REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS"

Transcrição

1 REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS 2014 Regulamento Interno para o uso da viatura do CCD PM Cascais Página 1

2 Artigo 1º Objeto O presente regulamento interno estabelece as normas de utilização da viatura do CCD PM Cascais, visando uma utilização diligente, segura e eficiente. Artigo 2º Uso da viatura 1. A viatura destina-se apenas a ser utilizada em atividades próprias do CCD PM Cascais. 2. A utilização da viatura é efetuada pelos trabalhadores e colaboradores, em exercício de funções no CCD PM Cascais. 3. Excecionalmente poderá o Presidente da Direção do CCD PM Cascais autorizar a utilização da viatura do CCD PM Cascais para outros fins, desde que o pedido seja efetuado de forma fundamentada, e com a antecedência mínima de oito dias. Artigo 3º Das obrigações com a viatura 1. Compete aos serviços administrativos do CCD PM Cascais assegurar as seguintes condições da viatura: a) Perfeito estado de funcionamento, operacionalidade, segurança e limpeza; b) Cumprimento de todas as obrigações legais relativas à viatura; c) Existência de seguro contra terceiros, cobrindo todos os passageiros transportados e, quando for determinado, os bens transportados; d) Verificar se a viatura tem a documentação e acessórios necessários para poder circular bem como o boletim de serviço diário. 2. Os riscos dos trabalhadores condutores ou passageiros, em serviço do CCD PM Cascais serão cobertos pelo regime de acidentes de trabalho. Regulamento Interno para o uso da viatura do CCD PM Cascais Página 2

3 Artigo 5º Deveres dos condutores Todo o condutor é responsável pela utilização do veículo do CCD PM Cascais, competindo-lhe nomeadamente: 1 - Antes de iniciar a utilização: a) Proceder à inspeção visual da viatura para verificar se a mesma apresenta quaisquer danos; b) Verificar o nível de óleo e da água (fora do Concelho de Cascais); c) Verificar o estado dos pneus; d) Verificar se a viatura tem a documentação e acessórios necessários para poder circular. 2 - Respeitar o Código de estrada e demais legislação em vigor. 3 - Conduzir com prudência. 4 - Suspender a condução no caso de se verificar redução da sua capacidade, anomalia do veículo ou quaisquer outras condições adversas que o justifiquem. 5 - Zelar pela boa conservação e limpeza da viatura. 6 - Participar quaisquer anomalias detetadas na viatura, bem como qualquer falta de componentes; 7 - Preencher o boletim de registo onde serão anotados pelos utilizadores, os quilómetros percorridos, a fundamentação da utilização e o registo dos abastecimentos. Cumprir as regras constantes do presente Regulamento. Artigo 6º Abastecimento 1. O veículo é reabastecido sempre que necessário através do levantamento prévio do montante necessário, junto dos serviços administrativos do CCD PM Cascais. Regulamento Interno para o uso da viatura do CCD PM Cascais Página 3

4 2. Em caso de grandes deslocações a viatura será entregue pelos serviços administrativos do CCD PM Cascais com o depósito atestado, sendo da responsabilidade do seu utilizador a sua devolução, nas mesmas condições. 3. O recibo respeitante a cada abastecimento, para além de ter de conter o número de contribuinte do CCD PM Cascais, deve ser remetido, logo que possível, aos serviços administrativos deste último. Artigo 7º Pagamento de portagens e de parqueamentos 1. O veículo não possui identificador do sistema Via verde, pelo que está vedada a utilização desta forma de pagamento. 2. O pagamento em parques de estacionamento deverá, apenas, ser considerado em caso de manifesta dificuldade de estacionamento. 3. O reembolso dos referidos pagamentos pressupõe a entrega dos respetivos pagamentos nos serviços administrativos do CCD PM Cascais. Artigo 8º Procedimento em caso de avaria Em caso de avaria da viatura deve proceder-se do seguinte modo: 1. Caso a ocorrência aconteça em dia útil deve avisar, de imediato, os serviços administrativos do CCD PM Cascais, o qual após relato da avaria lhe indicará o procedimento adequado a adotar. 2. Caso a ocorrência aconteça num dia não útil o condutor deve avisar, de imediato, a Companhia de Seguros da viatura, solicitando o reboque e posterior encaminhamento para a sede do CCD PM Cascais. Regulamento Interno para o uso da viatura do CCD PM Cascais Página 4

5 Artigo 9º Acidente de viação Em caso de acidente deve ser adotado o seguinte procedimento: 1. O condutor do veículo deve, no local da ocorrência do acidente obter dos intervenientes, todos os elementos necessários ao completo e correto preenchimento da declaração amigável. 2. Para efeitos do cumprimento do número anterior, o condutor do veículo deve assegurar que a declaração amigável se encontra no interior da viatura, sempre que esta seja utilizada. 3. Preenchimento de participação interna de acidente e sua entrega ou envio aos serviços administrativos do CCD PM Cascais, num prazo máximo de 24 horas. 4. O condutor do veículo deve solicitar a intervenção dos representantes da autoridade sempre que: a) O terceiro não apresente no local de acidente documentos necessários para identificação da * Da viatura* Da companhia de seguros* Do próprio condutor b) O terceiro se ponha em fuga sem se identificar, devendo neste caso ser imediatamente anotada a matrícula do veículo e todos os dados que permitam a sua identificação; c) O terceiro manifeste um comportamento perturbado (embriaguez ou estados análogos); d) O terceiro não queira assinar a declaração amigável de acidente. e) Haja acidentes pessoais de qualquer dos intervenientes no acidente. Artigo 10º Furto ou roubo do veículo 1. Em caso de furto no interior do veículo ou roubo do mesmo, o condutor da viatura deve de imediato comunicar a ocorrência junto dos serviços administrativos do CCD PM Cascais. 2. Comunicar às autoridades policiais a reportar a ocorrência e obter um auto da polícia que ateste a informação. 3. A informação dada por telefone deve ser confirmada junto dos serviços administrativos do CCD PM Cascais no prazo de 24 horas e entregue o referido auto, Regulamento Interno para o uso da viatura do CCD PM Cascais Página 5

6 juntamente com um descritivo da ocorrência efetuado pelo responsável do veículo, no qual devem constar os seguintes elementos: a) Identificação de veículo; b) Identificação do responsável pelo veículo; c) Dia e hora em que se verificou a ocorrência; d) Local da ocorrência; e) Identificação de testemunhas da ocorrência; f) Quaisquer outras informações consideradas úteis ao enquadramento da ocorrência. Artigo 11º Das Multas As multas por infração ao Código da Estrada ou outras disposições legais imputáveis aos condutores são da sua exclusiva responsabilidade. Artigo 12º Entrada em vigor O presente regulamento entra em vigor no dia seguinte à sua aprovação em reunião de Direção do CCD PM Cascais. Artigo 13º Disposições finais As dúvidas, omissões ou interpretações necessárias ao esclarecimento e aplicação do presente regulamento serão resolvidas pela Direção do CCD PM Cascais. Cascais, 22 de Janeiro de 2014 O Presidente da Direção Prof. João Bento Vitorino Regulamento Interno para o uso da viatura do CCD PM Cascais Página 6

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal REGULAMENTO INTERNO DE USO DE VEÍCULOS MUNICIPAIS Artigo 1º Objectivo O Regulamento Interno de Uso de Veículos Municipais visa definir o regime de utilização

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. O Presente Regulamento estabelece as condições

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS APROVADO 25 de Junho de 2010 O Presidente, ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO (Paulo Parente) REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto Nos termos do n.º 2 do

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/28/2010

DESPACHO ISEP/P/28/2010 DESPACHO DESPACHO ISEP/P/28/2010 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE VEÍCULOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Considerando: 1. O disposto no n.º 2 do artigo 11.º do Decreto-Lei n.º 170/2008, de 26

Leia mais

Minuta - Regulamento de Uso de Veículos

Minuta - Regulamento de Uso de Veículos Minuta - Regulamento de Uso de Veículos Minuta - Regulamento de Uso de Veículos... 1 Secção I Disposições Gerais... 3 Artigo 1.º - Objeto... 3 Artigo 2.º - Âmbito... 3 Artigo 3.º - Caracterização da frota...

Leia mais

DIVISÃO ADMINISTRATIVA REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE VEICULOS MUNICIPAIS

DIVISÃO ADMINISTRATIVA REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE VEICULOS MUNICIPAIS CAPTÍULO I DISPOSIÇÕES GERAIS 1 - Objecto O Regulamento de Utilização de Viaturas do Município de Setúbal, de ora em diante designado por Regulamento, visa definir as regras para utilização dos veículos

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Regulamento de Uso de Veículos

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Regulamento de Uso de Veículos INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Regulamento de Uso de Veículos Aprovado em Plenário de CG de 11 de Abril de 2013 1 INDICE Índice - Regulamento de Uso de Veículos 2 Secção I Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto.

Leia mais

Regulamento de Utilização e Cedência de Viaturas e Máquinas Municipais

Regulamento de Utilização e Cedência de Viaturas e Máquinas Municipais Regulamento de Utilização e Cedência de Viaturas e Máquinas Municipais CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Lei habilitante) O presente Regulamento é elaborado ao abrigo do disposto no artigo 241º.

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIAS DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ PARALÍMPICO DE PORTUGAL

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIAS DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ PARALÍMPICO DE PORTUGAL REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO TEMPORÁRIAS DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ PARALÍMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. O presente Regulamento estabelece

Leia mais

Junta de Freguesia de S. Victor Município de Braga. Regulamento. de Utilização de Viaturas. Freguesia de S. Victor

Junta de Freguesia de S. Victor Município de Braga. Regulamento. de Utilização de Viaturas. Freguesia de S. Victor Junta de Freguesia de S. Victor Município de Braga Regulamento de Utilização de Viaturas da Freguesia de S. Victor 1 PREÂMBULO A necessidade de se criar um Regulamento de Utilização de Viaturas, da Freguesia

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO BUS Solidário e Loja Solidária Junta de Freguesia de Encosta do Sol Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Enquadramento No âmbito das atribuições que lhe são cometidas

Leia mais

Acordo Preferencial para Prestação de Serviços de Aluguer de Automóveis sem Condutor

Acordo Preferencial para Prestação de Serviços de Aluguer de Automóveis sem Condutor PROTOCOLO COMERCIAL Acordo Preferencial para Prestação de Serviços de Aluguer de Automóveis sem Condutor ENTRE, com sede em Lj. 11 e 12 4760-014 V.N. Famalicão, pessoa colectiva 507 591 682, neste acto

Leia mais

Regulamento de Uso de Veículos. Secção I Disposições Gerais

Regulamento de Uso de Veículos. Secção I Disposições Gerais Regulamento de Uso de Veículos Secção I Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto Nos termos do n.º 2 do artigo 11.º do Decreto-Lei n.º 170/2008, de 26 de Agosto, que define o novo regime jurídico do Parque

Leia mais

PREÂMBULO... 4 CAPITULO I... 5 Disposições Gerais... 5. CAPITULO II... 5 Gestão da Frota... 5

PREÂMBULO... 4 CAPITULO I... 5 Disposições Gerais... 5. CAPITULO II... 5 Gestão da Frota... 5 INDICE PREÂMBULO... 4 CAPITULO I... 5 Disposições Gerais... 5 Artigo 1º... 5 Âmbito de Aplicação... 5 CAPITULO II... 5 Gestão da Frota... 5 Artigo 2º... 5 Princípios... 5 Artigo 3º... 5 Competências...

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS. Preâmbulo

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS. Preâmbulo REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS Preâmbulo Considerando que o Regulamento atualmente existente denominado Regulamento de Cedência e Utilização de Viaturas Municipais, aprovado

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE VIATURAS E MÁQUINAS MUNICIPAIS REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE VIATURAS E MÁQUINAS MUNICIPAIS

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE VIATURAS E MÁQUINAS MUNICIPAIS REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE VIATURAS E MÁQUINAS MUNICIPAIS REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE VIATURAS E MÁQUINAS MUNICIPAIS 1 ÍNDICE PREÂMBULO... 4 SECÇÃO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 ARTIGO 1º - Âmbito de Aplicação... 4 SECÇÃO II GESTÃO DA FROTA MUNICIPAL... 4 ARTIGO

Leia mais

REGULAMENTO DA FROTA AUTOMÓVEL DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DA FROTA AUTOMÓVEL DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Regulamento da Frota Automóvel da AAUAv 2012 REGULAMENTO DA FROTA AUTOMÓVEL DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Preâmbulo A frota automóvel da Associação Académica da Universidade de Aveiro

Leia mais

REGULAMENTO DE USO E GESTÃO DE VEÍCULOS DO TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE LISBOA

REGULAMENTO DE USO E GESTÃO DE VEÍCULOS DO TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE LISBOA REGULAMENTO DE USO E GESTÃO DE VEÍCULOS DO TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE LISBOA ÍNDICE SECÇÃO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1.º Objecto Artº 2.º Âmbito Artº 3.º Competência Artº 4.º Caracterização e distribuição

Leia mais

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais...3. 2 - Ensino Básico...4. 3 - Ensino Secundário...4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais...

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais...3. 2 - Ensino Básico...4. 3 - Ensino Secundário...4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais... MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA NORMAS DE PROCEDIMENTO DE CANDIDATURA AO SUBSÍDIO DE TRANSPORTE ÍNDICE 1 - Disposições Gerais...3 2 - Ensino Básico...4 3 - Ensino Secundário...4 4 - Alunos com Necessidades

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCANENA CÂMARA MUNICIPAL. Regulamento Cartão Sénior Municipal

MUNICÍPIO DE ALCANENA CÂMARA MUNICIPAL. Regulamento Cartão Sénior Municipal Regulamento Cartão Sénior Municipal Artigo 1º Objeto 1- O Cartão Sénior Municipal é um cartão emitido pela Câmara Municipal de Alcanena que tem como destinatários os cidadãos residentes no concelho de

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos a serem adotados para a utilização dos meios de transporte na COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma, poderá ser necessário consultar:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 039/2015 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

MUNICÍPIO DE MACHICO PROJETO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO

MUNICÍPIO DE MACHICO PROJETO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO MUNICÍPIO DE MACHICO PROJETO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO Nota justificativa O voluntariado corresponde ao conjunto de ações de interesse social e comunitário, realizadas de forma desinteressada

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA REGULAMENTO Nº 08/2004 REGULAMENTO MUNICIPAL PARA VEÍCULOS ABANDONADOS 1/10 Aprovação nos Órgãos Municipais Câmara Municipal: Regulamento...................... 04/09/29

Leia mais

REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES

REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES A Câmara Municipal de Alpiarça, com a criação do presente Regulamento, pretende definir e clarificar procedimentos no âmbito dos Transportes Escolares, nomeadamente

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA 1990 1 CAPÍTULO I OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÕES ARTIGO 1º - O presente regulamento destina-se

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice REGULAMENTO INTERNO Índice Preâmbulo...... 3 Artigo 1º - Âmbito de aplicação........ 3 Artigo 2º - Definição......... 3 Artigo 3º - Princípios enquadradores do voluntariado...... 4 Artigo 4º - Perfil do

Leia mais

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO De acordo com as disposições combinadas previstas na alín. u), do nº1, alín. f), do nº2 e na

Leia mais

NORMAS E CONDIÇÕES GERAIS DE FUNCIONAMENTO LOW COST PARKING

NORMAS E CONDIÇÕES GERAIS DE FUNCIONAMENTO LOW COST PARKING NORMAS E CONDIÇÕES GERAIS DE FUNCIONAMENTO LOW COST PARKING 1ª) DEFINIÇÕES 1) Para todos os efeitos as partes acordam as seguintes definições A) Empresa: Low Cost, Estacionamos por Si Lda. B) Parque Low

Leia mais

ÍNDICE. 1 Disposições Gerais...3. 2 Ensino Básico...4. 3 Ensino Secundário...5. 4 Alunos Portadores de Deficiência...7

ÍNDICE. 1 Disposições Gerais...3. 2 Ensino Básico...4. 3 Ensino Secundário...5. 4 Alunos Portadores de Deficiência...7 MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA TRANSPORTES ESCOLARES NORMAS DE PROCEDIMENTO CANDIDATURA AO SUBSÍDIO DE TRANSPORTE ÍNDICE 1 Disposições Gerais...3 2 Ensino Básico...4 3 Ensino Secundário...5 4 Alunos

Leia mais

Prove Viseu Dão Lafões 2014

Prove Viseu Dão Lafões 2014 Prove Viseu Dão Lafões 2014 FICHA DE INSCRIÇÃO ORGANIZAÇÃO APOIO INSTITUCIONAL CO-FINANCIAMENTO 1/3 Prove Viseu Dão Lafões 2014 1. CALENDÁRIO HORÁRIO DO EVENTO 4 julho / 18:00 24:00 5 julho / 12:00 24:00

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR FÉRIAS DA LIPOR 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar, realiza atividades de promoção e organização

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/17 1 - DOS OBJETIVOS a) Regulamentar procedimentos de controle da frota de veículos leves e pesados da Prefeitura, visando otimizar o uso dos mesmos e reduzir custos de manutenção. 2- DOS ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1. (Natureza) O Conselho Nacional para a Economia Social, adiante também identificado como CNES,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Regulamento. Cartão. Giae. Pag. 1

Regulamento. Cartão. Giae. Pag. 1 Regulamento Cartão Giae Pag. 1 Regulamento Cartão GIAE I Objecto e Âmbito O presente documento define e regula o funcionamento do Sistema de Gestão Integrada para a Administração Escolar, designado de

Leia mais

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Banking and Payments Authority of Timor-Leste Av a Bispo Medeiros, PO Box 59, Dili, Timor-Leste Tel. (670) 3 313 718, Fax. (670) 3 313 716 RESOLUÇÃO DO

Leia mais

USO E GESTÃO DE VEÍCULOS DO INSTITUTO DO DESPORTO DE PORTUGAL, I.P.

USO E GESTÃO DE VEÍCULOS DO INSTITUTO DO DESPORTO DE PORTUGAL, I.P. REGULAMENTO DE USO E GESTÃO DE VEÍCULOS DO INSTITUTO DO DESPORTO DE PORTUGAL, I.P. ÍNDICE SECÇÃO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º Objecto --------------------------------------------------------------------------------------------------2

Leia mais

PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015

PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015 PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015 I DESTINATÁRIOS O Programa de Ocupação de Jovens, promovido pela Câmara Municipal de Cascais, através da Divisão de Promoção de Emprego (DPRE), destina-se a jovens

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

Usados de Confiança. Garantidamente. Serviço Mobilidade. Das Welt Auto. 24 horas

Usados de Confiança. Garantidamente. Serviço Mobilidade. Das Welt Auto. 24 horas Usados de Confiança. Garantidamente. Serviço Mobilidade Das Welt Auto 24 horas Serviço Mobilidade Das Welt Auto 24 horas * Nos termos da lei nº 67/98, de 26.10, a base de dados com todos os clientes desta

Leia mais

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS Índice Preâmbulo 3 Página Capítulo I Âmbito e objeto 3 Artigo 1.º - Âmbito e objeto 3 Artigo 2.º - Acesso e exercício das atividades 3 Capítulo II -

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Introdução O presente Regulamento foi concebido a pensar em si, visando o bom funcionamento da formação. Na LauTraining Formação e Consultoria, vai encontrar um ambiente de trabalho e de formação agradável

Leia mais

REGULAMENTO DE USO E GESTÃO DE VEÍCULOS DA UNIVERSIDADE DOS AÇORES

REGULAMENTO DE USO E GESTÃO DE VEÍCULOS DA UNIVERSIDADE DOS AÇORES REGULAMENTO DE USO E GESTÃO DE VEÍCULOS DA UNIVERSIDADE DOS AÇORES Secção I Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto O Regulamento de Uso e Gestão de Veículos da Universidade dos Açores cria normas, procedimentos

Leia mais

PROJETO DE LEI N 031/2015

PROJETO DE LEI N 031/2015 PROJETO DE LEI N 031/2015 Dispõe sobre as vagas de estacionamento de veículos destinadas exclusivamente às pessoas deficientes e com dificuldade de locomoção e dá outras providências. O Vereador que o

Leia mais

PO.00001 01 01/08/2011 EBT-Infra JAO-Dir. 1 - OBJETIVO Descrever as normas e melhores práticas para utilização dos veículos da Place Consultoria.

PO.00001 01 01/08/2011 EBT-Infra JAO-Dir. 1 - OBJETIVO Descrever as normas e melhores práticas para utilização dos veículos da Place Consultoria. Código Revisão Data Emissão Aprovação PO.00001 01 01/08/2011 EBT-Infra JAO-Dir Título: POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DE VEÍCULOS - PLACE CONSULTORIA 1 - OBJETIVO Descrever as normas e melhores práticas para

Leia mais

Deslocações em Serviço e Ajudas de Custo

Deslocações em Serviço e Ajudas de Custo Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Deslocações em Serviço e Ajudas de Custo Regulamento I Disposições Gerais 1. Os funcionários docentes e não docentes podem deslocar-se em serviço, durante o

Leia mais

INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS

INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS Valor da retribuição a pagar pelo Cliente 4ª Valor da retribuição a pagar pelo Cliente 1. Os serviços prestados pela LeasePlan em conformidade

Leia mais

Regulamento de acesso de viaturas aos arruamentos geridos através de pilaretes retráteis automáticos no Município do Funchal Enquadramento

Regulamento de acesso de viaturas aos arruamentos geridos através de pilaretes retráteis automáticos no Município do Funchal Enquadramento Regulamento de acesso de viaturas aos arruamentos geridos através de pilaretes retráteis automáticos no Município do Funchal Enquadramento Na Cidade do Funchal existem diversos arruamentos destinados apenas

Leia mais

Parque Tecnológico de Óbidos

Parque Tecnológico de Óbidos Parque Tecnológico de Óbidos Regulamento de obras (Versão preliminar) Fevereiro de 2009 Óbidos Requalifica, E.E.M. Casa do Largo da Porta da Vila, 1.º Tel: +351 262 955 440 obidos.requalifica@mail.telepac.pt

Leia mais

Regulamento do Seguro Escolar

Regulamento do Seguro Escolar Regulamento do Seguro Escolar O presente documento constitui o Regulamento do Seguro Escolar a estabelecer no Colégio de S. Pedro e tem por base a legislação em vigor, nomeadamente, a Portaria n.º413/99,

Leia mais

Regulamento das Praias Fluviais do Concelho da Sertã

Regulamento das Praias Fluviais do Concelho da Sertã Aprovado Câmara Municipal 30-05-2012 Aprovado Assembleia Municipal 30-06-2012 Entrada em vigor 15-08- 2012 Regulamento das Praias Fluviais do Concelho da Sertã Proposta de Regulamento das Praias Fluviais

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO JOVEM EQUIPA DE VIGILÂNCIA FLORESTAL 2015. Artigo 1º Âmbito e definição

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO JOVEM EQUIPA DE VIGILÂNCIA FLORESTAL 2015. Artigo 1º Âmbito e definição PROGRAMA DE VOLUNTARIADO JOVEM EQUIPA DE VIGILÂNCIA FLORESTAL 2015 Artigo 1º Âmbito e definição 1. As presentes normas instituem e regulam o Programa de Voluntariado Jovem para operacionalização da Equipa

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS. Município de Soure

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS. Município de Soure REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS Município de Soure 2014 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS Nota Justificativa No sentido de garantir uma maior e melhor

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

(1) Inclui o capital de Responsabilidade Civil Obrigatória: 6.000.000 (Danos Materiais/Danos Corporais).

(1) Inclui o capital de Responsabilidade Civil Obrigatória: 6.000.000 (Danos Materiais/Danos Corporais). 1 FICHA DE PRODUTO Produtos Automóvel A N Seguros tem à sua disposição coberturas que são realmente indispensáveis para a segurança do seu Automóvel, construindo uma proteção à sua medida. Esta ficha de

Leia mais

4. VEICULOS A DISPOSIÇÃO EXCLUSIVOS DAS AREAS (LOGISTICA/PCP/MANUTENÇÃO)

4. VEICULOS A DISPOSIÇÃO EXCLUSIVOS DAS AREAS (LOGISTICA/PCP/MANUTENÇÃO) 1 de 5 1. OBJETIVO Estabelecer a política e procedimento geral a serem seguidos por toda a companhia em relação a veículos pessoais,, carros fornecidos pela companhia e de despesas com quilometragem a

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes e Alto Douro Artigo 1º Objeto O presente regulamento define um conjunto de normas e orientações dos Cursos de Língua Estrangeira

Leia mais

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Índice Introdução 3 Artigo 1.º - Enquadramento 3 Artigo 2.º - Período de funcionamento/instalações 4 Artigo 3.º - Normas de inscrição/funcionamento

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem por objecto definir a natureza, o conteúdo e os termos em que é desenvolvido o trabalho voluntário no Hospital

Leia mais

Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC

Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC Considerando: A importância do voluntariado no exercício ativo de cidadania, traduzido na relação solidária com o próximo; A sua relevância cultural

Leia mais

Norma de Utilização dos Veículos do SISAR/BAJ

Norma de Utilização dos Veículos do SISAR/BAJ 1. Objetivo Norma de Utilização dos Veículos do SISAR/BAJ 1.1. Regularizar o uso dos veículos pertencentes ao SISAR/BAJ, em todas as suas unidades. Especificando direito e deveres dos condutores. 2. Campo

Leia mais

4) O CLIENTE deverá a fornecer seus dados pessoais de forma completa e real, devendo atualizá-los sempre que necessário e/ou solicitado;

4) O CLIENTE deverá a fornecer seus dados pessoais de forma completa e real, devendo atualizá-los sempre que necessário e/ou solicitado; TERMOS E CONDIÇÕES Estes Termos e Usos (doravante denominados "Termos e Condições") regulamenta a prestação de serviço por parte da TUDO DA GRINGA (doravante denominada EMPRESA ) oferece ao seu CLIENTE.

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE LAGOA EB 2,3 Padre João José do Amaral

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE LAGOA EB 2,3 Padre João José do Amaral SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE LAGOA EB 2,3 Padre João José do Amaral Sala de Apoio Multidisciplinar Regulamento Interno 1.

Leia mais

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio [Denominação legal da entidade de envio e código Erasmus, se aplicável]

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Concelho de Portel, à semelhança da generalidade dos Concelhos do interior do país, tem uma parte significativa

Leia mais

Regulamento de Utilização de Viaturas e Máquinas Municipais

Regulamento de Utilização de Viaturas e Máquinas Municipais Preâmbulo Considerando que importa regulamentar a utilização das viaturas e máquinas municipais, de forma a racionalizar a despesa e a optimizar os recursos municipais, no que concerne à utilização da

Leia mais

Versão: 1ª. Palavras-chave: Veículos Oficiais; Transportes; transporte institucional, serviços comuns

Versão: 1ª. Palavras-chave: Veículos Oficiais; Transportes; transporte institucional, serviços comuns 1. OBJETIVO 1. Este Regulamento Interno-RI objetiva definir os procedimentos e responsabilidades a serem observados na utilização de veículos oficiais em serviços de interesse da EPL. 2. APLICAÇÃO 1. Este

Leia mais

REGULAMENT O DE FUNDO DE MANEIO

REGULAMENT O DE FUNDO DE MANEIO REGULAMENT O DE FUNDO DE MANEIO Em conformidade com a Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro e Decreto-Lei n.º 127/2012, de 21 de junho Aprovado em Reunião de Câmara de / / Elaborado em: Ago/2012 ÍNDICE ARTIGO

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de Atribuição Artigo 4.º - Organização Processual Artigo 5.º - Benefícios do Cartão

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA Atendendo ao aumento de número de viaturas em circulação, à alteração da circulação em algumas vias e locais, à existência

Leia mais

Preâmbulo CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Missão e atribuições

Preâmbulo CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Missão e atribuições REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO SINDICATO DOS MAGISTRADOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO Preâmbulo A Biblioteca do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público foi criada em 1974, data da fundação do próprio Sindicato.

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI)

NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI) NORMA DE CONTROLO INTERNO (NCI) Freguesia de Almagreira PREÂMBULO Tendo em conta o estipulado na Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro (que estabelece o quadro de competências, assim como o regimento jurídico

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO VICENTE (REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA) REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE SÃO VICENTE

JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO VICENTE (REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA) REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE SÃO VICENTE JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO VICENTE (REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA) REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE SÃO VICENTE Nota Justificativa Com a publicação da Lei n.º 75/2013, de

Leia mais

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde REGULAMENTO DO CONCURSO Concurso para financiamento de projetos em Literacia em Saúde 2013 Artigo 1º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas de acesso ao concurso para financiamento de projetos

Leia mais

Regulamento do Conselho Local de Educação

Regulamento do Conselho Local de Educação Regulamento do Conselho Local de Educação Nos termos e para os efeitos previstos no artigo 2º., do Decreto-Lei nº. 115-A/98, de 04 de Maio, deliberação da Câmara Municipal de Águeda de 08 de Fevereiro

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL O presente instrumento regulamenta a composição, exercício da competência, deveres, funcionamento e serviços de apoio do Conselho Fiscal da Sonae SGPS, SA. COMPOSIÇÃO 1.

Leia mais

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NOR 204

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NOR 204 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO CÓD. 200 ASSUNTO: ESTABELECE CRITÉRIOS DE PROCEDIMENTOS PARA O CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NAS DEPENDÊNCIAS DA EMPRESA CÓD: APROVAÇÃO: Resolução nº 0098/94, de 15/12/1994 NORMA

Leia mais

Artigo 2º Cedência de instalações

Artigo 2º Cedência de instalações MANUAL INTERNO UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS Artigo 1º Disposições gerais 1. As Instalações Desportivas da escola EB André Soares têm como finalidade, para além da atividade letiva, a prestação

Leia mais

MANUAL DE POLITICAS E NORMAS ADMINISTRATIVAS NORMA ADMINISTRATIVA NA 003 CONCESSÃO E UTILIZAÇÃO DE VEICULOS

MANUAL DE POLITICAS E NORMAS ADMINISTRATIVAS NORMA ADMINISTRATIVA NA 003 CONCESSÃO E UTILIZAÇÃO DE VEICULOS 1. OBJETIVO O presente instrumento define critérios para concessão, controle e utilização de veículos leves para transporte de passageiros, sejam estes de propriedade das empresas do grupo BEVAP ou locados

Leia mais

Regulamento de Funcionamento da Formação. Disposições Gerais da Prestação de Serviços no âmbito da Formação

Regulamento de Funcionamento da Formação. Disposições Gerais da Prestação de Serviços no âmbito da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação Disposições Gerais da Prestação de Serviços no âmbito da Formação Agosto 2013 Índice Pág. Introdução. 3 Objetivo... 3 Inscrição nos cursos de formação 3 Condições

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014. Série. Número 27

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014. Série. Número 27 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 16/2014 Aprova o Regulamento do Programa Jovem

Leia mais

GIAE SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO ELETRÓNICO

GIAE SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO ELETRÓNICO AGRUPMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO I BAIXA DA BANHEIRA GIAE SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO ELETRÓNICO A Escola dos 2.º e 3.º Ciclos D. João I dispõe

Leia mais

TERMO DE ADESÃO E USO DA LOJA VIRTUAL VT URBANO VA Legal. Para interpretação do Termo de Adesão e Uso da Loja Virtual VT URBANO VA Legal considera-se:

TERMO DE ADESÃO E USO DA LOJA VIRTUAL VT URBANO VA Legal. Para interpretação do Termo de Adesão e Uso da Loja Virtual VT URBANO VA Legal considera-se: TERMO DE ADESÃO E USO DA LOJA VIRTUAL VT URBANO VA Legal 1. DEFINIÇÕES: Para interpretação do Termo de Adesão e Uso da Loja Virtual VT URBANO VA Legal considera-se: EMPRESA CONCESSIONÁRIA Viação Atibaia

Leia mais

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66 LEI N.º 809/2014 SÚMULA: Disciplina procedimentos de controle da frota e transporte municipal e da outras providências. aprovou, e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte A Câmara Municipal de Guaraniaçu,,

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE UTILIZAÇÃO DA FROTA AUTOMÓVEL DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO INTERNO DE UTILIZAÇÃO DA FROTA AUTOMÓVEL DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO INTERNO DE UTILIZAÇÃO DA FROTA AUTOMÓVEL DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A formulação de normas e princípios gerais do uso de viaturas e máquinas por parte do Estado e, em particular,

Leia mais

Regulamento das condições de utilização da Infraestrutura da RIS para efeitos de manutenção remota. Artigo 1º. Objeto

Regulamento das condições de utilização da Infraestrutura da RIS para efeitos de manutenção remota. Artigo 1º. Objeto Regulamento das condições de utilização da Infraestrutura da RIS para efeitos de manutenção remota Artigo 1º Objeto O presente regulamento define as condições de acesso e utilização da infraestrutura da

Leia mais

Normas para aluguer de espaços na Mata Nacional do Buçaco Sumário

Normas para aluguer de espaços na Mata Nacional do Buçaco Sumário Normas para aluguer de espaços na Mata Nacional do Buçaco Sumário Introdução Reserva de Espaços Catering, decoração e animação musical Registo Fotográfico/Vídeo Danos/ Incidentes Cancelamentos / Preçários

Leia mais

Agrupamento de Escolas Nº1 de Abrantes REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CARTÃO ELETRÓNICO

Agrupamento de Escolas Nº1 de Abrantes REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CARTÃO ELETRÓNICO Agrupamento de Escolas Nº1 de Abrantes REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CARTÃO ELETRÓNICO Artigo 1.º (Âmbito e objetivo) 1 - O cartão eletrónico é um cartão de leitura magnética, utilizado por todos os

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STR 001/2009

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STR 001/2009 1 CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STR 001/2009 Versão: 01 Aprovação em: 09/11/2009 Unidade Responsável: Coordenadoria de Administração - CAD STR: Sistema de Transportes

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

Termos e Condições dos Tours e Locações

Termos e Condições dos Tours e Locações Termos e Condições dos Tours e Locações Os Termos e Condições são destinadas a regular o contrato a ser firmado entre a Ruta 40 Motorcycle Adventures e o CLIENTE que irá participar do Tour e/ou locar uma

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) Em 22 de Dezembro de 2006,

Leia mais

Regulamento de Associativismo e Utilização do Património da Freguesia

Regulamento de Associativismo e Utilização do Património da Freguesia 1 Regulamento de Associativismo e Utilização do Património da Freguesia Nota Justificativa Dada a necessidade de estimular o funcionamento das associações da freguesia e apoiar as atividades de natureza

Leia mais

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA - NOR 204

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA - NOR 204 ASSUNTO: MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO, FINANÇAS E PESSOAS CONTROLE DE ACESSO E CIRCULAÇÃO INTERNA NAS DEPENDENCIAS DA EMPRESA APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 77, de 08/06/2015 COD. 200 VIGÊNCIA: 08/06/2015

Leia mais

REGULAMENTO FEIRA DO LIVRO PORTO 2015 I ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO FEIRA DO LIVRO PORTO 2015 I ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO FEIRA DO LIVRO PORTO 2015 I ORGANIZAÇÃO Artigo 1.º Âmbito 1. A Feira do Livro do Porto integra um espaço de venda de publicações cuja organização compete à Porto Lazer E.M. e um Festival Literário

Leia mais