CONDOMÍNIO DO ED. NUMBER ONE BUSINESS CENTER REGIMENTO INTERNO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONDOMÍNIO DO ED. NUMBER ONE BUSINESS CENTER REGIMENTO INTERNO"

Transcrição

1 CONDOMÍNIO DO ED. NUMBER ONE BUSINESS CENTER REGIMENTO INTERNO O presente regimento interno visa regulamentar o funcionamento do edifício zelando sempre pela segurança e conforto dos condôminos. I REGULAMENTO DE OBRAS, REFORMAS E OUTROS 1.0 Entrada e Saída de Materiais ou Mudanças 1.1 A entrada de materiais e equipamentos com destino às unidades autônomas, dar-se-á nos horários determinados pela ADMINISTRAÇÃO. 1.2 Não será permitido arrastar ou jogar caixas ou qualquer outro volume ou peça nas áreas comuns do Edifício. 1.3 Os entregadores, ao chegar ao Prédio, devem dirigir-se a segurança/recepção para serem identificados e aguardarão, em local devido, a autorização para subir até a sala do Condômino ou usuário, sempre através dos elevadores de serviços e estarem atentos as normas de segurança de trabalho, com o objetivo de evitar acidentes. 1.4 O transporte de carga que possa afetar o funcionamento dos elevadores, por peso excessivo como cofres, arquivos etc., deve ser previamente autorizado pela firma conservadora dos elevadores, sem a mesma, não será permitido o acesso. Neste caso o transporte deverá ser realizado através da escala de serviços. 1.5 É vedada a realização de mudanças, totais ou parciais, sem avisar previamente e por escrito à Administração, com antecedência mínima de 03 (três) dias, marcando data e horário para sua realização e previsão de duração. 1.6 Fica terminantemente proibido qualquer transporte de objetos através da fachada do edifício, a menos em situações autorizadas pela administração. 1.7 É terminantemente proibido, armazenar objetos em geral, móveis, utensílios, material de construção, pacotes etc., nas áreas de uso comum, inclusive corredores e garagens. 1

2 1.8 A Administração, durante todo o período de execução de mudança, fornecerá todo o apoio necessário para que tudo transcorra dentro da maior normalidade possível. 2.0 TRANSPORTE,ARMAZENAMENTOE RETIRADA DE MATERIAIS 2.1 Sobre transporte de materiais de construção do térreo para os pavimentos: Todo o material deverá ser transportado sobre carrinho de carga com rodas de borracha. Não poderá, sob qualquer pretexto, ser utilizado carrinho de mão convencional No recebimento o material deverá ser retirado direto do caminhão para o carrinho e deste para o local apropriado O carrinho com material deverá transitar exclusivamente pelo elevador de serviço que deverá estar revestido com proteção adequada Materiais como areia, pedra, cimento e etc, deverão estar ensacados Não será permitido acumular, sacos de entulho, bem como madeiras, ferros e outros em áreas de uso comum do CONDOMÍNIO, para que se proceda mais tarde o seu transporte para o local apropriado Na chegada de materiais, se na unidade autônoma não estiverem presentes os prepostos autorizados para receber os materiais, a ADMINISTRAÇÃO não assumirá o recebimento dos mesmos. 2.2 Sobre transporte de entulhos provenientes das unidades autônomas: Os horários permitidos para retirada de entulhos é de 2ª à 6ª feira de 19:00 às 07:00 horas e aos Sábados, Domingos e Feriados em qualquer horário O entulho deverá ser ensacado e transportado sobre carrinho de carga com rodas de borracha. Não será permitido o uso de carrinho de mão convencional O carrinho com entulho só poderá transitar nos elevadores de cargas respeitando a capacidade máxima de carga do mesmo de 1.190Kg. 2

3 2.2.4 É terminantemente proibido o empilhamento de materiais de construção, entulhos e etc, no subsolo, pavimentos de garagens, térreo ou nas calçadas junto ao prédio O lixo produzido diariamente pelos condôminos deverá ser acondicionado em sacos plásticos, com espessura apropriada, e depositados nas lixeiras respectivos andares. 3.0 OBRAS E REFORMAS 3.1 Somente o proprietário da unidade autorizará a realização de obras e reformas. 3.2 As obras de reformas devem ser executadas com as portas das unidades fechadas. 3.3 Não é permitida a realização de obras de modificação nos halls e demais partes comuns, sem prévia aprovação do projeto pela ADMINISTRAÇÃO, exceto aquelas previstas pela Convenção. 3.4 As obras de modificação ou acréscimo nas unidades autônomas deverão ser previamente comunicadas à ADMINISTRAÇÃO do prédio, para apreciação e aprovação, caso necessário. O proprietário deverá encaminhar correspondência em duas vias, descriminando os serviços a serem executados, dia e horário de execução, nome da empresa executante, nome do responsável pelo serviço e nome do responsável pela unidade. A autorização se dará na segunda via da correspondência, que será devolvida ao proprietário. 3.5 Todo projeto de instalação elétrica, hidráulica, mecânica e etc, deverá ser encaminhado previamente à ADMINISTRAÇÃO para apreciação e aprovação. 3.6 Qualquer serviço que prejudique as atividades normais dos condôminos não poderá ser executado no período de 2ª à 6ª feira, nos horários de 07:00 às 19:00 horas. 3.7 Os empregados de empreiteiras só poderão ter acesso ao interior do prédio com crachá de identificação da empreiteira de obra. Uma relação com os nomes dos empregados que estiverem trabalhando na obra, deverá ser encaminhada à ADMINISTRAÇÃO do condomínio, através de carta em papel timbrado do 3

4 condômino ou usuário da unidade, ou da empresa empreiteira com aval do proprietário. 3.8 Os funcionários das empreiteiras são passíveis de revista pelo Serviço de Segurança do CONDOMÍNIO. 3.9 Não é permitido ferir de qualquer forma a estrutura (vigas, pilares e especialmente a laje) de concreto e em hipótese alguma quebrar ou recortar o piso estrutural tendo em vista que, este faz parte da estrutura do prédio DANOS A TERCEIROS E PARTES COMUNS Os Condôminos são responsáveis pelos danos causados às paredes, quebra de granitos, cerâmicas, marmores, vidros, luminárias, canos e equipamentos em geral, portas, elevadores, escadas, patamares, pinturas, acabamentos e acessórios e demais partes comuns do prédio, por seus empregados, prepostos, fornecedores ou empreiteiros, por ocasião da entrada ou saída de materiais ou eventuais obras. 4.2 Os demais proprietários que sofrerem qualquer dano ou prejuízo ocasionado por reforma ou obras de terceiros, deverão apresentar de imediato sua reclamação à ADMINISTRAÇÃO. As ocorrências deverão ser registradas pelo prejudicado em livro de reclamações existente, no mesmo dia do ocorrido. 4.3 No caso de danos causados às áreas comuns, a ADMINISTRAÇÃO do condomínio apresentará ao responsável o orçamento relativo ao dano para que seja providenciado sua correção o mais breve possível. II DOS ESPAÇOS DE ESTACIONAMENTO 1 O horário de estacionamento será definido pela Administração/Unidades. 4

5 2 O ingresso à garagem privativa do Edifício só será permitido com a apresentação de identificação específica a ser definida pela administração. 3 Os motoristas deverão estacionar seus veículos nos limites das faixas demarcatórias das vagas, de modo que o acesso à garagem fique desimpedido, não prejudicando a entrada ou saída dos demais veículos e em suas vagas respectivas. 4 Os motoristas devem observar o uso de velocidade moderada, por ocasião da entrada e saída da garagem e ficar atento à circulação de pessoas. 5 Qualquer dano causado por veículos a outro, será de inteira responsabilidade do proprietário do veículo causador do dano, devendo o mesmo ressarcir o prejuízo causado na melhor forma entre os interessados. 6 Não é permitido o uso das áreas destinadas à garagem para guarda de móveis, utensílios, motores, peças, pneus, ferramentas ou quaisquer outros objetos e veículos que possua tamanho e dimensão que venha prejudicar os demais usuários e a circulação em seu interior. 7 Não é permitido a lavagem de veículos no interior das garagens. 8 Não é permitido o ingresso, aos pavimentos de garagens, de veículos que apresentem anormalidades, tais como descarga aberta ou outros defeitos que venham a se revelar prejudiciais aos Condôminos. 9 É proibido parar ou estacionar em frente as áreas do Edifício, bem como sobre as calçadas, rampas e demais áreas de circulação. 5

6 10 Não é permitido o estacionamento de veículos visitantes, amigos ou parentes, nos pavimentos de garagens, exceto quando devidamente autorizado pela Administração ou pelo proprietário da vaga. 11 É expressamente proibido usar a garagem para fazer reparos, a não ser em caso de emergência, unicamente para que o veículo possa deslocar-se. 12 Não é permitida a permanência de pessoas no interior dos veículos bem como a permanência de motoristas nos pavimentos da garagem a não ser em área apropriada destinada pela administração. 13 Os proprietários deverão manter atualizados os cadastros da Administração, fornecendo as placas dos veículos, telefones para contatos e os usuários. 14 Será autorizado o fornecimento de mais de uma identificação por vaga, porém o acesso será sempre de um veículo por vez, ficando caso contrário, sujeito as penalidades previstas além do reboque do veículo. III DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO 1 A portaria do Edifício permanecerá aberta de 2ª à 6ª feira de 07:00 às 23:00 horas, e aos sábados de 08:00 às 16:00 horas. Fora deste horário, o acesso será realizado mediante solicitação por escrito à Administração. 1.1 Para obtenção da autorização o solicitante deverá enviar correspondência à Administração relacionando o nome, identificação e horário das pessoas que poderão ter acesso ao Edifício. 6

7 2 A garagem estará disponível para os usuários no horário de 07:00 às 23:00 horas de segunda à sexta e aos sábados de 07:00 às 16:00 horas. Fora deste horário, o acesso será realizado mediante solicitação por escrito à Administração. IV DA UTILIZAÇÃO DO AUDITÓRIO 1 O uso do auditório é de exclusividade dos condôminos instalados neste edifício, sendo proibida sua locação e ou sublocação por parte dos condôminos. 2 A utilização do auditório será determinada pela proporcionalidade de ocupação de cada condômino, não podendo ultrapassar este percentual a não ser que não haja nenhuma reserva por parte dos outros condôminos. 3 O condômino responsável pela utilização do auditório é responsável pela conservação dos móveis e equipamentos instalados, devendo devolve-lo tal qual lhe foi entregue, sendo responsabilizado por qualquer dano a tais equipamentos. 4 Não será permitida a utilização de equipamentos de uso do auditório fora do mesmo para atender os condôminos. V DA PORTARIA 1 É obrigatória a identificação de todos para ingresso ao CONDOMÍNIO, essa identificação será feita na portaria. 2 Proprietários, inquilinos e funcionários de unidades autônomas, deverão possuir identificações específicas e fazer uso de seus cartões de acesso ao edifício, sem o qual a pessoa deverá ser identificada pela recepção. 3 Os visitantes serão identificados mediante a apresentação de documentos, nas portarias, devendo informar a sala a ser visitada. Após a identificação será 7

8 franquiado o seu acesso e o mesmo deverá fazer uso de crachá de identificação fornecido pelo CONDOMÍNIO. 4 Os responsáveis pela segurança estão autorizados a impedir a entrada no CONDOMÍNIO de qualquer usuário que não se identificar ou não portar o referido cartão de acesso. 5 Em nenhum caso será permitido a entrada de vendedores, ambulantes ou pedintes sem que tenham destino certo. 6 Dependerá da autorização expressa da administração do condomínio, o acesso às unidades autônomas de pesquisadores credenciados a orgãos oficiais. 7 Todos os condôminos, proprietários e inquilinos deverão informar à Administração os dados específicos para cadastro no sistema de controle de acesso. Tais dados serão informados através de formulário próprio fornecido pela Administração. VI DO USO DOS ELEVADORES 1 - Dentre os elevadores, será selecionado um para uso de serviços. 2 - Em nenhuma hipótese ou circunstâncias as cargas e a lotação poderão exceder a capacidade máxima dos elevadores (1.190 Kg cada). 3 Todos que se utilizarem dos elevadores deverão fazê-lo com presteza, evitando sempre paradas demoradas e portas mal fechadas. 8

9 4 Dentro dos elevadores não é permitido fumar ou portar cigarro aceso. 5 É proibido apertar todos os botões, danificar avisos ou escrever nas paredes e portas dos elevadores. VII DOS SERVIÇOS DA RECEPÇÃO 1 A correspondência trazida pelo carteiro ou outro portador, será recebida pela recepção, contra recibo se for o caso, e depois de separada, será disponibilizada nos escaninhos próprios junto à recepção. 2 Quando se tratar de correspondência de caráter Judicial, o portador será encaminhado diretamente ao destinatário, sendo vetado o seu recebimento por qualquer funcionário do CONDOMÍNIO, inclusive pelo administrador geral. 3 É expressamente proibido vasculhar ou violar as correspondências existentes nas dependências da recepção. VIII DO ACESSO AOS SETORES OPERACIONAIS E DISTRIBUIÇÃO GERAL DE LINHAS TELEFÔNICAS 1 Só terá acesso ao setores operacionais e DG de linhas telefônicas as empresas credenciadas pelas concessionárias ou de manutenção contratadas pelo CONDOMÍNIO devidamente identificadas pela Administração. A administração poderá designar um funcionário para acompanhamento dos serviços. 9

10 2 O acréscimo de linhas telefônicas só será permitido mediante aprovação da administração e realização de obras custeadas pelos condôminos desde que sejam obedecidas as normas internas do CONDOMÍNIO. IX DA PROGRAMAÇÃO VISUAL 1 A programação visual dos painéis indicativos nos pavimentos deverão obedecer rigorosamente o padrão existente e determinações da Administração. X DO CONTROLE DE ACESSO 1 O Edifício possui sistema de controle de acesso o qual permite a entrada dos usuários munidos de cartão de acesso devidamente habilitado pela administração. O cartão de acesso deverá ser adquirido junto à Administração que, mediante solicitação através de formulário modelo específico, fará o cadastramento do usuário. Tal cadastramento será efetuado somente através de solicitação do proprietário ou inquilino devidamente documentado. 2 O horário de acesso ao prédio será aquele definido no ítem específico deste regimento. XI DA NÃO RESPONSABILIDADE DO CONDOMÍNIO 1 O CONDOMÍNIO por si ou por prepostos não assume responsabilidades: 10

11 1.1 Por acidentes ou danos de ordem pessoal ou material, bem como extravios, estragos, quebra de instalações ou objetos que, em quaisquer condições e ocasião, sofram os condôminos, locatários e visitantes dentro do Edifício. 1.2 Por furtos e roubos de que sejam vítimas dentro do Edifício, os condôminos, locatários, ocupantes e visitantes em qualquer circunstâncias ou ocasião. 1.3 Pela interrupção eventual que se verificar no Edifício, em qualquer ocasião, de serviços de eletricidade, água, gás, telefones, ar condicionado e elevadores, seja qual a causa. 1.4 Por furtos, roubos ocorridos nas unidades autônomas, garagens ou qualquer parte do Edifício como também por chaves, qualquer objeto ou mercadoria, confiados à funcionários do CONDOMÍNIO pelos condôminos e locatários. XII DAS DISPOSIÇÕES FINAIS 1 Deverão ser comunicados à Administração, imediatamente, qualquer alteração de propriedade da unidade privativa ou quaisquer outras relativas ao imóvel. 2 Nos contratos que transfiram à terceiros o domínio, posse, uso, ou gozo da unidade privativa, deve os condôminos dar ciência aos adquirintes, legatários, usufrutários ou locatários das disposições da CONVENÇÃO e deste REGIMENTO, sobre pena de permanecerem (ou o seu espólio) co-obrigados pelos atos dos terceiros. 3 É vedada a colocação de aparelhos de ar condicionados nas janelas ou em qualquer outro lugar da fachada do Edifício. 11

12 4 É obrigação de cada condômino comunicar, imediatamente, quando houver a existência de moléstia contagiosa em sua unidade. 5 Não será permitido, no hall de entrada, escadas, corredores e local de passagem, a formação de grupos ou aglomeração, que causem vozeiro, algazarra ou obstruam a livre circulação dos demais ocupantes do Edifício. 6 É expressamente proibido a presença de pessoas, proprietários, inquilinos ou funcionários de empresas na sala de controle operacional de segurança do CONDOMÍNIO. 7 É vedada a colocação nas partes comuns do Edifício, de qualquer objeto ou instalação de natureza diversa que alterem a construção original, sem que haja expressa autorização para tanto. 8 Os casos omissos serão resolvidos pela administração do condomínio. CARLOS ANTÔNIO CANGUSSU SÍNDICO 12

REGULAMENTO DE OBRAS ANEXO I. Cuidados ao iniciar a obra: Horário de funcionamento do prédio:

REGULAMENTO DE OBRAS ANEXO I. Cuidados ao iniciar a obra: Horário de funcionamento do prédio: ANEXO I REGULAMENTO DE OBRAS Cuidados ao iniciar a obra: Toda obra ou reforma na unidade deve ser comunicada ao síndico, com antecedência mínima de 10 dias, através da apresentação de respectivo croqui

Leia mais

PRESIDÊNCIA 19/06/2013 RESOLUÇÃO Nº 96/2013

PRESIDÊNCIA 19/06/2013 RESOLUÇÃO Nº 96/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 19/06/2013 RESOLUÇÃO Nº 96/2013 EMENTA: Dispõe sobre o acesso,

Leia mais

Edifício Crespi II Manual do Credenciado

Edifício Crespi II Manual do Credenciado Edifício Crespi II Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

1 Objetivo Esta Regulamentação Especial estabelece normas para acesso de pessoas ao Condomínio Edifício São Luiz.

1 Objetivo Esta Regulamentação Especial estabelece normas para acesso de pessoas ao Condomínio Edifício São Luiz. Revisão: julho/2007 Fl. 01 de 03 1 Objetivo Esta Regulamentação Especial estabelece normas para acesso de pessoas ao Condomínio Edifício São Luiz. 2 Procedimentos 2.1 O acesso de pessoas nas dependências

Leia mais

Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado

Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos

Leia mais

Edifício New England Manual do Credenciado

Edifício New England Manual do Credenciado Edifício New England Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

CAPÍTULO V. Da Garagem e Estacionamento

CAPÍTULO V. Da Garagem e Estacionamento CAPÍTULO V Da Garagem e Estacionamento Art 37. Cada unidade autônoma tem direito a uma vaga de estacionamento, perfazendo um total de 967 (novecentos e sessenta e sete) vagas, distribuídas de acordo com

Leia mais

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61 O Regulamento Interno da ULIVING BELA VISTA, localizado na cidade de SÃO PAULO CAPITAL, à Rua Barata Ribeiro nº 61 estabelece as regras de convivência e as relações entre os usuários do empreendimento.

Leia mais

ASSUNTO: REGULAMENTA O USO DE ADESIVOS DE IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS DE CONDÔMINOS

ASSUNTO: REGULAMENTA O USO DE ADESIVOS DE IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS DE CONDÔMINOS CIRCULAR Nº 003/2015 Curitiba, 05/06/2015. ASSUNTO: REGULAMENTA O USO DE ADESIVOS DE IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS DE CONDÔMINOS A Síndica do Condomínio Le Jardin Residencial, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

CONDOMÍNIO EDIFÍCIO AHEAD

CONDOMÍNIO EDIFÍCIO AHEAD REGULAMENTO INTERNO Todos os condôminos, locatários e usuários do CONDOMÍNIO EDIFÍCIO AHEAD, ficam obrigados a cumprir e respeitar por si, a qualquer título, os termos e condições do presente: 1 - Horário

Leia mais

2.1 - Estabelecer normas de acesso de pessoas a ULIVING SOROCABA.

2.1 - Estabelecer normas de acesso de pessoas a ULIVING SOROCABA. O Regulamento Interno da ULIVING SOROCABA, localizado na cidade de SOROCABA à Rua Bernardo Ferraz nº 100 estabelece as regras de convivência e as relações entre os usuários do empreendimento. I - HORÁRIO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO I DA DESTINAÇÃO. 1.2 As vagas das garagens destinam-se ao estacionamento de veículos automotores até médio porte.

REGIMENTO INTERNO I DA DESTINAÇÃO. 1.2 As vagas das garagens destinam-se ao estacionamento de veículos automotores até médio porte. REGIMENTO INTERNO O presente Regimento Interno, previsto na Convenção do Condomínio do CENTRO EMPRESARIAL ASSIS CHATEAUBRIAND, visa assegurar o bom funcionamento do edifício quanto ao conforto e segurança

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO BLOCOS

REGULAMENTO INTERNO DO BLOCOS 1 REGULAMENTO INTERNO DO BLOCOS 1. A Administração do Condomínio Condomínio Parque Residencial Vitória Régia II Blocos reger-se-á pela Lei 4.591, de 16/12/1964 e outras Leis que forem aplicáveis, a cujo

Leia mais

Edifício Itower Manual do Credenciado

Edifício Itower Manual do Credenciado Edifício Itower Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

Edifício Joviano de Moraes Manual do Credenciado

Edifício Joviano de Moraes Manual do Credenciado Edifício Joviano de Moraes Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos

Leia mais

MANUAL GERAL DE FUNCIONAMENTO DO EDIFÍCIO INSTITUCIONAL DO BH-TEC

MANUAL GERAL DE FUNCIONAMENTO DO EDIFÍCIO INSTITUCIONAL DO BH-TEC MANUAL GERAL DE FUNCIONAMENTO DO EDIFÍCIO INSTITUCIONAL DO BH-TEC Maio de 2014. 1 APRESENTAÇÃO O funcionamento do Primeiro Edifício Institucional do BH-TEC será regulado pelas normas específicas contidas

Leia mais

MODELO REGIMENTO INTERNO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO... REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DEFINIÇÃO DO CONDOMÍNIO

MODELO REGIMENTO INTERNO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO... REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DEFINIÇÃO DO CONDOMÍNIO MODELO REGIMENTO INTERNO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO... REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DEFINIÇÃO DO CONDOMÍNIO Art. 1º - O presente Regulamento Interno, do Condomínio do Edifício, aprovado em Assembléia Geral

Leia mais

Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado

Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos

Leia mais

ASSUNTO: Autorização de obras, benfeitorias, acessos, mudanças, uso de elevadores e áreas comuns

ASSUNTO: Autorização de obras, benfeitorias, acessos, mudanças, uso de elevadores e áreas comuns CIRCULAR 001/2014 DATA: 02 de Agosto de 2014 ASSUNTO: Autorização de obras, benfeitorias, acessos, mudanças, uso de elevadores e áreas comuns Senhores Condôminos, Como Síndica do Condomínio Le Jardin,

Leia mais

Regimento Interno - Empreendimento do PAR - Programa de Arrendamento Residencial

Regimento Interno - Empreendimento do PAR - Programa de Arrendamento Residencial Nome do empreendimento REGIMENTO INTERNO O presente regimento interno estabelece normas de disciplina, procedimento, conduta e comportamento às quais estão obrigados todos os moradores e toda e qualquer

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS

CONTROLE DE ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS CONTROLE DE ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS Procedimentos 1. Introdução Este documento visa regulamentar o controle de acesso e permanência de pessoas e veículos nas dependências dos Órgãos da SECRETARIA

Leia mais

3.9 Comunicar imediatamente ao administrador a ocorrência de moléstia contagiosa em sua unidade autônoma.

3.9 Comunicar imediatamente ao administrador a ocorrência de moléstia contagiosa em sua unidade autônoma. REGULAMENTO INTERNO Cláusula Primeira - Do Objeto 1.1 Comercial Park Palace, prédio comercial situado na freguesia de Jacarepaguá, desta cidade, na Av. das Américas, nº 5777, submetido ao regime estabelecido

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Departamento: Tecnologia da Informação Faculdade Adventista da Bahia 1 P á g i n a Normas de Utilização dos Laboratórios de Informática Da Faculdade Adventista

Leia mais

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO I - Formalização e Aceitação do Pedido 1.1 - O Aceite será automático caso o fornecedor não faça uma recusa parcial ou total, Por escrito no prazo de 2(dois) após o recebimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE Estrada do Coco, Km 31 Barra do Jacuípe CEP 42.833-000 Camaçari/Bahia CNPJ 03.380.253/0001-26 Telefones : (071) 3678-1690 e 3678-2356 E-mail : vjacuipe@oi.com.br

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Artigo 8º - Fica estabelecido que os portões de entrada que dão acesso ao CONDOMÍNIO serão mantidos permanentemente fechados.

REGIMENTO INTERNO. Artigo 8º - Fica estabelecido que os portões de entrada que dão acesso ao CONDOMÍNIO serão mantidos permanentemente fechados. SEM MARCADOR TEXTO ORIGINAL GRIFADO EM VERDE ALTERAÇÕES A SEREM APROVADAS NA ASSEMBLÉIA REGIMENTO INTERNO Artigo 8º - Fica estabelecido que os portões de entrada que dão acesso ao CONDOMÍNIO serão mantidos

Leia mais

Parque Tecnológico de Óbidos

Parque Tecnológico de Óbidos Parque Tecnológico de Óbidos Regulamento de obras (Versão preliminar) Fevereiro de 2009 Óbidos Requalifica, E.E.M. Casa do Largo da Porta da Vila, 1.º Tel: +351 262 955 440 obidos.requalifica@mail.telepac.pt

Leia mais

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO:

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: 1) Este regulamento SÓ se aplica aos contratos celebrados na unidade Paulista, por alunos matriculados nos cursos preparatórios para concursos públicos semestrais

Leia mais

APÊNDICE XI SERVIÇOS GERAIS DE APOIO À ADMINISTRAÇÃO

APÊNDICE XI SERVIÇOS GERAIS DE APOIO À ADMINISTRAÇÃO APÊNDICE XI SERVIÇOS GERAIS DE APOIO À ADMINISTRAÇÃO 1 SUMÁRIO 1 CONCEITOS E DIRETRIZES... 3 2 LIMPEZA... 3 2.1 Caracterização do Pessoal... 3 2.2 Materiais e Equipamentos a serem fornecidos e utilizados...

Leia mais

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores.

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores. REGULAMENTO A CVC BRASIL OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS S.A., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às

Leia mais

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária ANEXO 5 Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária 1 Os SERVIÇOS de que trata este Anexo deverão ser prestados no âmbito do SETOR OPERACIONAL DAS ESTAÇÕES e dos EMPREENDIMENTOS ASSOCIADOS.

Leia mais

PORTARIA Nº 81, DE 18 DE SETEMBRO DE 2012.

PORTARIA Nº 81, DE 18 DE SETEMBRO DE 2012. PORTARIA Nº 81, DE 18 DE SETEMBRO DE 2012. EMENTA: Disciplina a cessão e locação de espaços destinados a reuniões e eventos na sede do CRMV-RJ. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG. Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV.

RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG. Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV. RESOLUÇÃO N 002/2007 - DG Regulamenta Procedimentos para o Funcionamento da Biblioteca da FCV. O Conselho Superior - CONSU, aprovou em 30 de março de 2007, e eu, Prof. José Carlos Barbieri, Diretor da

Leia mais

Local: Pavilhão de Eventos Maria Celina Vidotto Imhof (Pavilhão da Fenarreco), Rodovia Antonio Heil, 29 - Centro, Brusque/SC

Local: Pavilhão de Eventos Maria Celina Vidotto Imhof (Pavilhão da Fenarreco), Rodovia Antonio Heil, 29 - Centro, Brusque/SC REGULAMENTO GERAL DA FEIRA 1 - INTRODUÇÃO As normas que regem a organização, montagem, funcionamento e desmontagem da FECATEX 2017 - Home & Fashion - Primavera Verão 2018- Feira Têxtil de Santa Catarina,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONDOMINIO EDIFICIO CORP TOWER 1 CAPITULO I -DO MODO DE USAR AS COISAS E SERVIÇOS COMUNS.

REGULAMENTO INTERNO DO CONDOMINIO EDIFICIO CORP TOWER 1 CAPITULO I -DO MODO DE USAR AS COISAS E SERVIÇOS COMUNS. REGULAMENTO INTERNO DO CONDOMINIO EDIFICIO CORP TOWER 1 CAPITULO I -DO MODO DE USAR AS COISAS E SERVIÇOS COMUNS. Art. 1 - O presente regimento tem aplicação em todas as dependências e sobre todas as atividades

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA SERRA SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA... 2 DOS OBJETIVOS:... Erro! Indicador não definido. DO HORÁRIO

Leia mais

MANUAL DO EXPOSITOR. Atenciosamente, Comissão Organizadora

MANUAL DO EXPOSITOR. Atenciosamente, Comissão Organizadora MANUAL DO EXPOSITOR O presente manual tem o objetivo de orientar sua participação no evento 12 BEAUTY FEST". Caso persista alguma dúvida a respeito, favor nos contatarem pelo fone (51) 3710-3070 ou através

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE ACESSO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE ACESSO 25/03/203 PSP-0. INTRODUÇÃO O Procedimento de Controle de Acesso tem como objetivo orientar e padronizar o procedimento de acesso de pessoas as fábricas, garantindo que somente pessoas autorizadas possam

Leia mais

Capítulo II DOS USUÁRIOS REGULARES E EVENTUAIS

Capítulo II DOS USUÁRIOS REGULARES E EVENTUAIS RESOLUÇÃO DA VRG Nº 03/2008 DISPÕE SOBRE O SERVIÇO DE ATENDIMENTO E FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA MARIO OSORIO MARQUES DA UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL -

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Da Aplicação

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Da Aplicação SOCIEDADE AMIGOS DO CURIÓ (SAC) Fundada em 23 de julho de 1980 Rua Prof. Osmarino de Deus Cardoso, 101 CEP 88.036-598 Trindade Florianópolis SC CNPJ 75.329.243/0001-71 www.sacurio.com.br / saccurio@brturbo.com.br

Leia mais

ARTIGO 1º - Compete ao Síndico (Artigo 20 da Convenção) a administração geral do condomínio, fazendo cumprir o disposto neste Regimento Interno.

ARTIGO 1º - Compete ao Síndico (Artigo 20 da Convenção) a administração geral do condomínio, fazendo cumprir o disposto neste Regimento Interno. Nome do empreendimento Regimento Interno - Programa Minha Casa Minha Vida PMCMV Grau de sigilo #PÚBLICO REGIMENTO INTERNO O presente regimento interno estabelece normas de disciplina, procedimento, conduta

Leia mais

MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimentos e Cuidados

MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimentos e Cuidados MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimento e Cuidados II Verificação pelo usuário do funcionamento seguro do elevador III Procedimentos a evitar na utilização do elevador IV Orientação para a escolha

Leia mais

MANUAL DO CONDÔMINO. O edital de convocação deve indicar com clareza os assuntos a serem debatidos, a data, horário e local.

MANUAL DO CONDÔMINO. O edital de convocação deve indicar com clareza os assuntos a serem debatidos, a data, horário e local. MANUAL DO CONDÔMINO REGULAMENTO INTERNO Cada prédio possui as suas próprias necessidades e, por isso, tanto a convenção como o regulamento interno devem ser redigidos especialmente para a edificação em

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo 1º. Definições:

REGULAMENTO. Capítulo 1º. Definições: REGULAMENTO A OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS CVC TUR LTDA., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às condições

Leia mais

1 Introdução. antes de mudar

1 Introdução. antes de mudar Introdução 1 Introdução antes de mudar Recebendo as chaves do imóvel, o proprietário deverá providenciar junto as concessionárias, as ligações de alguns serviços indispensáveis ao funcionamento de sua

Leia mais

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL AMORIM II

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL AMORIM II DOS DIREITOS E DEVERES DOS CONDÔMINOS E LOCATÁRIOS CONDOMÍNIO RESIDENCIAL AMORIM II Rua: Manoel Libãnio Amorim nº 86 Massaguaçú Caraguatatuba- SP. 1 REGIMENTO INTERNO RESUMIDO DO ACESSO ÀS DEPENDÊNCIAS

Leia mais

Regulamento para Obras nos Apartamentos do Condomínio Residencial Resort Santa Angela

Regulamento para Obras nos Apartamentos do Condomínio Residencial Resort Santa Angela Regulamento para Obras nos Apartamentos do Condomínio Residencial Resort Santa Angela DAS NORMAS REGULAMENTARES 1. Todas as empresas prestadoras de serviço, seus funcionários, representantes, são obrigados

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012

Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012 Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre normas de segurança e acesso aos prédios

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA BELÉM PA 2015 1 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos

Leia mais

EMBRACON Empresa Brasileira de Administração de Condomínio Ltda.

EMBRACON Empresa Brasileira de Administração de Condomínio Ltda. Garantia da construtora Assim como outros bens ele tem uma garantia, o imóvel possui a garantia legal dada pela construtora de no mínimo cinco anos, mas determinar o responsável por grandes falhas ou pequenos

Leia mais

Centro Empresarial Brasília REGIMENTO INTERNO

Centro Empresarial Brasília REGIMENTO INTERNO Centro Empresarial Brasília REGIMENTO INTERNO ÍNDICE CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO...4 - Do Conselho Consultivo e Fiscal...5 - Do Síndico e dos Subsíndicos...5 Do Síndico...5 Dos Subsíndicos...6 - Dos Gerentes

Leia mais

Manual do Montadora. Edmundo Doubrawa Joinville SC. www.expogestao.com.br

Manual do Montadora. Edmundo Doubrawa Joinville SC. www.expogestao.com.br Manual do Montadora Edmundo Doubrawa Joinville SC www.expogestao.com.br 5 NORMAS DE MONTAGEM CHECK LIST MONTAGEM 1- Entregar Termo de Responsabilidade ORIGINAL assinado pelo expositor e pelo responsável

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Através do presente VELOCITY ACADEMIA DE GINÁSTICA LTDA regula a contratação, pelo ALUNO, do direito de utilização dos serviços e instalações da VELOCITY, nas condições

Leia mais

REGULAMENTO ACE ASSISTÊNCIA 24 HORAS VANS, MOTOS, CARROS, CAMINHÕES LIGUE PARA: 0800-601-4055

REGULAMENTO ACE ASSISTÊNCIA 24 HORAS VANS, MOTOS, CARROS, CAMINHÕES LIGUE PARA: 0800-601-4055 REGULAMENTO ACE ASSISTÊNCIA 24 HORAS VANS, MOTOS, CARROS, CAMINHÕES LIGUE PARA: 0800-601-4055 Somente quando estiver com documento do veículo em mãos, para fornecer ao atendente a placa e o chassi do veículo.

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos cursos, das áreas de Graduação,

Leia mais

Regulamento das Bibliotecas

Regulamento das Bibliotecas Regulamento das Bibliotecas Agosto 2009 1 SUMÁRIO 1. Do objetivo... 3 2. Dos usuários... 3 3. Da movimentação do acervo... 3 4. Das modalidades de empréstimo... 3 5. Do serviço de empréstimo... 3 6. Dos

Leia mais

Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim

Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim Capítulo I DA ESTRUTURA E DA FINALIDADE Art. 1º Este regulamento disciplina o funcionamento

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos cursos, das áreas de Graduação,

Leia mais

LOCAL DO EVENTO: Prática Eventos. Brilhante Eventos I INFORMAÇÕES GERAIS ATENDIMENTO AO EXPOSITOR MONTADORA OFICIAL

LOCAL DO EVENTO: Prática Eventos. Brilhante Eventos I INFORMAÇÕES GERAIS ATENDIMENTO AO EXPOSITOR MONTADORA OFICIAL MANUAL DO EXPOSITOR I INFORMAÇÕES GERAIS LOCAL DO EVENTO: Fábrica de Negócios Hotel Praia Centro Av. Monsenhor Tabosa, 740, Bairro Praia de Iracema, CEP:60165-010 Fortaleza-CE ATENDIMENTO AO EXPOSITOR

Leia mais

Portaria Catarina Modelos e Procedimentos. Sugestão Comissão de Obras Criação de Sala de Estar/Recepção Modelo

Portaria Catarina Modelos e Procedimentos. Sugestão Comissão de Obras Criação de Sala de Estar/Recepção Modelo Portaria Catarina Modelos e Procedimentos Sugestão Comissão de Obras Criação de Sala de Estar/Recepção Modelo 1 Alterações Físicas Para implementação desta alternativa a quantidade de alterações físicas

Leia mais

GUIA DE APOIO AO USUARIO

GUIA DE APOIO AO USUARIO GUIA DE APOIO AO USUARIO CONTEÚDO DE OLHO EM SEU PATRIMÔNIO... 3 1 - APRESENTAÇÃO... 4 2 - COMO PROCEDER DIANTE DA OCORRÊNCIA... 4 3 - INFORMAÇÕES IMPORTANTES... 5 4 - FIQUE ATENTO... 6 5 - DUVIDAS FREQUENTES...

Leia mais

AS REGRAS ABAIXO SÃO PARA SEU CONFORTO E SEGURANÇA

AS REGRAS ABAIXO SÃO PARA SEU CONFORTO E SEGURANÇA AS REGRAS ABAIXO SÃO PARA SEU CONFORTO E SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES E UTILIZAÇÃO DA GARAGEM 1. Somente o LOCATÁRIO poderá se utilizar da vaga objeto deste contrato, para estacionamento da embarcação particular,

Leia mais

Resolução Congregação 01/2007

Resolução Congregação 01/2007 Resolução Congregação 01/2007 Dispõe sobre os procedimentos da Biblioteca da FEAD. O Presidente da Congregação, no uso de suas atribuições regimentais, e considerando: a) a necessidade de adequar normas

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APTOS

PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APTOS PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APTOS Para solicitar modificações nos apartamentos, o cliente deverá vir até a empresa, no período estipulado (informado pela empresa) no setor de Modificação

Leia mais

Condomínio do Residencial Villa D'Itália

Condomínio do Residencial Villa D'Itália Prezados moradores, De acordo com a Assembléia Extraordinária realizada no dia 18 de dezembro de 2014, informamos para ciência de todos que alguns itens presentes no Regimento Interno, que foram aprovados

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS - SISBAM REGULAMENTO

SISTEMA DE BIBLIOTECAS - SISBAM REGULAMENTO 1 Art.1 CAPÍTULO I - NATUREZA E FINALIDADE O Sistema de Bibliotecas da Anhembi Morumbi - SISBAM, órgão vinculado à Pró-reitoria Acadêmica reportando-se à Diretoria de Planejamento e Suporte Acadêmico,

Leia mais

SINERGIA SISTEMA DE ENSINO LTDA FACULDADE SINERGIA Portaria Recredenciamento MEC nº 1.424 D.O.U, de 10/10/2011.

SINERGIA SISTEMA DE ENSINO LTDA FACULDADE SINERGIA Portaria Recredenciamento MEC nº 1.424 D.O.U, de 10/10/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º O laboratório de Informática constitui-se em espaço de apoio técnico pedagógico da Faculdade Sinergia. Art. 2º O Laboratório

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE ASSISTÊNCIA PROTEÇÃO A CARTÕES PLANO 1

CONDIÇÕES GERAIS DE ASSISTÊNCIA PROTEÇÃO A CARTÕES PLANO 1 CONDIÇÕES GERAIS DE ASSISTÊNCIA PROTEÇÃO A CARTÕES PLANO 1 1. QUADRO RESUMO DE SERVIÇOS ITEM SERVIÇOS LIMITES DO SERVIÇO 1 Assistência Global de Proteção a Cartões e Serviço de Solicitação de Cartão Substituto

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 039/2015 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PORTARIA Nº 008, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 008, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 008, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. Aprova o regulamento de utilização do auditório e das salas de treinamentos da GRANFPOLIS. O PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DA GRANDE FLORIANÓPOLIS

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) art 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo de complemento aos

Leia mais

ADEQUAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES E DO MOBILIÁRIO URBANO À PESSOA DEFICIENTE

ADEQUAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES E DO MOBILIÁRIO URBANO À PESSOA DEFICIENTE Esta norma aplica-se atodas as edificações de uso público e/ou mobiliário urbano, tanto em condições temporárias como em condições permanentes. É sempre necessário consultar o REGULAMENTO DO CÓDIGO NACIONAL

Leia mais

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA - NOR 204

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA - NOR 204 ASSUNTO: MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO, FINANÇAS E PESSOAS CONTROLE DE ACESSO E CIRCULAÇÃO INTERNA NAS DEPENDENCIAS DA EMPRESA APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 77, de 08/06/2015 COD. 200 VIGÊNCIA: 08/06/2015

Leia mais

ANEXO I EDITAL CONVITE nº 007/2005-ANATEL-ER01 PROCESSO nº 53504.018.436/2005 PROJETO BÁSICO

ANEXO I EDITAL CONVITE nº 007/2005-ANATEL-ER01 PROCESSO nº 53504.018.436/2005 PROJETO BÁSICO ANEXO I EDITAL CONVITE nº 007/2005-ANATEL-ER01 PROCESSO nº 53504.018.436/2005 PROJETO BÁSICO CONDIÇÕES DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DOS ELEVADORES ESCRITÓRIO REGIONAL DA

Leia mais

Edifício Passarelli Manual do Credenciado

Edifício Passarelli Manual do Credenciado Edifício Passarelli Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

DICAS PARA CONDÔMINOS

DICAS PARA CONDÔMINOS DICAS PARA CONDÔMINOS Área Privativa: É a unidade de cada proprietário incluindo a vaga de garagem. Áreas Comuns: São utilizadas por todos os moradores, como playground, jardins, elevadores, corredores,

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAMILLO PEREIRA CARNEIRO BURLE CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS OBJETIVOS

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAMILLO PEREIRA CARNEIRO BURLE CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS OBJETIVOS SUMÁRIO CAPÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS OBJETIVOS CAPÍTULO II DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III DOS USUÁRIOS CAPÍTULO IV DO EMPRÉSTIMO CAPÍTULO V DAS PENALIDADES CAPÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. (Parques. Regulamento de utilização dos parques

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. (Parques. Regulamento de utilização dos parques UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA (Parques 2015/2016) Regulamento de utilização dos parques 1. Localização e lotação dos parques 2. Horários de utilização 3. Acesso aos parques 4. Inscrição para acesso

Leia mais

PORTARIA Nº 15, DE 08 DE MARÇO DE 2007.

PORTARIA Nº 15, DE 08 DE MARÇO DE 2007. PORTARIA Nº 15, DE 08 DE MARÇO DE 2007. Regulamenta o uso dos veículos da frota oficial e estabelece normas gerais sobre as atividades de transporte de usuários da FHDSS-Unesp. O Diretor da Faculdade de

Leia mais

8 Colloquium Internacional SAE BRASIL de. Suspensões e Implementos Rodoviários & Mostra de Engenharia. 07 a 09 de maio de 2014

8 Colloquium Internacional SAE BRASIL de. Suspensões e Implementos Rodoviários & Mostra de Engenharia. 07 a 09 de maio de 2014 8 Colloquium Internacional SAE BRASIL de Suspensões e Implementos Rodoviários & Mostra de Engenharia 07 a 09 de maio de 2014 Hotel InterCity Premium - Caxias do Sul RS REGULAMENTOS E NORMAS ESPECÍFICAS

Leia mais

REGULAMENTO DA II CREDIART FEIRA INTEGRADA DE CRÉDITO E ARTESANATO

REGULAMENTO DA II CREDIART FEIRA INTEGRADA DE CRÉDITO E ARTESANATO REGULAMENTO DA II CREDIART FEIRA INTEGRADA DE CRÉDITO E ARTESANATO A Superintendência de Fundos, Investimentos e Incorporações (SFI), no uso de suas atribuições conferidas pelo Regimento Interno, bem como

Leia mais

Propostas de Alteração do Regimento Interno

Propostas de Alteração do Regimento Interno Propostas de Alteração do Regimento Interno 1- Proposta de Antônio de Jesus Ribeiro Q22 L17: Incluir Único no Artigo 1º Parágrafo único Caso o dano seja no meio, caberá ao proprietário da unidade danificada

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS CONTROLE DE ACESSO ÀS DEPENDÊNCIAS DO GRUPO MAPFRE SEGUROS

NORMAS E PROCEDIMENTOS CONTROLE DE ACESSO ÀS DEPENDÊNCIAS DO GRUPO MAPFRE SEGUROS NORMAS E PROCEDIMENTOS Código Versão A-RHU-08 4 Emissão Atualização 22 / 08 / 2003 30 / 07 / 08 CONTROLE DE ACESSO ÀS DEPENDÊNCIAS DO GRUPO MAPFRE SEGUROS OBJETIVO Normatizar o controle de acesso dos colaboradores,

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá - Unifei Campus de Itabira

Universidade Federal de Itajubá - Unifei Campus de Itabira Revisão: 001 Página 1 de 7 Dispõe sobre conjunto de regras relativas à concessão do direito de uso dos espaços de convivência vinculados à Diretoria de Infraestrutura, da Universidade Federal de Itajubá

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS. Art. 2º As Bibliotecas da Univás estão a serviço da comunidade, oferecendo aos usuários:

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS. Art. 2º As Bibliotecas da Univás estão a serviço da comunidade, oferecendo aos usuários: REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 Este Regulamento normatiza o funcionamento das Bibliotecas da Universidade do Vale do Sapucaí Univás, mantida pela Fundação de Ensino Superior

Leia mais

EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300

EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300 EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300 BELO HORIZONTE MG Apresentação: Condomínio Edifício Afonso Pena, 2.300 Endereço: Afonso Pena, 2.300 Bairro: Centro Esquina com Rio Grande do Norte Belo Horizonte BH Localização:

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CLARICE LISPECTOR

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CLARICE LISPECTOR REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CLARICE LISPECTOR CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1. A Biblioteca Clarice Lispector tem como finalidade proporcionar ao corpo docente, discente, pesquisadores e servidores do Instituto

Leia mais

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios É de extrema importância a conscientização de proprietários e síndicos quanto à responsabilidade

Leia mais

PORTARIA N.272 DE 15 DE AGOSTO DE 2013 (Consolidada).

PORTARIA N.272 DE 15 DE AGOSTO DE 2013 (Consolidada). PORTARIA N.272 DE 15 DE AGOSTO DE 2013 (Consolidada). Dispõe sobre o controle de acesso, circulação e permanência de pessoas no Conselho Nacional do Ministério Público O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Normas e Procedimentos da Portaria

Normas e Procedimentos da Portaria Normas e Procedimentos da Portaria 1- Objetivo: Definir responsabilidades e orientar a conduta dos profissionais da portaria, visando proteger a integridade da FECAP e de seus usuários. Fixação de critérios

Leia mais

Manual do Expositor. Informações: 11 2223-2521 operacional.decofe@apcdcentral.com.br. Prezado EXPOSITOR,

Manual do Expositor. Informações: 11 2223-2521 operacional.decofe@apcdcentral.com.br. Prezado EXPOSITOR, Prezado EXPOSITOR, Os Expositores através do CNPJ da sua empresa (conforme contrato de locação) em campo específico, acessarão os formulários para preenchimento, envio e impressão dos mesmos, on-line.

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO 1 PRODUTOS 1.1 Serviço de manutenção preventiva mensal e corretiva, quando necessário, para o elevador da Unidade Operacional da Anatel no Estado de Santa Catarina UO031, situada à Rua Saldanha Marinho,

Leia mais

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ [Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ Coordenadoria de Tecnologia da Informação 2013 AUTORES Aurélio Ricardo Batú Maicá Laura

Leia mais

BIBLIOTECA REGULAMENTO

BIBLIOTECA REGULAMENTO BIBLIOTECA REGULAMENTO Agosto, 2010 SUMÁRIO INFORMAÇÕES GERAIS... 3 DAS FINALIDADES... 4 DA CONSULTA AO ACERVO... 4 DO EMPRÉSTIMO... 5 DOS TIPOS DE EMPRÉSTIMO... 5 DA RENOVAÇÃO... 6 DA RESERVA DE LIVROS...

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

EDIFÍCIO MALIBU CONSTRUTORA CONSTRUTORA E INCORPORADORA HALIAS PROJETO ARQUITETÔNICO

EDIFÍCIO MALIBU CONSTRUTORA CONSTRUTORA E INCORPORADORA HALIAS PROJETO ARQUITETÔNICO CONSTRUTORA CONSTRUTORA E INCORPORADORA HALIAS PROJETO ARQUITETÔNICO Camila Veiga de Souza Crea 79.243/D ENDEREÇO DO EMPREENDIMENTO Rua Visconde de Taunay 912 Bairro Santa Mônica Belo Horizonte ÁREA DO

Leia mais

Índice. Noções gerais sobre a organização de condóminos 3. Assembleia de condomínios / inquilinos 5. O Administrador 7. Regulamento do Condomínio 9

Índice. Noções gerais sobre a organização de condóminos 3. Assembleia de condomínios / inquilinos 5. O Administrador 7. Regulamento do Condomínio 9 GUIA DE CONDOMÍNIO Índice Noções gerais sobre a organização de condóminos 3 Assembleia de condomínios / inquilinos 5 O Administrador 7 Regulamento do Condomínio 9 2 Noções gerais sobre a organização de

Leia mais