Estruturação de Fundos FIDCs e FIPs para empresas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estruturação de Fundos FIDCs e FIPs para empresas"

Transcrição

1 Grupo Keyassociados Estruturação de Fundos FIDCs e FIPs para empresas Brasília 06/06/2013 Marco Antônio Fujihara

2 Agenda 1. Overview da Indústria de Private Equity e Venture Capital 2. Mapa Global do Empreendedorismo 1. Subsídios X Fundos de Investimentos 1. FIPs: estruturação e boas praticas 1. FIMEEs X FIPs 2. FIDCs: estruturação e boas práticas

3 Indústria de e PE e VC

4 Indústria de e PE e VC

5 Indústria de e PE e VC

6 Indústria de e PE e VC

7 Indústria de e PE e VC

8 Indústria de e PE e VC

9 Indústria de e PE e VC

10 Indústria de e PE e VC

11 Indústria de e PE e VC

12 Indústria de e PE e VC

13 Maioria dos empreendedores brasileiros já tiveram experiencias anteriores Total das iniciativas de Empreendedorismo Early-Stage, empreendedores nascentes ou que já tiveram alguma experiencia Taxa de Empreendedorismo Nascente empreendedores nacentes (não recebem à 3 meses)

14 Emprendedor foca para o mercado externo a partir de sua perspectiva do mercado interno Oportunidades internas indentificadas. Porcentagem de pessoas que veem boas oportunidades para começar sua empresa onde vivem Atividades empreendedoras orientadas para o mercado externo Ao menos 25% dos clientes são estrangeiros

15 Fundos incentivos públicos e privados Burocracia na abertura do fundo Programas do Governo Programas Públicos com Gestão Privada Setor Privado altissima alta média - baixa Foco do Investimento estimulo de novos mercado investimento em oportunidades de mercado alinhados às políticas públicas explora oportunidades de mercado Horizonte do Investimento longuíssimo prazo médio - longo prazo curto - médio prazo Perfil do Investimento conservador intermediário - arrojado arrojado Custo de Capital baixo médio - alto alto Know How de Mercado e Gestão Dinamismo e Agilidade na Tomada de Decisão Objetivo do Veículo Financeiro Estímulo da Concorrêcia e Competitividade mínimo alto alto baixo intermediário alto estimulo e desenvolvimento do mercado maior retorno financeiro aliado ao desenvolvimento do mercado alto retorno baixo médio -alto alto

16 FIPs e FIMEEs Fundo de Investimento em Participações (FIP) destinado à aquisição de ações, debêntures, bônus de subscrição, ou outros títulos e valores mobiliários conversíveis ou permutáveis em ações de emissão de companhias, abertas ou fechadas, participando do processo decisório da companhia investida. Base normativa: - Instrução CVM 391/03 Fundo Mútuo de Investimento em Empresas Emergentes (FMIEE) é um fundo restrito ao investimento em empresas emergentes. Base normativa: -Instrução 209/94 e adendo 477/09 Em ambos os casos, as classes de cotas variam de acordo com as políticas definidas em contrato pelo fundo. Investidor Fundo Gestor Empresa Investida Auxílio na Tomada de Decisão

17 FIP - Performa Key de Inovação em Meio Ambiente Gestora Peforma Investimentos Histórico Programa do BNDES com inicio das atividades em Dezembro de 2012 Capital Comprometido Investidores Setores alvo Estágio alvo R$ 170 MM BNDES Par, SFPI (Federal Holding and Investment Company), AgE Rio, 3 family offices Eficiência energética, tratamento de efluentes e tratamento de resíduos sólidos late venture/growth capital Faturamento das empresas Compania alvo Processo entre R$ 5 MM e R$ 90 MM alto potencial de crescimento com tecnologia e modelos de negócio comprovado mais de 220 empresas analisadas, 4 em análise aprofundada e 1 em diligência

18 FMIEE SC-1 Performa Investimentos Gestora Peforma Investimentos Histórico Fundo Inovar Semente 3 Capital Comprometido Investidores Setores alvo Estágio alvo Faturamento das empresas Compania alvo Processo R$ 26 MM FINEP, BID, Desenvovle SP e 56 investidores anjos BioTech, NanoTech, Cleantech, Healthcare e TI startup e early stage até R$ 3.6 MM anual alto nível de inovação e potencial de crescimento mais de 1000 empresas analisadas, 6 em análise aprofundada, 2 em diligência e 1 investida

19 Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Fundo de investimento em direitos creditórios, aberto ou fechado, cujas cotas são vendidas para investidores qualificados. Estrutura simples e isenta de tributos intermediários. Cotistas: Sênior Investidores. Subordinada Colateral prestado pelo cedente dos direitos creditórios. Absorve possíveis inadimplências, garantindo ao cotista sênior a rentabilidade firmada na emissão. Base normativa: - Instruções CVM 356/01 e 444/06

20 Contato Marco Antônio Fujihara T: (11)

CAPITAL MEZANINO INVESTIMENTO DE PRIVATE EQUITY EM COMPANHIA FECHADA POR MEIO DE DEBÊNTURES CONVERSÍVEIS FREDERICO VIANA RODRIGUES

CAPITAL MEZANINO INVESTIMENTO DE PRIVATE EQUITY EM COMPANHIA FECHADA POR MEIO DE DEBÊNTURES CONVERSÍVEIS FREDERICO VIANA RODRIGUES DO GRUPO DE ESTUDOS DE DIREITO EMPRESARIAL FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DIREITO SOCIETÁRIO APLICADO CAPITAL MEZANINO INVESTIMENTO DE PRIVATE EQUITY EM COMPANHIA FECHADA

Leia mais

Disclaimer. Advertências

Disclaimer. Advertências Disclaimer Advertências O investimento em ativos financeiros envolve riscos sobre os quais o investidor deve buscar informar-se lendo a documentação obrigatória referente a cada ativo. Fundos de investimento

Leia mais

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 10ª CHAMADA DE FUNDOS

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 10ª CHAMADA DE FUNDOS FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 10ª CHAMADA DE FUNDOS 1. OBJETO A Financiadora de Estudos e Projetos, na qualidade de Secretaria Executiva da Incubadora de Fundos

Leia mais

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 9ª CHAMADA DE FUNDOS

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 9ª CHAMADA DE FUNDOS FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 9ª CHAMADA DE FUNDOS 1. OBJETO A Financiadora de Estudos e Projetos, na qualidade de Secretaria Executiva da Incubadora de s INOVAR,

Leia mais

Mercado de Capitais. mecanismos para acesso a recursos para investimento. micro e pequena empresa

Mercado de Capitais. mecanismos para acesso a recursos para investimento. micro e pequena empresa Mercado de Capitais mecanismos para acesso a recursos para investimento micro e pequena empresa A) APRESENTAÇÃO: Todo empreendedor reconhece, no dia a dia, o papel central de encontrar o adequado financiamento

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

Proposta da CVM pode reduzir acesso a investimentos isentos de IR; mercado questiona

Proposta da CVM pode reduzir acesso a investimentos isentos de IR; mercado questiona Página 1 de 5 Proposta da CVM pode reduzir acesso a investimentos isentos de IR; mercado questiona Associações pedem à CVM que seja menos rigorosa em norma que deve aumentar limite para que investidores

Leia mais

Estrutura Legal. dos fundos de Private Equity e Venture Capital no Brasil

Estrutura Legal. dos fundos de Private Equity e Venture Capital no Brasil Estrutura Legal dos fundos de Private Equity e Venture Capital no Brasil Publicação: Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital (ABVCAP) Edição: Março 2015 Coordenação: Ângela Ximenes Superintendente

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Participações - Fundo de Investimento em Participações Investimento estratégico com foco no resultado provocado pelo desenvolvimento das companhias O produto

Leia mais

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco CNI-MEI São Paulo, 19 de outubro de 2015 Agenda Atuação da BNDESPAR em Capital de Risco Participações diretas Participações por meio de Fundos de

Leia mais

Fundos de Investimentos em Participações (FIP) e Fundos Mútuos de Investimento em Empresas Emergentes (FMIEE)

Fundos de Investimentos em Participações (FIP) e Fundos Mútuos de Investimento em Empresas Emergentes (FMIEE) I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG Fundos de Investimentos em Participações (FIP) e Fundos Mútuos de Investimento em Empresas Emergentes (FMIEE) Bernardo Vianna

Leia mais

REDETEC. Marcio Spata rea de Mercado de Capitais. Analista Área. Rio de Janeiro - Novembro/2007

REDETEC. Marcio Spata rea de Mercado de Capitais. Analista Área. Rio de Janeiro - Novembro/2007 REDETEC Analista Área Marcio Spata rea de Mercado de Capitais Rio de Janeiro - Novembro/2007 BNDES em NúmerosN Evolução dos Desembolsos (R$ bilhões) 47 52,3 37 35 40 31,2 18 19 18 23 25 7 10 1995 1997

Leia mais

Um Retrato da Indústria de Venture Capital Brasileira - Fundo Mútuos de Invesimento em Empresas Emergentes

Um Retrato da Indústria de Venture Capital Brasileira - Fundo Mútuos de Invesimento em Empresas Emergentes Inspirar para Transformar Um Retrato da Indústria de Venture Capital Brasileira - Fundo Mútuos de Invesimento em Empresas Emergentes Felipe Campos Cresciulo Andrea M. A. F. Minardi Insper Working Paper

Leia mais

BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável. 21 de fevereiro de 2014

BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável. 21 de fevereiro de 2014 BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável 21 de fevereiro de 2014 Em seus 60 anos, o BNDES expandiu sua atuação e tem voltado sua atenção para novos desafios 6ª maior indústria automotiva

Leia mais

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES Área de Mercado de Capitais BNDES Desenvolvendo a Governança Corporativa Eduardo Rath Fingerl Diretor 02/06/2006 www.bndes.gov.br 1 de 23 Atuação

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013

Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013 Respostas às perguntas frequentes: Chamada Pública MCT/FINEP/AT Inova Empresa PNI/Parques Tecnológicos 02/2013 Parte 1: Objetivos, instrumentos de apoio e quem pode participar Geral 1.1 Qual o objetivo

Leia mais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006 Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais Carlos Alberto Rosa Coordenador de Participações 07/11/2006 FUNCEF Visão

Leia mais

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 1ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS LOCAIS DE CAPITAL SEMENTE

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 1ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS LOCAIS DE CAPITAL SEMENTE FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 1ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS LOCAIS DE CAPITAL SEMENTE 1. OBJETO A Financiadora de Estudos e Projetos convida potenciais

Leia mais

As entidades locais no apoio às empresas regionais na retomada dos investimentos e experiência do Instituto Mineiro de Mercado de Capitais

As entidades locais no apoio às empresas regionais na retomada dos investimentos e experiência do Instituto Mineiro de Mercado de Capitais A retomada dos investimentos e o Mercado de Capitais Agosto de 2015 As entidades locais no apoio às empresas regionais na retomada dos investimentos e experiência do Instituto Mineiro de Mercado de Capitais

Leia mais

A!EVOLUÇÃO!DA!INDÚSTRIA!DE!PRIVATE!EQUITY!E! VENTURE!CAPITAL!NO!BRASIL!E!NO!MUNDO!

A!EVOLUÇÃO!DA!INDÚSTRIA!DE!PRIVATE!EQUITY!E! VENTURE!CAPITAL!NO!BRASIL!E!NO!MUNDO! AEVOLUÇÃODAINDÚSTRIADEPRIVATEEQUITYE VENTURECAPITALNOBRASILENOMUNDO LuisEduardoSilveiraMendes Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia de Produção da Escola Politécnica, Universidade Federal

Leia mais

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes Demonstração da Evolução do Patrimônio Líquido CSHG Realty BC Fundo de Investimento em Participações (Administrado pela Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S/A) Período de 01 de janeiro a

Leia mais

Perspectivas para o Desenvolvimento do Capital Empreendedor no Brasil. Apresentação à CEDES/Câmara dos Deputados 25/09/2013

Perspectivas para o Desenvolvimento do Capital Empreendedor no Brasil. Apresentação à CEDES/Câmara dos Deputados 25/09/2013 Perspectivas para o Desenvolvimento do Capital Empreendedor no Brasil Apresentação à CEDES/Câmara dos Deputados 25/09/2013 Sobre a ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) foi criada

Leia mais

Incentivos ao Investimento em Start-ups Inovadoras Análise Internacional. Rodrigo Menezes

Incentivos ao Investimento em Start-ups Inovadoras Análise Internacional. Rodrigo Menezes Incentivos ao Investimento em Start-ups Inovadoras Análise Internacional Rodrigo Menezes 2014 Experiência Internacional - Descrição dos principais programas de estímulos ao investimento em PMEs inovadoras

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º, DE 2013

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º, DE 2013 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º, DE 2013 (Do Sr. Otavio Leite e da Sra. Fátima Pelaes) Acrescenta dispositivos à Lei Complementar n.º 123, de 14 de dezembro de 2006, que institui o Estatuto Nacional da

Leia mais

Apoio à Inovação. Desenvolve SP 11 de novembro de 2014

Apoio à Inovação. Desenvolve SP 11 de novembro de 2014 Apoio à Inovação Desenvolve SP 11 de novembro de 2014 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte de crédito de longo prazo para investimento

Leia mais

Workshop de Securitização FIDC E CRI. Comitê de FIDCs da ANBIMA Ricardo Augusto Mizukawa

Workshop de Securitização FIDC E CRI. Comitê de FIDCs da ANBIMA Ricardo Augusto Mizukawa Workshop de Securitização FIDC E CRI Comitê de FIDCs da ANBIMA Ricardo Augusto Mizukawa Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Mercado Iniciativas do Mercado - ANBIMA Classificação de FIDCs Formulário

Leia mais

ROTEIRO DE INFORMAÇÕES PARA SELEÇÃO E ENQUADRAMENTO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

ROTEIRO DE INFORMAÇÕES PARA SELEÇÃO E ENQUADRAMENTO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO ROTEIRO DE INFORMAÇÕES PARA SELEÇÃO E ENQUADRAMENTO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO A Procedimentos para Encaminhamento das Propostas As solicitações para a participação no processo seletivo de escolha do fundo

Leia mais

Roberto Mendonça Pereira. CVM - Comissão de Valores Mobiliários Brasil

Roberto Mendonça Pereira. CVM - Comissão de Valores Mobiliários Brasil Clasificaciones de productos financieros por riesgo y diferenciación de los inversores. Diferentes niveles de protección y obligaciones que se derivan para las entidades. Roberto Mendonça Pereira CVM -

Leia mais

Santos, 30 de setembro de 2009

Santos, 30 de setembro de 2009 Santos, 30 de setembro de 2009 Estas são nossas primeiras impressões, comentário e observações quanto a Resolução 3790/09 que regula as aplicações financeiras dos RPPS: Valorização da elaboração da política

Leia mais

Histórico de Atividades Renda Variável

Histórico de Atividades Renda Variável Histórico de Atividades Renda Variável Decisão Estratégica de atuar em Participações Objetivo da Criação da área de Participações Objetivo: Promover o desenvolvimento econômico do Estado, através da participação

Leia mais

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA Por meio de um investimento estratégico de até R$314,7 milhões, a BNDESPAR ingressa no capital social da Renova Energia. Parceria de Longo Prazo A

Leia mais

PLANO DIRETOR DO MERCADO DE CAPITAIS 2008 DETALHAMENTO - RELATÓRIO CODEMEC 01/2009

PLANO DIRETOR DO MERCADO DE CAPITAIS 2008 DETALHAMENTO - RELATÓRIO CODEMEC 01/2009 INCLUSÃO DE PROPOSTAS NO PDMC 20008 REUNIÃO DE 14/08/2009 COMITE EXECUTIVO DOPLANO DIRETOR De acordo com o procedimento adotado no PDMC 2008 1, as propostas abaixo, foram aprovadas pelo Comitê Executivo

Leia mais

11. Empresas de base tecnológica

11. Empresas de base tecnológica 1 11. Empresas de base tecnológica 11.1 Fontes de captação de recursos das empresas Conforme já foi visto anteriormente, uma empresa S.A. aberta pode financiar seus projetos de investimentos com empréstimos

Leia mais

Entendendo o Venture Capital

Entendendo o Venture Capital Semana Global de Empreendedorismo - ANPROTEC 21 de novembro de 2008 São Paulo, SP Entendendo o Venture Capital André Saito Vice-coordenador acadêmico, GVcepe GVcepe Primeiro centro de estudos em PE/VC

Leia mais

Material Explicativo sobre FIC-FIDC e FIDC

Material Explicativo sobre FIC-FIDC e FIDC Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais Os Fundos de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIC-FIDC) são aqueles que investem pelo menos 95% de seu patrimônio

Leia mais

Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador

Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador Rochester Gomes da Costa Chefe do Departamento de Empreendedorismo Inovador Area de Investimentos

Leia mais

ENCONTRO ANUAL DO PAEX

ENCONTRO ANUAL DO PAEX ENCONTRO ANUAL DO PAEX Sustentabilidade Financeira para a Competitividade Prof. Haroldo Mota 2007 O CONFORTO DE CURTO PRAZO Empresa Acomodada Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 EBITDA 940 890 820 800 ( ) Var. NCG

Leia mais

Prezado(a) Associado(a),

Prezado(a) Associado(a), Prezado(a) Associado(a), Abaixo, os itens do Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para Fundos de Investimento para considerações e comentários V.Sas. A minuta trata de três mudanças, grifadas

Leia mais

Rumos do Desenvolvimento: Estratégia Empresarial, Inovação e Visão sobre Intangíveis

Rumos do Desenvolvimento: Estratégia Empresarial, Inovação e Visão sobre Intangíveis Rumos do Desenvolvimento: Estratégia Empresarial, Inovação e Visão sobre Intangíveis Seminário FIRJAN / COPPE "Inteligência Estratégica: modismo ou imperativo? 22/08/08 Helena Tenório Veiga de Almeida

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO ESTRUTURADOS

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO ESTRUTURADOS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO ESTRUTURADOS DO OBJETO A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, na qualidade de gestora e/ou instituição administradora de Fundos de

Leia mais

Incentivos Fiscais na Emissão de Debêntures - Lei nº 12.431/2011. Fernando Tonanni. 16 de Agosto de 2011

Incentivos Fiscais na Emissão de Debêntures - Lei nº 12.431/2011. Fernando Tonanni. 16 de Agosto de 2011 Incentivos Fiscais na Emissão de Debêntures - Lei nº 12.431/2011 Fernando Tonanni 16 de Agosto de 2011 1 A Lei nº 12.431/2011 Publicada em 27 de junho de 2011; conversão em Lei da Medida Provisória nº

Leia mais

1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento

1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento 1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento O EMPREENDEDORISMO E O MERCADO DE CAPITAIS - Luiz Guilherme

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº. 476, OFERTAS PÚBLICAS DE VALORES MOBILIÁRIOS DISTRIBUÍDAS COM ESFORÇOS RESTRITOS 16 de Janeiro de 2009

INSTRUÇÃO CVM Nº. 476, OFERTAS PÚBLICAS DE VALORES MOBILIÁRIOS DISTRIBUÍDAS COM ESFORÇOS RESTRITOS 16 de Janeiro de 2009 INSTRUÇÃO CVM Nº. 476, OFERTAS PÚBLICAS DE VALORES MOBILIÁRIOS DISTRIBUÍDAS COM ESFORÇOS RESTRITOS 16 de Janeiro de 2009 Apresentamos a seguir um resumo dos principais pontos da Instrução da Comissão de

Leia mais

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO 1 FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO Autor: Jonatam César Gebing Abril de 2015 2 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O GUIA DEFINITIVO MODULO 01 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O QUE SÃO Fundos Imobiliários, o Guia Definitivo.

Leia mais

Apoio à Inovação nas micro e pequenas empresas. O papel do Cartão BNDES no incentivo à inovação

Apoio à Inovação nas micro e pequenas empresas. O papel do Cartão BNDES no incentivo à inovação Apoio à Inovação nas micro e pequenas empresas O papel do Cartão BNDES no incentivo à inovação São Paulo, 09 de Agosto de 2012 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações

Leia mais

Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro

Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro DEBÊNTURES DE INFRAESTRUTURA - CONCEITO Debêntures: título de crédito, representativo de dívida da companhia emissora (art.

Leia mais

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 5ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 5ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 5ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE 1. OBJETO A Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), com o apoio do

Leia mais

Recursos Próprios. Amigos e Familiares

Recursos Próprios. Amigos e Familiares Recursos Próprios Chamado de booststrapping, geralmente é a primeira fonte de capital utilizada pelos empreendedores. São recursos sem custos financeiros. O empreendedor tem total autonomia na tomada de

Leia mais

FII e FIDC Regulação e Funcionamento

FII e FIDC Regulação e Funcionamento FII e FIDC Regulação e Funcionamento Bruno Gomes Gerência de Acompanhamento de Fundos Estruturados 12 de março de 2015 Aviso As opiniões e conclusões aqui apresentadas são de responsabilidade do apresentador

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTO

FUNDOS DE INVESTIMENTO FUNDOS DE INVESTIMENTO Fundo de Investimento é uma comunhão de recursos, captados de pessoas físicas ou jurídicas, com o objetivo de obter ganhos financeiros a partir da aplicação em títulos e valores

Leia mais

DEBÊNTURES DE INFRAESTRUTURA e PD&I Fundos IE/PD&I

DEBÊNTURES DE INFRAESTRUTURA e PD&I Fundos IE/PD&I DEBÊNTURES DE INFRAESTRUTURA e PD&I Fundos IE/PD&I [LEI n 12.431, de 27 de Junho de 2011] Agosto de 2011 Introdução 1. Debêntures de Infraestruturae de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação ( Debêntures

Leia mais

Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais

Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais ESTUDOS E PESQUISAS Nº 417 Proposta do Ibmec estratégia nacional de acesso ao mercado de capitais Carlos A. Rocca * XXIV Fórum Nacional Rumo ao Brasil Desenvolvido (Em Duas Décadas): Estratégia de Desenvolvimento

Leia mais

Desafios Estratégicos para a Indústria de Fundos de Investimento. Marcelo Trindade mtrindade@trindadeadv.com.br Rio de Janeiro, 15.03.

Desafios Estratégicos para a Indústria de Fundos de Investimento. Marcelo Trindade mtrindade@trindadeadv.com.br Rio de Janeiro, 15.03. Desafios Estratégicos para a Indústria de Fundos de Investimento Marcelo Trindade mtrindade@trindadeadv.com.br Rio de Janeiro, 15.03.2012 Arcabouço Regulatório da Indústria de Fundos de Investimento Sumário

Leia mais

VERAX RPW MICROFINANÇAS FIDC ABERTO. Rating. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios FUNDAMENTOS DO RATING

VERAX RPW MICROFINANÇAS FIDC ABERTO. Rating. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios FUNDAMENTOS DO RATING Relatório Analítico Rating A- As cotas do FIDC encontram-se suportadas por uma carteira de recebíveis com inadimplência muito baixa, a qual garante margem de cobertura muito boa para o pagamento do principal,

Leia mais

Missão da FINEP inovação e a pesquisa científica e tecnológica mobilizando recursos financeiros integrando instrumentos

Missão da FINEP inovação e a pesquisa científica e tecnológica mobilizando recursos financeiros integrando instrumentos Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, institutos tecnológicos, centros de pesquisa e outras instituições públicas ou privadas,

Leia mais

Desafios do mercado de FIDCs e Fundos de Infraestrutura

Desafios do mercado de FIDCs e Fundos de Infraestrutura Desafios do mercado de FIDCs e Fundos de Infraestrutura Ricardo Mizukawa São Paulo, 04/05/2013 FIDC Conceito Os FIDCs (Fundos de Investimento em Direitos Creditórios) mais conhecidos como Fundos de Recebíveis

Leia mais

Tendências e oportunidades de negócios para os Fundos de Direitos Creditórios. Subcomitê de FIDCs da ANBIMA Coordenador: Ricardo Augusto Mizukawa

Tendências e oportunidades de negócios para os Fundos de Direitos Creditórios. Subcomitê de FIDCs da ANBIMA Coordenador: Ricardo Augusto Mizukawa Tendências e oportunidades de negócios para os Fundos de Direitos Creditórios Subcomitê de FIDCs da ANBIMA Coordenador: Ricardo Augusto Mizukawa Fundo de Investimento em Direitos Creditórios 4 Mercado

Leia mais

CAIXA FI INSTITUCIONAL AÇÕES BDR NIVEL I

CAIXA FI INSTITUCIONAL AÇÕES BDR NIVEL I CAIXA FI INSTITUCIONAL AÇÕES BDR NIVEL I 1 Por que investir em fundo de AÇÕES BDR NIVEL I? Viabiliza o acesso das instituições reguladas pela Resolução CMN 3792/09 a investimentos no exterior; Estrutura

Leia mais

Anúncio de Início da Distribuição Pública de Cotas da Primeira Emissão do

Anúncio de Início da Distribuição Pública de Cotas da Primeira Emissão do Anúncio de Início da Distribuição Pública de Cotas da Primeira Emissão do COGITU FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF n.º 18.653.262/0001-10 Código ISIN das Cotas: BRCGTUCTF009 ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PRIVATE EQUITY & VENTURE CAPITAL NEWSLETTER

PRIVATE EQUITY & VENTURE CAPITAL NEWSLETTER AD VO G AD O S MOTTA, FERNANDES ROCHA ADVOGADOS COLETÂNEA 2013 Sumário Conciliando investidores estrangeiros e institucionais brasileiros nos Fundos de Investimento em Participações FIPs... 2 Private Equity

Leia mais

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 6ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 6ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 6ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE 1. OBJETO A Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), na qualidade de

Leia mais

A evolução dos produtos de investimento: principais tendências. Internacionalização das carteiras dos fundos de investimento

A evolução dos produtos de investimento: principais tendências. Internacionalização das carteiras dos fundos de investimento A evolução dos produtos de investimento: principais tendências Internacionalização das carteiras dos fundos de investimento Fábio Cepeda 27.08.2013 NECESSIDADE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTO Em função

Leia mais

20º SEMINÁRIO DE INVESTIMENTOS - CAPEF

20º SEMINÁRIO DE INVESTIMENTOS - CAPEF SEMINÁRIO 20º SEMINÁRIO DE INVESTIMENTOS - CAPEF Alocação de Investimentos Estruturados em Fundos de Pensão Luiz da Penha NOV/2013 SUMÁRIO 1. Informações sobre a Fachesf 2. Histórico da alocação das EFPCs;

Leia mais

Bruno Luna. XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial Mercado de Capitais Operações Estruturadas (FIDCs)

Bruno Luna. XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial Mercado de Capitais Operações Estruturadas (FIDCs) XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial Mercado de Capitais Operações Estruturadas (FIDCs) Bruno Luna Superintendência de Relações com Investidores Institucionais 01 de maio de 2014 1 Disclaimer

Leia mais

A ESTRUTURA DO EXODUS 60 FIC FIM

A ESTRUTURA DO EXODUS 60 FIC FIM A ESTRUTURA DO EXODUS 60 FIC FIM XP INVESTIMENTOS SRM XP INVESTIMENTOS SRM EXODUS 60 FIC FIM APLICAÇÃO NO MÍNIMO 95% DE COTAS FIDC DA INDÚSTRIA EXODUS INSTITUCIONAL A GESTORA Evolução do Grupo SRM SRM

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio Investimentos Alternativos 10 de Junho de 2.010 2ª. Conferência de Investimentos

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 554, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 564/15.

INSTRUÇÃO CVM Nº 554, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 564/15. INSTRUÇÃO CVM Nº 554, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 564/15. Inclui, revoga e altera dispositivos na Instrução CVM nº 155, de 7 de agosto de 1991, na Instrução

Leia mais

STJ00096627. Mestre em Direito Empresarial pela FD-UFMG e Advogado REGIME JURÍDICO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO

STJ00096627. Mestre em Direito Empresarial pela FD-UFMG e Advogado REGIME JURÍDICO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO STJ00096627 MÁRIO T AVERNARD MARTINS DE CARVALHO Mestre em Direito Empresarial pela FD-UFMG e Advogado REGIME JURÍDICO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Editora {2yartier Latin do Brasil São Paulo, primavera

Leia mais

Oferta Pública. Mercado de Capitais

Oferta Pública. Mercado de Capitais Oferta Pública Mercado de Capitais Oferta Pública Para ter suas ações negociadas na Bolsa, as empresas precisam abrir o capital. O primeiro procedimento para a empresa abrir o capital é entrar com o pedido

Leia mais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A Lei nº 6.385/76 define os mandatos legais da CVM: Desenvolvimento do Mercado (art 4º. Incisos I e II); Eficiência e Funcionamento do Mercado (art. 4º,

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio FCE 2ª Conferencia de Investimentos Alternativos FIDCs: oportunidades oriundas dos gaps

Leia mais

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 4ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 4ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP PROGRAMA FINEP INOVAR SEMENTE 4ª CHAMADA PARA CAPITALIZAÇÃO DE FUNDOS DE CAPITAL SEMENTE 1. OBJETO A Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), o Banco de Desenvolvimento

Leia mais

Fundo cotado em bolsa desde seu lançamento

Fundo cotado em bolsa desde seu lançamento Fundo cotado em bolsa desde seu lançamento Esta apresentação visa apenas passar informações gerais do fundo que está sendo estruturado, e, não é e não deve ser considerada de nenhuma forma uma oferta firme,

Leia mais

Estruturação de Fundos de Private Equity e Venture Capital. Fundos Offshore, suas Operações e a Captação Internacional de Recursos

Estruturação de Fundos de Private Equity e Venture Capital. Fundos Offshore, suas Operações e a Captação Internacional de Recursos Estruturação de Fundos de Private Equity e Venture Capital Fundos Offshore, suas Operações e a Captação Internacional de Recursos 06 de novembro de 2012 SOBRE A LIONS Administradora de fundos independente,

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII Crédito lastreado em imóveis, alta rentabilidade e fluxo de caixa constante, com a solidez do concreto.

Leia mais

CONGRESSO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO PARALELA DE FIP MAIO 2015

CONGRESSO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO PARALELA DE FIP MAIO 2015 8 º CONGRESSO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO PARALELA DE FIP MAIO 2015 CENÁRIO PERCENTUAL DO CAPITAL COMPROMETIDO POR TIPO DE INVESTIDOR* EM BILHÕES DE R$ 2011 2012 2013 12 16 14 12 9 7 9 8 8 13 12 18 30 27

Leia mais

Fundos Estruturados BB DTVM

Fundos Estruturados BB DTVM Fundos Estruturados BB DTVM Fundos Estruturados 2 Fundo Estruturados Evolução histórica Fonte: CVM 3 Patrimônio dos Fundos Estruturados e 409 (R$ Bilhões) 92,0% 4,1% 2,7% 1,3% Patrimônio Líquido Fundos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº Informações referentes à Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

Fóruns da Garantia Mútua, Norgarante - Investir num Mundo de Oportunidades -

Fóruns da Garantia Mútua, Norgarante - Investir num Mundo de Oportunidades - O papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento na recapitalização das empresas Fóruns da Garantia Mútua, Norgarante - Investir num Mundo de Oportunidades - Ricardo Luz Administrador Executivo Pousada

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Cenário econômico Cenário econômico Contexto Macro-econômico e Regulamentação Redução de spreads Incremento

Leia mais

Novo Mercado de Acesso no Brasil: Bovespa Mais e Bovespa Mais Nível 2

Novo Mercado de Acesso no Brasil: Bovespa Mais e Bovespa Mais Nível 2 Novo Mercado de Acesso no Brasil: Bovespa Mais e Bovespa Mais Nível 2 MERCADO jun/15 E O AMBIENTE PARA IPOS NO BRASIL Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno X Público 1 HISTÓRICO DO MERCADO DE

Leia mais

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL JANEO 2013 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL MEDIDA PROVISÓRIA 601/2012: BENEFÍCIOS FISCAIS DE FIDCS DE PROJETOS DE INVESTIMENTO (INCLUSIVE INFRAESTRUTURA) A. Introdução 1. A fim de aprimorar os

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Sumário 1. Capital Semente 2. O Projeto Criatec e o Fundo Criatec 1 3. O Fundo Criatec 2 6. Formação de Tese de Investimento Capital Semente Capital Semente Capital Semente Fases

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas 7. Referências Bibliográficas BERGAMINI JR, Sebastião. A Crise de Credibilidade Corporativa. Revista do BNDES, Vol. 9, n o 18. Rio de Janeiro, 2002. BORDEAUX-REGO, Ricardo E NESS JR., Walter L. A Preferência

Leia mais

Instrumentos de Captação Privado do Setor Imobiliário

Instrumentos de Captação Privado do Setor Imobiliário Instrumentos de Captação Privado do Setor Imobiliário Índice Introdução Novos instrumentos Privados de financiamento Imobiliário Cenário Norte Americano REIT Quase um Stress Test FII - Fronteira Eficiente

Leia mais

metodologias SR RATING

metodologias SR RATING metodologias SR RATING o processo de avaliação de risco de fundos de investimento em direitos creditórios 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO Com vistas a instaurar um processo de avaliação do risco

Leia mais

FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação

FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação São Paulo, Junho de 2009 FINEP Agência Brasileira da Inovação Empresa pública vinculada ao

Leia mais

Av. Ataulfo de Paiva, 245-3º andar Leblon CEP: 22440-032 www.animaeducacao.com.br/ri Rio de Janeiro Tel.: +55 (21) 3550-1630. www.genuscapital.com.

Av. Ataulfo de Paiva, 245-3º andar Leblon CEP: 22440-032 www.animaeducacao.com.br/ri Rio de Janeiro Tel.: +55 (21) 3550-1630. www.genuscapital.com. Av. Ataulfo de Paiva, 245-3º andar Leblon CEP: 22440-032 Rio de Janeiro Tel.: +55 (21) 3550-1630 www.genuscapital.com.br A EMPRESA A Genus Capital Group é uma gestora independente centrada em produtos

Leia mais

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Uso de instrumentos de mercado de capitais em Projetos de Longo Prazo Laura Bedeschi Agosto/2015 Debêntures Adquiridas 2 BNDES Investidor Debêntures

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Departamento de Controladoria de Fundos de Investimento Setor de Precificação Propriedade de SITA Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S/A Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização.

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS

FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG S IMOBILIÁRIOS Luis Fellipe Maia Advogado Formado pela UFMG Sócio da Vivá Capital Membro do Conselho Diretor da Júnior Achievement/MG

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES E FUNDOS MULTIMERCADO

FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES E FUNDOS MULTIMERCADO I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG EM AÇÕES E FUNDOS MULTIMERCADO Fernanda Valle Versiani Mestranda em Direito Empresarial pela Universidade Federal de Minas Gerais,

Leia mais

Capital de Risco no Brasil Atritos e Convergências

Capital de Risco no Brasil Atritos e Convergências Capital de Risco no Brasil Atritos e Convergências Palavras-chave: Capital de risco, Finep, Fórum Brasil Capital de Risco, empresas de base tecnológica, inovação, investidores, fundos de investimento,

Leia mais

TORCIDA PELA I NOVAÇAO

TORCIDA PELA I NOVAÇAO . TORCIDA PELA I NOVAÇAO - que empreende Para o gaúcho Clovis Meurer, a melhor tradução do termo Private Equity & Venture Capital não é Capital de Risco, e, sim, CapitalEmpreendedor; Como-mais de 30 anos

Leia mais

Avaliação de Desempenho dos FMIEE 4.1. Amostra de Empresas

Avaliação de Desempenho dos FMIEE 4.1. Amostra de Empresas 4. Avaliação de Desempenho dos FMIEE 4.1 Amostra de Empresas Conforme mencionado na seção anterior, foram examinados os 21 (vinte e um) Fundos de Investimento em Empresas Emergentes com atuação no país

Leia mais

Centro Internacional de Inovação. Ronald Dauscha

Centro Internacional de Inovação. Ronald Dauscha Centro Internacional de Inovação Ronald Dauscha V Encontro da Rota MM (24.11.2010, CIETEP) C2i Centro Internacional de Inovação Ronald M. Dauscha, Sistema FIEP Federação das Indústrias do Estado do Paraná

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais