&' ( ')* + !,)-!,. *#)*!( 3,$#4 /! !!! "# $% &' ( ') * "#!+ * "#*,$,,- "#./$ 0 "#"$%1$2 " "#34,(, "0 "#$%$%( 3 "#+ $ 30 "#0+((

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "&' ( ')* + !,)-!,. *#)*!( 3,$#4 /! !!! "# $% &' ( ') * "#!+ * "#*,$,,- "#./$ 0 "#"$%1$2 " "#34,(, "0 "#$%$%( 3 "#+ $ 30 "#0+(("

Transcrição

1 ! "#$# 1

2 % &' ( ')* +!,)-!,. *#)*!( /,$0)-!1 (,2)-!!! 3,$#4 /! "# $% &' ( ') * "#!+ * "#*,$,,- "#./$ 0 "#"$%1$2 " "#34,(, "0 "#$%$%( 3 "#+ $ 30 "#0+(( 2

3 "2 5 $5(') 5 (5$'(') (+$') 6.$') 78 6$7$% 55 55$ 6)$( $ 95: 8 59:$ 8 $ &$6$7$% 6..;;<$% &$')+< ;,,$,( <:" &$')6)$=8$>?. 5: ;') $5 A4 5,$,(( $. A4$') "$ 6- B-A$6 6$,$,(; 6$&$') = C+9;&$ >. &$ ') (=7$? 7 D 3

4 Prefácio Antes do leitor se embrenhar no Plano de Desenvolvimento Estratégico (PDE) do INSA vale a pena recordarmos as circunstâncias recentes em que o Instituto foi repensado e a visão que agora nos propomos no âmbito da missão atribuída. Assim se contextualizará melhor a nova fase da Instituição. Na sequência do PRACE (Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado) foi publicada uma nova Lei Orgânica do Ministério da Saúde através do Decreto-Lei nº 212/2006 de 27 de Outubro. Aqui se definiu o INSA como um Instituto Público, laboratório do Estado da Saúde, e se explicitaram a sua missão e atribuições, essencialmente em torno da ideia do seu contributo para ganhos em saúde pública. Mais tarde, o Decreto-Lei nº 271/2007 de 26 de Julho e a Portaria nº 812/2007 de 27 de Julho vieram dar corpo às orientações iniciais. O INSA viu também as suas atribuições reforçadas com a inclusão do ex-instituto de Genética Médica Doutor Jacinto Magalhães. É sobre a forma de concretizar estes mandatos que o PDE se debruça. Todo o Plano decorre de uma visão para o INSA: realizar-se como instituição de excelência ao serviço da saúde pública, constituindo um braço armado do sistema de saúde na luta contra os principais riscos para a saúde da população, apoiando-se em ciência sólida e nas melhores práticas, em todas as sua funções essenciais. O Plano espelha ainda um conjunto de valores que norteiam o novo INSA. Entre eles, o primado do interesse colectivo, o rigor científico, a gestão orientada para resultados, a partilha de conhecimentos e esforços, a preocupação em prestar contas públicas sobre o trabalho realizado. O PDE resultou de uma longa reflexão através de ampla consulta interna seguida de uma vasta audição pública. Assim se definiram os nove objectivos estratégicos e as respectivas linhas de actuação para o período Gostaríamos de deixar expresso um sentido agradecimento a todos os profissionais da Instituição e aos que do exterior tanto se empenharam para tornar este o melhor Plano possível. Com todos se conta também para as etapas seguintes. 4

5 O maior desafio estará por certo na implementação do Plano. Haverá que definir indicadores institucionais adequados, metas e cronogramas para que a acção seja bem planeada, acompanhada e avaliada nos seus resultados. A isto tudo se propõe a equipa do INSA. O PDE apresenta-se-nos como um projecto inteiramente exequível. Mas, será de todo o interesse que permaneça vivo e flexível, ajustando-se ao ambiente e aos reptos dos próximos anos. Disso cuidarão por certo os Conselhos Directivo e Científico e os restantes órgãos do INSA. É com o maior entusiasmo e dedicação que todos na Instituição deitamos mãos à obra, certos da relevância da nossa missão. José Pereira Miguel Presidente do INSA 5

6 ')* $#4 / $% &' ( ')!/+ */,$,,- /./$ "/$%1$2 3/4,(, /$%$%( /+ $ 0/+(( 8,( ($ $ ( ( # / $% &' ( ')! " # # $ %" " " " $& # " '( ',/( 6

7 !/+ % % ) * & +! +, - %$ (. ( /0 1- ". ' %& "& 1!. ',/1 */,$,,- $ &, + $ %. 2, 2 % 3 1 (! &).+ $ %) * 4 # & 5, 6317 & ) 5 31, '( 7

8 8 '( 9 : 1" ( 1 " & ;<=!=> : ) 3 1 ',(! /./$? (, & $.2 - " ( + 9 )4 % 1.. "! :+ - ',(? 8

9 "/$%1$2.! ) +., % ( & 1 1 (, % 9 ',3( 3/4,(, $ & (, ),, 4,. ) ' 2 1, 4 1, ) & % 4 1& < #' 4 ',3? 9

10 /$%$%( ) ( ) ), ( & ( % ( ) ( '! ( %, ( ' : " " ',+( /+ $. - % + +., 4. 8 % + "A ' 9 ) B( ) ', + B 9 ' % ',+? 10

11 0/+(( ( 2 +2 "? % & ). ' 8 1 %; > "+. ',1( 11

12 !,)- ( 5$ ( 0!0 ( +<# A&',;')( 9$ ') ( ( 1,$ ( $% ( (, $ $ $ #.; ; < (, $ (( ( $(,;$((, E$# A &' ; (,$,, (,

13 6$,$,(;=6?(($ ( % $ $ )$# A 6$6$&$')# A 6 ( ( (,$,( (, $ 2( ( &' 9(,$,,# H,$ ( ($% ( % ( $ # ((# A6$,$,(;E$ )$ $$=;')?# &' E,; -$(# 6$,$,(;# A 6$,$,( ; 1, E, ( $((-,2# 13

14 ,. -#)* $BA> 4 $&', -,$,(2 9 %( ( ( > ($%, (( ( $ $ ), % ( ) ($ (, ( (, A&' $ $ 9, $ )# ($?6E, $--$ $., (I? $4,,,$,( ((($% 1 Decreto-Lei 271/2007, de 26 de Julho 2 Para efeitos operacionais, estas atribuições são apresentadas ao longo deste Plano como funções essenciais do INSA, a saber: investigação e desenvolvimento, laboratório de referência, observatório de saúde, prestação de serviços de saúde diferenciados, formação e divulgação da cultura científica. 14

15 %( ( ( (,($%( I? 6 $( -, J ( 4 $ ; ( (,# ($$9 )? ;/(, $, (( $ ) $% $ $ ( $ ( ( ;')I?6 ($4;$4I? 4,$ 2 $ >( (9I?,$,,($( $((;9I? 5$,$ $ ( $ )$,2(,)# ( (91, ;?69 (,$-$I? 6$ 2 ( $ $ I? $4 ($;# (,$)? 5$ ( /.$ ') $4,,$> ($(-,(-,I 15

16 ? $4,( ) $ (,, ( I?,$,,$(,()I?,$ $, %( )# ($-? 5, ; 1 $4 ( $ / I? ;(- (,I? E$ 2,J (-;I?,$$,-$,$I? +$4,$ $ (( E $ ( ( E,(I?$')# 6, ( )$, 1 I?+$4,$%E(( $$# 16

17 /,$0)- A, $ (, 4, ( $ ( K '&' L?A5$%,I?A5$%AI?A5$%5-I? D ( %(I?A8$MI? 5(61I? 5(H# 9 1/ ((($(,(# 9$! 1,$ 4$,1 ( - # 9 9! 1,$ $ ( %(,,-,$,($&' # C! 2,$ >( $$%,&' # : D!(( <# 17

18 9".! $$ $, ( ( 4 (4$%( $# 9?! ( ( ( 9 /B #N A&' 14(L? 5 ') 6)$.$, 8 5.; ; < $%# A ( 4( $4,,,$,( ( 9 9 ) $,$> ' (&' L? ( $(&I? (I? ( ($I? (.;I? (6(')5I? (') ($ 1!,$,,1 $(# 18

19 1 ( ( 5 P 8 5(# 1!,$,, 1 ($$-,(,)# 1 #(!,$,,1;%( ;(;# 1 " 1 9!,$,,1 ( $ ( $ ( ( 1 $# 1!,$,, 1 $>()4 2 ( 1 (()# A &' (, Q 5 ') 6)$.$, 8 5.; ; < $% ( ( $ ( E-4 $(,&' 94 ($(# 19

20 6$4,(( 1 #8E!( ($, ( ( ( 2, 2 $, 9# 1 # 8:! ( ( $, # 1 ($, (, $$ $ (# 20

21 ENQUADRAMENTO Nova Organização do INSA 9!/A( %!" # $%&' ( $)* +, -"-.,-+/! "#! $ 0$ &) 12 #' $, *3 +/ #4 +/" %&' $( %) %. %. #%. 2/5 $* % " $63 7 5" 53 $)', $!" 6 ' 7 & % 73 '&18 $ JMR

22 (,2)- (!GG(1$(&' ( E,L '(4 2 9 $ -,$ $ $ 4 (( # 8(( 1, $(1$'RA: * (E, ;(# (,! )-2 & :#C(+$&'!GG"/!GG DL >)-3G+ >)-+G1 > D > D!/6, /:#5A A6, : 3,(,3?(,/1,((?!,3,+?!(1 3,(1,(!/!?1,(+ (3 5: 3/5P5 @ 3!/8(',2 3/5(6$ @G 33/ (42 A5 :5?,(!,!(// /,(+/,???( (,(,?+!(( 3,111,!(?(!? +,?13 + E $B /,(,3?/,1/3,(1(?/,+1,+(33+ /,/?,!? /,3,3((,1??,+??1 3 1$'R (?; ( ( (, ; ( 4 (,$,# ( ((1$(I1$(2# 22

23 :#/C(+$.!GG"/!GG DL >)-3G+ >)-+G1 > D > @" /:#5A A6, : +,++/,!(?( 3,/1,(( 3,+/1,+3+!,(3,??!( (,(!+ 1+ 5: 3/5P5 3!/8(',2 @ 3*/: A5 @ :5 3,/,!/3/ 3,!(/,1??1 3,?//,1(!+(,(+ /! 1?,?!3/ E $B 3+3,!?13 /,/1 (+!,3?(( H. 6 6 &' S "*" # $ 2(&' (!GG# :#( +7( $ $5$ I. 5$ ; :;' ') G0 G G 67$$9$ " :;'!!!0,! "! ( G :;/: 9 ** **!3 :;6$F:; G G 5% 3 (,F 2$F',#.FA 1 * 0G " A=6',?!0! * : /3 23

24 &-,$$ $((%$ (!GG,("GT%(# 9 +7( -,$$ 37; 7% 49; 9% 27; 5% 208; 38% 73; 14% 271; 50% 21; 4% 37; 7% 41; 8% 42; 8% 4 anos de escolaridade 6 anos de escolaridade 9 anos de escolaridade 11 anos de escolaridade 12 anos de escolaridade Bacharelato Licenciatura Doutoramento Mestrado %,(()((=? ($$L :#3C+7( -,$$Q!GG3F!GG %>" 5$",J57$8 7. $ >KL$ 1 +G1 ;!N!33!* /!0 U%$!! / B!!G /*! ( G!! : 3+ 3/3 1 24

25 : $( & >(,$,( $ &' (, (4 1 $ ( ( $ ( $% 1 ( $ BB+9# ( $ $ $$6O $# A E VB +9 ' $( =B $6(A $+$BP$ ((5(B- $+$ $ (6$(4( =76B5/56/'? (# ( ; ( 2$ $,$,( ( $%, -(# $% (( ($$,$, $(F)F,; ;$(-(2((,# $ (1&' $( ( ($ & :2$# :&)- A 2(( ( $2 4 %, ( ( ($(1 25

26 ( $%# ( ( ( $ ( $ E, $4 ( :$ '( ( $ $ / 2 $%,$ 1# ( $ E, ( P 8 1 :5, $ =/ (?4$=,:5?((6$!GG0F!G (&' (% P 4# & ( 6$ '( E 1,( ( ( (( (,9 $4 E,$, ( ( (, # & ( ( $% O:$'(( 2( # 26

27 (, & 1 - / (,1 -, ( 4,9, $, $ $ $ $, $ $ -#,,$, E( ((,$,((,9-$( $ (-# 1$ (1 27

28 9/C+$ 1,:;/5-11% 9% 39% 15% 26% DI DCDG S.AO SAN OPIO 6, A &', ( ( 1$ $- (,$ 2 $ F ( 2#, ( ( ( (**T$(# )$( @(L Top5 Clientes do INSA em 2007 Top 5 Clientes 2007 INSA INSA

29 6( ( A &' ( %, $% E /6(&$,$2C$B$I /6(&$6,+9 (=6&6+?I /P$> ($P7F' I /6(&$6$($=6&6?I / 6( &$ $( '( 6, +;$ 5;=6&'6+5?I /6(&$6, =6&6?# /6(&$5$7($ # /+&$6($ /6(P$> ($B1I /6(P$> ($I /6(&$6$($=6&6?I / 6( &$ P$> 5$- B$. =6&P5B.?I / 6( &$, ( ') +$($P# 5 $ - $ $ $; ( ( > ; ( $ (,($,( -$# ( )( ( &' ( (,4($# 29

30 :#+C5 5-:$,J5B)*MBN,J5B)*BO#'&!3!/( $ 7 "$!+!?? + 3!/ F0G HIG JIG FKG LG FMG X+ $ $ XX6- D 8(,$ & (- ;, =$%( 1, ( ;( $ 9 ; /,;&'?# :#1C68(, )-,J D,J D,J D 5 "3 3 *" " P "0 3 *!G "!!! '!!* 3! G 3G *! "3 > * 3 $ 0 *!! : /3!!+?1 /1! (!GG ( ( ( (, " $ + $ ( $ (&' $%(#, / '( 2 &' *0 30

31 3,$#4 / $% &' ( ')!/+ */,$,,- /./$ "/$%1$2 3/4,(, /$%$%( /+ $ 0/+(( A &' / ( 4, (,-, ( ( ( -,$ ) (( ) )$# 4 (;(, -,$ ( $ ( #,$,; 4 E, E(/ ( 4 ( ( 2 ( ; >(# 'E E, ( Q ( $,( 2 # 31

32 A E, ; ( (/ ( E, (#'( -, ( ( $(# + / ( 6$,$,( ; (% E, Q ( 4$&' # ( $% ( 4,$4 ; (2&' # A &' $( $ $4 +$ 5$%!F!GG3# 6/ ( $( /4(( $/$I /$( ((( 2 $, )$I / 5 (,($ ( $ 2 ( $,1,$I /5((,( (,,E, $=2L?# 32

33 INICIATIVAS PROPOSTAS PARA IMPLEMENTAÇÂO DO NOVO MODELO GESTÂO Objectivos Iniciativas Chave Estabilização da Visão Estratégica, Missão e Objectivos Definição do novo Modelo Operacional Nova Organização e Iniciativas de transformação Programa de Comunicação e Gestão da Mudança Plano de Desenvolvimento Estratégico Regulamentos Internos de funcionamento Planos de Acção por Departamento, Centros, Gabinetes e Serviços Lançamento do Museu da Saúde Definição do Novo Modelo de Negócio Redifinição do Processo de Prestação de Serviços Plano Estratégico de Sistemas de Informação Programa de Eficiência e Controlo de Custos Programa de Investimentos e acesso ao QREN Gestão Orçamental e Controlo de Resultados Racionalização dos Meios Humanos Sistema de Objectivos e de Avaliação de Desempenho Programa de Formação Interna Programa de Melhoria de Instalações e Equipamentos Programa de Difusão Científica Plano de Comunicação Interna JMR D(, ( $(,(; 6(,( E,$,( 1 (,( ((4$, (1 1,# B7&'B' Q' :$:" 5H #!# *#G#"*!#!G# #*#!**!##3 3#,(/(,? 5H &!#3 "0#3 /,/3 & #"G#3* (,3!,1+/ = G#!0!3#G0! *#3"*#0"* (,1,/( 8 ##0!,!!,1? :5!"#03!##*,?!/,1( :$:",/!/,+/ /,(,(3/,/,(3 (,13?,/3,(1!,/!,1,??+!,!+,( /(,33,!? 33

34 3,! HB B R) /U 2(( )# / ( (( $% $-)# /&' ;E1($ ( $(,1 ( # /A (,$, 6$(($# /6V,9 $-Y# 9 (() )$# /A$% ( $( ( )(( (1 ;# / ( ( ;-,$ $F;# A ( /&,$$$ $ /&' (( ;$ &',9 $-# /6 ((( ((&' # $,# /6 $&' (B # (,9 # /6 $-(( $%( (((9# /$,)( $,-,$$ $()( $- 34

35 R$)*)*' $%&' ( ; ') ; (,( %&' # ; ') $ 5( ( A!GG,$, $( 1 ) )$ ( &' ( ( 9# A E, - 9( $4 $ /( $- ) ( ( $&' (( $( ( $(# $%&' (6$&$') A $ ( ($# A,9 () )$ &' ( ( E, $--$ $., (#A&' 1 (,$ (-,, ( )# (,$,( $- ( (,9 ((,,() )$#.( ( A &',,$, $ ( ( 35

36 ($,) )$ (, 1= 2( (# & >( ( (,$, &' ; ( 1, $ (-,# 1 ( $ ( ( (9 #$(&' (($ $ ( ( $) )$ &67# 6(,$(,(;') $,-,$( $( ) )$#& $ E( $( $( %( ) $((# 36

37 3, &)&)* R) /$, $ E# /((, # / 4,( (# / +4 ( ( $%,$, $ 4$# A ( / 6$&$ '), $4 $ &' 4 # /6$&$ ( / &)(, (, $, )$ ')# / +( $ # / 6$,$ 6# 37

38 R$)*)*' $$$ $,( (,$> ($ $ ($ = 2( $L %1 9(;# ( ( (, 9#,$,(,$> ($ (4 ) ( (,$> ($= $% 1$ -, $, ) ( $ ( 6$#(1 -,$(%( ) $ (,$> (- #'1( (;(&' $ (,2)# - 1$ 1$ (; 38

39 ( #& $%,1 ( ($# ($% (9 A &' (,$, (, $% ( $ $ $ (( ( $ ( ($ ( ( (1 ($% (( % 6$ ( >( $( 1 (((-, -# A &', 4 ( ; - ( ) -, 9 ) $ $ $(1 (( -, 9 $ ( 1, (( ($ ) $ $# 6(,,$,(( 9() )$ ( ; ( ( $%(&' (,( 9 ) )$#A&' 4(%(, )#, ( ( 2( 39

40 >(((?F2 1 = 2( ( 9 1 ( $( ; ((,$,(# $-, /$, 1 $ -, (,$ %(, - &' #& >( (;(( $(')#, / )$/$,L ( (,$1,,$( -#,$ $$ 1 (, $=$V 6 4 E, &' $41 $(, E1 (V&' =E,"#0?# 6 &' (,1 (;(,, ( # & ') /, $,$- # 40

41 3,/ )-S& R) /$, -# / $, )( (;(# / 5 $( ( $( 1(,( )= /5$% ()?# ( % $( $- 1,()# / 5$ $ (,# / 29 ( (1 $( (,# / 8( (,# / 1 $4,$ $ E $ $ ( $# A ( / $, ( (2 9# / $ ( /5( $ 9 ( 1, /5( $2(,()# ; 41

42 R$)*)*' +$$,;'), (') ; '),1 ( ($4(2E,# C, J Q 1, (, $- $ (1?()# C $()((4Q(6&' $ $( @ ( $ $())($I $( 1$($() (,$1,= C $,$, Q / - =$2 =( $ $ / 9 # C ($4 ( Q $ 2 (, 4 -,$ $ ( ( ($((# C E, Q 2 4 -,# 42

43 58(&$,(') 6(, $ &' $4 (# 5 ( ( J, ( ) 2 9 )$ ($%((,(');') E,L /1 (I / 5 E (( $(F$ %( -() )$I /.$,I / 6(, $ ( - BA6'I / 5( ( $ $ $,> (,()#,$,,() A,$,(,() ( $% ( 6$&$')/,9 ( ( $- ; )#:$ 1 %() /%,,$,( ( $( $- ) ( 6$# ( $ ; -,$ %,,9 ($%,#6$1 &' 1 J ( 4 ( 43

44 %(, 1 ((4 ( ( () )$ (4 $2() (#, $- ; 6$ &$ '), ( (, ((,$-#(;( $,$,, $- $() (,$1, $ #, (, ) (, $4 $ #,$ $- ) (, $,1/ $( L $(,$1, = $ $(;# ( &' $4 (,, 7$% Q '),# 1 ( $ #&(-, $4 $ &' (1 ( ( 9 (# &' ( $4 ( (, 1 %(# B$ ( ( $4 ( (, (; $( $ ( ( 1 $-( (,((, ((2#A 44

45 &', ( ( ( 1%() A &',1 ( $, - $ # 6(,9$<=!= 9 $ ( >( %( $ F &' ( (# &' ( (59:$ (, ; ($,$,( ( (,(((,(($%,$)# (6 /$% ; -,$,(,()()# 8(((,J 5( E, (, &' ( $, ( ( ( ( J#,; 4 $1 ( ( $,$,,$$,()# 45

46 51J(( -(,1 # 6$; ( $1 $ $% ( 2 E -,$ $,$# ( 1 9( %# '$/ ( > $ ( (, ( $( ') 5$ = +P =6- =8$>? (;( ( $% 2 9# :(;(D A4$'),$ # J ( ( > 2 ( 4 ; B 5 8 # A ( ( $ $1 (,$(,, ( )# $;( &', / ( $ #N 6( C (1(1E(# -,$ (;( / (, '8 4;# 46

47 -,$ C+& Q,; A $ 8 5(, Q (,,,( ($ $ -($V( (Y# +,J 6/, 4 ( %( $, $ (4 ( ( $, E J 2# A &' ( ( $,, ( $ ( / ( ) )$# 1F$ $;( ( 2$9,( $%%(((- )$( //$% $ ( $% ( $ # A&' ((2 $5(8(,(5')# (,(,(( ( E,1)# &' 1 ;( + $11 ( %(4$($1# A (4J;(;(( $, #A( %( (4# 47

48 & 9 5( ( ( 59 ( 85: (, $4 ( E, (, $ ( - $ $,; $%(# A &',1 $ 2 48

49 3,( 6 #& R) / 6$ ; - / 29 ( ( 2# / 6, 2 $# # / U2 ($ # A ( /5$/ (# /,1 (= )$,?# / 1 ( /, (,# /6, $(&' (,$ 49

50 R$)*)*' 6(,; (, 2 &', -($-# $ (,,, ( (, 1 ( (,# :$, ( ($> ( 2 $ 1 $ $ (,, (, 9,, ( (,$, # 5,,E(($%((&', $ ( $( =, )$,?# (,,11 A &',1 ((4 9 A( $ ( 1, (,( $(($%1( ((# 50

51 6 / ( ( 5'' 5:' 2 ( $, )$ 5/6(,1 ($,,, %,-,$#!" #!$%!!" 2,5%! " # $% & 13,2% 6 / ( $ ( 2 (, >( ( 1 ( $ $-, ( %1 ( ; $( ( (, )$# #!$%! 51

52 INICIATIVA 5 Definição do Novo modelo de Negócio Objectivos Alavancas Programas de Investigação Co-financiamento de longo prazo de projectos de investigação Diversificação dos financiadores Framework para aprovação de projectos Gestão de Carteira de projectos com actividades partilhadas Agenda de investigação Novo Modelo de Negócio Inputs-outputs Contrato Programa do Estado Contrato plurianual com o Estado OE financia capacidade e não projecto Pagamento por outputs QUANTIFICAR funções essenciais para cada Departamento Quantificação Produção / capacidade associada Diversificar fontes de prestação de serviços Definir Tabelas de novos preços e sua revisão Prestação de Serviços Crescer na áreas indirectas (Certificação) Autonomizar a gestão de actividades comerciais Inovação nos serviços Entrar em Parcerias com Hospitais para gestão de outsourcing JMR ( > 2( (,1 ( &' 1 # (,4; $ ( ( $ $-,,$,# 52

53 dd dd &' /6$,$,(;/G!GGP8$# &#'()'* +), &'-&'*./+)'0, (1'* +), /+&/'&, (&')/2/&'& ')(* ,,,, -.* //// 0000 //// ,,,, 176 ')(, /,91; * :::: < = '9(* > > > >???? 8888 **** 0000 //// '9(, / :::: 8888 **** ACB I F] D^EFG EG _ EB`HI9FB Ba9] JFbFGc_ KLG B ^ dd MM NO9M NV O PT NQ Re Of SR MM NP Ne Te Oe NO Ue Te SQ SegHMU HV9SM SU ')(* hcfecj > > > >???? B8 888 ^LHiF] *XW-, b c^ Y Y Y Y.-Z-[ EG ^D 2)\ l B FKLG _ ` B dd R NV e e V e Ne e e SemV V V9SR hij _ n ] ^Lo ]qp)crs ^ ` B j G jc] cbddecrcj G c^ ]cd G E] FNkDD DD td b ] ^ EcJ G _ ` B y9*.2 zzzz 3){ :::: V}9{~ f NQ e ~9 3){} O Se 3333Mf 49{39: NQ U49 g ƒ V9SegHP 49 3 T u in )o ] ^ ] ^ vk ] ]LhCj _ n ^ EFG ] ^Lo o B]Xl S o BB FK G s EB FG _ `K ] B D EBqwqx DD NG DD NG W? ////.* //// CN ˆ)s K G D B ^ M NR R T NQ R f SO M NR U P NQ U R SU M Sf CN XG ')(, ////.2 D 88 Šc^ 88 *q> ] ^,q i, (+ **** //// \\\\ As ^ EB ^ j B K"l B FKLG _ ` B P P NP P T P O NP P T SM P Y Y Y Y {2 Y9{2 ACB l B FD D ^] sjklb ckl] ^ Ddd EB ^ ]a9] Fb c_ B ^ Œ E] FD B ^ Vf VT V9NV V9Nf QU eo SO Se Vf UT Pe Nf Ne R9M e e SV Se MOMSeSe (3(, 43* '+, 5 G D s E] D _ ` B ]Lhi^ ^ c^ EŽ D j cg u j D cj G Q Q NP f f T R NQ O f MV9SM '9* (iw2 ((,9-( Ls EFG ^qp9] ^ š ] ^ G ^ y9* dd.2 zzzz 3){ 5555 }9{~ ) 5 3){ e Se 3){ {} })ƒ e 3 Se }9 4 e Se td b ] o^cjecj G o G _]a9g ` B œ o ]qi9œ Šcj G OM O j D š ] F o ]a9g œ o ] Mf MM ž), ////???? z.2 > > > > *qÿ,,,, (2 [[[[ -*9Y 2222 zzzz ƒƒƒƒ ƒƒƒƒ49{ {ƒ 49 j D Ga)s š ] FcB F P Pf L ª «L 9 C L j D Gqp)cG J D ^ Ecj B] u9] FG š Ž s Ecj G V R V R «C ± ²³ ± «L «u9 j D cj B HI FB rc^ ^ cb D G Š M M µ µ µ µ L «± ± ± ± hco K cd c^ EFG Ecb G f f ± «C «± hs Œ cšcg F y9*.29z )ƒ R iƒ R /+&/'&, (&6 )7, 5 Ç 9¹ º), 2222 (.291{ '9(, //// *q>,q i, (+ **** //// '9* (»CY -> 2222 > > > >,½¼ 2222 ¾ ¾ ¾ ¾ **** (2.* (-2 zzzz N9I a )] GG Šc GG oo GG ÀiI FB a%i b ] F] cebb ^Lu c^ EG B EG c^ }} }} 5) }) ƒ = = = = 3i 5 = = = = Á N o ] ÂiJ s G]a)B ŠB V T V T = = = = ) } = = = = Á N o ] hcf ]a9g œ o s š G j cb D G Š W* Y Y Y Y ////???? 1 * //// Á N )c^ j B ^ hk N ] j s š N9 KL] FJ N 5 5 N D ^ s G G o B ÀACB D ^ s KLBqI9F] b c^ EB ~ ~ ~ ~ 5) ~ = = = = ) } = = = = Á N td b ] ^ EcJ G _ ` B]qp)] ^ ] D b B Šb ckn 2 2 y9* N AiB.2 zzdzz^w? s KLBX 9] ////.* //// Ãy)* G Šc.2 Gz9'9(* o B ÀAs ,,,, ^-.* EB ^Lu //// B EG c^ :::: 4) 5 5) } = = = = 3333 ) 3 = = = = y9*.29z )ƒ iƒ = = = = ƒ ƒ ƒ ƒ ) 3 = = = = Ä ÅÆÇÈÉÊËÌÍÆÎËÏÐÑ Ò 9 Ó Ô ÕÕÕÕÔ Õ Õ Õ Õ 53

54 3,3 $%1$2 R) / 9( / $( ( ( -,$ $# 2, / 2, (# $,( / 1 ( (, ((# (2# /5$( ( $ (#&2( $( ;# / / ( ( ( ; A ( / 8 / ( ( $( $(,#,$,# 54

55 R$)*)*' +, (( ( $ (D# (( $((4# 6 $;( ( > ( $ ( 4 ( ( ( >,4 (# 5,4 ( $% ( ( 2 2( $-$# + $ $, 1, A, ( 2- ( ( $((, # ( $ ( 2# $ (, 4(,; ( 2 %( ( 9,$, ( # +,($%( A($ $%( ( ( $ $ 1 $ (,4(((&' #A $E,; ( &' $( ( ( ( ',, 2,# ( (/$%/1 $( ( %( $%(1U$? 55

56 +( 9($ ;(1$(%(#A$$$ $% ( E,( ((4 9,L (1 $,$ 5$%,>&' # $ (# A $ ( ; ( $( ( $( $4 (, $ ( $ $( / 2-(-2#A $(( $($((41,# $ (, A$)$(,$$, # $4 $ (2(4,; # H ( &' 2, $ ($% (# $( 6 (E,$&' (4 2# 56

57 ,$,$$ A&',,$,(&')6)$ (,; $ &$ 6$ 7$%= ;$,($%, 1 $ ( ')6)$# A $ A' ( ((( (A'( %, (, (($ ( A'# A $ E, $; ; 4 1L ( $( E, (1A'($% $ -# A &', (;( $/ ( (L.$ 7$% 5( =.' < +% 8'Z Z,( Z#,$, ;(4 &(( ( &' ( $# H $ $( ( 4 (( (4 ( ( 9 E, ( (( ()-,$2 9 %(# A &' $ E1 ( )( $ $ ( % ( ; A $( ;;($# ( -( 57

58 ;/$#A$$(,( $( ( $- ( $ ( ) Q, ; Q ( (, $4 $,$4 $-# H($$ (;,$ E E, $ ( ( (,(( (,$-# 5 ( A &', $ $% ( ( $( ($()# 58

59 3,+ 4,(, R) / & ($% / 8$ ( (, ( $ // Q (# / + %( ( $ ( ( %, (((#,$,# / 6-,$ $ 9 ( -,$$# / $ ; $ (,1, # A ( /$%$( / ( - (#,$,( / 51,$ 2 9 -,$ $4 (4 -,$ $,E( -,$ $ $# $# 59

60 R$)*)*',$( $ -,; $( -, > $ = $( (#( ( $ # '(4 ( $,(, ( (, 9( $ &' = ## $1%($( 1$1# D( $$$ $(( E,;Q/$ Q; 6 6 ', $ % (, ( $(,($# INICIATIVA 6: REDIFINIÇÃO DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Processo de Prestação de Serviços!" " #$ %!& ' () *+ #&, -. $ / 0!" " $ % &!!! 1 (#2 '& )" "!& JMR

61 ( $(, / ( $4 $% (E1 A!GG(5 ') 6)$ #.$, ( ('. B' =<!GG0?, $( 2, $, E.,# $%(( -$ 2( V'( ( 5$4 5$Y Q 4 $ 5'' 1($%( $((( ((2$((# A E, 1 ( ( ( $$(,1 $ ( %"0/%123" 43"3 %"0/%123" /5$35%6$%" %"0/%123% %40/$7"7/4%,9#, $8 9 : -, ; -$6 3, : 6$- <$ $$6, $&8 9 : + $$4,$- $$" : $8 "- 6, ; $&8 9 : $-" $ : $< : '$"$$&,$,(,$( %4 * + - $$ $& "9 : & &)+ )+-$ 8,, -$ ", $ : %&,- ) ) & &.-8 ; : /)- & 6 ( (,$ ( % ( 1 1 ( ((($>( 61

62 ( ( E ( ( -, (;( E, $ I 29 (, ( 24I$(( $ $ $I ( ( ( (#,$( %(,( ( -#$(1((($-, $(;( 4# +$ ( $%# ( $'( ( %, $% ( <# ( $(( E, ($$%( ( E E, ( 1, $ ( (, > $ ( $(,$,# 2 E,; ( (,4 $4,$, $ &' $ ( ( ((# A E, 2,( ( $ (#,$, $4 6(, $( / ( ( 2 (( $4 -,$ ( ( 1, ( $ $4 2 (# ( ( ((4,$,# 62

63 ( $ ( 9 %( &' $4 $ E,# ( (6)$;((,(( $(&' #,$,( 9((^ &' (^(,( $$# A ( %( 2, ( ( (,$, 4#. & 9 $ ; '), ( 9 &' ( % &' # 2/.; ; < $% $1%9(($%%(, (, )$# '( $ E V $4Y E $= E(?$ E( # ( ( $( ( 63

64 3,1. )- 68 / 6 1, $ # A / -, $ -,$ $$# 68 / 9 ( $- $ (,( -+7# /6,=(( 9 (? $ ( ( -,$ 1 # ( /5(,-,$$$# 64

65 $)*)*' $%$%( E 1,$,( ( - %( ( $(, $$$$(# A &' ( ( $2-,$ 1 $, ( $ (, ( (;( $ ( $ E $%((&',(# 8(%( A &', ( $- ( ; $ ( %( L / (; ( (,$,( ( I /,$,1&' I / ( $ ( % $ ( /; $4,;6$8( # $- ( &' ( - -!GG/!G!, ((L / $ ( 4 Q % (,%(,# ( ( 9 ( $ 65

66 %( (&' ($%(=,? E, $- (6)$I /,Q (,( 91 ( ( %(,$ $ 1 ( ( # ' 2( $ ( 9 1 (1 $(1 ( ( ( ( ( ( 6)$# $- ( 1 ($ ( $ / (, $4, ( #& (, 1 E1,$ $4 ( 2 2( ( 1 (,,$,( E (, ( 1, 1 ; $ &' #& //1 ( $ = ( 9(?,(#,$,( (, ( $( ( $ ; ((,$ 6(,($ %(($, $(,1,$,(4$# 66

67 H ( $ (; E ($ #, 2 &((, 6(V6Y =#N C 5(1 F 85:?# A (, $% ; $,(((; (,2$9# H 4 ( - A 5 5,1 $ # A ; ( ( 1 $ 9&' # 6(, $ 9 ( $% ( $ (4# -,$ ; ( ( 4,$( ( %1(,(# ( ( (, ($ $% %(# A$,,$% $;( # //(, 67

68 ) # 68

69 3, &)B ) / $(1&' 9( / 9 $- $ ( $, (# (# /, ( ( ( # / $( D ( (,( ( = %( ($% )$(?# A ( / D( ( $4 /6-,$(, 4 ( ( -,$ # $,$# 69

70 $)*)*' +, $ ( 29- (# 6 1 ( ( ( ((((4,1-# 26(O A,($$&' ;$ ; ( $( ($ B# 5$U; & >( ( ( -,$ $ (;2# $;; ( $ $1,#,((($ A,(((; 1,$ (( $ ( B&' (((=$ ((2(4 9 Q,( (!%,( ( $ (( $ ( ( (F# ; $( ( $; 70

71 ( #,(( 9 2 $ ( $# 6 $ ((,(( 4 /(,# 42 U$ :/ $, $ ( ( (,$,($ (,,,;(- 4# H1$4 $() $(! (,1 )$ ( $ ($ &' = $ 1$ $ $ ( ( $ 1$ $1 ( 2 $ ( - $, - 1 ')?# H $( (,$, $1 (, $ = ( ;( / $ $&'?# U$ $% ( $4 ( $1 ( ( 9 $% (,( $% $ %(4 (, $ &' =$ * )$ $1 5 &' 71

72 6 5 ( $(O?# :1 (,$ U$ &' ( (, ( $1)# $&' A($(( $(&' 4 >( # 2 ( ( ( ( $ $ $ =$ $ (4 ($? (4 (, (4# 5&' &6& (% 4( ( '(. C$ ( ( $( F,( ( ( ( ( % ($ $ ( (((,# 1 $4 $ (,4 (, 29 ( ( $ ($# ( )$ $$($,4(2$,(, ( ( 72

73 , $( 1,# ( &' ( ($( 1,$# (!GG0 # $%$ & $ $( -,$ ( $# 73

74 3,? &) )- 68 / $, (-;# A / $% - ((^ ( ( )$# 68 / 6 9( ( (( ( &' 2$9() )$# ( /, $% ( ( ( # / 8$ $4 ( 2$,&' # 74

75 $)*)*' ( $(((, ((, (- ( 4 -, 6$ +$ 6)$ = $Z?# C( ( 4 ( # 6, &' 1 (, (, 75

76 $%(( (( ( 4 4 9#H1(( > 9( 4(($9, $(( EE )$2# +($ $( $ >( ( $ 1 /( $ $, ( $,# A,1 (, ((, ( %( ( $% $% (, 4 #,1$1$($4#,$,; > A ;((((( ( ( %( ( #' ( ( ( $;&' ;1 ((2 ((# $;( ( ( -,$ /,4 % $( ( ( ( ( # A ( ( 76

77 -()L (( 1 - $ ($,# 6(,&' (2( $ 1 A &',1,$,(( ( $ /$% ( (2$9(')6)$# A&',( $((E (, ( (; $ & $ &', 2, < ( (,; 9 ( ( ( (/$%$,-,# 77

#$ -.,./0*$/1 2 3,*45 $. 6 /768/. $ 2.95,* :;< 6$ $ -.,./0 *$/1 +=. $6 >.=7 2 3.=45.$ $ 1,? " 2= $.9.5!!< 2 #$45 6-= $,? <" 2= $>A 9. $ = = 5.

#$ -.,./0*$/1 2 3,*45 $. 6 /768/. $ 2.95,* :;< 6$ $ -.,./0 *$/1 +=. $6 >.=7 2 3.=45.$ $ 1,?  2= $.9.5!!< 2 #$45 6-= $,? < 2= $>A 9. $ = = 5. !"!"#$ %&!$'#(%)"&!'&*)+),#)&!-+.$#)/ %&! #$% $ &' 0123 ()**+,+,*& #$ -.,./0*$/1 2 3,*45 $. 6 /768/. $ 2.95,* :;< 6$ $ -.,./0 *$/1 +=. $6 >.=7 2 3.=45.$ $ 1,? " 2= $.9.5!!< 2 3@ #$45 6-= $,?

Leia mais

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO Segue abaixo dados das DDMs que mudaram para o PCASP, tanto as que mudaram de nome como as que mantiveram o mesmo nome. Para estas, os campos que serão excluídos (em 2015) estão em vermelho e os campos

Leia mais

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação!" !" $%& '( ) %) * +, - +./0/1/+10,++$.(2

Leia mais

Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge INSA, IP. Plano de Desenvolvimento Estratégico 2008-2012

Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge INSA, IP. Plano de Desenvolvimento Estratégico 2008-2012 Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge INSA, IP Plano de Desenvolvimento Estratégico 2008-2012 Lisboa, Outubro 2008 1 Índice Prefácio 4 Sumário das orientações estratégicas 6 1. Introdução 12

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014 MBA Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2013-2014 Sines, Junho de 2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é um curso de pós-graduação desenvolvido pela Escola Superior de Ciências Empresariais

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry.

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry. SIRIUS SENTRON SIVACON Catálogo LV 90 2009 Baixa Tensão Corte, protecção e comando Answers for industry. Interruptores de corte em carga, sistemas de barramentos SENTRON 8US Introdução Tipo 3NP 1 3K 3NJ4

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Painel: Empreendedorismo Social - 27 e 28 de Outubro de 2011 Práticas Inovadoras de Responsabilidade Social e Empreendedorismo Cascais, 27 de Outubro de 2011

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução... 3 2. Metodologia... 4 3. Contexto e Caracterização Geral do Agrupamento de Escolas... 5. 4. Resultados Académicos...

ÍNDICE. 1. Introdução... 3 2. Metodologia... 4 3. Contexto e Caracterização Geral do Agrupamento de Escolas... 5. 4. Resultados Académicos... ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Metodologia... 4 3. Contexto e Caracterização Geral do Agrupamento de Escolas... 5 3.1 CONTEXTO FÍSICO E SOCIAL 3.2 DIMENSÃO E CONDIÇÕES FÍSICAS DO AGRUPAMENTO 3.3 CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Luiz Humberto Cavalcante Veiga Consultor Legislativo da Área VII Sistema Financeiro, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor

Luiz Humberto Cavalcante Veiga Consultor Legislativo da Área VII Sistema Financeiro, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor Luiz Humberto Cavalcante Veiga Consultor Legislativo a Área VII Sistema Financeiro, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa o Consumior Câmara os Deputaos Praça Poeres Consultoria Legislativa Anexo

Leia mais

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL Case study 2009 Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESA A Caixa Seguros e Saúde é a holding do Grupo Caixa Geral de Depósitos e Gente com Ideias é o programa de Responsabilidade

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

Artigo Inicial: 4 Artigo I ("A Semente é a Palavra de Deus"): 9 Artigo II ("Alvo de Contradição"): 20 Artigo III ("Novo Adão e Nova Eva"): 26 Artigo

Artigo Inicial: 4 Artigo I (A Semente é a Palavra de Deus): 9 Artigo II (Alvo de Contradição): 20 Artigo III (Novo Adão e Nova Eva): 26 Artigo 1 !" #!#!$" %&''() 2 Artigo Inicial: 4 Artigo I ("A Semente é a Palavra de Deus"): 9 Artigo II ("Alvo de Contradição"): 20 Artigo III ("Novo Adão e Nova Eva"): 26 Artigo IV ("São José"): 37 Artigo V ("Corpo

Leia mais

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ntíficodolnegconselhocientífi Científico 2011 12/31/2011 codolnegconselhocientíficod

Leia mais

Sobre a obra: Sobre nós:

Sobre a obra: Sobre nós: Sobre a obra: A presente obra é disponibilizada pela equipe do ebook espírita com o objetivo de oferecer conteúdo para uso parcial em pesquisas e estudos, bem como o simples teste da qualidade da obra,

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

! "#" $ %&& ' ( )%*)&&&& "+,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) (5 (6 7 36 " #89 : /&*&

! # $ %&& ' ( )%*)&&&& +,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) (5 (6 7 36  #89 : /&*& ! "#" %&& ' )%*)&&&& "+,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) 3 4 5 6 7 36 " #89 : /&*& #" + " ;9" 9 E" " """

Leia mais

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Assumir estas tarefas no contexto atual é, sem dúvida, um ato de coragem e de determinação.

Assumir estas tarefas no contexto atual é, sem dúvida, um ato de coragem e de determinação. Discurso do Ministro da Saúde na tomada de posse do Bastonário e Órgãos Nacionais da Ordem dos Farmacêuticos 11 de janeiro de 2013, Palacete Hotel Tivoli, Lisboa É com satisfação que, na pessoa do Sr.

Leia mais

Técnico Desporto: Jorge Vicente

Técnico Desporto: Jorge Vicente Técnico Desporto: Jorge Vicente Évora, 2010 !!" # $ %!! "#$%&''$(&#&)*$+$*,$#+-$ &$''() * $$!+,- $#.+/0$&#+1(&2+'& 3#&)*$(&4$5&*'./ '0*!$ $ 11 2 '6#+67,)+'')%$8&(+,9,)%+' $.8&6)/0$&&'&*5$15).&*6$')'6&.:6)%$(+&#;$#.+*%&

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROCESSOS DE MEDIÇÃO NO CONTEXTO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA EM UMA EMPRESA INDUSTRIAL

AVALIAÇÃO DE PROCESSOS DE MEDIÇÃO NO CONTEXTO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA EM UMA EMPRESA INDUSTRIAL AVALIAÇÃO DE PROCESSOS DE MEDIÇÃO NO CONTEXTO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA EM UMA EMPRESA INDUSTRIAL Por PEDRO LUIZ LÜDKE DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Curso de Pós-Graduação em Metrologia

Leia mais

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Nos termos do Regulamento Específico Saúde

Leia mais

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal!

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! 25 de Janeiro de 2013 Agenda: Enquadramento Legislativo e Regulamentar adequado à Utilização de Energia nas empresas; Âmbito

Leia mais

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&'

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&' ! " #$$# ! " #$$# %! ' () #' (( * + ), (# -. / 0# () -. 1 234 3 5 3 0' (0 -. 1 1 6$ (7-. 1 - - 6,!" # 8( #( - 1 80 ## -!+ 8, #) -. ') #0 -. 1 ', #0( -. '' #0# - ($$ #0) - ($# $!"% ($, )(-! 9 (#$ )#- %

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde

José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde Inclusivo, equitativo, sustentável José Mendes Ribeiro Ciclo de Conferências ÁGORA: Ciência e Sociedade - 7ª Conferência Desafios e sustentabilidade do sistema de saúde Auditório do Instituto para a Investigação

Leia mais

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA AMedi T Finance é a mais recente aposta do Grupo Medi T. É uma organização multidisciplinar que presta serviços profissionais nasáreas da Assessoria Financeira, Contabilidade, Auditoria e Consultoria.

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

Compromissos na educação

Compromissos na educação Compromissos na educação Comentário Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Ciclo de Seminários Sextas da Reforma Lisboa, 23 de Maio de 2014 Organização do Banco de Portugal, do Conselho

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade De Aveiro 1.a. Descrição

Leia mais

SEGURANÇA FECHADURAS PARA PORTAS DE MADEIRA

SEGURANÇA FECHADURAS PARA PORTAS DE MADEIRA 1 SEGURANÇA FECHADURAS PARA PORTAS DE MADEIRA FECHADURAS. PARA CILINDROS EURO OU CHAVE. CAIXA E ESPELHO PINTADOS A POLIÉSTER. PROTECÇÃO: ANTI-BROCA NA CAIXA E ANTI-SERRA NA LÍNGUA. TESTA FACILMENTE AMOVÍVEL

Leia mais

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional 1024036 - PROFIFORMA, GABINETE DE CONSULTADORIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, LDA Missão É missão do CQEP Profiforma: -

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

1.º MÉRITO DO PROJECTO

1.º MÉRITO DO PROJECTO SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL CRITÉRIOS DE SELECÇÃO O Regulamento do Sistema de Apoio a Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional definiu as regras

Leia mais

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Algarve A.1.a.

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

COOPERAÇÃO ENTRE PORTUGAL E ANGOLA EM C&T

COOPERAÇÃO ENTRE PORTUGAL E ANGOLA EM C&T A cooperação Bilateral Angola - Portugal: estado atual e reforço futuro WORKSHOP PROGRAMA HORIZONTE 2020: COOPERAÇÃO EM INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO ENTRE ANGOLA E A UNIÃO EUROPEIA Luanda, 3 e 4 de outubro

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009 QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2009 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior FCT (última actualização 2009/03/09) Missão: A missão da FCT visa o desenvolvimento, financiamento e avaliação

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE2012

MENSAGEM DO PRESIDENTE2012 1. Pela 12 ª vez relatamos atividades e prestamos contas. Este é dos actos mais nobres de um eleito, mostrar o que fez, como geriu o dinheiro dos cidadãos, dar transparência à governação. Constitui um

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

ASSISTIR AS PME NAS ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO

ASSISTIR AS PME NAS ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO ASSISTIR AS PME NAS ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO O papel da Assistência Empresarial do IAPMEI António Cebola Sines, 11 de Dezembro de 2009 MISSÃO DO IAPMEI Promover a inovação e executar políticas de estímulo

Leia mais

Estudo de alternativas para a remoção dos metais pesados em águas no semiárido

Estudo de alternativas para a remoção dos metais pesados em águas no semiárido XVI Semana de Iniciação Científica e II Semana de Extensão de 21 a 26 de outubro de 2013 ISSN: 1983-8174 Universidade Regional do Cariri - URCA - Crato, Ceará Estudo de alternativas para a remoção dos

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 Iniciativa JESSICA Financiamento de Projectos Sustentáveis de Reabilitação Urbana Perspectivas para o Período 2014-2020 de Programação dos Fundos Comunitários Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 JESSICA (Joint

Leia mais

COMEMORAÇÕES DO DIA DO INSA 2008 Inauguração do Centro de Saúde Pública Doutor Gonçalves Ferreira INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DO INSA

COMEMORAÇÕES DO DIA DO INSA 2008 Inauguração do Centro de Saúde Pública Doutor Gonçalves Ferreira INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DO INSA COMEMORAÇÕES DO DIA DO INSA 2008 Inauguração do Centro de Saúde Pública Doutor Gonçalves Ferreira INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DO INSA José Pereira Miguel 29 de Setembro de 2008 O Dia do INSA, escolhido tão

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Objectivos e Metodologia Sistema Integrado de Gestão Análise

Leia mais

Missão empresarial a Santiago do Chile. Multisetorial

Missão empresarial a Santiago do Chile. Multisetorial Missão empresarial a Santiago do Chile Multisetorial 25 a 29 de Novembro de 2013 Enquadramento: Missão empresarial Chile multisetorial O Chile constitui uma das economias mais desenvolvidas, estáveis e

Leia mais

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão.

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Projecto Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Tempo de escassa encomenda e recursos económicos e consequentemente de alteração de paradigmas sociais e profissionais.

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

#)*389)+63+/*$0)/*$' Página 3/34

#)*389)+63+/*$0)/*$' Página 3/34 ! " Página 1/34 $%')*+,))-*).$/+.0$+1$2 $0 3/4)*$5'$6*)$*+*+30+$7/++89) 0-$6+/7)0*+*)'$/+1)'+:;)+6)*$,),$++$7$,7+89)5$6*)'*).3-/7+*+ *$ 6)1) + $7/++89) 0-$6+/ 7)0./$+;.$'$6$ $7/++89) *+ < +.0$+ *$7/++89)

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 313/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 313/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 313/XII Exposição de Motivos O XIX Governo Constitucional implementou, ao longo da presente legislatura, importantes e significativas reformas no setor da administração local, em que

Leia mais

09 _Relatório de Actividades 2009 Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP. www.insa.pt

09 _Relatório de Actividades 2009 Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP. www.insa.pt www.insa.pt Av. Padre Cruz 1649-016 Lisboa t: 217 519 200 @: info@insa.min-saude.pt www.insa.pt r _Relatórios _título: _data: _Lisboa _Dezembro de 2010 Catalogação na fonte: PORTUGAL. Ministério da Saúde.

Leia mais

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universitas, Crl A.1.a. Descrição

Leia mais

4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS. O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação

4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS. O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação Maria José Madeira Silva 1, Jorge Simões 2, Gastão Sousa

Leia mais

'" (!! !" #$ %!& '! & & ! & ( )* + +, + - -' $ -#-%#!!"&&-. %) /0120 * 34 * 5 : +9 ; 7 < 7 <;6==> * + 9 ; 7 < !"!!

' (!! ! #$ %!& '! & & ! & ( )* + +, + - -' $ -#-%#!!&&-. %) /0120 * 34 * 5 : +9 ; 7 < 7 <;6==> * + 9 ; 7 < !!! !"#$! %"&!" #$ %!& '! & &! & ( '" (!! * + +, + -! * +./*! -+, -' $ -#-%#!!"&&-. % /0120 * 34 * 5 67 8 ( 9 : +9 ; 7 < 7 * +9>77< + 9 ; 7 < + 0 0!!* * *- + 1 2! 2 *! * - * *!** +

Leia mais

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC Joana Miguel Santos Caso de Sucesso: Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Dia do Médico Moçambicano: Momento de celebração e reflexão sobre desafios da classe e do sector Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique,

Leia mais

Os desafios da gestão de processos numa Instituição Financeira

Os desafios da gestão de processos numa Instituição Financeira Os desafios da gestão de processos numa Instituição Financeira Conferência BPM Lisboa 2011 José Líbano Monteiro Lisboa Museu do Oriente.:. 28 de Junho de 2011 Agenda Enquadramento O Desafio Reflexões 2

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES Missão : Dinamizar a investigação científica e promover o desenvolvimento tecnológico e a inovação para consolidar a Sociedade do Conhecimento na

Leia mais

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 Lisboa, 26 de Novembro 2009 1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 3. EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO 4. DOUTORAMENTO EM MEIO EMPRESARIAL 5. OPEN

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior 1 ÍNDICE 1. A Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO Sessão Plenária 15 de Dezembro 2009 A. Sevinate Pontes H. Pinto CS/11 Comissão Sectorial para a Educação e Formação Índice 1 2 3 4 5 6 7 8 Enquadramento Legal Âmbito

Leia mais

! " # $ % % & ' ( ) ' * * +

!  # $ % % & ' ( ) ' * * + ! " # $ % % & ' ( ) ' * * + , - $ '. ! " $ & & - 0 $ $ 0 $ 3 4 5 4 3 ) 7 8 7 # % ' " ( ) * +,./ " ( $,,, ) 1 2 1 ' % 2 " % % ' %( 6 ' ( ( $ $ " !!. / '! % - :,! 3!3 ; % - ( *# 3)! ) < ; = 9 # 3!!3 33

Leia mais

Desporto e Hábitos de Vida Saudável

Desporto e Hábitos de Vida Saudável Desporto e Hábitos de Vida Saudável SRA PRESIDENTE SRAS E SRS DEPUTADOS SR PRESIDENTE SRA E SRS MEMBROS DO GOVERNO Em primeiro lugar gostaria de cumprimentar a Srª Presidente da Assembleia, desejando-lhe

Leia mais

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização Ministério: Organismo: MISSÃO: Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral do Orçamento A Direcção-Geral do Orçamento (DGO) tem por missão superintender na elaboração e execução do

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos.

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos. OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÂNICAS - 2011 MUNICÍPIO DA MARINHA GRANDE UNIDADE ORGÂNICA: Divisão de Cooperação, Comunicação e Modernização Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Regulamento Interno de Formação

Regulamento Interno de Formação Regulamento Interno de Formação AR01/0 2012-07-24 9 Introdução A FRONTWAVE concretiza actualmente um dos objectivos principais da sua missão (derivada da sua própria génese e espelhada através do seu objecto

Leia mais

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades:

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: Enquadramento Desafios: aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: eficiência dos sistemas agrícolas e florestais gestão sustentável

Leia mais

Planejamento Estratégico INPE. São José dos Campos, 15 de março de 2007

Planejamento Estratégico INPE. São José dos Campos, 15 de março de 2007 Planejamento Estratégico INPE São José dos Campos, 15 de março de 2007 Fases e documentos FASE 1: Preparação e Lançamento do processo de Planejamento Estratégico Documento 1: Proposta de planejamento estratégico

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais