USO DO MATLAB NA GERAÇÃO DE IMAGEM SINTÉTICA COM MENOR PROPORÇÃO DE NUVEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO DO MATLAB NA GERAÇÃO DE IMAGEM SINTÉTICA COM MENOR PROPORÇÃO DE NUVEM"

Transcrição

1 p.001 de 005 USO DO MATLAB NA GERAÇÃO DE IMAGEM SINTÉTICA COM MENOR PROPORÇÃO DE NUVEM JOSÉ ARIMATÉIA BARROSO NETO ANA LÚCIA BEZERRA CANDEIAS Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Centro de Tecnologia e Geociências - CTG Departamento de Engenharia Cartográfica, Recife, PE RESUMO - O objetivo do trabalho é criar um algoritmo com linguagem em MATLAB que gere uma imagem sintética com menor proporção de nuvens a partir de duas imagens registradas entre si e obtidas em tempos distintos sobre a mesma área e ambas com cobertura de nuvens em locais distintos na imagem. ABSTRACT - The goal of the work was to create an algorithm with MATLAB language that obtain a synthetic image with low proportion of clouds based on registered images and obtained in different times over the same area and both with clouds covertures in different local. 1 INTRODUÇÃO As imagens de satélite são utilizadas para inúmeros fins, porém, nuvens e sombras causam problemas na classificação automática, na análise visual e na preparação de cartas temáticas baseadas em imagens. A metodologia é de fácil compreensão, pois a base dela é apenas o uso de funções que selecionam os valores máximos, mínimos e medianos, pixel a pixel das matrizes que representam as imagens sintéticas. O litoral nordestino do Brasil, por exemplo, é recoberto por nuvens o ano inteiro. As imagens dessas áreas possuem, em geral, recobrimento de nuvens e sombras. Isso diminui a área útil da imagem a ser analisada. Estudos para a minimização de nuvens e sombras em imagens, a partir de processamento de imagens, podem ser encontrados em Choi e Bindschadler (2004), Polidório et al (2005), e Silva et al (2007). O trabalho aqui apresentado visa a minimização dessas interferências, através de um processamento em duas ou mais imagens da mesma área, obtidas em tempos de aquisição diferentes e com nuvens em pontos distintos. Através dessas imagens, gera-se um produto sintético com menos interferência de nuvens. É necessário considerar que os realces das imagens sejam semelhantes. Caso isto não ocorra é necessário aplicar transformações a essas imagens para gerar um resultado uniforme para os seus realces. No caso aqui mostrado, tem-se a partir de uma imagem original, a inserção sintética de nuvens e sombras (Figura 1). O desenvolvimento teórico para diminuição da presença de nuvens se baseia em Silva e Candeias (2007). Figura 1 Imagens sintéticas de entrada. Imagens sintéticas obtidas a partir da imagem TM de 01/11/2008 órbita/ponto: 216_066. bandas: 543. A programação foi desenvolvida em MATLAB (Gonzalez et al, 2003). Este trabalho é resultado do trabalho final da disciplina de processamento de dados do 2º semestre de 2009, do Departamento de Engenharia

2 p Cartográfica da UFPE ministrada pela profa. Ana Lúcia que é co-autora desse artigo. 2 METODOLOGIA Na metodologia utiliza-se uma imagem TM de 01/11/2008 órbita/ponto: 216_066. bandas: 543 sobreposta a nuvens e sombras sintéticas em duas posições distintas como apresentado na Figura 1. As nuvens são áreas de máximo na imagem e as sombras são as áreas de mínimo. Trabalhar com um algoritmo que gere imagens de máximo e de mínimo entre imagens de épocas diferentes gerará duas novas imagens uma com nuvem e outra com a sombra de nuvem. A mediana entre imagens originais e a subtração das imagens de máximo e mínimo, imagem de sombra vai gerar uma imagem resultante que conterá menos nuvem e sombra, pois na função mediana contempla-se o resultado mediano. Portanto, o programa consta em transformar as imagens em matrizes do tipo double e aplicar as funções de max, min, median e subtração de matrizes para fazer o tratamento pixel a pixel. Eles fazem uma comparação entre as matrizes (imagem do tempo t1 e imagem do tempo t2) criando novas matrizes, o max deixando apenas com os pontos de maior valor, o min os pontos de menor valor e o median fazo uma mediana dessas imagens (subtração de Max com Min) com as originais. Supondo a imagem colorida, tem-se que o algoritmo divida o problema em três bandas (RGB vermelho, verde, azul) e em cada banda são aplicadas essas funções. Numa escala de zero a duzentos e cinqüenta e cinco, o zero representa o nível de cinza que representa o preto e o duzentos e cinqüenta e cinco o que representa o branco. O diagrama de blocos mostra de forma geral a seqüência de passos (Figura 2). O programa em MATLAB mostrado nesse artigo descreve passo a passo dessa transformação. É importante lembrar que o MATLAB está so aqui usado apenas para prototipar. A posteriori gerar o programa em uma linguagem compilada e com técnicas de algoritmos rápidos vai gerar uma maior rapidez no processamento e aceitará qualquer tamanho de imagem. O programa em MATLAB é mostrado nessa seção e foi desenvolvido para ler uma imagem colorida RGB e obter uma saída também em RGB com menor proporção de nuvens e sombras. Figura 2 - Diagrama de blocos % Programa em MATLAB para geração de imagem % sintética com menor cobertura de nuvem e sombra de % nuvem % % Este programa foi baseado no programa desenvolvido % por Silva e Candeias (2007) clear all a=imread('imagema.bmp'); b=imread('imagemb.bmp'); imshow(a) TITLE('Figura - A') imshow(b) TITLE('Figura - B') f1=double(a); f2=double(b); final=a; % Banda R R1=f1(:,:,1); R2=f2(:,:,1); % %imshow(uint8(r1)); %TITLE('Figura - R1')

3 p % %imshow(uint8(r2)); %TITLE('Figura - R2') [m,n]=size(r1); me=[r1(i,j),r2(i,j)]; R3(i,j)=min(me); imshow(uint8(r3)); TITLE('Figura - R3') me=[r1(i,j),r2(i,j)]; R4(i,j)=max(me); imshow(uint8(r4)); TITLE('Figura - R4') R5=(R4-R3); imshow(uint8(r5)); TITLE('Figura - R5') me=[r1(i,j),r2(i,j),r5(i,j)]; R7(i,j)=median(me); imshow(uint8(r7)); TITLE('Figura - R7') final(:,:,1)=uint8(r7); % Banda G G1=f1(:,:,2); G2=f2(:,:,2); % %imshow(uint8(g1)); %TITLE('Figura - G1') % %imshow(uint8(g2)); %TITLE('Figura - G2') [m,n]=size(g1); me=[g1(i,j),g2(i,j)]; G3(i,j)=min(me); imshow(uint8(g3)); TITLE('Figura - G3') me=[g1(i,j),g2(i,j)]; G4(i,j)=max(me); imshow(uint8(g4)); TITLE('Figura - G4') G5=(G4-G3); imshow(uint8(g5)); TITLE('Figura - G5') me=[g1(i,j),g2(i,j),g5(i,j)]; G7(i,j)=median(me); imshow(uint8(g7)); TITLE('Figura - G7') final(:,:,2)=uint8(g7); % Banda B B1=f1(:,:,3); B2=f2(:,:,3); % %imshow(uint8(b1)); %TITLE('Figura - B1') % %imshow(uint8(b2)); %TITLE('Figura - B2') [m,n]=size(b1); me=[b1(i,j),b2(i,j)]; B3(i,j)=min(me); imshow(uint8(b3)); TITLE('Figura - B3') me=[b1(i,j),b2(i,j)]; B4(i,j)=max(me); imshow(uint8(b4)); TITLE('Figura - B4') B5=(B4-B3);

4 p imshow(uint8(b5)); TITLE('Figura - B5') me=[b1(i,j),b2(i,j),b5(i,j)]; B7(i,j)=median(me); imshow(uint8(b7)); TITLE('Figura - B7') final(:,:,3)=uint8(b7); % Resultado Final imshow(final) TITLE('Resultado Final') A imagem do exemplo utilizada foi a do sensor TM 01/11/2008 orbita/ponto: 216_066 combinação de bandas: 543. Foram geradas, duas imagens sintéticas para o exemplo (Figura 1). A Figura 3 mostra as imagens de entrada e o resultado obtido para o programa acima descrito. As Figuras 4(a),(b) e (c) mostram apenas para a banda do vermelho R porém a metodologia foi feita com as três bandas R, G, e B. Figura 3 - Imagens de entrada com nuvens sintéticas em pontos distintos (Figura - A e Figura B) e o resultado da metodologia.

5 p CONSIDERAÇÕES FINAIS O algoritmo mostrado consegue reduzir a zero a quantidade de nuvens de duas imagens sintéticas obtidas nos tempos t1 e t2 (Figura 3 e 4). O algoritmo é bem direto e de fácil compreensão, e pode servir para futuros estudos e modificações para que se obtenha melhores resultados em imagens com nuvens e sombras. Sugere-se trabalhar em outras imagens essa metodologia para certificar se ela pode ser considerada geral. (a) Para a banda G: Imagens de entrada G1 e G2. REFERÊNCIAS Silva, Alison Galdino de Oliveira, Candeias, Ana Lucia Bezerra. Geração de Imagem Sintética com Menor Proporção de Nuvens a Partir de Imagens Multitemporais. Anais do II Simpósio Brasileiro de Geomática e V Colóquio Brasileiro de Ciências Geodésicas, Anais de Julho de UFPR, 5p. Gonzalez, R.C.; Woods, R.E.; Eddins, S. L.. Digital Image Processing Using MATLAB. 1st Edition. Editora Edgard Blücher Ltda (b) Para a banda G: Imagens de sombra de nuvem (Figura G3) e imagem de nuvens (Figura G4) Choi, H., Bindschadler, R. Cloud detection in Landsat imagery of ice sheets using shadow matching technique and automatic normalized difference snow index threshold value decision. Remote Sensing of Environment 91 (2004) p Polidorio, A. M., Imai, N. N., Tommaselli, A. M. G. Correção radiométrica das imagens multiespectrais CBERS e LANDSAT ETM usando atributos de reflectância e de cor. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto (SBSR), 12., 2005, Goiânia. Anais... São José dos Campos: INPE, 2005, p Silva, W. A.,; Imai, N. N.; Polidorio, A. M. Detecção de nuvens e sombras em imagens CCD/CBERS por correlação de pontos candidatos. Anais XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Anais... Florianópolis, Brasil, abril 2007, INPE, p (c) Imagem da subtração das imagens da Figura 3(c) G4- G3 e o resultado final obtido a partir da mediana de cada elemento da matriz (Mediana[G1(i,j),G2(i,j),G5(i,j)]) Figura 4 Aplicação da metodologia

GERAÇÃO DE IMAGEM SINTÉTICA COM MENOR PROPORÇÃO DE NUVENS A PARTIR DE IMAGENS MULTITEMPORAIS

GERAÇÃO DE IMAGEM SINTÉTICA COM MENOR PROPORÇÃO DE NUVENS A PARTIR DE IMAGENS MULTITEMPORAIS V Colóquio Brasileiro de Ciências Geodésicas ISSN 1981-6251, p. 837-842 GERAÇÃO DE IMAGEM SINTÉTICA COM MENOR PROPORÇÃO DE NUVENS A PARTIR DE IMAGENS MULTITEMPORAIS ANA LÚCIA BEZERRA CANDEIAS ALISON GALDINO

Leia mais

Cloud Detection Tool Uma ferramenta para a detecção de nuvens e sombras em imagens de satélite

Cloud Detection Tool Uma ferramenta para a detecção de nuvens e sombras em imagens de satélite Cloud Detection Tool Uma ferramenta para a detecção de nuvens e sombras em imagens de satélite Eric Silva Abreu 1,2 Leila Maria Garcia Fonseca 1 Clotilde Pinheiro Ferri dos Santos 2 Vanildes Oliveira Ribeiro

Leia mais

Detecção automática de sombras e nuvens em imagens CBERS e Landsat 7 ETM

Detecção automática de sombras e nuvens em imagens CBERS e Landsat 7 ETM Detecção automática de sombras e nuvens em imagens CBERS e Landsat 7 ETM Airton Marco Polidorio 1 Franklin César Flores 1 Clélia Franco 1 Nilton Nobuhiro Imai 2 Antonio Maria Garcia Tommaselli 2 1 Universidade

Leia mais

MundoGEOXperience - Maratona de Ideias Geográficas 07/05/2014

MundoGEOXperience - Maratona de Ideias Geográficas 07/05/2014 MundoGEOXperience - Maratona de Ideias Geográficas 07/05/2014 ANÁLISE DE TÉCNICAS PARA DETECÇÃO DE MUDANÇA UTILIZANDO IMAGENS DO SENSORIAMENTO REMOTO DESLIZAMENTOS EM NOVA FRIBURGO/RJ EM 2011 Trabalho

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT.

10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT. 10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT. Thalita Dal Santo 1 Antonio de Oliveira¹ Fernando Ricardo dos Santos² A técnica de fusão

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 Maurílio Neemias dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 1,, Yasmim Uchoa da Silva 1, Sâmara dos Santos

Leia mais

Comparação entre classificadores por pixel e por região com imagem SPOT-5 para o estado de Minas Gerais

Comparação entre classificadores por pixel e por região com imagem SPOT-5 para o estado de Minas Gerais Comparação entre classificadores por pixel e por região com imagem SPOT-5 para o estado de Minas Gerais Fernanda Rodrigues Fonseca 1 Thiago Duarte Pereira 1 Luciano Vieira Dutra 1 Eliana Pantaleão 1 Corina

Leia mais

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO Samuel da Silva Farias, Graduando do curso de geografia da UFPE samuel.farias763@gmail.com Rafhael Fhelipe de Lima Farias, Mestrando do PPGEO/UFPE, rafhaelfarias@hotmail.com USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR

Leia mais

Produto 1. Mapas e figuras georreferenciadas contendo cicatrizes de queimadas para as regiões de interesse no Cerrado

Produto 1. Mapas e figuras georreferenciadas contendo cicatrizes de queimadas para as regiões de interesse no Cerrado Produto 1. Mapas e figuras georreferenciadas contendo cicatrizes de queimadas para as regiões de interesse no Cerrado Outubro de 2014 0 ARTURO EMILIANO MELCHIORI MAPAS E FIGURAS GEORREFERENCIADOS CONTENDO

Leia mais

Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis

Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis ESTIMAÇÃO DE POPULAÇÕES HUMANAS VIA IMAGENS DE SATÉLITE: COMPARANDO ABORDAGENS E MODELOS Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis Laboratório de Estatística Espacial (LESTE) Departamento de Estatística

Leia mais

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS V Co ló qu i o B ra si l ei ro d e Ci ên ci a s Geo d ési ca s ISSN 1981-6251, p. 910-914 ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

MAPEAMENTO DE CLASSES INTRAURBANAS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA (SP) UTILIZANDO IMAGENS LANDSAT-5 TM E IMAGEM NDBI

MAPEAMENTO DE CLASSES INTRAURBANAS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA (SP) UTILIZANDO IMAGENS LANDSAT-5 TM E IMAGEM NDBI MAPEAMENTO DE CLASSES INTRAURBANAS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA (SP) UTILIZANDO IMAGENS LANDSAT-5 TM E IMAGEM NDBI 1702 Bruna Lahos de Jesus Bacic bruna_lahos@hotmail.com Geografia Bacharelado Universidade

Leia mais

Flavio Marcelo CONEGLIAN, Rodrigo Antonio LA SCALEA e Selma Regina Aranha RIBEIRO. Universidade Estadual de Ponta Grossa

Flavio Marcelo CONEGLIAN, Rodrigo Antonio LA SCALEA e Selma Regina Aranha RIBEIRO. Universidade Estadual de Ponta Grossa Comparação entre Classificações Supervisionadas em uma Imagem CBERS CCD com Bandas Multiespectrais e em uma Imagem Fusão da Mesma Imagem CBERS CCD Com uma Banda Pancromática HRC Flavio Marcelo CONEGLIAN,

Leia mais

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ALENCAR SANTOS PAIXÃO 1 ; ÉLIDA LOPES SOUZA ROCHA2 e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO 3 alencarspgeo@gmail.com,

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Daniel C. Zanotta

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Daniel C. Zanotta PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS Daniel C. Zanotta RAZÃO DE BANDAS Dividir uma banda por outra (pixel a pixel) pode trazer diversas informações a respeitos dos alvos contidos

Leia mais

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário 1. Conceitos básicos

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

C a p í t u l o I V. P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M

C a p í t u l o I V. P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M C a p í t u l o I V P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M IV.1 Processamento Digital das Imagens Orbitais dos Sensores TM e ETM + IV.1.1 Introdução

Leia mais

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE 16 a 18 de novembro de 2009 Fundação Mokiti Okada Palestrante: Mônica Pavão Pesquisadora do Instituto Florestal INVENTÁRIO FLORESTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO INVENTÁRIO

Leia mais

Disciplinas de Processamento de Dados e Sensoriamento Remoto do Departamento de Engenharia Cartográfica no VIRTUS - UFPE. Ana Lúcia Bezerra Candeias 1

Disciplinas de Processamento de Dados e Sensoriamento Remoto do Departamento de Engenharia Cartográfica no VIRTUS - UFPE. Ana Lúcia Bezerra Candeias 1 Disciplinas de Processamento de Dados e Sensoriamento Remoto do Departamento de Engenharia Cartográfica no VIRTUS - UFPE Ana Lúcia Bezerra Candeias 1 1 Universidade Federal de Pernambuco Departamento de

Leia mais

Uso de Imagens de Satélites em Operações de Inteligência. www.amskepler.com. LAGF, Setembro de 2013 18/09/2013 1

Uso de Imagens de Satélites em Operações de Inteligência. www.amskepler.com. LAGF, Setembro de 2013 18/09/2013 1 Uso de Imagens de Satélites em Operações de Inteligência LAGF, Setembro de 2013 www.amskepler.com 18/09/2013 1 Roteiro A empresa Cenário de disponibilidade de imagens de satélites de média resolução Aplicação

Leia mais

METODOLOGIA PARA AQUISIÇÃO DE POLÍGONOS 3D A PARTIR DA CLASSIFICAÇÃO E DO TRATAMENTO DE NUVENS DE PONTOS LIDAR

METODOLOGIA PARA AQUISIÇÃO DE POLÍGONOS 3D A PARTIR DA CLASSIFICAÇÃO E DO TRATAMENTO DE NUVENS DE PONTOS LIDAR METODOLOGIA PARA AQUISIÇÃO DE POLÍGONOS 3D A PARTIR DA CLASSIFICAÇÃO E DO TRATAMENTO DE NUVENS DE PONTOS LIDAR RAFAEL COSTA CAVALCANTI ANA LÚCIA BEZERRA CANDEIAS JOÃO RODRIGUES TAVARES JÚNIOR Universidade

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Processamento de Imagem Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Visão Computacional Não existe um consenso entre os autores sobre o correto escopo do processamento de imagens, a

Leia mais

Análise de Imagens CBERS da Bacia do Rio São Francisco utilizando Mapas Auto-Organizados de Kohonen e Classificadores K-Médias e Fuzzy C-Médias

Análise de Imagens CBERS da Bacia do Rio São Francisco utilizando Mapas Auto-Organizados de Kohonen e Classificadores K-Médias e Fuzzy C-Médias Análise de Imagens CBERS da Bacia do Rio São Francisco utilizando Mapas Auto-Organizados de Kohonen e Classificadores K-Médias e Fuzzy C-Médias Cecília Cordeiro da Silva 1 Wellington Pinheiro dos Santos

Leia mais

Iniciação em Sensoriamento Remoto

Iniciação em Sensoriamento Remoto Iniciação em Sensoriamento Remoto as mais indicadas no mapeamento do relevo. Para áreas de densa cobertura vegetal, como a floresta Amazônica, recomenda-se selecionar imagens do infravermelho próximo e

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR Maria G. Almeida 1, Bernardo F. T. Rudorff 2, Yosio E. Shimabukuro 2 graca@dppg.cefetmg.br, bernardo@ltid.inpe.br,

Leia mais

Bruno Rafael de Barros Pereira 1 Venerando Eustáquio Amaro 1,2 Arnóbio Silva de Souza 1 André Giskard Aquino 1 Dalton Rosemberg Valentim da Silva 1

Bruno Rafael de Barros Pereira 1 Venerando Eustáquio Amaro 1,2 Arnóbio Silva de Souza 1 André Giskard Aquino 1 Dalton Rosemberg Valentim da Silva 1 Análise de dados orbitais multitemporais para avaliação de linha de costa nas áreas adjacentes ao município de Areia Branca/RN, com enfoque na região próxima ao estuário do Rio Apodí-Mossoró. Bruno Rafael

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS CCHN DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DEFESA DE MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS CCHN DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DEFESA DE MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS CCHN DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DEFESA DE MONOGRAFIA Evolução temporal e espacial do uso e ocupação do solo para os anos

Leia mais

Detecção de Mudanças da Cobertura Terrestre na Ilha do Formoso, Município de Lagoa da Confusão-TO

Detecção de Mudanças da Cobertura Terrestre na Ilha do Formoso, Município de Lagoa da Confusão-TO Detecção de Mudanças da Cobertura Terrestre na Ilha do Formoso, Município de Lagoa da Confusão-TO VICENTE PAULO SOARES 1 ALAN KARDEC ELIAS MARTINS 2 RICARDO SEIXAS BRITES 3 ELPÍDIO INÁCIO FERNANDES FILHO

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO Ana Luiza Bovoy Jônatas de Castro Gonçalves Thiemi Igarashi Vinicius Chequer e Silva LEVANTAMENTO DA COBERTURA VEGETAL ATRAVÉS DE PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO NAS

Leia mais

Utilização da resposta espectral para discriminação de plantas daninhas em áreas de plantação de café

Utilização da resposta espectral para discriminação de plantas daninhas em áreas de plantação de café Utilização da resposta espectral para discriminação de plantas daninhas em áreas de plantação de café Lauriana Rúbio Sartori Nilton Nobuhiro Imai Maria de Lourdes Bueno Trindade Galo Programa de Pós Graduação

Leia mais

Avaliação da qualidade radiométrica das imagens do satélite CBERS-2B. Érica Josiane Coelho Gouvêa Leila Maria Garcia Fonseca

Avaliação da qualidade radiométrica das imagens do satélite CBERS-2B. Érica Josiane Coelho Gouvêa Leila Maria Garcia Fonseca Avaliação da qualidade radiométrica das imagens do satélite CBERS-2B Érica Josiane Coelho Gouvêa Leila Maria Garcia Fonseca Instituto acional de Pesquisas Espaciais - IPE Caixa Postal 515-12245-970 - São

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA COBERTURA DA TERRA DE ANGRA DOS REIS RJ, A PARTIR DE ANÁLISE DE IMAGEM BASEADA EM OBJETO E MINERAÇÃO DE DADOS

CLASSIFICAÇÃO DA COBERTURA DA TERRA DE ANGRA DOS REIS RJ, A PARTIR DE ANÁLISE DE IMAGEM BASEADA EM OBJETO E MINERAÇÃO DE DADOS CLASSIFICAÇÃO DA COBERTURA DA TERRA DE ANGRA DOS REIS RJ, A PARTIR DE ANÁLISE DE IMAGEM BASEADA EM OBJETO E MINERAÇÃO DE DADOS Eduardo Gustavo Soares Pereira 1 Monika Richter 2 1 - Universidade Federal

Leia mais

Determinação de data de plantio da cultura da soja no estado do Paraná por meio de composições decendiais de NDVI

Determinação de data de plantio da cultura da soja no estado do Paraná por meio de composições decendiais de NDVI Determinação de data de plantio da cultura da soja no estado do Paraná por meio de composições decendiais de NDVI Gleyce K. Dantas Araújo 1, Jansle Viera Rocha 2 1 Tecª Construção Civil, Mestranda Faculdade

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS UMA ARQUITETURA DE SISTEMAS ESPECIALISTAS NEBULOSOS PARA CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS UTILIZANDO OPERADORES DA MORFOLOGIA MATEMÁTICA

Leia mais

Potencial do uso da banda do infravermelho próximo na classificação de imagens adquiridas por câmaras digitais

Potencial do uso da banda do infravermelho próximo na classificação de imagens adquiridas por câmaras digitais Potencial do uso da banda do infravermelho próximo na classificação de imagens adquiridas por câmaras digitais Lauriana Rúbio Sartori Nilton Nobuhiro Imai Antônio Maria Garcia Tommaselli Roberto da Silva

Leia mais

RGB - Poeiras Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica 1. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365

RGB - Poeiras Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica 1. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 RGB - Poeiras Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica 1 Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 Índice Determinar o objectivo do realce Escolher do canal apropriado Pré-processamento de imagem

Leia mais

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Pesquisas CBERS - UFRGS 2001: Início do projeto Participantes: - PPG-SR / CEPSRM - Instituto de Geociências Geodésia Geografia Geologia - Faculdade

Leia mais

ArcGIS: Rescale em Batch, Composição Colorida RGB e Fusão de Imagens Landsat-8

ArcGIS: Rescale em Batch, Composição Colorida RGB e Fusão de Imagens Landsat-8 ArcGIS: Rescale em Batch, Composição Colorida RGB e Fusão de Imagens Landsat-8 2013 LANDSAT-8: Informações para Novos Usuários de Imagens Licença: As imagens Landsat-8 são gratuitas; Download: Para baixar

Leia mais

Aula 5 - Classificação

Aula 5 - Classificação AULA 5 - Aula 5-1. por Pixel é o processo de extração de informação em imagens para reconhecer padrões e objetos homogêneos. Os Classificadores "pixel a pixel" utilizam apenas a informação espectral isoladamente

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto Definição; Breve Histórico; Princípios do SR; Espectro Eletromagnético; Interação Energia com a Terra; Sensores & Satélites; O que é Sensoriamento

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

EXTRACÇÃO DE SOMBRA A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO

EXTRACÇÃO DE SOMBRA A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO EXTRACÇÃO DE SOMBRA A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO Classificação Não Supervisionada, Reclassificação de Imagem e Classificação Orientada a Segmento Morna Nandaia Ricardo Silva SUMÁRIO

Leia mais

SMCB: METODOLOGIA PARA A QUANTIZAÇÃO DE CORES EM IMAGENS FACIAIS

SMCB: METODOLOGIA PARA A QUANTIZAÇÃO DE CORES EM IMAGENS FACIAIS CMNE/CILAMCE 007 Porto, 13 a 15 de Junho, 007 APMTAC, Portugal 007 SMCB: METODOLOGIA PARA A QUANTIZAÇÃO DE CORES EM IMAGENS FACIAIS Marcelo Zaniboni 1 *, Osvaldo Severino Junior e João Manuel R. S. Tavares

Leia mais

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS Erika Gonçalves Pires 1, Manuel Eduardo Ferreira 2 1 Agrimensora, Professora do IFTO, Doutoranda em Geografia - UFG,

Leia mais

Classificação de Imagens

Classificação de Imagens Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Classificação de Imagens Profa. Adriana Goulart dos Santos Extração de Informação da Imagem A partir de uma visualização das imagens,

Leia mais

Processamento digital de imagens. introdução

Processamento digital de imagens. introdução Processamento digital de imagens introdução Imagem digital Imagem digital pode ser descrita como uma matriz bidimensional de números inteiros que corresponde a medidas discretas da energia eletromagnética

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS Obter uma imagem temática a partir de métodos de classificação de imagens multi- espectrais 1. CLASSIFICAÇÃO POR PIXEL é o processo de extração

Leia mais

Módulo 3 Amostragem de Imagens Sistema Multimédia Ana Tomé José Vieira

Módulo 3 Amostragem de Imagens Sistema Multimédia Ana Tomé José Vieira Módulo 3 Amostragem de Imagens Sistema Multimédia Ana Tomé José Vieira Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática Universidade de Aveiro 1 Imagens Digitais 2 Sumário O olho Humano Sistemas

Leia mais

Utilização de imagem CBERS-2 na análise e avaliação dos impactos ambientais da cultura da cana-de-açúcar da região de Ribeirão Preto SP

Utilização de imagem CBERS-2 na análise e avaliação dos impactos ambientais da cultura da cana-de-açúcar da região de Ribeirão Preto SP Utilização de imagem CBERS-2 na análise e avaliação dos impactos ambientais da cultura da cana-de-açúcar da região de Ribeirão Preto SP Valéria de Souza Assunção 1 Elizabete Cristina Kono 1 Rafael Frigerio

Leia mais

MOLLIOREM: RECONSTRUÇÃO DO TÓRAX FEMININO

MOLLIOREM: RECONSTRUÇÃO DO TÓRAX FEMININO Departamento de Sistemas e Computação FURB Curso de Ciência da Computação Trabalho de Conclusão de Curso 2014/1 MOLLIOREM: RECONSTRUÇÃO DO TÓRAX FEMININO Acadêmico: Marina Uliano Marina.miyu@gmail.com

Leia mais

Variação da Linha de Costa da Praia do Janga/Paulista-PE, através da Técnica de Fusão de Imagens Orbitais CBERS HRC/CCD

Variação da Linha de Costa da Praia do Janga/Paulista-PE, através da Técnica de Fusão de Imagens Orbitais CBERS HRC/CCD Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.5039 Variação da Linha de Costa da Praia do Janga/Paulista-PE, através da Técnica

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental Comparação da temperatura de brilho de superfície do período seco com o chuvoso no Distrito Federal calculada a partir de imagens do Landsat

Leia mais

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251 ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11 13 de Novembro de 2010, São João delrei, MG; pg 251 257 251 ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA CIDADE DE VITÓRIAES USANDO A COMPOSIÇÃO

Leia mais

Lino Augusto Sander de Carvalho 1 Leila Maria Garcia Fonseca 1 Aylton Pagamisse 2

Lino Augusto Sander de Carvalho 1 Leila Maria Garcia Fonseca 1 Aylton Pagamisse 2 Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.2661 Comparação de técnicas de eliminação do efeito striping para imagens CCD

Leia mais

Análise das técnicas de fusão de imagens aplicadas ao satélite CBERS-2B (CCD-HRC) Claudinei Rodrigues de Aguiar¹ Danielli Batistella¹

Análise das técnicas de fusão de imagens aplicadas ao satélite CBERS-2B (CCD-HRC) Claudinei Rodrigues de Aguiar¹ Danielli Batistella¹ Análise das técnicas de fusão de imagens aplicadas ao satélite CBERS-2B (CCD-HRC) Claudinei Rodrigues de Aguiar¹ Danielli Batistella¹ 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Via do Conhecimento,

Leia mais

Introdução a Análise de Imagens Digitais

Introdução a Análise de Imagens Digitais Introdução a Análise de Imagens Digitais Uma imagem digital é uma representação de uma cena por meio de um conjunto de elementos discretos e de tamanhos finitos, chamados de pixels, colocados em um arranjo

Leia mais

Avaliação de técnicas de fusão aplicadas à imagem GeoEye

Avaliação de técnicas de fusão aplicadas à imagem GeoEye Avaliação de técnicas de fusão aplicadas à imagem GeoEye André Ferreira Borges Maytê Maria Abreu Pires de Melo Silva Sergio Donizete Faria Marcos Antônio Timbó Elmiro Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS SIG Profa.. Dra. Maria Isabel Castreghini de Freitas ifreitas@rc.unesp.br Profa. Dra. Andréia Medinilha Pancher medinilha@linkway.com.br O que é classificação? É o processo de

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL, COM SUPORTE DE GEOTECNOLOGIAS

ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL, COM SUPORTE DE GEOTECNOLOGIAS RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO DE PESQUISA FAPERJ AUXÍLIO À PESQUISA APQ1 PROCESSO E-26/111.893/2012 RESPONSÁVEL: GILBERTO PESSANHA RIBEIRO ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO

Leia mais

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy.

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Marcelo Musci Baseado no artigo: Change detection assessment using fuzzy sets and remotely sensed data: an application

Leia mais

SENRORIAMENTO REMOTO E SIG. Aula 1. Prof. Guttemberg Silvino Prof. Francisco das Chagas

SENRORIAMENTO REMOTO E SIG. Aula 1. Prof. Guttemberg Silvino Prof. Francisco das Chagas SENRORIAMENTO REMOTO E SIG Aula 1 Programa da Disciplina 1 CONCEITOS, HISTÓRICO E FUNDAMENTOS (8 aulas) 2 Sensoriamento remoto. Histórico e definições 3 Domínios do Sensoriamento Remoto 4 Níveis de Coleta

Leia mais

Detecção de mudanças utilizando imagens RapidEye através do Model Maker do ERDAS Imagine

Detecção de mudanças utilizando imagens RapidEye através do Model Maker do ERDAS Imagine Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 3 de abril a 5 de maio de 211, INPE p.5941 Detecção de mudanças utilizando imagens RapidEye através do Model Maker do

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS André Zuconelli 1 ; Manassés Ribeiro 2 1. Aluno do Curso Técnico em Informática, turma 2010, Instituto Federal Catarinense, Câmpus Videira, andre_zuconelli@hotmail.com

Leia mais

PROCESSAMENTO DE IMAGENS LANDSAT-5 TM NO MAPEAMENTO DO USO DA TERRA NA REGIÃO DE GUAXUPÉ (MG)

PROCESSAMENTO DE IMAGENS LANDSAT-5 TM NO MAPEAMENTO DO USO DA TERRA NA REGIÃO DE GUAXUPÉ (MG) PROCESSAMENTO DE IMAGENS LANDSAT-5 TM NO MAPEAMENTO DO USO DA TERRA NA REGIÃO DE GUAXUPÉ (MG) LYNEKER PEREIRA DA SILVEIRA¹ e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO² Palavras chaves: Sensoriamento Remoto; Café; Cana-de-açúcar;

Leia mais

Classificação da imagem (ou reconhecimento de padrões): objectivos Métodos de reconhecimento de padrões

Classificação da imagem (ou reconhecimento de padrões): objectivos Métodos de reconhecimento de padrões Classificação de imagens Autor: Gil Gonçalves Disciplinas: Detecção Remota/Detecção Remota Aplicada Cursos: MEG/MTIG Ano Lectivo: 11/12 Sumário Classificação da imagem (ou reconhecimento de padrões): objectivos

Leia mais

EVOLUÇÃO DE ÁREAS VERDES E URBANAS A PARTIR DO USO DE IMAGENS-FRAÇÃO VEGETAÇÃO, SOLO E SOMBRA NA CIDADE DE SÃO PAULO SP.

EVOLUÇÃO DE ÁREAS VERDES E URBANAS A PARTIR DO USO DE IMAGENS-FRAÇÃO VEGETAÇÃO, SOLO E SOMBRA NA CIDADE DE SÃO PAULO SP. AVANÇOS NO USO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Desenvolvimento, aplicações e uso das TIG EVOLUÇÃO DE ÁREAS VERDES E URBANAS A PARTIR DO USO DE IMAGENS-FRAÇÃO VEGETAÇÃO, SOLO E SOMBRA NA CIDADE

Leia mais

APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO

APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO ESTÁGIO DOCÊNCIA ALUNA: ADRIANA AFFONSO (PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO NO INPE MESTRADO EM SENSORIAMENTO REMOTO) ORIENTADOR: PROF. DR.

Leia mais

ESTIMATIVA DE NDVI UTILIZANDO IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS-2B_CCD, CBERS-2B_WFI E METEOSAT-9_SEVIRI 4

ESTIMATIVA DE NDVI UTILIZANDO IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS-2B_CCD, CBERS-2B_WFI E METEOSAT-9_SEVIRI 4 ESTIMATIVA DE NDVI UTILIZANDO IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS-2B_CCD, CBERS-2B_WFI E METEOSAT-9_SEVIRI 4 ELIZABETH FERREIRA 1, ANTONIO A. A. DANTAS 2, HUMBERTO A. BARBOSA 3 1 Engenheira Agrícola, Professora

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto.

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Sensoriamento Remoto Parte 1 Recife, 2014 Conceito de Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto consiste

Leia mais

Chow&Kaneko buscam as modas da imagem para separar os objetos. Admite que os tons na vizinhança de cada moda são do mesmo objeto.

Chow&Kaneko buscam as modas da imagem para separar os objetos. Admite que os tons na vizinhança de cada moda são do mesmo objeto. Respostas Estudo Dirigido do Capítulo 12 Image Segmentation" 1 Com suas palavras explique quais os problemas que podem ocorrer em uma segmentação global baseada em níveis de cinza da imagem. Que técnicas

Leia mais

VISUALIZAÇÃO E MANIPULAÇÕES SIMPLES DE IMAGENS GEOCOVER NO ArcGIS 9.x

VISUALIZAÇÃO E MANIPULAÇÕES SIMPLES DE IMAGENS GEOCOVER NO ArcGIS 9.x VISUALIZAÇÃO E MANIPULAÇÕES SIMPLES DE IMAGENS GEOCOVER NO ArcGIS 9.x TUTORIAL /2005 Elizete Domingues Salvador SUREG-SP elizete@sp.cprm.gov.br ÍNDICE 1. Adicionar imagem Geocover na área de trabalho do

Leia mais

ANÁLISE DE ÁREAS DEGRADADAS NO MUNICÍPIO DE ILHA SOLTEIRA - SP, UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR TM LANDAST 5

ANÁLISE DE ÁREAS DEGRADADAS NO MUNICÍPIO DE ILHA SOLTEIRA - SP, UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR TM LANDAST 5 ANÁLISE DE ÁREAS DEGRADADAS NO MUNICÍPIO DE ILHA SOLTEIRA - SP, UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR TM LANDAST 5 Fabiano Barbosa dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 2, Lucas Barbosa Cavalcante 3, Maurílio Neemias

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS DE ALTA RESOLUÇÃO INTEGRANDO VARIÁVEIS ESPECTRAIS E FORMA UTILIZANDO REDES NEURAIS ARTIFICIAIS

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS DE ALTA RESOLUÇÃO INTEGRANDO VARIÁVEIS ESPECTRAIS E FORMA UTILIZANDO REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Anais XI SBSR, Belo Horizonte, Brasil, 05-10 abril 0, INPE, p. 65-7. CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS DE ALTA RESOLUÇÃO INTEGRANDO VARIÁVEIS ESPECTRAIS E FORMA UTILIZANDO REDES NEURAIS ARTIFICIAIS ANDRÉA FARIA

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE BANCOS DE DADOS ESPACIAIS COM IMAGENS DE SATÉLITE

CONSTRUÇÃO DE BANCOS DE DADOS ESPACIAIS COM IMAGENS DE SATÉLITE CONSTRUÇÃO DE BANCOS DE DADOS ESPACIAIS COM IMAGENS DE SATÉLITE Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis Laboratório de Estatística Espacial (LESTE) Departamento de Estatística Universidade Federal de

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

3 Estado da arte em classificação de imagens de alta resolução

3 Estado da arte em classificação de imagens de alta resolução 37 3 Estado da arte em classificação de imagens de alta resolução Com a recente disponibilidade de imagens de alta resolução produzidas por sensores orbitais como IKONOS e QUICKBIRD se tornou-se possível

Leia mais

O uso de pontos de controle no processamento de imagens CBERS

O uso de pontos de controle no processamento de imagens CBERS O uso de pontos de controle no processamento de imagens CBERS Marco Aurélio Oliveira da Silva Elaine Reis Costa Paulo Eduardo Neves Antônio José Machado e Silva Gisplan Tecnologia da Geoinformação - GISPLAN

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas a manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Thanks to Prof. Dr. Cláudio Rosito Jung

Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Thanks to Prof. Dr. Cláudio Rosito Jung Introdução ao Processamento de Imagens Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Thanks to Prof. Dr. Cláudio Rosito Jung Introdução Processamento de Imagens: processamento de sinais bidimensionais (ou n-dimensionais).

Leia mais

AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL - RS

AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL - RS TERMO DE REFERENCIA AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL - RS 1. Objetivos.

Leia mais

Uso do algoritmo divisão K-médias adaptado para definição de background em imagens do Landsat 8

Uso do algoritmo divisão K-médias adaptado para definição de background em imagens do Landsat 8 Uso do algoritmo divisão K-médias adaptado para definição de background em imagens do Landsat 8 Rodrigo Augusto Rebouças 1 Rafael Duarte Coelho dos Santos 2 Mateus Habermann 1 Elcio Hideiti Shiguemori

Leia mais

Classificação de imagens Landsat

Classificação de imagens Landsat Classificação de imagens Landsat Neste tutorial veremos alguns recursos adicionais do Semi-automatic Classification Plugin (SCP) desenvolvido por Congedo (2015): configuração da memória disponível para

Leia mais

Atividade: matrizes e imagens digitais

Atividade: matrizes e imagens digitais Atividade: matrizes e imagens digitais Aluno(a): Turma: Professor(a): Parte 01 MÓDULO: MATRIZES E IMAGENS BINÁRIAS 1 2 3 4 5 6 7 8 Indique, na tabela abaixo, as respostas dos 8 desafios do Jogo dos Índices

Leia mais

SOFTWARE PARA IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CÉLULAS DO ENDOTÉLIO CORNEANO DESENVOLVIDO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

SOFTWARE PARA IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CÉLULAS DO ENDOTÉLIO CORNEANO DESENVOLVIDO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS 221 SOFTWARE PARA IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CÉLULAS DO ENDOTÉLIO CORNEANO DESENVOLVIDO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Jean-Jacques S. De Groote - Prof. Dr. do Centro Universitário Uniseb de Ribeirão Preto.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas Segmentação de Imagens de Placas Automotivas André Zuconelli, Manassés Ribeiro Instituto Federal Catarinense - Campus Videira. Técnico em Informática, turma 2010 Rodovia SC, Km 5 Bairro Campo Experimental

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE QUEIMADAS NOS CAMPOS DE CIMA DA SERRA, RS, ATRAVÉS DOS ÍNDICES NDVI E NBR INTRODUÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DE QUEIMADAS NOS CAMPOS DE CIMA DA SERRA, RS, ATRAVÉS DOS ÍNDICES NDVI E NBR INTRODUÇÃO IDENTIFICAÇÃO DE QUEIMADAS NOS CAMPOS DE CIMA DA SERRA, RS, ATRAVÉS DOS ÍNDICES NDVI E NBR BRUNO DEPRÁ¹ DINIZ CARVALHO DE ARRUDA¹ TATIANA MORA KUPLICH² Universidade Federal de Santa Maria-UFSM¹ Instituto

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519 Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL - Abertura e aprovação do projeto do curso:

Leia mais

COMPARAÇÃO TABULAR DA EXPANSÃO URBANA DOS MUNICÍPIOS DE ITAPEMA, PORTO BELO E BOMBINHAS EM SANTA CATARINA, BRASIL, NO PERÍODO DE 1985 A 2002.

COMPARAÇÃO TABULAR DA EXPANSÃO URBANA DOS MUNICÍPIOS DE ITAPEMA, PORTO BELO E BOMBINHAS EM SANTA CATARINA, BRASIL, NO PERÍODO DE 1985 A 2002. COMPARAÇÃO TABULAR DA EXPANSÃO URBANA DOS MUNICÍPIOS DE ITAPEMA, PORTO BELO E BOMBINHAS EM SANTA CATARINA, BRASIL, NO PERÍODO DE 1985 A 2002. Janaina Sant Ana Maia Santos* UFSC - Universidade Federal de

Leia mais

Normalização Espacial de Imagens Frontais de Face

Normalização Espacial de Imagens Frontais de Face Normalização Espacial de Imagens Frontais de Face Vagner do Amaral 1 e Carlos Eduardo Thomaz 2 Relatório Técnico: 2008/01 1 Coordenadoria Geral de Informática Centro Universitário da FEI São Bernardo do

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS CBERS DA BACIA DO SÃO FRANCISCO USANDO MAPAS AUTO-ORGANIZADOS DE KOHONEN E CLASSIFICADORES FUZZY C-MÉDIAS

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS CBERS DA BACIA DO SÃO FRANCISCO USANDO MAPAS AUTO-ORGANIZADOS DE KOHONEN E CLASSIFICADORES FUZZY C-MÉDIAS CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS CBERS DA BACIA DO SÃO FRANCISCO USANDO MAPAS AUTO-ORGANIZADOS DE KOHONEN E CLASSIFICADORES FUZZY C-MÉDIAS CECÍLIA CORDEIRO DA SILVA 1 WELLINGTON PINHEIRO DOS SANTOS 2 1 Universidade

Leia mais