A cidade nas fronteiras do legal e ilegal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A cidade nas fronteiras do legal e ilegal"

Transcrição

1 Paulo, ao longo dos anos 1990 e 2000, de um vasto mercado informal de bens de consumo e serviços orientados para o mundo popular favoreceu a expansão de oportunidades não assalariadas de trabalho trabalho autônomo, conta própria. (...) O terceiro parâmetro em torno do qual o livro se organiza remete à maneira pela qual a globalização transformou a vida urbana através da financeirização do consumo popular, com a generalização do uso dos cartões de crédito, mesmo entre os segmentos mais pauperizados, e com a consequente generalização do endividamento, conforme mostra a pesquisa de Claudia Sciré. Como não reconhecer nesse fenômeno a marca da indústria financeira a financial industry, como se designa o mercado financeiro no mundo anglo-saxônico com seus produtos adaptados aos mais diversos tipos de público, inclusive os mais pobres? O quarto parâmetro é provavelmente o mais importante, posto que também o mais transversal: refere-se ao embaralhamento e a expressão é particularmente oportuna neste caso das fronteiras da legalidade. Do trabalhador honesto que, nas horas vagas, enrola papelotes de cocaína para melhorar a renda no fim do mês ao comerciante que altera o preço dos produtos conforme sejam, ou não, faturados, a cidade que Vera Telles nos dá a ver transita descomplexada entre práticas legais e ilegais, lícitas e ilícitas. (...) A importância desses cruzamentos entre o legal e o ilegal, entre o lícito e o ilícito na caracterização da vida urbana paulistana corre o risco de dar ao leitor uma imagem negativa e desesperada da cidade. Tanto mais que o livro resgata uma literatura que acompanhou a autora ao longo desses dez anos e com a qual ela dialogou. Vera Telles flagra uma dinâmica de mudança, entre o que desaparece e o que se reconstrói. O processo é desconcertante, às vezes violento, mas a esperança vem da história. É ela que anuncia dias melhores no nosso caminhar. Angelina Peralva Socióloga, professora da Universidade de Toulouse Le Mirail, França Durante dez anos, em diálogo intenso com uma equipe de jovens pesquisadores, Vera Telles interrogou as tramas, as dobras e os percursos que formam a tessitura de São Paulo. O pressuposto era de que a cidade havia mudado; e, para entender essa mudança, seria preciso produzir descrições significativas, flagrar cenas capazes de pôr em evidência certas linhas pouco visíveis da dinâmica urbana. Iniciou-se assim um trabalho cumulativo, de clara inspiração antropológica, com um apelo forte em direção a uma etnografia experimental uma etnografia capaz de inventar seus próprios parâmetros no ato mesmo da investigação; capaz de construir experimentalmente seu próprio objeto, como relembra a autora em diversos momentos. Uma imagem surpreendente de São Paulo se desenha a partir daí. Mas não só. Emerge também um objeto cidade, construído graças aos parâmetros que a pesquisa ajudou a revelar. (...) Angelina Peralva Socióloga, professora da Universidade de Toulouse Le Mirail, França Vera da Silva Telles A cidade nas fronteiras do legal e ilegal ARGVMENTVM A cidade nas fronteiras do legal e ilegal ARGVMENTVM Editora Vera da Silva Telles Durante dez anos, em diálogo intenso com uma equipe de jovens pesquisadores, Vera Telles interrogou as tramas, as dobras e os percursos que formam a tessitura de São Paulo. O pressuposto era de que a cidade havia mudado; e, para entender essa mudança, seria preciso produzir descrições significativas, flagrar cenas capazes de pôr em evidência certas linhas pouco visíveis da dinâmica urbana. Iniciou-se assim um trabalho cumulativo, de clara inspiração antropológica, com um apelo forte em direção a uma etnografia experimental uma etnografia capaz de inventar seus próprios parâmetros no ato mesmo da investigação; capaz de construir experimentalmente seu próprio objeto, como relembra a autora em diversos momentos. Uma imagem surpreendente de São Paulo se desenha a partir daí. Mas não só. Emerge também um objeto cidade, construído graças aos parâmetros que a pesquisa ajudou a revelar. Primeiro parâmetro, a mobilidade. Sua importância atual sinaliza o fim da cidade fordista metáfora através da qual se designou um mundo urbano-industrial organizado em torno do trabalho assalariado, em torno da relação binária casatrabalho, da ordenação hierárquica dos territórios e dos efeitos de segregação que dali derivavam. Tais clivagens se embaralharam. Circular na cidade (e alhures) é uma resposta aos tempos que correm, em que competências novas e especiais transitar em meios sociais heterogêneos, cavar oportunidades, construir redes de sociabilidade e espaços de iniciativa são estratégias de sobrevivência e participação requeridas dos pobres, como dos ricos. No mundo popular, a mobilidade é uma característica geracional: ela define a experiência de uma juventude que já não hesita em atravessar as fronteiras de seu meio social de origem, premida pelas novas e precárias formas de trabalho (muito diferentes das que conheceram seus pais), e também marcada pelas possibilidades de acesso a novos equipamentos urbanos. O segundo parâmetro para o qual o livro aponta é o da relevância do consumo do ponto de vista do reordenamento da vida urbana. O tema em pauta não é o da sedução inerente às chamadas sociedades de consumo é sim, mais bem, o do impacto econômico dos mercados de consumo popular e o da importância que eles adquirem no contexto da mundialização. A progressiva expansão em São

2 Vera da Silva Telles A cidade nas fronteiras do legal e ilegal O presente trabalho foi realizado com o apoio da CAPES, entidade do Governo Brasileiro voltada para a formação de recursos humanos. ARGVMENTVM Belo Horizonte 2010

3 Todos os direitos reservados à ARGVMENTVM Editora Ltda. Vera da Silva Telles As ideias contidas neste livro são de responsabilidade de seu autor e não expressam necessariamente a posição da editora. CIP-BRASIL CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVRO, RJ. CONSELHO EDITORIAL COLEÇÃO SOCIEDADE & CULTURA Elisa Pereira Reis UFRJ Leopoldo Waizbort USP Renan Springer de Freitas UFMG Ruben George Oliven UFRGS ARGVMENTVM Editora Ltda. Rua dos Caetés, 530 sala 1113 Centro Belo Horizonte. MG. Brasil Telefax: (31)

4 Sumário Apresentação...7 Introdução...9 PRIMEIRA PARTE Experimentações CAPÍTULO 1 A cidade e suas questões...55 Interrogando realidades urbanas em mutação Pontos de infl exão, questões em discussão...72 CAPÍTULO 2 Perspectivas descritivas...81 A cidade em perspectiva: seguindo os fl uxos das mobilidades urbanas Deslocamentos: a produção do espaço Confl itos e disputas no e pelo espaço Temporalidades urbanas O tempo político da cidade Percursos: trabalho e as tramas da cidade Modulações: os fl uxos urbanos entre espaços, territórios e cidade Histórias de um perueiro Histórias de um motoqueiro Reatando pontos e linhas: os elos perdidos da política CAPÍTULO 3 Deslocamentos: percursos e experiência urbana Trabalho e cidade: relações redefi nidas Personagens urbanos e seus percursos O cenário: nas franjas da cidade global A cartografi a dos empregos Os tortuosos caminhos das melhorias urbanas O Xerife Diferenças de tempos, diferenças de geração O patriarca Genésio e sua extensa família

5 Trabalho, moradia e os tempos da cidade Na virada dos tempos Os jovens empreendedores: nos circuitos faiscantes dos serviços globalizados O trabalhador precário: no circuito fechado das agências de trabalho temporário O segurança: nos circuitos da segurança privada, onde todos os fi os se cruzam CAPÍTULO 4 SEGUNDA PARTE Deslocando o ponto da crítica Tramas da cidade: fronteiras incertas do informal, ilegal, ilícito CAPÍTULO 5 Nas dobras do legal e ilegal: ilegalismos e jogos de poder Nas fronteiras incertas do informal, ilegal e ilícito Formas contemporâneas de produção e circulação de riquezas Dinâmicas urbanas redefi nidas A gestão diferencial dos ilegalismos Comércio informal e mercadorias políticas A periferia é o lugar onde há ou o acerto ou a morte, mas não a prisão CAPÍTULO 6 Ilegalismos e a gestão (em disputa) da ordem Primeiro momento, anos 1980: o mundo do trabalho e os justiceiros Segundo momento, anos 1990: a erosão do mundo do trabalho e os matadores Terceiro momento, anos 2000: novos ilegalismos e o trafi cante Nem conclusões nem considerações finais Bibliografia...261

6 Apresentação Uma experimentação, é isto o que se vai encontrar ao longo das páginas deste livro. Não é uma coletânea de textos cuja articulação seria preciso arquitetar pelas vias de alguma unidade teórica exterior ao andamento de cada um, ao modo como cada qual foi produzido, às questões que moveram a sua escritura. Na verdade, o fio que os articula, todos eles, internamente e em diálogo uns com outros, é essa experimentação cujos sentidos se tenta esclarecer na introdução e, assim eu espero, explicita-se na própria escritura que tenta seguir, desdobrar e também deslocar as questões que não estavam previamente dadas, mas foram se formulando conforme seguíamos as pistas que a pesquisa nos entregava. Experimentação como prática de pesquisa, como forma de produção de conhecimento, também como experiência de pensamento. Não diria que isso seja uma tese a ser demonstrada. É uma aposta, uma tomada de posição e um exercício de pesquisa, também de escritura. A pesquisa que esteve na origem deste livro foi lançada em Uma pesquisa qualitativa, de forte conteúdo etnográfico, realizada em duas regiões da periferia paulista. Em seu ponto de partida, uma dupla inquietação. Um mundo urbano muito alterado em relação às décadas passadas e que implodia as categorias e referências pelas quais se discutiam a cidade e seus problemas, a questão urbana. Mas também um mundo urbano que encenava problemas e dramas sociais que pareciam transbordar os modos como os temas da exclusão social, segregação urbana, pobreza e vulnerabilidade social eram postos, eram tipificados e pautavam a pesquisa acadêmica. Era preciso prospectar as linhas que se conjugavam nas tramas da cidade e construir outros parâmetros descritivos para colocar em perspectiva (e sob perspectiva crítica) realidades urbanas em mutação. Essa a questão que conduz a primeira parte desse trabalho. A pesquisa prolongou-se por oito anos, porém não diria que tenha chegado a um ponto fi nal. Abriu-se a um leque de questões que pautam, agora, no momento em que estas linhas estão sendo escritas, um programa de investigação empírica e teórica que apenas se inicia. As inquietações de antes persistem, porém, no seu foco, está a teia de ilegalismos, novos, velhos ou redefi nidos que também tecem as tramas da cidade. No início, achados de pesquisa que preenchiam os nossos diários de campo. E a percepção de que estávamos frente a realidades que não mais poderiam ser discutidas (e descritas) nos termos consagrados nos estudos urbanos, os descompassos entre a cidade legal e ilegal, cifra de uma modernidade incompleta para evocar um tema que já foi alvo de discussões e polêmicas, por vezes ácidas, em décadas passadas. O mesmo se poderia se dizer em relação ao desde sempre expansivo mercado informal, agora inteiramente redefi nido e reconfi gurado, pois conectado aos circuitos transnacionais de uma economia globalizada. No centro dinâmico da vida urbana da muito moderna 7

7 São Paulo dos anos 2000, uma transitividade entre o informal, o ilegal e o ilícito. Nas suas dobras, jogos de poder e relações de força nos quais se tem uma chave de inteligibilidade da violência que atravessa a experiência urbana. E que se desdobra no que o fi lósofo Agamben chama de estados de exceção, práticas e situações instauradas no centro da vida política (e da normalidade democrática), fazendo estender uma zona de indeterminação entre a lei e a não-lei, terrenos de fronteiras incertas e sempre deslocantes que produzem as fi guras do homo sacer, vida matável, em situações entrelaçadas nas circunstâncias de vida e trabalho dos que habitam ou transitam nesses lugares. Porém, essa a questão que se coloca em discussão na segunda parte: esses espaços de exceção não são lugares vazios, é aí que se fazem a experiência da lei, do Estado, da autoridade, da ordem e seu inverso. Campos de disputa, campos de experiência, talvez se possa dizer, no sentido que Thompson dá a esse termo. Acontecimentos, fatos, experiências que se processam no centro dinâmico da São Paulo globalizada, talvez se tenha aí pistas a serem seguidas se quisermos formular questões que se abram aos problemas postos em nossa atualidade. Em sua primeira fase, lançada em 2001, a pesquisa contou com a parceria com Robert Cabanes que esteve presente, todos esses anos, nessa prospecção das tramas da cidade, contando com as condições as mais favoráveis propiciadas por um Convênio CNPq-IRD. A partir de 2007, um programa de cooperação franco-brasileiro (Convênio Capes-Cofecub), coordenado em conjunto com Angelina Peralva, foi especialmente importante para colocar a situação brasileira sob um jogo ampliado de referências, em sintonia com processos semelhantes em curso nos chamados países do Norte (e outros lugares do planeta), o que altera o modo de discutir as questões postas, sobretudo, na segunda parte desse texto. Um jogo de referências que permite circunscrever o plano de atualidade em que as realidades descritas se inscrevem. A pesquisa realizada em conjunto com Robert Cabanes resultou em um livro, Nas tramas da cidade: trajetórias urbanas e seus territórios (Humanitas, 2006). Três de seus capítulos foram retrabalhados e incorporados na primeira parte desse texto. Na segunda parte, o capítulo 4 é uma versão bastante ampliada de artigo publicado em O capítulo 5, em sua primeira parte, recupera artigo publicado em e segue com um texto inteiramente novo. O capítulo 6 foi especialmente produzido para compor esse trabalho. 1 Telles, Vera S. Transitando na linha de sombra, tecendo as tramas da cidade. In: Oliveira, Francisco & Rizek, Cibele S. A era da indeterminação. São Paulo: Boitempo, Telles, Vera S. Ilegalismos urbanos e a Cidade. Novos Estudos, Cebrap, v.84,

8 Introdução São Paulo, como outras tantas grandes cidades do planeta, apresenta um cenário no qual ganham forma e evidência tangível as transformações que, nas últimas décadas, afetaram Estado, economia e sociedade. Em seus espaços e artefatos estão cifrados os modos de circulação e distribuição da riqueza (desiguais, mais do que nunca), as mutações do trabalho e das formas de emprego (e as legiões de sobrantes do mercado de trabalho), a revolução tecnológica e os serviços de ponta (e as fortalezas globalizadas da cidade), os grandes equipamentos de consumo e os circuitos de ampliados do mercado (e a privatização de espaços e serviços urbanos). Acompanhando tudo isso, a economia informal, desde sempre presente na cidade (e no país) expande-se por meio de novas articulações entre a tradicional economia de sobrevivência, os mercados locais, que se espalham pelas regiões, mesmo as mais distantes da cidade, e os circuitos globalizados da economia. Trata-se aqui de novas conexões e de uma escala de redefi nições inteiramente em fase com o mundo globalizado, que redesenham espaços e territórios urbanos nas trilhas de redes de subcontratação que chegam aos pontos extremos das periferias pelas vias de uma meada inextricável de intermediários e intermediações que reativam o trabalho a domicílio e redefi nem o chamado trabalho autônomo, ao mesmo tempo em que os mercados locais são, também eles, redefi nidos na junção das circunstâncias da chamada economia popular com máfi as locais e comércio clandestino de bens lícitos ou ilícitos de procedência variada. Se é verdade que a cidade oferece todos os ingredientes que alimentam os discursos e o imaginário da cidade global, com seus artefatos sempre presentes e sempre iguais em todas as grandes metrópoles do planeta, também é verdade que a vida social é atravessada por um universo crescente de ilegalismos que passa pelos circuitos da expansiva economia (e cidade) informal, o chamado comércio de bens ilícitos e o tráfi co de drogas (e seus fluxos globalizados), com suas sabidas (e mal conhecidas) capilaridades nas redes sociais e nas práticas urbanas. É nesse cenário contrastado que crescem a pobreza, o desemprego e a precariedade urbana. Também a violência, quer dizer, a morte violenta, morte matada, como se diz em linguagem popular. Em termos técnicos, na linguagem jurídica e policial: homicídios. E a tragédia concentra-se nas periferias da cidade. Não é o caso de falar de números e cifras. Por ora, basta dizer que os pesquisadores acostumados a comparações internacionais não hesitam em dizer que, ao longo dos anos 1990, as cifras chegaram a patamares equivalentes aos de regiões ou países em situação de guerra civil ou confl agração letal. Mas, como bem sabemos, todo cuidado é pouco quando de trata de lidar com as proximidades da pobreza e da violência, sobretudo nesses tempos em que nossa velha e persistente, nunca superada, criminalização da pobreza vem sendo 9

9 reatualizada sob formas renovadas, algumas sutis, outras nem tanto, na maior parte dos casos aberta e declarada. Esse é um terreno minado, carregado de pressuposições e lugares-comuns que estabelecem a equação fácil e rápida entre pobreza, desemprego, exclusão, criminalidade e morte violenta, equação que alimenta a obsessão securitária que, também ela, compõe o cenário urbano atual, da mesma forma como alimenta os dispositivos gestionários que mobilizam representantes políticos, operadores sociais, voluntários, agentes comunitários e também a pesquisa acadêmica. O fato é que não é coisa simples entender o que acontece por esse lado da cidade de São Paulo (não só nela), pois também aqui, no lado pobre (e expansivo) dessas recomposições, o mundo social está também muito alterado. Ponto e contraponto de uma mesma realidade, os capitais globalizados transbordam as fortalezas globais concentradas no moderníssimo e riquíssimo quadrante sudoeste da cidade, fazem expandir os circuitos do consumo de bens materiais e simbólicos que atingem os mercados de consumo popular. Mesmo nas regiões mais distantes da cidade, os circuitos do mercado e os grandes equipamentos de consumo compõem a paisagem urbana. São fluxos socioeconômicos poderosos que redesenham os espaços urbanos, redefi nem as dinâmicas locais, redistribuem bloqueios e possibilidades, criam novas clivagens e afetam a economia doméstica, provocando mudanças importantes nas dinâmicas familiares, nas formas de sociabilidade e redes sociais, nas práticas urbanas e seus circuitos. Por outro lado, ao mesmo tempo e no mesmo passo em que ganhou forma a versão brasileira das metamorfoses da questão social, os programas sociais se multiplicaram pelas periferias afora e em torno deles proliferam associações ditas comunitárias que tratam de se converter à lógica gestionária do chamado empreendedorismo social, se credenciar como parceiras dos poderes públicos locais e disputar recursos em fundações privadas (e a chamada fi lantropia empresarial) e agências multilaterais, isso em interação com miríades de práticas associativas e ao lado dos movimentos de moradia e suas articulações políticas, partidos e seus agenciamentos locais, igrejas evangélicas (também proliferantes) e suas comunidades de fiéis e, claro, a quase onipresença de ONGs vinculadas a circuitos e redes de natureza diversa e extensão variada. É aí que se vê delinear um mundo social perpassado por toda sorte de ambivalências, entre formas velhas e novas de clientelismo e reinvenções políticas, convergências e disputas, práticas solidárias e acertos (ou desacertos) com máfi as locais e o tráfico de drogas. É um feixe de mediações em escalas variadas que desenham um mundo social a anosluz das imagens de desolação das periferias de trinta anos. Seria mesmo possível fazer um longo inventário de microcenas desses territórios atravessados por lógicas e circuitos que transbordam, por tudo e por todos os lados, as fronteiras do que é tomado com muita frequência por universo da pobreza. Tudo ao contrário do que é muitas vezes sugerido pelos estudos sobre a pobreza urbana. E, sobretudo, inteiramente ao revés das fi gurações construídas pelas políticas ditas de inserção social de uma pobreza encapsulada em suas comunidades de referência e nas carências da vida. 10

10 Se as evidências são tangíveis, nem por isso é coisa simples decifrar a dinâmica dessas transformações. É bem verdade que o ponto de clivagem das novas realidades urbanas em relação às décadas passadas já foi vasculhado por uma extensa agenda de estudos urbanos. Em sintonia com debates então em curso em várias regiões e países do planeta, a pauta dos debates contemplou as relações entre cidade e os fluxos globalizados do capital, produção do espaço e fi nanceirização da economia, reconfi gurações espaciais e segregação urbana, economia urbana e a nova geografi a da pobreza, reestruturação econômica e vulnerabilidade social. As pesquisas multiplicaram-se sob diversas abordagens teóricas, diferentes procedimentos e escalas de observação, várias medidas da cidade e seus problemas. No entanto, ainda pouco se sabe sobre o modo os processos em curso redefi nem a dinâmica societária, a ordem das relações sociais e suas hierarquias, as mediações sociais e o jogo dos atores, as práticas urbanas e os usos da cidade. Vistas por esse lado, as realidades urbanas apresentam e ainda apresentam desafi os consideráveis. As referências gerais sobre emprego e desemprego, sobre transformações socialdemográfi cas e formas de segregação urbana esclarecem pouco sobre confi gurações societárias que fi zeram embaralhar as clivagens sociais e espaciais próprias da cidade fordista com suas polaridades bem demarcadas entre centro e periferia, entre trabalho e moradia, entre mercado formal e mercado informal. Seria quase trivial dizer que está tudo muito alterado em relação às décadas anteriores. O que antes foi dito e escrito sobre a cidade e seus problemas, a questão urbana, parece ter sido esvaziado de sua capacidade descritiva e potência crítica em um mundo que fez revirar de alto a baixo a solo social das questões então em debate. Foi sob esse prisma que, no capítulo I, A cidade e suas questões, foi revisitado o debate que corria nos anos Não como documento de uma época que já se foi e que pode, quando muito, interessar ao inventário bibliográfico ou revisão histórica exigidos pelos protocolos acadêmicos. Ao contrário, o feixe de referências e coordenadas que pautavam esse debate pode ajudar a refletir sobre a diferença dos tempos. As relações entre cidade, trabalho e Estado (e a questão nacional) defi niam as coordenadas de um debate que fazia do urbano um ponto de condensação de um conjunto de questões que falavam do país, de sua história e suas destinações possíveis. A cidade a cidade como questão aparecia como cifra pela qual o país era tematizado e em torno dela organizava-se um jogo de referências que dava sentido às polêmicas, debates e embates sobre a história, percursos e destinações possíveis da sociedade brasileira. Trabalho e reprodução social, classes e conflito social, contradições urbanas e Estado eram noções (e pares conceituais) que se articulavam e se compunham em proposições formuladas nas pesquisas e ensaios que tratavam da moradia popular e reprodução do capital, entre desigualdades urbanas e relações de classe, entre migração e pobreza urbana, entre reprodução social e Estado. Modos de descrever e fi gurar a ordem das coisas, que era também um modo de identifi car e nomear seus campos de força e horizontes de possíveis. 11

11 Na virada dos tempos (década de 1990), o espaço conceitual (e crítico) em que essas referências circulavam foi desativado, talvez tragado pele vórtice de transformações que fi zeram cortar os nexos que articulavam esses pares conceituais, que trouxeram questões que escapavam por todos os lados desses feixes de referência e que fi zeram erodir ou encolher os horizontes de possíveis que alimentavam as apostas políticas que pulsavam em todo esse debate. Isso que se convencionou chamar de desregulação neoliberal em tempos de globalização, fi nanceirização da economia e revolução tecnológica fez por desestabilizar as referências e parâmetros pelos quais pensar a cidade (e o país) e suas questões, ao mesmo tempo em que as realidades urbanas modifi cavam-se em ritmo muito acelerado. Se as conexões que antes articulavam trabalho, cidade e política foram desfeitas é como se, depois, cada um desses termos passasse a polarizar outros feixes de questões e compor outras relações que escapam do espaço conceitual no qual o debate dos anos 1980 se processava. É desse ponto de clivagem que partimos. Se antes a questão urbana era defi nida sob a perspectiva (e promessa) do progresso, da mudança social e do desenvolvimento (anos 60/70) e, depois, da construção democrática e da universalização dos direitos (anos 80), agora os horizontes estão mais encolhidos, o debate é em grande parte conjugado no presente imediato das urgências do momento, o problemas urbanos tendem a deslizar e a se confundir com os problemas da gestão urbana e a pesquisa social parece em grande parte pautada pelos imperativos de um pragmatismo gestionário das políticas sociais voltadas às versões brasileiras dos quartiers difficiles. É essa diferença dos tempos que lança a interrogação quanto ao plano de referência a partir do qual descrever e colocar em perspectiva (e sob perspectiva crítica) a nossa complicação atual. Este o duplo desafi o: a construção de parâmetros críticos implica ao mesmo tempo a construção de parâmetros descritivos para colocar em perspectiva realidades urbanas em mutação. Esta a questão que se tentou enfrentar ao longo deste livro. Entre as tipifi cações (fi cções?) das chamadas populações em situação de risco e as análises gerais, o outro lado dos debates atuais, sobre economia urbana e a cidade global, há todo um entramado social que resta a conhecer, que não cabe em modelos polares de análise pautados pelas noções de dualização social, que escapa às categorias utilizadas para a caracterização da pobreza urbana e que transborda por todos os lados do perímetro estreito dos pontos críticos de vulnerabilidade social identifi cados por indicadores sociais. As tramas da cidade: este, o foco da pesquisa que esteve na origem deste livro. A pesquisa benefi ciou-se de um programa de cooperação franco-brasileira (IRD-CNPq) e é grandemente devedora da parceria de Robert Cabanes (IRD), que se lançou no trabalho de campo junto com uma equipe de jovens pesquisadores, todos eles alunos de graduação e pós-graduandos do Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo. Essa pesquisa resultou em uma publicação coletiva (Telles & Cabanes, 2006). Alguns de seus capítulos foram retrabalhados e incorporados na primeira parte deste livro (capítulos 1, 2 e 3). 12

12 Quanto ao mais, tudo o que aqui será apresentado alimenta-se desse empreendimento de pesquisa, não apenas do que foi exposto nessa publicação conjunta, mas também ou sobretudo dos desdobramentos dessa pesquisa levados a efeito por esse coletivo de jovens pesquisadores cujas questões e achados de pesquisa foram, tanto quanto as minhas próprias, sempre e isso desde o início, discutidas conjuntamente. Lançada em 2001, essa foi uma pesquisa movida por essa interrogação ao mesmo tempo empírica e teórica lançada pelos desafi os postos pela virada dos tempos um trabalho de investigação que, no seu próprio andamento, fosse capaz de fornecer os elementos para se construir o plano de referência a partir do qual colocar em perspectiva essas realidades urbanas redefi nidas no curso dos últimos anos. Optamos por um percurso exploratório. À distância de explicações gerais sobre a cidade e sua crise e também de categorias prévias ou tipifi cações dos pobres urbanos e excluídos do mercado de trabalho, tentamos ler essas mudanças a partir das trajetórias urbanas de indivíduos e suas famílias. É sob esse prisma que tentamos conhecer algo das tramas sociais que confi guram espaços urbanos. A pesquisa está longe de oferecer um panorama geral da cidade e suas transformações recentes, e nem foi esse o objetivo. Mas nem por isso essas trajetórias podem ser tomadas como ilustração ou demonstração de algo já sabido e dito como exclusão social ou segregação urbana. No curso de suas vidas, indivíduos e suas famílias atravessam espaços sociais diversos, transitam entre códigos diferentes, seus percursos passam através de diversas fronteiras e são esses traçados que podem nos informar sobre a tessitura do mundo urbano, seus bloqueios e seus pontos de tensão, mas também os campos de gravitação da experiência urbana nesse cenário tão modifi cado. Entre os deslocamentos espaciais e expedientes mobilizados para o acesso à moradia, os percursos do trabalho e suas infl exões recentes, os agenciamentos da vida cotidiana e os circuitos que articulam moradia e a cidade, seus espaços e serviços, essas trajetórias são pontuadas por situações que podem ser vistas como pontos de condensação de práticas, mediações e mediadores nos quais estão cifrados os processos em curso. É um outro modo de interrogar essas realidades, que não parte de defi nições prévias e muitas vezes modelares de exclusão social, de segregação urbana ou de pobreza e que, no mais das vezes, deixam escapar a rede de relações e práticas que conformam um espaço social. Ao seguir os traçados dos percursos urbanos de indivíduos e suas famílias, é a própria cidade que vai se perfi lando. Não como contexto dado, geral e homogêneo, em função do qual situar casos e explicá-los em suas determinações. São múltiplos os perfi s da cidade que vão se delineando nos contextos variados nos quais se inscrevem os atores e o jogo tenso (e por vezes confl itivo) de suas relações. Situadas em seus contextos de referência e nos territórios traçados pelos percursos individuais e coletivos, essas trajetórias operam como prismas pelos quais o mundo urbano vai ganhando forma em suas diferentes modulações. São elas, essas trajetórias, que nos orientaram 13

13 nessa prospecção de realidades em mutação, abrindo-se a novas questões e novas interrogações que se colocam no andamento dessa construção exploratória do objeto de que fala Bernard Lepetit (1996). A perspectiva descritiva que as trajetórias urbanas propiciam é questão tratada no capítulo dois, que leva justamente este título, Perspectivas descritivas. Uma descrição da cidade, seguindo as trilhas das trajetórias urbanas. Um modo de descrever o urbano colocando em foco a trama das mediações e conexões que articulam e ao mesmo tempo transbordam campos de práticas nas suas formas estabelecidas (trabalho, moradia, consumo e serviços, etc.), estabelecendo zonas de contiguidade e criando passagens onde não se esperava que acontecessem. Não contextos ou circunstâncias de localização, mas algo que é constitutivo de situações que traçam o seu próprio território feito de práticas, circuitos de deslocamentos, zonas de contiguidade e conexões com outros pontos de referência que conformam o social nas suas fronteiras ou limiares, bloqueios e possibilidades. No seu conjunto, na contraposição entre histórias e percursos diversos, são as modulações da cidade (e história urbana) que vão se perfi lando nas diferentes confi gurações de espaço-tempo traçadas por essas histórias. Como pode ser visto no capítulo três, Deslocamentos: percursos e experiência urbana, os diferentes perfi s da cidade podem se projetar a partir de um mesmo local ou de uma mesma família. E é isso que nos pode oferecer uma chave para apreender as dinâmicas urbanas que defi nem as condições de acesso à cidade e seus espaços, a trama dos atores, as modalidades de apropriação dos espaços e seus recursos. É justamente nessas tramas da cidade que se aloja a complicação atual e que será preciso, por isso mesmo, auscultar. É nessas tramas que os lances da vida são jogados, é aí que se processam as exclusões, as fraturas, os bloqueios. Também as capturas na hoje extensa e multifacetada malha de ilegalismos que perpassam a cidade inteira e que operam, também elas, nas dobras do legal-ilegal, como outras tantas formas de junção e conjugação da trama social. Aí também os elos perdidos da política, tragados que foram pelo princípio gestionário que trata das pontas, da dita governança econômica e, de outro lado, da gestão do social e administração de suas urgências. No meio, isto é, em tudo o que importa, não existe o vazio que expressões como a de exclusão social podem sugerir, porém os fi os que tecem a tapeçaria do mundo social, as tramas da cidade e nas quais estão em jogo os sentidos da vida e das formas de vida. Menos uma tese, mais uma experimentação. É assim que eu defi niria o que o leitor vai encontrar ao longo destas páginas. Mais interessante do que apresentar as conclusões (se é que existem), o que importa são os percursos pelos quais se tentou armar um campo de investigação, as questões que surgiram e as perguntas que, no andamento desse trabalho, redirecionaram a pesquisa, tanto quanto os parâmetros teóricos para lidar com as questões que se impuseram nesse percurso de prospecção dos mundos urbanos. Mas, então, talvez seja o caso de explicitar o que aqui se entende por experimentação e prospecção dos mundos urbanos. Que se diga, desde logo: não 14

14 se trata de um trabalho prévio, as preliminares, fase preparatória do que quer que seja e que venha se apresentar, depois, como principal ou conclusivo. É um modo de produção de conhecimento. E uma escolha que deriva, em grande medida, do viés pelo qual se tentou apreender as linhas de força que atravessam e conformam os mundos urbanos: seguir as mobilidades urbanas, perseguir os traços das trajetórias de homens e mulheres nos espaços da cidade. Mobilidades urbanas: como bem nota Jacques Brun (1993), as relações entre cidade e mobilidade de mercadorias, de capitais, de informações, de ideias, de comportamentos e sobretudo de pessoas é um tema clássico nos estudos sobre o urbano. Desde os fundadores da Escola de Chicago, seguindo linhagens teóricas diversas e sob abordagens também diferenciadas, as mobilidades urbanas e os deslocamentos espaciais, ocupacionais e habitacionais foram tomados e assim pesquisados como cifra para o entendimento das transformações urbanas, de suas linhas de ruptura e de fratura, mas também de recomposições e convergências, processos multifacetados por onde diferenciações sociais vão se desenhando, ganhando forma e materialidade nos espaços das cidades pesquisadas (cf. Grafmayer, 1995; Grafmayer e Joseph, 1979). No correr dos anos 1990, a questão ganhou um renovado interesse no contexto de transformações urbanas que se seguiam em ritmo acelerado, alterando tempos e espaços da experiência social, redefi nindo escalas de distância e proximidade, alterando práticas sociais e seus circuitos, modalidades de acesso à cidade e seus espaços. O estudo das mobilidades urbana foi relançado como perspectiva que prometia superar muitas das limitações da noções, categorias e parâmetros estabelecidos para medir e caracterizar a segregação urbana, já que transbordados por uma complexidade inédita das realidades que estavam a exigir abordagens aptas a captar movimentos e deslocamentos, práticas e jogos redefi nidos de atores que desfaziam os parâmetros conhecidos da cidade fordista com seus espaços, tempos e ritmos defi nidos nas binaridades bem estabelecidas entre trabalho e moradia, centro e periferia, produção e reprodução (cf. Brun, 1993; Levy e Dureau, 2002, Bonnet & Desjeux, 2000). Mais recentemente, os processos de globalização colocaram a questão da mobilidade no centro de um empreendimento ao mesmo tempo teórico e empírico para dar conta das transformações que reviraram de alto a baixo as cidades (e sociedades). Não por acaso, a noção (ou metáfora, em alguns casos) de fluxos vem sendo mobilizada para caracterizar essa intensa e ampla mobilidade de capitais, mercadorias e trabalho, informações e imagens, tecnologias e técnicas (Lasch & Urry, 1994; Hannerz, 1996; Appadurai, 1996; Castells, 1999), que atravessa todas as regiões do planeta, ignorando fronteiras nacionais, criando relações de transversalidades entre povos e culturas, mercados e economias, formas de vida e práticas sociais. Alain Tarrius (2000) propõe o paradigma da mobilidade como perspectiva descritiva e analítica para apreender a trama de relações sociais urdidas nos pontos de entrecruzamento de mudanças que afetam espaços econômicos, normas sociais e racionalidades políticas. John Urry 15

15 (2000) faz um verdadeiro manifesto pela sociologia dos fluidos em contraposição a análises baseadas em unidades estáticas e lugares fi xos próprios da sociologia clássica. Outros vão chamar a atenção para o fato de que os deslocamentos de bens, mercadorias, informações e de pessoas são fortemente mediados por redes sociotécnicas e novas tecnologias (Latour,1994; Appadurai,1986). Appadurai sugere que a combinação de novas formas de mobilidade e novas tecnologias de comunicação afeta a imaginação social e aciona as diversas fi guras do que o autor chama de mundos imaginados (no lugar das comunidades imaginadas de Benedict Anderson). Hannerz (1996), por sua vez, vai enfatizar a cerrada trama de interconectividade entre espaços e territórios, que perpassa as formas cotidianas de vida e os diferentes espaços de interação, o que afeta os próprios sentidos de local e localidades, bem como os dispositivos de pesquisa capazes de identifi car esse jogo variado de escalas e mediações que perpassam os mundos sociais, questão também discutida por Appadurai (e outros). São registros diferentes pelos quais a mobilidade é colocada no centro da indagação sobre a cidade e suas mutações, cada qual se abrindo ao feixe de questões postas pelo tempo em que foram formuladas e as temporalidades próprias das cidades em seus contextos de referência. Certamente, a discussão hoje está muito distante das ênfases dos pesquisadores que, no início do século XX, debruçavam-se sobre uma dinâmica urbana então em constituição, fervilhando na Chicago do começo do século, formulando suas questões sob o ponto de vista da especifi cidade do urbano, da urbanidade e do cosmopolitismo, opostos globalmente e estruturalmente ao rural e às características (certamente idealizadas) próprias do vilarejo. No debate contemporâneo essas questões perderam pertinência. Não por acaso vem-se chamando a atenção para a implosão das binaridades clássicas das ciências do social e do urbano, tais como centro-periferia, tradição e modernidade, atraso e progresso, ao mesmo tempo em que a escala e a dinâmica dos atuais deslocamentos humanos não podem mais ser vistos nos termos clássicos dos estudos de migração e modernização (cf. Appadurai, 1996; Tarrius, 2000): migrantes, refugiados, populações deslocadas, trabalhadores em movimento por entre regiões e localidades movimentos que afetam a tessitura das tradicionais comunidades de referência, tanto do ponto de vista dessas populações-em-movimento quanto no registro do modo como são redefi - nidas para as populações sedentárias. Deslocamentos e formas de mobilidade, cada qual impulsionado por feixes singulares de circunstâncias e causalidades (porém, com ressonâncias entre uns e outros): travessia de fronteiras, ocupação de regiões limítrofes, deslocamentos de trabalho e trabalhadores seguindo os fluxos dos capitais e das redes de extensão variada por onde opera o chamado capitalismo fl exível, ao mesmo tempo em que o traçado desses deslocamentos tem impactos consideráveis sobre a reconfi guração dos espaços urbanos e a morfologia das cidades. O inventário dessa discussão, bem como das polêmicas nela inscritas, poderia ir longe. Por ora, importa tão-somente chamar a atenção para algumas questões 16

16 importantes para bem situar o andamento deste livro e os sentidos da pesquisa exploratória aqui proposta. De partida, é importante dizer: a questão da mobilidade não diz respeito a um tema ou um objeto que viria se justapor como complemento ou acréscimo a outros previamente defi nidos no campo empírico das ciências sociais. Tampouco poderia ser defi nida como um contexto geral (a globalização) a partir do qual situar as realidades estudadas. É um plano de referência que redefi ne o quadro descritivo (e analítico) das situações investigadas, colocando em mira a teia de conexões e mediações que as atravessavam. Em outros termos, é um plano de referência que (re)defi ne o modo de construção de nossos objetos e nossas questões de pesquisa. A questão da mobilidade inscreve-se em um espaço conceitual que mobiliza as noções conexas de circulação e de acessibilidade acesso (e seus bloqueios) a espaços, serviços, artefatos, bens e produtos que a cidade oferece e faz circular de formas desiguais e assimétricas nos espaços urbanos. É um modo de pensar a cidade (e seus problemas) a partir de referências outras em relação ao que fi cou consagrado por uma certa linhagem de estudos urbanos e pela qual a cidade é vista sob o ângulo exclusivo da habitação e seu entorno imediato, dito comunitário ou dos problemas locais a serem geridos de forma efi caz por programas localizados. A cidade é feita de cruzamentos e passagens, é atravessada por experiências que se fazem justamente nos limiares de universos distintos, de seus pontos de conexão e das redes sociotécnicas que os atravessam e articulam em um mesmo plano de atualidade. É isso que introduz a questão da circulação, da mobilidade e da acessibilidade como prisma para a problematização da cidade e suas questões. Como diz Isaac Joseph (1998: 92), pensar a cidade como domínio da circulação e do acessível (e seus bloqueios) é, de partida, dizer que ela é tudo, menos o lugar de formação de uma comunidade. Apreender os bairros, em particular os chamados bairros desfavorecidos, diz Joseph, a partir da cidade é pensá-los no plural, situados em um plano de consistência que lhes autoriza a permanecer urbanos, já que atravessados por uma teia de redes e circuitos em escalas diversas, pontos de conexão entre territórios diversos, transversalidades de experiências feitas em seus limiares e nos quais pulsa a vida urbana e seus problemas. A questão proposta por Joseph é especialmente interessante, sobretudo pelo contexto polêmico em que foi formulada: um modo de pensar a cidade e suas questões que signifi ca forçosamente um ponto crítico em relação a um vetor da fi losofi a do habitar ancorada na experiência da proximidade e do mundo à mão e que está hoje no coração de práticas gestionárias que buscam corrigir um défi cit de urbanidade sob o primado de lógicas normativas e concepções securitárias, também redutoras, enfatiza Joseph, do local posto como lugar por excelência de formação de identidades e inserção social (cf. Joseph, 1998: 92-93). Em outros termos: a questão da mobilidade defi ne um plano de referência que permite situar criticamente os dispositivos gestionários muitas vezes apresentados 17

17 como exemplos virtuosos de cidadania local. No entanto, mais interessante e mais fecundo do que entrar em polêmicas (no mais das vezes inócuas), está justamente no parâmetro descritivo ou um dispositivo cognitivo que permita deslocar a perspectiva pela qual compor e ordenar os fatos, mostrar conexões e feixes de relações que não se deixariam ver sob o prisma da comunidade. Outros modos de descrever as coisas, permitindo a partir daí colocar uma ordem de questões que não podem ser resolvidas nos termos habituais, abrindo por isso mesmo a fenda a partir da qual exercitar a imaginação crítica. É justamente nesse sentido que aqui se diz que a construção de parâmetros descritivos é também a construção de parâmetros críticos. Não estou segura de termos sido bem sucedidos nessa empreitada. Mas é uma aposta. Um plano de referência e um espaço conceitual, a questão da mobilidade supõe (e exige) uma estratégia descritiva voltada aos pontos de conexão e intersecção dos circuitos entrelaçados ou superpostos que fazem a trama urbana. Isso signifi ca dizer que o entendimento das dinâmicas locais supõe (e exige) seguir e seguir no sentido literal, empiricamente as linhas entrelaçadas que compõem o social, porém transbordam amplamente o perímetro local, justamente porque fazem o traçado de redes superpostas, de escalas variadas, que atravessam e defi nem (ou redefi nem) cada situação, colocando-as ao mesmo tempo em ressonância com outras situações de tempo e espaço. Concretamente, a questão das mobilidades impõe uma certa modalidade de pesquisa: algo como a traçabilidade das práticas, suas mediações e conexões, a partir de postos de observação ancorados em situações defi nidas. Tomemos um exemplo: nos pontos extremos da periferia leste da cidade de São Paulo, o tradicional e hoje renovado trabalho a domicílio. Sob uma certa perspectiva, exemplo paradigmático da atividade de sobrevivência própria ao mundo da pobreza com todas as limitações e vulnerabilidades que lhe são defi nidoras nos pontos de junção entre precariedade (ou exclusão) social e segregação urbana. No entanto, basta seguir o traçado dos produtos e pessoas que uma outra topografi a urbana e social seja desenhada. A partir daí é possível desenrolar os fios dos circuitos variados do chamado mercado informal e, em suas conexões, os jogos de poder e relações de força de que dependem essa circulação ampliada de produtos pelas vias de redes de subcontratação que chegam aos pontos extremos das periferias urbanas. Primeiro, claro está, há os intermediários que fazem a conexão com os polos globalizados da economia e também com os negócios obscuros em que se misturam máfi as locais, os empresários do contrabando e outros ilícitos, tudo isso ativando o hoje expansivo e rendoso comércio de produtos falsifi cados ou simplesmente desviados. No entanto, há também associações comunitárias ditas fi lantrópicas que se transformam em agenciadoras de redes locais de subcontratação em uma peculiar mistura de apelo solidário, clientelismo e jogos de poder nas disputas locais, tudo isso redefi nido na medida em que é mobilizado por redes de subcontratação que são acionadas, sabe-se lá porque e por quem e de modo muito obscuro, pois nunca se sabe ao certo de onde vem a 18

18 encomenda, muito menos quem paga pelo trabalho feito e para onde vai o produto realizado. Atravessando tudo isso, nos mesmos espaços e nos mesmos territórios, os fluxos da migração clandestina trazem para os fundos da periferia leste da cidade os bolivianos, agora personagens conhecidos da paisagem urbana, que vivem e trabalham em condições mais do que penosas, já que em boa medida são cativos dos coreanos que muito frequentemente agenciam a migração e estão muitíssimo bem instalados no centro da cidade: é daqui que saem as encomendas que vão circular pelas redes informais de subcontratação, mobilizando bolivianos e, mais, boa parte do trabalho a domicilio nessas regiões distantes da cidade, ativando os circuitos da produção têxtil que, no caso da zona leste da cidade, se alimenta da história urbana da região e reatualiza a importância do centro velho (Brás, Bom Retiro), onde estão instaladas as confecções, onde se entrelaçam todos esses fi os, abertos e subterrâneos ou clandestinos, e são igualmente urdidas as vinculações com um mercado inteiramente integrado ao capital globalizado. Essas questões foram trabalhadas por Carlos Freire (2008). No início, apenas uma pesquisa sobre trajetórias ocupacionais de moradores instalados no extremo leste da cidade e seus deslocamentos urbanos ao longo de seus percursos de trabalho. Teria sido mais um e apenas um estudo sobre trabalho precário e pobreza, se não houvesse essa prospecção que buscou seguir o traçado das pessoas e dos produtos, bem como os agenciamentos territorialmente situados que permitem essa articulação entre o trabalho informal e os circuitos ampliados de economias transnacionais. É essa teia de mediações e esse jogo de escalas entrecruzadas que podemos desdobrar a partir de qualquer um dos pontos de venda do hoje proliferante comércio ambulante, seguindo a traçabilidade dos produtos que circulam nos centros de comércio popular e que fazem circular produtos de origens variadas, quase sempre duvidosas, pondo em ação agenciamentos locais e territorializados (verdadeiros dispositivos comerciais) que fazem a articulação entre o informal e os circuitos ilegais das economias transnacionais (contrabando, pirataria, falsifi - cações): pontos de ancoramento de um capitalismo que, como diz Alain Tarrius (2007), mobiliza os pobres como clientes, como consumidores e operadores ou passadores que garantem a circulação e distribuição de mercadorias que, sem esses circuitos nas fronteiras porosas do legal e ilegal, quando não ilícito, não chegariam aos recantos mais pobres das várias regiões do planeta. Disso temos as evidências na expansão mais do que considerável dos mercados de consumo popular, que apresentam uma densidade notável no centro da cidade, mas que se expandem igualmente nos bairros periféricos em mercados locais que se apoiam em uma trama variada tecida nas fronteiras incertas do informal, do ilegal e do ilícito. Aqui, todas as situações podem ser encontradas lado a lado, num total embaralhamento do legal e do ilegal, do lícito e do ilícito, do formal e do informal: aí os produtos circulam por meio de acordos nem sempre fáceis de serem mantidos entre organizações mafi osas, gente ligada ao tráfi co de drogas, comerciantes pobres, intermediários dos coreanos (e de outros tantos), além 19

19 dos técnicos das subprefeituras que tentam fazer valer as regulações ofi ciais, tudo isso misturado com pressões, corrupção, acertos obscuros e histórias de morte. Mas é lá mesmo que circulam produtos de procedência conhecida, desconhecida, duvidosa ou simplesmente ilícita, e também o excedente, se é que é possível falar nesses termos, das famílias engajadas no trabalho a domicílio e que se viram como podem para bem aproveitar o tempo que lhes sobra entre os ritmos descontínuos e incertos da produção sob encomenda. Voltaremos a isso no capítulo 5. Mudando de registro, agora o lado formal-legal das reconfi gurações sóciourbanas recentes, o mesmo exercício pode ser feito a partir das práticas de consumo de famílias pauperizadas. Essa foi a pesquisa realizada por Claudia Sciré (2009) em uma favela situada na periferia sul da cidade. Seria mais um e apenas um estudo sobre a pobreza e estratégias de sobrevivência, não fosse um dispositivo de pesquisa que buscou rastrear as práticas e seus circuitos, as mediações e as conexões pelas quais a economia domestica se redefi ne em função das condições de acesso aos grandes equipamentos de consumo que hoje recortam de ponta a ponta os espaços urbanos, também as periferias da cidade. Não se trata simplesmente da proximidade física dos hipermercados, shopping centers e lojas de departamento que hoje disputam os chamados mercados populares, as ditas classes C e D. A hoje celebrada explosão do consumo popular não teria sido possível sem a generalização dos cartões de crédito em suas várias modalidades e foi justamente esse o foco da pesquisa realizada. Mais do que um assunto interessante, na verdade o rastreamento desse artefato e seus usos permitiu à pesquisadora deslindar o modo como a lógica da dívida e as práticas de endividamento sucessivo (transferido para a fatura do mês seguinte) alteram os modos de organização da vida familiar, bem como afetam os circuitos da sociabilidade e da solidariedade intrapares, com os cartões circulando na teia de préstimos e contra-préstimos: uns emprestam nome e cartões para outros com o nome sujo na praça ou para ajudar a aquisição de bens para além dos patamares de renda defi nidos pelo salário e, ao fi nal, uns e outros se veem enredados no esforço por inventar expedientes para negociar a dívida, transferir para o mês seguinte, usando um cartão para cobrir a dívida de um outro, um cartão próprio ou cartão emprestado, uma dívida que se paga com outra dívida. Algo como uma fi nanceirização do tradicional (tornado arcaico) fi ado, também dos jogos da reciprocidade popular. Ao fazer a traçabilidade desse artefato urbano que são os cartões de crédito, vamos encontrar os fi os que articulam esses jogos sociais redefi nidos, os equipamentos de consumo, as fi nanceiras, os dispositivos de crédito, também os procedimentos de gestão da dívida, dito negociação da dívida, mas que não fazem mais do que tornar os indivíduos, dito os clientes, cativos do fluxo fi nanceiro que não pode ser interrompido. Gestão da dívida que, pelo lado das famílias, desdobra-se em expedientes mobilizados, também nas fronteiras incertas entre o legal e ilegal, lícito e ilícito, pelos quais a dívida vai se transferindo de um ponto a outro, até entrar, por vezes, em ponto de com- 20

20 bustão. Aqui, a partir de uma situação que poderia ser tomada como exemplar das condições de pobreza e vulnerabilidade social, perfi la-se toda uma outra dimensão da cidade, os registros tangíveis da modernização urbana que, nos últimos anos, se fez acompanhar pela proliferação dos grandes equipamentos de consumo (em suas relações com o capital fi nanceiro) que redefi nem a lógica de produção de espaços urbanos (o que já foi amplamente debatido pela literatura especializada), mas que também afetam dinâmicas sociais e seus pontos de fricção, reconfi gurações societárias que fi cariam ilegíveis sob o parâmetro comunitário que impera em larga medida nos estudos sobre pobreza urbana. Essas questões serão retomadas no capítulo 3, Deslocamentos: percursos e experiência urbana. Poderíamos multiplicar os exemplos. Outros serão discutidos ao longo destas páginas. A rigor, não se trata de exemplos ou de casos interessantes. São situações nas quais feixes variados de relações e conexões estão consteladas. Em cada qual, jogos situados de escala. Cada situação é atravessada por processos transversais nas trilhas muito concretas das diversas formas de conexão e interconectividade, seja pelas mediações sociotécnicas e seus artefatos (os cartões de crédito, por exemplo, para ficar apenas no caso aqui comentado), seja pelas redes socioeconômicas, aí incluindo os circuitos obscuros dos mercados informais, o tráfi co de drogas e o comércio de bens ilícitos. Colocadas lado a lado, elas se comunicam pela transversalidade das questões postas em cada uma, fazendo perfi lar realidades urbanas contrastadas apreendidas a partir de suas diversas angulações, jogo de perspectivas lançadas sob diversos prismas. Se é verdade que o cenário urbano vem sendo alterado em ritmos muito acelerados, os vetores dessas mudanças operam em situações de tempo e espaço. Processos situados, portanto. E agenciados por um jogo multiforme de atores, de redes sociais e mediações de escalas também variadas. Por isso mesmo, só podem ser bem compreendidos nessas constelações situadas. Este o pressuposto que orienta nosso trabalho: não se trata de partir de objetos ou entidades sociais tal como se convencionou defi nir de acordo com os protocolos científi cos das ciências sociais (o trabalho, a família, a moradia), mas, sim, de situações e confi gurações sociais a serem tomadas como cenas descritivas, que permitam seguir o traçado dessa constelação de processos e práticas, suas mediações e conexões. E, no contraponto entre cenas descritivas diferentes, a transversalidade das questões que se colocam. A partir de cada situação, tal como postos de observação, é possível apreender os perfi s contrastados da cidade, fazendo a traçabilidade das práticas, seus circuitos e mediações. É um experimento de pesquisa que pode nos abrir uma senda para identifi car, seguir os traços e traçados dos ordenamentos sociais que vêm sendo tramados nos tempos que correm. É nesse sentido que se assume como hipótese teórico-metodólógica a exigência de uma etnografi a experimental, tomando como referência cenas descritivas a partir das quais seguir as pistas de ordenamentos sociais emergentes. 21

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville CAPÍTULO I Globalização e solidariedade Jean Louis Laville Cadernos Flem V - Economia Solidária 14 Devemos lembrar, para entender a economia solidária, que no final do século XIX, houve uma polêmica sobre

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

Qualificação. Horizontes. BSB, 22 de novembro. de 2005

Qualificação. Horizontes. BSB, 22 de novembro. de 2005 Qualificação Horizontes BSB, 22 de novembro de 2005 Campo Qualificação Conceito: espaço social específico com autonomia relativa onde os sujeitos sociais atuam refletindo sua ação mais geral na sociedade

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Trabalho Infantil Migrações Exploração de Crianças

Trabalho Infantil Migrações Exploração de Crianças Trabalho Infantil Migrações Exploração de Crianças Seminário 6 de Junho de 2016 Auditório da Fraterna Centro de Comunicação e Solidariedade Social Guimarães CONCLUSÕES I Painel II Painel III Painel Infância

Leia mais

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO INTEGRAL Retirado e adaptado de: LEITE, L. H. A., MIRANDA, S. A. e CARVALHO, L. D. Educação Integral e Integrada: Módulo

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE

REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE CHAMADA PÚBLICA 1ª EDIÇÃO DA REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE JUVENTUDE SECRETARIA NACIONAL DE JUVENTUDE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE 1. Apresentação da Chamada: A Revista Juventude

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Estou muito honrado com o convite para participar deste encontro, que conta

Leia mais

Educação Permanente e gestão do trabalho

Educação Permanente e gestão do trabalho São Bernardo,março de 2013 Educação Permanente e gestão do trabalho Laura Camargo Macruz Feuerwerker Profa. Associada Faculdade de Saúde Pública da USP Trabalho em saúde O trabalho em saúde não é completamente

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso no jantar oferecido pelo

Leia mais

Negócios sociais. Empreendedorismo Fomento mercantil & Microfinanças. 2013. **************************************************** MORCONSULT

Negócios sociais. Empreendedorismo Fomento mercantil & Microfinanças. 2013. **************************************************** MORCONSULT Morconsult. Formatação & desenvolvimento de negócios. Negócios sociais Empreendedorismo Fomento mercantil & Microfinanças. 2013. **************************************************** Exposição de motivos

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP) Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Sus Determinantes y Politicas

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Valéria Grace Costa ***, Antônio Cláudio Moreira Lima e Moreira, Suzana Pasternak, Maria de Lourdes Zuquim, Simone Cotic Clarissa Souza, Letícia

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil Introdução Mauri J.V. Cruz O objetivo deste texto é contribuir num processo de reflexão sobre o papel das ONGs na região sul

Leia mais

Coordenação Técnica Agosto/2010. Iniciativa

Coordenação Técnica Agosto/2010. Iniciativa Coordenação Técnica Agosto/2010 Iniciativa FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL NOSSA CAUSA O Itaú, por meio da Fundação Itaú Social, se dedica a formular, implantar e disseminar metodologias voltadas à melhoria de políticas

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i INTRODUÇÃO Entre as inúmeras formas de diálogo que a UFRB (Universidade

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Ilegalismos, cidade e política

Ilegalismos, cidade e política Organização Christian Azaïs Gabriel Kessler Vera da Silva Telles Ilegalismos, cidade e política Belo Horizonte 2012 Todos os direitos reservados à Fino Traço Editora Ltda. Christian Azaïs, Gabriel Kessler

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Documento Conceitual. Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção. Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos

Documento Conceitual. Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção. Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos Documento Conceitual Diálogo do Alto Comissário sobre os Desafios da Proteção Desafios para Pessoas do Interesse do ACNUR em Ambientes Urbanos Genebra, 9-10 de dezembro de 2009 I. Introdução O terceiro

Leia mais

Políticas Públicas no Brasil. Secretaria Nacional de Juventude

Políticas Públicas no Brasil. Secretaria Nacional de Juventude Políticas Públicas no Brasil Secretaria Nacional de Juventude Prioridades 2012 PPJ como política de Estado Articulação Intersetorial (Comitê, Avaliação do Projovem) Marcos Legais Estatuto da Juventude

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Rita de Cássia da Conceição Gomes Natal, 11/09/2011 As Desigualdades socioespacias em nossa agenda de pesquisa: Dialética apresentada Pesquisa

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

Apresentação das pesquisas

Apresentação das pesquisas 1 A EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA - A PROPOSTA: A ESCOLA, O PROFESSOR E O ALUNO GOMES, Dinorá de Castro UCG gomes.diza@gmail.com COSTA, Cláudia Borges

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE MONOGRAFIA FILOMENA MARIA RATES SOARES VITOR TENÓRIO NOVA

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso.

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso. III Congresso Internacional III Congresso Internacional, I Simpósio Ibero-Americano e VIII Encontro Nacional de Riscos Guimarães RISCO AMBIENTAL E VULNERABILIDADE: DISCUSSÃO CONCEITUAL A PARTIR DE TRABALHOS

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos EDUCAÇÃO CONTRA O TRABALHO INFANTOJUVENIL: CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODO E VULNERABILIDADES Felipe Pitaro * Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos de partida. O primeiro diz

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05. Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes

RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05. Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05 Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes Leonardo Avritzer O Professor Boaventura de Sousa Santos é autor de uma obra que tem se tornado uma das

Leia mais

AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE

AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE Quando focalizamos a condição de sermos moradores de um aglomerado, isso nos remete a uma posição dentro de um espaço físico, um território. Esse fato,

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Unesp 2014/2 Geografia 2ª Fase

Unesp 2014/2 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 5 (Placas Tectônicas e Terremotos) A partir das informações apresentadas e de conhecimentos geográficos, indique as áreas e as razões que levam algumas zonas do planeta a estarem sujeitas a maior

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

Antropologia Estrutural Claude Levi-Strauss Linguagem e Parentesco

Antropologia Estrutural Claude Levi-Strauss Linguagem e Parentesco Universidade Estadual Paulista ''Júlio de Mesquita Filho'' UNESP Campus Bauru/SP Antropologia Visual Graduação em Artes Visuais Antropologia Estrutural Claude Levi-Strauss Linguagem e Parentesco ANDREIA

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial

Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial Subsídios à participação brasileira no evento e considerações

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

Condições de pr odução do discurso : relações entre a força dos mercados e a autonomia do discursivo no campo das mídias 1

Condições de pr odução do discurso : relações entre a força dos mercados e a autonomia do discursivo no campo das mídias 1 Condições de pr odução do discurso : relações entre a força dos mercados e a autonomia do discursivo no campo das mídias 1 Jairo Ferreira Programa de Pós Graduação em Ciências da Comunicação Universidade

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Teoria Geral da Administração II

Teoria Geral da Administração II Teoria Geral da Administração II Livro Básico: Idalberto Chiavenato. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7a. Edição, Editora Campus. Material disponível no site: www..justocantins.com.br 1. EMENTA

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Fluxos de capitais, informações e turistas

Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxo de capitais especulativos e produtivos ESPECULATIVO Capital alocado nos mercados de títulos financeiros, ações, moedas ou mesmo de mercadorias, com o objetivo

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira

TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira 1 Qualquer que seja o campo de atuação\intervenção o Profissional deve: Elaborar um Plano de Intervenção (definição dos instrumentos teórico-metodológicos e técnicooperativos);

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais