Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)"

Transcrição

1 Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto, e este evento fez parte de uma nossa participação na mesa redonda Salvador Espaço Urbano, Novos Processos de Globalização no simpósio do Institut Goeth, com o tema Salvador-Hamburgo, passado e presente da globalização, realizado em novembro de 2009, em Salvador. O primeiro aspecto que deve ser considerado como uma característica importante é a presença hoje de movimento articulado da economia e seus espaços numa escala mundial. Ou seja, quando você repartir o processo de produção, você flexibilizou o processo de produção, você ampliou a possibilidade de que parte de mercadorias pudessem ser produzidas em distintos lugares do planeta; isso fez com que houvesse necessidade de um processo bastante articulado da produção com a circulação, numa escala mundial, e isso tem tido reflexos importantes na estruturação da produção, na estruturação de regiões e cidades e nas articulações interregionais. Eu diria que, na estruturação produtiva, nós passamos de um modelo fordista, que os estudiosos pensam e comentam (e há um consenso muito grande sobre isso) pra uma produção mais flexível. Ou seja, é uma produção que ocorre de forma menos centralizada - espacialmente e setorialmente. Ela ocorre a partir de terceirização de processos; ela ocorre não mais dividindo muito claramente o momento da produção com o momento da circulação da mercadoria. E as coisas parecem acontecer como se o tempo ou espaço da produção e da circulação acontecesse ao mesmo tempo. Ou seja, é como se uma mercadoria, o produto final, pudesse ir acontecendo no próprio processo de circulação, em dados momentos, em dados espaços e territórios da circulação. Do ponto de vista de estrutura de regiões e cidades, há uma alteração muito grande. As cidades passaram a ser mais heterogêneas, porque parte de cada uma dessas cidades, parte de cada uma dessas regiões, pode ter uma inserção diferenciada nesse processo numa escala mundial; e parte dela pode crescer mais, ser uma articulação com outras partes de outras cidades, se expandir e ficar de forma mais diferenciada (ou aparentemente de forma mais diferenciada) na sua estrutura dentro da grande metrópole, por exemplo. 1

2 Isso tem uma repercussão, um resultado lógico, que é o fato de que os fluxos internos de uma metrópole, por exemplo, são fluxos que passam a ser menos convergentes internamente, ou seja, tem partes da cidade que tem maior possibilidade com outras partes de outras cidades muito distante, muito mais do que com partes de dentro da própria cidade. Isso reflete no processo de planejamento e faz com que seja muito difícil, hoje, você controlar esse processo numa escala metropolitana, porque você depende de interação, de compreensões e de articulações econômicas de uma metrópole ou parte dessas metrópoles com outras partes do mundo. Isso parece ter acontecido em Salvador desde a década de 70, e aí precisa de uma explicação. Os ciclos de desenvolvimento, eles se entrelaçam, eles vão começando diferentemente em várias partes do planeta; principalmente esse processo de globalização e o que parece ter acontecido em Salvador, na década de 70 e 80, já pode ter sido reflexo desse processo de globalização em função dos setores da economia que se instalaram aqui nessa região serem setores globalizados. Então, nós já temos aqui, desde a década de 70 e 80, sinais de alteração de metrópole, tal como aconteceram em outras metrópoles de grande porte e de outros países. Os sinais a que eu me refiro são aqueles que fizeram com que a metrópole se descentralizasse de forma muito intensa, criasse algumas áreas com grande possibilidade de desenvolvimento comercial; em contraposição com áreas de periferia com menor incidência de mão-de-obra mais qualificada, de menor incidência de infra-estrutura; e isso construiu uma metrópole que tem característica muito próxima das metrópoles que hoje são consideradas metrópoles globalizadas. Ou seja, são metrópoles diferenciadas internamente. O segundo ponto que está relacionado a esse primeiro, e passa a ser quase que um detalhamento, é o importante fato de as indústrias se descentralizarem, principalmente as indústrias de transformação mais intensiva em mão-de-obra e os serviços mais intensivos em conhecimento se reconcentrarem. O que significa dizer isso pra uma cidade como Salvador? Significa dizer que as indústrias, com essas características de intensividade em mão-de-obra, elas saem dos países, das metrópoles, das proximidades das metrópoles mais importantes, e tenha de avim pra América Latina, pra parte da Ásia e pra África, e Salvador recebe alguma dessas indústrias. Em compensação, os serviços intensivos em conhecimento, eles estão reagrupados nas maiores metrópoles do mundo, a exemplo de Londres, Paris, e cidades como 2

3 São Paulo. Mas esta reconcentração de serviço, ela tem uma certa hierarquia. Da mesma forma que Salvador passou a reconcentrar alguns serviços de unidades industriais e de serviços do interior do estado, São Paulo absorveu parte desse serviço que antes era localizado em Salvador e assim sucessivamente sendo as grandes cidades, as grandes metrópoles mundiais, aquelas que têm a maior capacidade de absorção desse serviço. O outro aspecto que devemos considerar (que seria o terceiro) é que, por decorrência disso, as metrópoles, as grandes metrópoles e as cidades de uma maneira geral, comandam o processo via esse serviço. Ou seja, mais do que tudo, mais do que antes, do que o processo anterior, as cidades hoje têm uma capacidade muito grande de absorver esse serviço ligado a conhecimento. A tendência de urbanização no mundo é quase que homogênea, com maior aceleração em alguns locais e menos em outro, mas essa concentração de serviço é explicada pela presença, nas grandes metrópoles, de mão-de-obra muito qualificada, mão-de-obra que tem uma compreensão dos processos em escala mundial, que orientam a execução de estratégias, tem capacidade de comandar os processos administrativos financeiros numa escala global e podem se servir de informações on-line e também de dar resposta a propostas on-line para todos os cantos do mundo. Então, esse é um reforço (diferentemente da pendência do ciclo anterior) a que as cidades foram induzidas, depois da revolução industrial, principalmente pela presença do setor industrial nas proximidades da sua cidade, que fez com que os processos migratórios aumentassem de forma intensiva e que isso ocorreu até o início dessa nova fase. Aqui na Bahia, na metrópole baiana, ou digamos nas metrópoles brasileiras, nós podemos ter um resultado disso a partir da identificação de que o rendimento dos ocupados no trabalho de serviço, por exemplo, na região de Salvador, na região de São Paulo, na região de Porto Alegre, Belo Horizonte e Recife, todos os rendimentos aumentaram no setor de serviço, e eles reduziram relativamente no setor industrial. No caso do PIB municipal de Salvador, também é possível a gente encontrar indicadores que mostram evolução nessa área, quando entre 2002 e 2006, o setor de serviço teve uma participação crescente, passando de 80,59% do PIB municipal, pra 85,27% no período. Um outro ponto, o quarto ponto que nós achamos importante, é o reforço nas funções de redes de cidades [0:12:10.7]. Tudo isso passa a ser acrescentado, essas necessidades de relação dessas redes de cidades, mas não são as cidades inteiras que relacionam: são modos de cada cidade que fazem com que essas articulações comerciais, as articulações de serviço, as articulações de informação e de conhecimento, elas sejam necessária para controlar, pra administrar e induzir esse processo de produção e de circulação quase que ao mesmo tempo em que acontece, numa escala global. 3

4 Sobre esse aspecto, nós podemos compreender também o trabalho realizado recentemente pra cinco metrópoles brasileiras. Há uma hierarquia muito clara dessa rede (essa rede não é homogênea), e se nós utilizarmos os dados desses trabalhos pra cinco regiões no Brasil, nós podemos ver que dentro do Brasil tem uma rede de metrópole; mas essa rede tem uma hierarquia muito clara. São Paulo concentra a maioria dos fluxos, concentra esses serviços mais qualificados, tem uma rede mais ampla; e, em segundo lugar, podem ser identificadas as metrópoles como Belo Horizonte e Porto Alegre; e, em terceiro lugar, as metrópoles nordestinas, ou seja, Salvador e Recife. Cada conjunto desse, hierarquizado, traz funções e traz repercussões diferenciadas em função do seu papel regional. Então, isso explica, por exemplo, a presença mais forte de camadas de baixa renda nas metrópoles nordestinas em função desse complexo de negócios, essa rede ser mais limitada, essa rede ser de menor porte, isso ajudado evidentemente pelo passivo, pela histórica ocupação da pobreza na região do nordeste do Brasil nos últimos dois séculos. O ponto cinco, podemos também considerar que são os serviços se localizarem de forma diferenciada do ponto de vista espacial. Também os serviços não podem ser considerados para todas as metrópoles em que existem diferenciações. Ou seja, os estudos mostram que os serviços ligados à área de produção tendem a concentrar, e os serviços distributivos, aqueles ligados a áreas mais de circulação, tendem a descentralizar no Brasil. Os serviços produtivos, evidentemente por estarem mais próximos das áreas de maior indicadores de produção. E distribuição, a necessidade de você obter uma logística pra todas as grandes metrópoles brasileiras. Então, esses serviços ligados à produção, eles são concentrados nas metrópoles mais importantes, no caso São Paulo, Belo Horizonte e Rio Grande do Sul; e, em menor quantidade, na região nordestina. E os serviços sociais e os serviços públicos são aqueles que têm tido um maior grau de descentralização para todas as metrópoles brasileiras, mas com maior ênfase pras metrópoles do nordeste, centro-oeste e norte do Brasil. Portanto, é uma presença do estado relativamente maior no caso de Salvador e uma economia menor, relativamente a outras metrópoles brasileiras. No ponto seis, podemos considerar como aquele que diz que as metrópoles em cidades se fragmentam e se associam espacialmente, criando a sensação de regiões e cidades ou cidades regiões. Esse aspecto, ele diz respeito ao fato de que (como nós salientamos antes) partes das cidades assume maior importância, assume maior capacidade de inserção numa escala global. Essas partes, elas passam a ser diferenciadas e têm maior capacidade de polarização interna. Isso faz com que cada uma delas tenha um papel diferente, e elas assumam uma localização espacial distinta. Não há uma homogeneidade das metrópoles das cidades, elas passam a criar espaços que vão crescendo, mas de forma parcialmente descontínua. Então, é possível você ter 4

5 uma metrópole que dê uma sensação de um conjunto de cidades agrupadas, como se fosse uma conturbação de cidades. Esse é um caráter do ponto de vista de estrutura da metrópole, que tem sido sentida por estudiosos, principalmente na maioria das cidades ibero-americanas. O item sete também é um detalhamento de tudo isso que nós estamos falando, que é o fato de que as metrópoles se tornam menos reconhecíveis. Ou seja, a pergunta é: Até onde vai uma metrópole? Isso está relacionado com o que comentamos antes, ou seja, a esse sentimento de um crescimento com vazios, um crescimento descontínuo. A facilidade de meios de comunicação, a internet, a informática, os meios de transporte mais avançados; tudo isso faz com que haja uma possibilidade de deslocamento espacial de atividades que são unidas por esses meios, pela virtualidade, e unidas de forma on-line. E isso dá uma dificuldade muito grande de você dizer onde começa e onde termina uma metrópole. No caso de Salvador, é muito claro esse processo, e nós podemos perguntar se a Praia do Forte, por exemplo, está dentro da metrópole. Ou não está? Se Feira de Santana já pode ser considerada uma parte de um bi-pólo metropolitano. Se Candeias... Enfim, quais as partes dessa região que constituem uma metrópole. Isso cria uma dificuldade muito grande, e essa dificuldade traz repercussões importantes pro processo de planejamento, porque eles não possibilitam uma articulação política adequada para que você pense o conjunto da metrópole. O ponto oito se refere ao fato de que as metrópoles que são policentros economicamente, com vastas manchas de pobreza e ilhas de desenvolvimento. Tudo está ligado a alguns pontos que comentamos antes, ou seja, está ligado ao fato de alguns espaços metropolitanos terem maior inserção internacional e de outros espaços periféricos, principalmente serem marginalizados no processo de inserção a essa globalização em função das características da mão-de-obra, da qualificação da mão-de-obra e do fato de que o próprio capitalismo cria diferenciações sociais, ele cria diferenciações espaciais, não é possível absorver o conjunto. Essa diferenciação cria ilhas de desenvolvimento que a gente pode perceber claramente em Salvador, tanto do ponto de vista habitacional, com os conjuntos de novas habitações de nova renda média alta, com centenas ao longo da Paralela, em conjunto fechado acontecendo na proximidade do Horto, do Itaigara; investimentos novos que são tratados quase como um bairro inteiro, como Bela Vista, na Rótula do Abacaxi, que tem escola, trabalho e habitação no mesmo lugar. E isso também convivendo com vastas áreas de pobreza, com péssimas condições de vida ao longo das zonas suburbanas e do miolo da cidade. Essas são cidades, metrópoles diferenciadas e que têm tráfegos comuns nas metrópoles de toda região da América do Sul e América Central. Mas isso já acontece, está começando também a acontecer de forma mais intensa nos países desenvolvidos, nos Estados Unidos e na Europa. 5

6 No item nove, nós podemos comentar o fato de que o chassi é concentrado economicamente e disperso espacialmente. O que significa isso? O chassi é uma expressão, é um conceito desenvolvido por mim, pelo colega Admilson Carvalho. Nós entendemos que, na sociedade capitalista, existem espaços e setores que estão mais carregados de fluxos, que são mais carregados de investimentos de capital, que são mais carregados de mercadoria; estão, mais ou menos, carregados de pessoas com alta capacidade de interferir no processo. O que se quer dizer com isso é que, nesta nova fase, esse chassi é mais enxuto espacialmente, acontece mais concentrado espacialmente, mais verticalizado espacialmente; mas ele também acontece disperso espacialmente. Ele pode acontecer, digamos, tal como nós comentamos antes, ele pode acontecer criando a sensação de um conjunto de chassi, um conjunto de cidade. E, como último item, que é uma repercussão de tudo isso que a gente comentou antes, o item dez, e era importante a gente comentar sobre a complexidade na formulação de política metropolitana, de uma visão nacional, mundial e de localidade estratégia. Com essa complexidade do processo produtivo, com essa demanda diferenciada por espaço dentro de uma mesma metrópole, com essa diferenciação interna com zonas de grande capacidade de desenvolvimento, ilhas, fantasia metropolitana, com grandes manchas de pobreza, com o fato de que tivemos recentemente um processo também de privatização dos serviços públicos, com o fato de que a estrutura política não acompanha esses processos, ou seja; a votação, a representação política, não tem recorte espacial interno, há uma grande dificuldade de formulação para o espaço metropolitano. Ali, mais um aspecto é a própria indefinição de onde começa e de onde termina a metrópole, quem participa dessa metrópole. Todo esse conjunto de fatores faz com que a administração numa escala metropolitana seja também despedaçada, não seja vista no seu conjunto. Ela é fragmentada, e essa fragmentação favorece os grandes negócios; ela favorece que o processo continue atuando pra que o chassi seja mais concentrado e disperso; concentrado economicamente e disperso espacialmente, pra que essas cidades sejam fragmentadas, pra que haja uma diferenciação significativa do ponto de vista social. [Fim] 6

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS.

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. EM 1950, O NÚMERO CORRESPONDIA A APENAS UM TERÇO DA POPULAÇÃO TOTAL. CERCA DE 90% DO AVANÇO DA POPULAÇÃO URBANA

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social O tempo e a espera Ministro fala de projetos em andamento e ações do governo para a área educacional Entrevista do ministro publicada na Revista Educação no dia 26 de maio de 2004. Tarso Genro é considerado

Leia mais

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010)

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Observatório das Metrópoles INCT/CNPq Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Luciano Joel Fedozzi Paulo Roberto Rodrigues Soares Observatório

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO FINAL

PLANO DE RECUPERAÇÃO FINAL TURMA: 1 Ensino Médio Planeta e Cartografia As formas de relevo e a hidrografia Tipos climáticos e biomas da Terra Problemas ambientais Espaço Mundial e a industrialização Recursos minerais e fontes de

Leia mais

É CORRETO afirmar que essa modalidade de desemprego é conseqüência. A) da adoção de novas tecnologias de produção e gerenciamento industrial.

É CORRETO afirmar que essa modalidade de desemprego é conseqüência. A) da adoção de novas tecnologias de produção e gerenciamento industrial. PROVA DE GEOGRAFIA QUESTÃO 09 Parcela considerável do desemprego que se verifica, atualmente, no mundo, está associada a mudanças estruturais na economia é o denominado desemprego estrutural. É CORRETO

Leia mais

Geografia Fascículo 05 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis

Geografia Fascículo 05 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis Geografia Fascículo 05 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis Índice A Urbanização Brasileira Resumo Teórico...1 Exercícios...4 Gabarito...5 A Urbanização Brasileira Resumo Teórico Urbanização, uma tendência

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTICIPATIVO DENTRO DE UM MUNDO GLOBALIZADO

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTICIPATIVO DENTRO DE UM MUNDO GLOBALIZADO O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTICIPATIVO DENTRO DE UM MUNDO GLOBALIZADO A EVOLUÇÃO HISTÓRICA E O SÉCULO XX 1- A MAIORIDADE DAS CIDADES LIMITES DE EXPANSÃO 2- A OPÇÃO URBANA EM TODOS OS NÍVEIS 3- A CIDADE

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu Beatriz Fleury e Silva bfsilva@iem.br Msc. Engenharia Urbana. Docente curso de arquitetura Universidade Estadual de Maringá Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação

Leia mais

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II ORIENTE MÉDIO -Região marcada por vários conflitos étnicos, políticos e religiosos. -Costuma-se considerar 18 países como pertencentes ao Oriente

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

Vestibular da Fundação Getúlio Vargas Direito 2007. Grade de Correção da Prova de Geografia

Vestibular da Fundação Getúlio Vargas Direito 2007. Grade de Correção da Prova de Geografia Vestibular da Fundação Getúlio Vargas Direito 2007 Grade de Correção da Prova de Geografia 1. Introdução A prova caracteriza-se por seu propósito em medir a capacidade de raciocínio do candidato, expressa

Leia mais

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750 BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR As crises econômicas que se sucederam no Brasil interromperam a política desenvolvimentista. Ocorre que o modelo de desenvolvimento aqui implantado (modernização conservadora

Leia mais

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume II Revisão Participativa do Plano Diretor Estratégico (PDE) 1. A importância do PDE (Plano Diretor Estratégico)

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR) gislenepereira42@gmail.com Bruna Gregorini Universidade Federal do Paraná

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

Profissionais Portugueses no Brasil. Empresas Familiares

Profissionais Portugueses no Brasil. Empresas Familiares Profissionais Portugueses no Brasil Empresas Familiares Tópicos Abordados As Gerações e o Mercado de Trabalho Empresas Familiares no Brasil Cenário Brasileiro e Estatísticas de Emprego no Brasil Características

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO DIPLA Produtos Fortaleza 2040 Processos Gestão do Plano Fortaleza 2040 Integração de planos setoriais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO DIPLA Produtos Fortaleza 2040 Processos Gestão do Plano Fortaleza 2040 Integração de planos setoriais DIRETORIA DO OBSERVATÓRIO DA GOVERNANÇA DIOBS Produtos Sala Situacional Rede de Salas de Situação Processos Monitoramento Agenda Estratégica Observatório da Governança DIRETORIA DE PLANEJAMENTO DIPLA Produtos

Leia mais

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Faculdade de Comunicação e Artes Habilitação em Jornalismo Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Economia Brasileira Professora Eleonora Bastos Horta Dayse dos Santos Frederico

Leia mais

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS I SISTEMAS EM RUPTURA?... Urbano: fragmentado, densidades extremadas Natural: pressão, desarmonia, descontinuidade Residencial: dormitório unifamiliar ou massivo Económico:

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas Conceitos Fundamentais de Engenharia 1 Ano Profª Fernanda Cristina Vianna Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas 1. O Que é Estrutura Organizacional? É a estrutura formal na qual ocorrem as

Leia mais

COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA

COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Desigualdade e Pobreza no Brasil Metropolitano Durante a Crise Internacional: Primeiros COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Brasília, 4 de agosto de 2009 Brasil:

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt São Paulo-SP, 05 de dezembro de 2008 Presidente: A minha presença aqui

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

SÃO PAULO. COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DESCENTRALIZADA NO BRASIL Boas Práticas de Gestão Internacional dos Governos Subnacionais Brasileiros

SÃO PAULO. COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DESCENTRALIZADA NO BRASIL Boas Práticas de Gestão Internacional dos Governos Subnacionais Brasileiros SÃO PAULO COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DESCENTRALIZADA NO BRASIL Boas Práticas de Gestão Internacional dos Governos Subnacionais Brasileiros Dezembro/2013 OS DESAFIOS DA NOVA AGENDA MUNDIAL O MUNDO MUDOU O

Leia mais

Exercícios Processo de Urbanização no Brasil

Exercícios Processo de Urbanização no Brasil Exercícios Processo de Urbanização no Brasil 1. Nota intitulada Urbano ou rural? foi destaque na coluna Radar, na revista Veja. Ela apresenta o caso extremo de União da Serra (RS), município de 1900 habitantes,

Leia mais

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Vamos agora iniciar a sessão de perguntas e repostas. Nossa primeira pergunta vem do Senhor do Bradesco. Por favor, você pode ir em frente.,

Leia mais

Concentração de serviços (hospitais, escolas, centros de pesquisas, transportes etc.);

Concentração de serviços (hospitais, escolas, centros de pesquisas, transportes etc.); ESPAÇO URBANO E ESPAÇO RURAL O espaço urbano é o espaço das cidades e se caracteriza pelo predomínio das atividades secundárias e te r- ciárias, ou seja, as atividades industriais, comerciais e de serviços.

Leia mais

O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE DO POLO INDUSTRIAL DE CUBATÃO. Marco Paulo Penna Cabral Effectio, associada a Fundação Dom Cabral na Baixada Santista

O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE DO POLO INDUSTRIAL DE CUBATÃO. Marco Paulo Penna Cabral Effectio, associada a Fundação Dom Cabral na Baixada Santista O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE DO POLO INDUSTRIAL DE CUBATÃO Marco Paulo Penna Cabral Effectio, associada a Fundação Dom Cabral na Baixada Santista NA BAIXADA SANTISTA E ALTO TIETÊ Conheça a Fundação Dom

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

Situação Geográfica e Demográfica

Situação Geográfica e Demográfica Guarulhos História A memória é a base para a construção da identidade, da consciência do indivíduo e dos grupos sociais de um determinado local. A maioria das fontes de memória de Guarulhos traz que sua

Leia mais

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 PANORAMA GERAL Os movimentos de transição da população ocupada entre as

Leia mais

RECENTRALIZAÇÃO E OS SERVIÇOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

RECENTRALIZAÇÃO E OS SERVIÇOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO RECENTRALIZAÇÃO E OS SERVIÇOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Susana Mara Miranda Pacheco Universidade do Estado do Rio de Janeiro susanamp@uerj.br Pensar o centro do Rio de Janeiro nos primeiros anos do século

Leia mais

Metropolização no estado de São Paulo: homogeneização de paisagens, generalização de problemas

Metropolização no estado de São Paulo: homogeneização de paisagens, generalização de problemas Coloquio 2009 9 a 11 de novembro de 2009 Bogotá Metropolização no estado de São Paulo: homogeneização de paisagens, generalização de problemas Manoel Lemes da Silva Neto Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO sumário executivo Organização Internacional do Trabalho PERSPETIVAS SOCIAIS E DE EMPREGO NO MUNDO Mudança nas modalidades do emprego 2 015 perspetivas sociais e de emprego no mundo Mudança nas modalidades

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira

Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=590200&page=24 Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

Leia mais

Produtividade e qualidade de vida - Cresça 10x mais rápido

Produtividade e qualidade de vida - Cresça 10x mais rápido Produtividade e qualidade de vida - Cresça 10x mais rápido Você já pensou alguma vez que é possível crescer 10 vezes em várias áreas de sua vida e ainda por cima melhorar consideravelmente sua qualidade

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

Do offshore ao homeshore: tendências para a localização de contact centres

Do offshore ao homeshore: tendências para a localização de contact centres Do offshore ao homeshore Do offshore ao homeshore: tendências para a localização de contact centres João Cardoso APCC Associação Portuguesa de Contact Centres (Presidente) Teleperformance Portugal OUTSOURCING

Leia mais

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa QUIDGEST Q-DAY: INOVAÇÃO CONTRA A CRISE Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa André Magrinho TAGUSPARK: 09 de Setembro 2009 SUMÁRIO 1. Globalização

Leia mais

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA Participantes: Dr. Roberto Simões, presidente do CDN (Conselho Deliberativo Nacional) e Dr. Carlos Alberto dos Santos, Diretor Técnico do Sebrae Nacional. Objetivo:

Leia mais

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Criada pela International Organization for Standardization (ISO), a ISO 9001 é uma série de normas sobre gestão da qualidade

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

CENSO - 2010 E OS FLUXOS DA POPULAÇAO NO RIO GRANDE DO SUL

CENSO - 2010 E OS FLUXOS DA POPULAÇAO NO RIO GRANDE DO SUL Centro de Estudos Migratórios Cristo Rei - CEMCREI CENSO - 2010 E OS FLUXOS DA POPULAÇAO NO RIO GRANDE DO SUL Teresinha Zambiasi, mscs TENDÊNCIA DA POPULAÇÃO DO RS Ano do Censo Números absolutos Taxa crescimento

Leia mais

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões Pobreza e Prosperidade Compartilhada nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades Aude-Sophie Rodella Grupo Sectorial da Pobreza Brasilia, June 2015 No Brasil, a pobreza

Leia mais

CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA E CENTROS DE GESTÃO DO TERRITÓRIO: O CASO DO BRASIL ( 1 )

CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA E CENTROS DE GESTÃO DO TERRITÓRIO: O CASO DO BRASIL ( 1 ) CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA E CENTROS DE GESTÃO DO TERRITÓRIO: O CASO DO BRASIL ( 1 ) Roberto Lobato Corrêa Departamento de Geografia- UFRJ Tel.: (021) 590-1880 UFRJ-IBGE, Rio de Janeiro, Brasil Este estudo

Leia mais

WORLD CUP Turistas África do Sul, Junho/2010

WORLD CUP Turistas África do Sul, Junho/2010 WORLD CUP Turistas do Sul, Junho/20 Total: 4.835 entrevistas : 46% (n=2.204) : 4% (n=202) : 41% (n=2.000) : 6% (n=307) : 3% (n=122) Perfil dos entrevistados PRINCIPAL FINANCIADOR DA VIAGEM Está pagando

Leia mais

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Rodrigo Otávio Rio de Janeiro - A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky faz parte do grupo de articulação da Cúpula dos Povos (evento das organizações

Leia mais

Diana Meirelles da Motta

Diana Meirelles da Motta Diana Meirelles da Motta 1. O conceito de segregação é pertinente para entender a realidade metropolitana (a referência fundamental são as metrópoles brasileiras, tendo como pano de fundo as metrópoles

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

Cidade e Urbano: uma caracterização do terciário superior (mini-curso)

Cidade e Urbano: uma caracterização do terciário superior (mini-curso) 1 Cidade e Urbano: uma caracterização do terciário superior (mini-curso) II Seminário do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas As Ciências Sociais e Aplicadas na era dos Serviços. Profa.Mariângela Alice

Leia mais

Então, é difícil para a gente afirmar um número ainda, mas vai estar nesse intervalo entre estabilidade e alguma coisa perto de 2% ou 3%.

Então, é difícil para a gente afirmar um número ainda, mas vai estar nesse intervalo entre estabilidade e alguma coisa perto de 2% ou 3%. Q&A de Teleconferência Resultado 3T08 ALL América Latina Logística 13 de novembro de 2008 Na redução de guidance de vocês, essa expressão interessante, um crescimento marginal de yield. Em um crescimento

Leia mais

8 Erros Que Podem Acabar Com Seu Negócio de Marketing Digital

8 Erros Que Podem Acabar Com Seu Negócio de Marketing Digital 8 Erros Que Podem Acabar Com Seu Negócio de Marketing Digital Empreender em negócios de marketing digital seguramente foi uma das melhores decisões que tomei em minha vida. Além de eu hoje poder ter minha

Leia mais

Avaliação da Descentralização de Programas Sociais o caso do Bolsa Família no Nordeste V Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Campinas, 27/09/2013 Cátia Wanderley Lubambo FUNDAJ/UFPE

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Seminário A Metrópole em Debate: do Estatuto à prática Curitiba 13 de julho de 2015 Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Profª Drª Madianita Nunes da Silva Departamento

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Colégio Salesiano São José 8º ano Geografia Professor: Juliano Mudanças no Espaço Geográfico Como ocorrem essas mudanças: Formas; Funções; Fluxos; Modos

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL E O MBA REAL ESTATE DO NRE-POLI Profa. Dra. Eliane Monetti

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL E O MBA REAL ESTATE DO NRE-POLI Profa. Dra. Eliane Monetti 1 A FORMAÇÃO PROFISSIONAL E O MBA REAL ESTATE DO NRE-POLI Profa. Dra. Eliane Monetti O tema do real estate no Brasil ainda não é alvo de uma formação específica em nível de graduação, sendo contemplado,

Leia mais

O mosaico americano. Na hora do almoço, Paulo reserva alguns minutos para ler o jornal. Naquele dia, Paulo leu uma notícia que o deixa preocupado.

O mosaico americano. Na hora do almoço, Paulo reserva alguns minutos para ler o jornal. Naquele dia, Paulo leu uma notícia que o deixa preocupado. A UU L AL A O mosaico americano Nesta aula estudaremos as tentativas de integração econômica entre países da América Latina. Vamos analisar as diferenças e semelhanças existentes entre esses países que

Leia mais

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO BRASILIENSE DE ESTUDOS DA ECONOMIA REGIONAL IBRASE EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA distribuição da população e do pib

Leia mais

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais!

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Por Rafael Piva Guia 33 Prático Passos para criar Ideias de Negócio Vencedores! Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Que bom que você já deu um dos

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

Geografia Agrária Geral

Geografia Agrária Geral 1. (Uerj) Geografia Agrária Geral Analisando os gráficos, verifica-se que, além dos EUA, alguns países europeus são simultaneamente grandes exportadores e grandes importadores de produtos agrícolas. Apresente,

Leia mais

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil A reportagem exibida na semana passada mostrava algumas falhas na comunicação entre o avião monomotor em que estava o nosso repórter

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

7 motivos pelos quais as Redes Sociais Corporativas vão se consolidar na América Latina.

7 motivos pelos quais as Redes Sociais Corporativas vão se consolidar na América Latina. 7 motivos pelos quais as Redes Sociais Corporativas vão se consolidar na América Latina. Não é possível voltar atrás. As Redes Sociais Corporativas (RSC) chegaram à América Latina para ficar, e irão se

Leia mais

O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso

O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso Maiane Bertoldo Lewandowski Consultora de RH Hospital Mãe de Deus TRANSFORMAÇÕES NO MERCADO DE TRABALHO Mudança de modelo mental; Escassez

Leia mais

Aula 1.1 Conteúdo: Como regionalizar o espaço mundial? O que são continentes? FORTALECENDO SABERES APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 1.1 Conteúdo: Como regionalizar o espaço mundial? O que são continentes? FORTALECENDO SABERES APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A Aula 1.1 Conteúdo: Como regionalizar o espaço mundial? O que são continentes? 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA A

Leia mais

A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades

A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades Bernardo L. Queiroz Departamento de Demografia CEDEPLAR/UFMG O ESPAÇO METROPOLITANO NA PERSPECTIVA DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL Referências

Leia mais

2.3 A segregação social e a segregação espacial

2.3 A segregação social e a segregação espacial CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE 2.3 A segregação social e a segregação espacial Villaça (1998:142) comenta que há segregações das mais variadas

Leia mais

A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS

A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS 1 A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS Fausto Brito Cláudia Júlia Guimarães Horta Ernesto Friedrich de Lima Amaral O grande ciclo de expansão da urbanização no Brasil é relativamente

Leia mais

LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN

LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN LONDRES Reunião do GAC: Processos Políticos da ICANN e Responsabilidades do interesse público em relação aos Direitos Humanos e Valores Democráticos Terça feira, 24 de junho de 2014 09:00 a 09:30 ICANN

Leia mais

Delimitação de Bairros de Salvador

Delimitação de Bairros de Salvador Delimitação de Bairros de Salvador Centro Interdisciplinar de Desenvolvimento e Gestão Social CIAGS / EAdministração UFBA Edital MCT/CNPq/CT-Hidro/ CT-Agro Fundação OndaAzul CONDER EMBASA SEMARH/SRH-CRA

Leia mais

Sessão de Perguntas e Respostas

Sessão de Perguntas e Respostas Bom dia Flávio, bom dia a todos. Minha pergunta na verdade é com relação à questão da PDD. Só para saber se eu entendi corretamente, você estava falando que a PDD relativa aos empréstimos pessoais representavam

Leia mais

É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com

É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com O que foi a Revolução Cultural na China? Caio Lóssio Botelho * É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com uma superfície de mais de 9.500.000 km², com a população superior a 1.180.000.000 habitantes.

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS www.observatorioasiapacifico.org A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS Ignacio Bartesaghi 1 O debate na América Latina costuma focar-se no sucesso ou no fracasso dos processos

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: Querida criança, Além desta revisão, estude, em seu Material Didático, os conteúdos do Volume III. Leia este texto: ASA BRANCA

Leia mais

GRUPO CGSC INVESTE FORTE NO BRASIL

GRUPO CGSC INVESTE FORTE NO BRASIL Ano XVI Nº 157 2015 R$ 20,00 GRUPO CGSC INVESTE FORTE NO BRASIL Fábio Basilone Presidente da CGSC para o Brasil Especial: saiba tudo sobre o 4º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro reuniu mais de 500

Leia mais

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada

1º ano. Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada 1º ano Os elementos da Paisagem Natural e Paisagem modificada A origem da Terra; A origem dos continentes; A teoria da deriva dos continentes; A teoria das placas tectônicas; Tempo geológico; A estrutura

Leia mais

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Mercedes Bêtta Quintano de Carvalho Pereira dos Santos ( Centro Universitário São Camilo) GT 02 Formação de Professores As alunas

Leia mais