APÊNDICE XI SERVIÇOS GERAIS DE APOIO À ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APÊNDICE XI SERVIÇOS GERAIS DE APOIO À ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 APÊNDICE XI SERVIÇOS GERAIS DE APOIO À ADMINISTRAÇÃO 1

2 SUMÁRIO 1 CONCEITOS E DIRETRIZES LIMPEZA Caracterização do Pessoal Materiais e Equipamentos a serem fornecidos e utilizados Descrição dos Serviços e Frequência VIGILÂNCIA COPA TRANSPORTES COPIADORA / FOTOS MANUTENÇÃO DAS INSTALAÇÕES PREDIAIS: DIRETRIZES GERAIS

3 1 CONCEITOS E DIRETRIZES GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO O conceito de qualidade assumido pelo Programa Faça Fácil é bastante amplo, compreendo dentre outros: qualidade da limpeza, da infraestrutura, da vigilância, do conforto ambiental, do mobiliário. Por esta razão, a SEGER define também indicadores para aferição dos serviços que dão conforto e segurança para os cidadãos e para os funcionários. Os profissionais que realizarão os serviços de limpeza, vigilância, copa e transporte deverão ser submetidos ao Módulo Conceitual do APÊNDICE IX - Programa de Formação e Capacitação, sob responsabilidade da CONCESSIONÁRIA, no período necessário para a exposição do conteúdo proposto. 2 LIMPEZA A prestação de serviços de limpeza, asseio, conservação predial e jardinagem a serem executados nas dependências das UNIDADES FAÇA FÁCIL tem como objetivo a obtenção de adequadas condições de salubridade e higiene, com a disponibilização de mão-de-obra, saneantes domissanitários, materiais de limpeza e equipamentos. A CONCESSIONÁRIA deverá responsabilizar-se pela limpeza e organização de todas as áreas, de forma que as mesmas sejam mantidas limpas durante todo o período de funcionamento das Unidades, observando as seguintes disposições: 2.1 Caracterização do Pessoal Os empregados deverão ser rigorosamente selecionados pela CONCESSIONÁRIA, a qual ficará, para todos os efeitos legais e administrativos, responsável pelos atos por eles praticados no desempenho de suas funções. Deverão estar uniformizados, identificados através de crachás, com fotografia recente, e providos de Equipamentos de Proteção Individual EPI s quando a execução do trabalho assim o exigir, de acordo com as normas legais. Os uniformes e os equipamentos devem ser substituídos sempre que necessário e mantidos em perfeitas condições de uso. 2.2 Materiais e Equipamentos a serem fornecidos e utilizados Os materiais, inclusive sacos plásticos para acondicionamento de detritos, papel higiênico, sabonete líquido, papel toalha, saboneteiras, papeleiras, equipamentos, 3

4 ferramentas e utensílios, serão fornecidos em quantidade, qualidade e tecnologia adequados, com observância às recomendações aceitas pela boa técnica, normas e legislação vigente. 2.3 Descrição dos Serviços e Frequência Todos os ambientes internos e externos, mobiliários, lixeiras, fachadas, janelas e portas de vidro ou madeira, totens, equipamentos, coberturas e etc, deverão ser diariamente limpos, sempre que possível, em horários que não interfiram com o bom andamento da rotina de funcionamento das Unidades. A SEGER poderá, a qualquer momento, avaliar as condições de conservação, higiene e limpeza. 3 VIGILÂNCIA As atividades de prestação dos serviços de vigilância/segurança patrimonial nas UNIDADES FAÇA FÁCIL deverão prever serviço de vigilância convencional, desarmado, diurno e noturno, de domingo a domingo, de acordo com a convenção coletiva de trabalho da categoria. Para a prestação destes serviços, a CONCESSIONÁRIA deverá recrutar pessoal devidamente capacitado para a função, observando as legislações pertinentes. Além do serviço de vigilância das UNIDADES FAÇA FÁCIL o vigilante deve identificar e acionar a Administração das Unidades quanto ao ingresso de vendedores e ambulantes não autorizados, como também de pessoas que possam perturbar a ordem. A CONCESSIONÁRIA também deverá fornecer, uniforme completo, todos os equipamentos de segurança que lhes protejam a saúde e/ou previnam acidentes de trabalho, e demais acessórios necessários à boa execução do serviço. 4 COPA A CONCESSIONÁRIA deverá prever ambiente com equipamentos que possibilitem o fornecimento de café e chá para os funcionários, água filtrada e gelada, local para guarda e aquecimento de alimentos (refeição diária dos funcionários). Para tanto deverá alocar recursos humanos suficientes, devidamente capacitados e uniformizados, 4

5 durante o período de funcionamento das Unidades, bem como fornecer os materiais, equipamentos e insumos necessários ao desenvolvimento do serviço. A preparação e distribuição de café e chá deverá ocorrer pelo menos 2 vezes ao dia. A CONCESSIONÁRIA deverá fornecer à equipe encarregada deste serviço, uniformes apropriados para cada tipo de trabalho e também os equipamentos convencionais de segurança quando a execução do trabalho assim o exigir. 5 TRANSPORTES A prestação deste serviço nas UNIDADES FAÇA FÁCIL tem como objetivo atender os órgãos parceiros no transporte de documentos, malotes, equipamentos leves e pessoas. O roteiro a ser feito para as Unidades de Cariacica e Serra abrangerá toda a região Metropolitana da Grande Vitória, e para as Unidades de Cachoeiro de Itapemirim e Colatina se restringirão à área do Município. No início da operação será informado à CONCESSIONÁRIA os itinerários para entrega de malotes. Diretrizes para a execução do serviço: a) Prestar os serviços de transporte por meio de veículos adequados; b) Responsabilizar-se pelos bens e equipamentos que transportar, mantendo inclusive sigilo das informações referentes aos documentos confiados à sua guarda; c) Fornecer uniformes apropriados e em quantidades suficientes à sua equipe, bem como os equipamentos convencionais de segurança quando a execução do trabalho assim o exigir, de acordo com as normas de segurança previstas na legislação; d) Contratar seguros de responsabilidade civil por danos materiais e/ou pessoais e contra acidentes que possam ser causados aos passageiros, a terceiros e aos funcionários; e) Responsabilizar-se por todas e quaisquer despesas oriundas dos veículos utilizados, tais como, manutenção mecânica, combustível, lavagens, lubrificação, revisões, pneus, seguros, licenciamentos, multas, entre outras; 5

6 f) Manter os veículos limpos e em perfeitas condições de uso; g) Disponibilizar os veículos durante todo o horário de funcionamento das Unidades. 6 OPIADORA / FOTOS A CONCESSIONÁRIA deverá disponibilizar os serviços de reprografia e foto, especialmente para documentos, aos cidadãos usuários dos serviços das Unidades Fixas, devendo praticar preços compatíveis com o mercado local. A prestação dos serviços deverá ser oferecida no mínimo em horário coincidente com o de funcionamento das Unidades. 7 MANUTENÇÃO DAS INSTALAÇÕES PREDIAIS: DIRETRIZES GERAIS A manutenção predial é fator determinante para o bom desempenho das UNIDADES FAÇA FÁCIL. Visa evitar ou corrigir deteriorações da edificação que possam comprometer o seu aspecto, o conforto e a segurança dos usuários, bem como evitar interrupções no funcionamento das UNIDADES FAÇA FÁCIL, ocasionadas por problemas técnicos. Nas UNIDADES FAÇA FÁCIL a manutenção será de total responsabilidade da CONCESSIONÁRIA, tanto no que diz respeito ao planejamento, como na execução e controle dos serviços. A SEGER poderá solicitar, a qualquer momento, os laudos (ar condicionado, qualidade da água, proteção e combate a incêndio etc.) que julgar necessários para verificação de todos os aspectos relacionados ao conforto e segurança dos usuários; tais laudos deverão ser elaborados por empresas especializadas e / ou órgão parceiros competentes. As rotinas de manutenção deverão ser estabelecidas pelas normas pertinentes, assim como pelas recomendações dos fabricantes dos equipamentos instalados. Deverá ser mantido na Administração das UNIDADES FAÇA FÁCIL um conjunto completo e atualizado dos projetos / as built (elétrica, hidráulica, ar condicionado, lógica etc.), memoriais, manuais relativos aos equipamentos, laudos do corpo de bombeiros etc., de forma a facilitar e agilizar a consulta a estas informações. 6

7 Cabe destacar ainda a importância de contratar funcionários especializados de acordo com a complexidade de cada atividade de manutenção, de maneira a não comprometer a segurança dos usuários e dos funcionários. 7

ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA ESPÍRITO SANTENSE

ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA ESPÍRITO SANTENSE ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA ESPÍRITO SANTENSE CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO E TRANSPORTE E ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

2ª RETIFICAÇÃO DE EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE TOMADA DE PREÇO Nº 02/2015. OBJETO: Contratação de pessoa jurídica para a Prestação de Serviços.

2ª RETIFICAÇÃO DE EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE TOMADA DE PREÇO Nº 02/2015. OBJETO: Contratação de pessoa jurídica para a Prestação de Serviços. 2ª RETIFICAÇÃO DE EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE TOMADA DE PREÇO Nº 02/2015 OBJETO: Contratação de pessoa jurídica para a Prestação de Serviços. A Câmara Municipal de Lapa/Pr, através de sua Comissão Permanente

Leia mais

APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO

APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 DIRETRIZES GERAIS... 3 3 PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO NA IMPLANTAÇÃO DAS UNIDADES... 4 3.1 Módulo Conceitual - Diretrizes

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária ANEXO 5 Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária 1 Os SERVIÇOS de que trata este Anexo deverão ser prestados no âmbito do SETOR OPERACIONAL DAS ESTAÇÕES e dos EMPREENDIMENTOS ASSOCIADOS.

Leia mais

PODERJUDICIARIO TRIBUNAL DEJUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA ADMINISTRAÇÃO DO FÓRUM DÊS. RODOLFO AURELIANO

PODERJUDICIARIO TRIBUNAL DEJUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA ADMINISTRAÇÃO DO FÓRUM DÊS. RODOLFO AURELIANO PODERJUDICIARIO TRIBUNAL DEJUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA ADMINISTRAÇÃO DO FÓRUM DÊS. RODOLFO AURELIANO TERMO DE REFERÊNCIA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS NA LIMPEZA DE CARPETES

Leia mais

CONSIDENRANDO o frequente deslocamento dos gerentes e demais coordenadores entre os dois parques;

CONSIDENRANDO o frequente deslocamento dos gerentes e demais coordenadores entre os dois parques; TERMO DE REFERÊNCIA OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA LOCAÇÃO DE VEÍCULO TIPO PASSEIO PARA OS EQUIPAMENTOS PARQUE SANTANA E PARQUE URBANO DA MACAXEIRA. JUSTIFICATIVA CONSIDENRANDO

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012 SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012 Prezados Senhores, Brasília, 28 de novembro de 2012. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD, no âmbito do Projeto BRA/04/044 - Implementação de

Leia mais

APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO. GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Secretaria de Estado de Gestão e Recursos Humanos SEGER

APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO. GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Secretaria de Estado de Gestão e Recursos Humanos SEGER APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO 1 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 43 2 PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO NA IMPLANTAÇÃO DAS UNIDADES... 54 2.1 Módulo Gerencial - Formação e Especialização Teórica/Prática:...

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária ANEXO 5 Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária 1 1. INTRODUÇÃO O presente anexo busca delimitar e detalhar as atividades e serviços sob responsabilidade da CONCESSIONÁRIA no âmbito

Leia mais

LIMPEZA PREDIAL LIMPEZA HOSPITALAR

LIMPEZA PREDIAL LIMPEZA HOSPITALAR A GUIMA CONSECO, fundada em 1988, tem no Controle de Qualidade a ferramenta que antecipa tendências e orienta seus procedimentos, na direção das expectativas e anseios de seus clientes, tornando-se assim

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA MUNICIPAL DE GURUPI. INTENÇÃO DE REGISTRO DE PREÇOS Processo Administrativo nº 564/2014

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA MUNICIPAL DE GURUPI. INTENÇÃO DE REGISTRO DE PREÇOS Processo Administrativo nº 564/2014 INTENÇÃO DE REGISTRO DE PREÇOS Processo Administrativo nº 564/2014 O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE, por intermédio da Comissão Permanente de Licitação, em obediência ao disposto no art. 5º do Decreto Federal

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA

ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA SERVIÇO FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS TIPO CAMINHÃO PIPA COM CAPACIDADE DE TRANSPORTE DE 9.000 A

Leia mais

ANEXO 9 SISTEMA DE DESEMPENHO

ANEXO 9 SISTEMA DE DESEMPENHO ANEXO 9 SISTEMA DE DESEMPENHO 1 O presente Anexo tem como objetivo definir os critérios, indicadores, fórmulas e parâmetros definidores da qualidade dos serviços prestados pela CONCESSIONÁRIA, na forma

Leia mais

Grupo Security Forçan

Grupo Security Forçan 1 - APRESENTAÇÃO DA EMPRESA O Grupo Forçan é uma das empresas com maior aceitação no mercado de terceirização de serviços atuando de forma eficaz e oferecendo serviços de alta qualidade através de mão

Leia mais

ANEXO 01 MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO 01 MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO 01 MEMORIAL DESCRITIVO SERVIÇO FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS TIPO CAMINHÃO PIPA PARA ATENDIMENTO ÀS OPERAÇÕES DE SUPRIMENTO DE ÁGUA EM ÁREAS DEFICITÁRIAS DE REDES DE ABASTECIMENTO, COM CAPACIDADE

Leia mais

1.1. Para os efeitos desta IN são adotadas as seguintes definições:

1.1. Para os efeitos desta IN são adotadas as seguintes definições: INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 013, de 30 de outubro de 1996 O MINISTRO DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO, no uso de sua competência, e considerando o disposto no Decreto nº 2.031, de 11 de

Leia mais

DAS CARACTERÍSTICAS MÍNIMAS

DAS CARACTERÍSTICAS MÍNIMAS TERMO DE REFERÊNCIA DO OBJETO Contratação de empresa especializada para elaboração de projeto, fornecimento de materiais e instalação de Circuito Fechado de TV (CFTV) para o Museu da Língua Portuguesa.

Leia mais

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MEDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 E Ótica; Creches; Instituições de longa permanência para idosos; Instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com

Leia mais

ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO

ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO ANEXO 8 SISTEMA DE DESEMPENHO 1 O presente Anexo tem como objetivo definir os critérios, indicadores, fórmulas e parâmetros definidores da qualidade dos SERVIÇOS prestados pela CONCESSIONÁRIA, além de

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA AEROPORTO INTERNACIONAL DE NAVEGANTES TERMO DE REFERÊNCIA

EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA AEROPORTO INTERNACIONAL DE NAVEGANTES TERMO DE REFERÊNCIA 1 EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA AEROPORTO INTERNACIONAL DE NAVEGANTES TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Fornecimento e instalação de películas de proteção para vidros, conforme descrição

Leia mais

Setor solicitante CITA_DAP. Total do Plano R$ 1.910.590,00. Saldo -R$ 509.495,02. Natureza da Despesa 339014-DIÁRIAS

Setor solicitante CITA_DAP. Total do Plano R$ 1.910.590,00. Saldo -R$ 509.495,02. Natureza da Despesa 339014-DIÁRIAS Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Amazonas PDA2015 PDA2015 CITA Custeio R$ 1.102.142,11 Capital R$ 298.952,87 Total R$ 1.401.094,98 Setor solicitante CITA_DAP 339014-DIÁRIAS Total do

Leia mais

SOFTWARE PROFIT 2011.

SOFTWARE PROFIT 2011. apresenta o SOFTWARE PROFIT 2011. GESTÃO COMERCIAL O software PROFIT é um programa direcionado ao gerenciamento integrando de empresas de pequeno e médio porte, compreendendo todo o processo de negócio,

Leia mais

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61 O Regulamento Interno da ULIVING BELA VISTA, localizado na cidade de SÃO PAULO CAPITAL, à Rua Barata Ribeiro nº 61 estabelece as regras de convivência e as relações entre os usuários do empreendimento.

Leia mais

ORDEM DE SERVICO nº 4-2011/PR Unidade Transporte Função: MOTORISTA

ORDEM DE SERVICO nº 4-2011/PR Unidade Transporte Função: MOTORISTA ORDEM DE SERVICO nº 4-2011/PR Unidade Transporte Função: MOTORISTA O Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás - IPASGO, C.N.P.J. 01.246.693/0001-60, em cumprimento às determinações

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária AEROPORTO INTERNACIONAL DE RECIFE/GUARARAPES-GILBERTO FREYRE TERMO DE REFERÊNCIA

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária AEROPORTO INTERNACIONAL DE RECIFE/GUARARAPES-GILBERTO FREYRE TERMO DE REFERÊNCIA AEROPORTO INTERNACIONAL DE RECIFE/GUARARAPES-GILBERTO FREYRE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOCAÇÃO DE PLATAFORMAS ELEVATÓRIAS ARTICULADAS PARA USO NO AEROPORTO

Leia mais

PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA 2014/2015 Mar/14 Abr/14 Mai/14 Jun/14 Jul/14 Ago/14 Set/14 Out/14 Nov/14 Dez/14 Jan/15 Fev/15 Totais %Reajuste

PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA 2014/2015 Mar/14 Abr/14 Mai/14 Jun/14 Jul/14 Ago/14 Set/14 Out/14 Nov/14 Dez/14 Jan/15 Fev/15 Totais %Reajuste 1 Despesas 1.01 - Contratos e Manutenção PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA 2014/2015 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ % R$ 1.01.01 Elevadores 13.400,00 13.400,00 13.400,00 13.400,00 13.400,00 13.400,00 13.400,00

Leia mais

A empresa. Tudo é executado por profissionais capacitados e treinados pela Leccor, levando mais segurança, confiança e excelência para os clientes.

A empresa. Tudo é executado por profissionais capacitados e treinados pela Leccor, levando mais segurança, confiança e excelência para os clientes. A empresa A chega ao mercado para oferecer diferenciais em prestação de serviços, que podem ser empregados de forma única ou integrados, de acordo com a necessidade de cada empresa, resultando na combinação

Leia mais

QUESTIONAMENTOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 009/2012

QUESTIONAMENTOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 009/2012 QUESTIONAMENTOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 009/2012 1) Solicito esclarecimento referente ao Pregão Presencial nº 009/2012, cujo objeto é a prestação de serviço de limpeza e conservação predial, movimentação

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Responsável Legal: CPF: Responsável Técnico: CPF: CR : 2. Inspeção Data: Objetivo:

Leia mais

REGULAMENTO DE OBRAS ANEXO I. Cuidados ao iniciar a obra: Horário de funcionamento do prédio:

REGULAMENTO DE OBRAS ANEXO I. Cuidados ao iniciar a obra: Horário de funcionamento do prédio: ANEXO I REGULAMENTO DE OBRAS Cuidados ao iniciar a obra: Toda obra ou reforma na unidade deve ser comunicada ao síndico, com antecedência mínima de 10 dias, através da apresentação de respectivo croqui

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Orientações 2014 Vigilância Sanitária Lei Federal 8.080 de 19 de setembro de 1990 1º Entende-se

Leia mais

Jornada de Trabalho: 44 horas semanais. Repouso remunerado por escala de revezamento

Jornada de Trabalho: 44 horas semanais. Repouso remunerado por escala de revezamento O Profissional Postos Combustíveis FRENTISTA Requisito de escolaridade para exercício da função: Mínimo: Ensino fundamental completo; Comum: Ensino médio em curso; Desejável: estudantes universitários.

Leia mais

GESTÃO DE COMPRAS PÚBLICAS

GESTÃO DE COMPRAS PÚBLICAS CONGRESSO CONSAD de GESTÃO PÚBLICAP GESTÃO DE COMPRAS PÚBLICAS Roberto Meizi Agune Horácio José Ferragino Grupo de Apoio Técnico à Inovação - GATI I Congresso de Gestão PúblicaP Governo do Estado de São

Leia mais

2. Viabilizar a alocação de recursos humanos em número suficiente para o desenvolvimento das atividades previstas neste e nos demais programas;

2. Viabilizar a alocação de recursos humanos em número suficiente para o desenvolvimento das atividades previstas neste e nos demais programas; 4.12 PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO Objetivo geral Organizar e adequar administrativamente a FEENA, de forma a garantir o seu funcionamento, permitindo a implantação do Plano de Manejo e promovendo a manutenção

Leia mais

LICITAÇÃO SESC/ARRJ MODALIDADE: PREGÃO ELETRÔNICO PR 44/2014 GLC

LICITAÇÃO SESC/ARRJ MODALIDADE: PREGÃO ELETRÔNICO PR 44/2014 GLC LICITAÇÃO SESC/ARRJ MODALIDADE: PREGÃO ELETRÔNICO PR 44/2014 GLC OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO ESCLARECIMENTO 09 O SESC/ARRJ vem através

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. JUSTIFICATIVA: Considerando que os serviços de manutenção predial são imprescindíveis e de natureza contínua. Ademais, existem fatores diversos que influenciam na preservação

Leia mais

Implantação do Serviço de Limpeza

Implantação do Serviço de Limpeza Implantação do Serviço de Limpeza Treinamento para Facilitadores 23 e 25 de agosto de 2010 Contrato 60/10 Cor Line Sistemas de Serviços Ltda. Inicio 30/08/2010 12 meses UNIDADES DO QUADRILATERO SAÚDE/DIREITO

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/051. Retificação

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/051. Retificação UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/051 Retificação O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida empresas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO 1. VIA DE ACESSO 1.1 - GENERALIDADES Será utilizada como acesso às obras, durante a fase de construção, as vias já existentes

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. REGULAMENTO DOS LABORATÓRlOS DE ENSINO CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. REGULAMENTO DOS LABORATÓRlOS DE ENSINO CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DOS LABORATÓRlOS DE ENSINO CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º Os seguintes espaços físicos constituem-se em Laboratórios

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre os Requisitos de Boas Práticas de Funcionamento para os Serviços de Saúde A Diretoria

Leia mais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais 1 von 6 31.05.2010 10:06.: DAI - Divisão de Atos Internacionais DECRETO Nº 2.579, DE 6 DE MAIO DE 1998. Promulga o Acordo Básico de Cooperação Técnica, celebrado entre o Governo da República Federativa

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre os Requisitos de Boas Práticas de Funcionamento para os Serviços de Saúde A Diretoria

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES C A ÇA D O R - S C DOCUMENTAÇÃO ALVARÁ SANITÁRIO 1. Requerimento DVS 2. CNPJ (jurídica) cópia atualizada 3. Documento do Veiculo 4. Taxa de Emissão de Alvará

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

Programa Estadual de Contratações Públicas Sustentáveis

Programa Estadual de Contratações Públicas Sustentáveis Programa Estadual de Contratações Públicas Sustentáveis Brasília, 05 de dezembro de 2013 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Poder de Compra do Governo Valor Médio Anual Negociado

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD. Edital Internacional nº 27681/2015

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD. Edital Internacional nº 27681/2015 Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD Edital Internacional nº 27681/2015 Brasília/DF, 26 de fevereiro de 2015. Prezados, ASSUNTO: ERRATA II Favor considerar as seguintes informações para

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 039/2015 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ANEXO I PROJETO BÁSICO LOCAÇÃO DE TRANSPORTE TERRESTRE (ÔNIBUS, MICRO ÔNIBUS E VANS)

ANEXO I PROJETO BÁSICO LOCAÇÃO DE TRANSPORTE TERRESTRE (ÔNIBUS, MICRO ÔNIBUS E VANS) ANEXO I PROJETO BÁSICO LOCAÇÃO DE TRANSPORTE TERRESTRE (ÔNIBUS, MICRO ÔNIBUS E VANS) PROJETO BÁSICO 2/5 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO ORGÃO / ENTIDADE PROPONENTE AADC - AGÊNCIA AMAZONENSE DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA

Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA 1. OBJETO 1.1. Prestação de Serviços de Conservação e limpeza, higiene e desinfecção e Jardinagem com fornecimento de materiais e equipamentos, para

Leia mais

1 Documentação 1.1 S N NA

1 Documentação 1.1 S N NA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDEDORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE CONTROLE E VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE versão Maio/2011 ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /03 Autora: Deputada MANINHA

PROJETO DE LEI Nº /03 Autora: Deputada MANINHA PROJETO DE LEI Nº /03 Autora: Deputada MANINHA Estabelece normas básicas e dispõe sobre condições gerais de funcionamento de estabelecimentos que prestam atendimento institucional e abrigo a idosos, e

Leia mais

CALENDÁRIO DE LICITAÇÕES 2012 CEAVI

CALENDÁRIO DE LICITAÇÕES 2012 CEAVI CALENDÁRIO DE LICITAÇÕES 2012 CEAVI SUMÁRIO JANEIRO/2012... 4 01 Aquisição de Gêneros Alimentícios, material de limpeza e gás de cozinha.... 4 02 Contratação de Seguros para veículos do CEAVI/CEPLAN...

Leia mais

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Produtos Para a Saúde, Saneantes Domissanitários e Cosméticos Roteiro

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 Resolução Nº 329, de 22 de julho de 1999 Institui o Roteiro de Inspeção para transportadoras

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO CENTRAL DE COMPRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO CENTRAL DE COMPRAS Processo Administrativo nº 14/10/02.867 Interessado: Secretaria Municipal de Administração Assunto: Pregão Presencial nº 256/2014 Objeto: Contratação de empresa para a prestação de serviços através de

Leia mais

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Segue abaixo checklist que será utilizado na auditoria no fornecedor ou subcontratado das empresas signatárias.. Formalização da Empresa Peso.

Leia mais

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280. Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280. Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280 PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014 VÁLIDA A PARTIR DE 18/04/2014 Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos Prefácio Introdução 1 Escopo 2 Referências 3

Leia mais

Feira de Atividades Económicas e Produtos Locais. Normas de funcionamento 2015

Feira de Atividades Económicas e Produtos Locais. Normas de funcionamento 2015 Feira de Atividades Económicas e Produtos Locais Normas de funcionamento 2015 Feira Atividades Económicas e Produtos Locais Normas de funcionamento - 07 08 09 10 Agosto 2015 DISPOSIÇÕES GERAIS Objetivo

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TRACKER COM SEGURO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TRACKER COM SEGURO Página 1 de 7 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TRACKER COM SEGURO ET DO BRASIL LTDA., empresa com sede à Rua Federação Paulista de Futebol, 777, Barra Funda, São Paulo/SP, CEP: 01141-040, inscrita no

Leia mais

SEGURANÇA EM TERCEIRIZAÇÃO

SEGURANÇA EM TERCEIRIZAÇÃO SEGURANÇA EM TERCEIRIZAÇÃO Empresa Atuando em todos os seguimentos empresariais, através de equipes de profissionais treinados, executamos os mais variados tipos de trabalho, fornecendo desde a mão de

Leia mais

ESTADO DO PARÁ M I N I S T É R I O P Ú B L I C O TERMO DE REFERÊNCIA - ANEXO I DO PREGÃO PRESENCIAL 011/2010-MP/PA.

ESTADO DO PARÁ M I N I S T É R I O P Ú B L I C O TERMO DE REFERÊNCIA - ANEXO I DO PREGÃO PRESENCIAL 011/2010-MP/PA. 1 TERMO DE REFERÊNCIA - ANEXO I DO PREGÃO PRESENCIAL 011/2010-MP/PA. 1. OBJETO Contratação de Empresa para Locação (MENSAL) de Veículos (Item 01) e Registro de Preços para Locação Eventual (DIÁRIAS) de

Leia mais

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL Valinhos 2013 Introdução: A finalidade deste manual é aprimorar a relação entre a Santa Casa de

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB 1 -DO OBJETO O objeto do Pregão Presencial é a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de rádio-táxi

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

DECRETO Nº 46.418, DE 3 DE JANEIRO DE 2014.

DECRETO Nº 46.418, DE 3 DE JANEIRO DE 2014. DECRETO Nº 46.418, DE 3 DE JANEIRO DE 2014. Dispõe sobre a atuação do agente fiscal de transporte e trânsito no interior dos veículos de transporte coletivo em operação nos sistemas intermunicipal e metropolitano

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO CARGO Assistente Operacional Assistente Administrativo PRÉ- REQUISITO completo completo TOTAL DE VAGAS VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA 01 R$ 1.813,45 40 horas 02 R$

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ATIVIDADE DE GUARDA VOLUMES

EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ATIVIDADE DE GUARDA VOLUMES EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ATIVIDADE DE GUARDA VOLUMES I UTILIZAÇÃO DA ÁREA 1.1 Para o desenvolvimento da atividade, objeto deste contrato, o CONCESSIONÁRIO utilizará as áreas concedidas, única e exclusivamente,

Leia mais

ANEXO II DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS, DOS LOCAIS E DOS ITENS. Área

ANEXO II DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS, DOS LOCAIS E DOS ITENS. Área ANEXO II DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS, DOS LOCAIS E DOS ITENS A execução dos serviços de limpeza, conservação e higienização nas dependências internas e externas dos edifícios, bem como nos seus bens móveis,

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

3. Documentos de referência -----

3. Documentos de referência ----- Sumário 1. Objetivo 2. Envolvidos 3. Documentos de referência 4. Definições e codificações 5. Ciclo do processo 6. Fluxograma 7. Sistemática 8. Lista das Atividades e das responsabilidades 9. Arquivos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DOS SISTEMAS DE SDAI E CFTV DA BIBLIOTECA PARQUE ESTADUAL BPE

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DOS SISTEMAS DE SDAI E CFTV DA BIBLIOTECA PARQUE ESTADUAL BPE TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DOS SISTEMAS DE SDAI E CFTV DA BIBLIOTECA PARQUE ESTADUAL BPE 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em serviços

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 3, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011

PORTARIA NORMATIVA N 3, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 PORTARIA NORMATIVA N 3, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 Cria o Assentamento Funcional Digital - AFD e estabelece orientação aos órgãos e entidades integrantes do Sistema de Pessoal Civil da Administração Publica

Leia mais

ANEXO IV TERMO DE REFERÊNCIA N.º Revisão: 00

ANEXO IV TERMO DE REFERÊNCIA N.º Revisão: 00 TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CALIBRAÇÃO COM PESO PADRÃO RASTREADO E EMISSÃO DE CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO DE BALANÇAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL

Leia mais

Comparativo da Despesa Autorizada/Realizada

Comparativo da Despesa Autorizada/Realizada CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMOVEIS - 4ª REGIÃO RUA CARIJOS 244 10º ANDAR EDIFICIO WALMAP BELO HORIZONTE-MG Telefone: (31) 3271-6044 Comparativo da Despesa Autorizada/Realizada Ano do : 2014 : 01/01/2014

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO PAULO SECRETARIA DE SAÚDE ANEXO 8 DO CONTRATO INDICADORES DE DESEMPENHO E CÁLCULO DE CONTRAPRESTAÇÃO MENSAL EFETIVA

PREFEITURA DE SÃO PAULO SECRETARIA DE SAÚDE ANEXO 8 DO CONTRATO INDICADORES DE DESEMPENHO E CÁLCULO DE CONTRAPRESTAÇÃO MENSAL EFETIVA ANEXO 8 DO CONTRATO INDICADORES DE DESEMPENHO E CÁLCULO DE CONTRAPRESTAÇÃO MENSAL EFETIVA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. CÁLCULO DO VALOR DA CONTRAPRESTAÇÃO MENSAL EFETIVA.... 2 3. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 Legislações - ANVISA Sex, 01 de Julho de 2011 00:00 RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 30 DE JUNHO DE 2011 Dispõe sobre os requisitos de segurança sanitária para o

Leia mais

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho Tel. 98202-0143 (celular) / 3853-0734 (residencial) E-mail: hartog.william@yahoo.com.br Objetivo Síndico Profissional Formação Acadêmica Graduação: Administração

Leia mais

CONDOMÍNIO - DIREITOS E DEVERES DOS EMPREGADOS E DO SÍNDICO

CONDOMÍNIO - DIREITOS E DEVERES DOS EMPREGADOS E DO SÍNDICO CONDOMÍNIO - DIREITOS E DEVERES DOS EMPREGADOS E DO SÍNDICO Objetivo: Mostrar os direitos e os deveres de cada um: atribuições, responsabilidades, o que é permitido e o que é vedado, bem como expor aspectos

Leia mais

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO(S) ESPAÇO(S) DO CRMPR CURITIBA ANO DE VIGÊNCIA 2009

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO(S) ESPAÇO(S) DO CRMPR CURITIBA ANO DE VIGÊNCIA 2009 1 NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DO(S) ESPAÇO(S) DO CRMPR CURITIBA ANO DE VIGÊNCIA 2009 1. Os procedimentos para a realização de evento(s) na sede do Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRMPR) em Curitiba

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I CONSIDERAÇÕES INICIAIS: a) Este roteiro serve como base às obras de Fornecimento e instalação de plataforma de percurso vertical para o Bloco B da Unidade Operacional

Leia mais

REGULAMENTO DA HOTELARIA

REGULAMENTO DA HOTELARIA REGULAMENTO DA HOTELARIA I DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º. O presente Regulamento, aprovado pela Diretoria Executiva, rege o uso dos serviços de hotelaria disponibilizados pela AMAM aos Associados e seus

Leia mais

ANEXO IX DIRETRIZES MÍNIMAS PARA EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

ANEXO IX DIRETRIZES MÍNIMAS PARA EQUIPAMENTOS E SISTEMAS ANEXO IX DIRETRIZES MÍNIMAS PARA EQUIPAMENTOS E SISTEMAS SUMÁRIO Diretrizes Mínimas para Equipamentos e Sistemas... 3 Introdução... 3 Apêndice I Memorial Descritivo de Sistemas Eletrônicos Equipamentos

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA

Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA Funcionamento de empresas especializadas na prestação de serviço de controle de vetores e pragas urbanas Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA A Nova RDC 18 Objetivo e Abrangência Definições Requisitos

Leia mais

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS Para efeito de seleção das categorias que possuem divisão de 1 o, 2 o,3 o, vigoram os seguintes paramentos abaixo listados: 1 o categoria Contrato social acima de R$ 30.000,00

Leia mais

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária objetivo Este manual estabelece os critérios de higiene e de boas práticas operacionais para o controle

Leia mais

EDITAL PARA VENDA INFORMAL NOS EVENTOS CULTURAIS DE MARANGUAPE V FESTIVAL NACIONAL DE HUMOR

EDITAL PARA VENDA INFORMAL NOS EVENTOS CULTURAIS DE MARANGUAPE V FESTIVAL NACIONAL DE HUMOR EDITAL PARA VENDA INFORMAL NOS EVENTOS CULTURAIS DE MARANGUAPE A Presidenta da Fundação Viva Maranguape de Turismo, Esporte e Cultura - FITEC, Isla Márcia Vidal de Assis Abreu, no uso de suas atribuições

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA FÍSICA Introdução Recomendações para o controle do acesso físico Política de segurança

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES A Câmara Técnica de Arquitetura de Interiores do CAU/PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná, terá como

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S/A Telebrás ANEXO I 1. OBJETIVO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1. O objetivo deste documento é estabelecer as condições para contratação de empresa especializada na prestação de serviços

Leia mais

ESTE DOCUMENTO É UMA TRADUÇÃO LIVRE. EM CASO DE DIVERGÊNCIA, PREVELECE A INFORMAÇÃO ESPECÍFICA CONTIDA NO EDITAL ORIGINAL EM INGLÊS.

ESTE DOCUMENTO É UMA TRADUÇÃO LIVRE. EM CASO DE DIVERGÊNCIA, PREVELECE A INFORMAÇÃO ESPECÍFICA CONTIDA NO EDITAL ORIGINAL EM INGLÊS. ESTE DOCUMENTO É UMA TRADUÇÃO LIVRE. EM CASO DE DIVERGÊNCIA, PREVELECE A INFORMAÇÃO ESPECÍFICA CONTIDA NO EDITAL ORIGINAL EM INGLÊS. Seção 3a: Cronograma de Requisitos e Especificações Técnicas CONDIÇÕES

Leia mais