LINHAS DE TRANSMISSÃO E TV A CABO 1 FREQÜÊNCIAS DO SISTEMA A CABO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LINHAS DE TRANSMISSÃO E TV A CABO 1 FREQÜÊNCIAS DO SISTEMA A CABO"

Transcrição

1 1 LINHAS DE TRANSMISSÃO E TV A CABO 1 FREQÜÊNCIAS DO SISTEMA A CABO CANAIS ADJACENTES no sistema a cabo, a interferência entre canais adjacentes é minimizada pelo balanceamento dos sinais em um nível comum para todos os canais além disso, comparado aos sinais de radiodifusão de TV, o nível da portadora de som é normalmente muito menor que o da portadora de vídeo CANAIS POR CABO DE BANDA INTERMEDIÁRIA E SUPERBANDA como o sinal por cabo não é irradiado (pelo menos não intencionalmente), o sistema de cabos pode utilizar freqüências destinadas a outros serviços de rádio, sem interferência os canais por cabo de banda intermediária são usados no intervalo entre os canais 6 e 7 de VHF essas freqüências, de MHz, incluem a faixa entre MHz, para transmissão de FM, além de vários serviços de comunicação marítima e aérea a banda de rádio FM comercial não é normalmente utilizada no sistema de TV a cabo conforme relacionado na tabela, os canais por cabo de banda intermediária começam com o número 14 ou a letra A, correspondendo à faixa de MHz, com a portadora de vídeo

2 2 posicionada em 121,25 MHz a portadora de som é automaticamente 4,5 MHz maior, ficando, portanto, em 125,75 MHz estão incluídos os canais de numeração 14 a 22, correspondendo às letras de A a I CANAIS DE SUPERBANDA são aqueles que ficam acima do canal 13 de VHF essa faixa começa com o canal de letra J ou número 23 e vai até a letra Z ou número 53 a utilização dos canais comerciais de VHF entre 2 e 13 e dos canais por cabo entre 14 e 37 proporciona = 36 canais em um típico sistema de TV a cabo essas freqüências vão até 300 MHz, aproximadamente IRRADIAÇÃO DOS CABOS o operador de um sistema a cabo deve ter especial cuidado com a irradiação de sinais de TV essa irradiação pode ocorrer caso os cabos estejam em aberto, curto-circuitados ou até mesmo parcialmente "descasados" nas extremidades os cabos podem ser avariados por ventos fortes, tempestades e outros acidentes para se detectar e localizar qualquer sinal de irradiação, pode-se escolher um determinado canal de banda intermediária e usando-se um receptor como "detector",percorrer o trajeto do cabo 2 CABOS COAXIAIS PARA CATV o condutor usado na distribuição dos sinais de CATV, nas freqüências de RF, é o cabo coaxial é uma eficiente linha de transmissão de banda larga, com a vantagem adicional da blindagem existem vários tipos, de linha coaxial, mas todas elas são confeccionadas conforme mostra a figura um fio central é circundado por um condutor tubular ou cilíndrico e ambos ficam separados por um isolante

3 3 o tipo de cabo normalmente usado em uma rota principal de sinais, denominada linha-tronco, aparece na figura anterior é composto por um condutor espesso central de alumínio, revestido de cobre o condutor externo, também conhecido por blindagem, é igualmente feito de alumínio, com o formato de um tubo sólido uma espuma de polietileno preenche o espaço interno e sustenta o condutor interno exatamente no ponto central o diâmetro do cabo é de aproximadamente 19,1 mm outros tipos de cabos-tronco são ocos, com o condutor interno sustentado por suportes de plástico a intervalos regulares quanto maior o diâmetro do cabo, menor a atenuação os cabos maiores não são flexíveis e costumam ser de instalação difícil em instalações com longas extensões de cabo sem sustentação, costuma-se encapsular uma alma de aço junto ao revestimento externo o fio de aço encarrega-se então de sustentar o peso do cabo os cabos-tronco são feitos também com revestimentos de polietileno, à prova d'água, para instalações subterrâneas ou subaquáticas utilizam-se ainda cabos reforçados, contendo uma camada de aço em espiral os cabos usados nas ramificações da linha-tronco são similares ao da figura anterior, mas de menor diâmetro podem ser usados cabos mais finos, nesse caso, porque as extensões não são muito grandes a linha que vai de uma ramificação até o assinante é chamada de linha de descida ou derivação na prática, ela é normalmente um cabo coaxial RG-59U, como se vê na figura a seguir 3 PERDAS NOS CABOS em uma linha imaginária sem perdas, toda a energia enviada ao longo da mesma, a partir da fonte de sinal, é consumida na carga que serve de terminação nas linhas reais, porém, alguma energia é sempre dissipada na própria linha, com uma resultante atenuação do sinal três causas para essa atenuação: 1. perdas por I2R, produzidas pela corrente nos condutores 2. perdas de dielétrico no isolante existente entre os condutores os sinais são de radiofreqüência, da banda de VHF e UHF 3. efeito pelicular a corrente de RF flui mais pela superfície do condutor do que em seu "miolo" esse cabo é flexível porque utiliza uma trança de cobre como blindagem externa seu diâmetro é de 6,35 mm, incluindo o revestimento externo de polietileno que o torna à prova de intempéries o cabo de alumínio da figura anterior possui um revestimento de cobre ao redor do condutor interno para reduzir as perdas ocasionadas pelo efeito pelicular AUMENTO DAS PERDAS COM A FREQÜÊNCIA as perdas aumentam em proporção à raiz quadrada da freqüência f exemplo prático: considerando-se o canal 13, entre MHz, com uma freqüência quatro vezes maior que o canal 2 (54-60 MHz)

4 4 no nível de 4f, as perdas de linha para o canal 13, estão na proporção de 4, ou seja, duas vezes as do canal 2 os níveis de atenuação para os mais diversos tipos de cabo para CATV estão relacionados na tabela apresentada a seguir, abrangendo as freqüências de MHz tabela: atenuação de cabos-tronco e de distribuição (db/l00 pés a 20oC ) DISTÂNCIA DE INSTALAÇÃO os projetistas de sistemas de distribuição para TV a cabo pensam em termos de atenuação do sinal por unidade de extensão da linha exemplo: se um determinado cabo exibe uma atenuação de 1 db a cada 30 metros a atenuação será de 6 db com 180 m e de 20 db com 600 m uma perda de 6 db na tensão significa metade da tensão ao invés de se fazer continuamente a conversão de perda em decibéis para distância, é mais conveniente trabalhar diretamente em termos de perdas no cabo no exemplo, um cabo com um comprimento de 600 m é chamado de "extensão de 20 db" é função dos amplificadores-tronco recuperar essas perdas dos cabos e restaurar os níveis de sinal aos valores-padrão, ao longo de todo o sistema de cabos 4 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO POR CABO o ponto de partida dos sinais por cabo é conhecido como cabeçal ou headend nesse ponto, os sinais transmitidos são captados pela antena e amplificados, ajustados em seu nível e aplicados às linhas-tronco Os canais recebidos são convertidos para o canal desejado são incluídos também os sinais gerados localmente, em estúdios os sinais de vídeo e áudio modulam portadoras adequadas as rotas principais do sinal, a partir do headend, são as linhas-tronco

5 5 Canais Stereo/SAP Via PAL M Satélite Caracteres Modulador Receptor de Satélite Receptor de Satélite Modulador Modulador Demodulador Canais IH 2000 Processador Via Ar Modulador ACC 4000 Produção Local Scrambler Internet Controll Plus Cable Telephony Combiner Geração Local Para Rede

6 6 AMPLIFICADORES-TRONCO são inseridos em intervalos regulares, ao longo do trajeto do tronco, a fim de recuperar as perdas do cabo considerando-se o exemplo da figura, um amplificador de 20 db é colocado no final de uma extensão de cabo cuja perda é de 20 db a unidade em decibéis usada para designar os sinais por cabo é o dbmv, que -significa "decibéis acima de 1 mv" amplificadores são instalados em intervalos regulares, com a finalidade de manter o sinal dentro do nível-padrão de 1 a 3 mv a figura acima mostra um gabinete à prova de intempéries para um amplificador-tronco em um sistema aéreo montado sobre um poste a alimentação é obtida de uma derivação das linhas da rede elétrica, que usam o mesmo poste AMPLIFICADORES-PONTE esse tipo de amplificador serve para as ramificações do tronco principal, a fim de excitar uma área determinada do sistema a cabos seu ganho típico é de db a saída destina-se às linhas ramificadas que chegam aos assinantes em muitos casos, os amplificadores-tronco e ponte estão localizados no mesmo gabinete à prova de intempéries um atenuador adicional pode ser usado na entrada do amplificador-ponte, para balancear os níveis de sinal AMPLIFICADORES DE LINHA longas extensões de linha após o amplificador-ponte podem exigir a inserção de amplificadores suplementares nas ramificações, a fim de compensar as perdas ali ocorridas esses amplificadores ampliam o número de derivações que podem ser usadas em cada ramificação o ganho típico é de db ACOPLADORES DIRECIONAIS a potência do sinal tomada do tronco deve ser bem reduzida, para que a linha não seja sobrecarregada devido a todas as ramificações

7 7 o dispositivo utilizado para se fazer derivações de sinal é o acoplador direcional sua estrutura e seu símbolo estão ilustrados na figura seguinte: é um dispositivo de três terminais, sendo um para entrada de sinal, outro para transportar o sinal pela linha-tronco e o terceiro tem a saída de sinal derivada para uma ramificação o acoplador direcional tem esse nome porque retira uma amostra do sinal para a derivação mas ignora a energia refletida da linha-tronco isto é feito por um pequeno laço instalado na parede da montagem coaxial, como se vê na figura o laço tem um resistor de 75Ω como terminação como uma bobina de uma só espira, o laço fica acoplado magneticamente ao condutor central, para fazer a derivação do sinal os acopladores direcionais exibem uma perda de inserção bastante reduzida entre os sinais de entrada e saída na linha-tronco um valor típico é o de -1dB para perda de inserção a 300 MHz a perda de derivação entre a entrada e saída é tipicamente de -13 db mas ela é recuperada pelo amplificador ponte FONTES DE ALIMENTAÇÃO os amplificadores para cabos exigem pouca energia as fontes de alimentação podem ser colocadas em intervalos bem longos e o próprio cabo usado para transportar a potência DC a tensão de entrada das fontes é em geral derivada da rede elétrica que passa pelos mesmos postes, no sistema aéreo a típica tensão contínua de alimentação para os amplificadores para cabos é 24 V o módulo de alimentação fica normalmente localizado no mesmo gabinete à prova de intempéries que abriga os amplificadores-tronco e ponte em alguns casos, baterias de reserva são mantidas constantemente carregadas, com duas unidades de 12 V em série, perfazendo 24 V são postas em operação sempre que há um defeito na rede de corrente alternada DERIVAÇÕES DE LINHA a derivação final de um sistema excita a linha que chega ao assinante, em geral com um cabo RG-59U a figura acima mostra uma unidade múltipla com quatro derivações, destinadas a quatro casas próximas entre si a exemplo dos acopladores direcionais, a derivação de linha possui uma baixa perda de inserção, mas uma perda de derivação elevada a perda de uma derivação a outra é propositalmente elevada, afim de proporcionar uma boa isolação entre as linhas de assinantes essa isolação é necessária pelo fato de que um cabo com má terminação na TV em um assinante poderia gerar reflexões em todo o sistema dois casos comuns são:

8 8 cabos não conectados terminais em curto-circuito as unidades derivadoras estão disponíveis com os mais variados níveis de perda de derivação, de modo que os sinais possam ser balanceados em diferentes linhas de assinantes, ao longo da ramificação BALUNS a palavra balun é uma derivação de "balanced-unbalanced" conexões balanceadas-desbalanceadas) Um balun típico pode ser visto na figura o cabo. coaxial para CATV é do tipo com terminação simples (ou desbalanceado), com um dos lados aterrado quando necessário o balun é usado para "casar" o cabo coaxial de 75Ω com a entrada de 300Ω balanceada do receptor o balun pode "casar" impedâncias nos dois sentidos O CONECTOR F o conector coaxial padrão, usado em instalações a cabo com a linha de 75Ω é o conector F sua vantagem está em não exigir soldagem o fio sólido central do cabo é também o pino central do conector além disso, a manga aterrada desliza para o interior da blindagem trançada do cabo a manga do plugue pode ser parafusada à tomada ou utiliza-se um conector de pressão muitos receptores de TV possuem uma tomada de entrada para conectores F, permitindo conexões diretas com o cabo, sem a utilização de baluns 5 DISTORÇÃO NO SINAL POR CABO os amplificadores dos sistemas a cabo devem proporcionar o máximo de sinal, a fim de compensar as perdas no cabo e ainda permitir uma boa relação sinal-ruído,evitando o chuvisco na imagem os níveis do sinal devem ser mantidos dentro de limites estreitos, já que os amplificadores costumam gerar uma grave distorção com excesso de sinal DISTORÇÃO HARMÔNICA sempre que um amplificador é sobre-excitado, surge distorção harmônica em sua saída as harmônicas são múltiplos das freqüências do sinal que estão sendo amplificadas a distorção harmônica é resultado da distorção de amplitude por não linearidade alterações na forma de onda tendem a gerar novas freqüências algumas harmônicas não são críticas por cairem fora da faixa de interesse mas as harmônicas podem provocar problemas de interferência em sistemas a cabo MODULAÇÃO CRUZADA as harmônicas de terceira ordem e os efeitos da modulação cruzada são os resultados mais graves da distorção por sobrecarga as características não lineares do amplificador fazem com que estágios sobrecarregados atuem como misturadores, com os sinais de entrada sendo detectados e a modulação extraída pode ocorrer uma transferência da modulação para outra portadora o efeito da modulação cruzada na imagem é um amontoado de linhas e o aparecimento do vídeo de outro canal a imagem interferente pode até surgir em negativo surge mais claramente quando o canal que está sendo assistido exibe uma imagem negra entre os comerciais o sintoma mais simples de reconhecer a presença da modulação cruzada, consiste na modulação

9 9 máxima do sinal interferente, que é o sincronismo aparece sob a forma de barras verticais na imagem podem ser imóveis ou se deslocar ao longo da imagem, dependendo da estabilidade do gerador de sincronismo do canal interferente as barras são produzidas pelos pulsos de sincronismo e apagamento EFEITOS DA TEMPERATURA outra problema consiste na variação dos níveis de sinal causada pela influência da temperatura sobre as perdas nas cabos a atenuação costuma aumentar em temperaturas mais elevadas, a uma taxa aproximada de 1% para cada 5oC a mais essa perda pode não parecer significativa, mas em extensões muita longas de cabo a variação de nível pode atingir 100 db, considerando se a faixa estimada de temperaturas em determinadas regiões o problema é agravado pela redução da relação sinal-ruído, com tempo quente, e a probabilidade de sobrecarga do amplificador, em épocas de muito frio CONTROLE AUTOMÁTICO DE GANHO para compensar as variações de temperatura e outras fatores variáveis, alguns amplificadorestronco incluem um circuito de CAG para variar o ganho um arranjo típico pode ser vista na diagrama de blocos do amplificador-tronco da figura o sistema emprega uma portadora piloto, sem modulação, inserida com uma freqüência selecionada apenas para a sistema da CAG no exemplo está indicada uma freqüência piloto de 73 MHz, mas várias outras podem ser utilizadas, nas faixas de 72-76, , au MHz o amplificador de banda estreita, que aparece na parte inferior da figura, fica sintonizado na freqüência piloto o detectar da CAG produz então uma tensão DC de controle proporcional à amplitude do sinal piloto essa tensão de controle varia a atenuação do sinal aplicado ao pré-amplificador existe também o controle manual R1 para se fazer os ajustes iniciais CONTROLE AUTOMÁTICO DE INCLINAÇÃO a atenuação no cabo aumenta nas freqüências mais elevadas a resposta global de freqüência do sistema a cabo tende a cair nos canais de freqüências maiores para campensar esse efeito a resposta do amplificador é propositalmente inclinada para cima nesses canais o resultada desejada é uma resposta em freqüência plana ou uniforme em todos os canais o controle automático de inclinação (ASC, automatic slope control ) é um circuito de CAG especialmente projetado para aumentar o ganho do amplificador nas canais de maior freqüência o sistema ASC utiliza outra portadora piloto, cuja freqüência é igual au próxima ao limite superior dos canais na figura, a freqüência piloto da ASC é de 270 MHz o amplificador de banda estreita e a detector de ASC ficam sintonizados nessa freqüência, a fim

10 10 de proporcionar a tensão DC de controle que varia o ganho do amplificador de controle de inclinação R2 proporciona um controle manual para ajuste inicial os controles R2 na ASC e R1 no CAG equilibram a sistema para se obter um sinal uniforme em todos os canais os circuitas de controle automático são capazes de manter a equilíbrio 6 - SISTEMAS A CABO DE DUAS VIAS além dos sinais enviados aos assinantes, a partir da central, muitos sistemas a cabo são projetados para aceitar sinais do sentido oposto, enviados pelos assinantes o mesmo cabo, nesses casos, é usado nos dois sentidos, embora amplificadores separados sejam necessários para os sinais em sentidos opostos, como se vê na figura a comunicação no sentido do assinante para a central é feita pela faixa de freqüência situada entre 5-30 MHz para o trajeto no sentido "normal", representado no alto da figura, são usados duplexadores contendo um filtro passa-altas a filtragem é necessária para se remover qualquer vestígio do sinal no sentido oposto na parte inferior do diagrama, filtros passa-baixas separam o sinal de retorno da faixa de 5-30 MHz somente o sinal no sentido oposto é utilizado no amplificador de retorno a unidade conversora, na extremidade do assinante, fornece o sinal no sentido contrário APLICAÇÓESDO SISTEMA DE DUAS VIAS SINAL POLARIZADOR no sistema de programas mediante pagamento, é preciso enviar um sinal polarizador no sentido "normal", em direção ao assinante, para que a comunicação seja feita apenas com as unidades conversoras corretas a freqüência do sinal polarizador está situada na faixa de MHz a técnica FSK (frequency-shift keying ou chaveamento por deslocamento de freqüência) é usada como modulação com uma palavra de 16 bits para cada endereço específico quando polarizado, o conversor responde com os dados selecionados pelo teclado por exemplo, ao digitar o número 55, o assinante pode indicar que deseja assistir a um programa especial, em uma determinada noite a resposta ao sinal polarizador é enviada à central por meio de um pequeno modulador, na faixa de 5-30 MHz, para o sinal do sentido oposto uma resposta afirmativa enviada à central desencadeia o envio de um sinal codificado de volta ao assinante, a fim de acionar o desembaralhador em sua unidade conversora, no canal correto e durante o período especificado além disso, vários dados são introduzidos no computador contábil do operador do sistema a cabo, para fins de taxação um endereço digital é atribuído a cada assinante em uma memória de leitura (ROM), que não pode ter seu conteúdo alterado, quando cada unidade conversora é instalada caso o conversor seja roubado, o endereço eletrônico vai aparecer no local errado embora os sistemas de duas vias sejam basicamente simples, na prática é difícil colocá-ios em

11 11 operação o principal problema reside na interferência provocada pelo sinal no sentido contrário, na faixa de 5-30 MHz todo o sistema a cabo, cobrindo grandes áreas, atua como uma antena para o sinal de retorno é preciso ter todo o cuidado com a terminação adequada das linhas, o bom aterramento e fixadores de cabos com baixas perdas toda e qualquer parte do sistema capaz de irradiar sinais também é suscetível a freqüências interferentes costuma-se utilizar métodos elaborados de comutação digital para isolar quaisquer ramificações que possam captar interferências um problema específico é que o modulador do assinante pode ficar "preso" na modalidade de transmissão, o que tende a inutilizar todo o sistema de polarização por isso, prevê-se a comutação para outra freqüência polarizadora sempre que tais problemas ocorrem 7 ARMADILHAS DE ONDA E MÉTODOS DE EMBARALHAMENTO as operadoras de sistemas a cabo oferecem, por uma pequena taxa, o chamado serviço básico, que inclui os canais locais, alguns programas de outras localidades e programas produzidos localmente além disso, são oferecidos serviços adicionais, tais como Home Box Office, Spotlight, Cinemax, Rainbow, entre outros trazem eventos esportivos especiais e filmes, sem cortes e sem interrupções de comerciais esses canais especiais exigem uma taxa extra, que é adicionada ao pagamento básico para atender apenas àqueles assinantes que pagam pelo serviço adicional, duas técnicas são utilizadas uma delas consiste em inserir uma armadilha de onda que atenue os canais especiais fica na linha de cada assinante que não paga pelo serviço adicional a figura ilustra uma dessas armadilhas, para montagem na derivação de linha, externa essa técnica das armadilhas já não é quase utilizada porque exige mão-de-obra na área externa para alterar o tipo de serviço oferecido além disso, as armadilhas de onda podem ser "contornadas" por instalações ilegais na derivação da linha que vai para o assinante hoje em dia, o método de segurança preferido é o de "embaralhar" eletronicamente o sinal (scrambling) nesse caso, a imagem aparece totalmente confusa, a não ser que seja "desembaralhada" por uma unidade fornecida pela operadora do sistema EMBARALHAMENTO o método mais comum de se "embaralhar" sinais é conhecido por supressão de sincronismo com ele, o sincronismo é comprimido na envoltória de modulação de RF na portadora de vídeo do canal desse modo, o receptor não é capaz de sincronizar com o sinal em que o sincronismo foi suprimido a imagem aparece então totalmente fora de sincronismo, tanto na vertical como na horizontal, o que é evidenciado pelas barras diagonais e pela imagem se deslocando verticalmente além disso, a perda de sincronismo "confunde" o CAG do receptor e produz os efeitos da distorção por sobrecarga de CAG

12 12 a imagem fica então escura, às vezes com as áreas em preto e branco invertidas (como um negativo) e fora de sincronismo a figura mostra um exemplo típico de imagem "embaralhada" DESEMBARALHAMENTO a unidade desembaralhadora (descrambler, em inglês) anula o efeito do embaralhador posicionado no extremo inicial da linha, devolvendo o sincronismo ao sinal de RF o sincronismo é restaurado por intermédio de um atenuador de RF chaveado, que pode ser colocado em curto através de uma chave a diodo indicados como RA e S na figura a seguir por esse método, os pulsos necessários ao atenuador chaveado são enviados à unidade desembaralhadora por uma rota diferente utiliza-se para isso um sinal de portadora piloto, com uma freqüência inferior à do canal um exemplo de freqüência para essa portadora piloto é 114 MHz, no caso do canal A da banda intermediária, que ocupa a faixa entre MHz existem, no entanto, várias outras opções, e as operadoras de sistemas a cabo escolhem suas próprias freqüências piloto, por razões de segurança na figura, o descrambler contém um receptor de banda estreita, sintonizado na freqüência piloto determinada o receptor dispõe de um detector de amplitude e de circuitos modeladores de pulsos, a fim de acionar a chave a diodo o pulso decodificador, no sinal piloto, é o sincronismo necessário para o "desembaralhamento" como resultado, o sincronisino é restaurado no sinal de RF que vai ao receptor

13 13 DESEMBAR"ALHAMENTO NA PRÓPRIA FAIXA processo mais recente adota a mesma idéia de um sinal piloto para o desembaralhamento mas enviando os pulsos decodificadores dentro da faixa de passagem do canal embaralhado tais unidades desembaralhadoras são usadas juntamente com o conversor do sistema a cabo, ligadas como na figura nesse sistema a portadora de FM do som de um canal embaralhado é modulada em amplitude com os pulsos decodificadores costuma-se manter reduzida a porcentagem de modulação, a fim de se evitar interferências o desembaralhador da figura contém um receptor de banda estreita sintonizado somente na portadora de som do canal determinado fora isso, o "desembaralhador" opera exatamente como o sistema de portadora piloto ilustrado na anterior a vantagem do método "dentro da faixa" é a de permitir tantos canais embaralhados quanto a operadora quiser oferecer são comuns os sistemas com muitos canais com scrambling 8 FIBRÁS ÓPTICAS o tipo mais recente de enlace para telecomunicações emprega cabos contendo minúsculas fibras de vidro, que atuam como condutores de luz por longas distâncias, com perdas reduzidas nesse sistema de enlace por fibras ópticas, toda a largura de faixa de cada canal pode ser aproveitada na modulação em amplitude da fonte de luz na transmissão, um feixe de luz modulada é a fonte, que introduz a energia luminosa nas fibras na extremidade receptora, um detector foto elétrico converte as variações de amplitude da luz novamente em sinais elétricos a luz, portanto, serve como uma superportadora de sinais em toda a banda passante dos canais existem muitas vantagens importantes na utilização dos cabos de fibras ópticas como enlaces de longa distância: o cabo não é tão pesado quanto os de cobre mais conveniente para a instalação a atenuação da luz é muito inferior às perdas resultantes da condução ou irradiação de portadoras de RF a altíssima freqüência da luz permite modular um grande número de sinais ao mesmo tempo

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Figura - Radio em 1920.

Figura - Radio em 1920. Curiosidade: Muitos dos primeiros receptores AM com alimentação AC (para as válvulas) funcionavam com o chassi ligado ao neutro da rede (como terra), freqüentemente, ao se inverter a posição da tomada,

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA ESCOLA DE COMUNICAÇÕES OBJETIVOS Descrever a função de cada bloco do diagrama-bloco do RECEPTOR-TRANSMISSOR EB 11-RY 20/ERC; Descrever os procedimentos de medição

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas Antenas Parabólicas Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possui um alto ganho. Uma antena receptora de satélites de 3 metros de diâmetro, por exemplo, tem um ganho de 33dB, ou seja,

Leia mais

Antenas Parabólicas. - Tela de alumínio; - Fibra de vidro; - Alumínio.

Antenas Parabólicas. - Tela de alumínio; - Fibra de vidro; - Alumínio. Antenas Parabólicas Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possui um alto ganho. Uma antena receptora de satélites de 3 metros de diâmetro, por exemplo, tem um ganho de 33dB, ou seja,

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Modelo de um Sistema de Transmissão

Modelo de um Sistema de Transmissão Modelo de um Sistema de Transmissão A finalidade dos sistemas de telecomunicações é a de transformar um ou mais pontos as informações provenientes de uma ou mais fontes. uma configuração típica temos:

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS e acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Exame de Amador de Radiocomunicações

Exame de Amador de Radiocomunicações Exame de Amador de Radiocomunicações Categoria 1 1. O que acontece normalmente às ondas de rádio com frequências inferiores à frequência máxima utilizável (MUF) que são enviadas para a ionosfera? 1. São

Leia mais

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário.

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário. 2 REDE DE ASSINANTES É a parcela do sistema telefônico que interliga a central local com o aparelho telefônico. Além da voz, é usada também para comunicação de dados. Atualmente a rede de assinantes é

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

VANTAGENS COM A UTILIZAÇÃO DOS CONVERSORES DE VIDEO-PASSIVO

VANTAGENS COM A UTILIZAÇÃO DOS CONVERSORES DE VIDEO-PASSIVO DE VIDEO-PASSIVO 24.28 1 POSSIBILIDADES DE INSTALAR CÂMERAS A UMA DISTÂNCIA DE ATÉ 300 METROS (CVT-300M) OU DE ATÉ 500 METROS (CVT-500M) DO LOCAL DE MONITORAMENTO E SEM PROBLEMAS DE INTERFERÊNCIAS EXTERNAS

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE.

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE. Antena Coletiva: Projeto e Cuidados para Receber a TV Digital Este tutorial apresenta considerações para projeto de sistemas de antena coletiva para distribuir sinais de TV digital de alta definição, HD,

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação digital apresenta fácil aprendizado em princípios e aplicações da moderna tecnologia de comunicação

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA Muito se tem falado sobre os receptores de conversão direta, mas muita coisa ainda é desconhecida da maioria dos radioamadores sobre tais receptores.

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Módulo 2 Comunicação de Dados

Módulo 2 Comunicação de Dados URCAMP - CCEI - Curso de Informática Transmissão de Dados Módulo 2 Comunicação de Dados cristiano@urcamp.tche.br http://www.urcamp.tche.br/~ccl/redes/ Para SOARES (995), a transmissão de informações através

Leia mais

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA PESQUISA CABO COAXIAIS ASPECTOS TECNICOS FIBRA OPTICA SISTEMA TIPICO DE COMUNICAÇÃO PTICA ESTRUTURA DE UMA FIBRA OPTICA TIPOS DE FIBRA OPTICA Por Ítalo da Silva Rodrigues

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Sinal no domínio do tempo Redes de Computadores 2 1 Sinal sinusoidal no tempo S(t) = A sin (2πft

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS bits CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS I bloco codificador 1 codificador mapeador oscilador de canal de símbolo B/2 Q bloco 2 bloco 3 3 CDA antena amplificador bloco 4 CDA: conversor digital para analógico A figura

Leia mais

www.philips.com/welcome

www.philips.com/welcome Register your product and get support at www.philips.com/welcome SDV1225T/55 PT Manual do Usuário Sumário 1 Importante 4 Segurança 4 Aviso para os EUA 4 Aviso para o Canadá 4 Reciclagem 4 Português 2

Leia mais

Antenas Parabólicas -- Apostila Básica

Antenas Parabólicas -- Apostila Básica Antenas Parabólicas -- Apostila Básica Antenas parabólicas são usadas em UHF e Microondas. Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possuem um alto ganho. Uma antena receptora de satélites

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Amplificador de Radiofreqüência

Amplificador de Radiofreqüência Laboratório de Telecomunicações 1 Amplificador de Radiofreqüência Objetivos Comportamentais 1 Identificar um estágio amplificador de radiofreqüência utilizado em um transmissor típico e medir as tensões

Leia mais

Modelo de um Sistema de Transmissão

Modelo de um Sistema de Transmissão Modelo de um Sistema de Transmissão A finalidade dos sistemas de telecomunicações é a de transformar um ou mais pontos as informações provenientes de uma ou mais fontes. uma configuração típica temos:

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

Casamento de Impedância de Antenas

Casamento de Impedância de Antenas Capítulo 12 Casamento de Impedância de Antenas 12.1 Introdução Aimpedância de entrada de uma antena, em muitos casos, tem valor diferente da impedância de saídadosistemaaqueelaestá conectada. Épossível

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ Objetivos de Estudo: Desenvolvimento de um modulador AM e um demodulador, utilizando MatLab. Visualização dos efeitos de modulação e demodulação no domínio

Leia mais

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON APOSTILA MÓDULO 4 AULA 4 AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 2 Amplificação de sinais diferenciais bobina magnética e HALL O circuito Schmitt Trigger analisado detalhadamente Os pontos NSD e NID (Nível Superior

Leia mais

PARA SUA SEGURANÇA 1- DISPLAY. - Indica aparelho em "espera" ( Stand - By) DISPLAY NORMAL- Indica o número do canal, frequência, etc.

PARA SUA SEGURANÇA 1- DISPLAY. - Indica aparelho em espera ( Stand - By) DISPLAY NORMAL- Indica o número do canal, frequência, etc. 1 Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores de sinais de TV via satélite. Estamos certos de que o receptor Century USR 1900 lhe proporcionará a melhor imagem e também bons momentos

Leia mais

DIGITADO E FORMATADO POR WANDER RODRIGUES

DIGITADO E FORMATADO POR WANDER RODRIGUES SISTEMAS PLL 1 Sistemas PLL Os sistemas de laço fechado por fase já existem há um bom tempo, mas são ainda pouco conhecidos pelos próprios profissionais e estudantes de eletrônica. Daí a idéia de fazer

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

Linhas de transmissão

Linhas de transmissão Linhas de transmissão 1 - Introdução Linha de transmissão é um termo genérico utilizado para referenciar qualquer tipo de meio físico construído para transmissões de sinais elétricos ou óticos. No setor

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

Balanceado X Não-Balanceado

Balanceado X Não-Balanceado Page 1 of 5 Balanceado X Não-Balanceado Informação técnica para usuários de produtos de áudio profissional da Yamaha Conexões não-balanceadas empregam dois condutores: um no potencial do aterramento e

Leia mais

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução 5 Setup de Medidas 5.1. Introdução Para realização desse trabalho foi montada uma configuração de setup de medidas em UHF, mais precisamente no canal 42, freqüência central de 641 MHz em acordo com o Plano

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

Video Lecture RF. Laps

Video Lecture RF. Laps Video Lecture RF Laps Agenda 1. Considerações no projeto de circuitos RF 2. Casamento de impedância 3. Parâmetros S e Carta de Smith 4. Dispositivos/blocos comumente usados 5. Arquiteturas de transceptores

Leia mais

INTRODUÇÃO... 2 TRANSMISSÃO DE SINAL DE VÍDEO SOBRE CABO UTP... 3 TIPOS DE CONVERSORES DE VÍDEO (BALUNS)... 3 DÚVIDAS FREQUENTES...

INTRODUÇÃO... 2 TRANSMISSÃO DE SINAL DE VÍDEO SOBRE CABO UTP... 3 TIPOS DE CONVERSORES DE VÍDEO (BALUNS)... 3 DÚVIDAS FREQUENTES... INTRODUÇÃO... 2 TRANSMISSÃO DE SINAL DE VÍDEO SOBRE CABO UTP... 3 TIPOS DE CONVERSORES DE VÍDEO (BALUNS)... 3 PASSIVOS... 3 ATIVOS... 3 BALUN ATIVO COM PASSIVO... 4 DIAGRAMA DE INSTALAÇÃO... 4 DISTÂNCIAS

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Circuitos de Comunicação Introdução

Circuitos de Comunicação Introdução Circuitos de Comunicação Introdução Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Circuitos de Comunicação Objetivo: Estudar os blocos funcionais eletrônicos e de processamento digital de sinais que são utilizados nas comunicações

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Apresentação Linha de Produtos

Apresentação Linha de Produtos Apresentação Linha de Produtos Linha de Atuação Foco da Empresa Equipamentos para instalações de CFTV Linhas de Produtos - Conversores de Vídeo Passivos - Conversores de Vídeo Ativos - Isoladores de Sinal

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

ANTENAS. TIPOS e CONCEITOS BÁSICOS

ANTENAS. TIPOS e CONCEITOS BÁSICOS ANTENAS TIPOS e CONCEITOS BÁSICOS Desde os primeiros dias do rádio as antenas envolveram os operadores. Houveram muitos desejos e restrições. Cada tipo de antena foi desenvolvido para ajudar alguém em

Leia mais

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema?

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre antenas empregadas na transmissão de TV Digital que começam em 2 de dezembro de 2007 em

Leia mais

Baluns Como eles trabalham Como eles são feitos

Baluns Como eles trabalham Como eles são feitos Baluns Como eles trabalham Como eles são feitos O que é um balun? O Balun é um tipo especial de transformador que faz duas funções: Transformador de impedância Transformador de linha balanceada para linha

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

Introdução ao estudo dos osciladores

Introdução ao estudo dos osciladores Introdução ao estudo dos osciladores Os receptores de rádio modernos, que você usa em seu lar ou automóvel, contém osciladores. Todo transmissor usa um oscilador para produzir os sinais que transmite,.

Leia mais

Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004-2007 For Evaluation Only.

Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004-2007 For Evaluation Only. Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004-2007 For Evaluation Only. BUG - Mini transmissor FM Os transmissores são as montagens favoritas dos rádios aficcionados: Temos um

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE TV A CABO

DISTRIBUIÇÃO DE TV A CABO 10 DISTRIBUIÇÃO DE TV A CABO PTC547 PRINCÍPIOS DE TELEVISÃO DIGITAL Guido Stolfi EPUSP 11/015 1. Introdução Os primeiros sistemas de distribuição de TV via cabo surgiram por volta de 1948 (Ed Parson, Oregon,

Leia mais

Monitores. Ver.14/Abr/2004

Monitores. Ver.14/Abr/2004 MONITORES DE ÁUDIO E VÍDEO E GERADORES DE ÁUDIO Linha de Monitores de Vídeo e Áudio e Gerador de Tons de Áudio para: Emissoras de Rádio e TV, Headends, Produtoras, Copiadoras, Estúdios, Centros de Áudio

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

1. BOOSTER e FONTES 2. AMPLIFICADORES 3. FILTROS 4. TOMADAS 5. DIVISORES 6. BALUN 7. MODULADORES 8. CONVERSORES DIVERSOS

1. BOOSTER e FONTES 2. AMPLIFICADORES 3. FILTROS 4. TOMADAS 5. DIVISORES 6. BALUN 7. MODULADORES 8. CONVERSORES DIVERSOS Índice 1. BOOSTER e FONTES 1.1. 213T Preamplificador TV/FM-VHF 300/75 Ohms 1.1. 1483 Conj. Preamplificador TV/UHF 300/75 Ohms 1.1. WP-1C Preamplificador TV/FM-VHF monocanal 1.2. FT-2 Fonte de alimentação

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 03 Cabeamento

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

Manual de Operação do Century PR 2010 Áudio Variável

Manual de Operação do Century PR 2010 Áudio Variável Manual de Operação do Century PR 2010 Áudio Variável O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores analógicos de sinais de

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

ANTENAS E FILTROS PARA FM (87-108 MHz)

ANTENAS E FILTROS PARA FM (87-108 MHz) ANTENAS E FILTROS PARA FM (87-108 MHz) Ra Chamantá, 383 - V.Prdente - SP - Fone/Fax (11) 2020-0055 - SITE: www.electril.com - e-mail: electril@terra.com.br 87 a 98MHz 97 a 108MHz ANTENA BANDA LARGA PARA

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

Instrumentação e Técnicas de Medidas. Ruído, Interferência

Instrumentação e Técnicas de Medidas. Ruído, Interferência Instrumentação e Técnicas de Medidas Ruído, Interferência Controle de Versões 2013 Versão 1 Instrumentação e Técnicas de Medidas (ITM) Com base nas notas de aula de COB783 e Op Amp Applications Handbook,

Leia mais

Fundamentos de Telecomunicações

Fundamentos de Telecomunicações Fundamentos de Telecomunicações Translação de Frequências A utilização eficaz de um canal de transmissão pode requerer por vezes a utilização de uma banda de frequências diferente da frequência original

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabeamento Óptico (Norma ANSI/TIA-568-C.3) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace) que liga

Leia mais

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO

Leia mais

OS FILTROS MECÂNICOS TRABALHANDO PARA A SELETIVIDADE 1

OS FILTROS MECÂNICOS TRABALHANDO PARA A SELETIVIDADE 1 OS FILTROS MECÂNICOS TRABALHANDO PARA A SELETIVIDADE 1 ROBERT A. JOHNSON, COLLINS RADIO GROUP, ROCKWELL INTERNATIONAL CORP. NEWPORT BEACH, CALIF. Podem aprimorar sistemas onde a seletividade em alta freqüência,

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

Manual de Operação do USR - 1950

Manual de Operação do USR - 1950 Manual de Operação do USR - 1950 A Century se reserva todos os direitos sobre este Manual podendo alterar seu conteúdo sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Informática Prof. Macêdo Firmino Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Sistema Computacional Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 2 / 41 O que é

Leia mais

Manual de Operação do ROTASAT RTS 1900. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio.

Manual de Operação do ROTASAT RTS 1900. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Manual de Operação do ROTASAT RTS 1900 O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores analógicos de sinais de TV via satélite.

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE TELEFONIA

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE TELEFONIA INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE TELEFONIA Qualquer assunto sobre telefone eletrônico ou sem fio só pode se devidamente entendido se for precedido de algumas informações básicas sobre telefonia. Um sistema de

Leia mais

Hardware de Computadores

Hardware de Computadores Fonte de Energia Hardware de Computadores Introdução As fontes de alimentação são as responsáveis por distribuir energia elétrica a todos os componentes do computador. Assim, uma fonte de qualidade é essencial

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 5 que por sua vez, faz parte do CURSO DE TELECOMUNICAÇÕES (MÓDULO 5 ao 7).

O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 5 que por sua vez, faz parte do CURSO DE TELECOMUNICAÇÕES (MÓDULO 5 ao 7). ATENÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 5 que por sua vez, faz parte do CURSO DE TELECOMUNICAÇÕES (MÓDULO 5 ao 7). A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br Os cabos são usados como meio de comunicação há mais de 150 anos. A primeira implantação em larga escala de comunicações via

Leia mais

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação.

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação. Meios de transmissão Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Quando enviamos uma informação para um destino, ela vai por um canal de comunicação. Esse canal de comunicação tem um limite

Leia mais