Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS"

Transcrição

1 Ministério da Saúde Sistema Único de Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Grupo: 03 PROCEDIMENTOS CLINICOS SubGrupo: 01 CONSULTAS / ATENDIMENTOS / ACOMPANHAMENTOS Forma de Organização: 01 CONSULTAS MEDICAS/OUTROS PROFISSIONAIS DE NIVEL SUPERIOR CONSULTA AO PACIENTE CURADO DE TUBERCULOSE (TRATAMENTO SUPERVISIONADO) CONSISTE NO ATENDIMENTO 03(TRES) VEZES POR SEMANA NA PRIMEIRA FASE E 02(DUAS) VEZES POR SEMANA NA SEGUNDA FASE. Origem: A , A Complexidade: AB ATENCAO BASICA Valor Ambulatorial SA: AB ATENCAO BASICA Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , , , , , 2235C1, 2235C2 Serviço / Classificação: 111 / 001 Origem: A CONSULTA C/ IDENTIFICACAO DE CASOS NOVOS DE TUBERCULOSE CONSISTE NO ATO DA IDENTIFICACAO DE UM NOVO CASO DE TUBERCULOSE, CONFIRMADO PREFERENCIALMENTE POR MEIO BACTERIOLOGICO, COM REGISTRO NO SINAN. Complexidade: AB ATENCAO BASICA Valor Ambulatorial SA: AB ATENCAO BASICA Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , , , , , 2235C1, 2235C2 Data: 07/11/2007 Página: 1

2 CONSULTA DE PROFISSIONAIS DE NIVEL SUPERIOR NA ATENCAO BASICA Origem: A , A , A , A , A Complexidade: AB ATENCAO BASICA Valor Ambulatorial SA: AB ATENCAO BASICA Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , , 2235C1, 2235C CONSULTA DE PROFISSIONAIS DE NIVEL SUPERIOR NA ATENCAO ESPECIALIZADA Origem: A , A , A , A , A , A , A , A / HOSPITALAR / HOSPITAL DIA Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: 6,00 6,00 MAC MEDIA E ALTA COMPLEXIDADE Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) / AIH (PROC. SECUNDARIO) CBO: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , Origem: A CONSULTA MEDICA AO ACIDENTADO DO TRABALHO CONSULTA MEDICA ESPECIALIZADA EM MEDICINA DO TRABALHO, INCLUINDO HISTORIA OCUPACIONAL E ANALISE CLINICA. Data: 07/11/2007 Página: 2

3 Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: 1 Idade Min.: 14 1 Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: MAC MEDIA E ALTA COMPLEXIDADE CONSULTA MEDICA EM ATENCAO BASICA Origem: A , A , A , A , A , A , A , A Complexidade: AB ATENCAO BASICA Valor Ambulatorial SA: AB ATENCAO BASICA Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , , , CONSULTA MEDICA EM ATENCAO ESPECIALIZADA Origem: A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , A , H , H Data: 07/11/2007 Página: 3

4 / HOSPITALAR / HOSPITAL DIA Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: 1 1 MAC MEDIA E ALTA COMPLEXIDADE Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) / AIH (PROC. SECUNDARIO) CBO: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , CONSULTA P/ ACOMPANHAMENTO DE CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO (PUERICULTURA) Complexidade: AB ATENCAO BASICA Valor Ambulatorial SA: Idade Máx.: 13 AB ATENCAO BASICA Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , , , 2235C1, 2235C2 Origem: A CONSULTA P/ AVALIACAO CLINICA DO FUMANTE Data: 07/11/2007 Página: 4

5 Complexidade: AB ATENCAO BASICA Valor Ambulatorial SA: Idade Min.: 10 AB ATENCAO BASICA Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , , , , , , 2235C1, 2235C2 Serviço / Classificação: 119 / CONSULTA PARA DIAGNOSTICO/AVALIACAO DE GLAUCOMA(GONIOSCOPIA, TONOMETRIA E CAMPIMETRIA) CONSISTE NA CONSULTA OFTALMOLOGICA COM REALIZACAO DOS EXAMES DE GONIOSCOPIA, TONOMETRIA E CAMPIMETRIA. Origem: A , H Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: 21,63 21,63 Instr. Registro: BPA (INDIVIDUALIZADO) CBO: Serviço / Classificação: 131 / 001 FAEC FUNDO DE ACOES ESTRATEGICAS E COMPENSACOES CONSULTA PRENATAL INCLUI A AVALIACAO DO ESTADO GERAL DA GESTANTE, DE PROGRESSAO DO ESTADO GESTACIONAL E DE AVALIACAO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL. Origem: A , A Data: 07/11/2007 Página: 5

6 Complexidade: AB ATENCAO BASICA Valor Ambulatorial SA: Idade Min.: 10 Idade Máx.: 49 Sexo: F AB ATENCAO BASICA Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , , , , 2235C1, 2235C CONSULTA PUERPERAL Origem: A , A Complexidade: AB ATENCAO BASICA Valor Ambulatorial SA: Idade Min.: 10 Idade Máx.: 49 Sexo: F AB ATENCAO BASICA Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , , , , 2235C1, 2235C CONSULTA/ATENDIMENTO DOMICILIAR NA ATENCAO BASICA COMPREENDE TODOS OS ATOS EXECUTADOS DUARANTE A VISITA DO PROFISSIONAL. Origem: A , A , A , A , A Data: 07/11/2007 Página: 6

7 Modalidade: ASSIST. DOMICILIAR Complexidade: AB ATENCAO BASICA Valor Ambulatorial SA: AB ATENCAO BASICA Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , , , , 2232B1, , , , 2235C1, , , Origem: H Modalidade: HOSPITALAR PRIMEIRA CONSULTA DE PEDIATRIA AO RECEM NASCIDO Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: Idade Máx.: Instr. Registro: AIH (PROC. ESPECIAL) CBO: Origem: A MAC MEDIA E ALTA COMPLEXIDADE PRIMEIRA CONSULTA ODONTOLOGICA PROGRAMATICA AVALIACAO DAS CONDICOES GERAIS DE SAUDE E REALIZACAO DE EXAME CLINICO ODONTOLOGICO COM FINALIDADE DE DIAGNOSTICO E, NECESSARIAMENTE, ELABORACAO DE UM PLANO PREVENTIVO TERAPEUTICO. IMPLICA REGISTRO DAS INFORMACOES EM PRONTUARIO. RECOMENDASE 01 (UMA) CONSULTA/ANO POR PESSOA. Data: 07/11/2007 Página: 7

8 Complexidade: AB ATENCAO BASICA Valor Ambulatorial SA: AB ATENCAO BASICA Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , , 2232B1 Forma de Organização: Origem: A ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO EM SAUDE DO TRABALHADOR ACOMPANHAMENTO DE PACIENTE PORTADOR DE AGRAVOS RELACIONADOS AO TRABALHO Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: Idade Min.: 14 INCENTIVO MAC Instr. Registro: BPA (INDIVIDUALIZADO) CBO: , , , , , , , , , , , Serviço / Classificação: 108 / ACOMPANHAMENTO DE PACIENTE PORTADOR DE SEQUELAS RELACIONADAS AO TRABALHO ATENDIMENTO REALIZADO POR EQUIPE MULTIDISCIPLINAR Origem: A , A Data: 07/11/2007 Página: 8

9 Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: Idade Min.: 14 INCENTIVO MAC Instr. Registro: BPA (INDIVIDUALIZADO) CBO: , , , , , , , , , , , Serviço / Classificação: 108 / EMISSAO DE PARECER SOBRE NEXO CAUSAL Origem: A , A Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: 7,26 Idade Min.: 16 7,26 Instr. Registro: BPA (INDIVIDUALIZADO) 01 CBO: , , Forma de Organização: MAC MEDIA E ALTA COMPLEXIDADE 03 ATENDIMENTO PREHOSPITALAR DE URGENCIA ATENDIMENTO A CHAMADAS RECEBIDAS PELO SAMU 192 CORRESPONDE A TODOS OS CHAMADOS ATENDIDOS PELOS TELEFONISTAS AUXILIARES DE REGULACAO MEDICA DA CENTRAL SAMU 192 Data: 07/11/2007 Página: 9

10 Complexidade: NAO SE APLICA Valor Ambulatorial SA: INCENTIVO MAC Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) ATENDIMENTO PREHOSPITALAR MOVEL (VEICULO DE INTERVENCAO RAPIDA) ATENDIMENTO REALIZADO POR VEICULO LEVE QUE PERMITE LEVAR MEDICO E EQUIPAMENTOS PARA SUPORTE A AMBULANCIAS DO TIPO A, B, C E F. Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , Serviço / Classificação: 103 / 006 MAC MEDIA E ALTA COMPLEXIDADE ATENDIMENTO PREHOSPITALAR MOVEL SAMU 192: SUPORTE AVANCADO DE VIDA REALIZADO POR AVIAO (AMBULANCIA TIPO E) ATENDIMENTO PRESTADO EM AERONAVES DE ASA FIXA POR MEDICOS E ENFERMEIROS, PREVIAMENTE HABILITADOS PARA PRESTAR ATENDIMENTO NO LOCAL DO EVENTO OU NA UNIDADE MOVEL EQUIPADA PARA SOCORRO DE MAIOR COMPLEXIDADE, COMO PUNCAO OU DISSECCAO VENOSA, BLOQUEIO ANESTESICO, ADMINISTRACAO PARENTERAL DE LIQUIDOS E MEDICAMENTOS, TAMPONAMENTO NASAL, RETIRADA DE CORPO ESTRANHO EM FARINGE OU LARINGE, INTUBACAO ORO NASOTRAQUEAL, CRICOTIREOIDOSTOMIA, DRENAGEM TORACICA, RESSUSCITACAO CARDIORESPIRATORIA, DESFIBRILACAO E OUTROS QUE SE FACAM NECESSARIOS E PARA OS QUAIS A EQUIPE ESTEJA TREINADA E EQUIPADA Data: 07/11/2007 Página: 10

11 Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: INCENTIVO MAC Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , , Serviço / Classificação: 103 / ATENDIMENTO PREHOSPITALAR MOVEL SAMU 192: SUPORTE AVANCADO DE VIDA REALIZADO POR HELICOPTERO (AMBULANCIA TIPO E) ATENDIMENTO PRESTADO EM AERONAVES DE ASA ROTATIVA POR MEDICOS E ENFERMEIROS, PREVIAMENTE HABILITADOS PARA PRESTAR ATENDIMENTO NO LOCAL DO EVENTO OU NA UNIDADE MOVEL EQUIPADA PARA SOCORRO DE MAIOR COMPLEXIDADE, COMO PUNCAO OU DISSECCAO VENOSA, BLOQUEIO ANESTESICO, ADMINISTRACAO PARENTERAL DE LIQUIDOS E MEDICAMENTOS, TAMPONAMENTO NASAL, RETIRADA DE CORPO ESTRANHO EM FARINGE OU LARINGE, INTUBACAO ORO NASOTRAQUEAL, CRICOTIREOIDOSTOMIA, DRENAGEM TORACICA, RESSUSCITACAO CARDIORESPIRATORIA, DESFIBRILACAO E OUTROS QUE SE FACAM NECESSARIOS E PARA OS QUAIS A EQUIPE ESTEJA TREINADA E EQUIPADA. Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: INCENTIVO MAC Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , , Serviço / Classificação: 103 / 003, 103 / ATENDIMENTO PREHOSPITALAR MOVEL SAMU 192: SUPORTE BASICO DE VIDA REALIZADO POR EMBARCACAO (AMBULANCIA TIPO F) ATENDIMENTO PRESTADO EM EMBARCACOES POR AUXILIARES/TECNICOS DE ENFERMAGEM, PREVIAMENTE HABILITADOS PARA OBSERVAR E RELATAR SINAIS VITAIS E SINTOMAS E, SOB PRESCRICAO DO MEDICO REGULADOR, APLICAR TRATAMENTOS E/OU MEDICAMENTOS, ALEM DE QUANDO NECESSARIO, PRESTAR PRIMEIROS SOCORROS, COMO DESOBSTRUCAO Data: 07/11/2007 Página: 11

12 DE VIAS AEREAS SUPERIORES (MANUAL E/OU COM ASPIRADOR) Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: INCENTIVO MAC Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , Serviço / Classificação: 103 / 002, 103 / 005 Origem: A ATENDIMENTO PREHOSPITALAR MOVEL DE SALVAMENTO E RESGATE SALVAMENTO, RESGATE E SUPORTE BASICO DE VIDA PRESTADO POR PROFISSIONAIS DE SEGURANCA E/OU BOMBEIROS MILITARES, RECONHECIDAMENTE HABILITADOS PARA RESGATE E SALVAMENTO DE VITIMAS EM SITUACAO DE RISCO E/OU DIFICIL ACESSO, ALEM DE PRESTAR PRIMEIROS SOCORROS, COMO DESOBSTRUCAO DE VIAS AEREAS SUPERIORES (MANUAL E/OU COM ASPIRADOR) Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: 19,81 19,81 Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) MAC MEDIA E ALTA COMPLEXIDADE CBO: , , , , Serviço / Classificação: 103 / ATENDIMENTO PREHOSPITALAR MOVEL DE SALVAMENTO E RESGATE MEDICALIZADO SUPORTE AVANCADO DE VIDA PRESTADO POR MEDICOS E ENFERMEIROS PROFISSIONAIS DE SEGURANCA E/OU BOMBEIROS MILITARES, RECONHECIDAMENTE HABILITADOS PARA RESGATE E SALVAMENTO DE VITIMAS EM SITUACAO DE RISCO E/OU DIFICIL ACESSO: COMPREENDE O ATENDIMENTO PRESTADO POR EQUIPE DE SALVAMENTO E RESGATE COMPOSTA POR MEDICO E ENFERMEIRO, NO LOCAL DO EVENTO OU NA UNIDADE MOVEL EQUIPADA PARA Data: 07/11/2007 Página: 12

13 Origem: A SOCORRO DE MAIOR COMPLEXIDADE, COMO PUNCAO OU DISSECCAO VENOSA, BLOQUEIO ANESTESICO, ADMINISTRACAO PARENTERAL DE LIQUIDOS E MEDICAMENTOS, TAMPONAMENTO NASAL, RETIRADA DE CORPO ESTRANHO EM FARINGE OU LARINGE, INTUBACAO ORO NASOTRAQUEAL, CRICOTIREOIDOSTOMIA, DRENAGEM TORACICA, RESSUSCITACAO CARDIORESPIRATORIA, DESFIBRILACAO E OUTROS QUE SE FACAM NECESSARIOS E PARA OS QUAIS A EQUIPE ESTEJA TREINADA E EQUIPADA. Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: 29,73 29,73 Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) MAC MEDIA E ALTA COMPLEXIDADE CBO: , , , , Serviço / Classificação: 103 / ATENDIMENTO PREHOSPITALAR MOVEL PELO SAMU 192: SALVAMENTO E RESGATE (AMBULANCIA TIPO C) SALVAMENTO, RESGATE E SUPORTE BASICO DE VIDA PRESTADO PELO SAMU 192 PARA RESGATE E SALVAMENTO DE USUARIOS EM SITUACAO DE RISCO E/OU DIFICIL ACESSO, ALEM DE PRESTAR PRIMEIROS SOCORROS, COMO DESOBSTRUCAO DE VIAS AEREAS SUPERIORES (MANUAL E/OU COM ASPIRADOR) Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: INCENTIVO MAC Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , Serviço / Classificação: 103 / ATENDIMENTO PREHOSPITALAR MOVEL PELO SAMU 192: SUPORTE AVANCADO DE VIDA REALIZADO POR ATENDIMENTO PRESTADO POR MEDICOS E ENFERMEIROS, Data: 07/11/2007 Página: 13

14 AMBULANCIA TIPO D PREVIAMENTE HABILITADOS PARA PRESTAR ATENDIMENTO NO LOCAL DO EVENTO OU NA UNIDADE MOVEL EQUIPADA PARA SOCORRO DE MAIOR COMPLEXIDADE, COMO PUNCAO OU DISSECCAO VENOSA, BLOQUEIO ANESTESICO, ADMINISTRACAO PARENTERAL DE LIQUIDOS E MEDICAMENTOS, TAMPONAMENTO NASAL, RETIRADA DE CORPO ESTRANHO EM FARINGE OU LARINGE, INTUBACAO ORO NASOTRAQUEAL, CRICOTIREOIDOSTOMIA, DRENAGEM TORACICA, RESSUSCITACAO CARDIORESPIRATORIA, DESFIBRILACAO E OUTROS QUE SE FACAM NECESSARIOS E PARA OS QUAIS A EQUIPE ESTEJA TREINADA E EQUIPADA Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: INCENTIVO MAC Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , Serviço / Classificação: 103 / ATENDIMENTO PREHOSPITALAR MOVEL PELO SAMU 192: SUPORTE BASICO DE VIDA REALIZADO POR AMBULANCIA TIPO B ATENDIMENTO PRESTADOS POR AUXILIARES/TECNICOS DE ENFERMAGEM, PREVIAMENTE HABILITADOS PARA OBSERVAR E RELATAR SINAIS VITAIS E SINTOMAS E, SOB PRESCRICAO DO MEDICO REGULADOR, APLICAR TRATAMENTOS E/OU MEDICAMENTOS, ALEM DE QUANDO NECESSARIO, PRESTAR PRIMEIROS SOCORROS, COMO DESOBSTRUCAO DE VIAS AEREAS SUPERIORES (MANUAL E/OU COM ASPIRADOR) Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: INCENTIVO MAC Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , Serviço / Classificação: 103 / 002 Data: 07/11/2007 Página: 14

15 REGULACAO MEDICA DE URGENCIA DA CENTRAL SAMU 192 C/ ACIONAMENTO DE MULTIPLOS MEIOS ATENDIMENTO PRESTADO PELO MEDICO REGULADOR A CHAMADO RECEBIDO ATRAVES DO NUMERO 192, CUJA RESPOSTA EXIJA TAMBEM O ACIONAMENTO DE MULTIPLOS MEIOS Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: INCENTIVO MAC Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , Serviço / Classificação: 104 / REGULACAO MEDICA DE URGENCIA DA CENTRAL SAMU 192 C/ ENVIO DE EQUIPE DE SUPORTE AVANCADO DE VIDA ATENDIMENTO PRESTADO PELO MEDICO REGULADOR A CHAMADO RECEBIDO ATRAVES DO NUMERO 192, CUJA RESPOSTA SEJA O ENVIO DE UMA AMBULANCIA DE SUPORTE AVANCADO DE VIDA Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: INCENTIVO MAC Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , Serviço / Classificação: 104 / REGULACAO MEDICA DE URGENCIA DA CENTRAL SAMU 192 C/ ENVIO DE EQUIPE DE SUPORTE BASICO DE VIDA ATENDIMENTO PRESTADO PELO MEDICO REGULADOR A CHAMADO RECEBIDO ATRAVES DO NUMERO 192, CUJA RESPOSTA SEJA O ENVIO DE UMA AMBULANCIA DE SUPORTE BASICO DE VIDA Data: 07/11/2007 Página: 15

16 Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: INCENTIVO MAC Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , Serviço / Classificação: 104 / REGULACAO MEDICA DE URGENCIA DA CENTRAL SAMU 192 C/ ORIENTACAO ATENDIMENTO PRESTADO PELO MEDICO REGULADOR A CHAMADO RECEBIDO ATRAVES DO NUMERO 192, CUJA RESPOSTA SEJA UMA ORIENTACAO MEDICA. Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: INCENTIVO MAC Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , Serviço / Classificação: 104 / REMOCAO EM AMBULANCIA DE SIMPLES TRANSPORTE (AMBULANCIA TIPO A) ATENDIMENTO PRESTADO PELO SAMU 192 OU POR OUTROS SERVICOS, COM A FINALIDADE DE REALIZAR TRANSPORTE SIMPLES, DE FORMA SEGURA E QUALIFICADA, DOS PACIENTES QUE NECESSITAM DE REMOCAO SIMPLES, NAO URGENTE. Data: 07/11/2007 Página: 16

17 Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , Serviço / Classificação: 103 / 001 MAC MEDIA E ALTA COMPLEXIDADE TENDIMENTO PREHOSPITALAR MOVEL SAMU 192: SUPORTE AVANCADO DE VIDA REALIZADO POR EMBARCACAO (AMBULANCIA TIPO F) ATENDIMENTO PRESTADO EM EMBARCACOES POR MEDICOS E ENFERMEIROS, PREVIAMENTE HABILITADOS PARA PRESTAR ATENDIMENTO NO LOCAL DO EVENTO OU NA UNIDADE MOVEL EQUIPADA PARA SOCORRO DE MAIOR COMPLEXIDADE, COMO PUNCAO OU DISSECCAO VENOSA, BLOQUEIO ANESTESICO, ADMINISTRACAO PARENTERAL DE LIQUIDOS E MEDICAMENTOS, TAMPONAMENTO NASAL, RETIRADA DE CORPO ESTRANHO EM FARINGE OU LARINGE, INTUBACAO ORO NASOTRAQUEAL, CRICOTIREOIDOSTOMIA, DRENAGEM TORACICA, RESSUSCITACAO CARDIORESPIRATORIA, DESFIBRILACAO E OUTROS QUE SE FACAM NECESSARIOS E PARA OS QUAIS A EQUIPE ESTEJA TREINADA E EQUIPADA Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: INCENTIVO MAC Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , , Serviço / Classificação: 103 / 003, 103 / TRANSPORTE INTERHOSPITALAR SAMU 192: SUPORTE AVANCADO DE VIDA ATENDIMENTO PRESTADO PELO SERVICO DE ATENDIMENTO PRE HOSPITALAR MOVEL, COM A FINALIDADE DE TRANSPORTAR DE FORMA SEGURA E QUALIFICADA OS PACIENTES QUE NECESSITEM DE REMOCAO PARA OUTRO SERVICO DE SAUDE, DE MAIOR OU MENOR COMPLEXIDADE, SEJA PARA TRATAMENTO OU ELUCIDACAO DIAGNOSTICA Data: 07/11/2007 Página: 17

18 Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: INCENTIVO MAC Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , TRANSPORTE INTERHOSPITALAR SAMU 192: SUPORTE BASICO DE VIDA ATENDIMENTO PRESTADO PELO SERVICO DE ATENDIMENTO PRE HOSPITALAR MOVEL COM A FINALIDADE DE TRANSPORTAR DE FORMA SEGURA E QUALIFICADA AOS PACIENTES QUE NECESSITEM DE REMOCAO PARA OUTRO SERVICO DE SAUDE, DE MAIOR OU MENOR COMPLEXIDADE, SEJA PARA TRATAMENTO OU ELUCIDACAO DIAGNOSTICA. Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: INCENTIVO MAC Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , Forma de Organização: Origem: A OUTROS ATENDIMENTOS REALIZADOS POR PROFISSIONAIS DE NIVEIS SUPERIOR ATENDIMENTO CLINICO P/ INDICACAO E FORNECIMENTO DO DIAFRAGMA UTERINO CONSISTE EM EXAME CLINICO GINECOLOGICO, MEDIDA DO DIAFRAGMA, FORNECIMENTO E ORIENTACAO QUANTO A INSERCAO E RETIRADA DO DIAFRAGMA E CONTROLE DE AJUSTE. Data: 07/11/2007 Página: 18

19 Complexidade: AB ATENCAO BASICA Valor Ambulatorial SA: Idade Min.: 18 Idade Máx.: 49 Sexo: F AB ATENCAO BASICA Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , ATENDIMENTO CLINICO P/ INDICACAO, FORNECIMENTO E INSERCAO DO DISPOSITIVO INTRA UTERINO (DIU) CONSISTE EM EXAME CLINICO GINECOLOGICO, COM ASSEPSIA, HISTEROMETRIA, FORNECIMENTO, INSERCAO E CONTROLE IMEDIATO DO DISPOSITIVO INTRAUTERINO. Origem: A Complexidade: AB ATENCAO BASICA Valor Ambulatorial SA: Idade Min.: 18 Idade Máx.: 49 Sexo: F AB ATENCAO BASICA Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , TERAPIA EM GRUPO Origem: A ATIVIDADE PROFISSIONAL EXECUTADA POR PROFISSIONAL DE NIVEL SUPERIOR EM GRUPO DE PACIENTES (GRUPO OPERATIVO; TERAPEUTICO), COMPOSTO POR NO MINIMO 05 (CINCO) E NO MAXIMO 15 (QUINZE) PACIENTES, COM DURACAO MEDIA DE 60 (SESSENTA) MINUTOS, REALIZADO POR PROFISSIONAL COM FORMACAO PARA UTILIZAR ESTA MODALIDADE DE ATENDIMENTO. Data: 07/11/2007 Página: 19

20 Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: 5,59 5,59 Idade Min.: NÃO SE APLICA Idade Máx.: NÃO SE APLICA Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , MAC MEDIA E ALTA COMPLEXIDADE TERAPIA INDIVIDUAL Origem: A ATIVIDADE PROFISSIONAL TERAPEUTICA INDIVIDUAL, COM DURACAO MEDIA DE 60 (SESSENTA) MINUTOS, REALIZADA POR PROFISSIONAL COM FORMACAO PARA UTILIZAR ESTA MODALIDADE DE ATENDIMENTO. Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: 2,55 Idade Min.: 06 2,55 Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , Forma de Organização: Origem: A MAC MEDIA E ALTA COMPLEXIDADE 05 ATENCAO DOMICILIAR ACOMPANHAMENTO E AVALIACAO DOMICILIAR DE PACIENTE C/ DISTROFIA MUSCULAR (VNIPP) Data: 07/11/2007 Página: 20

21 Modalidade: ASSIST. DOMICILIAR Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: 5 5 Instr. Registro: BPA (INDIVIDUALIZADO) CID Principal: G70.0, G71.0 FAEC FUNDO DE ACOES ESTRATEGICAS E COMPENSACOES CBO: , , , , , Serviço / Classificação: 133 / ASSISTENCIA DOMICILIAR POR EQUIPE MULTIPROFISSIONAL NA ATENCAO BASICA ATENDIMENTO CONTINUO E REGULAR AO PACIENTE, REALIZADO POR EQUIPE MULTIPROFISSIONAL. INCLUI TODAS AS ACOES INERENTES AO ATENDIMENTO. Modalidade: ASSIST. DOMICILIAR Complexidade: AB ATENCAO BASICA Valor Ambulatorial SA: AB ATENCAO BASICA Instr. Registro: BPA (INDIVIDUALIZADO) CBO: , , , , , 2235C1, 2235C2, , , , , 3222E ASSISTENCIA DOMICILIAR POR EQUIPE MULTIPROFISSIONAL NA ATENCAO ESPECIALIZADA ATENDIMENTO CONTINUO E REGULAR A PACIENTE COM INDICACAO DE INTERNACAO DOMICILIAR OU EGRESSO DA INTERNACAO DOMICILIAR, REALIZADO POR EQUIPE MULTIPROFISSIONAL. INCLUI TODAS AS ACOES INERENTES AO ATENDIMENTO, DENTRE OUTROS, DESTACAMSE: CURATIVOS Origem: A , A Data: 07/11/2007 Página: 21

22 Modalidade: ASSIST. DOMICILIAR Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: 3,67 3,67 Instr. Registro: BPA (INDIVIDUALIZADO) 12 MAC MEDIA E ALTA COMPLEXIDADE CBO: , , , , , , , , , , , , , , Serviço / Classificação: 113 / 001 Origem: A ASSISTENCIA DOMICILIAR TERAPEUTICA MULTIPROFISSIONAL EM HIV/AIDS (ADTM) ATENDIMENTO DOMICILIAR CONTINUO E REGULAR REALIZADO POR EQUIPE MULTIDISCIPLINAR, QUE ASSEGURE ASSISTENCIA CLINICO TERAPEUTICA AO PACIENTE DE HIV/AIDS, PERMITINDO A REDUCAO NO NUMERO E NO TEMPO DE INTERNACAO HOSPITALAR. CADA PACIENTE DEVERA RECEBER UM MINIMO DE 12 (DOZE) ATENDIMENTOS DOMICILIARES TERAPEUTICOS POR EQUIPE. SERA PERMITIDO O REGISTRO DE NO MAXIMO, 16 (DESESSEIS) ATENDIMENTOS DOMICILIARES PACIENTE/MES. ESTAO HABILITADAS A PRESTAR ESTE TIPO DE ASSISTENCIA, AS UNIDADES DE SAUDE PUBLICAS VINCULADAS AO PROGRAMA DE ALTERNATIVAS ASSISTENCIAIS AOS PACIENTES PORTADORES DE HIV/AIDS. Modalidade: ASSIST. DOMICILIAR Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: 16,63 16,63 Instr. Registro: BPA (INDIVIDUALIZADO) 16 MAC MEDIA E ALTA COMPLEXIDADE CBO: , , , , , , , , , , Serviço / Classificação: 113 / ATENDIMENTO DOMICILIAR POR PROFISSIONAL DE NIVEL MEDIO VISITA DOMICILIAR SOLICITADA POR PROFISSIONAL DE NIVEL SUPERIOR, SEGUNDO ROTINAS DE SERVICOS PROGRAMADAS; JA INCLUIDOS CUIDADOS EXECUTADOS DURANTE A VISITA, TAIS COMO: Data: 07/11/2007 Página: 22

23 Origem: A CURATIVOS, RETIRADA DE PONTOS, E OUTROS; Modalidade: ASSIST. DOMICILIAR Complexidade: AB ATENCAO BASICA Valor Ambulatorial SA: AB ATENCAO BASICA Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , 3222E2, INSTALACAO / MANUTENCAO DE VENTILADOR VOLUMETRICO TIPO BIPAP Origem: A , H Modalidade: INT. DOMICILIAR / ASSIST. DOMICILIAR Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: 25,00 25,00 FAEC FUNDO DE ACOES ESTRATEGICAS E COMPENSACOES Instr. Registro: AIH (PROC. SECUNDARIO) / BPA (INDIVIDUALIZADO) CID Principal: G70.0, G71.0 CBO: , , , , , , 2235C2 Serviço / Classificação: 133 / Programa de assistencia ventilatoria nao invasiva a paciente portador de distrofia muscular progressiva INTERNACAO DOMICILIAR Origem: H , H , H , H , H , H Data: 07/11/2007 Página: 23

24 Modalidade: INT. DOMICILIAR Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: 17,62 4,72 22,34 Média Permanência: 20 Pontos: 50 MAC MEDIA E ALTA COMPLEXIDADE CID Principal: C00.0, C00.1, C00.2, C00.3, C00.4, C00.5, C00.6, C00.8, C00.9, C01, C02.0, C02.1, C02.2, C02.3, C02.4, C02.8, C02.9, C03.0, C03.1, C03.9, C04.0, C04.1, C04.8, C04.9, C05.0, C05.1, C05.2, C05.8, C05.9, C06.0, C06.1, C06.2, C06.8, C06.9, C07, C08.0, C08.1, C08.8, C08.9, C09.0, C09.1, C09.8, C09.9, C10.0, C10.1, C10.2, C10.3, C10.4, C10.8, C10.9, C11.0, C11.1, C11.2, C11.3, C11.8, C11.9, C12, C13.0, C13.1, C13.2, C13.8, C13.9, C14.0, C14.2, C14.8, C15.0, C15.1, C15.2, C15.3, C15.4, C15.5, C15.8, C15.9, C16.0, C16.1, C16.2, C16.3, C16.4, C16.5, C16.6, C16.8, C16.9, C17.0, C17.1, C17.2, C17.3, C17.8, C17.9, C18.0, C18.1, C18.2, C18.3, C18.4, C18.5, C18.6, C18.7, C18.8, C18.9, C19, C20, C21.0, C21.1, C21.2, C21.8, C22.0, C22.1, C22.2, C22.3, C22.4, C22.7, C22.9, C23, C24.0, C24.1, C24.8, C24.9, C25.0, C25.1, C25.2, C25.3, C25.4, C25.7, C25.8, C25.9, C26.0, C26.1, C26.8, C26.9, C30.0, C30.1, C31.0, C31.1, C31.2, C31.3, C31.8, C31.9, C32.0, C32.1, C32.2, C32.3, C32.8, C32.9, C33, C34.0, C34.1, C34.2, C34.3, C34.8, C34.9, C37, C38.0, C38.1, C38.2, C38.3, C38.4, C38.8, C39.0, C39.8, C39.9, C40.0, C40.1, C40.2, C40.3, C40.8, C40.9, C41.0, C41.1, C41.2, C41.3, C41.4, C41.8, C41.9, C43.0, C43.1, C43.2, C43.3, C43.4, C43.5, C43.6, C43.7, C43.8, C43.9, C44.0, C44.1, C44.2, C44.3, C44.4, C44.5, C44.6, C44.7, C44.8, C44.9, C45.0, C45.1, C45.2, C45.7, C45.9, C46.0, C46.1, C46.2, C46.3, C46.7, C46.8, C46.9, C47.0, C47.1, C47.2, C47.3, C47.4, C47.5, C47.6, C47.8, C47.9, C48.0, C48.1, C48.2, C48.8, C49.0, C49.1, C49.2, C49.3, C49.4, C49.5, C49.6, C49.8, C49.9, C50.0, C50.1, C50.2, C50.3, C50.4, C50.5, C50.6, C50.8, C50.9, C51.0, C51.1, C51.2, C51.8, C51.9, C52, C53.0, C53.1, C53.8, C53.9, C54.0, C54.1, C54.2, C54.3, C54.8, C54.9, C55, C56, C57.0, C57.1, C57.2, C57.3, C57.4, C57.7, C57.8, C57.9, C58, C60.0, C60.1, C60.2, C60.8, C60.9, C61, C62.0, C62.1, C62.9, C63.0, C63.1, C63.2, C63.7, C63.8, C63.9, C64, C65, C66, C67.0, C67.1, C67.2, C67.3, C67.4, C67.5, C67.6, C67.7, C67.8, C67.9, C68.0, C68.1, C68.8, C68.9, C69.0, C69.1, C69.2, C69.3, C69.4, C69.5, C69.6, C69.8, C69.9, C70.0, C70.1, C70.9, C71.0, C71.1, C71.2, C71.3, C71.4, C71.5, C71.6, C71.7, C71.8, C71.9, C72.0, C72.1, C72.2, C72.3, C72.4, C72.5, C72.8, C72.9, C73, C74.0, C74.1, C74.9, C75.0, C75.1, C75.2, C75.3, C75.4, C75.5, C75.8, C75.9, C76.0, C76.1, C76.2, C76.3, C76.4, C76.5, C76.7, C76.8, C77.0, C77.1, C77.2, C77.3, C77.4, C77.5, C77.8, C77.9, C78.0, C78.1, C78.2, C78.3, C78.4, C78.5, C78.6, C78.7, C78.8, C79.0, C79.1, C79.2, C79.3, C79.4, C79.5, C79.6, C79.7, C79.8, C80, C81.0, C81.1, C81.2, C81.3, C81.7, C81.9, C82.0, C82.1, C82.2, C82.7, C82.9, C83.0, C83.1, C83.2, C83.3, C83.4, C83.5, C83.6, C83.7, C83.8, C83.9, C84.0, C84.1, C84.2, C84.3, C84.4, C84.5, C85.0, C85.1, C85.7, C85.9, C88.0, C88.1, C88.2, C88.3, C88.7, C88.9, C90.0, C90.1, C90.2, C91.0, C91.1, C91.2, C91.3, C91.4, C91.5, C91.7, C91.9, C92.0, C92.1, C92.2, C92.3, C92.4, C92.5, C92.7, C92.9, E10.9, E11.9, E12.9, E13.9, E14.9, G04.9, I50.0, I50.1, I61.8, I62.0, I62.1, I62.9, I63.9, I64, I69.3, I69.4, I69.8, J44.8, S06.9, S12.9, S14.1, S22.0, S22.1, S32.7, S33.1, S34.1, S36.7, S72.9, S73.0, S77.2, S78.9, S82.7, S87.8, S88.9, T08, T12, T14.8 CBO: , , , , , , , , Data: 07/11/2007 Página: 24

25 Serviço / Classificação: 113 / 002 Forma de Organização: 3 CLINICO 06 CONSULTA/ATENDIMENTO AS URGENCIAS (EM GERAL) ATENDIMENTO DE URGENCIA EM CLINICA PEDIATRICA REFERESE AO PRIMEIRO ATENDIMENTO DE URGENCIA HOSPITALAR COM DIAGNOSTICO EM CLINICA PEDIATRICA. Origem: H , H Modalidade: HOSPITALAR Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: Idade Máx.: 19 47,27 35,65 11,62 Média Permanência: 1 Pontos: CBO: , , Origem: A MAC MEDIA E ALTA COMPLEXIDADE 7 PEDIATRIA ATENDIMENTO DE URGENCIA C/ OBSERVACAO ATE 24 HORAS EM ATENCAO ESPECIALIZADA COMPREENDE O ATENDIMENTO PRESTADO, EM UNIDADES NAO HOSPITALARES DE ATENDIMENTO AS URGENCIAS, PRONTO SOCORROS ESPECIALIZADOS E/OU SERVICOS DE ATENCAO AS URGENCIAS QUE NECESSITEM PERMANECER EM LEITO DE OBSERVACAO PARA TRATAMENTO E/OU ELUCIDACAO DIAGNOSTICA, ATE 24 HORAS. Complexidade: MC MEDIA COMPLEXIDADE Valor Ambulatorial SA: 12,47 12,47 Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) MAC MEDIA E ALTA COMPLEXIDADE CBO: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , Data: 07/11/2007 Página: 25

26 , , , , Origem: A ATENDIMENTO DE URGENCIA EM ATENCAO BASICA ATENDIMENTO PRESTADO A PACIENTES ACOMETIDOS POR QUADROS AGUDOS OU AGUDIZACOES DE PATOLOGIAS CRONICAS, DE BAIXA COMPLEXIDADE, QUE SAO ACOLHIDOS NAS UNIDADES BASICAS DE SAUDE, SEM AGENDAMENTO PREVIO, ONDE RECEBEM ATENDIMENTO E TEM SUA NECESSIDADE ASSISTENCIAL ATENDIDA. Complexidade: AB ATENCAO BASICA Valor Ambulatorial SA: AB ATENCAO BASICA Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , , , Origem: A ATENDIMENTO DE URGENCIA EM ATENCAO BASICA C/ OBSERVACAO ATE 8 HORAS ATENDIMENTO PRESTADO A PACIENTES ACOMETIDOS POR QUADROS AGUDOS OU AGUDIZACOES DE PATOLOGIAS CRONICAS, DE QUALQUER COMPLEXIDADE, QUE SAO ACOLHIDOS NAS UNIDADES BASICAS DE SAUDE, SEM AGENDAMENTO PREVIO, ONDE RECEBEM ATENDIMENTO, POREM NECESSITAM DE OBSERVACAO PARA QUE SUA NECESSIDADE ASSISTENCIAL SEJA SATISFEITA. Complexidade: AB ATENCAO BASICA Valor Ambulatorial SA: AB ATENCAO BASICA Instr. Registro: BPA (CONSOLIDADO) CBO: , , , , , ATENDIMENTO DE URGENCIA EM ATENCAO BASICA C/ REMOCAO ATENDIMENTO PRESTADO A PACIENTES ACOMETIDOS POR QUADROS AGUDOS OU AGUDIZACOES DE PATOLOGIAS CRONICAS, DE QUALQUER COMPLEXIDADE, QUE SAO ACOLHIDOS NAS UNIDADES Data: 07/11/2007 Página: 26

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Ministério da Saúde Sistema Único de Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Grupo: 03 PROCEDIMENTOS CLINICOS SubGrupo: 01 CONSULTAS / ATENDIMENTOS / ACOMPANHAMENTOS Forma de Organização:

Leia mais

Auxiliar de Enfermagem

Auxiliar de Enfermagem Auxiliar de Enfermagem 01.01.01.001-0 - Atividade Educativa / Orientação em Grupo na Atenção Básica - Consiste nas atividades educativas, em grupo, sobre ações de promoção e prevenção à saúde, desenvolvidas

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS

Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS 01.01.01.001-0 01.01.01.002-8 01.01.01.003-6 01.01.03.002-9

Leia mais

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Ministério da Saúde Sistema Único de Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Grupo: 08 ACOES COMPLEMENTARES DA ATENCAO A SAUDE SubGrupo: 01 ACOES RELACIONADAS AO ESTABELECIMENTO Forma

Leia mais

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS. Relatório de Procedimento com Habilitação

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS. Relatório de Procedimento com Habilitação Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Relatório de Procedimento com Habilitação 24/01/2008 Pág:.1 Grupo: 02-PROCEDIMENTOS COM FINALIDADE DIAGNOSTICA Sub-Grupo: 01-COLETA DE MATERIAL 01-COLETA

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional Nº 228 29/11/11 Seção 1 - p.98 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 804, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF

Leia mais

Procedimento x CBO. 02.11.08.004-7 GASOMETRIA (APOS OXIGENIO A 100 DURANTE A DIFUSAO ALVEOLO-CAPILAR) 223151 - Médico pneumologista

Procedimento x CBO. 02.11.08.004-7 GASOMETRIA (APOS OXIGENIO A 100 DURANTE A DIFUSAO ALVEOLO-CAPILAR) 223151 - Médico pneumologista Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS 01.01.01.002-8 Procedimento x CBO ATIVIDADE EDUCATIVA / ORIENTACAO

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Atividades Administrativas 1. Consultoria I 2. Assessoria I 3. Auditoria I 4. Planejamento I 5. Supervisão I Livre negociação entre as partes a partir de 72,31

Leia mais

Preparatório para concurso público GDF Específica para enfermeiros

Preparatório para concurso público GDF Específica para enfermeiros Preparatório para concurso público GDF Específica para enfermeiros Profª Layz Alves F Souza Mestre em Enfermagem/UFG Doutoranda em Enfermagem /UFG Enfª Hospital das Clínicas/UFG Enfª SMS de Goiânia 2014

Leia mais

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO COMUM PARA TODAS AS CATEGORIAS PROFISSIONAIS SAÚDE PÚBLICA E SAÚDE COLETIVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1. História do sistema de saúde no Brasil; 2. A saúde na

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR HOME CARE Ajudar o paciente a resgatar a qualidade de vida em sua própria residência, é o compromisso do NADH. O atendimento personalizado é

Leia mais

EDITAL Nº 005/2009 RE-RATIFICAR

EDITAL Nº 005/2009 RE-RATIFICAR EDITAL Nº 005/2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ, no uso de suas atribuições, atendendo aos termos da Lei Complementar nº 108, de 18 de maio de 2005, com alteração dada pela Lei Complementar

Leia mais

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL 1. Consultoria I 2. Assessoria I Livre ADMINISTRATIVAS 3. Auditoria I manifestação 4. Planejamento

Leia mais

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 FUNÇÃO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Realizar mapeamento de sua área; Cadastrar as famílias

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

INCLUSÃO E ALTERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS E OPM DO SUS

INCLUSÃO E ALTERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS E OPM DO SUS Circular 275/2013 São Paulo, 3 de Julho de 2013. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) INCLUSÃO E ALTERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DA TABELA DE PROCEDIMENTOS, MEDICAMENTOS E OPM DO SUS Diário Oficial da União Nº 126,

Leia mais

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS Mônica R. P. T. Macedo Nunes monica.nunes@campinas.sp.gov.br ATENÇÃO DOMICILIAR A atenção domiciliar consiste numa modalidade de atenção à saúde substitutiva

Leia mais

Alta domiciliar para o paciente crônico dependente de tecnologia: é possível?

Alta domiciliar para o paciente crônico dependente de tecnologia: é possível? 35º Congresso Brasileiro de Pediatria Salvador 8 a 12 de outubro de 2011 Alta domiciliar para o paciente crônico dependente de tecnologia: é possível? Hospital Infantil Albert Sabin ( HIAS) Secretaria

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Histórico 2005: Início do trabalho. I Seminário de Assistência Domiciliar. 2006: Portaria GM 2529. Fundação da ABRASAD Associação Brasileira

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

Equipe de saúde e assistência social do Município de Cajamar

Equipe de saúde e assistência social do Município de Cajamar Equipe de saúde e assistência social do Município de Cajamar CONCEITO CENTRO COMUNITÁRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL AOS PORTADORES DE ÁLCOOL E DROGAS, DE ACORDO COM A PROTARIA 336/GM EM 19/02/2002 DO MINISTÉRIO

Leia mais

NÚMERO DE PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS POR

NÚMERO DE PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS POR INDICADOR: F.2 NÚMERO DE PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS POR CONSULTA MÉDICA (SUS) 1. Conceituação Número médio de procedimentos diagnósticos, de patologia clínica ou de imagenologia por consulta médica, apresentados

Leia mais

Nossa História e Filosofia PREVENT SENIOR

Nossa História e Filosofia PREVENT SENIOR Sejam bem vindos a Nossa História e Filosofia Antes da Lei Nº 9656/98 Constatação: Dificuldade da continuidade da internação pelos limites de dias; Não coberturas de procedimentos; Ausência de suporte

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde da Unimed SJC O Núcleo de Ação Integral à Saúde (NAIS) é o setor responsável pela promoção da saúde e prevenção

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000082 - SERVICO SOCIAL Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000082 - SERVICO SOCIAL Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000082 - SERVICO SOCIAL Nivel: Superior Area Profissional: 0035 - SOCIAL Area de Atuacao: 0044 - RECURSOS HUMANOS/SOCIAL Atuar na area de

Leia mais

ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs

ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs AFERIÇÕES 21.001 Aferição da Altura Corporal Pacientes acima de 2 anos 21.002 da Frequência Respiratória 21.003 de Peso Corporal Pacientes acima de 2 anos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 INTRODUÇÃO Última edição do Manual (revista e atualizada): 2006 Objetivo: Implantação do Serviço de Atendimento Móvel às Urgências Atende aos princípios e diretrizes do

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 horas - CAPS AD III. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

COM CORREÇÃO PELO ÍNDICE DE INFLAÇÃO MENSAL - INPC VALORES A SEREM COBRADOS NO MÊS DE SETEMBRO DE 2011. I Supervisão.

COM CORREÇÃO PELO ÍNDICE DE INFLAÇÃO MENSAL - INPC VALORES A SEREM COBRADOS NO MÊS DE SETEMBRO DE 2011. I Supervisão. 1 \TABELA DE HONORÁROS MÍNMOS COM CORREÇÃO PELO ÍNDCE DE NFLAÇÃO MENSAL - NPC VALORES A SEREM COBRADOS NO MÊS DE SETEMBRO DE 2011. ATVDADES AÇÕES DESENVOLVDAS QUADROS VALORES Administrativas Consultoria

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

TABELA DE HONORARIOS ANEXO 11.2 EDITAL 0057/2013

TABELA DE HONORARIOS ANEXO 11.2 EDITAL 0057/2013 TABELA DE HONORARIOS ANEXO 11.2 EDITAL 0057/2013 Vigência: 21/03/2015 10101118 10101121 de Psicologia Sessao de Psicoterapia / Psicologo - (12 ou ate 40 por ano se cumprir diretriz de utilização definida

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

ANEXO PSIQUIÁTRICO LOURIVAL BURGOS MUCCINI SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Janeiro de 2008. COORDENAÇÃO SISTEMATIZADA DO ANEXO PSIQUIÁTRICO DO HGPV

ANEXO PSIQUIÁTRICO LOURIVAL BURGOS MUCCINI SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Janeiro de 2008. COORDENAÇÃO SISTEMATIZADA DO ANEXO PSIQUIÁTRICO DO HGPV ANEXO PSIQUIÁTRICO LOURIVAL BURGOS MUCCINI SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Janeiro de 2008. COORDENAÇÃO SISTEMATIZADA DO ANEXO PSIQUIÁTRICO DO HGPV Protocolo geral Dispõe sobre as condições para a promoção,

Leia mais

Nursing Activities Score

Nursing Activities Score Guia de Orientação para a Aplicação Prática do Nursing Activities Score Etapa 1 Padronização dos Cuidados de Enfermagem, nas seguintes categorias: Monitorização e Controles; Procedimentos de Higiene; Suporte

Leia mais

GESTÃO EM SAÚDE. cuidando de você, onde quer que você esteja!

GESTÃO EM SAÚDE. cuidando de você, onde quer que você esteja! GESTÃO EM SAÚDE cuidando de você, onde quer que você esteja! Editorial Royal Life É com muito orgulho que a Royal Life apresenta ao mercado de emergências médicas a sua frota. São ambulâncias montadas

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: PORTARIA Nº 3.432/MS/GM, DE 12 DE AGOSTO DE 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: a importância na assistência das unidades que realizam tratamento intensivo

Leia mais

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Dispõe sobre a atuação fonoaudiológica na área hospitalar privada, pública e filantrópica e em atendimento domiciliar e dá outras providências O presente Parecer tem

Leia mais

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA 1- INTRODUÇÃO Quando uma pessoa sofre agravo agudo à saúde, deve ser acolhido em serviço do SUS mais próximo de sua ocorrência, seja numa Unidade de Saúde

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

RESOLUÇÃO N 445 de 26 de abril de 2014. DOU nº 203, Seção 1,em 21/10/2014, páginas 128,129,130, 131 e 132.

RESOLUÇÃO N 445 de 26 de abril de 2014. DOU nº 203, Seção 1,em 21/10/2014, páginas 128,129,130, 131 e 132. RESOLUÇÃO N 445 de 26 de abril de 2014. DOU nº 203, Seção 1,em 21/10/2014, páginas 128,129,130, 131 e 132. Altera a Resolução-COFFITO n 418/2011, que fixa e estabelece os Parâmetros Assistenciais Terapêuticos

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR III

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR III 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM ADELITA ENEIDE FIUZA RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR III PORTO ALEGRE 2011 1 ADELITA ENEIDE FIUZA RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO

Leia mais

Circular 574/2014 São Paulo, 24 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) Prezados Senhores,

Circular 574/2014 São Paulo, 24 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) Prezados Senhores, Circular 574/2014 São Paulo, 24 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) S ASSISTENCIAIS TERAPÊUTICOS OCUPACIONAIS NAS DIVERSAS MODALIDADES PRESTADAS PELO TERAPEUTA OCUPACIONAL Diário Oficial da

Leia mais

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO:

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO: ANEXO I FORMULÁRIO PARA VISTORIA DO GESTOR NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO DE CENTRO DE ATENDIMENTO DE URGÊNCIA TIPO I AOS PACIENTES COM AVC (deve ser preenchido e assinado pelo Gestor) (esse formulário

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834 PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834 Assunto: Ações de resgate de vítimas em altura e em espaço confinado. Competência da equipe de bombeiros militares. 1. Do fato Solicitado

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE 1 ATENÇÃO PRIMÁRIA 1.1 MÉDICO CLINICO GERAL Medicina. ATRIBUIÇÕES: Atendimento aos pacientes em área

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 ÁREA DE ACTIVIDADE - SAÚDE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS)

Leia mais

ANEXO I REGIME DE TRABALHO REMUNERAÇÃO

ANEXO I REGIME DE TRABALHO REMUNERAÇÃO PORTARIA CONJUNTA SAD/HEMOPE Nº 63, 2/7/29 ANEXO I a) QUADRO, e Lotação: Diretoria de Hemoterapia ESPECIALIDA NECESSIDAS ESPECIAIS Tec. Laboratório Diarista 4, 3 4 Tec. Laboratório Plantonista 52, 3 4

Leia mais

SAÚDE CONNECT 3.001 AUTORIZAÇÃO

SAÚDE CONNECT 3.001 AUTORIZAÇÃO SAÚDE CONNECT 3.001 AUTORIZAÇÃO SUMÁRIO ATENDIMENTO / AUTORIZAÇÃO... 2 1. GUIA DE CONSULTA... 2 2. GUIA DE SP/SADT... 10 3. ANEXO SOLICITAÇÃO OPME... 18 4. ANEXO DE QUIMIOTERAPIA... 22 5. ANEXO DE RADIOTERAPIA...

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO Requisitos: Graduação em Medicina e Registro no Conselho de Classe. Grupo da Saúde 1. Realizar diagnósticos, estudos, pesquisas e levantamentos que forneçam subsídios a formulação de políticas, diretrizes

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

Ato Normativo PORTARIA Nº 511, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010

Ato Normativo PORTARIA Nº 511, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010 Ato Normativo PT SAS nº 511 Publicação DOU Diário Oficial da União Data: 27/09/2010 Data: 28/09/2010 PORTARIA Nº 511, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições,

Leia mais

I ANÁLISE: Rua Barão de São Borja, 243 Boa Vista CEP 50.070-325 Fone: 3412-4100 www.coren-pe.gov.br

I ANÁLISE: Rua Barão de São Borja, 243 Boa Vista CEP 50.070-325 Fone: 3412-4100 www.coren-pe.gov.br Parecer Técnico Coren-PE nº 003/2015 Protocolo Coren-PE nº 930/2015 Solicitantes: Kátia Maria Sales Santos Cunha Unidade de Enfermagem do HEMOPE Assunto: No transporte, o profissional de enfermagem deverá

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIO AMBULATORIAL ANEXO 11.2 EDITAL 0057/2013

TABELA DE HONORÁRIO AMBULATORIAL ANEXO 11.2 EDITAL 0057/2013 TABELA DE HONORÁRIO AMBULATORIAL ANEXO 11.2 EDITAL 0057/2013 Honorário de Psicologia 1010111 8 Sessao de Psicoterapia / Psicologo - (12 ou ate 40 por ano se cumprir diretriz de utilização definida pelo

Leia mais

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Ministério da Saúde Sistema Único de Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Grupo: 05 - TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS Sub-Grupo: - COLETA E EXAMES PARA FINS DE DOACAO DE ORGAOS,

Leia mais

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS - 2015 EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS - 2015 EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR Andreza de Jesus Dutra Silva Mestre em Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente - UniFOA; Especialista em Enfermagem em Terapia Intensiva - USS; MBA em Administração

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL. RESOLUÇÃO No- 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012

CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL. RESOLUÇÃO No- 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012 CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO No- 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012 Fixa e estabelece os Parâmetros Assistenciais Terapêuticos Fisioterapêuticos Ocupacionais nas diversas modalidades

Leia mais

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias Equipamentos de Saúde Gerenciados pelo CEJAM em Embu das Artes 11 Unidades Básicas de Saúde com 25 equipes de Estratégia Saúde da Família 1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde 1 Projeto Dengue

Leia mais

PARECER COREN-DF Nº 004/2011

PARECER COREN-DF Nº 004/2011 PARECER COREN-DF Nº 004/2011 SOLICITANTE: Dr. Obedes de Souza Vasco, Coren-DF nº 191085-ENF, Sra. Margarida de Souza Queiroz, Dra. Luciana Simionatto e Silva, Coren-DF nº 58827-ENF, e Dra. Christiane Gigante,

Leia mais

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Ministério da Saúde Sistema Único de Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Grupo: 05 - TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS Sub-Grupo: - COLETA E EXAMES PARA FINS DE DOACAO DE ORGAOS,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I DE ACORDO COM O ESTABELECIDO PELA PORTARIA Nº 3432 /GM/MS, DE 12 DE AGOSTO DE 1998, REFERENTE

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AIH AUTORIZAÇÃO DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR - SUS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AIH AUTORIZAÇÃO DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR - SUS MANUAL DE ORIENTAÇÃO AIH AUTORIZAÇÃO DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR - SUS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS AUTORIZAÇÕES DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES - AIH'S Este manual tem por objetivo capacitar os servidores das Unidades

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Informação SUS, Não SUS e Filantropia

Informação SUS, Não SUS e Filantropia Informação SUS, Não SUS e Filantropia O que esses temas têm em comum e quais as implicações para prestadores e gestores. João Alfredo Carvalho Rodrigues Gonçalves Águas de Lindóia 12/09/2012 Agenda da

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR III- SERVIÇOS DA REDE HOSPITALAR: UNIDADE DE RECUPERAÇÃO PÓS ANESTÉSICA PORTO ALEGRE

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Transtornos do Espectro do Autismo

Transtornos do Espectro do Autismo Transtornos do Espectro do Autismo O Município adotou o documento Ministerial, LINHA DE CUIDADO PARA A ATENÇÃO ÀS PESSOAS COM TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO E SUAS FAMILIAS NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL,

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE NÚCLEO DE INFORMAÇÃO HOSPITALAR

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE NÚCLEO DE INFORMAÇÃO HOSPITALAR SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE NÚCLEO DE INFORMAÇÃO HOSPITALAR GLOSSÁRIO DE CONCEITOS PARA PREENCHIMENTO DO http://www.nih.saude.sp.gov.br CADASTRO HOSPITALAR (CH) RELATÓRIO

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998.

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998. O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições, considerando: - a importância na assistência das unidades que

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 167, DE 9 DE JANEIRO DE 2008.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 167, DE 9 DE JANEIRO DE 2008. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 167, DE 9 DE JANEIRO DE 2008. Atualiza o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde, que constitui a referência básica para cobertura assistencial nos planos privados de assistência

Leia mais

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno 1 Ter uma política de aleitamento materno escrita, que seja rotineiramente transmitida a toda a equipe de cuidados da saúde. 2 Capacitar toda equipe de

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional... Nº 7 DOU de 10/01/08

Diário Oficial Imprensa Nacional... Nº 7 DOU de 10/01/08 Diário Oficial Imprensa Nacional... Nº 7 DOU de 10/01/08 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO NORMATIVA No- 167, DE 9 DE JANEIRO DE

Leia mais

DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES: realizar coleta de material biológico; realizar exames por meio de técnicas laboratoriais, imuno-hematológicas,

DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES: realizar coleta de material biológico; realizar exames por meio de técnicas laboratoriais, imuno-hematológicas, FUNDAÇÃO HOSPITALAR DE SAÚDE CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM EMPREGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO EDITAL Nº FHS/SE, DE DE JULHO DE 0 O DIRETOR-GERAL DA FUNDAÇÃO HOSPITALAR DE SAÚDE

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

Doutorado em Ciências da saúde, ciências biológicas ou áreas afins e portadores do título de graduação em curso da área da saúde ou biológicas.

Doutorado em Ciências da saúde, ciências biológicas ou áreas afins e portadores do título de graduação em curso da área da saúde ou biológicas. Anexo I - Edital nº 94/20 Concurso Docente Lotação: Instituto de Ciências da Saúde, Regime de Trabalho de Dedicação Exclusiva.- e 1 vaga em regime de 40 horas Tema do Nº de Pontos das Provas Escrita e

Leia mais

FISCO. Saúde. Atendimento. Hospitalar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Atendimento. Hospitalar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Atendimento Hospitalar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Pra facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o FISCO SAÚDE

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

TÉCNICO DE NÍVEL SUPERIOR / MÉDICO DA FAMÍLIA

TÉCNICO DE NÍVEL SUPERIOR / MÉDICO DA FAMÍLIA ANEXO III TÉCNICO DE NÍVEL SUPERIOR / MÉDICO DA FAMÍLIA - realizar consultas médicas; - executar as ações de assistência integral em todas as fases do ciclo da vida: criança, adolescente, mulher, adulto

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) ANATOMIA HUMANA CH 102 (2372) Estudo morfológico dos órgãos e sistemas que constituem o organismo humano, com ênfase para os

Leia mais

HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO

HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A (UnB) CENTRO DE SELEÇÃO E DE PROMOÇÃO DE EVENTOS (CESPE) HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO Processo Seletivo Simplificado GABARITOS OFICIAIS PRELIMINARES

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO NÍVEL SUPERIOR CARGO: ASSISTENTE SOCIAL, PSICÓLOGO, ENFERMEIRO, E MÉDICO.

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO NÍVEL SUPERIOR CARGO: ASSISTENTE SOCIAL, PSICÓLOGO, ENFERMEIRO, E MÉDICO. ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO NÍVEL SUPERIOR CARGO: ASSISTENTE SOCIAL, PSICÓLOGO, ENFERMEIRO, E MÉDICO. I - PORTUGUÊS Interpretação de textos. Escrita: Morfologia, Vocabulário; Ortografia Oficial; Pontuação;

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia PREZADO ASSOCIADO

Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia PREZADO ASSOCIADO Tabela Comercial UNIFAMÍLIA EMPRESARIAL POR ADESÃO COPARTICIPATIVO 50% Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia Cobertura de consultas médicas de pré-natal, exames complementares bem como atendimentos

Leia mais