TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS"

Transcrição

1 Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização, ao Trabalho e a Renda, a Diversidade e a Igualdade, a Saúde, a Cultura, a Comunicação e a Liberdade de Expressão, ao Desporto e ao Lazer, ao Território e a Mobilidade, a Sustentabilidade e ao Meio Ambiente, a Segurança Pública e ao Acesso a Justiça), os princípios e as diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude SINAJUVE e de acordo com essa lei, são consideradas jovens as pessoas com idade entre 15 e 29 anos de idade. Segundo Mannheim: Na medida em que existe o desejo de adotar uma nova orientação. Isso terá de fazerse através da juventude. As gerações mais velhas ou intermediárias podem ser capazes de prever a natureza das mudanças futuras e sua imaginação criadora pode ser empregada para formular novas políticas, mas a nova vida será vivida apenas palas gerações mais jovens. Estas viverão os novos valores que os velhos professam somente em teoria. Sendo assim, a função da juventude é a de um agente revitalizador. Trata-se de uma espécie de reserva que se revela apenas se tal revitalização for desejada. (1976, p.92-93). Portanto é necessário valorizar, investir e formular políticas públicas específicas para essa geração, pois, segundo o mesmo autor: As massas sem educação e conhecimento são hoje um perigo maior para a manutenção da ordem do que as classes com uma orientação consciente e projetos de futuro sensatos (MANNHEIM, 1952, p. 73). Este trabalho trata especificamente da população jovem entre 16 a 24 anos com relação à demografia, educação, saúde e trabalho, e da população jovem entre 15 a 24 anos com relação ao indicador de óbitos por causas externas. A escolha da faixa etária se dá a partir dos 16 anos por ser esta a idade inicial de emancipação legal e de possibilidade de obter emprego registrado em Carteira de Trabalho e Previdência Social. Já o limite dos 24 anos ocorre por ser esta a idade considerada ideal para se concluir o ensino superior, logo a idade para a conclusão dos estudos regulares à inserção plena no mercado de trabalho.

2 DEMOGRAFIA O estudo Dinâmica Populacional (IMB, 2014), do Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos, que analisa a transição demográfica em Goiás, explicitou que de 1960 até 1970 houve um aumento anual de 4,62% em média da população e que de 2000 a 20 essa taxa caiu para 1,84% e que As baixas taxas de crescimento influenciaram de sobremaneira a composição dos grupos etários da população.... A população jovem do Estado de Goiás vem apresentando ao longo da década de 2002 a 2012 uma tendência de queda em termos relativos reduzindo de 17,8% ( jovens) em 2002 para 15,0% ( jovens) em 2012, apesar de a população total ter aumentado de em 2002 para em 2012, um aumento de 17,7%. GRÁFICO 1 Porcentagem de jovens de 16 a 24 anos em relação ao total da população 18,0 17,8 17,5 17,0 17,3 17,2 16,8 17,0 16,7 16,5 16,0 15,6 15,6 15,5 15,0 15,2 15,0 14,5 Porcentagem de jovens de 16 a 24 anos O saldo migratório da população jovem do Estado de Goiás não apresentou uma tendência definida ao longo da década de 2002 (saldo positivo de jovens) a 2012 (saldo positivo de jovens) apresentando anos com tendência ao aumento e anos com tendência à queda no fluxo migratório.

3 GRÁFICO 2 Saldo migratório de jovens de 16 a 24 anos Saldo Migratório Últimos 5 anos Quanto ao local de nascimento da população jovem imigrante, observa-se que há uma tendência de aumento do percentual da população jovem nascida no Maranhão (2,0% em 2002 para 4,7% em 2012) e uma tendência de queda do percentual de jovens provenientes das demais Unidades Federativas com a predominância na participação da população jovem nascida no Distrito Federal. A alta taxa de jovens nascidos no Distrito Federal pode ser em decorrência do grande número de mulheres residentes em Goiás que realizam seus partos no Distrito Federal. Os cinco Estados que isolados já constituem uma relevância estatística (Minas Gerais, Tocantins, Bahia, Maranhão e Distrito federal) revelam que a atual migração de jovens para Goiás mantém traços da imigração que sempre houve ao longo da história do Estado.

4 GRÁFICO 3 Estado de nascimento da população jovem de 16 a 24 anos imigrante 35 Mato Grosso do Sul,Mato Grosso, Reg. Sul ,2 1,9 1,8 2,0 1,8 2,1 1,9 1,5 2,6 1,0 1,7 1,7 2,1 4,7 2,1 1,7 2,4 1,3 1,8 1,9 3,8 4,2 3,5 3,6 3,3 3,8 4,6 2,0 3,8 3,2 4,2 4,6 2,4 4,2 4,8 3,3 3,7 3,3 2,8 2,7 2,6 3,0 2,5 2,1 2,5 2,4 2,4 3,2 2,4 1,7 2,5 2,7 2,9 2,6 1,9 2,5 2,5 2,5 2,1 3,2 4,4 3,9 4,0 4,4 4,4 3,6 3,9 3,8 4,9 3,7 2,0 3,0 2,3 3,8 3,5 2,8 4,2 3,8 3,7 4,7 5,8 5,3 5,9 5,0 4,6 4,5 4,7 4,4 5,4 4,8 Rondônia,Acre,Amazonas,Roraima,Amapá,Pa rá Ceará,Paraíba,Pernambuco,Alagoas,Sergipe, Piauí,Rio Grande do Norte Espírito Santo,Rio de Janeiro,São Paulo Minas Gerais Tocantins Bahia Maranhão Distrito Federal A proporção da população jovem imigrante não apresentou uma tendência definida ao longo da década de 2002 (27,9%) a 2012 (26,0%), aumentando em alguns anos e diminuindo em outros e no final, o resultado foi uma pequena queda de 1,9% ao longo da década. Essa taxa é considerada relativamente alta e demonstra que Goiás é de forte atração para pessoas de outros Estados em buscas de melhores oportunidades de vida. GRÁFICO 4 Proporção da população de jovens de 16 a 24 anos imigrantes 32,0 31,8 31,0 30,0 29,0 28,0 27,9 28,2 29,2 28,6 27,7 30,0 28,8 29,2 27,0 26,0 25,0 26,0 Proporção de jovens de 16 a 24 anos imigrantes

5 TRABALHO Segundo estudo do Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Emprego Formal em Goiás 2012; IMB,2014), o Estado de Goiás tem apresentado uma taxa média de crescimento real do PIB de 5,0% entre 2002 e 2012, enquanto que a média nacional foi de 3,5%, o que tem promovido elevação na ocupação dos goianos e diminuindo a taxa de desemprego. Entre a população jovem, na faixa dos 16 aos 24 anos, pode-se observar que a taxa de ocupação manteve-se uma tendência de crescimento ao longo da década de 2002 (86,7%) a 2012 (89,1%) e diminuição na taxa de desocupação que em 2002 era de 13,3% e em 2012 foi de,9%. A taxa de desocupação nessa faixa etária é mais alta que nas demais faixas da população em idade ativa (PIA) devido ao fato da grande dificuldade na busca do primeiro emprego e pouca experiência profissional. GRÁFICO 5 Ocupação e Desocupação da população jovem de 16 a 24 anos 0,0% 86,7% 84,6% 85,9% 81,9% 85,5% 84,9% 86,7% 83,9% 88,8% 89,1% 80,0% 60,0% 40,0% 20,0% 13,3% 15,4% 14,1% 18,1% 14,5% 15,1% 13,3% 16,1% 11,2%,9% 0,0% Ocupadas Desocupadas Houve uma melhora na posição da ocupação da população jovem ao longo da década de 2002 a 2012 com a ocorrência do aumento na formalidade (33,2% com registro na carteira de trabalho em 2002 e 51,3% com registro na carteira de trabalho em 2012) e redução da informalidade (37,6% sem registro na carteira de trabalho em 2002 para 30,8% sem registro na carteira de trabalho em 2012), houve também redução na ocupação da população jovem sem remuneração de 8,7% em 2002 para 2,9% em 2012, demonstrando uma melhoria nas condições de trabalho dessa população, com relação aos ocupados por conta própria, a

6 tendência foi de estabilidade ao longo da década de 2002 (9,1% de ocupados por conta própria) a 2012 (8,7% de ocupados por conta própria). GRÁFICO 6 Posição da ocupação da população jovem de 16 a 24 anos 51,8% 51,3% 50,0% 44,3% 40,0% 30,0% 37,6% 33,2% 38,7% 31,9% 35,7% 36,5% 38,0% 35,2% 40,0% 41,2% 41,0% 34,1% 34,3% 34,6% 32,8% 29,3% 30,8% 20,0%,0% 9,1% 8,0% 8,3% 7,4% 8,4% 8,6% 7,9% 7,4% 9,3% 8,7% 0,0% 8,7% 8,3% 8,9% 7,4% 8,0% 6,5% 5,6% 5,1% 3,4% 2,9% Empregado com carteira Não remunerado Outros Empregados sem carteira Conta- própria Ao longo da década de 2002 a 2012 ocorreram mudanças na participação percentual da população jovem em relação às atividades econômicas de modo que algumas atividades apresentaram uma redução como a Pecuária (6,9% em 2002 para 2,0% em 2012), Agricultura, Silvicultura e Exploração Florestal (6,6% em 2002 para 3,5% em 2012), Serviços Domésticos (9,8% em 2002 para 4,1% em 2012) e Administração Pública, Saúde e Educação Pública e Seguridade Social (7,7% em 2002 para 5,8% em 2012), houve aumento na participação no Comércio e nos Serviços de Manutenção e Reparação (24,8% em 2002 para 28,2% em 2012), na Indústria de Transformação (13,0% em 2002 para 18,5% em 2012), nos Serviços prestados principalmente às empresas (3,0% em 2002 para 7,4% em 2012) e nos Serviços de Alojamento e Alimentação (4,8% em 2002 para 6,3% em 2012), as demais atividades permaneceram praticamente estáveis. Estas taxas são o reflexo da modernização da economia goiana, com a mudança no perfil produtivo. Setores primários como a Agricultura e a Pecuária sofreram um processo de

7 mecanização, o que diminui o uso de mão de obra. Por outro lado, houve uma maior participação da indústria na economia goiana demandando uma maior quantidade de mão de obra. GRÁFICO 7 Atividade econômica da população jovem de 16 a 24 anos ocupada ,9 6,4 5,5 6,1 4,9 4,9 5,1 4,3 3,6 6,6 7,7 3,9 3,4 3,7 3,3 9,8,2 4,4 3,8 4,4 7,7 4,8 3,0 7,1 6,0 13,0 3,7 6,2 8,2 4,8 3,9 4,6 4,9 4,1 7,2 12,8 13,7 5,9 6,0 3,9 3,2 3,8 3,1 1 4,3 8,6 4,1 6,1 7,3 4,9 5,3 4,6 6,1 7,2 14,2 4,5 5,3 4,9 6,0 2,6 3,9 9,5 4,5 4,7 4,8 5,8 5,7 4,6 15,7 4,0 4,0 3,5 3,8 3,7 4,0 7,4 4,8 4,8 4,9 7,2 6,2 6,0 4,0 4,6 6,6 4,4 4,6 5,9 4,7 4,9 5,1 5,2 8,2 7,7 3,2 3,5 3,7 9,2 15,1 16,8 17,9 17,4 2,0 3,5 3,9 4,0 3,9 4,1 4,1 4,3 3,7 4,3 6,1 5,8 7,3 6,3 6,6 7,4 7,8 18,5 Pecuaria e Pesca Agricultura, silvicultura e exploração florestal Indústria extrativa, Produção e distribuição de eletricidade, gás e água, Serviços de informação, Intermediação financeira, seguros e previdência complementar e serviços relacionados, Atividades imobiliárias e aluguel Saúde e educação mercantis Serviços domésticos Transporte Armazenagem e Correio Serviços Prestados principalmente às famílias e associativos Administração pública, saúde e educação públicas e seguridade social Alojamento e alimentação Serviços prestados principalmente às empresas 20 Construção Civil 24,8 26,0 25,6 27,6 25,1 27,6 26,0 25,6 27,7 28,2 Indústria de transformação 0 Comércio e Serviços de Manutenção e Reparação

8 Observa-se que não houve alteração significativa na distribuição entre o estudo e a ocupação da população jovem ao longo da década de 2002 a Houve aumento na população jovem que apena trabalha (36,8% em 2002 para 40,0% em 2012) e na população jovem que somente estuda (18,3% em 2002 para 19,8% em 2012), a população jovem que é desocupada e estuda apresentou uma queda de 4,2% em 2002 para 3,2% em 2012, a população jovem que só busca trabalho apresentou uma pequena redução de 4,6% em 2002 para 4,1% em 2012, e a população jovem que estuda e trabalha apresentou uma redução de 21,3% em 2002 para 19,9% em Importante ressaltar que a juventude goiana é uma juventude trabalhadora. Ainda que esteja em idade de estudos a maior parte dessa faixa etária, 59,9%, trabalha. GRÁFICO 8 Estudo, trabalho e desocupação da população jovem de 16 a 24 anos 0% 4,2 5,2 4,0 5,9 4,8 5,4 4,0 5,2 3,3 3,2 4,6 5,1 5,9 6,9 5,1 4,9 5,7 4,2 4,1 90% 6,3 14,6 14,8 13,4 14,6 13,4 12,0 13,4 12,9 11,5 80% 14,3 Desocupada e estuda Só busca trabalho 70% 18,3 60% 50% 21,3 40% 30% 18,8 21,5 17,1 15,0 17,1 18,6 21,5 19,4 19,2 18,8 15,1 20,6 16,5 20,2 19,8 18,6 17,9 19,9 Nem estuda nem trabalha Só estuda Estuda e trabalha Só trabalha 20% 36,8 34,7 % 38,2 38,5 39,2 39,0 42,6 41,7 41,1 40,0 0% EDUCAÇÃO Segundo estudo do Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Análise do Índice do Desenvolvimento Humano dos Municípios Goianos IDHM 1991, 2000 e 20; IMB, 2014), em 1991 o Estado de Goiás ocupava o 8º lugar no ranking nacional em relação ao IDHM Educação, em 2000 caiu para o 11º lugar e em 20 subiu para o 7º lugar. Com relação à população jovem podemos concluir que houve uma melhora na escolaridade. Em 2002, 19,5% da população jovem possuía ensino médio ou segundo grau, passando para 23,3% em Os jovens com ensino superior passaram de 8,6% em 2002 para 13,4% em Por outro lado, em relação à população jovem que possuía apenas o ensino fundamental ou o 1º grau, houve diminuição de 11,6% em 2002 para 4,5% em Os

9 demais níveis de escolaridade (mestrado ou doutorado, pré-vestibular, alfabetização de adultos, supletivo de ensino médio e fundamental) permaneceram estáveis. GRÁFICO 9 Escolaridade da população jovem de 16 a 24 anos ,8 0,2 8,6 1,2 0,8 19,5 0,2 1,2 0,2 9,3 0,4 1,0 21,6 0,0 1,1 9,4 0,5 0,9 21,9 0,0 1,0 0,9 1,0 11,8,6 12,0 0,5 0,6 1,2 0,6 0,5 1,1 0,2 0,2 0,5 0,5 1,0 0,2 1 12,8 14,5 0,5 0,6 0,3 0,4 19,8 19,4 21,8 21,0 20,8 20,5 0,2 0,3 13,4 0,5 0,7 23,3 Mestrado ou doutorado Pré-vestibular Alfabetização de adultos Superior Supletivo de ensino médio ou 2º grau Supletivo de ensino fundamental ou 1º grau Regular de ensino médio ou 2º grau ,6 11,7 8,6 7,7 7,1 6,1 6,3 5,5 4,8 4,5 Regular de ensino fundamental ou 1º grau A internet se popularizou ao longo da década de 2002 a 2012 e atualmente ocupa um grande espaço na vida das pessoas, principalmente dos jovens, constituindo uma importante ferramenta no acesso e no auxílio à informação e à educação. Com a redução no preço dos computadores e ao acesso do crédito facilitado, as pessoas, ao longo da década de 2002 a 2012, conseguiram adquirir e acessar a internet no próprio domicílio e os dados das PNAD s demonstram isso. Em 2002, somente 8,1% da população de jovens cujo domicílio possuía computador, acessavam a internet e em 2012 esse percentual passou para 47,4%, a população de jovens cujo domicílio possuía computador e que não acessava a internet subiu de 3,4% em 2002 para 8,7% em 2012.

10 GRÁFICO Acesso à internet da população jovem de 16 a 24 anos 50,0% 47,4% 40,7% 40,0% 30,0% 22,8% 28,7% 20,0%,0% 8,1% 1% 9,3% 1% 3,4% 3,4% 4,5% 5,3% 14,0% 18,3% 6,7% 7,0% 9,3% 8,3% 8,4% 8,7% 0,0% Sim Não SANEAMENTO ADEQUADO E ÓBITOS POR CAUSAS EXTERNAS O saneamento básico adequado analisa o esgotamento sanitário adequado (população de jovens em domicílios servidos por rede coletora ou fossa séptica ligada à rede coletora para área urbana, ou servidos por rede coletora e fossa séptica ligada à rede coletora ou fossa séptica não ligada à rede coletora para área rural) e o abastecimento adequado de água (população de jovens em domicílios em que a proveniência da água é de rede geral de distribuição para área urbana, ou de rede geral, poço ou nascente para área rural), demonstrando a proporção da população jovem atendida na prevenção de doenças causadas por água contaminada como diarréia, hepatite, cólera, leptospirose, esquistossomose, otite externa. A mortalidade por causas externas segmentadas por sexo e por faixa etária analisa o número de óbitos por homicídios no Estado de Goiás, Entorno do Distrito Federal e na região Metropolitana de Goiânia, indicando a vulnerabilidade a que essa população jovem está sujeita e a mortalidade por suicídios segmentados por sexo e por faixa etária identifica qual o segmento da população jovem está mais vulnerável a esse tipo de óbito. Ao longo da década de 2002 a 2012 pode-se observar que ocorreu uma sensível melhora nas condições de acesso ao esgotamento sanitário adequado da população jovem aumentando de 39,8% em 2002 para 46,5% em 2012 (aumento de 16,8%).

11 GRÁFICO 11 Porcentagem da população de jovens de 16 a 24 anos com acesso ao esgotamento sanitário adequado 49% 48,3% 47% 45,5% 46,5% 45% 44,3% 43% 43,0% 42,4% 42,6% 42,1% 41% 39% 39,8% 39,2% 37% Esgotamento sanitário adequado O acesso ao abastecimento de água adequado em domicílios ocupados pela população jovem no Estado de Goiás apresentou uma tendência de elevação ao longo da década de 2002 (80,0%) a 2012 (89,0%), refletindo um percentual elevado de domicílios atendidos. GRÁFICO 12 Porcentagem da população de jovens de 16 a 24 anos com acesso ao abastecimento de água adequado 90,0 89,0 88,0 87,0 86,0 85,0 84,0 83,0 82,0 81,0 80,0 89,1 89,0 87,9 87,0 87,1 87,2 84,0 83,3 80,8 80,0 Abastecimento de água adequado

12 O número de óbitos por homicídios para o sexo masculino apresentou uma forte tendência de elevação principalmente na faixa etária dos 20 a 24 anos, passando de 2 homicídios em 2001 para 414 homicídios em 2011 (aumento de 97,1%), e na faixa etária dos 15 a 19 anos 171 homicídios em 2001 para 3 homicídios em 2011 (aumento de 81,3%), para o sexo feminino, na faixa etária dos 20 a 24 anos, em 1990 ocorreram 22 homicídios e em homicídios (aumento de 63,6%), e na faixa etária dos 15 aos 19 anos ocorreram 16 homicídios em 2001 e 31 homicídios em 2011 (aumento de 93,8%). Apesar de a população jovem estar diminuindo, os óbitos por homicídios estão aumentando em números absolutos. GRÁFICO 13 Número de óbitos por homicídio da população de jovens de 15 a 24 anos a 19 anos Masculino 15 a 19 anos Feminino 20 a 24 anos Masculino 20 a 24 anos Feminino Fonte: Ripsa/MS. Abrindo os dados para a região metropolitana de Goiânia podemos observar que existe uma tendência para elevação no número de homicídios principalmente para o sexo masculino e que a região, no ano de 2001, concentrou 38,1% dos homicídios da faixa etária dos 20 a 24 anos masculina; 45,0% dos homicídios da faixa etária dos 15 a 19 anos masculina; 59,1% dos homicídios da faixa etária dos 20 a 24 anos feminina e 62,5% dos homicídios da faixa etária dos 15 aos 19 anos feminina. Em 2011, essas porcentagens se alteraram para 42,3%, 41,9%, 41,7% e 38,7% respectivamente. O que demonstra a forte concentração desse tipo de crime na Região Metropolitana de Goiânia.

13 GRÁFICO 14 Número de óbitos por homicídio da população de jovens de 15 a 24 anos na Região Metropolitana de Goiânia a 19 anos Masculino 15 a 19 anos Feminino 20 a 24 anos Masculino 20 a 24 anos Feminino Fonte: Ripsa/MS. GRÁFICO 15 Participação percentual no número de óbitos por homicídio da população de jovens de 15 a 24 anos na Região Metropolitana de Goiânia no total de homicídios do Estado de Goiás 65,0% 59,1% 62,5% 55,0% 45,0% 38,1% 45,0% 42,3% 41,9% 41,7% 38,7% 35,0% 25,0% 15,0% 5,0% -5,0% a 24 anos masculino 15 a 19 anos masculino 20 a 24 anos feminino 15 a 19 anos feminino Fonte: Ripsa/MS.

14 Analisando a situação do Entorno do Distrito Federal podemos observar que existe uma tendência para elevação, mais acentuada para o sexo masculino e que esta região concentrou, no ano de 2001, 32,4% dos homicídios da faixa etária dos 20 a 24 anos masculina; 39,2% dos homicídios da faixa etária dos 15 a 19 anos masculina; 18,2% dos homicídios da faixa etária dos 20 a 24 anos feminina e 18,8% dos homicídios da faixa etária dos 15 aos 19 anos feminina. Em 2011, essas porcentagens se alteraram para 34,1%, 44,8%, 30,6% e 29,0% respectivamente. Podemos notar que há uma tendência de elevação da participação do Entorno do Distrito Federal nos homicídios da população jovem de 15 a 24 anos. GRÁFICO 16 Número de óbitos por homicídio da população de jovens de 15 a 24 anos do entorno do DF Entorno de Brasília a 19 anos Masculino 15 a 19 anos Feminino 20 a 24 anos Masculino 20 a 24 anos Feminino Fonte: Ripsa/MS.

15 GRÁFICO 17 Participação percentual do número de óbitos por homicídio da população de jovens de 15 a 24 anos do entorno do DF no total de homicídios do Estado de Goiás 50,0% 45,0% 44,8% 40,0% 39,2% 35,0% 30,0% 32,4% 34,1% 30,6% 29,0% 25,0% 20,0% 15,0%,0% 5,0% 18,2% 18,8% 0,0% a 24 anos masculino 15 a 19 anos masculino 20 a 24 anos feminino 15 a 19 anos feminino Fonte: Ripsa/MS. Somando-se o total de homicídios da região metropolitana de Goiânia com o total de homicídios do Entorno do Distrito Federal, observa-se que houve aumento da participação no total de homicídios do Estado de Goiás na faixa etária masculina de 20 a 24 anos (70,5% em 2001 para 76,3% em 2011), na faixa etária dos 15 anos aos 19 anos (84,2% em 2001 para 86,8% em 2011), na faixa etária feminina dos 20 aos 24 anos (77,3% em 2001 para 72,2% em 2011) e redução na faixa etária feminina dos 15 aos 19 anos (81,3% em 2001 para 67,7% em 2011). Isso demonstra uma tendência à concentração dos homicídios nessas regiões.

16 GRÁFICO 18 Participação percentual do número de óbitos por homicídio da população de jovens de 15 a 24 anos do entorno do DF e da Região Metropolitana de Goiânia no total de homicídios do Estado de Goiás 0,0% 90,0% 80,0% 70,0% 76,3% 70,5% 86,8% 84,2% 77,3% 72,2% 81,3% 67,7% 60,0% 50,0% 40,0% ,0% 20,0%,0% 0,0% 20 a 24 anos masculino 15 a 19 anos masculino 20 a 24 anos feminino 15 a 19 anos feminino Fonte: Ripsa/MS. Analisando o número de óbitos por suicídios na população jovem, observa-se a inexistência de uma tendência definida. No entanto, nota-se que os homens são mais vulneráveis a esse tipo de óbito do que as mulheres, tanto na faixa etária entre os 20 aos 24 anos como na faixa etária dos 15 aos 19 anos. A maior pressão social para se buscar trabalho e renda de forma mais precoce na população masculina pode ser um fator de quebra de expectativas que gera forte frustração e pode estar relacionada à maior ocorrência deste tipo de óbito na população jovem do sexo masculino. GRÁFICO 19 Número de óbitos por suicídio da população de jovens de 15 a 24 anos

17 a 19 anos Masculino 15 a 19 anos Feminino 20 a 24 anos Masculino 20 a 24 anos Feminino Fonte: Ripsa/MS.

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

Estatísticas do Registro Civil 2013

Estatísticas do Registro Civil 2013 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estatísticas Vitais e Estimativas Populacionais Estatísticas do Registro Civil 2013 Dezembro de 2014 Estatísticas do Registro

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

3Apesar dos direitos adquiridos pelas

3Apesar dos direitos adquiridos pelas objetivo. promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres mulheres ao longo do século 20, ainda há considerável desigualdade entre os gêneros no mundo. Em geral, as mulheres sofrem com a

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás.

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. O Dia Internacional da Mulher, celebrado dia 8 de março, traz avanços do gênero feminino no mercado de trabalho formal. Segundo informações disponibilizadas

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

CORREÇÃO TAREFAS. Aulas 1 4 Pág. 24-31

CORREÇÃO TAREFAS. Aulas 1 4 Pág. 24-31 CORREÇÃO TAREFAS Aulas 1 4 Pág. 24-31 Paginas 24 e 25 1. a) População absoluta é a população total de um determinado local. b) População relativa é a densidade demográfica, ou seja, média de habitantes

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO

GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO O que é População? População é um conjunto de pessoas que ocupam um determinado espaço em um período de tempo específico. Ela pode ser classificada segundo vários aspectos, como:

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

Figura 2 Pirâmide etária em percentual - Goiás, 2013.

Figura 2 Pirâmide etária em percentual - Goiás, 2013. PNAD 2013: Uma análise para o Estado de A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2013, realizada anualmente pelo Instituto eiro de Geografia e Estatística (IBGE), é dividida em duas partes,

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

APÊNDICE METODOLÓGICO

APÊNDICE METODOLÓGICO APÊNDICE METODOLÓGICO SÍNTESE DOS INDICADORES SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES APesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) foi implantada progressivamente no Brasil a

Leia mais

Síntese de Indicadores Sociais 2003

Síntese de Indicadores Sociais 2003 Comunicação Social 13 de abril de 2004 Síntese de Indicadores Sociais 2003 Em 2030, cerca de 40% da população brasileira deverá ter entre 30 e 60 anos O estudo tem capítulos específicos sobre Educação,

Leia mais

INDICADORES ESTATÍSTICOS

INDICADORES ESTATÍSTICOS INDICADORES ESTATÍSTICOS Indicadores Ano Unidade Estrutura Territorial Área 28 Km 2 27 332,4 92 9, Concelhos - Freguesias 28 nº 47-31 38-426 Lugares 28 nº 947 26797 Cidades Estatísticas 28 nº 15 151 Densidade

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

I N F O R M E S E T O R I A L

I N F O R M E S E T O R I A L ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL I N F O R M E S E T O R I A L Gerência Setorial REALIDADE SOCIAL BRASILEIRA Principais Indicadores nº 1 janeiro de 2002 No final do ano de 2001 foram divulgados os estudos

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Marabá DEMOGRAFIA População Total 233.669 População por Gênero Masculino 118.196 Participação % 50,58 Feminino 115.473

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba DEMOGRAFIA População Total 97.493 População por Gênero Masculino 49.681 Participação % 50,96 Feminino 47.812

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

Uma análise das condições de vida da população brasileira

Uma análise das condições de vida da população brasileira Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2013 Uma análise das condições de vida da população brasileira 29 de

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL

EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL Seminário NORTE 2015 O Desenvolvimento Regional no Novo Horizonte Europeu: O caso do Norte de Portugal 25.Maio.2005 EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL JOSÉ M. VAREJÃO Enquadramento Trajectória desfavorável

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação Nome: n o : Ensino: Fundamental Ano: 7 o Turma: Data: Professor(a): Maria Silvia Geografia Exercícios de recuperação 1) Para a geografia, qual é o conceito de região? 2) Entre os aspectos utilizados para

Leia mais

A POPULAÇÃO BRASILEIRA

A POPULAÇÃO BRASILEIRA A POPULAÇÃO BRASILEIRA A origem dos brasileiros A população brasileira é heterogênea e foi constituída por três principais grupos étnicos Indígena Cafuzo Negro africano Caboclo ou mameluco Branco europeu

Leia mais

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006.

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006. DEMOGRAFIA E EDUCAÇÃO NO BRASIL: AS DESIGUALDADES REGIONAIS* FERNANDA R. BECKER UERJ Resumo: A População brasileira está se transformando, passando por mudanças significativas nas últimas décadas. Estas

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.9 Taxa de mortalidade por causas externas O indicador mede o número de óbitos por causas externas (conjunto de acidentes e violências) por 1. habitantes, estimando o risco de morrer por essas causas.

Leia mais

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego mostram que a taxa de desemprego cresceu nas regiões metropolitanas pesquisadas. O DIEESE

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 01 DEMOGRAFIA BRASILEIRA

ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 01 DEMOGRAFIA BRASILEIRA ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 01 DEMOGRAFIA BRASILEIRA ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 02 DEMOGRAFIA MUNDIAL (MACK) O Brasil em 2020 Será, é claro, um Brasil

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

março de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores A DINÂMICA RECENTE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO: O EMPREGO

março de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores A DINÂMICA RECENTE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO: O EMPREGO 12 março de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores A DINÂMICA RECENTE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO: O EMPREGO Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

PALAVRA DO PRESIDENTE

PALAVRA DO PRESIDENTE PALAVRA DO PRESIDENTE A Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria CNTI por meio da Secretaria para Assuntos do Trabalho da Mulher, do Idoso e da Juventude, dando seguimento ao nosso trabalho

Leia mais

O Brasil e as Metas de Desenvolvimento do Milênio

O Brasil e as Metas de Desenvolvimento do Milênio www.pnud.org.br Embargado até 8 de julho de 2003 www.undp.org/hdr2003 Contatos do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento: Nova Iorque: William Orme Tel:(212) 906-5382 william.orme@undp.org Londres:

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 Para o ano de 2007, o Produto Interno Bruto PIB do Estado de Rondônia apresentou um crescimento de 5,2% em relação ao ano anterior, ficando assim com 16ª a colocação no ranking

Leia mais