de Aguiar 2 1-FUNASA / 2- FIOCRUZ / 3-MNRJ RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "de Aguiar 2 1-FUNASA / 2- FIOCRUZ / 3-MNRJ RESUMO"

Transcrição

1 Fauna Flebotomínica (Díptera: Psychodidae, Phlebotominae), da Fazenda São José, Município de Carmo, RJ, Brasil. João Ricardo Carreira Alves 1,2, Janira Martins Costa 3, Vanessa Rendeiro 2 & Gustavo Marins de Aguiar 2 1-FUNASA / 2- FIOCRUZ / 3-MNRJ. RESUMO Introdução: com o objetivo de comparar e atualizar a fauna flebotomínica da Fazenda São José, Município de Carmo, região serrana do Estado do Rio de Janeiro, Brasil e considerando os efeitos das mudanças ambientais ocorridas na localidade, especialmente no peridomicílio, a biologia e a ecologia do local foram estudadas doze anos mais tarde como complemento de um estudo preliminar. Métodos: de agosto de 2006 a julho de 2007, foram realizadas duas capturas por mês, das 18 às 22 horas, no intradomicílio e peridomicílio, com capturador de Castro e duas com armadilha CDC das 18 às 6 horas no peridomicílio e na floresta. Resultados: foram coletados flebotomíneos de 15 espécies: Lutzomyia intermedia (Lutz & Neiva, 1912), L. whitmani (Antunes & Coutinho, 1939), L. lenti (Mangabeira, 1938), L. aragaoi (Costa Lima, 1932), L. cortelezzii (Bréthes, 1923), L. quinquefer (Dyar, 1929), L. carreirai carreirai (Barretto, 1966), L. davisi (Root, 1934), L. lanei (Barretto & Coutinho, 1941), L. fischeri (Pinto, 1926), L. monticola (Costa Lima, 1932), L. ayrozai (Barretto & Coutinho, 1940), L. sordellii (Shannon & Del Ponte, 1927), L. lutziana (Costa Lima, 1932), L. sp.,; Brumptomyia brumpti (Larousse, 1920) e B. cardosoi (Barretto & Coutinho, 1941a). Discussão: a grande variedade de espécies ocorreu na floresta, entretanto, o maior número delas aconteceu no peridomicílio. O que sugere que há condições climáticas e ecológicas, necessárias, nesta área para a manutenção da diversidade desta fauna. Conclusão: em 1994/95 foram coletados flebotomíneos de seis espécies do gênero Lutzomyia (França, 1924) e três do gênero Brumptomyia (França & Parrot, 1921). L. intermedia foi predominante, no intra e no peridomicílio, em ambos os períodos (1994/95 e 2006/07). Em 2006/07, esta espécie foi mais frequente entre 18 e 20 horas, o mesmo ocorrendo em 1994/95. Neste estudo, B. brumpti prevaleceu na floresta e sete espécies consideradas vetores de Leishmania spp. foram capturadas, enquanto no primeiro período somente quatro. Palavras-chave: peridomicílio, Leishmania, vetor. Agradecimentos: ao Sr. Paulo Lemgruber, Sr. João Sebastião Marques e Dr. Rodrigo Caldas Menezes, pelo apoio e compreensão. INTRODUÇÃO Segundo dados do Ministério da Saúde, casos de Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) foram registrados, entre 1990 e 2006 no Brasil. Destes, foram notificados no Estado do Rio de Janeiro, o que corresponde a 43,12% da região Sudeste do Brasil 1, onde sete espécies são suspeitas de serem vetores de agentes etiológicos da LTA neste Estado. A prevalência de Lutzomyia (Nyssomyia) intermedia sobre outras espécies de flebotomíneos foram registradas em diferentes regiões do Estado do Rio de Janeiro 2-3. Para reduzir a população de flebotomíneos, algumas medidas vêm sendo utilizadas, especialmente a reorganização e limpeza do peridomicílio e o extermínio de insetos das residências e anexos dos animais domésticos 4. Alguns trabalhos têm demonstrado que a criação de animais no peridomicílio em áreas rurais e urbanas ajudam a colonização de flebotomíneos, que encontram alimento e abrigo nestes lugares 5,6. Portanto, as investigações sobre o comportamento das espécies de flebotomíneos, sobretudo aquelas envolvidas no ciclo de transmissão, em locais com atividades antrópicas, deve ser cuidadosamente estudada, de modo a encontrar formas eficientes para controlar a população desses dípteros. Estudos sobre o impacto ambiental, natural ou os resultantes de alterações antrópicas na ecologia dos 49

2 flebotomíneos foram realizados em diferentes regiões do país 2,3. Alguns autores relatam a ocorrência de simpatria entre L. intermedia e L. whitmani na região de Posse, distrito de Petrópolis, Estado do Rio de Janeiro. Galati et al., 7 observaram que a densidade de L. whitmani sofreu uma redução abrupta a partir de setembro de 1991, com a fauna, até o momento, não se recuperando de um incêndio florestal, ocorrido em vasta extensão da Fazenda Boa Sorte, no Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. No distrito do Carmo, nove casos de LTA foram notificados entre 2000 e 2006, sendo 78% em área rural 8. A ocorrência do primeiro caso autóctone em seres humanos na área central do Carmo foi registrado por Alves 9, sendo L. intermedia a mais predominante entre todas as espécies capturadas 9. O presente estudo teve como objetivo observar as mudanças ocorridas na fauna flebotomínica e nos vetores de Leishmania spp. em um determinado local do distrito do Carmo, Estado do Rio de Janeiro, em um período de doze anos, considerando as mudanças ambientais que ocorreram. Assim, foram comparados os resultados obtidos por Alves 9 das capturas feitas, no mesmo distrito, na década de 1990 e entre 2006 e MATERIAL E MÉTODOS O Município de Carmo está localizado nas coordenadas 21º S e de 42º W na zona fisiográfica da marginal do Rio Paraíba do Sul. De acordo com a classificação de Köppen 10, adaptada para o Brasil, a região de Carmo é do tipo Aw (temperaturas elevadas/chuvas no verão), com médias entre 19ºC e 28ºC e precipitação média, inferior a mm/ano. A vegetação que cobre o município é também aquelas encontradas na Mata Atlântica. O município está dividido em três distritos: Carmo (centro), Córrego da Prata e Porto Velho do Cunha. Este estudo foi realizado na Fazenda São José, distrito do Carmo, de agosto de 2006 a julho de 2007, com capturas mensais realizadas entre 18 e 6 horas da manhã seguinte, com a utilização de armadilhas luminosas, tipo CDC, instalada na floresta e no peridomicílio. Também foram utilizados capturador de Castro das 18 às 22 horas no intradomicílio (parede interna da casa) e no peridomicílio (parede externa da casa e troncos de árvores). Para clarificação e montagem das espécies, a técnica foi a apresentada por Vilela et al., 11. Para identificar as espécies do gênero Lutzomyia utilizou-se a chave de Young & Duncan 12, enquanto para o gênero Brumptomyia a de Forattini 13. RESULTADOS Foram coletados flebotomíneos na Fazenda São José, pertencentes a 17 espécies, 15 do gênero Lutzomyia França, 1924 e duas do gênero Brumptomyia França & Parrot, L. intermedia foi predominante em todos os ambientes e sítios de coleta, sendo 23,7% das fêmeas coletadas no intradomicílio. Foram capturados, 197 e 314 flebotomíneos no intra e no peridomicílio, respectivamente, com atividades mais perceptíveis entre 20 e 22 horas, enquanto no período de 18 às 20 horas, Brumptomyia brumpti foi a segunda espécie mais comum, com 2,5% dos exemplares, considerando todos os locais de captura. Na área de floresta, a frequência desta espécie foi de 32,2%, seguido por L.intermedia, com 26,7%. DISCUSSÃO A maior variedade de espécies ocorreu na floresta, no entanto, o maior número de espécies foi no peridomicílio. De acordo com Ximenes et al., 5.6, a maior diversidade de flebotomíneos foi encontrada no Alto Apodi, no Estado do Rio Grande do Norte, provavelmente devido ao menor nível de degradação ambiental nas zonas de montanhas. Neste trabalho, um fato semelhante aconteceu na floresta, o que sugere haver condições climáticas e ecológicas 50

3 necessárias para manter essa fauna variada. Tal como observado por Alves 9 e no presente estudo, L. intermedia é dotada de uma grande capacidade de domiciliação e adaptação ao ambiente antrópico, ao mesmo tempo que, uma população menor continua presente em área preservada. De acordo com Teodoro et al., 14, os abrigos de animais domésticos construídos perto de construções humanas e a ausência de boas condições de higiene no peridomicílio, parecem favorecer a concentração de flebotomíneos neste sítio de coleta. Nessa pesquisa, observa-se que a frequência em ambos os períodos foram basicamente as mesmas, independente de ter ou não uma isca animal. Este resultado sugere que L. intermedia conseguiu uma adaptação ideal para a sua própria reprodução, manutenção e sobrevivência, apesar da redução drástica da fonte sanguínea. Neste estudo, foram registrados a presença de tatu, um animal que é utilizado como uma fonte de alimentação para algumas espécies de flebotomíneos, entre eles, B. brumpti que foi a espécie mais predominante na floresta e próxima a toca de tatu, o que confirma a literatura sobre este fato 15. B. brumpti ocorreu com uma quantidade expressiva no verão, sobretudo em fevereiro. Neste mês, foi registrada uma temperatura média de 27 ºC, indicando preferência por um período quente e úmido. Constatou-se que, um pouco mais de 33% dos flebotomíneos capturados na floresta pertenciam ao gênero Brumptomyia, confirmando o seu comportamento silvestre. Neste trabalho, entre as espécies do gênero Lutzomyia, que têm relação com tocas de animais silvestres, principalmente tatu, cita-se: L. aragaoi, L. ayrozai, L. davisi e L. lutziana, sendo o segundo e o terceiro considerados vetores de leishmânias. L. aragaoi é a terceira espécie capturada e tem preferência pelo ambiente silvestre. É especificamente encontrada em tocas de animais silvestres (dasipodídeos), com ampla distribuição no Brasil 15. Na Fazenda São José só foi coletada na floresta e a mais de 3 metros das tocas de dasipodídeos, sugerindo que a dispersão desta espécie seja superior a tal distância. Atualmente, não há registro de que L. aragaoi participe de um ciclo de transmissão de Leishmania. L. ayrozai é reconhecida como uma espécie altamente antropofílica na região montanhosa do sudeste do Brasil 16, onde é mais frequente nos meses quentes e úmidos, reduzindo a sua densidade nos meses frios e secos. Rangel & Lainson 17 relataram que L. ayrozai pode ser um provável transmissor de Leishmania naiffi entre tatus, conhecidos como reservatórios dessa espécie de Leishmania. Neste trabalho, L. ayrozai, juntamente com L. davisi, estiveram presentes apenas na floresta, o que difere dos dados encontrados por Alves 9. Em relação a L. davisi, a literatura cita que esta espécie é conhecida como o vetor potencial da Le. (V.) braziliensis e Le. naiffi no Brasil, sendo encontrado infectado em natureza com os dois protozoários. Alves não assinalou a ocorrência de L. davisi e L. aragaoi, nem das tocas de animais silvestres, quando estudou esta mesma área (Alves, JRC, comunicação pessoal, 2007). O que vem demonstrar que as tocas de tatus têm um papel importante na dispersão e distribuição da fauna flebotomínica local. Embora em Carmo, L. whitmani tenha sido coletada em pequena quantidade, é importante observar que este flebotomineo é visto como o vetor da Le. braziliensis em diferentes regiões do país 17. Deve-se também mencionar, sua associação com a transmissão de L. (V.) shawi 17. A literatura mostra L. carrerai carrerai como um dos vetores de Leishmania braziliensis no Brasil 15 e Bolívia, o qual, tem a capacidade de transmitir Le. (Le.) amazonensis Lainson & Shaw, 1977, a um hamster. Alves 9 não determinou L. carreirai carreirai em estudo feito no mesmo local, mas ele deve ter sido encontrado neste trabalho devido ao processo de recomposição da fauna flebotomínica local. CONCLUSÕES No presente estudo, ficou evidente que a remoção dos abrigos domésticos favoreceu a diversificação da fauna dos flebotomíneos e na recuperação das condições ecológicas 51

4 anteriores. Foi comprovado, ainda, que essas modificações influenciaram a dispersão e a distribuição da fauna flebotomínica existente na floresta. Ao mesmo tempo, foi formada uma área marginal com as condições ecológicas necessárias para a migração das espécies silvestres para o peridomicílio. Considerando este fato, pode-se afirmar que, em 2006/07, houve maior ocorrência das espécies incriminadas como vetor de Leishmania. AGRADECIMENTOS Ao Sr. Paulo Lemgruber e sua esposa, proprietários da Fazenda São José e também ao Sr. João Sebastião Marques e família, pelo apoio e compreensão. Também ao Dr. Rodrigo Caldas Menezes, Fundação Oswaldo Cruz, por suas críticas e sugestões. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Ministério da Saúde. site subpaginas arquivo/pdf/tabela_iva_casos_brasil.pdf acessado em 06/O9/ Rangel EF, Azevedo ACR, Andrade CA, Souza NA, Wermelinger ED. Studies on sandfly fauna (Diptera: Psychodidae) in focus of cutaneous leishmaniasis in Mesquita, Rio de Janeiro State, Brazil. Mem. Inst. Oswaldo Cruz 1990; 85: Meneses CRV, Azevedo ACR, Costa SM, Costa WA, Rangel EF. Ecology of American leishnaniasis in the State of Rio de Janeiro, Brazil. J. Vect. Ecol. 2002; 27: Teodoro U, Silveira TGV, Santos DR, Santos ES, Santos AR, Oliveira O et al. Influência da reorganização, da limpeza do peridomicílio e a da desinsetização de edificações na densidade populacional de flebotomíneos no Município de Doutor Camargo, Estado do Paraná, Brasil. Cad. Saúde Pública 2003; 19: Ximenes MFFM, Souza MF, Castellon CE. Density of Sand Flies (Diptera: Psychodidae) in Domestic and Wild Animal Shelters in an Area of Visceral Leishmaniasis in the State of Rio Grande do Norte, Brazil. Mem Inst. Oswaldo Cruz 1999; 94: Ximenes MFFM, Silva VPM, Queiroz PVS, Rego MM, Cortez AM, Batista LMM et al. Flebotomíneos (Diptera: Psychodidae) e Leishmanioses no Rio Grande do Norte, Nordeste do Brasil: reflexos do ambiente antrópico. Neotrop. Entomol. 2007; 36: Galati EAB, Nunes VLB, Dorval MEC, Oshiro ET, Cristaldo G, Espindola MA et al. Estudos dos flebotomíneos (Diptera, Psychodidae) em área de leishmaniose tegumentar, no Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. Rev. Saúde Pública 1996; 30: SVS-Secretaria Municipal de Saúde do Município de Carmo, Serviço de Vigilância Sanitária. Julho de Alves,JRC. Espécies de Lutzomyia França (Diptera: Psychodidae, Phlebotominae) em Área de Leishmaniose Tegumentar no Município de Carmo, RJ. Neotrop. Entomol 2007; 36: Koppen clima- acessado em 21/04/ Vilela ML, Rangel EF, Lainson R. Métodos de Coleta e Preservação Flebotomíneos. In: Rangel EF, Lainson R. editores. Flebotomíneos do Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz 2003; p Young DG, Duncan MA. Guide to the identification and geographic distribution of Lutzomyia sand flies in Mexico, the west Indies, Central and Douth American (Diptera: Psychodidae). Memories of the American Entomological Institute 1994; 54: Forattini, OP. Entomologia Medica. ED. Edgar Blucher-EDUSP, São Paulo, vol ; 640 p. 52

5 14, Teodoro U, Silveira TGV, Santos DR, Santos ES, Santos AR, Oliveira O, Kuhl JB. Frequência da fauna de flebotomíneos no domicílio e em abrigos de animais domésticos no peridomicílio, nos municípios de Cianorte e Doutor Camargo Estado do Paraná Brasil. Rev. de Patologia Tropical 2001a; 30: Aguiar GM, Medeiros WM. Distribuição Regional e Hábitats das Espécies de Flebotomíneos do Brasil. In: Rangel EF, Lainson R. editores. Flebotomíneos do Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz 2003; p Aguiar GM & Soucasaux T. Aspectos da ecologia dos flebótomos do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, Rio de Janeiro. I - Frequência mensal em isca humana (Diptera, Psychodidae: Phlebotominae). Mem. Inst. Oswaldo Cruz 1984; 79: Rangel EF, Lainson R. Transmissores de Leishmaniose Tegumentar Americana, In: Rangel EF, Lainson R. editores Flebotomíneos do Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz 2003; p

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL DISSERTAÇÃO Espécies de Phlebotominae (Diptera: Psychodidae) da Fazenda São José, Município de Carmo, Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

Fauna de flebotomíneos do município de Bandeirantes, no Estado do Paraná Phlebotomine sandflies of Southern Brazil

Fauna de flebotomíneos do município de Bandeirantes, no Estado do Paraná Phlebotomine sandflies of Southern Brazil ev Saúde Pública 2005;39(4):571-7 571 Fauna de flebotomíneos do município de Bandeirantes, no Estado do Paraná Phlebotomine sandflies of Southern Brazil ubens Massafera a, Allan Martins da Silva a, Antônio

Leia mais

Controle de Flebotomíneos com DDT, em Área Endêmica de Leishmaniose Tegumentar no Estado do Paraná, Sul do Brasil.

Controle de Flebotomíneos com DDT, em Área Endêmica de Leishmaniose Tegumentar no Estado do Paraná, Sul do Brasil. Controle de Flebotomíneos com DDT, em Área Endêmica de Leishmaniose Tegumentar no Estado do Paraná, Sul do Brasil. Ueslei Teodoro 1*, Eunice A.B. Galati 2, João Balduíno Kühl 1, Ana Leuch Lozovei 3 e Orlando

Leia mais

OBSERVAÇÕES SOBRE A TRANSMISSÃO DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

OBSERVAÇÕES SOBRE A TRANSMISSÃO DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL OBSERVAÇÕES SOBRE A TRANSMISSÃO DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL Oswaldo Paulo Forattini * Ernesto Xavier Rabello * Oswaldo Pinto Serra** Maria das Dores Cotrim * Eunice Aparecida

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ INSTITUTO OSWALDO CRUZ Pós-Graduação em Biodiversidade e Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ INSTITUTO OSWALDO CRUZ Pós-Graduação em Biodiversidade e Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ INSTITUTO OSWALDO CRUZ Pós-Graduação em Biodiversidade e Saúde ASPECTOS DA ECOLOGIA DOS FLEBOTOMÍNEOS (DIPTERA: PSYCHODIDAE: PHLEBOTOMINAE) EM ÁREA DE OCORRÊNCIA

Leia mais

EXPANSÃO DA LEISHMANIOSE E PERDA DE BIODIVERSIDADE

EXPANSÃO DA LEISHMANIOSE E PERDA DE BIODIVERSIDADE PROBIO II EXPANSÃO DA LEISHMANIOSE E PERDA DE BIODIVERSIDADE Drª CELESTE SOUZA LAB. DE IMUNOMODULAÇÃO E PROTOZOOLOGIA INSTITUTO OSWALDO CRUZ - RJ Leishmanioses Representam um complexo de doenças que afetam

Leia mais

Leishmaniose tegumentar americana: flebotomíneos em área de transmissão no Município de Uberlândia, MG

Leishmaniose tegumentar americana: flebotomíneos em área de transmissão no Município de Uberlândia, MG ARTIGO/ARTICLE Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 38(1):22-26, jan-fev, 2005 Leishmaniose tegumentar americana: flebotomíneos em área de transmissão no Município de Uberlândia, MG American

Leia mais

Metodologia. Introdução

Metodologia. Introdução TIO TICLE 181 Ueslei Teodoro 1 Thaís omes Verzignassi Silveira 1 Demilson odrigues dos Santos 2 Elcio Silvestre dos Santos 2 de odrigues dos Santos 2 Otílio de Oliveira 2 João B. Kühl 1 Dayane lberton

Leia mais

Aspectos epidemiológicos da Leishmaniose Tegumentar Americana no município de Juína, Mato Grosso, Brasil

Aspectos epidemiológicos da Leishmaniose Tegumentar Americana no município de Juína, Mato Grosso, Brasil Artigo Original Aspectos epidemiológicos da Leishmaniose Tegumentar Americana no município de Juína, Mato Grosso, Brasil Epidemiological aspects of American Cutaneous Leishmaniasis in the city of Juína,

Leia mais

A experiência do município de Paraty (Rio de Janeiro, Brasil) na prevenção e controle da leishmaniose tegumentar americana

A experiência do município de Paraty (Rio de Janeiro, Brasil) na prevenção e controle da leishmaniose tegumentar americana Parasitol Latinoam 59: 110-114, 2004 FLAP ARTÍCULO ORIGINAL A experiência do município de Paraty (Rio de Janeiro, Brasil) na prevenção e controle da leishmaniose tegumentar americana CAROLINA M. DA COSTA*,

Leia mais

FLEBOTOMÍNEOS - VETORES DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA - NO ASSENTAMENTO DE REFORMA AGRÁRIA BOM JARDIM, NO MUNICÍPIO DE ARAGUARI MG

FLEBOTOMÍNEOS - VETORES DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA - NO ASSENTAMENTO DE REFORMA AGRÁRIA BOM JARDIM, NO MUNICÍPIO DE ARAGUARI MG CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos FLEBOTOMÍNEOS

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=618>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Leishmaniose tegumentar americana em cão da raça Cocker Spainel proveniente da área

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA CANA BRAVA

USINA HIDRELÉTRICA CANA BRAVA USINA HIDRELÉTRICA CANA BRAVA PROGRAMA DE MONITORAMENTO DAS ESPÉCIES VETORAS DE ZOONOSES NAS ÁREAS URBANAS NO MUNICÍPIO DE MINAÇU-GO XX RELATÓRIO TÉCNICO PARCIAL SETEMBRO DE 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Estudo dos flebotomíneos (Diptera, Pychodidae), em área de leishmaniose tegumentar, no Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil*

Estudo dos flebotomíneos (Diptera, Pychodidae), em área de leishmaniose tegumentar, no Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil* Rev. Saúde Pública, 30 (2): 5-28, 996 5 Estudo dos flebotomíneos (Diptera, Pychodidae), em área de leishmaniose tegumentar, no Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil* Study of the phlebotomines (Diptera,

Leia mais

OBSERVAÇÕES SOBRE A LEISHMANIOSE TEGUMENTAR, CINCO ANOS APÓS PROFILAXIA

OBSERVAÇÕES SOBRE A LEISHMANIOSE TEGUMENTAR, CINCO ANOS APÓS PROFILAXIA OBSERVAÇÕES SOBRE A LEISHMANIOSE TEGUMENTAR, CINCO ANOS APÓS PROFILAXIA Lais Clark Lima* Mauro Célio de Almeida Marzochi** Paulo Chagasteles Sobroza*** Miguel Alves de Souza** LIMA, L. C. et al. Observações

Leia mais

Artigo Original. Ueslei Teodoro, 1 João Balduíno Kühl 2 e Lucas Augusto Thomé Sanches 1 RESUMO

Artigo Original. Ueslei Teodoro, 1 João Balduíno Kühl 2 e Lucas Augusto Thomé Sanches 1 RESUMO Artigo Original FREQUÊNCIA DE FLEBOTOMÍNEOS EM LOCALIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE PRUDENTÓPOLIS, ESTADO DO PARANÁ, BRASIL Ueslei Teodoro, 1 João Balduíno Kühl 2 e Lucas Augusto Thomé Sanches 1 RESUMO O

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA INPA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS - UFAM

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA INPA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS - UFAM INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA INPA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS - UFAM PROGRAMA INTEGRADO DE POS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA TROPICAL E RECURSOS NATURAIS PIPG BTRN FLEBOTOMÍNEOS (DIPTERA: PSYCHODIDAE)

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL NOVTEC 2010 Workshop Novas Tecnologias em Gestão Florestal Sustentável A gestão do risco de incêndio e a gestão da cadeia de valor 25-26 de Outubro, 2010 Lisboa, Portugal CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.29 - Programa de Controle e Prevenção de Doenças P.30 - Plano de Ação e Controle da Malária CHTP RA 1/12 P.29 E P.30 0613 INTEGRANTES EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL

Leia mais

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini

MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE. Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE Lucia Mardini MANEJO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA DENGUE DENGUE É A MAIS IMPORTANTE ARBOVIROSE URBANA, PERIURBANA E RURAL SÓ EXISTE PELA PRESENÇA DO Aedes aegypti

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Guia de identificação dos triatomíneos do Espírito Santo

Guia de identificação dos triatomíneos do Espírito Santo Guia de identificação dos triatomíneos do Espírito Santo Gustavo Rocha Leite Este manual é baseado no programa TriatominaES: Guia de identificação dos triatomíneos do Espírito Santo desenvolvido por Gustavo

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

PROGRAMA DE INVENTARIAMENTO, MONITORAMENTO E RESGATE DA FAUNA SILVESTRE SUBPROGRAMA DE VETORES RELATÓRIO SEMESTRAL JANEIRO 2009 CONSILIU

PROGRAMA DE INVENTARIAMENTO, MONITORAMENTO E RESGATE DA FAUNA SILVESTRE SUBPROGRAMA DE VETORES RELATÓRIO SEMESTRAL JANEIRO 2009 CONSILIU PROGRAMA DE INVENTARIAMENTO, MONITORAMENTO E RESGATE DA FAUNA SILVESTRE SUBPROGRAMA DE VETORES RELATÓRIO SEMESTRAL JANEIRO 2009 CONSILIU Meio Ambiente & Projetos Empreendimento: UHE Foz do Rio Claro Foz

Leia mais

Leishmaniose visceral americana: situação atual no Brasil Leishmaniasis: current situation in Brazil

Leishmaniose visceral americana: situação atual no Brasil Leishmaniasis: current situation in Brazil Atualização Leishmaniasis: current situation in Brazil Waneska Alexandra Alves Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Secretaria de Vigilância em Saúde.

Leia mais

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002).

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002). 1 PROGNÓSTICO CLIMÁTICO (Fevereiro, Março e Abril de 2002). O Instituto Nacional de Meteorologia, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base nas informações de análise e prognósticos

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB Jackson Silva Nóbrega 1 ; Francisco de Assis da Silva 1 ; Marcio Santos da Silva 2 ; Maria Tatiane Leonardo Chaves

Leia mais

ANÁLISE DA DIVERSIDADE ENTOMOLÓGICA POR MEIO DE DIFERENTES ARMADILHAS CDC

ANÁLISE DA DIVERSIDADE ENTOMOLÓGICA POR MEIO DE DIFERENTES ARMADILHAS CDC ANÁLISE DA DIVERSIDADE ENTOMOLÓGICA POR MEIO DE DIFERENTES ARMADILHAS CDC Vanderley, A.M.S.(1) ; Cruz, D.L.V. (1) ; Bezerra, P.E.S. (1) ; Gonçalves, T. S. (1) ; Freitas, M.T.S. (1) ; Gomes-Júnior, P.P.

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Estrutura da comunidade de Phlebotominae (Diptera, Psychodidae) em mata ciliar do município de Urbano Santos, Maranhão, Brasil

Estrutura da comunidade de Phlebotominae (Diptera, Psychodidae) em mata ciliar do município de Urbano Santos, Maranhão, Brasil Estrutura da comunidade de Phlebotominae (Diptera, Psychodidae)... 109 Estrutura da comunidade de Phlebotominae (Diptera, Psychodidae) em mata ciliar do município de Urbano Santos, Maranhão, Brasil Fredgardson

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Epidemiologia da leishmaniose tegumentar na Comunidade São João, Manaus, Amazonas, Brasil

Epidemiologia da leishmaniose tegumentar na Comunidade São João, Manaus, Amazonas, Brasil ARTIGO ARTICLE 2319 Epidemiologia da leishmaniose tegumentar na Comunidade São João, Manaus, Amazonas, Brasil Epidemiology of tegumentary leishmaniasis in São João, Manaus, Amazonas, Brazil Jorge Augusto

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DE CHAGAS EM SERGIPE

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DE CHAGAS EM SERGIPE 50 DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DE CHAGAS EM SERGIPE DIAS, Douglas de Matos 1 DANTAS, Lucineide Nascimento Almeida 2 DANTAS, José Oliveira 3 Resumo: Cerca de sete espécies de Triatominae são de

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES

TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 28 (IDB-28) TEMA DO ANO: DOENÇAS EMERGENTES E REEMERGENTES SUMÁRIO Introdução... 1 Aids... 2 Dengue... 7 Leishmaniose Visceral... 11 Leishmaniose Tegumentar Americana...

Leia mais

Aplicações do Sensoriamento Remoto em Saúde: estado da arte e necessidades brasileiras

Aplicações do Sensoriamento Remoto em Saúde: estado da arte e necessidades brasileiras Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Aplicações do Sensoriamento Remoto em Saúde: estado da arte e necessidades brasileiras Virginia Ragoni de Moraes Correia (virginia@dpi.inpe.br) Marilia

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Estudo da fauna dos triatomíneos recebidos no laboratório de entomologia do centro de controle de zoonoses no Município de Mossoró/RN Zuliete Aliona

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO O Brasil como país megadiverso é responsável pela gestão do maior patrimônio natural do mundo. São mais de 120 mil

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública

Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Estudo Epidemiológico da Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA), no município de Itambaracá, Região Norte do Estado do Paraná, Brasil, em áreas de

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS 1 - Acerca das doenças de interesse em saúde pública, estão corretas as afirmativas, EXCETO: (A) Dengue é transmitida, geralmente, pela picada do mosquito Aedes Aegypti que inocula na pessoa o vírus da

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2003 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A primavera começa neste ano às 07:47h do dia 23 de setembro e vai até 05:04h (horário de Verão) de Brasília, do dia

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA apoie esta campanha em www.ppl.com.pt A Pombal do Coto Fernando Romão A Faia Brava é a primeira área protegida privada do país, no coração do vale do Côa, no Nordeste

Leia mais

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro.

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A Primavera começa este ano às 22h04min (hora de Brasília), no dia 22 de setembro e termina às 17h20min (horário de

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Massas de Ar no Brasil Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 5min33seg Habilidades: H.7 (Ensino Fundamental)

Leia mais

por Cheryl Gouveia Dissertação apresentada com vistas à obtenção do título de Mestre em Ciências na área de Saúde Pública.

por Cheryl Gouveia Dissertação apresentada com vistas à obtenção do título de Mestre em Ciências na área de Saúde Pública. Condições Particulares de Transmissão da Leishmaniose Tegumentar Americana em Localidades do Campus FIOCRUZ da Mata Atlântica (Jacarepaguá, Rio de Janeiro/RJ) por Cheryl Gouveia Dissertação apresentada

Leia mais

PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS. Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012

PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS. Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012 PROGRAMAS DE SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA - AÇÕES MUNICIPAIS Resumo de aula ministrada dia 14 de setembro de 2012 CENTROS DE CONTROLE DE ZOONOSES Sua implantação e capacidade de ação dependem de diversos

Leia mais

Investigação Clínica, Epidemiológica, Laboratorial e Terapêutica. Lúcia Mensato Rebello da Silva 1 Paulo Rowilson Cunha 2

Investigação Clínica, Epidemiológica, Laboratorial e Terapêutica. Lúcia Mensato Rebello da Silva 1 Paulo Rowilson Cunha 2 Investigação Clínica, Epidemiológica, Laboratorial e Terapêutica A urbanização da leishmaniose tegumentar americana no município de Campinas São Paulo (SP) e região: magnitude do problema e desafios *

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Avaliação de medidas de controle de flebotomíneos no Município de Lobato, Estado do Paraná, Sul do Brasil

Avaliação de medidas de controle de flebotomíneos no Município de Lobato, Estado do Paraná, Sul do Brasil NOTA RESEARCH NOTE 451 Avaliação de medidas de controle de flebotomíneos no Município de Lobato, Estado do Paraná, Sul do Brasil Evaluation of sandfly control in Lobato municipality, Paraná State, southern

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento,

Leia mais

Leishmaniose visceral: estudo de flebotomíneos e infecção canina em Montes Claros, Minas Gerais

Leishmaniose visceral: estudo de flebotomíneos e infecção canina em Montes Claros, Minas Gerais Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 38(2):147-152, mar-abr, 2005 ARTIGO/ARTICLE Leishmaniose visceral: estudo de flebotomíneos e infecção canina em Montes Claros, Minas Gerais Visceral

Leia mais

LEISHMANIOSES. Afonso Heusser Jr.*

LEISHMANIOSES. Afonso Heusser Jr.* LEISHMANIOSES Afonso Heusser Jr.* As leishmanioses compreendem um grupo de doenças zoonóticas causadas por protozoários flagelados heteroxenos, pertencentes ao gênero Leishmania (Protozoa, Kinetoplastida,

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 O mês de julho foi caracterizado pela presença de sete sistemas frontais,

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Epidemiologia da leishmaniose tegumentar americana no Estado do Acre, Amazônia brasileira

Epidemiologia da leishmaniose tegumentar americana no Estado do Acre, Amazônia brasileira ARTIGO ARTICLE 1325 Epidemiologia da leishmaniose tegumentar americana no Estado do Acre, Amazônia brasileira Epidemiology of American tegumentary leishmaniasis in the State of Acre, Brazilian Amazon Natal

Leia mais

Observe o mapa múndi e responda.

Observe o mapa múndi e responda. EXERCÍCIOS DE REVISÃO COM RESPOSTAS PARA O EXAME FINAL GEOGRAFIA 5ª SÉRIE 1) Escreva V para verdadeiro e F para falso: ( V ) No globo terrestre, no planisfério e em outros mapas são traçadas linhas que

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

Padronização de condições para detecção de DNA de Leishmania spp. em flebotomíneos (Diptera, Psychodidae) pela reação em cadeia da polimerase

Padronização de condições para detecção de DNA de Leishmania spp. em flebotomíneos (Diptera, Psychodidae) pela reação em cadeia da polimerase ARTIGO ARTICLE 87 Padronização de condições para detecção de DNA de Leishmania spp. em flebotomíneos (Diptera, Psychodidae) pela reação em cadeia da polimerase Standardization of conditions for PCR detection

Leia mais

DINÂMICA DA POPULAÇÃO DE Lutzomyia longipalpis EM CAMPO GRANDE, MATO GROSSO DO SUL.

DINÂMICA DA POPULAÇÃO DE Lutzomyia longipalpis EM CAMPO GRANDE, MATO GROSSO DO SUL. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL PROGRAMA MESTRADO EM CIÊNCIA ANIMAL DINÂMICA DA POPULAÇÃO DE Lutzomyia longipalpis EM CAMPO GRANDE, MATO GROSSO DO SUL. POPULATION S DYNAMIC OF Lutzomyia longipalpis

Leia mais

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009.

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO Dezembro/2009 Emergências em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) de Febre Amarela Silvestre em São Paulo e no Rio Grande do Sul e

Leia mais

Estudo da Leishmaniose Tegumentar Americana através de geotecnologias no município de Ubatuba SP. Ana Elisa Pereira Silva ¹ Helen da Costa Gurgel ¹, ²

Estudo da Leishmaniose Tegumentar Americana através de geotecnologias no município de Ubatuba SP. Ana Elisa Pereira Silva ¹ Helen da Costa Gurgel ¹, ² Estudo da Leishmaniose Tegumentar Americana através de geotecnologias no município de Ubatuba SP Ana Elisa Pereira Silva ¹ Helen da Costa Gurgel ¹, ² ¹Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Caixa

Leia mais

NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO

NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO José Neiva MESQUITA NETO 1 ; Francielle Pinto RIBEIRO 2 ; Frederico Gemesio LEMOS 3 ; Gleyce Alves MACHADO 4 1 Acadêmico

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

ÍNDICE - 31/10/2005 O Estado de S.Paulo... 2 Capa/Vida&...2 Correio Braziliense... 4 Brasil/SAÚDE...4 Jornal do Brasil... 5 Rio...

ÍNDICE - 31/10/2005 O Estado de S.Paulo... 2 Capa/Vida&...2 Correio Braziliense... 4 Brasil/SAÚDE...4 Jornal do Brasil... 5 Rio... ÍNDICE - O Estado de S.Paulo...2 Capa/Vida&...2 Foco da maculosa pode ter sido encontrado...2 Localizado foco de maculosa no Rio...2 Correio Braziliense...4 Brasil/SAÚDE...4 Febre maculosa ataca no Rio...4

Leia mais

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES Gava, M. (1) ; Souza, L. (2) mayla.gava@gmail.com (1) Graduanda de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO.

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. Gracielle Rodrigues da Costa 1 ; Edy Eime Pereira Baraúna 2 ; Renato da Silva Vieira 3 1 Aluno do Curso de

Leia mais

08-11-2012. Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública. Factores de emergência - Invasões

08-11-2012. Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública. Factores de emergência - Invasões Mosquitos invasores Vigilância e Investigação do Potencial Impacto em Saúde Pública Adulto a eclodir Adulto Ciclo vida mosquito Ovos Maria João Alves Centro de Estudos de Vectores e Doenças Infecciosas

Leia mais

LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA: o lúdico na conscientização

LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA: o lúdico na conscientização LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA: o lúdico na conscientização Marlon Patrik Costa Moreira Marina Neiva Alvim RESUMO A leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) é uma doença infecciosa e não contagiosa que

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Projeto Facilita. Queiroz foi levado para o Pinel porque estaria muito exaltado

Projeto Facilita. Queiroz foi levado para o Pinel porque estaria muito exaltado O começo deste verão é o mais abrasador dos últimos 11 anos no Rio Grande do Sul. As médias de temperatura máxima oscilam entre 28 C e 34 C nas diferentes regiões do Estado, chegando a alcançar três graus

Leia mais

JAIRO RAMOS DE JESUS*, FLÁVIO ANTÔNIO PACHECO DE ARAUJO*, SILVIA SPALDING***, e FÁTIMA TIECHER****

JAIRO RAMOS DE JESUS*, FLÁVIO ANTÔNIO PACHECO DE ARAUJO*, SILVIA SPALDING***, e FÁTIMA TIECHER**** Parasitol Latinoam 61: 121-125, 2006 FLAP ARTÍCULO ORIGINAL Avaliação sorológica de anticorpos para Leishmania spp. na população canina em região de foco de leishmaniose tegumentar americana na Lomba do

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências Nome: Ano: 5º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências da Natureza Disciplina:

Leia mais

PERFIL DAS CONDIÇÕES DE HABITAÇÃO E RELAÇÕES COM A SAÚDE NO BRASIL*

PERFIL DAS CONDIÇÕES DE HABITAÇÃO E RELAÇÕES COM A SAÚDE NO BRASIL* PERFIL DAS CONDIÇÕES DE HABITAÇÃO E RELAÇÕES COM A SAÚDE NO BRASIL* André Monteiro Costa** Centro de pesquisas Aggeu Magalhães/ Fundação Oswaldo Cruz. Engenheiro Sanitarista, Mestre em Saúde Pública (ENSP/

Leia mais

Resumo. Abstract. Palavras-chave: cães, Leishmaniose, Amazonas, cutânea

Resumo. Abstract. Palavras-chave: cães, Leishmaniose, Amazonas, cutânea A Leishmaniose Tegumentar Americana no Estado do Amazonas, Brasil. Aspectos epidemiológicos da leishmaniose canina American Tegumentary Leishmaniasis in Amazonas State, Brazil. Epidemiological aspects

Leia mais

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Furtado Mozini Cardim, Marisa; Colebrusco Rodas, Lilian A; Dibo, Margareth Regina; Monteiro Guirado, Marluci; Oliveira,

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA Programa de Pós-Graduação Divisão do Curso de Entomologia DCEN

Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA Programa de Pós-Graduação Divisão do Curso de Entomologia DCEN Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA Programa de Pós-Graduação Divisão do Curso de Entomologia DCEN Fauna de flebotomíneos (Diptera: Psychodidae) e taxa de infecção natural por Leishmania sp.

Leia mais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais 2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais Para uma maior precisão na modelagem da atenuação provocada pela precipitação no sinal radioelétrico,

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1.

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1. COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1.166, de 2007) Institui incentivo fiscal para o controle biológico de pragas

Leia mais

12/2/2009. São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. ZOONOSES *

12/2/2009. São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. ZOONOSES * ZOONOSES * São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. * Médico alemão Rudolf Wirchow(século XIX) Fco Eugênio D. de Alexandria Infectologista Zoon = animal

Leia mais

Domínio Morfoclimático das Araucárias

Domínio Morfoclimático das Araucárias Domínio Morfoclimático das Araucárias Situação Geográfica Encontrado desde o sul paulista até o norte gaúcho, o domínio das araucárias ocupa uma área de 400.000 km²,, abrangendo em seu território cidades

Leia mais

Proposta de vigilância epidemiológica da leishmaniose tegumentar em nível local

Proposta de vigilância epidemiológica da leishmaniose tegumentar em nível local MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ESCOLA NACIONAL D SAÚDE SÉRGIO AROUCA MESTRADO PROFISSIONAL EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE VALDENIR BANDEIRA SOARES Proposta de vigilância epidemiológica da leishmaniose

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais