PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR NO ATENDIMENTO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR NO ATENDIMENTO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA"

Transcrição

1 533 PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR NO ATENDIMENTO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA CARDIAC ARREST AND CARDIOPULMONARY RESUSCITATION IN THE EMERGENCY SERVICE: A LITERATURE REVIEW Diliane Barroso Madeira Discente do curso de pós-graduação em Urgência e Emergência: Atenção Pré-Hospitalar e Intra- Hospitalar pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Unileste-MG. Helisamara Mota Guedes Mestre em Enfermagem pela UFG. Professora Assistente do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Vale do Jequitinhonha e Mucuri. RESUMO A parada cardiorrespiratória cerebral é definida pela cessação abrupta das funções circulatória, respiratória e cerebral. A morte súbita é uma condição que cada vez mais ganha destaque nos noticiários e periódicos científicos tanto no Brasil quanto no exterior. A reanimação cardiorrespiratória cerebral é definida pelo conjunto de medidas diagnósticas e terapêuticas que tem o objetivo de reverter a parada cardiorrespiratória. Este estudo teve como objetivo analisar os artigos publicados na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS) referente a parada cardiorrespiratória e aplicação das manobras de ressuscitação cardiorrespiratória no atendimento do adulto em urgência e emergência. Trata-se de uma revisão bibliográfica. A seleção dos trabalhos para esta revisão foi feita com base em pesquisa bibliográfica realizada em indexadores de produção científica (BIREME). A pesquisa resultou em oito artigos científicos completos publicados entre 1999 a Esse estudo enfocou ocorrência de parada cardiorrespiratória, a aplicação das manobras de ressuscitação cardiopulmonar e seus prognósticos, mostrando a importância do conhecimento acerca das características dos pacientes que sofrem de parada cardiorrespiratória. Fica claro a importância de se realizar sempre treinamentos em ressuscitação cardiopulmonar, para que o atendimento seja realizado corretamente proporcionando uma melhoria na qualidade deste serviço. PALAVRAS-CHAVE: Parada Cardiorrespiratória. Ressuscitação Cardiopulmonar. Hospitais Gerais. ABSTRACT A Cardiac arrest cerebral is defined by abrupt cessation of circulatory functions, respiratory and cerebral. Sudden death is a condition that increasingly gained prominence in the news and scientific journals both in Brazil and abroad. The cerebral cardiopulmonary resuscitation is defined by the set of diagnostic and therapeutic measures that aims to reverse cardiac arrest. This study aimed to analyze the articles published in Virtual Health Library (VHL) on cardiac arrest and application of cardiopulmonary resuscitation in the adult care in urgency and emergency. This is a review. The selection of papers for this review was based on literature search in indexes of scientific production (BIREME). The search resulted in eight full scientific articles published between 1999 to This study focused on the occurrence of cardiac arrest, the application of cardiopulmonary resuscitation and their predictions, showing the importance of knowledge about the characteristics of patients suffering from cardiac arrest. Clearly the importance of conducting training in cardiopulmonary resuscitation always, so that the service is performed correctly by providing an improved quality of service.

2 534 KEY WORDS: Cardiac Arrest. Cardiopulmonary Resuscitation. Reanimation Cardiorespiratory. General Hospitals. INTRODUÇÃO A parada cardiorrespiratória cerebral é definida pela cessação abrupta das funções circulatória, respiratória e cerebral. É a cessação de pulso em grandes artérias e da ventilação espontânea ou presença de respiração agônica, ocorrendo a perda da consciência devido a deficiência abrupta de oxigenação tissular. Isso tudo acontece ao mesmo tempo em um indivíduo (BARTHOLOMAY et al., 2003; CAVALCANTE; LOPES, 2005; GOMES et al., 2005; TIMERMAN et al., 2001). De acordo com Zanini, Nascimento e Barra (2006), a parada cardiorrespiratória é um evento comum em Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), devido o fato de essas unidades assistirem pacientes gravemente enfermos. A morte súbita é uma condição que cada vez mais ganha destaque nos noticiários e periódicos científicos tanto no Brasil quanto no exterior (VANHEUSDEN et al., 2007). Segundo Gomes et al. (2005), a morte prematura por alguma enfermidade cardiovascular, apesar dos grandes avanços tecnológicos, é um grande desafio para a medicina intensiva. Só no Brasil, ocorrem 820 mortes por dia devido a essas enfermidades. Os pacientes têm a mortalidade reduzida quando conseguem ter acesso ao tratamento adequado de suporte avançado de vida. A reanimação cardiorrespiratória cerebral é definida pelo conjunto de medidas diagnósticas e terapêuticas que tem o objetivo de reverter a parada cardiorrespiratória. Ela possui indicações e contra-indicações. Há poucas intervenções na medicina que atingem o impacto de salvar vidas, como a reanimação cardiorrespiratória cerebral (BARTHOLOMAY et al., 2003; MOREIRA et al., 2002). De acordo com Timerman et al. (2001), essa técnica representa um grande avanço na medicina intensiva. Ela tem preservado muitas vidas e consiste em realizar compressões torácicas externas. Estima-se que pacientes sejam submetidos a reanimação cardiorrespiratória cerebral anualmente durante a internação nos hospitais dos Estados Unidos da América. O número de pacientes submetidos às manobras de reanimação cardiorrespiratória cerebral atendidos fora do ambiente hospitalar no mesmo país é de 225 mil ao ano (BARTHOLOMAY et al., 2003, p.182). Nos últimos anos, os acidentes e as violências têm levado as pessoas frequentemente a quadros de grande gravidade seguidos de parada cardiorrespiratória ou morte. São índices alarmantes de morbidade, mortalidade e incapacidade (BERTELLI; BUENO; SOUSA, 1999). Segundo Vanheusden et al. (2007), a aplicação correta da corrente de sobrevida é uma medida importante para melhorar a sobrevida. A corrente de sobrevida é definida como: acesso precoce, manobras de ressuscitação cardiorrespiratória, desfibrilação e acesso rápido ao hospital.

3 535 De acordo com Zanini, Nascimento e Barra (2006), as questões que fundamentam a reanimação cardiorrespiratória cerebral devem ser conhecidas pelos enfermeiros, devendo os mesmos estar aptos para reconhecer quando um paciente está em parada cardiorrespiratória ou prestes a desenvolver uma. Segundo Bertelli, Bueno e Sousa (1999), além de salvar vidas, cabe a equipe possibilitar uma sobrevivência com qualidade após a parada cardiorrespiratória. O presente estudo justifica-se, pelo fato, de que o conhecimento acerca da aplicação das manobras de ressuscitação cardiopulmonar é de extrema importância para os profissionais de saúde principalmente enfermeiros, que são os profissionais que acompanham o paciente a maior parte do tempo. O estudo teve como objetivo analisar os artigos publicados na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS) referente a parada cardiorrespiratória e aplicação das manobras de ressuscitação cardiorrespiratória no atendimento do adulto em urgência e emergência. METODOLOGIA O estudo tratou-se de uma revisão bibliográfica que, de acordo com Cerco e Bervian (1983), visa reunir, analisar e discutir informações a partir de documentos já publicados, objetivando fundamentar teoricamente um determinado tema. A seleção de artigos foi feita com base em pesquisa bibliográfica realizada na base de dados da Biblioteca Virtual de Saúde com o descritor parada cardíaca. As produções científicas encontradas foram refinadas com artigos em texto completo, assunto ressuscitação cardiopulmonar, limites adulto e idioma português. Foram encontrados oito artigos científicos completos, publicados entre 1999 e 2007 e com eles foi realizada a revisão. A coleta de dados foi efetuada em dois momentos. O primeiro momento ocorreu no dia 25 de maio de 2010, em que foram selecionados artigos a respeito da parada cardíaca e livros sobre metodologia. Estes textos fundamentaram a construção da Introdução e Metodologia deste artigo. O segundo momento se transcorreu no dia 19 de julho do mesmo ano, que objetivou a construção dos Resultados e Discussão utilizando os oito artigos que abordavam a assistência da equipe de saúde no atendimento a uma parada cardiorrespiratória bem como as manobras de ressuscitação cardiopulmonar e cerebral e outras literaturas que completam o tema o qual não estavam disponíveis na Biblioteca Virtual de Saúde. RESULTADOS E DISCUSSÃO Dos oito artigos encontrados, quatro deles foram publicados na Revista Brasileira de Cardiologia, sendo de autoria dos profissionais médicos, enfermeiros e estudantes de enfermagem. Observa-se que são estudos recentes, tendo em vista que o período de publicação foi de 2001 a 2007; com exceção de um artigo que foi publicado em Na TAB. 1, pode ser observada a distribuição dos artigos encontrados na Biblioteca Virtual de Saúde por título, ano, revista, autor e palavras-chave.

4 536 TABELA 1 Caracterização dos artigos encontrados na Biblioteca Virtual de Saúde quanto ao título do artigo, nome da revista, ano de publicação, autoria e palavras-chave Título Nome da Ano Autores Palavras-chave revista Estudo preliminar das relações entre duração da parada cardiorrespiratória e suas conseqüências nas vítimas de trauma. Rev. Esc. Enf. USP 1999 Andréia Bertelli Márcia Regina Bueno Regina Márcia Cardoso de Sousa Parada cardio-respiratória; Trauma; Fatores prognósticos dos resultados de ressuscitação cardiopulmonar em um hospital de cardiologia. Arq Bras. Cardiol Ari Timerman Naim Sauaia Leopoldo Soares Piegas Rui F. Ramos Carlos Gun Elizabeth Silva Santos Antônio C. Mugayar Bianco J. Eduardo M. R. Sousa Ressuscitação cardiopulmonar; Parada cardiorrespiratória; Infarto agudo do miocárdio; Estudo retrospectivo de sobrevida de pacientes submetidos à reanimação cardiorrespiratória em Unidade de Tratamento Intensivo. Arq Bras. Cardiol Daniel Martins Moreira Guilherme Mariante Neto Marcelo Wierzynski Oliveira Letícia Biscaino Alves Luís Carlos Chorazje Adamatti Eliana de Andrade Trotta Sílvia Regina Rios Vieira Reanimação cardiorrespitarória; Parada cardiorrespiratória; Centro de tratamento intensivo; Impacto das manobras de reanimação cardiorrespiratória cerebral em um hospital geral. Fatores prognósticos e desfechos. Arq Bras. Cardiol Eduardo Bartholomay Fernando Suparregui Dias Fábio Alves Torres Pedro Jacobson Afonso Mariante Rodrigo Wainstein Renato Silva Luiz Carlos Bodanese Parada cardiorrespiratória; Reanimação cardiorrespiratória; Intra-hospitalar;

5 537 TABELA 1 Caracterização dos artigos encontrados na Biblioteca Virtual de Saúde quanto ao título do artigo, nome da revista, ano de publicação, autoria e palavras-chave (Continuação) Título Título da Ano Autores Palavras-chave revista Fatores prognósticos de sobrevida pós-reanimação cardiorrespiratória cerebral em hospital geral. Arq Bras. Cardiol André Mansur de Carvalho Guanes Gomes Ari Timerman Carlos Alfredo Marcílio de Souza Carlos Maurício Cardeal Mendes Heitor Portella Póvoas Filho Adriano Martins de Oliveira José Antônio de Almeida Souza Ressuscitação cardiopulmonar; Parada cardíaca; Prognóstico; Hospitais gerais; O atendimento à parada cardiorrespiratória em unidade coronariana segundo o protocolo Utstein. Acta Paul. Enferm Tatiana de Medeiros Colletti Cavalcante Rita Simone Lopes Parada cardíaca; Avaliação em enfermagem; Parada e reanimação cardiorrespiratória: conhecimentos da equipe de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva. Rev. Bras. Ter. Inten Juliana Zanini Eliane Regina Pereira do Nascimento Daniela Couto Carvalho Barra Enfermagem; Parada cardiorrespiratória; Reanimação; Terapia intensiva; Conceito fase-dependente na ressuscitação cardiopulmonar. Rev. Bras. Cardiol Lutgarde Magda Suzanne Vanheusden Deyse Conceição Santoro David Szpilman Charles de Oliveira Batista Luiz Fernando de Barros Correia Fernando Eugênio dos Santos Cruz Filho Ressuscitação cardiopulmonar; Parada cardíaca; Desfibriladores externos automáticos;

6 538 Durante muito tempo foi difícil comparar dados entre as pesquisas relacionadas à aplicação das manobras de ressuscitação cardiopulmonar e seus prognósticos. Isso porque a nomenclatura não era uniforme e as definições de sucesso ou sobrevida não eram as mesmas. Com isso foi criado o protocolo de registro de Utstein intra-hospitalar em 1997 que veio para contemplar uma série de dados almejados para a coleta das informações, definição de sobrevida, entre outros (CAVALCANTE; LOPES, 2005). A reanimação cardiorrespiratória frequentemente é realizada em situações estressantes. Isso faz com que os reanimadores, muitas vezes, considerem apenas o fato da parada cardiorrespiratória ser uma situação de emergência e se esquecem de levar em conta a possibilidade do paciente portar doença crônica em fase terminal (MOREIRA et al., 2002). Robert et al. (2000) apud Moreira et al. (2002) apontaram que médicos e enfermeiros têm uma expectativa relacionada à sobrevivência pós parada cardiorrespiratória superior aos valores da realidade. O sucesso na ressuscitação cardiopulmonar fora do ambiente hospitalar está associado ao tempo entre o colapso e o início do socorro básico, que não deve ultrapassar quatro minutos. Está associado também à precocidade da aplicação do socorro especializado, principalmente da desfibrilação, que não deve ser mais do que oito minutos. As altas hospitalares são encontradas com mais frequência em grupos de pacientes que estão inseridos nesse contexto (BERTELLI; BUENO; SOUSA, 1999; TIMERMAN et al., 2001). Segundo Timerman et al. (2001), na parada cardiorrespiratória que ocorre em ambiente hospitalar, o socorro básico e especializado torna-se mais fácil e rápido. De acordo com Gomes et al. (2005), embora os hospitais possuam recursos de suporte avançado de vida, os pacientes que apresentam uma parada cardiorrespiratória em ambiente extra-hospitalar têm menor co-morbidade e severidade das doenças quando comparados com aqueles que apresentam uma parada cardiorrespiratória em ambiente intra-hospitalar. Segundo Cavalcante e Lopes (2005), isso é explicado devido o fato de que as doenças pré-existentes nos pacientes que estão hospitalizados podem predizer um pior prognóstico. De acordo com Bartholomay et al. (2003), os pacientes que sofrem parada cardiorrespiratória em ambiente extra-hospitalar apresentam morte súbita secundária a uma cardiopatia isquêmica. Em ambiente intra-hospitalar, há uma grande diversidade de comorbidades. A avaliação do paciente em parada cardiorrespiratória não deve ultrapassar 10 segundos. Ao profissional enfermeiro e à sua equipe cabe assistir os pacientes oferecendo ventilação e circulação artificiais até a chegada do médico (ZANINI; NASCIMENTO; BARRA, 2006). Segundo Bertelli, Bueno e Sousa (1999), um fator de extrema importância para os resultados pós parada cardiorrespiratória é a isquemia devido a diminuição do fluxo de sangue oxigenado para todo o tecido cerebral. O cérebro por sua vez possui poucas reservas de glicose e oxigênio, o que faz com que todas as funções que necessitam de energia cessem dentro de poucos minutos após a parada cardiorrespiratória. Se não houver um suprimento de energia rápido, podem ocorrer lesões extremamente graves.

7 539 De acordo com Gomes et al. (2005), vários estudos têm demonstrado que quanto menor o tempo entre a parada cardiorrespiratória e o atendimento, maior a chance de sobrevida da vítima. Segundo Vanheusden et al. (2007), depois do primeiro minuto de parada cardiorrespiratória, o índice de sobrevida cai de 7% a 10% para cada minuto de demora no atendimento. Timerman et al. (2001) identificaram em uma pesquisa realizada em um hospital de Cardiologia que todos os pacientes que sobreviveram estavam no grupo dos casos onde a ressuscitação cardiopulmonar foi iniciada em até cinco minutos de parada cardiorrespiratória. Em pesquisa realizada em uma Unidade Coronariana de um hospital terciário de grande porte, Cavalcante e Lopes (2005) verificaram que em 100% dos casos estudados a ressuscitação cardiopulmonar foi iniciada em até 2 minutos. O intervalo médio de tempo entre a detecção de inconsciência e o início das manobras básicas e avançadas em uma pesquisa realizada em um hospital geral por Bartholomay et al. (2003), foi de respectivamente um minuto e dois minutos e 30 segundos. Gomes et al. (2005) acrescentam que pacientes que não possuem doenças de base associada, clinicamente diagnosticada, têm uma maior sobrevida quando comparados aos que possuem doenças de base associada. Timerman et al. (2001) realizaram uma pesquisa em um hospital geral, analisando 536 pacientes que apresentaram parada cardiorrespiratória. Verificaram que 61,6% eram homens e 38,4% eram mulheres. A principal causa da parada cardiorrespiratória foi a insuficiência cardíaca (55%) e o ritmo cardíaco identificado com maior freqüência foi a assistolia (48,1%). Moreira et al. (2002) realizaram uma pesquisa em uma UTI, analisando 136 pacientes que apresentaram parada cardiorrespiratória. Verificaram que 67 eram homens e 69 eram mulheres. As principais causas da parada cardiorrespiratória foram o infarto agudo do miocárdio, isquemia ou arritmia cardíaca (20%) e o ritmo cardíaco identificado com maior freqüência foi a assistolia (15,4%). Observaram também que houve uma mortalidade significativamente maior no grupo da assistolia e menor no grupo de parada respiratória sem parada cardíaca. Bartholomay et al. (2003) realizaram uma pesquisa em um hospital geral, analisando 150 pacientes que apresentaram parada cardiorrespiratória. Verificaram que 60% eram homens e 40% eram mulheres. A principal causa da parada cardiorrespiratória foi a doença arterial coronariana (30,6%) e o ritmo cardíaco identificado com maior frequência foi a assistolia. Observaram também que a assistolia e atividade elétrica sem pulso apresentaram uma taxa de sucesso menor quando comparados com a fibrilação ou taquicardia ventricular sem pulso. Gomes et al. (2005) realizaram uma pesquisa em um hospital geral, analisando 452 pacientes que apresentaram parada cardiorrespiratória. Verificaram que 54,87% eram homens e 45,13% eram mulheres. A principal causa da parada cardiorrespiratória foi a doença cardiovascular (49,31%) e o ritmo cardíaco inicial identificado com maior freqüência foi a assistolia (41,71%). Cavalcante e Lopes (2005), realizaram uma pesquisa em uma Unidade Coronariana, analisando 30 pacientes que apresentaram parada cardiorrespiratória. Verificaram que 56,66% eram homens e 43,33% eram mulheres. A principal causa

8 540 da parada cardiorrespiratória foi respiratória (43%) e o ritmo cardíaco inicial identificado com maior frequência foi a atividade elétrica sem pulso (AESP) (37%). Segundo Vanheusden et al. (2007), a média de ocorrência para os ritmos iniciais em uma parada cardiorrespiratória é de 40% para fibrilação ventricular ou taquicardia ventricular sem pulso, 40% para assistolia e 20% para dissociação eletromecânica. Bertelli, Bueno e Sousa (1999), realizaram uma pesquisa em um pronto socorro, analisando 30 vítimas de trauma que apresentaram parada cardiorrespiratória e verificaram que a maioria era do sexo masculino. Um constante problema ético tanto para os profissionais da equipe de saúde quanto para os socorrista é saber decidir quando iniciar, manter ou desistir das manobras de reanimação cardiorrespiratória. Dessa forma, é necessário ter subsídios para predizer resultados, tornando mais segura a tomada de decisões. Essas decisões devem ser tomadas com base em conhecimento profissional e não de forma arbitrária, uma vez que podem causar questionamentos médico, legal, ético e social (BERTELLI; BUENO; SOUSA, 1999). De acordo com Moreira et al. (2002), o médico responsável é quem decide se deve ou não realizar a reanimação na vítima de parada cardiorrespiratória. Ele poderá se basear nos dados encontrados nas literaturas para optar pela realização ou não das manobras de reanimação cardiorrespiratória. Se houver dúvida sobre qual decisão tomar, deve-se optar pela reanimação. Reconhecer a sequência do atendimento, mantendo certo nível de tranquilidade para manter as manobras de ventilação e circulação, bem como reunir materiais e equipamentos necessários são condições indispensáveis. É recomendado que a equipe de Enfermagem seja treinada para saber manusear e ter domínio de todo o conteúdo existente no carro de emergência e que saiba executar as manobras de suporte básico de vida (ZANINI; NASCIMENTO; BARRA, 2006). CONSIDERAÇÕES FINAIS Notou-se que a parada cardiorrespiratória e consequentemente as manobras de ressuscitação cardiopulmonar tem sido cada vez mais frequentes no setor de urgência. Neste contexto, fica claro a importância de se realizar sempre treinamentos em ressuscitação cardiopulmonar, para que o atendimento seja realizado corretamente proporcionando uma melhoria na qualidade deste serviço. O conhecimento acerca das características dos pacientes que sofrem de parada cardiorrespiratória pode auxiliar os profissionais na ponderação da validade dos esforços originados pela ressuscitação cardiopulmonar. Os artigos mostraram que as publicações são recentes. Desta forma, a partir dos dados relacionados e discutidos nesse artigo, espera-se que outras pesquisas e idéias com enfoque em realização de manobras de ressuscitação cardiopulmonar bem como seus prognósticos sejam realizadas, tendo em vista que essa é uma modalidade de extrema importância para os profissionais da saúde, principalmente para o profissional Enfermeiro. REFERÊNCIAS

9 541 BARTHOLOMAY, E. et al. Impacto das Manobras de Reanimação Cardiorrespiratória Cerebral em um Hospital Geral. Fatores Prognósticos e Desfechos. Arq. Bras. Cardiol., São Paulo, v.81, n.2, ago Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s x &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 25 maio BERTELLI, A.; BUENO, M. R.; SOUSA, R. M. C. de. Estudo preliminar das relações entre duração da parada cardiorrespiratória e suas consequências nas vítimas de trauma. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v.33, n.2, jun Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 25 maio CAVALCANTE, T. de M. C.; LOPES, R. S. O atendimento à parada cardiorrespiratória em unidade coronariana segundo o Protocolo Utstein. Acta paul. enferm., São Paulo, v.19, n.1, mar Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 25 maio CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia científica: para uso dos estudantes universitários. São Paulo: McGraw-hill do Brasil, GOMES, A. M. de C. G. et al. Fatores prognósticos de sobrevida pós-reanimação cardiorrespiratória cerebral em hospital geral. Arq. Bras. Cardiol., São Paulo, v.85, n.4, out Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s x &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 25 maio MOREIRA, D. M. et al. Estudo retrospectivo de sobrevida de pacientes submetidos à reanimação cardiorrespiratória em Unidade de Tratamento Intensivo. Arq. Bras. Cardiol., São Paulo, v.78, n.6, jun Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s x &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 25 maio TIMERMAN, A. et al. Fatores Prognósticos dos Resultados de Ressuscitação Cardiopulmonar em um Hospital de Cardiologia. Arq. Bras. Cardiol., São Paulo, v.77, n.2, ago Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s x &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 25 maio VANHEUSDEN, L. M. S. et al. Conceito fase-dependente na ressuscitação cardiopulmonar. Revista da SOCERJ, Rio de Janeiro, v.20, n.1, fev Disponível em: <http://sociedades.cardiol.br/socerj/revista/2007_01/a2007_v20_n01_art09.pdf>. Acesso em: 25 maio 2010.

10 542 ZANINI, J.; NASCIMENTO, E. R. P. do; BARRA, D. C. C. Parada e reanimação cardiorrespiratória: conhecimentos da equipe de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva. Rev. bras. ter. intensiva, São Paulo, v.18, n.2, jun Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s x &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 25 maio 2010.

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Enf: Karin Scheffel Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Atendimento inicial suporte básico (BLS) ou suporte primário Atendimento avançado ACLS (Circulation. 2010;122[suppl 3]:S787 S817.) http://circ.ahajournals.org/content/122/18_suppl_3/s787.full

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI

PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI PARECER COREN-SP CT 037/2013 PRCI nº 100.547 Tickets nº 280.023, 280.980, 281.285, 281.909, 284.347, 284.740, 285.789, 288.464, 291.884, 295.419, 297.886. Ementa: Carro de emergência: composição, responsabilidade

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisioterapia em Terapia Intensiva Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisioterapia em Terapia Intensiva Trabalho de Conclusão de Curso RAFAELA DA SILVA LIMA Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisioterapia em Terapia Intensiva Trabalho de Conclusão de Curso REFLEXÃO ACERCA DOS EFEITOS SINTOMATOLÓGICOS NOS PACIENTES

Leia mais

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E A FUNÇÃO DO ENFERMEIRO NESTE ATENDIMENTO

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E A FUNÇÃO DO ENFERMEIRO NESTE ATENDIMENTO PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E A FUNÇÃO DO ENFERMEIRO NESTE ATENDIMENTO Autora: Aline D Eliz Schroeder Orientador: Profº Ms. André Luiz Hoffmann RESUMO Este artigo tem por objetivo realizar através da revisão

Leia mais

Faculdade Redentor. Curso de Pós-Graduação em Urgência e Emergência

Faculdade Redentor. Curso de Pós-Graduação em Urgência e Emergência Faculdade Redentor Curso de Pós-Graduação em Urgência e Emergência Parada Cardiorrespiratória e a Atuação do Enfermeiro no Atendimento Intra-Hospitalar Autores: Ana Carolina Lili de Oliveira Profª. Msc.

Leia mais

A Parada cardiorespiratória em assistolia

A Parada cardiorespiratória em assistolia CAPÍTULO 142 A Parada cardiorespiratória em assistolia Paulo Cézar Medauar Reis * Introdução A isquemia do miocárdio secundária a degeneração arterioesclerótica das artérias coronárias é das doenças mais

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA REANIMAÇÃO CÁRDIO RESPIRATÓRIA NO ADULTO Enf. KEYLA CRISTIANE DO NASCIMENTO Dr. MARIO COUTINHO GRAU DE URGÊNCIA A Parada Cárdio-Respiratória (PCR) é uma urgência

Leia mais

Faculdade Redentor. Curso de Pós-Graduação em Urgência e Emergência. Atuação do Enfermeiro a Frente a Parada Cardiorrespiratória Intra-Hospitalar

Faculdade Redentor. Curso de Pós-Graduação em Urgência e Emergência. Atuação do Enfermeiro a Frente a Parada Cardiorrespiratória Intra-Hospitalar Faculdade Redentor Curso de Pós-Graduação em Urgência e Emergência Atuação do Enfermeiro a Frente a Parada Cardiorrespiratória Intra-Hospitalar Autores: Angelita Monsores Corrêa Prof. Msc. Ivanete da R.

Leia mais

Tipo de PCR Fibrilação Ventricular Desfibrilação Princípios da Desfibrilação Precoce Tipos de Desfibrilador

Tipo de PCR Fibrilação Ventricular Desfibrilação Princípios da Desfibrilação Precoce Tipos de Desfibrilador Qual a importância do Desfibrilador Externo Automático (DEA) em praias e balneários e especialmente em casos de afogamento? (versão datada de 24/03/2013) Aprovado pela Diretoria da Sociedade Brasileira

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA

CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA Profª Msc. Andreia Coutinho Profº Dr. Christian Negeliskii CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA Objetivos: - Reconhecer uma PCR;

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR)

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) 1 - OBJETIVO Este protocolo tem por objetivo padronizar o atendimento à parada cardiorrespiratória (PCR), para um atendimento rápido e organizado,

Leia mais

Conduta de Enfermagem frente ao paciente em Parada Cardiorrespiratória-PCR 1

Conduta de Enfermagem frente ao paciente em Parada Cardiorrespiratória-PCR 1 1 Conduta de Enfermagem frente ao paciente em Parada Cardiorrespiratória-PCR 1 Nursing Practice in front of the patient Cardiopulmonary Resuscitation-PCR Práctica de Enfermería frente a la reanimación

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO:COMPLICAÇÕES E CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO

REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO:COMPLICAÇÕES E CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO:COMPLICAÇÕES E CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO Sara Priscila Constantino de Castro. UNIFACEX. E-mail: sarapryscyla@hotmail.com Ana Elza Oliveira de Mendonça.

Leia mais

Curso de Emergências Cardiorespiratórias

Curso de Emergências Cardiorespiratórias SBC Salvando Vidas Curso de Emergências Cardiorespiratórias A SBC é uma instituição que está habilitada pela American Heart Association (AHA) - importante entidade americana na área de doenças cardiológicas

Leia mais

Tomada de decisão do enfermeiro frente a uma parada cardiorrespiratória

Tomada de decisão do enfermeiro frente a uma parada cardiorrespiratória Tomada de decisão do enfermeiro frente a uma parada cardiorrespiratória Fábia Elaine da Silva Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Maria Cristina Sanna Docente do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO - ES

CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO - ES 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO - ES Alice Soares Lugon Alicesl_5@hotmail.com Acadêmica de enfermagem 7º período do Centro Universitário São Camilo-ES Vanessa Ap.Mendes dos Santos Vanessa_mendes2015@hotmail.com

Leia mais

Hugo Fragoso Estevam

Hugo Fragoso Estevam Hugo Fragoso Estevam PALS Suporte Avançado de Vida Pediátrico Objetivos 1. Entender as diferenças de manifestação das causas de parada cardiorrespiratória nas crianças em relação aos adultos. 2. Compreender

Leia mais

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA: CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DO CORPO DE BOMBEIROS NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA: CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DO CORPO DE BOMBEIROS NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR artigo - article PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA: CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DO CORPO DE BOMBEIROS NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR CARDIORESPIRATORY ARREST: PROFESSIONAL KNOWLEDGE OF THE FIRE DEPARTMENT IN

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 26/2013 CT PRCI n 100.501 e Ticket n 277.654, 284.557, 287.513, 290.344, 295.869.

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 26/2013 CT PRCI n 100.501 e Ticket n 277.654, 284.557, 287.513, 290.344, 295.869. PARECER COREN-SP 26/2013 CT PRCI n 100.501 e Ticket n 277.654, 284.557, 287.513, 290.344, 295.869. Ementa: Cardioversão, Desfibrilação e Uso do DEA 1. Do fato Questiona-se quanto à permissão do Enfermeiro

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita Arritmias Cardíacas e Morte Súbita SOBRAC Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas www.sobrac.org (Marco Paulo Tomaz Barbosa) Qual o órgão mais importante do corpo humano? Claro que EU sou o mais Importante!!!

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS PARA TRABALHADORES DE MANUTENÇÃO ELÉTRICA COM ÊNFASE EM REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR: UMA DISCUSSÃO. RESUMO

PRIMEIROS SOCORROS PARA TRABALHADORES DE MANUTENÇÃO ELÉTRICA COM ÊNFASE EM REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR: UMA DISCUSSÃO. RESUMO PRIMEIROS SOCORROS PARA TRABALHADORES DE MANUTENÇÃO ELÉTRICA COM ÊNFASE EM REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR: UMA DISCUSSÃO. Maria Luiza Guzzo Vist 1 Telma Picheth 2 RESUMO O artigo avalia o modelo de ensino de

Leia mais

MARIA WILSA CABRAL RODRIGUES OLIBONI UNINOVE Universidade Nove de Julho wilsa.cabral@ig.com.br. REED ELLIOT NELSON renelson@siu.

MARIA WILSA CABRAL RODRIGUES OLIBONI UNINOVE Universidade Nove de Julho wilsa.cabral@ig.com.br. REED ELLIOT NELSON renelson@siu. PROPOSTA DE PROGRAMA DE TREINAMENTO TEÓRICO PRÁTICO RELACIONADO À DISPOSIÇÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DO CARRO DE EMERGÊNCIA PARA OS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM MARIA WILSA CABRAL RODRIGUES OLIBONI

Leia mais

TÍTULO: ALTERACOES CARDIACAS EM DEPENDENTES QUIMICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

TÍTULO: ALTERACOES CARDIACAS EM DEPENDENTES QUIMICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM TÍTULO: ALTERACOES CARDIACAS EM DEPENDENTES QUIMICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE BAURU AUTOR(ES): ELAINE CORREA MARCILIANO,

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PÓS- CIRURGIA CARDÍACA

OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PÓS- CIRURGIA CARDÍACA OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PÓS- CIRURGIA CARDÍACA Vanessa Mota Lins Eder Rodrigues Machado RESUMO: Introdução: Trata-se de um estudo que sintetizou o conhecimento produzido acerca

Leia mais

CURSOS DE EXTENSÃO FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE

CURSOS DE EXTENSÃO FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE CURSOS DE EXTENSÃO FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE AGOSTO 2011 Conheça um pouco mais sobre nossos cursos de extensão SUMÁRIO Curso de Primeiros Socorros Modulo 1...3 Os Fundamentos da Ética Contemporânea...5

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ACADÊMICOS DE MEDICINA NO SAMU

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ACADÊMICOS DE MEDICINA NO SAMU RELATO DE EXPERIÊNCIA: ACADÊMICOS DE MEDICINA NO SAMU MESQUITA, Juliana Nóbrega 1 ; ALCANTARA, Thales Lino Fernandes 1 ; ALMEIDA, Renata Miranda de 1 ; BORGES, Walter Costa 1 ; COSAC, Diego Chedraoui 1

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS ASHI

PRIMEIROS SOCORROS ASHI PRIMEIROS SOCORROS ASHI Alteração de Protocolo A American Heart Association é uma entidade americana responsável por grande parte dos protocolos de primeiros socorros e emergências médicas que são utilizados

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Pós graduação Lato Sensu Curso de especialização em medicina interna. Manual de Pós-Graduação

Pós graduação Lato Sensu Curso de especialização em medicina interna. Manual de Pós-Graduação Pós graduação Lato Sensu Curso de especialização em medicina interna Manual de Pós-Graduação CARACTERIZAÇÃO DO CURSO Desde 2014 INSTITUIÇÕES Instituto ID Or- Hospital Quinta D Or (HQD) ENDEREÇO HOSPITAL

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS www.emergenciasclinicas.com.br HISTÓRICO DO EVENTO Em virtude da carência no ensino de urgências e emergências em algumas Faculdades de Medicina de

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA Número da Ação (Para

Leia mais

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: A angioplastia

Leia mais

TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS: CONTRIBUIÇÃO DO IDOSO

TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS: CONTRIBUIÇÃO DO IDOSO Área temática: Qualidade de vida, envelhecimento ativo e bem sucedido. TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS: CONTRIBUIÇÃO DO IDOSO Ana Elza O. Mendonça 1 ; Izaura Luzia Silvério Freire 2 ; Gilson de Vasconcelos Torres

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Dra. Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo Setembro/2006 Guidelines 1980 National Institutes of Health 1984 American

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:

Leia mais

CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS

CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS 1. Introdução Pela Organização Mundial de Saúde, catástrofe é um fenômeno ecológico súbito de magnitude suficiente para necessitar de ajuda externa.

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Curso de Extensão ASSISTÊNCIA AO PACIENTE GRAVE PARA TÉCNICOS EM ENFERMAGEM PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Docentes: Thiago Christel Truppel, Adriano Yoshio Shimbo, Giulianno Tkaczuk de Souza, Cleberson Ribeiro

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: As doenças cardiovasculares

Leia mais

Reconhecimento da parada cardiorrespiratória em adultos: nível de conhecimento dos enfermeiros de um pronto-socorro municipal da cidade de São Paulo

Reconhecimento da parada cardiorrespiratória em adultos: nível de conhecimento dos enfermeiros de um pronto-socorro municipal da cidade de São Paulo Rev Inst Ciênc Saúde 2008;26(2):183-90 Reconhecimento da parada cardiorrespiratória em adultos: nível de conhecimento dos enfermeiros de um pronto-socorro municipal da cidade de São Paulo Recognition of

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

Dr. Fernando Ganem Doutor pela Faculdade de Medicina da USP Diretor do Serviço de Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libanês

Dr. Fernando Ganem Doutor pela Faculdade de Medicina da USP Diretor do Serviço de Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libanês Coordenação Dr. Fernando Ganem Doutor pela Faculdade de Medicina da USP Diretor do Serviço de Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libanês Prof. Dr. Augusto Scalabrini Neto Professor Associado pela Faculdade

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 026/CT/2015/PT Assunto: Atendimento pré-hospitalar de provável óbito pelo técnico de enfermagem orientador pelo médico regulador. I - Do Fato Trata-se de expediente encaminhado ao Coren/SC,

Leia mais

Conhecimento de acadêmicos de Enfermagem frente à parada cardiorrespiratória. Knowledge of nursing students face to cardiorespiratory arrest

Conhecimento de acadêmicos de Enfermagem frente à parada cardiorrespiratória. Knowledge of nursing students face to cardiorespiratory arrest 85 Conhecimento de acadêmicos de Enfermagem frente à parada cardiorrespiratória Knowledge of nursing students face to cardiorespiratory arrest Juliana Araújo Pereira Gomes 1 Márcia Ribeiro Braz 2 Artigo

Leia mais

Descritores: Parada Cardíaca. Enfermagem. Ressuscitação Cardiopulmonar.

Descritores: Parada Cardíaca. Enfermagem. Ressuscitação Cardiopulmonar. O ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM EM CASOS DE PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) Maria Isabel Silva Guilherme 1 Cazio Ermans Florêncio do Vale Oliveira 2 Auricélia Reges de Melo da Silva 3 Maria de Fátima Rodrigues

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA: PRINCIPAIS DESAFIOS VIVENCIADOS PELA ENFERMAGEM NO SERVIÇO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA: PRINCIPAIS DESAFIOS VIVENCIADOS PELA ENFERMAGEM NO SERVIÇO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA artigo - article PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA: PRINCIPAIS DESAFIOS VIVENCIADOS PELA ENFERMAGEM NO SERVIÇO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA CARDIOPULMONARY ARREST: KEY CHALLENGES EXPERIENCED BY NURSES IN THE EMERGENCY

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA DE EMERGÊNCIA

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA DE EMERGÊNCIA 1 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA DE EMERGÊNCIA Introdução O Brasil é um país com grandes diferenças sociais e com uma população majoritariamente usuária do Sistema Único de Saúde (SUS). Garantir acesso

Leia mais

Centro de Treinamento Internacional Autorizado American Safety & Health Institute CNPJ: 11.697.949/0001-09

Centro de Treinamento Internacional Autorizado American Safety & Health Institute CNPJ: 11.697.949/0001-09 Centro de Treinamento Internacional Autorizado American Safety & Health Institute CNPJ: 11.697.949/0001-09 A EMPRESA A RIO EMERGÊNCIA treinamentos trata-se de uma empresa educacional, voltada ao ensino

Leia mais

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.)

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.) CONCEITO: PRC OMS: é o somatório das atividades necessárias para garantir aos pacientes portadores de cardiopatia as melhores condições física, mental e social, de forma que eles consigam, pelo seu próprio

Leia mais

PARADA CARDIORESPIRATÓRIA: IMPLICAÇÕES E INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM

PARADA CARDIORESPIRATÓRIA: IMPLICAÇÕES E INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM PARADA CARDIORESPIRATÓRIA: IMPLICAÇÕES E INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM Lívia Ramos Coelho 1 Prof. Fabiano Júlio Silva 2 RESUMO Através de uma revisão bibliográfica que contou com a consulta de vários autores

Leia mais

PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA

PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA PROGRAMA IV BRASIL PREVENT & II LATIN AMERICAN PREVENT DATA: 05 A 07 DEZEMBRO 2013 BAHIA OTHON PALACE HOTEL SALVADOR BAHIA Sábado 07 de Dezembro de 2013 09:00 10:30 Sessão 4 Novas Estratégias Para Prevenção

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS Ericeira, 11 de Fevereiro 2011 DEFINIÇÃO De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação Cardíaca é um conjunto De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação

Leia mais

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS Prof. Humberto Villacorta Arritmias Cardíacas Ritmo Sinusal, taquicardia e bradicardia sinusais Bradiarritmias Extra-sístoles

Leia mais

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa ELABORADORES Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral Robson Batista Coordenação Administrativa Fabrícia Passos Pinto Coordenação de Enfermagem José Luiz Oliveira Araújo Júnior Coordenador Médico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados

Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados Palpitações Arritmias Síncope Fibrilação atrial Sintomas, causas, cuidados - O que são palpitações cardíacas? A palpitação ocorre quando passamos a perceber os batimentos cardíacos ECG demonstrando batimento

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

Especialização Profissional Técnica de Nível Médio

Especialização Profissional Técnica de Nível Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Especialização Profissional Técnica de Nível Médio Etec: Paulino Botelho Código: 091 Municipio: São Carlos Eixo Tecnológico: AMBIENTE e SAÚDE Habilitação Profissional: Habilitação

Leia mais

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica Programa de Pós-Graduação 2014 Caracterização do curso: Instituições: Instituto D Or de Pesquisa e

Leia mais

Curso de Pós-Graduação

Curso de Pós-Graduação Curso de Pós-Graduação ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA APRESENTAÇÃO DO CURSO A terapia intensiva apresenta-se como área de atuação de alta complexidade

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Autores: Ilse Maria Tigre de Arruda Leitão, Sherida Kananini Paz de Oliveira, Roberta Meneses Oliveira, Nayane Silva Mendes, Renata

Leia mais

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I XXII CONGRESSO NACIONAL DO DEPARTAMENTO DE ERGOMETRIA, EXERCÍCIO, REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR, CARDIOLOGIA NUCLEAR E CARDIOLOGIA DO ESPORTE. PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA QUINTA-FEIRA 29 DE OUTUBRO DE 2015 07:30H

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA (ECG) Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo

Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA (ECG) Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA () Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo FLUXO DE CORRENTE NO TÓRAX Traçado típico de um normal 1 mv 0,20 s DERIVAÇÕES

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO TÉCNICO-CIENTÍFICO DO ENFERMEIRO SOBRE AS NOVAS DIRETRIZES DE REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR

NÍVEL DE CONHECIMENTO TÉCNICO-CIENTÍFICO DO ENFERMEIRO SOBRE AS NOVAS DIRETRIZES DE REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR Rev Cien Escol Estad Saud Publ Cândido Santiago-RESAP. 2015; 1(1):13 13-32 ISSN: 13 NÍVEL DE CONHECIMENTO TÉCNICO-CIENTÍFICO DO ENFERMEIRO SOBRE AS NOVAS DIRETRIZES DE REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR LEVEL OF

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

JURANDIR DAS GRAÇAS WERBETH DE PAULA LIMA ANA LÚCIA DE ANDRADE ORIENTADORA

JURANDIR DAS GRAÇAS WERBETH DE PAULA LIMA ANA LÚCIA DE ANDRADE ORIENTADORA UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARBACENA FASAB CURSO DE ENFERMAGEM JURANDIR DAS GRAÇAS WERBETH DE PAULA LIMA ANA LÚCIA DE ANDRADE ORIENTADORA ATRIBUIÇÕES

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Perfil e Conhecimento Teórico de Médicos e Enfermeiros em Parada Cardiorrespiratória, município de Rio Branco, AC

Perfil e Conhecimento Teórico de Médicos e Enfermeiros em Parada Cardiorrespiratória, município de Rio Branco, AC Artigo Original 3 Perfil e Conhecimento Teórico de Médicos e Enfermeiros em Parada Cardiorrespiratória, município de Rio Branco, AC Profile and Theoretical Knowledge of Cardiopulmonary Arrest among Physicians

Leia mais

Introdução SUCESSO vs. TEMPO

Introdução SUCESSO vs. TEMPO Pedro Bettencourt Formador de Socorrismo; Formação em Gestão de Catástrofes; Membro E.E.R.T. (Equipa de resposta e Intervenção de Urgência da CEDEAO); Formação em Sistemas de Comunicação ( Utilização do

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

O presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria encaminha ao Conselho

O presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria encaminha ao Conselho PARECER CFM nº 6/14 INTERESSADO: Sociedade Brasileira de Pediatria ASSUNTO: Participação de enfermeiros nos cursos Pals - Ressuscitação Pediátrica e de Adultos RELATOR: Cons. José Fernando Vinagre EMENTA:

Leia mais

Máscara Laríngea. Utilização por Enfermeiros em Situação de Paragem Cardiorrespiratória

Máscara Laríngea. Utilização por Enfermeiros em Situação de Paragem Cardiorrespiratória Máscara Laríngea Utilização por Enfermeiros em Situação de Paragem Cardiorrespiratória Máscara Laringea Objectivos: Demonstrar os benefícios da utilização de mascara laríngea pelos enfermeiros num contexto

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

7 Módulo suporte básico de vida e primeiros socorros

7 Módulo suporte básico de vida e primeiros socorros 7 Módulo suporte básico de vida e primeiros socorros Cristina Malzoni Ferreira Mângia Anelise Del Vecchio Gessullo Gisele Limongeli Gurgueira Rita Simone Lopes SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros

Leia mais

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR Maria de Fátima Leandro Marques¹; Suely Aragão Azevêdo Viana² ¹ Bióloga do Centro de Assistência Toxicológico do Hospital

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2013

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2013 14870896 ANA CATARINA DE JESUS RIBEIRO Não colocada 14583084 ANA CATARINA DA ROCHA DIAS Não colocada 14922639 ANA CATARINA SOARES COUTO Colocada em 7230 Instituto Politécnico do Porto - Escola Superior

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais