Prevenção e Controlo de Doenças Evitáveis pela Vacinação Programa Integrado de Vacinação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prevenção e Controlo de Doenças Evitáveis pela Vacinação Programa Integrado de Vacinação"

Transcrição

1 Prevenção e Controlo de Doenças Evitáveis pela Vacinação Programa Integrado de Vacinação Programa Integrado de Vacinação 1

2 Doenças Evitáveis pela Vacinação Doenças Evitáveis pela Vacinação Principais DEV por Bactérias: Principais DEV por Bactérias: Difteria Meningite por H. influenzae b Meningite meningocócica Meningite pneumocócica Tétano, Tosse convulsa, Tuberculose 2

3 Doenças Evitáveis pela Vacinação Doenças Evitáveis pela Vacinação Outras DEV por Bactérias: Outras DEV por Bactérias: Antraz (carbúnculo) Cólera Febre tifóide Leptospirose Peste 3

4 Doenças Evitáveis pela Vacinação Doenças Evitáveis pela Vacinação Principais DEV por Vírus: Principais DEV por Vírus: Hepatite B Influenza [A-B] Parotidite epidémica (papeira) Poliomielite [1-2-3] Rubéola Sarampo 4

5 Doenças Evitáveis pela Vacinação Doenças Evitáveis pela Vacinação Outras DEV por Vírus: Outras DEV por Vírus: Adenovirus [4-7] Encefalite japonesa Febre amarela Hepatite A Raiva Varicela 5

6 Doenças Evitáveis pela Vacinação Doenças Evitáveis pela Vacinação Vacinas em fase de ensaio experimental Vacinas em fase de ensaio experimental Infecções respiratórias (vírus sincial respiratório e para-influenza) Infecções entéricas (rotavirus, shigella, e. coli enterotoxígena) Malária VIH-SIDA 6

7 Doenças Evitáveis pela Vacinação Doenças Evitáveis pela Vacinação Vias de transmissão das DEV Vias de transmissão das DEV Aérea Sexual/parentérica Fecal-oral Vectores animais Inoculação (directa e transcutânea) 7

8 Vias de Transmissão das DEV Vias de Transmissão das DEV Transmissão aérea: Transmissão aérea: Difteria Gripe (influenza) Infecções meningocócicas Papeira Rubéola Sarampo Tosse convulsa Tuberculose Varicela 8

9 Vias de Transmissão das DEV Vias de Transmissão das DEV Transmissão fecal-oral: Transmissão fecal-oral: Cólera Febre tifóide Hepatite A Poliomielite 9

10 Vias de Transmissão das DEV Vias de Transmissão das DEV Transmissão sexual/parentérica: Transmissão sexual/parentérica: Hepatite B 10

11 Vias de Transmissão das DEV Vias de Transmissão das DEV Transmissão por vectores animais: Transmissão por vectores animais: Encefalite japonesa Febre tifóide Peste Tifo epidémico 11

12 Vias de Transmissão das DEV Vias de Transmissão das DEV Transmissão por inoculação: Transmissão por inoculação: Inoculação directa: Leptospirose Raiva Inoculação transcutânea: Antraz Tétano 12

13 Programa Integrado de Vacinação Programa Integrado de Vacinação Programas de Vacinação : Esquemas e calendários de administração de imunobiológicos Vacinas vivas / mortas / inactivadas Toxóides Imunoglobulinas

14 Programa Integrado de Vacinação Programa Integrado de Vacinação Programa de Administração da Cadeia de Frio: Manipulação de Imunobiológicos Gestão de Aprovisionamentos Monitorização da Rede de Frio 14

15 Programa Integrado de Vacinação Programa Integrado de Vacinação Programa de Estudos Especiais: Estudos descritivos Estudos analíticos:» Observacionais» Experimentais 15

16 Programa Integrado de Vacinação Programa Integrado de Vacinação Programas de Formação: Formal:» Específica» Contínua Informal:» in loco 16

17 Programa Integrado de Vacinação Programa Integrado de Vacinação Definições 17

18 PIV: Definições Imunização Processo artificial de indução da imunidade, através da administração de um imunobiológico. 18

19 PIV: Definições Imunização Activa Indução da imunidade, como consequência da administração de uma vacina ou toxóide. 19

20 PIV: Definições Imunização Passiva Indução temporária de imunidade, como consequência da administração de antitoxinas ou de anticorpos pré-formados. 20

21 PIV: Definições Vacinação Administração de vacinas e toxóides,, independentemente do resultado da resposta imunitária do receptor. 21

22 PIV: Definições Vacina Suspensão de microorganismos vivos (atenuados), mortos ou inactivados, ou de suas fracções, administrada com a finalidade de induzir imunidade. 22

23 PIV: Definições Toxóide Toxina bacteriana convertida num produto não tóxico, mas que mantém a capacidade de estimular a formação de uma antitoxina ou anticorpos. 23

24 PIV: Definições Antitoxina Solução de anticorpos provenientes do soro de animais imunizados com antigénios específicos, usada para a obtenção de imunidade passiva (ou em esquemas terapêuticos). 24

25 PIV: Definições Imunoglobulina Solução estéril de anticorpos provenientes do sangue/plasma humano, usada para a obtenção de imunidade passiva (imunoglobulina específica e γ-globulina). 25

26 Programa Integrado de Vacinação Programa Integrado de Vacinação Imunobiológicos 26

27 PIV: Imunobiológicos Imunobiológicos para Imunização Activa Bactérias: vivas/mortas Vírus: vivos/mortos/inactivados Antigénios virais: purificados/recombinantes Toxóides (bacterianos) adsorvidos Polissacáridos (bacterianos) 27

28 PIV: Imunobiológicos Imunobiológicos para Imunização Activa Vacinas bacterianas (1) BCG bactéria viva Cólera O1 bactéria viva ou inactivada Febre tifóide bactéria viva ou inactivada Tosse convulsa bactéria inactivada H. Influenzae b bactéria morta/polissacárido 28

29 PIV: Imunobiológicos Imunobiológicos para Imunização Activa Vacinas bacterianas (2) Antraz bactéria inactivada Meningococo bactéria inactivada/polissacárido Peste bactéria inactivada Pneumococo bactéria inactivada/polissacárido 29

30 PIV: Imunobiológicos Imunobiológicos para Imunização Activa Vacinas víricas (1) Adenovirus vírus vivos Febre amarela vírus vivo Papeira vírus vivo Rubéola vírus vivo Sarampo vírus vivo Varicela vírus vivo 30

31 PIV: Imunobiológicos Imunobiológicos para Imunização Activa Vacinas víricas (2) Poliomielite vírus vivos ou inactivados Encefalite japonesa vírus inactivado Hepatite A vírus inactivado Influenza (gripe) vírus inactivados, vivos e componentes/partículas virais Papiloma humano like partículas virais Raiva vírus morto 31

32 PIV: Imunobiológicos Imunobiológicos para Imunização Activa Toxóides (bacterianos) adsorvidos Difteria Tétano 32

33 PIV: Imunobiológicos Imunobiológicos para Imunização Activa Polissacarídeos Infecção por Haemophilus influenzae b Infecção Meningocócica (Neisseria meningitidis C) Infecção Pneumocócica (Streptococcus pneumoniae) 33

34 PIV: Imunobiológicos Imunobiológicos para Imunização Activa Antigénios virais inactivados (purificados ou recombinantes) Hepatite B 34

35 PIV: Imunobiológicos Imunobiológicos para Imunização Passiva Imunoglobulinas específicas de origem humana Imunoglobulinas específicas de origem não humana ( anti-venenos ou antídotos) γ-globulina humana (plasmática) 35

36 PIV: Imunobiológicos Imunobiológicos para Imunização Passiva Imunoglobulinas específicas de origem humana: Difteria Hepatite B Tétano Raiva Zoster-Varicella Citomemalovirus Vacinia 36

37 PIV: Imunobiológicos Imunobiológicos para Imunização Passiva Antitoxinas e Imunoglobulinas específicas de origem não humana (antídotos): Ig carneiro (alforreca) Ig cavalo (cobra marinha) Ig cão (carraça) Atc cavalo (antitoxinas botulínica e diftérica) 37

38 PIV: Imunobiológicos Imunobiológicos para Imunização Passiva γ-globulina humana (plasmática): Hepatite A Poliomielite Sarampo Varicela 38

39 PIV: Imunobiológicos Imunobiológicos do Século XXI graças ao poderoso advento tecnológico no campo da biologia molecular e celular Vacinas DNA 39

40 PIV: Imunobiológicos Imunobiológicos do Século XXI Vacinas conjugadas DTPa.Hib.VHB.VIP DTPa.Hib.MenC.PCV7-13 DTPa.Hib.VHB.VIP.VHA 40

41 Programa Integrado de Vacinação Programa Integrado de Vacinação Imunobiológicos e Imunização 41

42 Processo de Imunização O Sistema Imunitário Orgãos linfóides primários: Timo Linfócitos T Medula óssea Linfócitos B Orgãos linfóides secundários: Nódulos linfáticos Baço Pele Sist. G-I Sist. Resp. Circulação de linfócitos por todo o corpo 42

43 Processo de Imunização A Resposta Imunitária (imunidade mediada por anticorpos) Ig G 1ª dose 2ª dose 3ª dose 43 Memória imunológica Ig M Nível

44 44

45 Vacinação / Imunização A arma mais poderosa da medicina moderna O pilar fundamental da medicina comunitária A estratégia mais sólida e eficiente da medicina preventiva 45

46 Vacinação e Prevenção Primun nil nocere 46

47 Primun nil nocere A nível comunitário, o benefício da doença que se evita deve exceder claramente o risco de efeitos adversos da vacina i.e. a comunidade não deve ser vacinada quando o risco de exposição é nulo 47

48 Primun nil nocere Caso contrário O benefício será nulo e o custo ( risco) pode traduzir-se, eventualmente, em efeitos colaterais graves ou fatais! 48

49 Vacinação e Gestão do Risco Morbilidade da vacina Custo da vacina Morbilidade da doença Prevalência da doença Grupos de risco ( idade / estado imunitário / estado de saúde ) 49

50 Intervalo Prevenção e Controlo de Doenças Evitáveis pela Vacinação Prevenção e Controlo de Doenças Evitáveis pela Vacinação Seja responsável VACINE-SE 50

51 Seja responsável Seja responsável VACINE-SE Intervalo 51 Prevenção Prevenção e e Controlo Controlo de de Doenças Doenças Evitáveis Evitáveis pela pela Vacinação Vacinação

52 Programa Integrado de Vacinação Vacinas: Reacções Pós-vacinais Precauções e Contra-indicações 52

53 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais Febre ligeira e sinais inflamatórios localizados e ligeiros (tumor/edema, calor, rubor e dor),, que desaparecem calor, rubor e dor) espontaneamente (geralmente). Com uma boa técnica de inoculação é possível reduzir-se a ocorrência de algumas reacções pós-vacinais. 53

54 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais A ocorrência de reacções pós-vacinais não deve ser considerada contra-indicação à administração de outras doses do mesmo antigénio ou de outros imunobiológicos. 54

55 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais As complicações e reacções pós-vacinais graves são muito raras e imprevisíveis, e dependem da técnica de inoculação, da composição do produto e, sobretudo, das características específicas do receptor. 55

56 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais Após a inoculação de um imunobiológico podem ocorrer reacções locais, sistémicas ou alérgicas mas a sua frequência e gravidade são muito inferiores às consequências das suas doenças-alvo! 56

57 PIV: Vacinas Reacções locais: Reacções Pós-vacinais Dor, edema e rubor no local da inoculação Mais frequentes com a administração de vacinas inactivadas Geralmente ligeiras e auto-limitadas 57

58 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais Reacções sistémicas: Febre, mal estar, mialgias, cefaleias e perda de apetite Inespecíficas Podem não estar relacionadas directamente com a vacina 58

59 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais Reacções alérgicas: Devidas ao antigénio ou a um dos componentes da vacina Raras (mas são as reacções mais graves) O risco pode ser minimizado através de um rastreio prévio ( teste ) 59

60 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais BCG (viva liofilizada) Febre e sinais inflamatórios locais Formação de um pequeno nódulo vermelho que evolui para uma pequena vesícula, que ulcera e cicatriza espontâneamente em 2-5 meses (origina uma cicatriz superficial com ± 5 mm de diâmetro) Complicações (reacções adversas raras): Adenite axilar ou cervical Ulceração persistente no local de inoculação 60

61 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais VHB (recombinante) Dor, eritema e tumefacção locais Febre, cefaleias, irritabilidade, astenia, mialgias, náuseas e tonturas (mais frequentes em adultos e desaparecem em 48 horas) [Hipersensibilidade a leveduras] Complicações (reacções adversas raras): Choque anafilático (um caso por doses) 61

62 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais VOP (Polio oral viva trivalente) Hipersensibilidade a antibióticos (estreptomicina, neomicina) Complicações (reacções adversas raras): Poliomielite paralítica (um caso por 6 milhões de doses) Síndrome de Guillain-Barré Morte por poliomielite paralítica (imunodeprimidos) 62

63 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais VIP (Polio parentérica inactivada trivalente) Dor, rubor, enduração e edema locais (geralmente desaparecem em 48 horas) Hipersensibilidade a antibióticos (estreptomicina, neomicina, polimixina B) Complicações (reacções adversas raras): Reacção anafilática a um dos componentes da vacina (pode ocorrer após uma dose anterior) 63

64 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais Hib (conjugada oligo/polissacáridos) Sinais inflamatórios locais (dor, edema, eritema e ardor que desaparecem em 24 horas) Febre e irritabilidade (pouco frequentes) Complicações (reacções adversas raras): Reacção anafilática a um dos componentes da vacina (pode ocorrer após uma dose anterior) 64

65 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais MenC (conjugada oligo/polissacáridos) Sinais inflamatórios locais (dor, eritema, ardor e tumefacção, que desaparecem em 48 horas) Febre, irritabilidade, sonolência ou alterações do sono, anorexia, náuseas, dor abdominal, náuseas e vómitos (mais frequentes em crianças com menos de 2 anos de idade) Complicações (reacções adversas raras): Reacção anafilática a um dos componentes da vacina (pode ocorrer após uma dose anterior) 65

66 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais DTP/DTPa/DT/dT/dTPa/dTpa/T Febre e sinais inflamatórios locais (edema, nódulo duro e doloroso, e eritema) Reacção Arthus ombro-cotovelo (edema doloroso) [reacção aos toxóides D e T] Urticária [reacção aos toxóides D e T] Irritabilidade, sonolência, anorexia e vómitos [reacção ao componente inactivado P] Hipersensibilidade a um dos constituintes das vacinas 66

67 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais Toxóides D e T (Difteria e Tétano) Complicações (reacções adversas raras): Reacção anafilática (pode ocorrer após uma dose anterior) Reacção Arthus ombro-cotovelo Complicações neurológicas [sobretudo toxóide T]: Nevrite braquial (neuropatia periférica) Síndrome de Guillain-Barré 67

68 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais Componente inactivado (bactéria) Pertussis Complicações (reacções adversas raras com DTPa e dtpa): Prostração intensa e choque hipotónicohipotensivo (primeiras 48 h) Hipertermia >40,5ºC (primeiras 48 h) Choro de alto timbre ou persistente (>3h) e inconsolável (primeiras 48 h) Convulsões com/sem febre (primeiras 72 h) Reacção anafilática anafilática (pode ocorrer após uma dose anterior) 68

69 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais DTPaHib (conjugada tetravalente) Reacções idênticas às observadas com as vacinas DTPa e Hib, mas mais frequentes 69

70 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais DTPaVIP (conjugada tetravalente) Reacções idênticas às observadas com as vacinas DTPa e VIP 70

71 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais DTPaHibVIP (conjugada pentavalente) Reacções idênticas às observadas com as vacinas DTPa, Hib e VIP, mas mais frequentes 71

72 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais VASPR (VAS e VAR) Dor, ardor, rubor, calor e edema (mais frequentes); eritema, enduração, parestesias (menos frequentes) Febre(>39ºC) e exantema transitório Irritabilidade, sonolência, insónia, mal estar, anorexia, náuseas, vómitos e diarreia Reacção alérgica às proteínas do ovo ou a um dos constituintes (gelatina, neomicina) Prurido e púrpura (associados ao componente Papeira) Artralgias transitórias (associadas ao componente Rubéola) e adenomegalias [sobretudo em adultos] 72

73 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais VASPR Complicações (reacções adversas raras): Artrite pós-vacinal persistente ou recorrente (sobretudo mulheres) Trombocitopenia (um caso por doses) Encefalopatia (um caso por de doses) Autismo [!controvérsia!] Choque anafilático 73

74 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais VAV (Varicela-Zoster vírus vivo atenuado) Sinais inflamatórios locais: dor e eritema (mais frequentes em adolescentes e adultos) Febre e exantema maculopapular generalizado (exantema vesicular menos frequente) Hipersensibilidade aos constituintes da vacina Complicações (reacções adversas raras): Choque anafilático Lesões herpéticas (exclui a nevralgia pós-herpética) 74

75 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais GTI (Gripe trivalente inactivada) Sinais inflamatórios locais (eritema, dor e induração) Arrepios, febre, mal estar e mialgias (pouco frequentes) Complicações (reacções adversas raras): Reacção alérgica a um dos componentes da vacina (anafilaxia sistémica, angioedema,, asma, urticária) Síndrome de Guillain-Barré (um caso por doses administradas a adultos) 75

76 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais GTA (Gripe trivalente viva atenuada) Crianças: Sinais inflamatórios locais Asma reactiva (crianças com 1-5 anos) Adultos: Sinais inflamatórios locais Arrepios, catarro faríngeo, tosse, rinorreia e congestão nasal Complicações (reacções adversas raras): Reacção alérgica a um dos componentes da vacina 76

77 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais PnP23 (Pneumocócica polissacáridos 23 serótipos) PnC7 [mais recentes: PnC10 e PnC13] (Pneumocócica polissacáridos conjugada 7 serótipos) Sinais inflamatórios locais: dor, edema e eritema (mais frequentes com PnP23) Reacções sistémicas moderadas: febre e mialgias (mais frequentes com PnC7) Reacções sistémicas graves (raras) 77

78 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais VPH (Vírus do papiloma humano recombinante bi/trivalente) Dor, rubor e tumefacção locais Febre, cefaleias, mialgias, prurido local, exantema e sintomas gastrintestinais (pouco frequentes) Urticária e broncospasmo (muito raras) Complicações (reacções adversas graves): Reacções anafilácticas e síncope 78

79 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais Principais componentes/constituintes das vacinas que podem originar reacções anafilácticas Derivados de ovo/embrião de pinto (ex: VASPR) Antibióticos (ex: VASPR, VIP) Gelatina (ex: VASPR) Leveduras (ex: VHB) 79

80 PIV: Vacinas Reacções Pós-vacinais Reacção Anafiláctica Sinais e Sintomas Edema e exantema urticariforme no local da injecção Edema da face, lábios ou outra parte do corpo Congestão nasal e facial Prurido e urticária Espirros, tosse, pieira, dispneia, cianose Estridor laríngeo, rouquidão e dificuldade em engolir Prostração Pulso rápido e fraco, arritmia, hipotensão e choque Aumento do tempo de preenchimento capilar (>2 ) 80

81 Intervalo Prevenção e Controlo de Doenças Evitáveis pela Vacinação Prevenção e Controlo de Doenças Evitáveis pela Vacinação Seja responsável VACINE-SE 81

82 Seja responsável Seja responsável VACINE-SE Intervalo 82 Prevenção Prevenção e e Controlo Controlo de de Doenças Doenças Evitáveis Evitáveis pela pela Vacinação Vacinação

83 Programa Integrado de Vacinação Vacinas: Precauções e Contra-indicações 83

84 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções Contra-indicações genéricas: Reacção anafilática a um antigénio vacinal (numa vacinação/dose anterior) Reacção anafilática a um componente da vacina (numa vacinação/dose anterior) Gravidez (para as vacinas vivas) Imunodeficiência/imunodepressão grave (para as vacinas vivas) 84

85 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções Precauções genéricas: Doenças agudas graves (vacinar após melhoria dos sinais/sintomas*) Hipersensibilidade não grave a um componente da vacina * Excepto BCG (contra-indicação) 85

86 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções Contra-indicações (permanentes/transitórias) Precauções (implicam prescrição médica) 86

87 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções BCG Contra-indicações: Recém-nascidos com menos de 2 Kg Gravidez Infecção com VIH Imunodeficiência celular (congénita ou adquirida) Tratamento imunossupressor (radioterapia, citostáticos...) Tuberculose activa TST positivo Doenças sistémicas graves Doenças cutâneas generalizadas Doenças agudas graves 87

88 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções BCG Precauções: Malnutrição Importância da administração correcta da vacina: via intradérmica (ID), com seringas de 1 ml graduadas em centésimas de mililitro, e com agulha fina (calibre 25-26) de bisel curto 88

89 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções VOP polio viva Contra-indicações: Indivíduos HIV-positivos sintomáticos (aplicar a VAP inactivada) Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior Contactos de indivíduos HIV-positivos (aplicar a VAP inactivada) 89

90 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções Precauções: VOP polio viva Corticoterapia sistémica em altas doses Terapêutica com citostáticos Radioterapia Gravidez 90

91 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções VIP polio inactivada Contra-indicações: (VIP monovalente ou combinada) Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior Reacção anafilática anterior (grave) à neomicina, estreptomicina e polimixina B, ou a qualquer componente da vacina 91

92 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções VIP polio inactivada Precauções: Trombocitopenia, alterações da coagulação e terapêutica anticoagulante * Antecedentes de alergias à neomicina, estreptomicina ou polimixina B ** Crianças com doenças agudas graves Gravidez (?) * Recomenda-se a administração SC da vacina ** A vacina deve ser administrada em meio hospitalar 92

93 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções Contra-indicações: VHB Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior Alergia a um dos componentes da vacina Alergia às leveduras do pão (fermento de padeiro) 93

94 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções VHB Precauções: Recém-nascidos com menos de 2 Kg Trombocitopenia, diátese hemorrágica e alterações da coagulação * Terapêutica anticoagulante * Crianças com doenças agudas graves * Recomenda-se a administração SC da vacina 94

95 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções Contra-indicações: Hib Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior Alergia a um dos componentes da vacina Idade inferior a 6 semanas [risco de tolerância imunológica] 95

96 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções Precauções: Hib Trombocitopenia, diátese hemorrágica e alterações da coagulação * Terapêutica anticoagulante * Crianças com doenças agudas graves * Recomenda-se a administração SC da vacina 96

97 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções MenC Contra-indicações: Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior Alergia a um dos componentes da vacina Precauções: Trombocitopenia, diátese hemorrágica e alterações da coagulação * Terapêutica anticoagulante * Crianças com doenças agudas graves * Recomenda-se a administração SC da vacina 97

98 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções DTP/ DTPa Contra-indicações: Encefalopatia de etiologia desconhecida, na 1ª semana após a administração de uma dose anterior Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior Alergia a um dos componentes da vacina 98

99 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções DTP/ DTPa Precauções (1): Se após uma dose anterior ocorrer: Febre >40,5ºC [primeiras 48 horas] Prostração acentuada ou choque hipotónicohiporreactivo [primeiras 48 horas] Choro de alto timbre e/ou persistente (>3 horas) e inconsolável [primeiras 48 horas] Convulsões com ou sem febre [primeiras 72 horas] 99

100 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções DTP/ DTPa Precauções (2): Alterações neurológicas (convulsões, encefalopatia evolutiva...) Trombocitopenia, diátese hemorrágica e alterações da coagulação * Terapêutica anticoagulante * Doenças agudas graves * Recomenda-se a administração SC da vacina 100

101 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções DTPaHib Contra-indicações: Encefalopatia de etiologia desconhecida, na 1ª semana após a administração de uma vacina com o componente Pertussis Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior Alergia a um dos componentes da vacina 101

102 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções Precauções: DTPaHib Considerar as precauções referidas para as vacinas DTP/DTPa (trivalentes) e Hib (monovalente) 102

103 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções DTPaVIP Contra-indicações: Encefalopatia de etiologia desconhecida, na 1ª semana após a administração de uma vacina com o componente Pertussis Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior Reacção anafilática a um dos componentes da vacina 103

104 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções Precauções: DTPaVIP Considerar as precauções referidas para as vacinas DTP/DTPa e VIP 104

105 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções DTPaHibVIP Contra-indicações: Encefalopatia de etiologia desconhecida, na 1ª semana após a administração de uma vacina com o componente Pertussis Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior Reacção anafilática a um dos componentes da vacina 105

106 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções Precauções: DTPaHibVIP Considerar as precauções referidas para as vacinas DTP/DTPa, Hib e VIP 106

107 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções dtpa/dtpa Contra-indicações: Encefalopatia na 1ª semana após a administração anterior de uma vacina com o componente pertussis Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração anterior de uma vacina com o componente pertussis Alergia a um dos componentes da vacina 107

108 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções Precauções: dtpa/dtpa Doenças agudas graves Doença neurológica progressiva (até à sua estabilização) Síndrome de Guillain-Barré após inoculação anterior do toxóide tetânico [período de 6 semanas após a vacinação] Reacção Arthus ombro-cotovelo após inoculação anterior de toxóides diftérico e/ou tetânico 108

109 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções DT/dT Contra-indicações: Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior Reacção anafilática a um dos componentes da vacina Trombocitopenia na sequência de inoculação anterior dos toxóides diftérico e/ou tetânico Complicações neurológicas após a inoculação anterior dos toxóides diftérico e/ou tetânico 109

110 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções DT/dT Precauções: Síndrome de Guillain-Barré após inoculação anterior do toxóide tetânico [até 6 semanas após a vacinação] Reacção Arthus ombro-cotovelo após inoculação anterior de toxóides diftérico e/ou tetânico Trombocitopenia, diátese hemorrágica e alterações da coagulação * Terapêutica anticoagulante * Doenças agudas graves * Recomenda-se a administração SC da vacina 110

111 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções T (VAT) Contra-indicações: Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior Reacção anafilática a um dos componentes da vacina Trombocitopenia e/ou complicações neurológicas na sequência de inoculação anterior do toxóide tetânico 111

112 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções T (VAT) Precauções: Síndrome de Guillain-Barré após inoculação anterior do toxóide tetânico [até 6 semanas após a vacinação] Reacção Arthus ombro-cotovelo após inoculação anterior do toxóide tetânico Trombocitopenia, diátese hemorrágica e alterações da coagulação * Terapêutica anticoagulante * Doenças agudas graves * Recomenda-se a administração SC da vacina 112

113 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções VASPR (VAR, VAS e VASR) Contra-indicações (1): Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior Reacção anafilátia anterior a um dos componentes da vacina (gelatina, neomicina...) Gravidez Tuberculose activa 113

114 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções VASPR (VAR, VAS e VASR) Contra-indicações (2): Imunodeficiência grave (tumores sólidos e hemáticos, imunodeficiências congénitas...) Terapêutica imunossupressora Trombocitopenia ou púrpura trombocitopénica após a administração de uma dose anterior [A infecção assintomática com o VIH não é contra-indicação para a vacinação com VASPR] 114

115 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções VASPR (VAR, VAS e VASR) Precauções: Doenças agudas graves Trombocitopenia ou púrpura trombocitopénica idiopática Administração recente de imunoglobulinas Alergia às proteínas do ovo Imunodeficiências não graves Gravidez ( pelo menos 3 meses após a vacinação ) 115

116 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções VAV Contra-indicações: Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior Alergia a um dos componentes da vacina Gravidez Imunodeficiências Precauções: Doenças agudas graves Recepção recente de produtos derivados do sangue 116

117 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções Contra-indicações: GTI Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior Alergia a um dos componentes da vacina (proteínas do ovo) Precauções: Doenças agudas graves/moderadas 117

118 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções GTA Contra-indicações: Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior * Alergia grave às proteínas do ovo, ou a um dos componentes da vacina Imunodeficiências (todas) Síndrome de Guillain-Barré (antecedentes) Gravidez * Crianças com idade inferior a 2 anos * Terapêuticas prolongadas com aspirina (crianças e adolescentes) * * Deve administrar-se a GTI (trivalente inactivada) 118

119 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções Precauções: GTA Pessoas com idade superior a 50 anos * Pessoas com patologias crónicas * Doenças agudas graves * Recomenda-se administrar a GTI (trivalente inactivada) 119

120 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções Contra-indicações: PnP23 e PnC7(PnC10 e PnC13) Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior Alergia a um dos componentes da vacina Precauções: Doenças agudas graves 120

121 PIV: Vacinas Contra-indicações e Precauções VPH Contra-indicações: Reacção anafilática nas 1 as horas após a administração de uma dose anterior Alergia a um dos componentes da vacina Gravidez [Sexo masculino] Precauções: Doenças agudas graves (adiar a administração da vacina) 121

122 PIV: Vacinas Falsas Contra-indicações Doenças benignas com febre <38,5ºC, tais como infecções respiratórias e diarreia Reacções locais, ligeiras/moderadas, após a administração de uma vacina Doenças neurológicas não evolutivas, como a paralisia cerebral e o Síndrome de Down Doenças crónicas cardiovasculares, pulmonares, renais ou hepáticas Dermatoses, eczemas, ou infecções cutâneas localizadas 122

123 PIV: Vacinas Falsas Contra-indicações Terapêutica com antibióticos, esteróides tópicos e corticóides ( 20mg/dia), Antecedentes familiares e pessoais de alergia à penicilina, rinite alérgica, febre dos fenos, asma e outras manifestações atópicas História familiar de complicações e reacções pós-vacinais graves História familiar de síndroma da morte súbita infantil Antecedentes familiares de convulsões 123

124 PIV: Vacinas Falsas Contra-indicações Período de convalescença de doenças Período de incubação de doenças infecciosas Gravidez da mãe ou de outros contactos Prematuridade e baixo peso ao nascer História de icterícia neonatal Aleitamento materno Malnutrição Gravidez (para as vacinas inactivadas, excepto poliomielite?)

125 Intervalo Prevenção e Controlo de Doenças Evitáveis pela Vacinação Prevenção e Controlo de Doenças Evitáveis pela Vacinação Seja responsável VACINE-SE 125

126 Seja responsável Seja responsável VACINE-SE 126 Intervalo Prevenção Prevenção e e Controlo Controlo de de Doenças Doenças Evitáveis Evitáveis pela pela Vacinação Vacinação

127 Programa Integrado de Vacinação Administração da Cadeia de Frio Manipulação e Conservação de Imunobiológicos 127

128 PIV: Cadeia de Frio Administração da Cadeia de Frio Modo de Administração dos Imunobiológicos Via intradérmica (ID): BCG Bacillus Calmette-Guérin 128

129 PIV: Cadeia de Frio Administração da Cadeia de Frio Modo de Administração dos Imunobiológicos Via subcutânea profunda (SC): Carbúnculo (antraz) D. Meningocócica (MenACWY vac. polissacáridos) D. Pneumocócica (PnP23 vac. polissacáridos) Encefalite Japonesa Febre Amarela Varicela 129

130 PIV: Cadeia de Frio Administração da Cadeia de Frio Modo de Administração dos Imunobiológicos Via intramuscular (IM): DTP, DTPa, dtpa, dtpa, DT, dt, T DTPaHib, DTPaHibVIP, DTPaVIP Hib MenC (D. Meningocócica C vac. conjugada) VASPR VHB VIP 130

131 PIV: Cadeia de Frio Administração da Cadeia de Frio Modo de Administração dos Imunobiológicos Via IM (cont.): D. Pneumocócica (PnC7 vac. conjugada) Febre tifóide (vac. polissacáridos e vac. morta) Gripe HibMenC (vac. conjugada) MenACWY (vac. polissacáridos - tetravalente) VHA 131

132 PIV: Cadeia de Frio Administração da Cadeia de Frio Modo de Administração dos Imunobiológicos Via IM (cont.): Carbúnculo (antraz) Doença de Lyme Encefalite da picada de carraça (ou Encefalite Centro-Europeia ) Peste Raiva 132

133 PIV: Cadeia de Frio Administração da Cadeia de Frio Modo de Administração dos Imunobiológicos Via oral (PO) e nasal (IN): Adenovirus ( vírus sincicial respiratório IN) Cólera (PO) Febre tifóide ( viva atenuada PO) Gripe (IN) VOP ( polio trivalente viva atenuada PO) 133

134 PIV: Cadeia de Frio Administração da Cadeia de Frio Modo de Administração dos Imunobiológicos Via ID: 05-10º Via SC: 20-45º Via IM: 60-90º 134

135 PIV: Cadeia de Frio Administração da Cadeia de Frio Modo de Administração dos Imunobiológicos Via ID (BCG): Face postero-externa do 1/3 superior do braço (geralmente esquerdo), próximo da inserção do músculo deltóide, ou na face anterior ou latero-externa do 1/3 médio do antebraço. 135

136 PIV: Cadeia de Frio Modo de Administração dos Imunobiológicos ID (braço esquerdo) BCG Crianças Adultos 136

137 PIV: Cadeia de Frio Administração da Cadeia de Frio Modo de Administração dos Imunobiológicos Via SC (EJ, FA, VAV, MenACWY, PnP23...): Na face antero-externa do 1/3 superior do braço, no músculo deltóide, ou na face antero-externa da coxa (geralmente na zona de transição do 1/3 superior para o 1/3 médio), no músculo quadricípete femural 137

138 PIV: Cadeia de Frio Modo de Administração dos Imunobiológicos IM e SCp (coxa) Crianças < 12 meses PNV recomenda Dto: Hib, VHB, VIP Esq: DTPa, DTPaHib, DTPaHibVIP, DTPaVIP, MenC 138

139 PIV: Cadeia de Frio Administração da Cadeia de Frio Modo de Administração dos Imunobiológicos Via IM (DTPa, DTPaHibVIP, Hib, MenC, VASPR, VIP...): < 12 meses de idade Face antero-externa da coxa (geralmente na zona de transição do 1/3 superior para o 1/3 médio), no músculo quadricípete femural, 12 meses de idade 1/3 superior do braço, no tofo do músculo deltóide. 139

140 PIV: Cadeia de Frio Modo de Administração dos Imunobiológicos IM e SCp (braço) Crianças 12 meses Adultos PNV recomenda Dto: Hib, VASPR, VHB, VIP Esq: DTPa, DTPaHib, DTPaVIP, MenC, Td 140

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP)

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP) VACINAÇÃO PERTENCENTE AO PNV - A Vacina contra a Tuberculose (BCG) Tipo de vacina: Vacina de bacilos vivos atenuados Mycobacterium bovis : Gravidez Imunodeficiência celular, congénita ou adquirida Tratamentos

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Calendário de Vacinação Infantil 2011 1. BCG (contra Tuberculose); 2. Vacina contra Hepatite B;

Leia mais

Vacina Pentavalente. Nomenclatura. Proteção. Forma Farmacêutica Apresentação

Vacina Pentavalente. Nomenclatura. Proteção. Forma Farmacêutica Apresentação Vacina Pentavalente Nomenclatura Proteção Forma Farmacêutica Apresentação Lab. Produtor Composição Indicação Precauções Contra Indicações - Vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, hepatite B (recombinante)

Leia mais

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI 1973 erradicação da varíola no Brasil e instituição do PNI 1975 instituído o Serviço Nacional de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C.

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Administração de Imunobiológicos IMPORTANTE Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Contra indicações gerais: Imunodeficiência congênita ou adquirida Neoplasias

Leia mais

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE

CÓLERA/ DIARRÉIA DO VIAJANTE ANTITETÂNICA Indicada para prevenção do tétano. Utilizada para imunização de adultos e idosos, inclusive gestantes (após a 12ª semana). Contraindicação: Não há, exceto àquelas comuns a todas as vacinas:

Leia mais

Programa Nacional de Vacinação 2012

Programa Nacional de Vacinação 2012 Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Vacinação 2012 PORTUGAL. Direcção-Geral da Saúde. Programa Nacional de Vacinação 2012 / Direcção-Geral da Saúde. Lisboa: DGS Vacinação- normas / programas de

Leia mais

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única.

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. 1 vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. A vacina tétano deve ser administrada por via intramuscular. Não utilize a vacina

Leia mais

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015.

A vacinação com a Pn13, no âmbito do Programa Nacional de Vacinação (PNV), inicia-se no dia 1 de julho de 2015. NÚMERO: 008/015 DATA: 01/06/015 ATUALIZAÇÃO 05/06/015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Programa Nacional de Vacinação. Introdução da vacina conjugada de 13 valências contra infeções por Streptococcus

Leia mais

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI 1 - (Concurso CFO/CQ 2003) A criança C.M.B. tem dois meses e foi encaminhada à unidade de saúde para ser vacinada. Já tomou BCG, a primeira e a segunda dose da vacina contra

Leia mais

Assunto: Programa Nacional de Vacinação 2006. Orientações Técnicas

Assunto: Programa Nacional de Vacinação 2006. Orientações Técnicas Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Programa Nacional de Vacinação 2006. Orientações Técnicas Nº: 08/DT DATA: 21/12/05 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros

Leia mais

Programa Nacional de Vacinação 2012. Vacinas; Vacinação; Programa Nacional de Vacinação; PNV. Médicos e Enfermeiros do Sistema de Saúde

Programa Nacional de Vacinação 2012. Vacinas; Vacinação; Programa Nacional de Vacinação; PNV. Médicos e Enfermeiros do Sistema de Saúde Francisco Henrique Moura George Digitally signed by Francisco Henrique Moura George DN: c=pt, o=ministério da Saúde, ou=direcção-geral da Saúde, cn=francisco Henrique Moura George Date: 2012.01.06 16:33:35

Leia mais

Programa Nacional de Vacinação 2006

Programa Nacional de Vacinação 2006 10 Direcção-Geral da Saúde Divisão de Doenças Transmissíveis 1 Programa Nacional de Vacinação 2006 Circular Normativa Nº 08/DT de 21/12/2005, revista Revogada a Circular Normativa nº 14 DSPS/DT de 16/12/1999

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. COORDENADORA Prof Dra. Denise Siqueira de Carvalho EQUIPE EXECUTORA

Leia mais

vacina tétano Potência estimada com o limite inferior de confiança em P = 0.95.

vacina tétano Potência estimada com o limite inferior de confiança em P = 0.95. 1 vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. A vacina tétano deve ser administrada por via intramuscular. Não utilize a vacina

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Programa Nacional de Vacinação (PNV) Introdução da vacina contra infecções por Vírus do Papiloma Humano Nº: 22/DSCS/DPCD DATA: 17/10/08 Para: Contacto na DGS: Médicos e enfermeiros dos Centros

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Vacinação, a nível hospitalar, contra infecções por Streptococcus pneumoniae de crianças/adolescentes de risco para doença invasiva pneumocócica (DIP) Nº: 12/DSPCD DATA: 09/06/2010 Para: Contacto

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE FRIO GOIÁS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DA VACINA INATIVADA POLIOMIELITE

Leia mais

vacina meningocócica AC

vacina meningocócica AC vacina meningocócica AC Forma farmacêutica e apresentação Pó liofilizado injetável. - Cartucho contendo 1 frasco-ampola de uma dose e uma seringa com 0,5 ml de diluente. A vacina meningocócica AC deve

Leia mais

VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO. Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV

VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO. Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS PREVENÍVEIS POR IMUNIZAÇÃO Profa. Regina Flauzino Disciplina de Epidemiologia IV Tópicos Histórico Doenças Preveníveis por Imunização Crianças Adultos Idosos Vacinação para Profissionais

Leia mais

GUIA PRÁTICO: VACINAÇÃO DO IDOSO

GUIA PRÁTICO: VACINAÇÃO DO IDOSO Autoras Dra. Priscila Gaeta CRM: 133.871 Dra. Carolina Toniolo CRM: 157.464 Médica especialista em Geriatria pela Sociedade Brasileira de Medica residente do Instituto Geriatria e Gerontologia/ Associação

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Agosto - 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema Único de Saúde (SUS) altera

Leia mais

Imunizações FUNSACO 2009

Imunizações FUNSACO 2009 Imunizações FUNSACO 2009 Vacinação os primórdios Edward Jenner - maio de 1796 - inoculação de criança de 8anos com material retirado da vesícula de uma paciente com varíola. Semanas após, a criança foi

Leia mais

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL USO DE IMUNOBIOLÓGICOS NA ENFERMAGEM UNIDADE NEONATAL Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A garantia da imunização por meio das vacinas básicas disponibilizadas

Leia mais

Imunização ativa x passiva

Imunização ativa x passiva A IMUNIZAÇÃO É DEFINIDA COMO A AQUISIÇÃO DE PROTEÇÃO IMUNOLÓGICA CONTRA UMA DOENÇA INFECCIOSA. Imunização ativa x passiva A imunização ativa ocorre quando o próprio sistema imune da criança, ao entrar

Leia mais

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada)

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) Formas farmacêuticas e apresentações: Suspensão injetável. - Cartucho contendo

Leia mais

Calendário de Vacinas 2011

Calendário de Vacinas 2011 Calendário de Vacinas 2011 Untitled-2 1 4/4/11 4:59 PM Atualizações + atualizações_arquivo.indd 1 2 Atualizações Calendário Básico de Vacinação 2011 Idade Vacina Dose Doenças evitadas Ao nascer BCG-ID

Leia mais

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE)

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) SUBPAV/SVS COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) VACINA INATIVADA CONTRA POLIOMIELITE (VIP) Crianças imunocomprometidas (com deficiência imunológica congênita ou

Leia mais

vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular)

vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) Forma farmacêutica e apresentações: Suspensão injetável. - Cartucho contendo 1 frasco de dose única; - Cartucho contendo 5 frascos de dose única;

Leia mais

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada)

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada) 1 vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho contendo 1 frasco-ampola com 0,5mL de

Leia mais

Política de Vacinação

Política de Vacinação Rol de s cobertas por esta Política Catapora ou Varicela contra Varicela Biken Crianças de 1 a 12 anos: esquema vacinal em dose única. Pacientes imunocomprometidos: portadores de leucemia linfóide aguda

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

ADACEL Polio vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada)

ADACEL Polio vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada) MODELO DE BULA Página 1 de 7 ADACEL Polio vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite I, II e III (inativada) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho

Leia mais

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada)

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) Modelo de Bula Página 1 de 6 vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho com 1 seringa

Leia mais

Imunização. IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS

Imunização. IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS Kelli Santos Enfermeira SES GO Especialista em Saúde Pública, Epidemiologia, PSF e Auditoria dos Sistemas de Saúde Mestre em Gestão dos Serviços de Saúde Membro

Leia mais

13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO

13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO 13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS)/MS Manual dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais 2014 1 Vacina inativada poliomielite (VIP)

Leia mais

VACINA CONTRA HEPATITE A (VÍRUS INATIVADOS) USO PEDIÁTRICO

VACINA CONTRA HEPATITE A (VÍRUS INATIVADOS) USO PEDIÁTRICO VACINA CONTRA HEPATITE A (VÍRUS INATIVADOS) USO PEDIÁTRICO FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de uma dose de 0,5 ml; - Cartucho contendo 10 seringas

Leia mais

Vacinação para bebés logo após o primeiro ano de vida

Vacinação para bebés logo após o primeiro ano de vida Portuguese translation of Immunisation for babies just after their first birthday Vacinação para bebés logo após o primeiro ano de vida Introdução Este folheto contém fatos sobre a primeira vacina VASPR

Leia mais

PARECER Nº 11 / 2011 INFORMAÇÕES SOBRE VACINAÇÃO...

PARECER Nº 11 / 2011 INFORMAÇÕES SOBRE VACINAÇÃO... ASSUNTO PARECER Nº 11 / 2011 INFORMAÇÕES SOBRE VACINAÇÃO... 1. A QUESTÃO COLOCADA... tendo as vacinas efeitos secundários e contra indções que legitimidade tem um enfermeiro...para vacinar a criança sem

Leia mais

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação Rev: 03 Data: 19/07/2010 Página 1 de 5 Anexo I - Rol de Vacinas cobertas por esta Política Vacina Nome da Droga Pré-requisitos para cobertura Documentação necessária Observação Crianças de 1 a 12 anos:

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 IDADE Ao 2m 3m 4m 5m 6m 7m 12m 15m 18m 4 a 6 11 14 a 16 Nascer anos anos anos BCG ID 1 Hepatite B 2 DTP / DTPa 3 dt/dtpa 4 Hib 5 VIP / VOP 6 Pneumo

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

{ Idade } { Vacinas e respectivas doenças } { Outras Imunizações } 5 meses. Dieta e exercício. Dieta e exercício. Uso de substâncias nocivas

{ Idade } { Vacinas e respectivas doenças } { Outras Imunizações } 5 meses. Dieta e exercício. Dieta e exercício. Uso de substâncias nocivas { Idade } recém-nascido 2 meses { Vacinas e respectivas doenças } DTPa = 1.ª dose (Difteria, Tétano, Tosse Convulsa) : regularmente ao longo da infância*; tensão arterial: periodicamente ao longo da infância*;

Leia mais

1. Motivos biológicos como imunodepressão, asplenia, transplante, AIDS;

1. Motivos biológicos como imunodepressão, asplenia, transplante, AIDS; IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS São produtos (vacinas e Imunoglobulinas), destinados aos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais CRIES, objetivando facilitar o acesso de usuários portadores de quadros

Leia mais

FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS

FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - SUVISA GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO GIRF COORDENAÇÃO DE EAPV/CRIE FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS

Leia mais

Vacina hepatite B (recombinante) GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Suspensão injetável 10 mcg/0,5 ml ou 20 mcg/ml.

Vacina hepatite B (recombinante) GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Suspensão injetável 10 mcg/0,5 ml ou 20 mcg/ml. Vacina hepatite B (recombinante) GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Suspensão injetável 10 mcg/0,5 ml ou 20 mcg/ml. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO vacina hepatite B (recombinante) APRESENTAÇÕES A vacina hepatite

Leia mais

Preparatório para Concurso do IPASGO

Preparatório para Concurso do IPASGO w w w. i n s t i t u t o c o n s c i e n c i a g o. c o m. b r Preparatório para Concurso do IPASGO Aula: Programa Nacional de Imunização Profª MSc. Marise Ramos de Souza Parte 02 de 03 CALENDÁRIOS BÁSICOS

Leia mais

PEDIACEL vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada)

PEDIACEL vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) MODELO DE BULA 1 PEDIACEL vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Suspensão injetável.

Leia mais

Vacinas na pré-escola um guia para as vacinas aos três anos e quatro meses de idade.

Vacinas na pré-escola um guia para as vacinas aos três anos e quatro meses de idade. [cover] Vacinas na pré-escola um guia para as vacinas aos três anos e quatro meses de idade. vacinação A forma mais segura de proteger a sua criança [page 2] As duas intervenções de saúde pública que tiveram

Leia mais

Preparar a Viagem em Segurança Vacinação de Viajantes

Preparar a Viagem em Segurança Vacinação de Viajantes Preparar a Viagem em Segurança Vacinação de Viajantes MARIA ETELVINA CALÉ maio 2014 DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE PREVENÇÃO DA DOENÇA E PROMOÇÃO DA SAÚDE Vacinação de Viajantes As vacinas a recomendar dependem

Leia mais

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CENTRO DE EPIDEMIOLÓGICA DO PARANÁ PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO TODO DIA É DIA

Leia mais

Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida)

Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida) EMA/90006/2015 EMEA/H/C/001104 Resumo do EPAR destinado ao público Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida) Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR)

Leia mais

Vacinação dos bebés até aos 12 meses

Vacinação dos bebés até aos 12 meses Portuguese translation of Immunisation for babies up to a year old Vacinação dos bebés até aos 12 meses Introdução Este guia destina-se a pais de bebés até 12 meses de idade. Fornece informações sobre

Leia mais

ADACEL vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular)

ADACEL vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) Modelo de Bula Página 1 de 7 ADACEL vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Suspensão injetável. - Cartucho contendo 1 frasco-ampola com 0,5mL de suspensão;

Leia mais

20 GERÊNCIA DE SAÚDE-20º SDR PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO(PNI)

20 GERÊNCIA DE SAÚDE-20º SDR PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO(PNI) 20 GERÊNCIA DE SAÚDE-20º SDR PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO(PNI) ENF Msc: JANETE ZANDOMENICO. PROGRAMA IMUNIZAÇÃO A vacinação representa um grande avanço da tecnologia médica sendo uma das medidas mais

Leia mais

Vacina combinada contra sarampo, caxumba e rubéola (vírus vivo)

Vacina combinada contra sarampo, caxumba e rubéola (vírus vivo) Vacina combinada contra sarampo, caxumba e rubéola (vírus vivo) I) Identificação do medicamento FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES USO ADULTO E PEDIÁTRICO Vacina liofilizada para reconstituição com o

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

TEXTO DE BULA DA VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) Excipientes: cloreto de sódio, ácido succínico, polissorbato 80 e água para injeção.

TEXTO DE BULA DA VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) Excipientes: cloreto de sódio, ácido succínico, polissorbato 80 e água para injeção. TEXTO DE BULA DA VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES Cartucho com 1 estojo contendo 1 seringa preenchida com 0,5 ml de suspensão injetável (dose única)

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO Prevenar 13 suspensão injetável Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida) 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA

Leia mais

Vacina combinada contra difteria - tétano - pertussis acelular dtpa-r

Vacina combinada contra difteria - tétano - pertussis acelular dtpa-r Vacina combinada contra difteria - tétano - pertussis acelular dtpa-r I) Identificação do medicamento Vacina combinada contra difteria - tétano - pertussis acelular dtpa-r FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ. 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015

COLÉGIO SÃO JOSÉ. 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015 COLÉGIO SÃO JOSÉ 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015 REINO MONERA - Formado por bactérias (heterótrofas) e algas azuis (autótrofas) Célula bacteriana Ribossomos Citoplasma Membrana

Leia mais

a) as Orientações Técnicas (Circular Normativa nº 08/DT, de 21 de Dezembro de 2005) e toda a informação complementar sobre o PNV;

a) as Orientações Técnicas (Circular Normativa nº 08/DT, de 21 de Dezembro de 2005) e toda a informação complementar sobre o PNV; Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Programa Nacional de Vacinação 2006. Boletins Individuais de Saúde, Fichas Individuais de Vacinação, Mapas para recolha de dados

Leia mais

Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas & Gravidez

Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas & Gravidez 2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas & Gravidez 2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas & Gravidez Módulo I Infecções, Viagens & Gravidez Moderadores: Clara Soares & Fernando Maltez 2º Curso

Leia mais

vacina hepatite B (recombinante)

vacina hepatite B (recombinante) vacina hepatite B (recombinante) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável - Cartucho contendo 1 frasco-ampola com 1 dose de 0,5mL; - Cartucho contendo 20 frascos-ampola com 1 dose de 0,5mL;

Leia mais

Curso Completo de Enfermagem para Concursos Aula nº 8 - Imunização

Curso Completo de Enfermagem para Concursos Aula nº 8 - Imunização Curso Completo de Enfermagem para Concursos Aula nº 8 - Imunização O tema imunização sempre está presente nas provas de enfermagem, sendo complexo em decorrência dos inúmeros detalhes e atualizações constantes.

Leia mais

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS As vacinas conjugadas são aquelas nas quais os antígenos bacterianos são ligados a carreadores protéicos, facilitando o processamento pelos linfócitos T, gerando então,

Leia mais

[cover] Depois de a sua criança ser vacinada

[cover] Depois de a sua criança ser vacinada [cover] Depois de a sua criança ser vacinada Vacinar a sua criança significa que tomou uma decisão importante para a proteger contra uma ou mais doenças infecciosas. Para que saiba o que esperar depois

Leia mais

Responsável Técnico. Dr. José Geraldo Leite Ribeiro - CRMMG 13231

Responsável Técnico. Dr. José Geraldo Leite Ribeiro - CRMMG 13231 Responsável Técnico Dr. José Geraldo Leite Ribeiro - CRMMG 13231 Esta seção destina-se à consulta rápida de profissionais de saúde que indicam e aplicam vacinas. Não visa esgotar cada um dos temas abordados,

Leia mais

Guia Prático de Vacinas 2013

Guia Prático de Vacinas 2013 Guia Prático de Vacinas 2013 Índice 4 7 11 21 27 31 33 37 43 47 51 54 Apresentação Calendário Básico de Vacinação do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde (PNI/MS) 8. Vacina tuberculose

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica)

vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica) 1 vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica) Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável. - Cartucho com uma seringa contendo uma dose de 0,5 ml. - Cartucho com um frasco-ampola contendo

Leia mais

VACINA INATIVADA POLIOMIELITE 1, 2 e 3

VACINA INATIVADA POLIOMIELITE 1, 2 e 3 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE FRIO GOIÁS VACINA INATIVADA POLIOMIELITE 1, 2 e 3 agosto / 2012 A doença poliomielite A poliomielite

Leia mais

TUBERCULOSE O QUE É TUBERCULOSE? UNESC ENFERMAGEM SAÚDE COLETIVA PROFª: FLÁVIA NUNES COMPOSIÇÃO DAS VACINAS COMO SE TRANSMITE A TUBERCULOSE?

TUBERCULOSE O QUE É TUBERCULOSE? UNESC ENFERMAGEM SAÚDE COLETIVA PROFª: FLÁVIA NUNES COMPOSIÇÃO DAS VACINAS COMO SE TRANSMITE A TUBERCULOSE? UNESC ENFERMAGEM SAÚDE COLETIVA PROFª: FLÁVIA NUNES COMPOSIÇÃO DAS VACINAS PRIMEIRA VACINA Foi criada por Edward Jenner em 1789, para a VARÍOLA. A vacina antivariólica é preparada a partir de vírus vivo,

Leia mais

PREVENAR 13 VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA)

PREVENAR 13 VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) PREVENAR 13 VACINA PNEUMOCÓCICA 13-VALENTE (CONJUGADA) I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES Cartucho com 1 estojo contendo 1 seringa preenchida com 0,5 ml de suspensão injetável (dose única)

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

vacina influenza trivalente (fragmentada e inativada) A vacina influenza trivalente (fragmentada e inativada) deve ser administrada por VIA

vacina influenza trivalente (fragmentada e inativada) A vacina influenza trivalente (fragmentada e inativada) deve ser administrada por VIA MODELO DE BULA Página 1 de 7 vacina influenza trivalente (fragmentada e inativada) CEPAS 2014 - Hemisfério Sul FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa com

Leia mais

Palavras-Chave: Vacinas, Esquema Vacinal, Saúde da Criança, Reações Adversas.

Palavras-Chave: Vacinas, Esquema Vacinal, Saúde da Criança, Reações Adversas. INQUÉRITO EPIDEMIOLÓGICO DAS REAÇÕES ADVERSAS PÓS-VACINAL EM CRIANÇAS COM IDADE ENTRE 0 E 5 ANOS Gisele Miranda FPP; Leandro Rozin FPP. RESUMO: A imunização é considerada uma das principais estratégias

Leia mais

Fabiano Oliveira Novaes DEGUSTAÇÃO. Nadja de Carvalho Moreira

Fabiano Oliveira Novaes DEGUSTAÇÃO. Nadja de Carvalho Moreira 9 A Vacinação na Saúde da Criança e o Papel da Enfermagem PROTENF Ciclo 7 Volume 2 Resumo Amanda Souza Rodrigues Fabiano Oliveira Novaes Maria Inês Corrêa Cárcamo Nadja de Carvalho Moreira Suzana Curtinhas

Leia mais

Um guia para as vacinas na infância para bebés até aos 13 meses de idade

Um guia para as vacinas na infância para bebés até aos 13 meses de idade [cover page] Um guia para as vacinas na infância para bebés até aos 13 meses de idade Vacinação A forma mais segura de proteger a sua criança [page 2] As duas intervenções de saúde pública que tiveram

Leia mais

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE MAIO - 2001 Ministério da Saúde Departamento de Saúde da Comunidade 1 INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE No mês de Julho de 2001, o Programa

Leia mais

CRIE CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS

CRIE CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CRIE CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS Os Centros de referência de Imunobiológicos Especiais (CRIE) têm como finalidade facilitar o acesso à população, em especial

Leia mais

VACINA CONTRA FEBRE AMARELA (VÍRUS ATENUADOS)

VACINA CONTRA FEBRE AMARELA (VÍRUS ATENUADOS) VACINA CONTRA FEBRE AMARELA (VÍRUS ATENUADOS) Formas farmacêuticas e apresentações: Pó liofilizado injetável + diluente para reconstituição. - Cartucho contendo 1 frasco-ampola com 1 dose liofilizada +

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

VACINAÇÃO DE GESTANTES

VACINAÇÃO DE GESTANTES VACINAÇÃO DE GESTANTES Renato de Ávila Kfouri INTRODUÇÃO A vacinação de grávidas muitas vezes pressupõe oportunidades perdidas de vacinação da mulher, antes da concepção. Doenças imunopreveníveis deveriam

Leia mais

vacina febre tifóide (polissacarídica)

vacina febre tifóide (polissacarídica) vacina febre tifóide (polissacarídica) Forma farmacêutica e apresentações: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de uma dose de 0,5 ml; - Cartucho contendo vinte seringas de uma dose de

Leia mais

Esta vacina pode conter traços de polimixina B, neomicina e formaldeído.

Esta vacina pode conter traços de polimixina B, neomicina e formaldeído. MODELO DE BULA Vacina acelular adsorvida contra difteria, tétano, coqueluche e poliomielite inativada combinada com vacina conjugada com proteína tetânica contra Haemophilus influenzae tipo b Forma farmacêutica

Leia mais

ebre Amarela FVacina contra a Febre Amarela

ebre Amarela FVacina contra a Febre Amarela ebre Amarela Vacina contra a ebre Amarela No Brasil, a vacina contra a febre amarela começou a ser administrada em 1939. Com sua utilização, foi possível, em 1942, a erradicação da ebre Amarela Urbana

Leia mais

IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014

IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014 DISCIPLINA: PEDIATRIA III (PED014) IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014 Jorge A. Pinto Departamento de Pediatria - FMUFMG Imunização Conceitos básicos Calendário de imunização da criança

Leia mais

VACINAS. Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194

VACINAS. Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 VACINAS Monitor: Alessandro Almeida Sumário 1 Introdução... 1 2

Leia mais

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Gripe A Dr. Basil Ribeiro Medicina Desportiva Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Vírus H1N1 - Introdução Gripe dos porcos altamente

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

Enfermagem. Imunização 2016

Enfermagem. Imunização 2016 Enfermagem Imunização 2016 Imunização O tema imunização sempre está presente nas provas de enfermagem, sendo complexo de ser estudado em decorrência dos inúmeros detalhes e atualizações constantes. Esta

Leia mais

PORTARIA Nº 069 - DGP, DE 17 DE ABRIL DE 2003

PORTARIA Nº 069 - DGP, DE 17 DE ABRIL DE 2003 PORTARIA Nº 069 - DGP, DE 17 DE ABRIL DE 2003 Aprova as Normas Técnicas sobre Vacinação e Uso de Imunobiológicos no Exército. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO PESSOAL, de acordo com o art. 117 das Instruções

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais