PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL"

Transcrição

1 PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica de Educação Física e Bolsista PIBIC/CNPq UNEMAT-Cáceres 2.Acadêmica de Educação Física e Bolsista do Projeto de Pesquisa PROBIC/UNEMAT-Cáceres. 3.Professora Orientadora, Depto de Educação Física, UNEMAT-Cáceres. Resumo: O presente texto resulta da pesquisa que busca investigar as práticas corporais esportivas indígenas, para compreensão das suas relações com os Jogos Indígenas do Brasil. Para entender as práticas e técnicas corporais das diferentes etnias e analisar/apontar as influências que elas sofrem nas relações com a sociedade envolvente e assim, avaliar o impacto cultural que este evento causa aos povos indígenas. O levantamento bibliográfico contribui para entender as práticas corporais e sua verdadeira função de formar identidade cultural de um grupo, compreendendo estas práticas como fato social. Estas são entendidas como as formas de movimentar, andar, correr, nadar entre outras e aparecem de diferentes maneiras em uma mesma sociedade ou etnia, além de serem utilizadas como formas de se comunicar e se identificar em distintas culturas. O trabalho iniciou em março e nesta fase, possibilitou a sistematização das entrevistas realizadas com três indígenas em Tangará da Serra, de duas etnias que participaram dos Jogos. As entrevistas contribuíram para a descoberta das práticas esportivas e culturais presente no contexto da aldeia, nos aproximando da realidade indígena para o trabalho de pesquisa em andamento, renovando nosso olhar para esses povos, superando a visão do índio genérico que se estuda na escola. Além de que os Jogos Indígenas é um espaço de intercâmbio entre as etnias participantes e também com a sociedade que prestigiam o evento, são nesses momentos que mostram a sua cultura, sua dança, sua pintura, seus artesanatos e despertam o interesse dos jovens por aspectos da sua cultura, ou seja, mantêm essas manifestações vivas e presentes na sua aldeia. Ainda em fase inicial, a pesquisa mostra sua importância para compreensão mais ampla do processo de produção e reprodução das culturas tradicionais, pois ao relacionar essas práticas indígenas com a formação de identidade da sociedade colaboramos para valorização destes povos. Palavras Chaves: Jogos Indígenas do Brasil, Culturas; Práticas Corporais.

2 INTRODUÇÃO O projeto busca compreender as relações dos Jogos dos Povos Indígenas do Brasil com as práticas corporais esportivas e lúdicas presentes nas aldeias indígenas, entender as práticas e as técnicas corporais presentes nas diferentes etnias participantes dos jogos, apontar/analisar o choque cultural que este evento nacional ocasiona. A pesquisa em andamento procura identificar as manifestações dos grupos étnicos e relacioná-las com a formação de identidade individual e coletiva da sociedade, contribuindo com uma melhor compreensão dos fatores que possibilitam a manutenção das tradições culturais. O processo de colonização do Brasil é um grande marco na história dos povos nativos e influenciou fortemente as características das formas culturais que identificam os brasileiros atuais e as relações conflituosas marcadas por preconceitos étnicos-raciais presentes em nossa sociedade. A história do Brasil para os povos indígenas não tem sido fácil, tiveram que lutar para sobreviver à epidemias, guerras, escravidão, e o genocídio que eliminou inúmeros povos nativos, poucos foram os que conseguiram superar os 500 anos de descobrimento. E essa situação de exploração persiste até hoje em nossa sociedade, pois o índio continua sendo vítima do preconceito, visto como um ser genérico. A maioria do brasileiro não reconhece a diversidade étnica dos indígenas que continua sendo ignorada pela educação escolar. Como afirma Grando (2004, p 02), os brasileiros descendentes dos ameríndios continua sendo considerado sem-cultura, isto é, sem terra, semcomida, sem-saúde, sem-educação, sem-cidadania. No entanto, a cultura e a riqueza do Brasil deve-se em grande parte a estes povos que mantém nas diversidades de ser e de viver neste país, a grande possibilidade de enfrentar as novas demandas sócio ambientais do planeta. A cultura, como um meio de constituir-se como humano, é a possibilidade concreta de sermos únicos ao mesmo tempo em que somos sociedade. Através da cultura produzimos a nós mesmos e com o constante convívio ocorrem trocas de maneiras de ser. Nesta concepção Geertz (apud. GRANDO, 2007, p. 18) enfatiza, assim como a cultura nos modela como espécie única e sem dúvida ainda nos está modelando, assim também ela nos modela como indivíduos separados. Segundo Grando (2004), a cultura pode ser compreendida a partir de traços que a diferencia nas relações de fronteiras estabelecidas com outras culturas e essas relações possibilitam a constituição de identidades individuais e coletivas. As culturas e suas fronteiras são espaços de intercâmbio de sentidos e significados que são estabelecidos por sensibilidades vivenciadas no corpo e evidenciadas de diferentes formas de conhecimentos, neste contexto, para entendermos a cultura é necessário tomar o eixo de corpo, educação e cultura. Para a compreensão e identificação das diferenças entre as sociedades, culturais e pessoas podemos apontar as técnicas corporais, que são formas, gestos que expressam as maneiras de ser dos homens e mulheres. Então, podemos definir que essa técnica corporal é um fato social, e é através dela que reconhecemos a nos e aos outros, assim há diferentes formas de parar, sentar, de andar, de falar presentes em uma mesma cultura e sociedade, essas maneiras são utilizadas como formas de se comunicar e identificar pessoas de diferentes culturas. (GRANDO, 2007).

3 MATERIAIS E MÉTODOS Um levantamento bibliográfico foi necessário para o início da pesquisa, além de subsidiar o processo de investigação, a fim de possibilitar uma aproximação com a temática em discussão. Visando o trabalho inicial ser subsidiado por uma pesquisa qualitativa de caráter exploratório, foi realizado um trabalho de campo com entrevistas com indígenas. Além deste primeiro trabalho, buscar-se-á durante o desenvolvimento do projeto obter documentos de manifestações, práticas corporais e jogos indígenas presente na aldeia. A primeira aproximação com a realidade sócio-cultural indígena se deu durante o III Fórum e Educação e Diversidade, evento organizado pelo Núcleo de Atividades, Estudos e Pesquisa sobre Educação, Ambiente e Diversidade (NEED), cuja finalidade foi discutir as práticas educacionais e possibilidades mais justas e democráticas para índios, negros e trabalhadores rurais. O evento possibilitou a execução de mais uma das etapas do trabalho, o grupo de pesquisa/coeduc-unemat se fez presente com oficinas e apresentações de trabalhos e com isso, tivemos a oportunidade de realizar entrevistas com três indígenas, sendo eles dois Umutinas e um Nambikwara, sobre os Jogos dos Povos Indígenas do Brasil. RESULTADOS E DISCUSSÕES Ao analisar as entrevistas podemos identificar diferentes opiniões sobre os Jogos dos Povos Indígenas do Brasil. A prática esportiva nos jogos foi relatada como principal objetivo o de intercâmbio cultural com outras etnias, e produção de diferentes conhecimentos entre elas, pois identificamos algumas práticas corporais que estão presentes em diferentes grupos étnicos, da mesma maneira que um grupo étnico pode se constituir com diferenças práticas culturais. Para nosso entrevistado Nambikwara os Jogos vão além da prática esportiva, neles se encontra momentos como apresentações culturais, pinturas e danças, e desta forma podem conhecer os artesanatos e ornamentos dos outros indígenas. Para os Umutinas os Jogos incentivam os jovens a se interessarem por aspectos da sua própria cultura, a fim de ficarem mais ornamentados e bonitos para se apresentarem diante dos demais indígenas. Conforme aponta a literatura (GRANDO, 2001, 2004, 2007), as práticas corporais vivenciadas/aprendidas pelas crianças marcam uma identidade se o constitui como pessoa. E são essas práticas que constituem um grupo social e assim nos identificamos como sujeitos. Para os entrevistados a contribuição dos Jogos é de valorização e manutenção da cultura, além de que o esporte é um benefício à saúde e aumenta a auto-estima. Segundo os entrevistados, os Jogos têm como função o lazer e a integração, mas também fornece conhecimento teórico e prático dos esportes. Na aldeia estão presentes as atividades práticas como: futebol, vôlei, atletismo e natação, uma evidencia da influência dos esportes não-indígenas. Porém os entrevistados também relataram que há outras práticas características das culturais indígenas, como o arco e flecha e o cabeçabol, no caso desta prática, de acordo com o Nambikwara, não é mais praticada em sua aldeia, embora seja uma prática tradicional do seu povo.

4 Para as duas etnias os Jogos só vêm a somar com os povos indígenas, todavia, o Nambikwara expõe sua preocupação com o fascínio dos indígenas com novos lugares, podendo mudar seus valores culturais indígenas. De acordo com os entrevistados, não há nenhuma preparação das etnias para os Jogos, porém se a aldeia preferir ela acontece com objetivo melhorar as apresentações culturais. No relato do Nambikwara: Não há necessidade de uma preparação, ele já é preparado, ele já tá preparado para apresentar sua cultura a todo o momento. (José Ângelo da aldeia Nambikwara) O Umutina relata que essas atividades estão presentes no dia-a-dia da comunidade e não existe uma preocupação de treinamento esportivo, até porque os Jogos são celebrações culturais e não competições. A sistematização das entrevistas permitiu um olhar diferenciado pela produção dos Jogos dos Povos Indígenas do Brasil. Eles renovam as relações de igualdade com a sociedade e possibilita o respeito às diferenças, gerando a diversidade cultural presente no Brasil. Os Jogos Indígenas são um momento de grande intercâmbio entre as etnias, fato que é muito valorizado pelos participantes, eles vão aprender/rever manifestações, danças, pinturas e artesanatos. A influência dos não-indígenas é constante nas organizações e também em algumas práticas dentro da aldeia, como é o caso do futebol, do vôlei e do atletismo, as práticas que são características indígenas são pouco presentes, como exemplo o cabeçobol da aldeia Nambikwara, que não é muito freqüente. Segundo os entrevistados, os não-índios colaboram com a organização dos Jogos, pois eles estão aptos a esse tipo de atividade. Em nossa conclusão, neste primeiro momento de pesquisa, a visão dos Jogos é muito positiva para os indígenas, é um meio de divulgar suas práticas corporais e assim mantê-las. São estas relações de diferentes formas de ser que possibilitam a constituição das identidades coletivas e individuais da nossa sociedade. São essas práticas corporais que contribui na formação do corpo e para identidade do grupo. Essas manifestações corporais transmitidas dos mais velhos aos jovens se renovam a cada geração e garante a continuidade da cultura (GRANDO, 2005). CONCLUSÃO Os Jogos dos Povos Indígenas do Brasil são fonte de manutenção das atividades culturais indígenas, e são essas manifestações que os identificam. Há um processo de manutenção cultural neste evento, em que os jovens vão ter que sentar com os mais velhos para aprenderem sobre o artesanato, a pintura, etc., e isso corrobora para o interesse da juventude em estar buscando saberes da sua cultura e desta forma, produzindo e transmitindo esses valores culturais, fortalecendo a união dos povos indígenas. Além disso, existem benefícios na saúde com a prática dessas atividades esportivas. Conclui-se, de acordo com os relatos das duas etnias, que os Jogos possuem uma gama de contribuições para a população indígena, principalmente por oportunizar o encontro entre vários povos. A influência do não-indígena é evidente, dentro da organização dos Jogos e também nos jogos esportivos que ocorrem dentro da aldeia, porém, vale ressaltar que estes não visam o esporte de alto rendimento, embora se organize tomando-o como exemplo. Esta prática é assim, contraditória, pois ao mesmo tempo em que promove a competição entre os indígenas, afirma e promove a celebração do

5 encontro interétnico e intercultural e contribui para a preservação de diferentes práticas. O slogan é o importante não é competir, e sim, celebrar. Todavia, é preciso sempre estar atendo para que essas manifestações indígenas não sejam esquecidas, pois os índios são parte importante da história do Brasil e se não tivermos compromisso com seus valores e culturas, contribuímos para o desaparecimento de suas práticas e o empobrecimento da nossa própria cultura nacional, que se qualifica na diversidade. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS GRANDO, BS. Corpo E Cultura: A Educação do Corpo em Relações de Fronteiras Étnicas e Culturais e Constituição e a Identidade Bororo em Meruri-MT. Pensar a Prática 8/2: Jul./Dez , BS. Corpo educação e cultura: as práticas corporais e a constituição da identidade. In: Corpo, educação e cultura: práticas corporais e maneiras de ser. Cáceres-MT: Editora Unemat, (pág ), BS. Jogos dos Povos Indígenas: tradição, cultura e esporte na escola indígena. In: Desafios Atuais da Educação Escolar Indígena. São Paulo (Pág ) MAUSS, M. Técnicas Corporais. In: Sociologia e antropologia. São Paulo: EDUSP, (pág )

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas e as representações subjetivas sobre os conceitos estudados.

Leia mais

Coordenação: Profª Vera Rodrigues

Coordenação: Profª Vera Rodrigues III Oficina Técnica da Chamada CNPq/MDS - 24/2013 Seminário de Intercâmbio de pesquisas em Políticas Sociais, Combate à Fome e à Miséria no Brasil Projeto E agora falamos nós: mulheres beneficiárias do

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES Gisllayne Rufino Souza* UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MEIO RURAL: Análise curricular

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MEIO RURAL: Análise curricular EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MEIO RURAL: Análise curricular Vanessa Minuzzi Bidinoto 1 Viviane Dal-Souto Frescura 2 Aline Pegoraro 3 Resumo: O presente trabalho buscou provocar reflexões sobre a importância da

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

EE DR. LUÍS ARRÔBAS MARTINS

EE DR. LUÍS ARRÔBAS MARTINS QUAL É A NOSSA COR? Sala 3 Interdisciplinar EF I EE DR. LUÍS ARRÔBAS MARTINS Professoras Apresentadoras: DÉBORA CARLA M S GENIOLE ELIZABETH REGINA RIBEIRO FABIANA MARTINS MALAGUTI FERNANDA MARIA DE OLIVEIRA

Leia mais

JOGOS E BRINQUEDOS INDIGENAS-UM ENSAIO PARA A VIDA: Levantamento das praticas corporais lúdicas da comunidade indígena Sateré- Mawé

JOGOS E BRINQUEDOS INDIGENAS-UM ENSAIO PARA A VIDA: Levantamento das praticas corporais lúdicas da comunidade indígena Sateré- Mawé UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FISICA E FISIOTERAPIA LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FISICA LABORATORIO DE ESTUDOS SOCIOBIOCULTURAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL JOGOS E BRINQUEDOS INDIGENAS-UM

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ Luisa de Oliveira Demarchi Costa 1 ; Verônica Regina Müller 2 RESUMO: Este

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014.

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. DEDICATÓRIA Para todas as crianças negras e de classes populares que são vítimas das atrocidades

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Aula 12 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III 2 Brincadeira Ação de brincar, de entreter, de distrair. Utilizam uma variedade de movimentos corporais e capacidades físicas Caráter

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

Documento Final do Seminário

Documento Final do Seminário Documento Final do Seminário Gestão de Acervos Culturais em Centros de Formação, de Documentação, de Cultura e Museus Indígenas no Brasil Entre os dias 17 e 20 de setembro de 2013, um grupo de 30 pessoas,

Leia mais

Índios Lecionando: troca de saberes 1. Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6

Índios Lecionando: troca de saberes 1. Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6 Índios Lecionando: troca de saberes 1 Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO Os vários trabalhos

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Destaque Documento Base Parágrafo

Destaque Documento Base Parágrafo DOCUMENTO BASE NACIONAL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DE EJA DO TOCANTINS Destaque Documento Base Parágrafo 1. Diante do quadro diagnóstico que se apresenta da educação de jovens e adultos (EJA)

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLETINDO SOBRE A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLETINDO SOBRE A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLETINDO SOBRE A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE Thais Messias MORAES; Humberto Luís de Deus INÁCIO Faculdade de Educação Física/UFG - thaismemo@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias O Programa Esporte e Lazer da Cidade e o seu processo formativo para egressos do curso de educação física da Universidade Federal

Leia mais

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE.

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. Resumo XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. OLIVEIRA, Vanessa Duarte de PUCPR vane_do@hotmail.com CARVALHO, João Eloir PUCPR j.eloir@uol.com.br Eixo Temático: Educação, arte e movimento Agência

Leia mais

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA Tiago Onofre da Silva 1 Rafael Santos Nunes 2 RESUMO: O presente artigo aborda o processo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA Tamara Nomura NOZAWA 1 Telma Lúcia Aglio GARCIA 2 Edmárcia Fidelis ROCHA

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

INDÍGENAS NO BRASIL DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA

INDÍGENAS NO BRASIL DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA Capítulo 14 EDUCAÇÃO INDÍGENA Conhecimento sobre o recebimento e adequação da educação regular (parâmetros nacionais de educação) nas aldeias indígenas Estimulada e única, em % MACRO REGIÕES PROXIMIDADE

Leia mais

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo)

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Regimento Interno UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Artigo 1º - O NEED, Núcleo de atividades, estudos e pesquisa

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador.

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador. I ENCONTRO, CAPOEIRA e PATRIMÔNIO IMATERIAL no BRASIL: perspectivas para a implementação de políticas públicas de salvaguarda da Capoeira. Local: UFF Niterói RJ Data: 3 de setembro de 2006 às 16:00 h Tema:

Leia mais

Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C.

Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C. Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C. Declaração de Princípios Quem Somos Somos uma organização não-governamental dedicada à promoção da liderança juvenil e da participação da cultura da juventude

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA

TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA Pedro Henrique Santos da Silva - Bianca dos Santos Cristovão - Luciana Maria da Silva* - RESUMO O Programa Institucional

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM

INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM Andreza Magda da Silva Dantas Escola.E.E.M.Fc. Sá Cavalcante Paulista PB andreza_magda@hotmail.com Introdução Zelga Dantas de

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Paisagens Socioambientais em Bacias Hidrográficas

Paisagens Socioambientais em Bacias Hidrográficas Paisagens Socioambientais em Bacias Hidrográficas Yanina Micaela Sammarco Bióloga, Ms em Engenharia Ambiental Dtnda pela Universidade Autonoma de Madrid-Espanha Consultora do Instituto Pró-Terra Educadora,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 7 ANO TURMAS A e B Prof. Alexandre Magno Guimarães Ementa:

Leia mais

Carta dos Povos da Terra

Carta dos Povos da Terra Carta dos Povos da Terra Primeira Proposta Janeiro 2011 Para contribuir no debate e enriquecer esta proposta de Carta, pode se inscrever enviando um e-mail para carta@forums.rio20.net www.rio20.net Um

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina ÍNDICE Encontro de Mulheres Guarani do Litoral Norte do Estado de São Paulo Organização: Selma A. Gomes Projeto gráfico: Irmãs de Criação Fotos: Carlos Penteado Publicado com o apoio da CAFOD Novembro

Leia mais

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS 1 CARTA DA TERRA A Carta da Terra é uma declaração de princípios fundamentais para a construção de uma sociedade que seja justa, sustentável e pacífica. Ela diz o que devemos fazer para cuidar do mundo:

Leia mais

A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE

A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE Kallenya Kelly Borborema do Nascimento 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) E-mail: kallenyakelly2@hotmail.com Patrícia Cristina

Leia mais

Política de alimentação escolar para populações indígenas

Política de alimentação escolar para populações indígenas Política de alimentação escolar para populações indígenas IV Encontro do Programa Nacional de Alimentação Escolar 25 a 28 de novembro de 2008 Profª Dulce Ribas Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias Relato de experiência de um agente social sobre suas atividades com as comunidades do município de Santa Maria- RS, através do

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão Identificação da Ação Proposta Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Área Temática:

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 71 A Gestão Social no Brasil 13 de Fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

PROJETO ANUAL. Tema Central: Mãe Terra, o que deixaremos para os nossos filhos?

PROJETO ANUAL. Tema Central: Mãe Terra, o que deixaremos para os nossos filhos? PROJETO ANUAL Tema Central: Mãe Terra, o que deixaremos para os nossos filhos? I TRIMESTRE Turmas: Maternal ao 5º ano Enfatizando: Maternal e jardim I: O Circo {A magia do riso] Levar os alunos a compreender

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Natureza e Sociedade na parte 1 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Natureza e Sociedade na O eixo de trabalho Natureza e Sociedade

Leia mais

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG POVOS INDÍGENAS NO BRASIL Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG Conhecendo os povos indígenas Para conhecer melhor os povos indígenas, é importante estudar sua língua.

Leia mais

Escola, Educação Física e Formação de Atletas: Jocimar Daolio

Escola, Educação Física e Formação de Atletas: Jocimar Daolio Escola, Educação Física e Formação de Atletas: aproximações e distanciamentos i t Jocimar Daolio jocimar@fef.unicamp.br é papel da Educação Física Escolar detectar talentos esportivos? é papel da Escola

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU.

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. Autora: MARIA JOSÉ CALADO Introdução Diante da necessidade e do direito

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE KOGUT, Maria Cristina - PUCPR Cristina.k@pucpr.br SOUZA, Franciely Prudente de Oliveira - PUCPR franciely.oliveira@pucpr.br TREVISOL,

Leia mais

PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. INTRODUÇÃO

PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. INTRODUÇÃO PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. Priscilla Gaiba INTRODUÇÃO Se em algumas áreas do conhecimento o corpo tem sido o principal instrumento de

Leia mais

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 11.2 Conteúdo: Formas de praticar futebol

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 11.2 Conteúdo: Formas de praticar futebol AULA: 11.2 Conteúdo: Formas de praticar futebol AULA: 11.2 Habilidades: Compreender as diferenças entre os esportes: educacional, de rendimento e de participação As dimensões sociais do esporte: Forma

Leia mais

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Coordenação de Diversidade SECAD/MEC Professora Leonor Araujo A escola é apontada como um ambiente indiferente aos

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E CULTURA POPULAR ATRAVÉS DA DANÇA

EDUCAÇÃO FÍSICA E CULTURA POPULAR ATRAVÉS DA DANÇA EDUCAÇÃO FÍSICA E CULTURA POPULAR ATRAVÉS DA DANÇA Maria do Patrocínio Freire Batista (UEPB)-patrícia.fb22@gmail.com Artur Albuquerque (UEPB) Julliana de Lucena Souto Marinho (UEPB) Thayse Borges Costa

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Ser humano, sociedade e cultura

Ser humano, sociedade e cultura Ser humano, sociedade e cultura O ser humano somente vive em sociedade! Isolado nenhuma pessoa é capaz de sobreviver. Somos dependentes uns dos outros,e por isso, o ser humano se organiza em sociedade

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA BILINGUE E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIAIS NUMA PERSPECTIVA INTERCULTURAL.

A RELEVÂNCIA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA BILINGUE E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIAIS NUMA PERSPECTIVA INTERCULTURAL. A RELEVÂNCIA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA BILINGUE E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIAIS NUMA PERSPECTIVA INTERCULTURAL. FIGUEIREDO, Flaviana Pereira RESUMO: A pesquisa foi realizada na escola Cacique João Batista

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

Aula 10.2 Conteúdo: Os esportes indígenas na cultura não indígena. DINÂMICA LOCAL INTERATIVA APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA

Aula 10.2 Conteúdo: Os esportes indígenas na cultura não indígena. DINÂMICA LOCAL INTERATIVA APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA A A Aula 10.2 Conteúdo: Os esportes indígenas na cultura não indígena. 2 A A Habilidades: Reconhecer os jogos com heranças indígenas. 3 A A O esporte indígena na cultura não indígena: A cultura brasileira

Leia mais

EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA

EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA ESTEVAN LISKA 1, DENIS DE OLIVEIRA RODRIGUES 1, GUSTAVO COSTA 1, GUSTAVO FIALHO 1, JENNIFER SILVA 1, JOSIAS OLIVEIRA 1, RENAN FERNANDO 1, TAMARES

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA RESUMO LEI 10.639/03 Anne Caroline Silva Aires Universidade Estadual da Paraíba annec153@yahoo.com.br Teresa Cristina Silva Universidade Estadual da

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

http://www.youtube.com/watch?v=h54vsr wwueo

http://www.youtube.com/watch?v=h54vsr wwueo http://www.youtube.com/watch?v=h54vsr wwueo Site:http://www.ccnma.org.br Coordenador: Carlos Sérgio Ferreira (coordenação cultura e identidade Afro brasileira) O Centro de Cultura Negra do Maranhão é uma

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais