LEI DO JOVEM APRENDIZ: AS SÉRIES METÓDICAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO TÉCNICO- PROFISSIONAL DO TRABALHADOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEI DO JOVEM APRENDIZ: AS SÉRIES METÓDICAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO TÉCNICO- PROFISSIONAL DO TRABALHADOR"

Transcrição

1 LEI DO JOVEM APRENDIZ: AS SÉRIES METÓDICAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO TÉCNICO- PROFISSIONAL DO TRABALHADOR Janaína Cristina Buiar * Nilson Marcos Dias Garcia ** Universidade Tecnológica Federal do Paraná RESUMO: Procura-se compreender, através da análise da legislação pertinente, os motivos que levaram o Estado brasileiro a sempre indicar, nas leis que antecederam a vigente Lei do Jovem Aprendiz, o SENAI como um dos centros de formação legalmente responsável pela formação profissional, e a aprendizagem metódica entre teoria e prática como um modelo pedagógico de capacitação técnica de todo e qualquer adolescente que ingressou ao mundo do trabalho como trabalhador aprendiz. Busca-se, também, abordar a evolução histórica industrial capitalista e as relações de trabalho estabelecidas, assim pontuando as contradições políticas, econômicas, sociais e culturais evidenciadas nesta conjuntura. A finalidade é demonstrar que é pouco significativo promover uma política pública visando o direito a profissionalização e a proteção, se contraditoriamente se permite que muitos sejam inseridos precariamente ao mundo do trabalho, recebendo salário mínimo, tendo que cumprir jornada tripla diária e tendo acesso a uma aprendizagem que historicamente nunca proporcionou a reflexão de seu trabalho, apenas o saber fazer. PALAVRAS-CHAVE: Trabalhador aprendiz; aprendizagem metódica; SENAI. 1. Publicações e regulamentações: legislações que permitiram a capacitação técnico-profissional e a inserção infanto juvenil ao mundo do trabalho As legislações que permitiram e legalizaram tanto a qualificação técnicoprofissional baseada na aprendizagem metódica assim como o ingresso precoce da infância e juventude brasileira ao mundo do trabalho produtivo têm sido produzidas desde o final da metade do século passado. * Graduada em Serviço Social e aluna de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia da UTFPR. Bolsista CAPES. ** Professor e pesquisador do PPGTE e do DAFIS da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. E- mail:

2 A primeira delas foi estabelecida com a Consolidação das Leis Trabalhistas (Decreto Lei 5.452, de 1943), num período marcado por grandes mudanças econômicas, proporcionadas pela aceleração do desenvolvimento industrial e, pelos avanços científicos e técnicos na história mundial 1. Nesse sentido, foi em 1 de maio de 1943, que se regulamentou a obrigatoriedade do curso de aprendizagem metódica industrial a toda criança e adolescente que optasse ingressar como trabalhador aprendiz na indústria brasileira. Foi estabelecido que, para ingressar como Menor Aprendiz, o indivíduo deveria ter entre 12 e 18 anos de idade, sendo proibido apenas aos adolescentes entre 12 e 14 anos, o trabalho em áreas de risco que viesse prejudicar a saúde, moralidade, desenvolvimento normal 2 e freqüência à escola que assegurasse sua formação primária. Ao trabalhador aprendiz era garantido registro em carteira e remuneração nunca inferior a meio salário mínimo. Em contra partida, deveriam realizar o curso de aprendizagem do ofício, que era promovido apenas pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI. Segundo estudo realizado por Spidel (1989, p.36-37), ao longo de sua vigência, algumas alterações foram decretadas a partir da Constituição de 1946, bem como das Leis que fazem parte da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que tem em seu bojo restrições bem maiores ao trabalho do menor. A idade-limite é fixada aos 14 anos (...) aumentando o controle sobre as situações abusivas do menor. Os avanços que vinham se acumulando através do tempo, em termos de legislação protetiva do menor, são subitamente interrompidas e, mais, revertidas pelas disposições da Constituição de São dois os pontos fundamentais desse retrocesso histórico: o rebaixamento da idade mínima para o trabalho, dos 14 para os 12 anos e a eliminação da proibição estabelecida na Constituição de 1946, de qualquer discriminação de salário por motivo de idade (...) facultou o pagamento de salário inferior ao mínimo regional a todos os menores, e não apenas aos menores aprendizes como era até então determinada por Lei. (...) Em 1974, é revogada a lei de 1967, ficando, desde então, proibido qualquer discriminação de salário por idade e qualquer pagamento de salário abaixo do mínimo estabelecido por Lei. Mas o limite inferior legal para o trabalho é mantido em 12 anos (...). Percebe-se que este movimento no sentido de modificar a faixa etária e o piso salarial foi fruto dos acordos estabelecidos neste momento conjuntural, que tratou, no entanto, de estratégias necessárias para promover cada vez mais a industrialização, assim garantindo a reprodução ampliada do capital, via adestramento e exploração da força de trabalho infanto-juvenil. De acordo com Ianni (1992, p.48-49), a estratégia capitalista dissolve, recobre ou recria formas de vida e trabalho, de ser e pensar, em âmbito local, regional, nacional

3 e internacional, de forma que, desde a década de 1930, a aprendizagem herdada do ofício artesanal e manufatureiro é substituída gradativamente pelas séries metódicas 3. Ampliada na década de com a implantação do plano desenvolvimentista, a pedagogia industrial buscou treinar cada vez mais a força de trabalho dos aprendizes, pois seu intuito era formar profissionais cujo desempenho provocasse impacto no crescimento econômico. Já com a crise estrutural do capitalismo a partir da década de 1970, tornou-se necessário formar um novo perfil profissional, não mais baseado na produção em série, cuja finalidade era a execução de atividades mecanizadas e fragmentadas. Assim, buscou-se desenvolver uma aprendizagem voltada à produtividade flexível, pois, para Antunes (2005): novos processos de trabalho emergiram onde o cronômetro e a produção em série e de massa são substituídos pela flexibilização da produção, pela especialização flexível, por novos padrões de busca de produtividade, por novas formas de adequação da produção à lógica do mercado. (ANTUNES, 2005, p.24). É diante desta nova conjuntura que o Decreto Lei 5.452, de 1943, foi revogado e substituído em 19 de dezembro do ano de 2000, pela Lei Federal , a denominada Lei do Menor Aprendiz. Apesar do distanciamento temporal entre as duas legislações, mesmo assim, foi mantida a aprendizagem metódica industrial como estratégia pedagógica para o aprendizado, só que agora, baseada nos novos modos de produção. Essa legislação, no entanto, acabou modificando em seu corpo textual a idade limite de ingresso, que foi elevada para 14 anos 5 e, para o jovem aprendiz foram garantidos todos os direitos trabalhistas; a remuneração fixou-se em salário mínimo hora; o ensino fundamental completo passou a ser exigido; estabeleceu-se um contrato de trabalho com no mínimo 1 ano e no máximo 2 anos de duração; tanto o Sistema S (SENAI, SENAC, SENAR, SENAT E SESCOP), como as escolas técnicas e ONGs passaram a desenvolver cursos de aprendizagem e, apenas as empresas de médio e grande porte foram obrigadas a contratar o trabalhador aprendiz. Nova modificação ocorreu no intervalo de 5 anos de vigência da nova lei, que acabou sendo modificada em 1º de dezembro de 2005 por meio do Decreto Lei 5.598, que regulamentou a denominada Lei do Jovem Aprendiz, modificação esta que, além

4 de mudar a denominação da lei, alterou a idade máxima estabelecida anteriormente, que passou de 18 para 24 anos de idade. Há que se considerar que o movimento de permanências e modificações não ocorreram por acaso. À medida que uma legislação veio substituir a outra, notou-se que estrategicamente o Estado brasileiro acabou intermediando a relação entre capital e trabalho, como vem fazendo até os dias de hoje. Com a intenção de atender às demandas internacionais e acompanhar a evolução heterogênea da indústria nacional, percebe-se que ao substituir uma legislação pela outra, sempre buscou ressaltar e priorizar o Sistema Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI - como instituição competente na formação de trabalhadores aprendizes, como também, manter a aprendizagem metódica entre teoria e prática em todas as legislações aqui mencionadas. Nesse sentido e frente às várias alterações ao longo dos anos, resta perguntar por que a aprendizagem metódica 6 e o SENAI 7, ainda são citados na vigente Lei do jovem Aprendiz como um modelo de profissionalização técnica e de entidade qualificada na formação profissional do jovem aprendiz? 2. A implantação da aprendizagem metódica na qualificação técnica do trabalhador aprendiz Tendo em vista as transformações ocorridas no processo produtivo no início do século XX, o ensino para o trabalho deixou de ser aquele proporcionado nos Liceu de Artes e Ofícios, onde o aluno era admitido na oficina como aprendiz, passando a receber as noções gerais sobre o ofício escolhido, no próprio trabalho. O aprendiz era colocado ao lado de um operário adulto a quem começava por auxiliar, terminando por se tornar um operário efetivo como ele. (CUNHA, 2005, p ) Como se pode observar, este método de ensino não visava a aprendizagem sistemática almejada por aqueles que defendiam o crescimento nacional industrial baseado nas ideologias do grande capital internacional, que, por sua vez, vinha adaptando o processo de produção industrial aos Princípios de Administração Científica, aumentando, assim, sua produtividade sem grandes investimentos e beneficiando-se com a divisão técnica do trabalho.

5 Visto que a implantação da racionalização no processo produtivo proporcionaria maior controle dos trabalhadores, como também aumentaria a produtividade e, conseqüentemente as elevações dos lucros, foram muitos os industriais e pedagogos que entre as décadas de 1930 e 1940 optaram e até mesmo implantaram a racionalização como princípio científico ao trabalho e à qualificação profissional. Adaptando-o a realidade brasileira, os idealizadores que mais se destacaram foram: Roberto Simonsen e Roberto Mange. Esses dois Robertos, um, engenheiro que se tornou industrial, e o outro, engenheiro que se tornou educador representam, de formas diversas mas inter-relacionadas, as aspirações daqueles que defendiam a racionalização como solução para uma série de problemas econômicos e sociais. (WEINSTEIN, 2000, p. 34) No entanto, só foi com o ingresso de Roberto Mange 8 nos Liceus de Artes e Ofícios, que o método tradicional de aprendizagem acabou sendo substituído pela capacitação profissional científica. Com o apoio financeiro do Estado, Mange instalou em 1923 nos Liceus de Artes e Ofícios, a Escola Profissional de Mecânica, podendo assim, testar por meio de erros e acertos o sistema das séries metódicas que até hoje, é estabelecido em lei como aprendizagem metódica entre teoria e prática. Nesse sentido, é válido salientar que este modelo pedagógico só se tornou referência com a criação do CFESP Centro Ferroviário de Ensino e Seleção Profissional 9, que, por sua vez, foi elaborado por Roberto Mange e apresentado pelo IDORT 10 às empresas ferroviárias e ao governo do estado, recebendo grande apoio do interventor, justamente o idortiano Arnaldo Salles de Oliveira, como, também, da parte daqueles. (CUNHA, 2000, p. 98) Aceito pela classe empresarial ferroviária paulista e recebendo forte apoio do Estado, a aprendizagem metódica foi implantada como método de ensino de todos os jovens que ingressavam como trabalhadores no segmento ferroviário. Tornado-se referência pedagógica, as séries metódicas se destacaram por sua operacionalização decomposta em operações simples, compreendendo quatro fases, a saber: estudo da tarefa, demonstração das operações novas, execução da tarefa pelo educando e avaliação. As tarefas eram atribuídas aos aprendizes de acordo com o grau crescente de complexidade e conforme o ritmo individual de aprendizado. Os conhecimentos de caráter geral (científicos e tecnológicos) eram ministrados na medida da necessidade das tarefas praticadas, e à medida que elas eram executadas. Como apoio ao aprendiz, produzia-se material didático específico, compreendendo, principalmente: folhas de tarefa, que diziam o que fazer; folhas

6 de operação, que diziam como fazer; e folhas de informação tecnológica, com a indicação dos conhecimentos de matemática, física, química e outros, necessários à realização de cada tarefa. (CUNHA, 2005, p.132) Por demonstrar, assim, ser um processo pedagógico que atenderia os desejos dos donos do capital e, com a intenção de não apenas unificar a capacitação profissional dos jovens que ingressavam no mundo do trabalho, como também legalizar e implantar um método de ensino que atendesse as necessidades da classe empresarial como um todo e não apenas por segmento, acaba sendo adotado em outras instituições de formação profissional, principalmente do SENAI, criado em SENAI: continuidade de uma pedagogia hegemônica Criado por lideranças da classe industrial 11 e legalizado pelo Decreto Lei nº 4048, em 22 de janeiro de 1942, o SENAI, coordenado por Roberto Mange (o criador das séries metódicas), herdou do CFESP tanto o processo de seleção realizado por exames psicotécnicos 12, como a metodologia de ensino baseado nas séries metódicas. Na tentativa de manter a relação entre teoria e prática, as oficinas de aprendizagem do SENAI procuravam não só reproduzir um ambiente de caráter industrial, como também, proporcionar nas relações máquina-aprendiz, a forma de organização interna das oficinas, os valores que se passam, as atitudes e hábitos que reforçam e/ou se destroem, as imagens de trabalhador bem-sucedido e fracassado, as figuras de patrão, os traços, enfim, de assiduidade, pontualidade, etc., indicam que o ponto básico desse processo educativo é formar, produzir bons trabalhadores. Trabalhadores que se submetem mais facilmente às relações capitalistas de trabalho no interior da fábrica. (FRIGOTTO,1989, p.210) Em conseqüência desta dinâmica, o adolescente, para ingressar nos cursos de aprendizagem técnica do SENAI, tinha que se submeter a uma maratona de exames. Inicialmente participava de um encontro geral conhecido como reunião de informação (abordavam-se os objetivos do SENAI; cursos oferecidos; horários de funcionamento; entre outras informações); logo após, preenchia uma ficha com todos seus dados pessoais, e, juntamente a isso, realizava um teste (prova) teórico, que tinha por objetivo avaliar seus conhecimentos (principalmente os de matemática e português). Passando por este processo, acabava sendo entrevistado por profissionais que aplicavam um exame psicotécnico, podendo assim ser avaliado na prática, ou seja,

7 realizar um teste prático (conhecido como sondagem) nas oficinas do SENAI, onde deveria demonstrar se tinha habilidades manuais na realização de cada tarefa aplicada. Uma vez admitido no programa de aprendizagem, o aluno, segundo Cunha (2000, p.71), era encaminhado ao estudo das disciplinas instrumentais, cujo conteúdo é dosado de acordo com o ofício. Passando por esta etapa, a próxima fase seria as séries metódicas realizadas na oficina de aprendizagem, onde o ensino era ministrado passo a passo, seguindo uma ordem de execução. Buscando sempre manter a relação sistemática entre teoria e prática, o aprendiz acabava sendo avaliado em todos os momentos. Inspirados na racionalização, baseando-se no modelo de produção taylorista/fordista e na psicologia aplicada, nota-se que a metodologia de ensino que se iniciou antes da elaboração e implantação do SENAI pendurou por muitos anos, sendo até mesmo considerado um marco na história da industrialização brasileira, melhor dizendo, no processo educativo visando o trabalho produtivo. Mais foi na tentativa de manter o mesmo propósito desde seu surgimento e continuar desenvolvendo suas atividades por meio de uma pedagogia própria, que hoje, mais do que nunca, percebe-se que as bases de sustentação do SENAI acabaram sendo reestruturadas também na flexibilização, automação, terceirização e reengenharia industrial, conseguindo assim, manter-se como referência de aprendizagem industrial na legislação que hoje permite a inserção de jovens ao mercado de trabalho, como trabalhadores aprendizes. Mesmo alterando suas bases de sustentação, percebe-se que o SENAI continua mantendo o processo pedagógico baseado numa aprendizagem que, pelo seu próprio caráter fragmentário, não possibilita ao trabalhador a elaboração científica de sua prática, reproduzindo as condições de sua dominação pela ciência a serviço do capital. (KUENZER, 1986, p. 48). Desta forma, pode-se perceber que o capital buscou atingir seus objetivos via ação do Estado, assim ficando nítido que as permanências legislativas aqui relatadas, além de atender aos interesses da classe industrial brasileira, acompanharam a dinâmica mundialmente estabelecida entre capital e trabalho. 4. Considerações Finais

8 Em conformidade com os resultados alcançados, notou-se que a legalização da profissionalização técnica e a inserção precoce dos filhos da classe que não detém poder econômico ao mundo do trabalho, foram um meio de fortalecer os interesses capitalistas no sentido de formar indivíduos ajustados à realidade produtiva de cada momento histórico abordado neste estudo. Com o intuito de apenas atender as demandas do mercado, toda e qualquer profissionalização permitida em lei acabou por limitar e condicionar a educação aos padrões estabelecidos pelas transformações capitalistas. Desta forma, visualizou-se que primeiramente o Estado brasileiro permitiu que a classe industrial desenvolvesse uma pedagogia própria que atendesse seus interesses, via implantação do Sistema Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI, para depois, estabelecer na Consolidação das Leis do Trabalho, a inserção infanto juvenil ao mundo do trabalho produtivo. Em conseqüência a esta dinâmica, um outro ponto a ser destacado é a forma com que estes trabalhadores aprendizes são inseridos. Mesmo com a garantia da proteção integral destinada aos adolescentes menores de 18 anos, sendo esta estabelecida com a implantação do Estatuto da Criança e do Adolescente, é impossível compreender o ingresso ao mundo do trabalho produtivo como benéfico, sem prejudicar o desenvolvimento social, cognitivo e físico destes jovens, pois tendo em vista a busca exacerbada pela lucratividade, estes trabalhadores são tratados enquanto mercadoria na relação estabelecida entre Estado e classe empresarial. Por esta razão, nota-se o conflito existente entre o discurso anunciado e a prática pretendida, pois de nada adianta promover uma política pública visando à proteção no trabalho e a garantia do direito à profissionalização, se contraditoriamente permite que muitos sejam inseridos precariamente. Apenas recebendo salário mínimo, tendo que cumprir jornada tripla diária e pior, tendo acesso a uma aprendizagem que historicamente nunca proporcionou a reflexão de seu trabalho, apenas o saber fazer. Após tudo que já foi exposto, é difícil conceber a Lei do Jovem Aprendiz e suas antecedentes como legislações que foram promulgadas com a intenção de contribuir e produzir alterações significativas na realidade educacional e profissional destes jovens trabalhadores. O que se visualizou foram jogos de interesses que sempre procuraram proporcionar práticas educativas de caráter disciplinador, fragmentado e nada reflexivo.

9 Para finalizar estas considerações, é importante, mais do que nunca, enfatizar que os dados obtidos com esta investigação acabaram comprovando que, por meio do processo pedagógico alienador manipulado pelos interesses capitalistas, o trabalhador aprendiz, talvez ou até mesmo dificilmente, conseguirá vivenciar o trabalho como princípio educativo e muito menos perceber a educação como um processo social que o possibilite transformar o mundo e a si mesmo. REFERÊNCIAS ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho? Ensaios sobre as Metamorfoses e a Centralidade do Mundo do Trabalho. 10 ed. São Paulo: Cortez, BRASIL. Decreto Lei Nº 5.598, De 1º de dezembro de Disponível em:http://www.conexaoaprendiz.org.br. Acessado em 20 de jan. de CUNHA, Luiz A. O ensino de ofícios nos primórdios da industrialização. São Paulo: Unesp, Brasília, DF: Flacso, O ensino industrial-manufatureiro no Brasil. In: Revista Brasileira de Educação. Mai-Ago. Nº014. São Paulo: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, Disponível em acessado em 01 de setembro de O ensino profissional na erradicação do industrialismo. São Paulo: Unesp, Brasília, DF: Flacso, FONSECA, Celso Suckow da. História do ensino industrial no Brasil. Rio de Janeiro: SENAI/DN/DPEA, v. FRIGOTTO, Gaudêncio. A Produtividade da escola improdutiva: Um (re) Exame das Relações entre Educação e Estrutura Econômico-Social Capitalista. 3 ed. São Paulo: Cortez, IANNI, Octavio. A sociedade Global. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, KUENZER, Acácia Z. Pedagogia da Fábrica: as relações de produção e a educação do trabalhador. 2º ed. São Paulo: Cortez, MACHADO, Lucíola R. de Souza. Educação e divisão social do trabalho: contribuição para o estudo do ensino técnico industrial brasileiro. São Paulo: Cortez, 1982.

10 SPIDEL, Cheywar R. Criança e adolescente no mercado de trabalho: família, escola e empresa. Editora Brasiliense, WEINSTEN, Bárbara. (Re) formação da classe trabalhadora no Brasil, São Paulo: Cortez, Percebe-se que foi para atender este processo que se procurou investir fortemente na profissionalização sistemática do trabalhador, sendo necessário que mais e mais pessoas se interessem em se constituir como força de trabalho qualificada para as necessidades do sistema produtivo. (MACHADO, Lucíola R de Souza. Educação e divisão social do trabalho: contribuição para o estudo do ensino técnico industrial brasileiro. São Paulo: Cortez, 1982, p.30) 2 Grifos meus, para ressaltar as terminologias utilizadas no Decreto Lei 5.452, de 1º de maio de [As séries metódicas] (...) eram organizadas de forma apresentar as várias operações a efetuar, de maneira que surgissem em ordem de dificuldade crescente, fazendo com que o aluno aprendesse primeiramente as mais simples e, pouco a pouco, as mais difíceis. Uma indicação da seqüência em que as operações deveriam ser executada, orientava o aluno durante certa quantidade de trabalhos, habituando-o a agir sempre de maneira racional quanto a sucessão das técnicas empregadas; firmada, porém, em seu espírito a melhor maneira de agir, era dispensada a indicação das operações, deixando ao aluno a iniciativa da execução da peça, num regime de liberdade vigiada. (FONSECA, Celso Suckow da. História do ensino industrial no Brasil. Rio de Janeiro: SENAI/DN/DPEA, v. p.225) 4 A partir de 1964 o ensino técnico e a educação brasileira em geral, como elementos componentes da superestrutura social, passam a se reorganizar no sentido de atender às novas necessidades criadas pela transformação na base econômica, (...) agora mais integrada ao capitalismo a nível mundial. (...) o aperfeiçoamento técnico da mão-de-obra significa que uma quantidade maior de mais-valia poder ser extraída, sem que se necessite intensificar o trabalho, seja através do aumento da jornada diária ou pela intensificação da velocidade das máquinas. (...) é grande o controle exercido na escola, pois ela tem a tarefa de moldar, seja pela disciplina, seja pelo conteúdo do ensino, aquele profissional que melhor se ajuste às necessidades empresariais. (MACHADO, Lucíola R de Souza. Educação e divisão social do trabalho: contribuição para o estudo do ensino técnico industrial brasileiro. São Paulo: Cortez, p ) 5 A idade inicial para ingressar como trabalhador aprendiz foi elevada para 14 anos, devido à promulgação do Estatuto da Criança e do Adolescente (em 13 de julho de 1990), que procurou estabelecer e garantir uma política pública diferente das anteriores, assim propondo mudanças de conteúdo, método e gestão, como também, inovações no campo do atendimento, da promoção, da defesa e da proteção integral da infância e juventude. 6 Art. 6º Entendem-se por formação técnico-profissional metódica para os efeitos do contrato de aprendizagem as atividades teóricas e práticas, metodicamente organizadas em tarefas de complexidade progressiva desenvolvidas no ambiente de trabalho. (BRASIL. Decreto Lei Nº 5.598, De 1º de dezembro de Disponível em:http://www.conexaoaprendiz.org.br. Acessado em 20 de jan. de 2008). 7 Art. 8º Consideram-se entidades qualificadas em formação técnico-profissional metódica: I - os Serviços Nacionais de Aprendizagem, assim identificados: a) Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - Senai; b) Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - Senac; c) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural - Senar; d) Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte - Senat; e e) Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo - Sescoop; II - as escolas técnicas de educação, inclusive as agrotécnicas; e III - as entidades sem fins lucrativos, que tenham por objetivos a assistência ao adolescente e à educação profissional, registradas no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. (BRASIL. Decreto Lei Nº 5.598, De 1º de dezembro de Disponível em:http://www.conexaoaprendiz.org.br. Acessado em 20 de jan. de 2008).

11 8 Para ele, o método tradicional apenas baseava-se no processo empírico e os indivíduos estavam condicionados a imitar as ações dos trabalhadores mais experientes. Sendo assim de estrema urgência, realizar uma capacitação profissional que visasse a cientificidade de cada tarefa realizada. 9 O CFESP foi criado em 1934 via Decreto Lei. Custeado pelas empresas ferroviárias e pelo Estado, sempre procurou desenvolver uma administração autônoma e que apenas atendesse aos interesses da classe industrial. 10 Criado pela classe empresarial (um de seus fundadores foi Roberto Simonsen), com financiamento do Estado em 1931, pós-crise econômica de Estabeleceu como objetivo a organização racional de todos os aspectos da sociedade brasileira. (...) queriam exercer um maior controle sobre os operários, submetendo-os a técnicas especializadas, e também eliminar muitas funções pela simplificação do processo de trabalho. (...) Seus fundadores viam na racionalização uma solução para a ineficiência e desorganização em todas as esferas da sociedade, mas seu alvo principal era o setor industrial. (WEINSTEIN, 2000, p ) 11 Dentre eles Roberto Simonsen e Roberto Mange. 12 Outra fonte de idéias que ajudou a desenvolver o movimento pela racionalização foi à psicologia industrial ou aplicada, por muitos anos conhecida no Brasil como psicotécnica. (...) Os defensores da psicologia aplicada argumentavam que ela oferecia instrumentos racionais e científicos ímpares para determinar as qualificações básicas e inclinações dos candidatos a emprego, seja para a fábrica, seja para a área administrativa. Isso iria reduzir a concorrência de desajustamentos no trabalho e aumentar a produtividade e a satisfação dos trabalhadores. (WEINSTEIN, 2000, p. 25)

LEI DA APRENDIZAGEM: um olhar na história

LEI DA APRENDIZAGEM: um olhar na história LEI DA APRENDIZAGEM: um olhar na história Janaína Cristina Buiar UTFPR - PPGTE Curitiba - PR janaina_buiar@hotmail.com Nilson Marcos Dias Garcia UTFPR PPGTE e DAFIS; UFPR PPGE Curitiba - PR nilson@utfpr.edu.br

Leia mais

Manual da Aprendizagem

Manual da Aprendizagem Manual da Aprendizagem Preparado pelo Centro Social Betesda (CSB) INTRODUÇÃO Aprendizagem é uma ação promovida para incentivar a aplicação prática da Lei 10.097, que regulariza o trabalho de adolescentes

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

LEI DO APRENDIZ. Art. 1 - Nas relações jurídicas pertinentes à contratação de aprendizes, será observado o disposto neste Decreto.

LEI DO APRENDIZ. Art. 1 - Nas relações jurídicas pertinentes à contratação de aprendizes, será observado o disposto neste Decreto. LEI DO APRENDIZ Regulamenta a contratação de aprendizes e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista

Leia mais

Classe trabalhadora no Brasil sob a luz da teoria de Bárbara Weinstein

Classe trabalhadora no Brasil sob a luz da teoria de Bárbara Weinstein Classe trabalhadora no Brasil sob a luz da teoria de Bárbara Weinstein Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br Ferdinando Vinicius Domenes Zapparoli. UEL Ferdinando@uel.br Introdução

Leia mais

A LEI DA APRENDIZAGEM: INCLUSÃO SOCIAL AVANÇOS E DESAFIOS

A LEI DA APRENDIZAGEM: INCLUSÃO SOCIAL AVANÇOS E DESAFIOS A LEI DA APRENDIZAGEM: INCLUSÃO SOCIAL AVANÇOS E DESAFIOS Vera Lúcia da Silva 1 RESUMO: O presente artigo aborda a análise dos resultados da pesquisa de caráter qualitativo desenvolvido em uma instituição

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 030/2013.

PROJETO DE LEI N.º 030/2013. PROJETO DE LEI N.º 030/2013. Institui o Programa Menor Aprendiz no âmbito do Município de Bela Vista de Minas e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Bela Vista de Minas, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

IRMÃOS RUSSI LTDA. Fundada em 1.963. 12 Lojas: 06 Jundiaí, 02 Várzea Paulista, 01 Campo Limpo Pta.,01 Vinhedo, 01 Franco da Rocha, 01 Itupeva.

IRMÃOS RUSSI LTDA. Fundada em 1.963. 12 Lojas: 06 Jundiaí, 02 Várzea Paulista, 01 Campo Limpo Pta.,01 Vinhedo, 01 Franco da Rocha, 01 Itupeva. IRMÃOS RUSSI LTDA. Fundada em 1.963 12 Lojas: 06 Jundiaí, 02 Várzea Paulista, 01 Campo Limpo Pta.,01 Vinhedo, 01 Franco da Rocha, 01 Itupeva. 9 Lojas funcionam 24h 2.300 Colaboradores Valores: lucro, com

Leia mais

Proteção ao Trabalhador Menor

Proteção ao Trabalhador Menor Proteção ao Trabalhador Menor O trabalhador menor ganhou proteção legal para o desempenho de suas atividades, razão que lhe assiste por se encontrar num processo de amadurecimento físico, mental, moral,

Leia mais

Página 1 de 5 O ART. 429, CLT E A COTA APRENDIZ Márcio Archanjo Ferreira Duarte 1. INTRODUÇÃO A figura da aprendizagem adveio originalmente do Decreto nº. 13.064, de 12 de junho de 1918, que aprovava naquela

Leia mais

BENEFÍCIOS DAS EMPRESAS EM IMPLANTAÇÃO DO MENOR APRENDIZ

BENEFÍCIOS DAS EMPRESAS EM IMPLANTAÇÃO DO MENOR APRENDIZ 1 BENEFÍCIOS DAS EMPRESAS EM IMPLANTAÇÃO DO MENOR APRENDIZ Ângela de Souza Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Diego Leite (Discente do 4º ano de administração AEMS) Gean

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 2.304/2010

LEI MUNICIPAL Nº. 2.304/2010 LEI MUNICIPAL Nº. 2.304/2010 SÚMULA: Institui o Programa Jovem Aprendiz no âmbito do Município de Clevelândia e dá outras providências. A Câmara Municipal de Vereadores aprovou e eu ADEMIR JOSE GHELLER,

Leia mais

Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Rio de Janeiro

Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Rio de Janeiro Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Rio de Janeiro COORDENAÇÃO GFIPATI Aprendizagem, Legislação e Prática: I - Cotas de Aprendizagem; II Cadastro Nacional de Aprendizagem; III Fiscalização

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

O CONTRATO DE APRENDIZAGEM E AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI 10.097/2000

O CONTRATO DE APRENDIZAGEM E AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI 10.097/2000 O CONTRATO DE APRENDIZAGEM E AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI 10.097/2000 Grasiele Augusta Ferreira Nascimento 1 Introdução Um dos temas mais debatidos em Direito do Trabalho refere-se à proteção ao

Leia mais

RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2011

RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2011 RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2011 Dispõe sobre o Programa Adolescente Aprendiz no âmbito do Ministério Público da União e do Estados O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício das atribuições conferidas

Leia mais

APRENDIZAGEM --------------------------------------------------------- REFERÊNCIAS NORMATIVAS e ORIENTAÇÕES

APRENDIZAGEM --------------------------------------------------------- REFERÊNCIAS NORMATIVAS e ORIENTAÇÕES APRENDIZAGEM --------------------------------------------------------- REFERÊNCIAS NORMATIVAS e ORIENTAÇÕES Aprendizagem Cria oportunidades tanto para o aprendiz quanto para a empresa, pois prepara o jovem

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Lei n.º 1.392, de 17 de novembro de 2011. "AUTORIZA O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A CRIAR O PROGRAMA MUNICIPAL DE CONTRATAÇÃO DE MENOR APRENDIZ PELO MUNICIPIO DE JACIARA, NOS TERMOS DA PRESENTE LEI E DÁ

Leia mais

Lei nº, DE DE DE. Institui o Programa Adolescente Aprendiz no âmbito da Administração Pública direta, autárquica e fundacional do Município de XXX

Lei nº, DE DE DE. Institui o Programa Adolescente Aprendiz no âmbito da Administração Pública direta, autárquica e fundacional do Município de XXX Lei nº, DE DE DE Institui o Programa Adolescente Aprendiz no âmbito da Administração Pública direta, autárquica e fundacional do Município de XXX Art. 1. Fica instituído, no âmbito do Município de XXX

Leia mais

A INSERÇÃO DO ADOLESCENTE NO MERCADO DE TRABALHO: UMA LEITURA HISTÓRICA

A INSERÇÃO DO ADOLESCENTE NO MERCADO DE TRABALHO: UMA LEITURA HISTÓRICA A INSERÇÃO DO ADOLESCENTE NO MERCADO DE TRABALHO: UMA LEITURA HISTÓRICA Ana Paula Fabrini 1 Tatiane Franciele De Oliveira 2 Teone Maria Rios De Souza Rodrigues Assunção 3 Resumo O presente estudo busca

Leia mais

LEI Nº 1 2 6 9. Capítulo I DAS RESPONSABILIDADES

LEI Nº 1 2 6 9. Capítulo I DAS RESPONSABILIDADES LEI Nº 1 2 6 9 SÚMULA: Institui o Programa Jovem Aprendiz no âmbito do Município de Renascença e dá outras providências. JOSÉ KRESTENIUK, Prefeito do Município de Renascença Estado Paraná, no uso das atribuições

Leia mais

Tire suas dúvidas sobre a Lei do Aprendiz

Tire suas dúvidas sobre a Lei do Aprendiz Tire suas dúvidas sobre a Lei do Aprendiz 1-O que é um aprendiz? É um adolescente/jovem que tem que entre 14 e 24 anos de idade e que esteja matriculado em um Programa de Aprendizagem numa ONG, Escola

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE APRENDIZES

CONTRATAÇÃO DE APRENDIZES CONTRATAÇÃO DE APRENDIZES OBRIGATORIEDADE DA CONTRATAÇÃO Estabelecimentos de qualquer natureza são obrigados a contratar aprendizes. Estabelecimento é todo complexo de bens organizado para o exercício

Leia mais

Regulamentação da Questão do Trabalho do Adolescente no Município de São José dos Campos

Regulamentação da Questão do Trabalho do Adolescente no Município de São José dos Campos RESOLUÇÃO No. 12/96 O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - CMDCA de São José dos Campos, usando de suas atribuições, aprovou em sua Reunião Ordinária do dia 04 de junho de 1.996,

Leia mais

Trabalho Infantil no Brasil Marcos Regulatorios. Márcia Soares Oficial de Projeto OIT no Brasil

Trabalho Infantil no Brasil Marcos Regulatorios. Márcia Soares Oficial de Projeto OIT no Brasil Trabalho Infantil no Brasil Marcos Regulatorios Márcia Soares Oficial de Projeto OIT no Brasil Santa Cruz do Sul, junho de 2013 Alguns dados (IBGE/PNAD - 2011). 703 mil crianças de 5 a 13 anos em situação

Leia mais

A APRENDIZAGEM PROFISSIONAL, A ADMINISTRAÇÃO DIRETA E O SINASE

A APRENDIZAGEM PROFISSIONAL, A ADMINISTRAÇÃO DIRETA E O SINASE A APRENDIZAGEM PROFISSIONAL, A ADMINISTRAÇÃO DIRETA E O SINASE O que é aprendizagem? Aprendizagem é o instituto destinado à formação técnico-profissional metódica de adolescentes e jovens, desenvolvida

Leia mais

ECA, 01/12/2005, - 21! 14 18 414 21, 5.598/05), 432 21, 1º,

ECA, 01/12/2005, - 21! 14 18 414 21, 5.598/05), 432 21, 1º, Esclarecimentos 1. Ao longo de todo o edital, é informado que o processo licitatório obedecerá integralmente a Lei Complementar nº 123/2006 (Microempresas e Empresas de Pequeno Porte). Sugerimos a exclusão

Leia mais

O TRABALHO INFANTO-JUVENIL NO BRASIL: A TRAJETÓRIA HISTÓRICA DA PROTEÇÃO AO TRABALHO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 1

O TRABALHO INFANTO-JUVENIL NO BRASIL: A TRAJETÓRIA HISTÓRICA DA PROTEÇÃO AO TRABALHO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 1 O TRABALHO INFANTO-JUVENIL NO BRASIL: A TRAJETÓRIA HISTÓRICA DA PROTEÇÃO AO TRABALHO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 1 AVILA, Lisélen 2 ; AVILA, Evelisen 3 ; AGUINSKY, Beatriz 4 1 Trabalho do tipo bibliográfico

Leia mais

Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração. Abordagem Clássica da Administração:

Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração. Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração Profa. Andréia Antunes da Luz andreia-luz@hotmail.com No despontar do XX, 2 engenheiros desenvolveram os primeiros trabalhos pioneiros a respeito da Administração.

Leia mais

OBJETIVOS. Associar o início da vida no mercado de trabalho com a conclusão de um curso profissional;

OBJETIVOS. Associar o início da vida no mercado de trabalho com a conclusão de um curso profissional; OBJETIVOS Associar o início da vida no mercado de trabalho com a conclusão de um curso profissional; Fornecer conhecimento teórico e prático; Ampliar o acesso ao mercado de trabalho antecipadamente; Permitir

Leia mais

Sobre o Programa Aprendiz

Sobre o Programa Aprendiz Sobre o Programa Aprendiz l A aprendizagem é estabelecida pela Lei nº.10.097/2000, regulamentada pelo Decreto nº. 5.598/2005. Estabelece que todas as empresas de médio e grande porte estão obrigadas a

Leia mais

Objetivo do Programa

Objetivo do Programa Objetivo do Programa O Programa Futuros Engenheiros visa favorecer o desenvolvimento de competências técnicas e habilidades comportamentais de universitários dos cursos de Engenharia para atuar na indústria.

Leia mais

A OFICINA COMO PRÁTICA EDUCACIONAL NO APOIO À ATUAÇÃO DO JOVEM APRENDIZ JUNTO AO MERCADO DE TRABALHO: UM ESTUDO DO CEPSL.

A OFICINA COMO PRÁTICA EDUCACIONAL NO APOIO À ATUAÇÃO DO JOVEM APRENDIZ JUNTO AO MERCADO DE TRABALHO: UM ESTUDO DO CEPSL. A OFICINA COMO PRÁTICA EDUCACIONAL NO APOIO À ATUAÇÃO DO JOVEM APRENDIZ JUNTO AO MERCADO DE TRABALHO: UM ESTUDO DO CEPSL. RESUMO Hiluey A., Fabiana Medeiros. 1 - SENAI/CEPSL Área: Práticas Pedagógicas

Leia mais

LEI N o 10.097, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000

LEI N o 10.097, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 LEI N o 10.097, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 Mensagem de veto Altera dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada pelo Decreto- Lei n o 5.452, de 1 o de maio de 1943. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Leia mais

A INSERÇÃO DE APRENDIZES NO MERCADO DE TRABALHO FORMAL: um olhar sobre as categorias trabalho e educação ABSTRACT

A INSERÇÃO DE APRENDIZES NO MERCADO DE TRABALHO FORMAL: um olhar sobre as categorias trabalho e educação ABSTRACT A INSERÇÃO DE APRENDIZES NO MERCADO DE TRABALHO FORMAL: um olhar sobre as categorias trabalho e educação Amanda Cristina Ribeiro da Costa 1 Estela Marcia França Aido 2 Rafaela Dias Fernandes 3 RESUMO O

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

A importância do papel do engenheiro de produção na formação do menor aprendiz

A importância do papel do engenheiro de produção na formação do menor aprendiz A importância do papel do engenheiro de produção na formação do menor aprendiz Iris Rafaelle Bispo Sales (UFPE) iris.sales@gmail.com Maurílio José dos Santos (UFPE) producao@ufpe.br Roseane Teixeira de

Leia mais

- Adolescentes desprotegidos

- Adolescentes desprotegidos + Adolescentes estudando - Adolescentes desprotegidos É da Nossa Conta! = [Cartilha Empregador] Promenino Fundação Telefônica Apoio cartilha_empregador_geral_final.indd 1 01/08/14 17:22 A Campanha É da

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO TÍTULO: A CONTRIBUIÇÃO DO PROGRAMA JOVEM APRENDIZ NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UMA ANÁLISE A PARTIR DA ÓTICA DAS EMPRESAS CONTRATANTES DA REGIÃO METROPOLITANA DE VITÓRIA-ES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.180, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005. Institui o Projeto Escola de Fábrica, autoriza a concessão de bolsas de permanência a estudantes

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 004inf06-FGA INFORMATIVO JURÍDICO Assunto: Contratação de Menor Aprendiz Os estabelecimentos particulares de ensino do Distrito Federal estão sendo notificados pela Delegacia Regional do Trabalho para

Leia mais

CURSO VOCACIONAL NAS ESCOLAS DO SENAI: O DIREITO DE ESCOLHER O OFÍCIO QUE SE QUER? Desiré Luciane Dominschek UNICAMP

CURSO VOCACIONAL NAS ESCOLAS DO SENAI: O DIREITO DE ESCOLHER O OFÍCIO QUE SE QUER? Desiré Luciane Dominschek UNICAMP CURSO VOCACIONAL NAS ESCOLAS DO SENAI: O DIREITO DE ESCOLHER O OFÍCIO QUE SE QUER? Desiré Luciane Dominschek UNICAMP Resumo Este estudo aborda o ensino profissional segundo o olhar dos alunos do Serviço

Leia mais

Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos

Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos Palavras Chaves: Redução de Impostos; Redução de Tributos; Geração de Empregos, Redução de Jornada de Trabalho 1. Introdução A redução

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º 1.005, DE 1º DE JULHO DE 2013 (DOU de 02/06/2013 Seção I Pág.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º 1.005, DE 1º DE JULHO DE 2013 (DOU de 02/06/2013 Seção I Pág. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 1.005, DE 1º DE JULHO DE 2013 (DOU de 02/06/2013 Seção I Pág. 54) O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições que

Leia mais

A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol.

A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol. ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol. Partiram de pontos distintos

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

Abordagem Clássica da Administração

Abordagem Clássica da Administração Abordagem Clássica da Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 05 Principais Personagens Fredeick Winslow Taylor (americano) Escola da Científica: aumentar a eficiência da indústria por meio

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE CONTRATO DE APRENDIZAGEM

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE CONTRATO DE APRENDIZAGEM CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE CONTRATO DE APRENDIZAGEM Termo que deverá ser assinado entre EMPRESA E APRENDIZ com a presença do responsável legal. (Delegacia Regional do Trabalho Imprimir em Papel Timbrado

Leia mais

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, ÁREA 46 DA CAPES, SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA. Osmair Benedito da Silva (Departamento de Química, Universidade

Leia mais

EMPRESA DE TECNOLOGIA E INFORMAÇÕES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL DATAPREV PROGRAMA JOVEM APRENDIZ EDITAL

EMPRESA DE TECNOLOGIA E INFORMAÇÕES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL DATAPREV PROGRAMA JOVEM APRENDIZ EDITAL EMPRESA DE TECNOLOGIA E INFORMAÇÕES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL DATAPREV PROGRAMA JOVEM APRENDIZ EDITAL CNPJ: 42.422.253/0014-18 ENDEREÇO: SETOR DE AUTARQUIAS SUL, QUADRA 01, BLOCOS E/F - BRASÍLIA-DF CEP: 70.070-931

Leia mais

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam.

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. Evolução da Teoria Administrativa Escolas de Concepção Administrativa. Abordagem Clássica da Administração. Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. 1 - Visão Americana: Liderada

Leia mais

Pronatec Aprendiz. Orientações para Implementação

Pronatec Aprendiz. Orientações para Implementação Pronatec Aprendiz Orientações para Implementação Edição de 2015 Apresentação O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) representa um passo importante para a consolidação da educação

Leia mais

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL APRENDIZAGEM PROFISSIONAL a LEI promove o Trabalho Decente para a Juventude e desenvolvimento social e econômico para o Brasil Departamento de Políticas Públicas de Trabalho, Emprego e Renda para Juventude

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

Aeducação profissional de adolescentes e jovens no Brasil é realizada

Aeducação profissional de adolescentes e jovens no Brasil é realizada APRENDIZAGEM VOLTADA À EMPREGABILIDADE DOS JOVENS E À COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS Alberto Borges de Araújo * Aeducação profissional de adolescentes e jovens no Brasil é realizada por meio de cursos de

Leia mais

Contratação e Modelo de Contrato

Contratação e Modelo de Contrato Contratação e Modelo de Contrato Deveres da Empresa Firmar contrato especial de aprendizagem com o adolescente e inscrevê-lo em curso de aprendizagem desenvolvido por uma entidade qualificada de ensino

Leia mais

Declara de Utilidade Pública o Grupo Obreiros da Luz Divina, com sede no Município de Itanhaém.

Declara de Utilidade Pública o Grupo Obreiros da Luz Divina, com sede no Município de Itanhaém. PROJETO DE LEI No 541, DE 2013 Declara de Utilidade Pública o Grupo Obreiros da Luz Divina, com sede no Município de Itanhaém. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA: Artigo 1o - Fica

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

O Ensino de Geografia e o Livro Didático como Instrumento no Processo Educacional

O Ensino de Geografia e o Livro Didático como Instrumento no Processo Educacional O Ensino de Geografia e o Livro Didático como Instrumento no Processo Educacional Gilliard dos Santos Passos (UFS) 1 Samira de Jesus Nascimento (UFS) 2 Daniele dos Santos Reis (UFS) 3 INTRODUÇÃO Os acontecimentos

Leia mais

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN 1. A Lei de Diretrizes e Bases, Lei nº. 9394/96, em seu artigo 3º enfatiza os princípios norteadores do ensino no Brasil. Analise-os:

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: DESAFIOS DA ESCOLA E DO EDUCADOR

ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: DESAFIOS DA ESCOLA E DO EDUCADOR ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: DESAFIOS DA ESCOLA E DO EDUCADOR Resumo Ronaldo Revejes Pedroso 1 - NEJA/UNESP Francisco José Carvalho Mazzeu 2 - UNESP Grupo de Trabalho

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATORA: Senadora FÁTIMA CLEIDE I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2009. RELATORA: Senadora FÁTIMA CLEIDE I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 226, de 2003, do Senador GERSON CAMATA, que altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT),

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL OLIVEIRA, Silvana Aparecida Guietti de (UEM) COSTA, Maria Luisa

Leia mais

TRABALHO INFANTIL. Fabiana Barcellos Gomes

TRABALHO INFANTIL. Fabiana Barcellos Gomes TRABALHO INFANTIL Fabiana Barcellos Gomes Advogada, Pós graduada em Direito e Processo Penal com ênfase em Segurança Pública, Direito do Trabalho e Pós graduanda em Direito de Família e Sucessões O que

Leia mais

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA Alexandre Corrêa MENOR APRENDIZ O QUE ÉPRECISO SABER PARA CONTRATAR MENOR APRENDIZ 1) O que é aprendizagem? Segundo definição do ECA, aprendizagem é a formação técnico profissional

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 O PAPEL DA UNIVERSIDADE DE FORTALEZA NA PROMOÇÃO DA EDUCAÇÃO CONTINUADA COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

TÍTULO: Crianças com Transtorno Global de Desenvolvimento superam Dificuldades com Brinquedos Eletrônicos

TÍTULO: Crianças com Transtorno Global de Desenvolvimento superam Dificuldades com Brinquedos Eletrônicos TÍTULO: Crianças com Transtorno Global de Desenvolvimento superam Dificuldades com Brinquedos Eletrônicos Autoria: Patricia Araujo Nunes dos Santos Palavras-chave: Autismo, Brinquedos Eletrônicos e Aprendizagem

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

Menor Aprendiz Perguntas Frequentes

Menor Aprendiz Perguntas Frequentes Menor Aprendiz Perguntas Frequentes A aprendizagem é regulada pela CLT e passou por um processo de modernização com a promulgação das Leis nºs. 11.180/2005, 10.097/2008 e 11.788/2008. O Estatuto da Criança

Leia mais

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente;

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Relatório Pacto Global Princípios de Direitos Humanos Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Um dos valores que sustentam a

Leia mais

A importância do planejamento para o sucesso escolar.

A importância do planejamento para o sucesso escolar. UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COORDENAÇÃO ESCOLAR A importância do planejamento para o sucesso escolar. Édula Maria Fonseca Gomes Trabalho de conclusão de curso apresentado

Leia mais

A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990*

A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990* A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990* Rafael Loures Ogg¹ Cleise Maria de Almeida Tupich Hilgemberg² Palavras-chave: Violação; Criança;

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO?

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO? Resumo: O texto cita algumas evoluções no processo de recrutamento e seleção realizado pelas empresas. Avalia a importância dos recursos humanos, no contexto organizacional. Palavras-Chave: 1. Incentivo

Leia mais

CONCLUSÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO DO ENCONTRO NACIONAL SOBRE TRABALHO INFANTIL

CONCLUSÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO DO ENCONTRO NACIONAL SOBRE TRABALHO INFANTIL CONCLUSÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO DO ENCONTRO NACIONAL SOBRE TRABALHO INFANTIL BRASÍLIA/DF, 22 de agosto de 2012. Grupo de Trabalho sobre Autorizações para o Trabalho Infanto-juvenil: I. Não cabe autorização

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE MANAUS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE MANAUS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED ASSUNTO: Proposta de Estrutura Curricular do Ensino Fundamental de 9 (nove) Anos com um Bloco Pedagógico nos Três Anos Iniciais RELATORA: Aldenilse Araújo

Leia mais

ETAPAS PARA CONTRATAÇÃO

ETAPAS PARA CONTRATAÇÃO ETAPAS PARA CONTRATAÇÃO De posse da cota definida pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego a empresa contratante deverá seguir as etapas abaixo: 1º ETAPA: CONSULTA AO CRONOGRAMA DE CONTRATAÇÃO

Leia mais

11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM TRABALHO INFANTIL E O PROJETO BRINCADEIRAS COM MENINOS E MENINAS DE E NA RUA.

11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM TRABALHO INFANTIL E O PROJETO BRINCADEIRAS COM MENINOS E MENINAS DE E NA RUA. 11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM TRABALHO INFANTIL E O PROJETO BRINCADEIRAS COM MENINOS E MENINAS DE E NA RUA. Luisa de Oliveira Demarchi Costa (apresentadora) 1 Cléia Renata Teixeira Souza (coordenadora)

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL (SENAI): CRIAÇÃO E PROPOSTAS EDUCATIVAS / CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO SOCIAL

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

Manual de Orientações às Empresas. Programa Aprendizagem: Gestão e Negócios. Manual de Orientações às Empresas. Carga horária: 1.

Manual de Orientações às Empresas. Programa Aprendizagem: Gestão e Negócios. Manual de Orientações às Empresas. Carga horária: 1. Manual de Orientações às Empresas Programa Aprendizagem: Gestão e Negócios Carga horária: 1.333 horas Fls: [ 1 ] / [ 12] Prezado(a) Senhor(a) O Senac São Paulo está empenhado em reafirmar, em todas as

Leia mais

A FORMAÇÃO DE RENDA GERADA PELO TRABALHO DO MENOR APRENDIZ

A FORMAÇÃO DE RENDA GERADA PELO TRABALHO DO MENOR APRENDIZ A FORMAÇÃO DE RENDA GERADA PELO TRABALHO DO MENOR APRENDIZ Marina Donizete Cursino dos Santos 1, Moacir José dos Santos 2, Monica Franchi Carniello 3 1,2,3 Universidade de Taubaté/Mestrado em Gestão e

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 1 Art. 3º. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: [...] Art. 3 O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Atividade extra. Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3. Questão 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias Sociologia

Atividade extra. Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3. Questão 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias Sociologia Atividade extra Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer

Leia mais

TERMO DE AJUSTE DE CONDUTA - ASSISTÊNCIA SOCIAL

TERMO DE AJUSTE DE CONDUTA - ASSISTÊNCIA SOCIAL TERMO DE AJUSTE DE CONDUTA - ASSISTÊNCIA SOCIAL Pelo presente instrumento, na forma do artigo 5º, 6º, da lei n.º 7.347/85, alterado pelo artigo 113 da Lei n.º 8.078/90, o MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO

Leia mais

SOLUÇÕES PERSONALIZADAS DE E-LEARNING: CURSOS DE LARGA ESCALA

SOLUÇÕES PERSONALIZADAS DE E-LEARNING: CURSOS DE LARGA ESCALA SOLUÇÕES PERSONALIZADAS DE E-LEARNING: CURSOS DE LARGA ESCALA ARTIGO ACEITO PARA O IADIS EUROPEAN CONFERENCE 2012 LISBOA (PORTUGAL) Categoria mini artigo com no máximo 2500 palavras RESUMO Este artigo

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais

Como é calculado o salário do aprendiz?

Como é calculado o salário do aprendiz? Como é calculado o salário do aprendiz? 1º PASSO - Cálculo da hora nua: Hora nua = salário mínimo / 150 horas (n. de horas/mês) * 150 = 30 horas semanais x 5 semanas Ex.: 424,00 / 150 = 2,826 Salário base

Leia mais

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG)

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) 1 - INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta dados e informações que fundamentam

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais