SOCIOLINGUÍSTICA LETRAS 69

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOCIOLINGUÍSTICA LETRAS 69"

Transcrição

1 SOCIOLINGUÍSTICA LETRAS 69

2 LETRAS 70

3 SOCIOLINGUÍSTICA DERMEVAL DA HORA Introdução Alínguasempreocupou,nasociedade,papeldedestaque,eaelaestãoatreladosconceitosque definemposturasdiferenciadas,dependendodaformaçãodequemaobserva,selinguistaoucurioso. Comumouvirmospalpiteacercadoquefalamosedaformacomofalamos.Seessevemdealgum leigo,noqueconcerneaosconceitoslinguísticos,aconfusãoseestabelece. Falaracercadoqueseouveoudoqueseescreve,estabelecendojuízodevalorémuitocomumnos diferentescírculos.julgamentossubjetivosestãoatreladosàmaneiradefalardaspessoas,promovendoou nãoalínguausada;classificandoa,enfim,julgandoa. Associadosàlínguausada,estãoinúmerosconceitosquemerecemadevidaatenção,principalmente por aqueles que se dispõem a um estudo mais sistemático, procurando compreender melhor esse bem humanoqueéalíngua. Afimdemelhorentenderarelaçãoentrealínguaeasociedadeemqueelaestácircunscrita, elencaremos,nessematerialsobresociolinguística,umconjuntodeconceitosindispensáveisàcompreensão doqueacontececomalíngua. Apropostaqueaquiapresentamostemaseguinteestrutura:naprimeirapartediscutiremosalguns conceitos considerados básicos para entendermos a relação entre língua e sociedade; na segunda parte, trataremos,basicamente,dedoisconteúdos:oprimeirodelesvoltadoparaosfundamentosdosestudos dialectológicos; o segundo, para os estudos variacionistas. Tais estudos situam as duas disciplinas: a DialectologiaeaSociolinguísticaemsuaperspectivavariacionista. LETRAS 71

4 LETRAS 72

5 UNIDADE I SOCIOLINGUÍSTICA Conceitos Fundamentais: LÍNGUA DIALETO SOTAQUE - REGISTRO ESTILO ETNIA - BILINGUISMO DIGLOSSIA PIDGIN - CRIOULO Objetivo: - refletir acerca desses conceitos, definindo-os e verificando em que situações eles se aplicam. Língua e dialeto QuandofalamosdoPortuguês,doInglês,doFrancês,doEspanholetc,estamosfalandodelínguas,e aquialínguanãoteráamesmaacepçãoconcebidaporsaussure,quandoestabeleceuadicotomia languex parole,ouseja,línguaversusfala.cadaumadaslínguasaquenosreferimostemsuaautonomia,temum papelsocialnascomunidadesemqueestãoinseridas.asvariedadesquecadaumadelastem,quandosetrata doseuuso,podemserdenominadasdedialeto. Otermodialetopodeserdefinidodeformadiversa,dependendodaperspectivaquequeiramos abordar. Falando em termos regionais, dialeto é o mesmo que falar, e as diferenças encontradas em comunidadescomdialetosdiferentesnãofuncionamcomoempecilhonacomunicação.emgeral,alterações nafonologia,nasintaxe,noléxicoexistem,mastodossecompreendem.nobrasil,otermodialetoseencaixa nessa modalidade. De norte a sul, de leste a oeste, temos uma grande variabilidade na lingua, mas as variações, em geral, não funcionam como obstáculo no processo de comunicação. Vale observar que ressaltamosqueissoacontecedeformageral,poisalgumasvezespodemosteralgumruídonacomunicação LETRAS 73

6 devidoaousodeumtermomuitolocalqueimpedeasuacompreensãoporpartedointerlocutor.entedemos, porém,queissoéesporádico. Em sentido mais restrito, dialeto é o mesmo que sublíngua. Temos, desta forma, uma lingua consideradanacional,conhecidadetodos,elínguasquesãoespecíficasdedeterminadascomunidades,os dialetos.osfalantesdecomunidadecomdialetosdiferentesnãoconseguementenderse,paraissoprecisarão utilizaralingualnacional.istoécomum,principalmente,nospaíseseuropeus. A relação entre língua e dialeto é muito estreita. A conjunção de fatores sociais, politicos, psicológicos e históricos contribuem para caracterizar o que seja uma língua e um dialeto. Aspectos puramentelinguísticosnãosãosuficientesparacaracterizarumououtro.eaquianoçãodepoderentraem jogo. Adistinçãoentrelínguaedialetoétãosutilqueédifícildeterminarmosquantaslínguasequantos dialetosexistemnomundo.sobumaperspectivesincrônica,descritiva, língua serefereouaumaúnica normalinguísticaouaumgrupodenormasrelacionadas.emumsentidodiacrônico,alínguapodetantoser uma língua comum em sua trajetória para a dissolução, como uma língua comum que resulta de uma unificação.um dialeto,então,éumadasnormasrelacionadasaonomegeraldelíngua;historicamente,éo resultadodadivergênciaoudaconvergência. Tendoemvistaqueesseprocessohistóricopoderepetirseindefinidamente,osdoistermossão aplicaveisciclicamente,ouseja,com língua semprecomootermosuperordenadoe dialeto,semprecomo subordinado.dissoresulta,termossempreaseguinterelação: X éumdialetodalíngua Y,oualíngua Y temosdialetos A e B.Nuncasetem,porexemplo, Y éumalínguadodialeto X.Essarelaçãode dependênciatambémlevanosaconstatarqueotermo língua podeserusadosemquefaçamosreferência adialetos;omesmonãoacontecequandofalamosdealgumdialeto.nessecaso,semprevamosdizerqueo dialetopretenceaumalíngua.podemos,apartirdoquefoidito,concluirquetododialetoéumalíngua,mas nemtodalínguaéumdialeto. Emfrancês,umterceirotermofoiutilizado, patois,queseaplicou,principalmente,àlínguafalada. DeacordocomodicionáriodaAcademiaFrancesa,dialetoéumavariedaderegionaldeumalíngua,eleinclui umaculturaliteráriacompleta.paraandrémartinet(1964),asituaçãodofrancêsédiferente,pelofatode seremencontradosváriospadrõesregionaisescritos.osdialetosfranceseseramregionaise,quandodeixaram deserescritos,tornaramse patois.um patois,então,éumanormalinguísticanãousadacompropósitos literários,limitadoasituaçõesinformais.taldistinçãointroduzumanovadimensãonoquecolocamosaté aqui:asfunçõessociaisdeumalíngua.emsetratandodadistinçãolínguadialeto,podemosdizerqueo patois éumdialetoqueserveaumapopulaçãoemsuasfunçõesdemenosprestígio.adistinçãopatois dialetonãoé,portanto,entredoistiposdelínguas,masentreduasfunçõesdalíngua. EmInglês,otermo patois nuncafoiadotadonadescriçãodalíngua,edialetocarregouoseu sentidodeusopopular. Dialeto éumtermoquesugerefalainformaloufalaruralouaindafaladeclasse socialmaisbaixa.comoumanormasocial,umdialetoéumalínguaqueéexcluídadasociedadepolida.um LETRAS 74

7 americanosentesemenosofendidosealguémreferirseaeledizendoquefalacomo sotaque dessaou daquelaregião,doquesedisserqueelefalaumdialeto. Falando de dialeto, podemos também estabelecer uma distinção entre dialeto social e dialeto regional.oprimeirodizrespeitoaostatussocialaquesepertence;oúltimo,àregiãodeondeseéoriginado. A distinção entre língua e dialeto remetenos a duas claras distinções: uma estrutural e outra funcional.aestruturaltemavercomoaspectodescritivodalínguaemsi;afuncionaltemavercomoaspecto descritivodeseususossociaisnacomunicação.considerandoqueoestudodaestruturalinguísticaévisto comotarefacentraldoslinguistasformais,cabe,aossociolinguístas,oestudofuncional. Aodiscutirmosarelaçãoentredialetoelíngua,devemosincluirtambém anação.emvistadisso, podemosestabelecerquatroaspectosdodesenvolvimentodalínguaquesãocruciaisparaumdialetotornar seumlíngua,oumelhor,passardousovernacularparaousopadrão: (1)seleçãodanorma; (2)codificaçãodanorma; (3)elaboraçãodafunção; (4)aceitaçãopelacomunidade. Asduasprimeirassereferem,principalmente,àforma;asduasúltimas,àfunção.Aprimeiraea últimaestãovoltadasparaasociedade;asegundaeaterceira,paraalíngua.essesquatroaspectosformam umamatrizquepodepossibilitarnosdiscutirtodososprincipaisproblemasdalínguaedodialetonavidade umanação.. Por fim, vale a pena chamar a atenção para o fato de que o estudo do dialeto é campo da Dialectologia.Umadisciplinaque,noBrasil,temmuitosadeptos,comoveremosnasegundapartedeste material. ATIVIDADE:Reflitasobreasseguintesquestões: SobreoPortuguêsfaladonoBrasil,oqueserialínguaeoqueseria dialeto? Queexemplosjustificariamasuaresposta? Façaumlevantamentodealgunsitenslexicaisqueconsideraserem específicosdesuaregião. LETRAS 75

8 Sotaque e dialeto Emgeral,écomumpercebermos,nosfalaresregionaisbrasileiros,determinadasmarcasquenão estãoatreladas,porexemplo,aaspectossegmentais,ouseja,aoselementosqueconstituemaspalavras. Facilmentesabemosquandoestamosouvindo, porexemplo,umbaiano,ummineiro,umcarioca,umgaúcho etc,apenaspelosotaquequecadaumdelestemdepeculiar.écomosecadaumtivessesuamelodia,eessa melodiasoanos,diferentemente,comomaislenta,maisrápida,maisagradávelounãoetc. Háquempensequequandofalamosemsotaque,estamosfalandodeusodiferenciadodositens lexicais.nãoéistoqueéosotaque.éfácilobservarmosamusicalidadequeexistenofalardecadaregião,e mesmodecadaestadobrasileiro.amusicalidadequehánofalarbaianoétotalmentediferentedaquelado carioca,porexemplo.emesmoobaianodointeriorvaiterumamusicalidadediferente.nãoéofatodeo baianofalar oxente o mineirofalar uai,ogaúchofalar tchê quecaracterizaosotaque.estesitens constituemasmarcasdialetaisquecaracterizamessesfalares. Emtermosbemgerais,émuitocomumquecadaindivíduoestabeleçaumjuízodevaloracercada falaqueestásendoouvida:maiscantada,menoscantada,maiselegante,maisbregaetc.issocaracterizao que se chama de sotaque, que pode ser entendido como uma forma determinada de pronunciar uma variedade,masconsiderandooaspectoprosódicoou,comonosreferimos,anteriormente,melódico. Associadasaosotaque,podemencontrarmarcassegmentaisqueenvolvemprincipalmenteaspectos fonéticos.cadafalantenobrasil,acreditamos,devesercapazdeidentificarossotaquesdedeterminados grupos,associandolheumdeterminadoaspecto. Se pensarmos em termos segmentais, podemos verificar que os diferentes falares brasileiros tambémtêmmarcascaracterísticas.logopercebemosqueocariocafala chiando,istoporqueéfortea palatalizaçãodasfricativascoronais[s,z]entreeles;queopaulistadointerior,algunsmineiros,paranaenses etc.produzemum erre bastantediferentedoencontradoemoutrosestados,denominadoderetroflexo; quemuitosnordestinosproduzemasoclusivasdentais/t/e/d/,antesdavogal[i] ],bemdiferentesdeoutras partes do Brasil. Esses aspectos caracterizam falares de determinados grupos, mas somente eles não caracterizamosotaque. Nãodevemosconfundirsotaquecomdialeto.NoBrasil,apalavradialetotemamesmaacepçãode falar.diferentedeoutrospaísesqueconvivemcomdiferençasdialetaisbemacentuadas. Agoraé com você Verifiquenasuacomunidadeoquenafalaatornadiferentedeoutrascomunidades. Apartirdaverificaçãoanterior,comovocêreageaessasmarcasdiferenciadoras? LETRAS 76

9 Registro e Estilo Semprefazemosmuitaconfusãoquandoprocuramosdefinirregistroeestilo. Otermoregistroestámaisligadoaousodoqueaousuário.Aodefinirmosregistro,éimportante consideraracircunstânciaeopropósitodasituaçãocomunicativa. Oregistropodeserdefinidosobdoisângulos:restritoouamplo. Quandopensamosdeformarestrita,oregistropodeservistocomoumavariedadeocupacionalda língua.dessaforma,sãoconsideradosregistroquaisquerformasdefalarutilizadaspordeterminadosgrupos quefazempartedeumadadaáreadeconhecimento:advogados,médicos,técnicosemcomputaçãoetc.e quanto a isso, é interessante observarmos que, se não pertencemos a uma dessas áreas, dificilmente entederemosoqueelesdizemouescrevem,senãotivermosoauxíliodealguémdaárea.aexperiêncianos dizqueépraticamenteimpossívelacompanharmos,porexemplo,asanotaçõesnosprocessosjudiciaisquesão veiculadospelainternet.semprevamosbuscarajudaentreoscolegasdojudiciárioparaqueacomopreensão nãosejaprejudicada. Deformaampla,oregistropodeservistocomoumtipodegênerosocialdousolinguístico,poderia equivaleraumtipodegênerotextualoudiscursivo.assim,umafalasobrecomosefazerumbolo,uma receita,seriaumtipoderegistro. Emgeral,oregistrousadoporpessoascomníveldeescolaridademaisaltoapresentasecomomais elaboradodoqueoutilizadoporpessoascommenosescolaridade. Nocontextodoestudosociolinguístico,oestiloserefereàvariaçãodentrodosregistrosquepodem representarasescolhasindividuaisaolongodasdimensõessociais.umadimensãoestilísticadentrodeum registroseriaaescalanocontinuumformalidade casualidade.essaéumavisãoquefoitrabalhadanosanos 1960porWilliamLabov. Amaioriadosestilossãopensadoscomoescalas,indodomaisformalaomaiscasual,commuitas gradações entre si. Outras escalas estilísticas incluem relações como: impessoal íntima, monolóica dialógica,formulaica criativaeassimpordiante.todasessaspossibilidadespodemserescolhaslinguísticas dosenunciados. Emgeral,oestiloéconsideradoumdostraçosmaisimportantesparaasociolinguísticaquantitativa, quandosetratadainterseçãodocontinuumsocialcomoestilístico.comisso,estamosdizendoque,seum traçoocorrecommaisfrequêncianafaladaspessoasdeumgruposocialmenosfavorecido,comcertezaele ocorrerácommaisfrequêncianousoinformalportodososfalantes.acondutadecadagruposocialvariade acordocomograudeformalidadeimpressoàfala,semaisformaloumaisespontâneo.assim,oestilopode passardeformalainformalporrazõesquecompreendemocontextosocial,arelaçãoentreosparticipantes, osexo,aidade,aescolaridadeeotema.emboracadagruposocialapresenteíndicedeusosdiferentesem cadaestilo,todososgrupos,àmedidaquecresceaformalidade,mudaoestilonamesmadireção.todosos gruposreconhecemodeclaradoprestígiodavariedadepadrãoepassamaelaquandoutilizamumestilomais LETRAS 77

10 formal.ograudeformalidadepodeserdefinidoemfunçãodograudeatençãoqueosfalantesprestamasua própriafalada.eéassimquelabovviuoestiloemsuaspesquisas. Seaclassesocialpode estaratreladaaessaconcepçãodeestilo,seráqueoquefoiditono parágrafoanteriorpodeaplicarseaoportuguêsbrasileiro?adificuldadeemaplicarseestáexatamentono fatodenãoseternobrasilumadefiniçãodeclassesocialmuitoprecisa.parâmetrosquefuncionampara outrascomunidades,nobrasil,nãoseaplicam.reunir,parâmetros,comofezlabovemnewyork,emnívelde ocupação,renda,localderesidênciaeescolaridadeparadefiniraclassesocialaquepertenceofalantenão funcionaaqui.sabemosque,emgeral,aclassesocialmaisaltanobrasilépensadaparaaquelesquedetém maiorpoderaquisitivo,enemsempreelessãoosquetêmmaisaltoníveldeescularidade,oqueimplicanem sempreconheceremoquedefinealínguapadrão. Muitas vezes o desconhecimento da norma por essas pessoas pode gerar um processo de hipercorreção. Suponhamosqueadistribuiçãodeumdeterminadousodalínguaapresentedesviosemrelaçãoao queseconsiderapadrão.ogrupoqueestálocalizadononívelsocialmaisaltoetambémoqueestánonível maisbaixomostammudançasdeestilotãoradicalquenosníveismaisformaisogrupoqueestásituadomais baixousaumadeterminadavariantecommaiorintensidadedoqueogrupomaisalto.essepadrãocruzadose consideraumsintomadachamadahipercorreção.aclassemaisbaixareconheceumanormaexternade correçãoesuacondutasecaracterizaporessereconhecimentoeporsuainsegurançaacercadesuaprópria fala.oscasosmaisclarosdehipercorreçãosedãoquandootraçolinguísticoemquestãoestáexperimentando umamudançacomorespostaàpressãoexercidapelanormadaclassemaisalta.ahipercorreçãopraticada pelaclassemaisbaixaaceleraaintroduçãodanovanorma.quandofalamosdessaclassemaisbaixa,não estamos falando dos grupos menos favorecidos brasileiros, mas, o que acabamos de mencionar é uma característicadaquelegrupoqueconhecemoscomoclassemédia. Outrotipodehipercorreçãodizrespeitoàproduçãoaritificaldeformasquesãoincorretas.Assim, pronúnciasaltamenteestigmatizadasseassocialmpopularmenteaochamadosotaque,embora,narealidade, possamserencontradasnaclassesocialmaisbaixadetodaacomunidade.determinadosfalantesquequerem distanciarse dessa forma de falar corrigem tais formas. Os falantes alteram esses sons porque são conscientesdoestereótipoaeleassociado,estereótipoqueindicaqueéumapronúnciaincorreta.muitas vezes, o fenômeno produz uma forma que não só é hipercorreta, mas que também inexiste na forma prestigiosa da fala que estão tentando imitar. Tais hipercorreções chegam a ser tão frequentes que se convertem,porsuavez,emestereótipos. Asdiferençasdeestilopodemserobservadasnovocabulário,nasintaxe,napronúncia. Oestiloéumadasfontesdevariaçãointernadeumalínguapadrão.Diferentesgrausdeformalidade em situações específicas produzirão diferentes variedades da língua. Normalmente, os estilos são caracterizadospelousodecertaspalavras.elepodevariaremtermosdeformalidade.assim,podemosafirmar quealínguaescritacarregamaiscaracterísticasdoestiloformal,enquantoalínguafalada,emgeral,temmais característicasdeumestiloinformal. LETRAS 78

11 Etnia, biling Em termosofic sedeveesq háaconviv alémdalin comunicam italiano,jap O etnia,sejae Ao sotaque,ou docódigop Em lingua.ness estilomaisf Qu escolha do movimento A Assim,oin utilizadopa pessoas. Bi umadicoto composto. definiçõesd Agora com você guismo, diglo mmuitospa iais,muitos quecer,entre vênciacomo gualoficial, mutilizandoa ponêsetc.,re usodalingu elaracialou ofalar,oind uumestilo,o podeserusad mgeral,os secaso,am formalpara uandosefal o código é onodomínio habilidaded ndivíduoque araaquelas linguismote omia.assim, A essas cat debilinguism Faça edu Você prof Iden faze Rela situa aé m ê ossia aísesdomu delessãode etanto,que outraslíngua umaoutra alinguamat eflexodacol ua,emboras cultural. divíduopode ouseja,usar daparaseid falantestêm mudançadec omenosfor aemmudan determinada odeumcódig defalarmais efalamaisd comunidade emsido,com podemosp tegorias estã mosurgecom aumlevanta cação,direito êachaqueo fissionaldess ntifiqueform emaoutilizar ateumaexpe ação. ndo,háum eclaradamen aoladodas as,aexemp lingua,como erna.noses onização. ejavistocom eescolherus rumcódigo dentificarcom masuadis códigopode rmal. nçadecódig a pelo dom goparaoutr sdeumalin deumaling esemqued mfrequência pensaremb ão atrelado mbloomfiel mentodeite o,música,me usodoestilo sesdomínios asdiferencia ralínguaespe eriênciaemq magrandepr temonolíng línguasofici lodaslíngua oéocasod stadosdosu mosímbolon sarumaling emdiferent moutrosfala posiçãodife eráacontece o,aelaseas mínio dos fa ro. nguaserefer gualéchama uasoumais a,definidoe ilingueparci s fatores co d,paraquem nslexicaisca edicina).dêu oinformalma sermaiscom dasderegist ecificamente ueomesmo redominânci gues,aexem aispredomi asindígenas dospovosor ldobrasil,é nacionalista, guaespecífic tesocasiões antes. erentescódig r,porexem ssociaanoçã alantes. A s reàcapacid adodemult slínguassão descritoem ialxbilingue omo proficiê mcorrespon aracterísticos umaexplicaçã aisdoqueor mpreensível? roapartirda nasuaárea. falanteutiliz iadousode plodosesta nantesnesse s.hátambém riundosdeo écomumgru podetambé aouumdia ecomdifere gos,mesmo plo,comaa ãodecodes situação de adebilíngue ilingue.esse ocomument mtermosde eideal;bilin ência, funçã nderiaaoco dealgunsreg ãoparacada registroprofi aobservação eestilosdife LETRAS 7 emaisdeu dosunidose espaísesdit mcomunida outrospaíses uposaindafa émidentifica aleto,ouum entespropó oquandofa alteraçãodo switching,se codeswitc eoumultilín etermotam tefaladaspe categoria,d guecoorden o etc. Uma ntroledofa gistrosprofis umdelesno ssionalajuda quediferent renciadosao 79 umalingua. edobrasil.n osmonoglot adesquefala squeainda alaremalem ardiferenças regitro,ou sitos.aesco laapenasu estilo,indo egundoaqua hing implica guedofalan mbémpode elamaioria deescalaou nadoxbiling das primei lantenativo ssionais(taisc oestiloinform ariaaescrita tesprofission omudara Em Não tas, am, ase mão, sde um olha uma do ala a o nte. ser das de gue iras ode como mal. nais

12 duaslínguas.deláparacá,outrasacepçõesforamadotadas,admitindose,porexemplo,queessecontrolede duaslínguasnãofossecompleto,eaíteríamosumbilinguismocaracterizadocomoincipiente. Ousodobilinguismopode,muitasvezes,contribuirparaamudançaoumortedeumadaslínguas. Emgeral,acomunidademonolínguequepassaabilinguepodeviverumasituaçãodiglóssica.Comotempo,a línguaquedetémmaiorpodernacomunidadepodecontribuirparaqueaoutrapasseaserutilizadacom menosfrequência,atéchegaraoseudesaparecimento. Os anos 50do século passado foram uma década de muitos estudos voltados parao contato linguístico,fornecendomuitosestudosdescritivoseváriaspropostasteóricas,promovendo,assim,ointeresse pelodesenvolvimentodemaispesquisas.textocomoosdeweinreich LanguagesinContacteodeHaugen BilingualismintheAmericas procuraramsalientaranecessidadedemaisestudosinterdisciplinarescom vistasàidentificaçãodefatoresextralinguísticosquepossamassociarseaestecampodeestudo. Quandoduaslínguaestãoemcontato,osfalantesdeumalínguapodemaprenderelementosda outra.essaaquisiçaodalínguanãonativaproduzobilinguismo.emboraamudançaresultantenossistemas sejamumproblemapuramentelinguístico,obilinguismoemsiéessencialmentesociológico. Vários exemplos de línguas em contato sugerem que o bilinguismo é raro caso se espere o balanceamentoentreosdoisgruposdefalantes.emgeral,oqueseobservaéquefalantesdeumdosgrupos defalatornamsemaisbilinguesdoqueoutros.istopoderesultardodomínioqueumgrupotemsobreo outro.alínguadogrupomaisforteésempremaisprivilegiada,eissofazcomqueogrupomaisfracoaprenda alínguadooutrogrupo. Visto historicamente, duas coisas podem resultar do contato linguístico em uma determinada comunidade:primeiro,obilinguismopodeserindefinidamenteprolongado,deformaqueambasaslínguas continuemaseraprendidas;segundo,umadasduaslínguaspodecairemdesuso,e,nessecaso,podeseestar diantedeumamudançalinguística,eobilinguismocessacomamortedoultimofalantedalínguaquenão estásendomaisaprendida. Falar de bilinguismo no Brasil não é algo muito comum, considerando que essa nào é uma característicadamaioriadascomunidadesbrasileiras. Nonordestebrasileiro,porexemplo,praticamenteinexisteessetipodecomunidade.Emgeral,em todaselasosindivíduosfalamapenasalinguaportuguesa.aocontrário,daregiãosul,emqueosindivíduosde váriascomunidadesdominammaisdeumalingua. Nas comunidades em que duas variedades de lingua são usadas, e onde há uma divergência funcionalinstitucionalizadanouso,dizemoshaverdiglossia.situaçãodiglóssicaéaquela,portanto,emque convivemduaslínguas,cadaumadelasservindoparaumdeterminadofim.sabemosquehácomunidades indígenasnobrasil,comfortepredomíniodoportuguês,mascomautilizaçãodalinguaindígenaparafins,por exemplo,religiososeculturais.podemosafirmarqueumasituaçãodiglóssicacorrespondeaumadistribuição complementar,ouseja,ondeumalínguaforusadaaoutranãooserá. LETRAS 80

13 Umdosmaisimportantestraçosdadiglossiaéaespecializaçãodecadaumadasvariedades.Em determinadassituaçõesapenasumavariedadeéapropriada,enquantoqueemoutrassituaçõessóaoutra variedadeéqueéapropriada. O estudo das diglossias é de grande valor para que se entendam os processos de mudança linguística. Agoraé com você Pidgin e crioulo Façaumlevantamentodeitenslexicaiscaracterísticosdealgunsregistros profissionais. Relateumaexperiênciaemqueomesmofalanteutilizeestilosdiferenciadosao mudardesituação. Emgeral,todasaslínguasnaturaistiveramorigememoutraslínguasaqueestãoestreitamente relacionadas.podemosidentificaroprocessodenascimentoedematuraçãodeumalinguacomoresultadode línguaspidginecrioulas. Emduascomunidadescomcontatoprolongado,emgeralsedesenvolveumalínguafranca,ouseja, umalínguacomum.istopodeacontecerdequatroformas:umalínguadecontato,umalínguaauxiliar,uma línguainternacionalouumlínguadecomércio. OLatim,porexemplo,apartirdocontatoentreváriaslínguasdesenvolveumuitasformasque, em seguida,resultaramemoutraslínguas,aexemplodoportuguês,francês,italiano,espanhol,romenoetc. Entendemosporlínguaauxiliarlínguasartificiaiscriadascomdeterminadosfins.OEsperanto,por exemplo,éumadelas.emgeral,elastêmvocabuláriotécnicoaltamenterestrito.houvemomentos,emque pesnamosqueoesperantoseriaalínguaqueserviriaparaacomunicaçãoentretodosospovosfalantesde diferenteslínguas.umasériededificuldades,entretanto,nãoapromoveuaessestatusdelínguaunificadora. Umalínguainternacionalseprestaparaacomunicaçãocomdiferentespaíses.OInglês,porexemplo, éutilizadomundialmentepordiferentescomunidades.naaméricalatina,omesmoacontececomoespanhol, visto que os diferentes países a utilizam. Viajando pela Europa, que reúne países com línguas oficiais diferenciadas,podemosperceberqueoinglêstemessecaráterdelínguainternacional. Há situações em que comunidades em contato necessitam de uma língua comum com fins comerciais. Quandoocontatoentrediferentesgruposémaisprolongado,umalínguahíbridapodesurgir,aessa línguadáseonomedepidgin.emgeral,istoaconteceemsituaçõesondeumalínguadominaasdemais.desta LETRAS 81

14 forma,oselementosdasintaxeedoléxicodecadaumadaslínguassãosimplificadosecombinadosparaque hajacompreensãoentreosfalantes. Apesardeopidginterelementosreconhecíveisdecadaumadaslínguasqueoconstituam,elenãoé simplesmenteumaforma quebrada deumadaslínguas:ospidginstêmsistemasderegrasquedevemser aprendidos.consequentemente,aslínguaspidgintendematerumvocabuláriorestrito,umsistemasintático simples, e também têm uma limitada quantidade de funções (comércio local, negócios relacionados a casamento,disputasdeterras,porexemplo).qualquerumqueuseopidginsempreterásualínguanativa própria,eousaráapenasquandofornecessário. Ospidgins,normalmente,sãoencontradosemáreaslitorâneas,esurgiramtipicamenteno períododascolonizações.poressarazão,ospidginstendemaserbaseadosnaslínguasdoscolonizadores europeus:francês,holandês,espanhol,portuguêseinglês.quaseametadedetodosospidginsecrioulostêm oinglêscomoelemento.emgeral,seupapelestádiretamenterelacionadoaquestõesdeordempolíticae social.quandosedizqueospidginsoucrioulossebaseiamnestaounaquelalínguaéporqueamaiorpartedo vocabulário foi tomado da língua em questão, enquanto a estrutura gramatical tem influência de outras línguas,geralmenteconhecidascomosubstrato.assim,crioulodebasefrancesasignificaqueelatomoudo francêsmaiorpartedoseuvocabulário.noestadodoamapá,naregiãodooiapoque,podeseencontrar exemplodecrioulodebasefrancesa. Quandoumpidgintornaseumcrioulo? Umpidgintornaseumcriouloquandoeleforadquiridocomolínguamaternadeumanovageração. Nessascircunstâncias,ospidginsrapidamentedesenvolvemummaiornúmerodefonemas,umvocabulário maisamplo,sintaxemaiscomplexaeumagrandevariedadedeopçõesestilísticas,permitindoaousuário opçõesdeescolhas,dependendodasituação.contudo,nemtodopidgintornaseumcrioulo,e,àsvezes,um pidgineumcrioulopodemcoexistiremcentrourbanoserurais. Levandoemconsideraçãoaspectoshistóricos,geográficoselinguísticos,podemosreconhecerdois grandesgruposdelínguascrioulas:asdoatlânticoeasdopacífico.asprimeirastiveramsuaformaçãonos séculosxviiexviii,nocaribeenaáfricaocidental,enquantoasúltimas,tiveramsuaorigem,principalmente, noséculoxix.asdoatlântico,resultaram,emgeral,docomérciodeescravosnoocidentedaáfrica,deonde veiograndenúmerodeescravosparaseremdistribuídosentreospaísesatravésdocaribe.tambémdoreino Unidomuitasdelasforamtransplantadaspelosseusimigrantes.AslínguascrioulasdoAtlânticopossuemum mesmosubstrato,oquejustificacompartilharemmuitosdeseustraços. AslínguascrioulasdoPacíficotêmsubstratoconstituídopordiferenteslínguase,alémdisso,tiveram condiçõessocioculturaisdiferentesdasdoatlântico.nasduasáreas,oaparecimentodospidginstiveramforte influênciadasplantações,apesarde,nopacífico,ostrabalhadoresnãoserem,emgeral,escravos;sim,homens recrutadosecontratados.istocontribuiuparaqueoprocessodecrioulizaçãodopacíficofossemaisgraduale menosabruptodoqueodoatlântico. LETRAS 82

15 Cr ounenhum pressãodo desenvolve Di faladoport elitessociai comoéoc exemplo,in Ca asvariedad ignorância. escolaseos contrárioo Ap reconhecim oscrioulos viaderegra Etnia, biling Em termosofic sedeveesq háaconviv alémdalin comunicam italiano,jap O etnia,sejae Agora com você rioulos,como mainterferên poderlocal rse. iferentesfor trabalhadore is,oacroleto casodoinglê ndianização, asoapressã desbasiletai Nessascircu sjornaisnão crioulopode pesardeser mentooficial mudemdes a,osgoverno guismo, diglo mmuitospa iais,muitos quecer,entre vênciacomo gualoficial, mutilizandoa ponêsetc.,re usodalingu elaracialou aé m ê oosafricano nciadalíngu empresenç rmasdocriou esmanuais,v o,comvarie êsjamaicano americaniza odepoderd semesolet unstâncias,o outilizam. edesaparece remmuitou nospaisese statuseseja ossemantêm ossia aísesdomu delessãode etanto,que outraslíngua umaoutra alinguamat eflexodacol ua,emboras cultural. NoBrasil, falado.bu posicionam os,podemde uaparentee çadalíngua ulopodemt variedadeba dadesentre o.istoépar çãoeassim dopadrãolo taistornam ogovernoloc Excetoalea eraoperder utilizadaspe emquesãof mnormaliza momissos. ndo,háum eclaradamen aoladodas as,aexemp lingua,como erna.noses onização. ejavistocom existeumag usquealitera mentossobre esenvolvers européia.co padrão.nes ornarsesoc asiletal;uma si,omesole tedeumpr pordiante). ocalsejamu seestigmat calsemprep ldadeàlíngu todososseu lapopulação faladas.ling ados,afimd magrandepr temonolíng línguasofici lodaslíngua oéocasod stadosdosu mosímbolon grandediscus turapertinen eapresença seapontode ontudo,muit sascircunstâ cialmenteest variedadem eto.oacrole rocessomais itoforte,oc tizadaseass proíbeouso uaeoprestíg usfalantes. o,amaior guistasdoca epoderems redominânci gues,aexem aispredomi asindígenas dospovosor ldobrasil,é nacionalista, ssãoacercad nteeapresen do crioulo esetornarem toscrioulos âncias,umc tratificadas: maisligadaà etopodeevo samplo,con crioulopode sociadascom docrioulo,c giocoberto, partedaslín aribeedopa serutilizado iadousode plodosesta nantesnesse s.hátambém riundosdeo écomumgru podetambé abasedopo nteosdiferen noportuguê LETRAS 8 mlínguasliv baseadosno continuumpó ocriolulopl formapadrã oluirparaum nhecidocom etornarsed mafaltade considerado ouimplícito nguascrioula acíficotêml scomfinse emaisdeu dosunidose espaísesdit mcomunida outrospaíses uposaindafa émidentifica rtuguêsaqui ntes sbrasileiro. 83 vres,compou oinglêssofr óscrioulopo lenamenteli ão,faladape manovalíng moxização( descreolizado eletramento impróprio,e o,asustenta, asnãogoza utadoparaq ducativos,m umalingua. edobrasil.n osmonoglot adesquefala squeainda alaremalem ardiferenças uco rem ode ivre elas gua, por o,e oe eas,do de que mas, Em Não tas, am, ase mão, sde

16 Aofalar,oindivíduopodeescolherusarumalinguaespecíficaouumdialeto,ouumregitro,ouum sotaque,ouumestilo,ouseja,usarumcódigoemdiferentesocasiõesecomdiferentespropósitos.aescolha docódigopodeserusadaparaseidentificarcomoutrosfalantes. Emgeral,osfalantestêmasuadisposiçãodiferentescódigos,mesmoquandofalaapenasuma lingua.nessecaso,amudançadecódigopoderáacontecer,porexemplo,comaalteraçãodoestilo,indodo estilomaisformalparaomenosformal. Quandosefalaemmudançadecódigo,aelaseassociaanoçãodecodeswitching,segundoaquala escolha do código é determinada pelo domínio dos falantes. A situação de codeswitching implica o movimentonodomíniodeumcódigoparaoutro. Ahabilidadedefalarmaisdeumalinguaserefereàcapacidadebilíngueoumultilínguedofalante. Assim,oindivíduoquefalamaisdeumalingualéchamadodemultilingue.Essetermotambémpodeser utilizadoparaaquelascomunidadesemqueduasoumaislínguassãocomumentefaladaspelamaioriadas pessoas. Bilinguismotemsido,comfrequência,definidoedescritoemtermosdecategoria,deescalaoude umadicotomia.assim,podemospensarembilingueparcialxbilingueideal;bilinguecoordenadoxbilingue composto. A essas categorias estão atrelados fatores como proficiência, função etc. Uma das primeiras definiçõesdebilinguismosurgecombloomfield,paraquemcorresponderiaaocontroledofalantenativode duaslínguas.deláparacá,outrasacepçõesforamadotadas,admitindose,porexemplo,queseessecontrole deduaslínguasnãofossecompleto,eaíteríamosumbilinguismocaracterizadocomoincipiente. Ousodobilinguismopode,muitasvezes,contribuirparaamudançaoumortedeumadaslínguas. Emgeral,acomunidademonolínguequepassaabilinguepodeviverumasituaçãodiglóssica.Comotempo,a línguaquedetémmaiorpodernacomunidadepodecontribuirparaqueaoutrapasseaserutilizadacom menosfrequência,atéchegaraoseudesaparecimento. Os anos 50do século passado foram uma década de muitos estudos voltados parao contato linguístico,fornecendomuitosestudosdescritivoseváriaspropostasteóricas,promovendo,assim,ointeresse pelodesenvolvimentodemaispesquisas.textocomoosdeweinreich LanguagesinContacteodeHaugen BilingualismintheAmericas procuraramsalientaranecessidadedemaisestudosinterdisciplinarescom vistasàidentificaçãodefatoresextralinguísticosquepossamassociarseaestecampodeestudo. Quandoduaslínguaestãoemcontato,osfalantesdeumalínguapodemaprenderelementosda outra.essaaquisiçaodalínguanãonativaproduzobilinguismo.emboraamudançaresultantenossistemas sejamumproblemapuramentelinguístico,obilinguismoemsié,essencialmente,sociológico. Vários exemplos de línguas em contato sugerem que o bilinguismo é raro, caso esperemos o balanceamentoentreosdoisgruposdefalantes.emgeral,oqueobservamoséquefalantesdeumdosgrupos defalatornamsemaisbilinguesdoqueoutros.istopoderesultardodomínioqueumgrupotemsobreo outro.alínguadogrupomaisforteésempremaisprivilegiada,eissofazcomqueogrupomaisfracoaprenda alínguadooutrogrupo. LETRAS 84

17 Visto historicamente, duas coisas podem resultar do contato linguístico em uma determinada comunidade:primeiro,obilinguismopodeserindefinidamenteprolongado,deformaqueambasaslínguas continuemaseraprendidas;segundo,umadasduaslínguaspodecairemdesuso,e,nessecaso,podeseestar diantedeumamudançalinguística,eobilinguismocessacomamortedoultimofalantedalínguaquenão estásendomaisaprendida. Falar de bilinguismo no Brasil não é algo muito comum,, considerando que essa nào é uma característicadamaioriadascomunidadesbrasileiras. Nonordestebrasileiro,porexemplo,praticamenteinexisteessetipodecomunidade.Emgeral,em todaselasosindivíduosfalamapenasalinguaportuguesa..aocontrário,daregiãosul,emqueindivíduosde váriascomunidadesdominammaisdeumalingua. Nas comunidades em que duas variedades de lingua são usadas, e onde há uma divergência funcionalinstitucionalizadanouso,dizemoshaverdiglossia.situaçãodiglóssicaéaquela,portanto,emque convivemduaslínguas,,cadaumadelasservindoparaumdeterminadofim.sabemosquehácomunidades indígenasnobrasil,comfortepredomíniodoportuguês,mascomautilizaçãodalinguaindígenaparafins,por exemplo,religiososeculturais.podemosafirmarqueumasituaçãodiglóssicacorrespondeaumadistribuição complementar,ouseja,,ondeumalínguaforusadaaoutranãooserá. Umdosmaisimportantestraçosdadiglossiaéaespecializaçãodecadaumadasvariedades.Em determinadassituaçõesapenasumavariedadeéapropriada,enquantoque,emoutras,sóaoutravariedadeé queéapropriada. Oestudodasdiglossiasédegrandevalorparaqueentendamososprocessosdemudançalinguística. Agoraé com você Relatesituaçõ õesemquealínguafaladarefletecadaumdosconceitosdessaseção. As línguas e a sociedadee Quantaslínguasexistemnomundo? Estanãoéumaperguntafácildeserrespondida..Alémdofatode,porquestõespráticas,serdifícil estabelecermos esse número, existe o problema de, muitas vezes, estarmos diante de um continuum linguístico,ondeasfronteirassãodifíceisdemarcarmos. Desdeasúltimasdécadasdoséculopassado,muitoslinguistastêmdesenvolvidoestudosvoltados paraumagrandequantidadedelínguas.todosessesestudosresultamnaconclusãodequenãohárazões LETRAS 85

18 linguísticasparadizermosqueumalínguaésuperiorouinferioremrelaçãoaumaoutra.comisto,podemos afirmar que todas as línguas podem gozar do mesmo status. Todas elas são constituídas de sistemas complexosesãoigualmenteválidasparaseusfins. Éverdadequeaslínguasdiferem,maselasdiferemapenasnoqueelastêmadizer,nãonoqueelas podemdizer.àsvezes,emumalíngua,precisamosdeapenasumapalavraparadizermosoqueemoutra seriamnecessáriasduasoumais.algumaslínguaspodemtervocabuláriomaisamplosobrealgunstópicos, masistoé,simplesmente,umreflexodasnecessidadesdosseusfalantes. Ofatodenenhumalínguasermelhordoqueoutraédesumaimportânciaparaopapeldalínguana educação.nocasodoportuguêsfaladonobrasil,querepresentaumasólínguacomalgumasdiferenças quandosecomparafalaresdediferentesregiões,nãopodemosdizerqueumfalarésuperiorouinferiora outro.todososfalaressãoigualmentecomplexos,estruturadosesistemaslinguísticosválidos.nãoexiste evidênciaparasugerirmosqueumfalarsejamaisexpressivo,maislógicodoquequalqueroutro,oupostular queháfalaresquesãomaisoumenosavançados,quandosãocomparados. OsestudosrealizadosnoBrasilsobreosdiferentesfalarestêmabordadoquestõesdenatureza fonológica,sintática,lexical,semântica,discursivaetc.podemosafirmarquetaisdiferençasnãoafetamo sitemagramaticaldalíngua.acorrelaçãoentreoquesefalanonorteenosul,oucasosedesejecomparar outras regiões, não acarreta problemas de compreensão entre os falantes, e, quando isso acontece, é facilmenteresolvido.temos,muitasvezes,diferençasentreosfalaresquedizemrespeito,principalmente,ao usodecertositenslexicais.isto,podemosdizer,refletequestõesculturaislocaisinerentesàcomunidade. Muitaspessoaspodemnãoconcordarcomaidéiadequetodososfalaressãoigualmente bons. Elaspodemacharqueofalardosudesteémelhordoqueodonordesteeviceversa.Paraessaspessoas,a língua padrão do Brasildeve ser a de sua região. Atitudes dessa natureza não têm fundamento no fato linguístico. Não há parâmetro linguístico para avaliar um falar ou sotaque como melhor ou pior do que qualqueroutro. Casoquestionemosseasatitudesemrelaçãoàformadefalarsãodecaráterlinguísticoousocial,a respostaéquenãosão,completamente,decaráterlinguístico.elassãoatitudessociais.julgamentosque parecemser,naverdade,sobrealíngua,são,defato,julgamentosbaseadosnosvaloresculturaisesociais,e têmmuitomaisavercomaestruturasocialdacomunidadedoquecomalíngua.oqueaconteceéque,em qualquersociedade,diferentesgruposdepessoassãoavaliadasdediferentesformas.algunsgrupostêmmais prestígioestatusdoqueoutro,e,comoresultado,asformasdefalaresotaquesassociadosaessesgrupos tendemasermaisfavoravelmenteavaliadosdoqueoutrosfalaresousotaques. Algumas pessoas podem acreditar que existem bons e maus falantes devido às conotações sociais,maisdoquepelofatodeacreditaremqueelessãoinerentementesuperioresouinferiores.épossível quesuasavaliaçõesdigamrespeitomuitomaisaosdiferentessotaques.esses,sm,emgeral,sãoavaliados comounssendomelhoresdoqueoutros.háquemdigaqueossotaquesdosuledosudestesãomais agradáveis,maisatrativos,maisbonitos,maischarmosos,equeosdonordestesãomaisfeios,maisbregaetc. LETRAS 86

19 Taisjulgamentos,comcerteza,sãodeordemestética,comonocasodosfalares,portrásdessesjulgamentos estãoasconotaçõessociais. Nãoédifícilprovarqueissoéverdade.Primeiro,aavaliaçãodosotaquetemavercomaclasse social.pessoasdeclassesocialmaisaltasãoacreditadasteremumsotaquemaisbonito,ofeioestáassociado àspessoasdeclassessociaismenosprivilegiadas.segundo,nãoéraroossotaquesconsideradosfeiosestarem vinculadosazonadehabitaçãodaspessoas.pessoasdezonarural,emgeral,sãoconsideradasteremo sotaquefeio.etambémissoseestendeàregião.nordestinostêmsotaquefeio,afirmarãoaspessoasdosule do sudeste. Nordestinos têm sotaque bonitinho, engraçadinho, também dizem eles. No Brasil, tais atitudes, chegam a ser preconceituosas, com reflexos em vários campos do cotidiano. O sotaque regional, muitasvezes,podeinfluenciasnaconcessãode,porexemplo,postosdetrabalho.eissoocorrenobrasilcomo umtodo. Atéaqui,vimosqueosjulgamentossobrealgumasvariedadescomosendomelhoresdoqueoutras nãotêmbasenofatolinguísticoequeomesmotambéméverdadeparaosjulgamentosestéticossobrea relativaatratividadedediferentessotaques.oportugêspadrão,valedizer,estáassociadoafalantesdestatus maisaltonacomunidadeetemprestígioapenasporessarazão.paramuitaspessoas,naverdade,oprestígio doportuguêspadrãoétãoaltoqueelesnãosóoconsideram bom,nosentidoreferidoanteriormente,mas também o consideram correto. Não poucas vezes, as pessoas entendem que determinados usos são consideradoscorretoseoutrossãoconsideradoserrados. Quandoalguémdizqueumaformadefalaré ruim,elarealmenteestásereferindoaostatussocial baixodofalar.omesmoéverdadeparaanoçãodecorreção.traçosgramaticaisquesãovistoscomocorretos são,exatamente,aquelesquetambémsãoconsiderados bons,porcontadesuasimplicaçõessociais. De um ponto de vista puramente linguístico, não faz sentido falarmos de certo e errado em língua.assimcomoninguémsugeririraqueumalínguaémaiscorretadoqueoutra,nãohárazãoparase acreditarqueumfalarsejamaiscorretodoqueoutro. Apesar disso, temos de reconhecer que muitas pessoas acreditam que algumas construções e pronúncias do Português sejam erradas. Algumas razões devem ser colocadas para sustentar essa visão. Primeiro, podemos alegar que uma determinada forma seja um erro. Professores que desconhecem, por lacunaemsuaformação,osconceitoslinguísticosatreladosaessasnoções,têm,emgeral,ohábitodenomear aqueleusodalínguaquenãoestádeacordocomanormagramaticalcomosendoerrado..emrelaçãoaisso, podemoselencarumagrandequantidadedeexemplosnosdiferentesníveislinguísticos,sejadafonologia,da morfologia,dasintaxeetc. Segundo,todososfalarestêmgramáticaseelassãotodasiguaisnoverdadeirosentidodapalavra. Gramática é um termo que, dentre outras coisas, se refere à forma como as palavras são combinadas nas sentenças,etambémàsrelaçõesqueexistementreassentenças.elatambémsevoltaparaasfunçõesdas diferentes partes da fala e para as restrições sobre que combinações de palavras são possíveis. Visto que essessãoproblemasqueseafetamigualmente,todososfalaresdevemserconsideradostergramática. LETRAS 87

20 Um deveserco Ao diferençasd línguamais Francêsabs seummode Qu pararegula nãodesejav Na daprópria sualínguat No escrita,nor padrão,con aspectoslin suaformad muitoscida LETRAS 88 madasgran nsideradapa ofalarmosd degrau,me padronizada sorveumuito eloparaout uandooses ralíngua,a vaduplicaro afrança,com nação.com ornouseum obrasil,em rteadapelag nsiderandoa nguísticos.a defalacomo dãos. 8 desdificulda adrão. delínguapad esmoentrea a;maisdoq osdeseusco raslínguasp scritoresingl idéiadeum oqueelesvia moemoutro oaspessoas mveículoeu mgeral,quan gramátican apenasafala Associedade oapadrão,g Ativid Você justif Emg ems acom Que outra Emc Aspe pode pode adesemrela drão,nãode aslínguasbe ue,porexem onceitosdec padrão. eses,noséc ainstituição amcomotira ospaíses,o sdesenvolve msímbolod ndopensam ormativa,qu a.aofazerm sbrasileiras gerandopre dade êachaque,n fique. eral,quando etratandod modaçãoling aspectosde asregiões?o asoafirmativ ctosrelacion emterusodi ecorrelacion açãoaoportu evemosesqu emestabelec mplo,oinglê correçãoede culoxviii,de assimveiod aniadofranc processode eramumsen desuaunidad mosemlíngu ueatornau osisto,entr quedetêm conceitosqu nobrasil,exis oaspessoas decidadesde uística.quai suavariedad Ofatodeusa vo,dequen nadosàlíngu iferenciados arseaisso? uguêsfalado uecerqueela cidas.daslí êseoalemão eelaboração ebateramse dofrancês.a cês. padronizaçã ntidodecoe de. uapadrão,s uniformede rarãoemjog maiorpode uesãonociv stepreconce mudamdeu eregiõesdife isosaspecto delinguística aralínguaco atureza? ua,comofon dependendo?dequeform onobrasilé anãoconsti nguaseurop o.emsuahe ointelectual, epoderiamc Apropostaf ãoesteveint esãoemtorn sempreobse norteasul gointeresses er,namaior vosediscrim eitolinguístic umacidadep erentes,oco osdalínguaq avocêacred omousajálh nologia,sinta odaregião. ma? definirmosa ituiumacate péias,ofran erançaimedi,comissoo criarumaac foirejeitada timamentel nodeumgo ervamosma.nãopodem soutrosque iadasvezes matórios,afet co?emcaso paraoutra,p rreumproce quesãoating itaserdifere hecausoualg axe,morfolo Achaqueos avariedadeq egoriaclara; ncêsé,talvez iatadolatim francêstorn cademiaingl porqueoing igadoàhistó overnocomu aisasuafor mospensar eextrapolam s,reivindicam tandoavida afirmativo, principalmen essode gidosprimei entedode gumproblem gia,semânti statusdofal que ;há z,a m,o ou esa glês ória um, rma em mos ma ade nte ro? ma? ca, ante

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS Karina Ávila Pereira (UFPEL) Apoio financeiro: Capes - bolsa de Mestrado A pesquisa de mestrado

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita 2º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998.

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 1) Comentar a citação inicial de William Labov. R:

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS?

HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS? HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS? Wéllem Aparecida de FREITAS Prof. Joyce Elaine de ALMEIDA BARONAS (Orientadora) RESUMO Nos últimos anos, pesquisadores da área de linguagem vêm desenvolvendo

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA INTRODUÇÃO Ariosvaldo Leal de Jesus (FSLF) 1 Considerando que não é mais possível pensar o ensino de uma língua, hoje,

Leia mais

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual SOCIOLINGUÍSTICA A LÍNGUA E SUAS VARIAÇÕES Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual Qualquer comunidade formada por indivíduos socialmente organizados dispõe de recursos e métodos

Leia mais

VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com

VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com INTRODUÇÃO Os que se detêm na análise mais acurada dos fenômenos lingüísticos percebem

Leia mais

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS Aline Almeida de Araújo 1 RESUMO A sociolinguística estuda as variações do meio social, procura entender e explicar as várias maneiras de expressão dos falantes.

Leia mais

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA Cristiane Toffanello Mestranda UniRitter/Laureate International Universities Cristoffi@hotmail.com SOCIOLINGUÍSTICA

Leia mais

Variação linguística nas aulas de língua portuguesa: uma abordagem acerca da eficiência da aplicabilidade dos PCN

Variação linguística nas aulas de língua portuguesa: uma abordagem acerca da eficiência da aplicabilidade dos PCN Variação linguística nas aulas de língua portuguesa: uma abordagem acerca da eficiência da aplicabilidade dos PCN Izete de Souza LIMA 1 Resumo Este trabalho foi realizado a partir de questionamentos em

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

DISCUSSÕES E ESTRATÉGIAS PARA VENDER A EMPRESA FAMILIAR

DISCUSSÕES E ESTRATÉGIAS PARA VENDER A EMPRESA FAMILIAR DISCUSSÕES E ESTRATÉGIAS PARA VENDER A EMPRESA FAMILIAR 1 EMPRESAS FAMILIARES 2 EMPRESAS FAMILIARES Representam os esforços e lutas de uma ou mais gerações de uma família. Ajudam a formar a identidade

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL Ferreira, Aparecida de Jesus Unioeste/Cascavel A língua Inglesa sem dúvida é, hoje, a língua mais falada e utilizada no mundo como língua

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

13º CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO IP/PUC-SP 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE LUSOFONIA

13º CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO IP/PUC-SP 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE LUSOFONIA 13º CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO IP/PUC-SP 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE LUSOFONIA Mônica Vicente Marinho Gerhardt (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) Mestranda em Língua Portuguesa

Leia mais

Palavras-chave: bilinguismo; identidade cultural; cenário de imigração; língua italiana.

Palavras-chave: bilinguismo; identidade cultural; cenário de imigração; língua italiana. POSSO APRENDER SOBRE A CULTURA ITALIANA E GOSTO DE CONHECER MINHAS ORIGENS : A LÍNGUA ITALIANA EM CONTEXTO PLURILÍNGUE Deise Stolf Krieser (PPGE/FURB) deise.st@ibest.com.br Maristela Pereira Fritzen (PPGE/FURB)

Leia mais

A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA

A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA Joseilson Jales Alves (graduando em Letras/Espanhol na UERN) Maria Graceli de Lima (Pós-graduanda em Letras PPGL/UERN) Maria Lúcia

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS Abril 2015 2ºCiclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Prova 06/2015 Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90 minutos + 15 minutos

Leia mais

HETEROGENEIDADE LINGÜÍSTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

HETEROGENEIDADE LINGÜÍSTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA HETEROGENEIDADE LINGÜÍSTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Sandra Regina CECILIO (PG - UEL) Cleusa Maria Alves de MATOS (PG - UEL) ISBN: 978-85-99680-05-6 REFERÊNCIA: CECILIO, Sandra Regina; MATOS, Cleusa

Leia mais

Palavras chaves: Oralidade. Ensino e aprendizagem. Língua materna

Palavras chaves: Oralidade. Ensino e aprendizagem. Língua materna A ORALIDADE NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE LÍNGUA PORTUGUESA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 Maria Betânia Dantas de Souza - UFRN Márcia Rejane Brilhante Campêlo - UFRN Departamento do Programa de

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Pretende se com este questionário conhecer a sua opinião sobre o (Ensino do) Português no Estrangeiro. Não existem respostas certas ou erradas.

Leia mais

MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO

MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) SIGNO FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO SUBSTÂNCIA DE EXPRESSÃO (semioticamente formada) MATÉRIA DE EXPRESSÃO

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A)" NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A) NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A)" NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO Gabriel Nascimento dos Santos (UESC) gabrielnasciment.eagle@hotmail.com Maria D Ajuda Alomba

Leia mais

Política de alimentação escolar para populações indígenas

Política de alimentação escolar para populações indígenas Política de alimentação escolar para populações indígenas IV Encontro do Programa Nacional de Alimentação Escolar 25 a 28 de novembro de 2008 Profª Dulce Ribas Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número e invariáveis [isto, isso, aquilo]. Eles assinalam a posição

Leia mais

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número: este, esse, aquele. Existem três invariáveis:

Leia mais

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ Daniele Reinke 1 ; Cristian Rolin de Moura 2 ; Mary Neiva Surdi da Luz 3. RESUMO: Objetivamos com este projeto identificar quais são as teorias

Leia mais

Manual do aluno. Curso Master

Manual do aluno. Curso Master Manual do aluno Curso Master Sumário A escola... 3 Inglês por nível... 3 Material Didático Interchange Fourth Edition... 4 Série complementar pós-interchange:... 5 Metodologia do curso Master:... 5 Em

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão Modalidade: Comunicação oral/sinais Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão TÍTULO: QUEM É O INTÉRPRETE DE LIBRAS: A PERSPECTIVA DO ALUNO SURDO NO CONTEXTO DO

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

Prefácio. Juanito Ornelas de Avelar Universidade Estadual de Campinas Laura Álvarez López Universidade de Estocolmo

Prefácio. Juanito Ornelas de Avelar Universidade Estadual de Campinas Laura Álvarez López Universidade de Estocolmo Juanito Ornelas de Avelar Universidade Estadual de Campinas Laura Álvarez López Universidade de Estocolmo Prefácio Em abril de 2011, o Programa de Pós-Graduação em Linguística do Instituto de Estudos da

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PINTO 1,SIMONE P; VIANNA 2,DEISE M. 1 Programa de Pós Graduação em Ensino de Biociências e Saúde. Instituto Oswaldo Cruz. 2 Instituto de Física. Universidade

Leia mais

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS Prezado aluno, O maior diferencial deste projeto pedagógico é o desenvolvimento da autonomia do estudante durante sua formação. O currículo acadêmico do seu

Leia mais

Universidade de Évora Mestrado em Ciências da Linguagem e da Comunicação. Plano de Estudos. «Tronco Comum» Ano 1, Semestre 1

Universidade de Évora Mestrado em Ciências da Linguagem e da Comunicação. Plano de Estudos. «Tronco Comum» Ano 1, Semestre 1 Universidade de Évora Mestrado em Ciências da Linguagem e da Comunicação Plano de Estudos «Tronco Comum» Ano 1, Semestre 1 QUADRO Nº 5 Créditos Observações 1 Ciências do Léxico Análise do Discurso Aquisição

Leia mais

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL)

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) Por que um jogo de faz de conta? Pretendo defender que a existência de leis, decretos etc. voltados para promover a inclusão

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE DE DIREITO FACULDADE DE DIREITO FACULDADE DE DIREITO SUMÁRIO A. Mestrado e Pós-Graduação em Direito em Língua Chinesa Língua veicular: Língua Chinesa Área de especialização: Variante em Ciências Jurídicas B. Mestrado

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E O PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM

DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E O PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 4, JAN/JUN 2008 DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E O PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM Andreia Rezende

Leia mais

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira.

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Precisa falar inglês no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Aprender um novo idioma é se sentir como uma criança novamente: faltam palavras para se expressar e a insegurança

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA HISTÓRIA E VARIEDADE DO PORTUGUÊS 2 José António Souto Cabo Márlio Barcellos Pereira da Silva GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2012 Identificação da população indígena nos Censos Demográficos do Brasil 1991 e 2000

Leia mais

Estudos sobre Educação Bilíngue e Escolarização em Cenários de Minorias Linguísticas

Estudos sobre Educação Bilíngue e Escolarização em Cenários de Minorias Linguísticas Estudos sobre Educação Bilíngue e Escolarização em Cenários de Minorias Linguísticas Jefferson Machado BARBOSA 1 CAVALCANTI, M. Estudos sobre Educação Bilíngue e Escolarização em contextos de minorias

Leia mais

A indústria da editoria pode exercer-se,

A indústria da editoria pode exercer-se, Fernando Pessoa A indústria da editoria pode exercer-se, A indústria da editoria pode exercer-se, e efectivamente se exerce, de duas maneiras: ou isoladamente, ou em conjunção com o comércio de livraria.

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

A regra geral de concordância verbal é bastante simples: o verbo concorda com o núcleo (ou os núcleos) do sujeito. Desse modo, temos:

A regra geral de concordância verbal é bastante simples: o verbo concorda com o núcleo (ou os núcleos) do sujeito. Desse modo, temos: Concordância Na aula de hoje, estudaremos os principais tipos e ocorrências de itens relacionados à concordância verbal cobrados nos vestibulares do país. Nesse sentido, é válido lembrar que serão observadas

Leia mais

O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES

O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES Geisa Borges da Costa RESUMO: O presente trabalho, pautando-se nos pressupostos teóricos da sociolingüística quantitativa variacionista,

Leia mais

Introdução: Português e Espanhol na Tríplice Fronteira

Introdução: Português e Espanhol na Tríplice Fronteira Área temática: Comunicação; VALORES LINGUÍSTICOS NA TRÍPLICE FRONTEIRA Thiago Bolivar 1 Daniela Martello 2 Keren Victoria Oviedo Wright 3 Palavras chave: sociolinguística, acomodação comunicativa, tríplice

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Silvio Profirio da Silva¹ Durante décadas, o ensino de Língua Portuguesa desenvolvido em nossas escolas limitou - se à análise e à classificação

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO CAMPO LIMPO PAULISTA 2013 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS A língua brasileira de sinais

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

A QUESTÃO CULTURAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA

A QUESTÃO CULTURAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A QUESTÃO CULTURAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA Angleice Sousa Silva angleicesousa@hotmail.com Frederico Loiola Viana fredyloy@hotmail.com Samara Oliveira Silva mara_oliveira_09@hotmail.com Tatiana G. N.

Leia mais

Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012

Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 O relatório Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 consiste numa análise abarangente dos sistemas de ensino

Leia mais

ORALIDADE E ESCRITA: UMA QUESTÃO DE LETRAMENTO RESUMO

ORALIDADE E ESCRITA: UMA QUESTÃO DE LETRAMENTO RESUMO ORALIDADE E ESCRITA: UMA QUESTÃO DE LETRAMENTO Autor: Gercleide Gomes da Silva Departamento de Letras e Artes UnP / UFRN RESUMO O presente trabalho, intitulado Oralidade e escrita: uma questão de letramento

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

MÉTODOS E ABORDAGENS DE ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS E PROCESSOS DE ENSINO / APRENDIZAGEM

MÉTODOS E ABORDAGENS DE ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS E PROCESSOS DE ENSINO / APRENDIZAGEM MÉTODOS E ABORDAGENS DE ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS E PROCESSOS DE ENSINO / APRENDIZAGEM Katharine Dunham Maciel- (UFRJ) Ingeborg Hartl- (UFRJ) Os métodos apontam um caminho para o professor, fornecem-lhe

Leia mais

A VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGÜÍSTICA PARA O ENSINO DA LÍNGUA

A VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGÜÍSTICA PARA O ENSINO DA LÍNGUA SESSÃO 6 31 DE MARÇO Tema: Língua e cultura Coordenador: Adriano da Gama Kury (LLP / FCRB) A VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGÜÍSTICA PARA O ENSINO DA LÍNGUA Dino Preti PUC-SP/USP/Projeto

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês (Geral Continuação) Código da Prova: 367 2014 10.º e 11.º Anos de Escolaridade

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês (Geral Continuação) Código da Prova: 367 2014 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Disciplina Inglês (Cont.) Código - 367 2013/2014 Informação - Prova de Equivalência à Frequência Inglês (Geral Continuação) Código da Prova: 367 2014 10.º e 11.º Anos de Escolaridade 1. Introdução As informações

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela

1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela 1 1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela mesma instituição. Professora Adjunta IV na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

A CRIANÇA BILÍNGUE: INFLUÊNCIAS DO BILINGUISMO SOBRE O DESENVOLVIMENTO INFANTIL ESCOLA PAN AMERICANA DA BAHIA. Profa. Conchita Kennedy Dantas

A CRIANÇA BILÍNGUE: INFLUÊNCIAS DO BILINGUISMO SOBRE O DESENVOLVIMENTO INFANTIL ESCOLA PAN AMERICANA DA BAHIA. Profa. Conchita Kennedy Dantas A CRIANÇA BILÍNGUE: INFLUÊNCIAS DO BILINGUISMO SOBRE O DESENVOLVIMENTO INFANTIL ESCOLA PAN AMERICANA DA BAHIA Profa. Conchita Kennedy Dantas Bilingüismo Segundo alguns investigadores as crianças expostas

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio

Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio Entre cursos com maior reprovação estão pedagogia, jornalismo e turismo. Falta de leitura e hábitos gerados pela internet são fatores motivadores.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

1º ANO. Atividades Acadêmico-Científico-Culturais 20. Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia

1º ANO. Atividades Acadêmico-Científico-Culturais 20. Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia 1º ANO 1º básica Leitura e produção de textos/filosofia Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia Língua Portuguesa I Noções Básicas de Língua Portuguesa A gramática e sua subdivisão As relações

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 Gabriel Ferrão Moreira 2 Prof. Dr. Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo 3 Palavras-chave:

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NA FACULDADE DE LETRAS: UM ESTUDO DE CASO

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NA FACULDADE DE LETRAS: UM ESTUDO DE CASO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NA FACULDADE DE LETRAS: UM ESTUDO DE CASO MARIA URÂNIA PACHECO MARINHO RIO DE JANEIRO MARÇO, 2010

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais