME DE FACTURAÇÃO 2013 ASPETOS A TER EM CONTA NA FATURAÇÃO VIA INFORMATICA Pedro Moreira Fiscalista

Leia mais

Decreto-Lei n.º 147/2003, de 11/7

Decreto-Lei n.º 147/2003, de 11/7 Regime dos Bens em Circulação (RBC) Decreto-Lei n.º 47/003, de /7 Alterado pelo Decreto-Lei n.º 98/0, de 4/8 Alterado pela Lei n.º 66-B/0 - OE/03 Regulamentado pela Portaria n.º 6/03, de 3/4 Quadro Síntese

Leia mais

Transporte de mercadorias

Transporte de mercadorias Transporte de mercadorias A portaria 161/2013 de 23 de Abril vem estabelecer novas regras para a comunicação dos dados de transporte que constam do Regime de Bens em Circulação. Esta entra em vigor desde

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO NOVAS REGRAS DA FACTURAÇÃO 2013. Novidades legislativas e alguma informação sobre aspetos práticos

BOLETIM INFORMATIVO NOVAS REGRAS DA FACTURAÇÃO 2013. Novidades legislativas e alguma informação sobre aspetos práticos Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho BOLETIM INFORMATIVO 17 de Dezembro de 2012 NOVAS REGRAS DA FACTURAÇÃO 2013 Novidades legislativas e alguma informação sobre aspetos práticos 1ª Versão

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 6º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 6º Diploma: CIVA Artigo: 6º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Localização das operações Sujeito passivo na Holanda onde importa bens, os quais são vendidos a consumidores finais em território nacional, através de

Leia mais

COMUNICAÇÃO DOS DOCUMENTOS DE TRANSPORTE À AUTORIDADE TRIBUTÁRIA

COMUNICAÇÃO DOS DOCUMENTOS DE TRANSPORTE À AUTORIDADE TRIBUTÁRIA REGIME DOS BENS EM CIRCULAÇÃO COMUNICAÇÃO DOS DOCUMENTOS DE TRANSPORTE À AUTORIDADE TRIBUTÁRIA Formador: Maria Mestra Carcavelos,3 de abril de 2013 SEDE AVª General Eduardo Galhardo, Edificio Nucase, 115

Leia mais

Janeiro 2013 v1.2/dbg

Janeiro 2013 v1.2/dbg DBGEP Alteraço es para 2013 Janeiro 2013 v1.2/dbg Introdução... 3 Faturação... 4 Alterações legislativas... 4 Alterações no software... 5 A Subsídios e Propinas... 5 F - Faturação... 7 Processamento de

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015 DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 02 IUC Liquidação, por transmissão eletrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação (IUC), relativo aos veículos cujo aniversário da

Leia mais

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA)

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Informação n.º 2/2013_Revista 22/novembro/2013 CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E EM MORA IVA e IRC A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Regularização do IVA 1. Créditos vencidos até 31/12/2012 e

Leia mais

Princalculo Contabilidade e Gestão

Princalculo Contabilidade e Gestão COMUNICAÇÃO EXTERNA Junho/2013 REGIME DOS BENS EM CIRCULAÇÃO A obrigação é a partir de quando? 1 de Julho de 2013 Quem está obrigado? Os que no ano anterior tiveram um volume de negócios superior a 100.000

Leia mais

Calendário fiscal 2014

Calendário fiscal 2014 www.pwc.pt/tax Uma compilação das principais obrigações fiscais e parafiscais de periodicidade regular das pessoas coletivas e das pessoas singulares A PwC Os conteúdos aqui apresentados são de natureza

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 197/2015, Série I, de 08/10, páginas 8698-8702. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 197/2015, Série I, de 08/10, páginas 8698-8702. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Diploma Portaria n.º 338/2015, de 8 de outubro Estado: vigente Legislação

Leia mais

Carlos Carvalho Paulo Marques JUNHO 2013

Carlos Carvalho Paulo Marques JUNHO 2013 Carlos Carvalho Paulo Marques JUNHO 2013 Desmaterializar e informatizar o processo de forma a: Permitir o armazenamento e fácil consulta à informação; Criar bases de dados sobre o fluxo das mercadorias;

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho MANUAL DE PROCEDIMENTOS 01 de Janeiro de 2013 NOVO REGIME DE FACTURAÇÃO 2013 ASPETOS A TER EM CONTA NA FATURAÇÃO VIA INFORMATICA Pedro Moreira Fiscalista

Leia mais