ENT MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS FLORESTAIS AULAS PRÁTICAS PRÁTICA 4: TÓRAX E SEUS APÊNDICES - TIPOS DE PERNAS E ASAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENT 115 - MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS FLORESTAIS AULAS PRÁTICAS PRÁTICA 4: TÓRAX E SEUS APÊNDICES - TIPOS DE PERNAS E ASAS"

Transcrição

1 ENT MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS FLORESTAIS AULAS PRÁTICAS Prof. Alessandra de Carvalho Silva PRÁTICA 4: TÓRAX E SEUS APÊNDICES - TIPOS DE PERNAS E ASAS 1. OBJETIVO E IMPORTÂNCIA Esta aula visa fornecer informações referentes às características morfológicas do tórax de um inseto, destacando os apêndices móveis: pernas e asas. O reconhecimento dos diferentes tipos de pernas e asas é apenas um passo para se utilizar a chave dicotômica e identificar os insetos à nível de família. Através dos tipos de pernas se identifica o habitat dos insetos e a evolução dos mesmos em busca de alimentos alternativos. 2. TÓRAX É chamado de centro locomotor dos insetos por porque aí estão localizadas as pernas e asas dos insetos. Possui três segmentos: protórax (Prt), mesotórax (Mst) e metatórax (Mtt). Cada um destes segmentos é composto de um semi-arco dorsal ou superior, denominado tergo (Tg), um semi-arco ventral ou inferior, denominado esterno (Es). Estes semi-arcos são ligados lateralmente por áreas membranosas denominadas pleuras (Pl). Figura retirada de Maranhão (1978). Figura 1. Tórax dos insetos. A1, A2 = primeiro e segundo par de asas. Cx = coxa do primeiro, segundo e terceiro par de pernas. Protórax (Prt), mesotórax (Mst), metatórax (Mtt), tergo (Tg), esterno (Es), pleuras (Pl). C = cabeça, A = abdome. 3. PERNAS Os insetos adultos possuem três pares de pernas (hexápodes) e as formas jovens um número variável (pernas abdominais além das pernas torácicas ou ausência total de pernas). Cada par de pernas fica localizado em um segmento torácico: pernas anteriores ou protorácicas, pernas medianas ou mesotorácicas e pernas posteriores ou metatorácicas. 1

2 3.1. TIPOS DE PERNAS Existem várias tipos de pernas e as adaptações em relação a uma perna típica estão relacionadas com o hábito do inseto. Além da locomoção, as pernas são também adaptadas para escavar o solo, coletar alimentos, capturar presas etc. Qualquer que seja o tipo de perna ela é composta pelas seguintes partes: coxa (Cx), trocânter (Tr), fêmur (Fm), tíbia (Tb), tarso (Ts) e pós-tarso (Pst). Tipos de pernas, localização e exemplos de insetos que as possuem: Ambulatória pode estar presente em apenas um dos pares (Ex.: paquinhas), em dois (Ex.: gafanhotos, grilos, abelhas...) ou em todos os três pares de pernas (Ex.: besouros, formigas, vespas, borboletas, pulgões...). Fossorial ou escavadora primeiro par de pernas de paquinhas (Orthoptera) e escaravelhos (Coleoptera). Raptatória primeiro par de pernas do Louva-a-Deus (Mantodea). Preensora - primeiro par de pernas da barata-dágua (Hemiptera-Heteroptera). Coletora terceiro par de pernas de abelhas (com corbícula) e mamangavas (com escopa) (Hymenoptera). Natatória segundo e terceiro par de pernas da barata-dágua e besouros aquáticos (Coleoptera). Saltatória terceiro par de pernas de insetos da ordem Orthopera (grilos, gafanhotos, paquinhas, esperanças...) e das pulgas (Siphonaptera). Figuras retiradas de Maranhão (1978). Figura 3. Tipos de pernas. 1. Pernas ambulatórias; 2. Pernas fossoriais de paquinhas (A) e escaravelhos (B); 3. Pernas raptatórias (A) e preensoras (B). Adaptações: dígitos ou dáctilos (dct), expansões laminares (el), esporão (epr), espinhos (esp), unha (u), sulco (s). 2

3 Figuras retiradas de Maranhão (1978). Figura 4. Tipos de pernas. 1. Pernas coletoras com escopa (A) e corbícula (B); 2. Pernas natatórias de besouros aquáticos (A) e barata-d água (B); 3. Pernas saltatórias. Adaptações: corbícula (cb), pinça tibial (pt), metatarso (Mts), pente (p), aurícula (a), escopa (e), pêlos (p), esporões (esp), espinhos (epn). 4. ASAS Os insetos, quando adultos, podem possuir dois pares de asas (tetrápteros), apenas um par de asas (dípteros) ou ser desprovidos de asas (ápteros). O primeiro par de asas está inserido no mesotórax e o segundo no metatórax. As asas possuem nervuras cujo número varia de acordo com a ordem, famílias ou gêneros. As regiões das asas circundadas por nervuras são chamadas de células. Tipos de asas: Membranosas asas de estrutura delicada, com nervuras bem visíveis. Podem ser transparentes ou coloridas, lisas ou com escamas (ordem Lepidoptera). Podem estar presentes nos dois pares (vespas, cigarras, libélulas, abelhas...) ou em apenas um (moscas, percevejos, besouros...). Élitros asas de estrutura dura, que tem a forma de estojo para proteger o segundo par de asas do tipo membranosa. Ex.: primeiro par de asas da ordem Coleoptera. Pode ter as mesmas características, mas ser curta e não cobrir o abdome do inseto. Neste caso é chamada de braquiélitro. Ex.: tesourinha. Hemiélitros asas que possui cerca de metade ou dois terços de seu comprimento do tipo dura e o terço final do tipo membranosa. Ex.: primeiro par de asas dos percevejos e barata-d água. Tégmina ou pergaminhosa asa geralmente estreita e alongada, de textura próxima ao do papel. Ex.: primeiro par de asas de insetos da ordem Orthoptera, baratas (Blattodea), louva-a-deus (Mantodea). Balancins ou halteres são as asas metatorácicas atrofiadas que possuem função de equilíbrio durante o vôo. Ex.: segundo par de asas dos insetos da ordem Diptera. 3

4 Franjadas asas alongadas com longos pelos nas suas laterais. Ex.: tripes (Thysanoptera). A B C D E F Figura 5. Insetos com duas asas membranosas - Sem escamas (A,B,C e D) e com escamas (E e F). Figura 6. Asas do tipo élitro Ordem Coleoptera. 4

5 A B Figura 7. Insetos com asas do tipo hemiélitro (A) e do tipo tégmina ou pergaminhosa (B). A B C Figura 8. Insetos com segundo par de asas do tipo balancin ou haltere Forma e localização (A). Exemplos: mosca (B) e mosquitos (C). 5

6 Figura 9. Asas franjadas Tripes (Thysanoptera). 5. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA Borror, D.J. & De Long, D.M Introdução ao Estudo dos Insetos. Rio de Janeiro, PPD/USAID, 653 p. Gallo, D. et al Manual de Entomologia. Piracicaba, Fealq, 920 p. Maranhão, Z.C Entomologia Geral. São Paulo, Nobel, 514 p. 6

Resumo de Algumas Ordens de Insetos

Resumo de Algumas Ordens de Insetos Resumo de Algumas Ordens de Insetos Prof. Júlio Martins Coleoptera - Besouros Nome: Coleo (estojo) + ptera (asas) Situação: 40% da classe, com mais de 300 mil espécies descritas. Características: aparelho

Leia mais

CHAVE PARA DETERMINAR AS ORDENS DA CLASSE INSECTA, ATRAVÉS DE INSETOS ADULTOS.

CHAVE PARA DETERMINAR AS ORDENS DA CLASSE INSECTA, ATRAVÉS DE INSETOS ADULTOS. CHAVE PARA DETERMINAR AS ORDENS DA CLASSE INSECTA, ATRAVÉS DE INSETOS ADULTOS. 01 Abdome com estilos esternais; insetos sempre ápteros... 02 01 - Abdome sem estilos esternais; insetos ápteros ou alados...

Leia mais

MORFOLOGIA EXTERNA DOS INSETOS -- Parte II

MORFOLOGIA EXTERNA DOS INSETOS -- Parte II UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz LEA0322 Entomologia Geral MORFOLOGIA EXTERNA DOS INSETOS -- Parte II Alberto Corrêa Departamento de Entomologia e Acarologia Ecologia

Leia mais

TÉCNICO EM AGROECOLOGIA U.C. SANIDADE VEGETAL ARTRÓPODES

TÉCNICO EM AGROECOLOGIA U.C. SANIDADE VEGETAL ARTRÓPODES TÉCNICO EM AGROECOLOGIA U.C. SANIDADE VEGETAL ARTRÓPODES CARACTERÍSTICAS BÁSICAS ARTHROPODA Exoesqueleto quitinoso Bilatérios Filo mais numeroso Características que definem o Grupo Apêndices articulados

Leia mais

Figura 1. Vista frontal e lateral da cabeça de um inseto (Nakano et al., 2002).

Figura 1. Vista frontal e lateral da cabeça de um inseto (Nakano et al., 2002). 2. MORFOLOGIA EXTERNA Cabeça A cabeça dos insetos compreende a primeira região do corpo. Nela vamos encontrar o cérebro, os apêndices móveis (antenas e peças bucais) e fixos (olhos compostos e ocelos)

Leia mais

SISTEMA BOM JESUS DE ENSINO COORDENAÇÃO DE BIOLOGIA CEP CURITIBA PR

SISTEMA BOM JESUS DE ENSINO COORDENAÇÃO DE BIOLOGIA CEP CURITIBA PR SISTEMA BOM JESUS DE ENSINO COORDENAÇÃO DE BIOLOGIA CEP CURITIBA PR ARTRÓPODOS INSETOS Insetos Grupo mais numeroso (750 mil espécies) - maioria terrestre. Únicos invertebrados que conseguem voar. Asas

Leia mais

OBJETIVO ELEMENTOS DO JOGO

OBJETIVO ELEMENTOS DO JOGO INSTRUÇÕES DO JOGO OBJETIVO O objetivo do jogo é completar uma coleção de insetos. Para tal, cada jogador deve preencher um cartão com 5 insetos. Cada um deles representa um determinado ciclo de vida,

Leia mais

Morfologia Externa 09/07/2014. Apêndices toráxicos. TÓRAX: É a segunda região do corpo do inseto e apresenta os apêndices locomotores (asas e pernas).

Morfologia Externa 09/07/2014. Apêndices toráxicos. TÓRAX: É a segunda região do corpo do inseto e apresenta os apêndices locomotores (asas e pernas). CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CAMPUS DE POMBAL TÓRAX: É a segunda região do corpo do inseto e apresenta os apêndices locomotores (asas e pernas).

Leia mais

Subfilo Uniramia. Superclasse Myriapoda Superclasse Hexapoda. Subfilo Myriapoda Subfilo Hexapoda

Subfilo Uniramia. Superclasse Myriapoda Superclasse Hexapoda. Subfilo Myriapoda Subfilo Hexapoda MYRIAPODA Subfilo Uniramia Superclasse Myriapoda Superclasse Hexapoda ou Subfilo Myriapoda Subfilo Hexapoda Myriapoda (Gr. myria = inúmeros; podos = pés) - Lacraias, centopéias, piolhos- de- cobra, embuás,

Leia mais

ARTRÓPODES Mandibulados Terrestres. MSc. Patricia Galante Profes. Zoologia geral Agronomia - UNIPAC

ARTRÓPODES Mandibulados Terrestres. MSc. Patricia Galante Profes. Zoologia geral Agronomia - UNIPAC ARTRÓPODES Mandibulados Terrestres MSc. Patricia Galante Profes. Zoologia geral Agronomia - UNIPAC CLASSES Classe Chilopoda Classe Diplopoda Classe Insecta Introdução Estimativa de 200 milhões de insetos

Leia mais

Artrópodes. Os representantes do Filo Arthropoda (arthro= articulação, podes=pés) são animais com pernas articuladas.

Artrópodes. Os representantes do Filo Arthropoda (arthro= articulação, podes=pés) são animais com pernas articuladas. Artrópodes Os representantes do Filo Arthropoda (arthro= articulação, podes=pés) são animais com pernas articuladas. Todos os artrópodes possuem um exoesqueleto (esqueleto externo), uma carapaça formada

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos Licenciatura em Ciências Exatas Biologia

Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos Licenciatura em Ciências Exatas Biologia Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos Licenciatura em Ciências Exatas Biologia 2 2016 Aula Prática 7: ARTHROPODA UNIRAMIA: MYRIAPODA E INSECTA MYRIAPODA Os miriápodos possuem cabeça

Leia mais

COLETA, MONTAGEM E CONSERVAÇÃO DE INSETOS

COLETA, MONTAGEM E CONSERVAÇÃO DE INSETOS COLETA, MONTAGEM E CONSERVAÇÃO DE INSETOS Prof. Luciano Pacelli Medeiros de Macedo 1. OBJETIVO E IMPORTÂNCIA Esta aula visa fornecer informações referentes à coleta, montagem e conservação de insetos para

Leia mais

MORFOLOGIA EXTERNA DOS INSETOS ENTOMOLOGIA GERAL

MORFOLOGIA EXTERNA DOS INSETOS ENTOMOLOGIA GERAL MORFOLOGIA EXTERNA DOS INSETOS ENTOMOLOGIA GERAL I Importância Classificação dos insetos Intimamente relacionada com a fisiologia II Tegumento dos insetos Exoesqueleto: cutícula + epiderme + membrana basal

Leia mais

DIVERSIDADE DA VIDA OS SERES VIVOS DIVERSIFICAM OS PROCESSOS VITAIS EXPERIMENTO. Chave taxonômica de identificação para ordens de insetos

DIVERSIDADE DA VIDA OS SERES VIVOS DIVERSIFICAM OS PROCESSOS VITAIS EXPERIMENTO. Chave taxonômica de identificação para ordens de insetos DIVERSIDADE DA VIDA OS SERES VIVOS DIVERSIFICAM OS PROCESSOS VITAIS EXPERIMENTO Chave taxonômica de identificação para ordens de insetos Versão: agosto 18, 2011 4:42 PM 1. Resumo Esta aula tem o objetivo

Leia mais

Artrópodes. Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS

Artrópodes. Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS Artrópodes Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS Artrópodes Triblásticos Celomados Protostômios Simetria Bilateral Artrópodes Sistema nervosos ganglionar ventral hiponeuro. Sistema digestório completo Sistema

Leia mais

SISTEMA BOM JESUS DE ENSINO COORDENAÇÃO DE BIOLOGIA CEP CURITIBA PR 2009 ARTRÓPODOS - INSETOS

SISTEMA BOM JESUS DE ENSINO COORDENAÇÃO DE BIOLOGIA CEP CURITIBA PR 2009 ARTRÓPODOS - INSETOS SISTEMA BOM JESUS DE ENSINO COORDENAÇÃO DE BIOLOGIA CEP CURITIBA PR 2009 ARTRÓPODOS - INSETOS 7º FILO - ARTHROPODA CLASSE INSECTA Insetos Grupo mais numeroso (750 mil espécies) - maioria terrestre. Únicos

Leia mais

Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias Disciplina de Entomologia Geral Prof. Dr. Paulo Roberto Silva Farias

Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias Disciplina de Entomologia Geral Prof. Dr. Paulo Roberto Silva Farias Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias Disciplina de Entomologia Geral Manual de Entomologia Geral Prof. Dr. Paulo Roberto Silva Farias Manual de Entomologia Geral Farias,

Leia mais

Móds. 15 e 16. Setor 1403. Prof. Rafa

Móds. 15 e 16. Setor 1403. Prof. Rafa Móds. 15 e 16 Setor 1403 Prof. Rafa Representantes: crustáceos, Representantes: crustáceos, insetos, Representantes: crustáceos, insetos, aracnídeos, Representantes: crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes

Leia mais

biologia 2 biologia dos organismos

biologia 2 biologia dos organismos 1 leitura Principais ordens de insetos Ordem Thysanura (cerca de 700 espécies). Desprovidos de asas; cauda trifurcada. Ametábolos. Aparelho bucal mastigador; alimentam-se de diversos tipos de matéria orgânica,

Leia mais

COLEÇÃO DIDÁTICA. Parte do conteúdo da apostila Técnicas de coleta, preparação e conservação de insetos (Profª Maria Christina de Almeida)

COLEÇÃO DIDÁTICA. Parte do conteúdo da apostila Técnicas de coleta, preparação e conservação de insetos (Profª Maria Christina de Almeida) 1 COLEÇÃO DIDÁTICA Parte do conteúdo da apostila Técnicas de coleta, preparação e conservação de insetos (Profª Maria Christina de Almeida) I. Material de coleta (Pranchas 1 e 2): 1) -Pinças grandes e

Leia mais

Uniramia Características gerais

Uniramia Características gerais Uniramia Características gerais Artrópodes terrestres.. Poucos retornaram à vida aquática (principalmente água doce); Unirremes 1 par de antenas, 1 par de mandíbulas, 2 pares de maxilas (um deles como

Leia mais

Os insetos distinguem-se dos demais invertebrados (como aranhas ou crustáceos) especialmente pelas seguintes características:

Os insetos distinguem-se dos demais invertebrados (como aranhas ou crustáceos) especialmente pelas seguintes características: Totalizando em todo o mundo pelo menos cinco milhões de espécies atuais e representando mais de três quartos de todos os animais conhecidos, os insetos são os macrorganismos predominantes do nosso planeta

Leia mais

Grupo mais bem sucedido em nº de espécies Exploram mais diferentes ambientes Crustáceos, Aracnídeos, Insetos, Diplópodes e Quilópodes Importância:

Grupo mais bem sucedido em nº de espécies Exploram mais diferentes ambientes Crustáceos, Aracnídeos, Insetos, Diplópodes e Quilópodes Importância: Grupo mais bem sucedido em nº de espécies Exploram mais diferentes ambientes Crustáceos, Aracnídeos, Insetos, Diplópodes e Quilópodes Importância: Alimentação camarão, siris, lagostas,mel Médica uso de

Leia mais

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais Manuella Rezende Vital Orientado: Prof.

Leia mais

1. Três: cabeça, tórax e abdômen (insetos) 2. Dois: cefalotórax e abdômen (aracnídeos)

1. Três: cabeça, tórax e abdômen (insetos) 2. Dois: cefalotórax e abdômen (aracnídeos) Silvestre 1. Metâmeros bem distintos na fase larvária. 2. Nos adultos se encontram fundidos. 3. Os metâmeros podem se apresentar agrupados em três regiões distintas (insetos) ou em duas (aracnídeos). 1.

Leia mais

Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo alguns apresentar cefalotórax (= cabeça + tórax) e abdome.

Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo alguns apresentar cefalotórax (= cabeça + tórax) e abdome. OS ARTRÓPODES Prof. André Maia Apresentam pernas articuladas com juntas móveis. São triblásticos, celomados e dotados de simetria bilateral. Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo

Leia mais

Aspectos Gerais - Nome: articulação nos pés. - Maior filo de animais + de 900.000 sp. (3/4 dos animais conhecidos). - Exoesqueleto quitinoso -

Aspectos Gerais - Nome: articulação nos pés. - Maior filo de animais + de 900.000 sp. (3/4 dos animais conhecidos). - Exoesqueleto quitinoso - ARTRÓPODES FILO ARTHROPODA - Sistema digestório completo e sistema circulatório aberto; - Sistema respiratório variável: branquial, traqueal ou filotraqueal; - Sistema excretor por túbulos de Malpighi,

Leia mais

Entomologia Agrícola Características da Classe Insecta em Artrhopoda. Eng. Agr. Luiz Paulo

Entomologia Agrícola Características da Classe Insecta em Artrhopoda. Eng. Agr. Luiz Paulo Entomologia Agrícola Características da Classe Insecta em Artrhopoda Eng. Agr. Luiz Paulo Artrópodes Os artrópodes da classe Insecta ou Hexapoda, considerada a maior e a mais evoluída do filo Arthropoda,

Leia mais

Estão presentes no mundo

Estão presentes no mundo Apêndice C Fichas informativas elaboradas para exposição juntamente com os insetários Apis mellifera Ordem: Hymenoptera Família: APIDAE Gênero: Apis Abelha introduzida no Brasil, muito utilizada na produção

Leia mais

UNIDADE DE APRENDIZAGEM SOBRE INSETOS: AVALIANDO UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL

UNIDADE DE APRENDIZAGEM SOBRE INSETOS: AVALIANDO UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E MATEMÁTICA FACULDADE DE FÍSICA MIRIANI SILVA DEMOLINER UNIDADE DE APRENDIZAGEM SOBRE INSETOS: AVALIANDO UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O ENSINO

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com INVERTEBRADOS II ARTRÓPODES Características gerais Corpo segmentado Apêndices articulados coxa trocânter fêmur tíbia garras

Leia mais

BAN 160 Entomologia Geral Desenvolvimento de Insetos. Sam Elliot

BAN 160 Entomologia Geral Desenvolvimento de Insetos. Sam Elliot BAN 160 Entomologia Geral Desenvolvimento de Insetos Sam Elliot DIPTERA (Fonte: UNICAMP) O que está acontecendo? DESENVOLVIMENTO: Crescimento Padrões de Desenvolvimento Controle Hormonal Importância Evolutiva

Leia mais

Artrópodes. Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS

Artrópodes. Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS Artrópodes Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS Artrópodes Triblásticos Celomados Protostômios Simetria Bilateral Artrópodes Sistema nervosos ganglionar ventral hiponeuro. Sistema digestório completo Sistema

Leia mais

MORFOLOGIA EXTERNA TEGUMENTO - CABEÇA. Eng. Agr. Luiz Paulo

MORFOLOGIA EXTERNA TEGUMENTO - CABEÇA. Eng. Agr. Luiz Paulo MORFOLOGIA EXTERNA TEGUMENTO - CABEÇA Eng. Agr. Luiz Paulo Estrutura Geral do Tegumento É constituído de: membrana basal, epiderme e cutícula Tegumento - Origem Possui origem ectodérmica podendo ser descrito

Leia mais

CARACTERÍSTICAS: O corpo dos insetos e formado por três regiões: cabeça, tórax e abdome. Na cabeça das insetos, podemos notar antenas, olhos e peças

CARACTERÍSTICAS: O corpo dos insetos e formado por três regiões: cabeça, tórax e abdome. Na cabeça das insetos, podemos notar antenas, olhos e peças ARTRÓPODES INTRODUÇÃO: Derntro do estudo dos invertebrados, o filo artrópodes merece atenção especial. Ele agrupa mais de 800 mil espécies, contia que supera todos os demais filos reunidos. Além disso,

Leia mais

FUNDAMENTOS BÁSICOS DE ENTOMOLOGIA: ASPECTOS MORFOLÓGICOS DOS INSETOS

FUNDAMENTOS BÁSICOS DE ENTOMOLOGIA: ASPECTOS MORFOLÓGICOS DOS INSETOS FUNDAMENTOS BÁSICOS DE ENTOMOLOGIA: ASPECTOS MORFOLÓGICOS DOS INSETOS Luciano Pacelli Medeiros de Macedo 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS INSETOS 1. INTRODUÇÃO Quando o homem surgiu sobre a face da terra, hirsuto

Leia mais

Manual de procedimentos de conservação, armazenamento e montagem de insetos*

Manual de procedimentos de conservação, armazenamento e montagem de insetos* Manual de procedimentos de conservação, armazenamento e montagem de insetos* Alessandra Carneiro - alecarneiro-bio@uol.com.br Carlos Eduardo Beserra Nobre cebnobre@gmail.com Rafael Vieira Nunes rafavnunes@gmail.com

Leia mais

Curso Wellington: Biologia-Artrópode-Miriápodes- Características Gerais e Classificação Prof Hilton Franco

Curso Wellington: Biologia-Artrópode-Miriápodes- Características Gerais e Classificação Prof Hilton Franco 1. A cigarra e a formiga Era uma vez uma cigarra que vivia cantando, sem se preocupar com o futuro. Encontrando uma formiga que carregava uma folha pesada, falou: - Para que todo esse trabalho? O verão

Leia mais

Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características

Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características O que são artrópodes? Para que servem? Onde podem ser encontrados?

Leia mais

Grupo de maior sucesso evolutivo: encontrados em praticamente todos os ambientes. Apêndices articulados Correr, nadar, saltar, escavar, copular...

Grupo de maior sucesso evolutivo: encontrados em praticamente todos os ambientes. Apêndices articulados Correr, nadar, saltar, escavar, copular... Grupo de maior sucesso evolutivo: encontrados em praticamente todos os ambientes Apêndices articulados Correr, nadar, saltar, escavar, copular... Exoesqueleto quitinoso Proteção contra agressões e desidratação

Leia mais

Textos de Entomologia

Textos de Entomologia Textos de Entomologia Parte 1: Biologia Reginaldo Constantino (coordenador) Ivone R. Diniz Paulo C. Motta versão 3 14 de outubro de 2002 i Textos de apoio para as disciplinas de Entomologia, Entomologia

Leia mais

Artrópodes. - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em todos os habitats.

Artrópodes. - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em todos os habitats. Artrópodes - O filo Arthropoda (Artrópodes) possui um número muito grande de animais, o maior grupo com espécies diferentes; - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em

Leia mais

ZOOLOGIA. Filo Arthropoda. Subfilo Uniramia. Hickman et al. (2004)

ZOOLOGIA. Filo Arthropoda. Subfilo Uniramia. Hickman et al. (2004) ZOOLOGIA Filo Arthropoda Subfilo Uniramia Hickman et al. (2004) Subfilo Uniramia Classes Chilopoda (centopéias e lacraias) Diplopoda (piolho-de-cobra) Pauropoda Symphyla Miriápodes (muitos pés) Insecta

Leia mais

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária Unic - Universidade de Cuiabá Faculdade de medicina veterinária - 1 - Disciplina de Ciências Morfofuncionais Aplicadas a Medicina Veterinária I Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária SUMÁRIO - 2 -

Leia mais

A utilização dos macroinvertebrados aquáticos de riachos na confecção de cartilhas de Educação Ambiental

A utilização dos macroinvertebrados aquáticos de riachos na confecção de cartilhas de Educação Ambiental A utilização dos macroinvertebrados aquáticos de riachos na confecção de cartilhas de Educação Ambiental EQUIPE Professor coordenador Dr. Gabriel de Paula Paciencia (massartella@gmail.com) Professor colaborador

Leia mais

ENT 115 - MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS FLORESTAIS AULAS PRÁTICAS. PRÁTICAS 5 e 6: ORDENS DE INSETOS DE INTERESSE FLORESTAL Uso de chave dicotômica

ENT 115 - MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS FLORESTAIS AULAS PRÁTICAS. PRÁTICAS 5 e 6: ORDENS DE INSETOS DE INTERESSE FLORESTAL Uso de chave dicotômica ENT 115 - MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS FLORESTAIS AULAS PRÁTICAS Prof. Alessandra de Carvalho Silva PRÁTICAS 5 e 6: ORDENS DE INSETOS DE INTERESSE FLORESTAL Uso de chave dicotômica 1. OJETIVO E IMPORTÂNCIA

Leia mais

PROJETO BICHOS DE JARDIM T3A E T3B - 2010

PROJETO BICHOS DE JARDIM T3A E T3B - 2010 PROJETO BICHOS DE JARDIM T3A E T3B - 2010 PROFESSORAS: PAULA TRES ARAUJO E PRISCILA SILVA ESTAGIÁRIAS: CAROLINA E LEILA COMPREENDENDO O ESTUDO APRESENTAÇÃO DO PROJETO ESTES BICHOS PEQUENINOS, QUE FICAM

Leia mais

INSETOS COM CLASSE! Guia do Professor

INSETOS COM CLASSE! Guia do Professor INSETOS COM CLASSE! Guia do Professor Insetos com Classe Nesta atividade os alunos exploram de que forma as espécies de seres vivos são classificadas em grupos - Taxonomia - comparando e agrupando insetos

Leia mais

COLEÇÃO ENTOMOLÓGICA

COLEÇÃO ENTOMOLÓGICA COLEÇÃO ENTOMOLÓGICA Alexandre Felix da Silva Chiesa 1 ; Guilherme Modena 2 ; Marcelo Diel 3 INTRODUÇÃO A entomologia é a parte da biologia que estuda os insetos, grupo de animais dominantes no mundo nos

Leia mais

Sônia Lopes & Sergio Rosso. BIO VOLUME 2 - Sequência Clássica. Prof.ª Fabiane Trevisan Campelo

Sônia Lopes & Sergio Rosso. BIO VOLUME 2 - Sequência Clássica. Prof.ª Fabiane Trevisan Campelo Sônia Lopes & Sergio Rosso. BIO VOLUME 2 - Sequência Clássica. Prof.ª Fabiane Trevisan Campelo 2015 Características Gerais Mais diversificado do planeta (espécies catalogadas). Podem ser encontrados em

Leia mais

ANATOMIA INTERNA E FISIOLOGIA DE INSETOS

ANATOMIA INTERNA E FISIOLOGIA DE INSETOS Disciplina: Entomologia Geral ANATOMIA INTERNA E FISIOLOGIA DE INSETOS Profa. Erika do Carmo Ota erikaefoa@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Obra-prima complexa e compacta Sist. digestório armazenamento, degradação

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Filo Arthropoda exoesqueleto e patas articuladas. simetria bilateral triblásticos protostômios celomados metamerizados;

Leia mais

Ordem Isoptera. Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia.

Ordem Isoptera. Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia. Ordem Isoptera Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia. Classificação: Reino: Animal Filo: Artropoda Classe: Insecta Ordem: Isoptera Definição Ordem de

Leia mais

Psigida walkeri (Grote) e seus estágios imaturos (Lepidoptera, Saturniidae, Ceratocampinae)

Psigida walkeri (Grote) e seus estágios imaturos (Lepidoptera, Saturniidae, Ceratocampinae) Psigida walkeri (Grote) e seus estágios imaturos (Lepidoptera, Saturniidae, Ceratocampinae) Eurides Furtado 1 ABSTRACT. Psigida walkeri (Grote) and its immature stages. (Lepidoptera, Saturniidae, Ceratocampinae).

Leia mais

NOME: N CADERNO DE REC. PARALELA DE BIOLOGIA 2º ANO EM TURMA 222 PROFª FERNANDA 2º BIMESTRE

NOME: N CADERNO DE REC. PARALELA DE BIOLOGIA 2º ANO EM TURMA 222 PROFª FERNANDA 2º BIMESTRE DATA: / / 1925 *** COLÉGIO MALLET SOARES *** 2014 89 ANOS DE TRADIÇÃO, RENOVAÇÃO E QUALIDADE DEPARTAMENTO DE ENSINO NOTA: NOME: N CADERNO DE REC. PARALELA DE BIOLOGIA 2º ANO EM TURMA 222 PROFª FERNANDA

Leia mais

Textos de Entomologia. Reginaldo Constantino (coordenador) Ivone R. Diniz José Roberto Pujol-Luz Paulo C. Motta Raul A. Laumann

Textos de Entomologia. Reginaldo Constantino (coordenador) Ivone R. Diniz José Roberto Pujol-Luz Paulo C. Motta Raul A. Laumann Textos de Entomologia Reginaldo Constantino (coordenador) Ivone R. Diniz José Roberto Pujol-Luz Paulo C. Motta Raul A. Laumann versão 3 14 de outubro de 2002 i Textos de apoio para as disciplinas de Entomologia,

Leia mais

Móds. 15 ao 18. Setor Prof. Rafa

Móds. 15 ao 18. Setor Prof. Rafa Móds. 15 ao 18 Setor 1423 Prof. Rafa Representantes: crustáceos, Representantes: crustáceos, insetos, Representantes: crustáceos, insetos, aracnídeos, Representantes: crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes

Leia mais

A Importância Dos Insetos No Meio Ambiente: Um Estudo De Caso Junto A Escola Logosófica Do Município De Lavras, Minas Gerais 1

A Importância Dos Insetos No Meio Ambiente: Um Estudo De Caso Junto A Escola Logosófica Do Município De Lavras, Minas Gerais 1 A Importância Dos Insetos No Meio Ambiente: Um Estudo De Caso Junto A Escola Logosófica Do Município De Lavras, Minas Gerais 1 ANDRADE, R. C. 2 ; MATEUS, M. A. F. 3 ;. 4 ; PROENÇA, I. C. L. 5 Resumo O

Leia mais

CONCEPÇÕES DOS ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO, UNIDADE ESCOLAR MONSENHOR LINDOLFO UCHÔA, FLORIANO, PI, SOBRE OS INSETOS (RESULTADOS PRELIMINARES).

CONCEPÇÕES DOS ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO, UNIDADE ESCOLAR MONSENHOR LINDOLFO UCHÔA, FLORIANO, PI, SOBRE OS INSETOS (RESULTADOS PRELIMINARES). CONCEPÇÕES DOS ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO, UNIDADE ESCOLAR MONSENHOR LINDOLFO UCHÔA, FLORIANO, PI, SOBRE OS INSETOS (RESULTADOS PRELIMINARES). Camila Ferreira da Silva(Autor ), Laisa Pereira Santos (Co-autor),

Leia mais

OBJETIVO ELEMENTOS DO JOGO

OBJETIVO ELEMENTOS DO JOGO INSTRUÇÕES DO JOGO OBJETIVO O objetivo do jogo é completar uma coleção de insetos. Para tal, cada jogador deve preencher um cartão-coleção com 4 insetos. Para conhecer as características de cada inseto

Leia mais

Aula 15.1 Conteúdos: Artrópodes: Insetos, crustáceos, aracnídeos e miriápodes DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES

Aula 15.1 Conteúdos: Artrópodes: Insetos, crustáceos, aracnídeos e miriápodes DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 15.1 Conteúdos: Artrópodes: Insetos, crustáceos, aracnídeos e miriápodes 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

Artrópodes. - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em todos os habitats.

Artrópodes. - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em todos os habitats. Artrópodes - O filo Arthropoda (Artrópodes) possui um número muito grande de animais, o maior grupo com espécies diferentes; - A enorme diversidade de adaptação destes animais permite que sobrevivam em

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: FreD. ALUNO(a): Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: FreD. ALUNO(a): Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: FreD DISCIPLINA: Biologia SÉRIE: 9º ALUNO(a): Lista de exercícios. No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

Leia mais

Coleções. Entomológicas. Legislação brasileira, coleta, curadoria e taxonomia para as principais ordens. Rhescyntis reducta

Coleções. Entomológicas. Legislação brasileira, coleta, curadoria e taxonomia para as principais ordens. Rhescyntis reducta Coleções Entomológicas Legislação brasileira, coleta, curadoria e taxonomia para as principais ordens Rhescyntis reducta Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura,

Leia mais

MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES, CRISTIANE CIDÁLIA CORDEIRO E SUELLEN ARAÚJO. Introdução

MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES, CRISTIANE CIDÁLIA CORDEIRO E SUELLEN ARAÚJO. Introdução 1 TRABALHANDO AS BORBOLETAS E AS ABELHAS COMO INSETOS POLINIZADORES NAS AULAS PRÁTICAS DE DUCAÇÃO AMBIENTAL E ZOOLOGIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES,

Leia mais

REVISTA BRASILEIRA DE ZOOLOGIA

REVISTA BRASILEIRA DE ZOOLOGIA REVISTA BRASILEIRA DE ZOOLOGIA Revta bras. Zool., 6 ( 1 ) : 9 9-1 1 O ls/rv/1989 Descrição dos estágios imaturos de Epilachna spreta (Muls., 1850) (Coleoptera, Coccinellidae), com redescrição, comentários

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR ASSOCIAÇÃO PESTALOZZI DE NITERÓI CURSO TÉCNICO ALMIR MADEIRA Estrada Caetano Monteiro, 857 Pendotiba. Niterói- RJ Tel: 21994400/21.26202173 (Centro) CURSO: DISCIPLINA: Anatomia e Fisiologia Humana DOCENTE:

Leia mais

Manual simplificado de coleta de insetos e formação de insetário.

Manual simplificado de coleta de insetos e formação de insetário. 2009 Manual simplificado de coleta de insetos e formação de insetário. Universidade Federal de Goiás Ensino a Distância em Biologia Ficha Técnica - Composição: Aline Helena da Silva Cruz (Graduação em

Leia mais

Filo Arthropoda. Capítulo 11 aulas 40 a 44. Page 1

Filo Arthropoda. Capítulo 11 aulas 40 a 44. Page 1 Filo Arthropoda Capítulo 11 aulas 40 a 44 Page 1 Você já teve acne??? O que será que isso tem a ver com a nossa aula??? Page 2 Características gerais É o grupo mais numeroso de seres vivos; Aproximadamente

Leia mais

PRAGAS DO PARICÁ (Shizolobium amazonicum, Duke) NA AMAZÔNIA OCIDENTAL

PRAGAS DO PARICÁ (Shizolobium amazonicum, Duke) NA AMAZÔNIA OCIDENTAL ISSN 1517-4077 Amapá ~ Ministério ~a Agricultura e do Abastecimento N 51, dez/2000, PRAGAS DO PARICÁ (Shizolobium amazonicum, Duke) NA AMAZÔNIA OCIDENTAL César A. D. Teixeira 1 Arnaldo Bianchetti' 1. Introdução

Leia mais

Década de 1930 1937 Sobre uma espécie nova do gênero Laphriomyia Lutz, e descrição do macho de L. mirabilis Lutz (Diptera: Tabanidae)

Década de 1930 1937 Sobre uma espécie nova do gênero Laphriomyia Lutz, e descrição do macho de L. mirabilis Lutz (Diptera: Tabanidae) Década de 1930 1937 Sobre uma espécie nova do gênero Laphriomyia Lutz, e descrição do macho de L. mirabilis Lutz (Diptera: Tabanidae) Adolpho Lutz G. M. de Oliveira Castro SciELO Books / SciELO Livros

Leia mais

APRENDENDO A MORFOLOGIA DOS INSETOS NO ENSINO FUNDAMENTAL: UM MANUAL PRÁTICO

APRENDENDO A MORFOLOGIA DOS INSETOS NO ENSINO FUNDAMENTAL: UM MANUAL PRÁTICO Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Educação e Artes Priscila Guedes Negreiros Pianissola APRENDENDO A MORFOLOGIA DOS INSETOS NO ENSINO FUNDAMENTAL: UM MANUAL PRÁTICO São José os Campos, SP. 2014.

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Biologia Roberto Alcantara Gomes. Departamento de Ensino de Ciências e Biologia

Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Biologia Roberto Alcantara Gomes. Departamento de Ensino de Ciências e Biologia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Biologia Roberto Alcantara Gomes Departamento de Ensino de Ciências e Biologia Vinícius Amaral Corrêa AVALIAÇÃO DO TEMA INSETOS NOS LIVROS DIDÁTICOS

Leia mais

Registro Sobre a Exposição Planeta Inseto

Registro Sobre a Exposição Planeta Inseto Julia S. M. 6 Ano C Registro Sobre a Exposição Planeta Inseto Índice: I. Introdução II. Informações sobre o instituto Biológico III. Não somos insetos! IV. Características gerais sobre o grupo dos insetos.

Leia mais

MORFOLOGIA EXTERNA DO GAFANHOTO ADULTO EUTROPIDACRIS SP. comentários sobre o plano básico de Insecta IVAN FARIAS CASTRO FREDDY BRAVO

MORFOLOGIA EXTERNA DO GAFANHOTO ADULTO EUTROPIDACRIS SP. comentários sobre o plano básico de Insecta IVAN FARIAS CASTRO FREDDY BRAVO MORFOLOGIA EXTERNA DO GAFANHOTO ADULTO EUTROPIDACRIS SP. comentários sobre o plano básico de Insecta IVAN FARIAS CASTRO FREDDY BRAVO 2001 1 MORFOLOGIA EXTERNA DO GAFANHOTO ADULTO EUTROPIDACRIS SP.: COMENTÁRIOS

Leia mais

Prof Thiago Scaquetti de Souza

Prof Thiago Scaquetti de Souza Prof Thiago Scaquetti de Souza Moluscos Animais de corpo mole Os moluscos são os animais de corpo mole, habitam ambientes terrestres e aquáticos. Representantes: ostra, lula, polvo, sépia, lesma e caracol.

Leia mais

Novos Mycetophilinae do Brasil (Diptera, Mycetophilidae).

Novos Mycetophilinae do Brasil (Diptera, Mycetophilidae). 448 L a n e, Novos Mycetophilinae do Brasil Novos Mycetophilinae do Brasil (Diptera, Mycetophilidae). Por J O h II L a n e, Departamento de Parasitologia, Faculdade de Higiene e Saúde Pública da Universidade

Leia mais

ORDEM HYMENOPTERA. (himen = membrana; ptera = asas) GRUPO: SAUL, TAISE, TIAGO, TIARLE

ORDEM HYMENOPTERA. (himen = membrana; ptera = asas) GRUPO: SAUL, TAISE, TIAGO, TIARLE ORDEM HYMENOPTERA (himen = membrana; ptera = asas) GRUPO: SAUL, TAISE, TIAGO, TIARLE CLASSIFICAÇÃO TAXONÔMICA Reino: Filo: Classe: Superordem: Ordem: Animalia Arthropoda Insecta desenvolvimento e Importancia

Leia mais

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Composto de ossos, músculos, cartilagem, ligamentos e fáscia, proporcionando ao corpo, com sua armação estrutural uma caixa

Leia mais

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V 1 Pronação A pronação corresponde ao movimento que coloca a face palmar da mão virada para trás, colocando o 1º dedo (polegar) da mão mais próximo do plano sagital. Supinação A supinação corresponde ao

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 7 CIÊNCIAS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao terceiro bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação Ciências NOME: TURMA: escola: PROfessOR:

Leia mais

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria Zoologia e Botânica 1. A doença de Chagas atinge milhões de brasileiros, que podem apresentar, como sintoma, problemas no miocárdio, que levam à insuficiência cardíaca. Por que, na doença de Chagas, ocorre

Leia mais

Muitos animais se alimentam da

Muitos animais se alimentam da A U A UL LA Animais caçadores e herbívoros Atenção Aumento de pragas Muitos animais se alimentam da quilo que é produzido pelo homem. Várias espécies de roedores, por exemplo, vivem principalmente de grãos

Leia mais

REPRODUÇÃO COMPARADA. Sérgio Magalhães

REPRODUÇÃO COMPARADA. Sérgio Magalhães REPRODUÇÃO COMPARADA Sérgio Magalhães REPRODUÇÃO É o processo através do qual o ser vivo dá origem a outros indivíduos da mesma espécie que ele. Pode ser: Assexuada: quando não ocorre troca nem recombinação

Leia mais

Paguroidea, eles formam, junto com o própodo, estruturas subqueladas ou queladas, com escamas córneas "raspadoras" na face ventral.

Paguroidea, eles formam, junto com o própodo, estruturas subqueladas ou queladas, com escamas córneas raspadoras na face ventral. Paguroidea, eles formam, junto com o própodo, estruturas subqueladas ou queladas, com escamas córneas "raspadoras" na face ventral. Os Thalassinidea formam um grupo de famílias, gêneros e espécies, cujas

Leia mais

Diversidade dos Insetos: Evolução e Classificação Principais Ordens de Importância Agrícola

Diversidade dos Insetos: Evolução e Classificação Principais Ordens de Importância Agrícola ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ - USP DEPARTAMENTO DE ENTOMOLOGIA E ACAROLOGIA Disciplina: Diversidade dos Insetos: Evolução e Classificação Principais Ordens de Importância Agrícola Alberto

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL 36570-000 - VIÇOSA - MG - BRASIL MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS Marcelo Coutinho Picanço 1 Professor Associado de Entomologia Departamento de

Leia mais

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br MOSCAS E INSETOS

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br MOSCAS E INSETOS MOSCAS E INSETOS Inseto, nome comum de qualquer animal pertencente a uma classe do filo dos artrópodes. Formam a maior classe do Reino Animal, sendo mais numerosos que todos os outros grupos, pois estão

Leia mais

Casa Andresen Jardim Botânico do Porto

Casa Andresen Jardim Botânico do Porto Casa Andresen Jardim Botânico do Porto 10 OUTUBRO / 21 DEZEMBRO 2012 É com interesse e orgulho que a Universidade do Porto acolhe a exposição Insetos em Ordem, que se distingue por uma notória qualidade

Leia mais

Manual de identificação de percevejos da soja

Manual de identificação de percevejos da soja Manual de identificação de percevejos da soja Autor: Paulo Edimar Saran Paulo Edimar Saran Manual de identificação de percevejos da soja Paulo Edimar Saran Suas atividades profissionais tiveram início

Leia mais

Cursos APRAG 2015 - Programação Anual

Cursos APRAG 2015 - Programação Anual Cursos APRAG 2015 - Programação Anual Fevereiro 09, 10 e 11 - Formação de Operadores no Controle de Vetores e Pragas Urbanas na Delegacia Regional do Vale do Paraíba e Litoral Norte 23 - Como Abrir e Gerenciar

Leia mais

Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre

Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre Além do vegetais outros organismos habitavam o ambiente terrestre Organismos de corpo mole como moluscos e anelídeos Organismos com cutícula redução da

Leia mais

GET 106 Controle Biológico de Pragas 2013-1. Diego Bastos Silva Luís C. Paterno Silveira

GET 106 Controle Biológico de Pragas 2013-1. Diego Bastos Silva Luís C. Paterno Silveira GET 106 Controle Biológico de Pragas 2013-1 Diego Bastos Silva Luís C. Paterno Silveira PREDADOR Conceito Vida livre durante todo o ciclo de vida Maior Indivíduo mata e consome um grande número de presas

Leia mais

Comunicado. Psilídeos no Brasil: 5-Trioza tabebuiae em Ipês. Dalva Luiz de Queiroz 1 Daniel Burckhardt 2 Daniel Piacentini de Andrade 3

Comunicado. Psilídeos no Brasil: 5-Trioza tabebuiae em Ipês. Dalva Luiz de Queiroz 1 Daniel Burckhardt 2 Daniel Piacentini de Andrade 3 Comunicado Técnico Dezembro, 242 ISSN 1517-500 Colombo, PR 2009 Ipês floridos em ruas de Curitiba, PR. Psilídeos no Brasil: 5-Trioza tabebuiae em Ipês Dalva Luiz de Queiroz 1 Daniel Burckhardt 2 Daniel

Leia mais

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Albuquerque Alves, Maria Teresa; Evando Freire, Joaquim; Timbó Braga, Petronio

Leia mais

Predação, Parasitismo e Defesa em Insetos

Predação, Parasitismo e Defesa em Insetos Predação, Parasitismo e Defesa em Insetos Objetivos Instrucionais Ao final desta aula o aluno será capaz de: Identificar as diferenças entre predador/parasita/parasitóide, baseado na forma de ataque à

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

ARTRÓPODES INSETOS, CRUSTÁCEOS, ARACNÍDEOS, QUILÓPODES E DIPLÓPODES. Profa. Monyke Lucena

ARTRÓPODES INSETOS, CRUSTÁCEOS, ARACNÍDEOS, QUILÓPODES E DIPLÓPODES. Profa. Monyke Lucena ARTRÓPODES INSETOS, CRUSTÁCEOS, ARACNÍDEOS, QUILÓPODES E DIPLÓPODES Profa. Monyke Lucena CARACTERÍSTICAS GERAIS Os artrópodes, o grupo mais numeroso de animais, reúnem mais de 1 milhão de espécies catalogados.

Leia mais

ESPONJA DO MAR CORAL CÉREBRO. MEDUSA ou ÁGUA-VIVA HIDRA PLANÁRIA TERRESTRE. ESCÓLEX de TÊNIA LOMBRIGA. NEMATÓIDE de VIDA LIVRE

ESPONJA DO MAR CORAL CÉREBRO. MEDUSA ou ÁGUA-VIVA HIDRA PLANÁRIA TERRESTRE. ESCÓLEX de TÊNIA LOMBRIGA. NEMATÓIDE de VIDA LIVRE ESPONJA DO MAR Filo Porifera Os poríferos coloniais, como o da foto, são muito comuns nos mares brasileiros. (cerca de 5 cm de altura) HIDRA Filo Cnidaria Classe Hydrozoa Vive em água doce; em seu ciclo

Leia mais