SISTEMA ESTATÍSTICO BRASILEIRO A CAMINHO DO TERCEIRO MODELO: APROVEITANDO ELEMENTOS DO PRIMEIRO E DO SEGUNDO MODELOS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA ESTATÍSTICO BRASILEIRO A CAMINHO DO TERCEIRO MODELO: APROVEITANDO ELEMENTOS DO PRIMEIRO E DO SEGUNDO MODELOS."

Transcrição

1 SISTEMA ESTATÍSTICO BRASILEIRO A CAMINHO DO TERCEIRO MODELO: APROVEITANDO ELEMENTOS DO PRIMEIRO E DO SEGUNDO MODELOS. NELSON SENRA * O Sistema Estatístico Brasileiro já apresenta elementos de um terceiro modelo, numa lenta travessia a ser, no agito do tempo global, acelerada. No acelerar dessa travessia, há conquistas técnico-científicas sobremodo do segundo modelo que precisam ser preservadas, e há aspectos sócio-políticos sobremodo do primeiro modelo que podem ser, com proveito, recuperados (com as devidas atualizações). O primeiro modelo foi colegiado e altamente parlamentar, tendo intensa coordenação, e forte divisão do trabalho; era, para todos os temas (com igual prioridade), censitário no território, já que estava focado nos municípios. Como um todo, na atividade estatística (de natureza fortemente técnico-administrativa), predominava a dimensão sócio-política. O segundo modelo foi focado na produção, mais e mais de natureza técnico-científica; o caráter censitário no território foi abandonado, e os temas ganharam prioridades, com realce às estatísticas econômicas; as relações com organismos internacionais, pouco a pouco, se intensificaram, renovando os alicerces do sistema. Passou-se do retrato da nação, numa focalização exaustiva, para retratos temáticos específicos da nação (com forte realce dos fenômenos econômicos), não necessariamente numa exaustiva focalização. Já no terceiro modelo, ainda que as instituições estatísticas devam seguir pautadas na dimensão técnico-científica, uma das maiores conquistas do segundo modelo, não é mais possível ignorar dois aspectos essenciais: o primeiro, e mais óbvio, diz respeito à ampla difusão das chamadas tecnologias de informação, que vêm dando ampla liberdade a produtores (ou, nem tanto produtores, mas apenas organizadores de estatísticas existentes em diferentes instituições com fins setoriais ou funcionais), levando a um amplíssimo surgimento de instituições estatísticas públicas (e privadas, que não nos interessa nessa argumentação); o segundo aspecto, diz respeito à ampla difusão temática nas demandas, com foco no social, o que impõe uma volta de atenção aos registros administrativos. Sim, novas instituições estatísticas são formadas, voltadas ao manuseio estatístico dos registros temáticos administrativos, mas sem que hajam quadros referenciais estabelecidos científicos ou * Pesquisador e professor aposentado do IBGE. Doutor em Ciência da Informação, pelo IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, em convênio com a UFRJ / Escola de Comunicação.

2 2 obtidos por consenso e não havendo muito tempo para esperar que eles surjam dos ambientes acadêmicos tradicionais (essa ação é lenta, e as demandas são prementes). Pois essas instituições estatísticas temático-setoriais que surgem com vistas a atender a esses novos temas, ainda que tenham autonomias tecnológicas, não dispõem de vivência da atividade estatística, sem olvidar que não conseguiram solidificar a autonomia e a independência, fortemente cristalizadas nas instituições estatísticas nacionais. Daí, entre outras razões, surge o imperativo de uma coordenação forte no primeiro modelo que seja capaz de promover uma articulação das instituições, não mais uma coordenação unilateral, de mão única, mas antes algo feito em redes de saberes temáticos, criando-se um colegiado de coordenação, com autoridades estatísticas temático-setoriais devidamente credenciadas. Ao fim e ao cabo a instituição estatística central (forte, como maior fruto do segundo modelo), promoveria (nos moldes do primeiro modelo) uma cooperação tripartite, atraindo as instituições estatísticas temático-setoriais tanto quanto o mundo da ciência, inerente ao ambiente acadêmico (sem olvidar avanços nos processos de pesquisa). BREVE PERFIL DOS MODELOS HISTÓRICOS ANTERIORES O primeiro modelo vai de c1936 a c1966, e tem como mentor principal Teixeira de Freitas, sem perder de vistas Macedo Soares, Carneiro Felipe, Giorgio Mortara, Christóvam Leite de Castro, Fábio de Macedo Soares Guimarães, Francis Ruellan, Leo Waibel, Rafael Xavier, Waldemar Lopes, Tulo Hostílio Montenegro, Maurício Filchtiner, Lourival Câmara, Vinícius Fonseca, Rangel Reis, e outros, sendo difícil enumerar os inúmeros técnicos de ponta e de base que, com suas vidas, deram vida ao todo. O modelo decorre da diuturna catequese de Bulhões Carvalho, na Primeira República, criando uma massa crítica sobre a atividade estatística, até então pouco sistemática, e nada contínua, perdida na complexa federação que surge do golpe militar que implantou a República. Sua laboriosa idealização seria praticada por Teixeira de Freitas em sua década mineira (os anos 1920), com frutos nacionais posteriores (em final de 1931) na negociação, maturação e aplicação do Convênio de cooperação interadministrativa que renovou as estatísticas de educação e conexas. Por esse acordo finalmente a tão almejada cooperação associativa das três esferas políticas federal e estadual e municipal foi alcançada, dando ao órgão central (no caso em pauta, a repartição de estatística do recém-criado Ministério da Educação e Saúde Pública, logo apenas Ministério da Educação e Saúde) acesso aos registros administrativos, fonte central, então, de informações individuais fundadoras das estatísticas. Entrementes, um órgão central, já não

3 3 mais temático foi articulado por Teixeira de Freitas em estreita proximidade com o então Ministro da Agricultura Juarez Távora, e logo com o apoio de Macedo Soares e Simões Lopes. Essa articulação incansável de Teixeira de Freitas teria curso na metade da década de 1930, e ganharia resultado em 29 de maio de 1936 com a posse de Macedo Soares na presidência do ainda Instituto Nacional de Estatística, logo, em início de 1938, o IBGE. O modelo supunha três pilares-chaves: primeiro, ser mais que um instituto de estatística, tendo, junto de si, também a geografia (num primeiro momento apenas a cartografia geográfica, mas logo sendo a ideia expandida para a geografia em suas muitas variações), que virá em 1938, como visto; segundo, ter uma rede de agências municipais de estatística, pelas quais seria fácil ter acesso aos registros administrativos (para todos os temas) e até mesmo ajudando a (re)criá-los, e, por demais, como que sendo braços civilizadores, porquanto, ao levarem aos munícipes descrições numéricas de suas realidades territoriais, poderiam estimular políticas de avanços; terceiro, ter autonomia financeira, através de um fundo com recursos para fins estatísticas, pelo qual as agências poderiam ser formadas nos municípios sem condições para tanto, e se poderia fazer avançar áreas temático-setoriais sem condições operacionais (humanas e técnicas). Alcançado o primeiro pilar, logo no início, e já sendo previsto nas discussões preliminares, os demais viriam na década de 1940, no seu início, em meio ao esforço de guerra, que exigia as chamadas estatísticas militares (como sempre, populacionais e econômicas). O pilar da geografia logo avançaria, ao passo que o fundo perderia gradual vigor, com a volta em 1946 à democracia representativa, já as agências, embora se consolidassem, passariam por expressivas mudanças, basicamente entrando na esfera do IBGE, e não apenas para orientação técnica, como na origem, mas também para controle administrativo. O modelo, como dito antes, dava voz e vez às três esferas políticas, em um complexo de organismos colegiados, com força às Assembleias Gerais, às quais tinham acento os órgãos estaduais de estatística, os órgãos federais temáticos que compunham a Junta Executiva Central e também os órgãos temáticos associados, cujas produções estatísticas, embora fossem integrantes do programa estatístico, não eram feitas pelos órgãos federais temáticos. As Assembleias e a Junta Executiva debatiam e deliberavam regularmente, e suas decisões (resoluções) tinham caráter legislativo. Entre os muitos assuntos que tratavam, deviam decidir pelo conteúdo das campanhas estatísticas, ou seja, as questões ou variáveis que seriam postas em campo pelas agências, para cuja confecção contava-se com a participação de conselheiros / consultores e de comissões técnicas, em geral formadas por intelectuais de indiscutível

4 4 renome. Pois, pouco a pouco, com a perda do fundo, e a gradual e contínua vinculação do Instituto ao serviço público federal, o órgão central deixa de ser nacional e se torna federal, melindrando as instâncias estaduais, afora que sua perda dificultou, e mesmo impediu a criação de agências em diversos municípios surgidos no contexto da democratização. Por demais, o sucesso da elaboração de estatísticas de qualidade, continuadas e sistemáticas, em volume jamais visto no país fez com que várias Unidades da Federação fechassem suas instituições estatísticas, ou as reduzissem de importância na estrutura de governo, o que acabaria empobrecendo as representações nas Assembleias. Com essas mudanças, e o gradual afastamento dos intelectuais, pela crescente formalização das universidades, os órgãos federais temáticos pouco a pouco se fecharam em seus mundos e também eles se afastaram das Assembleias e da Junta Executiva. Outro ponto acabou pondo em xeque esses órgãos colegiados, máxime a Junta, qual seja a crescente importância das temáticas levadas a cabo pelos órgãos associados, como as estatísticas econômicas em que a FGV é o exemplo mais candente; embora esses órgãos fossem parte da Junta, sua força deliberativa era reduzida, e sua força para poder contar com o esforço de coleta das agências não era das maiores, porquanto sufocadas pela execução das campanhas estatísticas, em seus temas federais temáticos (como visto antes, tudo tinha igual prioridade e era de abrangência territorial completa, ou seja, chegando aos municípios). O agravante é que esses temas, postos como paralelos, algo à margem dos temas vistos como centrais no programa estatístico ganhavam crescente relevância, suplantando qualquer outro. Vieram as críticas externas, numa sucessão de seminários, comissões, pareceres, etc. levando então à mudança do estatuto jurídico do instituto, que tornava uma fundação pública de direito privado, desta forma ganhando autonomia de contratação e mesmo de gestão financeira. Nascia o segundo modelo. Ele vai de c1966 a c1996, e tem como principal personagem Isaac Kerstenetzky, mas sem olvidar figuras de frente como Amaro da Costa Monteiro, Eurico Borba, Speridião Faissol, Maristela Sant Anna, Lyra Madeira, Magdalena Cronemberger, Tereza Cristina Araújo, Jane Souto, Pedro Geiger, Nilo Bernardes, Orlando Valverde, Marília Galvão, Francisco de Assis Mora de Melo, Ricardo Amorim Braule Pinto, e outros, e num segundo momento, afora vários destes, figuras como Edson Nunes, Charles Mueller, Eduardo Augusto Guimarães, David Wu Tai, Nuno Duarte Bittencourt, e outros. E mais uma vez, e talvez ainda mais, é muito difícil desfilar os muitos outros técnicos que vestiram a camisa da Casa e souberam abraçar a mística ibgeana (da qual se falará adiante) incutida na tradição pelos fundadores.

5 5 Enfim, este modelo decorre diretamente do, por assim dizer, descuido às estatísticas econômicas que, embora estas fossem sempre debatidas nas revistas do Instituto, ganhavam pouca concretude no cotidiano dos trabalhos, e, para agravar, o também retardo à ampla adoção da técnica de amostragem. Surge um programa estatístico diferente, não mais para traçar grandes retratos da população, e de algumas de suas derivações, mas um programa organizado para gerar estatísticas não mais apenas primária, ou fortemente primárias, mas também derivadas, ou, sobretudo, derivadas. Logo, par a par com as estatísticas econômicas (seus grandes agregados), e as tomando como modelo, viria a tentativa de elaboração dos chamados (e sempre sonhados) indicadores sociais, mas sem que esses temas sociais apresentassem quadros teóricos tão sólidos quanto os fenômenos econômicos. Nesse tempo, se afasta por completo dos colegiados, e do caráter censitário no território para todos os temas, surgindo fortemente as amostragens (os registros administrativos sendo deixados em plano secundário), e a derivação das estatísticas em planos agregados. Pesquisas complexas são introduzidas, (sub)sistemas de informações são formados, renovam-se os quadros de pessoal, e se abandonam as agências municipais, que passam a referir-se a conjuntos de municípios. O modelo é de produção centralizada, ficando a coordenação, ainda que mantida na legislação, como figura de retórica; as instituições estatísticas estaduais, e mesmo as federais temáticas ficam esmaecidas, e padecem de incapacidade tecnológica, vale dizer, da aquisição de grandes e potentes computadores, sempre caros e de difícil manuseio. O IBGE se faz hegemônico, quase único, com crescente credibilidade técnico-científica, e com alta legitimidade lastreada no predomínio das estatísticas econômicas, que fazia (e faz) bem, e de modo criativo, mais e mais inovador. Mas houve custos: o abandono dos registros administrativos, e, algo muito associado, o abandono a temáticas de não interesse imediato às estatísticas econômicas, e, algo também associado, o abandono às instituições estatísticas estaduais ou associadas. Pois, com a crise dos Estados Nacionais, as instituições estatísticas nacionais também fazem água, e patinam em mudanças superficiais; logo tudo isso irá se agravar, com as emergentes tecnologias de informação, mais e mais amigáveis, e baratas, e a autonomia crescente das Unidades da Federação com a nova redemocratização de Façamos uma pequena pausa. O primeiro modelo ganha força com o Estado Novo de Vargas, que vence a federação excessiva da Primeira República; o tempo de Vargas, em enorme síntese, foi tempo de governo, e para isso era preciso estatísticas, muitas e boas. O segundo modelo ganha força com o Regime Militar, num tempo de governos militares

6 6 autoritários, que intensificam o planejamento centralizado (não mais de mobilização psicológica, como no passado, mas já agora com fumos de ciência), a também querer muitas estatísticas, mormente as econômicas. Nem por isso o IBGE e o sistema estatístico podem ser ditos autoritários, muito ao contrário; no primeiro pela necessidade deliberativa que levasse aos registros administrativos, em geral localizados nos municípios; no segundo, pelo porte de seus dirigentes, e pela emergência de uma geração de técnicos de elevada formação, os chamados tecnocratas (com suas virtudes e seus defeitos). E no terceiro modelo, com o Estado Nacional enfraquecido, como adquirir força para viver, e mesmo avançar? Ele virá a partir de c1996, e vem até hoje, num buscar de rumos, numa trajetória mais ou menos errática. Surge na gestão de Simon Schwartzman, que foi um dirigente com capacidade reflexiva incomum, só se ombreando nessa arte da escrita reflexiva sobre o sistema estatístico, e sobre o IBGE, a Teixeira de Freitas. Mas, ao contrário de Teixeira de Freitas, Simon Schwartzman foi pouco lido, refletido e assimilado, infelizmente. Entre seus auxiliares mais próximos será justo realçar Nuno Bittencourt, David Wu Tai, Magdalena Cronemberger, Martha Mayer, Zélia Bianchini, Márcia Quintslr, Kaizô Beltrão, Fernando Abrantes, entre vários outros nomes, como sempre de difícil menção (na agora chamada Geociências é difícil trazer marcos). Esse modelo emerge, num primeiro momento, pela rebeldia das instituições estatísticas estaduais, que como que se libertam do abandono do IBGE; se acham capazes de viver à margem (pela autonomia tecnológica, pela natureza das atividades assumidas, etc.), o que logo se mostrará um equívoco (só há descentralização se houver algum centro forte), pouco a pouco se achegando novamente ao IBGE. De pronto, o IBGE se mostraria receptivo, e buscaria um convívio cooperativo, mas isso logo se arrefeceria em decorrência da percepção (ampla e geral) de que um mundo global não dispensa as instituições estatísticas nacionais, ao contrário as exige mais e mais fortes. E o IBGE ressurge com força, recuperando sua credibilidade (e sua legitimidade), em especial pela recepção de novos processos de pesquisa emanados de outras instituições estatísticas nacionais, e de apoios de instituições internacionais temáticas, que fazem emergir consensos científicos utilíssimos. A força que antes viera de governos fortes, agora vinha de uma relação externa globalizada, que se intensificaria. Mas desse mundo global acabará emergindo uma nova ameaça, e um novo desafio de mudança, parte do que vemos ser urgente acelerar, e nos referimos à demanda por estatísticas sociais (inclusive socioambientais) para fixação de direitos (numa nova tradição, vista adiante), de difícil

7 7 atendimento, a menos que, novamente, se juntem as diversas esferas política a federal, a estadual e mesmo a municipal e suas respectivas instituições estatísticas. Isso remete à dimensão sócio-política existente sobremodo no primeiro modelo, e abandonada (quase totalmente) no segundo, ao ter privilegiado a dimensão técnico-científica, que, claro, deve ser mantida e ampliada, mas com o tempero daquela dimensão inerente ao primeiro modelo. Este é o desafio: garantir a credibilidade e expandir a legitimidade. MODOS DE ANALISAR AS MUDANÇAS Há vários modos de olharmos em conjunto a atividade estatística. Embora não seja o caso, nos limites deste texto de tratá-los à exaustão, não custa fazer-lhes referência. Suas aplicações são ora mais ora menos adequadas às realidades históricas dos países, segundo sejam países antigos ou recentes, tendo histórias estatísticas longevas e sólidas, ou não. Um desses modos é marcar eras estatísticas históricas, no que os autores, ainda que afinem no atacado, variam no varejo. É comum marcar duas eras estatísticas mais ou menos recentes: uma que tem início ao final do século XIX e que entra pela primeira metade do século XX, e outra que então inicia, e que começa a fraquejar ao final do mesmo século; neste sentido estaríamos desde este final do século XX, e ainda mais no presente, dando início a uma terceira era estatística, ainda sem maiores estruturas e visibilidade. Quanto ao período anterior às eras históricas, mais ou menos visíveis, é costume marcar-se uma proto-história das estatísticas, ora pondo seu início na primeira metade do século XIX, ora a iniciando já em meados do século XVIII; antes desta proto-história haveria, para alguns autores, uma préhistória estatística de controversa delimitação. Outro modo é se valer das idades históricas, mais comuns e passíveis de maior abertura. Neste caso, busca-se marcar os inícios das idades antiga, média, moderna e contemporânea, deixando subjacente (às vezes de modo claro) a existência de uma préhistória anterior à idade antiga. Este modo tem seu ponto nevrálgico, de difícil solução, no último período, o contemporâneo, em que se torna inevitável abri-lo, e mesmo atualizá-lo; esse imperativo é complexo, mesmo variando a análise entre países há muitas divergências entre autores. Enquanto o modo antes visto é, por demais, amplo, este, ainda que mais aberto, não é de fácil aplicação e percepção, no que se torna demasiado polêmico. Há as tradições estatísticas, em que as três primeiras, mais clássicas, são aceitas sem maiores controvérsias, o que não mais ocorre conforme se vai chegando à atualidade. Assim, são tradições clássicas a alemã (ou prussiana), mais ou menos no século XVII, logo vindo a

8 8 inglesa, mais ou menos no século XVIII, e seguindo a francesa, mais ou menos no século XIX, cada qual refletindo fortemente as histórias desses países. Daí o século XX teria formado uma tradição chamada de moderna ou atualizada, começando a soçobrar ao seu final, e início do século XXI, ainda algo sem nome. E há situações de combinação dessas tradições, ao longo do tempo, nos países de origem e, a fortiori, em outros países. E há modos menos históricos na focalização e na denominação, criados a partir de abordagens mais técnico-administrativas e mesmo técnico-científicas. É o caso de se observar a atividade estatística, a um só tempo, como forma de saber e como fonte de poder, em que se realçam as moldagens do homem-máquina e do homem-espécie, surgindo, pouco a pouco, as instituições estatísticas. Pode-se sublinhar a maturidade e a regularidade das pesquisas, em que emergem três variações: as figurações de pesquisas (longe de o serem) fortemente irregulares, as já pesquisas, mas ainda muito irregulares, e, finalmente, numa lenta evolução, a emergência de pesquisas regulares. Há a abordagem sistêmica, em que se marcam duas dimensões ou naturezas: uma cognitiva e outra institucional, também chamadas, respectivamente, de organização informacional e de organização estrutural ou social. Há mais ainda, com intensa utilização recentemente, a noção de regime de informação, em que são focados três aspectos: as estruturas (ou organizações), as normas (ou regulações) e as práticas (ou atividades cotidianas); trata-se de um enfoque muito favorável a diferentes realidades nacionais, mas bastante polêmico como metodologia de comparação entre trajetórias nacionais. Pode-se ainda focalizar as estatísticas pelos olhares dos usuários e dos produtores, em que os primeiros as tomam como meio de análise, seja para validar no não hipóteses de trabalho, em pesquisas acadêmicas, seja para formular políticas públicas, e mesmo avaliá-las, e os segundos que as observam sob um prisma das técnicas e dos métodos. Pois é muito positivo conjugar esses olhares, dos usuários e dos produtores, apegandolhes uma abordagem sócio-histórica, por um misto de história, sociologia e metodologia. Tem-se então uma sociologia da atividade estatística ou, com mais detalhes, uma sóciohistórica da atividade estatística, sem olvidar, nessa análise, a evidente evolução das técnicas e dos métodos. E para melhor utilizar esse enfoque (que preferimos), ordenando-o e lhe fazendo sistemático, configuramos uma equação simbólica da atividade estatística. O ponto central desta equação é conseguir pacificar dois preceitos opostos da ciência econômica e da ciência da informação. Enquanto a ciência econômica afirma que é preciso haver uma demanda (manifesta, para além da intuição) para haver uma oferta (para se iniciar

9 9 um processo técnico de oferta), a ciência da informação enfatiza que a demanda surge depois da oferta, ou seja, em esta havendo, surge aquela. Pois nos é claro que na atividade estatística, e talvez mesmo em todas as atividades, há duas manifestações de demanda, no prisma da ciência econômica, uma demanda ex ante à oferta e, no prisma da ciência da informação, uma demanda ex post. Ou seja, a demanda ex ante, como uma demanda fundadora, dá início ao tempo da oferta, que, a seu turno, tem seu final numa demanda ex post. Aquela demanda é centrada e concentrada, estando nas mãos de poucos, enquanto que esta, a demanda ex post, é aberta e ampla, sendo para grande e variado público. No caso da atividade estatística, as instituições estatísticas dialogam com usuários de ponta ao tempo da demanda ex ante, daí configurando um programa estatístico que irá nortear o tempo da oferta. Esta relação entre usuários de ponta e produtores não é simples, pois, se de um lado os produtores conseguem, com alguma boa-vontade, pensar como usuários, estes, de outro lado, não conseguem pensar como produtores. Desta forma, as inevitáveis traduções de desejos (o desejado e o desejável) e de possibilidades (o possível e o realizável), ao envolver distintas linguagens, acabam sendo muito difíceis. Como quer que seja, um programa resultante deverá evidenciar cooperações, associações, parcerias ao tempo da oferta, o que exigirá um enorme esforço de coordenação. Esta coordenação, par a par com as etapas da oferta, e nela também influindo, não é, e não pode ser vista como uma tarefa residual, subalterna, o que exige atender à grande sua dimensão sócio-política, justo a dimensão que se busca afastar ao tempo da oferta. Sim, pois as etapas da oferta produção / disseminação / divulgação têm por força a dimensão técnico-científica, ao passo que a coordenação, articuladora dos vários atores da demanda ex ante e também da oferta, exige realçar a dimensão sócio-política. Harmonizar essa divergência é difícil. Enfim, havendo um programa estatístico, e definido seus responsáveis, sob algum modus vivendi e algum modus operandi, tem início o longo tempo da oferta, longo sim, mas cada vez mais sendo reduzido, graças aos avanços das técnicas e dos métodos. Esse tempo ampara-se, como visto, numa ambiência técnico-científica crescente, e quando as ciências não dão conta das necessidades conceituais buscam-se, ao menos, consensos na comunidade científica. Pois o delicado, e assustador às demandas ex ante mais e mais manifestas (com força no social e no socioambiental), é a falta de ambos (conceitos e / ou consensos), a colocar as instituições estatísticas numa encruzilhada, forçando-as a provocarem, e mesmo conduzirem, a emergência desses avanços nas ciências, numa cooperação tripartite: áreas temáticas, ambientes acadêmicos e instituições estatísticas associadas. Eis uma nova função,

10 10 também de coordenação, para a qual há pouca experiência, se há mesmo alguma. Ao fim e ao cabo, como final da oferta, chega-se à demanda ex post, o que supõe um sólido esforço de práticas de recuperação das estatísticas armazenadas, de uso de técnicas modernas de marketing e todo um peculiar esforço de atendimento e, sua contraparte, de não-atendimento que é infinitamente mais complexo do que se preparar para um adequado atendimento (por certo outro esforço de coordenação). Em suma, essa equação simbólica da atividade estatística organiza os olhares, dandose a cada instante o enfoque correto, na dose certa, de história, de sociologia, de metodologia, e podemos, sem maiores esforços, enquadrar os dois modelos originais existentes na atividade estatística brasileira, e hoje esgotados, e ver neles os pontos a serem mantidos, e mesmo avançados, os que podem e devem ser recuperados proveitosamente no terceiro modelo. Por essa análise (que terá algumas inevitáveis repetições, que será posta então na conta da dialética da repetição, de tanto agrado ao filósofo francês Gaston Bachelard) será possível, também, evidenciar elementos que são novos, e que devem ser criados. Tudo isso de modo a dar-se solidez ao terceiro modelo, acelerando sua conformação. SÓCIO-HISTÓRIA DA DEMANDA EX ANTE NO BRASIL No primeiro modelo, a figura do usuário (e este nome não era usado) se confundia com a do produtor. Nem todos, mas alguns poucos, e especiais, na cúpula do sistema, com capacidade para pensar os grandes problemas nacionais, e neles lançar as luzes objetivas (como se gostava de ressaltar) das estatísticas. Pouco a pouco surgirá na atividade estatística brasileira, como elemento norteador, um ideário cívico, focado na solução (pelo provimento de estatísticas adequadas) aos chamados Problemas de Base do Brasil, um texto formal por certo o primeiro Plano Nacional, ainda no modelo de planejamento de mobilização psicológica, embora, note-se, elaborado numa instituição de estatística, ciosa do valor objetivo dos números. Desse contexto nacional, pela centralidade articuladora do IBGE, e por sua atuação diuturna no comando do sistema estatístico, resultará a expressão mística ibgeana, na verdade, mais que uma simples expressão, passageira como uma paisagem, mas algo como um esprit de corps do Instituto, expressão que, embora tenha sido marca de um tempo, seguiu adiante, e ainda hoje, ora mais, ora menos, segue sendo valorizadas e, não raro, invocada. O programa estatístico, como resposta da demanda, era então definido nas Assembleias realizadas anualmente, onde se tinha a visão dos órgãos federais e estaduais. Ora, muito desta visão trazia o viés da fonte primeira das informações individuais, qual seja,

11 11 os registros administrativos; era como se a existência e o conteúdo desses que, ao dizerem do possível, definiam as demandas. Nem tanto assim, claro, já que era comum criarem-se alguns registros e reformar outros, bem como, também se decidia por pesquisas diretas, ainda que acanhadas. Como seja, o que resultava dessas ponderações ou possibilidades, ao comporem o programa estatístico (e que com frequência era atualizado), configuravam as campanhas estatísticas, ou seja, um conjunto de questionários aplicados a cada ano, numa mesma época pelas agências municipais de estatística. Na formatação desses questionários, com seus quesitos, entrava a sapiência dos intelectuais que eram consultores da instituição, desta forma trazendo o concurso dos técnicos a um processo nomeadamente administrativo. Por demais, todo esse mecanismo operacional explicitava uma coordenação articuladora dos muitos atores no palco. Esse modo de atuação pouco a pouco começaria a emperrar, primeiro por ser censitário no território e segundo por tratar todos os temas com igual prioridade, o que dificultava a assimilação de novidades, ou seja, novos temas expressos nas demandas. E por terceiro, porque as representações nas Assembleias começaram a empobrecer em qualidade técnica, e até a serem esvaziadas, o que bem se pode aquilatar pela queda de nível no conteúdo das resoluções (documentos que, pelo dito antes, formalizavam, com força legal, as decisões dos colegiados, tanto das Assembleias quando da Junta). En passant, valerá registrar que nessa ocasião, e por esse modo, surgia o primeiro sistema de informações nativamente brasileiro, o sistema estatístico brasileiro. Pois dessa dificuldade de introdução de novos temas, fortemente econômicos (mesmo com a atuação da FGV), demandados pelo planejamento que saia da fase de mobilização psicológica para uma fase mais, por assim dizer, científica, acabaria pondo o modelo em xeque. As críticas sucessivas, sempre externas (não sem também haver autocríticas, mas que eram sempre justificadas e adiadas as soluções propostas), acabariam levando a mudanças, e a mais funda transformaria a instituição numa fundação pública de direito privado, deixando de ser autarquia (o que não quisera ser na origem, mas acabara sendo ao longo do tempo). Então, de órgão nacional, vinculado ao presidente da República, passará a órgão federal, tutelado pelo Ministério do Planejamento; e o sistema estatístico passaria de nacional multitemático, a federal em que predominavam os fenômenos econômicos. No bojo dessas mudanças surgia a figura do usuário (num primeiro momento, e por pouco tempo, chamado de consumidor, termo que seria abandonado ao se dar conta de que informação não se consome), e para ouvi-lo, já que as Assembleias deixavam de existir, surgiam as Conferências Nacionais, de periodicidade irregular.

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

SAULO PEGO JUSTINIANO DA COSTA

SAULO PEGO JUSTINIANO DA COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU- MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL E SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TURMA - 33 SAULO PEGO JUSTINIANO DA

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Direito de Autor e Sociedade da Informação

Direito de Autor e Sociedade da Informação Direito de Autor e Sociedade da Informação 1. Vivemos imersos há alguns anos, e de um modo crescentemente acentuado, na assim chamada sociedade da informação. Ao certo o rótulo não tem conteúdo definido,

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS Alan do Nascimento RIBEIRO, Faculdade de Políticas Públicas Tancredo Neves Universidade do Estado de Minas Gerais Maria Amarante Pastor BARACHO,

Leia mais

A comunicação e o marketing. como ferramentas estratégicas de gestão social

A comunicação e o marketing. como ferramentas estratégicas de gestão social A comunicação e o marketing como ferramentas estratégicas de gestão social Ricardo Voltolini* Transformar causas em marcas fortes que tenham longevidade, personalidade, consistência e sejam uma referência

Leia mais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a partir da análise de textos oficiais Maria Cecília do Nascimento Bevilaqua (UERJ) Apresentação Quem não se lembra da ênfase dada

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Área Temática: Direitos Humanos. e-mail: pamfera@unicamp.br

Área Temática: Direitos Humanos. e-mail: pamfera@unicamp.br Título: AÇÕES INTEGRADAS ENTRE A UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP, O INSTITUTO DE PESQUISAS ESPECIAIS PARA A SOCIEDADE IPES E A PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS: FORMAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS

Leia mais

Page 1 of 6. Capítulo III Educação e Sustentabilidade MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA. Pedro Jacobi\USP 1

Page 1 of 6. Capítulo III Educação e Sustentabilidade MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA. Pedro Jacobi\USP 1 Page 1 of 6 Capítulo III Educação e Sustentabilidade Para ler o PDF instale o programa leitor, clique aqui. Versão para Impressão em PDF, clique aqui. MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: RETROSPECTIVA HISTÓRICA E POLÍTICA ATUAL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: RETROSPECTIVA HISTÓRICA E POLÍTICA ATUAL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: RETROSPECTIVA HISTÓRICA E POLÍTICA ATUAL Resumo FREITAS, Maria Aparecida de Oliveira UNIFESP maofreitas@unifesp.br CUNHA, Isabel Cristina Kowal Olm UNIFESP isabelcristina@unifesp.br

Leia mais

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática Por Prof. Manoel Ricardo Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo do conhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

MODALIDADES ALTERNATIVAS DE CENSOS DEMOGRÁFICOS: DISTRIBUIÇÃO DAS AGÊNCIAS

MODALIDADES ALTERNATIVAS DE CENSOS DEMOGRÁFICOS: DISTRIBUIÇÃO DAS AGÊNCIAS Estudos de Modalidades Alternativas de Censos Demográficos- EMACD MODALIDADES ALTERNATIVAS DE CENSOS DEMOGRÁFICOS: DISTRIBUIÇÃO DAS AGÊNCIAS 1 a. Versão RIO DE JANEIRO Junho de 2005 2 APRESENTAÇÃO Este

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Gestão Ambiental Compartilhada

Gestão Ambiental Compartilhada Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Departamento de Articulação Institucional Gestão Ambiental Compartilhada Discussão: Licenciamento Ambiental de empreendimentos e atividades com características

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) Currículo:

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES Eliana Rela 1 Karla Marques da Rocha 2 Marceli Behm Goulart 3 Marie Jane Soares Carvalho 4 RESUMO: É inadiável tentar

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria.

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Edson José Duarte 1 Universidade Federal de Goiás/Campos catalão Email: edsonduartte@hotmail.com

Leia mais

Fernando Novais: Braudel e a " missão francesa"

Fernando Novais: Braudel e a  missão francesa Fernando Novais: Braudel e a " missão francesa" Estudos Avançados Qual a contribuição dos historiadores franceses e dos cientistas da França para a evolução da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras

Leia mais

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii SUMÁRIO Introdução XV 1. Construção do Campo do Trabalho no Pensamento Ocidental como Condição para a Emergência da Psicologia do Trabalho

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise e

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura INTRODUÇÃO A Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro (SEC) está coordenando a elaboração do Plano Estadual de Cultura, a partir do diálogo

Leia mais

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2060 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 Agosto de 2013 1 Presidenta da República

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

RESUMOS SIMPLES... 902 RESUMOS DE PROJETOS... 904 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 906 ARTIGOS COMPLETOS... 908

RESUMOS SIMPLES... 902 RESUMOS DE PROJETOS... 904 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 906 ARTIGOS COMPLETOS... 908 901 RESUMOS SIMPLES... 902 RESUMOS DE PROJETOS... 904 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 906 ARTIGOS COMPLETOS... 908 902 RESUMOS SIMPLES CONSUMPTISMO: O CONSUMO E O CONSUMIDOR... 903 903 Pesquisa (ENAPI ) Poster

Leia mais

GESTÃO DE IMAGEM CORPORATIVA

GESTÃO DE IMAGEM CORPORATIVA GESTÃO DE IMAGEM CORPORATIVA G ESTÃO DE I MAG A reputação de uma empresa pode corresponder a cerca de 40% de seu valor de mercado negócio. Pesquisas de universidades norte-americanas revelaram que o nível

Leia mais

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA)

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) 1 PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) O presente trabalho trata de uma discussão sobre os aspectos pedagógicos dos programas

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS

Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS ALÍCIA FERNANDINO RODRIGUES aliciarodrigues@terra.com.br Título: Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS GRUPO 1 : Planos Diretores e Sustentabilidade urbano-ambiental Planejamento Urbano

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos

Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Comissão Européia Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos Versão preliminar

Leia mais

PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade

PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade Proponente: Leandro José Luz Riodades de Mendonça (PPED/UFRJ - Pós- Graduação em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA)

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Aldenice Alves Bezerra 1 Resumo Este trabalho é resultado de uma pesquisa exploratória onde foi utilizado como procedimento para coleta de dados um levantamento

Leia mais

Limnologia Brasileira e sua necessidade de inserção social

Limnologia Brasileira e sua necessidade de inserção social Boletim ABLimno 41(1), 19-23, 2015 Limnologia Brasileira e sua necessidade de inserção social Francisco de Assis Esteves Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Núcleo em Ecologia e Desenvolvimento

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Política externa e democracia no Brasil. Reseña. Dawisson Belém Lopes São Paulo, Editora UNESP, 213

Política externa e democracia no Brasil. Reseña. Dawisson Belém Lopes São Paulo, Editora UNESP, 213 Reseña Política externa e democracia no Brasil Dawisson Belém Lopes São Paulo, Editora UNESP, 213 A defesa das instituições democráticas entra definitivamente na agenda internacional da América Latina

Leia mais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais Bárbara Duarte de Arruda Universidade Federal Fluminense barbara.dda@gmail.com A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

GANHAR AS ELEIÇÕES. GOVERNAR PORTUGAL. REVITALIZAR A DEMOCRACIA.

GANHAR AS ELEIÇÕES. GOVERNAR PORTUGAL. REVITALIZAR A DEMOCRACIA. GANHAR AS ELEIÇÕES. GOVERNAR PORTUGAL. REVITALIZAR A DEMOCRACIA. 1. AFIRMAR UMA ALTERNATIVA DE GOVERNO O Partido Socialista tem de ganhar as próximas eleições legislativas com condições políticas, sociais

Leia mais

MESA-REDONDA DE SANTIAGO DO CHILE ICOM, 1972. I. Princípios de Base do Museu Integral

MESA-REDONDA DE SANTIAGO DO CHILE ICOM, 1972. I. Princípios de Base do Museu Integral MESA-REDONDA DE SANTIAGO DO CHILE ICOM, 1972 I. Princípios de Base do Museu Integral Os membros da Mesa-Redonda sobre o papel dos museus na América Latina de hoje, analisando as apresentações dos animadores

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS 1. INTRODUÇÃO O Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos pretende contratar instituição de pesquisa com a finalidade de produção de análises estatísticas e econômicas

Leia mais

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 DEUS, Josiani Camargo & 1 AMARAL, Anelize Queiroz 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste RESUMO Nos

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Fórum ONG/AIDS RS COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Paulo Giacomini Porto Alegre, 30 de Outubro de 2014. Comunicação 1. Ação de comunicar, de tornar comum (à comunidade) uma informação (fato, dado, notícia); 2. Meio

Leia mais

Aguascalientes, 4 de julho de 2005

Aguascalientes, 4 de julho de 2005 Aguascalientes, 4 de julho de 2005 Prezado Senhor Paul Cheung Diretor da Divisão de Estatística das Nações Unidas Prezado Senhor Gilberto Calvillo Vives Presidente do Instituto Nacional de Estatística,

Leia mais

A história do Balanço Social

A história do Balanço Social C A P Í T U L O 1 A história do Balanço Social D esde o início do século XX registram-se manifestações a favor de ações sociais por parte de empresas. Contudo, foi somente a partir da década de 1960, nos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA

Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA ROSÉLIA PINHEIRO DE MAGALHÃES 1 E SIMONE CAZARIN DE MENEZES 2 A educação tem grande capacidade de influência no

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02 Curso de Bacharelado em administração COMÉRCIO EXTERIOR t COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: DISCENTES: Desempenho

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Texto para discussão. A Reforma Sindical e Trabalhista: as conclusões do FNT e as implicações para as MPE.

Texto para discussão. A Reforma Sindical e Trabalhista: as conclusões do FNT e as implicações para as MPE. Convênio: Fundação Economia de Campinas - FECAMP e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE Termo de Referência: Reforma Trabalhista e Políticas Públicas para Micro e Pequenas Empresas Texto

Leia mais

A Nova Velha Praça do Ferreira: signo da requalificação do Centro de Fortaleza.

A Nova Velha Praça do Ferreira: signo da requalificação do Centro de Fortaleza. A Nova Velha Praça do Ferreira: signo da requalificação do Centro de Fortaleza. Ricardo Alexandre Paiva FAUUSP-DAUUFC paiva_ricardo@yahoo.com.br O objeto de estudo do presente trabalho é uma análise do

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA E O ENSINO DE FÍSICA NOS CURSOS TÉCNICOS

ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA E O ENSINO DE FÍSICA NOS CURSOS TÉCNICOS ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA E O ENSINO DE FÍSICA NOS CURSOS TÉCNICOS Marlene Santos Socorro Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica PPGECT Universidade Federal de Santa Catarina UFSC

Leia mais

Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1

Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1 Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1 Termo até então desconhecido, Comunicação Pública agora é nome de curso de pós-graduação, título de livros, de artigos e pesquisas. Nós, na Secretaria

Leia mais

Comunicação e informação: desafios para a participação social no SUS

Comunicação e informação: desafios para a participação social no SUS Comunicação e informação: desafios para a participação social no SUS Valdir de Castro Oliveira PPGICS/FIOCRUZ Rio de janeiro, 29 de setembro de 2015 O Sistema Único de Saúde pressupõe - Inclusão e participação

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

A UNIMONTES E A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR EM MONTES CLAROS

A UNIMONTES E A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR EM MONTES CLAROS A UNIMONTES E A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR EM MONTES CLAROS ROMANA DE FÁTIMA CORDEIRO LEITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS-UNIMONTES romanafl@hotmail.com Introdução As transformações oriundas

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO Luciana Sardenha Galzerano FE/Unicamp Agência Financiadora: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Fapesp Resumo Este trabalho objetiva

Leia mais

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública 1 O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública Resumo Carla Fabiana Graetz Orientador Prof. Dr. Eduardo Pinto e Silva Mestrado Linha de Pesquisa:

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias

Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias IPEA: Governança Democrática no Brasil Contemporâneo: Estado e Sociedade na Construção de Políticas

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015

FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015 FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015 ÁREA: PRESERVAÇÃO AUDIOVISUAL Os representantes de preservação audiovisual, presentes ao Fórum do Audiovisual Paranaense, reconhecendo

Leia mais

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais