AJóti pos de Paragonyleptes antiquus (Melo-

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AJóti pos de Paragonyleptes antiquus (Melo-"

Transcrição

1 Separata da Revista d s Indústria Animal Julho-Outubro de Nova Série - Vol. 7 - N." 3-4 AJóti pos de Paragonyleptes antiquus (Melo- Leitão, 1934) e de Jacarepaguana pectint femur Piza, (opiliones-gonyleptidae). B. M. SOARES 1945 Emprêsa Gráfica da "Revista dos Tribunais" Ltda. SÃO PAULO

2 a* #,' / : r t e, f i i + &:/V bepartament0 DE ZOOLOGIA - w Divisão Inseda cad ' P 4 :J/ J A *&..,&--4d &, li eq td, "'R $r J Alótipos de Paragonyleptes antiquus (Melo- Leitão, 1934)' e de Jacarepaguana pectinifemur Piza, (opiliones - Gonyleptidae). B. M. SOARES Assistente-Auxiliar r INTRODUÇÃO Recebi de meu prezado amigo, DR. OTTO SCHUBART, uma nova remessa de opiliões de sua propriedade, para determinar. É. esta minha terceira nota sobre os aracnideos dcsta ordem, pertencentes à sua coleção particular (Cf. SOARES, 1944, Papéis Avulsos Dep. Zool., São Paulo, 4: 33; SOARES, 1944, id., 6: 193). Entre formas já conhecidas de que adiante darei a lista, v:eram fêmeas de Paragonyleptes antiquus (MELO-LEITÃO, 1934) e de Jacarepaguana pebtinifernur PIZA, 1943, espécies de que s6.se conheciam os machos. Eis a lista das espécies, todas da família Gonyleptidae: Bourguyinae 1) Discocyrtotdes nigricnns (MELO-LEITÃO, 1922) Anápolis, Estado de São Paulo. OTTO SCHUBART col Material coligido em cupim. Gonyleptinae 2) Liogonyíeptoides ilaermis (MELO-LEITÃO, 1922). a) 1 o. Horto Florestal, Rio Claro, Estado de São Paulo. JAN- DIRA GASPAR CO~ b) 3 a 8 e 1 o. Anápolis, Esta80 de São Paulo. OTTO SCHUBART col Material coligido em cupim. 8) Paragonyleptes antiqzius (MELO-LEITÃO, 1934). a) 1 o. Alótipo. Anápolis, Éstado de São Paulo. OTTO SCHU- BART col. 7-III-H ,Material coligido em cupim. b) 2 a a e 1 0. Idem. c) 4 a a. Idem.

3 BOLETIM DE INDÚSTRIA ANIMAL C

4 BOLETIM DE INDúSTRIA ANIMAL Pachylinae 4) Divcocyrtus latus (MELO-LEITÃO, a) 1 8. Horto Florestal, Rio Claro, Estado de São Paulo. JAN- DIRA GASE~R COI b) e 2 Q O. Anápolis, Estado de São Paulo. OTTO SCHU- BART c Material coligido em cupim. c) Idem. d) 3 8 8, 2 P O e 1 exemplar jovem. São Carlos, Estado de São Paulo. OTTO SCHUBART col e) 2 Q Q e 6 exemplares jovens. São Carlos, Estado de São Paulo. OTTO SCI-IUBART c f) 2 Q O. Anápolis, Estado de São Paulo. OTTO SCHUBART col Material coligido num morro, nessa localidade. 5) Discocyrtus pectinife.rnu7- MELO-LEITÃO, e Q. Horto Florestal, Rio Claro, Estado de São Paulo. JANDIRA GASPAR c ,I Jacarepaguana pectinif emzcr PIZA, a) I O. Alótipo. Matas de Procópio, Porto Ferreira, Estado de São Paulo. OTTO SCHUBART col b) Matas de Procópio, Porto Ferreira, Estado de São Paulo. OTTO SCHUBART c Paragonyleptes antiquus (Melo-Leitão, 1934) Go.icyleptes nntiquus (MELO-LEITÁO, 1934, Mem. Instituto But., 8 ( ) : 416, fig. 6; SOARES, 1943, Boletim de Indústria Animal, São Paulo, n. S., 6 (3) : 53 (= Anoploleptes dubium PIZA, Anoploleptes dubium PIZA, 1940, Arq. Zool. Est. São Paulo, 1 :56, f. 4. Alótipo O (fig. 1). Comprimento - 7,5 mm.. Artículos tarsais : Borda anterior do cefalotórax com uma elevação mediana (inerme no alótipo e armada de um par de espinhos na outra fêmea que foi coligida junto do alótipo) e com quatro espinhos de cada lado, perto dos ângulos. Cômoro ocular muito baixo, liso, com um par de pequeníssimos espinhos muito afastados entre si. Cefalotórax granuloso de um lado e de outro na metade posterior. Áreas I a I11 do escudo dorsal com um par de tubérculos medianos baixos e granulosas, IV com uma fila de grânulos. Areas laterais irregularmente granulosas. Tergito livre I inerme e com uma fila de grânulos, I1 e I11 com um espinho mediano e uma fila de grânulos. Opérculo anal dorsal e ventral granulosos. Esternitos livres com uma ma de minúsculos grânulos, só visíveis quando o material está meio molhado (nem sêco nem mergulhado no alcool). Ancas e área estigmática granulosas. Palpos: Trocanteres com dois pequeni-

5 BOLETIM DE INDTfSTRIA ANIMAL nos espinhos inferiores, subapicais; fêmures com pequeno espinho basa! inferior c com espinho apical interno; tíbias com 3-3 e tarsos com 2-2 espinhos inferiores. Fêmures I e I1 direitos, I11 e IV curvos. Ancas IV granulosas, com curtíssimo espinho apical externo. Trocanteres posteriores granulosos. com dois curtos espinhos internos, um apical e outro menor perto do mrio. Fêmures posteriores granulosos, tendo inferiormente um par de curtos espinhos apicais e uma série de pequenos espinhos que começam peito do ápice e vão diminuindo de tamanho à medida que se aproximam do meio dos fêmures, até que se tornam verdadeiros grânulos. Colorido geral castanho-queimado, com as granulações das áreas do escudo em pequeninas manchas circulares enegrecidas. Habitat: Anápolis, Estado de São Paulo, Brasil. Coligido dentro de cupim, pelo DR. OTTO SCHUBART, em , em cuja coleção particular está depositado. Julgo que esta espécie não deve permanecer em Gox.yleptes KIRBY, 1818, 0nd.e foi originalmente descrita, porque as fêmeas apresentam um espinho mediano muito nítido nos tergitos I1 e 111, e os machos, um pequenino tubérculo nesses mesmos tergitos, tubérculos estes evidentes, mas de difícil se se d:spuser de um único exemplar, como se deu quando a espécie foi descrita, com base num único macho. Resolvi, pois, passá-la para o gênero Pa~ago?lgleptcs ROEWER, Jacarepaguana pectinifemur Piza, Jacarepagz~a~zn pectinifemzir P1 (, 1943, Rev. Brasil, Biol., n. S., 3 (2) : 255, fig. 1. Alótipo O (fig. 2). Comprimento - 4,O mm. Artículos tarsais : Borda anterlor do cefalotórax inerme, com um espinho que se dirige para diante ao lado de cada quelícera, e um espinho dirigido para baixo, entre as queliceras (êstes três espinhos também se encontram nos machos). I A fêmea corresponde aos caracteres descritos para o maeho diferindo no seguinte: nos trocanteres IV não há uma pequena apófise apical dorsal (descrita para o tipo como sendo ventral e que pude constatar que é dorsal pelo exame dos machos) ; nos fêmures posteriores, que são granulosos, as séries de espinhos que ex;stem nos machos estão reduzidas a séries de grânulos, de modo que êles não possuem aspecto pectíneo. havendo, como nos machos, um forte espinho apical externo. Habitat: Mata de Procópio, Porto Ferreira, Estado dr São Paulo, Brasil. Coligido, junto de quatro machos, pelo DR. OTTO SCHUBART, em , em cuja colecão particular está depositado.

6 BOLETIM DE INDÚSTRIA ANIMAL ABSTRACT ALOTIPES OF PARAGONYLEPTES ANTIQUUS (MELO-LEITÃO, 1934) AND JACAREPAGUANA PECTINIFEMUR - PIZA, 1943 The author describes the alotypes of Paragonyleptes antiquzcs MELO- LEITÃO, 1934 and Jacarepaguana pectinifemur PIZA, 1943, and removes a species of Gonyleptes KIRBY, 1818, to the genus Par.c~.go?zyleptss ROEWER, 1913, by having examined severa1 examples of both sexeo of tne species. He also classifies a small lot of Opiliones, giving a list of species, with their respective habitat.

7

A) LANIATORES DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA COSMETIDAE ALGUNS OPILIÕES DA COLECÃO "OTTO SCHUBART" (") SECRETARIA DA AGRICULTURA - S.

A) LANIATORES DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA COSMETIDAE ALGUNS OPILIÕES DA COLECÃO OTTO SCHUBART () SECRETARIA DA AGRICULTURA - S. Vol. VI, N. 17 - pp. 193-202 18-XII-1944 DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA SECRETARIA DA AGRICULTURA - S. PAULO - BRASIL ALGUNS OPILIÕES DA COLECÃO "OTTO SCHUBART" (") INTRODUÇÃO Nesta pequcqa nota, dou a lista

Leia mais

OPERA OPILIOLOGICA VARIA. VII (OPILIONES, GONYLEPTIDAE) '

OPERA OPILIOLOGICA VARIA. VII (OPILIONES, GONYLEPTIDAE) ' Rev. Brasil. BioL, 37(4) : 893-89 8 Novembro, 1977 Rio de Janeiro, RJ OPERA OPILIOLOGICA VARIA. VII (OPILIONES, GONYLEPTIDAE) ' HELIA E. M. SOARE S Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu,

Leia mais

ALGUNS OPILIÕES NOVOS DA

ALGUNS OPILIÕES NOVOS DA CANDIDO DE MELLO-LEITAO -- ALGUNS OPILIÕES NOVOS DA Anais da Academia Brasilsira de Ciencias -Toao XIZl- N. 8-90 de 8etembro de 1941. -- Homenagem da Autor ALGUNS OPILIÕES NOVOS DA O Irmão Nicéforo Maria

Leia mais

OPERA OPILIOLOGICA VARIA. III. (OPILIONES, GONYLEPTIDAE) I

OPERA OPILIOLOGICA VARIA. III. (OPILIONES, GONYLEPTIDAE) I Rev. Brasil. Biol., 34(4) : 477-48 6 1974 - Rio de Janeiro, R J OPERA OPILIOLOGICA VARIA. III. (OPILIONES, GONYLEPTIDAE) I HELIA E. M. SOARE S Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu, SP

Leia mais

Parte II Aracnídeos / Arachnids 1922 cinco novos escorpiões brasileiros dos gêneros Tityus e Rhopalurus. nota prévia

Parte II Aracnídeos / Arachnids 1922 cinco novos escorpiões brasileiros dos gêneros Tityus e Rhopalurus. nota prévia Parte II Aracnídeos / Arachnids 1922 cinco novos escorpiões brasileiros dos gêneros Tityus e Rhopalurus. nota prévia Adolpho Lutz Oswaldo de Mello Campos SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros BENCHIMOL,

Leia mais

Fam. PHALAGIBIDAS Simoãa

Fam. PHALAGIBIDAS Simoãa Quatro novos Opi Na collecção de Opiliões do Museu Nacional, entre os especimens colhidos pelo Snr. E. May no Pará e em lhéos, encontrei quatro formas novas, que vão descriptas a seguir. Fam. PHALAGBDAS

Leia mais

Década de 1930 1937 Sobre uma espécie nova do gênero Laphriomyia Lutz, e descrição do macho de L. mirabilis Lutz (Diptera: Tabanidae)

Década de 1930 1937 Sobre uma espécie nova do gênero Laphriomyia Lutz, e descrição do macho de L. mirabilis Lutz (Diptera: Tabanidae) Década de 1930 1937 Sobre uma espécie nova do gênero Laphriomyia Lutz, e descrição do macho de L. mirabilis Lutz (Diptera: Tabanidae) Adolpho Lutz G. M. de Oliveira Castro SciELO Books / SciELO Livros

Leia mais

Novos Mycetophilinae do Brasil (Diptera, Mycetophilidae).

Novos Mycetophilinae do Brasil (Diptera, Mycetophilidae). 448 L a n e, Novos Mycetophilinae do Brasil Novos Mycetophilinae do Brasil (Diptera, Mycetophilidae). Por J O h II L a n e, Departamento de Parasitologia, Faculdade de Higiene e Saúde Pública da Universidade

Leia mais

Notholopus (Notholopoides) niger, Sp.D. Figs 1-5

Notholopus (Notholopoides) niger, Sp.D. Figs 1-5 MIRrDEOS NEOTROPICAIS CCCXC: ESPÉCIES NOVAS DE GOlAS (HEMIPTERA, MIRIDAE) José C. M. Carvalho 1,2 Luiz A. A. Costa 1 ABSfRACf. NEOTROPICAL MIRIDAE CCCXC: NEW SPECIES FROM GOIÁs (HEMIPTERA, MIRIDAE). Six

Leia mais

MIRIDEOS NEOTROPICAIS, CCCLXXV: UM GENERO E QUATRO ESPECIES NOVOS DA NICARAGUA (HETEROPTERA).

MIRIDEOS NEOTROPICAIS, CCCLXXV: UM GENERO E QUATRO ESPECIES NOVOS DA NICARAGUA (HETEROPTERA). Rev. Nica. Ent., (1992) 21:31-41. MIRIDEOS NEOTROPICAIS, CCCLXXV: UM GENERO E QUATRO ESPECIES NOVOS DA NICARAGUA (HETEROPTERA). Por José C. M. CARVALHO.* RESUMO. O autor descreve um gênero e quatro espécies

Leia mais

REVISTA BRASILEIRA DE ZOOLOGIA

REVISTA BRASILEIRA DE ZOOLOGIA REVISTA BRASILEIRA DE ZOOLOGIA Revta bras. Zool., 6 ( 1 ) : 9 9-1 1 O ls/rv/1989 Descrição dos estágios imaturos de Epilachna spreta (Muls., 1850) (Coleoptera, Coccinellidae), com redescrição, comentários

Leia mais

SFO t 300'\04- .' FOul'...,~:~, \J. 'f (.,.,~) /ln> ~, Se:: r;"' 30, ler3r. ~. ]ilbltcta. "u. 8~ 'Nat M:ua; ...

SFO t 300'\04- .' FOul'...,~:~, \J. 'f (.,.,~) /ln> ~, Se:: r;' 30, ler3r. ~. ]ilbltcta. u. 8~ 'Nat M:ua; ... SFO t 300'\04-.' FOul'...,~:~, \J. 'f (.,.,~) /ln> ~, Se:: r;"' 30, ler3r.' ii, ~ I ~. ]ilbltcta "u. 8~ 'Nat M:ua;... NOTAS.SôB~E FLEIiOJOMOS SUL AMERICANOS II DESCRIÇL\O DE FI~EB..OTpJJUS llrhlrmani N.

Leia mais

Millipedes Made Easy

Millipedes Made Easy MILLI-PEET, Introduction to Millipedes; Page - 1 - Millipedes Made Easy A. Introdução A classe Diplopoda, conhecidos como milípedes ou piolhos-de-cobra, inclui aproximadamente 10.000 espécies descritas.

Leia mais

Bergson Museu de Paleontologia de Crato Fóssil de escorpião + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri

Bergson Museu de Paleontologia de Crato Fóssil de escorpião + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri ESCORPIONISMO Bergson Museu de Paleontologia de Crato Fóssil de escorpião + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri ESCORPIÕES DE IMPORTÂNCIA MÉDICA: Os escorpiões são animais invertebrados. Apresentam

Leia mais

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes DIÂMETRO ÓSSEO INTRODUÇÃO CONCEITO: É definido pela menor distância entre duas extremidades ósseas. FINALIDADES: São usadas para determinar a constituição física,para fins ergonômicos,para fins de assimetria

Leia mais

Novos táxons de Cerambycidae (Coleoptera) neotropicais da coleção Herbert Schmid, Viena, Áustria

Novos táxons de Cerambycidae (Coleoptera) neotropicais da coleção Herbert Schmid, Viena, Áustria Volume 49(39):529 538, 2009 Novos táxons de Cerambycidae (Coleoptera) neotropicais da coleção Herbert Schmid, Viena, Áustria Ubirajara R. Martins 1,3 Maria Helena M. Galileo 2,3 Abstract New taxa are described:

Leia mais

Galatheoidea Chirostylidae Uroptycbus uncifer (A. Milne Edwards, 1880)

Galatheoidea Chirostylidae Uroptycbus uncifer (A. Milne Edwards, 1880) Anomura Galatheoidea Chirostylidae -- Uroptycbus uncifer (A. Milne Edwards, 1880) Diagnose : Esta espécie se diferencia essencialmente de U. nitidus pelas dimensões de seus quelípodos que são mais largos

Leia mais

Psigida walkeri (Grote) e seus estágios imaturos (Lepidoptera, Saturniidae, Ceratocampinae)

Psigida walkeri (Grote) e seus estágios imaturos (Lepidoptera, Saturniidae, Ceratocampinae) Psigida walkeri (Grote) e seus estágios imaturos (Lepidoptera, Saturniidae, Ceratocampinae) Eurides Furtado 1 ABSTRACT. Psigida walkeri (Grote) and its immature stages. (Lepidoptera, Saturniidae, Ceratocampinae).

Leia mais

ENT 115 - MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS FLORESTAIS AULAS PRÁTICAS PRÁTICA 4: TÓRAX E SEUS APÊNDICES - TIPOS DE PERNAS E ASAS

ENT 115 - MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS FLORESTAIS AULAS PRÁTICAS PRÁTICA 4: TÓRAX E SEUS APÊNDICES - TIPOS DE PERNAS E ASAS ENT 115 - MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS FLORESTAIS AULAS PRÁTICAS Prof. Alessandra de Carvalho Silva PRÁTICA 4: TÓRAX E SEUS APÊNDICES - TIPOS DE PERNAS E ASAS 1. OBJETIVO E IMPORTÂNCIA Esta aula visa fornecer

Leia mais

BOLETIM INSTITUTO DE DEFESA DO PATRIMÔNIO NATURAL

BOLETIM INSTITUTO DE DEFESA DO PATRIMÔNIO NATURAL BOLETIM DO INSTITUTO DE DEFESA DO PATRIMÔNIO NATURAL S E C R E T A R I A DE A G R I C U L T U R A C A I X A P O S T A L, 1341 CURITIBA PARANÁ NOVEMBRO DE 1.963 BRASIL 1 ZOOLOGIA N.o 5 METAMORFOSES DAS

Leia mais

Acta Biol. Par., Curitiba, 41 (3-4): KETI MARIA ROCHA ZANOL 2 Estrianna gen. nov. (Espécie tipo Estrianna sinopia sp. n.

Acta Biol. Par., Curitiba, 41 (3-4): KETI MARIA ROCHA ZANOL 2 Estrianna gen. nov. (Espécie tipo Estrianna sinopia sp. n. Acta Biol. Par., Curitiba, 41 (3-4): 67-73. 2012. 67 Estrianna gen. nov. (Hemiptera, Cicadellidae, Neobaliinae) e descrições de três novas espécies 1 Estrianna gen. nov. (Hemiptera, Cicadellidae, Neobaliinae)

Leia mais

Novas espécies e novas ocorrências de Xenofrea (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae)

Novas espécies e novas ocorrências de Xenofrea (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) Novas espécies e novas ocorrências de Xenofrea (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) 63/05 PM - 3 Versão 383 Novas espécies e novas ocorrências de Xenofrea (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) Maria Helena

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

Chrysodasia pronotata, sp.n. Figs 1-5

Chrysodasia pronotata, sp.n. Figs 1-5 MIRfDEOS NEOTROPICAIS. CCCXCIX. ESPÉCIES NOVAS DA AMÉRICA DO SUL (HEMIPTERA) José C.M. Carvalho 1,2 Luiz A.A. Costa 1 ABSTRACf. NEOTROPICAL MIRIDAE. CCCXCIX. NEW SPECIES FROM SOUTH AMERICA (HEMIPTERA).

Leia mais

ambycidae). Miguel A. Monné 1, 2 & Marcela L. Monné 1 Alcidion inornatum sp. nov.

ambycidae). Miguel A. Monné 1, 2 & Marcela L. Monné 1 Alcidion inornatum sp. nov. Novas espécies neotropicais opicais de Acanthocinini (Coleoptera, Ceramb ambycidae) Miguel A. Monné 1, 2 & Marcela L. Monné 1 1 Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Quinta da Boa Vista,

Leia mais

ARACNÍDIO S ANEXO N. 1. Relatório da excursão científica do Instituto Oswaldo Cruz realizad a na zona da E. F. N. O. B., em outubro de 1938

ARACNÍDIO S ANEXO N. 1. Relatório da excursão científica do Instituto Oswaldo Cruz realizad a na zona da E. F. N. O. B., em outubro de 1938 MELLO-LEITÃO -- Aracnídeos 28 1 ARACNÍDIO S ANEXO N. 1 AO Relatório da excursão científica do Instituto Oswaldo Cruz realizad a na zona da E. F. N. O. B., em outubro de 1938 Por MELLO-LEITÃO Com 18 figuras

Leia mais

Ubirajara R. Martins 1, 3 & Maria Helena M. Galileo 2,3

Ubirajara R. Martins 1, 3 & Maria Helena M. Galileo 2,3 66 Martins & Galileo Novos táxons em Onciderini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) Ubirajara R. Martins 1, 3 & Maria Helena M. Galileo 2,3 1 Museu de Zoologia, Universidade de São Paulo. Caixa Postal

Leia mais

Amblycerus spiniger sp.n. Figs 1-10

Amblycerus spiniger sp.n. Figs 1-10 Descrições de sete novas espécies brasileiras de Amblycerus Thunberg (Coleoptera, Bruchidae) ' Cibele S. Ribeiro-Costa ABSTRACT. Descriptions of seven new Brazilian species of Aniblycerus Tliunberg (Coleoptera,

Leia mais

Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características

Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características Compreensão das diferenças entre os artrópodes, crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes e diplópodes, reconhecendo suas características O que são artrópodes? Para que servem? Onde podem ser encontrados?

Leia mais

17) Serrasalmus marginatus Valenciennes, 1847

17) Serrasalmus marginatus Valenciennes, 1847 Ordem Characiformes - S. marginatus 135 17) Serrasalmus marginatus Valenciennes, 1847 Nomes comuns: Palometa, piranha, pirambeba, sachicanga e catirina. Distribuição geográfica: Bacias do Prata e Amazônica

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo, BR 101 km 60, Bairro Litorâneo, 29932-540 São Mateus-ES, Brasil. ffsalles@gmail.com 3

Universidade Federal do Espírito Santo, BR 101 km 60, Bairro Litorâneo, 29932-540 São Mateus-ES, Brasil. ffsalles@gmail.com 3 Leptohyphidae (Insecta, Ephemeroptera) do Estado do Amazonas, Brasil: novos registros, nova combinação, nova espécie e chave de identificação para estágios ninfais Enide Luciana Lima Belmont 1, Frederico

Leia mais

SISTEMÁTICA DE Rhabdepyris KIEFFER (HYMENOPTERA, BETHYLIDAE) AMAZÔNICOS COM ANTENAS PECTINADAS

SISTEMÁTICA DE Rhabdepyris KIEFFER (HYMENOPTERA, BETHYLIDAE) AMAZÔNICOS COM ANTENAS PECTINADAS SISTEMÁTICA DE Rhabdepyris KIEFFER (HYMENOPTERA, BETHYLIDAE) AMAZÔNICOS COM ANTENAS PECTINADAS Adriano da S. MAGESKY 1, Celso Oliveira AZEVEDO 1 RESUMO - São descritas e ilustradas Rhabdepyris opistolatus

Leia mais

Pentatomini. Thereza de Almeida Garbelotto Luiz Alexandre Campos

Pentatomini. Thereza de Almeida Garbelotto Luiz Alexandre Campos Pentatomini Thereza de Almeida Garbelotto Luiz Alexandre Campos SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros GARBELOTTO, TA., and CAMPOS, LA. Pentatomini. In: [online]. Curitiba: Sociedade Brasileira de

Leia mais

ANAIS ACADEMIA BRASILEIRA CIÊNCIAS. Vol. 44 1972 > <

ANAIS ACADEMIA BRASILEIRA CIÊNCIAS. Vol. 44 1972 > < ANAIS f D A > < ACADEMIA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS Vol. 44 1972 Contribuição ao Conhecimento dos Crustáceos Decápodos da Formação Pirabas. II O Gênero Uca (Brachyura-Ocypodidae)* IGNACIO MACHADO BRITO** Instituto

Leia mais

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional I juliana.pinheiro@kroton.com.br DEFINIÇÃO A anatomia é a ciência que estuda o corpo animal no que se refere á sua

Leia mais

3. Para resolver a questão, leia atentamente o texto que segue e analise o gráfico que o acompanha.

3. Para resolver a questão, leia atentamente o texto que segue e analise o gráfico que o acompanha. 1 março 2011 1 No Brasil, a nanoarte já está dando os primeiros frutos. Leia o texto a seguir para se informar sobre o tema e responder às questões 1 e 2. O invisível Nanotecnologia é aquele ramo da ciência

Leia mais

NOVOS TÁXONS EM HIPPOPSINI, DESMIPHORINI, XENOFREINI E ACANTHODERINI (COLEOPTERA, CERAMBYCIDAE, LAMIINAE)

NOVOS TÁXONS EM HIPPOPSINI, DESMIPHORINI, XENOFREINI E ACANTHODERINI (COLEOPTERA, CERAMBYCIDAE, LAMIINAE) Volume 46(3):21-29, 2006 NOVOS TÁXONS EM HIPPOPSINI, DESMIPHORINI, XENOFREINI E ACANTHODERINI (COLEOPTERA, CERAMBYCIDAE, LAMIINAE) MARIA HELENA M. GALILEO 1,3 UBIRAJARA R. MARTINS 2,3 ABSTRACT New taxa

Leia mais

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Tubo de Concreto Armado para Esgoto Sanitário Especificação São Paulo Maio - 1999 NTS 045 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 REFERÊNCIAS

Leia mais

DESCRIÇÃO DE DUAS ESPÉCIES NOVAS DE Elmohardyia RAFAEL (DIPTERA, PEPUNCULIDAE) DA REGIÃO AMAZÔNICA

DESCRIÇÃO DE DUAS ESPÉCIES NOVAS DE Elmohardyia RAFAEL (DIPTERA, PEPUNCULIDAE) DA REGIÃO AMAZÔNICA DESCRIÇÃO DE DUAS ESPÉCIES NOVAS DE Elmohardyia RAFAEL (DIPTERA, PEPUNCULIDAE) DA REGIÃO AMAZÔNICA Maria Denise da Silva MENEZES 1 José Albertino RAFAEL 1 2 RESUMO Duas espécies amazônicas de Elmohardyia

Leia mais

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO I COLUNA VERTEBRAL 1 Os constituintes da coluna vertebral: 7 vértebras cervicais, 12 vértebras torácicas, 5 vértebras

Leia mais

Instruções para instalação das pastilhas Rivesti com cola de contato

Instruções para instalação das pastilhas Rivesti com cola de contato Instruções para instalação das pastilhas Rivesti com cola de contato As pastilhas Rivesti são muito fáceis de instalar. Contudo, requerem alguns cuidados indispensáveis para que você obtenha o acabamento

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES TERMOS DIRECCIONAIS EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO TÓRAX POSIÇÃO DESCRITIVA ANATÓMICA PLANOS DESCRITIVOS PLANO SAGITAL PLANO HORIZONTAL INFERIOR ANTERIOR

Leia mais

Confecção de Chaves Interativas de Identificação para as Famílias de Anisoptera e os Gêneros da Família Aeshnidae do Espírito Santo

Confecção de Chaves Interativas de Identificação para as Famílias de Anisoptera e os Gêneros da Família Aeshnidae do Espírito Santo III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 403 Confecção de Chaves Interativas de Identificação para as Famílias de Anisoptera e os Gêneros da Família Aeshnidae do Espírito Santo D. F.

Leia mais

MOLDE MOLDESROBERTO MARQUES ONLINE. Molde: 154 - Saia Mini Com Godê Na Barra 75 KB BONECA TÉCNICA. na sua medida. Tamanhos PP P M G GG

MOLDE MOLDESROBERTO MARQUES ONLINE. Molde: 154 - Saia Mini Com Godê Na Barra 75 KB BONECA TÉCNICA. na sua medida. Tamanhos PP P M G GG MOLDESROBERTO MARQUES.com.br MOLDESROBERTO MARQUES na sua medida Molde: 15 - Saia Mini Com Godê Na Barra Tamanhos: 6/ 8/0/ 2/ /6/ 8/50/52/5 Confira periodicamente as medidas para saber, segundo a nossa

Leia mais

RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO

RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO Redescrição de Deois (Deois) correntina, comb. n. (Homoptera, Cercopidae). * Gervasio Silva Carvalho* Albino Morimasa Sakakibara** RESUMO Tomaspis correntina Berg, 1879, transferida para o gênero Deois,

Leia mais

Termômetro bimetálico Modelo 55, série em aço inoxidável

Termômetro bimetálico Modelo 55, série em aço inoxidável Medição mecânica de temperatura Termômetro bimetálico Modelo 55, série em aço inoxidável WIKA folha de dados TM 55.01 outras aprovações veja página 7 Aplicações Instrumentação geral de s nas indústrias

Leia mais

Três novas espécies de Isotomiella Bagnall, 1939 do sudeste do Brasil (Collembola: Isotomidae)

Três novas espécies de Isotomiella Bagnall, 1939 do sudeste do Brasil (Collembola: Isotomidae) Lundiana 4(2):111-116, 2003 2003 Instituto de Ciências Biológicas - UFMG ISSN 1676-6180 Três novas espécies de Isotomiella Bagnall, 1939 do sudeste do Brasil (Collembola: Isotomidae) Maria Cleide de Mendonça

Leia mais

Augusto L. HENRIQUES 2

Augusto L. HENRIQUES 2 O gênero Philipotabanus Fairchild (Insecta: Diptera: Tabanidae) na Amazônia, com chave para as fêmeas das espécies e descrição de P. obidensis sp. nov. 1 Augusto L. HENRIQUES 2 RESUMO É apresentada uma

Leia mais

PRÉ-MOLARES. Os Pré-Molares superiores decrescem no sentido mésio-distal enquanto os inferiores têm sentido crescente.

PRÉ-MOLARES. Os Pré-Molares superiores decrescem no sentido mésio-distal enquanto os inferiores têm sentido crescente. PRÉ-MOLARES PRÉ-MOLARES Pré-Molares são conhecidos como pequenos molares bicuspidados, em número de quatro para cada arco, dois de cada lado da linha mediana chamados de primeiros e segundos prémolares;

Leia mais

ABATE, CARCAÇA E CORTES DE CARNE OVINA. 2º semestre 2013 Profa. Alda Monteiro

ABATE, CARCAÇA E CORTES DE CARNE OVINA. 2º semestre 2013 Profa. Alda Monteiro ABATE, CARCAÇA E CORTES DE CARNE OVINA 2º semestre 2013 Profa. Alda Monteiro ABATE Pré Abate Deverão ser destinados ao abate: idade e peso vivo conforme preferência da região (MERCADO). Bom estado sanitário

Leia mais

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Expedição ao mundo animal. Casa para pássaros Pequenos e grandes zoólogos podem em breve observar e descobrir o mundo a partir da própria porta da varanda.

Leia mais

O gênero Eustala (Araneae, Araneidae) no sul do Brasil: duas espécies novas, descrições complementares e novas ocorrências

O gênero Eustala (Araneae, Araneidae) no sul do Brasil: duas espécies novas, descrições complementares e novas ocorrências 151 O gênero Eustala (Araneae, Araneidae) no sul do Brasil: duas espécies novas, descrições complementares e novas ocorrências Maria Rita M. Poeta, Maria Aparecida L. Marques & Erica Helena Buckup Museu

Leia mais

TÉCNICO EM AGROECOLOGIA U.C. SANIDADE VEGETAL ARTRÓPODES

TÉCNICO EM AGROECOLOGIA U.C. SANIDADE VEGETAL ARTRÓPODES TÉCNICO EM AGROECOLOGIA U.C. SANIDADE VEGETAL ARTRÓPODES CARACTERÍSTICAS BÁSICAS ARTHROPODA Exoesqueleto quitinoso Bilatérios Filo mais numeroso Características que definem o Grupo Apêndices articulados

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO DE PLANTAS Nutrientes Macronutrientes: C, H, O, N, P, K, Ca, Mg, S. Micronutrientes: Fe, Mn, Zn, Cu, B, Mo, Cl.

Leia mais

I. OBJETIVO II. AMOSTRA VIVA

I. OBJETIVO II. AMOSTRA VIVA ANEXO I INSTRUÇÕES PARA A EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGUIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE DE CULTIVARES DE ORQUÍDEA DO GÊNERO DENDROBIUM (Dendrobium Sw.) PERTENCENTES ÀS SEÇÕES Brachyanthe, Callista,

Leia mais

O DIAMANTE DE GOULD. Orla Coroa. Máscara. Bico Mandíbula superior. Nuca. Bico Mandíbula inferior. Dorso Garganta Asas.

O DIAMANTE DE GOULD. Orla Coroa. Máscara. Bico Mandíbula superior. Nuca. Bico Mandíbula inferior. Dorso Garganta Asas. O DIAMANTE DE GOULD Bico Mandíbula superior Máscara Orla Coroa Bico Mandíbula inferior Nuca Dorso Garganta Asas Peito Uropígio Ventre Sobre-caudais Cauda (rectrizes) Região anal Filetes Sub-caudais Colégio

Leia mais

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária

Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Sistema Circulatório I Coração e Circulação Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I Objetivos da Aula Definição

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8. Padrão FCI 167 22/01/1999

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8. Padrão FCI 167 22/01/1999 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8 Padrão FCI 167 22/01/1999 Padrão Oficial da Raça COCKER SPANIEL AMERICANO AMERICAN COCKER SPANIEL Classificação F.C.I.:

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 268/164/2013 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 164/UFSC/2013 SRP PROCESSO Nº 23080.026023/2013-20

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 268/164/2013 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 164/UFSC/2013 SRP PROCESSO Nº 23080.026023/2013-20 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Compras e Licitações - DCL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88.040-900 CNPJ/MF n 83.899.526/0001-82 Telefone

Leia mais

Paguroidea, eles formam, junto com o própodo, estruturas subqueladas ou queladas, com escamas córneas "raspadoras" na face ventral.

Paguroidea, eles formam, junto com o própodo, estruturas subqueladas ou queladas, com escamas córneas raspadoras na face ventral. Paguroidea, eles formam, junto com o própodo, estruturas subqueladas ou queladas, com escamas córneas "raspadoras" na face ventral. Os Thalassinidea formam um grupo de famílias, gêneros e espécies, cujas

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF -

PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF - PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF - ALERTA PROTEF PERCEVEJO BRONZEADO DO EUCALIPTO (Thaumastocoris peregrinus) (HEMIPTERA: THAUMASTOCORIDAE): AMEAÇA ÀS FLORESTAS DE EUCALIPTO BRASILEIRAS Prof.

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

Estágios imaturos de Titaea orsinome Huebner (Lepidoptera, Saturniidae, Arsenurinae)

Estágios imaturos de Titaea orsinome Huebner (Lepidoptera, Saturniidae, Arsenurinae) Estágios imaturos de Titaea orsinome Huebner (Lepidoptera, Saturniidae, Arsenurinae) Eurides Furtado 1 ABSTRACT. Immature stagcs of Titaea orsinome Huebncr (Lepidoptera, Saturniidae, Arsenurinae). Data

Leia mais

Chave para os gêneros:

Chave para os gêneros: Família Elapidae Cobras corais Corais verdadeiras Cobras com cabeça pequena, focinho arredondado e não destacada do corpo; olhos pequenos; alto da cabeça com escamas grandes, em forma de placas e sem fosseta

Leia mais

Parte II Aracnídeos / Arachnids 1922 contribuição para o conhecimento dos escorpiões encontrados no Brasil

Parte II Aracnídeos / Arachnids 1922 contribuição para o conhecimento dos escorpiões encontrados no Brasil Parte II Aracnídeos / Arachnids 1922 contribuição para o conhecimento dos escorpiões encontrados no Brasil Adolpho Lutz Oswaldo de Mello Campos SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros BENCHIMOL, JL.,

Leia mais

DESCRIÇÃO DA FÊMEA DE Curtara (Labata) ushima COELHO & DA-SILVA, 2012 (INSECTA: HEMIPTERA: CICADELLIDAE)

DESCRIÇÃO DA FÊMEA DE Curtara (Labata) ushima COELHO & DA-SILVA, 2012 (INSECTA: HEMIPTERA: CICADELLIDAE) DESCRIÇÃO DA FÊMEA DE Curtara (Labata) ushima COELHO & DA-SILVA, 2012 (INSECTA: HEMIPTERA: CICADELLIDAE) Elidiomar Ribeiro Da-Silva 1, Luci Boa Nova Coelho 2 1 Professor Doutor do Departamento de Zoologia,

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR ASSOCIAÇÃO PESTALOZZI DE NITERÓI CURSO TÉCNICO ALMIR MADEIRA Estrada Caetano Monteiro, 857 Pendotiba. Niterói- RJ Tel: 21994400/21.26202173 (Centro) CURSO: DISCIPLINA: Anatomia e Fisiologia Humana DOCENTE:

Leia mais

Móds. 15 e 16. Setor 1403. Prof. Rafa

Móds. 15 e 16. Setor 1403. Prof. Rafa Móds. 15 e 16 Setor 1403 Prof. Rafa Representantes: crustáceos, Representantes: crustáceos, insetos, Representantes: crustáceos, insetos, aracnídeos, Representantes: crustáceos, insetos, aracnídeos, quilópodes

Leia mais

Por esse motivo é tão comum problemas na coluna na sua grande maioria posturais.

Por esse motivo é tão comum problemas na coluna na sua grande maioria posturais. R.P.G. E A MECÂNICA DA NOSSA COLUNA VERTEBRAL * Dr. Gilberto Agostinho A coluna vertebral, do ponto de vista mecânico é um verdadeiro milagre. São 33 vértebras (7 cervicais + 12 torácicas + 5 lombares

Leia mais

S6bre algumas espkcies de Culex (Carrollia) (Diptera,,Culicidae)

S6bre algumas espkcies de Culex (Carrollia) (Diptera,,Culicidae) 216 Cerqueira & Lane, Sabre algumas esppcies de Culex S6bre algumas espkcies de Culex (Carrollia) (Diptera,,Culicidae) por N. I,. Cerqueira e J. Lane1 (Corn G figuras) Estudamos nesta nota as espkies de

Leia mais

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Aplicação do t Manual INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Classificação Geral Identificação dos instrumentos t SONDAS PERIODONTAIS EXPLORADORES CURETAS ENXADAS FOICES LIMAS Instrumentos Exploradores

Leia mais

OCORRÊNCIA DE TARPON ATLANTICUS (VALENCIENNES, 1846) (PISCES: MEGALOPIDAE) NA BAÍA DE TODOS OS SANTOS (ESTADO DA BAHIA,BRASIL)

OCORRÊNCIA DE TARPON ATLANTICUS (VALENCIENNES, 1846) (PISCES: MEGALOPIDAE) NA BAÍA DE TODOS OS SANTOS (ESTADO DA BAHIA,BRASIL) 69 OCORRÊNCIA DE TARPON ATLANTICUS (VALENCIENNES, 1846) (PISCES: MEGALOPIDAE) NA BAÍA DE TODOS OS SANTOS (ESTADO DA BAHIA,BRASIL) Paulo Roberto Duarte Lopes * Marconi Porto Sena ** RESUM0 É registrada,pela

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 PÁLPEBRAS - 1 Pálpebras Formações musculomembranosas -finas -móveis -adaptadas à parte anterior dos olhos Função protecção contra agressões externas,

Leia mais

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária Unic - Universidade de Cuiabá Faculdade de medicina veterinária - 1 - Disciplina de Ciências Morfofuncionais Aplicadas a Medicina Veterinária I Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária SUMÁRIO - 2 -

Leia mais

Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético

Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física III 2014/2 Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético Prof. Elvis Soares Nesse capítulo, exploramos a origem do campo magnético - cargas em movimento.

Leia mais

UNTTERMOS: Ancylostomatoidea; Ancylostoma caninum; Chrysocyon brachyurus-, Lobo-guará; Minas Gerais INTRODUÇÃO

UNTTERMOS: Ancylostomatoidea; Ancylostoma caninum; Chrysocyon brachyurus-, Lobo-guará; Minas Gerais INTRODUÇÃO OCORRÊNCIA E IDENTIFICAÇÃO DE ANCILOSTOMA TÍDEOS E M LOBO-GUARÁ (CHRYSOCYON BRACHYURUS, ILLIGER, 1811) DA REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO, MINAS GERAIS, BRASIL UNTTERMOS: Ancylostomatoidea; Ancylostoma caninum;

Leia mais

PADRÃO DA RAÇA INDUBRASIL

PADRÃO DA RAÇA INDUBRASIL 58 1 - APARÊNCIA GERAL 1.1 - Estado Geral Sadio e vigoroso. 1.2 - Desenvolvimento Bom, de acordo com a idade. Médio Tamanho e peso reduzidos, em relação à idade. 1.3 - Constituição, Ossatura e Musculatura

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Nome técnico: IMPLANTES DENTÁRIOS (OSSEOINTEGRÁVEL) Nome comercial: IMPLANTE DENTÁRIO Modelo comercial: Ver lista abaixo.

INSTRUÇÕES DE USO. Nome técnico: IMPLANTES DENTÁRIOS (OSSEOINTEGRÁVEL) Nome comercial: IMPLANTE DENTÁRIO Modelo comercial: Ver lista abaixo. INSTRUÇÕES DE USO Produto: Nome técnico: IMPLANTES DENTÁRIOS (OSSEOINTEGRÁVEL) Nome comercial: IMPLANTE DENTÁRIO Modelo comercial: Ver lista abaixo. PROSS CILÍNDRICO HE SS Ø5,0 PROSS CILÍNDRICO HE Ø5,0

Leia mais

Novo gênero de Calliini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae)

Novo gênero de Calliini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) Volume 50(15):233 237, 2010 Novo gênero de Calliini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae) Maria Helena M. Galileo 1,3 Ubirajara R. Martins 2,3 Abstract Paradrycothaea gen. nov. (Calliini, Lamiinae) is erected

Leia mais

Simuliidae (Diptera, Culicomorpha) no Brasil XIII sobre Inaequalium lundi sp.n.

Simuliidae (Diptera, Culicomorpha) no Brasil XIII sobre Inaequalium lundi sp.n. XIII sobre Inaequalium lundi sp.n. Victor PY-DANIEL 1, Ulysses Carvalho BARBOSA 1 RESUMO É descrita uma nova espécie para o gênero Inaequalium (Coscarón & Wygodzinsky, 1984), Inaequalium lundi sp.n. É

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

Description of New Species of Fidicinoides Boulard & Martinelli (Hemiptera: Cicadidae) from Brazil

Description of New Species of Fidicinoides Boulard & Martinelli (Hemiptera: Cicadidae) from Brazil From the SelectedWorks of Rodrigo Souza Santos RSS 2009 Description of New Species of Fidicinoides Boulard & Martinelli (Hemiptera: Cicadidae) from Brazil Rodrigo Souza Santos, RSS Available at: http://works.bepress.com/rodrigo_santos/7/

Leia mais

NOTA SOBRE 0 GENERO MANSOWi, SUB-GENERO RHYMCHOTAHVIA, COM A DESCRIPCAO DE UMA NOVA E-SPECIE. por J. LANE e I?. C.A. ANTUNES

NOTA SOBRE 0 GENERO MANSOWi, SUB-GENERO RHYMCHOTAHVIA, COM A DESCRIPCAO DE UMA NOVA E-SPECIE. por J. LANE e I?. C.A. ANTUNES NOTA SOBRE 0 GENERO MANSOWi, SUB-GENERO RHYMCHOTAHVIA, COM A DESCRIPCAO DE UMA NOVA E-SPECIE por J. LANE e I?. C.A. ANTUNES NOTA SOBRE 0 GENERO MANSCNA, SUB-GENERO RHYNCHOTAENIA, COM DESCRIPCAO DE UMA

Leia mais

ARTRÓPODES PROF. MARCELO MIRANDA

ARTRÓPODES PROF. MARCELO MIRANDA ARTRÓPODES Filo Arthropoda (Artrópodes) Do grego, arthros = articulado e podos = pés; É o filo mais abundante em quantidade de espécies descritas (~1 milhão); Vivem em praticamente todos os tipos de ambientes;

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia ANATOMIA HUMANA I Educação Física Prof. Me. Fabio Milioni Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia Anatomia Sistêmica Estudo macroscópico dos sistemas do organismo Anatomia Topográfica

Leia mais

Dr Christian Coachman. Dr Guilherme Cabral. Dr Braulio Paolucci

Dr Christian Coachman. Dr Guilherme Cabral. Dr Braulio Paolucci Protócolo Wax-up Dr Christian Coachman Dr Guilherme Cabral Dr Braulio Paolucci Volume 3D / Posicão 3D Centrais 1. Encerar sobre a linha mediana antiga!! 2. Encerar os 2 centrais em um bloco de cera 3.

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB

ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB HISTÓRICO Por volta de 12h do dia 19 de junho de 2015, o Sr. Jonas Tiburtino Nóbrega, de 32 anos, que trabalha na operação tapaburacos do Departamento

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DAS ESPÉCIES BRASILEIRAS DO GÊNERO Euryneura SCHINER, 1867. (Diptera, Stratiomyidae)

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DAS ESPÉCIES BRASILEIRAS DO GÊNERO Euryneura SCHINER, 1867. (Diptera, Stratiomyidae) CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DAS ESPÉCIES BRASILEIRAS DO GÊNERO Euryneura SCHINER, 1867. (Diptera, Stratiomyidae) TESE Apresentada à Escola de Pós-Graduação, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro,

Leia mais

RÉPTEIS DE CABO VERDE

RÉPTEIS DE CABO VERDE RÉPTEIS DE CABO VERDE Nas ilhas de Cabo Verde ocorre um conjunto notável de espécies endémicas de Répteis com origem no continente africano. Há alguns milhares de anos, elementos da fauna africana terão

Leia mais

MANUAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E CONSERVAÇÃO LINHA TÉCNICA COLEÇÃO MARUBO MADEPLAST PERGOLADOS

MANUAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E CONSERVAÇÃO LINHA TÉCNICA COLEÇÃO MARUBO MADEPLAST PERGOLADOS MANUAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E CONSERVAÇÃO LINHA TÉCNICA COLEÇÃO MARUBO MADEPLAST PERGOLADOS 1. Coleção Marubo... 02 2. Considerações antes de iniciar.... 06 3. Peças e Ferramentas... 07 4. Especificações

Leia mais

PADRÃO DA RAÇA GUZERÁ

PADRÃO DA RAÇA GUZERÁ 9 52 1 - APARÊNCIA GERAL 1.1 - Estado Geral Sadio e vigoroso. 1.2 - Desenvolvimento Bom, de acordo com a idade. Médio Tamanho e peso reduzidos, em relação à idade. 1.3 - Constituição, Ossatura e Musculatura

Leia mais

REVIST A BRASILEIRA DE ZOOLOGIA. Revta bras. Zoo!., S. Paulo 4(3): 181-193 ABSTRACT

REVIST A BRASILEIRA DE ZOOLOGIA. Revta bras. Zoo!., S. Paulo 4(3): 181-193 ABSTRACT REVIST A BRASILEIRA DE ZOOLOGIA Revta bras. Zoo!., S. Paulo 4(3): 181-193 21.ix..1987 DESENVOLVIMENTO PÓS-EMBRIONÁRIO DE PAGURUS BREVIDACTYLUS (STIMPSON, 1858) (DECAPODA, PAGURIDAE), EM LABORATÓRIO Maria

Leia mais

FILO ARTHROPODA - INTRODUÇÃO

FILO ARTHROPODA - INTRODUÇÃO Entomologia Entomologia veterinária: é o estudo de insetos de importância veterinária, num sentido mais amplo que engloba inclusive os aracnídeos (carrapatos e ácaros). Filo Arthropoda O filo arthropoda

Leia mais