Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas"

Transcrição

1 Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção de sinal de TV analógica e de TV digital, bem como projetar uma rede de distribuição. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Edson Gusella Jr. Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE. Atou no desenvolvimento de equipamentos para satélite de coleta de dados ambientais no INPE e no desenvolvimento de produtos para CATV e Antena Coletiva, nas faixas de VHF e UHF, tais como antenas, tomadas, divisores, amplificadores de distribuição, boosters, moduladores, conversores e filtros. Atua como Consultor, realizando acessoria, cursos e treinamentos, nas áreas de distribuição de sinal e instrumentação de medida de CATV e TV Digital e, também, como Professor de Engenharia na Universidade de Mogi das Cruzes (UMC) na área de Telecomunicações. Categoria: TV e Rádio Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 15 minutos Publicado em: 20/07/2009

2 Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV A recepção de sinais TV em prédios de apartamentos é feita através de antenas coletivas colocadas no topo do edifício como representado na figura a seguir. Este sistema de distribuição pode ser também utilizado para distribuição de sinais de outros sistemas como CATV (TV a cabo) ou de um circuito interno de TV do prédio, ou mesmo do sinal de TV digital, que está sendo disponibilizado no Brasil. O sinal de TV é distribuído aos apartamentos utilizando-se uma ou mais prumadas (linhas de descida de sinal), da qual se extrai uma fração do sinal para fornecer ao usuário. Apresenta-se a seguir os componentes principais deste sistema. Antenas As antenas normalmente utilizadas em sistemas de antena coletiva são monocanais ou multibandas. As antenas multibandas recebem todos os canais transmitidos numa mesma direção, não sendo possível ajustar um canal de forma independente dos demais. As antenas monocanais de VHF são projetadas para recepção de um único canal de TV. Assim para se receber um conjunto de 7 canais de VHF é necessário 7 antenas, uma para cada canal. Isso é feito para otimizar a recepção de cada canal. Já para receber os sinais de TV digital é preciso de uma antena multibanda de UHF, pois os sinais de TV digital são transmitidos nesta faixa de freqüência. Misturadores São utilizados para misturar e equalizar sinais de TV provenientes de diversas antenas ou de outros sistemas como CATV (TV a cabo) ou de um circuito interno de TV do prédio, ou mesmo do sinal de TV digital. A forma de se adicionar os sinais de TV Digital, que estão na faixa de UHF, aos sinais de VHF é empregando um misturador de VHF + UHF. Não se deve utilizar misturadores de canais convencionais de UHF para distribuição de TV Digital. Isso ocorre por que os sinais de TV Digital são transmitidos em canais adjacentes, um ao lado do outro.

3 Este equipamento possui várias entradas, cada qual com um filtro passa canal e um atenuador variável para ajustar o nível do sinal do canal na saída. Assim é possível obter um conjunto de canais, todos com o mesmo nível de sinal. Amplificadores de Potência Amplifica o sinal aplicado na sua entrada para que o nível na saída seja suficiente para compensar as perdas ocorridas no sistema de distribuição. Em sistemas de distribuição para antenas coletivas este sinal está nas faixas de VHF e UHF, que vão de 54 a 216 MHz e de 470 a 800MHz. Quando os sistemas de distribuição são utilizados para sistemas de CATV os amplificadores utilizados podem ser do tipo push-pull. Os amplificadores de CATV empregam um módulo amplificador híbrido e possuem ajustes de nível e de inclinação, que serve para compensar a característica seletiva das perdas em cabos coaxiais. Alguns destes possuem amplificadores para os canais de retorno de CATV, que ficam na faixa de 5 a 42 MHz. Estes canais de retorno servem para transmitir a informação do usuário para a cabeceira do sistema. São empregados normalmente para transmissão de dados e utilizados em sistemas de Internet rápida. Tomada Blindada (Tap) Utilizada na distribuição dos sinais nas prumadas. É composta de uma acoplador direcional que retira uma parcela do sinal que passa pela tomada. A figura mostra os principais parâmetros envolvidos. A característica que nomeia uma tomada é quanto de sinal ela acopla da linha principal: ALT: acoplamento, que é uma medida da atenuação da linha. AP: atenuação de passagem. AI: atenuação de isolação. A tabela a seguir apresenta características típicas de tomadas encontradas comercialmente (Valores em db). ALT AP AI 6 db 2 db 22 db 9 db 1,3 db 24 db 12 db 1,0 db 27 db 16 db 0,6 db 30 db 20 db 0,5 db 35 db 24 db 0,5 db 39 db 27 db 0,5 db 42 db 30 db 0,5 db 45 db Cabo Coaxial Para levar os sinais recebidos pelas antenas até os usuários, o meio de transmissão utilizado nas instalações de CATV e antena coletiva é o cabo coaxial de 75 Ohms. Não se devem empregar linhas de fita, que embora mais baratas, são linhas de transmissão abertas com impedância de 300 Ohms e não são compatíveis com os demais equipamentos. A atenuação que o cabo coaxial introduz no sinal que por ele passa é proporcional ao comprimento do cabo e à freqüência do sinal. Isso quer dizer, por exemplo, que os canais de UHF sofrem maior atenuação que os canais de VHF. Por esta razão é preciso utilizar cabos de boa qualidade, com baixas perdas em UHF, para que o sinal de TV Digital chegue com o nível adequado de sinal aos usuários. A atenuação dos cabos coaxiais dependem basicamente de 2 parâmetros: o diâmetro do cabo e o material dielétrico que separa o condutor central, chamado de "vivo" ou "alma" do cabo, e o condutor externo, chamado de malha. Quanto maior o diâmetro, menor a atenuação e quanto menor a constante dielétrica do material, menor a atenuação. Os cabos de 75 Ohms para distribuição de sinais de TV com as menores atenuações no mercado hoje são os cabos do

4 tipo "celular", como, por exemplo, o RGC-59, o RGC-06 e o RGC-11. A tabela a seguir apresenta as perdas típicas, em db/m, de alguns cabos coaxiais: 50 MHz 210 MHz 450 MHz 600 MHz RGC-59 0,064 db/m 0,131 db/m 0,194 db/m 0,220 db/m RGC-06 0,053 db/m 0,100 db/m 0,144 db/m 0,167 db/m RGC-11 0,027 db/m 0,056 db/m 0,085 db/m 0,100 db/m RG-59 B/U 0,081 db/m 0,177 db/m 0,271 db/m 0,318 db/m Sistemas de Distribuição: Projeto Apresenta-se a seguir o projeto de um sistema de distribuição em um edifício em que o sinal é distribuído a partir da cabeceira do sistema, que fica no topo do prédio. O objetivo do projeto é garantir que o sinal seja entregue aos usuários dos vários andares com, aproximadamente, o mesmo nível de sinal. Este objetivo é alcançado pela escolha das tomadas a serem utilizadas em cada andar, como exemplificado a seguir. A unidade utilizada para caracterizar os sinais é o db. Exemplo de dimensionamento Considere o caso de dimensionamento de um sistema de distribuição de TV para um prédio com as seguintes características: Distância (d) entre tomadas: 3 m. Atenuação do cabo coaxial na frequência utilizada: 0,133 db/m. Nível de referência na saída para o sinal de TV: 0 db. Apartamento 1 Para se determinar quais tomadas utilizar em uma distribuição, começa-se pela tomada no final da linha, ou seja, no apartamento 1. Deve-se utilizar, sempre que possível, a tomada de menor atenuação, que é a tomada de 6dB. Os níveis de sinal na tomada do apartamento 1 são portanto: VT(1)= 0 db e V E (1) = V T (1) + A LT (1) = = 6dB Apartamento 2 No apartamento 2 Vs será igual a VE(1) acrescida da atenuação no cabo coaxial. Atenuação no cabo = ac. d 1,2 = 0,133 db/m. 3 m = 0,399 db VS(2) = VE (1)+ atenuação no cabo = 6 + 0,399 = 6,399 db Para uma dada tomada: VE= VS+ Ap e VT= VE- ALT A escolha da atenuação da tomada é um processo interativo. A primeira tentativa é repetir a tomada do andar de baixo. A segunda tentativa é a tomada seguinte de maior atenuação. O sinal é máximo quando ele sai da cabeceira, e vai sendo atenuado à medida que ele é distribuído. Portanto é de se esperar que as tomadas dos apartamentos próximos da cabeceira tenham uma atenuação da linha para a tomada maior que a de um usuário que esteja mais distante, onde o sinal já está atenuado. O objetivo é escolher a tomada com o VT mais próximo do nível de referência. Para tomadas de 6 e 9 db obtêm-se: ALT Ap VE VT 6 db 2 db 8,4 db 2,4 db 9 db 1,3 db 7,7 db -1,3 db A tomada de 9dB será escolhida por apresentar na saída para a TV um nível mais próximo do nível de referência que é 0dB. Apartamento j+1

5 De uma maneira geral, para determinar a atenuação da tomada do apartamento "j+ 1", quando já se chegou no apartamento "j", procede-se da seguinte forma: Calcula-se nível na saída da tomada "j+ 1", V s (j+1) = VE (j) + atenuação no cabo entre os andares; Calcula-se VE (j+1) e VT (j+1) para a tomada utilizada no apartamento j e para a tomada com o próximo nível de atenuação utilizando-se as fórmulas: VE= VS+ Ap e VT= VE- ALT; Escolhe-se a tomada que apresentar na saída para a TV um nível mais próximo do nível de referência que é 0dB no exemplo. Sistemas de Distribuição: Outros componentes Apresenta-se a seguir outros componentes utilizados em sistemas de distribuição para antenas coletivas e CATV. Booster São amplificadores de ruído baixo, montados junto às antenas, para melhorar a relação sinal/ruído do sistema de recepção. Possui uma fonte separada que envia alimentação ao amplificador pelo próprio cabo de sinal. Existem vários modelos de boosters, para as faixas de VHF, de UHF ou para ambas as faixas, com diversas faixas de ganho. Moduladores Utilizado para modular uma portadora de RF através de sinais de áudio e vídeo provenientes de receptores, câmeras, videocassetes, etc. Os moduladores normalmente utilizados em sistemas de antena coletiva não filtram a banda lateral inferior do canal de TV. Portanto, eles não podem ser utilizados em sistemas que operam com canais adjacentes, tais como os sistemas de CATV. Para esta aplicação empregam-se moduladores com

6 modulação do tipo AM VSB (vestigial sideband). Conversores São empregados para converter a freqüência de um canal, normalmente na faixa de UHF, para um outro canal, normalmente em VHF. Atenuadores São utilizados para adequar os níveis de sinais às necessidades do sistema de distribuição de CATV ou antena coletiva. Podem ser de atenuação fixa ou variável. Divisores (Power Spliter) Utilizado na divisão e distribuição de um sinal para diversas saídas e também para combinar diversos sinais em uma única saída (quando utilizado ao contrário).

7 Sistemas de Distribuição: Considerações Finais Este tutorial apresentou os componentes principais utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas tanto para TV analógica como para TV digital, e o seu dimensionamento. Um aspecto importante, que não foi citado até então, é a necessidade de instrumentos de medidas apropriados para verificação do funcionamento e ajustes em sistemas de CATV e antena coletiva, principalmente no que se refere a recepção de sinal dos canais de TV digital. O instrumento mais acessível aos técnicos que trabalham com sistemas de antena coletiva é o Medidor de Intensidade de Campo, ou simplesmente Medidor de Campo. Outros equipamentos mais sofisticados como Analisadores de Espectro ou Analisadores de Redes também podem ser utilizados. O medidor de intensidade de campo é um voltímetro seletivo com um sintonizador interno que possibilita medir o nível de sinal de cada canal. As leituras do nível de sinal podem ser feitas em mostradores analógicos ou digitais e as unidades normalmente empregadas são o dbmv e o dbµv. Estas unidades indicam quantos dbs (decibéis) o sinal medido está acima ou abaixo (se o valor for negativo) de 1mV ou 1µV. A tabela abaixo mostra as correspondências entre as leituras. Nível dbmv dbµv 0,1mV mV mV mV mV mV mV V V Para que um sistema de antena coletiva funcione adequadamente, é necessário que o nível efetivo de sinal disponível para cada aparelho de TV esteja entre 1mV e 10mV. É a partir desta informação que se dimensiona os equipamentos usados na distribuição e se calcula o nível de sinal necessário na saída do amplificador de distribuição. Referências Para obter maiores informações sobre os equipamentos utilizados em sistemas de CATV e antena coletiva, as fontes mais indicadas são os catálogos e sites de fabricantes de equipamentos:

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV

Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV www.thevear.com.br www.teleco.com.br A recepção de sinais TV em prédios de apartamentos é feita através de antenas coletivas colocadas no topo do edifício

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE.

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE. Antena Coletiva: Projeto e Cuidados para Receber a TV Digital Este tutorial apresenta considerações para projeto de sistemas de antena coletiva para distribuir sinais de TV digital de alta definição, HD,

Leia mais

1. BOOSTER e FONTES 2. AMPLIFICADORES 3. FILTROS 4. TOMADAS 5. DIVISORES 6. BALUN 7. MODULADORES 8. CONVERSORES DIVERSOS

1. BOOSTER e FONTES 2. AMPLIFICADORES 3. FILTROS 4. TOMADAS 5. DIVISORES 6. BALUN 7. MODULADORES 8. CONVERSORES DIVERSOS Índice 1. BOOSTER e FONTES 1.1. 213T Preamplificador TV/FM-VHF 300/75 Ohms 1.1. 1483 Conj. Preamplificador TV/UHF 300/75 Ohms 1.1. WP-1C Preamplificador TV/FM-VHF monocanal 1.2. FT-2 Fonte de alimentação

Leia mais

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek 6.5. Caracterização da saturação do LNBF A verificação de nível de saturação no LNBF foi feita com o aumento do nível de sinal de TX até que se observasse frequências espúrias no analisador de espectro.

Leia mais

Circuitos de Comunicação Introdução

Circuitos de Comunicação Introdução Circuitos de Comunicação Introdução Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Circuitos de Comunicação Objetivo: Estudar os blocos funcionais eletrônicos e de processamento digital de sinais que são utilizados nas comunicações

Leia mais

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas Antenas Parabólicas Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possui um alto ganho. Uma antena receptora de satélites de 3 metros de diâmetro, por exemplo, tem um ganho de 33dB, ou seja,

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

APLICATIVO PARA SIMULAÇÃO DE SISTEMAS DE CATV/MATV COMO RECURSO DIDÁTICO

APLICATIVO PARA SIMULAÇÃO DE SISTEMAS DE CATV/MATV COMO RECURSO DIDÁTICO DIEGO SCARAMUSSA APLICATIVO PARA SIMULAÇÃO DE SISTEMAS DE CATV/MATV COMO RECURSO DIDÁTICO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Escola de Engenharia de São Carlos, da Universidade de São Paulo Curso

Leia mais

Figura - Radio em 1920.

Figura - Radio em 1920. Curiosidade: Muitos dos primeiros receptores AM com alimentação AC (para as válvulas) funcionavam com o chassi ligado ao neutro da rede (como terra), freqüentemente, ao se inverter a posição da tomada,

Leia mais

VANTAGENS COM A UTILIZAÇÃO DOS CONVERSORES DE VIDEO-PASSIVO

VANTAGENS COM A UTILIZAÇÃO DOS CONVERSORES DE VIDEO-PASSIVO DE VIDEO-PASSIVO 24.28 1 POSSIBILIDADES DE INSTALAR CÂMERAS A UMA DISTÂNCIA DE ATÉ 300 METROS (CVT-300M) OU DE ATÉ 500 METROS (CVT-500M) DO LOCAL DE MONITORAMENTO E SEM PROBLEMAS DE INTERFERÊNCIAS EXTERNAS

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

Capítulo III Descrição geral dos testes de campo

Capítulo III Descrição geral dos testes de campo Capítulo III Descrição geral dos testes de campo A) Teste de Campo de Cobertura para Comparação de Desempenho dos Sistemas ATSC, DVB-T e ISDB-T A1. Objetivo Este teste tem como objetivo comparar o desempenho

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO 4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO Este bloco de ensaios visa a avaliar as características dos sistemas de TV Digital ATSC, DVB-T e ISDB-T para recepção dos sinais. 4.1 Limiar da relação portadora

Leia mais

www.philips.com/welcome

www.philips.com/welcome Register your product and get support at www.philips.com/welcome SDV1225T/55 PT Manual do Usuário Sumário 1 Importante 4 Segurança 4 Aviso para os EUA 4 Aviso para o Canadá 4 Reciclagem 4 Português 2

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

ANTENAS ALCAD / TELEVÉS

ANTENAS ALCAD / TELEVÉS ANTENAS ALCAD / TELEVÉS ANTENAS UHF ALCAD SÉRIE CINZA REFLECTOR PEQUENO 200.BU-269 200.BU-453 200.BU-454 200.BU-569 200.BU-547 200.BU-539 200.BU-455 ALCAD 200.BU-229 200.BU-238 200.BU-469 ANTENA UHF 21/69

Leia mais

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Antonio Vivaldi Rodrigues Diretor de Engenharia CelPlan 2/32 Í N D I C E 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 2. INTRODUÇÃO... 6 3. SETUP

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

- ANTENAS - INTERFONIA - TELEFONIA - VÍDEO PORTEIRO - FECHADURAS E FECHOS - FIOS E CABOS QUALIDADE E TECNOLOGIA A SERVIÇO DE SUA SEGURANÇA

- ANTENAS - INTERFONIA - TELEFONIA - VÍDEO PORTEIRO - FECHADURAS E FECHOS - FIOS E CABOS QUALIDADE E TECNOLOGIA A SERVIÇO DE SUA SEGURANÇA ISO - ANTENAS - INTERFONIA - TELEFONIA - VÍDEO PORTEIRO - FECHADURAS E FECHOS - FIOS E CABOS EMPRESA CERTIFICADA 9001:2000 QUALIDADE E TECNOLOGIA A SERVIÇO DE SUA SEGURANÇA FIOS E CABOS Para sua maior

Leia mais

Antenas Parabólicas -- Apostila Básica

Antenas Parabólicas -- Apostila Básica Antenas Parabólicas -- Apostila Básica Antenas parabólicas são usadas em UHF e Microondas. Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possuem um alto ganho. Uma antena receptora de satélites

Leia mais

Apresentação Linha de Produtos

Apresentação Linha de Produtos Apresentação Linha de Produtos Linha de Atuação Foco da Empresa Equipamentos para instalações de CFTV Linhas de Produtos - Conversores de Vídeo Passivos - Conversores de Vídeo Ativos - Isoladores de Sinal

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Antenas Parabólicas. - Tela de alumínio; - Fibra de vidro; - Alumínio.

Antenas Parabólicas. - Tela de alumínio; - Fibra de vidro; - Alumínio. Antenas Parabólicas Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possui um alto ganho. Uma antena receptora de satélites de 3 metros de diâmetro, por exemplo, tem um ganho de 33dB, ou seja,

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

INTRODUÇÃO... 2 TRANSMISSÃO DE SINAL DE VÍDEO SOBRE CABO UTP... 3 TIPOS DE CONVERSORES DE VÍDEO (BALUNS)... 3 DÚVIDAS FREQUENTES...

INTRODUÇÃO... 2 TRANSMISSÃO DE SINAL DE VÍDEO SOBRE CABO UTP... 3 TIPOS DE CONVERSORES DE VÍDEO (BALUNS)... 3 DÚVIDAS FREQUENTES... INTRODUÇÃO... 2 TRANSMISSÃO DE SINAL DE VÍDEO SOBRE CABO UTP... 3 TIPOS DE CONVERSORES DE VÍDEO (BALUNS)... 3 PASSIVOS... 3 ATIVOS... 3 BALUN ATIVO COM PASSIVO... 4 DIAGRAMA DE INSTALAÇÃO... 4 DISTÂNCIAS

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Noções Básicas de identificação da qualidade de cabos coaxiais e pares trançados

Noções Básicas de identificação da qualidade de cabos coaxiais e pares trançados Noções Básicas de identificação da qualidade de cabos coaxiais e pares trançados Este tutorial apresenta noções básicas de identificação da qualidade de cabos coaxiais e pares trançados. Mauricio Matos

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena Transmissora Meio de

Leia mais

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

PROJETO DO CANAL DE RETORNO PARA REDES HFC

PROJETO DO CANAL DE RETORNO PARA REDES HFC PROJETO DO CANAL DE RETORNO PARA REDES HFC Marcelo Melo da Costa mmc@amazon.com.br RESUMO As empresas de TV a cabo atualmente estão implementando redes para a distribuição dos sinais do tipo HFC (híbrida

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR 1 Validade: A partir de 01/91 Departamento Acadêmico de: Engenharia Elétrica Curso: Engenharia Industrial Elétrica Carga Horária: 60H ( Teórica: 30H Lab.: 30H Exerc.: 00H ) Créditos: 03 Pré-requisitos:

Leia mais

Modelo de um Sistema de Transmissão

Modelo de um Sistema de Transmissão Modelo de um Sistema de Transmissão A finalidade dos sistemas de telecomunicações é a de transformar um ou mais pontos as informações provenientes de uma ou mais fontes. uma configuração típica temos:

Leia mais

TE155-Redes de Acesso sem Fios Cabos e Acessórios

TE155-Redes de Acesso sem Fios Cabos e Acessórios Cabos e Acessórios Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br Cabos e Assessórios Cabos Coaxiais Conectores e Pigtails Cabos Coaxiais Irradiantes

Leia mais

Manual de Operação do Century PR 2010 Áudio Variável

Manual de Operação do Century PR 2010 Áudio Variável Manual de Operação do Century PR 2010 Áudio Variável O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores analógicos de sinais de

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 6 Cabeamento Residencial Cabeamento residencial Sistema que integra os serviços de telecomunicações em uma residência: Rede local de computadores, acesso à internet, controle

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002). ADSL (Speedy, Velox, Turbo) Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através

Leia mais

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h)

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico de projecto

Leia mais

OLIVEIRA BRUNO RELATÓRIO TÉCNICO

OLIVEIRA BRUNO RELATÓRIO TÉCNICO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática PAOLA OLIVEIRA BRUNO RELATÓRIO TÉCNICO

Leia mais

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema?

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre antenas empregadas na transmissão de TV Digital que começam em 2 de dezembro de 2007 em

Leia mais

Convivência Banda C Satélite e WiMAX

Convivência Banda C Satélite e WiMAX Convivência Banda C Satélite e WiMAX 16 de agosto de 2011 Interferência na Banda C Sinal satélite ( transmitido a 36.000 km de distância) recebido com potência muito menor que sinal WiMAX (transmitido

Leia mais

Acompanha: 1 cabo de 4m 1 adaptador para plug p10 1 antena 1 receptor. Este microfone pode ser usado com ou sem fio.

Acompanha: 1 cabo de 4m 1 adaptador para plug p10 1 antena 1 receptor. Este microfone pode ser usado com ou sem fio. VX 101: Produto:VHF Sistema de Microfone sem fio de um canal Frequência de Recepção: VHF 165 270 Mhz Estabilidade de frequência:< 0.002% Sensibilidade: 80 dbm Taxa de S/N: > 70dB Voltagem de energia AC

Leia mais

UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão Fonte: Rodrigo Semente A Distorção, em Sistemas de Comunicação, pode ser entendida como uma ação que tem como objetivo modificar as componentes

Leia mais

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA ESCOLA DE COMUNICAÇÕES OBJETIVOS Descrever a função de cada bloco do diagrama-bloco do RECEPTOR-TRANSMISSOR EB 11-RY 20/ERC; Descrever os procedimentos de medição

Leia mais

PARA SUA SEGURANÇA 1- DISPLAY. - Indica aparelho em "espera" ( Stand - By) DISPLAY NORMAL- Indica o número do canal, frequência, etc.

PARA SUA SEGURANÇA 1- DISPLAY. - Indica aparelho em espera ( Stand - By) DISPLAY NORMAL- Indica o número do canal, frequência, etc. 1 Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores de sinais de TV via satélite. Estamos certos de que o receptor Century USR 1900 lhe proporcionará a melhor imagem e também bons momentos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Manual de Operação do USR - 1950

Manual de Operação do USR - 1950 Manual de Operação do USR - 1950 A Century se reserva todos os direitos sobre este Manual podendo alterar seu conteúdo sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores

Leia mais

extras SOLO Estação Radio Base TETRA

extras SOLO Estação Radio Base TETRA Geyschlaegergasse 14, A-1150 Vienna, Austria, Europe +43/786 12 86-0 extras SOLO Estação Radio Base TETRA Utilidade Pública Indústria Governo Aeroportos Portos Transporte Segurança Pública 3T Communications

Leia mais

18 dbi. Senior HD - Possibilita a perfeita sintonia em todas as faixas de frequência, com excelente qualidade de imagem.

18 dbi. Senior HD - Possibilita a perfeita sintonia em todas as faixas de frequência, com excelente qualidade de imagem. Master HD - Com maior capacidade de recepção devido ao potente amplificador de sinal, possibilita a perfeita sintonia em todas as faixas de frequências. Senior HD - Possibilita a perfeita sintonia em todas

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg.

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg. UFSM-CTISM Comunicação de Dados - Exemplos práticos Aula-05 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Meio de é o caminho físico entre o transmissor e o receptor. Como visto numa aula anterior

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais

Automação residencial: visão geral e aplicações

Automação residencial: visão geral e aplicações Automação residencial: visão geral e aplicações Paulo Sérgio Marin, Dr. Engº. paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br Resumo- A automação residencial é um segmento relativamente novo na indústria de infraestrutura

Leia mais

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará).

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará). Transmissão Digital em Banda Base: Modelagem do Canal Este tutorial apresenta a implementação da formatação de um pulso para transmissão digital em banda base que simule a resposta ao impulso de um canal

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Número PE046/2013. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega

Número PE046/2013. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega Folha 1 1 CONECTOR, N - Encaixe tipo femea; Un 20,00 - Fixacao do condutor interno por solda; - Fixacao do cabo por sistema Clamp; - Para cabo coaxial tipo RGC213 50ohms; - Frequencia de trabalho max 6,5GHz;

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Radiodifusão Sonora Digital

Radiodifusão Sonora Digital 1 Radiodifusão Sonora Digital Lúcio Martins da Silva AUDIÊNCIA PÚBLICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL ASSUNTO: A ADOÇÃO DE UMA NOVA TECNOLOGIA PARA

Leia mais

DISTÂNCIA MÍNIMA ENTRE ESTAÇÕES DE RADIODIFUSÃO COMUNITÁRIA OPERANDO NOS CANAIS 198, 199 E 200 PRODUTO 1

DISTÂNCIA MÍNIMA ENTRE ESTAÇÕES DE RADIODIFUSÃO COMUNITÁRIA OPERANDO NOS CANAIS 198, 199 E 200 PRODUTO 1 PD.33.10.53A.0008A/RT-01-AB 1 / 12 DISTÂNCIA MÍNIMA ENTRE ESTAÇÕES DE RADIODIFUSÃO COMUNITÁRIA OPERANDO NOS CANAIS 198, 199 E 200 PRODUTO 1 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL OS n o 10352 Contrato

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia,

Comissão de Ciência e Tecnologia, Seminário de Rádio R Digital Comissão de Ciência e Tecnologia, Informática e Inovação Brasília 22 de novembro de 2007 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são aqueles que no passado,

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO E TV A CABO 1 FREQÜÊNCIAS DO SISTEMA A CABO

LINHAS DE TRANSMISSÃO E TV A CABO 1 FREQÜÊNCIAS DO SISTEMA A CABO 1 LINHAS DE TRANSMISSÃO E TV A CABO 1 FREQÜÊNCIAS DO SISTEMA A CABO CANAIS ADJACENTES no sistema a cabo, a interferência entre canais adjacentes é minimizada pelo balanceamento dos sinais em um nível comum

Leia mais

Manual de Operação do ROTASAT RTS 1900. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio.

Manual de Operação do ROTASAT RTS 1900. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Manual de Operação do ROTASAT RTS 1900 O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores analógicos de sinais de TV via satélite.

Leia mais

O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp

O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp 7-8-2013 Agenda Atribuições e missão da SET Grupos SET de Trabalho Testes e estudos no Japão Proposta de consulta

Leia mais

Balanceado X Não-Balanceado

Balanceado X Não-Balanceado Page 1 of 5 Balanceado X Não-Balanceado Informação técnica para usuários de produtos de áudio profissional da Yamaha Conexões não-balanceadas empregam dois condutores: um no potencial do aterramento e

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Sinal no domínio do tempo Redes de Computadores 2 1 Sinal sinusoidal no tempo S(t) = A sin (2πft

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 O pode ser definido como todo e qualquer tipo de interfência externa que exercida sobre um

Leia mais

Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA. Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO.

Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA. Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO. Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO. Comparação entre módulos LNB comerciais e modificados para a situação de convivência entre sistemas terrestres

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA Muito se tem falado sobre os receptores de conversão direta, mas muita coisa ainda é desconhecida da maioria dos radioamadores sobre tais receptores.

Leia mais

LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA

LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA ANTENAS FAMÍLIAS DE PRODUTOS ACUMULADORES DE ENERGIA (BATERIA) CABOS COAXIAIS CABOS ÓPTICOS E FIBRAS ÓPTICAS CABOS PARA TRANSMISSÃO DE DADOS

Leia mais

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS 802.11n + NV2 TDMA Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS Nicola Sanchez Engenheiro de Telecomunicações Mikrotik Certified Trainer CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL MIKROTIK CENTRO DE

Leia mais

Testes de Interferências do LTE na TV Digital

Testes de Interferências do LTE na TV Digital Testes de Interferências do LTE na TV Digital Prof. Gunnar Bedicks Laboratório de Pesquisas em TV Digital Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, 13.02.2014 Metodologia dos Estudos de Interferência

Leia mais

Exame de Amador de Radiocomunicações

Exame de Amador de Radiocomunicações Exame de Amador de Radiocomunicações Categoria 1 1. O que acontece normalmente às ondas de rádio com frequências inferiores à frequência máxima utilizável (MUF) que são enviadas para a ionosfera? 1. São

Leia mais

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT.

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT. ADSL Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através da rede de pares

Leia mais

Manual de Operação do Century BR2014 Slim. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio.

Manual de Operação do Century BR2014 Slim. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Manual de Operação do Century BR2014 Slim O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores analógicos de sinais de TV via satélite.

Leia mais

MÓDULO SINTETIZADOR.

MÓDULO SINTETIZADOR. MÓDULO SINTETIZADOR. O módulo sintetizador é uma placa (PCA) de 3,5pol x 9 pol, ligada a placa mãe em J4 e localizada imediatamente adjacente ao módulo de Referência/Controle do transceptor. Como o módulo

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS ANEXO À RESOLUÇÃO N o 554, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS 1. Objetivo Esta Norma estabelece,

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

www.proeletronic.com.br

www.proeletronic.com.br 9 - Data de Fabricação Para obter a data de fabricação : SEMANA (35) ANO (6) (*) A data de fabricação é obtida conforme fig. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 6 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 7 CNPJ 68.389.097/00-00 INDUSTRIA

Leia mais

COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS

COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS Física 11º Ano COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS MARÍLIA PERES TRANSMISSÃO DE INFORMAÇÃO Produziu p pela p primeira vez ondas eletromagnéticas em laboratório (1887) utilizando um circuito para produzir

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Antena Digital HDTV Amphibions Antena HDTV amplificada de uso interno e externo

Antena Digital HDTV Amphibions Antena HDTV amplificada de uso interno e externo CATÁLOGO 2015 4 Antena Digital HDTV Amphibions Antena HDTV amplificada de uso interno e externo PROHD-2000A Compacta e com design inovador, a Amphibions é sucesso de vendas. Com a versatilidade do uso

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE TV A CABO

DISTRIBUIÇÃO DE TV A CABO 10 DISTRIBUIÇÃO DE TV A CABO PTC547 PRINCÍPIOS DE TELEVISÃO DIGITAL Guido Stolfi EPUSP 11/015 1. Introdução Os primeiros sistemas de distribuição de TV via cabo surgiram por volta de 1948 (Ed Parson, Oregon,

Leia mais

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 4 - Testes de Cabos 1 Fundamentos - Ondas As ondas são importantes no estudo das redes, pois são elas que transmitem as informações, utilizando meios de cobre, fibra óptica ou o ar. As ondas são

Leia mais

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis Rádio Móvel Privado Sistemas e Frequências SiFr (1/11) Existem sistemas de comunicações móveis privados, que são de uso exclusivo dos seus detentores. Os utilizadores são: forças de segurança; serviços

Leia mais

ANTENAS E FILTROS PARA FM (87-108 MHz)

ANTENAS E FILTROS PARA FM (87-108 MHz) ANTENAS E FILTROS PARA FM (87-108 MHz) Ra Chamantá, 383 - V.Prdente - SP - Fone/Fax (11) 2020-0055 - SITE: www.electril.com - e-mail: electril@terra.com.br 87 a 98MHz 97 a 108MHz ANTENA BANDA LARGA PARA

Leia mais

Quanto ao mérito da Arame linhas Open

Quanto ao mérito da Arame linhas Open Quanto ao mérito da Arame linhas Open por VK5BR Butler Lloyd (Publicado pela primeira vez na Rádio Amador, de setembro de 1991) Introdução Na escolha de um sistema de alimentação para antenas, a preferência

Leia mais