Descrição de Lutzomyia (L.) almerioi sp. novo (Diptera, Psychodidae) do Mato Grosso do Sul, Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Descrição de Lutzomyia (L.) almerioi sp. novo (Diptera, Psychodidae) do Mato Grosso do Sul, Brasil"

Transcrição

1 Revisla Brllsileira de Entomologia. São Paulo. 43(3/4): I.XJI.I999 Descrição de Lutzomyia (L.) almerioi sp. novo (Diptera, Psychodidae) do Mato Grosso do Sul, Brasil Eunice A. Bianchi Galati I Vânia L. Brandão Nunes! A~\CT. DESCRIPTIOS Of LUTZO.lIl7,/ (L.),/LIfERIOI SP. 11:0\'. (DIP'tERA. PSYCItOOIOAE) FROM MATO GROSSO DO SUL STATE, BRAZlL A new s~ies Lu/:omyia (Lul:omyia) a/merioi (Diplera. Psychodidae. Phlebolominae) caplurcd in caves wilh automalie coe lighllrups, in Bonilo counly, localed in lhe soulhcasl Df lhe Serra (Ia Bodoquena, soulhwcslcm Mato Grosso do Sul slale. is dcscribcd and iiluslrutcd. Thc grcal aflinily oflhe spceies wilh Lu/zom)'ia forallinii, whieh is Iimiled lo lhe Pantanal ofthe Mato Grosso do Sul slate. is poinled oul. The geographieal dislribulion ofthespccics oflu/:omyia s. sir. in Brazil is updaled. K!:\WORPS: LurzO.IIYI,jAL.tfERIOISP. NO\'.; LUTZO.III7'/ FORAm"'"; LUTZO.I/}'(,/ s. STR.; PItLEDOTOMINAE; TAXONOMY. INTRODUÇÃO Em visita ao município de Bonito, situado na parte suloriental da Serra da Bodoquena, sudoeste do Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil, com o objetivo de conhecer a região, com vistas a desenvolver estudos dos flebotomineos para avaliar o potencial de risco de transmissão de leishmanioses na área, procedemos a duas capturas com armadilhas automáticas luminosas, tipo CDC, no interior de duas grutas. Na oportunidade, foi capturada uma espécie ainda não descrita, cuja descrição é o objeto do presente trabalho. MATERIAL E MÉTODO Os espécimes, após clarificados, segundo técnica de Foranini (1973) e montados em meio NC (CERQUEIRA, 1945), foram medidos com ocular mijimetrada Nikon ; com as medidas ajustadas de acordo com lâmina milimetrada de referência e desenhados com câmara clara Olympus. Llltzomyia (Llltzomyia) alnrerioi sp. nov, (Figs. I 33) Macho. Holótipo. Coloração geral, exceto tenninália, pálida; tcrminália castanha. Comprimento co. 2,95 mm (parátipos 2,83 ± 0,17 mm; n = 7). Cabeça (Fig. I). Comprimento co. de 1,04 a sua largura (1,19 ± 0,04; n = 7). Clípeo equivale a 0,37 do comprimento da cabeça (0,38 ± 0,06; n = 7) e os olhos 0,47 (0,47 ± 0,08; n = 7). Razão entre os comprimentos: LE/cabeça 0,65 (0,62 ± 0,02; n;; 7); AIlUcabeça 0,74 (0,72 ± 0,02; n = 7); AUULE 1,13 (1,17 ± 0,03; n =7). Fónnula palpai ( ; n = 7); 3 R palpômero com espinhos de Newstead implantados em seu meio (Fig. 12). Antenas com um par de ascóides de AIIl - AXV; AJIJ com o ascóide externo implantado em nível mais apical que o interno; AIV com o ápice do ascóide interno que não atinge o nível de implantação da papila (Fig. 3); AV com papila (Fig, 4); AXI- AXIU, como nas Figs. S-I O. Cibário (Fig. II). Medidas na Tabela J. Presença das sensilas ventrocervicais. Tórax. Cerdas pro-epimerais (anepisternais inferiores) em número de 4-5 (3-7; n = 7) e as anepistemais superiores de 5 e 6 (3-12; n = 7). Ausência das cerdas na metapleura e da cerdosidade na região anterior do catepistemo. Asa (Fig. 25). Medidas na Tabela I. Abdômen. Comprimento co. 1,56 mm (1,50 ± 0,13). Papilas tergais presentes do 4 11 ao 6R tergitos. Ausência de cerdas pleurais. Terminália (Fig. 27). Gonocoxitos 325 ~m (318 ± 13 ~m; n = 7) dotados em sua base de tubérculo esclerosado, com duas cerdas esclerosadas, foliáceas de ápice truncado e duas cerdas espinifonnes implantadas um pouco aquém dessas (Fig. 28); duas ou três outras cerdas implantadas isoladamente na região mediana, sendo uma delas semifoliácea e a(s) outra(s) fina(s) e um tufo apical esparso de cerdas espiniformes. Gonóstilo 168 Ilm (162 ± 8 Ilm; n = 7) dotado de cinco espinhos, com os seguintes níveis de implantação: dois apicais, o externo superior no terço apical, o externo inferior aquém do meio e o interno em seu meio. Parâmero (Fig. 29) mede em sua margem dorsal 170 ~m (172 ± 4 ~m; n = 7) e na ventral 240 ~Im (230 ± 8 Ilm; n = 7); apresenta-se dilatado do meio até região pré-apical, e em seu ápice afila-se novamente; é dotado na margem dorsal, um pouco aquém do meio, de um tubérculo desenvolvido, tendo em sua parte apical duas I. Ocpartamenlo de Epidemiologia. Faeuldade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, Av. Dr. Arnaldo Silo Paulo sr, Brasil. Endereço elelrônleo: 2. Ocpartamenlo de Patologia, Centro de Ciências Biolôgieas e da Saúde. Universidade Federal de MaIo Grosso do Sul. Campo Grande - MS Brasil.

2 278 Galati & Nunes Tabela I. Medidas, em j!m, dos earacteres da cabeça e seus apêndices, tórax, asas e pemas do holótipo, alótipo e pan\tipos de LI/l::omyia (Llllzomyia) a/merioi sp. novo Caracteres Hol. Aló. cf 9 machos Parátipos fcmeas n X s n X s Comprimento da cabeça Largura da cabeça O Distãneia interocular O Comprimento do ellpco I Comprimenlo dos olhos 180 ISO Labro-cpifaringe (LE) 2SO Antenas: AIII AIV los 9 AV AXV S 4 I 61 AXVI (f) Palpômcros: I n II JII IV V Comprimento do tórax 510 S66 7 S Asa: comprimento largura SOO S40 7 S ~ SOO SOO S28 30 ~+l 280 2SO R1-.J+" 270 2fJ) II ~ S delta 28S 30S (Jl 38 pi :xl Fêmur anterior mediano posterior S Tíbia anterior S mediana ro posterior Tarso I anterior S CJl 21 mediano '} posterior :xl Tarsos II+III+IV+V ant med. 6S posto s =desvio padrão; anl. =anterior; med. =mediano; pos!. =posterior cerdas esclerosadas de ápice em gancho e, na basal, um conjunto de cerdas espiniformes; a área situada entre o tubérculo e o ápice é coberta por cerdas espiniformes de ápice reto; ainda nesta margem, encontra-se em sua região mediana, porém, mais internamente, um conjunto de cerdas de ápice curvo; na margem ventral, ocorre um conjunto de cerdas espiniformes que se estende até próximo das cerdas apicais; estas separam-se das da margem dorsal por uma pequena área glabra. Edeago cônico, com comprimento ca. 70 Ilm (70 ± 6 Ilm; n = 7). Lobos laterais inermes, medindo de comprimento 305 Ilm (286 ± 15 Ilm; n = 7) e de largura 22 Ilm (22 ± 2 Ilm; n = 7). Cercos de comprimento equivalente a 175 Ilm (165 ± 8 Ilm; n = 7). Comprimento da bomba ejaculadora I231lm (125 ± 8 Ilm; n = 7), pistão 100 Ilm (102 ± 58 Ilm; n = 7) e dutos ejaculadores 510 Ilm (478 ± 221lm; n = 7). Estes são finos, de ápice simples e medem ca. 4,1 (3,84 ± 0,22) vezes o valor da bomba. Fêmea. Alótipo. Coloração geral pálida. Comprimento ca, 2,54 mm (parátipos 2,60 ± 0,12 mm; n = 3). Cabeça (Fig.2). Comprimento ca, 1,19 a sua largura (1,18 ± 0,02; n = 3). Clípeo equivale a 0,36 do comprimento da cabeça (0,38 ± 0,0 I; n =3) e os olhos 0,45 (0,45 ± 0,02; n = 3). Razão entre os comprimentos: LE/cabeça 0,78 (0,82 ± 0,03; n = 3); AlIUcabeça 0,60 (0,58 ± 0,02; n = 3); AlIIILE 0,77 (0,70 ± 0,01; n = 3). Fórmula palpai 1.4.(23).5 [1.4.(2 3).5 ou ; n = 3}; 2 11 palpômero sem espinhos de Newstead; 3 11 palpômero com espinhos de Newstead implantados entre o seu meio e o terço apical (Fig.17). Rnis/a BrasN,,"ra fie Enlam%gia. Sào Paulo. 4J(3-/4). 1999

3 LlItzomyia (L.) almerioi sp. novo 279 Antenas com um par de ascóides de AIIl - AXV; AIII com o ascóide externo implantado em nível, ligeiramente, mais apical que o interno; AIV com o ápice do ascóide interno que ultrapassa o nível de implantação da papila, porém, não atinge o ápice do segmento (Fig. 13); AV com papila (Fig. 14); AXI- AXVI, como nas Figuras Cibário (Fig. 18) com dois pares de dentes posteriores (horizontais) eqüidistantes e de ápice afilado; um conjunto de dentículos anteriores verticais dispostos lateralmente à área esclerosada, com os centrais pouco mais desenvolvidos; área esclerosada estreita, longa e afunilada; arco esclerosado completo. Faringe rugosa em seu quarto apical, com espinhos atrofiados em sua área mais apical. Hipofaringe (Fig. 16) com dentes profundos sítuados apicolateralmente. Lacínia da maxila (Fig. 15) com 7-8 dentes externos (7-9; n = 3) dispostos em fileira única e com 18 dentes internos (19-25; n = 3). Medidas na Tabela I. Presença das sensilas ventrocervicais. Tórax. Cerdas pro-epimerais (anepisternais inferiores) em número de 4-5 (3-4; n = 3) e as anepisternais superiores de 6 e 8 (4-8; n = 3). Ausência de cerdas na metapleura e da cerdosidade na região anterior do catepistemo. Asa (Fíg. 26). Medidas na Tabela I. Abdômen. Comprimento ca. 1,58 mm (1,65 ± 0,14 mm; n =3); 2 g esternito com 4-5 cerdas em cada um dos lados; 8 g tergito com 2 cerdas (2-3 cerdas; n = 3) em cada lado; 9 g tergito dotado em sua lateral de uma pequena bolsa pilosa (Figs. 32 e 33). Ausência de cerdas pleurais. Cercos de ápice oblongo, com ca. 112 pm (119 ± II pm; n = 3) de comprimento. Espermatecas: corpo segmentado sem transição nítida com os dutos individuais, de modo que este conjunto mede ca. 244 pm (216 ± 13 pm; n = 3); com a largura máxima do corpo ca. II pm (11,4 ± 0,5 pm; n = 3) e a dos dutos individuais, medindo em seu meio ca. 4,0 pm (5,0; n = 3); duto comum liso, de comprimento ca. 46 pm (40 ±7 J.lm; n = 3) por 6,7 pm e 8,4 pm de largura (medida, apenas, em dois parátipos). Tipos. Holótipo r$. Alótipo!j? Parátipos, 6 r$ e 3 r$. Município de Bonito, Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil (interior da Gruta do Lago Azul), 20/21.Vll Parátipo ler (interior da Gruta do Mimoso), VII Os espécimens foram coletados por Galati, E. A. B. e Nunes, V.L.B., com annadilha automática luminosa, tipo CDC, no período das 18-6 h. Material-tipo depositado na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, sr. DISCUSSÃO TAXONÔMICA Llltzomyia (Llltzomyia) a/merioi sp. novo apresenta afinidade com Lutzomyia lotlgipa/pis (Lutz & Neiva, 1912) que é a espécie-tipo do gênero; portanto, justifica-se a sua inserção neste, bem como no subgénero. No gênero Lutzonryia França, 1924, estão inseridas cerca de 90% das espécies descritas para a América, distribuídas entre muitos subgêneros ou grupo de espécies, segundo classificações de vários autores (THEODOR,1948; BARRETTO, 1962; TIlEOOOR, 1965; YOUNG & FAIRcHILD, 1974; LEWIS et ai., 1971; MARTINS et a/., 1978 e YOUNG & DUNcAN,1994). Todavia, em classificação com abordagem filogenética (GALATI,1995) este táxon compõe-se apenas de 4 subgêneros: Helcocyrtomyia Barretto, 1962, Castromyia Barretto, 1962, Tricholateralis Galati, 1995 e Llltzomyia s. str. Também estão inseridas neste gênero, com posição subgenérica incerta, as espécies: L. ;gnacioi Young, 1972, L. pollsi Perruollo, 1984 e L. vargos; (Fairchild & Hertig, 1961 ). Nessa classificação o gênero caracteriza-se, em ambos os sexos, pela presença do par de sensilas ventrocervicais (estas são espiniformes e localizam-se na região cervical, pouco aquém do prestemo); AIII com o ascóide externo implantado em nível mais apical que o interno; 2 g palpômero equivalente ou maior que o 4 g ; 3 g palpômero com os espinhos de Newstead implantados, em conjunto, em seu meio ou dispersos, ocupando inclusive a metade apical; AV com papila (exceto, em Tricholateralis). Machos: gonocoxito dotado de tufo de cerdas em sua região basal, gonóstilo com um ou dois espinhos apicais. Fêmeas com o corpo das espennatecas anelado. Os seus subgêneros podem ser identificados pela chave a seguir: 1 Ambos os sexos: presença da cerdosidade na região anterior do catepistemo; 3 g metatarsômero com os espinhos implantados em três ou mais niveis. Machos: gonóstilo com dois espinhos apicais Helcocyrtomyia Ambos os sexos: ausência da cerdosidade na região anterior do catepisterno; 3 g metatarsômero com os espinhos implantados em dois ou mais niveis. Machos: gonóstilo com um ou dois espinhos apicais 2 2( 1) Ambos os sexos: ausência da papila em AV; presença de cerdas nas pleuras abdominais (mais evidente nas fêmeas). Machos: gonóstilo com um espinho apical e ausência da cerda espinifonne pré-apical... Tricholateralis Ambos os sexos: presença da papila em AV; ausência das cerdas nas pleuras abdominais. Macho com um ou dois espinhos apicais 3 3(2) Machos: papilas tergais presentes do II-VII tergitos abdominais; gonóstilo com um espinho apical e prc;sença da cerda espiniforme pré-apical; parâ-. mero com uma ou duas cerdas de ápice curvo, implantada(s) na região mediana-basal da margem dorsal. Fêmeas: cibário com arco esclerosado incompleto e os dentes anteriores em posição horizontal Castromyia Machos: papilas tergais ausentes no 11 tergito abdominal e, às vezes, em outros; gonóstilo com dois espinhos apicais ou um, neste caso, a cerda espinifonne pré-apical pode ou não estar presente; Rnista B,..I/.i", d. Entomologia. São P.ulo. 4J(JI4). 1999

4 280 Galati & Nunes parâmero com duas cerdas de ápice curvo implan- 2( I) tadas na região mediana-basal da margem dorsal. Fêmeas: cibário com arco esclerosado completo 3(2) e os dentes anteriores em posição vertical ou latemlizados Lutzomyia Com a descrição dessa nova espécie, o subgênero 4(3) Llltzomyia passa a ser composto por 16 espécies, descritas por ambos os sexos, sendo três conhecidas em suas formas imaturas, e com a seguinte distribuição geográfica: LlItzomyia aleneari Martins, Souza & Falcão, 1962 BRASIL (Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro). Lutzomyia almerioi sp. novo BRASIL (Mato Grosso do Sul). Lutzol1lyia bifoliata Osomo-Mesa, Morales, Osorno & 5(4) Hoyos, COLÔMBIA. Lutzomyia batlisti"ii (Hertig, 1943) - PERU. Llltzomyia bieornuta (Blancas & Herrer, 1959/1960) PERU. Lutzol1lyia cavernieola (Costa Lima, 1932) - BRASIL (Goiás, Minas Gerais). LUlzomyia enai(mangabeira, 1938) - BRASIL (Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul). Llltzomyia dispar Martins & Silva, BRASIL - (Piauí, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo). Lutzomyia forattinii Galati, Rego, Nunes & Teruya, 1985 BRASIL (Mato Grosso do Sul). LUlzomyia gaminarai (Cordero, Vogelsang & Cossio, 1928) - BRASIL (Paraná), URUGUAI. LIlJzomyia isehllaeanjlta Martins, Souza & Falcão, 1962 BRASIL (Minas Gerais). Lutzomyia isehyraeantha Martins, Falcão & Silva, 1962 BRASIL (Minas Gerais). Llltzomyia lieltyi (Floch & Abonnenc, 1950) (ovo, larva) COSTA RICA, PANAMÁ, COLÔMBIA, VENEZUELA, TRlNIDAD, GUIANA FRANCESA, EQUADOR, PERU, BRASIL (Roraima, Mato Grosso). Lutzomyia longipalpis (Lutz & Neiva, I912) (ovo, larva, pupa) - MÉXICO à ARGENTINA, exceto, Uruguai. Lutzomyia renei (Martins, Falcão & Silva, 1957) (ovo, larva, pupa) - BRASIL (Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais). LlltzonJyia souzalopesi Martins, Silva & Falcão, 1970 BRASIL (Espírito Santo). A distinção de L.almerioi sp. novo das demais espécies de Llltzomyia pode ser feita pela chave de identificação a seguir: 1 Gonóstilo com dois espinhos apicais 3 Gonóstilo com um espinho apical 8 Margem dorsal do parâmero com 6 cerdas de ápice em gancho L. batlistillii Margem dorsal do parâmero com 2 cerdas, geralmente, de ápice em gancho 4 Gonocoxito dotado em sua base de tubérculo colunar e com duas cerdas foliáceas em seu ápice... 5 Gonocoxito com o tufo basal formado por 4-5 cerdas finas ou semifoláceas implantadas diretamente na superfície ou em tubérculo discreto. 6 Parâmero com a presença na margem ventral de um lobo de ápice cerdoso; gonocoxito com uma cerda esclerosada, semifoliácea em sua região mediana.. L. foratt"", / MACHOS Forquilha labial ausente; gonóstilo com apenas um espinho apical e ausência da cerda espiniforme pré-apicai L. dispar Forquila labial presente, gonóstilo com dois espinhos apicais ou um, neste caso, a cerda espiniforme pré-apical pode ou não estar presente... 2 Figs I.Ulzolllyiu ullllcrioi sp. novo - Cabeça c seus apêndices. 1- Holólipo d'. 2 Alólipo 9. Escala =100 pm. Rni.sl4J Brosil,,'ra de Enlamo/agia. 510 Pa.u!o. "'J()!4), 1999

5 Lutzomyia (L.) almerioi sp. novo ~ I U '" y, \!l' O ,, 19~J,, l~'\"cl B j. I I., ~ f.:. ~ii, ' :. ~ f 1}..... Figs LII/zomyia almerioi sp. novo 3 12: holótipo m: 3 - AIV; 4 AV; 5 AXI; 6 - AXII; 7 AXIII; 8 - AXIV; 9 AXV; 10 AXVI; 11 cibário; 12-3 palpõmcro alólipo ~: 13 - AIV; 14 AV; 15 -Iacíniadc maxila; 16 - hipofaringe; 17-3"palpõmcro; 18 - bomba salivar. cibárioc faringe; 19 - AXI; 20 AXII; 21 - AXIII; 22 AXIV; 23 - AXV; 24 - AXVI. Escala = m. R"'lsla Brasil.lra d. Emam%gla. S.o Paulo, ~J(3/4). 1999

6 282 Galati & Nunes Figs LlIlzomyia almerioi sp. novo asa: holótipo <t; 26 - alólipo 9. Escala = SOO 11m. 28 Figs Llllzomyia almerioi sp. novo Holótipo <t: 27 - tcrminália; 28 - lufo basal de cerdas foliáceas do gonocoxilo; 29 - parâmcro; 30 bomba. dulos ejaculadores e edcago. Escala =100 Jlm. Rel'isttl B'tI"i/.iru d. Enromologitl. São Paulo. 4J(3/~). 1999

7 LUlzomyia (L.) a/merioi sp. novo 283 Parâmero sem a presença de lobo em sua margem ventral; gonocoxito com 2-3 cerdas em sua região mediana, sendo uma delas mais larga.... L. aln/erioi sp. novo 6(4) Margem ventral do parâmero afila se bruscamente no terço apical, formando área com forte convexidade L. cavernicola Margem ventral do parâmero praticamente reta (6) Margem dorsal do parâmero com uma protuberância no terço apical e as cerdas de ápice em gancho implantadas em tubérculo; gonocoxito com as cerdas do tufo basal implantadas em tubérculo discreto e presença de duas cerdas em sua região mediana L. bicornuta Margem dorsal do parâmero sem protuberância no terço apical e as cerdas de ápice em gancho implantadas no máximo em ligeira saliência; gonocoxito com as cerdas implantadas diretamente na superficie; ausência de cerdas em sua região mediana L. renei 8(2) Gonocoxito com o tufo basal formado por 2 cerdas foliáceas 9 Gonocoxito com o tufo basal formado por 4 cerdas finas ou semifoliáceas 10 9(8) Parâmero com as duas cerdas de ápice em gancho foliáceas L. lichyi Parâmero com as duas cerdas de ápice em gancho finas L. bifoliata 10(8) Cerdas do tufo basal do gonocoxito semifo- Iiáceas II Cerdas do tufo basal do gonocoxito finas 12 II (10) Razão: dutos ejaculadoreslbomba :: 3,0 L. cnai Razão: dutos ejaculadoreslbomba ~ 4,5.... L. sollzalopesi 12(IO) Gonóstilo sem cerda espiniforme pré-apical L. ischnacantha Gonóstilo com cerda espiniforme pré apical (12) Cerdas de ápice em gancho da margem dorsal do parâmero implantadas em tubérculo 14 Cerdas de ápice em gancho da margem dorsal do parâmero não implantadas em tubérculo..... L. longipalpis 14( 13) Gonóstilo com o espinho interno implantado além do seu meio, próximo ao externo superior L. gaminarai Gonóstilo com o espinho interno implantado em seu meio IS 15(14) Parâmero robusto, com a parte apical (após o tubérculo em que se implantam as cerdas de ápice em gancho) ca. 3 vezes mais longa que a sua largura máxima; razão: dutos ejaculadoreslbomba S 3,0... L. ischyracantha Parâmero mais delgado, com a parte apical ca. 5,0 vezes a sua maior largura; razão: dutos ejaculadoreslbomba ca. 3,7 L. alencari FÊMEAS Forquilha labial ausente L. dispar Forquilha labial presente 2 2(I) Cercos muito longos, em vista lateral. ca. 4,0 vezes a sua maior largura L. souzalopesi Cercos mais curtos, em vista lateral, ca. 2,0 vezes a sua maior largura 3 3(2) Cibário com dois pares de dentes posteriores (horizontais) 4 Cibário com 3 ou mais pares de dentes posteriores (horizontais) 10 4(3) Espermatecas com o anel apical nitidamente mais longo que os que lhe precedem 5 Espermatecas com o anelapicalligeiramente menor do que os que lhe precedem 8 5(4) Pleuras torácicas castanhas 6 Pleuras torácicas pálidas 7 6(5) Antenas com AXVI nitidamente maior que AXV..... L. lichyi Antenas com AXVI menor que AXV... L. bifoliata 7(5) Porte grande, asa de comprimento ca. 2,65 mm e a largura 0,83 mm L. cavernicola Porte médio, asa de comprimento menor ou equivalente a 2,5 mm e a largura menor que 0,7 mm L. battistinii, L. bicornuta e L ischnacantha 8(4) Cibário com forte esclerosação na forma de arco situada embaixo dos dentes horizontais, na base da área esclerosada, ladeada por um par de dentes verticais robustos e vários denticulos lateralizados... L. foraulnll Cibário sem a esclerosação acima referida ou, se presente, é pouco desenvolvida e os dentes verticais são pouco desenvolvidos 9 9(8) Cabeça medindo em comprimento ca. 0,45 mm e o labro-epifaringe ca. 0,38 mm L. rene; Cabeça medindo em comprimento ca. 0,40 mm e o labro-epifaringe ca. 0,33 mm..... L. almerioi sp. novo 10(3) Cibário com 5 ou mais pares de dentes posteriores (horizontais) L. ischyracantha Cibário com 3 ou 4 pares de dentes posteriores (horizontais) II II (10) AlII ~ 0,28 mm; cibário com os dentes horizontais em aspecto de lâmina de serra... L. alencari AIII S 0,25 mm; cibário com os dentes horizontais individualizados L. longipalpis e L. cruzi A fêmea de L. gaminarai não pode ser identificada por meio dos caracteres descritos, de acordo com Forattini (1973). A presença de dois espinhos apicais no gon6stilo permite inserirl. almerioi sp. novo na série cavemicola do subgênero Llltzomyia. de acordo com MARTINS et ai. (1978) ou série renei, segundo MARTINS et ai. (1961), THEOOOR (1965), YOUNG & fairchild (1974) e LEWIS et ai. (1977). Com a RmsrJI s,tuildm <ú Eltl-Jogúl. SI<> Paulo. 41(3/4). 1999

8 284 Galati & Nunes 31 Figs LUlzomyia almerioisp. novo 31 - espermatecas: alótipo 9; 32 - terminália, em vista lateral; alótipo 9; 33 9" tergilo e cspermalceas: panitípo 9. Eseala = m. descrição deste novo táxon, a série cavernicola passa a ser integrada por 6 espécies: L. almerioi sp. nov., L. battistinii. L. bicornllta, L. ca\'ernicola. L. jorattinii e L. renei. Dentre essas espécies, o novo táxon relaciona-se mais estreitamente com L. jorattinii, cuja ocorrência parece estar limitada à região do Pantanal e, provavelmente, atua na transmissão da leishmaniose visceral em Corumbá (GALAT! el ai., 1997). Merece destaque o fato de que este ecossistema, na região sudoeste de Mato Grosso do Sul, faz limite com a Serra de Bodoquena, em sua vertente ocidental. Portanto, estudos que enfoquem a biogeografia dessas espécies, bem como, a investigação sobre o comportamento desse novo táxon, no que diz respeito à passivei atuação na veiculação de leishmanioses na área seriam muito oportunos, dado que estas parasitoses encontram-se em expansão no Estado. A associação entre os sexos foi baseada na concordância dos caracteres genitais e extragenitais, no padrão de coloração, na presença, tanto no macho como na temea, de caracteres do subgênero Llltzomyia e por terem sido os únicos representantes desse táxon nas capturas. O nome Llltzomyia almc,.ioi foi dado em homenagem ao Prof. Dr. Almério de Castro Gomes, do Departamento de Epidemiologia da Faculdadede Saúde Pública da Universidade de São Paulo, pela sua importante contribuição para os estudos de Phlebotominae, tanto na orientação de alunos como na participação em pesquisas sobre a ecologia desses insetos. Agradecimento. Ao Sr. Sergio Ferreira Gon7..ales, guia lurislico de Bonilo, que gentilmente nos acompanhou nas visitas às cavernas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARRETTO, M.P Novos gêneros de 1.lI/zomyia França, 1924 (Diplera, subfamília Phlcbotominac). Re\ isttl tio ltlsti/lllo de Medicina Tropical tle São Palllo, São Paulo. 4: CERQUEIRA, N Novo meio para montagem de pequenos insetos em lâminas. Memórias do Inslilll/o Os,,"aldo Cnlz, Rio de Janeiro. 39: FORATTINI, 0.1' Entomologia Médica 4" \'t)i. P.rychodidae. PMebotominae. Leislmwnioses. BtlrtOl,elosl!. São Paulo, Edgard Blüchcrl EDUSP, 658 p. GALATI, E.A.B I'hylogcllctic systcmatics ofi'hlcbolominae (Diptcra, Psychodidae) with cmphasis on Amcrican groups. Proceedings oflheii Intemaliontll Symposillm 0/1 Phleholomilll! stllldflies. Bole/iII de la DireciólI de Mtlltlriologítl y StII,etlm;etllo timbielltal, Maraeay, 35 (Suppl. I): R,,'ista Brasil<lra d. E.'amo/ugia. S10 r.ulo. JJ(314). 1999

9 Lutzomyia (L.) almerioi sp. novo 285 GALATI, E.A.B.; Y.L. B. NUNES; F.A. REGO JR.; E.T. OSHlRO & M.R. CHEI\G Estudo dc flcbotomlncos (Diptcra, Psychodidac), cm foco dc Icishmaniosc visccral no Estado dc Mato Grosso do Sul. Revista de Saúde Pública, São Paulo, 3J: LEWIS, D.J.; D.G. YOUNG & D.M. MINTER, Proposals for a stablc classification of Ihc Phlcbotominac sandflies (Diptera: Psyehodidae). S)'stematic EntollloJog)', Oxford, 1: , MARTINS, A.V.; M.A. SOUZA & J.E. SILVA, Estudo sôbrc os ficbótomos do Estado dc Minas Gerais. II: Descrição do macho e rcdescrição da fêmea dc "Lulzomyiacavcmicola" (Costa Lima, 1932) (Diptcra, Psychodidae). Revista Brasileira de Biologia, Rio dc Janeiro, 2J: MARTINS, A.V.; P. WILLIAMS & A.L. F.W::Áo, Americall salldjjies (Diptera: Ps)'cJrodidae, Plr/ebotomillae). Rio dc Janciro. Acadcmia Brasileira dc Ciências, 195 p. THEODOR, O Classification of lhe world species of lhe subfamily Phlebotominae (Diptera, Psychodidac). Blll/etin ofentomological Researclr, London,39: THEOOOR, O On lhe c1assification ofamcrican Phlebotominae. JOII",al ofmedical Elllomology, Honolulu, 1: YOUNG, D.G.; M.A. DUNcAN, Guide to tire identification and geograpllical distriblltion oflutzomyia sandjjies iii Mexico, tire Irest J/I(/ies. Central andsoutlr America (Diptera: Ps)'clrodidae). Gainesvillc, Amcrican Entomological Institutc, n"54, 881 p. YOUNG, D.G.; G.B. FA1RCIIILD, Studies ofplr/ebotomine sand jjies. Gaincsvillc, Departmenl ofentomology and Nemalology, Univcrsily of Florida, 151 p. Rcccbidocm 27.x.1997; aceito cm 13.VIII.l999. Revisto Brasl/~jr. J~ Enrom%gio. 510 raulo. 4J(3/4). 1999

Novos Mycetophilinae do Brasil (Diptera, Mycetophilidae).

Novos Mycetophilinae do Brasil (Diptera, Mycetophilidae). 448 L a n e, Novos Mycetophilinae do Brasil Novos Mycetophilinae do Brasil (Diptera, Mycetophilidae). Por J O h II L a n e, Departamento de Parasitologia, Faculdade de Higiene e Saúde Pública da Universidade

Leia mais

Década de 1930 1937 Sobre uma espécie nova do gênero Laphriomyia Lutz, e descrição do macho de L. mirabilis Lutz (Diptera: Tabanidae)

Década de 1930 1937 Sobre uma espécie nova do gênero Laphriomyia Lutz, e descrição do macho de L. mirabilis Lutz (Diptera: Tabanidae) Década de 1930 1937 Sobre uma espécie nova do gênero Laphriomyia Lutz, e descrição do macho de L. mirabilis Lutz (Diptera: Tabanidae) Adolpho Lutz G. M. de Oliveira Castro SciELO Books / SciELO Livros

Leia mais

SFO t 300'\04- .' FOul'...,~:~, \J. 'f (.,.,~) /ln> ~, Se:: r;"' 30, ler3r. ~. ]ilbltcta. "u. 8~ 'Nat M:ua; ...

SFO t 300'\04- .' FOul'...,~:~, \J. 'f (.,.,~) /ln> ~, Se:: r;' 30, ler3r. ~. ]ilbltcta. u. 8~ 'Nat M:ua; ... SFO t 300'\04-.' FOul'...,~:~, \J. 'f (.,.,~) /ln> ~, Se:: r;"' 30, ler3r.' ii, ~ I ~. ]ilbltcta "u. 8~ 'Nat M:ua;... NOTAS.SôB~E FLEIiOJOMOS SUL AMERICANOS II DESCRIÇL\O DE FI~EB..OTpJJUS llrhlrmani N.

Leia mais

REVISTA BRASILEIRA DE ZOOLOGIA

REVISTA BRASILEIRA DE ZOOLOGIA REVISTA BRASILEIRA DE ZOOLOGIA Revta bras. Zool., 6 ( 1 ) : 9 9-1 1 O ls/rv/1989 Descrição dos estágios imaturos de Epilachna spreta (Muls., 1850) (Coleoptera, Coccinellidae), com redescrição, comentários

Leia mais

Notholopus (Notholopoides) niger, Sp.D. Figs 1-5

Notholopus (Notholopoides) niger, Sp.D. Figs 1-5 MIRrDEOS NEOTROPICAIS CCCXC: ESPÉCIES NOVAS DE GOlAS (HEMIPTERA, MIRIDAE) José C. M. Carvalho 1,2 Luiz A. A. Costa 1 ABSfRACf. NEOTROPICAL MIRIDAE CCCXC: NEW SPECIES FROM GOIÁs (HEMIPTERA, MIRIDAE). Six

Leia mais

Simuliidae (Diptera, Culicomorpha) no Brasil XIII sobre Inaequalium lundi sp.n.

Simuliidae (Diptera, Culicomorpha) no Brasil XIII sobre Inaequalium lundi sp.n. XIII sobre Inaequalium lundi sp.n. Victor PY-DANIEL 1, Ulysses Carvalho BARBOSA 1 RESUMO É descrita uma nova espécie para o gênero Inaequalium (Coscarón & Wygodzinsky, 1984), Inaequalium lundi sp.n. É

Leia mais

AJóti pos de Paragonyleptes antiquus (Melo-

AJóti pos de Paragonyleptes antiquus (Melo- Separata da Revista d s Indústria Animal Julho-Outubro de 1944- Nova Série - Vol. 7 - N." 3-4 AJóti pos de Paragonyleptes antiquus (Melo- Leitão, 1934) e de Jacarepaguana pectint femur Piza, 1 943. (opiliones-gonyleptidae).

Leia mais

RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO

RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO Redescrição de Deois (Deois) correntina, comb. n. (Homoptera, Cercopidae). * Gervasio Silva Carvalho* Albino Morimasa Sakakibara** RESUMO Tomaspis correntina Berg, 1879, transferida para o gênero Deois,

Leia mais

ENT 115 - MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS FLORESTAIS AULAS PRÁTICAS PRÁTICA 4: TÓRAX E SEUS APÊNDICES - TIPOS DE PERNAS E ASAS

ENT 115 - MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS FLORESTAIS AULAS PRÁTICAS PRÁTICA 4: TÓRAX E SEUS APÊNDICES - TIPOS DE PERNAS E ASAS ENT 115 - MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS FLORESTAIS AULAS PRÁTICAS Prof. Alessandra de Carvalho Silva PRÁTICA 4: TÓRAX E SEUS APÊNDICES - TIPOS DE PERNAS E ASAS 1. OBJETIVO E IMPORTÂNCIA Esta aula visa fornecer

Leia mais

Três novas espécies de Isotomiella Bagnall, 1939 do sudeste do Brasil (Collembola: Isotomidae)

Três novas espécies de Isotomiella Bagnall, 1939 do sudeste do Brasil (Collembola: Isotomidae) Lundiana 4(2):111-116, 2003 2003 Instituto de Ciências Biológicas - UFMG ISSN 1676-6180 Três novas espécies de Isotomiella Bagnall, 1939 do sudeste do Brasil (Collembola: Isotomidae) Maria Cleide de Mendonça

Leia mais

Parte II Aracnídeos / Arachnids 1922 cinco novos escorpiões brasileiros dos gêneros Tityus e Rhopalurus. nota prévia

Parte II Aracnídeos / Arachnids 1922 cinco novos escorpiões brasileiros dos gêneros Tityus e Rhopalurus. nota prévia Parte II Aracnídeos / Arachnids 1922 cinco novos escorpiões brasileiros dos gêneros Tityus e Rhopalurus. nota prévia Adolpho Lutz Oswaldo de Mello Campos SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros BENCHIMOL,

Leia mais

MIRIDEOS NEOTROPICAIS, CCCLXXV: UM GENERO E QUATRO ESPECIES NOVOS DA NICARAGUA (HETEROPTERA).

MIRIDEOS NEOTROPICAIS, CCCLXXV: UM GENERO E QUATRO ESPECIES NOVOS DA NICARAGUA (HETEROPTERA). Rev. Nica. Ent., (1992) 21:31-41. MIRIDEOS NEOTROPICAIS, CCCLXXV: UM GENERO E QUATRO ESPECIES NOVOS DA NICARAGUA (HETEROPTERA). Por José C. M. CARVALHO.* RESUMO. O autor descreve um gênero e quatro espécies

Leia mais

6i Conselho Nacional de Pesquisas. ..;,""'lito NACIONAL DE PESQUISAS" 1)1\ l::m...ctzowa BOLETIM DO INPA. Manaus - Amazonas - Brasil

6i Conselho Nacional de Pesquisas. ..;,'lito NACIONAL DE PESQUISAS 1)1\ l::m...ctzowa BOLETIM DO INPA. Manaus - Amazonas - Brasil 6i Conselho Nacional de Pesquisas, '..;,""'lito NACIONAL DE PESQUISAS" 1)1\ l::m...ctzowa 'w _ BOLETIM DO INPA Manaus - Amazonas - Brasil ============-========, ~=~ PATOLOGIA TROPICAL N.O 1 1970, _-=:,...~.==':=:=

Leia mais

DESCRIÇÃO DA FÊMEA DE Curtara (Labata) ushima COELHO & DA-SILVA, 2012 (INSECTA: HEMIPTERA: CICADELLIDAE)

DESCRIÇÃO DA FÊMEA DE Curtara (Labata) ushima COELHO & DA-SILVA, 2012 (INSECTA: HEMIPTERA: CICADELLIDAE) DESCRIÇÃO DA FÊMEA DE Curtara (Labata) ushima COELHO & DA-SILVA, 2012 (INSECTA: HEMIPTERA: CICADELLIDAE) Elidiomar Ribeiro Da-Silva 1, Luci Boa Nova Coelho 2 1 Professor Doutor do Departamento de Zoologia,

Leia mais

Psigida walkeri (Grote) e seus estágios imaturos (Lepidoptera, Saturniidae, Ceratocampinae)

Psigida walkeri (Grote) e seus estágios imaturos (Lepidoptera, Saturniidae, Ceratocampinae) Psigida walkeri (Grote) e seus estágios imaturos (Lepidoptera, Saturniidae, Ceratocampinae) Eurides Furtado 1 ABSTRACT. Psigida walkeri (Grote) and its immature stages. (Lepidoptera, Saturniidae, Ceratocampinae).

Leia mais

ambycidae). Miguel A. Monné 1, 2 & Marcela L. Monné 1 Alcidion inornatum sp. nov.

ambycidae). Miguel A. Monné 1, 2 & Marcela L. Monné 1 Alcidion inornatum sp. nov. Novas espécies neotropicais opicais de Acanthocinini (Coleoptera, Ceramb ambycidae) Miguel A. Monné 1, 2 & Marcela L. Monné 1 1 Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Quinta da Boa Vista,

Leia mais

BOLETIM INSTITUTO DE DEFESA DO PATRIMÔNIO NATURAL

BOLETIM INSTITUTO DE DEFESA DO PATRIMÔNIO NATURAL BOLETIM DO INSTITUTO DE DEFESA DO PATRIMÔNIO NATURAL S E C R E T A R I A DE A G R I C U L T U R A C A I X A P O S T A L, 1341 CURITIBA PARANÁ NOVEMBRO DE 1.963 BRASIL 1 ZOOLOGIA N.o 5 METAMORFOSES DAS

Leia mais

Novo gênero de Calliini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae)

Novo gênero de Calliini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) Volume 50(15):233 237, 2010 Novo gênero de Calliini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) Maria Helena M. Galileo 1,3 Ubirajara R. Martins 2,3 Abstract Paradrycothaea gen. nov. (Calliini, Lamiinae) is erected

Leia mais

TÉCNICO EM AGROECOLOGIA U.C. SANIDADE VEGETAL ARTRÓPODES

TÉCNICO EM AGROECOLOGIA U.C. SANIDADE VEGETAL ARTRÓPODES TÉCNICO EM AGROECOLOGIA U.C. SANIDADE VEGETAL ARTRÓPODES CARACTERÍSTICAS BÁSICAS ARTHROPODA Exoesqueleto quitinoso Bilatérios Filo mais numeroso Características que definem o Grupo Apêndices articulados

Leia mais

de Aguiar 2 1-FUNASA / 2- FIOCRUZ / 3-MNRJ RESUMO

de Aguiar 2 1-FUNASA / 2- FIOCRUZ / 3-MNRJ RESUMO Fauna Flebotomínica (Díptera: Psychodidae, Phlebotominae), da Fazenda São José, Município de Carmo, RJ, Brasil. João Ricardo Carreira Alves 1,2, Janira Martins Costa 3, Vanessa Rendeiro 2 & Gustavo Marins

Leia mais

Augusto L. HENRIQUES 2

Augusto L. HENRIQUES 2 O gênero Philipotabanus Fairchild (Insecta: Diptera: Tabanidae) na Amazônia, com chave para as fêmeas das espécies e descrição de P. obidensis sp. nov. 1 Augusto L. HENRIQUES 2 RESUMO É apresentada uma

Leia mais

Novas espécies e novas ocorrências de Xenofrea (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae)

Novas espécies e novas ocorrências de Xenofrea (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) Novas espécies e novas ocorrências de Xenofrea (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) 63/05 PM - 3 Versão 383 Novas espécies e novas ocorrências de Xenofrea (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) Maria Helena

Leia mais

S6bre algumas espkcies de Culex (Carrollia) (Diptera,,Culicidae)

S6bre algumas espkcies de Culex (Carrollia) (Diptera,,Culicidae) 216 Cerqueira & Lane, Sabre algumas esppcies de Culex S6bre algumas espkcies de Culex (Carrollia) (Diptera,,Culicidae) por N. I,. Cerqueira e J. Lane1 (Corn G figuras) Estudamos nesta nota as espkies de

Leia mais

Novos táxons de Cerambycidae (Coleoptera) neotropicais da coleção Herbert Schmid, Viena, Áustria

Novos táxons de Cerambycidae (Coleoptera) neotropicais da coleção Herbert Schmid, Viena, Áustria Volume 49(39):529 538, 2009 Novos táxons de Cerambycidae (Coleoptera) neotropicais da coleção Herbert Schmid, Viena, Áustria Ubirajara R. Martins 1,3 Maria Helena M. Galileo 2,3 Abstract New taxa are described:

Leia mais

CHAVE PARA DETERMINAR AS ORDENS DA CLASSE INSECTA, ATRAVÉS DE INSETOS ADULTOS.

CHAVE PARA DETERMINAR AS ORDENS DA CLASSE INSECTA, ATRAVÉS DE INSETOS ADULTOS. CHAVE PARA DETERMINAR AS ORDENS DA CLASSE INSECTA, ATRAVÉS DE INSETOS ADULTOS. 01 Abdome com estilos esternais; insetos sempre ápteros... 02 01 - Abdome sem estilos esternais; insetos ápteros ou alados...

Leia mais

Amblycerus spiniger sp.n. Figs 1-10

Amblycerus spiniger sp.n. Figs 1-10 Descrições de sete novas espécies brasileiras de Amblycerus Thunberg (Coleoptera, Bruchidae) ' Cibele S. Ribeiro-Costa ABSTRACT. Descriptions of seven new Brazilian species of Aniblycerus Tliunberg (Coleoptera,

Leia mais

Confecção de Chaves Interativas de Identificação para as Famílias de Anisoptera e os Gêneros da Família Aeshnidae do Espírito Santo

Confecção de Chaves Interativas de Identificação para as Famílias de Anisoptera e os Gêneros da Família Aeshnidae do Espírito Santo III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 403 Confecção de Chaves Interativas de Identificação para as Famílias de Anisoptera e os Gêneros da Família Aeshnidae do Espírito Santo D. F.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DESENVOLVIMENTO REGIONAL PROGRAMA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

! "# ALUNO: ANDRÉ SOLLER ORIENTADOR: PROFº. DR. RENATO GOLDENBERG CO-ORIENTADORAS: PROFª. DRA. PATRICIA SOFFIATTI PROF a. DRA.

! # ALUNO: ANDRÉ SOLLER ORIENTADOR: PROFº. DR. RENATO GOLDENBERG CO-ORIENTADORAS: PROFª. DRA. PATRICIA SOFFIATTI PROF a. DRA. ! "# $%& "' ALUNO: ANDRÉ SOLLER ORIENTADOR: PROFº. DR. RENATO GOLDENBERG CO-ORIENTADORAS: PROFª. DRA. PATRICIA SOFFIATTI PROF a. DRA. ALICE CALVENTE $ A família Cactaceae A. L. de Jussieu - Aprox. 1500

Leia mais

A) LANIATORES DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA COSMETIDAE ALGUNS OPILIÕES DA COLECÃO "OTTO SCHUBART" (") SECRETARIA DA AGRICULTURA - S.

A) LANIATORES DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA COSMETIDAE ALGUNS OPILIÕES DA COLECÃO OTTO SCHUBART () SECRETARIA DA AGRICULTURA - S. Vol. VI, N. 17 - pp. 193-202 18-XII-1944 DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA SECRETARIA DA AGRICULTURA - S. PAULO - BRASIL ALGUNS OPILIÕES DA COLECÃO "OTTO SCHUBART" (") INTRODUÇÃO Nesta pequcqa nota, dou a lista

Leia mais

Guia de identificação dos triatomíneos do Espírito Santo

Guia de identificação dos triatomíneos do Espírito Santo Guia de identificação dos triatomíneos do Espírito Santo Gustavo Rocha Leite Este manual é baseado no programa TriatominaES: Guia de identificação dos triatomíneos do Espírito Santo desenvolvido por Gustavo

Leia mais

Década de 1910 1913 1914 Sobre a sistemática dos tabanídeos subfamília Tabaninae. Comunicação preliminar

Década de 1910 1913 1914 Sobre a sistemática dos tabanídeos subfamília Tabaninae. Comunicação preliminar Década de 1910 1913 1914 Sobre a sistemática dos tabanídeos subfamília Tabaninae. Comunicação preliminar Adolpho Lutz SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros BENCHIMOL, JL., and SÁ, MR., eds. and

Leia mais

9. Chaves de identificação para adultos

9. Chaves de identificação para adultos 9. Cleber Galvão Carolina Dale SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros GALVÃO, C., and DALE, C.. In: GALVÃO, C., org. Vetores da doença de chagas no Brasil [online]. Curitiba: Sociedade Brasileira

Leia mais

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DOS CRUSTÁCEA DECAPODA DE ÁGUA DOCE DO BRASIL

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DOS CRUSTÁCEA DECAPODA DE ÁGUA DOCE DO BRASIL MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DOS CRUSTÁCEA DECAPODA DE ÁGUA DOCE DO BRASIL GUSTAVO AUGUSTO S. DE MELO (EDITOR) Museu de Zoologia Universidade de São Paulo ^ZFAPESP fundação cfe Amparo á Pesquisa da Estado rie

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DAS ESPÉCIES BRASILEIRAS DO GÊNERO Euryneura SCHINER, 1867. (Diptera, Stratiomyidae)

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DAS ESPÉCIES BRASILEIRAS DO GÊNERO Euryneura SCHINER, 1867. (Diptera, Stratiomyidae) CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DAS ESPÉCIES BRASILEIRAS DO GÊNERO Euryneura SCHINER, 1867. (Diptera, Stratiomyidae) TESE Apresentada à Escola de Pós-Graduação, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro,

Leia mais

Comunicado. Psilídeos no Brasil: 5-Trioza tabebuiae em Ipês. Dalva Luiz de Queiroz 1 Daniel Burckhardt 2 Daniel Piacentini de Andrade 3

Comunicado. Psilídeos no Brasil: 5-Trioza tabebuiae em Ipês. Dalva Luiz de Queiroz 1 Daniel Burckhardt 2 Daniel Piacentini de Andrade 3 Comunicado Técnico Dezembro, 242 ISSN 1517-500 Colombo, PR 2009 Ipês floridos em ruas de Curitiba, PR. Psilídeos no Brasil: 5-Trioza tabebuiae em Ipês Dalva Luiz de Queiroz 1 Daniel Burckhardt 2 Daniel

Leia mais

Paguroidea, eles formam, junto com o própodo, estruturas subqueladas ou queladas, com escamas córneas "raspadoras" na face ventral.

Paguroidea, eles formam, junto com o própodo, estruturas subqueladas ou queladas, com escamas córneas raspadoras na face ventral. Paguroidea, eles formam, junto com o própodo, estruturas subqueladas ou queladas, com escamas córneas "raspadoras" na face ventral. Os Thalassinidea formam um grupo de famílias, gêneros e espécies, cujas

Leia mais

COCKER SPANIEL INGLÊS ENGLISH COCKER SPANIEL

COCKER SPANIEL INGLÊS ENGLISH COCKER SPANIEL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8 Padrão FCI 5 28/10/2009 Padrão Oficial da Raça COCKER SPANIEL INGLÊS ENGLISH COCKER SPANIEL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE

Leia mais

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais Manuella Rezende Vital Orientado: Prof.

Leia mais

ANAIS ACADEMIA BRASILEIRA CIÊNCIAS. Vol. 44 1972 > <

ANAIS ACADEMIA BRASILEIRA CIÊNCIAS. Vol. 44 1972 > < ANAIS f D A > < ACADEMIA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS Vol. 44 1972 Contribuição ao Conhecimento dos Crustáceos Decápodos da Formação Pirabas. II O Gênero Uca (Brachyura-Ocypodidae)* IGNACIO MACHADO BRITO** Instituto

Leia mais

A utilização dos macroinvertebrados aquáticos de riachos na confecção de cartilhas de Educação Ambiental

A utilização dos macroinvertebrados aquáticos de riachos na confecção de cartilhas de Educação Ambiental A utilização dos macroinvertebrados aquáticos de riachos na confecção de cartilhas de Educação Ambiental EQUIPE Professor coordenador Dr. Gabriel de Paula Paciencia (massartella@gmail.com) Professor colaborador

Leia mais

COCKER SPANIEL INGLÊS

COCKER SPANIEL INGLÊS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8 Padrão FCI 5 28/11/2003 Padrão Oficial da Raça COCKER SPANIEL INGLÊS ENGLISH COCKER SPANIEL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE

Leia mais

PADRÃO DA RAÇA GUZERÁ

PADRÃO DA RAÇA GUZERÁ 9 52 1 - APARÊNCIA GERAL 1.1 - Estado Geral Sadio e vigoroso. 1.2 - Desenvolvimento Bom, de acordo com a idade. Médio Tamanho e peso reduzidos, em relação à idade. 1.3 - Constituição, Ossatura e Musculatura

Leia mais

REVIST A BRASILEIRA DE ZOOLOGIA. Revta bras. Zoo!., S. Paulo 4(3): 181-193 ABSTRACT

REVIST A BRASILEIRA DE ZOOLOGIA. Revta bras. Zoo!., S. Paulo 4(3): 181-193 ABSTRACT REVIST A BRASILEIRA DE ZOOLOGIA Revta bras. Zoo!., S. Paulo 4(3): 181-193 21.ix..1987 DESENVOLVIMENTO PÓS-EMBRIONÁRIO DE PAGURUS BREVIDACTYLUS (STIMPSON, 1858) (DECAPODA, PAGURIDAE), EM LABORATÓRIO Maria

Leia mais

Pentatomini. Thereza de Almeida Garbelotto Luiz Alexandre Campos

Pentatomini. Thereza de Almeida Garbelotto Luiz Alexandre Campos Pentatomini Thereza de Almeida Garbelotto Luiz Alexandre Campos SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros GARBELOTTO, TA., and CAMPOS, LA. Pentatomini. In: [online]. Curitiba: Sociedade Brasileira de

Leia mais

GRUPO 7 Padrão FCI N o 2 28/10/2009

GRUPO 7 Padrão FCI N o 2 28/10/2009 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 7 Padrão FCI N o 2 28/10/2009 Padrão Oficial da Raça SETTER INGLÊS (ENGLISH SETTER) M.Davidson, illustr. NKU Picture Library

Leia mais

Roteiro de aulas teórico-práticas

Roteiro de aulas teórico-práticas Roteiro de aulas teórico-práticas Sistema digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta

Leia mais

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO I COLUNA VERTEBRAL 1 Os constituintes da coluna vertebral: 7 vértebras cervicais, 12 vértebras torácicas, 5 vértebras

Leia mais

ARCHIBALDO BELLO GALVXO

ARCHIBALDO BELLO GALVXO ARCHIBALDO BELLO GALVXO (Do Serviso National de Malkia) Revendo a colec$o de anofelinos do Service National de Makria, encontramos tres alados do subgenero Anopheles, grupo Arribalzagia, cujos caracteres

Leia mais

OBSERVAÇÕES SOBRE A TRANSMISSÃO DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

OBSERVAÇÕES SOBRE A TRANSMISSÃO DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL OBSERVAÇÕES SOBRE A TRANSMISSÃO DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL Oswaldo Paulo Forattini * Ernesto Xavier Rabello * Oswaldo Pinto Serra** Maria das Dores Cotrim * Eunice Aparecida

Leia mais

PADRÃO DA RAÇA INDUBRASIL

PADRÃO DA RAÇA INDUBRASIL 58 1 - APARÊNCIA GERAL 1.1 - Estado Geral Sadio e vigoroso. 1.2 - Desenvolvimento Bom, de acordo com a idade. Médio Tamanho e peso reduzidos, em relação à idade. 1.3 - Constituição, Ossatura e Musculatura

Leia mais

Algumas novas formigas brasileiras

Algumas novas formigas brasileiras THOMAZ BORGMEIER, O. F. M. Algumas novas formigas brasileiras Desde que, em 1925, comecei a trabalhar no Laboratório de Entomologia do Museu Nacional, obedecendo ao gentil convite do então Director Dr.

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 1. Padrão FCI 44 19/12/2001

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 1. Padrão FCI 44 19/12/2001 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 1 Padrão FCI 44 19/12/2001 Padrão Oficial da Raça PASTOR DE BEAUCERON BERGER DE BEAUCE (BEAUCERON) CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

GRUPO 10 Padrão FCI N o 269 29/11/2000

GRUPO 10 Padrão FCI N o 269 29/11/2000 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 10 Padrão FCI N o 269 29/11/2000 Padrão Oficial da Raça SALUKI 2 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à Fédération

Leia mais

FLEBOTOMÍNEOS - VETORES DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA - NO ASSENTAMENTO DE REFORMA AGRÁRIA BOM JARDIM, NO MUNICÍPIO DE ARAGUARI MG

FLEBOTOMÍNEOS - VETORES DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA - NO ASSENTAMENTO DE REFORMA AGRÁRIA BOM JARDIM, NO MUNICÍPIO DE ARAGUARI MG CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos FLEBOTOMÍNEOS

Leia mais

Novas espkies de Calex do Brasil (Diptera, Culicidae)

Novas espkies de Calex do Brasil (Diptera, Culicidae) Rev. de Entornologia, vol. 14, fast. 3, dezembro 1943 389 Novas espkies de Calex do Brasil (Diptera, Culicidae) por J. Lane e L. Whitman1 (Corn 17 figuras) Em 1940 o Segundo autor permaneceu durante virios

Leia mais

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR 1. INTRODUÇÃO O migdolus é um besouro da família Cerambycidae cuja fase larval causa danos ao sistema radicular da cana-de-açúcar, passando a exibir sintomas de seca em toda

Leia mais

FOLHAS. Funções: Importância:

FOLHAS. Funções: Importância: FOLHAS Apêndices laterais do caule. São órgãos vegetativos, geralmente laminares, com simetria bilateral, clorofilados e de crescimento limitado. Funções: Fotossíntese (nutrição) Respiração e transpiração

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

17/02/2012. Diafragma

17/02/2012. Diafragma Diafragma Topografia Repouso - linha retilínea da 7º costela à 13º costela. Inspiração - linha ligeiramente convexa da 7º costela à 3º vértebra lombar. Expiração - linha convexidade cranial da 7º costela

Leia mais

PEQUENO SPANIEL CONTINENTAL

PEQUENO SPANIEL CONTINENTAL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 9 Padrão FCI 77 06/04/1998 Padrão Oficial da Raça PEQUENO SPANIEL CONTINENTAL EPAGNEUL NAIN CONTINENTAL PAPILLON / PHALÈNE

Leia mais

Div. JInseOE. n.s. N~.t. ~lrn:?-

Div. JInseOE. n.s. N~.t. ~lrn:?- SF 02020902. Div. JInseOE n.s. N~.t. ~lrn:?- JIev. DrlIIU, Diu, 8 (a). 421-4a4 Nunmbro, 1948 - Rio ele Janeiro, D. F. UMA NOVA ESPÉCIE DE FLEBÓTOMO DO ESTADO DE GOIÁS, BRASIL, E CHAVE PARA DETERMINAÇÃO

Leia mais

e )0.\0 EVANGELISTA DAlsn.VA Centro de Pesquisas. Instituto Nadonal ~emias Rurais. (Com 15 ngtnas 110 texto)

e )0.\0 EVANGELISTA DAlsn.VA Centro de Pesquisas. Instituto Nadonal ~emias Rurais. (Com 15 ngtnas 110 texto) ln. B... BD. S () 189.1'/8 Outubro 1885 - RD d. J.nelro 08 ~ESTUDOSSOBRE OS FLEBóTOMOS DO ESTADO DE MNAS GERAS. V: DESCRÇÃO DE LUTZOMYA CALLPYGUS SP. N. E DE LUTZOMYA DACANTHA SP. N. (Diptera Psychodidae)

Leia mais

NOTA SOBRE 0 GENERO MANSOWi, SUB-GENERO RHYMCHOTAHVIA, COM A DESCRIPCAO DE UMA NOVA E-SPECIE. por J. LANE e I?. C.A. ANTUNES

NOTA SOBRE 0 GENERO MANSOWi, SUB-GENERO RHYMCHOTAHVIA, COM A DESCRIPCAO DE UMA NOVA E-SPECIE. por J. LANE e I?. C.A. ANTUNES NOTA SOBRE 0 GENERO MANSOWi, SUB-GENERO RHYMCHOTAHVIA, COM A DESCRIPCAO DE UMA NOVA E-SPECIE por J. LANE e I?. C.A. ANTUNES NOTA SOBRE 0 GENERO MANSCNA, SUB-GENERO RHYNCHOTAENIA, COM DESCRIPCAO DE UMA

Leia mais

Leishmaniose tegumentar americana: flebotomíneos em área de transmissão no Município de Uberlândia, MG

Leishmaniose tegumentar americana: flebotomíneos em área de transmissão no Município de Uberlândia, MG ARTIGO/ARTICLE Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 38(1):22-26, jan-fev, 2005 Leishmaniose tegumentar americana: flebotomíneos em área de transmissão no Município de Uberlândia, MG American

Leia mais

Estudo dirigido sobre premolares

Estudo dirigido sobre premolares Estudo dirigido sobre premolares 1 Miguel Carlos Madeira e Roelf Cruz Rizzolo http://www.anatomiafacial.com Material para ser impresso, com a autorização dos autores, exclusivamente para os alunos do primeiro

Leia mais

2) Funções Movimentos: flexão, extensão e rotação. Proteção: medula espinhal no canal vertebral.

2) Funções Movimentos: flexão, extensão e rotação. Proteção: medula espinhal no canal vertebral. Osteologia da Coluna Vertebral Anatomia dosanimais Domésticos I Prof. Paulo Junior 1/8 OSTEOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL 1) Formação Vértebras desde o crânio até a ponta da cauda. 2) Funções Movimentos: flexão,

Leia mais

Anatomia da Reprodução Masculina

Anatomia da Reprodução Masculina FUPAC Fundação Presidente Antônio Carlos Faculdade Presidente Antônio Carlos de Uberlândia CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: FISIOPATOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Anatomia da Reprodução Masculina Prof.

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento,

Leia mais

Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br O SISTEMA DIGESTÓRIO

Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br O SISTEMA DIGESTÓRIO Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br O SISTEMA DIGESTÓRIO O SISTEMA DIGESTÓRIO A DIGESTÃO A digestão é o conjunto das transformações, mecânicos e químicos, que os alimentos orgânicos sofrem ao

Leia mais

CÃO DE GADO TRANSMONTANO

CÃO DE GADO TRANSMONTANO CÃO DE GADO TRANSMONTANO ORIGEM: Trás-os-Montes - Portugal UTILIZAÇÃO: Cão de guarda e protecção de gado ovino e caprino CLASSIFICAÇÃO: 2º Grupo, secção II Molossóides BREVE RESENHA HISTÓRICA: A origem

Leia mais

GRUPO 7 Padrão FCI N o 1 28/10/2009

GRUPO 7 Padrão FCI N o 1 28/10/2009 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 7 Padrão FCI N o 1 28/10/2009 Padrão Oficial da Raça POINTER INGLÊS (ENGLISH POINTER) M.Davidson, illustr. NKU Picture Library

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA CANA BRAVA

USINA HIDRELÉTRICA CANA BRAVA USINA HIDRELÉTRICA CANA BRAVA PROGRAMA DE MONITORAMENTO DAS ESPÉCIES VETORAS DE ZOONOSES NAS ÁREAS URBANAS NO MUNICÍPIO DE MINAÇU-GO XX RELATÓRIO TÉCNICO PARCIAL SETEMBRO DE 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

HORIZONTE 2020. Aberto para o mundo! O Programa da União Europeia para Pesquisa e Inovação. Dr. Piero Venturi Comissão Europeia DG Pesquisa e Inovação

HORIZONTE 2020. Aberto para o mundo! O Programa da União Europeia para Pesquisa e Inovação. Dr. Piero Venturi Comissão Europeia DG Pesquisa e Inovação HORIZONTE 2020 O Programa da União Europeia para Pesquisa e Inovação Aberto para o mundo! Dr. Piero Venturi Comissão Europeia DG Pesquisa e Inovação A União Europeia 500 milhões de pessoas - 28 países

Leia mais

O Mosquito Aedes aegypti

O Mosquito Aedes aegypti O Mosquito Aedes aegypti MOSQUITO A origem do Aedes aegypti, inseto transmissor da doença ao homem, é africana. Na verdade, quem contamina é a fêmea, pois o macho apenas se alimenta de carboidratos extraídos

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=618>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Leishmaniose tegumentar americana em cão da raça Cocker Spainel proveniente da área

Leia mais

GRUPO 8 Padrão FCI N o 5 23/11/2012

GRUPO 8 Padrão FCI N o 5 23/11/2012 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8 Padrão FCI N o 5 23/11/2012 Padrão Oficial da Raça COCKER SPANIEL INGLÊS (ENGLISH COCKER SPANIEL) M.Davidson, illustr.

Leia mais

BRACO DE BOURBON NAIS

BRACO DE BOURBON NAIS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 7 Padrão FCI 179 29/03/2006 Padrão Ofi cial da Raça BRACO DE BOURBON NAIS BRAQUE DU BOURBONNAIS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 94 03/11/1999. Padrão Oficial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 94 03/11/1999. Padrão Oficial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5 Padrão FCI 94 03/11/1999 Padrão Oficial da Raça PODENGO PORTUGUÊS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Classificação F.C.I.:

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 195 09/06/1999. Padrão Ofi cial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 195 09/06/1999. Padrão Ofi cial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5 Padrão FCI 195 09/06/1999 Padrão Ofi cial da Raça VOLPINO ITALIANO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à Fédération

Leia mais

UHE SANTO ANTÔNIO PROGRAMA DE SAÚDE PÚBLICA SUBPROGRAMA MONITORAMENTO DE VETORES MANSONIA: PRIMEIRO RELATÓRIO

UHE SANTO ANTÔNIO PROGRAMA DE SAÚDE PÚBLICA SUBPROGRAMA MONITORAMENTO DE VETORES MANSONIA: PRIMEIRO RELATÓRIO UHE SANTO ANTÔNIO PROGRAMA DE SAÚDE PÚBLICA SUBPROGRAMA MANSONIA: Porto Velho RO Abril de 2015 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. MATERIAL E MÉTODOS... 6 3.1. MAPEAMENTO ENTOMOLÓGICO DE

Leia mais

Psorophora (Janthinosoma) pseudomelanota, ep. m., from Rio de Janeiro, Guanabara, EraaCt, is dusccibrd. The new

Psorophora (Janthinosoma) pseudomelanota, ep. m., from Rio de Janeiro, Guanabara, EraaCt, is dusccibrd. The new Rev bras Ent ls(6): 35-40 UMA NOVA ESPECIE DE PSOROPElORA (DIPTERA, CULICIDAE) Jose' Maria Soare Maria D Cotrim (2) ARSTRACT * Psorophora (Janthinosoma) pseudomelanota, ep m, from Rio de Janeiro, Guanabara,

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale. GRUPO 9 Padrão FCI N o 140 24/06/2014. Padrão Oficial da Raça ON TERRIER

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale. GRUPO 9 Padrão FCI N o 140 24/06/2014. Padrão Oficial da Raça ON TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 9 Padrão FCI N o 140 24/06/2014 Padrão Oficial da Raça BOSTON ON TERRIER 2 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Novos táxons de Cerambycidae (Coleoptera) das Américas Central e do Sul

Novos táxons de Cerambycidae (Coleoptera) das Américas Central e do Sul Novos táxons de Cerambycidae (Coleoptera) das Américas Central e do Sul. 331 Novos táxons de Cerambycidae (Coleoptera) das Américas Central e do Sul Ubirajara R. Martins 1,3 & Maria Helena M. Galileo 2,3

Leia mais

A. CARACTERÍSTICAS GERAIS

A. CARACTERÍSTICAS GERAIS INCISIVOS A. CARACTERÍSTICAS GERAIS Os dentes incisivos, também chamados de cuneiformes ou espatulados, são as peças situadas na parte mediana dos arcos dentais. A. CARACTERÍSTICAS GERAIS O nome incisivo

Leia mais

Uso do Percevejo Predador Atopozelus opsimus no Controle Biológico de Pragas Florestais.

Uso do Percevejo Predador Atopozelus opsimus no Controle Biológico de Pragas Florestais. Uso do Percevejo Predador Atopozelus opsimus no Controle Biológico de Pragas Florestais. Thaíse Karla Ribeiro Dias Vit. da Conquista abril - 2009 Introdução Eucaliptocultura Brasileira Limitações Thyrinteina

Leia mais

ANATOMIA DENTAL INTERNA

ANATOMIA DENTAL INTERNA ANATOMIA DENTAL INTERNA VERSIANI, 2014 Anatomia Dental Interna Características Gerais Grupo dos incisivos Grupo dos caninos Grupo dos pré-molares Grupo dos molares VERSIANI, 2014 Anatomia Dental Interna

Leia mais

ANÁLISE DA DIVERSIDADE ENTOMOLÓGICA POR MEIO DE DIFERENTES ARMADILHAS CDC

ANÁLISE DA DIVERSIDADE ENTOMOLÓGICA POR MEIO DE DIFERENTES ARMADILHAS CDC ANÁLISE DA DIVERSIDADE ENTOMOLÓGICA POR MEIO DE DIFERENTES ARMADILHAS CDC Vanderley, A.M.S.(1) ; Cruz, D.L.V. (1) ; Bezerra, P.E.S. (1) ; Gonçalves, T. S. (1) ; Freitas, M.T.S. (1) ; Gomes-Júnior, P.P.

Leia mais

Millipedes Made Easy

Millipedes Made Easy MILLI-PEET, Introduction to Millipedes; Page - 1 - Millipedes Made Easy A. Introdução A classe Diplopoda, conhecidos como milípedes ou piolhos-de-cobra, inclui aproximadamente 10.000 espécies descritas.

Leia mais

ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS

ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS CURSO: Ciências Biológicas 3º Ano 2º semestre 9ª Aula Anfíbios: diversidade e características (Ministrante: Profa. Dra. Virginia S. Uieda) Professores Responsáveis: Virgínia Sanches

Leia mais

Grupo mais bem sucedido em nº de espécies Exploram mais diferentes ambientes Crustáceos, Aracnídeos, Insetos, Diplópodes e Quilópodes Importância:

Grupo mais bem sucedido em nº de espécies Exploram mais diferentes ambientes Crustáceos, Aracnídeos, Insetos, Diplópodes e Quilópodes Importância: Grupo mais bem sucedido em nº de espécies Exploram mais diferentes ambientes Crustáceos, Aracnídeos, Insetos, Diplópodes e Quilópodes Importância: Alimentação camarão, siris, lagostas,mel Médica uso de

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

Os jacarandás de setembro

Os jacarandás de setembro Os jacarandás de setembro WJ Manso de Almeida Nos cerrados de Minas e de Goiás, a estação do estio termina com as belas floradas dos jacarandás e das sucupiras. Nos jacarandás, mostram-se em lilás e roxo-azulado.

Leia mais

BICHO-DA-SEDA. 4.1. CLASSIFICAÇÃO DA ESPÉCIE DE Bombyx mori

BICHO-DA-SEDA. 4.1. CLASSIFICAÇÃO DA ESPÉCIE DE Bombyx mori 1 BICHO-DA-SEDA Existem oito espécies de bicho-da-seda criadas com a finalidade de produzir fios de seda. Uma pertence à família Bombycidae, que é a Bombyx mori Linnaeus 1758, e as outras, à família Saturniidae,

Leia mais

Ubirajara R. Martins 1, 3 & Maria Helena M. Galileo 2,3

Ubirajara R. Martins 1, 3 & Maria Helena M. Galileo 2,3 66 Martins & Galileo Novos táxons em Onciderini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) Ubirajara R. Martins 1, 3 & Maria Helena M. Galileo 2,3 1 Museu de Zoologia, Universidade de São Paulo. Caixa Postal

Leia mais

CÃO DE CRISTA CHINÊS

CÃO DE CRISTA CHINÊS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 9 Padrão FCI 288 11/05/1998 Padrão Oficial da Raça CÃO DE CRISTA CHINÊS CHINESE CRESTED DOG CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA

Leia mais

5. Morfologia dos ovos e ninfas

5. Morfologia dos ovos e ninfas 5. Dayse da Silva Rocha Carolina Magalhães dos Santos SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ROCHA, DS., and SANTOS, CM.. In: GALVÃO, C., org. Vetores da doença de chagas no Brasil [online]. Curitiba:

Leia mais

8. Vetores conhecidos no Brasil

8. Vetores conhecidos no Brasil 8. Cleber Galvão Rodrigo Gurgel-Gonçalves SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros GALVÃO, C., and GURGEL-GONÇALVES, R.. In: GALVÃO, C., org. Vetores da doença de chagas no Brasil [online]. Curitiba:

Leia mais