GUIA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA ICC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA ICC"

Transcrição

1 11ª Edição, 2012 GUIA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA ICC Questões atuais e emergentes para empresas e legisladores

2 11ª Edição, 2012 GUIA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA ICC Questões atuais e emergentes para empresas e legisladores Direitos Autorais para a versão original em inglês 2012 International Chamber of Commerce Todos os direitos reservados Essa publicação foi traduzida e impressa com a autorização da International Chamber of Commerce (ICC) que não se responsabiliza pela exatidão da tradução.

3 Os patrocinadores do Guia da Propriedade Intelectual da ICC A tradução e impressão da versão em português é uma cortesia de Dannemann Siemsen Bigler & Ipanema Moreira

4 2012 Índice Índice Prefácio Créditos Links Fundamentos de propriedade intelectual...1 Desenvolvimentos com impacto sobre a proteção à propriedade intelectual A globalização da economia O desenvolvimento de novas tecnologias A disseminação da conexão pela Internet e a penetração da banda larga A Importância econômica de inovações não-tecnológicas nas empresas, recursos genéticos e conhecimento tradicional A politização da propriedade intelectual Mudanças na metodologia operacional das empresas...19 Guia A. Questões referentes a direitos específicos de propriedade intelectual I. Patentes Harmonização substantiva de patentes e cooperação com repartições de patentes Base para concessão de direitos de patentes: primeiro a inventar x primeiro a depositar Diferenças nacionais em patenteabilidade (por exemplo, biotecnologia e software de computador) A patenteabilidade de novos usos para compostos conhecidos Trabalho sobre um sistema unificado de patentes na Europa Considerações quanto a idiomas Licenciamento compulsório e uso pelo governo Patentes e normas técnicas...30 ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores

5 Índice 2012 II. Marcas Marcas famosas e notórias Buscas Uso de marcas na Internet Nomes de domínio...36 III. Desenhos Harmonização internacional substantiva e procedimental Falta de plenas possibilidades de busca de desenhos...41 IV. Direitos Autorais Administração e licenciamento coletivos Proteção legal a medidas tecnológicas que ajudam na proteção e licenciamento de obras Direitos morais Proteção de executantes/intérpretes audiovisuais Proteção de difusoras de rádio e televisão...45 V. Indicações geográficas...46 VI. Direitos de variedades de plantas (PVR)...47 VII. VIII. Proteção de informações não-divulgadas (segredos comerciais) e exclusividade de dados...48 Outras formas de propriedade intelectual e tecnologias Produtos de informação, por exemplo, bancos de dados Direitos indígenas/ comunitários/ tradicionais Biotecnologia e novos avanços da genética...53 B. Questões comuns a vários direitos de propriedade intelectual I. Prioridades na exigência de observância Litígio quanto a direitos de PI Exigência de observância na Internet...58 ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores

6 2012 Índice II. Solução de controvérsias de propriedade intelectual por arbitragem ou mediação Arbitragem Mediação...63 III. IV. Contrafação e pirataria...65 Exaustão dos direitos de propriedade intelectual...69 V. Avaliação, negociação e securitização de direitos de propriedade intelectual...70 VI. Desvio das taxas de registro de propriedade intelectual...72 VII. Privilégio do cliente e assessores profissionais de PI...73 C. Interação entre política de propriedade intelectual e de outras áreas I. Uso apropriado dos direitos de propriedade intelectual para o desenvolvimento econômico...77 II. Meio ambiente Diversidade biológica Mudança climática...81 III. Desenvolvimento e transferência de tecnologia...82 IV. Política de Concorrência Questões gerais Situações especiais...88 V. A sociedade da informação...89 VI. Privacidade de dados...91 Notes ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores

7 Prefácio 2012 Prefácio A propriedade industrial (PI) continua sendo um campo em constante evolução, não raro atrelado a mudanças tecnológicas, econômicas, políticas e sociais. Essa mudança acentuada no quadro geoeconômico, por sua vez, tem gerado um interesse crescente nas utilizações da PI como ferramenta na alavancagem de um crescimento econômico sustentável. O seu alcance é inegável, tanto em países emergentes que objetivam fortalecer seus fundamentos econômicos, como em países de sólida estrutura que visam manter sua posição estratégica no mercado global. O comércio em si exerce um papel significativo no âmbito governamental, familiarizando-o com os modelos de infraestrutura necessários para o crescimento de indústrias de ponta, além do inestimável estímulo a mudanças tecnológicas. O processo acelerado, inerente à tecnologia da informação também exerce um papel de peso na utilização, licenciamento e proteção da PI. A emergência da mídia social, a reboque de uma crescente presença de dispositivos móveis e suas múltiplas aplicações, a presença maciça da banda larga, aliados à mudança de gostos e preferências do consumidor, têm levado proprietários de PI a repensar seus modelos e estratégias de distribuição, comercialização e controle da PI na esfera da eletrônica. O inegável avanço nas comunicações e viagens tem contribuído para um incremento de negócios internacionais nas transações e trocas de PI. Isto gera uma necessidade premente de adoção de regras coerentes e abrangentes em escala global. A edição de 2012 da principal publicação da ICC, O Guia ICC de Propriedade Intelectual: Questões Atuais e Emergentes para Empresários e Legisladores realça os diversos progressos alcançados nos últimos dois anos como resultado direto dessas mudanças. Essas mudanças incluem a decisão de abrir o genérico espaço de nome de Domínio de Alto Nível. Também incluem medidas para controlar violações de direitos autorais e marcas na Internet, bem como coibir os altos custos e reduzir o longo período exigido para a obtenção de patentes em múltiplas jurisdições (exemplo: uma cooperação mais estreita entre repartições de patente; medidas adicionais na iniciativa da EU de criar uma plataforma única de registro e litígio de patentes; e uma recomposição geral atrelando o sistema dos Estados Unidos a outros sistemas mundiais. Outros desenvolvimentos, com implicações na esfera científica, incluem a conclusão do Protocolo de Nagoya sobre Acesso e Compartilhamento de Benefícios relativo a recursos genéticos, além da proteção de medicamentos biossimilares encontrados na União Européia e nos Estados Unidos. O Guia de PI de 2012 retém a mesma estrutura das edições anteriores. Um capítulo de apresentação descrevendo os progressos relativos à proteção da PI é seguido por diversas seções detalhando assuntos tais como temas relativos aos direitos da PI, bem como temas interligados aos vários direitos da PI, culminando com a interação entre PI e demais políticas do setor. Cada seção descreve novos desenvolvimentos assim como medidas e posicionamentos de empresas e governos sobre questões específicas. A maior parte das seções foi amplamente atualizada para essa nova edição, incluindo seções sobre exclusividade de dados, direitos de variedade de plantas, indicadores geográficos, desenhos, bancos de dados, avaliação, além de arbitragem e mediação de disputas relativas à PI. ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores

8 2012 Prefácio Esperamos que o Guia de PI da ICC continue a ser uma valiosa base de referência para todos que trabalham no setor ou que necessitem compreender a política de propriedade intelectual. Estamos abertos a informações e opiniões dos leitores, as quais, com certeza, nos auxiliarão na tarefa de ampliar e aprimorar esta publicação. Jean-Guy Carrier Secretário Geral ICC David Koris Presidente Comissão da ICC sobre Propriedade Intelectual Esta é a décima primeira edição de O Guia ICC de Propriedade Intelectual: Questões Atuais e Emergentes para Empresários e Legisladores. A primeira edição data de O Guia expressa as posturas existentes da ICC e não se destina a criar uma nova política da ICC. Esta publicação em inglês e em outros idiomas, bem como documentos mencionados sobre a política da ICC podem ser acessados em ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores

9 Créditos 2012 Créditos A ICC agradece as principais contribuições recebidas dos membros da força-tarefa do Guia PI da ICC e de outros grupos da ICC para a presente atualização: Ron Myrick, Finnegan and Henderson, Farabow, Garret & Dunner LLP, Estados Unidos (Presidente da Força-Tarefa) Ivan B.Ahlert, Dannemann, Siemsen, Bigler & Ipanema Moreira, Brasil Joseph Alhadeff, Oracle, Estados Unidos Thaddeus Burns, General Electric, Estados Unidos Juan Carlos Amaro, Becerril, Coca & Becerril S.C., México Tomás Arankowsky Tamés, AVAH Legal S. C., México Ingrid Baele, Philips IP & Standards, Países Baixos Christopher Boam, Verizon Communications, Estados Unidos Stravos Brekoulakis, School of International Arbitration, Reino Unido Thaddeus Burns, General Elecric, Estados Unidos Antonella Carminatti, Barbosa, Müssnich & Aragão, Brasil Bernardo Cascão, Barbosa, Müssnich & Aragão, Brasil Héctor E. Chagoya, Becerril, Coca & Becerril, S.C., México Chew Phye Keat, Raja, Darryl & Loh, Malásia David Fares, News Corporation, Estados Unidos Rodrigo Ferreira, Barbosa, Müssnich & Aragão, Brasil Graham Henderson, Music Canada, Canadá Ivan Hjertman, IP Interface AB, Suécia Michael Jewess, Pesquisa em Propriedade Intelectual, Reino Unido David Jones, Microsoft, Estados Unidos Douglas Kenyon, Hunton & Williams, Estados Unidos Sun Kim, Kims and Lees, Korea Daniel Kraus, Umbricht, Suíça Edgar Krieger, CIOPORA Sandra Leis, Dannemann, Siemsen, Bigler & Ipanema Moreira, Brasil Julian D. M. Lew QC, 20 Essex Street, Câmara e Escola de Arbitragem Internacional, Reino Unido Bruno Lewick, Barbosa, Müssnich & Aragão, Brasil David Lewis, Babcock International Group PLC, Reino Unido Elisabeth Logeais, UGGC, representando a Licensing Executives Society International José Mauro Machado, Pinheiro Neto Advogados, Brasil Allison Mages, General Electric, Estados Unidos Leslie McDonell, Finnegan, Henderson, Farabow, Garrett & Dunner LLP, Estados Unidos José Carlos da Matta Berardo, Barbosa, Müssnich & Aragão, Brasil Paula Mena Barreto, Barbosa, Müssnich & Aragão, Brasil Carlos Müggenburg, Müggenburg, Gorches, Peñalosa y Sepúlveda S. C., Mexico Ana Muller, Barbosa, Müssnich & Aragão, Brasil Gadi Oron, Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI), Reino Unido Diego Osegueda, Barbosa, Müssnich & Aragão, Brasil John Paul, Finnegan and Henderson, Estados Unidos Raymundo Pérez Arrelano, Von Wobeser y Sierra S.C., Mexico Sudhir Raja Ravindran, Altacit Global, Índia Beatrice Renggli, IP Consult 4U GmbH, Suíça Michael Ritscher, Meyer Lustenberger, Suíça Timothy W. Roberts, Brookes Batchellor LLP, Reino Unido José Antonio Romero, Becerril, Coca & Becerril, S.C., Mexico ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores

10 2012 Créditos David Rosenberg, GlaxoSmithKline, Reino Unido Jean-François Sarrazin, Bayer, Alemanha Pavel Savitsky, Mannheimer Swartling, Russia Peter Schramm, Meyer Lustenberger, Suíça Claudia Schulz, Barbosa, Müssnich & Aragão, Brasil Peter Dirk Siemsen, Dannemann, Siemsen, Bigler & Ipanema Moreira, Brasil Bradley Silver, Time Warner, Estados Unidos Derek Slater, Google, Estados Unidos Michael Soo, Shook Lin & Bok, Malásia Ekaterina Tilling, Baker Botts, Russia Natalia Tobon, Cavelier Abogados, Colômbia Anthony Tridico, Finnegan, Henderson, Farabow, Garrett & Dunner LLP, Estados Unidos Stéphane Tronchon, Qualcomm, Estados Unidos Fabricio Vayra, Time Warner Inc., Estados Unidos Daphne Yong-d Hervé (Secretária da Força Tarefa), Kati Jutteau, Ayesha Hassan, Andrea Bacher, Jeffrey Hardy, Francesca Mazza, Tracy Faustin, Hannah Tümpel, Secretariado da ICC Agradecemos também a todos os membros da ICC e aos comitês nacionais de diferentes regiões que contribuíram com seus valiosos comentários e idéias para a presente atualização. ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores

11 Links 2012 Links International Chamber of Commerce Anti-Counterfeiting Trade Agreement Convention on Biological Diversity European Union Commission, Parliament, Council ICC ACTA CBD EU europa.eu European Patent Office EPO EU Office for Harmonization in the Internal Market (Trademarks and Designs) Five Intellectual Property Offices Hague Conference on Private International Law Internet Corporation for Assigned Names and Numbers International Treaty on Plant Genetic Resources for Food and Agriculture International Union for the Protection of New Varieties of Plants Organisation of Economic Co-operation and development United Nations Commission on International Trade Law United Nations Framework Convention on Climate Change OHIM IP5 HCCH ICANN PGRFA UPOV OECD UNCITRAL UNFCCC oami.europa.eu unfccc.int World Health Organisation WHO World Intellectual Property Organisation WIPO World Trade Organisation WTO ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores

12 2012 Fundamentos da propriedade intelectual Fundamentos de Propriedade Intelectual O que é propriedade intelectual? Propriedade intelectual é uma criação do intelecto, que é de propriedade de uma pessoa física ou de uma organização, que pode então escolher entre compartilhá-la livremente ou controlar seu uso de determinadas maneiras. A propriedade intelectual é encontrada em quase toda parte em obras criativas como livros, filmes, discos, música, arte e software, e em objetos do dia-a-dia, como automóveis, computadores, medicamentos e variedades de plantas, todos eles desenvolvidos graças aos avanços na ciência e na tecnologia. As características distintivas que nos ajudam a escolher os produtos que compramos como nomes de marca e desenhos, podem se enquadrar dentro do escopo da propriedade intelectual. Até mesmo o lugar de origem de um produto pode ter direitos ligados ao mesmo, como o caso de Champagne e Gorgonzola. Muito do que vemos e usamos na Internet, seja uma página da Internet ou o nome de um domínio, também inclui ou representa alguma forma de propriedade intelectual. Porque a propriedade intelectual é protegida, e quem se beneficia? Através de um sistema de direitos de propriedade intelectual, é possível não só assegurar que uma inovação ou criação seja atribuída ao seu criador ou produtor, mas também assegurar a propriedade da mesma e, como resultado, beneficiar-se comercialmente. Ao proteger a propriedade intelectual, a sociedade reconhece os benefícios trazidos por ela, e dá incentivo para que as pessoas invistam tempo e recursos para desenvolver inovações e expandir o conhecimento. O sistema de propriedade intelectual foi elaborado para beneficiar a sociedade como um todo, alcançando um delicado equilíbrio para assegurar que sejam atendidas tanto as necessidades do criador como do usuário. Geralmente os direitos de propriedade intelectual permitem que o detentor dos direitos os exerça sobre o uso de sua obra por um período limitado de tempo. Como contrapartida pela concessão desses direitos, a sociedade se beneficia de várias maneiras. O sistema de propriedade intelectual contribui para a sociedade: Enriquecendo o acervo de conhecimentos e cultura públicos; Mantendo concorrência leal e estimulando a produção de uma ampla gama de bens e de serviços de qualidade; Respaldando o crescimento econômico e o emprego; Apoiando a inovação e a criação; e Promovendo avanços tecnológicos e culturais e de expressão. Quando não há disponibilidade de direitos de propriedade intelectual adequados ou suficientes, ou quando eles são difíceis de serem cumpridos, pessoas físicas e empresas inovadoras dependem, em grande parte, de outros meios para se protegerem da concorrência desleal, como através de segredos comerciais, acordos contratuais, ou meios técnicos para impedir o plágio. Esses meios podem ser menos eficazes na promoção dos objetivos enunciados acima. ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores 1

13 Fundamentos da propriedade intelectual 2012 Como é protegida a propriedade intelectual? Em geral, a propriedade intelectual é protegida dando ao criador de uma obra, ou a um inventor, direitos exclusivos para explorar comercialmente sua criação ou invenção por um período limitado de tempo. Esses direitos também podem ser vendidos, licenciados, ou o detentor dos direitos pode dispor deles de outras maneiras. Os direitos de propriedade intelectual são concedidos nos termos das leis nacionais de cada país ou região. Além disso, vários acordos internacionais sobre direitos de propriedade intelectual harmonizam as leis e procedimentos, ou permitem que direitos de propriedade intelectual sejam registrados ao mesmo tempo em diversos países. Tipos diferentes de propriedade intelectual criações literárias e artísticas, invenções, nomes de marcas e desenhos, para citar alguns são protegidos de maneiras diferentes: Criações nos campos da literatura e das artes, tais como livros, pinturas, música, filmes e discos, bem como software, geralmente são protegidos através de direitos autorais ou dos assim chamados direitos conexos; Invenções tecnológicas são tipicamente protegidas por patentes; Características distintivas como palavras, símbolos, odores, sons, cores e formas que distinguem um produto ou serviço de outro, podem ser protegidas por direitos de marcas; A aparência externa específica dada a objetos, tais como móveis, peças de carrocerias de automóvel, artigos de mesa, jóias, pode gozar da proteção de desenhos; As indicações geográficas e segredos comerciais também são considerados como sendo tipos de propriedade intelectual, e a maioria dos países dá a eles alguma forma de proteção legal; As regras para impedir concorrência desleal no mundo comercial também ajudam a proteger segredos comerciais e outros tipos de propriedade intelectual; Variedades de plantas são protegidas principalmente por um regime específico de proteção de PI chamado direitos de variedades de plantas. Podem também ser protegidas por patentes ou por uma combinação dos dois sistemas; e Em alguns países, circuitos integrados e bancos de dados recebem proteção legal específica. O mesmo produto também pode ser protegido simultaneamente por mais de um tipo de direito de propriedade intelectual em diferentes países. Direitos Autorais Os direitos autorais existem para estimular a produção original de criações artísticas, literárias e musicais, desde livros e pinturas até filmes de cinema, gravações e software. O sistema de direitos autorais recompensa a expressão artística permitindo ao criador beneficiar-se comercialmente de sua obra. Além de conceder direitos econômicos, o direito autoral também confere direitos morais que permitem ao criador reivindicar a autoria e impedir mutilações ou deformações de sua obra que possam prejudicar sua reputação. Para qualificar-se para proteção de direitos autorais, a obra precisa ser uma criação original e ser expressa em determinada forma fixa. Os direitos autorais são automaticamente conferidos ao autor uma vez que a obra esteja criada, embora alguns países mantenham sistemas de registro que 2 ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores

14 2012 Fundamentos da propriedade intelectual proporcionam benefícios adicionais. Ela pode então ser licenciada ou cedida, muitas vezes a um editor ou produtor. A proteção de direitos autorais dá ao autor direitos exclusivos por determinado tempo, geralmente a partir da criação da obra até cinquenta ou setenta anos após o seu falecimento. A lei de direitos autorais permite que o detentor dos direitos autorais controle determinados usos de sua obra. Esses usos, que o autor pode autorizar ou proibir, incluem especificamente a reprodução, distribuição, aluguel, gravação, comunicação ao público, difusão por rádio e televisão, e tradução ou adaptação da obra. Em alguns países, o autor não tem o direito de impedir determinados usos de suas obras, mas tem o direito de ser remunerado pelo seu uso. Em cada país existem exceções que permitem que o público faça uso das obras sem remunerar o autor ou obter sua autorização. Um exemplo é o uso limitado de citações para ilustração ou ensino. As proteções oferecidas ao detentor dos direitos autorais, bem como as limitações e exceções previstas nas leis de direitos autorais, constituem uma parte essencial do arcabouço dos direitos autorais. Objetivando um equilíbrio apropriado, juntas elas facilitam a criação de obras artísticas bem como novos meios para distribuílas e apreciá-las. A maioria dos países dá proteção semelhante a produtores de fonogramas, intérpretes e executantes e difusoras de rádio e televisão. Em alguns países os intérpretes e executantes, produtores e difusoras de rádio e televisão de obras amparadas por direitos autorais são protegidos por direitos autorais da mesma forma que os autores; em outros países, em lugar disso, eles são protegidos por direitos conexos ou correlatos. O direito autoral tem se tornado cada vez mais importante com o desenvolvimento da tecnologia digital e da Internet, onde ele é a principal forma de proteção à propriedade intelectual para conteúdo distribuído online e onde ele enfrenta dificuldades para ser cumprido. Existem diversos acordos internacionais sobre proteção de direitos autorais e direitos correlatos. Eles incluem a Convenção de Berna para Proteção de Obras Literárias e Artísticas (1886), a Convenção de Roma para Proteção de Intérpretes e Executantes, Produtores de Fonogramas e Organizações de Difusão pelo Rádio e Televisão (1961), a Convenção de Genebra para Proteção de Produtores de Fonogramas contra Duplicação Não Autorizada de seus Fonogramas (1971), o Tratado da WIPO sobre Direitos Autorais (1996) e o Tratado da WIPO sobre Interpretações, Execuções e Fonogramas (1996). Os dois últimos abordam a proteção dos direitos de autores no mundo digital. O Acordo da Organização Mundial de Comércio (OMC) sobre Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual Relativos ao Comércio (TRIPS) (1994) é o primeiro acordo multilateral de propriedade intelectual relativo ao comércio. Ele abrange a maioria dos tipos de propriedade intelectual, e inclui direitos autorais e direitos conexos. Patentes A patente dá ao inventor o direito, por um determinado período de tempo,de impedir que outros usem, fabriquem, vendam, ofereçam para venda ou importem sua invenção sem sua autorização. Em troca, o inventor precisa revelar os detalhes de sua invenção em um documento de patente que é colocado à disposição do público. Desta maneira, as patentes representam um contrato social entre a sociedade como um todo e os inventores. Uma inovação que o inventor prefira manter em segredo é conhecida como know-how (conhecimento técnico especializado) ou segredo comercial. Estes são protegidos segundo regras diferentes. Na maioria dos países, a proteção de patente dura 20 anos, contados a partir da data do depósito, e é expedida pelas repartições de patente do governo nacional ou regional, às quais o inventor precisa apresentar um pedido. Para que a patente seja concedida, a invenção precisa atender a três condições: Precisa ser nova nunca deverá ter sido publicada ou usada publicamente antes; ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores 3

15 Fundamentos da propriedade intelectual 2012 Deve ter aplicação industrial precisa ser algo que possa ser fabricado ou usado industrialmente; e Precisa ser não óbvia não deverá ser uma invenção que tenha ocorrido a qualquer pessoa versada no campo pertinente. Sistemas de patentes têm sido adotados por muitos países, ao longo dos anos, porque: Estimulam a revelação de informações ao público, aumentando o acesso do público ao conhecimento técnico e científico. Sem a garantia de uma patente, um inventor, seja pessoa física ou empresa, pode preferir manter em segredo os detalhes de uma invenção; Dão incentivos e recompensa pela inovação e pelo investimento em pesquisa e desenvolvimento, e para futuras invenções; A limitada duração de uma patente estimula a rápida comercialização das invenções, e assim o público recebe mais cedo um benefício tangível da invenção, em vez de mais tarde; Por estimularem a publicação de detalhes das invenções, as patentes ajudam a evitar a duplicação de pesquisa e estimulam mais pesquisa, inovação e concorrência; e São percebidas como uma segura titularidade de propriedade intelectual, concedida, na maioria dos países, após rigoroso processo de exame. Existem diversos acordos internacionais sobre proteção de patentes. Para questões substantivas, os mais importantes são a Convenção de Paris para a Proteção da Propriedade Industrial (1883) e o Acordo da OMC sobre Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual Relativos ao Comércio (TRIPS) (1994), enquanto os principais tratados de patentes sobre questões processuais são o Tratado de Cooperação de Patentes (1970) e o Tratado de Direito Patentário (2000). A Convenção sobre a Patente Européia (1973) estabelece regras para se obter Patentes Européias, que, quando concedidas, dividem-se em patentes nacionais nos países designados. Uma versão revista da Convenção (EPC 2000) e Regulamentações para Implementação entraram em vigor em 13 de dezembro de Marcas As marcas permitem aos consumidores e às empresas diferenciar entre bens e serviços de diferentes produtores, e selecionar produtos de fabricantes de reputação confiável. Para os fabricantes ou prestadores de serviços que investiram tempo, esforço e dinheiro para construir uma boa imagem da marca, as marcas registradas são uma maneira de impedir que outros tirem proveito de sua reputação de maneira desleal. Isso assegura concorrência leal no mercado, e estimula os produtores a investir na qualidade e na reputação de seus produtos ou serviços. A proteção de marcas pode ser aplicada a marcas, nomes, sinais, símbolos, e mesmo cores, odores, sons e formas. Em suma, quase qualquer característica distintiva ligada a um produto ou serviço e que o diferencie de outro pode ser protegida como marca. Na maioria dos países, a marca precisa ser registrada em uma repartição governamental nacional ou regional de marcas, para seu uso em bens ou serviços específicos a serem protegidos. Um detentor de marca pode impedir que terceiros usem sua marca ou marca semelhante em bens ou serviços iguais ou semelhantes se, ao fazê-lo, provavelmente causarem confusão na mente do público. Em 4 ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores

16 2012 Fundamentos da propriedade intelectual muitos países, marcas famosas ou notórias também gozam de proteção para que não sejam depreciadas, enfraquecidas ou aproveitadas de maneira desleal. Quase todas as empresas, grandes e pequenas, dependem de marcas. A proteção à marca é usada mais que qualquer outra forma de propriedade intelectual, tanto em economias em desenvolvimento como nas desenvolvidas. As marcas servem para garantir a origem aos consumidores locais. Registros de marca, que podem ser prontamente submetidos à busca, permitem que as empresas evitem escolher novas marcas que poderiam ser confundidas com as existentes. Existem diversos acordos internacionais sobre proteção de marcas. Para questões substantivas, os mais importantes são a Convenção de Paris para Proteção à Propriedade Industrial (1883), o Tratado de Direito Marcário (1994) e o acordo TRIPS (1994). O Tratado de Cingapura sobre Direito Marcário foi adotado em 28 de março de Quanto a questões processuais, os principais tratados são o Acordo de Madri sobre Registro Internacional de Marcas (1891) e seu Protocolo (1989), que usam o francês, o inglês e o espanhol como idiomas oficiais, e o Acordo de Nice sobre Classificação Internacional de Bens e Serviços para Fins de Registro de Marcas (1957). Na Europa, a Regulamentação n 207/09, de 26 de fevereiro de 2009, que codifica a regulamentação anterior 40/94 sobre Marca de Comércio Comunitária (CTM), permite que o detentor de uma marca obtenha um único registro de marca abrangendo os 27 Estados-Membros da União Européia. O vínculo estabelecido em1º de outubro de 2004 entre o CTM e o Protocolo de Madri dá aos titulares de marcas maior flexibilidade para obterem proteção internacional de marcas. Além do estudo realizado em 2010 sobre o sistema global de marcas na UE, é provável que emendas sejam propostas à atual Regulamentação do CTM. Desenhos Os direitos relativos a desenhos protegem aspectos visuais novos e originais de um produto ou de sua embalagem. Os requisitos para proteção tomam emprestados conceitos tanto de direito patentário (inovação) como de direito autoral (originalidade). Para se qualificar para proteção, o desenho precisa apresentar características estéticas, e não pode ser antecedido por um desenho conhecido que, de uma maneira geral, seja idêntico ou semelhante. Os desenhos podem ser expressos em formato bidimensional (desenhos propriamente ditos) ou tridimensionais (modelos). Os desenhos contribuem significativamente para a comercialização de bens, e são itens fundamentais do ativo de diversas indústrias, como por exemplo, indústrias têxteis, moda, dispositivos móveis de consumo, software (interfaces) de computador, automóveis e mobiliário e decoração. O regime para a proteção de desenhos difere de um país para outro, embora a harmonização tenha sido alcançada dentro da União Européia, com a Regulamentação nº 6/2002, que estabelece direitos de desenhos da Comunidade vigentes em todos os 27 Estados-Membros da União Européia. Na maioria dos países a proteção de desenhos está sujeita a registro, embora haja uma tendência para oferecer proteção, por curto prazo, a desenhos não registrados, 3 anos, por exemplo, na União Européia. Geralmente os desenhos registrados podem se beneficiar de proteção por 25 anos. O titular de um desenho protegido pode proibir a fabricação, venda, importação ou exportação de produtos que incorporem ou apliquem o desenho. Dependendo dos países, o proprietário pode simultaneamente valer-se da proteção dos direitos autoral, marcário e patentário. A proteção de desenhos é uma área que ultimamente tem se beneficiado de significativa e promissora harmonização. O Acordo de Haia (1925) referente ao depósito internacional de desenhos industriais conforme emenda ao Ato de Genebra da WIPO (Organização Mundial de Propriedade Intelectual) de 1999 permite o depósito centralizado de pedidos de desenhos para proteção nos vários países que fazem parte do Acordo (que inclui a União Européia). As Regulamentações mais recentes entraram em vigor em 1º de abril de Para questões processuais, a classificação de bens é regida pelo Acordo de Locarno (1968). ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores 5

17 Fundamentos da propriedade intelectual 2012 Segredos comerciais Os segredos comerciais abrangem vários tipos de informações sobre a empresa, sejam técnicas, comerciais ou financeiras, que não são conhecidas ou não podem ser prontamente obtidas pelo público interessado, e que dão a uma empresa uma margem competitiva (por exemplo, métodos de fabricação, técnicas e know-how, listas e perfis de clientes, métodos de distribuição, informações financeiras, ingredientes, etc.). De uma maneira geral, as informações são levadas em conta para a proteção de segredos comerciais quando identificadas, substanciais e secretas, como disposto no artigo 39 do TRIPS. A proteção de segredos comerciais é concedida sem registro, e pode durar tempo ilimitado, geralmente enquanto for mantida a confidencialidade. Quando o segredo comercial consiste em know-how patenteável, o escopo da proteção legal concedida respectivamente pela lei de patentes e pelo status de segredo comercial precisa ser cuidadosamente comparado, antes de se decidir se a invenção deve ser patenteada ou mantida em segredo. Essa decisão dependerá também do tipo de know-how envolvido, do seu uso previsto, do prazo esperado de vantagem competitiva, e da capacidade de assegurar sigilo em longo prazo. Uma característica distintiva do segredo comercial é a impossibilidade de anular ou ignorar a transferência de conhecimentos, uma vez revelados. É por isso que, ao transferir um segredo comercial, seu detentor geralmente dedica grande atenção às disposições sobre confidencialidade e à eficácia de liminares judiciais que possam ser obtidas localmente para impedir a disseminação não autorizada. As empresas, agora mais conscientes do valor dos segredos comerciais, da confidencialidade e de acordos de não-revelação, bem como de acordos de não-concorrência, em contratos de trabalho, agora os usam amplamente no curso de negociações comerciais, bem como no contexto das relações de emprego, numa tentativa de limitar vazamentos e usos indesejados de valiosas informações sobre negócios. No entanto, a proteção aos segredos comerciais permanece fraca em muitos países, em parte devido à falta de legislação de proteção específica e em parte à falta de conscientização pelo judiciário e outros órgãos administrativos. Sanções contra a obtenção, uso ou revelação de segredos comerciais, através da aplicação de leis contra práticas desleais de concorrência um ramo do direito sobre atos ilícitos também são estipuladas no Artigo 39 do TRIPS. A violação de um compromisso de confidencialidade também pode ser tratada como infração contratual. Em casos específicos, a apropriação indébita de segredos comerciais pode ser considerada crime, assim como furto ou espionagem industrial. A comunicação de know-how, propriamente dito, ou como parte de contratos mistos de licença de patente e de know-how, é uma maneira bem conhecida de explorar segredos comerciais de natureza técnica, que sofrem agora menos restrições nacionais que prejudicam a transferência de know-how além fronteiras. Nomes de domínio Um nome de domínio na Internet é um endereço único em forma simplificada, feito para que usuários possam localizar e visitar um site na Internet de maneira fácil, ou usar um . Cada computador ( servidor ) tem um endereço fixo ou dinâmico de Protocolo na Internet (Endereço IP), que possibilita que ele se comunique com recursos da Internet durante uma sessão específica. Um nome de domínio é nada mais que uma tradução fácil-de-lembrar desse endereço de IP. Por exemplo, o nome de domínio na Internet icc-wbo.org contém iccwbo como domínio de segundo nível antes do ponto, e org como o Domínio de Alto Nível após o ponto. Há Domínios de Alto Nível genéricos (org, com, edu, etc) e Domínios de Alto Nível do código de países. 6 ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores

18 2012 Fundamentos da propriedade intelectual A ICANN (Corporação para Atribuição de Nomes e Números na Internet) é a entidade mundial responsável pela coordenação e gerenciamento do Sistema de Nomes de Domínio. Com o explosivo crescimento da Internet, os nomes de domínio tornaram-se valiosos ativos para as empresas, servindo como identificadores de empresas, que podem se conflitar com identificadores já existentes de empresas (por exemplo, marcas, indicações geográficas, nomes de fantasia, etc.). Através dos nomes de domínio, as empresas podem estabelecer presença na Internet e atrair usuários da Internet no mundo todo. Quando tentam fortalecer suas marcas, as empresas procuram registrar e usar nomes de domínio idênticos às suas marcas, ou que as incorporem, como Domínios de Alto Nível relevantes para seus negócios. Podem ocorrer problemas quando nomes de domínio que incorporam marcas ou variações das mesmas são registrados por terceiros, inclusive por grileiros cibernéticos. (Veja a Seção A. II. 4, Nomes de Domínio para o tratamento das principais questões) Direitos de Variedades de Plantas O direito de variedade de plantas (PVR) é uma espécie de proteção de patente que confere ao produtor o direito exclusivo para explorar a variedade por um período de 30 anos. A elegibilidade de proteção é prevista dentro dos seguintes critérios: Recente não pode ter sido explorada no território protegido por um prazo maior de um ano; ou, em outra localidade, por um prazo que exceda quatro (ou seis) anos anteriores à data do pedido; Diferenciado deve apresentar características marcantes que as diferenciem de outras espécies cuja existência seja do conhecimento público na ocasião do pedido; Padronizado deve ser suficientemente padronizado nas suas principais características; Estável suas principais características devem permanecer inalteradas mesmo após maciça divulgação; e Classificada por um nome condizente. O PVR não protege as espécies propriamente ditas (ao contrário de uma invenção, que é protegida por patente), concentrando-se, portanto, em determinadas classificações. Em primeira instância, apenas o material de divulgação é coberto pelos direitos exclusivos do proprietário, o que lhe permite controlar sua produção, reprodução, vendas, importação, exportação e atividades correlatas. Em alguns países, amostras colhidas das espécies protegidas, assim como produtos feitos diretamente dessas amostras, estão enquadrados no programa de proteção. Uma característica singular no PVR, e uma de suas mais importantes exceções, é a chamada isenção do produtor, que permite que os produtores utilizem espécies protegidas no desenvolvimento e subsequente exploração de novas espécies. Esta isenção tem por objetivo fomentar o desenvolvimento, levando-se em consideração que nenhuma espécie pode ser gerada sem a existência de uma amostra inicial. O único acordo internacional de Direitos de Variedades de Plantas é a Convenção Internacional Para a Proteção de Novas Espécies de Plantas, de 1961(revisto em 1971, 1978 e 1991) que é regida pela União Internacional para a Proteção de Variedades Novas de Plantas (UPOV). Entre os 70 membros da UPOV, 47 são vinculados ao Ato de 1991, 22 ao Ato de 1978, e um único membro ainda é vinculado à Convenção de 1961, conforme emenda ao Ato de Atualmente, mais de certificados de PVR estão em vigor nos países associados à UPOV. ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores 7

19 Fundamentos da propriedade intelectual 2012 O artigo 27(3) (b) do Acordo TRIPS também se refere a espécies de plantas: obriga os membros da OMC a garantir proteção das diversas espécies de plantas através de patentes ou através de um específico sistema eficiente que englobe essas normas. 8 ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores

20 2012 Desenvolvimentos com impacto sobre a proteção à propriedade intelectual Desenvolvimentos com impacto sobre a proteção à propriedade intelectual Desenvolvimentos econômicos, sociais, políticos e tecnológicos têm um impacto fundamental sobre a criação, exploração e uso da propriedade intelectual (PI). Os sistemas existentes de proteção à propriedade intelectual estão constantemente se adaptando para acolher essas mudanças, tal como tem sido desde seu início. As empresas que dependem da exploração de ativos de propriedade intelectual precisam, para permanecer competitivas, assegurar que os meios disponíveis para proteger sua propriedade intelectual ainda sejam eficazes nesse ambiente em evolução. Essa introdução descreve as principais forças que estão mudando o panorama da propriedade intelectual, e seu possível impacto sobre a criação e exploração da propriedade intelectual. Entre elas, as citadas abaixo: 1. A globalização da economia; 2. O desenvolvimento de novas tecnologias; 3. A disseminação da conexão pela Internet e a penetração da banda larga; 4. O crescimento, em importância econômica, de inovações e recursos não-tecnológicos em negócios não protegidos pelos regimes existentes de propriedade intelectual; 5. A politização de questões de propriedade intelectual; e 6. Mudanças na metodologia operacional das empresas. 1. A globalização da economia A crescente escala internacional em que as empresas operam e comercializam está às vezes em desacordo com a natureza tradicionalmente territorial da maioria das legislações, inclusive aquelas que regem os direitos de propriedade intelectual. Essa tendência é exacerbada pelo desenvolvimento do comércio eletrônico, que permite que mais empresas operem internacionalmente; isso pode levantar questões referentes às leis e jurisdição aplicáveis sobre transações e violações de propriedade intelectual. Além disso, a natureza global do comércio acrescentou desafios ao registro (no caso de direitos registrados) e à exigência de observância de direitos de propriedade intelectual em cada país onde bens que sejam objeto de propriedade intelectual possam ser fabricados e amplamente vendidos sem a permissão dos titulares desses direitos. Isso também é verdade em relação a empresas de serviços globalmente ativas tais como seguradoras, bancos e empresas de transporte. Esses fatores reforçam a justificativa para harmonizar internacionalmente as normas de propriedade intelectual. A harmonização através de tratados existe desde a Convenção de Paris (1883), passando pelo acordo TRIPS da OMC que vinculou os direitos de propriedade intelectual ao sistema comercial internacional e seu mecanismo de sanções e mais recentemente pelos Tratados da WIPO sobre a Internet, de O desejo de acelerar o processo de harmonização como parte do crescimento do comércio internacional levou a outras formas de estabelecimento de normas, que se tornaram importantes forças em prol da harmonização. Acordos bilaterais de livre comércio devem incluir padrões de propriedade intelectual mais abrangentes que os padrões mínimos estabelecidos pelo TRIPS, ao mesmo tempo ampliando ICC O Guia da Propriedade Intelectual para Empresas e Legisladores 9

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA A propriedade intelectual abrange duas grandes áreas: Propriedade Industrial (patentes,

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial.

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial. 1 O que é patente? Patente é um título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, outorgado pelo Estado aos inventores ou autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

Patentes absurdas. Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154)

Patentes absurdas. Escada spider para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Patentes absurdas Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Leia mais em: As patentes mais absurdas da história http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=21894

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL:

PROPRIEDADE INTELECTUAL: PROPRIEDADE INTELECTUAL: LEGISLAÇÃO - 2 Profa. Dra. Suzana Leitão Russo Prof. Gabriel Francisco Silva Profa. Dra. Ana Eleonora Almeida Paixão Art. 1º Esta Lei regula direitos e obrigações relativos à propriedade

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

Síntese. Diretrizes da OCDE para a Proteção da. Privacidade e dos Fluxos Transfronteiriços de. Dados Pessoais

Síntese. Diretrizes da OCDE para a Proteção da. Privacidade e dos Fluxos Transfronteiriços de. Dados Pessoais Síntese Diretrizes da OCDE para a Proteção da Privacidade e dos Fluxos Transfronteiriços de Dados Pessoais Overview OECD Guidelines on the Protection of Privacy and Transborder Flows of Personal Data As

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

O GUIA ICC DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

O GUIA ICC DE PROPRIEDADE INTELECTUAL 12ª Edição 2014 O GUIA ICC DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Questões Atuais e Emergentes para Empresários e Formuladores de Diretrizes 12ª Edição 2014 O GUIA ICC DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Questões Atuais e

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO USO DA INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA CONTIDA NOS DOCUMENTOS DE PATENTES Florianópolis 12 de maio de 2009 Propriedade

Leia mais

ARTIGO VI Este Acordo não prejudicará a cooperação de qualquer das Partes Contratantes com outros Estados e organizações internacionais.

ARTIGO VI Este Acordo não prejudicará a cooperação de qualquer das Partes Contratantes com outros Estados e organizações internacionais. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SOBRE A COOPERAÇÃO NOS USOS PACÍFICOS DO ESPAÇO EXTERIOR O Governo da República Federativa do Brasil

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB Anexo(5), da Port nº 26/2011, da SecCTM MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB 1 PROPÓSITO Estabelecer orientações

Leia mais

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual Nota: O estudo deste módulo requer cerca de 02 horas. Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual O que é Propriedade Intelectual? Você provavelmente sabe a resposta desta questão. Sabemos que o inventor

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

O site www.grey.com é operado e de propriedade do Grupo Grey.

O site www.grey.com é operado e de propriedade do Grupo Grey. Termos e Condições O site www.grey.com é operado e de propriedade do Grupo Grey. Ao acessar este site, você concorda em cumprir estes termos e condições. Leia atentamente. CASO NÃO CONCORDE EM CUMPRIR

Leia mais

Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio

Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política aprovada em 26 de agosto de 1999 Documentos de implementação aprovados em 24 de outubro de 1999 Versão em português da Organização

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro ABNT NBR ISO/IEC 27002 Gestão de incidentes de segurança da informação Objetivo Os incidentes de segurança da informação precisam

Leia mais

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos.

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE COOPERAÇÃO EM PESQUISA CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO O Governo da República

Leia mais

Patents, Innovation and Economic Performance: OECD Conference Proceedings

Patents, Innovation and Economic Performance: OECD Conference Proceedings Patents, Innovation and Economic Performance: OECD Conference Proceedings Summary in Portuguese Patentes, Inovação e Desempenho Econômico: Procedimentos da Assembléia da OCDE Sumário em Português As invenções

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 22.2.2014 Jornal Oficial da União Europeia C 51/3 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 19 de novembro de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Conhecimentos Tradicionais RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Tema Conhecimentos Tradicionais RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

Inovação da Ideia ao Mercado

Inovação da Ideia ao Mercado Inovação da Ideia ao Mercado Como proteger minha Inovação 26.05.2015 AHK-SP Henrique Steuer I. de Mello henrique@dannemann.com.br dannemann.com.br 2013 2013 Dannemann Dannemann Siemsen. Siemsen. Todos

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 Índice 1. Direito Civil - Continuação...3 1.1. Fatos e Atos Jurídicos... 3 1.2. Direito de Propriedade... 3 1.2.1. Propriedade intelectual... 4 1.2.2. Propriedade

Leia mais

Comissão dos Assuntos Jurídicos PROJETO DE PARECER. dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia

Comissão dos Assuntos Jurídicos PROJETO DE PARECER. dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Jurídicos 25.6.2013 2013/2063(INI) PROJETO DE PARECER da Comissão dos Assuntos Jurídicos dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Walter Feldman) Dispõe sobre a proteção dos direitos de propriedade intelectual e dos direitos autorais na Internet. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa. PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço

Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa. PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço Departamento de Informação e Promoção da Inovação Lisboa 9 Maio 2012 O que é a Propriedade Industrial?

Leia mais

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual O que é a Propriedade Intelectual A Propriedade Intelectual é o mecanismo que visa proteger a propriedade sobre o conhecimento, fruto da inteligência e do talento humano. Divide-se tradicionalmente em

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil Estrutura do INPI Propriedade Intelectual Sistema criado para garantir a propriedade ou exclusividade resultante da atividade intelectual nos campos industrial,

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

Amway - Política de privacidade

Amway - Política de privacidade Amway - Política de privacidade Esta Política de Privacidade descreve como a Amway Brasil e determinadas filiadas, inclusive a Amway América Latina (conjuntamente Amway ) utilizam dados pessoais coletados

Leia mais

A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino

A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ REITORIA DE PESQUISA A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino MARIA APARECIDA DE SOUZA SÃO PAULO, 12 DE MARÇO DE 2013. Agência

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROPRIEDADE INTELECTUAL RN-034/2014 Regulamenta os direitos sobre criações intelectuais resultantes de pesquisas apoiadas por instrumentos de fomento - auxílios e bolsas - disponibilizados pelo CNPq, a

Leia mais

Princípios de Ética no Grupo DB

Princípios de Ética no Grupo DB Princípios de Ética no Grupo DB Código de conduta Objetivo do código de conduta Estipulamos com valor vinculativo os nossos padrões e as expectativas relativas aos nossos negócios diários. Para todos os

Leia mais

1.1.3. Encontros presenciais para aprimoramento do modelo de negócio das startups, rede de relacionamento e capacitação dos empreendedores;

1.1.3. Encontros presenciais para aprimoramento do modelo de negócio das startups, rede de relacionamento e capacitação dos empreendedores; 1. SOBRE O PROGRAMA: Regulamento da 10 a Edição do Programa Desafio Brasil Desafio Brasil é um programa de âmbito nacional voltado a criação e suporte de novos negócios inovadores de alto impacto (startups).

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN 1 Introdução A EVEN conduz seus negócios de acordo com os altos padrões éticos e morais estabelecidos em seu Código de Conduta, não tolerando qualquer forma de corrupção e suborno.

Leia mais

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 01 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Acesso e Repartição de Benefícios RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS

Leia mais

A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES.

A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES. SIGMA SISTEMA GERENCIAL DE MANUTENÇÃO CONTRATO DE LICENÇA DE USO E GARANTIA A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES. 1.0. INDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ),

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ), ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ARGENTINA RELATIVO À COOPERAÇÃO ENTRE SUAS AUTORIDADES DE DEFESA DA CONCORRÊNCIA NA APLICAÇÃO DE SUAS LEIS DE CONCORRÊNCIA A República

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Módulo 1: Introdução à Propriedade Intelectual (DL101)

Módulo 1: Introdução à Propriedade Intelectual (DL101) Nota: O estudo deste módulo de introdução requer cerca de uma hora Módulo 1: Introdução à Propriedade Intelectual (DL101) O que é Propriedade Intelectual? Você provavelmente sabe a resposta desta questão.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO MAGNA INTERNATIONAL INC. DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO Oferecer ou receber presentes e entretenimento é muitas vezes uma

Leia mais

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Caro Parceiro de Negócio, A história da nossa empresa inclui um compromisso de longa data em estar de acordo com as leis onde quer que atuemos e realizar nossos

Leia mais

Indústria das Ciências Vegetais Guia de Propriedade Intelectual

Indústria das Ciências Vegetais Guia de Propriedade Intelectual Indústria das Ciências Vegetais Índice 1. Objetivo 2. O que é Propriedade Intelectual? 3. Propriedade Intelectual Visão Geral 4. A influência do TRIPS 5. Patentes 6. Segredos Comerciais 7. Proteção de

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet.

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet. Faculdade INED Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III Legislação Propriedade Intelectual do Software Banco de Dados e Sistemas para Internet Agosto-2008 1 2 Referências Agenda PRESIDÊNCIA

Leia mais

Outubro 2013. ARTIGO 19 Rua João Adolfo, 118 conjunto 802 Centro CEP: 01050-020 - São Paulo SP www.artigo19.org +55 11 3057 0042 +55 11 3057 0071

Outubro 2013. ARTIGO 19 Rua João Adolfo, 118 conjunto 802 Centro CEP: 01050-020 - São Paulo SP www.artigo19.org +55 11 3057 0042 +55 11 3057 0071 A Artigo 19 apresenta análise comparada de países que permitem publicidade e propaganda comercial em rádios comunitárias em referência à minuta do Projeto Legislativo do Senado que propõe possibilitar

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

Termo de Uso A AGENDA SUSTENTABILIDADE única e exclusiva proprietária do domínio www.agenda SUSTENTABILIDADE.com.br, doravante denominado AGENDA SUSTENTABILIDADE, estabelece o presente TERMO DE USO para

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO FUNAI, no uso das atribuições que lhes são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n. 4.645, de 25 de

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DOS OBJETIVOS Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT)

Leia mais

FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Setembro de 2010

FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Setembro de 2010 FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE PRIVACIDADE A. Propósito Setembro de 2010 A Franklin Electric Co., Inc. e suas subsidiárias e afiliadas (em conjunto, a Empresa ) têm o compromisso de proteger a

Leia mais

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto

Leia mais

Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013

Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013 Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013 Estas Normas estão em vigor para todos os processos de URS. Os procedimentos de URS devem ser regidos por estas

Leia mais

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1 Código de Conduta Código de Conduta Schindler 1 2 Código de Conduta Schindler Código de Conduta da Schindler Os colaboradores do Grupo Schindler no mundo inteiro devem manter o mais alto padrão de conduta

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE UNISINOS Unidade 07 Professora Liz Beatriz Sass 2010/II O direito brasileiro e a informática Lei nº 7.232/84 Política Nacional de Informática Criou

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 Estabelece as diretrizes da Política Institucional de Propriedade Intelectual, Transferência de Tecnologia e Inovação da UEFS e dá outras providências. O Reitor da Universidade

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Sua Privacidade Bem-vindo ao site eureca.me. Este site é de propriedade da empresa Eureca Atitude Empreendedora LTDA-ME. Esta Política de Privacidade destina-se a informá-lo sobre

Leia mais

ANEXO 1 CLÀUSULAS NEGOCIADAS

ANEXO 1 CLÀUSULAS NEGOCIADAS ANEXO 1 CLÀUSULAS NEGOCIADAS CLÁUSULA OITAVA - SIGILO E CONFIDENCIALIDADE 8.1 - Cada Partícipe se compromete em manter sigilo sobre as informações trocadas e geradas durante a execução das atividades do

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

A LEGISLAÇÃO PATENTÁRIA E O FUTURO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO BRASIL

A LEGISLAÇÃO PATENTÁRIA E O FUTURO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO BRASIL A LEGISLAÇÃO PATENTÁRIA E O FUTURO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO BRASIL Principais Preocupações: João F. Gomes de Oliveira (e colaboradores) o INPI INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL, ainda não

Leia mais

Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011

Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011 Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011 Estabelece a Política Institucional de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia do Centro Universitário UNIVATES O Reitor do

Leia mais

A Questão da Propriedade Intelectual como Barreira a Disseminação Tecnológica. >Profa. Lia Hasenclever (IE/UFRJ)

A Questão da Propriedade Intelectual como Barreira a Disseminação Tecnológica. >Profa. Lia Hasenclever (IE/UFRJ) A Questão da Propriedade Intelectual como Barreira a Disseminação Tecnológica >Profa. Lia Hasenclever (IE/UFRJ) Seminário Estado, Desenvolvimento e Inovação, ABIFINA, Rio de Janeiro, 25 de novembro de

Leia mais

PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS

PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS MERCOSUL/CMC/DEC N 16/98 PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção e o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 8/95 do Conselho do Mercado

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO. Maria Aparecida de Souza. Agência USP de Inovação Universidade de São Paulo

PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO. Maria Aparecida de Souza. Agência USP de Inovação Universidade de São Paulo VIII Seminário do Setor de Saúde da Britcham, tema: "Ambiente de Inovação em Saúde no Brasil PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO Maria Aparecida de Souza Agência USP de Inovação Universidade de São Paulo

Leia mais

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação 26 a 28 de Setembro de 2012 Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá A Tecnologia Digital oferece meios sem precedentes

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters Código de Conduta do Fornecedor Em vigor a partir de 2 de julho de 2012 Ethics Matters Mensagem do CPO [Chief Procurement Officer - Diretor de Compras] A Duke Energy está comprometida com a segurança,

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Diretoria de Direito Intelectual Secretaria de Políticas Culturais Ministério da Cultura Constituição Federal - Art. 216 - Constituem patrimônio cultural brasileiro

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA)

PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA) PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA) Dispõe sobre a regulamentação do exercício profissional de Designer, e dá providências. O Congresso Nacional decreta: Capítulo I Caracterização e atribuições

Leia mais

Segurança e Saúde dos Trabalhadores

Segurança e Saúde dos Trabalhadores Segurança e Saúde dos Trabalhadores [1]CONVENÇÃO N. 155 I Aprovada na 67ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1981), entrou em vigor no plano internacional em 11.8.83. II Dados referentes

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 Dispõe sobre medidas de suspensão e diluição temporárias ou extinção de da proteção de direitos de propriedade

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Faculdade de Tecnologia Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Alunos: Anderson Mota, André Luiz da Silva, Misael Bezerra, Rodrigo Damasceno Kaji. GTI 5 Noturno Noções de Direito Prof.

Leia mais

Quais tipos de informações nós obteremos para este produto

Quais tipos de informações nós obteremos para este produto Termos de Uso O aplicativo Claro Facilidades faz uso de mensagens de texto (SMS), mensagens publicitárias e de serviços de internet. Nos casos em que houver uso de um serviço tarifado como, por exemplo,

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Introdução O International Accreditation Forum (IAF) é uma associação mundial de Organismos de Acreditação, Associações de Organismos de Certificação e outras

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO A Associação GSM, por meio desta, apresenta por escrito as suas contribuições à Consulta Pública da ANATEL número 241 e respeitosamente solicita que as mesmas

Leia mais