S6bre algumas espkcies de Culex (Carrollia) (Diptera,,Culicidae)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "S6bre algumas espkcies de Culex (Carrollia) (Diptera,,Culicidae)"

Transcrição

1

2

3 216 Cerqueira & Lane, Sabre algumas esppcies de Culex S6bre algumas espkcies de Culex (Carrollia) (Diptera,,Culicidae) por N. I,. Cerqueira e J. Lane1 (Corn G figuras) Estudamos nesta nota as espkies de Culex, do subgenero Carrollia, que possuem urn largo anel forrnado por escamas esbranquiqadas no quart0 articulo dos tarsos posteriores, espkies estas que constituem urn grupo que denominaremos de urichi. 0 nosso material consta tinicamente de adultos, na maior parte provenientes de uma cole$go, feita pelo Sr. C 4 s a r W o r o n t z o w no Estado do Amazonas, e que nos foi cedida para estudo pelo Dr. A. L. A y r o s a G a 1 v 2 o, do Laboratbrio de Parasitologia da Faculdade de Medicina da Universidade de S. Paulo. Do restante, uma parte pertence ao ServiCo de Estudos e Pesquisas s6bre a Febre Amarela tendo sido colhida durante o servico rotineiro de capturas de mosquitos em diversos Estados (de 1935 a 1939) e a outra foi capturada na ColGmbia pelo Dr. P. C. A. A n t u n e s, do Instituto de Higiene da Universidade de S. Paulo. &te abundante material nos deu o ensejo de montar mais de sessenta genit2lias de machos que pertencem a trps espkcies distintas, uma das quais ainda n2o descrita. As abaixo baseiam-se no estudo das genithlias dos machos, pois OS adultos n2o oferecern caracteristicos diferenciais. C u 1 e x (Carrollia) u r i c h i (Coquillett, 1906). 1906, JIeZa~zoto~zio~z uriclli Coquillett, Can. Ent., 38 : 62. A original desta especie foi baseada em urn exemplar f&nea proveniente de Trinidad (B. W. I.), colecionado por F. W. Urich. Mais tarde, em 1915, Howard, Dyar e K n a b descreveram o macho e larva, da mesma proveniencia, e colhidos pelo mesmo U r i c h. Transcrevemos a da genitz4ia do macho alotipico: Side-pieces over twice as long as wide, tips conically tapered, outwardiy to subapical ridges bearing the narrow leaflike appendages, a long slender peduncle below middle be?ring two filaments and a seta. C!asp-filament Iarge, strongly swollen at apex, bearing a short seta and a small articulated terminal spine. Harpes divided, branches at right angles, 1) OS estudos e observacges em que se baseia &te trabalho foram realizados corn o apoio e sob OS auspicios do Service de Estudos e Pesquisas s6bre a Febre Amarela, do MinisGrio da e Satide do Brasil, em corn a DivisZio SanitAria International da Fundacgo Rockefeller, e o Instituto de Higiene da Universidade de S. Paula.

4 Rev. de Entomologia, vol. 15, fast. 1-2, agikto equal, the outer bearing a few teeth. Harpagones nearly simple, outer portion slender, bent, obscurely divided. Basal appendages small, remote, and setose. Devido ao fato de que a descricao acima transcrita e omissa em muitos detalhes e de nao existirem que OS levem em conta, julgamos de born aviso redescrever esta estrutura, baseados na grande copia de material que temos em rnaos. Fig. 1. Gulcx (Garollia) wiclai (Cocluillett, 1906). peca lateral da gonitblia do macho. - Fig. 2. Idem, dccimo esternito. - Fig. 3. Idcm, nono esternito. - Fig. 4. Idem, niesosoma. G e n i t a I i a d o m a c h o. - Peca lateral (Fig. 1) medindo cerca de duas e meia v&es a largura basal; lobo apical tendo o process0 colunar tao longo quanto a largura da -peca lateral na altura de sua implantacao, corn cerdas finas, curtas e esparsas; no spice do process0 colunar se inserem dois apendices foliaceos de comprimentos desiguais, longos, delgados e de extremidades recurvadas; uma cerda simples, p&-apical; a por-

5 218 C e r q u e i r a & L a n e, S6bre algumas espkies de Culex $50 distal do lobo apical tern as seguintes estruturas: (a) uma protuberancia bastante acentuada que mostra no spice dois apendices foliaceos, ponteagudos e divergentes, e, entre eles, duas outras mais curtas, mais ou menos largas, corn insercao subapical, (6) precedendo estas estruturas existe urn grupo compacto de cerdas foliaceas, de ponta curva, umas maiores e mais largas que as outras, tadas implantadas em tuberculos mais salientes: entre estas encontram-se outras cerdas menores e ponteagudas; pinca entumescida apicalmente, apendicuio subterminal muito curto inserto abaixo de uma saliencia ponteaguda que inferiormente possui pequena cerda implantada em tuberculo; decimo esternito (Fig. 2) geralmente corn tres dentes rombos no spice e corn uma ou duas espiculas; nono tergito (Fig. 3) corn seis a dez cerdas decumbentes; mesosoma (Fig. 4) dividido, delgado no spice, diiatado na base e encurvado. Proveniencia do material estudado: - Brasil, Estado do Amazonas, rios Paruari e Maues, II. 37 (C. Worontzow ~01.). C u 1 e x (Carrollia) nz a f h e s o n i Anduze, (Ca r) o!lia) 7okhii Bonne c Bonne-Weyster, (Cam ollia) mclt7lesoni Anduze, Eol. de Ent. 197, fg. (2): 47. l!). Quancio A n d u z e descreveu esta especie disse que OS tarsos eram uniformemente castanhos. Mais tarde, tendo reexaminado OS tipos, informou-nos o seguinte por carta, datada de 29 de junho de 1943:... Ahora con respect0 a Carrollia mathesoni Ud. tiene razon en lo que dice de1 anillo blanco. No es propriamente blanco tampoco sino mas bien color crema. Mi ejemplar esta algo frotado tambien pues fue capturado por el metodo de sweeping.

6 Rev. de Entomologia, vol. 15, fast. 1-2, ag6sto Ahora creio que la genitalia es inconfundible. Todo o nosso material apresenta o quart0 articulo dos tarsos posteriores corn urn largo anel esbranquicado que o envolve quase completamente. G e n i t 2 1 i a d o m a c h o (Fig. 5). - Distingue-se de C. urichi pelo grande interval0 entre o process0 colunar, que e mais delgado, e o grupo de cerdas apicais; este grupo e formado por apenas seis ou sete cerdas folikeas insertas antes da protuberancia pre-apical ; esta termina por duas cerdas largas e pon teagudas ; existem, alem destas, uma ou duas cerdas foliateas na basal da protuberancia p&apical; o nono tergito possui apenas quatro ou cinco cerdas delgadas e decumbentes. Proveniencia do material estudado: _ Colombia, Intendencia de Meta, Restrepo, I. 35 (P. C. A. Antunes col.) ; Brasil, Estado do Amazonas, rio Paruari, III.37 e Ma&s, I.37 (C. Worontzow col.)., C u 1 ex (Carrollia) an d u z e i, n. sp. Adulto. - Como anteriormente dissemos, nzo encontramos caracteres que permitam a separacao desta especie de C. urichi e C. nznthesoni, exceto OS da genitalia do macho que damos a seguir: G e n i t a 1 i a d o m a c h o. -- Peca lateral (Fig. 6) com o comprimento cerca de duas e meia vezes a largura basal; lobo apical tendo o process0 colunar mais longo que a largura da peca lateral na altura da implantacao, corn esparsas cerdas pequenas e, no spice, dois apendices entumescidos, o superior maior e de ponta adunca; alem do process0 colunar, ha tambem uma pro-

7 220 Cerqueira & Lane, Sobre algumas especies de Culex tuberancia pre-apical que termina por uma cerda foliacea, longa e ponteaguda; antes da base desta ha ainda alguns nodules corn finas cerdas; entre o process0 colunar e a protuberancia existem esparsas cerdas que s50 pequenas e pouco conspicuas; acirna da protuberancia existem duas outras cerdas mais longas; pinca, decimo esternito, nono tergito e mesosoma como em urichi. Pupa e larva desconhecidas. Tipos: - Holotipo macho registrado sob o numero na colecao entomologica do Instituto de Higiene da Universidade de S. Paulo; paratipos 12 rnachos a serem depositados no Instituto de Higiene de S. Paulo, Faculdade de Medicina da Universidade de S. Paulo, Laboratorio do Service de Estudos e Pesquisas s6bre a Febre Amarela, Instituto Osvaldo Cruz e United States National Museum, de Washington. Localidade tipo: - Brasil, Estado do Amazonas, rio Ma&s, II. 37 (C. Worontzow co].). Temos o prazer de dedicar esta interessante e caracteristica especie ao Dr. P a b 1 o An d u z e, do Instituto de Higiene de Caracas, Venezuela. Agradecimentos Agradecemos o abundante material cedido para estudo pelo Dr. A. L. Ayrosa Galvao, da Faculdade de Medicina da Universidade de S. Paulo. Aproveitamos a oportunidade para agradecer as ilustrac6es feitas pelo Sr. 0. V. F e r r e i r a, do Service de Estudos e Pesquisas s6bre a Febre Amarela. Resumo OS AA. estudam as especies do subgenero Carrollia cujos adultos possuem o quart0 articulo tarsal posterior quase completamente branco. Sao e!as: C. urichi, mafhesoni e anduzei n. sp. Redescrevem as genitalias dos machos de C. urichi e mafhesoni e descrevem uma nova especie a que dao o nome de Culex (Carrollia) anduzei. Summary The AA. study the species belonging to the subgenus Carrolfia which have the fourth posterior tarsal segment almost totally white. These species are C. urichi, mathesoni and anduzei. They redescribe the male genitalia of urichi and mafhesoni and describe a new species which they name Crrlex (Carrollia) anduzei.

Novas espkies de Calex do Brasil (Diptera, Culicidae)

Novas espkies de Calex do Brasil (Diptera, Culicidae) Rev. de Entornologia, vol. 14, fast. 3, dezembro 1943 389 Novas espkies de Calex do Brasil (Diptera, Culicidae) por J. Lane e L. Whitman1 (Corn 17 figuras) Em 1940 o Segundo autor permaneceu durante virios

Leia mais

Notholopus (Notholopoides) niger, Sp.D. Figs 1-5

Notholopus (Notholopoides) niger, Sp.D. Figs 1-5 MIRrDEOS NEOTROPICAIS CCCXC: ESPÉCIES NOVAS DE GOlAS (HEMIPTERA, MIRIDAE) José C. M. Carvalho 1,2 Luiz A. A. Costa 1 ABSfRACf. NEOTROPICAL MIRIDAE CCCXC: NEW SPECIES FROM GOIÁs (HEMIPTERA, MIRIDAE). Six

Leia mais

Novos Mycetophilinae do Brasil (Diptera, Mycetophilidae).

Novos Mycetophilinae do Brasil (Diptera, Mycetophilidae). 448 L a n e, Novos Mycetophilinae do Brasil Novos Mycetophilinae do Brasil (Diptera, Mycetophilidae). Por J O h II L a n e, Departamento de Parasitologia, Faculdade de Higiene e Saúde Pública da Universidade

Leia mais

MIRIDEOS NEOTROPICAIS, CCCLXXV: UM GENERO E QUATRO ESPECIES NOVOS DA NICARAGUA (HETEROPTERA).

MIRIDEOS NEOTROPICAIS, CCCLXXV: UM GENERO E QUATRO ESPECIES NOVOS DA NICARAGUA (HETEROPTERA). Rev. Nica. Ent., (1992) 21:31-41. MIRIDEOS NEOTROPICAIS, CCCLXXV: UM GENERO E QUATRO ESPECIES NOVOS DA NICARAGUA (HETEROPTERA). Por José C. M. CARVALHO.* RESUMO. O autor descreve um gênero e quatro espécies

Leia mais

NOTA SOBRE 0 GENERO MANSOWi, SUB-GENERO RHYMCHOTAHVIA, COM A DESCRIPCAO DE UMA NOVA E-SPECIE. por J. LANE e I?. C.A. ANTUNES

NOTA SOBRE 0 GENERO MANSOWi, SUB-GENERO RHYMCHOTAHVIA, COM A DESCRIPCAO DE UMA NOVA E-SPECIE. por J. LANE e I?. C.A. ANTUNES NOTA SOBRE 0 GENERO MANSOWi, SUB-GENERO RHYMCHOTAHVIA, COM A DESCRIPCAO DE UMA NOVA E-SPECIE por J. LANE e I?. C.A. ANTUNES NOTA SOBRE 0 GENERO MANSCNA, SUB-GENERO RHYNCHOTAENIA, COM DESCRIPCAO DE UMA

Leia mais

AJóti pos de Paragonyleptes antiquus (Melo-

AJóti pos de Paragonyleptes antiquus (Melo- Separata da Revista d s Indústria Animal Julho-Outubro de 1944- Nova Série - Vol. 7 - N." 3-4 AJóti pos de Paragonyleptes antiquus (Melo- Leitão, 1934) e de Jacarepaguana pectint femur Piza, 1 943. (opiliones-gonyleptidae).

Leia mais

SFO t 300'\04- .' FOul'...,~:~, \J. 'f (.,.,~) /ln> ~, Se:: r;"' 30, ler3r. ~. ]ilbltcta. "u. 8~ 'Nat M:ua; ...

SFO t 300'\04- .' FOul'...,~:~, \J. 'f (.,.,~) /ln> ~, Se:: r;' 30, ler3r. ~. ]ilbltcta. u. 8~ 'Nat M:ua; ... SFO t 300'\04-.' FOul'...,~:~, \J. 'f (.,.,~) /ln> ~, Se:: r;"' 30, ler3r.' ii, ~ I ~. ]ilbltcta "u. 8~ 'Nat M:ua;... NOTAS.SôB~E FLEIiOJOMOS SUL AMERICANOS II DESCRIÇL\O DE FI~EB..OTpJJUS llrhlrmani N.

Leia mais

OPERA OPILIOLOGICA VARIA. VII (OPILIONES, GONYLEPTIDAE) '

OPERA OPILIOLOGICA VARIA. VII (OPILIONES, GONYLEPTIDAE) ' Rev. Brasil. BioL, 37(4) : 893-89 8 Novembro, 1977 Rio de Janeiro, RJ OPERA OPILIOLOGICA VARIA. VII (OPILIONES, GONYLEPTIDAE) ' HELIA E. M. SOARE S Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu,

Leia mais

Década de 1930 1937 Sobre uma espécie nova do gênero Laphriomyia Lutz, e descrição do macho de L. mirabilis Lutz (Diptera: Tabanidae)

Década de 1930 1937 Sobre uma espécie nova do gênero Laphriomyia Lutz, e descrição do macho de L. mirabilis Lutz (Diptera: Tabanidae) Década de 1930 1937 Sobre uma espécie nova do gênero Laphriomyia Lutz, e descrição do macho de L. mirabilis Lutz (Diptera: Tabanidae) Adolpho Lutz G. M. de Oliveira Castro SciELO Books / SciELO Livros

Leia mais

ARCHIBALDO BELLO GALVXO

ARCHIBALDO BELLO GALVXO ARCHIBALDO BELLO GALVXO (Do Serviso National de Malkia) Revendo a colec$o de anofelinos do Service National de Makria, encontramos tres alados do subgenero Anopheles, grupo Arribalzagia, cujos caracteres

Leia mais

Psorophora (Janthinosoma) pseudomelanota, ep. m., from Rio de Janeiro, Guanabara, EraaCt, is dusccibrd. The new

Psorophora (Janthinosoma) pseudomelanota, ep. m., from Rio de Janeiro, Guanabara, EraaCt, is dusccibrd. The new Rev bras Ent ls(6): 35-40 UMA NOVA ESPECIE DE PSOROPElORA (DIPTERA, CULICIDAE) Jose' Maria Soare Maria D Cotrim (2) ARSTRACT * Psorophora (Janthinosoma) pseudomelanota, ep m, from Rio de Janeiro, Guanabara,

Leia mais

6i Conselho Nacional de Pesquisas. ..;,""'lito NACIONAL DE PESQUISAS" 1)1\ l::m...ctzowa BOLETIM DO INPA. Manaus - Amazonas - Brasil

6i Conselho Nacional de Pesquisas. ..;,'lito NACIONAL DE PESQUISAS 1)1\ l::m...ctzowa BOLETIM DO INPA. Manaus - Amazonas - Brasil 6i Conselho Nacional de Pesquisas, '..;,""'lito NACIONAL DE PESQUISAS" 1)1\ l::m...ctzowa 'w _ BOLETIM DO INPA Manaus - Amazonas - Brasil ============-========, ~=~ PATOLOGIA TROPICAL N.O 1 1970, _-=:,...~.==':=:=

Leia mais

Três novas espécies de Isotomiella Bagnall, 1939 do sudeste do Brasil (Collembola: Isotomidae)

Três novas espécies de Isotomiella Bagnall, 1939 do sudeste do Brasil (Collembola: Isotomidae) Lundiana 4(2):111-116, 2003 2003 Instituto de Ciências Biológicas - UFMG ISSN 1676-6180 Três novas espécies de Isotomiella Bagnall, 1939 do sudeste do Brasil (Collembola: Isotomidae) Maria Cleide de Mendonça

Leia mais

Chrysodasia pronotata, sp.n. Figs 1-5

Chrysodasia pronotata, sp.n. Figs 1-5 MIRfDEOS NEOTROPICAIS. CCCXCIX. ESPÉCIES NOVAS DA AMÉRICA DO SUL (HEMIPTERA) José C.M. Carvalho 1,2 Luiz A.A. Costa 1 ABSTRACf. NEOTROPICAL MIRIDAE. CCCXCIX. NEW SPECIES FROM SOUTH AMERICA (HEMIPTERA).

Leia mais

Rev. bras. Ent. 16 (4): 17-30 17.IV.1972

Rev. bras. Ent. 16 (4): 17-30 17.IV.1972 Rev. bras. Ent. 16 (4): 17-30 17.IV.1972 REDESCRICAO DE CULEX (CARROLIA) SECUNDUS BONNE-WEPSTER 8 BONNE, 1920 E CULEX (C.1 ANDUZEI CERQUEIRA & LANE, 1944, COM DADOS SOBRE FORMAS IMATURAS (DIPTERA, CULICIDAE)

Leia mais

Acta Biol. Par., Curitiba, 41 (3-4): KETI MARIA ROCHA ZANOL 2 Estrianna gen. nov. (Espécie tipo Estrianna sinopia sp. n.

Acta Biol. Par., Curitiba, 41 (3-4): KETI MARIA ROCHA ZANOL 2 Estrianna gen. nov. (Espécie tipo Estrianna sinopia sp. n. Acta Biol. Par., Curitiba, 41 (3-4): 67-73. 2012. 67 Estrianna gen. nov. (Hemiptera, Cicadellidae, Neobaliinae) e descrições de três novas espécies 1 Estrianna gen. nov. (Hemiptera, Cicadellidae, Neobaliinae)

Leia mais

CONTRIBUIGOES CO8HECIMENTO DOS CULICIDEOS DE S. PAULO. 6 gravuras no texto) ALCIDES POR

CONTRIBUIGOES CO8HECIMENTO DOS CULICIDEOS DE S. PAULO. 6 gravuras no texto) ALCIDES POR AO CO8HECIMENTO CONTRIBUIGOES DOS CULICIDEOS DE S. PAULO POR ALCIDES 6 gravuras no texto) 595.771:981 AO CONHECIMEWI'O DOS CULICIDEOS DE S. PAULO V. Synopse das especies de POR ALCIDES PRADO Nestas notas,

Leia mais

Novos táxons de Cerambycidae (Coleoptera) neotropicais da coleção Herbert Schmid, Viena, Áustria

Novos táxons de Cerambycidae (Coleoptera) neotropicais da coleção Herbert Schmid, Viena, Áustria Volume 49(39):529 538, 2009 Novos táxons de Cerambycidae (Coleoptera) neotropicais da coleção Herbert Schmid, Viena, Áustria Ubirajara R. Martins 1,3 Maria Helena M. Galileo 2,3 Abstract New taxa are described:

Leia mais

SISTEMÁTICA DE Rhabdepyris KIEFFER (HYMENOPTERA, BETHYLIDAE) AMAZÔNICOS COM ANTENAS PECTINADAS

SISTEMÁTICA DE Rhabdepyris KIEFFER (HYMENOPTERA, BETHYLIDAE) AMAZÔNICOS COM ANTENAS PECTINADAS SISTEMÁTICA DE Rhabdepyris KIEFFER (HYMENOPTERA, BETHYLIDAE) AMAZÔNICOS COM ANTENAS PECTINADAS Adriano da S. MAGESKY 1, Celso Oliveira AZEVEDO 1 RESUMO - São descritas e ilustradas Rhabdepyris opistolatus

Leia mais

DESCRIÇÃO DE DUAS ESPÉCIES NOVAS DE Elmohardyia RAFAEL (DIPTERA, PEPUNCULIDAE) DA REGIÃO AMAZÔNICA

DESCRIÇÃO DE DUAS ESPÉCIES NOVAS DE Elmohardyia RAFAEL (DIPTERA, PEPUNCULIDAE) DA REGIÃO AMAZÔNICA DESCRIÇÃO DE DUAS ESPÉCIES NOVAS DE Elmohardyia RAFAEL (DIPTERA, PEPUNCULIDAE) DA REGIÃO AMAZÔNICA Maria Denise da Silva MENEZES 1 José Albertino RAFAEL 1 2 RESUMO Duas espécies amazônicas de Elmohardyia

Leia mais

Fam. PHALAGIBIDAS Simoãa

Fam. PHALAGIBIDAS Simoãa Quatro novos Opi Na collecção de Opiliões do Museu Nacional, entre os especimens colhidos pelo Snr. E. May no Pará e em lhéos, encontrei quatro formas novas, que vão descriptas a seguir. Fam. PHALAGBDAS

Leia mais

Derophthalma vittinotata, sp.n. Figs 1-4

Derophthalma vittinotata, sp.n. Figs 1-4 MIRrOEOS NEOTROPICAIS. CCCXCVIII. G~NERO E ESPÉCIES NOVOS DO SUL DO BRASIL (HEMIPTERA). 1 2 José C.M. Carvalho ' Luiz A.A. Costa 1 ABSfRAcr. NEOTROPICAL MIRIDAE. CCCXCVIII. NEW GENUS ANO SPECIES FROM SOUTH

Leia mais

José Albertino RAFAEL 1, 2

José Albertino RAFAEL 1, 2 DESCRIÇÃO DE DUAS ESPÉCIES NOVAS DE Neoplasta José Albertino RAFAEL 1, 2 RESUMO Duas espécies de Neoplasta Coquillett são descritas do Pico da Neblina, Brasil: N. neblina, sp. nov. e N. fregapanii, sp.

Leia mais

Amblycerus spiniger sp.n. Figs 1-10

Amblycerus spiniger sp.n. Figs 1-10 Descrições de sete novas espécies brasileiras de Amblycerus Thunberg (Coleoptera, Bruchidae) ' Cibele S. Ribeiro-Costa ABSTRACT. Descriptions of seven new Brazilian species of Aniblycerus Tliunberg (Coleoptera,

Leia mais

ANAIS ACADEMIA BRASILEIRA CIÊNCIAS. Vol. 44 1972 > <

ANAIS ACADEMIA BRASILEIRA CIÊNCIAS. Vol. 44 1972 > < ANAIS f D A > < ACADEMIA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS Vol. 44 1972 Contribuição ao Conhecimento dos Crustáceos Decápodos da Formação Pirabas. II O Gênero Uca (Brachyura-Ocypodidae)* IGNACIO MACHADO BRITO** Instituto

Leia mais

REVISTA BRASILEIRA DE ZOOLOGIA

REVISTA BRASILEIRA DE ZOOLOGIA REVISTA BRASILEIRA DE ZOOLOGIA Revta bras. Zool., 6 ( 1 ) : 9 9-1 1 O ls/rv/1989 Descrição dos estágios imaturos de Epilachna spreta (Muls., 1850) (Coleoptera, Coccinellidae), com redescrição, comentários

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA ROSCAS (NOÇÕES TIPOS NOMENCLATURA) É uma saliência, em forma helicoidal, que se desenvolve, externa ou internamente, ao redor de uma superfície cilíndrica ou cônica.

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO

RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO Redescrição de Deois (Deois) correntina, comb. n. (Homoptera, Cercopidae). * Gervasio Silva Carvalho* Albino Morimasa Sakakibara** RESUMO Tomaspis correntina Berg, 1879, transferida para o gênero Deois,

Leia mais

UM NOVO AEDES, ENCONTRADO SW0 PAUL0. Separata da Revtsta do Museu Paulista Tomo XXIII pp. 605-614 15 de Janeiro de 1938

UM NOVO AEDES, ENCONTRADO SW0 PAUL0. Separata da Revtsta do Museu Paulista Tomo XXIII pp. 605-614 15 de Janeiro de 1938 P. C. A. ANTUNES E J. LANE UM NOVO AEDES, AEDES (OWL EROTA TUS) PENNAI, ENCONTRADO SW0 PAUL0 EM Separata da Revtsta do Museu Paulista Tomo XXIII pp. 605-614 15 de Janeiro de 1938 1938 IMPRENSA OFFICIAL

Leia mais

Novo gênero de Calliini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae)

Novo gênero de Calliini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) Volume 50(15):233 237, 2010 Novo gênero de Calliini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) Maria Helena M. Galileo 1,3 Ubirajara R. Martins 2,3 Abstract Paradrycothaea gen. nov. (Calliini, Lamiinae) is erected

Leia mais

Novas espécies e novas ocorrências de Xenofrea (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae)

Novas espécies e novas ocorrências de Xenofrea (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) Novas espécies e novas ocorrências de Xenofrea (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) 63/05 PM - 3 Versão 383 Novas espécies e novas ocorrências de Xenofrea (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) Maria Helena

Leia mais

ambycidae). Miguel A. Monné 1, 2 & Marcela L. Monné 1 Alcidion inornatum sp. nov.

ambycidae). Miguel A. Monné 1, 2 & Marcela L. Monné 1 Alcidion inornatum sp. nov. Novas espécies neotropicais opicais de Acanthocinini (Coleoptera, Ceramb ambycidae) Miguel A. Monné 1, 2 & Marcela L. Monné 1 1 Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Quinta da Boa Vista,

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

Física Experimental - Mecânica - Conjunto para queda de corpos, multicronômetro de rolagem de dados e sensor, pino ML, 5 VCC - EQ235B

Física Experimental - Mecânica - Conjunto para queda de corpos, multicronômetro de rolagem de dados e sensor, pino ML, 5 VCC - EQ235B Índice Remissivo... 5 Abertura... 6 O presente manual é composto por três partes: Documentação do produto, Instruções para o professor e Atividades para o aluno.... 6 Documentação do produto / Documentación

Leia mais

Acta Biol. Par., Curitiba, 32 (1, 2, 3, 4): DANÚNCIA URBAN 2

Acta Biol. Par., Curitiba, 32 (1, 2, 3, 4): DANÚNCIA URBAN 2 Acta Biol. Par., Curitiba, 32 (1, 2, 3, 4): 95-106. 2003. 95 Novos Dianthidiini neotropicais (Hymenoptera, Megachilidae) 1 New neotropical Dianthidiini (Hymenoptera, Megachilidae) DANÚNCIA URBAN 2 São

Leia mais

Uma nova espécie de anfípode cavern ícola do Brasil Hyalel/a caeca sp.n. (Amphipoda, Hyalellidae).

Uma nova espécie de anfípode cavern ícola do Brasil Hyalel/a caeca sp.n. (Amphipoda, Hyalellidae). REVISTA BRASILEIRA DE ZOOLOGIA Revta bras. Zoo!., 6 ( 1 ) : 4 9 - S S ls/rv/1989 Uma nova espécie de anfípode cavern ícola do Brasil Hyalel/a caeca sp.n. (Amphipoda, Hyalellidae). Vânia F. Goulart C. Pereira

Leia mais

Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo. Prof. Mauro. Quanto ao formato da célula:

Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo. Prof. Mauro. Quanto ao formato da célula: TECIDO EPITELIAL Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo Característica principal: Células justapostas, permitindo a existência de pouco material

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO CONVENCIONAL DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO CONVENCIONAL DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS GPT/M002/12/R8 PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO CONVENCIONAL DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS O presente documento estabelece os padrões de comunicação visual a serem

Leia mais

17) Serrasalmus marginatus Valenciennes, 1847

17) Serrasalmus marginatus Valenciennes, 1847 Ordem Characiformes - S. marginatus 135 17) Serrasalmus marginatus Valenciennes, 1847 Nomes comuns: Palometa, piranha, pirambeba, sachicanga e catirina. Distribuição geográfica: Bacias do Prata e Amazônica

Leia mais

A. AYROZA GALVAO e J. LANE. de S. Paul0. II. DescriqCo de uma nova especie,4nophezc?s (Nyssorhynchus) pessfiai (Diptera, Culicidae)

A. AYROZA GALVAO e J. LANE. de S. Paul0. II. DescriqCo de uma nova especie,4nophezc?s (Nyssorhynchus) pessfiai (Diptera, Culicidae) A. AYROZA GALVAO e J. LANE BCXJTH EIAST ASIA IrM)GQlfTTo PROJECT QEP- OF EWI QMOLOGY S.MITHSUW ENSTITUTION UNITED STATES NATIONAL MUSEUM WASHINGTON, D. C. i Notas sobre OS Nyssorhynchus de S. Paul0 II.

Leia mais

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS INCISIVOS Os incisivos permanentes são o primeiro e segundo dente a contar da linha média; Juntamente com os caninos constituem os dentes anteriores; Os incisivos superiores são geralmente maiores que

Leia mais

Augusto L. HENRIQUES 2

Augusto L. HENRIQUES 2 O gênero Philipotabanus Fairchild (Insecta: Diptera: Tabanidae) na Amazônia, com chave para as fêmeas das espécies e descrição de P. obidensis sp. nov. 1 Augusto L. HENRIQUES 2 RESUMO É apresentada uma

Leia mais

ALGUNS OPILIÕES NOVOS DA

ALGUNS OPILIÕES NOVOS DA CANDIDO DE MELLO-LEITAO -- ALGUNS OPILIÕES NOVOS DA Anais da Academia Brasilsira de Ciencias -Toao XIZl- N. 8-90 de 8etembro de 1941. -- Homenagem da Autor ALGUNS OPILIÕES NOVOS DA O Irmão Nicéforo Maria

Leia mais

Aula 15.2 Conteúdo. Cores Estações do Ano Expressões de gostos e preferências Verbos gustar e preferir LÍNGUA ESPANHOLA CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 15.2 Conteúdo. Cores Estações do Ano Expressões de gostos e preferências Verbos gustar e preferir LÍNGUA ESPANHOLA CONTEÚDO E HABILIDADES A A Aula 15.2 Conteúdo Cores Estações do Ano Expressões de gostos e preferências Verbos gustar e preferir 2 A A Habilidades Aumentar vocabulário referente a cores e estações do ano em espanhol. Expressar

Leia mais

Estruturas Hexagonais

Estruturas Hexagonais Estruturas Hexagonais Hexagonal Simples (HS) Estruturas Hexagonais As estruturas cristalinas hexagonais, juntamente com as estruturas cúbicas, formam os arranjos atômicos dos principais cristais elementares

Leia mais

Lista de Materiais (básica) Educação Infantil Maternal. Ano Letivo 2016

Lista de Materiais (básica) Educação Infantil Maternal. Ano Letivo 2016 Educação Infantil Maternal do ano letivo: 1 pasta de plástico grande (tamanho A3) 1 caixa de giz de cera grande (12 cores) 1 pincel redondo nº 22. Sugestão: Tigre 1 tubo de cola. Sugestão: Tenaz 1 caixa

Leia mais

Torezani1, E.; Baptistotte1, C.; Coelho1, B. B.; Santos2, M.R.D.; Bussotti2, U.G.; Fadini2, L.S.; Thomé1, J.C.A.; Almeida1, A.P.

Torezani1, E.; Baptistotte1, C.; Coelho1, B. B.; Santos2, M.R.D.; Bussotti2, U.G.; Fadini2, L.S.; Thomé1, J.C.A.; Almeida1, A.P. ABUNDÂNCIA, TAMANHO E CONDIÇÃO CORPORAL EM CHELONIA MYDAS (LINNAEUS 1758) NA ÁREA DO EFLUENTE DA CST (COMPANHIA SIDERÚRGICA DE TUBARÃO), ESPÍRITO SANTO BRASIL, 2000-2004. Torezani1, E.; Baptistotte1, C.;

Leia mais

Programa Estadual de Controle da Doença de Chagas

Programa Estadual de Controle da Doença de Chagas Programa Estadual de Controle da Doença de Chagas A Divisão de Vigilância Ambiental em Saúde / Centro Estadual de Vigilância em Saúde (DVAS/CEVS) e o Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central

Leia mais

Parte II Aracnídeos / Arachnids 1922 cinco novos escorpiões brasileiros dos gêneros Tityus e Rhopalurus. nota prévia

Parte II Aracnídeos / Arachnids 1922 cinco novos escorpiões brasileiros dos gêneros Tityus e Rhopalurus. nota prévia Parte II Aracnídeos / Arachnids 1922 cinco novos escorpiões brasileiros dos gêneros Tityus e Rhopalurus. nota prévia Adolpho Lutz Oswaldo de Mello Campos SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros BENCHIMOL,

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO GPT/M012/10/R4 PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO O presente documento estabelece os padrões de comunicação visual a serem observados

Leia mais

! "# ALUNO: ANDRÉ SOLLER ORIENTADOR: PROFº. DR. RENATO GOLDENBERG CO-ORIENTADORAS: PROFª. DRA. PATRICIA SOFFIATTI PROF a. DRA.

! # ALUNO: ANDRÉ SOLLER ORIENTADOR: PROFº. DR. RENATO GOLDENBERG CO-ORIENTADORAS: PROFª. DRA. PATRICIA SOFFIATTI PROF a. DRA. ! "# $%& "' ALUNO: ANDRÉ SOLLER ORIENTADOR: PROFº. DR. RENATO GOLDENBERG CO-ORIENTADORAS: PROFª. DRA. PATRICIA SOFFIATTI PROF a. DRA. ALICE CALVENTE $ A família Cactaceae A. L. de Jussieu - Aprox. 1500

Leia mais

CARRETA BASCULANTE KHOR

CARRETA BASCULANTE KHOR 1 - INTRODUÇÃO Parabéns; você acaba de adquirir um produto KHOR que é resultado de um projeto sofisticado, onde profissionais com anos de experiência dedicaram horas de trabalho e os mais rigorosos teste.

Leia mais

Pag. 02 e 03... Bateria e Flashes Pag. 04...Conjuntos para Estúdio Pag. 05... Conjuntos Completos para Estúdio Pag. 06... Tripés e Girafas Pag. 07... Suporte para Fundos e Braços Telescópicos Pag. 08...

Leia mais

EDITAL 07/2015 - PRAE/UFC

EDITAL 07/2015 - PRAE/UFC EDITAL 07/2015 - PRAE/UFC VIII ENCONTRO DE EXPERIÊNCIAS ESTUDANTIS A Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis da Universidade Federal do Ceará (PRAE/UFC) torna pública a abertura de inscrições e estabelece

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Neste tópico vamos descrever as principais alterações das imagens radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas

Leia mais

Simuliidae (Diptera, Culicomorpha) no Brasil XIII sobre Inaequalium lundi sp.n.

Simuliidae (Diptera, Culicomorpha) no Brasil XIII sobre Inaequalium lundi sp.n. XIII sobre Inaequalium lundi sp.n. Victor PY-DANIEL 1, Ulysses Carvalho BARBOSA 1 RESUMO É descrita uma nova espécie para o gênero Inaequalium (Coscarón & Wygodzinsky, 1984), Inaequalium lundi sp.n. É

Leia mais

CÃO DE GADO TRANSMONTANO

CÃO DE GADO TRANSMONTANO CÃO DE GADO TRANSMONTANO ORIGEM: Trás-os-Montes - Portugal UTILIZAÇÃO: Cão de guarda e protecção de gado ovino e caprino CLASSIFICAÇÃO: 2º Grupo, secção II Molossóides BREVE RESENHA HISTÓRICA: A origem

Leia mais

PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA ORDEM HEMIPTERA

PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA ORDEM HEMIPTERA Aula 04 A PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA Aula de hoje: Hemiptera de importância em Parasitologia Zootécnica ORDEM HEMIPTERA Insetos da ordem Hemiptera são divididos em três subordens, os Heteroptera (conhecidos

Leia mais

MOD. 225-10.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda

MOD. 225-10.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda MOD. 225 -.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda Rua Xavier de Toledo, 640 Vila Paulicéia São Bernardo do Campo, SP CEP: 09692-030 Geral: Tel.: (11) 4176-7877 Fax: (11) 4176-7879 E-Mail:

Leia mais

Artemis7. Portfolio and Project Management Solutions. Better decisions. Better results

Artemis7. Portfolio and Project Management Solutions. Better decisions. Better results Artemis7 Portfolio and Project Management Solutions Better decisions. Better results ESCRITÓÓÓORIO BRASIL Av. Dr. Guilherme Dumont Villares, 1410 6o. andar - Morumbi - 05640-003 55 11 3773-9009 REGIONAL

Leia mais

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RESUMOS SIMPLES E TRABALHOS COMPLETOS PARA O XI CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RESUMOS SIMPLES E TRABALHOS COMPLETOS PARA O XI CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RESUMOS SIMPLES E TRABALHOS COMPLETOS PARA O XI CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL O 11º Congresso Florestal Estadual do Rio Grande do Sul e 2º Seminário Mercosul

Leia mais

N umeros Felizes e Sucess6es de Smarandache:

N umeros Felizes e Sucess6es de Smarandache: N umeros Felizes e Sucess6es de Smarandache: Digress6es com 0 Maple Delfim F. M. Torres delfim@mat.ua.pt Departamento de Nlatematica U niversidade de A veiro 3810-193 Avciro, Portugal Resumo Dando jus

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3. Padrão FCI 86 22/02/2012. Padrão Oficial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3. Padrão FCI 86 22/02/2012. Padrão Oficial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3 Padrão FCI 86 22/02/2012 Padrão Oficial da Raça YORKSHIRE TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Classificação F.C.I.:

Leia mais

Prof. António C. Mendes

Prof. António C. Mendes Laborat6rio de Mecanica de Fluidos MECANICA DE FLU IDOS EXPERIMENTAL 1. Viscosimetro de esferas Antonio Carlos Mendes Guiao do trabalho laboratorial 1 Interior VI scosimetro DE ESFERAS D e termi n a ~

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Arquivos de registros Abstração do SGBD Pode ser criado, destruido e ter registros incluidos e excluidos nele Tb suporta a varredura Uma relacao geralmente é armazenada como um arquivo de registros Camada

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2015. Objeto: FERRAMENTA DE MODELAGEM, DOCUMENTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE DADOS

CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2015. Objeto: FERRAMENTA DE MODELAGEM, DOCUMENTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE DADOS CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2015 TI SOLUÇÃO PARA DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE PROCESSOS FISCAIS ESCLARECIMENTOS AOS QUESTIONAMENTOS APRESENTADOS PELAS EMPRESAS INTERESSADAS País: BRASIL Nome do Projeto: PLANO

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO SELETIVO DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO SELETIVO DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS GPT/M008/10/R6 PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO SELETIVO DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS O presente documento estabelece os padrões de comunicação visual a serem observados

Leia mais

E x c e l 4 F o r m a t a ç õ e s e G r á fi c o s

E x c e l 4 F o r m a t a ç õ e s e G r á fi c o s E x c e l 4 F o r m a t a ç õ e s e G r á fi c o s Pretende-se criar um livro de trabalho para guardar e analisar os dados relativos às vendas efetuadas no ano de 2010, pelo stand de automóveis Auto,

Leia mais

Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo.

Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo. Manual de Instruções ECO Editor de Conteúdo Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo. O ECO é um sistema amigável e intui?vo, mas abaixo você pode?rar eventuais dúvidas e aproveitar

Leia mais

ENT 115 - MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS FLORESTAIS AULAS PRÁTICAS PRÁTICA 4: TÓRAX E SEUS APÊNDICES - TIPOS DE PERNAS E ASAS

ENT 115 - MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS FLORESTAIS AULAS PRÁTICAS PRÁTICA 4: TÓRAX E SEUS APÊNDICES - TIPOS DE PERNAS E ASAS ENT 115 - MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS FLORESTAIS AULAS PRÁTICAS Prof. Alessandra de Carvalho Silva PRÁTICA 4: TÓRAX E SEUS APÊNDICES - TIPOS DE PERNAS E ASAS 1. OBJETIVO E IMPORTÂNCIA Esta aula visa fornecer

Leia mais

COMO SURGEM OS TECIDOS

COMO SURGEM OS TECIDOS TECIDO EPITELIAL COMO SURGEM OS TECIDOS Nos seres de reprodução sexuada, que constituem a maioria dos organismos, todas as células surgem a partir de uma única célula, a célula-ovo. Esta sofre divisões

Leia mais

Ubirajara R. Martins 1, 3 & Maria Helena M. Galileo 2,3

Ubirajara R. Martins 1, 3 & Maria Helena M. Galileo 2,3 66 Martins & Galileo Novos táxons em Onciderini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) Ubirajara R. Martins 1, 3 & Maria Helena M. Galileo 2,3 1 Museu de Zoologia, Universidade de São Paulo. Caixa Postal

Leia mais

DESCRIÇÃO DA FÊMEA DE Curtara (Labata) ushima COELHO & DA-SILVA, 2012 (INSECTA: HEMIPTERA: CICADELLIDAE)

DESCRIÇÃO DA FÊMEA DE Curtara (Labata) ushima COELHO & DA-SILVA, 2012 (INSECTA: HEMIPTERA: CICADELLIDAE) DESCRIÇÃO DA FÊMEA DE Curtara (Labata) ushima COELHO & DA-SILVA, 2012 (INSECTA: HEMIPTERA: CICADELLIDAE) Elidiomar Ribeiro Da-Silva 1, Luci Boa Nova Coelho 2 1 Professor Doutor do Departamento de Zoologia,

Leia mais

III. EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGUIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE - DHE

III. EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGUIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE - DHE ANEXO I INSTRUÇÕES PARA A EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGUIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE DE CULTIVARES DE DIPLADÊNIA (Mandevilla sanderi (Hemsl.) Woodson e Mandevilla xamabilis (Backh. & Backh.

Leia mais

P R O V A DE BIOLO G I A I I

P R O V A DE BIOLO G I A I I 10 P R O V A DE BIOLO G I A I I QUESTÃO 31 Uma criança do sexo masculino pertencente ao grupo sangüíneo AB e com síndrome de Down foi curada de uma leucemia, após receber transplante de medula óssea proveniente

Leia mais

Arrudea A revista do Jardim Botânico do Recife

Arrudea A revista do Jardim Botânico do Recife Arrudea A revista do Jardim Botânico do Recife Foco e Escopo A revista Arrudea é uma publicação semestral editada pelo Jardim Botânico do Recife- JBR e tem como missão publicar artigos que divulguem a

Leia mais

LISTA DE MATERIAL / 2016 PRÉ I

LISTA DE MATERIAL / 2016 PRÉ I LISTA DE MATERIAL / 2016 PRÉ I 01 apontadores com reservatório 01 borracha 01 brinquedo pedagógico próprio para a idade, de plástico ou madeira, para ficar na escola (jogos/animais/blocos) 01 caixa de

Leia mais

UNIDRIVE S III NEURO. A solução completa para Neurocirurgia e para Cirurgia da Coluna Vertebral NEURO 28 6.0 01/2016-PT

UNIDRIVE S III NEURO. A solução completa para Neurocirurgia e para Cirurgia da Coluna Vertebral NEURO 28 6.0 01/2016-PT UNIDRIVE S III NEURO A solução completa para Neurocirurgia e para Cirurgia da Coluna Vertebral NEURO 28 6.0 01/2016-PT UNIDRIVE S III NEURO A solução completa para Neurocirurgia e para Cirurgia da Coluna

Leia mais

Dardarina angeloi sp. n. do sudeste e sul do Brasil (Lepidoptera: Hesperiidae) 1

Dardarina angeloi sp. n. do sudeste e sul do Brasil (Lepidoptera: Hesperiidae) 1 Lundiana 6(supplement):31-35, 2005 2005 Instituto de Ciências Biológicas - UFMG ISSN 1676-6180 Dardarina angeloi sp. n. do sudeste e sul do Brasil (Lepidoptera: Hesperiidae) 1 Olaf H. H. Mielke & Mirna

Leia mais

NORMAS PARA SUBMISSÃO DE RESUMO E ARTIGO COMPLETO

NORMAS PARA SUBMISSÃO DE RESUMO E ARTIGO COMPLETO NORMAS PARA SUBMISSÃO DE RESUMO E ARTIGO COMPLETO RESUMOS - Os resumos deverão ter no máximo 500 palavras. - A estrutura do resumo deverá conter, obrigatoriamente: problematização da pesquisa; objetivos;

Leia mais

Parte 2 Exercícios com planilhas do Guia

Parte 2 Exercícios com planilhas do Guia Apostila Parte 2 Exercícios com planilhas do Guia 2.2 Refrigeração em baixa renda Revisão Motivo da Revisão Data 0 Emissão inicial 09/04/2014 1 Comentários treinamento ANEEL 24/04/2014 TREINAMENTO PARA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA. Roberto Simoni, Carlos R Rocha

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA. Roberto Simoni, Carlos R Rocha UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Roberto Simoni, Carlos R Rocha ELABORAÇĂO DE DOCUMENTOS PARA A BU/UFSC: ESTILO L A TEX PADRĂO Florianópolis 2010 Roberto Simoni,

Leia mais

AUTO-ESTRADA COMO VEÍCULO DE INCORPORAÇÃO DE MATERIAIS VERDES

AUTO-ESTRADA COMO VEÍCULO DE INCORPORAÇÃO DE MATERIAIS VERDES AUTO-ESTRADA COMO VEÍCULO DE INCORPORAÇÃO DE MATERIAIS VERDES Tomé Pereira Canas 1, Rui Camolino 2 1 Brisa Inovação e Tecnologia SA; Núcleo de Relações Institucionais e Inovação; Gestor de Inovação; 214233418;

Leia mais

ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS

ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS ZOOLOGIA DE VERTEBRADOS CURSO: Ciências Biológicas 3º Ano 2º semestre 9ª Aula Anfíbios: diversidade e características (Ministrante: Profa. Dra. Virginia S. Uieda) Professores Responsáveis: Virgínia Sanches

Leia mais

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Anatomia do Periodonto Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com Periodonto Normal Anatomia macroscópica Anatomia microscópica Anatomia macroscópica Gengiva Ligamento

Leia mais

Os jacarandás de setembro

Os jacarandás de setembro Os jacarandás de setembro WJ Manso de Almeida Nos cerrados de Minas e de Goiás, a estação do estio termina com as belas floradas dos jacarandás e das sucupiras. Nos jacarandás, mostram-se em lilás e roxo-azulado.

Leia mais

DESEMPENHO EM FORROS. Mais espaço para inovação THERMATEX SONIC SKY MAIS VANTAGENS COM FACILIDADE NOVO PRODUTO AMF MADE IN GERMANY

DESEMPENHO EM FORROS. Mais espaço para inovação THERMATEX SONIC SKY MAIS VANTAGENS COM FACILIDADE NOVO PRODUTO AMF MADE IN GERMANY THERMATEX SONIC SKY MAIS VANTAGENS COM FACILIDADE NOVO PRODUTO AMF THERMATEX Sonic Sky Painel plano A arquitetura moderna usa materiais rígidos refletivos como vidro, aço e concreto. Há pouco espaço para

Leia mais

Psigida walkeri (Grote) e seus estágios imaturos (Lepidoptera, Saturniidae, Ceratocampinae)

Psigida walkeri (Grote) e seus estágios imaturos (Lepidoptera, Saturniidae, Ceratocampinae) Psigida walkeri (Grote) e seus estágios imaturos (Lepidoptera, Saturniidae, Ceratocampinae) Eurides Furtado 1 ABSTRACT. Psigida walkeri (Grote) and its immature stages. (Lepidoptera, Saturniidae, Ceratocampinae).

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Biodiversidade é o conjunto de diferentes formas de vida no planeta. De todos os seres vivos que constituem atualmente a biosfera, já foram identificadas cerca

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 94 03/11/1999. Padrão Oficial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 94 03/11/1999. Padrão Oficial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5 Padrão FCI 94 03/11/1999 Padrão Oficial da Raça PODENGO PORTUGUÊS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Classificação F.C.I.:

Leia mais

Pneumática. Exercícios de dimensionamento de redes de ar comprimido. Automação. 3.ª Edição. Publindústria

Pneumática. Exercícios de dimensionamento de redes de ar comprimido. Automação. 3.ª Edição. Publindústria Exercícios de dimensionamento de redes de ar comprimido Automação Pneumática.ª Edição Adriano Almeida Santos. António Ferreira da Silva Publindústria metros 100 metros Dimensionamento de redes de ar comprimido

Leia mais

Ficha de Trabalho. 1. Inserção de Dados

Ficha de Trabalho. 1. Inserção de Dados . Inserção de Dados A B C D E F G H Olá 00 Descalça vai para a fonte 00, Descalça vai p x 00. Descalça vai p.. + A+A ##### - =+. Preencha as células B:B com os conteúdos sugeridos no Quadro. Para cada

Leia mais

DUPLA CAMADA DE ISOLAÇÃO NAS FERRAMENTAS VDE

DUPLA CAMADA DE ISOLAÇÃO NAS FERRAMENTAS VDE 66 DUPLA CAMADA DE ISOLAÇÃO NAS FERRAMENTAS VDE A dupla camada de proteção plástica das ferramentas VDE oferece mais segurança ao usuário e permite que o desgaste da ferramenta seja identificado com segurança.

Leia mais

Contribuições para o estudo das Megarhininae II

Contribuições para o estudo das Megarhininae II 1912 1914 contribuições para o estudo das Megarhininae II do Megarhinus haemorrhoidalis (Fabricius, 1794) Adolpho Lutz Arthur Neiva SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros BENCHIMOL, JL., and SÁ,

Leia mais

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução 3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de 3.1.Introdução Neste capítulo serão apresentadas diversas configurações que possibil itam a realização do transformador de impedância

Leia mais

Algumas novas formigas brasileiras

Algumas novas formigas brasileiras THOMAZ BORGMEIER, O. F. M. Algumas novas formigas brasileiras Desde que, em 1925, comecei a trabalhar no Laboratório de Entomologia do Museu Nacional, obedecendo ao gentil convite do então Director Dr.

Leia mais

Ferramentas tecnológicas em sala de aula: Prezi

Ferramentas tecnológicas em sala de aula: Prezi OFICINA Ferramentas tecnológicas em sala de aula: Prezi Prof. Suzana Cohen Instituto de Comunicação e Artes / UNA Simpósio dos Professores 1o Semestre de 2013 Ferramentas tecnológicas em sala de aula:

Leia mais